Você está na página 1de 6
ULC UPAL dn et waez ANUNCIOS, AVISOS, EDITAIS E NOTICIARIO TA ‘MUNICIPIO DE USBOA Edital n° 69/2004 Far-se saber que, por Deliberagao da Camara Municipal de Lisboa n.* 493/04, aprovada por maioria em sua reuniio de 2004/07/07 e por Deliberacdo da Assemblela Muntcpal n? 102/2004, aprovada por maiorla em sua reunido de 2004/09/21, aprovado o seguinte Regulamento ‘REGULAMENTO RELATIVO AO PROGRAMA DE REABILITACAO DE IMOVEIS 1M MAU ESTADO DE CONSERVACAO E DEVOLUTOS DO CONCELHO DE LISBOA POR PARTE DE JOVENS Predimbulo reconhecida por todos que a Cidade de Lisboa se tem Vindo, progressivamente, a desertiicar, convertendo-se cessencialmente numa cidade povoada por escritérios servigns, @ qual as pessoas acarrem em. trabalho, regessando is suas casas, na maior parte dos casos localizadas. em coneelhos limitrofes, uma vez terminado 0 periodo normal de trabalho diario ‘A neceisidade de repovoar a cidade @ no s6 uma forma de garantir a vilalidade do espaco urbano com 6 eonsequente restabelecimento de lagos de vizinhanca, ‘como um modo de resolver um problema habitactonal que obriga muitos jovens a morar fora de Lisboa dadas as despesas inerentes & aquisigo de casa nesta cidade, Por outro lado, a cidade ganha em ser reocupada com 6s jovens interessados, dada a vilalidade e movimento que estes The imprimirao, sendo certo que a experiencia de gestio autarquica tem encontrado na populagio jovem ‘um bastiéo seguro de dinamizacao urbana, E atribuicdo das Autarquias gerir equilibradamente 6 Patriménio Municipal, avaliando a nevessidade de cedéncia de iméyeis que melhor satisfagam as necessidades de fnteresse pablico quando alectos a titularidade privada ou cooperativa. Durante o perfodo de discusséo piblica foram remetidos oficios Fenache - Federagao Nacional de Cooperativas de Habitagio Economica, bem como a associacées juvenis constituidas Junto cas Juntas de Freguesia e que foram as seguintes: ~ Ser Jovem» Junta de Freguesia de S. Justa: ~ Clube Recreativo e Cultural Marvila Jovem: ‘Peninhas, Somos Nos» Junta de Freguesia da Pena; = S. Mamede Joven: = Ass, ovens Junta de Freguesia do Sacramento: = Viver € preciso: Junta de Freguesia de St* Catarina: = Grupo de Jovens da Junta de Freguesia de Santos-o-Vetho; = sJovem ++-Junta de Freguesia dos Anjos wn 28 wii 2004 - sJovem a Jovem Belém» Junta de Freguesia de St* Maria de Belem; - -Sels Passos em Frente:-Junta de Freguesia de 8. Jodo; + Nilelea de Jovens- Acad. Reereativa da Ajuda. Foi owvida ainda a FNAJ--Federarao Nacional de Assoctaghes Juvenis Locals, a CNJ- Conselho Nacional de Juventude e a AIEC- Associagao Juvenil de Estudos e Comunicacio. De todas estas entidades, apenas a Fenache se pronunciou. tendo-se ainda pronunciado outras entidades, 2 Cooperativa Lisboa Central Jovem e a RefiigiosCoop, CRL, tendo esta enviado 0 seu contributo fa fora de prazo. Porém, tendo em conta a grande importanicia de todos 0s contributos para a coneretzacao deste Programa, dec-se alender as sugesties desta. Cooperativa. Foram também recebidos contributos de munipes, pessoas singulares,e que foram Carls Jorge Barroca Jesus Carneiro, ( Diniz Neves: € Jorge Lima. De sallentar o grande interesse suscitado na populacao pelo Projecto de Regulamento que foi objecto de aprovacao na reunido de Camara de dia 4 de Fevereiro, tendo-se também recebldo varios pedidos de informacdo, quer escritos, quer crais, tal como os dos municipes Rut Hermenegide Goncalves ¢ Jorge Lima que, depois de _devidamente informados, deram 0 seu contributo para este Regulament. © presente Regulamento procurou atender aos dliversos contributos obtides, mas salvaguardando sempre o objetivo primordial que esteve na sua origem: 0 de trazer jovens a residir no centro de Lisboa. Assim, e tendo como leis habilitantes as disposigbes conjugadas do n. 8 do artigo 112. e artigo 241.* da Comstituicao da Reptiblica Portuguesa, das alineas an’ 4 e q) don? 6 do artigo 64.° e da alinea a) do n.? 2 do artigo 58.*, todos da Let n.? 169/99, de 18 de Setembro, na redaccao que The foi dada’ pela Lei n.° 5-A/2002, de LL de daneiro, a Assemblela Municipal de Lisboa, ( ‘sob proposta da Camara Municipal, ¢ apés a apreciacao piilica do respectivo Project, aprova o seguinte Regulamento: CAPITULO 1 Disposigdes Gerais Antigo 1. (object (© presente Regulamento tem por objecto estabelecer as condicoes mediante as quais 0 Municipio de Lisboa cederit gratuitamente a jovens, agrupados em pessoas colectivas, sem fins lueratives ou cooperativas de construcio © habitacdo, o direito de superficie sobre edifclos municipais em mau estado de conservacao ¢ devolutos on parcelas de ‘erreno municipais devolutas, integrados numa bolsa isponibilizada para o fet, mediante a contrapartida, respectivamente, da sua reabilitagao ou da edificacdo no local x 58 WUNICIPAL 2-Nao tem aplicacio o disposto nas