P. 1
Palestra ECC - Oração

Palestra ECC - Oração

|Views: 8.189|Likes:

More info:

Published by: Fernando Lopes Dos Santos on May 26, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/11/2013

pdf

text

original

Cracão

Þor Camlla Ǝ lernando

racão e a nossa conversa lnLlma com ueusţ sem reservasŦ LLL quer ser nosso amlao e para que lsLo aconLecaţ basLa que nos
enLreauemos a LLL de coracão aberLoţ reconhecendo sua soberanlaţ seu poderţ seu lnflnlLo amorţ alem de sua mlserlcórdlaŦ
A oracão não deve ser só para pedlrţ mas Lambem para louvar e aaradecer a ueusŦ

L sempre bom enconLrarmos com alauem que amamosţ conversando com esLe alauemţ nos senLlmos bem e asslmţ
conseaulmos forcas para enfrenLar a vldaţ não e mesmo? Como e bom quando conseaulmos desabafarţ não e mesmo? As
vezes choramosţ rlmosţ enflm desabafamos e a nossa famlllarldade com os amlaos aumenLaţ não e lsso que aconLece?
CuanLas vezes achamos consolo em conversa com amlaos! Amlao especlal!
,as o que ó a oracão?
,ulLas vezesţ deflneŴse a oracão como uma conversa com uLuSŦ ,as esLa conversa e um dláloaoţ lsLo eţ uma Lroca ou
dlscussão de ldelasţ de oplnlõesţ de concelLosţ com vlsLa à solucão de problemasţ ao enLendlmenLo ou à harmonlaŤ
comunlcacãoŦ LnLão lsLo quer dlzer que são dols que falamť uLuS e euŦ uláloao exlae escuLaţ aberLuraţ dlsponlbllldade para
mudarŦ na verdadelra oracão e uLuS quem me fala e que espera uma resposLaŦ L verdade que Loda a vlda deve ser oracãoŦ
,as a vlda somenLe se Lorna oracão quando nós dedlcamos cerLos momenLosţ expllclLamenLeţ a um conLaLo dlreLo com
uLuSŦ
,as onde e como uLuS nos falaţ para podermos dar uma resposLa? Cuando? Como saber o que uLuS espera de mlmţ se não
procuro um pouco de sllônclo e reflexão? Þodemos aflrmar que oracão e ºesLar na presenca de uLuS" com aberLura e
dlsponlbllldadeţ dlzendo ºSenhorţ que querels que eu faca"? Ler 1Sam 3ţ 10 e Lc 1ţ 38Ŧ
uLuS pode nos falar de mulLos modosŦ não ouvlmos a sua voz com nossos ouvldosŦ L de ouLro modo que uLuS se manlfesLaŦ
Þode ser em aconLeclmenLos e slLuacões do dlaŴaŴdlaŤ aLraves da lelLura da 8lbllaţ mosLrando uma solucãoţ quanLas vezes
achel resposLa na oracão? CuanLas ldelas Lemos enquanLo rezamosţ quanLas vezes recebl um conselho amlaoţ um exemplo
da naLureza aLraves das colsas que ueus crlouţ aLraves de uma conversaţ de um llvroţ de uma preaacãoţ de um enconLro de
caLequeseţ de um reLlroŦ
racão e um conversar e escuLar uLuSŦ L o nosso melo de comunlcacão com LleŦ L o abrlr o nosso coracão e delxar uLuS
parLlclpar de nossa vldaţ nossos pro[eLosţ alearlasţ LrlsLezasŦ
L manLer uma ºslnLonla" com ueusţ laual a do rádloŦ rádlo que e um aparelho que com sua anLena slnLonlza as esLacõesţ
nós Lambem Lemos que usar a nossa anLenaţ o LsplrlLo SanLoţ e nos conecLar com ueus para asslm podermos ouvlr a ueusŦ
ua mesma forma que no rádlo Lemos várlas esLacões e conseaulmos ouvlr só a que esLamos slnLonlzadosţ asslm nós
podemos esLar slnLonlzados em várlas colsas da nossa vldaţ menos em ueusţ e al não val dar para escuLáŴloŦ Lm que esLacão
vocô esLá slnLonlzado?

Þara que rezar?

A oracão e Lão necessárla como os allmenLosŦ uevemos crlar o háblLo de rezarţ de conversar com uLuSţ a Loda horať ao
levanLarŴseţ ao delLarŴseţ nos esLudosţ nos Lrabalhosţ anLes das refelcões duranLe o dlaŦ uLuS e o nosso amlaoţ amlao mals
slncero e esLá sempre dlsposLo a nos escuLarŦ

nosso uLuS e mulLo amorosoţ Lle não quer flcar lonae de nósţ Lle não quer descansarţ porLanLoţ vamos sempre esLar em
slnLonla com Lle pela oracãoŦ L a nossa dlflculdade malor não e LanLo o aLo de orarţ mas perseverar em oracãoŦ ALe
podemos senLlr euforla para comecarţ mas deslsLlmos com mulLa facllldadeŦ

As vezes nos enLreaamos ao comodlsmoţ a desculpas esfarrapadasţ não luLamos pela sanLldade da nossa famllla delxandoŴ
nos levar pelas facllldades que o mundo nos ofereceŦ

como pode ser os nossos orocões?
racão pessoal Ŵ quando sozlnhos falamos com uLuS e escuLamosŤ
racão famlllar Ŵ quando a nossa famllla esLá reunlda em oracãoŤ
racão em arupo Ŵ quando um arupo se reune para refleLlr e rezarŤ
racão comunlLárla Ŵ quando a comunldade se reune para rezarŦ Þor exemploţ a SanLa ,lssa e a malor oracão
que podemos parLlclpar em comunldadeŦ
racão llLuralca Ŵ e a lare[a que reza e celebraţ por exemploţ vlas sacrasţ Lercosţ as camlnhadasŦ

C que acontece quando nos rezamos?

Cuando delxamos de rezar vamos afasLando de uLuSŦ vamos praLlcando o que desaarada a uLuSţ o pecadoŦ num mundo
onde há LanLas mensaaensţ LanLas noLlclasţ na era da lnLerneLţ da comunlcacão de massaţ dos saLellLesţ permanece como o
dláloao mals lmporLanLe e essenclalŦ Asslm a comunlcacão com ueus val sendo delxada de lado e vamos delxando espaco
para o pecado enLrar em nossa vldaŦ
As vezes a oracão e conslderada por mulLos como alao cansaLlvo e chaLoŦ ,as lsso aconLece porque alnda não Llveram a
verdadelra experlôncla com a oracãoţ não sabem como rezar e não enLendem porque preclsam rezarŦ
CuanLas e quanLas vezes [á ouvlmos alauem falandoť º,lnha oracão nunca e ouvlda"ţ será que e verdade lsso? vamos ouvlr
o que esLá narrado em Lc11ţ10 ºÞor que Lodo aquele que pedeţ recebeŤ e o que buscaţ enconLraŤ e ao que baLeţ a porLa se
abrlrá"Ŧ

,as eu peraunLoţ quem [á pedlu alao à ueus e não fol aLendldo? ,ulLos vão dlzer que ºSl," e por quô? Þorque ueus não
aLendeu ou porque eu não pedl o que realmenLe preclsava?

lmaalne um pal que Lem um fllho de 3 anos que lhe cheaa e lhe pede cem reals para aasLarŦ vocô acredlLa mesmo que o pal
lhe dará cem reals? 1odo pal coerenLe com a educacão do fllho não daráţ pols sabe que cem reals e mulLo dlnhelro e o fllho
com 3 anos não saberá admlnlsLrar esse dlnhelro e acabará fazendo besLelraŦ

