Você está na página 1de 5

Questões de Sociologia.

1) O que possibilitou a transição das Hordas para as tribos?


A descoberta do fogo e a articulação da linguagem simbólica são marcos para a compreensão de
como os seres humanos puderam distanciar-se da natureza defendendo-se dos animais e protegendo-
se das intempéries. Esse afastamento possibilitou o desenvolvimento de uma racionalidade que aos
poucos propiciou a descoberta da agricultura e do pastoreio. A partir destas atividades, os seres
humanos puderam tornar-se sedentários e fixar-se em tribos.

2) Defina trabalho.
Ação de transformação da natureza e de si mesmo, um processo a partir do qual o homem se
autoproduziu e humanizou a natureza. O trabalho é um elemento básico de toda a vida em sociedade.

3) Como era a vida social na sociedade tribal?


A vida tribal exige o surgimento de regras de convívio do grupo, que vão forjar os costumes e as
tradições. As questões são resolvidas em conjunto pelos membros adultos.

4) Como eram as relações de trabalha no sociedade tribal?


Nas sociedades tribais as atividades produtivas não se distinguem das demais, são realizadas no tempo
mínimo para a satisfação imediata das necessidades materiais e sociais, de forma cooperativa. Essas
atividades vinculadas à produção, segundo Tomazi (2000), estão associadas aos ritos e mitos, ao
sistema de parentesco, às festas, às artes, ou seja, ao que denominamos vida social, econômica,
política e religiosa. O trabalho não tem valor em si separado de todas as outras atividades. Isto significa
que o trabalho não é realizado com a intenção de acumular ou armazenar riquezas, não existe a
exploração do trabalho e, conseqüentemente, uma divisão em classes sociais ou uma estratificação
social. Diferenciação das atividade de trabalho a partir do sexo e da idade.

5) Como se organiza o Estado na sociedade Tribal?


Nestas sociedades também não existe o Estado, ou seja, a dominação de uns sobre os outros. As
relações entre as pessoas são ordenadas pelo sistema de parentesco.

6) Como surgiu a escravidão?


A escravidão surgiu no momento em que tribos rivais fizeram prisioneiros. A partir desse momento as
sociedades passaram a conhecer desigualdade entre os seus membros.

7) Como funcionava a organização social na Sociedade Escravocrata?


Nelas a estratificação social realizava-se por um sistema de castas e a distribuição das ocupações era
rigidamente controlada. Todo o trabalho passou a ser realizado por escravos. Labor: atividades
realizadas pelas castas inferiores e relacionadas aos ciclos da natureza, ao trabalho contínuo e ao
parto. / Poiésis: realizado pelo artesão. / Praxis: Atividade do cidadão pertencentes à casta dos
senhores proprietários e filósofos (espaço da política e da vida pública). A divisão do trabalho era
realizada pela mão de obra escrava e por meeiros assalariados, artesãos e camponeses, todos
oprimidos pelos senhores e proprietários.
8) Como era estratificada a sociedade Feudal?
A estratificação social nas sociedades feudais era estamental, composta de senhores feudais – clero e
nobreza – e servos. Não havia mobilidade social, a posição social era determinada pelo nascimento, ou
seja, quem nasce servo será sempre servo. Considerava-se que enquanto o clero rezava, os nobres
guerreavam e os servos trabalhavam.

9) Como eram as relações de trabalho na sociedade Feudal?


Na sociedade feudal os servos pertenciam ao meio de produção terra e as terras eram propriedades
comunais dos senhores feudais: clero e nobreza. O servo trabalhava em troca não de uma
remuneração, mas do direito de morar nas terras de um determinado senhor, sem nenhum vínculo
contratual. Não havia a preocupação com a produção de excedente, mas de uma auto-suficiência,
apesar de que havia o comércio porque algumas mercadorias só eram produzidas em determinadas
regiões.

10) Existia a noção de Estado na sociedade Feudal?


