Você está na página 1de 18

uBI caritas

JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL

“DIZ-ME COM QUEM ANDAS,


DIR-TE-EI QUEM ÉS
Sub-16 Carvalhal

p.3

Maio, Mês de Maria!


p.12

p.14
JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL EDITORIAL

Editorial
o melhor que tinha para dar! E sinto-me ainda mais feliz
porque apesar da responsabilidade de ser Presidente Re-
gional não deixei de ser quem eu era, a Sílvia do Centro
Local do Catujal  sinto-me ainda mais orgulhosa porque
Caros amigos da
sei, conscientemente, que a nossa região está crescida, que
JMV,
há imenso talento e vontade de Servi-l’O, sei que quem
Convosco mais
vier a seguir, desde que o deseje, pode fazer muito mais.
uma edição do nosso
E por isso há-que não ter medo! Não vale a pena
jornal Ubi Caritas : )
pensar que não temos tempo, que não somos capazes…
No entanto, esta é uma
Desde que haja AMOR, desde que haja SENTIMENTO,
edição muito especial
desde que haja VONTADE, desde que haja FÉ naquele
para o CRSul, pois será
que nos guia seremos sempre capazes.
a última elaborada por
Para terminar este discurso longo e lamechas queria
nós CRSul 2008-2011. Neste número recordamos o En-
recordar que continuamos no mês de Maio, mês por ex-
contro Sub16 que decorreu no centro local de Carvalhal,
celência dedicado à nossa Mãe, que, vejam só, pediu que a
que parece já ter sido há tanto, tanto tempo, e onde, ine-
nossa associação existisse. Um dia destes dizia isto no meu
ditamente a Eucaristia do Encontro passou na televisão.
centro local: sempre ouvi dizer que somos protegidos de
Mas o mais importante não foi o imediatismo, o mais
Maria, e somos! Então que durante este mês, e porque
importante, e creio que foi mais que superado, foi o ver-
não sempre, estejamos atentos aos sinais dela, aos sinais
dadeiro encontro com Cristo  ou mais simplesmente,
de Jesus, consigamos perceber e apontar porque somos
com o nosso amigo Jesus. Recordamos também o Tor-
protegidos! Não hipoteticamente, não filosoficamente,
neio Desportivo do Catujal, é espantoso como até ao nos
mas CONCRETAMENTE. Porque como dizia Mia Cou-
divertirmos trazemos Jesus para as nossas vidas, para os
to “ as coincidências acontecem mas não existem”. Eu sei
nossos jogos e brincadeiras! Falamos das JMJ, e vem aí
que sou protegida, eu sinto-me protegida, e sei que não
algumas iniciativas e surpresas, recordamos e insistimos
importa se me sinto desesperada ou triste, há ali Alguém
no nosso projecto “Colónia de Férias” e damos finalmen-
que me protege. Concretamente na minha vida: a semana
te a conhecer o vencedor do nosso concurso: o logo do
que passou a nível de trabalho foi muito difícil, muito des-
CRSul.
gastante, mas Eles, Maria e Jesus, tiveram lá, olharam por
Mas como escrevia no início este é um jornal dife-
mim, e no meio das dificuldades não poderia desejar um
rente, tem um sabor um bocadinho amargo a despedida: )
resultado final melhor. E é por isso que hoje me sinto feliz
não que deixemos de ser JMV, de trabalhar em JMV e para
e tranquila… protegida. E tu?? Sabes quando é que Eles te
a JMV, mas termina uma etapa das nossas vidas e outra
protegeram? Em que situação?
começa! Hoje faço uma retrospecção destes últimos três
anos, do meu SIM, do meu compromisso e… honesta-
Sempre defendi que a fé deve ser vivida de coração,
mente e humildemente sinto-me feliz e orgulhosa. Sinto-
não podemos nem devemos ser demasiado racionais. No
me extremamente orgulhosa dos meus companheiros de
final destes três anos é só isso que vos peço: AMEM, vi-
viagem, aqueles que embarcaram comigo nesta aventura,
vam em Jesus, em JMV com amor, com o coração, com
daqueles que ficaram pelo caminho, daqueles que se jun-
o sentimento!!!!
taram mais tarde e me vieram enriquecer… sinto-me fe-
liz….
OBRIGADA.
Todos certamente já experimentamos: não é fácil
seguir Jesus, não é fácil trabalhar na Sua obra, não é fá-
Sempre, sempre e Só por ELE, feliz e tranquila, a
cil esquecermo-nos de nós próprios para lutar por uma
sempre vossa, de coração,
causa MAIOR, por um amor MAIOR. E sobretudo, não
é fácil trabalhar em equipa… mas eu tenho de admitir,
Sílvia Gomes Fialho
salvo qualquer excepção, foi muito fácil trabalhar com o
Presidente CRSul
CRSUL. Não sentia eu, tu, ele… sentia que éramos e so-
mos NÓS, somos nós que temos de fazer isto ou aquilo,
não és tu ou ele… SOMOS NÓS TODOS. E eu sinto Ficha técnica
que fomos UM, e sinto que dei o melhor de mim, talvez Propriedade: Conselho Regional Sul
não tenha sido o suficiente, e sei bem que não foi porque Organização e Coordenação: João ferreira e CRSul
queria ter feito muito mais e melhor, mas foi realmente Revisão: Vanessa Pereira
Paginação, Tratamento de Imagem e composição: João Ferreira
2
ACTIVIDADES JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL

Encontro SUB 16 - Carvalhal


Sob o tema “Diz-Me com quem andas, dir-Te-
ei quem és”, o encontro sub16 foi novamente mui-
tíssimo bem-sucedido. É claramente o encontro
por que todos esperam… Que muitos sonham com
a idade de poder participar e outros tantos ficam
tristes por já não poderem voltar como animandos.
Claro que temos sempre os vários que voltam como
Animadores. E a esses, como vogal de formação,
o meu obrigado e a partilha do sentimento de or-
gulho porque agora querem DAR tal como antes
RECEBERAM de outros.
Assim sendo, de 4 a 7 de Março de 2011, mais
uma vez, os jovens deixaram as comodidades de
suas casas para se juntar e falar de Deus e da Sua Carvalhal porque foi fabulosa na recepção aos jo-
Igreja. Foi abordada a integração na sociedade, na vens, principalmente às incansáveis senhoras da
Igreja e na JMV… Como nos influenciamos uns cozinha, mamãs dos nossos jovens do Carvalhal,
aos outros e como somos chamados a dar-nos. E sempre com um sorriso e a fazer o trabalho árduo
como a JMV nos abre essa porta e oportunidade de para que depois nós pudéssemos usufruir… E tam-
ser parte integrante do sonho de Deus. bém os parabéns para nós porque soubemos agra-
A grande maioria dos leitores do nosso UBI decer e adaptar-nos a todas as condições com um
Caritas já passaram por este encontro pelo que nem grande sorriso! Realmente soubemos desfrutar com
vale a pena falar em como é tão fácil criar Amiza- ALEGRIA…
des e voltar tão cheio de Deus e a transbordar do E para o ano à mais…
Seu Amor… Este foi mais um encontro assim!
Este encontro teve ainda a particularidade de Rui Fialho
Vogal Regional de Formação