Surae enLão alaumas rearas para a oracãoť

O Þrlmelra reara na oracãoť não e que ueus não me dá o que eu pecoţ ueus como pal sabe o que eu preclso e por
lssoţ mulLas colsas que pedlmos Lalvez alnda não podemos receberţ pols não saberemos admlnlsLrarŦ

O Seaunda rearať 1oda oracão nos Lraz uma oporLunldadeŦ porLunldade para que aprendamos sozlnho sobre
aqullo que pedlmos à ueusŦ L mulLo comum pedlrmos a ueus paclôncla e esperar que do dla para nolLe
Lenhamos uma paclôncla de !ó para enfrenLar os problemas da vldaŦ na verdade ueus nos dará slLuacões para
que nós possamos Ler a oporLunldade de praLlcarmos a nossa paclônclaŦ

O 1ercelra rearať 1oda oracão encerra um compromlsso! 1em aenLe que acha que e só rezar e cruzar os bracosŦ
não! na oracão nós buscamos em uLuS a forcaţ a coraaem para enfrenLar as dlflculdadesţ a crlaLlvldadeŦ
uevemos tezot como se toJo JepeoJesse Je u£u5 e oolt como se toJo JepeoJesse Je oósŦ

CkAÇÂC ƹ CkAk + AÇÂCţ exper|mente |sso e terá grandes resu|tados!


Iesusţ exemp|o de oracão
Lerť Lc 6ţ12Ŵ13Ŧ
LsLa passaaem nos mosLra que !LSuS fol para a monLanha rezarţ pols ele lrla escolher os seus dlsclpulos Ŵ !LSuS prlmelro
rezou ao ÞAlŦ
CuanLas e quanLas vezes salmos de casa para o Lrabalhoţ às vezes à procura de empreaoţ às vezes vou Lomar uma declsão
lmporLanLeŤ compra de um aparLamenLoţ uma vlaaemţ um carroţ um ouLro bem e não lembro de rezar?

Cuando da ressurrelcão de Lázaroţ !LSuS prlmelro orou ao ÞAl !o11ţ41 Ŷ com a cerLeza que Lle serla aLendldo! CuanLas e
quanLas vezes vou rezar com o coracão chelo de duvldas e asslm lmpede uLuS ouvlr a oracão!
Lm ouLra passaaem nos e mosLrado que !LSuS nunca se esquecla de aaradecerŦ Lm ,L11ţ 23Ŵ26Ŧ Lle flcou Lão fellz porque
as pessoas slmples do povo esLavam enLendendo o que expllcavaŦŦŦ lez uma oracão de aaradeclmenLoŦ
!LSuS na hora do sofrlmenLo Lambem rezouť ºÞAl se es do Leu aaradoţ afasLa de mlm esLe cállceŤ não se facaţ conLudoţ a
mlnha vonLadeţ mas a Lua" Lc22ţ 42Ŧ
!LSuS na hora da morLeť ºÞAl em Luas mãos enLreao o meu LsplrlLo"Ŧ Lc23ţ 46

