Você está na página 1de 99

Daniel Caetano de Figueiredo

A Família Carneiro

Sapó – Santana do Acaraú- Ceará

(1744-2010)

Sobral – Ceará - Brasil 01 de Maio de 2010

2

DEDICO ESSE LIVRO

a Deus , o Ser Supremo que em sete dias criou os

Céus, a Terra e todo o seu Exército; e cujas as mãos guiaram-me na elaboração deste singelo Trabalho;

a meu querido, inesquecível e insubstituível pai, Caetano Saboia de Albuquerque Figueiredo , que ensinou- me o amor às Letras e aos Números , à Verdade e à Justiça ;

à Ana Frieda e Caetano Neto , meus queridos filhos e motivo maior do meu viver ;

dedicada mulher.

à

Maria

Veralucia

Carneiro

(Verinha),

minha

à minha mãe Maria Luiza e às minhas irmãs Sara e Nazira;

a Ernesto Saboia de Figueiredo(i.m) , Maria

Figueiredo Mendes (Ia)(i.m) , Antonina Figueiredo Frota (Nena)(i.m) e José Albuquerque de Figueiredo (Zequinha)(i.m), meus tios;

a Antônio de Paula Pessoa de Figueiredo(i.m) e Antônia Ernestina Saboia de Figueiredo (Totonha)(i.m), meus avós paternos;

a

Carneiro(i.m.), Raul Carneiro (i.m), Geraldo Raul Carneiro, Socorro Carneiro(Corrinha);

Pinto

Miguel

Deroci

Carneiro(i.m),

Geralda

Dedico ainda para:

Prof. Antônio Colaço Martins, Magnífico Reitor da Universidade Estadual Vale do Acaraú;

Ana Maria Selvati e José Osmar Vasconcelos

Filho(Mazinho), pelas importantes informações fornecidas ao Autor.

3

O LIVRO DE ECLESIASTES OU O PREGADOR 1 PALAVRAS do pregador, filho de Davi, rei em Jerusalém. 2 Vaidade de vaidades, diz o pregador, vaidade de vaidades! Tudo é vaidade.

3 Que proveito tem o homem, de todo o seu trabalho, que faz debaixo do sol? 4 Uma geração vai, e outra geração vem; mas a terra para sempre permanece. 5 Nasce o sol, e o sol se põe, e apressa-se e volta ao seu lugar de onde nasceu. 6 O vento vai para o sul, e faz o seu giro para o norte; continua- mente vai girando o vento, e volta fazendo os seus circuitos.

7 Todos os rios vão para o mar, e

contudo o mar não se enche; ao lugar para onde os rios vão, para ali tornam eles a correr. 8 Todas as coisas são trabalhosas; o homem não o pode exprimir; os olhos não se fartam de ver, nem os ouvidos se enchem de ouvir. 9 O que foi, isto é o que há de ser; e o que se fez, isso se fará; de modo que nada há de novo debaixo do sol.

10 Há alguma coisa de que se

possa dizer: Vê, isto é novo? Já foi nos séculos passados, que foram antes de nós. 11 Já não há lembrança das coisas que precederam, e das coisas que hão de ser também delas não haverá lembrança, entre os que

hão de vir depois.

14 Atentei para todas as obras

que se fazem debaixo do sol, e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito.

18 Porque na muita sabedoria há muito enfado; e o que aumenta em

4

conhecimento, aumenta em dor.

SALMO 23 A felicidade de termos o Senhor como nosso pastor Salmo de Davi 23 O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. 2 Deitar-me faz em verdes pas- tos, guia-me mansamente a águas tranqüilas. 3 Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome. 4 Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria. mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam. ) O Evangelho segundo Mateus

(

Genealogia de Jesus Cristo 1 LIVRO da geração de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. 2 Abraão gerou a Isaque; e Isaque gerou a Jacó; e Jacó gerou a

Judá e seus irmãos; 3 E Judá gerou, de Tamar, a

Perez e a Zerá; e Perez gerou a Esrom; e Esrom gerou a Arão;

4 E Arão gerou a Aminadabe; e

Aminadabe gerou a Naasssom; e Naassom gerou a Salmon;

5 E Salmom gerou, de Raabe, a

Boaz; e Boaz gerou de Rute a Obede; e Obede gerou a Jessé;

6 E Jessé gerou ao rei Davi, e o

rei Davi gerou a Salomão da que

foi mulher de Urias.

7 E Salomão gerou a Roboão; e

Roboão gerou a Abias; e Abias Gerou a Asa;

8 E Asa gerou a Josafá; e Josafá gerou a Jorão; e Jorão gerou a Uzias;

9 E Uzias gerou a Jotão; e Jotão gerou a Acaz; e Acaz gerou a Ezequias; 10 E Ezequias gerou a Manassés; e Manassés gerou a Amom; e Amom gerou a Josias; 11 E Josias gerou a Jeconias e a seus irmãos na deportação para

5

Babilônia.

12 E, depois da deportação para

a Babilônia, Jeconias gerou a Sala- tiel; e Salatiel gerou a Zorobabel;

13

E Zorobabel gerou a Abiúde;

e

Abiúde gerou a Eliaquim; e Eliaquim gerou a Azor;

14 e Azor gerou a Sadoque; e

Sadoque gerou a Aquim; e Aquim

Gerou a Eliúde;

15 E Eliúde gerou a Eleázar; e

Eleázar gerou a Matã; e Matã

gerou a Jacó;

16 E Jacó gerou a José, marido

de Maria, da qual nasceu JESUS, que se chama Cristo.

17 De sorte que todas as gera-

ções , desde Abraão até Davi, são

catorze gerações; e desde Davi até

a deportação para a Babilônia,

catorze gerações; e desde a depor- tação para a Babilônia até Cristo, catorze gerações;

Provérbios

24. Melhor é morar só num canto de telhado do que com a mulher briguenta numa casa ampla.

6

PREFÁCIO

Em dezembro de 1999, passando o Natal com minha família na localidade de Itans, Distrito de Morrinhos, Ce, na casa de parentes de minha mulher, ocorreu-me a idéia de fazer um trabalho sobre a família Carneiro, à qual ela pertence. Em conversas com meu sogro, Sr. Miguel Deroci Carneiro, possuidor de memória aguçada apesar dos seus 91 anos de idade , na época, comecei a fazer o esboço genealógico desta família. A espinha dorsal da Família Carneiro me foi passada por Seu Miguel, que disse-me: " todas as pessoas da família Carneiro daqui da região descendem de Manoel Carneiro da Costa, que morou em Sapó Velha". Seu Raul Carneiro, irmão de Miguel Deroci, na época com a idade de 88 anos e em completa lucidez, também muito contribuiu para as informações iniciais acerca da família em questão.

De fato, à página 148 do excelente livro CRONOLOGIA SOBRALENSE, vol. 1, de autoria do conceituado Historiador Cônego Francisco Sadoc de Araújo, encontramos: "Neste ano(1744), em dia e mês que não conseguimos apurar, casou-se o Tenente João Carneiro da Costa, filho do Alferes Diogo da Costa Calheiros e Dona Joana Carneiro Brito, naturais de Santo Amaro de Jaboatão. Foi o terceiro marido de Teresa de Jesus, filha do Capitão Cosme Frazão de Figueroa e Maria Coelho de Vasconcelos. Este casal residia na Fazenda Sapó e é tronco da família Carneiro, tão numerosa nesta Ribeira. A Fazenda Sapó pertencera a Sebastião de Sá que teve seus bens seqüestrados e arrematados em Aquiraz. Esta Fazenda foi comprada em hasta pública, por 200$000, por Manoel Teixeira Varela, segundo marido de Teresa de Jesus, e com o dinheiro desta arrematação foi paga uma dívida que o Coronel Sebastião de Sá contraíra com José Correia Peralta.

7

AS PRIMEIRAS VILAS DO CEARÁ

1. a Aquirás - 25 de janeiro de 1700. 2. a Fortaleza- 13 de abril de 1726. 3. a Icó - 04 de maio de 1738. 4. a Aracati - 10 de fevereiro de 1748. 5. a Monte Novo - 14 de abril de 1764. 6. a Crato - 29 de junho de 1764. 7. a Sobral - 05 de Julho de 1773. 8. a Granja - 27 de junho de 1776. 9. a Quixeramobim - 13 de junho de 1789. *Dados da História da Província do Ceará.(Conforme Ismar de Melo Torres, in GENEAGRAFIA E HISTÓRICO DE CRATEÚS.)

NOMES ANTIGOS DE ALGUMAS CIDADES DO CEARÁ

Acaraú – Porto dos Barcos do Acaraú, Barra do Acaraú, Oficinas, Acaracu. Alcântaras - Sítio São José, São José dos Alcântaras. Barbalha- Salamanca, Cetama. Bela Cruz- Alto da Genuveva, Santa Cruz. Brejo- Brejo de Anapurus. Capistrano - Riachão, Capistrano de Abreu. Carnaubal – Carnaubal dos Estorgios. Chaval- Ibuaçu. Cariré- Lagoa do Mato. Coreaú- Várzea Grande, Palma. Crateús- Piranhas, Príncipe Imperial. Crato- Missão do Miranda, Aldeia do Brejo, Vila Real do Crato. Granja- Macaboqueira. Ibiapina- São Pedro de Ibiapina.

8

Iguatú - Telha. Ipu- Vila Nova do Ipu Grande. Irauçuba- Cacimba do Meio. Itapagé- Riacho do Fogo, São Francisco de Uruburetama. Itapipoca- Imperatriz. Jaguaretama – Riacho do Sangue, Frade. Lavras de Mangabeira- Mangabeira, Lavras,São Vicente Ferrer, São Gonçalo das Lavras. Limoeiro do Norte - Limoeiro. Marco- Marco, São Manoel de Marco. Martinópole- Córrego da Angica. Massapê- Massapê, Serra Verde. Milagres- Povoação Nossa Sra. dos Milagres, Vila dos Milagres. Mombaça- Maria Pereira. Moraújo - Pedrinhas. Morrinhos- Alto das Flores, Morrinho Alto das Flores. Nova Russas- Curtume. Palmácia- Arraial das Palmeiras, Palmácea. Paracuru - Alto Alegre do Parazinho. Pentecostes- Barra da Conceição. Reriutaba- Santa Cruz, Santa Cruz do Norte. Russas - Russas, São Bernardo do Governador, São Bernardo de Russas. Saboeiro- Santa Cruz, Caracará(Carcará).

Santana do Acarau- Olho d’Água, Curral Velho, Licânia, Santana. Santa Quitéria- fazenda Cascavel. São Benedito- São Benedito da Ibiapaba. São Gonçalo do Amarante- Anacetaba. Sobral- Caiçara, Vila Distinta e Real de Sobral, Fidelíssima Cidade Januária do Acaraú. Tauá - São José do Príncipe, São João do Príncipe dos Inhamuns Tianguá- Chapadinha, Barrocão. Ubajara- Jacaré. Uruburetama- Sítio Arraial, Vila de São João de Uruburetama, Arraial. Viçosa- Vila Viçosa Real,Ibiapaba, Viçosa do Ceará.

*Conforme o Pe. e Historiador João Mendes Lira, em SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA ECLESIÁSTICA E POLÍTICA DO CEARÁ, 1984, Rio de Janeiro.

Acrescentamos, ainda:

Jucás - Vila de São Mateus. Boa Viagem - Povoação de Cavalo Morto. Independência - Pelo Sinal. Groaíras - Riacho dos Guimarães. Barroquinha - Paço Imperial. Paracurú - Vila de Alto Alegre.

9

Apuiarés - Jacú. Caucaia - Soure. Meruoca - Beruoca. Massapê - Vila Verdade. *A maioria destas últimas informações foram transmitidas ao Autor pelo Prof. Universitário Almino Rocha Filho.

NOMES ATUAIS DE ANTIGAS RUAS E PRAÇAS DE SOBRAL

Rua Domingos Olímpio - R. Marquês de Herval, Rua da Aurora, R. Desembargador Moreira da Rocha. Rua Cel. Ernesto Deocleciano - Rua Nova do Rosário, Rua do Campelo. Av. Dr. Guarany - Rua da Cruz das Almas, Boulevard Dom Pedro II. Av. Dom José - Rua da Vitória, Rua Senador Paula. Rua Diogo Gomes - Rua dos Cocos. Rua Pe. Fialho - Rua Nossa Senhora do Bom Parto, Rua Santo Antônio. Praça Senador Figueira - Praça da Fortaleza, Praça Dr. João Tomé. Praça Dr. José Saboia - Praça Barão do Rio Branco, Praça do Mercado, Praça da Coluna da Hora. Rua Oriano Mendes - Rua do Oriente. Rua Deolindo Barreto - Rua Maestro José Pedro. Rua Conselheiro Rodrigues Júnior - Rua da Gangorra. Rua Cel. José Saboia - Rua Velha do Rosário.

10

Praça Samuel Gomes da Ponte - Praça João Pessoa. Rua Cel Joaquim Ribeiro - Rua do Cisco, Rua da Palma. R. Conselheiro José Júlio - Rua Augusta, Rua Jacinto Tercio Gondim. Rua das Dores - Rua do Rio. Rua do Menino Deus - Rua Grande, Rua da Penha, Rua do Negócio. Praça da Várzea - Rua Campina da Jurema. Praça Duque de Caxias - Praça Imperial, conhecida como Praça do Siebra, Praça do Bosque. Praça Professor Arruda - Praça da Boa Vista, Pracinha do Amor. Praça General Tibúrcio - Praça da Meruoca.

OS MENINOS" IMPERADORES "DE SOBRAL

O historiador Alberto Amaral escreveu em sua excelente obra Para a História de Sobral, hoje rarissimamente encontrada :

"É de 1918 o último "Imperador", extinguindo-se uma tradição que em Sobral provinha da primeira metade do século passado. Consistia na escolha anual, por sorteio, de um menino que presidia simbolicamente as festividades do Divino Espírito Santo. Esta escolha, firmada no critério de recair sobre uma criança cujos pais se credenciavam à consideração dos paroquianos, excluia por outro lado a possibilidade de contemplar mais de um filho do mesmo casal. No primeiro dia da novena de junho consagrada ao Divino Espírito Santo, tinha lugar na Matriz a entronização do “Imperador”, que, cingindo à testa sua famosa coroa, empunhava garbosamente o cetro.

11

Era assim paramentado que ele, concluída a cerimônia na Igreja, voltava em cortejo à casa paterna, dando início às danças, que em alguns casos se repetiam todas as noite do período novenal. No dia seguinte ao da derrradeira novena, domingo do Espírito Santo, após a missa, realizava-se

1854 - Vicente, filho

Gomes.

1855 - não houve.

1856 - Joaquim, filho

Franca.

do Major Sancho Ferreira

do Cel. Joaquim Lourenço

1857 - Emílio, filho do Major Manoel Francisco de

o

sorteio do “Imperador” para o ano seguinte.

Morais.

(

)

A relação nominal dos “Imperadores”, de 1847 a

1858

-

José,

filho

do

Capitão

Galdino

Alves

1918, que abaixo transcrevo, foi gentilmente enviada a

meu pedido por S. Ex a Revma. D. José Tupinambá da

Frota.(

Relação dos meninos “Imperadores” e dos seus pais,

).

Cavalcante.

1859 -Alfredo, filho do Capitão Manoel Marinho

Lopes de Andrade.

1860 -

Petronilho,

filho

do

Major

Trajano

José

a

contar do ano em que chegou à freguesia de Sobral

Cavalcante.

o

Vigário Francisco Jorge de Sousa.

1861

- João, filho do Major Frederico Rodrigues

1847 - Rufino, filho do Cel. Rufino Furtado de

Mendonça.

1848 - José, filho do Maj. Miguel Francisco do

Pimentel.

1862 - Candido, filho do Comendador João Mendes

da Rocha.

Monte.

1863

- João, filho do Dr. João Felipe

Bandeira de

1849

- Francisco, filho do Maj. Joaquim Lopes dos

Melo.

Santos.

1850 - Estevão, filho do Capitão Cesário Ferreira da

Costa. 1851 - João, filho do Major João Antonio Cavalcante.

1852 - não houve.

1853 - João, filho do Cel. João Thomé da Silva.

1864 - não houve.

1865 - Diogo, filho do Cel. Diogo Gomes Parente.

1866 - Thomaz, filho do Dr. Vicente Alves de Paula

Pessoa.

1867 - Felinto, filho do Capitão Antonio Raymundo

Cavalcante.

1868 -Pedro, filho do Coronel José Gomes Rodrigues

de Albuquerque.

12

1869

- Vicente, filho do Major Vicente Severino

1882

- Raimundo, filho

do Ten. Cel. João Felipe

Duarte.

Frota.

1870

- Cesario, filho do Capitão Cesario Ferreira

1883

- João, filho do Maj. Manoel Felizardo Pereira

Gomes.

Mendes.

 

1871

- Vicente, filho do Coronel Francisco Alves da

1884

- Eurico, filho do Dr. João Francisco do Monte.

Fonseca.

 

1885

- José, filho

do Cel. José Figueira de Saboia e

1872

-

Francisco,

filho

do

Conselheiro

Antonio

Silva.

Joaquim Rodrigues Junior.

 

1886

- José, filho do Sr. Manoel Arthur da Frota.

1873

- João, filho do do Ten. Cel. Antonio Regino do

1887

- Luiz, filho

do Sr. José Silvestre Gomes

Amaral.

 

Coelho.

1874 - Antonio, filho do Major João Ferreira da

Rocha Frota.

1975 - Joaquim, filho do Major Joaquim Rodrigues de

Albuquerque.

1888 - Alexandre, filho do Sr. Alexandre Mendes.

1889 - Antenor, filho

do Sr. José Vicente Franca

Cavalcante.

1890 - Alarico, filho do Cel. Antonio Mont’Alverne.

1876

José,

filho

- Oliveira Gondim.

do

Capitão

Jacinto

Tercio

de

1891 - Alfredo, filho

Andrade.

do Dr. Alfredo Marinho de

1877

Julio,

filho

- Albuquerque Rodrigues.

do

Coronel

Francisco

de

1892 - Sergio, filho do Sr. Adolfo Saboia.

1893 - Não houve.

José,

Vasconcellos.

1878 -

filho

do

Major

Joaquim

da

Frota

1894 - Massillon, filho do Cel. Ernesto Deocleciano

de Albuquerque.

1879

-

João, filho do

Major Antonio Rangel do

1895

- Oscar, filho do Sr. José Porfirio de Paula.

Nascimento.

1896

- Não houve.

 

1880

- Francisco, filho do Coronel João Evangelista

1897

-

Manoel

,

filho

do

Sr.

Vicente

Adeodato

da Frota.

 

Carneiro.

 

1881 - Fenelon, filho do Capitão Manoel Saboia de

Castro.

1898 - Cesario, filho do Dr. Vicente Cesario Ferreira

Gomes.

1899 - Oscar, filho do Sr. Frederico Bessa .

13

1900 - Pedro, filho do Cel. José Ignacio Parente.

1901 - Francisco, filho do Dr. João Julio de Almeida

Monte.

1902 - José, filho do Coronel José Candido de Souza

Carvalho.

1903 - José, filho do Sr. Francisco de Paula Pessoa.

1904 - Francisco, filho do Sr. Ernesto Esperidião

Saboia de Albuquerque.

filho do Sr. Cesario Pompeu

Magalhães.

1905 -

Thomaz

,

1906 - Antonio, filho do Sr. Antonio Frutuoso Frota.

1907 - Caetano, filho do Dr. Antonio de Paula Pessoa

de Figueiredo.

1908 - Edson, filho do Sr. Henrique Severino Duarte.

1909 - Nilo, filho do Sr. Domingos Deocleciano de

Albuquerque.

1910 - Antonio, filho do Sr. Francisco Rodrigues dos

Santos.

1911

-

Ernesto,

filho

do

Dr.

José

Saboia

de

Albuquerque.

 

1912

-

Ernesto,

filho

do

Cel

Vicente

Saboia

de

Albuquerque.

1913 - Manoel, filho do Sr. Antonio Rodrigues dos

Santos.

1914 - João, filho do Sr. Francisco Petronilho Gomes

Coelho.

1915 - Humberto, filho do Sr. John Sanford.

1916 - José, filho do Sr. Francisco Porfírio da Ponte.

1917 - José, filho do Sr. Oswaldo Rangel Parente.

1918 – Danilo, filho Borges.

do

Sr. Joaquim da Silveira

(Conforme Alberto Amaral in Para a História de Sobral, R.J, 1951.)

14

BARÕES ANTIGOS

Barão de Aquiraz – Gonçalo Baptista Vieira. Barão de Aracati – José Pereira da Graça. Barão de Aratanha – José Francisco da Silva Albano. Barão de Canindé – Paulino Franklin do Amaral. Barão de Camocim – Geminiano Maia. Barão do Crato – Bernardo Duarte Brandão. Barão de Ibiapina – Joaquim da Cunha Freire. Barão de Messejana – Antonio Candido Antunes de Oliveira. Barão de S. Leonardo – Leonardo Ferreira Marques. Barão de Sobral – José Júlio de Albuquerque Barros. Barão de Studart – Guilherme Studart. Barão de Vasconcelos – Rodolpho Smith de Vasconcelos.

