P. 1
Propriedades Coligativas Resumo

Propriedades Coligativas Resumo

|Views: 6.788|Likes:
Publicado pormarsjomm
Pequeno resumo sobre propriedades coligativas.
Pequeno resumo sobre propriedades coligativas.

More info:

Published by: marsjomm on May 27, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/30/2013

pdf

text

original

P ro f.

Ma te u s A n d ra d e

EFEI T OS COL I GA T I V OS

Um “ efeit o c oligat ivo” é um a m odific aç ão em c ert as propriedades de um solvent e quando nele adic ionados um s o l u t o n ã o -v o l á t i l , a q u a l s ó depende do núm ero de p a r t íc u l a s ( m o l é c u l a s o u ío n s ) dissolvidas e não de sua n a t u r e za !
n ã o -v o l á t i l : p o n t o d e e b u l i ç ã o s u p e r i o r a o d o s o l v e n t e .

P ro f. Ma te u s A n d ra d e

EFEI T OS COL I GA T I V OS

As propriedades do solvent e m odific adas são:
• • • Pr e s s ã o d e v a p o r à efeit o t onosc ópic o

Po n t o d e e b u l i ç ã o à e f e i t o e b u l i o s c ó p i c o Po n t o d e f u s ã o à e f e i t o c r i o s c ó p i c o

• Pr e s s ã o o s m ó t i c a à e f e i t o o s m o s c ó p i c o
P ro f. Ma te u s A n d ra d e

EFEI T OS COL I GA T I V OS

Ef e i t o T o n o s c ó p i c o
Co n s i s t e n a d i m i n u i ç ã o d a p r e s s ã o d e v a p o r d o s o l v e n t e q u a n d o a d i c i o n a -s e u m s o l u t o n ã o -v o l á t i l !
Pr e s s ã o d e vapor é aquela ex erc ida pelas m o l é c u l a s (d e m aior energia) do solvent e, c ont ra a int erfac e para passar ao est ado de vapor.

interface líquido/vapor

Pvapor

P ro f. Ma te u s A n d ra d e

EFEI T OS COL I GA T I V OS

Co m a a d i ç ã o d e p a r t íc u l a s d e s o l u t o (ío n s o u m oléc ulas) i n t e n s i f i c a m -s e as forç as at rat ivas m olec ulares e dim inui a pressão de vapor do solvent e.

Pvapor

Pvapor

soluto

P ro f. Ma te u s A n d ra d e

EFEI T OS COL I GA T I V OS

Re p r e s e n t a ç ã o g r á f i c a

A p r e ss ã o d e v a p o r d a so l u ç ã o é m enor do que a do s o l ve n t e p u r o .

P ro f. Ma te u s A n d ra d e

EFEI T OS COL I GA T I V OS

Ef e i t o Eb u l i o s c ó p i c o
Co n s i s t e n o a u m e n t o d a t e m p e r a t u r a d e e b u l i ç ã o d o s o l v e n t e q u a n d o a d i c i o n a -s e u m s o l u t o n ã o -v o l á t i l , e x p l i c a d a p e l o a u m e n t o da int ensidade das forç as int erat ivas, pela p r e s e n ç a d a s p a r t íc u l a s d o s o l u t o .
To = solvente puro DTebulição Te = solução

P ro f. Ma te u s A n d ra d e

EFEI T OS COL I GA T I V OS

Ef e i t o Cr i o s c ó p i c o
Co n s i s t e n a d i m i n u i ç ã o d a t e m p e r a t u r a d e c ongelam ent o ou fusão do solvent e quando a d i c i o n a -s e u m s o l u t o n ã o -v o l á t i l .

To = solvente puro DTfusão

Tf = solução

P ro f. Ma te u s A n d ra d e

EFEI T OS COL I GA T I V OS

Ef e i t o Os m o s c ó p i c o
Co n s i s t e n a v a r i a ç ã o d a p r e s s ã o o s m ó t i c a ent re duas soluç ões separadas ent re sí por u m a m e m b r a n a s e m i -p e r m e á v e l (m .s .p .) o u de um a soluç ão c om o solvent e puro.

OB SERV A ÇÕES A ) M e m b r a n a s e m i -p e r m e á v e l = s ó p e r m i t e a p a s s a g e m d e s o l v e n t e ( e x .: c i t o p l a s m a , p a p e l c e l o f a n e ,... ); B ) Os m o s e = p a s s a g e m d e s o l v e n t e a t r a v é s d e u m a m .s .p ., a t é q u e a s s o l u ç õ e s t o r n e m -s e i s o t ô n i c a s , i s t o é , q u e ex erç am a m esm a pressão osm ót ic a; C) Pr e s s ã o o s m ó t i c a = p r e s s ã o e x e r c i d a p e l o s o l v e n t e c o n t r a a m .s .p . p a r a q u e o c o r r a a o s m o s e .