apresentar a JMV a todo o País porque a Eucaristia


Dominical foi transmitida pela TVI. E também na
celebração demonstrámos o nosso valor e a força
da nossa juventude… Certamente que a JMV tem
muito futuro! 130 jovens, todos mesmo muito jo-
vens provam isso mesmo!
Fica ainda o agradecimento à população do

3
JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL ACTIVIDADES

Entrevista – Sub-16
No fim da celebração de Domingo ainda hou-
ve tempo para o “Ubi Caritas” fazer uma peque-
na entrevista ao Senhor D. Augusto César, bispo
Emérito da diocese de Castelo Branco.

Ubi - Qual é a sua opinião em relação à Juven-


tude Mariana Vicentina?
D. Augusto César - A JMV como associação
se não rejuvenescer em vocações e como vocações
muito dificilmente o jovem consegue discernir o
seu percurso. Por isso é preciso uma JMV que re-
flicta e faça o discernimento em grupo.

Ubi - Acha que são Vicente de Paulo é um


exemplo para cativar os jovens?
D. Augusto César - São Vicente de Paulo era
um jovem ambicioso como todos os jovens e até
gostava da riqueza mas quando conseguiu desco-
brir nos olhos dos pobres os olhos de Cristo desco- fica dos idosos, estes começam a lamentar-se e a
briu um novo mundo, foi uma revelação. O ponto ficar sem força. Por isso é preciso haver esta con-
fulcral de SVP não foi sentir a caridade e o amor do vivência.
pobre, foi principalmente descobrir que a caridade
quando não é organizada é uma falta de caridade. Ubi - O sub-16 já se faz há 11 anos. Qual é que
É portanto isto que ele deve estimular e incutir nos é a sua opinião em relação a este tipo de encontros,
jovens. que junta jovens até aos 16 anos?
D. Augusto César - Eu acho isso extraordiná-
Ubi - O que sentiu quando viu a igreja cheia rio no sentido em que eu não conseguiria conven-
de jovens, sabendo que os jovens estão a afastar-se cê-los a vir para aqui. Por isso têm que se contagiar
da Igreja? uns aos outros, porque os jovens quando vêem co-
D. Augusto César - Na realidade os jovens meçam a empenhar-se e a dedicar-se. Mas é preciso
estão a afastar-se e se eles não tiverem um chamariz que vocês os acompanhem porque se não os media
como é a JMV eles entram na banalidade e a Igreja levam-nos.

4
ACTIVIDADES JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL

Assembleia Nacional JMV


No dia 2 de Abril decorreu na Casa da Medalha
Milagrosa, em Fátima, mais uma Assembleia Na-
cional, onde estiveram representados vários mem-
bros das regiões e respectivos Conselhos Regionais
/ Nacional. A importância desta Assembleia advém
dos membros poderem contribuir com a sua opi-
nião nos diversos assuntos que dizem respeito ao
funcionamento do Movimento, nunca esquecendo
o seu principal objectivo: Dizer SIM a Cristo como
Maria e servir os pobres a exemplo de S. Vicente
de Paulo.
Este ano decorreu na Assembleia as eleições Presidente: Ricardo Ferreira (Paialvo - Sul)
para os futuros Presidente, Secretário e Tesoureiro Secretário: Cecília (Refontoura - Norte)
Nacional. É de referir a importância de um maior Tesoureiro: Sílvia Fialho (Catujal - Sul)
número de candidatos que colocaram a sua dispo-
nibilidade a favor do Movimento.
E... tchan... tchan... (bem a esta data não é ne- Marta Araújo
cessário haver suspanse, mas fica o registo): Vogal Regional de Caridade

Torneio Desportivo JMV


Catujal
Este ano realizou-se mais um Torneio Despor-
tivo JMV, organizado peloCentro Local do Catujal,
nos dias 26 e 27 de Março.Neste torneio partici-
param seis jovens do grupo JMV de Alferrarede,
osquais jogaram nas modalidades de futebol e vo-
leibol. No final do torneio, a equipa de Alferrare-
de não regressou a casa de mãos a abanar, tendo
arrecadado o prémio de equipa com melhor equi-
pamento. Muitos parabéns a todos os que partici-
param no torneio, e um especial agradecimento ao
Centro Local do Catujal, pela excelente organiza-
ção do evento e por demonstrar o quanto também
o desporto pode unir os jovens a Cristo.
João Clemente
JMV Alferrarede

5
JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL ACTIVIDADES

XIV Acantonamento JMV


“Tu és a minha fé, a minha esperança!”
Nos passados dias 15, 16, 17, 18 e 19 de Abril
realizou-se na bonita vila alentejana de Castelo de
Vide o XIV Acantonamento JMV da região sul.
Mudou o local, o espaço, a comunidade, a rotina

Um dos momentos altos do encontro foi a re-


citação do terço que este ano foi verdadeiramen-
te internacional com a participação activa de uma
mas há coisas que nunca mudam e fazem do Acan- turista inglesa. No fim, um grupo de jovens con-
tonamento um encontro tão diferente, tão especial, sagraram-se a Maria e foi muito especial assistir à
tão único… o principal é a simplicidade e a vontade entrega à nossa Mãe do Céu.
de estar e ser de Jesus e Maria. O que eu gostaria que todos trouxessem do en-
contro:
- Acolhimento
- Fé
- Coração aberto
- Espírito de partilha
- Uma Mãe protectora
E JESUS que somos todos nós.