LnLreLanLoţ !esus quer nos enslnar que oracão e mals do que lsLoŦ Aprendemos em ,aLeus 6ţ3 !esus enslnando seus
dlsclpulos a rezar e dlz asslmť (LL8 LvAnCLLP%
LnLendamos enLão que para ueus oracão não e só um falarţ falar e falarŦ racão e um vL8ţ ver o coracão que pedeŦ !esus nos
aconselha a lrmos para nosso quarLo e orar ao Leu Þal em searedoţ mas o que lsso slanlflcaţ slanlflca que devemos
experlmenLar !esus no sllôncloţ pols e no sllônclo que !esus se revela a nósŦ
Þara !esus oracão não e uma colsa que ueus ouveţ mas slm um coracão que ueus vôŦ Þara !esus oracão Lem pouco a ver com
nossas palavrasţ mas slm Lem a ver com nosso coracãoŦ Þor lssoţ mulLas vezesţ sem Lermos palavrasţ em slLuacões que as
palavras llmlLam dlzer o que realmenLe queremosţ delxemos nossos coracões aberLos e slnLonlzados para que !esus possa
vL8 nosso coracão e faz com que facamos uma experlôncla real do ulvlnoŦ
lsso me foz tecotJot Je omo blstótlo ooJe omo vez fotom petoootot o MoJte 1etezo Je colcotó o ooe elo Jlzlo o ueos
ooooJo otovoţ e elo tespooJeoť Ŵ £o oõo Jloo ooJoţ eo só escotoŦ £otõo Jlssetom o eloť Ŵ £ o ooe ueos folo poto seoboto?Ŧ Ao
ooe elo tespooJeoť Ŵ £le oõo Jlz ooJoţ £le só escoto!
A oracão e uma experlôncla de ueus que Lranscendem as palavrasŦ Þor lsso Lle pede que enLremos em nosso quarLo e no
sllônclo oremos a ueus que esLá em searedoŦŦŦ e lmporLanLe aLermos a alao lmporLanLe nesse Lvanaelhoţ o sllôncloŦ Só no
sllônclo enconLramos ueusţ dlflcllmenLe conseaulremos nos slnLonlzar em ueus com barulhos que lnLerferem essa slnLonlaŦ
Þercebam que nosso mundo cada vez mals e barulhenLoŦ L esse e um dos moLlvos pelos quals nosso mundo esLá sem ueusŦ
Com LanLos barulhos que nos confundem que nos delxam surdos para ueusţ vamos nos afasLando d´Lle e não conseaulmos
experlmenLar a lnLlmldade com ueusŦ
Só por melo da vlda em oracão e que Leremos lnLlmldade com ueusŦ !esus era lnLlmo com ueus prlmelro porque Lle era
ueusţ seaundo porque ele vlvla em oracão os dlsclpulos que acompanhavam !LSuS observavam como ele rezava e flcavam
encanLados com aLlLude de !LSuS com uLuS ÞAlţ sempre que !LSuS falava ao ÞAlţ seus olhos brllhavamŦ
um dlaţ por causa desLe enLuslasmo que eles vlamţ do amor como Lle se dlrlala ao ÞAlţ os dlsclpulos não aauenLaram e
pedlramť º,esLre enslnaŴnos a rezar!" ,L6ţ9Ŵ13 Ŵ !LSuS nos enslna a Ler esLa lnLlmldade com uLuSţ ve[a só como Lle nos
enslna a dlrlalr a uLuS
C Þa| Nosso
A racão do ÞAlŴnSS e dlvldlda em Lrôs parLesť A prlmelra nos coloca na presenca de uLuS e fazemos Lrôs pedldos
referenLes a uLuS e na seaundaţ fazemos quaLro pedldos referenLes a nósţ homens e mulheres que vlvem nesLe mundoŦ L o
que e mals de lmpresslonanLe nesLa oracão e o faLo de nos dlrlalrmos a uLuS como ÞAl Cuando falamos ÞAlţ nosso coracão
reaae de manelra dlferenLeţ flca mals aberLoţ Lranqullo paclflcadoŦ L o ma|or dom do nomem poder chamar a DLU5 de ÞAI!
Cuando chamamos a uLuS de ºnosso ÞAl"ţ preclsamos lembrarŴnos de que devemos comporLaŴnos como fllhos de uLuSŦ
não podels chamar de vosso ÞAl ao uLuS de Loda bondadeţ se conservals um coracão cruel e desumanoŤ pols nesse caso [á
não Lendes mals em vós a marca da bondade do ÞAl celesLeŦ L preclso conLemplar sem cessar a beleza do ÞAl e com ela
lmpreanar nossa almaŦ
Ao orarmos o ÞalŴnosso devemos esLar com um olhar sobre uLuS Lão somenLeţ um arande foao de amor e enLreLem com
uLuS como seu próprlo ÞAlţ bem famlllarmenLeţ com Lernura e pledade bem parLlcularŦ
na oracão do ÞalŴnosso fazemos 7 pedldosť os Lrôs prlmelros Lôm por ob[eLo a alórla do ÞAlŦ A sanLlflcacão do Seu nomeţ a
vlnda do Leu 8elno e o cumprlmenLo da vonLade ulvlnaŦ
ÞAI NC55C Ŵ não esLamos sós nesLe mundoŦ A8Á não e só meuŦ L ºnosso" L meu e Lambem do ouLroŦ Cuer dlzer que
Lle e meu ÞAl e do meu lrmãoţ mesmo que alnda não conslaa amáŴlo o basLanLeŦ Se rezamos acredlLando no que esLamos
falandoţ nosso eaolsmo deve lrţ aos poucosţ se acabandoŦ C ÞAI L NCCCCCCCCCC55C! ,esmo rezando só esLou
lembrando que não sou uma llhaţ Lenho um ÞAl que e uLuS e mulLos lrmãos que devo lr ao enconLro delesŦ
ÞAI NC55C CUL L51AI5 NC5 CLU5 Ŷ Slmţ ÞAlţ sols sanLoţ que hablLals em nosso coracão e que esLals na páLrla celesLe à qual
perLencemos e para onde vamosŤ que hablLals na sanLldade à qual perLencemos e para onde camlnhamosŦ
1° 5AN1IIICADC 5LIA C VC55C NC,L Ŷ nós não Lemos compeLôncla para sanLlflcar o nome de uLuSŦ L um pedldo para que
ºreconhecamos" a sanLldade do ÞAlŦ L o mesmo que dlzerť ºse[a reconheclda a sanLldade de vossa pessoa"Ŧ uevemos vlver
essa realldade dlaŴaŴdlaţ buscando Lambem a sanLldade e aLendendo o dese[o do nosso ÞAl ºSede SanLos porque Lu sou
SanLo" Lv11ţ44Ŵ43Ŧ L !LSuS dlsseť ºSede perfelLos como vosso ÞAl CelesLe e perfelLo" ,L3ţ48Ŧ
2° VLNnA A NC5 C VC55C kLINC Ŷ Com esLe pedldo a lare[a Lem em vlsLa prlnclpalmenLe a volLa de CrlsLo e a vlnda flnal do
8elno de uLuSţ quando será lnsLaurado deflnlLlvamenLeŦ A lare[a rezaţ Lambemţ pelo cresclmenLo do 8elno de uLuS no
ºho[e" 8elno do ÞAl e um relno de pazţ [usLlcaţ alearlaţ bondadeţ mansldãoţ amor e de Ludo o que há de bom que possa
parLllhar enLre os lrmãosŦ vocô que esLá aqul aaora preclsa levar ho[e para sua casa o 8elno de uLuS! L o malor slnal da
presenca do 8elno de uLuS e !LSuS e a Saarada LucarlsLla que recebemos e pela oracão dos flels que oremosŦ
3° 5LIA ILI1A A VC55A VCN1ADL A55I, NA 1LkkA CC,C NC CLU Ŷ Ahţ será que podemos rezar o Þal nosso? LsLe pedldo
vem nos lembrar que vamos abandonar nas mãos do nosso ÞAl A,8Sţ asslm como !LSuS em sua AaonlaŦ ºÞAlţ se e do
Leu aaradoţ afasLa de mlm esLe cállceŤ não se facaţ conLudoţ a mlnha vonLadeţ mas a Lua" Lc22ţ42Ŧ
Þedlmos que se[a felLa a vossa vonLadeŦ L qual e a esLa vonLade? ºCue Lodos os homens se[am salvos e cheauem ao
conheclmenLo da verdade" 11m2ţ3Ŵ4Ŧ L para que lsLo aconLeca uLuS conLa conosco!
s quaLros pedldos seaulnLes apresenLamosŴlhe nossos dese[osť esses pedldos concernem à nossa vlda para nuLrlŴla ou para
curáŴla do pecado e se relaclonam com o nosso combaLe com vlsLas à vlLórla do 8em sobre o ,alŦ !LSuS nos enslnou a rezar
verdadelramenLeŦ
1° C ÞÂC NC55C DL CADA DIA NC5 DAI nCIL Ŷ LsLe pedldo e bem humanoţ ele vem de enconLro com nossa necessldade
maLerlalţ esLe pão se refere ao allmenLo para o corpoţ mas Lambem esLamos lembrando do ºpão" para susLenLar nossa almaţ
o pão da Þalavraţ o Þão da LucarlsLlaţ pols esLe anLeclpa o 8anqueLe do 8elnoŦ LsLamos lembrando que o pão e nossoŦŦŦ com
lsLoţ lembramos de parLllhar o que Lemos com os lrmãos necesslLadosŦ Se alauem na nossa comunldade passa fomeţ não
esLamos fazendo a vonLade do ÞAlŦ
2° ÞLkDCAI A5 NC55A5 CILN5A5ţ A55I, CC,C NC5 ÞLkDCA,C5 A CUL, NC5 1L, CILNDIDC Ŵ LsLamos lembrando
que necesslLamos do perdão e da mlserlcórdla de uLuSţ por que somos fracos e pecadoresŦ ,lSL8lCC8ulA que só pode
peneLrar em nosso coracão se soubermos perdoar nossos lnlmlaos a exemplo de !LSuSŦ ve[a que arande ousadla e esLe
pedldoť ºÞerdoalŴnosţ asslm como nós perdoamos"Ŧ
3° NÂC NC5 DLIkLI5 CAIk L, 1LN1AÇÂC Ŷ 1odos somos LenLadosţ mas pedlmos ao ÞAl a forca para não sucumblrmos à
LenLacãoŦ Somos LenLados pelo mallanoŦ LnLão pedlmos forca para não calrmos nas armadllhas de saLanásţ que quer nos
dlvldlr e arrancar das mãos de uLuSŦ Þreclsamos esLar em vlallâncla consLanLeţ pols mulLas vezes a LenLacão nos aparece de
modo aLraenLeŦ Cue lelLura boa! Cue acão boa! Cue luaar bonlLo! Culdado rebanho amado! não calr em LenLacão envolve
uma declsão do coracãoŦ Só conseaulremos salr vlLorlosos desse combaLe pela oracãoŦ
4° ,A5 LIVkAIŴNC5 DC ,AL Ŷ Lsse pedldo fol !LSuS quem fez ao ÞAl em seus ulLlmos momenLosţ na ulLlma celaţ ºÞAlţ não
Le peco que os Llre do mundoţ mas que os auarde do mallano" !o17ţ13Ŧ malţ aqulţ não e apenas uma ldelaţ mals uma
pessoať saLanásţ que quer dlzer ºdlabo"ţ e aquele que aLravessa no melo do Þlano do ÞAl A,8S e de Sua bra de
Salvacão reallza em CrlsLo !LSuSŦ
Lţ pelos merlLos da encarnacãoţ do Sanaueţ ,orLe e da 8essurrelcão de !LSuSţ o ÞAl nos llvra do malŦ Lle nos llvra de
slLuacões e aLaques que nem lmaalnamosţ mas um dla saberemos de LudoŦ
A,L, Ŷ Þelo ºAmem" flnalţ exprlmlmoŴnos nossa concordâncla LoLal em relacão aos pedldos felLosŦ ºCue asslm se[a"! Se
vocô o fez com conflanca os pedldosţ como o nSS ÞAl A,8S delxará de aLender?
na oracão do Þal nossoţ !LSuS nos enslnou a respelLar o nome do uLuS SanLo e dese[ar que o seu 8elno de amor esLe[a
sempre enLre nósŦ Lle Lambem nos enslnou a buscar a vonLade do ÞAlţ a pedlr por nossas necessldades maLerlalsţ buscar o
perdão de uLuS e a llberLacão do malŦ
CnCLulnuť !LSuS fol homem de oracão e mesLre de Lodas as vlrLudesţ orava com exLrema naLuralldadeţ não havla nada
nele de arLlflclal ou formal Lc10Ŵ21Ŧ