Não havia a noção de Estado, mas um poder interno a cada feudo que tinha autonomia administrativa.
Porém, a Igreja católica exercia forte dominação de maneira dogmática e teocêntrica.

11) Como funcionava a produção de bens na sociedade moderna?


Economia de Subsistência: Esses bens de uso dos camponeses eram a alimentação, os instrumentos
de trabalho, a casa, o estábulo, o celeiro, os animais e as fibras vegetais que eram cardadas e tecidas
para o uso em os tecidos destinados ao corpo, à cama, à mesa, aos sacos e outros. Esses produtos
eram utilizados pelos servos para pagarem os impostos devidos aos seus senhores.
A produção especializada de bens como mercadorias destinadas aos privilegiados eram jóias, armas,
carruagens, arreios, e vestuário de luxo e outros. A produção especializada de bens era artesanal.

12) O que eram as corporações de ofício?


Corporações de ofício eram associações livres, reguladoras dos conflitos dentro de uma categoria de
produtores de mercadorias semelhantes, que buscavam manter o mercado livre da concorrência mútua
e externa, defendiam os associados do que eles consideravam prepotência dos grandes mercadores e
da imposição dos príncipes, bispos e cardeais. Essas corporações eram reguladoras da profissão,
especificando a qualidade dos produtos e ordenando a hierarquia em seu interior: mestre, oficiais e
aprendizes. O mestre era a autoridade suprema que detinham a arte da profissão. Os oficiais
realizavam atividades recebendo pagamento, sem a propriedade dos meios de produção e os
aprendizes eram jovens que sob a tutela dos mestres recebiam treinamento e se aprovados poderiam
tornar-se um deles.

13) O que eram Estado Absolutista.


O Estado Absolutista era uma nova forma de organização que deu origem às monarquias nacionais, o
conseqüente fortalecimento do poder real e maior arrecadação de impostos. A burguesia projetou-se
como classe social com o desenvolvimento do comércio e para defender seus interesses aliou-se aos
Reis para criar a administração do mercantilismo. A centralização do poder era fundamental para as
atividades comerciais porque possibilitava a padronização monetária, a criação de leis, a constituição de
exércitos permanentes, proteções alfandegárias e a conquista militar de outros territórios. Possibilita
assim a separação da pessoa do monarca e da administração do Estado e do que é público e o que é
privado. Foi nesse momento que ocorreu o surgimento dos Parlamentos como órgãos consultivos, do
Conselho de Ministros como apoio à forte intervenção que o Estado realizaria na economia, criando as
bases para o surgimento das manufaturas. Com a expansão do comércio e da economia de mercado, o
poder da burguesia cresceu e possibilitou o surgimento do capitalismo manufatureiro (cooperação
simples) apoiado pelas monarquias absolutas em detrimento das corporações de ofício e da economia
doméstica.

14) O que eram as cooperação simples?


o trabalho continuou sendo realizado pelos artesãos, mas os burgueses passaram financiar e coordenar
o processo de trabalho dos artesãos, definindo o que deveria ser produzido e o quanto. Apesar da
presença do capitalista, nesta nova configuração das relações de produção, os trabalhadores não
perderam o controle do processo de trabalho e detiveram não só o conhecimento como também os
instrumentos e ferramentas.

15) O que significou o Renascimento Cultural e Científico?


Intenso crescimento que levou à urbanização, principalmente, com a migração dos servos e
camponeses para as cidades, em busca de trabalho. A prosperidade significou novos padrões de
conforto, como o aumento da mobília e dos utensílios, provocando a especialização em certos ofícios
artesanais. A expansão do mercado enfraqueceu sobremaneira a cultura material local, provocou um
declínio das feiras, afetou a produção dos objetos artesanais e das apresentações artísticas.
Nele emergiram filosofias humanistas, novas idéias que revolucionaram as artes e o conhecimento
desenvolvendo a cartografia, a geografia física, a astronomia e a técnica de construção naval.