Ana Catarina (Nita)


Secretária Regional Sul

Este ano o tema foi: “Tu és a minha fé, a mi-


nha esperança!”, que procurou descobrir melhor
os sacramentos: a sua origem, o seu significado, a
sua importância geral e pessoal… Neste sentido, o
objectivo geral foi entender a importância dos mes-
mos no nosso caminho na fé e torná-los realmente
especiais na nossa vida.
6
ACTIVIDADES JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL

“Crónica de (mais) uma aventura”


Mais um ano, mais um Acantonamento, mais Com o tema Tu és a minha Fé, a minha Es-
uma aventura, mas este ano recheada de alguns perança falámos dos Sacramentos, e qual o lugar e
contornos especiais! Aquilo que já receávamos des- importância que eles ocupavam na nossa vida!
de o VIII Acantonamento, acabou por acontecer O que se passou naqueles dias? Muitas atri-
este ano, e o Penedo da Rainha na Beirã ficou in- bulações, muitas coisas que não estavam previstas,
disponível para o nosso encontro, o que nos levou uma tentativa de clonar o fantástico Arroz Dou-
de imediato a uma procura exaustiva e fervorosa de rado, pessoal a querer ir embora (não, ainda não
novo local para realizarmos o Encontro. foi este ano que alguém bazou…), muitas alegrias,
A resposta veio uma semana depois do ape- muitos sentimentos à flor da pele, muita alegria…
lo lançado, pela voz do Sr. P. Luís: “João, nós temos reflexão?! Pois… nós quando estamos à frente da
uma casa em Castelo de Vide que está desabitada, “organização” temos tendência a ser simpáticos
pode ser que vos sirva!” (por medo ou vergonha) portanto, essa parte, terão
E lá fui eu e a Cláudia caminho de Castelo mesmo de perguntar aos que lá estiveram!
de Vide para vermos a casa. A esta altura sei que muitos de vós não es-
Quando lá chegámos, um misto de alegria tão a perceber nada deste artigo, mas vou (tentar)
e de tristeza, espelhavam-se no rosto do “nosso” P. fazer uma conclusão:
Luís. E durante toda a visita, ele sentiu-se pouco à Este Acantas, fez-me lembrar o IV Acanto-
vontade, por nos estar a disponibilizar uma casa tão namento! Muita alegria, descontracção, sem saber
“pobre” (tendo em conta as instalações do Penedo), muito bem para o que vinham, mas com vontade
que terminou com um Olhai, é pouco, mas é o que de descobrir!
temos para vos oferecer! O que ele não sabia, era Tivemos cozinheiros, voluntários que não
que em conversa, já tínhamos delineado para que eram da organização (foi a 1ª vez que aconteceu
serviriam todos os espaços da casa, que para nós e já o tentávamos à 3 anos), foram jovens que se
estava excelente: era uma casa mesmo à Acantona- ofereceram! Sim, porque o Acantas tem um lado B
mento! Nada de riquezas, onde poderíamos estar à enorme, isso de tudo se fazer sozinho é mesmo um
vontade sem termos medo de partir algo com mais mito!
de 100 anos, ou algo do género! Perdemos a Beirã, Surgiram ideias doidas, mas concretizá-
é verdade, perdemos o terreno enorme à volta da veis… surgiu força para continuar… surgiu ideia
casa, mas ganhámos mais espaço, uma cozinha sem do Centro Local de Castelo de Vide (que precisa do
o ratatuie, sem pedaços de telhado a cair… ganhá- apoio de todos nós), ficámos com vontade de voltar,
mos 1 sala de refeições! Ganhámos uma comunida- ficou a promessa de voltar, houve a Consagração
de muito maior… Saudades da Beirã? Claro, e ba- a Maria, houve momentos de pura descontracção
tiam muito forte, e ainda batem, mas o importante (A última Famel), simplesmente acabo dizendo que
foi olharmos para o futuro com optimismo, fé, e houve de tudo!!!
esperança! Para o ano?! Simplesmente o XV! ;)
Depois deste percalço superado, a expecta- Um grande abraço em Cristo e que Maria e
tiva era grande, e o desafio enorme: nova localida- Vicente nos continuem a abençoar!
de, nova casa, 40 inscrições (o máximo), imensos
caloiros - 26 (o que foi record) e uma expectativa
muito elevada de todos os que iriam participar! João de Niza

7
JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL ACTIVIDADES

Conselho Regional Sul 2008-2011


“Adeus até um dia, já sabíamos que isto tinha que acontecer... Adeus até um dia
pode ser que nos voltemos a ver”

Às vezes as palavras são poucas para explicar Tenho uma palavra de KANIMAMBO (“mais
algo... e é isso que me acontece quando me lembro que obrigado”) a todos os membros do Conselho
do Conselho Regional Sul. durante estes 3 anos: Pe Leitão, Sílvia, Nita, Rui,
Marcou-me muito a nossa primeira reunião, Aninhas, Xico, Liliana, Marco, Zé, Rita, João e Te-
em que se ouviu palavras como “compromisso” e resinha; aos vogais de emergência; aos vogais de
“família”. Tudo foi concretizado! missão e caridade e responsáveis da Colónia pois
Cada um teve e tem um dom... que marcou a foram/são exemplo de missão e compromisso; a
concretização de uma missão. Fizemos o melhor toda a região sul por cada momento que faz crescer
que podíamos para que a JMV Sul crescesse em a minha fé!
fé, união e em esperança: muitos fins-de-semana,
muitas noites, algumas férias, muitas reuniões e ca- E como não podia deixar de ser... cá vem o
fés... mas todo o esforço, preocupações e alegrias, Tony:
mostra-nos que vale sempre a pena fazer o que Ele “Adeus até um dia, já sabíamos que isto tinha
disser. que acontecer... Adeus até um dia pode ser que nos
Confiaram-me o que amo: Caridade e Missão, voltemos a ver”
mas nada neste conselho foi impeditivo para não
sermos os cargos todos... e por isso... esta união, Um forte abraço missionário,
cumplicidade, opiniões diversas, sorrisos, amiza-
de... faz com que eu sempre acredite que agimos Marta Araújo (V. Regional de Caridade)
como família e que assim continuaremos.