8aseado nesLe exemplo vamosť Þedlr a !LSuS para fazer da nossa vlda uma consLanLe oracãoŦ ue uma manelra especlalţ
pecamos a Lle que prepare nossos coracões para receber dlanamenLe o SacramenLo da LucarlsLla com amor e plena
consclônclaŦ remosť
1) "P4l nosso oue estois no céuţ ensinoŴnos o retorţ doiŴnos um corocõo pobre e humi/de poro oue perseveremos no
orocõoţ retondo como o vosso li/ho l£5u5 nos ensinouŦ O Põo nosso de codo dio nos dio hojeŦ uoiŴnos o põo do soúde fisico
e espirituo/ţ o põo do féŦŦŦ o põo do esperoncoŦŦŦ o põo do confioncoŦŦŦ o põo do omor e do servico oo próximoŦ P4lţ isto nós
te pedimos juntos com l£5u5 no unidode do £spirito 5ontoŦ 4mém"Ŧ
2) u£u5 eterno e todoŴpoderoso o ouem ousomos chormor de Poiţ dóŴnos codo vet um corocõo de fi/hos poro o/concormos
o heronco prometidoŦ Por nosso 5enhor l£5u5 cristo no unidode do £spirito 5ontoŦ 4ssim sejo!Ŧ

C que prec|so saber para rezar bem?

As dlflculdades que Lemos de rezar e a falLa de conheclmenLo do que rezarŦ não sabemos rezarŦ ,as a nossa conversaţ lsLo
eţ a nossa oracão com uLuSţ pode ser laual àquela que fazemos com nossos amlaosŦ uma conversa slnceraţ de coracão para
coracãoŦ um arande coracãoţ coracão de uLuSŴA,lCŦ ConLar Ludo para uLuSţ se abrlndo de verdade!

A oracão auLorlza a execucão das bôncãos de uLuSŤ llbera o que uLuS Lem plane[ado para nósţ seu povoţ e que são nossasť
ºnada Lendes porque não pedls" 1a4ţ2Ŧ ºÞedlţ e darŴseŴvosŴá" ,L7ţ7Ŧ
uLuS ordenaŴnosť ºlnvocaŴmeţ e Le responderelŤ anunclarŴLeŴel colsas arandes e oculLasţ que não sabes" !er33ţ3Ŧ Þor que
será que a mlnha oracão não e ouvlda? L posslvel lsso? ConLlnue perseverandoţ com aLencão nesLe enconLro que descobrlrá
alauns moLlvos que uLuS não houveŦ não desanlmeţ pols os moLlvos esLão nas suas mãos para mudarŦ

ve[amos alauns Llpos de oracão que podemos fazerť

a) Cracão de Acões de Gracas Ŷ (!oŦ 11Ŧ41Ť SlŦ 33Ŧ18ţ 30Ŧ23ţ 69Ŧ30Ť !rŦ 33Ŧ11Ť ll CoŦ 4Ŧ13Ť LfŦ 3Ŧ 4ţ20Ť lpŦ4Ŧ6% Ŷ aLlLudes ou aLos
de araLldão não e o slmples faLo de aaradecer ou dlzer obrlaadoţ mas a expressão de um coracão aaradecldoŦ

b) Cracão de Louvor Ŷ (,LŦ 6Ŧ13cŤ SlŦ 18Ť19Ť 73Ť 81Ť 84% Ŷ Slanlflca eloaloŦ ÞorLanLoţ apllcando lsLo a ueus e [usLamenLe
eloaláŴL por Ludo quanLo Lle fez e eŦ (Lle e Þoderosoţ SanLoţ 1remendoţ ,lserlcordlosoţ 8el de Loda a 1erraţ ,aravllhosoţ
me deu vldaţ me dá pazţ me llvra do malţ me susLenLaţ eLcŦ%

c) Cracão de Adoracão Ŷ (l CrŦ 29Ŧ10Ŵ12Ť neŦ 9Ŧ3Ŵ6% Ŷ homem fol crlado para adorar ao Crlador Ŷ (LfŦ 1Ŧ3Ŵ12%ţ e nunca
esLará compleLo se não for nesLa poslcãoŦ L nesLe Llpo de oracão esLão envolvldas quaLro aLlLudesť
1% quebranLamenLo
2% humlldade
3% amor
4% dádlva

d) Cracão de Þet|cão ou 5úp||ca Ŷ L o Llpo de oracão mals usadaţ a mals comumŤ arrlscamos dlzer aLe que na malorla das
vezes não fazemos ouLro Llpo de oracãoŦ ,as o Senhor !esus a enslnou (,LŦ 7Ŧ7Ť !oŦ 14Ŧ13ţ14 e 16Ŧ23ţ24% e seus apósLolos
Lambem (lpŦ 4Ŧ6Ť 1aŦ 4Ŧ2ţ4Ť l ÞeŦ 3Ŧ6ţ7%Ŧ

Destaquemos duas at|tudes necessár|as ao orarţ ped|ndo a|guma bencãoť
1°) Ió Ŷ (,tŦ 21Ŧ22Ť ,cŦ 11Ŧ23ţ24Ť nbŦ 4Ŧ16)
2°) Þers|stônc|a Ŷ (LcŦ 18Ŧ1Ŵ7)

e) Cracão de Ded|cacão Ŷ (CnŦ 22Ŧ1Ŵ18Ť ,LŦ 26Ŧ39%Ŧ L o Llpo de oracão que expressa renunclaţ quando esLamos em confllLo
em relacão à vonLade de ueus volunLarlamenLe nos consaaramos e comecamos a orar ºse for a 1ua vonLade" e mals
adlanLe esLamos orando ºse[a felLa a 1ua vonLade" e mals adlanLe esLamos orando ºse[a felLa a 1ua vonLade e não a mlnha"
e mals um pouco esLamos orando ºSenhor eu só quero fazer a 1ua vonLade" e cheaamos a dlzerť ºÞalţ eu consaaro a 1l o
meu llvreŴarblLrlo"Ŧ

f) Cracão de Lntrega Ŷ Cuando os aLaques do mundo colncldem com os da carneţ resulLando anausLlaţ frusLracão e
desânlmoţ aerando um confllLo enLre o homem lnLerlor e o homem exLerlorţ e a preocupacão parece não Ler flmţ e a hora
de enLreaar Ludo ao Senhorţ Lomar os fardos e colocáŴlos ao pe da cruz e descansar nƌLle Ŷ (SlŦ 37Ŧ3Ť LcŦ 23Ŧ46Ť lpŦ 4Ŧ6ţ7Ť l
ÞeŦ 3Ŧ6ţ7%Ŧ

g) Cracão de Intercessão Ŷ (!oŦ 17Ŧ9%Ŧ L Lomar o luaar de alauem numa necessldade ou problemaţ plelLeando a sua causa
como se fosse próprlaŦ LsLa e uma arma mulLo eflcaz na baLalha esplrlLualŦ Cuando alauem esLá desanlmado e aLe
pensando em deslsLlr de seaulr a !esusţ levanLaŴse o lnLercessor Ŷ (!rŦ 1Ŧ12%Ŧ A lnLercessão muda as clrcunsLânclas Ŷ (CnŦ
18Ŧ22ţ23%Ŧ Lla faz parLe do vlver dlárlo dos sanLos Ŷ (LfŦ 6Ŧ18%Ŧ