ORIGENS DA CIDADE DE SOBRAL

Escreve Alberto Amaral em seu livro PARA A HISTÓRIA DE SOBRAL:

" DA CAIÇARA A SOBRAL

O Capitão Antonio Rodrigues Magalhães e sua mulher Quiteria Marques de Jesus, além da fazenda do Macaco, onde moravam, possuiam na mesma Ribeira do Acaraú , povoação da Caiçara, um "sitio" de 100 braças de terra em quadro. Perante o tabelião Roque Correia Marreyros, por escritura de 6 de dezembro de 1756, fizeram doação do "sitio" para patrimônio de Nossa Senhora da Conceição, orago da freguesia da Caiçara. O documento indica as esquinas da antiga Capela como pontos de referência para a demarcação da área doada. Uma das confrontações rumava da esquina da sacristia à ribanceira do Acaraú. Segundo uma outra indicação veiculada pela tradição oral, consta que a atual rua do Portela é o logradouro mais antigo nas imediações, onde ficava a

15

casa da Fazenda Caiçara. Havia tambem uma lagôa - a única, aliás, nas proximidades - "a lagôa da Fazenda" , assim chamada por fazer parte da estância. Caiçara, vocábulo indigena, quer dizer " cercado velho ". Na humilde condição de povoado, sem embargo de seu acelerado crescimento, permaneceu Caiçara até o ano de 1773. A 5 de julho de 1773 ganhou fóros de Vila, em cumprimento da Carta Régia de 22 de julho de 1776 expedida ao Governador de Pernambuco, Manoel da Cunha Menezes. Não havia especifica menção da Caiçara nessa Ordem Real. Seu propósito era dar corretivo aos nômades turbulentos que traziam em dasassossego a Capitania, "para que se ajuntassem em povoações com mais de cinquenta fogos, repartindo-se entre êles com justa proporção as terras adjacentes, sob pena dos refratários serem considerados inimigos e como tais punidos severamente". Demorou sete anos para que chegasse a vez da Caiçara tornar-se Vila. Mereceu a incumbência de erigi-la o Ouvidor Geral e Corregedor da Comarca do Ceará Grande, Dr. João da Costa Carneiro e Sá, que, congratulando-se com os novos municipes, foi buscar do logar em que nascera, no concelho ou distrito de Vizeu, ao norte de

Portugal, o nome da vila recem-creada : SOBRAL, ou melhor- "Vila Distinta e Real de Sobral". Quando à septuagenária Vila foi outorgado o predicamento de Cidade, os sobralenses experimentaram uma surpresa e uma decepção. O presidente da provincia, José Martiniano de Alencar, estivera um mês antes em Sobral para sufocar a rebelião deflagrada pelas forças que seguiram para combater os balaios. Na noite de 11 de dezembro de 1840 o grupo sedicioso capitaneado por Francisco Xavier Torres tentou a deposição do presidente, que se hospedara na casa do Senador Francisco de Paula Pessoa, à rua da Vitória, hoje Senador Paula. A hospitaleira mansão, a que o destino reservara honrosas finalidades, pois veio a ser sede do Bispado de Sobral, e readaptada para modelar educandário, o "Ginásio Sant'Ana", ficou ainda em nossa história como "Residência do Govêrno do Ceará", tal qual precede a assinatura do presidente Alencar na Ordem de 12 de dezembro de 1840, adiando as eleições pelo tempo necessário à pacificação geral da Provincia. Um dos seus primeiros atos, de regresso à capital, foi dar andamento à lei elevando a vila à categoria de cidade, lei que tomou o n o 229, de 12 de janeiro de 1841, com o seguinte texto:

16

"Art o 1 o - Fica elevada à categoria de Cidade a antiga vila de Sobral, com o titulo de - Fidelissima Cidade Januária do Acaraú. "Art o 2 o - Revogam-se as disposições em contrário." Reconhecido embora à hospitalidade sobralense, o presidente provincial José Martiniano de Alencar denunciava por outro lado com seu ato o intuito de lisonjear a Familia Imperial, na pessoa da Princesa Januária, irmã de D. Pedro II. Os sobralenses, por seu turno, não lhe perdoaram a subalternidade, que lhe viria arrebatar o nome batismal da cidade, Ante a repulsa unânime da população sobralense,

o

artigo 2 o da referida lei apenas conseguiu subsistir

por um ano. Ao presidente Alencar sucedeu, na chefia do executivo provincial, o Dr. José Joaquim Coelho, que,

sancionando a lei n.244, de 25 de outubro de 1842,

PREFEITOS DE SOBRAL (Desde o advento da República)

Dr. Vicente Cesar Ferreira Gomes Cel. José Ferreira Gomes

Rosendo Augusto de Siqueira 1892/1902 Dr. Alfredo Marinho de Andrade 1902/1904 Cel. José Ignacio Alves Parente 1904/1908 Cel. Frederico Gomes Parente 1908/1912 Cel. José Candido Gomes Parente 1912/1914

Francisco Porfirio da Ponte

Cel. Frederico Gomes Parente 1914/1916

Dr. José Jacome de Oliveira

Henrique Rodrigues de Albuquerque 1920/1923

Antonio Mendes Carneiro

Ernesto Marinho de Albuquerque

1890

1891/1892

1914

1916/1920

1923

devolveu à nossa Cidade o nome que pertencia à vila:

Andrade 1924/1928

 

"

A cidade de Januária se denominará doravante

1928

1928/1930

Cidade de Sobral."

Monsenhor Fortunato Alves Linhares Dr. José Jacome de Oliveira

Rio de Janeiro, 10 de maio de 1950. "

Arthur da Silveira Borges

1930/1932

Ten. Floriano Machado

1932

Dr. Paulo de Almeida Sanford

1932

Alpheu Ribeiro Aboim

1933

Dr. Leocadio de Araujo Júnior 1934/1935

17

Ataliba Daltro Barreto

Vicente Antenor Ferreira Gomes 1935/1944

1935

SOBRAL DE MINHA INFÂNCIA

Dr. João de Alencar Mello

1944/1945

Dr. Arnaud Ferreira Baltar

1945

Randal Pompeu de Saboya Magalhães

1945/1946

Dr. João de Alencar Mello

1946

Nossa querida cidade sempre foi muito agradável

Dr. José Gerardo Frota Parente

1947

e hospitaleira para os seus habitantes nativos, ou

Ataliba Daltro Barreto

1947/1948

mesmo para aqueles que a elegeram por morada. O

Dr. Jacyntho Antunes Pereira da

povo de Sobral é antes de tudo um povo amigo, pacato

Silva 1948/1951 Antonio Frota Cavalcante

1951/1955

e ordeiro. Quando menino, lembro-me de uma Sobral que

Dr. Paulo de Almeida Sanford 1955/1959

possuia poucas ruas com asfalto, diferente da cidade

João Germano da Ponte Neto (Interino)

que encontramos hoje em dia. Na década de 60 as ruas

Pe. José Palhano de Saboia

1959/1963

Cel. José Saboia, Ernesto Deocleciano, trechos da Av.

Cesário Barreto Lima

1963/1967

Dom José e uma ou duas travessas no centro da

Jerônimo Medeiros Prado 1967/1971

cidade, já possuiam revestimento asfáltico, e eram as

Joaquim Barreto Lima(Quinca) 1971/1973

únicas ruas de Sobral com estas características. Além

José Parente Prado

1973/1977

delas, existia asfalto na pista que dá acesso à Serra da

José Euclides Ferreira Gomes Junior 1977/1982

Meruoca, assim mesmo até uma certa altura, ou seja,

Joaquim Barreto Lima

1983/1988

até antes do início da subida da Serra. Como a

José Parente Prado

1989/1992

chamada pista ficava distante do centro da cidade,

Francisco Ricardo Barreto Dias 1993/1994

após os trilhos, quando alguém queria menosprezar

Aldenor Façanha Junior

1994/1996

alguém dizia: “Aquele ali? Ele não vai nem prá

Cid Ferreira Gomes

1997/2000

pista ”

Cid Ferreira Gomes

2001/2004

Sobral possuia três cinemas: Cine Alvorada, Cine

Leônidas de Menezes Cristino

2004/2008

Rangel - de bonita arquitetura e que, infelizmente, não

Leônidas de Menezes Cristino

2008/2010

18

foi preservado- e Cine São João, sendo que os dois primeiros eram os mais movimentados. A diversão dos meninos de minha idade, em 1965, 1966 e 1967, era jogar futebol nas praças, tomar banho no Rio Acaraú, muitas vezes pescando piabas usando farinha dentro de uma garrafa de vidro da qual fora retirado(quebrado) o fundo e assistir ao cinema; brincar de espadas feitas de madeira, ou de "esconde e esconde" era também muito apreciado. Minha geração não teve a infelicidade de conviver com estes "agitos" malfadados dos adolescentes de hoje, nem com a violência que atualmente faz parte do cotidiano. Éramos amigos próximos uns dos outros, e a diferença de classes sociais não era tão gritante como nos dias atuais, caracterizada pela infame exclusão social, causa de quase todas as mazelas que nos atingem. Não tínhamos, felizmente, contato algum com as drogas, estando esta praga restrita aos marginais que muitas vezes iam fumá-la no morro do Alto do Cristo. É verdade que pitar um cigarro(Continental, BB, Minister, Hollywood) dava às mocinhas a falsa idéia de que estávamos amadurecendo, já quase adolescentes, portanto mais ajuizados( em muitas das vezes, um ledo engano Éramos bem servidos na área de educação, aliás, muito bem servidos. Existiam boas escolas, destacando-se o Colégio Sobralense, de gloriosas

tradições e pelos bancos do qual passaram muitos dos filhos ilustres de Sobral; tínhamos o Colégio Estadual, com um bom nível de ensino e também o Colégio Dr. Ribeiro Ramos, que ficava na Praça do Hotel Municipal e era denominado Escolas Reunidas Dr. João Ribeiro Ramos; o Colégio Santana, de grande tradição, era outra escola de destaque; tínhamos também o Patronato, que funcionava no mesmo local de hoje e o Colégio Prof. Arruda, entre os que eu me recordo. A Fábrica de Cimento passou a existir a partir dos meados da década de 60, e lembro-me bem de alguns Engenheiros e Técnicos estrangeiros que a vieram montar. A Fábrica de Tecidos, que desempenhou papel vital para o desenvolvimento de Sobral e que foi fundada por Ernesto Deocleciano, citado neste trabalho, ainda emitia seus suspiros de esperança:

refiro-me ao apito da citada fábrica, se não me engano por volta das 5 horas da manhã e depois às 17 horas. O casario de Sobral era muito bonito, e embora continue a sê-lo, muitos prédios foram criminosamente demolidos. Se tal fato não houvesse ocorrido, ainda hoje poderíamos desfrutar do prazer de ver o velho casario de nossos antepassados e mostrá-lo aos nossos filhos. O prédio do Cine Rangel era de uma arquitetura fabulosa; o mesmo acontecia com a "casa

19

dos leões", onde residia a família do Dr. Fábio Saboia; subindo um pouco, e já atrás dos Correios, podíamos encontrar várias casas muito bonitas com azulejos portuguêses nas paredes; Infelizmente estas construções foram destruídas pela ganância, pela insensibilidade e pela ignorância peculiares àqueles que não possuem formação cultural adequada, o que nos faz lembrar do perigo de " darmos pérolas aos porcos". As festas de Carnaval eram memoráveis. Quando ainda menino, lembro-me de dois blocos marcantes e que praticamente monopolizavam o carnaval sobralense: refiro-me aos Contras e aos Abutres.Os que integraram estes blocos eram mais velhos que os meninos de minha geração: devem ter hoje em dia idade superior a 55 anos. Outro fato que marcou minha infância e que me causava medo, era ver na rua o carro preto que levava os mortos para o cemitério e que era chamado de "funeral". Porém, mesmo o carro citado, apesar de lúgubre, trouxe-me ensinamento importante e válido, qual seja o de pensar na brevidade desta existência, evitar o mal e procurar fazer, se possível, apenas o bem. Vizinho ao Cine Alvorada, de inesquecíveis matinês, ficava o Bar Crepúsculo, de um lado, e, do outro, a Livraria Feira do Livro. Atravessando a rua

tínhamos a sempre tradicional Padaria Princesa do Norte e, quase vizinho a esta, a lanchonete Serve Bem, que pertencia ao Sr. Bismarck e fazia sanduíches(americano, principalmente) maravilhosos. Andando na mesma calçada da Princesa do Norte, em direção ao Rio Acaraú, encontrávamos o Bar Antárctica, do João Sales, mas a idade não nos permitia freqüentá-lo, ainda. Onde hoje fica o Focus Studio, atrás da Igreja do Rosário, loja que revela fotografias, se encontrava a mercearia do Dico, que era muito sortida, e lembro-me bem ainda de como, quando criança, empezinhava o meu pai em busca de bombons. Pelo que me consta, o Dico, que era homem de posses, perdeu o dinheiro em campanhas políticas. Recordo- me muito bem dele, pois era fornecedor e amigo de meu pai. E também de seus filhos Sérgio e Paulo, a quem chamavam de Paulo do Dico. As temporadas na Serra da Meruoca eram muito boas. Naqueles idos de 1960, a Serra ainda não fora devastada pelo desmatamento. Existiam muitos pássaros, os cajueiros e as mangueiras eram frondosos e na serra ainda fazia bastante frio, que começávamos a sentir logo quando a subíamos. Hoje em dia, a perniciosidade característica da mente dos que só visam auferir lucros, de preferência fáceis, conseguiu reduzir a vegetação da Serra da Meruoca a um monte

20

de arbustos. As árvores grandes e antigas, que o tempo levou anos e anos para formar, foram em sua maioria derrubadas por pessoas irresponsáveis: chamam a isto de "progresso". Nos idos de 1965, 1966 e 1967, entre as minhas recordações, lembro-me da Loja O Conrado(Praça da Coluna da Hora); da Coluna da Hora; do Prédio onde se localizava a antiga Rádio Tupinambá, na mesma praça; do Beco do Cotovelo, no mesmo se localizando a Livraria Zé Osmar; da Loja Ciclorama, de José Randal de Mesquita, na qual meu pai comprou uma bicicleta Caloi (marca Pelé por causa da Copa do Mundo de 1966); do Cine Alvorada, do Cine Rangel, da Livraria Feira do Livro; da Mercearia do Dico; da Lanchonete Serve bem, do seu Bismark; do Cemitério São José; do Hotel Municipal; da Estação Ferroviária; do Monturo Público(mais ou menos onde se localiza a atual Rodoviária-em 2008); do Clube da AABB; da

Serra da Meruoca, bastante arborizada, fria e cheia de flores e de passarinhos, bem como de sagüis; da Princesa do Norte; da Praça da Meruoca, à época repleta de residencias; do Colégio Patronato; da Igreja do Patrocínio; da casa que montava ou fabricava Sandálias Havaianas; do Depósito de sal do Luis Carlos de Paula Pessoa; Recordo-me, ainda, do Cabo Lira (da Polícia Militar)

É bem verdade

que policiava os bancos e a Cidade

que, antigamente, existiam muitos ladrões a menos do

é que, roubar, sempre

foi uma característica humana, intrisecamente

Cabo Lira faleceria em 2006 ou

2007, ainda o reencontrei no Beco do Cotovelo, pouco

antes de sua (dele) morte

Existia, na década de 1960, A Lanchonete Santa Edwiges. Descendo a Rua Cel. José Saboia, do lado direito, já quase chegando a Avenida Dom José. Como esquecer os seus bolos “Luis Felipe”, comidos depois das seções do Cine Rangel, próximo a ela, na mesma rua?

humana, daí

que hoje em dia (2008)

mas

O

Coisas da vida.

e por aí vão as recordações de nossa infância.

21

SOBRAL DE MINHA MOCIDADE

A Sobral de minha mocidade pouco se diferenciou da de minha infância. Estudei de 1968 a 1971 no Colégio Militar de Fortaleza, contudo, vinha a Sobral todas as vezes em que me encontrava de férias, ficando hospedado na casa do Sr. Aurélio Ponte. No início da década de 70, Sobral tinha, basicamente, dois locais onde a sua juventude divertia-se, acompanhada, na maioria das vezes, por seus pais. Tínhamos o Restaurante O Chicão, no Início da atual Rua Oriano Mendes, que possuía uma boite familiar, e para onde ia a maioria daqueles que queriam se divertir aos sábados. Na Sexta-feira, dançava-se no Restaurante Entre-Rios, que pertencia ao saudoso "Pintinho" e ficava perto da Ponte da Tubiba. Ambos os locais eram muito agradáveis. Muita gente passava as férias na Serra da Meruoca, neste tempo ainda bastante frondosa, mas já notava- se, aqui ou acolá, o crime cometido por alguns

inconscientes, que a desmatavam, para fazerem plantações de café. Sobral era muito tranquila, inexistindo, praticamente, a violência. A violência existente era aquela considerada “normal”, fruto de desavenças pessoais, do uso imoderado de bebidas. Realizavam-se as tertúlias nas casas de família, isto durante o período de férias e os rapazes e moças comportavam-se dignamente. Durante a Páscoa tínhamos a derrubada do Judas, na Praça da Várzea, onde estava localizada a casa do ex-Deputado Chico Figueiredo, já falecido. Na mesma praça já existia o Bar do Enoque, que funciona no mesmo local ainda hoje em dia. Final de ano íamos à famosa festa do Derby Clube Sobralense, dia 31 de dezembro. O clube ficava superlotado e tínha-se de usar paletó para entrar no mesmo. Do início, às 22 horas, até meia-noite, ouvia- se e dançava-se músicas da época, ou antigas. Meia- noite em ponto, o crepitar de fogos anunciava mais um ano vindouro, cheio de esperança; cantava-se o Hino Nacional e, após isto, começava o Carnaval, que ia até 5 ou 6 horas da manhã. Falar de minha mocidade sem citar os “locais suspeitos” seria hipocrisia de nossa parte. Entre os conhecidos locais de divertimentos não muito sadios, existiam o “Trem”, conjunto de casas de taipa que

22

ficava defronte o Clube do B.N.B., alinhadas uma junto a outra. Depois foi citado conjunto de casas demolido, mas o certo é que por volta do ano 2000 ainda funcionava. Existia o “Cabaré da Dozinha”; perto do Quartel da Polícia Militar existiam casas simples onde moravam mulheres que teimam em taxar de “vida fácil”. Não imagino vida mais difícil do que aquela onde a mulher vende seu próprio corpo para sobreviver.

SOBRAL DE MINHA MATURIDADE(1990-2010)

Após residir 22 anos distante de meu Torrão Natal, minha querida Sobral, para cá retornei em janeiro de 1990 com a finalidade de lecionar no Colégio Geo- Studio, que aqui se instalara naquele ano. Encontrei uma Sobral muito motificada, sobre a qual buscarei tecer alguns comentários. Muita coisa mudara, algumas, infelizmente, para pior. O Carnaval de Clubes, com exceção do "Bal Masquê", praticamente acabara- a população preferia, como ainda hoje, viajar para Camocim ou Parnaíba; o Bloco dos Sujos ainda trazia- como hoje- alegria ao carnaval; na área da política, Sobral estagnara por completo; na área da educação o Colégio Sobralense, a U.V.A- por falta de verbas- e o Colégio Estadual Dom José Tupinambá da Frota deixavam, no início de 1990, muito a desejar. Porém, logo as coisas começaram a melhorar: o Colégio Sobralense passou a ser dirigido pelo Geo- Studio e, apesar do excessivo amor ao dinheiro demonstrado por seus donos, ávidos de lucro, melhorou bastante. A Universidade Estadual Vale do Acaraú deu um passo gigantesco quando o Prof. José

23

Teodoro Soares e o Prof. Evaristo Linhares Lima assumiram, respectivamente, a Reitoria e a Vice- Reitoria e, em parceria com o Governo do Estado do Ceará, começaram a trabalhar no soerguimento da Instituição. A UVA é hoje reconhecida além das fronteiras do Ceará, deixando de ser a Universidade amadora que foi um dia - não por causa de sua direção, que foi exemplarmente exercida pelo Cônego Sadoc de Araújo, mas sim, por falta de verbas- para tornar-se um centro de estudos profissional. Foram promovidos inúmeros concursos, que muito melhoraram o desempenho do corpo docente; cursos foram criados: Geografia, Física, Química, Biologia, Administração, Computação, Zootecnia, Direito e Medicina(os dois últimos em parceria com a Universidade Federal do Ceará), entre outros. Na política, após o troca-troca diário de Prefeitos, Sobral melhorou quando assumiu a Prefeitura o então Deputado Cid Ferreira Gomes: foram promovidos concursos e moralizada a administração. Em termos de industrialização, instalaram-se algumas fábricas na cidade, sendo a Grendene- de sapatos- a maior delas. O Museu foi reformado com a ajuda da UVA e de Órgãos Governamentais da Alemanha e o Solar dos Figueiredo, que encontrei caindo aos pedaços em 1990, foi reconstruído, sendo obedecidas as suas

características originais, e transformado na Casa de Cultura de Sobral. Contudo, a violência, como em todo o Brasil, aumentou muito. Surgiram problemar de drogas e outras mazelas graves. A cidade foi asfaltada de forma incorreta, asfaltando- se até mesmo travessas pequenas- o que é desnecessário. Tal fato em muito contribuiu para que a média de temperatura aumentasse: já não sentimos, hoje em dia, à noite, o "friozinho" que fazia outrora. Com relação às diversões noturnas, as serestas, as românticas tertúlias, as festas elegantes nos Clubes Sociais cederam lugar, infelizmente, aos "badalos" dos inferninhos, às bandas horrorosas de nomes imcompreensíveis, bandas estas, quase todas, mercenárias e alienantes, que só fazem apologia de drogas, crimes e violência, os motéis de prazeres sujos e passageiros, e a outras mil mazelas impublicáveis. Gangs se formaram, contribuindo, assim, para o aumento da criminalidade. As Igrejas, outrora aos domingos cheias de pessoas em busca de fé, se mostram vazias. Concluindo: se ocorreram mudanças positivas, igualmente outra mudanças vieram para pior, a nosso ver. Devemos compreender, porém, que Sobral faz parte de um País que agoniza: o Brasil. E, em assim sendo, as coisas não poderiam se passar de forma

24

diferente por aqui, visto que estamos inseridos neste contexto social dramático.

SOBRAL- e outras cidades, e outros “causos” MINHAS RECORDAÇÕES

- DE

Recordo-me de muitas passagens de minha vida. Umas boas, outras nem tanto. Depois de uma certa idade as recordações assumem um papel muito importante em nossas vidas.

