P. 1
2010 - Volume 3 - Caderno do Aluno - Ensino Médio - 1ª Série - Química

2010 - Volume 3 - Caderno do Aluno - Ensino Médio - 1ª Série - Química

5.0

|Views: 5.302|Likes:
Caderno do Professor com todas atividades e respostas para uso em dúvidas. Atenção: As respostas contidas aqui tem o objetivo de contribuir para um maior conhecimento e não apenas serem copiadas, já que se for pra copiar e não aprender nada, não perca seu tempo. Assim tire proveito das atividades.
Caderno do Professor com todas atividades e respostas para uso em dúvidas. Atenção: As respostas contidas aqui tem o objetivo de contribuir para um maior conhecimento e não apenas serem copiadas, já que se for pra copiar e não aprender nada, não perca seu tempo. Assim tire proveito das atividades.

More info:

Published by: Anderson Guarnier da Silva on Jun 01, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/26/2014

pdf

text

original

GABARITO Caderno do Aluno Química – 1

a
série – Volume 3
1

Respostas às questões

As respostas são indicações do que pode ser esperado das reflexões dos alunos. De
maneira nenhuma são “gabaritos” para ser seguidos em eventuais correções de tarefas
ou discussões em sala de aula. Deve-se chamar a atenção para o fato de se procurar
utilizar de maneira adequada a linguagem que envolve termos científicos, o que,
certamente, não corresponde ao modo pelo qual os alunos se expressam. Muitas vezes,
eles expressam ideias pertinentes, porém sem a devida apropriação da terminologia
química.
GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
2

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1
A LINGUAGEM QUÍMICA E A CONSTRUÇÃO HISTÓRICA DA
TABELA PERIÓDICA

Exercícios em sala de aula
Páginas 3 - 5
1. O aluno vai elaborar um texto próprio. As principais ideias que podem ser
apresentadas estão relacionadas a seguir:
• toda matéria é formada por átomos, que são as menores partículas que a
constituem;
• os átomos são indestrutíveis e indivisíveis, mesmo quando participam de
transformações químicas;
• as transformações da matéria são recombinações de átomos;
• átomos de elementos iguais apresentam massas iguais e átomos de elementos
diferentes apresentam massas diferentes.
2.
¦
¹
¦
´
¦
cloro. elemento do átomo um e hidrogênio elemento
do átomo um por formada , hidrogênio de cloreto de partícula uma representa
; hidrogênio de cloreto substância a representa
HCL
¦
¹
¦
´
¦
. hidrogênio elemento do átomo um e oxigênio elemento do átomo um sódio,
elemento do átomo um por formada sódio, de hidróxido de partícula uma representa
sódio; de hidróxido substância a representa
NaOH
¦
¹
¦
´
¦
. hidrogênio elemento do átomos dois e oxigênio elemento do átomos dois cálcio,
elemento do átomo um por formada cálcio, de hidróxido de partícula uma representa
volume - extinta cal como (conhecida cálcio de hidróxido substância a representa

);

1
Ca(OH)
2

¦
¹
¦
´
¦
magnésio. de átomo um por formada magnésio, de partícula uma representa
magnésio; substância a representa
magnésio; elemento o representa
Mg
GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
3

¦
¹
¦
´
¦
zinco. de átomo um por formada zinco, de partícula uma representa
zinco; substância a representa
zinco; elemento o representa
Zn
3. A resposta esperada é:
substâncias simples – Mg e Zn
substâncias compostas – HCl, NaOH e Ca(OH)
2

4. A resposta esperada é:
H
2
O
2
– dois átomos de hidrogênio e dois átomos de oxigênio.
C
2
H
5
OH – dois átomos de carbono, seis átomos de hidrogênio e um átomo de
oxigênio.
CaCO
3
– um átomo de cálcio, um átomo de carbono e três átomos de oxigênio.
Ca(HCO
3
)
2
– um átomo de cálcio, dois átomos de hidrogênio, dois átomos de
carbono e seis átomos de oxigênio.
SO
2
– um átomo de enxofre e dois átomos de oxigênio.


