Você está na página 1de 7

LISTA DE EXERCÍCIOS - ROMA Data:____/____/____

Aluno(a): ________________________________________________________________ Nº: ________


1º Ano do Ensino Médio – Turma ____
Professor: Lenilson da Silva Araujo

1) (UF – Viçosa) A respeito das classes que compunham a sociedade romana na Antiguidade, é correto
afirmar que:
a) os patrícios foram igualados aos plebeus, durante a democracia romana, quando da revolta dos clientes,
que lutaram contra a exclusão social da qual eram vítimas.
b) os plebeus podiam casar-se com membros das famílias patrícias, forma pela qual conseguiam quitar suas
pendências de terra e dinheiro, conseguiam quitar suas pendências de terra e dinheiro, conseguindo assim
certa ascensão social.
c) os clientes eram estrangeiros acolhidos pelos patrícios e transformados em escravos, quando sua conduta
moral não condizia com a de seus protetores.
d) os plebeus compunham a classe formada pelos camponeses, artesãos e alguns que conseguiam
enriquecer-se por meio do comércio, atividade que lhes era permitida.
e) os escravos por dívida eram o resultado da transformação de qualquer romano em propriedade de outrem, o
que ocorria para todos que violassem a obrigação de pagar os impostos que sustentavam o Estado
expansionista.

2) (MACK – SP) Assinale a característica básica da organização política de Roma na fase monárquica.
a) o poder concentrava-se nas mãos dos imperadores, supremos mandatários escolhidos pelo Conselho dos
Anciãos e Assembléia Curial.
b) o rei acumulava as funções executiva, judiciária e religiosa, mas o Conselho dos Anciãos tinha poder de
veto às leis apresentadas por ele.
c) o regime político era denominado triunvirato, caracterizado pela alternância do poder entre três fortes reis
escolhidos por um Conselho.
d) o Senado e o Tribuno da Plebe eram órgãos máximos do poder político do período.
e) a Assembléia Geral definia o Direito Romano, composto pelo Direito Público e o Direito Privado, e
direcionava as eleições do monarca.

3) (UF – Viçosa) Sobre a economia romana no período monárquico, é CORRETO afirmar que:
a) caracterizava-se pelo forte desenvolvimento comercial, exercido através do Mar Mediterrâneo, com regiões
conquistadas, como a Grécia e o Norte da África.
b) havia predominância da mão-de-obra escrava, resultado das conquistas militares efetuadas na Península
Itálica.
c) era caracterizada pela propriedade coletiva da terra e pela igualdade sócio-econômica entre os membros da
comunidade, que se ajudavam mutuamente em todas as tarefas.
d) era agropastoril, tendo o comércio pouco desenvolvimento neste período.
e) os clientes formavam a principal mão-de-obra, pois deviam serviços e favores aos patrícios.

4) (FGV – SP) A República Romana resultou da mistura de elementos monárquicos (magistraturas),


aristocráticos (senado) e democráticos (assembléias). Os magistrados, na República Romana, exerciam o
poder executivo e eram:
a) os senadores eleitos pela assembléia tribunícia, os tribunos da plebe indicados pelos senadores e os
censores indicados pelos demais com cargo vitalício.
b) a plebe organizada na assembléia curiata e os cônsules que eram indicados pelo senado.
c) os censores, os cônsules, os edis, os pretores e os questores.
d) os senadores, os cônsules e os tribunos da plebe.
e) os senadores, os cônsules e os pretores.

1
5. (PISM/2003) Observe a figura:

Sobre a escravidão em Roma, leia atentamente as afirmações abaixo:

I. Está relacionada ao grande desenvolvimento das atividades comerciais, centralizadas nas rotas
mediterrânicas.
II. Associa-se ao controle exercido pelo governo, que impediu a realização de revoltas escravas durante a
República.
III. Refere-se ao processo de expansão territorial, que possibilitou o aprisionamento de um grande número de
derrotados.

Marque a alternativa CORRETA:


a) Todas estão corretas.
b) Todas estão incorretas.
c) I e II estão corretas.
d) I e III estão corretas.
e) II e III estão corretas.

6. (PISM/2004) Leia, com atenção, a afirmação abaixo:

“Os homens que combatem e morrem pela Itália têm o ar, a luz e mais nada ... embora sejam chamados
senhores do mundo, não tem um único pedaço de terra que seja seu.”
ANDERSON, P. Passagens da Antigüidade ao Feudalismo. São Paulo: Brasiliense, 1987. p. 60.

