P. 1
Projeto Pedagógico, Organização e Gestão do Trabalho Escolar

Projeto Pedagógico, Organização e Gestão do Trabalho Escolar

|Views: 424|Likes:
Publicado porJoelson Alves
Resumo dos textos sobre a Escola como categoria na pesquisa em educação.
Resumo dos textos sobre a Escola como categoria na pesquisa em educação.

More info:

Published by: Joelson Alves on Jun 04, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/08/2013

pdf

text

original

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS – UFAL

INSTITUTO DE FÍSICA – IF LICENCIATURA EM FÍSICA – MODALIDADE A DISTÂNCIA

RESUMO SOBRE Projeto Pedagógico, Organização e Gestão do Trabalho Escolar

ALUNO: JOELSON ALVES FERREIRA

Professora MS. Sandra

Maceió, MAIO 2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS – UFAL
INSTITUTO DE FÍSICA – IF LICENCIATURA EM FÍSICA – MODALIDADE A DISTÂNCIA

RESUMO SOBRE Projeto Pedagógico, Organização e Gestão do Trabalho Escolar

Resumo dos textos sobre a Escola como categoria na pesquisa em educação, sob a orientação da professora MS Sandra, como requisito para avaliação da disciplina.

Maceió, MAIO 2011

Como todos sabem o ambiente escolar é uma composição dinâmica de uma gama de indivíduos vindos de várias classes da sociedade, com várias formas de cultura e as mais variadas expressões de ensino doméstico. Neste cenário, não só o aluno como também o professor exercem papeis fundamentais para que haja a interação entre o processo de ensino-aprendizagem, o que requer de ambas as partes muito comprometimento e motivação para que este ambiente possa considerada uma via de mão dupla, pese-se, então que o professor deixe-se ser absorvido pelos alunos, enquanto que estes demonstrem conscientização relativa no papel que exercem, absorvendo com conhecimento de diversas maneiras, para a construção do próprio saber. Embora o sistema educacional seja formado pelo mais diverso tipos de cultura percebem-se a importância de que a escola não fique num ambiente estável, atrelada a paradoxos de uma cultura de ensino ultrapassada e obsoleta, em que se manifestem ainda o tradicionalismo, incorporado a uma pincelada de ensino tecnológico, sem ligação com a realidade da comunidade que se pretende tornar, além de alfabetizada, uma sociedade crítica e que valorize a construção do saber como um elo entre as gerações passadas e futuras, ricas em diversidade, e que respeitem o papel de cada um no meio social em que vivem. Com o processo de globalização, houve várias mudanças no conceito de escola, onde se via que esta assumia um papel oficial de lugar de ensino-aprendizagem, abrindo espaço para os mais diversos meios de comunicação hoje existentes, uma vez que com o advento da internet, houve uma transitoriedade para o ambiente virtual de aprendizagem, os chamados AVA’s, que contribuíram significativamente para que os alunos possam acessar o conhecimento ao qual pretendem adquirir, com maior facilidade do que antes, quando se era necessário se deslocar de seus lares, para poderem em um local e horário predeterminado adquirirem o saber de forma linear e reprodutiva. Portanto, nesse atual ambiente propício a aprendizagem eficaz, um questionamento importante é extremamente necessário: Quais ferramentas utilizar para que o aluno se compreenda como sujeito construtor do seu próprio saber, ao mesmo tempo é também construído pela sociedade? Historicamente, a tentativa de ensino-aprendizagem foi baseada em um cenário fixo, onde o professor assumia um papel de transmissor do conhecimento e o aluno como mero receptor, numa seqüência cronológica, definida previamente pelo mestre, quais os conteúdos que deveriam ser abordados, onde nas muitas vezes a única ferramenta utilizada era a voz do professor, e a imaginação dos alunos, pois estes eram bombardeados com uma série de informações, que ao ver do professor tinha uma seqüência lógica, porém que na maioria das vezes, para o aluno não tinham sequer um elo, ou compatibilidade com a vida real que vivia em suas respectivas vidas social. Embora diversos pensadores refletissem sobre o aspecto, a evolução do processo de ensino aprendizagem, somente veio acontecer nos últimos tempos, quando se percebeu a importância de despertar o interesse de pesquisa em todas as classes estudantis, motivar a interação entre conhecimento e meio social, incorporação das atividades simuladas em sala de aula com a realidade da comunidade a qual estão inseridas, e, talvez a mais importante ferramenta: a reflexão sobre a forma com que se assimila o conhecimento. Como atividade proposta para os alunos, podemos elaborar uma pesquisa de preços nos diversos mercadinhos da comunidade em que vivem os alunos: O professor pode solicitar que os alunos se desloquem até o mercadinho que fica próximo de sua casa e pesquisar o preço dos alimentos mais importantes, como é o caso do feijão, arroz, macarrão, café, açúcar, óleo. Em seguida, com os dados registrados, comparar os preços e destacar quais alimentos está mais barato, e em qual local, nesta atividade, além de abordar a pesquisa, pode-se abordar outros temas de matemática, que são os números decimais, a porcentagem, e as relações de adição e subtração. Esses conjuntos de valores estão baseados nos atuais processos de ensino-aprendizagem, sejam eles por meio eletrônico, ou mesmo, ainda em salas de aulas, e tem contribuído para que o aluno consiga repensar no seu modelo de aprendizado. O que, entre outras ferramentas, fez com o aluno adquirisse ferramentas de trabalho necessárias para a construção de futuros saberes. De acordo com (SCHMIDT e CAINELLI, 2004:30): “(...) ajuda o aluno a adquirir as ferramentas de trabalho necessárias para aprender a pensar historicamente, o saber-fazer, o saber-fazer-bem, lançando os germes do histórico. Ele é o responsável por ensinar ao aluno como captar e valorizar a diversidade das fontes e dos pontos de vista históricos, levando-o a reconstruir, por adução, o percurso da narrativa histórica. Ao professor cabe ensinar ao aluno como levantar problemas,

procurando transformar, em cada aula de história, temas e problemáticas em narrativas históricas”. Daí é de suma importância, fazer com que o professor veja que o aluno não é um ser limitado e acabado; é preciso fazer compreender que o aluno é um ser que interage social, política, econômica e historicamente na formação educacional de toda sociedade, transformando-a com seus próprios pensamentos, e refletindo aquilo que lhe ensinado, ou lhe convidado a aprender. Nesse processo de construção do saber, cabe também ao aluno deixar-se perceber ao seu redor, buscar maneiras práticas que utilizem as suas problemáticas diárias, contextualizando aquilo que lhe interessa como fonte de pesquisa para adquirir o saber. Percebendo o professor como parceiro nessa via de mão dupla, em que todos possam sair do ambiente de aprendizagem com a maior e mais eficaz qualificação para a vida profissional.

Bibliografia (SCHMIDT e CAINELLI, 2004) http://www.espacoacademico.com.br/077/77cerezer.htm (Acesso em 17/05/2011) http://www.ead.ufal.br/file.php/1327/A_ESCOLA_COMO_CATEGORIA_EM_EDUCACAO.PDF (Acesso em 22/05/2011)

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->