Você está na página 1de 2

1. A aceitação do mandato pode ser tácita?

Já a aceitação tácita pressupõe o início da execução pelo mandatário, ou


seja, ele pratica qualquer ato que indica o seu consentimento, como por
exemplo, anunciar um carro que lhe foi dado poderes para vender.

Art. 659. A aceitação do mandato pode ser tácita, e resulta do começo de


execução.

Ainda, presume-se que o mandatário aceitou o mandato (aceitação


presumida) quando não responde expressamente a proposta do mandante,
mas o objeto do mandato também o é de sua profissão.

Ex: o mandante envia uma procuração a um corretor de imóveis para que


venda um apartamento em seu nome.

2. Mesmo que se outorgue mandato por instrumento público, é


possível substabelecer-se
mediante instrumento particular?

“Ainda quando se outorgue mandato por instrumento público,

pode substabelecer-se mediante instrumento particular” (CC, art. 655)

3. Para transigir, é desnecessário que conste da procuração


poderes especiais para tanto?

o art. 661 do CC § 1.º:

§ 1.º. Para alienar, hipotecar, transigir, ou praticar

outros quaisquer atos que exorbitem da administração

ordinária, depende a procuração de poderes especiais e

expressos

4. O mandato pode ser expresso ou tácito, verbal ou escrito?


O mandato comporta vinculação expressa ou tácita, verbal ou

escrita. É o que se extrai da dicção textual do art. 656 do CC, in verbis:

“O mandato pode ser expresso ou tácito, verbal ou escrito”.

ETAPA : 04

Passo 3 - Responder, segundo o Código Civil, além do pedido


de ressarcimento dos prejuízos, é
cabível alguma outra medida judicial?

Não.

segundo a jurisprudência tal situação configura contrato de depósito,


sendo assim regulamentada por deposito voluntário, e o depositário é
obrigado a restituir o objeto móvel assim que lhe for exigido, como
assegura o art 629 C.C.

Nesta hipótese haverá responsabilidade do estabelecimento por dano


ou subtração, ainda que o estacionamento seja gratuito. Na verdade,
essa gratuidade é apenas aparente, porque, por exemplo, o
restaurante que oferece estacionamento atrai muito mais clientela do
que o outro que não oferece. Neste sentido já decidiu o STJ no Recurso
Especial 419465-DF,de 25.02.2003

É importante esclarecer que se o condutor estacionar, por conta


própria, seu veículo nas imediações do restaurante, confiando-o aos
cuidados dos chamados "flanelinhas", o estabelecimento não terá
nenhuma responsabilidade.