Páginas 5 - 6
a) PbSO
4
– uma partícula de sulfato de chumbo II, formada por um átomo de
chumbo, um átomo de enxofre e quatro átomos de oxigênio;
b) H
2
SO
4
– uma partícula de ácido sulfúrico, formada por dois átomos de
hidrogênio, um átomo de enxofre e quatro átomos de oxigênio;
c) NaNO
3
– uma partícula de nitrato de sódio, formada por um átomo de sódio, um
átomo de nitrogênio e três átomos de oxigênio;
d) CaCl
2
– uma partícula de cloreto de cálcio, formada por um átomo de cálcio e
dois átomos de cloro;
e) O
3
– uma partícula de ozônio, formada por três átomos de oxigênio.
Exercício em sala de aula
Páginas 6 - 8
O professor pode deixar que os alunos façam associações dos elementos
livremente, desde que eles consigam justificar o motivo desses agrupamentos. A
GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
4

intenção é que eles possam trabalhar criativamente e que tenham uma ideia de como
os cientistas poderiam classificar os elementos de acordo com suas propriedades e os
compostos formados.
a)
• Temperatura de fusão da substância simples:
Os alunos podem separar as substâncias de várias maneiras, como indicar as
substâncias que se fundem abaixo de determinada temperatura e aquelas que se
fundem acima dela ou escolher faixas de temperaturas e separar as substâncias que se
fundem nessas faixas.
• Temperatura de ebulição da substância simples:
O mesmo critério utilizado acima pode ser adotado pelos alunos para a temperatura
de ebulição.
b)
• Substâncias simples (a 1 atm de pressão):
Os alunos podem separar as substâncias formadas por apenas um elemento daquelas
formadas por dois elementos.
• Substâncias formadas com o elemento hidrogênio:
Por exemplo: Grupo I: NaH, LiH, KH, HF e HCl; Grupo 2: CaH
2
e MgH
2;
Grupo 3:
CH
4
e SiH
4
.

Ou: Grupo 1: NaH, LiH e KH; Grupo 2: HF e HCl; Grupo 3: MgH
2
e
CaH
2
; Grupo 4: CH
4
e SiH
4
.
Os alunos podem separar as substâncias formadas por apenas um átomo de um dado
elemento e um, dois ou quatro átomos do elemento hidrogênio. Podem também
diferenciar as substâncias cujas fórmulas iniciam por determinado elemento daquelas
cujas fórmulas iniciam pelo elemento hidrogênio, ou seja, a ordem em que o
elemento é apresentado na fórmula pode ser um critério de separação.
• Substâncias formadas com o elemento oxigênio:
Os alunos podem separar as substâncias formadas por apenas um átomo de um dado
elemento e um ou dois átomos do elemento oxigênio; podem separar as substâncias
formadas por dois átomos do elemento e um átomo do elemento oxigênio; e também
podem diferenciar as substâncias cujas fórmulas iniciam por determinados elemento
daquelas cujas fórmulas iniciam pelo elemento oxigênio, ou seja, a ordem em que o
elemento é apresentado na fórmula pode ser um critério de separação.
GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
5

c) Espera-se que eles separem os elementos em quatro grupos (grupos dos metais
alcalinos, dos alcalinoterrosos, do carbono e dos halogênios), embora seja possível
que sintam mais dificuldade em classificar o cloro no grupo dos halogênios, por ele
apresentar a mesma fórmula com o oxigênio, do que os elementos do grupo dos
metais alcalinos. Os alunos não saberão o nome dos grupos, mas você pode
nomeá-los para que eles se acostumem com algumas denominações e também pode
pedir que os procurem na tabela periódica atual, que consta na última página do
Caderno, a fim de que se acostumem a consultá-la.