Em 1965 voltamos de trem de Camocim para Sobral. Tocava muito, à época, a música “xô, xô, xô,

de couro”. Fomos morar numa casa perto

da Estação Ferroviária; esta casa pertencia a Luis Carlos Barbosa de Paula Pessoa, que era amigo de meu pai, apesar da diferença de idade, meu pai muito mais idoso. Perto de nossa casa morava o Raimundo Alves, pai do Daniel Alves, com quem eu estudei nas Escolas Reunidas Dr. Ribeiro Ramos. Seu Raimundo

Alves fornecia, às vezes, marmitas lá pra casa. Eu tinha um galo e uma galinha de estimação. Subir o Alto do Cristo era uma aventura. Saía de casa e ia para a escola onde estudava, à pé; Minha escola ficava na Praça Senador Figueira, e minha professora era Dona Carolina, creio que de Paula Pessoa. Daqueles a quem esta sociedade, muitas vezes hipócrita, taxa por loucos, recordo-me muito bem do

casaca

25

Cibamba – com seu tradicional óculos escuros-, do Homem é Homem, do Poeta, da Mutamba. É claro que os loucos ricos eram escondidos à sete chaves:poderiam comprometer seus familiares? Certamente. Em minha época de adolescente, da descoberta das coisas boas da vida, idade muito perigosa, recordo-me dos locais de diversões fáceis. Existia um conjunto de casas, muito pobres, próximas ao Quartel da Polícia Militar, em Sobral. Por algumas ocasiões, 1970, por aí, cheguei a freqüenta-lo com pessoas, hoje ilustres Médicos ou Advogados. Não citarei os nomes destas pessoas por uma questão de ética, depois por saber que eles devem renegar o seu passado, o que jamais o fiz. Existia o Rei das Águas, local que o Dr. João Conrado Cavalcante da Ponte chamava, em tom de gozação, de “Water’s King”, e que era, também, conjunto de casas com mulheres simples, que ficava defronte ao Clube do BNB, na saída de Sobral para Fortaleza, em indo para a Capital, do lado Direito. Falando com o Heuser Hortmann, em 2008, no Bar do Dermeval, a quem eu não via há quase 36 anos(creio tê-lo visto em 1971 ou 1972, se não me falha a memória), contou-me ele acerca de algumas obras que o pai, Dr. Hortmann, fizera, como engenheiro, em Sobral: construção da sede da AAB.B,

montagem do painel da Festa de Jubileu de Dom José, em 1955; uma das reformas do Teatro São João (Governo do Zé Prado), pavimentação da Avenida Dr. Guarany. Dr. Hortmann, que foi casado com Dona Vita, foram os pais de Jandira, ex-esposa de Fernando Aragão, e Euser(Eusão). Começamos, então, no bar do Dermeval, a relembrarmos as pessoas que moravam nas casas que ficavam, à época, atrás do Hotel Municipal; Hotel este que depois foi o Forum Dr. José Saboya de Albuquerque e que, atualmente(fev de 2008) está abandonado, novamente. Na Avenida Lúcia Saboya, indo no sentido do Rio Acaraú, encontrávamos(idos de 1968): a casa da esquina, ocupada pelas tias do Arnau Cavalcante; a casa do Sr. Ildefonso Cavalcante; a casa do Dr. Hortmann; a casa do Zé Monte(José Borges de Almeida Monte); a casa de Dona Lourdes Saboia; a casa de Gilberto, salvo engano, casado com a Hercília; a casa do Melquíades Maia, pai do Evandro e da Irnes, entre outros; a casa da Maria Linhares; a casa de meu pai, Caetano, que era de propriedade do Conrado; a casa do Senhor Renato Borges; a casa do Abdelmoumen Melo, pai do Laerte Melo; a casa do Dr. Plínio Pompeu, na esquina.

26

SOBRAL- O QUE FALARAM OU ESCREVERAM ACERCA DA PRINCESA DO NORTE.

Escreveu Ernesto Figueiredo em se livro De Sobral a Tuiuti:

“O MENDIGO – A seca que se verificava em 1932, como as anteriores, havia escorraçado o homem do campo para a cidade. Sobral. Conhecida como o “pai da pobreza”, desde épocas imemoriais, atraía grande número de retirantes, chegando ao ponto de a Prefeitura Municipal, sob a intervenção do Tenente Floriano Machado, ver-se obrigada a concentra-los no “Prado”, antiga sede do Derby Club Sobralense, o qual, segundo sua história, foi fundado em 1871. Ali se reuniram a miséria e a doença. Verificava-se diariamente uma elevada quantidade de mortes, especialmente entre os velhos e crianças. Diante da calamidade, o sobralense, sob a liderança de D. José Tupinambá da Frota, cerrou fileiras a fim de melhorar a situação de seus infelizes irmãos.

Infelizmente os recursos angariados na cidade era tal qual uma gota d’água no mar, conforme o dizer de Juliano Leite, pois a nossa economia, alicerçada na pecuária e agricultura, frustradas naquele ano, não permitia larguezas de dádivas, pois todo mundo estava com a “corda no pescoço”. Contudo, as Comissões de Amparo aos Flagelados realizavam milagres para sustentar aquele povão, comprando a crédito no Armazém de Francisco Romano da Ponte e na Farmácia de Jonas Monte, enquanto vinham os recursos pedidos às autoridades governamentais e aos sobralenses ilustres do Rio de Janeiro. As providências do governo, como sempre, tardavam, porém um telegrama do sobralense Vicente Sabóia, comunicando haver conseguido da Companhia de Navegação “Ita” um cargueiro com destino ao Porto de Camocim, trazendo gêneros de primeira necessidade e remédios, deu grande alento. Vicente comunica ainda haver remetido uma ordem de cinqüenta contos de réis e que estava “azucrinando” o Ministro José Américo no sentido de com urgência abrir frentes de trabalhos. Em meados de abril ou maio, o carregamento chega a Camocim e ali o Ramos Fontenele faz o reembarque em trem cargueiro expresso, o qual chega a Sobral num fim de tarde.

27

O carregamento é armazenado num depósito na Praça da Santa Casa. Foi efetuado durante toda a noite , sob a superintendência e invejável dedicação de José Fabião de Vasconcelos e Antônio Félix Ibiapina, homens que nasceram para prestar favores. Para maior comodidade e segurança dos trabalhos, Oriano Mendes mandou iluminar o local e prorrogou o fornecimento de energia elétrica até ao amanhecer, pois naquele tempos a luz se apagava às dez horas da noite, a não ser em casos excepcionais. Naquela noite, constituía diversão ir espiar o descarregamento.

No Prado, o programa de assistência aos retirantes

não sofria solução de continuidade, por maiores que fossem as dificuldades. Dava gosto ver as filhas de Sobral, sem diferença de posição social, irmanadas no trabalho de distribuição de alimentos e tratamento dos doentes e crianças.

Também em quase todas as casas confeccionavam- se roupas para os flagelados, os quais chegavam cobertos de trapos que mal davam para cobrir as vergonhas.

O tecido necessário era fornecido por Da.

Chiquinha Saboia, proprietária da Fábrica Sobral, cuja razão social era Viúva Ernesto & Saboia.

Depois de muita demora, vem ordem do governo para o início de obras da Estrada de Ferro, o

fornecimento gratuito de passagens para quem desejasse trabalhar na Amazônia e a abertura do voluntariado para compor os célebres batalhões provisórios, a fim de brigarem contra uma revolução que estava havendo em São Paulo. Ficaram em Sobral apenas os incapazes fisicamente e como alguns destes que não queriam se submeter às ordens usadas no Prado, perambulavam pelas ruas pedindo esmolas, fazendo concorrência aos nossos tradicionais mendigos, que eram os seguintes:

O megalomaníaco André, que dizia serem as enchentes do Rio Acaraú função direta da micturição de suas irmãs que moravam nas nascentes do rio; o apocalíptico Zé-Querereis, que pregava o fim do mundo; o desaforadíssimo João Pé de Burro, que por tudo se zangava; a irreverente Bibiana, cujo linguajar era impróprio aos ouvidos das senhoras e senhoritas e, por fim, o respeitável Romaco Pereira Homem, veterano da Guerra do Paraguai, tendo se alistado voluntariamente com quinze anos incompletos, logo no começo de 1865. O velho soldado responsabilizava o regime republicano implantado em 15 de novembro de 1889 por tudo de ruim que acontecia no Brasil. Reclamava contra a carestia e o atraso de pagamento de sua “micha” pensão militar, a qual para

28

ser recebida era necessário dar incômodo ao seu procurador, o senhor Antônio Pereira de Menezes.”

Em seu livro Sobral – Cidade de Cenas Fortes , escreve o Autor Lustosa da Costa, à página 132:

“José Saboya – José Saboya (1871-1950) formou-se pela Faculdade de Direito de Recife. Ainda jovem estudante, salvou a vida de dois náufragos do navio Bahia, em que viajava, o qual, à noite, colidiu com o Piabanha, gesto de bravura que lhe rendeu calorosas homenagens. Juiz de 1892 a 1936, reinou absoluto na cidade, até que foi aposentado compulsoriamente por dispositivo inserido na Constituição do Estado, com o objetivo expresso de afasta-lo do cargo e esvaziar-lhe a tremenda influência política que exercia na região. Casado com dona Sinhá Saboya, filha do Dr. Paulinha, precocemente falecido no Rio como deputado federal, neta do Senador Paula Pessoa, “o senador dos bois”, durante cinqüenta anos foi o homem mais importante de Sobral. Reunia o poder econômico, porque era dono de uma fábrica de tecidos e de 16 fazendas de gado, no Ceará e no Piauí, herdadas do pai e do sogro, e o poder político, porque, com mão forte, controlava a Justiça, gozando da segurança da vitaliciedade de magistrado, e o Partido

Republicano Conservador, depois PSD e, por fim, UDN. Esteve quase sempre de cima, até mesmo no curto período de Franco Rabelo, apesar de seu pai haver sido vice-presidente do Estado, no primeiro período em que o comendador Nogueira Accioly, foi alçado ao poder. Conheceu a oposição depois da eleição de Menezes Pimentel ao Governo do Estado, em 1935, decidida na Assembléia Legislativa do Estado pelo “Smith and Wesson” de seu ex-liderado, Chico Monte, que passou a ser, desde então, até o fim do Estado Novo, dono da bola e das camisas de Sobral . Antes, seu partido, o PSD, enfrentou violenta resistência do bispo e do clero, sendo chamado, do alto dos púlpitos e no silêncio dos confessionários, de Partido sem Deus. José Saboya sempre teve relações difíceis com a imprensa de sua terra. Quando rompe o Século XX, está em guerra com Álvaro Otôni,de A Cidade ( )

Ainda menino, presenciei a última polêmica

que, apoiado pelos genros Plínio Pompeu e José Maria Alverne, travou com o bispo e o padre Sabino Loyola, pelo Correio da Semana. ”

( )

29

A ACADEMIA SOBRALENSE DE LETRAS

Marcos da Cruz citou em sua coluna semanal

publicada no jornal O Noroeste

do dia 22 de janeiro de 2000:

" Fundada a 3 de maio de 1922 por um grupo de eminentes sabralenses, amantes das Letras, dentre os quais o Juiz Municipal e eloquente orador, Dr. José Clodoveu de Arruda Coelho e mais os sócios a seguir:

1.Pe. Leopoldo Pinheiro Fernandes; 2. Dr. Cláudio Nogueira; 3. Dr. Lauro Meneses; 4. Jornalista Craveiro Filho; 5. Pe. Fortunato Alves Linhares; 6. Prof. Paulo Aragão; 7. Dr. Benjamim Hortêncio; 8. Dr. Atualpa Barbosa de Lima; 9. Dr. Luiz Viana; 10. Dr. Ruy de Almeida Monte; 11. Antônio Oriano Mendes. Foi o seu primeiro Presidente o Pe. Leopoldo Fernandes, e a primeira reunião foi na residência do Dr. Cláudio Nogueira à Rua Senador Paula, hoje Avenida Dom José. Atualmente a Academia Sobralense tem os seguintes titulares para as suas quarenta cadeiras:

DAQUI E

DACOLÁ,

Evaristo Linhares Lima(1); José Ferreira Portela Neto(2); José Ribamar Coelho(3); Francisco Jerônimo Torres(4); Francisco Sampaio Sales(5); Maria Dias Ibiapina(6); Ataliba Araújo Moura(7); Raimundo Nonato Arcanjo(8); Almino Rocha Filho(9); Pe. Jairo Linhares Ponte(10); José Maria Soares(11); Pe. João Mendes Lira(12); José Gerardo Frota Parente(13) (vaga); Francisco de Assis Vasconcelos Arruda (14); Cônego Francisco Sadoc de Araújo(15); Maria das Graças Teixeira Pontes(16); João Edson Andrade(17); João Ribeiro Ramos(18); Dr. Vicente Abdias Fernandes(19); José Euclides Ferreira Gomes Júnior(vaga)(20); João Alves Teixeira(21); Mons. Sabino Guimarães Loiola(22); Dr. Francisco Antônio Tomaz Ribeiro Ramos(23); Expedito Gerardo de Vasconcelos(24); Dr. José Teodoro Soares (25) ; Maria Leilah Cabral Araújo Monte Coelho(26); Tereza Maria Ribeiro Ramos Fonteles(27); Maurício Mamede Moreira(28)(vaga); Gizela Nunes da Costa(29); Gerardo Rodrigues Albuquerque(30); Cônego Joviniano Loiola Sampaio(31)(vaga); Dom Walfrido Teixeira Vieira(32); Edson Luis Rodrigues de Almeida(33); Francisco José Soares(34); Raimundo Aristides Ribeiro(35); Raimundo Rodrigues Pinto(36); Mons. Tibúrcio Gonçalves de Paula(37); Francisco Santamaria Mont'Alverne

30

Parente(38); Dr. Thomaz Corrêa Aragão(39)(vaga); Pe. José Linhares Ponte(40)."

O Autor destas linhas acrescenta: o poder é

efêmero. Os homens passam e os Títulos e o dinheiro

e a fama, muitas vezes, ficam. Assim, decorridos 10 anos, são os seguintes os Acadêmicos da ASEL:

Na data de 9 de julho de 2009, em consulta a site da

Internet, de autoria do Prof. Vicente Martins, encontramos a relação mais atualizada dos titulares da ASEL: “ Os Patronos, com seus respectivos titulares, da ASEL, em 12 de setembro de 2008: Cad. nº 01 –

José Sombra – Titular: Evaristo Linhares Lima; Cad.nº 02 – General Antônio Sampaio – Titular: José Ferreira Portella Netto; nº 03 – Eduardo da Rocha Salgado – Titular: Eduardo da Rocha Salgado; Cad. nº 04 – Adolfo Ferreira Caminha – Titular: Francisco Jerônimo Torres; Cad. nº 05 – Antônio Domingues

Silva – Titular: Francisco Sampaio Sales; Cad. nº 06 – Antônio Rodrigues Junior – Titular: José Edvar Costa de Araújo; Cad. nº 07 – Tristão de Alencar Araripe – Titular: Ataliba Araújo Moura; Cad. nº 08 – José Cardoso de Moura Brasil – Titular: Raimundo Nonato Arcanjo; Cad. nº 09 – Monsenhor José Leorne Menescal – Titular: Almino Rocha Filho ; Cad. Nº 10

– Antônio Bezerra de Menezes – Titular: Pe. Jairo

Linhares Pontes; Cad. Nº 11 – Júlio César da Fonseca

Filho – Titular: Aloísio Ribeiro Ponte; Cad. nº 12 Manuel do Nascimento A. Linhares – Titular:

Petrônio Augusto Pinheiro; Cad. 13 José Martiniano de Alencar – Titular: Maria Norma Maia Soares; Cad. Nº 14 – Justiniano de Serpa – Titular: Francisco de Assis Vasconcelos Arruda; Cad. Nº 15 – Dom Lino Deodato Rodrigues de Carvalho – Titular: Cônego Francisco Sadoc de Araújo; Cad. Nº 16 – Padre João Augusto da Frota – Titular: José Edinardo Albuquerque Silveira; Cad. Nº 17 – Antônio Augusto de Vasconcelos – Titular: João Edison de Andrade; Cad. Nº 18 – Padre Antônio Tomaz – Titular: José Dimas de Carvalho Muniz; Cad. Nº 19 – Dom Jerônimo Tomé de Saboya e Silva – Titular: Vicente Abdias Fernandes; Cad. Nº 20 – Vicente Ferreira de Arruda – Titular: Ciro Ferreira Gomes; Cad. Nº 21 – General Antônio Tibúrcio Ferreira Junior – Titular:

Rebeca Sales Viana; Cad. Nº 22 – José Julio de Albuquerque e Barros (Barão de Sobral) – Titular:

Gabriel Assis Araújo Vasconcelos; Cad. Nº 23 – Dom Quintino Rodrigues de Oliveira e Silva – Titular:

Francisco Antônio Tomaz Ribeiro Ramos; Cad. nº 24 – Padre Antônio Pereira Ibiapina – Titular: José Luis Araújo Lira; Cad. nº 25 – Vicente Cândido Figueira de Saboya – Titular: José Teodoro Soares; Cad. nº 26 - Tomaz Pompeu de Sousa Brasil – Título: Vicente de Paula da Silva Martins (Vicente Martins); Cad. nº 27 –

31

Antônio Sales – Títular: Tereza Maria Ribeiro Ramos Fontelene; Cad. nº 28 – Domingos Olímpio Braga Cavalcante – Titular: João Barbosa de Paulo Pessoa Cavalcante; Cad. Nº 29 – João Marinho de Andrade – Titular: Gisela Nunes da Costa; Cad. nº 30 – Clóvis Beviláqua – Titular: Arnaud de Holanda Cavalcante; Cad. Nº 31 – Antônio Firmo Figueira de Saboya – Titular: Glória Giovana Saboya MontÁlverne; Cad. nº 32 – Guilherme Stuart (Barão de Studart) – Titular:

Francisco Régis Frota Araújo; Cad. nº 33 – João Capistrano de Abreu – Titular: Edison Luis Rodrigues de Almeida; Cad. nº 34 – José Pedro Soares Bulcão – Título: Francisco José Soares; Cad. nº 35- Leonardo Mota – Titular: Hebert Vasconcelos Rocha; Cad. nº 36- Afrânio Peixoto – Titular: Raimundo Rodrigues Pinto; Cad. nº 37- Padre Valdivino Nogueira – Titular:

Monsenhor Tibúrcio Gonçalves de Paula; Cad. nº 38- José Cordeiro de Andrade – Titular: Francisco Santamaría M. Parente; Cad. nº 39-José Lino da Justa – Titular: João Ambrósio de Araújo Filho e Cad. nº 40-José Lourenço Aguiar – Titular: Padre José Linhares Ponte.”

BIOGRAFIA RESUMIDA DE ALGUNS ACADÊMICOS e Ex-Acadêmicos

(1) Evaristo Linhares Lima, filho de Cícero Ribeiro Lima e de Ana Linhares Figueiredo. Cursou Filosofia no Seminário de Fortaleza; bacharelou-se em Direito e é licenciado em Letras Clássicas. Possui os seguintes Títulos de Pós-Graduação:

Especialista em Educação para a América Latina; Universidade de Brasília; DEA em Sociologia, Universidade René Descartes-Paris V- Sorbonne- Paris-França.

Foi Professor Titular da Universidade do Estado do

Ceará, Professor do Liceu e do Colégio Estadual Justiniano de Serpa; Coordenador do Departamento de Ciências da Universidade do Estado do Ceará e assumiu outros importantes cargos no Estado. Centro

de pesquisas Educacionais da Universidade de São Paulo. Tese de Mestrado/ UNB(Universidade de

Brasília)-1976.

Escreveu inúmeros artigos em revistas especializadas na área de educação.

O Professor Evaristo é hoje Vice-Reitor da

Universidade Vale do Acaraú-UVA, sediada na cidade

de Sobral-Ceará. É Presidente da Academia Sobralense de Estudos e Letras.

32

(2)José Ferreira Portela Neto nasceu em Sobral em 2 de abril de 1932, filho de Romão Ferreira da Ponte e de Maria Amélia da Ponte. Foi funcionário do Banco do Nordeste do Brasil(1958) e do Banco do Brasil S.A (1958 a 1985). Atualmente é professor concursado da Universidade Estadual Vale do Acaraú.

(3) José Ribamar Coelho nasceu em Sobral a 9 de janeiro de 1934, sendo filho de José Antenor Coelho e de Mariana Júlia. Funcionário aposentado do INSS, é empresário do setor gráfico, sendo sócio da Tipografia Lux Ltda.

(5) Francisco Sampaio Sales nasceu na Meruoca filho de Gabriel Francisco de Sales e Maria Sampaio Sales. É Professor Universitário e Engenheiro Operacional, além de radialista. Durante muitos anos fez o programa radiofônico Ao Cair da Tarde, de grande audiência na zona Noroeste do Estado, dedicado à Música Popular Brasileira.Atualmente desempenha importantes funções da Universidade Vale do Acaraú.

(12) Padre João Mendes Lira nasceu em Sobral no dia 23 de janeiro de 1925 e faleceu em 2005. Fez seus

primeiros estudos na Escola Elvira, nome de uma senhora que viera do Amazonas. Estudou, em seguida, com o Professor Luis Felipe. Segundo palavras do próprio Pe. Lira : "Elvira era uma professora muito dedicada e em sua escola haviam três classes: além da Professora Elvira tinha Dona Benvinda e o Sr. Luis Felipe. Depois de frequentar a Escola Superior do Sr. Luis Felipe, recebi o "Diploma" para frequentar a Escola Modêlo do sr. Pintinho. Assim me preparei para o Exame de Admissão. Depois fui aprovado no Seminário Diocesano, onde me formei " Padre Lira foi durante muitos anos Professor do Colégio Sobralense. Homem culto, simples e querido, publicou diversas obras, entre as quais podemos citar:

Subsídios para a História Eclesiástica e Política do Ceará, Sítios Arqueológicos Encontrados na Região centro-Norte do Ceará, e vários outras publicações que muito contribuíram para o aprimoramento cultural do povo sobralense.

(14) Francisco de Assis V. Arruda, natural de Sobral (CE), nascido a 18 de novembro de 1948, filho de Francisco Linhares Arruda e de Maria de Jesus Vasconcelos Arruda. Engenheiro Agrônomo, formado

33

pela Faculdade de Agronomia do Nordeste, em Areia - PB, em 1975. Em 1982, concluiu o urso de Mestrado em Nutrição Animal, pela Faculdade de Agronomia do Ceará. Ainda neste mesmo ano foi eleito vereador do Município de Sobral, pelo Partido Democrático Social (PDS), com 1.200 votos, sendo o terceiro mais votado, ocupando posteriormente a vice-presidência no período de 1984-1986. Em 1985, assume a Chefia Geral do Centro Nacional de Pesquisa de Caprinos (Embrapa- Caprinos), sediado em Sobral (CE), permanecendo no cargo até 1988. Representou o Ministério da Agricultura em Santiago-Chile, numa Reunião da FAO, para o Desenvolvimento da Caprinocultura dos Países da América do Sul. Posteriormente, em 1977, representou a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, nos Estados Unidos, na Reunião do SMALL RUMINANT COLABORATIVE PROGRAM, convênio que vinha administrando através do Centro Nacional de Pesquisa de Caprinos. No mesmo ano foi convidado pela Universidade de Oklahoma-USA, para proferir palestra sobre Desenvolvimento da Caprinocultura no Brasil. Em 1989, foi liberado pela EMBRAPA para realizar o Curso de Doutorado na Escuela Técnica Superior de

Ingenieros Agrónomos da Uniersidad Politécnica da Madrid, España, defendendo tese em 1993,.

Membro da Academia Sobralense de Estudos e Letras, cadeira nº 14, que tem por patrono Justiniano

de Serpa.