Esta afirmação teria sido proferida por um dos líderes da proposta de reforma agrária ocorrida em Roma, na
segunda metade do século II a .C.. A respeito desta proposta, é INCORRETO afirmar que:

a) estava centrada nas proposições de Tibério e Caio Graco, que ocuparam, em momentos diferentes, o cargo
de Tribuno da Plebe.
b) chegou a incluir a distribuição gratuita de trigo para a população urbana, a fim de aumentar sua base de
sustentação.
c) não sofreu fortes resistências para sua implementação, por ser o resultado de uma ampla negociação entre
diferentes grupos sociais
d) buscava redistribuir melhor as terras conquistadas (ager publicus), que estavam monopolizadas pela
aristocracia.
e) pretendia melhorar a situação socio-econômica dos cidadãos empobrecidos, ampliando o número de
pequenos proprietários rurais.

2
7. (PISM) Sobre o Tribunato da Plebe, criado no início do século V a.C. na Roma republicana, assinale a
alternativa INCORRETA.
a) Os indivíduos que eram eleitos para essa magistratura passavam a ser oficialmente considerados
invioláveis (sacrossantos).
b) Em várias ocasiões, essa instituição acabou sendo ocupada por elementos das camadas mais ricas da
plebe, ou mesmo por aristocratas.
c) Sua criação está associada ao contexto das lutas entre patrícios e plebeus, representando uma conquista
por parte da plebe.
d) Com o início das conquistas territoriais, sua autoridade foi transferida da cidade de Roma para as principais
províncias.
e) Seu poder se expressava, sobretudo, pelo direito de vetar resoluções senatoriais que julgasse prejudiciais à
plebe.

8. A civilização grega atingiu extraordinário desenvolvimento. Os ideais gregos de liberdade e a crença na


capacidade criadora do homem têm permanente significado. Acerca do imenso e diversificado legado cultural
grego, é correto afirmar que:
a) a importância dos jogos olímpicos limitava-se aos esportes.
b) a democracia espartana era representativa.
c) a escultura helênica, embora desligada da religião, valorizava o corpo humano.
d) os atenienses valorizavam o ócio e desprezavam os negócios.
e) poemas, com narrações sobre aventuras épicas, são importantes para a compreensão do período homérico.

9. (Unesp) Dos Séculos III a I a.C., através de guerras de conquista, os patrícios romanos estenderam a sua
dominação sobre quase todos os povos do Mediterrâneo. Mas essa vitória externa de Roma contribuiu para
transformar a sua própria ordem social interna. Como uma das mais importantes transformações, podemos
citar:
a) a queda da monarquia e o estabelecimento da república.
b) a Lei das XII Tábuas, que equiparou patrícios e plebeus.
c) a escravização generalizada dos plebeus e estrangeiros residentes em Roma.
d) a introdução do latifúndio cultivado por escravos, em larga escala.
e) a generalização do trabalho assalariado.

10. UFJF/2005 Sobre ATENAS CLÁSSICA e ROMA REPUBLICANA na Antigüidade, é INCORRETO afirmar:
a) a atividade política, nestas cidades, era exercida por uma minoria (os cidadãos), com exclusão da maior
parte da população (escravos, estrangeiros e mulheres).
b) a economia, nesses contextos, apresentou uma considerável ampliação da atividade comercial, concentrada
sobretudo nas rotas do mar mediterrâneo.
c) políticas efetivas tidas como imperialistas, de domínio de outras regiões, foram desenvolvidas tanto em
Atenas como em Roma.
d) a prática política de atenienses e romanos acabou consolidando conceitos significativos, como os ideais de
democracia e república.
e) os exércitos destas cidades eram formados de mercenários (estrangeiros e ex-escravos), sendo proibida a
participação dos cidadãos na atividade militar.

11. UFJF/2003. Sobre o sistema político de Roma no período republicano, assinale a alternativa incorreta:
a) A estrutura administrativa inicialmente criada garantiu aos patrícios o controle sobre os principais cargos
públicos da cidade.
b) A organização de movimentos sociais e de uma série de leis escritas, a partir do século V a.C. ,limitaram
fortemente os direitos dos plebeus que constituíam a maior parte da população.
c) O Senado era a instituição política mais importante do período, estando entre as suas atribuições principais:
a elaboração de leis, a condução da política externa e das finanças públicas.
d) O sistema previa a divisão de poderes, como por exemplo, as magistraturas, que tinham seus integrantes
renovados periodicamente.
e) O século I a.C. foi marcado por uma ampla crise política, representada pelo esgotamento do sistema
republicano e pelo fortalecimento do poder pessoal, manifesto nos sucessivos confrontos entre importantes
generais.
3
12. A crise do Império Romano foi marcada por um processo que:
a) alterou as relações sociais e políticas, determinando novos vínculos, assentados, principalmente, na posse
de terras.
b) foi responsável pela consolidação e expansão das instituições políticas e sociais romanas por toda a
Europa.
c) criou novas atividades econômicas e intensificou as relações comerciais entre o Império Romano do
Ocidente e o Império Romano do Oriente.
d) favoreceu o crescimento das cidades, devido ao êxodo rural provocado pelos constantes ataques dos
invasores bárbaros.
e) transformou as terras de cultivo em pastagens cercadas, tornando-as propriedades privadas, o que
ocasionou a marginalização dos agricultores.