Páginas 9 - 10
Os alunos podem elaborar um texto ou uma apresentação sobre o que
pesquisaram. Os pontos principais dessa pesquisa podem ser:
• Em 1829, Johann W. Döbereiner propôs a organização dos elementos em conjunto
de três, chamados de tríades.
• Em 1862, Alexander B. de Chancourtois propôs a organização em espiral, chamada
de parafuso telúrico.
• Em 1864, John A. R. Newlands propôs a organização em grupos de oito elementos,
chamada de lei das oitavas.
• Em 1869, Dmitri I. Mendeleev propôs uma tabela que organiza os elementos de
acordo com a semelhança de propriedades de todos os elementos conhecidos de sua
época, agrupando-os conforme essa semelhança e seguindo a ordem crescente de
massa atômica. Mendeleev propôs algumas inversões nessa ordem por presumir que
o agrupamento deveria ser feito por semelhança de propriedades e também levou em
conta a existência de elementos que ainda não haviam sido descobertos pelos
cientistas até aquela época.
GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
6

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2
PROCESSOS DE OBTENÇÃO DO FERRO E DO COBRE:
INTERPRETAÇÃO DAS REAÇÕES QUÍMICAS


Páginas 11 - 13
Ao responder às questões, é importante que o aluno conheça os recursos utilizados na
produção do ferro e do cobre e perceba que o minério é um dos reagentes do processo
siderúrgico, que passa por transformações químicas para que o metal seja obtido.
1.
a) A queima do carvão libera energia térmica, que elevará a temperatura e
provocará a fusão do minério. Essa queima também produz monóxido de carbono
(CO), que vai reagir com o minério e formar o ferro.
b) O calcário (CaCO
3
) é utilizado para retirar as impurezas do minério, como a
sílica (SiO
2
), reagindo com ela e formando a escória (CaSiO
3
), a qual é utilizada
como matéria-prima para a fabricação de cimento.
c) A interação entre o minério de ferro, a energia térmica e o monóxido de carbono
produz gás carbônico e o ferro, que sai líquido do alto-forno e é chamado de ferro-
gusa.
d) O ferro-gusa é levado para a aciaria ainda em estado líquido, para ser
transformado em aço, mediante a retirada de impurezas e a adição de outras
substâncias.
2. Os alunos poderão apresentar vários aspectos. Podem mencionar as seguintes
semelhanças: ambos são extraídos de minérios, passam por transformações químicas
envolvendo aquecimento e interação com o gás oxigênio, e ocorre a retirada de
impurezas no processo. A diferença é que, na obtenção do cobre, o processo é mais
longo que na do ferro, havendo necessidade de refino para obtenção de cobre puro.
Pode-se dizer ainda que na produção de ferro utiliza-se carvão como reagente e fonte
de energia térmica, o que não ocorre na produção de cobre. Outra diferença é que o
cobre deve ser refinado por processo eletrolítico, o que não ocorre com o ferro.
GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
7

Exercícios em sala de aula
Páginas 13 - 15
1.
a) Quando há excesso de gás oxigênio, ocorre a combustão completa do carvão
(C), formando CO
2
. A representação da transformação química é:
C(s) + O
2
(g) → CO
2
(g) + energia
b) Quando há falta de gás oxigênio, forma-se CO:
2 C(s) + O
2
(g) → 2 CO(g) + energia
2. Para Dalton, nas transformações químicas, os átomos são os mesmos antes e depois
da ocorrência da transformação e estão na mesma quantidade. Na combustão
completa do carvão, os átomos C e O aparecem tanto no produto quanto nos
reagentes e estão na mesma quantidade (1 átomo de carbono e 2 átomos de
oxigênio).
3. Na combustão incompleta, todos os átomos se reorganizam para formar novas
substâncias, sendo consumidas duas partículas de carbono (C) e uma partícula de gás
O
2
para formar duas partículas de monóxido de carbono (CO).
2 C(s) + O
2
(g) → 2 CO(g) + energia
4.
a) Combustão completa:
C
2
H
5
OH(g) + 3 O
2
(g) → 2 CO
2
(g) + 3 H
2
O(g) + energia
Combustão incompleta:
C
2
H
5
OH(g) + 2 O
2
(g) → 2 CO(g) + 3 H
2
O(g) + energia
b) As semelhanças entre as duas equações são a necessidade de gás oxigênio como
reagente e a formação de água e energia como produtos. A diferença está na
quantidade de gás oxigênio consumido na combustão de uma partícula de etanol (três
partículas de O
2
na combustão completa e duas partículas na incompleta) e nos gases
monóxido e dióxido de carbono formados.

GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
8


Páginas 15 - 16
1. Alternativa c. Os estudantes devem considerar que na combustão incompleta da
gasolina formam-se CO e H
2
O e que o poluente é o monóxido de carbono (CO). A
água formada é considerada não poluente.
2. Alternativa e. Não representa uma reação química, pois não houve conservação dos
átomos. O elemento cálcio (Ca) está presente nos reagentes e não aparece como
produto. Também é possível perceber que a quantidade de átomos do elemento
oxigênio (O) é diferente em reagentes e produto.
3. O erro do estudante foi a representação do gás N
2
como um único átomo
(representado por uma bolinha). O correto seria a representação por duas bolinhas
amarelas unidas.
Exercícios em sala de aula
Páginas 16 - 17
1.
a) 3 CO(g) + Fe
2
O
3
(s) → 2 Fe(l) + 3 CO
2
(g)
b) SiO
2
(s) + CaCO
3
(s) → CaSiO
3
(s) + CO
2
(g)
2.
a) Há conservação de átomos nessa transformação, pois tanto nos reagentes quanto
nos produtos existem 4 Cu, 4 Fe, 8 S e 18 O.
b) Também ocorre a conservação dos átomos: 2 Cu, 1 S e 2 O.


Página 17
Essa pesquisa é uma oportunidade de trabalho interdisciplinar, na qual os estudantes
têm possibilidade de conhecer alguns metais e seu minério de origem, bem como a
localização das jazidas no Brasil. Em livros didáticos de Geografia ou na internet, os
alunos encontram mapas do Brasil com informações sobre a localização das jazidas
GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
9

minerais, o nome dos minérios dos quais os metais são obtidos e a aplicação desses
metais na sociedade.

GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
10

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3
COMO PREVER AS QUANTIDADES IDEAIS DE REAGENTES E
PRODUTOS ENVOLVIDOS NUMA TRANSFORMAÇÃO QUÍMICA?

Exercícios em sala de aula
Páginas 19 - 21
1. O aluno deve perceber a relação proporcional. Assim, são necessárias duas partículas
de gás oxigênio (O
2
) para reagir completamente com duas partículas de sulfeto de
cobre I (Cu
2
S), pois dobrando-se a quantidade de um reagente a quantidade do outro
deve ser dobrada também.
2. Como cada partícula de sulfeto de cobre I, ao reagir com o oxigênio, forma duas
partículas de cobre, a partir de duas partículas de sulfeto de cobre I (Cu
2
S) podem ser
formadas quatro partículas de cobre (Cu).
3. É importante que o aluno perceba a relação proporcional de acordo com a equação
química:
1 partícula de Cu
2
S produz 2 partículas de Cu
1 partícula de O
2
produz 2 partículas de Cu
Assim, o aluno pode responder que devem ser utilizadas 342 partículas de cada
reagente (684/2) para serem formadas 684 partículas de Cu.
4. Cinco partículas de O
2
reagem com cinco partículas de Cu
2
S, restando cinco
partículas de O
2
sem reagir. Como a quantidade de Cu formada é o dobro da
quantidade de Cu
2
S que reage, então cinco partículas de Cu
2
S formam dez partículas
de Cu. A quantidade de SO
2
que se forma é igual à quantidade de O
2
ou de Cu
2
S que
reage. Assim, formam-se também cinco partículas de SO
2
.
5.
a) A equação química balanceada para a hidratação da cal viva é:
CaO(s) + H
2
O(l) → Ca(OH)
2
(s). A interpretação dessa equação mostra que uma
partícula de óxido de cálcio (CaO, cal viva) reage com uma partícula de água (H
2
O),
formando uma partícula de hidróxido de cálcio (Ca(OH)
2
, cal extinta).
b) A equação química balanceada para a queima de gás natural (metano) é:
GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
11

