P. 1
Resumão - Psicologia Escolar - 3.ano

Resumão - Psicologia Escolar - 3.ano

|Views: 452|Likes:
Resumo de 6 folhas sobre a disciplina de Psicologia Escolar - Psicologia Uniban Vila Mariana noturno - 3.ano - 2011.
Resumo de 6 folhas sobre a disciplina de Psicologia Escolar - Psicologia Uniban Vila Mariana noturno - 3.ano - 2011.

More info:

Published by: José Hiroshi Taniguti on Jun 01, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/19/2013

pdf

text

original

RESUMÃO PSICOLOGIA ESCOLAR

1. Semestre de 2011 – 3. Ano Psicologia Uniban Vila Mariana Psicologia Escolar Não faz atendimento (particular, dentro da escola) – é mais prático (ação e não terapia) – a intervenção soluciona ou minimiza problema(s) de origem psicológica apoio á criança – palavras chaves: consultoria, formação, avaliação, diagnóstico, interventivo e encaminhamento. Psicologia da Educação Orienta a direção e os professores – faz projeto político pedagógico (PPP) – faz pesquisas educacionais – é mais burocrático – palavras chaves: funcionários, direção, pesquisa, desenvolvimento (biológico e psicológico) e PPP. Psicopedagogia (categorizado de ser uma pós-graduação) Área de atuação que cabem apenas formados em pedagogia ou psicologia – atua diretamente na aprendizagem (dificuldade) da criança – perguntar sempre sobre a formação anterior da psicopadagoga – palavras chaves: diagnóstico, leitura e escrita. Psicologia Escolar é formada por: psicologia da aprendizagem, social, do desenvolvimento, comunitário, mesmo parecendo ser reducionista, não é, é um segmento autêntico e independente. Psicologia Escolar é formada por várias disciplinas, um conjunto de técnicas que a tornam independente. Reducionismo é a aplicação de uma única técnica para certo problema. É necessário que o psicólogo visualize o todo, não apenas uma linha específica. Pegar somente uma “fatia” (uma linha da psicologia) para resolver os problemas é reducionismo. Exemplo: Psicólogo que trabalha apenas em linha analítica (JUNG), nega-se a trabalhar com uma linha da comportamental mesmo percebendo que há apontamentos significativos deste uso na escola. HÁ UMA TRÍADE: CRIANÇA – ESCOLA - FAMÍLIA – DISCIPLINA PONTE. Os Desafios do Cenário Escolar 4 fases: 1. Embasamento teórico (leitura, capacitação), 2. Diagnóstico (identificação), 3. Intervenção (solucionar, minimizar), 4. Avaliação (resultados). Quatro Problemas de Aprendizagem 1. Passageiro (problema), 2. Meio-criança – ambos (comportamento alterado / dificuldades), 3. Alteração violenta na ordem natural (dislexia / transtorno ), 4. Sofrimento, sintomas (transtorno).

Contribuição da Psicologia nas Instituições de Ensino 1. Modelo Psicrométrico = década de 60 2. Modelo Clínico = psicodiagnóstico e psicoterapia para alunos e pais = adaptar o aluno ao sistema escolar. 3. Modelo Educacional / Psicopedagógico = diagnóstico e orientação dos processos de ensino 4. Modelo institucional = privilegia o trabalho em grupo (aluno, professores, funcionários) – reflexão sobre as relações práticas educacionais – busca criar um “espaço de escuta”. Papel do Psicólogo na Escola: Busca as causas das dificuldades de escolarização na família, no professor, no contexto mais amplo da escola, não mais no aluno – observação participante – estudo multidisciplinar dos fenômenos educativos. Processos Básicos da Psicologia – processos manifestados na escola. Atenção, percepção, inteligência, linguagem, pensamento, consciência, aprendizagem, afeto / emoção. Cinco Modelos de Trabalho do Psicólogo Escolar. 1. Acadêmico: cientista experimental do comportamento – preocupado em estudos dos métodos de ciência psicológica – metodologia na pesquisa e ensino (interesse). 2. Clínico: modelo médico – doença mental e saúde, diagnóstico e cura de problemas do comportamento (interesse). 3. Psicólogo Escola-Escolar: aplicação de testes (Q.I) – psicoterapia individual ou em grupo – acredita que a educação é de responsabilidade do professor. 4. Psicólogo Clínico-Escolar: consultoria da saúde mental – atinge maior número de pessoas - interesse na prevenção – encaminha crianças para outros especialistas. 5. Psicólogo Escolar: melhorar qualidade e eficiência do processo educacional através das aplicações dos conhecimentos psicológicos – modelo ideal, transmitida entre educacional e o acadêmico – é um profissional, cientísta, engenheiro educacional ou projetista de planos educacionais – usa novas metodologias e técnicas – ênfase ao desenvolvimento da criança do que patologia. Observação Participante e o que fazer do Psicólogo Escolar O que fazer: Analisar a existência cotidiana da escola e sua história acumulada – contradições, divergências e convergências – elementos não previstos na realidade escolar.