“É melhor serem dois do que um só, obterão mais ren- nha relação com Maria não era nada forte, e co-
dimento no seu trabalho, se um cair o outro levanta-o (...) o migo as coisas têm de ser feitas com o coração…
cordel triplicado não se rompe facilmente” Contudo coloquei tudo nas mãos de Deus e disse,
Ecle. 4, 9-10; 12 ok se puseste isto no meu caminho significa que
Foi com esta frase que a Sílvia, Presidente Re- sou capaz e que vai correr bem… Todos os meus
gional, terminou o primeiro contacto com o seu medos e receios terminaram ou diminuíram na pri-
conselho, um contacto ainda à distância, um con- meira reunião em Julho de 2008, em que vi pesso-
tacto ainda com poucas referências, um contacto as muito simpáticas, pessoas super trabalhadoras,
que trazia uma responsabilidade muito grande… 3 verdadeiros exemplos, sempre preocupados em que
anos de serviço, 3 anos de compromisso! nos integrássemos bem na equipa, com um desejo
Com 17 anos começou esta etapa da minha comum, que trabalhássemos como grupo… Estas
vida, na altura do convite eu fiquei, não sei se, as- pessoas viria a chamar mais tarde de FAMÍLIA.
sustado se extasiado… Mas que não fiquei muito Foram três anos simplesmente preenchidos, tanto
bem não fiquei =P Não estava mesmo à espera, fisicamente como interiormente. Destes três anos
e muito menos para o cargo de Vogal Mariano… enquanto membro do Conselho Regional Sul levo
Desde logo fiquei muito preocupado, porque a mi- um grande crescimento enquanto JMV e enquanto

8
ACTIVIDADES JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL

pessoa, levo o inicio de uma caminhada enquanto outros apesar de me relacionar com eles, nunca tinha
animador, levo a fantástica experiência mas tam- tido um contacto intenso… havia muito para des-
bém muita responsabilidade de contactar com os cobrir… muito caminho para percorrer… Gostava
vários centros locais, principalmente com os vogais de vos dizer a todos que foi um prazer muito gran-
marianos, levo memórias de momentos únicos de de conhecer-vos bem, partilhar todos os momen-
oração, de reflexão, de partilha, de divertimento, tos, ser realmente uma família… Sílvia “Ídola ou
de pura parvoíce… Levo comigo recordações de Exemplo”*(Escolhe a que mais gostes porque para
momentos de puro stress, de algum desespero, mas mim és o MÁXIMO), Nita “Maria”*(Confesso
também momentos em que nos sentimos recon- que havia muitas palavras que podia escrever aqui,
fortados, momentos em que podíamos relaxar por- saiu-me esta… Será por acaso?), Marco “Incons-
que existia uma equipa que estava sempre para nos tância”, Ana Luísa “Dom e Simplicidade”, Lilia-
apoiar… Aos meus muito estimados Vogais Maria- na “Riso”, Marta “Coração”*(Não te estava a cha-
nos eu agradeço a paciência que por vezes tiveram mar coração era mesmo porque és como que um
de ter para me aturar, principalmente nos centros órgão vital para mim), Ana Rita “bimbi”, Fialho
locais onde realizamos encontros ou vigílias maria- “Dinossauro JMV com 14 anos”*(Não é chamar-te
nas, onde eu era um pouco “stressadinho” =P Mas velho, lembra-te do que disse nas nossas visitas… o
penso que resultaram bons momentos de oração, que queria ser…), Zé “Revelação”, Pe. Leitão “Ju-
entrega e partilha. Peço desculpa se não cheguei ventude”… Ainda falta aqui a Teresa e o João que
até algum de vós da forma pretendida, ou se espera- tive pouco tempo com eles, contudo espero que te-
vam mais de mim… Gostava que me fizessem che- nham gostado desta nossa família e que no futuro
gar também as vossas avaliações destes três anos =) possam ainda dar muito, muito mais… Obrigado
Um muito obrigado por estes três anos e até já! =) pela oportunidade de convosco servir o movimen-
Bom mas é natural que de três anos o que mais to durante estes últimos três anos enquanto Vogal
levemos são relações, pessoas… Principalmente Mariano. Quero terminar este texto com aquilo
pessoas que fizeram parte deste grupo, desta nossa que ganhei de mais importante nestes três anos…
família… Algumas delas não chegaram ao fim do Ganhei uma mãe =) Maria… E ela ganhou um fi-
percurso, mas também gostava de lhes agradecer… lho que quer proteger e que quer a seu lado…
Quando entrei para o conselho conhecia algumas “Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a
caras, como era o caso da Ana Rita de Achete, o Sua Palavra”
Marco de OB, o Zé do Catujal, a Nita de S. João, a
Ana Luísa de Alcainça e claro o que conhecia me-
lhor o Pe. Leitão… Tirando este último, todos os Francisco Vilhena (V. Regional Mariano)

Ao fim de 3 anos como vogal de liturgia, tive que as palavras simplesmente pronunciadas.
oportunidade de passar por diversas experiências o Quantas vezes cantamos sem pensar?
no que toca à organização de celebrações. Gostaria • … à música. Que seja agradável cantá-la, o
de vos deixar algumas mensagens retiradas do livro que tanto pode acontecer com músicas mais lentas,
“Como escolher e organizar os cânticos” que me mais rápidas, mais antigas ou mais modernas)
pareceram importantes tendo em conta a nossa re- o Já pensaste que mesmo que uma música
alidade no que toca à animação liturgica: seja magnífica pode não ser agradável cantá-la e se
Nos cânticos, há que atender… ela não for nada especial, nem por isso deixa de ser
• …ao conteúdo. As palavras que dizemos agradável cantá-la?
a cantar penetram mais denso, falam mais fundo, • …ao clima que criam. Em certos mo-

9
JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL ACTIVIDADES

mentos devemos promover o cântico mais reco- Enquanto vogal de liturgia desde o meu pri-
lhido, mais íntimo (sem promover individualismo meiro ano de JMV acredito que tudo isto e mui-
religioso ou romantismo), enquanto que outro cân- to mais é possível realizar, sem perdermos a nossa
tico deverá ser vibrante, forte, criador de consciên- “tonalidade jovial”, o nosso carisma, a nossa forma
cia colectiva. de cantar.
o Todos já passamos por diversas experien- Tentei transmitir estas premissas ao longo des-
cias de oração, enquanto jovens JMV e sabemos o tes anos, mas não é fácil…
quanto isto pode influenciar a forma como vivemos Há muito para fazer! Os vogais de liturgia têm
uma oração… muito para aprender e para ensinar. Mas nada se
Recordemos que… consegue se o vogal de liturgia não tiver algumas
• Há dois cânticos que se devem cantar sem- características fundamentais, que não passam ape-
pre: salmo e santo. nas por saber tocar e cantar bem. Para mim as mais
• O canto, na missa tem de estar integrado importantes são:
em momento concreto, no tempo liturgico concre- - humildade
to. Não devemos escolher os cânticos simples- - organização
mente porque “são bonitos” - vontade de louvar a Deus
• O canto na missa não se pode conceber
como uma espécie de “ilustração musical” de algo
que vai noutro sentido, mas deve fazer parte do
que a própria celebração é na totalidade.
Como escolher e organizar os cânticos - Josep lligadas (Paulinas, 2000) Ana Luísa ( V. Regional de Liturgia)