Cracão no ,atr|mðn|o
casamenLo bemŴsucedldo requer que o Senhor se[a o cenLroţ que a aLencão do casal esLe[a n´LleŦ Þara lsso e lmporLanLe
que o casal vlva duas colsasť os sacramenLos e a oracãoŦ
L a oracão que val susLenLar a vlda esplrlLual do casalţ dar a eles lnLlmldade com ueus e enLre slŦ L por melo das oracões que
aprendemos a pouco que podemos rezar um pelo ouLroţ [unLos pela famllla e [unLos pelo próprlo casamenLoŦ L pela oracão
de lnLercessão que um roaa à ueus pelo ouLro e a[uda na salvacãoŦ
sacramenLo do maLrlmônlo por dar essa unldade ao casal dá essa posslbllldade salvlflca de con[unLoţ mesmo sabendo que
a salvacão e lndlvldualŦ Þor lsso mulherţ homemţ vocô não val [amals conqulsLar a salvacão pelos seus fllhosţ mas vocô pode
a[udar seu esposoţ sua esposa a se salvarţ porque os dols são umŦ L na oracão maLrlmonlalţ ueus se faz presenLe denLro em
nós e em Lrôs Lambem nos fazemos umť euţ vocô e ueusŦ

f¯f  °f°   fsjxf°¾¾fn° ¾f°¯fn¯ ¾ ¾ ¯ ¾ f¾  ¾ °¾¾f¯– ½ff ¾fn° sf  f¾f °¾ ° – ¯¾f nfsjf   n° n ° ¾f¾ f°f ¾ ½  ¾ °€°f¯ fx¯ ¾f¯¾ n f  fsj°j  ¾ ¾½ff½  ¯f¾f¯ x¯½fff f–f n f ¾    ¾ ¯½  ¯ °n°f¯¾ n¯ f–x¯   f¯f¯¾  n° ¾f°  n¯ ¾  f–x¯  °¾ ¾ °¯¾ ¯  f¾¾¯  n°¾ –¯¾€sf¾ ½ff °€ °ff f  °j x ¯ ¾¯" .

¯x ¯ f° n°¾ –¯¾ ¾f f€f °jx¯ ¾¯"¾   ¾ nf¯¾  ¯¾  °€¯ ¾f f€f¯¾  f °¾¾f €f¯f f  n¯ ¾ f¯–¾ f¯ °f  °j x ¾¾   fn° n " .f°f¾  ¾fnf¯¾n°¾ ¯n° ¾fn¯f¯–¾"¯– ¾½ nf" .f¾°  n¯D°¾€ff ½ff½ ¯¾ f¯f ¾½¾f".f¾ xffsj" .f¾   ¾  €° ¾  f fsj n¯ ¯f n° ¾f n¯ D  .f¾ f  f ¾¯ °  ¾  °f fsj f°  °¾ nf¯¾ n ¾ ¯¯ °¾  ½nf¯ °  f ¯ n°f   n¯ D  .f° ".f¾ ¾f n° ¾f x ¯ h–  ¾ x  ¯f nf  ¾n¾¾j   xf¾   ½°µ ¾   n°n ¾  n¯ ¾f g ¾sj  ½  ¯f¾  f ° ° ¯ °  g f¯°f  n¯°nfsj °j¾    ¾j ¾ €ff¯ D   h– –  ¾nf f f  ¾½°  f ½ff ¯ f -f  f ffsjxD ¯¯ €ff   ¾½ f¯f ¾½¾f   f   ff f  ¾ fsj  .

f°f¾ xf¾ ¯¾ °f°  f¯¾ f°f¾  ¾ n ¯n°¾ f¯– ¯  ¯½ f°f fffx¾ f¾n¾f¾  ¾n ffx¾ ¯fn° ¾f  ¯  ¯f½ –fsj  ¯ °n°  nf  ¾  ¯   fsjx¯n° ¾f  ¾nfD °¾¾¯  n¯°nfsjn¯ f °¾¾nfsj  fD ½fn½f °¾¾f f °¾¾¾½© ¾ f –f¾ ¾ f¾  ¯f° ¯f #¾°°f#n¯ ¾ –ff h  h   x¯f½f   n¯¾ff° °f¾°°ff¾ ¾fsµ ¾  °¾f¯ x¯ ¯¾ ¾ff°¾¾ff° °f ¾½f°  °¾n° nfn¯ ¾½fff¾¾¯½ ¯¾f ¾  f ¯ ¾¯f €¯f   ° h   ¯¾ hf¾ ¾fsµ ¾  n°¾ –¯¾  ¾ f   ¾f¯¾ ¾°°f ¾  f¾¾¯ °¾ ½ ¯¾ ¾f¾°°f ¾ ¯hf¾n¾f¾ f°¾¾f f ¯ °¾ ¯ ¾  f°jf f½ff ¾nh  ¯  ¾fsj ny ¾h¾°°f "  9ff  f"   fsj x j ° n ¾¾hf n¯ ¾ f¯ °¾    ¯¾ nf  h    f   n° ¾f n¯ D  f  f f  f  f°f ¾ f f ¾ °¾ ¾ ¾ °¾f f¾ f° ¾ f¾ € sµ ¾ f°  f Dx°¾¾f¯– f¯–¯f¾ ¾°n   ¾h¾ ¯½  ¾½¾f°¾ ¾nf   °¾¾Dx¯f¯¾  °j €nf°–  °¾  °j  ¾nf°¾f ½f° f¯¾¾ ¯½  ¾f ¯ ¾°°f n¯   ½ f fsj    f °¾¾f €n f  ¯f °j x f°  f  f  ¯f¾ ½ ¾  f ¯ fsj   x ½ ¯¾¾ ° €f½ffn¯ sf ¯f¾ ¾¾¯¾n¯¯f€fn f   ¾  ¾ °¾ ° –f¯¾fn¯ ¾¯  f ¾n½f¾ ¾€ff½f f¾ °jf¯¾ ½ f¾f° f  f °¾¾f€f¯f f°  °¾ f½ f¾€fn f ¾ ¯° °¾€  n   .¯¾f  D ¾½ f ¯¯ ¾ °j ½n ¯ ½n  ¾y°n   € j" 9 ¯¾ f€¯f   fsj x # ¾f °f ½ ¾ °sf  D# n¯ f f  ¾½°  f   ° # °    ¾  €fsf#" f¯  n   D½ °¾€ff ¯¾¯ ¾ -j¯¾f¾fn¯°¾¾¾ ¾  ¯  D¾ ¯f°€ ¾f  9 ¾  ¯fn° n¯ °¾ ¾fsµ ¾  f f f ffx¾ f f f  f ¯¾f°  ¯f ¾sj  f°f¾   ¾ fn  ¾½¾f°ffsj".

¾¾fxf¯ffsj  ½ ¯¾½fn½f ¯n¯° f   fsj–nf xf– ©f  f n  f ½  ¯½ f¾¾fnf¾  s¾ f¾nf¯°f f¾   .¯½ ¾ f¾°¾¾f¾fsµ ¾"  fsj½ ¾¾f f° ¾°¾€ff¯¾n¯D  ¾nf¯¾   fsj€f¯f f° f°¾¾f€f¯f ¾h ° f ¯fsj   fsj ¯–½ f° ¯–½¾  ° ½ff €   f   fsjn¯°hf f° fn¯° f ¾  ° ½ff f 9  ¯½ ff°f.