Como estudioso em Genealogia, vem desenvolvendo pesquisa na área desde 1970, com as principais famílias da Ribeira do Acaraú. Publicando seu primeiro trabalho em 1980 sobre a Genealogia dos Arrudas, com 150 páginas. Em seguida, publicou a segunda edição ampliada e melhorada sobre o título de GENEALOGIA SOBRALENSE - OS ARRUDAS, editado pela IOCE, com 360 páginas. Em 1993, publica o segundo volume da Coleção "GENEALOGIA SOBRALENSE - OS GOMES PARENTE". TOMO I, II e III impressos pela IOCE. Em 1998, publica o quarto volume OS FERREIRA DA PONTE - TOMO I e em preparo os tomos I, II e

III dos Ferreira da Ponte.

(16) Cônego. Francisco Sadoc de Araújo, nasceu em Sobral a 17 de dezembro de 1931, filho de Galdino Orlando de Araújo e Rita Albuquerque de Araújo. Concluiu os estudos secundários no Seminário de Sobral, o curso de Filosofia no Seminário de Fortaleza e o bacharelado e mestrado em Teologia na Pontifícia

34

Universidade Gregoriana de Roma. Foi ordenado sacerdote na Basílica de São Paulo, em Roma, a 25 de

fevereiro

Ao retornar ao Brasil, passou a residir no Seminário de Sobral como professor e, depois, como reitor. Foi o

fundador e primeiro reitor da Universidade Estadual

Acaraú- UVA

Residiu em Olinda, Pernambuco, durante cinco anos, quando dirigiu o Instituto de Filosofia e Teologia da Arquidiocese de Olinda e Recife e exerceu o oficio de capelão na ilha de Fernando de Noronha. Nomeado postulador da causa de canonização do Padre Ibiapina, tem-se dedicado ao trabalho de acompanhar o processo junto ao Vaticano. Desde 1996, reside em Sobral exercendo a função de pároco da Paroquia do Cristo Ressuscitado. Genealogista e profundo entendedor do assunto, Padre Sadoc- como é chamado carinhosamente- publicou, entre outros livros; Cronologia Sobralense- 5 volumes(1974-1990); A Ciência Criadora(1976); História da Culura Sobralense(1978); Estudos Ibiapanos(1979); História Religiosa da Meruoca(1979); Ceará: Homens e Livros(1981); Traços Biográficos de Dom José Tupinambá da Frota(1982); Dicionário Biográfico de Sacerdotes Sobralenses(1985); História Religiosa de Guaraciaba

Valre

1956.

de

do

do Norte(1988) e Padre Ibiapina, Peregrino da Caridade- entre outros. É, também, membro da Academia Cearense de Estudos e Letras, Sócio do Instituto do Ceará, do Instituto Genealógico Brasileiro e do Colégio Brasileiro de Genealogia.

(25) José Teodoro Soares é natural de Reriutaba- Ceará, onde nasceu a 28 de dezembro de 1940. Filho de Agrípio Teodoro Soares e de Maria Palmira Soares., é casado com a Dr. a Maria Norma Maia Soares. Bacharel em Direito e Filosofia, Licenciado em Ciências Políticas pelo Instituto de Estudos Poliíticos da Universidade de Paris(1968), e em Ciências Sociais pelo Instituto Católico de Paris no mesmo ano;, Mestre em Administração Pública pelo Instituto Internacional de Administração Pública de

Paris(1970).

É Reitor da Universidade Estadual Vale do Acaraú, Vice-Presidente do Conselho de Educação do Ceará, Professor Adjunto da Universidade Federal do Ceará e Membro da Academia Cearense de Ciências Sociais. Foi Professor Adjunto da Fundação Universidade Federal do Piauí, Chefe de Gabinete do

35

Reitor da UFPI, Assessor de Planejamento do Projeto Rondon do Ministério do Interior, Subchefe de Gabinete do Ministério da Educação e Cultura, Membro do Conselho Nacional do Serviço Social do MEC, Representante do Ministério da Educação e Cultura junto ao Conselho Curador da U.F.C., Reitor da Universidade Regional do Cariri, Presidente do Conselho de Reitores do Ceará(CRUC). Tem uma produção literária refletida em 15 livros editados e vários artigos publicados em Jornais do Brasil e no exterior.(Transcrito do Jornal O Noroeste de 18/03/2000 por ocasião da outorga do troféu Mandacaru ao ilustre homenageado, ocasião em que fizeram também juz à citada comenda os senhores Dom Aldo Paggotto (Bispo de Sobral); Ciro Ferreira Gomes, ex-Governador do Ceará e político de renome nacional e Sérgio Ricardo de Oliveira, Empresário e fundador do Noroeste ). Menestrel da Educação, revolucionou a Educação Superior Cearense, mormente a da Zona Noroeste do estado. Pode ser considerado insubstituível em sua área de atuação. Foi eleito Deputado Estadual pelo PSDB em 2006.

(39) Thomaz Corrêa Aragão nasceu em Ipu-Ce a 16/08/1910, sendo seus pais o Cel. Auton Aragão e Da. Adalgisa Correia Aragão. Iniciou o seu Curso de Humanidades no Colégio Cearense do Sagrado Coração, em Fortaleza-Ce, em 1924, terminando-o em 1929. Concluído referido curso, o Dr. Thomaz seguiu para a cidade do Rio de Janeiro, onde concluiu o Curso de Medicina . Veio, então, residir em Sobral, onde montou moderno consultório. Dr. Thomaz faleceu em idade avançada, tendo, antes, dado enorme contribuição para a Medicina Mundial, ao identificar e estudar o agente patogênico transmissor da grave moléstia conhecida por Calazar, transmitida aos humanos por cães doentes.

(40) Padre José Linhares Ponte nasceu em Sobral a 21/10/1930, sendo filho de Francisco Jacinto Ferreira da Ponte e de Maria Amália Linhares. Estudou no Seminário de Sobral e depois foi para o Seminário Maior de Fortaleza, onde concluiu os Cursos de Filosofia e Teologia. Foi Reitor do Seminário Diocesano de Sobral e possui especialização em Psicologia Profunda, pela Universidade de Munique, Alemanha Ocidental.

36

De volta ao Brasil, assumiu a direção do tradicional Colégio Sobralense, onde exerceu com tal zêlo a administração, que o Colégio Sobralense chegou a ser considerado um dos melhores Colégios de todo o Estado do Ceará, ao lado do Colégio Militar de Fortaleza e do Colégio Cearense, ambos estes situados na Capital Alencarina. De 1970 a 2003 assumiu a Direção da Santa Casa de Misericórdia de Sobral, transformando-a, também, em um Hospital Modêlo, tendo sido, este nosocômio, considerado a melhor de todas as Santas Casas do Brasil. Graças a sua credibilidade e probidade, Padre Zé conseguiu trazer para Sobral o Hospital do Coração, único do gênero não apenas no Estado, mas também na região Nordeste. Eleito Deputado Federal por diversos quadriênios, quando a população chegou a transformá-lo no mais votado do Ceará, Padre José Linhares Ponte honrou e honra a Terra que lhe serviu de berço e na qual caminhou seus primeiros passos. Figura ímpar, a história lhe reservará papel prepoderante tanto na área de Educação, quanto na de Saúde, para desconsolo de seus injustos e insensíveis perseguidores políticos.

LISTA ALFABÉTICA DE BACHARÉIS, MÉDICOS, ENGENHEIROS E SACERDOTES SOBRALENSES (ATÉ 1950)

Segundo Alberto Amaral em Para a História de Sobral, "Um jornal de Aracaty, no principio da República, estampou uma lista de todos os aracatyenses formados, proclamando a glória de ser, no interior do Ceará, "a cidade que contava maior número de filhos ilustres". Indireta resposta lhe deu, em 1892, "A Ordem", de José Vicente, publicando relação dos sobralenses formados, em número bastante superior, com o que reinvidicou para Sobral o primeiro lugar.

presente lista, concluída em outubro de

1950, embora restrita aos Bacharéis, Médicos, Engenheiros e Sacerdotes, tem por fim patentear que Sobral continua detendo a primazia." Segue portanto, abaixo, a relação de Bacharéis, Médicos, Engenheiros e Sacerdotes sobralenses, com o respectivo ano de formatura, o que certamente constitui-se em excelente fonte de consulta.

)A (

I – BACHARÉIS

37

Acacio Aragão de Souza Pinto;Adolpho Pompeu de Arruda; Alberto Magno da Rocha(1892); Alfredo Severino Braga Duarte(1883); Alfredo Tacito da Rocha Pagé(1893); Alvaro Ottoni do Amaral(1897); Antenor Franca Cavalcante; Antonio Adolpho Coelho de Arruda(1885); Antonio Eliseu Hollanda Cavalcante(1886); Antonio Firmo Figueira de Saboia(1853); Antonio Frederico de Andrade(1874); Antonio Frutuoso Frota Filho(1928); Antonio Ibiapina(1879); Antonio Joaquim Rodrigues Junior(1857); Antonio José Leal; Antonio de Paula Pessoa Figueiredo; Antonio Plutarcho Rodrigues Lima(1881); Antonio Regino do Amaral Filho(1894); Antonio Sabino do Monte(1870); Bento Fernandes Barros(1853); Carlos de Paula Pessoa(1919); Custodio Celso de Saboya e Silva; Diogo Parente Xerez(1915); Domingos Gonçalves Cearense(1870); Domingos José Pinto Braga; Domingos Olympio Braga Cavalcante(1873); Edgard Catunda Gondim; Edgard Miranda de Paula Pessoa; Edson Pimentel Severino Duarte(1922); Ernesto Miranda Saboya de Albuquerque(1930); Esmerino Gomes Parente(1855); Eugenio Marinho de Saboya e Silva; Filipe Bandeira de Mello; Francisco Cicero Coelho de Arruda(1891); Francisco Domingues da Silva(1835); Francisco Furtado de Mendonça; Francisco Gomes Parente(1867); Francisco Gomes Parente Sobrinho;

Francisco Moacyr de Saboya Santos; Francisco de Oliveira Memoria(1889); Francisco Ponte; Francisco Pothier Rodrigues Lima(1874); Francisco Prado; Francisco Rodolpho do Amaral(1908); Francisco Severino Duarte(1888); Francisco Urbano da Silva Ribeiro(1853); Galdino de Arruda Gondim; Galdino Catunda Gondim; Henrique Domingues da Silva; Ignacio Ferreira de Almeida Magalhães(1866); Jeronymo Macario Figueira de Mello(1851); Jeronimo Martiniano Figueira de Mello(1832); Jeronymo da Silva Frota(1892); Jeronymo de Xerez(1889); João Adolpho Ribeiro da Silva(1868); João Baptista de Vasconcellos(1939); João Baptista Figueira Lima; João de Albuquerque Rodrigues(1862); João Capistrano Bandeira de Mello(1833); João Carlos Pereira Ibiapina(1837); João Domingues da Silva(1836); João Edmundo de Oliveira Gondim; João Evangelista da Frota Vasconcellos(1889); João Evangelista da Silva Frota; João Filipe da Cunha Bandeira de Mello(1852); João Ferreira de Almeida Guimarães(1869); João Figueira Linhares; João Firmino de Hollanda Cavalcante(1867); João Julio de Almeida Monte(1885); João Lima Rodrigues(1890); João Miranda de Paula Pessoa; João Paulo Barbosa Lima; João Pedro da Cunha Bandeira de Mello(1879); João Peregrino Viriato de Medeiros; João Thomé da Silva Junior(1864); Joaquim Frota

38

Vasconcellos(1893); Joaquim Gondim de Albuquerque Lins(1926); Joaquim Miranda de Paula Pessoa(1889); Jorge Pessoa Mendes(1941); José Alfredo Coelho de Arruda; José Antonio Pereira Ibiapina(padre)(1832); José Archanjo Figueira de Mello Castro(1842); José Austregesilo Rodrigues Lima(1863); José Barreto de Araujo(1939); José Camillo Linhares de Albuquerque(1886); José Candido da Silva Franca(1864); José Clodoveu de Arruda Coelho(1908); José Daltro Barreto(1940); José Deusdedit Mendes(1936); José Furtado de Mendonça(1869); José Gerardo Frota Parente; José Gomes da Frota(1866); José Gonçalves de Moura(1858); José Getúlio da Frota Pessoa(1905); José Gonçalves Viriato de Medeiros; José Julio de Albuquerque Barros(1861); José Maria da Cruz Andrade(1940); José Maria Mont'Alverne(1933); José Miramar Ponte; José Moreira da Rocha(1890); José Olavo Rodrigues Frota(1920); José Potyguara da Silva; José Saboya de Albuquerque(1891); José Sylvestre Monte Coelho; José Thomé da Silva(1865); José Wilson de Vasconcellos; José Xrez(1887); Julio Santa Cruz Oliveira; Justiniano Raymundo da Silva Freire(1881); Justino Domingues da Silva(Padre)(1849); Justino Lopes Freire; Juvencio Alves Ribeiro da Silva(1856); Ladislau Acrisio de Almeida Fortuna(1858); Leocadio Andrade

Pessoa(1850); Levino Pinto Brandão(1861); Lucrecia Pinho; Luiz Antonio Vieira Lima; Luiz Gonzaga Coelho de Arruda(1900); Luiz Lopes Teixeira Moura Junior(1850);Mozart Catunda Gondim; Pedro Alvaro Rodrigues de Albuquerque(1883); Pedro Araujo Madeira; Pedro Gomes da Frota(1883); Raymundo Edson Pimentel Duarte; Raymundo Furtado de Albuquerque Cavalcante(1859); Raymundo Justiniano Freire; Raymundo Leopoldo Coelho de Arruda; Raymundo Monte Coelho; Raymundo Orestes de Aguiar; Rufino Furtado de Mendonça; Tancredo Halley de Alcantara(1938); Teophilo Fidelis de Paula(1891); Theotonio Santa Cruz Oliveira; Thomaz Antonio de Paula Pessoa(1858); Thomaz Miranda de Paula Pessoa(1894); Thomaz de Paula Pessoa Rodrigues(1892); Trajano Viriato de Medeiros(1863); Vicente Alves de Paula Pessoa(1850); Vicente Alves Rodrigues de Albuquerque(1869); Vicente Coelho de Arruda; Vicente de Arruda Gondim; Vicente Cesario Ferreira Gomes(1868); Vicente Ferreira de Arruda Coelho(1914); Vicente Liberalino de Albuquerque; Virgilio Augusto de Moraes(1867).

39

II - MÉDICOS

Adalberto Rodrigues de Albuquerque; Agenor Gomes da Frota(1939); Alberto Saboya Viriato de Medeiros; Antonio Custodio de Azevedo; Antonio Domingues da Silva; Antonio Guarany Mont'Alverne(1935); Antonio Ibiapina Filho(1930); Antonio Francisco Rodrigues de Albuquerque; Antonio Mont'Alverne Ferreira Gomes(1938); Antonio Raymundo Gomes da Frota; Cesario Ferreira Gomes; Edson Lima; Ernesto Vicente Saboya de Albuquerque; Euclydes Pontes; Francisco Alves Pontes(1842); Francisco Donizetti Gondim(1923); Francisco de Paula Pessoa Figueiredo(1862); Francisco Peregrino Viriato de Medeiros(1872); Francisco de Paula Rodrigues; Genserico Aragão de Souza Pinto; Heitor da Silva Frota; Helvecio Monte Coelho; Jarbas Ibiapina(1936); João Marinho de Andrade(1883); João Pedro Figueira de Saboya(1884); José Alcebiades da Silva Frota; José Antonio de Figueiredo Rodrigues(1898); José Augusto Gomes Angelim; José Barbosa de Paula Pessoa; José Mendes Mont'Alverne(1940); José Onofre Muniz Ribeiro(1887); José de Paula Pessoa Mendes; José Pessoa Rodrigues dos Santos; José Pessoa Mendes(1936); José Nilson Ferreira Gomes; José Ribeiro Gomes da Frota; Julio Guimarães

Filho(1932); Leopoldo Viriato Figueira de Saboya(1912); Luiz Vianna(1918); Lucio Mendes Carneiro da Frota; Manoel Joaquim da Rocha Frota; Manoel Marinho de Andrade(1906); Massillon Saboya de Albuquerque(1912); Olavo Rangel Parente; Oswaldo Fernandes; Ruy de Almeida Monte(1911); Sergio Saboya; Vandick Ferreira da Ponte(1933); Vicente Candido Figueira de Saboya(Visconde de

Saboya)(1858).

III - ENGENHEIROS

Alberto José Moreira da Rocha; Alzir Barreto Araujo(1940); Antonio Adeodato Mont'Alverne(1940); Antonio Freire de Vasconcellos; Antonio Gonçalves da Justa Araujo; Areodino Santos; Aristides Barreto Neto(1938); Caetano Saboya de Albuquerque Figueiredo(1934); Carlos Perdigão da Silva Monte; Domingos Sergio Saboya e Silva; Edmundo de Almeida Monte(1898); Fabio Marinho Figueira de Saboya; Felinto Alcino Braga Cavalcanti(1885); Francisco Rodrigues de Almeida(1922); Francisco Saboya de Albuquerque; Gerardo Rodrigues de Albuquerque(1938); Gilberto

40

Rangel Mendes; Gladstone Rodrigues Severino Duarte; Humberto Rodrigues de Andrade(1915); Humberto Saboya de Albuquerque(1901); Jarbas Cavalcante de Aragão(1925); Jayme Viriato Figueira de Saboya; Jeronymo Furtado de Mendonça; João Aymbiré Mendes; João Ernesto Viriato de Medeiros; João Pompeu da Silva Magalhães; João Thomé de Saboya e Silva(1891); José Albuquerque Figueiredo(1925); José Antonio de Paula Pessoa Figueiredo; José Avelino Portella(1940); José Figueira Saboya de Albuquerque; José Figueiredo de Paula Pessoa; José Pessoa de Andrade; José Saboya; Josias Ferreira Gomes; Julio de Saboya e Silva; Leopoldo Jorge Moreira da Rocha; Lister Ibiapina Parente; Luiz Saboya de Albuquerque; Luiz Marinho de Andrade; Luiz Sylvestre Gomes Coelho; Manoel do Nascimento Alves Linhares(1867); Martinho Braga; Octavio de Paula Rodrigues(1897); Odorico Rodrigues de Almeida; Onofre Muniz Gomes de Lima(General); Osir Pinho Marinho de Andrade(1937); Paulo de Almeida Sanford(1922); Paulo Saboya Bandeira de Mello; Pompeu Ferreira da Ponte(1883); Raymundo Furtado da Frota; Raymundo Pimentel Ferreira Gomes(1922); Raymundo de Souza Raposo(1863); Ruy Monte Soares(1940); Trajano Saboya Viriato de Medeiros(1886); Trajano Viriato de Medeiros Filho;

Tobias do Monte Coelho; Wicar Parente de Paula Pessoa(General).

SACERDOTES SOBRALENSES

Antonio Alves de Carvalho(1927); Antonio Claudino Pessoa; Antonio Cordeiro Soares; Antonio da Silva Fialho(1839); Antonio de Souza Neves; Antonio de Castro e Silva; Antonio de Lira Pessoa de Maria(Mons.)(1875); Antonio Ferreira de Paula(1871); Antonio Gonçalves da Cunha Linhares; Antonio Ivan de Carvalho; Antonio Lopes de Araujo(Mons.)(1879); Antonio Manoel Diniz Pereira(1843); Antonio Regino Carneiro; Bernardino de Oliveira Memória; Diogo José de Souza Lima(Mons.)(1852); Domingos da Cunha Linhares; Domingos Barreto de Araujo(1933); Domingos de Paiva Dias; Domingos Rodrigues Vasconcellos(1931); Elisio Nogueira da Motta; Fortunato Alves Linhares(Mons.)(1892); Francisco Candido de Vasconcellos(1894); Francisco Cavalcanti de Albuquerque; Francisco de Paula Menezes; Francisco Eudes Fernandes; Francisco Gonçalves Ferreira

41

Magalhães; Francisco Hildebrando Gomes Angelim(Mons.); Francisco Linhares; Francisco Lopes Freire; Francisco Olyntho Leitão; Gonçalo Ignacio de Loyola Albuquerque Mello Mororó; Herculano Bernardino Gomes Ferreira; Ignacio Americo Bezerra; Ignacio Nogueira Magalhães; Jeronymo Thomé da Silva(Arcebispo Primaz)(1872); João Alves de Maria; João Augusto da Frota; João Augusto de Lima(Dr.); João Baptista Pereira(1933); João de Lira Pessoa de Maria(1887); João França Mello(1931); João Gualberto Ribeiro Pessoa; João José de Castro(1872); João José Mendes de Mello; João Rodrigues Alves de Mendonça; João Scaligero Augusto Maravalho(1869); João Teophilo Soares; Joaquim Arnobio de Andrade(1938); Joaquim de Salles; Joaquim Manoel de Jesus(Dr.); José Alpheu Lopes de Araujo(1884); José Aloysio Pinto(1929); José Antonio de Maria Ibiapina(Dr.)(1853); José Bemvindo de Vasconcellos(1871); José Bezerra Coutinho; José Edson Frota Mendes(1942); José Ferreira da Ponte(Mons.)(1871); José Gentil da Frota; José Gerardo Ferreira Gomes; José Gomes Ferreira Torres; José Ignacio Mendes Parente(1942); José Leorne Menescal(Dr.)(1874); José Lourenço da Costa Aguiar(Dom)(1870); José Osmar Carneiro; José Sabino Lopes de Alcantara; José Tupynambá da Frota(Dom)(1905); Justino Domingues da

Silva(Dr.)(1846); Luiz Martins dos Santos Araujo; Luiz Mendes Frota(1942); Luiz de Carvalho Rocha(Mons.)(1908); Justino Furtado de Mendonça; Mamede Antonio de Lima; Manoel da Cunha Linhares; Manoel Francisco da Frota(Mons.)(1861); Manoel França Mello(1892); Manoel Henriques; Marcos Lucio Frota Carneiro; Miguel Francisco da Frota; Miguel Francisco Mendes de Vasconcellos(1812); Miguel Lopes Freire; Miguel Lopes Madeira Uchoa; Miguel Mendes(1812); Pedro Cavalcanti Rocha(1881); Pedro Emiliano da Frota Pessoa(Dr.); Philomeno do Monte Coelho(Mons.)(1881); Primenio Freire das Virgens(1875); Sabino de Lima Feijão(1931); Sabino Guimarães Loyola(1935); Salviano Pinto Brandão(1867);Thomaz Pompeu de Souza

Brasil(Dr.)(1841).