13. "Somos servos da lei para podermos ser livres." Cícero


"O que apraz ao príncipe tem força de lei." Ulpiano
As frases acima são de dois cidadãos da Roma Clássica que viveram praticamente no mesmo século, quando
ocorreu a transição da República (Cícero) para o Império (Ulpiano).
Tendo como base as sentenças acima, considere as afirmações:

I. A diferença nos significados da lei é apenas aparente, uma vez que os romanos não levavam em
consideração as normas jurídicas.
II. Tanto na República como no Império, a lei era o resultado de discussões entre os representantes escolhidos
pelo povo romano.
III. A lei republicana definia que os direitos de um cidadão acabavam quando começavam os direitos de outro
cidadão.
IV. Existia, na época imperial, um poder acima da legislação romana.
Estão corretas, apenas:
a) I e III.
b) I e III.
c) Il e III.
d) II e IV.
e) III e IV.

14. Para responder à questão, analisar as afirmativas que seguem, sobre a cultura romana.
I. A Idade de Ouro da vida intelectual romana ocorreu durante o século I da Era Cristã, que ficou conhecido
como a “Era da Felicidade".
II. Virgílio escreveu a Eneida, poema épico que narrava as origens de Roma, e Cícero transformou-se no
modelo mais famoso da arte da oratória.
III. A religião romana era fortemente influenciada pela grega, incorporando seus deuses e heróis, dando-lhes
somente nomes latinos.
IV. O Direito Romano, sintetizado na Lei das Doze Tábuas, estabeleceu a igualdade de direitos (isonomia)
entre patrícios e plebeus, formando a base para a democracia romana.

Pela análise das afirmativas, conclui-se que somente estão corretas


a) I, II e III.
b) I e IV.
c) II e III.
d) II e IV.
e) III e IV.

15. A perseguição e repressão aos cristãos, por imperadores romanos, estendeu-se até o século IV, quando
ocorreu uma alteração decisiva nas relações entre o cristianismo e o poder imperial romano. A esse respeito é
CORRETO afirmar:
a) O cristianismo passou de religião perseguida a religião oficial do império romano, e o poder imperial
aproveitou o prestígio crescente da religião surgida na Palestina para ampliar sua sustentação política.
b) A oficialização do cristianismo representou um alívio para as finanças do Estado romano, que se desobrigou
de financiar os templos e os sacerdotes dos inúmeros cultos pagãos do império.
4
c) A oficialização do cristianismo promoveu a abolição da escravatura em todo o império, razão pela qual
tornou-se a religião mais popular da Antigüidade.
d) A tolerância ao culto cristão só foi concedida devido ao reconhecimento, por parte das autoridades da Igreja,
da sacralidade da função do imperador, considerado divino entre os homens.
e) Apesar das iniciativas de Constantino e Teodósio, a Igreja cristã só foi oficializada na parte Oriental do
Império que, com isso, reuniu forças suficientes para resistir às invasões do século V.

16. (PISM – 2005) Observe a imagem ao lado. Ela retrata Augusto, o


primeiro governante do Império Romano. Sobre o início dessa nova fase,
assinale a alternativa que NÃO esteja relacionada ao período entre os
séculos I a.C. e I d.C.:

a) o aumento da importância política dos comandantes, que tinham uma


atuação destacada e prestígio frente ás suas tropas.
b) o encerramento das conquistas territoriais e a diminuição da atividade
comercial e da utilização da mão-de-obra escrava.
c) uma reforma a fim de organizar administrativamente a cidade de Roma e
os territórios provinciais já conquistados.
d) a concentração nas mãos de um só indivíduo dos poderes de origem
política, militar e religiosa.
e) a expansão da política conhecida como “Pão e Circo”, que realizava
espetáculos públicos e a distribuição gratuita de alimentos.

17. (PISM – 2003) Leia atentamente o trecho a seguir:

“A estabilidade do Império encontrou seus limites. Havia agora um desequilíbrio entre a produção e o
consumo, entre o campo e a cidade, entre a proporção de pessoas livres e não-livres, entre a tradição
clássica da antiguidade e os valores bárbaros.”
RESENDE FILHO, Cyro. Guerra e guerreiros na Idade Média. São Paulo: Contexto, 1991.