alineas b) © «) do ‘mamero anterior: @) fim caso de forea maior ou de doeuga que nao se prolonguem por mais de ura ano; b) Se 0 adguirente se ausentar por tempo ndo superior a dois anos, em cumprimento de deveres militares, ou no fexercicio de outras fungies prblicas ou de servico particular por conta de outrem, © bem assim sem ependéncia de prazo, se a auséncia resulta de comissio de servigo piblien, civil ou militar por tempo determinado; ) Se permanecerem no prédio o ednjuge ou parentes em linha recta do arrendatirio ou outros familiares dele, desde que, neste ultimo caso, com ele convivessem ha mais de um ano e desde que a auséncia do adquirente no se prolongue por mais de um ano, Artigo 8. (brigagdes do Municipio) ‘do obriga¢oes do Municipio colaborar com os interessados za execugdo deste Regulamento e prestar-thes as informagoes que sejam necessérias. Artigo 9° (Destino dos iméveis) Decorrdos cinco anos sobre a data de emissio da licenga de utlizagdo respectiva, pode o superficirio propor a aguisigio do imével pelo valor da avaliacéo realizada no ‘momento da eonstituicdo do direto de superficie actualizado de acordo com: 0 indice de pregos no consumidor do INE, com habitagao € no continente. Artigo 10° {Destino dos iméreis no fin do prazo de cedéaea) |1-Uma vez terminado 0 prazo de cedéneia pode o superfcirio, con cada adquirente, individualmente, em alternativa 4) Propor a aquisieao da propriedade do edificio/parcela de terreno/fogo a CML pelo prego que resultar da avaliagao realizada no momento da constituiga do direlto de superficie actualizado de acorda com 0 indice de pregos ‘no eonsumidor do INE, com habitagau e no continente; bl Manifestar interesse em devolvé-lo & CML cam direito & indemnizacio resultante das benfeitoras ou da construgéo cfectuaclas, tomando-se como base o custo de construcgo ‘20 tempo em que a indemnizagao se calcular ¢ descon- tando-se 0 valor do projecto aprovado para 0 local, aactualizado de acordo com os indices da inflagao, caso este seja da autoria da CML. 2-Cada adquirente individual apenas podera exercer fa faculdade prevista nia alinea a) do nimero anterior, fem relagdo ao respectivo fogo, ¢ caso 0 edificio em que se mesmo se situe ja estea, & data da proposta de aquisicéo, constituide em propriedade horizontal. 28 iti 2008 CAPITULO Ill Candidaturas ‘Antigo 2 (Reguistos dx candidature) 11-Podem candidatar-se ao Programa as pessoas colectivas ‘lua Bryps de pes sre ur eo Inada, So oo fuate od vem Coperaas fde Construgio/Habliaglo e que preencham os requistos don 2 do presente artigo 2-Para efeitos de candidatura ao Programa, as pessoas ‘olectivas apenas podem indicar como potenclats adquirentes ‘dos imaveis os seus membros, que se encontrem nas seguintes ccondigaes: ) Maiores com dade nao superior 2 35 anos, & data da candidatura; b) Que trabalhem ou residam no concelho de Lisboa: ‘o) Que nao possuam habitagSo ou parcela de terreno urbano ‘de sua propriedade, ou do cOnjuge ou de pessoa com f qual vivam em unio de facto, no conceltho de Lisboa: @) Que possuam viabilidade financeira ou condigdes de obteneao de empréstimo para proceder A reabilitacao 0 edifielo ou a construgho na parcela de terreno a que ‘se candidatam, 3-Quanco duas pessoas singulares sjam casas entre Sauna cache fo. apenas uma dels. pooe candidatar-se a um edificlo/parcela de terreno em cada Solsa, nao podendo, no entanlo, candidaarse a pessoa Shp Ej" je cog fe Strbuido por sere’ em Bolsa aero. alum imdvel 4-No caso da alnea do 1.2 unite de idade€ plcavel 2 as os cone a aan os estas que am Entsiuagao andiga & dos etnjuges. 5 Cat peso colt canal ou gro de antes Spends. poderd concorer a tantas.Bolsas quantas as nec fas para perfazer as necessidades habitacionais Ae tos 9s seus membros que preescham 05 Tequisios dd n° do presente a. 6-Caia pessoa singular apenas se pode apresentar em cada Bolan ‘domo erro. de uma ‘nica pessoa colectva tanldata ou grupo de candidatos 7-Cada pessoa colectiva candidata ou grupo de eandidatos apenas pode efectuar, dentro da mesma Bolsa, uma inscrigao para aquisigao de um edificio/pazcela de terreno. 8-0s candidaios singulares s6 serdo admitidos a sortio (aso se apresertem assoelados a outros, que perfagam 0 hhimero stilelente para utilizar como habitaeao todos os fogos do edificio a que se candidatam, ou todos 0s fogos que seja permtide edificar numa determinada parcela ‘de {Erreno, obrigando-se todos a constitulr-se, ou a integrar-se, fem pessoa colectiva sem fins lucrativos ow em cooperativa Ge construcio/habitagao, mo pravo maximo de 4 meses a contar da data da sua selecqao. Artigo 12° (Causto) 1-0s candidatos deverto efectuar, no acto de candidatura, lum depésito no valor de 1500 euros por cada foge 2 reabiltar ou a edilcar, no caso, respectivamente, dos falficios ou das parcelas de terreno, junto dos Servigos de Tesouraria da CML. 588