CH
4
(g) + 2 O
2
(g) → CO
2
(g) + 2 H
2
O(g). Essa equação significa que a partir de uma
partícula de metano (CH
4
, gás natural) e duas partículas de gás oxigênio (O
2
)
formam-se uma partícula de dióxido de carbono (CO
2
, gás carbônico) e duas
partículas de água (H
2
O).


Página 21
a) A quantidade de oxigênio consumida é o dobro da quantidade de metano; assim,
na combustão de quinze partículas de CH
4
serão consumidas trinta partículas de O
2
.
b) De acordo com essa equação química, a quantidade de partículas de metano
consumidas equivale à metade da quantidade de partículas de água formadas; assim,
para formar 6 × 10
22
partículas de água foram queimadas 3 × 10
22
partículas de
metano, a metade da quantidade de água.
Exercícios em sala de aula
Páginas 21 - 22
1. Como cada molécula de água é formada por dois átomos de hidrogênio e um de
oxigênio, a massa de cada partícula de água será: 2 × 1 + 16 = 18 u.
2.
Massa de uma partícula de O
2
: 2 × 16 = 32 u
Massa de uma partícula de H
2
: 2 × 1 = 2 u
3.
Massa de uma partícula de CaO: 40 + 16 = 56 u
Massa de uma partícula de Ca(OH)
2
: 40 + 2 × 16 + 2 × 1 = 74 u
Massa de uma partícula de CO
2
: 12 + 2 × 16 = 44 u
Massa de uma partícula de Cu
2
S: 2 × 63,5 + 32 = 159 u
Massa de uma partícula de Fe
2
O
3
: 2 × 56 + 3 × 16 = 160 u
Massa de uma partícula de CH
4
: 12 + 4 × 1 = 16 u
GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
12

4.
E Eq qu ua aç çã ão o
q qu uí ím mi ic ca a
2 H
2
O(l) → 2 H
2
(g) + O
2
(g)
N Nú úm me er ro o d de e
p pa ar rt tí íc cu ul la as s
2 partículas de água
2 partículas
de gás
hidrogênio

1 partícula de
gás oxigênio
M Ma as ss sa a d de e
u um ma a
p pa ar rt tí íc cu ul la a
1 H
2
O: 2 × 1 + 16 =
18 u
1 H
2
: 2 × 1 = 2 u
1 O
2
: 2 × 16 =
32 u
M Ma as ss sa as s d da as s
p pa ar rt tí íc cu ul la as s
e en nv vo ol lv vi id da as s
n ne es ss sa a r re ea aç çã ão o
2 H
2
O: 2 × 18 u = 36 u
2 H
2
: 2 × 2 u =
4 u

1 O
2
: 1 × 32 u =
32 u

Exercícios em sala de aula
Páginas 23 - 24
1. Para calcular a massa de oxigênio é preciso estabelecer uma relação entre a massa
desse gás e a massa de água:

g X
u
u g
X
X
g
u
u
oxigênio de Massa
água de Massa
89
36
32 100 100
32
36
~ ÷
×
= ÷ = ÷

O mesmo pode ser feito com o gás hidrogênio:

g X
u
u g
X
X
g
u
u
hidrogênio de Massa
água de Massa
11
36
4 100 100
4
36
~ ÷
×
= ÷ = ÷