42

ALGUNS ALUNOS DA TURMA DE 1968 DO COLÉGIO MILITAR DE FORTALEZA

O Jornal CORREIO DO CEARÁ publicou no dia 23 de fevereiro de 1968, a relação dos aprovados no exame de seleção para o C.M.F e que estudaram no CURSO BÁSICO DE MATEMÁTICA, dirigido pelo Cel. Felizardo Mendes, sobralense radicado em Fortaleza, e que funcionava, na época, na Avenida Santos Dumont, n o 1111, na Aldeota, local onde depois funcionou o Paloma Lustres, ou seja, na esquina da Rua Antônio Augusto co a citada Avenida Santos Dumont. "Alfredo Turbay Neto; Fernando Antonio Figueiredo Mendes; Heliomar Rocha Leitão; Winston de Paulo Bastos Maia; Roberto Ribeiro Costa Lima; Creto Augusto Vidal; Adonias Melo de Cordeiro; José Erialdo Albuquerque Junior; Ronaldo Cabral Nogueira; Edvânio Almeida Lima; Francisco Gentil Tavares Meireles; José Ademar Gondim Vasconcelos; Paulo de Mello Machado Filho; Roney Sergio Marinho de Moura; Pedro Luiz Cortezi Botelho; Ludwig Pinto Kleinberg; Wellington Barros de Oliveira Moura; Germano José Mendes Martins; Victor Samuel Cavalcante da Ponte; Júlio Cesar

Pimentel de Oliveira; Gladstone Campos Costa; Cesar Fontenelle Catrib; Luiz Emanuel Abrantes Pequeno; Sérgio Ricardo Coelho Ximenes; Oto Ossean de Brito; Cláudio Porto Silveira; Marcus Vinicius Coutinho da Silva; José Nairton Quezado Cavalcante(Neno); Marcelo Farias Maciel; Wilson de Souza Sales Filho; Francisco Carlos Teixeira Cabral; Glauber Ponte Proença; Carlos Alberto Mendes Forte; Ruy Davi de Goes; Margarino Nascimento Souza e J. Jairo Araujo Santana." Fizeram parte dessa mesma turma que ingressou no Colégio Militar em 1968, embora não tenham feito o Curso do Cel. Felizardo: Edgar Albuquerque Neto; Dorian Sampaio Filho; Daniel Caetano de Figueiredo; Paulo Sérgio Melo de Carvalho; Daniel Fidélis Viana de Barcellos; Francisco José Passos Mota; Aniano Bezerra da Silva Costa Neto; Fernando José Lopes Castro Alves; Antônio Alberto Rocha Aguiar, Aluísio Sérgio Novais Eleutério (Sérgio Novais) e Pedro Luiz Cortezi Botelho, entre outros.

(1)Victor Samuel(Vituel), nascido em Sobral a 25 de julho de 1955. Filho do conceituado comerciante Aurélio Cavalcante da Ponte(Casa Samuel) e de Maria do Socorro C. da Ponte; Foi companheiro de internato do autor dessas linhas no Colégio Militar de Fortaleza(1969-1971). Fez concurso para a Escola

43

Preparatória de Cadetes do Ar, localizada em Barbacena-M.G, onde estudou durante três anos; em seguida, concluiu o curso de Formação de Oficiais da Marinha Mercante no CIAGA(Centro de Instruções Almirante Graça Aranha), no Rio de Janeiro. Exerceu importantes funções nos Governos Estadual e Federal.

(2)Neno, articulista da Coluna É

Nordeste; é irmão do também Colunista Lúcio Brasileiro.

do Jornal Diário do

(3)Sérgio Novais. Formado em Engenharia Química pela U.F.C, foi eleito vereador por Fortaleza(Partido Socialista Brasileiro-P.S.B) e em 1998 elegeu-se Deputado Federal pelo Ceará(também pelo P.S.B). Atualmente(2010) é Presidente da Companhia Docas do Ceará. (4) Paulo Sérgio Melo de Carvalho, foi o único da Turma de 1968 do CMF a atingir o Generalato. Atualmente é General-de-Brigada em Natal.

TURMA DE 1972 DO COLÉGIO NAVAL

Segue abaixo a relação dos alunos que passaram no Concurso para o Colégio Naval no ano de 1972, por ordem de classificação. A relação foi publicada no D. O . U n o 19, de 12 de maio de 1972.

Francisco Roberto Portella Deiana; Francisco Pais; José Fernandes Del Angelo; Jacinto Fernandez Otero; Luiz Alexandre Marques Peixoto; Jorge Mauro Fiorito; Armando Alonso Filho; Marcelo de Lyra Filho; Álvaro Maurício Bertho dos Santos; Almir Ribeiro Guimarães Junior; Dilermando Ribeiro Lima; Heraldo Simião da Silva; Sérgio Más Souza Braga; Lauriston de Mendonça Furtado; Rogério Almeida Manso da Costa Reis; Paolo Stanziola Neto; Antonio Pedro Kasakewitch Souza; José Ribamar Freitas da Motta; Rogério do Amaral Gil; Luiz Miguel Régula; Roberto Oliveira Pinto de Almeida; Carlos Renato Seabra de Almeida; Roberto Carvalho de Medeiros; Pierre Matias da Silva; Antonio Paulo de Souza Carelli; Plínio Soares Junior; Luiz Fernando da Silva Costa; Palmiro Ferreira da Costa; Álvaro Lima Martins Bahiense; Carlos Eduardo Videira; Egilson

44

Azevedo Pontes; Mauro Scharth Gomes; Edson da Silva Siqueira; Cid Pereira Santos; Ibrahim Ribeiro Dantas Neto; Marcelo Garcia Vaz; Mário Luiz Alves de Lima; Alexandre Antônio Barreto de Miranda; Alexandre José Barreto de Mattos; Renato Braslavski Leite; Wagner Santos de Almeida; Edson José Ferreira Araújo; Luiz Felipe de Paula Perestrello de Menezes; Mauro Joaquim da Costa Braga; Jorge Luiz da Silva Lasperg; Ivan Nascimento Auzier; Luiz Alberto Branquinho Gonçalves; Ailton Bispo dos Santos; Roberto Carvalho Costa; José Dias de Araujo Machado; Jorge Marques de Menezes; Osmar Pedro da Cunha; Francinet Antunes dos Santos; Jair Leal Señorans; Luiz Antonio Torres dos Santos; Hamilton de Carvalho Burd; Gilson Carneiro da Costa; Henrique Stankiewicz Machado; Wilfredo Carlos Santos Junior; Sérgio Ominelli de Souza; Carlos Alberto Pêgas Ferreira; Júlio Andrey Facure Neves; Lander Loureiro da Silva; Faustino Ferlin; Erivaldo Edson Carvalho de Almeida; Nuno Guilherme da Paixão Rangel; Franklin de Oliveira Gonçalves; Jorge Cascardo Amarante; João Carlos Langone; Paulo Sérgio Espinosa da Silva; Érico Pontes Damasceno; Antonio Carlos Nascimento Motta; Francisco Antonio Cardoso Garcia; Paulo Cesar Hardoim; Ary Cavalieri Brando Júnior; Wilson Carlos Esteves Leite; Sonilon Vieira Leite; José Maria Leite de Araújo Castro;

Marcos Nunes de Miranda; Richard Harold Geraldo Asch; Mario Jorge Fernandes Pires; Carlos Alberto Guerra; Waldemiro Soares de Andrade; Paulo Roberto da Silva Xavier; Fernando Antonio Machado Mureb; Sérgio Lindeberg Chaves; Juarez Alves Junior; José Antonio Nogueira; Rodolfo Henrique de Saboia ; José Augusto da Costa Oliveira; Moisés Hora Santos; Dejair da Silva Trindade; Antonio Pascoal Fernandes Mitrano; Rubens da Igreja Ferreira; Sérgio Ricardo Ferreira; Carlos Alberto Ferreira da Rocha; Genivaldo Berto da Silva; José Carlos Martinho Alves; Sérgio da Silveira Miranda; Sérgio Deluiggi; Frederico Ayres Pereira Corrêa da Silva; Luiz Carlos de Carvalho Roth; Rui Campos Ribeiro; Marcio de Souza Campos; Ricardo José Machado Rodrigues; Murilo Moreira Barros; José Carlos Quaresma Filho; Reinaldo Cesar Monteiro de Barros Bezerra; Jorge Chater Youssef Arous; Carlos Guilherme Mayer; Nelsley Figueiredo Torezani; Oswaldo Guilherme Schroeter; Carlos Eduardo Junqueira; Bahime Velasques Keijock; Marco Andrade Brasil de Matos; Clovis Loureiro Lima; Durval Geraldo Ribeiro Alves; João Luiz Viellas de Farias; Paulo Vinicius Correia Rodrigues Junior; Cosme José Alves; Wilson Luiz Vieira Villela; Tocandira Carreira Benaion; Francisco Gonçalves Pereira Neto; Sidnei Conceição Menezes; Luiz Augusto Lima Vieira da Rocha; José Helvécio Moraes

45

de Rezende; Floriano Saad Mazini; Adelmo Bandeira de Mello Abreu; Dílton Domingos Gomes dos Santos; Reinaldo Biangolino Perlingeiro; Rubens de Carvalho Rodrigues; Paulo Bodnar; Ariovaldo Carreiro de Mello; Antonio Roberto de Oliveira; Abdon Baptista de Paula Filho; Carlos Alberto Marques; Álvaro de Castro Neto; Francisco Eduardo Neves Novellino; Paulo Roberto Ferreira Horta; Roberto Vieira Ferreira Horta; Marcelo Lima Arruda; Fernando Sérgio Paranhos Marçal; Carlos Sartori Ferreira; Alexandre Veloso; Waldecir Loureiro dos Santos; Claudio Iorio Ferraz; Carlos Roberto da Silva; Odair Fernandes Aguiar Filho; Orlando Couto Júnior; Daniel Fidelis Viana de Barcellos; Jorge Ribeiro Junior; Francisco Doege Esteves; Fabio Bittencourt Xavier dos Santos; Luiz Antonio Carvalho; Jefferson Simões Santana; José Fernão Von Teschenhausen Eberlin; Marcus Vinicius de Almeida Malvar; Jorge Luiz Machado; Samy Mustapha; Mauricio Cézar Lourenço Leite; Marcus Segond Carvalho Cruz; Alípio Cezar Zambão da Silva; Cézar Teixeira Castello Branco; Carlos Magalhães Trajano; Marcelo de Camargo Fernandes; Itamar Mosso da Silva; Daniel Caetano de Figueiredo; José Carlos Maia de Oliveira; José Guido de Castro Pacheco; Pedro Luiz Cortezi Botelho; Francisco José Passos Mota; Roberto Pereira Terra; Eduardo Henrique Ferreira França; Carlos

Augusto Fonsêca; Cezar de Alvarenga Jacoby; Helcio Augusto Lopes da Silva; Arnaldo Luiz Ramos Vasconcelos; Sylvio Gustavo Chaves Chilingue; Wanderley Nunes; Antonio Joaquim Gonçalves Moreira; Marcos Antônio de Barros; Sérgio Luiz Coutinho.

46

TURMA DE 1974 DA ESCOLA NAVAL (TURMA HUMAITÁ)

ESPADIM - 74 Diretor da Escola Naval Contra-Almirante - Paulo de Bonoso Duarte Pinto(i.m) Vice-Diretor da Escola Naval Capitão-de-Mar-e-Guerra- Paulo Freire Comandante do Corpo de Aspirantes Capitão-de-Fragata - Gothardo de Miranda e Silva

Segue abaixo a relação, por ordem de classificação, dos Aspirantes no início do Primeiro Ano da Escola Naval.

Integrantes da Turma Humaitá: Abdon Baptista de Paula Filho; Francisco Roberto Portella Deiana; Francisco Pais; Juarez Alves Júnior; Plínio Soares Junior; Odair Fernandes Aguiar Filho; Marcelo de Lyra Filho; Francinet Antunes dos Santos; Cláudio Lirange Zanatta; Wilfredo Carlos Santos Júnior; José Ribamar Freitas da Motta; Lander Loureiro da Silva;

Orlando Couto Júnior; Edson da Silva Siqueira; Sérgio Deluiggi; Sérgio Luiz Coutinho; Jorge Cascardo Amarante; Jorge Marques de Menezes; Pierre Matias da Silva; Carlos Alberto Ferreira da Rocha; Antonio Pedro Kasakewitch Souza; Dilermando Ribeiro Lima; Paolo Stanziola Neto; Alexandre Antonio Barreto de Miranda; Jair Leal Senorans; Francisco Eduardo Neves Novellino; Carlos Alberto Guerra; Almir Ribeiro Guimarães Júnior; Jacinto Fernandez Otero; Marcelo Garcia Vaz; Armando Alonso Filho; Luiz Antônio Torres dos Santos; Roberto Carvalho de Medeiros; Roberto Pereira Terra; Ailton Bispo dos Santos; Luiz Carlos de Carvalho Roth; Alexandre José Barreto de Mattos; Frederico Ayres Pereira Correa da Silva; Álvaro de Castro Neto; José Fernandes Del Angelo; Murilo Moreira Barros; Palmiro Ferreira da Costa; Luiz Miguel Regula; Paulo Roberto da Silva Xavier; Roberto Oliveira Pinto de Almeida; Nelsley Figueiredo Torezani; Luiz F. de Paula Perestrello de Menezes; Hamilton de Carvalho Burd; Ruy Campos Ribeiro; Cézar de Alvarenga Jacoby; Francisco Gonçalves Pereira Neto; Franklin de Oliveira Gonçalves; Cosme José Alves; José Maria Leite de Araújo Castro; Paulo Vinícius Correia Rodrigues Júnior; Sidnei Conceição Menezes; Jeferson Simões Santana; Erivaldo Edson Carvalho de Almeida;

47

Francisco José Passos Mota; Carlos Alberto Pegas Ferreira; José Carlos Maia de Oliveira; José Dias de Araújo Machado; Genivaldo Berto da Silva; Antônio Paulo de Souza Carelli; José Helvécio Moraes de Rezende; José Carlos Quaresma Filho; José Guido de Castro Pacheco; Edson José Ferreira Araújo; Antônio Roberto de Oliveira; Rubens de Carvalho Rodrigues; Maurício César Lourenço Leite; Roberto Carvalho Costa; Antônio Pascoal Fernandes Mitrano; Lauriston de Mendonça Furtado; Ivan Nascimento Auzier; João Astor Mendonça Lisboa; Wagner Santos de Almeida; Sérgio Ricardo Ferreira; Wanderley Nunes; Edmilson Sant'Ana Correa da Costa Lara; Luiz Alexandre Marques Peixoto; Gustavo Silveira Carvalho de Souza; João Luiz Viellas de Farias; Carlos Alberto Marques; Francisco Nunes de Azevedo; Mauro Scharth Gomes; Gilson Carneiro da Costa; Floriano Saad Mazini; Rubens da Igreja Ferreira; Sidney Cordeiro de Araújo; Osmar Pedro da Cunha; Frederico José Cavalcanti de O . e Silva; Cid Pereira Santos; Nilton Sebastião Mello de Figueiredo; Wilson Luiz Vieira Villella; Oswaldo Guilherme Schroeter; Carlos Renato Seabra de Almeida; Alípio César Zambão da Silva; Omar Amílcar Temer Júnior; Ary Cavalieri Brandão Júnior; Henrique Stankiewicz Machado; José Augusto da Costa Oliveira; Laécio Barbosa Ramos; Sonilon Vieira Leite; Jorge Chater

Youssef Arous, Jorge Mauro Fiorito; Cláudio Iorio Ferraz; Heraldo Simião da Silva; Fernando Sérgio Paranhos Marçal; Ruy Fernandes Torres; Fernando Antônio Machado Mureb; Daniel Caetano de Figueiredo; José Fernão von Teschenhausen Eberlin; Ibrahim Ribeiro Dantas Neto; Clóvis Loureiro Lima; Marcus Segond Carvalho Cruz; Fernando da Motta Souto; Sylvio Gustavo Chaves Chilingue; Luiz Augusto de Oliveira; Daniel Fidelis Viana de Barcellos; Rogério Passos Caetano da Silva; Márcio Souza Albuquerque; Marco Andrade Brasil de Matos; Henrique Isensee de Barros; Ricardo Costa Pina; Paulo Bodnar; José Airton dos Santos; Pedro Paulo Gouvea de Magalhães; Álvaro Lima Martins Bahiense; Ricardo Luiz de Sá; Nilo Alberto Monteiro Carvalho; Carlos Guilherme Mayer; Marcus Vinicius de Almeida Malvar; Rodolfo Henrique de Saboia; Marcos Nunes de Miranda; Luiz Antônio Cavalcanti; Waldemiro Soares de Andrade; Bahime Velasques Keijock; Adolfo Barros da Silva Júnior; Carmine Amato Neto; Marco Antônio Moreira de Vasconcellos; Enito Sales Morais Filho; Richard Harold Geraldo Asch; Antônio Carlos Nascimento Motta; Alexandre José Costa de Almeida; Paulo Ricardo Ckless Silva; Nilter Uchoa Vasconcelos; Sérgio Maya de Azevedo; Luis Antônio Marques Pateira; Renato Braslavski Leite; Reinaldo César

48

Monteiro de Barros Bezerra; Luiz Augusto Lima Vieira da Rocha; Márcio de Souza Campos; Sérgio Lindeberg Chaves; Carlos Magalhães Trajano; Alan Gomes Omar; José Carlos Martinho Alves; João Carlos Langone; Carlos Augusto da Costa Ferreira; Osmar Rossato, Antônio Fernando Monteiro Dias (até aqui os que vieram do Colégio Naval, turma de 1972). E mais: Sílvio de Souza Aguiar Carvalho; Sérgio Esteves Krug; Walter Galluf; Paulo Cézar de Quadros Küster; Fernando Gomes Ferreira Lima; Gilberto Gabriel Eid Salomi; João Luiz Carvalho de Queiroz Ferreira; Sérgio Teixeira Pinto; Luiz Fernando Sampaio Fernandes; Newton Rodrigues Lima; Francisco Arilo Cordeiro Gondim; Manuel Costa Neto; Fernando César da Silva Motta; Edgard Cândido de Oliveira Neto; Ângelo de Oliveira Filho; Clébio de Souza Medeiros; Levindo José Garcia Neto; Ivan Pereira de Souza; Fernando Antônio Rosa Sindeaux; Paulo Figueiredo Andrade de Oliveira Filho; Alberto de Oliveira Júnior; José Roberto Alves Fernandez; Francisco Arlindo Lima Moura; Klaus Rolf Zeidler; José Eduardo Gonçalves Ferreirinha; Liseo Zampronio; Lucas de Campos Costa; Wanderley Dull; Pedro Heleno de Almeida Duarte; José Carlos Pereira; José Dalton Carvalho; Francisco Heráclio Maia do Carmo; Paulo Sérgio de Oliveira Listo; Sérgio Martinho de Ribeiro Brandão; Paulo

Viegas Fernandes; Edlander Santos; Cláudio Ferreira Moreira; Franklin Ajuricaba de Freitas; Roberto Miguez Ferreira; Helston Pereira de Mello; Maurício Kiwielewicz; Paulo Fontes da Rocha Vianna; Francisco José Umgemer Taborda; Ricardo Antônio Amaral; Carlos Alberto Tormento; Altevir Costa Machado; Roberto Bastos Rangel; Salvador Ghelfi Raza; Luiz Gonzaga Lima; Alaor Moacyr Dall Antônia Júnior; Gilson Batista de Oliveira; Brasil Lourenço Pinto Filho; Luiz Otavio Guidi de Ornellas; Tarcísio Alves de Oliveira; Jair Xavier da Silva Júnior; Carlos Henrique Gomes; Antônio Bertino Nogueira Filho; Augusto Cézar Castro Moniz de Aragão Júnior; Fernando Luiz Silva Nogueira; Paulo Roberto Caminha Costa; Jakob Henrique Husch; José Américo Ferreira; Davi Santiago de Macedo; Hiran Nestor Silva; José Otávio Dias Lima; Antônio Augusto Seabra Batista; Ruy de Freitas Quintão; Gilberto Carlos Pedroso; José Ferraz de Oliveira; Ivan Cardim da Silva; José Eduardo de Franca Arruda; Ricardo Carlos Von Montfort; Sérgio Ribeiro Magalhães; Sérgio Thadeu Pereira de Souza; Sérgio Fernandes Cima; Carlos Marcello Ramos e Silva; Marco Antônio Delduca dos Reis; Lauro Matias de Souza Filho; Cícero da Silva Santos; Aristeu de Moraes Rego; Jorge Luiz Noel Kronemberger; Geraldo Lopes da Cruz Filho; Eduardo Eurico Ivan da

49

Motta; Wellington de Oliveira Cunha; José Luiz Simões Medeiros; Fernando Antônio da Cunha; Wilson Luiz de Lima Neves; Dioscoro de Souza Gomes Filho; Carlos Alberto Cardoso de Almeida; Francisco Humberto Pinheiro Landim; Édson Douglas de Souza Leony; Jorge Silas Lopes Domingues; José Ribeiro de Vasconcellos Filho; Jorge Augusto Baltazar de Lara; Sérgio Fernando Veríssimo de Mattos; Getúlio Mello Pessoa; Elian José do Nascimento; Thomas Carl Behrens; Ewerson Madeira Correa; Jorge Antônio Ferreira dos Santos; Eduardo Cícero da Silva Tergolina; Marco Antônio da Rocha Suzarte; Luiz Carlos Vinhas da Silva; Francisco Filgueiras Sampaio; Júlio César de Almeida Carvalho; Cleber Ribeiro Afonso; Demostenes da Silva Reis; José Augusto Lopes; Luiz Carlos Ferreira de Assis; José Roberto Alves Coutinho; Lúcio Francisco Arruda; Aquiles Mendes da Silva; Paulo César Gonçalves Henriques; John Antony Pimento Moreno; Álvaro Ernesto Testa Rivera; Roberto Antônio Solis Palma(esses três últimos naturais do Panamá).

