P. 1
REFERENCIAL TEÓRICO

REFERENCIAL TEÓRICO

|Views: 601|Likes:
Publicado porLidiane Santana

More info:

Published by: Lidiane Santana on Jun 04, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/19/2013

pdf

text

original

PROJETO DE PESQUISA Lidiane da Silva Santana TEMA: Mulheres no mundo coorporativo.

PROBLEMÁTICA Quais as dificuldades que as mulheres que ocupam cargos de liderança encontram e encontra em sua rotina de trabalho. OBJETIVO Identificar as dificuldades que essas profissionais tiveram que enfrentar para chegar aonde chegou, bem como as adversidades que ainda encontram. Como também apontar os possíveis motivos. Objetivos específicos: a) Analisar os artigos científicos e livros que apresentem as dificuldades que as mulheres encontraram ao longo dos anos; b) Identificar nas organizações a rotina de trabalho das mulheres; c) Compreender as possíveis causas que dificulta a liderança das mulheres. HIPÓTESES Pode se dizer que o preconceito seja uma das dificuldades mais frequentes que as mulheres enquanto líderes passam devido toda a sua trajetória ter sido educada a obedecer e não mandar como a função exige. ADM: Turma R

a baixa de salários dos trabalhadores. p.) desobedecendo à prática sociocultural de submissão a homem e em um processo e reflexão sobre sua identidade social e ao imperativo que privilegiam o papel de mãe. dentre eles a necessidade econômica já que. que presença da mulher neste mercado começou a crescer devido ao fato de homens saírem para lutar e as mulheres restavam à tarefa de não deixar as fábricas pararem. iniciariam uma verdadeira luta para saírem da submissão para assumir novos papéis. mas por buscar o seu digno e merecido espaço nas empresas. mas continuam tendo sua dupla e até mesmo tripla jornada de trabalho e ainda assim ganhando salários menores por efetuar os mesmos trabalhos dos homens. Foi uma trajetória de muitas conquistas e muitas adversidades e mesmo assim são inúmeras as dificuldades que as mulheres encontram nas organizações em que trabalham. ela começa a ganhar alguns espaços que antes era frequentado apenas por homens como as novas organizações fruto do capitalismo. a mulher passou a questionar sua posição. é a partir daí. AL. (KANAN. seu papel. papéis que executa tão bem. essas dificuldades aumentam significativamente quando se trata de cargos de chefia.. faz com que. como é comum aos processos evolutivos. ET. As autoras (CAVAZOTTE. a mulher vem se destacando na sociedade. depois da guerra os homens voltaram aos seus postos de trabalho. Foram muitos fatos da história que contribuíram para a inserção da mulher no mercado de trabalho.REFERENCIAL TEÓRICO Ao longo das últimas décadas. Nas décadas de 60 os registros de mulheres trabalhando fora de casa eram quase nulos já que. p. Desde os primórdios a mulher teve um papel relevante. seja no processo abolicionista ou na luta pelo direito de voto elas já demonstravam que. Mostraram que eram capazes de efetuar o mesmo trabalho que antes era feito somente por homens. Na década de 70 as mulheres passam a adentrar no mundo produtivo. esposa e dona de casa.245) Com isso.71) cita a 1ª e 2ª guerras mundiais como fato histórico mais marcante já que. Vários foram os fatores que contribuíram para esse ingresso. não apenas por ser mãe. sua identidade e sua suposta fragilidade. 2010. 249). 2010. 2010.. (KANAM. elas busquem uma renda para complementar o . A história da mulher sempre veio acompanhada de lutas pela igualdade perante os homens. dona de casa e esposa. p. ou seja: (.