16) O que era a acumulação primitiva de capital?


A riqueza acumulada pelos burgueses no período do mercantilismo, adquirida com a venda de
mercadorias, a pirataria, o fluxo dos metais preciosos, a expropriação das colônias e o tráfico de
escravos foi investida para a produção de mercadorias a serem vendidas no novo mercado em
expansão.

17) O que era o Capitalismo Manufatureiro?


Nesse processo em que os burgueses passaram a intervir na produção das mercadorias, demandando
o que produzir, financiando a produção, fornecendo matéria prima aos artesãos, os trabalhadores foram
sendo reunidos em um mesmo local, as manufaturas. Nelas, o trabalho passou a ser divido em tarefas,
num processo denominado de cooperação avançada e tornou-se trabalho coletivo. O processo de
realização das operações foi divido em tarefas entre um grupo específico de trabalhadores
proporcionando três formas de aumento da produtividade; melhor aproveitamento do tempo, aumento
da destreza do trabalhador e invenção de ferramentas adaptadas a tarefas específicas. Nesse novo
nodo de produção o trabalho humano passou a ser assalariado. Na manufatura ocorreu um aumento da
produtividade do trabalho por ser realizado com um controle mais rigoroso e possibilitou que as tarefas
mais simples tivessem um menor custo. Marx considera que nesse momento a força de trabalho tornou-
se mercadoria e propiciou todos os elementos para o surgimento do capitalismo industrial.
18) Como é caracterizada a sociedade Industrial?
Na sociedade industrial a produção é caracterizada pela separação entre a empresa e a família, pela
introdução da divisão técnica do trabalho no processo de produção das mercadorias e pela
concentração operária no lugar do trabalho.
19) Qual a diferença entre a economia capitalista e socialista?
As semelhanças são a separação entre a empresa e a família, um tipo original de produção a partir da
divisão técnica do trabalho, uma acumulação de capital e o caráter progressivo da economia exigindo
rigoroso cálculo econômico e a concentração operária.
As diferenças são a propriedade dos meios de produção pelo Estado e não por particulares e a
repartição dos recursos determinada pela comissão de planejamento e não por indivíduos no mercado.
Essas diferenças fazem com que na sociedade capitalista a regulagem da economia seja
descentralizada, e o equilíbrio entre a produção e o consumo seja estabelecido pela oferta e a demanda
no mercado. A busca do lucro é o objetivo primeiro da economia gerando a desigualdade de acesso aos
bens e benefícios da produção social.

20) O que caracteriza o Capitalismo Industrial?


A maquinofatura, possibilitada pela invenção de máquinas que realizam tarefas que substituem o
trabalhador que passa a fazer a manutenção delas, ou seja, regulagem, carregamento e ligação. O
trabalhador operário submete-se ao ritmo e velocidade da máquina.

21) Qual a primeira fase da Revolução Industrial?


Maquinofatura. Iniciada em 1780, na Inglaterra, com a invenção da máquina a vapor que tinha como
base a utilização do carvão, do ferro e a fabricação de tecidos de algodão com a utilização do tear
mecânico. O trabalho era semi-artesanal, qualificado, pesado e insalubre. Concretamente, do ponto de
vista do capitalista, as máquinas não cansam e nem fazem greves, podendo realizar sobretrabalho. Se
nas fases de organização do trabalho da cooperação simples e da manufatura predominou a exploração
da força de trabalho a partir da mais-valia absoluta no processo de organização do trabalho na
maquinofatura a mais-valia relativa passou a predominar.

22) Qual a segunda fase da Revolução Industrial?


A descoberta da eletricidade e o desenvolvimento da indústria química caracterizaram, no final do
século XIX, a segunda fase de desenvolvimento do capitalismo. Nesta fase as descobertas das ciências
físicas aceleraram o desenvolvimento das forças produtivas que por sua vez, exigiam um conhecimento
científico mais rigoroso e exato.