Adeus, até um dia… nham medo de pôr o coração naquilo que fazem!
- Ajudem-se uns aos outros e lembrem-se que
Nunca gostei muito da palavra “adeus” porque um dia JMVs, JMV para sempre!
parece o fim de alguma coisa e como a vida é um Por fim, muito obrigado pela confiança,
caminho, penso que apenas nos vamos renovando, pela participação, pelos sorrisos e pela partilha e
através de ciclos diferentes. nunca deixem de acreditar neste sonho tornado re-
Neste sentido, despeço-me deste triénio como alidade.
secretária regional sul com o coração cheio e orgu- Podem contar sempre comigo para tudo, pois
lhoso da região a que pertenço. Apesar de terem unidos somos uma família!
sido anos bastante trabalhosos, foram também
muito compensadores. Foram anos de crescimento
de fé e por isso não se esqueçam: A vossa
- Digam sempre sim! Entreguem-se e não te- Nita (Secretária Regional)

A minha passagem pelo CRSul foi bastante aprendizagem. Foi também um grande prazer tra-
curta, mas lembro-me do local onde disse o meu balhar, neste CR, com pessoas que me marcaram
sim, foi na assembleia internacional. A assembleia no meu início em JMV.
deu um grande ânimo às pessoas que nela parti- Um agradecimento especial à Vanessa de Paial-
ciparam e incentivou-as a começar novos desafios vo pela revisão do jornal. :D
em JMV. E assim foi, passaram-se 6 meses de muita Abraço em JMV
João Ferreira (V. Regional de Imprensa)
10
ACTIVIDADES JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL

Olá amigos! Muitas vezes é esta ideia de compromisso que


Dirijo-me a todos vocês com grande amizade nos assusta e impede de viver grandes momentos.
e gratidão pelo ano que passou. Eu fui convidada Por isso, não tenham medo de arriscar como eu e
para ser vogal de missão regional no início deste ajudem cada irmão quando vos é pedido. Penso
ano pastoral e, apesar da relutância inicial, hoje es- que foi necessária esta minha pequena passagem
tou muito feliz pela experiência. Não iniciei fun- pelo Conselho Regional para que eu pudesse cres-
ções no início do mandato, mas fui muito bem aco- cer como pessoa, mas principalmente como jovem
lhida e foi fácil inserir-me e entender a dinâmica missionária. A Colónia de Férias é um projecto que
deste órgão. desde sempre me cativou bastante e poder partici-
Através do Conselho Regional pude conhecer par tão activamente nele deixou-me muito feliz, não
melhor alguns centros locais, fazer novas amizades, só pela confiança que foi depositada em mim, mas
desenvolver a minha capacidade de trabalho e espí- também pelo desafio de gerar um sorriso no rosto
rito de equipa. Aprendi a valorizar mais as pequenas das crianças e jovens com menos oportunidades.
vitórias que fui alcançando, em vez de me deixar Estou certa de que me aproximei mais de S. Vicente
ir abaixo pelas contrariedades que se impunham. de Paulo ao longo desta caminhada e consegui ver
Hoje sinto uma sensação de realização pessoal e de a grande necessidade de amor e caridade que ainda
entrega que nunca teria sido possível encontrar se temos de colmatar com a nossa acção missionária.
não me tivesse comprometido com a JMV. É sem dúvidas nem arrependimentos que ter-
Aproximam-se as eleições regionais e, como mino esta minha curta passagem pelo Conselho
tal, peço a todos que abram os vossos corações a Regional Sul, esperando que esta tenha sido igual-
este desafio que é o Conselho Regional e não te- mente gratificante para todos os outros membros
mam, porque Ele vai estar sempre convosco, por com quem colaborei e que este sentimento de união
mais sinuoso que seja o caminho a percorrer. Sei perdure no próximo Conselho.
que todos temos vidas muito preenchidas e que Mais uma vez, muito obrigada a todos e despe-
hoje em dia a vida se conta ao segundo, mas eu ço-me com amizade,
também pensava que já não havia espaço no meu
dia para ajudar a JMV desta forma mais comprome-
tida e afinal consegui. Teresa Almeida (V. Regional de Missão)

Como assessor da Região Sul e estando a ter- pessoas, uma transformação que os tornaram mais
minar o triénio deste conselho Regional, cumpre- maduros ao jeito de Jesus, Maria e Vicente.
me dizer o seguinte: O que de menos bom foi realizado ou o melhor
Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus que deixámos de fazer por causa da nossa limitação,
Cristo. Ambos nos enviaram o Espírito Santo (no da nossa fraqueza e de outras circunstâncias, certa-
começo das reuniões pedia sempre que o Espírito mente, foi e será ocasião para uma avaliação da nos-
Santo nos iluminasse), o Grande Animador e Cons- sa acção e um trampolim para melhorar o futuro.
trutor da Igreja e, no caso presente, da JMV. Tudo Que Maria, Fundadora do Movimento, Se-
o que de bom realizámos nas reuniões, nos encon- nhora das Graças e nosso Modelo nos conceda as
tros, nas visitas, nos trabalhos, nas colónias, numa abundantes Graças para continuarmos, uns e ou-
palavra, tudo foi por inspiração do Espírito Santo. tros, com muita força e muita vida, na nova missão
E, na medida em que nos abrimos a esta acção do que nos espera.
Espírito Santo, contribuímos para o nosso cres-
cimento e amadurecimento pessoais e fomos me-
diações para o Espírito Santo realizar nos Centros Pe. Leitão dos Santos (Assessor Regional)
locais, a nascer ou já existentes, nos jovens e demais
11
JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL CANTINHO MARIAQUI

Maio, Mês de Maria!