a autora conclui que se verifica a continuidade da discriminação porque raramente as mulheres chegam a postos de comando. a permanência e persistência dessas mulheres no mercado se dão dentre outras coisas pela queda da fecundidade com a chegada dos contraceptivos e o aumento da escolaridade e como conseqüência a entrada nas universidades. (BRUSCHINE Apud BETIOl.orçamento doméstico. A partir da década de 80. representa os riscos de uma rotatividade.. não foram apenas as mulheres de classe baixa que adentraram no mercado. porque maior escolaridade traz possibilidade de trabalhos mai gratificante.79) O que além de se uma situação desconfortável para a mulher é ruim para as empresas. em 2009.19) Mulheres com diferentes formações universitárias têm concepções distintas sobre o trabalho e o papel que este assume em sua vida e isso afeta as suas atitudes e comportamentos dentro das empresas. Notava-se assim uma mudança no comportamento feminino. Mesmo com maior escolaridade.. por meio de seu efeito sobre as atitudes. também impacta a intenção das mulheres de trocarem de emprego. Seguindo essa linha de pensamento: As mulheres que têm maior nível de escolaridade. 1994. 58% do rendimento dos . AL. finalmente.. A diferença era ainda maior escolarizados: as mulheres com 12 anos ou mais de estudo recebiam em média. p. terceiro. mulheres ganham 58% do que recebem os homens. Um dado interessante é que.. Dados do IBGE através do SIS (Síntese de indicadores sociais) 2010 que avaliou a evolução de 1999 a 2009 concluiu que entre os mais escolarizados. (CAVAZOTTE ET.7% do rendimento médio dos homens ocupados.179). Apesar dessa abertura de mercado para mulheres com maior escolaridade. pois. Implica em maiores possibilidades de participação pela própria configuração do mercado. o total de mulheres ocupadas recebia cerca de 70. segundo. 2010.) a percepção de desigualdade de gênero impacta a satisfação da mulher com seu emprego e sua identificação com a organização e. p. p. as mulheres têm rendimento médio inferior ao dos homens. porque maior escolaridade está associada com menor número de filhos e maiores possibilidades de infra-estrutura de apoio. TONELLE. 1991. (BRUSCHINI. mas as das classes médias também. Um estudo feito para investigar a desigualdade de gêneros no trabalho com foco nas atitudes das mulheres e sua intenção de deixar a empresa conclui que: (.

mas persistente.33) A discriminação começa no momento da admissão. Um fato bastante controverso. O que coloca prática de liderança como ferramenta a embasar a condução de ações de mudanças. afinal. elas continuam sendo mulheres. Segundo Fernandes (2002. e isto assusta os homens. (BETIOL. . p. p. De todo modo. mas a população em geral não é educada a respeitar a dignidade do trabalho feminino. isso sem contar a dupla jornada pela qual a mulher enfrenta. independentemente do seu nível educacional. (KANAM. interconexão. superioridade ou sucesso não são prerrogativas de gênero. que deve ser creditada às mulheres que provaram que são capazes de assumir funções antes somente exercidas pelos homens. as características da forma como elas lidera. mas não apenas exclusividade de tal. empatia e preocupação pessoal. o relativamente elevado número de jovens mulheres licenciadas a integrar o mercado da força de trabalho traduz-se num desemprego feminino mais habilitado que o masculino. Dessa forma. ocupando hoje cargos de liderança nas empresas. tendo em nosso país uma Constituição Federal na qual em seu artigo 5º nos diz que: todos são iguais perante a lei. Apesar do reconhecimento da competência feminina. esse número aumenta ainda mais quando se trata de mulheres pardas e negras. Sabemos que lei é para ser cumprida.homens com esse mesmo nível de instrução. e administra a adversidade. Em consequência. raciocínio intuitivo. Vale ressaltar que. pois existem características de atuação próprias de cada um. 1991. p. 254) Nos últimos anos mesmo sendo insustentável e frágil a posição da mulher no mercado de trabalho é fruto de grandes lutas que se desenrolaram há muito tempo para uma conquista lenta. o trabalho fora e o dentro de casa. Entre os padrões de liderança feminina. há uma tendência clara de maior participação da mulher nos espaços de poder das organizações de trabalho. de seus investimentos e de sua atuação segundo padrões masculinos.74) a liderança do século XXI é baseada na qualidade da ação gerencia com as pessoas. podemos notar o estilo cooperativo. A maternidade e as eventuais faltas por assistência à família assumem-se como as principais razões para a preferência por empregados em desfavor de trabalhadores do sexo feminino. 2010. são características fortes da liderança feminina. TONELLI. capacidade para trabalhar em equipe. As mulheres têm maior dificuldade que os homens em encontrar o primeiro emprego. Talvez isso explique a persistência da discriminação. flexibilidade. várias são as legislações que tem o intuito de proteger o trabalho da mulher. portanto diferente.

Pode se acreditar que o preconceito para com a mulher já esteja sendo erradicado como conceito. não fiquemos na platéia. (CHALITA. o reconhecimento da sociedade corporativa perante o avanço das mulheres no mercado de trabalho seja cada vez maior. E que uma força nova surja a cada dia nascida da coragem de quem não tem medo dos acontecimentos bem espera que eles aconteçam. como as mulheres exaltadas neste livro. p. E que os inquietos vençam os acomodados. Seria bom que. É preciso que os incomodados vençam os acomodados. mas façamos parte do espetáculo. mas ainda sobrevivem alguns critérios que exigirão uma revisão dos modelos organizacionais existentes. 13) . Para que. 2005. É a fascinante metáfora do teatro. elas deverão ter mais persistência para superação da gestão masculina e a mudança deste cenário com a liderança transformadora que vem surgindo como promessa de hegemonia no universo corporativo.