23) O que foi o Taylorismo/Fordismo?


Identifica um processo no qual houve um aumento de produtividade do trabalho a partir do controle das
atividades dos trabalhadores, a divisão e parcelamento das tarefas, a mecanização de parte das
atividades com a introdução das linhas de montagem possibilitando a produção em série para um
consumo em massa.
Através do método de administração científica do trabalho, Taylor objetivava diminuir custos através da
produção em série e do controle dos movimentos do trabalhador nas fábricas. A concepção implicava
em planejar as atividades dos trabalhadores com o objetivo de tornar o trabalho mais eficaz e rápido
(método do controle e disciplina dos processos de trabalho, onde aparecia a figura do gerente.)
Houve uma fragmentação das tarefas que se tornaram mais simplificadas e repetitivas aumentando a
produtividade.

24) Quais eram os princípios de Taylor?


1) a dissociação do processo de trabalho das especialidades dos trabalhadores tornando-os
dependentes das políticas gerenciais, 2) a separação de concepção e execução expropriando os
trabalhadores do controle sobre os instrumentos de produção do seu trabalho e de como o executar e 3)
utilizando o monopólio do conhecimento para controlar cada fase do processo de trabalho e seu modo
de execução.

25) O que foi o Fordismo?


Desenvolveu e aprofundou a capacidade de controle sobre o operário com a mecanização da circulação
de objetos e meios de trabalho, compactando o trabalho e reduzindo as necessidades de deslocamento
do trabalhador no espaço da fábrica. O ritmo do trabalho e a localização do trabalhador passaram a ser
regulados de forma mecânica e externa ao trabalhador. A produtividade aumentou tanto que foi possível
diminuir o tempo necessário à produção de um grande volume de mercadorias que passaram a ter um
valor unitário menor. Menos tempo de trabalho e mercadorias com menor custo propiciaram a produção
em série para um consumo em massa. O aumento da produtividade do trabalho a partir da mais-valia
relativa possibilitou a diminuição da jornada de trabalho para oito horas e o aumento do salário para
cinco dólares ao dia. Isto significou que o trabalhador passou, não só, a ter um aumento do seu salário
como também tempo livre para o lazer, além da possibilidade de comprar um automóvel modelo T da
fábrica de Ford.

26) O que foi o Pós-Fordismo ou Toyotismo?


A partir de 70 houve a crise do petróleo, a divida dos países de terceiro mundo, a valorização do dólar e
a partir de então a o processo produtivo capitalista foi denominado acumulação flexível. Caracterizado
por caracterizado pela flexibilização dos processos de trabalho, incluindo a automação; flexibilização e
mobilidade dos mercados de trabalho e flexibilização dos produtos e dos padrões de consumo. O
trabalhador passou a intervir na produção para fazer o controle e a supervisão do aparato da tecnologia
eletrônica. Os robôs automatizaram o processo de produção e, não questionavam condições de
trabalho. As máquinas passaram a trabalhar 24 horas, sem repouso, greve, acidente ou doença. Isto
significou, que a automação passou a fazer parte do cotidiano das grandes, médias e pequenas
industrias e do setor de serviços, substituindo o homem com vantagens por ser mais rápida, precisa e
versátil.

27) Toyotismo: Na fábrica de automóveis japonesa - Toyota - um trabalhador passou a operar até 5
máquinas. Nela a produção estava vinculada à demanda, ao trabalho em equipe, no qual ocorreu o
Just in time, ou seja, produzir tudo no melhor tempo, no tempo mais rápido. toyotismo – modelo de
produção inaugurado pela fábrica de automóveis da Toyota japonesa – transformou-se para o
ocidente numa alternativa factível do capital, uma nova via para a crise do capitalismo. Esse
modelo de empresa flexível foi em parte assimilado pelo ocidente.