TURMA DE ENGENHARIA CIVIL (CONCLUDENTES EM DEZ. DE 1982 PELA UNIVERSIDADE DE FORTALEZA)

Alan Arrais Sydrião de Alencar; Alda Maria Pequeno Costa; Alexandre Carlos de Abreu Camilo; Américo Aragão Alves; Amílcar Mamede Filho; Ângela de Sá Cavalcante Torres; Antônio Augusto de Sales; Antônio Braga Ximenes; Antônio Gilberto Mendes Barroso; Antônio Iran Costa Magalhães; Celina Maria Romcy; César Romero Teixeira; Cícero José Alves Caçula; Cláudia Jerusa Gadelha Moreira; Daniel Caetano de Figueiredo; Eduardo Henrique de Lima Braga; Fernando Antônio Martinez Rodriguez; Francisco Afrânio Ponte Aragão; Francisco Almir Lopes da Luz; Francisco de Freitas Justo Junior; Francisco Edir Carneiro; Francisco Gilvan Moura Ribeiro; Francisco Marcelo Ribeiro Taumaturgo; Francisco Régis Campelo Dantas; Gerardo Oliveira de Almeida; Gilberto Cabral Vila-Nova;Gilberto Sousa Saboia; Gotardo Sales Gonçalves Junior; Guilherme Leite Mapurunga; Hercílio Teixeira; João Bosco Pimenta; João Castelo Branco de Araújo Filho; João

50

Umberto de Paula Cavalcante; Jorge Luiz Maia de Oliveira; José Airton Carneiro Cardoso; José Aloísio Andrade Lima; José Arthur de Carvalho Junior; José Fábio Gomes Oliveira; José Luzardo Teixeira; José Marconi Landim Leite; José Moésio Sousa Magalhães; José Ribamar Parente; José Sávio Cunha; José Valdir Barreto Rodrigues; Lília Freire Araújo Evaristo; Luiz França Barreto Junior; Manuelito Cavalcante Junior; Maria Albani Jovino; Maria Bernadette Frota Amora; Maria Carlenise Paiva de Alencar; Maria de Fátima Maia de Sousa; Maria do Socorro Marques Rodrigues; Maria Dulcilene Mourão; Maria Lyraneide Bezerra; Maria Socorro Ximenes Martins; Marcondes Junior Andrade Maia; Maurício Batista Pinho; Maurício Miranda Cabral; Newton Fernandes Silva Filho; Núbia de Oliveira Matos; Patrícia Eugênia de Gouveia C. Magalhães; Pedro Wilton Clares; Raimundo Wagner Luna; Ricardo Miranda Pinto; Robson Gonçalves Fontenelle; Rosa Gattorno Silva Ramos; Rui de Paula Barbosa; Sérgio de Alencar Araripe Rocha; Suely Beserra de Castro; Tereza Mônica Elpídio de Carvalho e Tiago Otacílio de Alfeu Junior.

TURMA DE 1968 DO COLÉGIO MILITAR DE FORTALEZA

Abaixo segue a relação dos alunos da Turma de 1968 do C.M.F, por ordem alfabética:

Adonias Melo de Cordeiro, Ailton Macêdo de Lima, Airton Ferreira de Oliveira, Aldenor Mesquita Filho, Alexandre Adolfo, Alves de Figueiredo, Alexandre Sabóia Leitão, Alfredo Turbay Neto, Aloysio Vasconcelos Filho, Aluísio Sérgio Novais Eleutério, Álvaro Plácido Cruz Ferreira Lima, Aniano Bezerra C.da Silva Costa Neto, Anísio José Almeida Alexandre, Antônio Alberto Rocha Aguiar, Antônio Carlos Veras de Araújo, Antônio Edísio do Nascimento e Silva, Arcelino de Mattos Brito Neto, Aurélio Fernandes Nunes, Carlos Alberto Sales Cavalcante, Carlos Augusto Giffoni Barros, Carlos Henrique Marques Uchoa, Carlos Roberto Carneiro de Oliveira, César Fontenele Catrib, Creto Augusto Vidal, Daniel Caetano de Figueiredo, Daniel Fidélis Viana de Barcelos, Daniel Rodrigues de C. Pinheiro, Danilo de Mattos Brito Góes, David Alcântara

51

Meireles Pereira, Dimas de Queiroz Lima Filho, Dorian Sampaio Filho, Edgar Albuquerque Neto, Ednardo dos Santos Lopes, Edson Carvalho Nunes Filho, Eduardo da Cunha Correia Lima, Eduardo de Medeiros Brandi, Elifas Chaves Gurgel do Amaral, Emilio Carlos Barbosa Praxedes, Fábio Pessoa Araújo, Fernando Antônio Figueiredo Mendes, Fernando Cláudio de Sousa, Fernando José Lopes de Castro Alves, Fernando Ricardo Marques Uchoa, Flávio Augusto Sales de Oliveira, Francisco Alfredo Pessoa Mota, Francisco Antônio Brandi, Francisco Charles Góes Farias, Francisco Eduardo Felipe Pessoa, Francisco Gentil Tavares Meireles, Francisco José Passos Mota, Francisco Maurício Freitas Uchoa, Frederico Antônio Saraiva Nogueira, George Alexandre Moreira de Sousa, Germano José Mendes Martins, Gustavo de Melo Reis de Sousa, Hamilton de Castro Filho, Heliomar Rocha Leitão, Ilton Ferreira de Araújo, Irtonio Pereira Rippel Júnior, Ivanildo Felix de Oliveira, Jahilton José Mota, Jaime Martins de Sousa Júnior, João de Deus Marques de Lima, João Wellington Maia, Joffre Coelho Chagas Júnior, José Ademar Gondim Vasconcelos, José Arnoldo Cabral Barbosa, José Bonfim de Albuquerque Filho, José Carlucio Gomes de Sousa, José Cronemberg Filho, José de Maria Moraes Estrela, José de Oliveira Alves, José Eduardo

Gurgel do Amaral, José Erialdo de A Monteiro Júnior, José Filizola Mascarenhas de Abreu, José Joaquim de Almeida Neto, José Washington Bastos Brasil, Juarez Pereira de Alcântara, Judicael de Almeida Jacó, Julio César de Sales, Julio César Pimentel de Oliveira, Ludwig Pinto Kleinberg, Luis Emmanuel Abrantes Pequeno, Luiz Cláudio de Mello Caminha, Luiz Virgínio Morais Correia Pinheiro, Mamede Nogueira de Queiroz Neto, Marcelo Alexandre Flores Barbosa, Marcos Antônio Nunes Torres de Melo, Marcus Augusto Gadelha Lopes, Marcus Lacerda Almeida, Marcus Regis de Paiva Costa, Marcus Roberto Ferreira Costa, Margarino Nascimento de Souza, Mário César Bezerra de Menezes, Mario Fernando da Costa e Silva, Max Alves Gomes Nogueira, Miguel Antônio Furtado de Arruda, Newton de Sousa Costa, Orlando Barros Freire, Oto Ossian de Brito, Paulo Anísio Teixeira e Silva, Paulo de Melo Machado Filho, Paulo José Lima Rocha, Paulo Pereira Jucá, Paulo Roberto de Lira Gondim, Paulo Rogério Rayol Braga, Paulo Sérgio de Melo Carvalho, Pedro Luís Cortezi Botelho, Pedro Paulo Avelino Martins, Philemon Benevides Magalhães Neto, Raimundo Nonato Rocha de Oliveira, Raimundo Valdir dos Santos Júnior, Rinaldo Albuquerque Cysneiros Filho, Roberto Pinheiro Klein Júnior, Roberto Ribeiro Costa Lima, Roberto Vieira de Albuquerque, Ronaldo

52

Cabral Nogueira, Roney Sérgio Marinho de Moura, Ruy Davi de Góis, Ruy Flávio de Perucchi Novais, Samuel Bastos de Miranda, Sérgio Guedes Albuquerque, Sérgio Pessoa da Araújo, Silvio Aragão de Almeida, Victor Samuel Cavalcante da Ponte, Vitor Frota Rios, Walmir Rodrigues de Castro Júnior, Wellington Barros Oliveira de Moura, Winston de Paulo Bastos Maia.

AS FAMÍLIAS SABOIA E CARNEIRO

Unem-se estas duas famílias através do casamento do Autor deste Trabalho com Maria Veralúcia Carneiro. Também com o casamento de Larissa Saboia Mont’Alverne Parente e Silva e Reynaldo Arruda Carneiro as duas famílias entrelaçam-se novamente.

53

ABREVIATURAS

A FAMÍLIA CARNEIRO

p.

pai

f.

filho neto bisneto trineto quarto neto quinto neto sexto neto sétimo neto oitavo neto nono neto faleceu , falecido(a).

 

n.

2n.

Escreve o Cônego Sadoc de Araújo em seu livro Raízes Portuguesas do Vale do Acaraú, 2 a Edição, à pág. 89:

3n.

4n

5n

"6. ROSA MARIA DA CONCEIÇÃO. Casou com o ajudante Manoel Carneiro da Costa, natural de Jaboatão, filho de João Carneiro da Costa (este, por sua vez, filho do Alferes Diogo da Costa Calheiros e Joana Carneiro) e Teresa de Jesus - filha do Capitão Cosme Frazão de Figueroa e Maria Coelho de Vasconcelos-, a 9 de janeiro de 1744. O casal foi residir na fazenda Sapó. Deste matrimônio provém a numerosa família Carneiro". O Capitão Cosme Frazão de Figueroa nasceu em 1692 e faleceu a 18 de março de 1762 na Fazenda Sapó. Partiremos, assim, do Ajudante Manoel Carneiro da Costa e de sua irmã Maria Teresa de Jesus, para traçarmos um esboço genealógico da Família Carneiro. Do casal Tenente João Carneiro da Costa , falecido a 25 de maio de 1758, e Teresa de Jesus nasceram os seguintes filhos:

6n

7n.

8n.

9n.

fal.

n.

c.c

nasceu, nascido(a). casou - se com.

f01-Ajudante MANOEL CARNEIRO DA COSTA, c.c. Rosa Maria da Conceição, filha de Mateus

54

Mendes de Vasconcelos e Maria Ferreira Pinto, a 9 de janeiro de 1766. f02- MARIA TERESA DE JESUS, que se casou duas vezes. A primeira, com João da Fonseca Alvares, filho de João da Fonseca Alvares e Maria Alvares, a 15 de fevereiro de 1773. A segunda, com seu primo legítimo Antonio Gomes de Albuquerque, filho de Caetano Gomes da Silva e Francisca Maria de Vasconcelos, a 21 de julho de 1781. f03 - ANA , que faleceu em tenra idade a 26 de julho de 1758"

CAPÍTULO I f01. Ajudante MANOEL CARNEIRO DA COSTA

CAPÍTULO II f02. MARIA TERESA DE JESUS

CAPÍTULO III f03. ANA

55

CAPÍTULO I

f01. Ajudante Manoel Carneiro da Costa, n em 1744 e fal. a 17/12/1810, c.a 9 de janeiro de 1766 c. Rosa Maria da Conceição, filha de Mateus Mendes de Vasconcelos e de Maria Ferreira Pinto. Deixou os seguintes filhos:

n01. Capitão Antonio Carneiro da Costa - PARTE I n02. Tenente José Carneiro da Costa - PARTE II n03. Joaquim Carneiro da Costa - PARTE III n04. Alberto Carneiro da Costa- PARTE IV n05. Vicente Carneiro da Costa - PARTE V n06. Capitão Manuel Carneiro da Costa - PARTE

VI

PARTE I

n01. Capitão Antonio Carneiro da Costa, casou-se duas vezes. A primeira com Ana Bezerra de Araújo, filha de Inácio Bezerra de Menezes e Maria Madalena, a 21/09/1797 . Ana Bezerra n. em 1781 e fal. na Serrota a 28/09/1823. Casou-se o Cap. Antonio Carneiro em segundas núpcias com Luzia de Araújo Costa, filha de Custódio de Araújo Costa e Barbara Maria da Soledade.

****Do primeiro casamento do Capitão Antonio Carneiro da Costa (n01)com Ana Bezerra de Araújo, nasceram os seguintes filhos:

2n01. Joaquim Carneiro da Costa, n. a 27/04/1802, casou-se duas vezes; a primeira com Rosa Maria de Jesus(2n16), filha de Alberto Carneiro da Costa e Rita de Jesus, a 06/01/1825, a segunda vez com Maria do Carmo(2n17), sua cunhada ; 2n02- Vicente Carneiro da Costa, n. a 28/01/1815, c.c. Inocência Florinda da Ponte, filha de José Ferreira da Ponte e de Maria da Ressureição Viana, a

56

30/05/1833 ; Vicente ficou viúvo e casou-se com Maria Tereza Carneiro(3n50); 2n03- Rosa Maria da Conceição , n. a 11/02/1818, c.c. Manoel Carneiro Rios, filho de Custódio de Araújo Costa e de Bárbara Maria da Soledade, a 21/11/1832 ; 2n04-Cel. Manuel Carneiro da Costa,

provavelmente nascido em 1801; casou-se duas vezes:

a primeira em 20/11/1819 com Joaquina Tereza de

Jesus Araújo, filha de Vicente Ferreira da Costa e Rita Maria de Jesus; a segunda vez c. Ana Joaquina de Vasconcelos, filha de Vicente Ferreira de Vasconcelos

e de Antônia Maria do Espírito Santo, a 11/01/1848 ; *****Do primeiro casamento do Cel. Manuel Carneiro da Costa com Joaquina Tereza de Jesus,

nasceram:

3n01-Raimundo Carneiro de Araújo c.c. Antonia Rita(3n62), filha de Vicente da Costa Carneiro e Ana

Francisca ; 3n02-Antonio Carneiro de Araújo casou-se duas vezes. A primeira com Ana Tomásia de Araújo(2n08), filha de Antonio Carneiro da Costa e sua segunda mulher Luzia de Araújo Costa, a 25/04/1847. A segunda com Felismina Umbelina(3n49), filha de Manuel Joaquim Carneiro da Costa e Constança Rocha, a 05/05/1870:

*do primeiro matrimônio nasceram, entre outros:

4n01.Antonio Pompeu de Araújo , c.c. Teresa

Adélia(

Francisca Maria da Conceição, a 29/07/1872; 4n.02.Isabel Carneiro de Araújo , c.c. José Aires Carneiro de Araújo(4n03), filho de José Carneiro de Araújo Costa e Rosa Francelina Pontes, a 06/06/1872; 3n03-José Carneiro de Araújo , c.c. Rosa Francelina Ponte, filha de Vicente Ferreira da Ponte e Rosa Francisca da Ponte, a 18/11/1847. Tiveram, entre outros:

4n03.José Aires Carneiro de Araújo , c.c. Isabel Carneiro de Araújo(4n02); 3n04-João Carneiro de Araújo , Joãozinho, c.c. Rosa Genuína e morou em Sobral; 3n05-Vicente Carneiro de Araújo; 3n06-Guilhermina Bezerra de Araújo , c.c. o seu tio José Carneiro da Costa(2n05), filho de Antonio Carneiro da Costa e Ana Bezerra de Araújo. Residiu

em Camocim- Ceará;

filha de João Carneiro da Costa e

),

****Do segundo casamento do Cel. Manuel Carneiro da Costa(2n04) com Ana Joaquina de Vasconcelos, nasceram:

3n07-Martiniano Carneiro da Costa , n. em 1849, e fal. em 08/05/1935; c.c. Maria Amélia de

filha de Porfírio

Araújo(Dona Mariquinha)(

),

57

Carneiro da Costa e Maria Tereza de Araújo, a 25 de junho de 1881. Tiveram:

4n04.Ana Carneiro (Nana), n. a 24/03/1882, fal. solteira; 4n05.Zacarias Carneiro, n. a 22/11/1883 e fal. a 07/07/1942. Casou-se com Júlia de Castro(Julinha), natural do Alto Purus(irmã de Morgadinha, Jaime, Mosa, Alba, Adolfo e Isa), falecida em 1961. Tiveram:

5n01. Manoel de Castro Carneiro, autor do livro "Crônica da Casa dos Carneiros ", nasceu a 1 o de abril de 1919 em Fortaleza-Ceará e casou-se com Maria da Rocha Barros a 26/04/1944. Tiveram:

6n01. Francisco Roberto Carneiro, Médico, c.c. Leda e tiveram:

7n01. Paula 7n02. Francisco Roberto Carneiro Junior 6n02. Laís Helena Carneiro, Professora, c.c. Armando César Franco e tiveram:

7n03. Vanessa 7n04. Maurício 6n03- Manoel de Castro Carneiro Junior(Junior), formado em Processamento de Dados, Professor concursado da Universidade Estadual Vale do Acaraú, onde foi Coordenador do Curso de Informática e

Chefe do CIUVA. Casou-se com

e tiveram:

7n05. Manoel de Castro Carneiro Neto, que foi aluno do autor dessas linhas no Colégio Geo-Sobralense em

, e atualmente é Acadêmico de Direito da U.V.A;

6n04. Júlia Maria Carneiro, gêmea de Manoel de Castro Junior, c.c. Stephen William Hutchinson e tiveram:

7n06. Louise Mary 7n07. Marcelo 5n02. Rachel de Castro Carneiro, Professora, inupta; 5n03. Maria de Castro Carneiro, já falecida, c.c. o Dr. Raimundo Chaves da Cunha, Dentista, natural de Limoeiro do Norte-Ce e tiveram:

6n05. Mauro 6n06. Raimundo 6n07. Milene 5n04. Maria Lívia de Castro Carneiro, já falecida, c.c. Jeová Leão de Oliveira, Dentista, e tiveram:

6n08. José Batista 6n09. Roberto 6n10. Fernando 6n11. Laís Helena 5n05. Luiz Mauro de Castro Carneiro, formou-se em Direito e fal. inupto; 5n06. Caio Porfírio Carneiro, formou-se em Geografia e História e foi Secretário da União Brasileira de Escritores de São Paulo. Faleceu inupto; 5n07. Hesíodo Antônio Carneiro , fal. inupto;

58

5n08-José Júlio Carneiro, Geólogo formado em São Paulo; c.c. Maria Eliane(5n11), sua prima e tiveram:

6n12. Valéria; 6n13. Luis Carlos; 6n14. Virgínia; 5n09. Ricardo Carneiro, c.c. Maria de Jesus Carneiro(5n12), sua prima, e tiveram:

6n15. Luis Mauro 6n16. Ana Paula 6n17. Ricardo Carneiro Junior 6n18. Maria Clara 5n10. João Batista Carneiro, Médico Urologista, c.c. Dulcinéia e tiveram:

6n19. Silvana;

6n20.Cristiane;

6n21. Ticiana; 4n06.Francisca Carneiro, n. a 27/05/1885. Fal. solteira; 4n07.Maria Carneiro, n. a 29/07/1886 e c.c. Francisco Araújo(Seu Chico). Sem descendentes; 4n08.Porfírio Carneiro , n. a 15/12/1888 e fal. em Massapê-Ceará em 1967. Casou-se com Maria Alves e tiveram, entre outros:

5n11.Maria Eliane Carneiro , c.c. seu primo José Júlio Carneiro(5n08).VER DESCENDÊNCIA NO MARIDO;

5n.12.Maria de Jesus Carneiro , c.c. seu primo Ricardo Carneiro(5n09).VER DESCENDÊNCIA NO MARIDO; 5n.13.Odaléia Carneiro ; 4n09.Francisco Carneiro , n. a 19/11/1890 e fal. solteiro em 13/05/1935; 4n10.Clarisse Carneiro , n. a 25/10/1893 e fal. solteira; 4n11.Antonio, n. a 20/03/1896, foi para o Rio de Janeiro em 1914(ou 1915) e lá c.c. Maria, em 1935, filha de Jorge Schmidt, fundador da revista O Careta. Antônio fal. em 1960. Tiveram:

5n14. Maria Amélia 5n15. Lúcia 5n16. Ângela; 4n12.José, o caçula, n. a 23/12/1897 e c. no Rio de Janeiro com Elvira; 3n08-Francisco Carneiro de Araújo Costa , c.c. Maria Cândida, filha de José Joaquim da Rocha Ponte e Constança Cândida Cavalcante, a 16/07/1872; ; 3n09-Manoel Carneiro de Araujo Costa , conhecido como Manoelzinho da Serrota; 3n10-Maria Dimas , inupta; 2n05-José Carneiro da Costa, c.c. Guilhermina Bezerra de Araújo(3n06), filha de Manuel Carneiro da Costa e Joaquina Teresa de Araújo ;

59

2n06-Maria Ferreira de Araújo Carneiro , c.c. Antônio Ferreira Gomes, filho de Francisco Ferreira Gomes e Maria José de Andrade, a 12/07/1820 e tiveram:

3n11.José Frederico de Andrade, c.c. Francisca

Joaquina Rodrigues, filha do Cap. Antonio Joaquim Rodrigues e Ana Rosa Rodrigues de Albuquerque, a 10 de abril de 1850. Este casal foi residir em Patos, litoral do Acaraú. O Cel. José Frederico fal. a 12/12/1889. Deste matrimônio houve:

4n13

14/02/1851 , c.c. Maria Ferreira de Andrade, filha de

Francisco Teófilo Ferreira; 4n14.João Frederico Rodrigues de Andrade, c.c. Francisca Otília Rodrigues de Albuquerque, filha de José Gomes Rodrigues de Albuquerque e sua terceira mulher Francisca Lopes dos Santos, a 25/01/1888; 4n15.Manuel Frederico de Andrade; 4n16.Francisco Frederico de Andrade, c.c. Pudenciana Miranda de Paula Pessoa, filha do Dr. Francisco de Paula Pessoa Filho e de Pudenciana

Frederico de Andrade, n. a

Antonio

Joaquina Miranda Pessoa, a 30/05/1891. Tiveram dois filhos; 4n17.Ana Frederica de Andrade, n. a 22/01/1852,

filho

de José Gomes Rodrigues e de sua primeira mulher

c.c. José Gomes Rodrigues de Albuquerque(

),

Maria Francisca do Espírito Santo. Tiveram, entre outros:

5n17. Ana Rodrigues de Andrade (Naninha), c. a 16/10/1915 , c. o Dr. Francisco Juvêncio de Andrade n. a 25/03/1881 em Santana do Acaráu e fal. em Sobral a 18/12/1956; Francisco Juvêncio era viúvo de Teodora Judite e filho de Antônio Juvêncio de Andrade e Francisca Laura. Tiveram:

6n22.José Alberto, fal. criança; 6n23. Nilsiton Rodrigues de Andrade, c.c. Maria Carolina Cavalcante, filha de Silvestre Gomes Coelho e de Maria Laura Cavalcante, a 19/12/1942; 6n24.Egberto Rodrigues de Andrade, Cônego, n. a 10/11/1920; ordenado sacerdote a 07/12/1947. Já falecido ; 6n25.Francisco Juvêncio de Andrade Filho, Padre, n. a 05/03/1922. Ordenado sacerdote a 07/12/1947. Fal. a 29/07/1950; 6n26.Luis Aurélio Rodrigues de Andrade, Padre Lazarista, n. a 13/12/1927. Ordenado sacerdote a

15/07/1952;

6n27.Paulo Rodrigues de Andrade, c.c. Elzária Pinheiro Maia, natural de Milhã, filha de Porf´írio Elisário Pinheiro e de Rosa Maria Pinheiro, a

04/06/1954;

6n28.Laurita Rodrigues de Andrade, c.c. Olavo Mendes Brasil, em Fortaleza;

60

6n29.Zilaís Rodrigues de Andrade, c.c. José Menescal Machado de Andrade, viúvo de Maria do Socorro Oliveira e filho de José Astolfo Andrade e Leonília Machado, a 24/11/1962; 6n30.Margarida Maria Rodrigues de Andrade ( Irmã Aglaís), religiosa carmelita; 6n31.Zilmar Andrade Rodrigues de Andrade, (Irmã), religiosa, Filha de Caridade;

4n18

vezes. A primeira com o Dr. Francisco Miranda de Paula Pessoa, filho do Dr. Francisco de Paula Pessoa

Frederica de Andrade, casou-se duas

Antonia

Filho e Pudenciana Joaquina Miranda Pessoa. A segunda, com seu cunhado José Gomes Rodrigues de

Albuquerque(

4n19.José Frederico Rodrigues de Andrade, c.c.

