Você está na página 1de 8

Apresentação

Aavaliação é uminstrumento fundamental para se obter


informações sobre o processo ensino-aprendizagem,
embora a avaliação esteja intimamente relacionada aos
objetivos visados. Estes nem sempre se realizam
plenamente para todos os alunos. Por isso, critérios de
avaliação devemser claros e ter a função de indicar as
expectativas deaprendizagempossíveis deser atingidas
pelosalunosaofinal decadaciclo.
Aescolanãopodeestar desvinculadadavida, domundo
que a rodeia, mas tem de estar em sintonia com a
comunidade e com o tempo em que vivemos. Logo a
escolaresponsável nãoensinaamemorizar, mas refletir,
desafiar o censo comum, aprender a pesquisar saber
trocar idéias, ou seja, aprender a
aprender aprendendo.

Objetivos

• Compreender a avaliação como um

processo permanente de aprendizagem, dinâmico e


transformador do contexto social, político, cultural e
econômico, para comisso podermos construir uma
educaçãomaisdemocráticaeigualitária;
• Discutir as diferentes concepções de

avaliação e as práticas avaliativas recorrentes nas


escolas;
• Refletir sobre a elaboração dos instrumentos
avaliativos.

Metodologia

DinâmicadeApresentação:

Dinâmica“DasDiferenças”

Material: Pedaçodepapel embranco, caneta


Procedimentos: O condutor da dinâmica distribui folhas
de papel sulfite em branco e canetas para o grupo. O
condutor da dinâmica pede que ao dar um sinal todos
desenheoque elepedir semtirar acanetadopapel. Ele
pede que iniciem, dando o sinal. Pedemque desenhem
um rosto com olhos e nariz. Em seguida, pede que
desenhem uma boca cheia de dentes, continuem o
desenho fazendo pescoço. E importante ressaltar
sempre que não se pode tirar o lápis ou a caneta do
papel. Pede que todos parem de desenhar. Todos
mostram seus desenhos. O condutor da dinâmica
ressalta que não há nenhum desenho igual ao outro,
portanto, todos percebema mesma situação de diversas
maneiras, que somos multifacetados, poremcomvisões
de mundo diferentes, por este motivo devemos respeitar
opontodevistadooutro.

FasedeSensibilização

Após a socialização da dinâmica, levantar alguns


questionamentospertinentesaotema“avaliação” como:
• Comovocêsesentequandoavaliado?
• Oquelhemarcouquandofoi avaliado?
• Comovocêavalia?
• Suas avaliações contribuem para o crescimento do
aluno?
• Quaisostiposdeavaliaçãoqueconhece?
• Por que os momentos de avaliação podemdeixar as
pessoasdesconfortáveis?