Assim, na decomposição de 100 g de água podem ser obtidos aproximadamente 11 g
do gás hidrogênio e 89 g do gás oxigênio.
2. Para obter a massa de ferro resultante da interação do óxido de ferro III com o
carvão e o oxigênio é preciso calcular a massa molecular das substâncias envolvidas
nessa transformação química:
Massa molecular (Fe
2
O
3
) = 2 × 56 + 3 × 16 = 160 u
GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
13

Massa molecular (Fe) = 56 u
Considerando os coeficientes da equação química e as massas moleculares de Fe
2
O
3

e Fe, podemos propor a seguinte proporção em massa:

2 Fe
2
O
3
(s) + 6 C(s) + 3 O
2
(g) → 4 Fe(l) + 6 CO
2
(g)
2 × 160 u 4 × 56 u
320 u 224 u
1 280 kg X

A razão entre as massas de óxido de ferro e ferro pode então ser estabelecida:

kg X
u
u kg
X
X
kg
u
u
ferro de Massa
III ferro de óxido de Massa
896
320
224 280 1 280 1
224
320
~ ÷
×
= ÷ = ÷

Assim, a partir de 1 280 kg de óxido de ferro é possível produzir 896 kg de ferro.


Páginas 24 - 25
a) 2 Mg(s) + O
2
(g) → 2 MgO(s)
b) Mg = 24 u O
2
= 2 × 16 = 32 u MgO = 24 + 16 = 40 u
c) Para calcular a massa de MgO formado a partir da combustão de 96 g de Mg é
preciso conhecer a proporção entre a massa de Mg e a massa de MgO de acordo com
a equação química dessa transformação, o que pode ser feito da seguinte forma:

2 Mg + O
2
→ 2 MgO
2 × 24 u = 48 u 2 × 40 u = 80 u
96 g X
g X
u
g u
X
g
X
u
u
Mg de Massa
MgO de Massa
160
48
96 80
96 48
80
= ÷
×
= ÷ = ÷


Assim, para a combustão de 96 g de Mg pode-se obter 160 g de MgO.
GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
14

O aluno pode perceber a relação: 96 = 2 × 48 e, assim, calcular a massa de MgO por:
2 × 80 = 160 g.
Exercícios em sala de aula
Páginas 25 - 26
1. Nesta questão, os estudantes poderão dar exemplos de transformações químicas
discutidas na própria aula. É importante que seja estabelecida uma relação entre a
massa de reagentes e produtos e a quantidade de energia envolvida na reação. Pode
ser que alguns alunos retomem as combustões discutidas no volume anterior e
apresentem respostas como:
“A combustão de 1,0 kg de gás natural (metano) libera 3,8 × 10
4
kJ; então, se
queimarmos uma massa duas vezes maior de metano, a energia liberada será:
7,6 × 10
4
kJ”.
Pode ser também que eles apresentem equações químicas e representem uma
proporção entre as quantidades de reagentes, produtos e energia envolvida, tal como:
CH
4
+ 2 O
2
→ CO
2
+ 2 H
2
O + energia
1 000 g 3,8 × 10
4
kJ
500 g 1,9 × 10
4
kJ
2.
a) C
2
H
5
OH = 2 × 12 + 6 × 1 + 16 = 46 u
O
2
= 2 × 16 = 32 u
CO
2
= 12 + 2 × 16 = 44 u
H
2
O = 2 × 1 + 16 = 18 u
b) A proporção entre a massa de etanol e a massa de CO
2
nessa reação química
pode ser obtida por:
C
2
H
5
OH + 3 O
2
→ 2 CO
2
+ 3 H
2
O
46 u 2 × 44 u = 88 u
46 g 88 g
A formação de 88 g de CO
2
ocorre quando se queimam 46 g de etanol.
c) A formação de 88 g de CO
2
está relacionada à combustão de 46 g de etanol. Se a
combustão de 1 g de etanol libera 27 kJ, então a combustão de 46 g deve liberar:
46 × 27 = 1 242 kJ de energia.
GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
15

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4
METAIS E O SISTEMA PRODUTIVO