A história de uma humilde devota de Nossa Senhora
Havia uma senhora muito simples que vendia que me fazem lem-
verduras na vizinhança. Certo dia essa senhora foi brar os Dez man-
vender as suas verduras à casa de um protestante e damentos que o
perdeu o seu rosário no jardim de casa dele. próprio Senhor
Passados alguns dias a senhora voltou àquela entregou a Moisés.
casa para ver se encontrava o seu querido rosário. O O Rosário de Nos-
protestante assim que a viu foi logo ao seu encontro sa Senhora tem 20
dizendo-lhe de modo sarcástico: Mistérios que são:
- “Perdeu o seu Deus?” os cinco gozosos,
Ela humildemente respondeu: os cinco dolorosos,
- “Eu, perder o meu Deus? Nunca!” os cinco gloriosos e
Ele pegou então no rosário e disse: os cinco luminosos. De manhã quando me levanto
- “Não é este o seu Deus?” para iniciar a luta do dia rezo os gozosos, pensando
Ao que ela respondeu: no pobre lar e na humilde vida de Jesus, Maria e
- “Graças a Deus o senhor encontrou o meu José. Ao meio dia, no meu cansaço, na fadiga do
Rosário. Muito obrigada.” trabalho, e no pensamento do que ainda falta para
E ele disse: terminar o dia e poder descansar, eu rezo os misté-
- “Porque é que não troca este cordão com es- rios dolorosos, que me fazem lembrar a dura cami-
tas sementes baratas pela Bíblia?” nhada do meu Senhor Jesus Cristo para o Calvário,
Ao que ela disse: tão cheio de dores e tão cheio de cansaço. Quando
- “Porque a Bíblia eu não sei ler, e com o Ro- chega ao fim do dia, com as lutas todas vencidas, eu
sário eu medito toda a Palavra de Deus e guardo-a rezo os mistérios gloriosos, que me recordam que
no coração.” Jesus venceu a morte para, por amor, dar a salva-
Ele Disse: ção a toda a humanidade. Ao deitar, lembro-me que
- “Medita a palavra de Deus? Como assim? no dia seguinte há mais uma missão a continuar, a
Pode explicar-me? missão de ser cristão, então rezo os mistérios lumi-
Pegando no rosário, a senhora respondeu: nosos e relembro a vida pública de Jesus. E agora,
- “Posso sim. Quando eu pego na cruz, lem- diga-me onde está a idolatria?”
bro-me que o Filho de Deus deu todo o Seu Sangue Ele, depois de ouvir tudo isto, disse simples-
pregado na cruz para salvar toda a humanidade. mente:
Esta primeira conta grossa, lembra-me que há um “Eu não sabia disso. Ensina-me, então, a ora-
só Deus omnipotente. E estas três contas pequenas ção do rosário!”
lembram-me as três pessoas da Santíssima Trinda-
de: Pai, Filho e Espírito Santo. Esta outra conta Maria enraizada em Cristo!
grossa lembra-me a oração que o próprio Senhor Maria enraíza-nos em Cristo!
nos ensinou que é o Pai Nosso. O Rosário tem 5
mistérios que fazem as 5 chagas de Jesus Cristo cra- Francisco Vilhena
vado na cruz, e cada mistério tem 10 Ave-marias, Vogal Regional Mariano

12
JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL LITURGIA

Hino Acantonamento 2011 Hino do acantonamento 2011

Preciso sentir…

Preciso sentir… Introdução:Fá9 Dó6 Sol-7 Dó7

Fá Ré-
Tenho sede, Senhor
Sib Dó
Tenho sede de Ti
Ré-7 Sib
Sozinho não sou capaz
Sol- Dó Dó7
Preciso que venhas a mim (preciso…)

Refrão:
Fá Sib Fá
Sentir o calor da tua mão,
Sib Sol- Dó
A alegria de a Ti pertencer.
Lá-7 Ré-
Transforma o meu coração!
Sol- Dó
Inunda o meu ser…

Senhor tem compaixão,


Desta tua criatura,
Frágil e pecadora,
Sedenta de ternura! (preciso…)

Eu te peço, Senhor ( ou Maria):


Na hora da decisão,
Dá-me a fé e a esperança Ana Luísa Duarte
Vogal Regional de Liturgia
P’ra cumprir minha missão! (preciso…)
13
JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL CANTINHO DO PADRE ASSESSOR