Fasedefundamentaçãoteórica

Este estudo pretende levar os educadores a


compreenderem que a avaliação é um processo
complexo, comformulaçãodeobjetivos equerequer a
elaboração de meios para se obter resultados.
Pretende-setambém, apartir daanálisedaconcepção
dos autores a cerca do papel da avaliação
educacional, contribuir para redimensionar essa
prática nas escolas, conscientizando os educadores
da necessidade de substituírem velhos hábitos,
levando-os a compreender que a concepção da
avaliação deve ser vinculada à concepção de
mundo,de sociedade e de ensino que queremos,
permeando toda a prática pedagógica e as decisões
metodológicas. Segundo PERRNOUD (2000),
“Normalmente, defini-se o fracasso escolar como a
conseqüências de dificuldades de aprendizagem e
como a expressão de uma “falta objetiva” de
conhecimentos e de competências. Esta visão que
“naturaliza” o fracasso impede a compreensão de que
ele resulta de formas e de normas de excelência que
foram instituídas pela escola, cuja execução revela
algumas arbitrariedades, entre as quais definição do
nível de exigência do qual depende o limiar que
separa aqueles que têm êxito daqueles que não o
têm.”
A avaliação é um processo paralelo ao processo
ensino - aprendizageme deve ser permanente. Para
HADJI (2001), “A passagem de uma avaliação
normativa para uma formativa, implica
necessariamente uma modificação das práticas do
professor emcompreender o aluno e, nãosó doponto
departida, mas tambémo dechegada. Seuprogresso
só será percebido quando comparado com ele
mesmo.”
Apartir dessa concepção de avaliação, acredita-se na
escola cidadã e democrática, onde se possa caminhar
para uma educação em que o conhecimento não
tenha uma estrutura extática, mas seja umprocesso
de descobertas mediatizadas pelo diálogo entre
educador eeducando. Nesseprocessodeavaliação, o
professor deve conhecer seus alunos, avanços e
dificuldades, equeopróprioalunodevaaprender ase
avaliar descobrir o que é preciso mudar para garantir
melhor desempenho. Segundo LIBÂNEO (1999): “A
função nuclear da avaliação é ajudar o aluno a
aprender e ao professor o redimensionamento de sua
prática, determinando tambémquanto e emque nível
os objetivos estãosendoatingidos. Paraissoépreciso
ousodeinstrumentoseprocedimentosadequados.”
Expressões e conceitos como os de avaliação inicial,
formativa e somatória passaram a fazer parte da
bagagem profissional dos educadores, Esses
diferentes tipos de avaliação desempenham funções
diferentes. Emhora ainda escassos começa-se a ter
alguns instrumentos de avaliação fáceis de utilizar, no
entanto, apesar de todas essas contribuições, a
avaliação continua sendo um dos ingredientes da
atividade do professor que ainda causa muitas
dúvidas, dificuldades e contradições .Para LUCKESI
(2002): A avaliação, diferentemente da verificação,
envolve um ato que ultrapassa a obtenção da
configuração do objeto, exigindo decisão do que fazer
ante ou com ele. “A verificação é uma ação que
congela o objeto; a avaliação por sua vez direciona o
objetonumatrilhadinâmicadeação.”
Aavaliaçãodaaprendizagemtraduz deformaexplicita
a proposta educacional da escola, como um
instrumento de ensino que temrituais definidos pelos
dirigentes escolares, suas decisões têmconseqüência
no cotidiano da escola e refletem a proposta
educacional vivida efetivamente, Assim, os problemas
que a avaliação apresenta, estão relacionados á
proposta que direciona a prática docente, as relações
de trabalho definidas pela escola e as orientações
pedagógicasquenorteiamaavaliação.
Fasedeaplicaçãodotema

• Dinâmicadeapresentação;
• Provocação sobre avaliação através de
questionamentos;
• Conversandosobreavaliação;
• Formaçãodegrupos;
• Relatosdeexperiênciasexitosas;
• Apresentação de slide (tipos de avaliação e
instrumentosparaumaboaavaliação);
• Análisedositensdeavaliação;
• Socialização.

Discussãosobreatemáticaabordada

Comparação entre a concepção tradicional de avaliação


comumamaisadequada(AdaptaçãodeLuckesi -2002).

Avaliação dos trabalhos realizados durante a


oficina

Através de questionamentos: Pontos positivos e


Negativos
Cargahorária

Cronograma
Horas Tempo Atividadesaseremrealizadas
Previsto
08:00h 15min. Dinâmicadeapresentação
08h 15min. 20min. Provocação sobre avaliação
atravésdequestionamentos
08h 35min. 30min. Conversandosobreotema
09h 05min. 30min. Formaçãoediscussãodegrupos
09h 35min. 10min. Relatosdeexperiênciasexitosas
09 h45min. 15min. Intervaloparaolanche
10 h00min. 30min. Apresentaçãodeslide
10h30min. 20min . Análisedositensdeavaliação
10h50min . 30min. Socialização
11h2 0min. 30min. Discussão sobre o tema
abordado
11h50min. 10min. Avaliação dos trabalhos durante
aoficina
12h oomin. Encerramento

Recursosnecessários

Slides, papel ofício, caneta, lápis,

Equipe

• Ednasena
• MiriamPereira
• SilvinaSantana
• VanessaSouza