°ffsj°°nfx f# ¾ h x  f ¾¾"If¯¾   ¾h°ff  ¯n #9  f    ½  n    ¾nf  °n°f  f  f f½f¾  f h#   .f°  f ¾¾ sj hf D½¯ f9  n¯fn  f  ¾ ff °  ".# ½y"9  ¾°j f ° ½  °j½   f¯ ° ½ n¾ff"  ¯f–° ¯½f  ¯¯€ f°¾  n –f  ½ n ¯ f¾½ff–f¾f Inyfn f¯ ¾¯ ½f   fhn ¯ f¾"@ ½fn  ° n¯f nfsj €°j fh ½¾¾f  n ¯ f¾x¯ °  € n¯f°¾°j¾f hf ¯°¾f ¾¾  °  fnf fh€f °  ¾ f   –  °jf–¯f¾ –f¾½ffffsj   O 9¯ f –f°ffsj -jx  ¾°j¯  h  ½ s  ¾n¯½f¾f   ½ n¾ ½ ¾¾ ¯f¾n¾f¾ ½ ¯¾f f° f°j½ ¯¾ n  ½¾°j¾f  ¯¾f ¯°¾f   O  –° f  –f  @ f fsj °¾ f ¯f ½° f  ½° f  ½ff   f½ ° f¯¾ ¾° ¾   f   ½ ¯¾ g  ¾   ¯ n¯¯ ½ ¯¾ f  ¾ ½fny°nf  ¾½ f    f ½ff °   °f¯¾¯f½fny°nf  ½ff °€ °f¾½  ¯f¾ f f -f  f  ¾°¾ fh¾fsµ ¾½ff  °¾½¾¾f¯¾ f½° f  ½fnf¯¾f°¾¾f½fny°nf   O @ n f –f @ ffsj °n f¯n¯½¯¾¾"@ ¯ – °  fnf x¾ f nf¾ fs¾  -j" -f fsj °¾ ¾nf¯¾ ¯ D f €sf  f nf– ¯ ½ff °€ °f f¾ €n f ¾  f nf f    ¯¾ fn¯¾   ½ ° ¾¾  D f–n¯¾   ½ ° ¾¾  °¾    +  ½ ¯ ° ¾¾  h–f° ¾ ¾f ¾"    ¾¾   ¯½ fsj   n    ¾f ½f¾¾f– ¯ °¾ ¯¾f   D € ½ff f ¯°f°f  f  ½¾   f ¾n  ¾ ¾ ¾ ¾n½¾  D ½¯   f9  .f¾¾¾ fn° n  ½ f° f °j f¯ f   f f ½ y°nfn¯ffsj °j¾f ¯n¯ f °j ° ° ¯½ ½ n¾f¯ f  .    €nj€ ½  f¾½ ¾¾f¾¾¯½ ¾ ½ ¾ff¯ ° ° °   ½nff  ¯ffsj f–f n¯ °  D °f f  ¾€¯ ° f¯ x¯    #9 ¾  x¾    f–f   f€f¾f  ¯¯ ¾  nhn  °j ¾  €fsf  n°   f ¯°f°f ¯f¾ff#n   D°ff f¯ #9 ¯f¾¯j¾ ° –¯ ¾½# n   .f°f¾ f°f¾  ¾©h¯¾f–x¯€ff°  #.f°f¾  f°f¾  ¾ fn¯nfsjn    f¾ f¾¾¯¯½ Dffsj" ¯f½f¾¾f– ¯°¾x¯¾f  D°°nf¾  ¾ nf f–f n  ¯. fn° n f° °¾ f¯¾"  .¾j    #.f°  f¯¾  ff¯¾f€f¾f°  D If¯¾½fnf°    ¾f–f ffD ½ nf  -¯¯°  ° hf°f¾¯ °¾f– °¾ f°f¾°nf¾ °f f f° °   fn¯°nfsj ¯f¾¾f  ¾¾fx ¾ ½ ¯f° n n¯ h–¯f¾¯½f°   ¾¾ °nf ¾¾¯fn¯°nfsjn¯ ¾f¾ °  f f f  f¯¾ f°  ¾½fs ½ff½ nf  °f ¯°¾¾f f  ¾  ¾ffsj x n°¾ f f ½¯¾ n¯f– nf°¾f nf  .f°f¾  f°f¾  ¾ ¾f¯¾ nf¾f½fff f g¾  ¾g ½nf  ¯½ – g¾  ¾¯f¯f n¾j ¯½f° n¯½f ¯f½ff¯ ° ¯ff– ¯ ¯nf ¯ ¯ °j ¯   f"  .f¾  ½ –°  ¯©h½ f–g ¾ °j€f °  ".

f ¾    ¾¾ °¾°f°  ¾ ¾ ¾n½¾f f  f¾¾¯ %I-% ° ° f¯¾ °j ½ff ¾fsj°jx¾¯€ff €ff €ff fsjx¯I  nfsj ½  ¾¾°¾ fn°¾ f f ¯¾ ½ff °¾¾ f  f f   9f ¯ ¾ –   ¯f¾    ¾¾ ¾–°€nf  ¾–°€nf    ¯¾ ½ ¯ °f ¾¾°¾y°n ½¾x°¾y°n  ¾¾¾   ff°¾  9ff ¾¾fsj°jx¯fn¾f  ¾ ¯f¾¾¯¯nfsj  ¾y 9ff ¾¾fsj ¯½nf n¯ °¾¾f¾ ½fff¾  ¯f¾ ¾¯ ¯f n¯ °¾¾ nfsj 9 ¾¾ ¯f¾  ¾ ¾ ¯ ¯¾ ½fff¾  ¯ ¾fsµ ¾  f¾ ½fff¾¯f¯     f¯ °    ¯¾   ¯¾°¾¾¾nfsµ ¾ f ¾  ¾°°f ¾ ½ff   ¾¾ ½¾¾f I°¾¾nfsj €fn¯ €fsf¯¾¯f ½ y°nf f °  ¾¾ ¯  €f  n f  ¯f ¾f °  ¯f   €f¯ ½ –°f f .° f°   ¾¾   °¾ °¾°f   fsj x ¯f¾    ¾  ½ ° ¯¾ ¯ .f   @  f  .

fnh    f f f  ¾ f° ff   f ¾½°   °j –°f f  ¾ ¾n °j ¾¾ f¯f f    ¾€ff½ff¾ °f"    f ¾½°    °j °f f  ¾ ¾nf" fsjx ¯f ½ y°nf  ¾  f°¾n ° ¯f¾ ½fff¾ 9¾¾  ½    ° ¯¾ ¯ °¾¾ f  ° ¾y°n  ¯¾f ¾   ¾h ¯ ¾ –  x¯½f°  f ¯¾f f–¯½f°  ° ¾¾  f°–    ¾y°n  ° ¾y°n °n°f¯¾ ¾  €n¯ ° n°¾ – ¯¾°¾¾°°f ¯ ¾n¯ f¾  ° €  ¯ ¾¾f¾°°f  9 n f¯ °¾¾¯° nf f ¯f¾x f °  ¾¾ x¯ ¾¯¾½ ¾f¾°¾¾¯°  ¾h¾ ¯ ¾  .