JORNADAS No ano 2000, Ano do Jubileu, a JMJ acon-

MUNDIAIS teceu em Roma. Oitenta e um jovens, 4 padres e seis


irmãs rumaram até lá. Antes, foi o II Encontro In-
ternacional da JMV, cujo tema foi”Vicentinos para
DA JUVENTUDE o 3º Milénio”. Em Torre Vergata, o Santo Padre co-
meça por perguntar: “Quem viestes procurar?” A
resposta só pode ser uma: Viestes à procura de Jesus
Sem darmos por isso, estamos às portas das Cristo. Mas Ele foi o primeiro a procurar-vos. Pois
Jornadas 2011, em Madrid. Criadas pelo Beato João é o Verbo que se fez carne e veio habitar no meio de
Paulo II, em 1985, as jornadas Mundiais da Juven- nós.
tude têm por finalidade reunir dezenas de milhares De Toronto, em 2002, registo o testemu-
de jovens e outras pessoas do mundo inteiro, à volta nho da Rita Bemposta que nele participou: “Jamais
de Cristo Ressuscitado. esquecerei a imensa alegria que senti quando ouvi
Fora de Roma, aconteceu, pela primeira a sua saudação: “Olá, jovens de Portugal”. Falava
vez, em Buenos Aires, em 1987, para, em 1989, o para milhares de jovens, mas era como se falasse
acontecimento dar-se em Santiago de Compostela. apenas para mim. Foi um enorme privilégio ouvir a
Da JMV de Portugal estiveram presentes 19 jo- sua voz meiga, doce, enfim, cativante”.
vens. Também estive presente juntamente com al- E depois…? Os frutos…? Façamos algu-
gumas Irmãs. Nos dias anteriores, participamos no mas considerações:
Grande encontro Nacional de Espanha que, desta Importa ter em vista três etapas nestes en-
vez, foi em Marin, Pontevedra. contros e nestas jornadas:
Interessante a saudação do Papa aos de lín- A primeira etapa é a da preparação. A
gua portuguesa: “Sede bem-vindos, jovens da lín- longo ou a médio prazo, a preparação, através do
gua portuguesa aqui amplamente representados por aprofundamento dos temas propostos, da interio-
rapazes e raparigas da nação vizinha, Portugal. O rização dos mesmos, acompanhados de oração hu-
Papa já tinha em grande desejo de vos ver. A todos, milde e confiante, levar-nos-ão aos encontros com
com viva simpatia e afecto, repito uma pergunta uma força grande para os bem viver na alegria e na
que vos fiz há tempos, em Lisboa: Estais plenamen- comunhão fraterna de uns com os outros. Esta é a
te conscientes de ser aliados naturais de Cristo para segunda etapa. A etapa da vivência que surge mais
evangelizar? Que deste encontro leveis mais viva e dum interior bem preparado do que do exterior que
eficaz a certeza de que sois testemunhas de Cristo, depressa passa. A terceira etapa é a mais longa. É o
nossa Vida, Paz e alegria” tempo pós encontros, é o tempo do testemunho.
Em 1997, foi em Paris. A preceder o En- Com preparação consciente, com uma vi-
contro com o santo padre, realizou-se o I Encon- vência interior e alegre, os jovens não podem, de
tro Internacional da JMV, nos arredores de Paris, modo algum, nos seus centros locais, de serem fer-
na quinta de Vilbon dos Padres Vicentinos. Duas a mento de vida nova, de vida a transformar-se, cada
três dezenas de jovens, acompanhados de 4 padres vez mais, no jeito de Jesus, de Maria e de Vicente de
e algumas irmãs, comungaram nos mesmos ideais Paulo.
que os cerca de 1800 jovens de todo o mundo esta- Cada vez mais enraizados em Cristo e fir-
vam a viver. Em Longchamp, onde foi o encontro mes na Fé, dele bebemos a Água cristalina, o Es-
com o santo padre, os jovens foram convidados a pírito Santo, que nos transforma em pedras cada
perguntarem a Cristo: “Onde moras?” e d’Ele ouvir vez mais vivas na construção dos centros locais,
a devida resposta, a coragem e a força para O segui- na construção mais coesa e forte das Regiões e da
rem. JMV, em Portugal.
Pe. Leitão dos Santos
Padre Assessor Sul
14
CANTINHO DA MISSÃO JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL

Colónia de Férias da JMV 2011


Está quase a chegar...
Olá amigos! de preencher as fichas individuais das crianças,
Agora que já estamos mais perto de Madrid, obter uma declaração assinada pelo encarregado
uma voz missionária fala-nos mais alto dizendo: de educação (em como receberam o Regulamento
“preciso de ti na Colónia de Férias”! São poucos Interno da Colónia e em como se responsabilizam
os centros locais que já fizeram actividades a fa- pelos danos causados pelo seu educando), uma fo-
vor da Colónia de Férias e, apesar de parecer difí- tocópia do documento de identificação da criança
cil, bastam actividades simples, como por exemplo e uma fotocópia do documento de identificação do
uma venda de bolos no final da Eucaristia, para se encarregado de educação.
conseguir angariar algum dinheiro para a Colónia Relembro ainda a necessidade de mais volun-
e assim divulgar a mesma. É com grande pena que tários. Só poderão ir 4 monitores. Todos os candi-
constatámos que a divulgação deste nosso projecto datos estarão sujeitos a uma selecção que será feita
tem sido muito pouca na maioria dos centros locais. numa data ainda a designar pela equipa de missão
Apesar da pessoa responsável pela Colónia em cada do CRS e os seleccionados terão de estar presentes
centro local ter um papel muito importante, é neces- na formação (data e local a indicar), para que pos-
sário que todos ajudem. Se ainda não conseguiram sam legalmente ser monitores na Colónia. Apesar
pensar em actividades para angariar fundos para a disso, esta formação é também aberta a todos os
Colónia, não se esqueçam da quermesse que se vai JMV’s que estejam ou não interessados no volun-
realizar perto do Catujal e ajudem-nos a ajudar. tariado na Colónia de Férias. É necessário motivar
Algumas das coisas que não te podes esquecer os jovens a seguir o exemplo de S.Vicente de Paulo,
sobre a realização da Colónia de Férias são: pois é por esta razão que somos JMV’s.
• O donativo que cada Centro Local pensa Este é um projecto muito querido da região Sul
em doar à Colónia de Férias e de toda a JMV, por isso agradecemos desde já a
• As inscrições das crianças/jovens carencia- todos os que têm desenvolvido esforços para que
dos esta seja possível. Peço ainda àqueles que ainda não
• As inscrições dos monitores foram sensibilizados para esta causa, que se infor-
Alguns grupos já fizeram o seu donativo mo- mem e participem. Toda a ajuda é muito bem-vinda!
netário, mas da maioria aguardamos resposta. Até Um abraço missionário,
ao momento angariámos 787,19€. Embora seja um
valor bastante bom, ainda está longe do orçamen- Teresa Almeida
to previsto (2000€ a 2200€). Esta é uma actividade Vogal Regional de Missão
que só termina no fim da Colónia de Férias, mas
até lá é importante que nos digam os valores que
pretendem doar para fazermos a melhor gestão pos-
sível dos recursos. Em breve, será enviado o NIB
para o qual devem transferir o donativo angariado.
No passado dia 13 de Maio terminou o prazo
para as inscrições de crianças e monitores para a
Colónia de Férias. Para os mais esquecidos: tinham

15
JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL CANTINHO DA MISSÃO

Jovens com São Vicente de Paulo...