Ana Amélia de Araújo, filha de Porfírio Carneiro da

),

viúvo de Ana Frederica de Andrade;

4n20. Maria do Livramento Leoncina de Andrade, c. a 11 de fevereiro de 1888 em Santana do Acaraú c.

Homeopata, n.

em Santana do Acaraú a 24/08/1864 e fal. em Sobral a 07/01/1933, filho de Antonio Mendes Carneiro e de Maria Joaquina de Jesus. Deste matrimônio houve:

5n18. Aluísio Mendes Carneiro, c.c. Otília Rangel, em Belém do Pará; 5n19.Pedro Mendes Carneiro, n. a 16/10/1891, em Sobral; c.c. Diva Cavalcante, filha de Ildefonso de Holanda Cavalcante e de Maria Vitalina Franca, a 04/12/1915. Tiveram os seguintes filhos:

Antonio Mendes Carneiro Filho(

),

6n32. Maria Laura Mendes Carneiro, c.c. Osvaldo Rangel Filho, n. a 13/08/1914, filho de Raimundo Osvaldo Rangel Parente e de Rosalina Rangel Parente. Casados a 16/10/1943, tiveram:

Costa(

)

e Maria Teresa de Araújo, a 5 de julho de

6n33. José Bismarck Mendes Carneiro, c.c.

7n08. Antônia Ponte Mendes Carneiro;

1883;

Francisca Ione Ponte, filha de Samuel Gomes da

3n12. Antonio Juvencio de Andrade, c.c. Francisca Laurinda de Meneses, filha de José Carneiro Junior e Ana Teodora de Meneses, a 23/01/1862 em Santana; 3n13.Francisco Leôncio de Andrade, c.c. Teodora Leoncina Carneiro(3n42), filha de José Carneiro Junior e Ana Teodora de Meneses, a 15/01/1857 em Santana. Tiveram:

Ponte e de Antônia Cavalcante. Foi proprietário da lanchonete Serve Bem, que o autor dessas linhas tanto frequentou após as sessões do Cine Alvorada, nos anos de 1965 a 1967. Pais de:

7n09. Diva Ponte Mendes Carneiro; 7n10. Hubner Ponte Mendes Carneiro; 7n11. Pedro Élcio Ponte Mendes Carneiro;

61

7n12. Luiz Samuel Ponte Mendes Carneiro; 7n13. Ana Lígia Ponte Mendes Carneiro; 7n14. José Bismarck Mendes Carneiro Filho; 7n15. José Sarto Ponte Mendes Carneiro; 6n34. Raimundo Hubner Mendes Carneiro, fal. criança; 6n35. Ildefonso Élcio Mendes Carneiro, Tabelião, c.c. Maria do Socorro Cisne e tiveram:

7n16. Élcia Cisne Mendes Carneiro , c.c. Carlos Sílvio Portela; 7n17. Regina Cláudia Cisne Mendes Carneiro ; 7n18. Denise Cisne Mendes Carneiro ; 7n19. Liliane Cisne Mendes Carneiro ; 7n20. Edilson Cisne Mendes Carneiro ; 7n21. Adriana Cisne Mendes Carneiro ;

6n36. Pedro Aurélio Mendes Carneiro, c.c. Maria Lêda Rangel, filha de José Falb Rangel-proprietário do Cine Rangel, já demolido- e Miriam Demétrio. Tiveram:

6n37. Grijalba Mendes Carneiro (Dr. Grijalba), Médico conceituado, n. em Sobral a 21/02/1926 e fal. repentinamente na Santa Casa de Misericórdia de Sobral, seu local de trabalho, a 08/10/1985; c.c. Zélia Neiva de Figueiredo, em abril de 1956. Tiveram:

7n22. Maria Luiza Mendes Carneiro , geóloga funcionária do D.N.P.M, Ministério de Minas e Energia. Casou-se com Hernani José Vinishi. Tiveram:

8n01. Luis Ernani ; 7n23. Grijalba José Mendes Carneiro Filho, Engenheiro Eletricista, c.c. Denise Arruda , advogada e economista. Pais de:

8n02. Grijalba Mendes Carneiro Neto ; 8n03. Guilherme Arruda Mendes Carneiro ; 7n24. Fernando Sérgio Leite Mendes Carneiro , Engenheiro Mecânico, c.c. Sandra Maria Dias da Rocha. Pais de:

8n04. Fernando Sérgio Leite Mendes Carneiro Filho ; 7n25. Diva Helena Leite Mendes Carneiro , ; 6n38. Maria Leoncina Mendes Carneiro, inupta; 6n39. Maria Carolina Mendes Carneiro, n. a 09/11/1917, c.c. seu primo Silvestre Gomes Coelho, filho de José Silvestre Gomes Coelho e de Vitalina Silva Franca, a 31/10/1944 . Pais de:

6n40. Maria de Lourdes Mendes Carneiro, c.c. Raimundo Nonato Rodrigues, natural de Granja-Ce, filho de Sebastião Rodrigues da Silva e de Noeme Cavalcante Dias, a 18/07/1957. Tiveram:

7n26. Verônica Maria Mendes Rodrigues ; 7n27. José Ricardo Mendes Rodrigues ;

62

7n28. José Roberto Mendes Rodrigues ; 7n29. Virgínia Maria Mendes Rodrigues ; 6n41. Maria Celina Mendes Carneiro, c.c. Maximino Barreto Lima, filho de Maximino Barreto Lima e de Antonieta Solon. Pais de:

7n30. Maximino Barreto Lima Filho ; 7n31. Diva Maria Mendes Barreto ; 7n32. Pedro Sérgio Mendes Barreto ; 7n33. Mércia Mendes Barreto; 7n34. Marco Mendes Barreto ; 6n42.Maria Terezinha Mendes Carneiro, c.c. José Crisóstomo Frota, filho de Francisco Radier Frota e de Julieta Cialdini. Pais de:

7n35. Silvana Maria 7n36. Julieta Maria

7n37. Francisco Radier Frota Neto ; 7n38. José Crisóstomo Frota Filho ; 7n39. Pedro Ivo Mendes Frota ; 6n43. Robério Francisco Mendes Carneiro, c.c. Maria do Socorro Neves, nascida a 18/02/1941, filha de Benedito Frota Neves e de Maria Gérsia. Casaram- se a 04/12/1965 e tiveram:

7n40. Robério Francisco Mendes Carneiro Filho ; 7n41. Maria Diva Mendes Carneiro ; 7n42. José Eduardo Neves Mendes Carneiro ; 7n43. Pedro Wilson Neves Mendes Carneiro , ;

Mendes Frota ; Mendes Frota ;

6n44. Antonio Mendes Carneiro, n. a 18/06/1936, c.c. Maria do Carmo Adeodato, nascida a 05/11/1942, filha de Vicente Adeodato Filho e de Maria Elisa Gomes. Tiveram:

7n44. Vicente Adeodato Carneiro Neto; 7n45. André Luis Adeodato Mendes Carneiro ; ?7n46. Diva Elisa Mendes Carneiro ;

5n20. Rubens Paulino Mendes Carneiro, c.c. Marfisa Medeiros Mendes, filha de Ulisses Medeiros e Marfisa Aguiar; 5n21. Francisco Moacir Mendes Carneiro, c.c. Helena Jardim, em Fortaleza; 5n22. Jocelin Mendes Carneiro, casou-se duas vezes. A primeira com Iracema Frota , filha de Antonio Rodrigues da Frota e de Cotilde Ponte Frota, a 08/09/1931. A segunda com Teresa Frota, irmã da precedente; 5n23. José Mendes Carneiro, c.c. Paulina Rodrigues, filha de Henrique Rodrigues de Albuquerque e de Maria Antonieta Alverne, a 25/10/1928; 5n24. Vitor Hugo Mendes Carneiro, casou-se duas vezes, com dua irmãs. A primeira com Amazonita Isaura e a segunda com Alda Carneiro de França;. 5n25.Maria Laura Mendes Carneiro, c.c. Diogo Ribeiro da Silva Filho, filho de Diogo Ribeiro da Silva e de Amália Parente Ribeiro, a 21/10/1911.

63

Diogo Ribeiro Filho c. em segundas núpcias c. Raimunda Gomes de Lima, filha de Luis Gomes de Lima e de Elisa Ribeiro, a 06/11/1915; 5n26. Júlia Mendes Carneiro, c.c. Manuel Mendes Carneiro, filho de Francisco Carneiro Leão e de Maria das Graças Mendes, em setembro de 1916; 5n27.Ana Alice Mendes Carneiro, inupta;

3n14.José Garcez de Andrade, c.c. Rita Delfa(3n43), filha de José Carneiro Junior e Ana Teodora de Meneses, a 23/01/1865; 3n15.Maria Tereza de Araújo, c.c. Porfírio Carneiro

filho ds José Carneiro Junior e Ana

Teodora de Meneses, a 07/01/1845 no sítio Alagoinha, Meruoca; 3n16.Francisca Ferreira de Andrade, c.c. Antonio Severino de Vasconcelos, filho de Vicente Ferreira de Vasconcelos e Antonia Maria de Vasconcelos a

16/09/1856 na Fazenda Pau Caído; 3n17.Ana Bezerra de Araújo , c.c. Francisco Benvindo de Vasconcelos, filho de Vicente Ferreira de Vasconcelos e Antonia Maria de Vasconcelos, a 08/10/1845 no sitio Alagoinha, Meruoca; 3n18.Isabel de Andrade, c.c. o Cap. Domingos Gomes da Frota, filho do Cap. José Gomes da Frota e Rita Maria da Soledade;

da Costa(

),

?3n19.Guilhermina de Andrade, c.c. José Carneiro da Costa(2n05?), filho de Antonio Carneiro da Costa e sua 1 a mulher Ana Bezerra de Araujo;

**** Do segundo casamento do Capitão Antônio Carneiro da Costa(n01) com Luzia de Araújo Costa, filha de Custódio de Araújo Costa e de Bárbara Maria da Soledade, nasceram:

2n07-Lúcio Carneiro da Costa, n. em Sant'Ana , fazenda Santa Rosa a 15/04/1827 e fal. a 18/10/1833; c.c. Maria do Carmo da Anunciação Frota, n. em Sant'Ana do Acaraú a 20/04/1830 e fal. a 17/01/1911, filha de Inácio Gomes da Frota e de Ana Joaquina de Vasconcelos. Casaram-se a 21/10/1849 e tiveram:

3n20-Ana Joaquina Carneiro da Frota n. a 08/08/1850 e c.c. Francisco Carneiro de Araújo, filho de Antônio Carneiro de Araújo e de Ana Joaquina de Araújo. Pais de:

4n21.Maria do Carmo Araújo , c.c. José Firmino Soares Filho e tiveram:

5n28.Francisco Hemetério Soares , c.c. Isolina Capote e tiveram:

6n45.José Maria Soares , c.c. Maria de Lourdes Coelho e tiveram:

7n47.Maria das Graças ; 7n48.Francisco Hemetério Neto ;

64

6n46.João Lício Capote Soares , solteiro; 6n47.Francisco Hélio Capote Soares , c.c. Anúsia Albuquerque. Tiveram:

7n49.Maria Zilma ; 7n50.José Jackson ;

6n57

6n58.Jesus Coc Soares ; 5n34.Umbelina Soares (Nenem), c.c. José Rubens Angelim e tiveram:

6n59.Marcos Soares Angelim ;

Agostinho

Coc Soares ;

7n51

Everardo

;

6n60.Carmélia Soares Angelim ;

6n48

Antonio

Rogério

Capote

Soares

,

c.c

6n61

Antonio

Roberval Soares Angelim ;

Raimunda Vasconcelos e tiveram:

7n52.Isolina ; 7n53.Maria dos Carmo ; 6n49.Maria Zilma Capote Soares , fal. solteira ; 6n50.Antonio Márcio Capote Soares , solteiro;

Lucila Soares , c.c. Pedro Frota Portela,

filho de Antonio Frota Portela e de Maria Firmina.

Tiveram:

5n30.José Ataíde Soares , c.c. Maria de Lourdes Matos. Sem sucessão ; 5n31.João Teófilo Soares , solteiro; 5n32.Raimundo Nonato Soares , c.c. Maria Albuquerque. Tiveram:

5n29

Ana

6n51.Benedita Albuquerque Soares ; 6n52.Giovana ; 5n33.Pedro Soares , c.c. Ester Coc e tiveram:

6n53.Maria do Socorro Coc Soares ; 6n54.Pedro Henrique Coc Soares ; 6n55.José Carlos Coc Soares ; 6n56.Maria do Carmo Coc Soares ;

6n62.José Maria Soares Angelim ;

3n21-Manuel Lúcio Carneiro da Frota., n. 24/10/1851 e fal. a 11/01/1914, c.c. Úrsula Amélia da Frota, filha de Manuel de Maria da Frota Vasconcelos e de Constança Idalina Rodrigues Lima. Tiveram:

4n22.Francisco Araken da Frota , Padre, n. a 27/06/1894, ordenado em 04/11/1920, foi vigário de Santana e encarregado de Acaraú; 4n23.Menina , fal. pequena; 3n22-José Tomé Carneiro da Frota , n. a 21/12/1852, c.c. Maria Álcida de Andrade(Maroca), fal. em maio de 1946, filha de Francisco Leôncio de Andrade e de Teodora de Andrade. Tiveram:

4n24.Ana Tomé da Frota , n. a 01/05/1877 e fal. em

20/02/1878;

4n25.Maria do Carmo Tomé da Frota , n. a 01/06/1878, c.c. Francisco Porfírio da Ponte, n. a 27/11/1865 e fal. em Fortaleza a 26/08/1959. Casaram-se em Santana e tiveram:

65

5n35.José I , n. a 30/05/1893 e fal. solteiro a

20/06/1916;

5n36.Maria Isaura , n. a 05/03/1898 e fal. em

14/05/1899;

5n37.José , n. a 18/06/1899 e fal. no mesmo dia; 5n38.Francisco , n. a 02/08/1900 e fal. em

24/04/1901;

5n39.Maria Aldenora Ponte , n. a 14/01/1902, c.c. Paulo Augusto Lopes, filho de José Adriano Lopes e de Maria Emília Castelo Branco. Tiveram:

5n40.Maria Renée Ponte , n. a 13/06/1904, solteira; 5n41.Maria Dalva da Ponte , n. a 29/01/1906, c.c. Micaelis Serafim. Pais de:

6n63.Anthony Ponte Micaelis , n. a 23/11/1941; 5n42.José Heriberto da Ponte , solteiro, n. a 16/09/1907 e fal. em 03/11/1925; 5n43.Maria Eglantine da Ponte , n. a 5n44.José Miranda da Ponte , n. a

4n26

4n27Francisco Tomé da Frota , n. a ; 4n28.Isabel Honorina Tomé da Frota , n. a ; 4n29.Francisca Germelina Tomé da Frota , n. a ; 4n30.José Tomé da Frota , n. a 26/10/1887 e fal. em

22/02/1890;

4n31.Francisco Tomé da Frota , n. a ;

4n32.José Tomé da Frota II, n. a 11/09/1890 e fal. solteiro na Bahia;

Ana

Tomé da Frota II , n. a

;

4n33.Manoel Tomé da Frota , n. a ; 4n34.Maria Iraídes Tomé da Frota (Iáiá) , n. a 27/06/1893, solteira; 4n35.Maria Adalgisa Tocantins da Frota , n. a ;

3n23-Maria Filomena Carneiro da Frota.; 3n24-Miguel Francisco Carneiro da Frota.; 3n25-Luzia Carneiro da Frota.; 3n26-Francisca do Carmo Carneiro da Frota.; 3n27-Isabel da Conceição Carneiro da Frota.; 3n28-Teresa Carneiro da Frota I; 3n29-Estanislau Lúcio Carneiro da Frota n. a 7 de maio de 1862, c.c. Ana Joaquina Rodrigues de Albuquerque, n. a 13 de julho de 1867 e fal. em abriel de 1809. Tiveram:

4n36.José Olavo Rodrigues Frota , n. em Sobral a 17 de fevereiro de 1896; c. a 4 de janeiro de 1922 c. Antonina Saboia de Albuquerque Figueiredo (Nena), n. a 17 de outubro de 1904 em Sobral , filha do Dr. Antônio de Paula Pessoa de Figueiredo e de Antônia Ernestina Saboia de Albuquerque Figueiredo. O Dr. José Olavo fez os estudos primários em sua terra natal com o Prof. Francisco Frota, o curso preparatório no Colégio Anchieta, em Nova Friburgo-R.J e bacharelou-se em Direito pela Escola do Rio de Janeiro, em 1920; foi Promotor de Justiça em Sobral(1921), Juiz Municipal de Coreaú(1922) e de

66

Santana do Acaraú(1925) e depois Juiz de Direito de Crateús(em 1932), tendo sido, ainda, interventor em Crateús no ano de 1945. Faleceram ambos em Fortaleza, onde residiam. Tiveram:

5n 45. Silvio Geraldo Figueiredo Frota, n. em Sobral a 21 de abril de 1925 e fal em Fortaleza em 1994. Cirurgião Dentista formado em 1947, residiu longo tempo em Crateús. Casou com Rosa Virgínia Veras. Tiveram:

6n64. João Olavo Veras Frota, Médico formado pela Universidade Federal do Ceará; 6n65. Sílvio Ernesto Veras Frota, n. em Crateús, Ceará, a 05 de maio de 1961. Bacharel em Direito e empresário atuante no ramo imobiliário, foi eleito Vereador pela cidade de Fortaleza em 1996 (mandato 1997/2000) pelo Partido PMN. É também dono de farmácias na Capital cearense; 6n66. Goethe Veras Frota, Advogado; 5n46. Antônio Figueiredo Frota. Médico, casou-se com Sebastiana Sales Bezerra (Mimi) e tiveram:

6n67. Gêngis Bezerra Frota; 6n68. Gênvis Bezerra Frota; Antônio Figueiredo Frota e Raimunda Sampaio Pessoa, filha de Francisco Sampaio Pessoa e de Maria Severina da Costa, tiveram:

6n69. Pedro Ângelo Sampaio Pessoa, n. a

08/09/1949;

5n47. João Byron de Figueiredo Frota. Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Ceará. Foi Juiz de Direito em Coreaú-Ce -durante a década de 1970-, depois em Ipu, no mesmo Estado e a seguir Juiz da 6 a Vara de Família do Fórum Clóvis Beviláqua, em Fortaleza. Atualmente é Desembargador e reside na Capital Alencarina. Casou-se com Rita Enoy Machado Vale e tiveram:

6n70. Danielle Maria Vale Frota, Médica formada pela Universidade Federal do Ceará; 6n71. Isabelle Maria Vale Frota, acadêmica de Direito; 6n72. José Olavo de Rodrigues Frota Neto, cursa Direito em Fortaleza; 5n48. Dora, fal. criança; 5n49. Maria, fal. criança; 5n50. Francisca, fal. criança; 4n37.José Walter Frota ; 4n38.Maria Dayse Rodrigues Frota ; 4n39.Lucilia Rodrigues Frota ; 4n40.Francisca Gilda Rodrigues Frota , c.c. o comerciante Antonio Enéas Pereira Mendes Filho, filho de Antonio Enéas Pereira Mendes e de Regina Saboia Ximenes de Aragão(?).Casaram-se a 3 de julho de 1909 . Tiveram:

5n51. Ana Joaquina Frota Mendes (Quininha), c.c. Francisco Orlando Bastos. Sem sucessão;

67

5n52. Mariazinha Frota Mendes, c.c. José Filipeto. Tiveram:

6n73. Humberto Felipe; 6n74. Madalena Noelia; 5n53. José Eneas Mendes Frota, n. em Santa Quitéria em 19 de junho de 1918, c.c. Lysette Bastos, natural de Niterói, R.J., filha de Francisco Bastos Dória e de Beatriz Alves; 5n54. Estanislau, fal. criança; 5n55. Estanislau Frota Mendes II, casou-se em Mossoró; 5n56. Antônio Eneas Frota Mendes; 5n57. José Walter Frota Mendes, c.c. Amaurídice Medeiros Silva, n. em Juazeiro do Norte, filha de José Raimundo da Silva Filho e de Adelaide Medeiros. Tiveram:

6n75. Marcos André; 6n76. Teresa Cristina; 5n58. Maria Teresinha de Jesus Frota Mendes, n. em Sobral a 25 de agosto de 1920, casou primeiro com Wilson Garcia Amora. Tiveram:

6n77. Wilma; 6n78. Júlia Maria; 6n79. Vanesca; Maria Teresinha casou-se em segundas núpcias com Euclides e tiveram:

6n80. Uma menina;

5n 59. Maud Frota Mendes, c.c. Nilo Piaccesi. Tiveram:

6n81. Hélio Clayton; 6n82. Marcílio Telmo; 6n83. Marco Aurélio; 6n84. Gilda; 5n60. José Maria Frota Mendes;

*****Do segundo casamento de Estanislau Lúcio Carneiro da Frota com Rosa Gomes, tiveram:

4n41.Maria do Carmo Frota, fal. criança ; 3n30-Antônio Frutuoso Carneiro da Frota.; 3n31-Teresa Carneiro da Frota II.; 3n32-Francisco Betrônio Carneiro da Frota.; 3n33-João Horácio da Frota.; 3n34-Maria da Graças Carneiro da Frota.; 3n35-Rita Carneiro da Frota.?;

2n08-Ana Tomásia de Araújo , c.c. Antônio Carneiro de Araújo Costa(3n02), filho de Manuel Carneiro da Costa e Maria Tereza de Araújo, a 25/04/1847 ;

68

PARTE II

n02. Tenente José Carneiro da Costa, c.c. Maria Teresa de Jesus, filha de João Gomes de Albuquerque

e Antônia Francisca de Araújo, a 17/05/1801, na Matriz;

? 2n09. Reginaldo Carneiro da Costa, c.c. Maria

Lourença da Conceição(2n13) e tiveram:

? 3n36. Francelina Carneiro da Costa, c.c. Ricardo Mendes Carneiro(3n56); ? 2n10. Vicente da Costa Carneiro, c.c. Ana