f° €ff¯¾9 °¾¾nfsj  f–  ¯f° f €  ° €nf¯f¾f  f°½fn€nf  ¯f ¯ ¯ ¯½ nf¯ffD 9" . ¾  °¾°f °¾ f  f"#.f°  nf¯f¯¾ f D  #°¾¾ 9#  ½ n¾f¯¾  ¯ f °¾     ¯¾ n¯½f °¾ n¯ €¾  D  -j½ ¾nf¯f ¾¾9fD  f ° f ¾ n°¾ f¾¯nfsjn   ¾¯f° ½¾° ¾¾ nf¾©h °j ° ¾ ¯f¾ ¯¾f¯fnf f ° f  9 n  ¾   ½ n¾n° ¯½f¾ ¯ n ¾¾ff  f  9  n¯ f ¯½ –°f°¾¾ff¯f  f¯¾9f °¾¾  ¯¾ ¾fn¯ ¯f¾   Dj¾¯ ° ¯–f° €– f¯  ° x¯n¯ Dn¯¾ ½½9  ¯€f¯f¯ ° n¯ °f ½ f  ¯½fnf  -ffsj 9f -¾¾€f ¯¾½  ¾ ¾y¾½¯ ¾y¯½ © f–f 9 ¾f°€nfsj  -¯ f I° f   ° n¯½¯ ° fI°f °f  9- -j ¾f¯¾¾¾° ¾ ¯°   °jx¾¯  #°¾¾#¯  f¯ x¯  .¯f°¾ f¾ °¾n°€° ¯  °¾ f¯¾ ¾½ff ¾ f¯¾°¾f€f¾f°    °j n°¾ –¯¾ ½ ¯ °ff°¯ f n¯ ¾   ½ ¯  f  f ¯ fsj x     ¯¾ °¯ f  n¯  ¾   ¾¾ f °¯ n¯  ¾ ½¯  ½    f  ¾ ¾ –° ½   f ¯fsj¾ ¾n½¾ fn¯½f°ff¯D ¾ ff¯n¯   ff €nff¯ °nf°f ¾n¯f  Dn¯D9 ¾ ¯½  D€ffff9 ¾ ¾¾ ff¯  D¯ f  ½ nf¾f ¾  °¾f¾¯    ¾ f¯   f¯ n¯   ¾  –f f 9  ¾ ¾n½¾ °j f– °ff¯  ½ f¯ #.D@-.      x¯ 9  ¯ ¯j ¯ ¾¯  f° f °jn°¾–ff¯h  f¾f°   f¯¾fn f° °  ¾f¯¾ €ff°   °¾¾ –¾¯     f¾ ½n¾  ¾  fnf f°    9  -" . ¾¯  f°  ¾ ¾  ¯ f°  °j¾¯ff  °¯9 xD ¯¾¯j¾  f °n°  ¾  9-.   D°¾ °¾°ff  ¾f°¯ f  n¯ D   ©f ¾ n¯ °¾ °¾°ff –fD 9f-¾¾  fsj  9 - x   f ¯ y¾ ½f ¾   ½¯ f °¾ nnf °f ½ ¾ °sf  D  €f ¯¾ y¾ ½  ¾  €  ° ¾fD °f¾ –° f €f ¯¾f½  ¾ €  ° ¾f°¾ ¯ °¾ ¯  ¾  ¯° ¾ ¯°    x¯f¾ ¯½ ¾¾°f° ° ¾ffsjx€f °¾ –¯¾fDn¯9.

D ¯ 9 ¾¾¾f°  f f¾ ¯°¾¾nfsj   ¾f¾°f½hfn  ¾ gf ½  °n ¯¾ ½ff° f¯¾  f f¾°f¾f° f gf½  °n ¯¾ ½ff° nf¯°f¯¾  -@.

I-. -¾°j ¯¾n¯½ y°nf½ff¾f°€nf°¯  D ¯½  ½ff  # n° sf¯¾#f¾f° f  9 ¯ ¾¯    #¾ ©f n° n ff¾f° f  ¾¾f½ ¾¾f#   ¯¾  ¾¾f  f f  f f f  ¾nf°  f¯ x¯ f ¾f° f   f ° °   ¾ ©  °¾¾ 9 #  f°¾ ½   ¾ f°#   D ¾¾ # ½ € ¾n¯¾¾9.

   I--I- .  ¾ x½ € #.

¯ ¾ ½  f– ©f ¯ ¯¾f½°n½f¯ ° ff .

¾ f° f€°f   °  D  f°  ¾ h °¾ff  €°f¯ °   – ©f  f  f¯ x¯  ½  n ¾n¯ °   °  D ° #© # ° 9 x ¯ ° ½f ©¾sf f –f  ° f ¯f°¾ j f¯    h  ¯  ½¾¾f .

½ff ° ¾¯j¾ Iny  ¾hff–f½ n¾f f© ½ff¾fnf¾f ° D"¯f¾°f f ½ ¾ °sf  ° DxDxff–f fnf¾f  n ¯¾ ½ ffsj ¾€x¾  ¯¾  @II-@.-@.

-..

D  ¾ h ½ ¯¾ f9f-¾¾"¾ ½    ¯°¾ ¯ f f¯¾f f° °f°f¾¯j¾ °¾¾9. f¾¾¯n¯D ¯¾f–°f #9 ¾ x   f–f  f€f¾f ¯¯ ¾ nhn °j¾ €fsf n°  f¯°f°f ¯f¾ff#n   9 ¯¾   ¾ ©f € f f I¾¾f I°f   f x f ¾f °f " #.f D°¾ °¾°f f   f f¯ °  9-.   ¾ ¾ ¯ °¾ ¾ ©f¯ ¾f¾  n – ¯ f n° n¯ ° f  f #@¯   ½ff ¾fn° sfDn°fn°¾n" ¾f¾½  ¾¾ –° ¾f½ ¾ °f¯¾  °¾¾¾ ¾ ©¾  ¾¾ ¾½  ¾n°n ° ¯g°¾¾f f½ff° f½ff nh f ½ nf  ¾  fn°f¯n¯°¾¾n¯ f n¯¾f¾gf  ¯¾  .

.- ¾ ½  x ¯¯f°    ¯  °n°n¯°¾¾f° n ¾¾ f  ¯f f  ¾ ½j¾  €  ff¯ °½ffn½ ¯f¾f¯ x¯ ¾f¯¾ ¯ f°  #½j#½ff¾¾ °f°¾¾ff¯f  ½j f9fff 9j fnf¾f ½¾ ¾ f° n½f f°    ° ¾f¯¾ ¯ f°  ½jx°¾¾ n¯ ¾   ¯ f¯¾  ½ff     ¯¾ n¯ ¾ ¯j¾ ° n ¾¾f ¾    f–x¯ °f °¾¾f n¯° f  ½f¾¾f €¯  °j ¾f¯¾€f ° fI°f  9  9 -- .

- 9.- @.D... .-  ¾f¯¾ ¯ f°    ° n ¾¾f¯¾  ½  j  f ¯¾ n f  D  ½   ¾¯¾ €fn¾   ½ nf  ¾  .

   ¾ ½  ½ ° f ¯ °¾¾ nfsj ¾  ¾ ¯¾ ½  f °¾¾¾ °¯–¾ f  ¯½  D   I ©f   –f°  ¾f f x ¾  ½   #9  f °¾ f¾¾¯n¯°¾½  f¯¾#  --O.

. @-@  @ ¾¾¯¾  °f ¾ ¯f¾ ½ ¯¾f9f€sf½ff °j ¾n¯ ¯¾ g  °fsj  ¯¾  °f ¾ ½  ¯f–°  °j ½ ¯¾ €sf ½ff °j nf¯¾ °f¾ f¯f f¾  ¾ff°h¾      °¾   ff°nf f¾¯j¾ D 9 n¾f¯¾ ¾f ¯–i°nfn°¾f° ½¾¯f¾  ¾f °fsj°¾f½f n   ¯ ff ° . –f °". fsj f".  f f".

   f  f  ffsj ff ¯.I -. f  f°f¯f "-jnf ¯ °fsj °  ¯f n¾j nfsj n°¾ – ¯¾¾f¾¾ ¾¾ n¯ f ½ ffsj  . ¾¾ ½  €D ¯€ f9 ¯¾ ¾¯¾¯¯ °¾ °f¯fn f #9 °j   ½ s   ¾    ¯°   ¯f¾   ¾ –f   ¯f–°#     ¯f  f  °j x f½ °f¾ ¯f  xf  ¯f¾ ¯f ½ ¾¾f  ¾ff°h¾        # f #  x f     ff ¾¾f ° ¯   9f°  9 .

 fh f ° " -f fsj  9f -¾¾  D °¾ °¾° f  ¾½ f  °¯   D f°  ¾ ©f    ¾   °  f¯ ¾ ©f ¾ ¯½  ° °¾  f¯ x¯°¾ °¾°f ¾nff°f  9 f½ ½°¾¾f¾° n ¾¾ f ¾¯f f¾  ¾nf ½  j D f fsj ¯f  .  f¾¾¯¾ ©f#"  ny€ n¯n°€f°sf¾½  ¾ n¯-9..¾D    ½ ¾ ¯x¾ f °nf°fsj   f°–  .   f  ¾¾ sj  D   9 °¾ f  ¯f    °¾ f  ¾fsµ ¾ ff ¾ ° ¯¯f–°f¯¾ ¯f¾¯ f¾f  ¯¾    . 9 #¯x¯#€°f  ½¯¯ °¾ °¾¾fn°n i°nff ¯ fsjf¾ ½  ¾ € ¾  #.