P ro f. Ma te u s A n d ra d e

EFEI T OS COL I GA T I V OS

Pr e s s ã o Os m ó t i c a
soluto OSMOSE solvente

m esm a c onc ent raç ão

d i l u íd a

c onc ent rada

APÓS CERTO TEMPO

m .s .p

m .s .p

Po b r e l e s m a q u a n d o a d i c i o n a m o s s a l !

Prof . Mat eus Andrade

EFEI T OS COL I GA T I V OS

Pr e s s ã o Os m ó t i c a

Prof . Mat eus Andrade

EFEI T OS COL I GA T I V OS

A p r e s s ã o o s m ó t i c a (P) p o d e s e r o b t i d a do seguint e m odo: - a pressão ex erc ida por um gás, em dada t em perat ura, é c alc ulada pela ex pressão

PV=nRT
-p o r a n a l o g i a , a p r e s s ã o o s m ó t i c a s e r á

P V = n RT

nRT mRT P= = = Cmolar RT V MV
R = c o n s t a n t e u n i v e r s a l d o s g a s e s (0 ,0 8 2 a t m .L /m o l .K T = t e m p e r a t u r a a b s o l u t a (K e l v i n )

Prof . Mat eus Andrade

EFEI T OS COL I GA T I V OS

Re s u m o d o s e f e i t o s c o l i g a t i v o s
T ON OSCÓPI CO
dim inuiç ão da pressão de vapor

EB U L I OSCÓPI CO
aum ent o na t em perat ura de ebuliç ão

CRI OSCÓPI CO
dim inuiç ão na t em perat ura de solidific aç ão

OSM OSCÓPI CO
aum ent o na pressão osm ót ic a
P ro f. Ma te u s A n d ra d e

EFEI T OS COL I GA T I V OS

Ex e m p l o s
EFEI T O T ON OSCÓPI CO - um a t oalha úm ida c om água do m ar dem ora m ais para sec ar do que c om água da t orneira. O sal baix a a pressão de vapor e dim inui a volat ilidade. EFEI T O EB U L I OSCÓPI CO - o “ c aldo da sopa” t em perat ura superior à t orneira.
P ro f. Ma te u s A n d ra d e

ferve a um a da água da

EFEI T OS COL I GA T I V OS

EFEI T O CRI OSCÓPI CO - a água do m ar, nos pólos, não c ongela pela presenç a de elevada quant idade de s a i s d i s s o l v i d o s , p r i n c i p a l m e n t e N a Cl . EFEI T O OSM OSCÓPI CO - adic ionando aç úc ar à salada de frut as, aum ent a o volum e do c aldo; - o c harque é preparado pela adiç ão de sal sobre a c arne, que provoc a a sua desidrat aç ão; - pobre lesm a quando nela adic ionam os sal !!!
P ro f. Ma te u s A n d ra d e

EFEI T OS COL I GA T I V OS

Ef e i t o s c o l i g a t i v o s d e s o l u t o s i ô n i c o s
Em v i r t u d e d o s e f e i t o s c o l i g a t i v o s d e p e n d e r e m d o n o d e p a r t íc u l a s p r e s e n t e s e n ã o d a n a t u r e za d a s m e s m a s ( u m m o l d e ío n s e x e r c e o m e s m o e f e i t o que um m ol de m oléc ulas) p a r a s o l u t o s iônic os o efeit o será proporc ional ao n ú m e r o d e ío n s o r i g i n a d o s p o r f ó r m u l a do c om post o iônic o.

P ro f. Ma te u s A n d ra d e

EFEI T OS COL I GA T I V OS

Ex e m p l o s :
N a Cl à N a + + Cl Ca Cl 2 à Ca +2 + 2 Cl Fe Cl 3 à Fe +3 + 3 Cl Sn Cl 4 à Sn +4 + 4 Cl (2 ío n s ) (3 ío n s ) (4 ío n s ) (5 ío n s ) (5 ío n s )

A l 2 (SO 4 ) 3 Ã 2 A l +3 + 3 SO 4 -2

P ro f. Ma te u s A n d ra d e

EFEI T OS COL I GA T I V OS

P ro f. Ma te u s A n d ra d e

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->