Observação participante: metodologia para poder aprender, compreender e interferir – trabalhar no nível de representações sociais e novas necessidades. Pesquisa Etnográfica Documentar á realidade não documentada – busca á realidade (classe social, ideologia, poder). Fracasso Escolar Idade Média (feudos) – Ensino Tradicional (só o professor fala, 1870) – Psicologia Diferencial (Galton, inteligência hereditária) – Escola Nova (Binet, inteligência versus classe social, quanto menos educação menos questionamento para classe dominante, 1890) – Escola Tenista (Paulo Freire e Freinet, 1945) – Escola Formal (magistério, escola para brancos, teorias racistas, carência cultural, Freud) – Escola (fruto da sociedade, 2000). Althessur e Passeron fazem críticas á burguesia com a classe baixa (culpa não é da sociedade e sim do sitema escolar). Culpabilização do Fracasso Escolar (sistema escolar). Aluno (desinteresse, falta de atenção, problemas familiares) – pais (falta de apoio, de educação, baixa escolaridade, álcool) – professores (desmotivação, baixo salário, baixa autoridade, didática) – escola (estrutura física, material inadequado, direção escolar) – Estado ( não valoriza professor, aluno, alienação, investimento baixo) – sociedade ( passividade, alienação, votação nulo, não cobram das autoriedades, quebram mesas e cadeiras).

Característica s Professor Aluno

Educação Bancária
Autoritário, dono do conhecimento. Submisso, vazio de conhecimento, alienado, despreparados, “Geração X” Decorado, silábico, sem aplicação prático no seu cotidiano (dia-a-dia) Alienada e dominada Reprimida, insegura, despreparada, dominada Sem aplicação prática, estático, sem

Educação Libertadora
Democrático, permite questionamento. Crítico e questionador, autêntico e dinâmico, pensar autêntico, mais próximos ao professor Assimilação e prática no cotidiano, interativo Desperta e mais crítico Questionadora, preparado, comunicativo, críticas, líderes (tem escolha própria) Conhecimento com aplicação, prático, reflexivo

Método Consciência Sociedades Conheciment o

questionamento

Expressão, comunicação

Inexistente por parte do aluno (não tem opinião formada), não expressa

Ativo, livre , espontâneo.

Paulo Freire: “Educação Bancária e Educação Libertadora – Problematizadora” – Proposta Educação Bancária Ensino Tenista critica o Ensino Tradicional Educação Bancária vem de depositar, dar uma devolutiva do conhecimento. Resultado: Pensar autêntico (valoriza pensamento do aluno), homem como produto e produtor da história, alunos críticos e questionadores, mais seguros de si, mais próximos do professor. Sociedade mais preparada, questionadoras, críticas, seguras e líderes (tem escolha própria). Construtivismo “Se a criança erra, não se pode criticá-la”. Crítica á cartilha (aprendizagem por sílabas), aluno constrói o conhecimento (leva para a prática), mesmo conteúdo em várias disciplinas. Ver quadro (atualizada) dos Teóricos em resumo na folha final!

PIAGET
3 Fatores do Desenvolvimento Cognitivo Humano 1. Inteligência como forma de adaptação - 2. Conhecimento construído – 3. Conhecimento nasce do intercâmbio entre sujeito-objeto (interacionísta). Esquema = conjunto estruturado das características que permitem repetir a mesma ação e usar em novos objetos. 4 Fatores da Teoria Genética Maturidade orgânica, experiência com objetos, interação com pessoas, mecanismo de equilibrarão. Assimilação (esquemas de ação aos objetos, interpretação e compreensão) Acomodação ( ajustamento ou modificação) – Equilibrarão ( permite interpretação ao objeto e atue sobre ele). PIAGET: INDIVÍDUO DESENVOLVE DEPOIS INDIVÍDUO APRENDE. PRIMEIRO PENSAMENTO, DEPOIS LINGUAGEM (EGOCENTRÍSMO).

Quatro Estágios físicos 1. Aspecto Físico-Motor (crescimento orgânico, maturação biológica, sensório motor, dois anos, chupeta na boca) – 2. Aspecto Intelectual (pensamento, raciocínio, pré-operatório, sete anos, objeto para alcançar o outro) – 3. Aspecto Afetivo (emocional, integração das experiências, operatório concreto, onze anos, medo, vergonha, alegria) – 4. Aspecto Social (reage a situações que envolve, outras pessoas, operatório formal, dezesseis anos, brincar com outros ou sozinha).