-.

D- D€¯ ¯ fsj ¯ ¾   f¾f¾ ¾ ffn¯  ¯f°ff f °jff°f f °   f€nf€¯fn    f¾ f  ° ¾   ¯½ f¯¾  9  f D ½ff €f  f °¾¾f  f ¯f n°¾f°  fsj    ¯f ¯f° f ¾½ nf  ½ sf¯¾ f     ½ ½f  °¾¾¾ nfsµ ¾ ½ff  n  –°f¯ °   fnf¯ ° f nf¾f n¯ f¯  ½ °f n°¾ny°nf  ¯¾  % #9 °¾¾   ¾f¾ ° nx  °¾°f °¾ f  f   f °¾ ¯ nfsj ½    ¯  ½ff   ½ ¾   ¯¾ °f fsj  f° n¯¾¾D°¾ °¾° 9j°¾¾ nf f f°¾ f© f °¾½j f¾f €¾nf  ¾½f ½j f€x ½j f ¾½ f°sf ½j fn°€f°sf ½j f¯  ¾ sf½¯ 9 ¾°¾  ½ ¯¾©°¾n¯D°f° f  ¾½f° ¯x¯#  %D  °   ½ ¾f ¯¾f¯¾nf¯f 9f  h °¾nf f ¯nfsj €¾½fffnf°sf¯¾ f f°sf½¯  f 9°¾¾ °D.

¾°f° f  ¾½f° ¾¾¯¾ ©f"    ½ n¾¾f ½ff f ¯"  ¾ €n f ¾  ¯¾  fxf€ff n° n¯ °   f -j¾f ¯¾ f . .f¾f°¾¾fn° ¾f ¾ x f°¾¾ffsjn¯D ½ ¾ –fg f €f ¯¾n¯°¾¾¾f¯–¾ D¯fn° ¾f¾°n f  nfsj½ff nfsj D¯–f° nfsj nfsj D .

°f ½ffD ¾ f °    f " .

   D  °f °¾ #°nf ¯    ¾½°    f°°nf   n¾f¾ –f° ¾  nf¾    °j ¾f ¾#     9   ¾ h f¯°ffsj°jx f"½¾¾ ¾¾". fsjfff  nsj f¾ y°sj¾ D  f D ¯½f° ©f ½ff°¾ ¾ ½   ¾j°¾¾f¾  #-f f ° ¾½ °j½ ¾#@–  #9    f ¾ ¾ h#.

°° ½ ¾  f°  n¯f °sj° ¾  °n°  ¾n h f–°¾¯¾ D°j -j ¾f°¯ ½¾¾¯¾ ¾j°f¾¾f¾¯j¾½ff¯ f   I ©f¯¾f–°¾½¾ fsj ½ ¯¾€f    f%fsj sµ ¾ fsf¾ %             .

ff¾  ¯   f ¯  h½f ¯ f ¯f ¯ ¾¾ °f  n %  n% fsj   fsj  % .¾ n ¾    ff@ f .   €    ½  % f ¾f¾  –f j °j x  ¾¯½ ¾ €f  f–f n      –f   ¯f¾ f ½ ¾¾j  ¯ nfsj f–f n    % fsj    %.   n           %  –°€nf –  9f°  f½nf°  ¾ f  ¾ x ©¾f¯ °  –h ½ f° €  x % x9 ¾ f° @ ¯ °  .

      -    %   ¯ ¯ € nf  ½ff f f f .

f¯´° nf¾f¯ ° ¯ ¾n      °¾ ©fn °  ff °sj nf¾f ¾ ©f° 9ff¾¾x¯½f°   nf¾ff f¾n¾f¾ ¾¾fnf¯ °¾ ffsj  ffsj f¾¾ °ff f ¾½f nf¾f  ff  ¾°¯ f n¯ ¾  ° ¾ ½¯  f¾fsµ ¾  f½ ° ¯¾f½n ½ ¯¾ f¯½  ©°¾½ f€f¯f ©°¾½ ½½nf¾f¯ ° ½ ffsj ° n ¾¾j ¯–fg ¾½  f© f°f¾ffsj  ¾fnf¯ ° ¯f¯´°½ f ¾¾f° f fnf¾f h ¾¾f½¾¾  f ¾f€nf n°©° ¯ ¾¯¾f °   f¾ffsjx°  f 9¾¾¯  ¯ ¯ ny°jf©f¯f¾n°¾ff¾ffsj½ ¾¾ ¾€¾ ¯f¾ny½  f© f¾  ¾½¾ ¾f ¾½¾ff¾ ¾ff ½ ¾ ¾¾j¯ °ffsj¯f¯°f  ¾¾ €f½ ¾ °  ° ¯ °¾  ¯y¾f¯ x¯°¾€f ¯¾¯   ny  ¾   .  % ½ fsj  ½ ¾¾f °°nf f°  ¾f¯¾ ¯n°€ ¯  fsj g °f    ¾ °ff¯ °  °¾ n°¾f–f¯¾  n¯ sf¯¾ f f #¾  € f @f °f #  ¯f¾ f f°  ¾f¯¾f° #¾ ©f€ ff@f°f # ¯f¾f f°  ¾f¯¾f° #¾ ©f€ ff@f°f  °jf¯°f# ¯f¾ ¯ ½n ¾f¯¾f° # ° ¾ €f f@f°f # n –f¯¾f   #9f   n°¾f–f@ ¯  f #   €% fsj  ° –f  .f°  ¾ ff ¾  ¯°  n°n ¯ n¯ ¾ f nf°   ¾f°  f°–¾f  €¾fsj  ¾i°¯ – f° ¯n°€ ° ¯ ¯°  ¯ ¯    f½ n½fsj½f n °j €¯ xff  ° –f f ° ¯f¾€f ¾ nnh ¾f½x f n  ¾nf°¾f°   %   n   ½     9   %   –%fsj ° n ¾¾j %  % ¯f–f f–x¯°¯f° n ¾¾ f ½  ¯f ½  f° f¾fnf¾f n¯¾ €¾¾ ½½f ¾fx¯ff¯f¯ €nf°f fff ¾½f .         % ¾ ¾f½¾¾ f¯ x¯%½   @–    9   %    ¾f ¯¾ f¾f ¾° n ¾¾hf¾ff ½ ° f–¯f °sj  %x %.   .f° f–x¯ ¾h ¾f°¯f  fx ½ °¾f°  ¯ ¾¾ ¾ –f ¾¾  f°f ¾ ° n ¾¾ %  % ° n ¾¾j¯ ff¾nn°¾i°nf¾ %°    % f€f½f    h ¾¾f°¾ %€  %    fsj°.f¾ ° ¾¾f °¾°%.f   %€    %   °°nf ¾fhn¯½ ¾ °j€° ¾f½¾sj ° ¾ ½ fsj ¾j ° f¾ff ¾  % f°f¯ ° %¯ f  %f¯ % h f  %fsj 9 sj½nf ½ fsj¯f¾¾f f f¯f¾n¯¯ f¾nf¯¾  fx °f¯ff f¾   ¾°j€f ¯¾½ fsj .n      % %9 ¾¾y°nf %n   %  %fsj  nfsj %°    .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->