Páginas 27 - 28
1. O aluno pode iniciar pelo cálculo das massas moleculares das substâncias envolvidas
(Cu
2
S e Cu) ou pelo balanceamento da equação química:
Cu
2
S = 2 × 63,5 + 32 = 159 u
Cu = 63,5 u
Cu
2
S(s) + O
2
(g) → 2 Cu(s) + SO
2
(g)
159 u 127 u
15,9 kg X
Cu de kg
u
u kg
X
X
kg
u
u
Cu de Massa
S Cu de Massa
7 , 12
159
127 9 , 15 9 , 15
127
159
2
=
×
= ÷ = ÷


Assim, a partir de 15,9 kg de Cu
2
S é possível obter 12,7 kg de Cu.
2. Para completar a tabela é preciso, inicialmente, calcular a massa molecular de CaO e
CO
2
.
CaO = 40,0 + 16,0 = 56,0 u
CO
2
= 12,0 + 2 × 16,0 = 44,0 u
Como na decomposição de 1 g de CaCO
3
são liberadas 2,9 kcal de energia, na
decomposição de 100 g de CaCO
3
será liberada uma quantidade 100 vezes maior, ou
seja, 290 kcal de energia.
CaCO
3
(s) + energia → CaO(s) + CO
2
(g)
100 u 4,8 x 10
-22
kcal 56 u 44 u
100 g 290 kcal 56,0 g 44,0 g
1,00 g 2,90 kcal 0,56 g 0,44 g

GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
16


Exercícios em sala de aula
Páginas 30 - 31
1. O aluno vai elaborar seu próprio texto. É importante que perceba que cada material
metálico presente na lâmpada elétrica desempenha uma função específica, devendo,
para isso, apresentar as propriedades adequadas. Por exemplo: para a construção da
rosca metálica, é necessário um metal que seja maleável, bom condutor elétrico e
que tenha temperatura de fusão moderada ou alta para que possa ser moldado no
formato adequado, cumprindo a função de fixar a lâmpada ao soquete ou bocal e
estabelecer o contato elétrico. No caso do filamento de tungstênio, as propriedades
mais relevantes são a condutividade elétrica baixa (para um metal) e a consequente
resistência à passagem de corrente elétrica, necessária para que o filamento se torne
incandescente e emita luz, e a temperatura de fusão elevada, o que o torna capaz de
resistir a mais de 3 000 ºC de temperatura sem fundir.
2. Não, porque eles não têm as propriedades adequadas para um bom filamento, ou
seja, condutibilidade elétrica moderada e elevada temperatura de fusão (acima de
3 000 ºC).
3. São apresentados a seguir exemplos de objetos metálicos e uma pequena análise das
relações entre suas propriedades e usos.

GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
17

Exercícios em sala de aula
Páginas 32 - 33
1. Nessa questão não se espera que os estudantes apresentem informações detalhadas
sobre os aspectos citados do país escolhido. Espera-se, por outro lado, que eles
possam relacionar informações gerais sobre os países e a forma de exploração do
minério de ferro nesses lugares. Deve-se perceber que a disponibilidade do recurso
natural não é condição suficiente para que o país se torne um grande produtor de
ferro-gusa ou aço. É preciso haver desenvolvimento tecnológico e investimento
financeiro para isso.
2. As reservas de minério de ferro nem sempre estão vinculadas à sua extração. Alguns
países podem possuir grandes reservas sem, contudo, investir em sua exploração. Em
outros casos, é possível que o país retire muito minério de seu solo mesmo não
possuindo grandes reservas.
3. O fato de um país extrair muito minério de ferro nem sempre significa que ele é um
grande produtor de ferro-gusa ou aço, pois pode ser que o minério seja exportado e o
processo siderúrgico ocorra em outro país. Assim, países com poucas reservas de
minério ou que exploram pouco suas reservas podem ser grandes produtores de ferro
e aço.
4. O aluno vai elaborar seu próprio texto. Algumas ideias importantes que podem ser
trabalhadas: os níveis de desenvolvimento tecnológico e econômico de um país
influenciam sua capacidade de explorar os recursos naturais como, por exemplo, o
minério de ferro; para que um país possa extrair o minério de ferro disponível em seu
solo é necessário investimento em infraestrutura, mão de obra especializada,
tecnologia adequada e mercado consumidor, além de outros fatores; dessa maneira,
alguns países podem apresentar grandes reservas de minérios de ferro, mas não ser
grandes produtores de ferro-gusa ou aço. Por outro lado, existem países que possuem
pouca ou nenhuma reserva desse minério e são, contudo, grandes produtores de ferro
e aço.

GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
18


Páginas 36 - 38
1.

O cálculo das massas moleculares das substâncias é apresentado a seguir:
Cu
2
S: 2 × 63,5 + 32 = 159 u
O
2
: 2 × 16 = 32 u
Cu: 63,5 u
SO
2
: 32 + 2 × 16 = 64 u
2.
A Ap pl li ic ca aç çõ õe es s M Me et ta ai is s/ /l li ig ga as s
A – trilhos de trem, lataria de automóveis, ferramentas (D) alumínio
B – soldas, latas de alimentos (A) ferro/aço
C – fios elétricos, panelas, tubulações de água quente (B) estanho
D – fios elétricos, latas de bebidas, esquadrias (C) cobre

3. Alternativa d. Os produtos da obtenção de cobre são cobre (Cu) e dióxido de enxofre
(SO
2
). Nesse caso, a emissão de SO
2
na atmosfera pode aumentar a acidez da chuva
gerando o problema ambiental chamado chuva ácida.
Na produção de ferro, forma-se também dióxido de carbono (CO
2
), principal
responsável pelo agravamento do efeito estufa.
4. Alternativa a. Toda matéria é formada por substâncias, e essas são compostas de
elementos químicos.
GABARITO Caderno do Aluno Química – 1
a
série – Volume 3
19

5. Alternativa a. A figura mostra dois tipos de conjuntos de átomos (partículas). Um
deles é formado por dois átomos de hidrogênio e um átomo de oxigênio (H
2
O,
partículas da substância água). O segundo tipo de partículas é formado por dois
átomos de carbono, dois de oxigênio e quatro de hidrogênio (CH
3
CO
2
H, partícula da
substância ácido acético ou etanoico, presente no vinagre. Obs.: os alunos não sabem
dessa última informação, mas devem compreender que existem duas substâncias
diferentes representadas na figura). Assim, tem-se uma mistura de duas substâncias
(de fórmulas H
2
O e CH
3
CO
2
H), que são formadas por três elementos químicos (H, O
e C).
6.
a) Apenas a 2
a
e a 4
a
etapas envolvem transformações químicas, pois nelas são
geradas novas substâncias. Na 1
a
e na 3
a
etapas, os processos de separação dessas
misturas por meio das propriedades físicas, magnetismo e temperatura de ebulição,
não resultam em novas substâncias.
b) 2
a
etapa: TiO
2
(s) + C(s) + 2 Cl
2
(g) → TiCl
4
(l) + CO
2
(g)
4
a
etapa: TiCl
4
(l) + 2 Mg(l) → Ti(s) + 2 MgCl
2
(l)
7. Alternativa b. Pode-se primeiramente fazer o balanceamento da equação química,
como mostrado a seguir:
2 Al
2
O
3
+ 3 C → 4 Al + 3 CO
2

A partir dessa equação, pode-se estabelecer a seguinte proporção:

3 2
3 2
4
6 3
2
O Al de partículas X
C de partículas
X
C de partículas
O Al de partículas
= ¬ =

Ou pode-se fazer a seguinte relação: se três partículas de C interagem com duas
partículas de Al
2
O
3
, então 6 (2 × 3) partículas vão interagir com quatro partículas de
Al
2
O
3
(2 × 2).





You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->