VIGOSTKY
Sócio-interacionísta = acredita na interação dos indivíduos. Sócio-histórico, linguagem e pensamento, língua como instrumento. Planos Genéticos do Desenvolvimento Filogênese (história humana), Ontogênese (história do indivíduo na espécie), Sócio gênese (cultura que está inserido), Micro gênese (aspecto micro do desenvolvimento de historia própria humana).

Mediação Simbólica Instrumentos (extensão do homem) e signos (linguagem rudimentar, não verbal) Processos Psicológicos Inatos (rudimentar, básico, elementar que se desenvolve no meio): atenção, memória, linguagem, consciência, pensamento, emoção/afeto, inteligência, percepção. Processos Psicológicos Superiores: raciocínio lógico e abstrato, solucionar problemas e hipóteses. VIGOTSKI: INDIVÍDUO APRENDE DEPOIS INDIVÍDUO SE DESENVOLVE. ATIVIDADE SOCIAL E COLETIVO PARA ATIVIDADE INDIVIDUALIZADA. Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP) Distância entre o nível real e o nível potencial, determinado mediante á orientação de um adulto. Mecanismos Sociais para Promoção de Desenvolvimento na Educação. Criança precisa ter responsabilidade, oferecer ajuda e suporte, retirar de maneira progressiva a ajuda, atrair seu interesse (criança), simplificar tarefas, controlar frustrações, indicar e criticar discrepâncias.

SKINNER
Comportamento respondente – Condicionamento respondente (S-R = involuntário). Comportamento operante – Condicionamento operante (R-C). Tecnologia do Ensino

Estudantes não aprendem: fazendo por exercícios, por prática, com a experiência (contato com o ambiente). Para ocorrer á aprendizagem: reconhecer e entender suas conseqüências de respostas (reforço positivo). ENSINAR É UM ARRANJO DE CONTIGÊNCIAS DE REFORÇO SOB OS QUAIS OS ESTUDANTES APRENDEM. Ocasiões em que o comportamento ocorre: próprio comportamento, suas conseqüências, aprender fazendo, aprender com a experiência, aprender por ensaio e erro (aversivo), máquinas que ensinam, instrução programada.

AUSUBEL
Aprendizagem Significativa Valoriza conhecimentos prévios, não a aprendizagem mecânica e repetitiva (sem ter conhecimento prévio), aprendizagem mais significativa quando novo conteúdo é incorporado e adquire potencial para o aluno. NOVA INFORMAÇÃO INTERAGE AO CONHECIMENTO DO ALUNO = SUBSUNÇOR Subsunçor = associação com conhecimentos já adquiridos ( a acomodação para Piaget).

Quando ocorre a Aprendizagem Significativa Precisa entender um processo de modificação do conhecimento (processo interno sem ligação do comportamento), em vez do comportamento externo, observar os processos mentais que tem nesse desenvolvi mento. Aluno precisa ter disposição para aprender, conteúdo escolar tem que ser potencialmente significativo. Aprendizagem Memonística = Significativa. Quando significativa = lembrado por mais tempo – aumenta capacidade de aprender novos conhecimentos mais facilmente, mesmo se for esquecida – quando esquecida, tem facilidade na reaprendizagem. Modelo Escolar Reforma educativa e curricular (conteúdo e metodologia/disciplina) – aprendizagem significativa por si próprio – provocar discordâncias ou conflitos cognitivos gerando desequilíbrio e reconstruindo o conhecimento – aprendizagem não é simples, pode provocar frustração ou rejeição. Orientação á Queixa Escolar Procedimento de Triagem: na primeira entrevista com os pais (enquadre, queixa),na segunda entrevista com a criança (vínculo, transferência) – a partir da quarta

sessão, pode-se fazer diagnóstico – na oitava sessão visita á escola – a nona, a devolutiva com a criança e depois com os pais. Atendimento: psicologia tradicional – orientação á queixa escolar (priorizar) – escutar versões envolvidas – circulação de informações – construir vínculo – motivo de esta ali – proporcionar oportunidades á criança de se expressar. ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Bibliografia Inteligência e afetividade da criança na teoria de Piaget, capítulos: 1,2,3,4,5,6 – texto: Os desafios do cenário escolar – texto: A Contribuição da Psicologia no Estudo Multidisciplinar dos Fenômenos educativos – texto: Psicólogo escolar: educador ou clínico – Fracasso Escolar: uma história de submissão e rebeldia, Maria Helena Patto, capítulos 1,2,3 (parte destes materiais estão no SCRIBD). Estágio 40 horas + 20 horas no 1.Semestre: Observações, descrição da escola (dentro e fora). 20 horas no 2.Semestre: Diagnóstico, alunos com problemas, dificuldade de aprendizagem, sugerir melhorias (apontamentos), elaborar projeto com sugestões, intervenção. Orientação á Queixa Escolar (no caso de fazer 20h na clínica). BOM ESTUDO E BOA PROVA!

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->