2010.. ERA. Edição atualizada 2005. Editora futura. Poder e Liderança de Mulheres nas organizações de Trabalho. domingo às 16h41min. Maria José. v. Out.17 ± n. . São Paulo. KANAM Lilia Aparecida. CAVAZOTTE.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza. 243-257 ± Abril/Junho ± 2010 http://www.gov.ibge. 53./fev.Revista de Administração de empresas. CHALITA. OLIVEIRA. Gabriel. Flávia de Souza Costa Neves. Liliana Carneiro de. Artigo 5º. Revista estudos feministas. p. já. 1.REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA BETIOL. Mulheres que mudaram o mundo. Revista Adm. BRUSCHINI. n. A mulher executiva e suas relações de trabalho. p. Lucia Barbosa de. São Paulo. São Paulo. Título II dos direitos e garantias Fundamentais . 1991. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988. Maria Irene Stocco./Dez. 2º semestre.Capítulo I Dos direitos e deveres individuais e coletivos. Cristina. 70-83. Ano 2. FERNANDES. Desigualdade de gênero no trabalho: reflexos nas atitudes das mulheres e em sua intenção de deixar a empresa. TONELLI.Salvador. 2002.php?id_noticia=1717&id _pagina=1 ± acessado em 15 de maio. 31 (4): 17-33. Almir. Revista O&S. Companhia Editora nacional. Rio de Janeiro. O trabalho da mulher brasileira nas décadas recentes. São Paulo. Administração inteligente: novos caminhos para as organizações do século XXI. MIRANDA. v 45./mar.

bem como as adversidades que ainda encontram. a pesquisa será bibliográfica e de campo. Universo da pesquisa O universo da pesquisa compreende-se por duas empresas de grande porte localizadas na região centro-sul de Sergipe. Porque irá ser coletadas informações em livros e artigos e em presa respectivamente. Como também apontar os possíveis motivos. Quanto aos meios. Porque visa identificar as dificuldades que essas profissionais tiveram que enfrentar para chegar aonde chegou.METODOLOGIA 1. . 2. e que possuem cargos de lideranças ocupados por mulheres. Tipo de pesquisa Quanto aos fins será explicativa.

bem como as adversidades que ainda encontram. De modo que talvez por seu histórico de lutas elas se tornaram fortes e sua participação nos espaços de poder das organizações aumentou. pela sua chegada ao mercado de trabalho. E apesar do reconhecimento da competência feminina. elas continuam sendo mulheres. Essa situação faz com que a quantidade de mulheres trabalhadoras aumente significativamente. E nos últimos anos mesmo sendo insustentável e frágil a posição da mulher no mercado ela tem conseguido ocupar cargos de liderança nas empresas. Talvez isso explique a persistência da discriminação. c) compreender as possíveis causas que dificultam a liderança das mulheres. b) identificar nas organizações a rotina de trabalho das mulheres. A metodologia do presente projeto compreende de pesquisas bibliográficas e de campo. Ao longo das últimas décadas. E como objetivo geral identificar as dificuldades que essas profissionais tiveram que enfrentar para chegar aonde chegou.1 INTRODUÇÃO O presente projeto de pesquisa tem como problemática: as dificuldades na qual as mulheres que ocupam cargos de liderança encontraram e ainda encontram em sua rotina de trabalho. e isto assusta os homens. Como também apontar os possíveis motivos. Sua trajetória de luta e adversidade fez com que ela aos poucos conquistasse o seu digno e merecido espaço no mundo corporativo. A permanência e persistência das mulheres no mercado se dão entre outras coisas pela queda da fecundidade com a chegada dos contraceptivos e o aumento da escolaridade e como conseqüência a entrada nas universidades. Quanto aos objetivos específicos são eles: a) analisar os artigos científicos e livros que apresentem as dificuldades encontradas pelas mulheres ao longo dos anos. portanto diferente. . Foram muitos fatos da história que contribuíram para a inserção destas nas organizações. a mulher vem se destacando na sociedade. de seus investimentos e de sua atuação segundo padrões masculinos.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->