E foi rumo à Casa de Saúde do Telhal, que o bém. Conhecemos as várias unidades, os doentes
nosso desafio Pascal nos enviou. Embora com al- estão como que divididos segundo o grau da do-
guns receios e medos de falhar, partimos cheias de ença que têm, para que assim seja mais fácil lidar
vontade de conhecer uma realidade que para nós com eles.
era completamente alheia. Foi óptimo ver a felicidade estampada na cara
Chegámos ao local, fomos muito bem recebi- de cada um deles, é incrível como um simples sorri-
so, um gesto de carinho, caras novas, podem fazer
milagres. Para eles um sorriso é a melhor coisa que
lhes podemos dar, e ver a felicidade estampada nos
olhos deles, é a melhor coisa que nós podemos re-
ceber.
O campo terminou, e parece que o que demos
foi tão pouco em comparação com aquilo que re-
cebemos, eles merecem o nosso esforço e a nossa
dedicação. Acreditamos que marcámos a Páscoa
d’eles, mas uma certeza temos, eles marcaram a
das, com um sorriso na cara, pelo Irmão Alberto nossa e deixaram saudades. Passámos momentos
que nos guiou até ao local onde íamos estar a dor- incríveis, uma Páscoa diferente, mas todos juntos,
mir. Pousámos as malas e esperámos que chegasse unidos pelo amor d’Ele conseguimos ser mais e me-
mais gente, e não tardámos em fazer amizades. lhor.
Quando todos juntos fomos conhecer todas as
instalações, percebemos que os doentes são muito Patricia Coelho e Filipa Freire
bem tratados, e claro, tratam-nos muito bem tam- JMV Achada

No mês de Março tive o prazer de ajudar a Irmã desta experiência. Podemos ajudar os outros! Nada
Celeste, das Filhas da Caridade, no arranjo de cola- nos impede!
res que tinham sido oferecidos pelo Centro Comer-
cial do Colombo. Estes colares serão para vender na Ana Araújo
Festa do Externato JMV São João Evangelista
(Campo Grande) onde existirá uma banca a re-
presentar a população dos imigrantes / sem-abrigo.
Durante as tardes que estive com a Irmã Celes-
te foi magnífico ver o seu trabalho para com estas
pessoas e o afecto que tem com eles e com qualquer
outra pessoa que entre por aquela porta, sendo sem
dúvida um exemplo de São Vicente de Paulo para
nós JMV.
Consegui concluir mais um aspecto durante
este pequeno voluntariado: ajudar o próximo pode
ser realmente muito próximo, no Externato das Ir-
mãs (Campo Grande) e os sem-abrigo pode ser uma

16
C. REGIONAL JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL

Relatório de contas do CRSul


Olá Amigos JMV’s,

Estamos na recta final de mais um mandato breve quem sabe traremos novidades.
de um Conselho Regional e, à semelhança do que
tem sido apanágio deste últimos anos, seguindo Ao nível das despesas a maior parcela vai para
uma política de transparência, decidimos apresen- as nossas deslocações para os encontros e obvia-
tar mais uma vez as nossas contas. O que vão ler a mente toda a restante organização dos mesmos.
seguir não fugirá muito ao que foi apresentado na
Assembleia Nacional onde as nossas contas foram Nunca foi nosso objectivo a busca desespera-
bem esmiuçadas mas ainda assim, qualquer questão da pelo lucro e por amealhar o máximo de dinhei-
ou esclarecimento adicional ou informação porme- ro possível. Pretendemos sim juntar o suficiente e
norizada sobre algo especifico estamos cá para vos manter o dinheiro “a mexer”, investi-lo em Encon-
informar =) tros e outras iniciativas para os jovens. Torná-los
melhores e, se possível, reduzir até o valor das ins-
O saldo é bastante positivo. Para ser preciso es- crições, por exemplo.
tamos neste momento com cerca de 2000€ a mais
do que tinhamos no ínicio! Pelo antigo Tesoureiro Neste momento apresentamos um saldo de
foram-me entregues 460€ e talvez alguns se lem- cerca de 2500€ positivos mas ATENÇÃO porque
brem da ginástica financeira que foi necessária para à porta temos a Colónia de Férias da Região Sul
“sobrevivermos” aos primeiros meses, talvez se re- que, tal como já foi falado, envolve muitas despesas
cordem até que em 2008 apresentámos um saldo e montantes bastante elevados, mais elevados do
NEGATIVO de cerca de 20€, facto que ainda na que aquilo que temos hoje. Como tal apelo à vos-
última Assembleia Nacional foi referido. No entan- sa solidariedade e à responsabilidade de todos para
to ao longo destes 3 anos foi possível construirmos zelar pelas nossas contas, pelo dinheiro que é nosso
uma base relativamente sólida para podermos agora e para nós! E com isto quero dizer que contamos
trabalhar de forma desafogada mas acima de tudo com todos os jovens e respectivos Centros Locais
muito responsável. Para tal contribuiram alguns en- no sentido de angariarem fundos para podermos
contros principalmente os Sub16 onde obtivemos realizar a Colónia e podermos continuar no bom
lucros de 400 a 600€ mantendo as condições (quem caminho, quem sabe até conseguirmos alargar a
não se lembrará por exemplo do Sub16 de Cernache iniciativa a mais jovens.
que apesar das excelentes condições que nos foram
proporcionadas nos garantiu um lucro de cerca de Vamos então todos continuar a cuidar do nos-
400€). so futuro...
Além dos Encontros apostámos também na
venda de Medalhas Milagrosas que foram, na altu-
ra, novidade no nosso país, vindas directamente de Marco Ferreira
Madrid e também as nossas malas vermelhas. Para Tesoureiro Regional

17
JUVENTUDE MARIANA VICENTINA - BOLETIM DA REGIÃO SUL PRÓXIMAS ACTIVIDADES

Próximas Actividades
Encontros
- 10 a 12 de Julho - Encontro Nacional JMV (Felgueiras);
- 31 de Agosto a 4 de Setembro – Colónia de Férias com
crianças necessitadas (local a confirmar).

Outras Actividades
Animação de Eucaristias e Participação em reuniões dos
grupos

T-shirt “I LOVE JMV Portugal”


As Jornadas Mundiais da Juventude estão à
porta e o Conselho Regional Sul não ficou indi-
ferente ao maior encontro de jovens do mundo.
Para marcarmos a nossa presença e representar
Portugal de uma forma mais criativa criámos a
T-shirt “I LOVE JMV Portugal”.
Sentimos a necessidade de irmos como um
só, um país que tem muito para dar, que tem
gerações “desenrascadas” e que principalmente
vive em Cristo.
É uma t-shirt com as cores de Portugal,
com o símbolo da JMV e o nome da pessoa que
a adquiriu.
As encomendas podem ser feitas através
de qualquer elemento do CRSul ou através dos
dados que seguem no fim desta carta.
Até ao dia 25 de Julho o preço de cada t-
shirt é de 12€. Depois dessa data o valor passa
para 20€.
Encomendas para:
Jonny_ferreira_2@hotmail.com
Atentamente,
CRSul
http://jmvubicaritas.wordpress.com/
http://www.facebook.com/jmvubicaritas

Blog da Região Sul Facebook


www.jmvubicaritas.wordpress.com/ jmvubicaritas

18