Francisca de Jesus(2n18), filha do Cap. Manuel Carneiro da Costa e de Francisca Maria de Jesus. VER DESCENDÊNCIA NA MULHER;

PARTE III

n03. Joaquim Carneiro da Costa, c. na Capela de Santana c. Maria Lourença, filha do Ajudante Manuel Lourenço da Costa e Ana Maria da Conceição, a 31/05/1804. Deste casal nasceram:

2n11.José Carneiro da Costa Junior , c.c. Ana Teodora Soares, filha de Alexandre José Soares e de Rita Lourença da Costa, a 26/10/1830, na fazenda Altinho. Deste matrimônio nasceram:

3n37. José Pierre Carneiro, c.c. Isabel Maria do Carmo(3n47), filha de Manuel Joaquim Carneiro e Constança Isabel de Maria, a 4 de fevereiro de 1864. Tiveram, entre outros:

4n42. Ana Pierre Carneiro, c.c. José Carneiro de

Messias(4n42);

3n38. Manuel Carneiro de Messias, c.c. Maria do Patrocínio, filha de Alexandre José Soares e Rita Lourença, a 8 de novembro de 1855. Deste casamento nasceram:

4n43. José Carneiro de Messias, casou-se duas vezes. A primeira c. Ana Pierre Carneiro (4n42), a 21/01/1888. A segunda com Maria Elvira da Frota, f. de Gil Tomás Lourenço e de Francisca Laurinda da Frota, a 02/09/1891; 4n44. Maria Laura de Messias, c.c. Francisco Filomeno Ferreira Gomes, f. de José Bernardino

69

Ferreira Gomes e de Francisca Raimunda de Araújo, a 16/02/1879; 4n45. Maria Isabel de Messias, c.c. seu cunhado Francisco Filomeno Ferreira Gomes, viúvo de Maria Laura de Messias, a 10/09/1887; 4n46. Ana Teodora de Messias, c.c. João Lourinho de Vasconcelos, filho de José Ferreira de Vasconcelos e de Ana Francisca de Vasconcelos, a 16/02/1881; 4n47. Teresa Ester de Messias, c.c. Antonio Alves de Carvalho, filho de Antonio Alves de Carvalho e de Francisca Cândida, a 14/07/1892. Falecendo Teresa Ester, seu marido Antonio se fez sacerdote, ordenado em Fortaleza a 12/03/1927; 3n39. Alexandre José Soares(neto), c.c. Maria Delmira Cavalcante, filha de José de Holanda Cavalcante e Teresa Guilhermina de Sousa, a 25 de novembro de 1871; 3n40. Antonio Carneiro Soares ; 3n41. Joaquim Soares Carneiro, c.c. Hercília Laurentina, filha do Dr. Francisco Urbano da Silva Ribeiro e Teodolina Rosa de Moura, a 30 de abril de

1874;

3n42. Teodora Leoncina Carneiro, c.c. Francisco Leôncio de Andrade(3n13), filho de Antonio Ferreira Gomes e Maria Ferreira de Araújo, a 15 de janeiro de 1857. VER DESCENDÊNCIA NO MARIDO;

3n43. Rita Delfa, c.c. José Garcez de Andrade(3n14), filho de Antonio Ferreira Gomes e Maria Ferreira de Araújo, a 21 de fevereiro de 1871(?); 3n44. Maria do Carmo de Meneses, casou-se duas vezes. A primeira c. José Aires Carneiro(2n25), filho do Cap. Manuel Carneiro da Costa e Isabel Maria do Carmo. A segunda, com o viúvo Policarpo Francisco de Sousa, filho de Diogo José de Sousa e Constança Maria do Carmo, a 29 de junho de 1866; 3n45. Ana Benvinda , c.c. Praxedes Joviniano Carneiro(3n57), filho de Vicente da Costa Carneiro e Ana Francisca de Jesus; 3n46. Francisca Laurinda, c.c. Antonio Juvêncio de Andrade, filho de Antonio Ferreira Gomes e Maria Ferreira de Araújo, a 23 de janeiro de 1862;

2n12. Manuel Joaquim Carneiro da Costa , c.c. Constança Maria de Jesus, filha de Manuel Ferreira da Rocha e de Maria Joaquina de Jesus, a 22/08/1827, na Lagoa dos Espinhos. Tiveram:

3n47. Isabel Maria do Carmo, c.c. José Pierre Carneiro(3n37), filho de José Carneiro da Costa Junior e Ana Teodora, a 04/02/1864; 3n48. Manuel Joaquim Carneiro Junior, c.c. Ana Amália, filha de Vicente Carneiro da Rocha e Maria Evangelina da Glória, a 03/07/1890;

70

3n49. Felismina Carneiro, c.c. Antonio Carneiro de Araújo(3n02), viúvo de Ana Tomásia de Araújo, a

05/05/1870;

3n50. Maria Tereza Carneiro, c.c. Vicente Carneiro da Costa(2n02), viúvo de Inocência Florinda da Penha e filho de Antonio Carneiro da Costa e Ana Bezerra de Araújo; 3n51. Vicente Carneiro da Rocha, casou-se duas vezes. A primeira com Maria das Graças e a segunda com Francisca, ambas filha de Antonio Carneiro da Costa e Margarida da Cunha Linhares; 3n52. José Carneiro da Rocha; 3n53. Joaquim Carneiro da Rocha ; 3n54. Maria Joaquina, c.c. Antonio Mendes Carneiro, filho de Manuel Mendes da Costa e Maria Teodora de Jesus; 2n13.Maria Lourença da Conceição , c.c. Reginaldo Carneiro da Costa(2n09), filho de José Carneiro da Costa e de Maria Teresa , a 07/09/1843, no Sapó; 2n14.Francisca Maria da Conceição , c.c. João

filho de João Carneiro da

Carneiro da Costa(

Costa e de Maria Tereza do Carmo, a 30/09/1834; 2n15.Antônio Carneiro da Costa Junior , c.c. Margarida Francisca Linhares, filha de Domingos da Cunha Linhares e de Ana Ferreira da Costa, a

08/01/1838;

),

****Joaquim Carneiro da Costa(n03) ficou viúvo e casou, em segundas núpcias, com Rita do Espírito Santo, viúva de Manuel Rodrigues Ribeiro, a

17/10/1817;

71

PARTE IV

n04. Alberto Carneiro da Costa, c.c. Rita Ferreira de Jesus, filha de Manuel Ferreira Fonteles Filho e Ana Maria da Conceição, a 22/08/1806; ?2n16. Rosa Maria de Jesus, c.c. 2n01; ?2n17. Maria do Carmo, c.c. 2n01;

PARTE V

n05. Vicente Carneiro da Costa, c.c. Rita Joaquina de Jesus, filha de Francisco Manuel de Araújo e Teresa Maria de Jesus, a 16/02/1801;

72

PARTE VI

n06. Cap. Manuel Carneiro da Costa, fal. em 10/10/1814 e foi casado três vezes. A primeira com Francisca Maria de Jesus, filha de Manuel Lourenço da Costa e Rita Ferreira de Jesus. A segunda com Teresa Maria de Jesus, filha de Manuel Ferreira da Rocha e Maria Joaquina. A terceira com Isabel Maria do Carmo, irmã da precedente.

****do primeiro casamento do Cap. Manuel Carneiro da Costa(n06) com Francisca Maria de Jesus, filha de Manuel Lourenço da Costa e Ana Ferreira de Jesus, nasceram:

2n18.Ana Francisca de Jesus, c.c. o seu primo Vicente da Costa Carneiro(2n10), filho de José Carneiro da Costa e de Maria Tereza de Jesus, a 15/07/1827. Tiveram:

3n55. Antonio Carneiro de Mesquita, casou-se duas vezes. A primeira c. Raimunda das Virgens Barros. A

segunda c. Maria Selma da Conceição,(

filha de

José Carneiro de Araújo Costa e Rosa Genuína, a 11

de julho de 1868;

)

3n56. Francisco Olegário da Costa Carneiro, c.c. Maria do Carmo Araújo, filha de José Joaquim de Araújo e Maria dos Reis Oriente, a 29/09/1854; 3n57. Praxedes Joviniano Carneiro, c.c. Ana Benvinda do Amor Divino(3n45), filha de José Carneiro da Costa Junior e Ana Soares; 3n58. Francisca Cândida, c.c. João Ferreira Adeodato, filho de Luiz Antonio Ferreira Albuquerque e Rita Ferreira de Albuquerque, a 18 de janeiro; 3n59. Maria Madalena de Nazaré, c.c. José Adeodato Ferreira, filho de Luiz Antonio Ferreira Albuquerque e Rita Ferreira de Albuquerque, a

26/11/1860;

3n60. Idalina Francisca, c.c. José Mendes Ferreira Gomes, filho de Francisco Ferreira Gomes e Maria José de Andrade, a 20/08/1843; 3n61. Maria Tereza de Jesus, c.c. Vicente da Costa Ponte; 3n62. Antonia Rita do Patrocínio, c.c. Raimundo Carneiro de Araújo(3n01), filho do Cel. Manuel Carneiro da Costa e Joaquina Tereza de Araújo; 3n63. José Raimundo da Costa Carneiro ;

2n19.Maria Tereza de Jesus, gêmea da precedente,

filho do dito José

c.c. Manuel Mendes da Costa(

Carneiro da Costa, a 14/07/1827. Tiveram:

),

73

3n64.Antonio Mendes Carneiro, c.c. Maria Joaquina

filha de Manuel Joaquim Carneiro da

Costa e de Constança Maria de Jesus; 3n65.Ricardo Mendes Carneiro, c.c. Francelina Carneiro da Costa, filha de Reginaldo Carneiro da Costa e de Maria Lourença; 3n66.José Mendes Carneiro ; 3n67.Ana Mendes Carneiro, c.c. Manuel Carneiro da Silva, filho de João Carneiro da Silva Costa e de Maria Francisca Carneiro da Costa; 3n68. Joaquim Mendes Carneiro ;

Mendes(

),

*****Manuel Mendes da Costa casou-se, em segundas núpcias, a 23 de maio de 1840, com Carolina Maria da Conceição(2n19), filha do Cap. Manuel Carneiro da Costa e de sua segunda mulher Tereza Maria de Jesus Rocha. Deste segundo nascimento nasceu: VER DESCENDÊNCIA NA MULHER

2n20.Maria Carneiro da Conceição, c.c. José Carneiro da Costa Junior, filho do dito José Carneiro da Costa, a 16/02/1827; 2n21.Rosa Maria da Conceição, c.c. Antônio Ferreira da Costa, também filho de José Carneiro da Costa, a

25/061836;

*****do segundo casamento do Cap. Manuel Carneiro da Costa (n06) com Tereza Maria de Jesus, filha de Manuel Ferreira da Rocha e de Maria Joaquina, nasceram:

2n22.Carlota Maria da Glória, c.c. Manoel Zeferino da Ponte, filho de José Ferreira da Ponte(Ver os Ferreira da Ponte) e de Maria da Ressureição Viana, a

25/06/1836;

2n23.Carolina Maria da Conceição, c.c. o seu cunhado Manuel Mendes da Costa, viúvo de Maria Tereza de Jesus, a 23/05/1840 e tiveram:

3n69. Raimundo Mendes Carneiro, c.c. Florência Cândida de Araújo; 2n24-Frederico Carneiro da Costa, c.c. Maria Tereza Aragão, filha de José Ximenes Aragão e de Maria Joaquina, a 13/05/1842. Tiveram:

3n70. Joaquim Frederico Carneiro , nascido em 1845, casou-se com Maria do Carmo Carneiro, filha de Felisberto Ferreira Fonteles. Foram os pais de:

4n48. Raimundo Gervásio Carneiro , nascido em 1878; casou-se com Ana Adelaide de Vasconcelos, filha de Miguel Gervásio de Vasconcelos, ambos naturais de Curralinhos, região próxima da cidade de Morrinhos, Ceará. Ana Adelaide teve por irmãos Manoel Mamede de Vasconcelos, Conceição e Antonio Minervino, Farmacêutico na cidade de

74

Marco. ( Manoel Mamede foi casado com Ana Maria

5n61-Francisco Carneiro de Vasconcelos

8n

Francisco

Evangelista Carneiro ;

Carneiro e foram os pais de Francisco Adauto

8n

Flávia

Maria Carneiro ;

Vasconcelos. Francisco Adauto é pai do Médico Oftalmologista Francisco Adauto Vasconcelos Filho(Dr. Adauto), que tem consultório em Sobral e também do Médico Massillon, entre outros. São parentes próximos do ex-Deputado Oman Carneiro. Oman Carneiro é Político e Advogado; n. em 03/01/1959; filho de Raimundo Oman Carneiro e de Manoela Castro Carneiro. Casou-se com Janine Klein Acioli com quem tem o filho Oman Acioli Carneiro). Raimundo Gervásio e Ana tiveram:

(Fransquim), n. a 20/10/1904, c.c. Maria Odúlia Cândido e tiveram:

7n58.Francisca Maria Cândido c.c. alguém de Fortaleza-Ce; 7n59.Maria do Perpétuo Socorro Cândido c.c. Adauto Rocha; 7n60.Maria da Conceição Cândido c.c. alguém de Itapipoca-Ce ; 7n61.Ana Maria Cândido c.c. Francisco Íris ; 7n62.Ana Lourdes Cândido c.c. José Milton Vasconcelos ; 7n63.Liduína Neumar Cândido ; 7n64.Maria Margarida Cândido ; 7n65.Maria das Graças Cândido ;

5n62.João Minervino Carneiro

6n85. Raimundo Gervásio Carneiro Neto ; 6n86. Teresinha de Jesus Carneiro c.c. José Gentil Cândido e tiveram:

7n54.José de Nazareh Cândido c.c. Maria de Fátima Carneiro; 7n55.Geraldo Magela Cândido c.c. Marta Maria Carneiro; 7n56. Manoel Messias Cândido c.c. Pavônia ; 7n57.Maria de Fátima Cândido c.c. João Batista Carneiro. Tiveram:

8n

Joana

Darc Carneiro ;

5n63.Miguel Deroci Carneiro , n. em Curralinhos a 15/11/1908 e falecido às 15 horas do dia 12/01/2000 em sua casa, em Itans, distrito de Morrinhos-Ce; c.c. Maria Geralda Pinto (5n90) e tiveram:

6n87- Maria do Socorro Carneiro(Corrinha), n. a 30/04/43. Casou-se com seu primo Geraldo dos Santos Carneiro(Geraldo Raul)(6n107), filho de José Raul Carneiro. VER DESCENDÊNCIA NO MARIDO.

75

6n88- Maria Lúcia Carneiro (Lulú), n. em 1945, c.c. Pedro Carneiro da Rocha e tiveram:

7n66. Maria Lourdes Rocha(Lourdinha), c.c. Francisco Edmilson Mariano e tiveram:

8n05. Pedro Igo Rocha Mariano 8n06. Artur Breno Rocha Mariano 7n67. Maria Luciene Rocha c.c. Francisco Carlos Rocha; 7n68. Antonio Aldemir Rocha 7n69. Maria Eliene Rocha 7n70. Francisca Sueli Rocha c.c. Francisco Neto Carneiro; 7n71. Francisco Darlan Rocha c.c. Valdilene e tiveram:

8n07. Ian Rocha; 8n08. Alan Rocha; 6n89. Raimundo Odécio Pinto Carneiro(Raimundo Deró), n. em 13/05/46 c.c. Maria de Lourdes Cândido e tiveram:

7n72.Aurivan Carneiro( Van) c.c. Mazé e tiveram:

8n09.Natália Carneiro 7n73.Lígia Carneiro ; 6n90. Benedito Pinto Carneiro (Didi), n. em 02/04/52, solteiro. 6n91. Maria de Fátima Carneiro, n. em 23/08/1953, c.c. José Ribamar Mariano( Zeinho)(6n121), seu primo, já falecido. Sem sucessão.

6n92. Maria Veralucia Carneiro (Verinha), n. em 18/12/55. Casou-se em Forquilha a 7 de novembro de 1991 com Daniel Caetano de Figueiredo , n. em Sobral a 18 de julho de 1955, filho do Cel. do Exército Caetano Saboia de Albuquerque Figueiredo e de Maria Luiza Ferreira. Daniel cursou o Primário na Escola Dr. João Ribeiro Ramos, em Sobral. Falecendo seu pai a 9 de janeiro de 1968, transferiu-se para Fortaleza e ingressou no Colégio Militar de Fortaleza, turma de 1968. Prestou a seguir concurso para o Colégio Naval , em Angra dos Reis, Estado do Rio , onde estudou durante o biênio 1972/73 e, aprovado com boas notas , foi para a Escola Naval, na Ilha de Villegaignon, na cidade do Rio, onde cursou o 2 o ano. Retornou ao Ceará em 1977 e ingressou em 1978 no curso de Engenharia Civil da Universidade de Fortaleza, tendo concluído este curso em dezembro de 1982. Voltou ao Rio de Janeiro em 1986, retornando em 1989 para Fortaleza e em seguida, no ano de 1990, para Sobral, sua terra natal. Em 1994 foi aprovado em concurso público promovido pela Universidade Estadual Vale do Acaraú(UVA), sendo Reitor desta o Prof. José Teodoro Soares. Está vinculado ao Departamento de Matemática e em setembro de 1999 concluiu o curso de Especialização em Ensino de Matemática pela UVA. Maria Veralucia é prima em primeiro grau do poeta, jornalista e radialista Antonio

76

Pinto Carneiro. Separaram-se em novembro de 2005 e voltaram o relacionamento em novembro/dezembro de 2007. Tiveram:

7n74. Ana Frieda Carneiro Saboia de Figueiredo, n. a 9 de janeiro de 1993 na Santa Casa de Misericórdia de Sobral, sendo a equipe que a assistiu formada pelos médicos Luis D’Assenção Morais de Aquino Junior (Obstetra), Vicente Cristino Menezes Neto (Anestesista) e Francisco Plácido Nogueira Arcanjo(Pediatra). Iniciou seus estudos no Colégio Prof. Luciano Feijão, em 1996. No ano seguinte passou a estudar no Colégio Sobralense, retornando em 2006 ao Colégio do Prof. Luciano, onde cursa atualmente (2010)o Terceiro Ano do Ensino Médio; 7n75. Caetano Saboia de Albuquerque Figueiredo Neto, n. na Santa Casa de Misericórdia de Sobral a 13 de dezembro de 1996, sendo a equipe que o assistiu composta pelos médicos Luis Aquino, Vicente Cristino e Pedro Olivar Sousa Magalhães (Pediatra). Cursou da Alfabetização à Segunda Série no Colégio Sobralense. Atualmente(2010)cursa o Oitavo Ano(antiga Sétima Série);

6n93. Maria Aparecida Carneiro, n. em 1960 e c.c. José Aldemir Farias. Tiveram:

7n76.Claudemir Carneiro Farias ; 7n77.Tiago Carneiro Farias ;

6n94. José de Assis Carneiro, n. em 1961. Casou-se com Maria Valdelice Inácio e tiveram:

7n78. Ana Jéssica Carneiro, n. em 2/11/1990. 7n79.Jeferson Carneiro ; 6n95 a 104. Dez filhos que faleceram quando eram crianças. 5n64. José Raul Carneiro, n. a 12/12/1911. Casou-se com Ana Maria do Espírito Santo(5n91), nascida a 28 de julho de 1915 e falecida a 5 de dezembro de 2000. Tiveram:

6n105. Francisco das Chagas Carneiro c.c. Maria da Conceição; 6n106. Sebastião de Oliveira Carneiro c.c. Maria dos Prazeres Rocha; 6n107. Geraldo dos Santos Carneiro(Geraldo Raul), n. a 16/04/40 c.c. Maria do Socorro Carneiro(6n87) sua prima, filha de Miguel Deroci Carneiro e de Geralda. Tiveram:

7n80. Gorete Maria Carneiro, filha única n. a 24 de dezembro de 1966; c.c. José Socorro Farias (Socorro) e tiveram:

8n10. Henrique Johny Carneiro Farias, n. em Fortaleza a 27/10/1989, estudante do Colégio Martins Ferreira Cândido, em Itans. 6n 108. Francisco dos Santos Carneiro(Santo) c.c. Fátima Maria e tiveram:

7n81.Fábio Santos Carneiro ;

77

6n 109. Antonio Pinto Carneiro (Pinto Carneiro), n. a 27 de maio de 1952; poeta, jornalista e radialista, c.c. Liduina Maria Carneiro(6n114), sua prima, filha de Joaquim Frederico Carneiro e tiveram:

7n82. Francisco Lidônio Carneiro , Médico formado em Campina Grande, Paraíba; 7n83. Alan Clério Carneiro; 7n84. Antonio Pinto Carneiro Junior , Acadêmico do Curso de Computação da Universidade Estadual Vale do Acaraú, em Sobral. Foi aluno do Autor destas linhas; 7n85. José Raul Carneiro Neto ; 6n110. Dalila Carneiro , já falecida; c.c. Beatriz e tiveram:

7n86.Maria Gracimar de Assis ; 6n111. Maria da Conceição Carneiro, professora , solteira. 5n65. Isaú Carneiro, n. em 1915 e falecido em Morrinhos a 13/01/2000, no dia seguinte ao do falecimento de seu irmão Miguel Deroci Carneiro. Casou-se com Maria Guiomar Maranhão e tiveram:

6n112. Maria de Fátima Carneiro c.c. José de Nazarerth Cândido; 5n66. Manoel Assis Carneiro c.c. Maria da Conceição Lopes; 5n67. Vicente de Paula Carneiro, n. em 6/12/1919 em Itans; faleceu solteiro.

5n68. Expedito Carneiro ; 5n69. Manuel Messias Carneiro c.c. Maria do Socorro Cândido e residem em Fortaleza; 5n70. Joaquim Frederico Carneiro, que fal. com 54 anos de idade. Casou-se com Luzia Jurandir Cândido e tiveram:

6n113. Maria Márcia Carneiro c.c. José Calazans Neto, que foi gerente geral do Banco Econômico, agência de Sobral. Tiveram:

7n87. José Aristeu de Vasconcelos Neto 7n88. José Calazans Junior 7n89. Conceição Mikaelly de Vasconcelos 6n114. Liduína Maria Carneiro, c.c. Antonio Pinto Carneiro(6n109), seu primo, filho de José Raul Carneiro e de Ana. VER DESCENDÊNCIA NO MARIDO. 6n115. Marta Maria Carneiro c.c. Geraldo Magela Cândido; 6n116. José Celino Carneiro 6n117. Raimundo Nonato Carneiro 6n118. Francisco Vandic Carneiro 6n119. José Socorro Carneiro 6n120.