P. 1
Trabalho de Físico - Química - Propriedades e Aplicações da Luz - Vitor

Trabalho de Físico - Química - Propriedades e Aplicações da Luz - Vitor

|Views: 1.646|Likes:
Publicado porJMSTavares

More info:

Published by: JMSTavares on May 25, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPTX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/30/2013

pdf

text

original

que tem origem nas fontes luminosas. .‡ A luz é uma fonte de energia. que se propaga em todas as direcções. ‡ A parte da Física que estuda os fenómenos luminosos chama-se Óptica.

‡ No entanto existem muitas outras fontes luminosas que se podem distinguir: ‡Fontes Naturais -são aquelas que possuem e emitem luz própria. .

‡Fontes Artificiais ² são aquelas que não possuem luz própria. a energia envolvida transforma-se em energia luminosa. mas através de diversos processos. o que permite a sua emissão para o exterior .

‡ A luz propaga-se. a partir das fontes luminosas. em todas as direcções e sempre em linha recta. num meio homogéneo. que nos indica o sentido do raio luminoso. representado por uma linha recta com uma seta. . ‡ A direcção segundo a qual a luz se propaga chama-se raio luminosos.

que é totalmente reenviada .‡ Nem todos os materiais se deixam atravessar de igual modo pela luz: ‡Corpos transparentes ² são todos aqueles que se deixam atravessar totalmente pela luz ‡Corpos translúcidos .são todos aqueles que se deixam atravessar parcialmente pela luz ‡Corpos opacos .são todos aqueles que não se deixam atravessar pela luz.

chamamos feixe luminoso. . ‡ Ao conjunto de raios luminosos que mantém a mesma distância entre si designamos por feixe paralelo. que se podem propagar na mesma direcção ou em diferentes direcções.‡ Ao conjunto de raios luminosos provenientes da mesma fonte.

‡ O feixe divergente é o conjunto de raios luminosos que partem de um ponto ou de uma fonte luminosa e se afastam entre si. ‡ Ao conjunto de raios luminosos que se aproximam uns dos outros e se encontram num ponto designamos por feixe convergente. .

. Este fenómeno pode dar origem a duas situações: ‡ Reflexão regular da luz . que os raios luminosos sofrem ao incidir numa superfície polida.é a mudança de direcção ou de sentido na mesma direcção.‡ Os raios luminosos podem ser desviados na mesma direcção ou em direcções diferentes. continuando a sua propagação no mesmo meio óptico (Ex: um espelho plano reflecte regularmente a luz).

quando incidem numa superfície rugosa (Ex: uma parede reflecte de forma difusa os raios luminosos nela incidente.‡ Reflexão irregular da luz ou difusão ² é o desvio que os raios luminosos sofrem em diferentes direcções. é este fenómeno que permite a observação completa de todos os objectos que nos rodeiam). .

. o raio reflectido e a recta normal ao ponto de incidência está ao mesmo plano. ‡A amplitude do ângulo de incidência é igual á amplitude do ângulo de reflexão.ñOs dois fenómenos anteriores obedecem a regras designadas por Leis da Reflexão: ‡O raio incidente.

. ‡ O ângulo de reflexão -é o ângulo de reflexão é o ângulo formado pelo raio reflectido e pela recta normal á superfície no ponto de incidência.‡ O ângulo de incidência -é o ângulo formado pelo raio incidente e pela recta normal á superfície no ponto de incidência.

originando a formação de imagens. ‡ Conforme a superfície é plana ou curta. .‡ Os espelhos são superfícies polidas que reflectem regularmente a luz. assim os espelhos se dizem espelhos planos ou espelhos curvos.

. de qualquer objecto.ñEspelhos planos ‡ A imagem.é virtual (não se consegue projectar num alvo) e parece estar atrás do espelho.é direita e simétrica .é do mesmo tamanho do objecto. . .a distância do objecto ao espelho é igual à distância da imagem ao espelho. obtida num espelho plano: .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->