Sobre o contexto do Baixo Império Romano (séculos III a V), marque a alternativa INCORRETA:
a) as invasões constantes aumentaram a insegurança, levando à intensificação do deslocamento populacional
das cidades para o campo.
b) houve diminuição do número de escravos, como reflexo de uma política militar mais preocupada com a
defesa do Império.
c) as populações bárbaras fixaram-se dentro do território do Império, trazendo novos costumes, que
influenciaram as práticas sociais romanas.
d) a ampliação da atividade agrícola permitiu uma maior mobilidade social, demonstrada pelo predomínio das
pequenas propriedades rurais.
e) a mão-de-obra mais utilizada foi a do colono, que era um trabalhador preso à terra que cultivava.

18. O Edito de Milão (313), no processo de desenvolvimento histórico de Roma, reveste-se de grande
significado, tendo em vista que:
a) combateu a heresia ariana, acabando com a força política dos bispados de Alexandria e Antioquia.
b) tornou o cristianismo a religião oficial de todo Império Romano, terminando com a concepção de rei-deus.
c) acabou inteiramente com os cultos pagãos que então dominavam a vida religiosa.
d) deu prosseguimento à política de Deocleciano de intenso combate à expansão do cristianismo.
e) proclamou a liberdade do culto cristão passando Constantino a ser o protetor da Igreja.

5
19. Nos séculos III d.C. e IV d.C., o Império Romano viveu uma fase de crise e de profundas transformações. A
respeito disso, é correto afirmar que:

I. As cidades do Ocidente romano tornaram-se centros econômicos do Império, em florescente processo


de urbanização.
II. Antes religião perseguida, o cristianismo passou a ser aceito e veio a tornar-se a religião oficial do
Império Romano, em substituição ao paganismo.
III. Os povos bárbaros invadiram o Império e se estabeleceram em seus territórios, contribuindo para a
crise do mundo romano.
IV. A divisão político-administrativa do Império fez surgir o Império Romano do Ocidente e o Império
Romano do Oriente.

Estão corretas as afirmativas:


a) I e II.
b) I, II e III.
c) II, III e IV.
d) III e IV.
e) II e IV.

QUESTÕES DISCURSIVAS

1. (PISM/2004)
Leia, com atenção, o trecho abaixo, a respeito do período da República em Roma.

O antagonismo decisivo na sociedade romana do século V a. C. não era entre homens livres e escravos, mas
entre grupos de cidadãos juridicamente livres. De um lado, estavam os elementos de uma aristocracia
fundiária e, de outro, indivíduos, geralmente numa condição econômica inferior, que tinham seus direitos
políticos limitados. Aos poucos, este segundo grupo alcançou importantes conquistas em diversos setores.
Adaptado ALFOLDY, G. A história social de Roma. Lisboa: Presença, p.30 .

Agora, faça o que se pede:


a) Identifique os DOIS grupos sociais em conflito.

b) Leia novamente:

“... este segundo grupo alcançou importantes conquistas em diversos setores”.

Com base em seus conhecimentos, identifique e comente DUAS dessas conquistas.

2. Neste depoimento, o Imperador Augusto (30a.C.-14d.C.) descreve a "Paz Romana", realização que assinala
o apogeu da expansão do Império no Mediterrâneo:

Estendi os limites de todas as províncias do povo romano fronteiriças de nações que escapavam à obediência
ao Império. Restabeleci a ordem nas províncias das Gálias, das Espanhas, na Germânia. Juntei o Egito ao
Império, recuperei a Sicília, a Sardenha e as províncias além do Adriático.
(Adaptado de Gustavo Freitas, "900 textos e documentos de História", Lisboa, Plátano, s.d., v. 1, p.96-7.)

a) Utilizando os seus conhecimentos em História, explique o que caracterizou a “Pax Romana”.

b) Explique o que foi a “política do pão e circo” e como ela se relaciona com a “Pax Romana”.

6
3. Leia o trecho abaixo com atenção:

O período final da República romana foi marcado por intensa crise social e política. Neste contexto, o general
Otávio Augusto surge como a salvação da aristocracia romana, ao mesmo tempo em que passa a ser visto
pelos mais humildes como aquele que iria solucionar os seus problemas. Cercado de honra e glória, Otávio dá
início ao Império.

A respeito do início do Império Romano, identifique e analise duas medidas tomadas por Otávio que serviram
para pôr fim à crise que caracterizara os anos finais da república e consolidar o seu poder.

4. Os romanos foram profundamente influenciados pela cultura grega. A partir de seus conhecimentos,
identifique e analise uma semelhança e uma diferença entre a cultura grega e a romana.

5. O mapa abaixo mostra as migrações e incursões feitas pelos bárbaros na Europa entre os séculos IV e V.
Os povos oriundos da Ásia encontraram um Império já em crise, contribuindo definitivamente para o seu fim
em 476. Sobre isso, cite e analise duas medidas tomadas pelos imperadores para tentar impedir a crise do
Império.