P. 1
reforço contínuo

reforço contínuo

|Views: 5.860|Likes:
Publicado porGiovana Barão

More info:

Published by: Giovana Barão on Jun 05, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/09/2014

pdf

text

original

Universidade Estadual de Londrina Nome: Giovana Barão e Gleiciene Quiel Turma: 1014 Relatório Parcial de Psicologia Experimental Prática

Sujeito 01 1- Objetivo: O objetivo do exercício de Reforço Contínuo (CRF) é observar a freqüência do comportamento de pressão à barra após a introdução de uma variável independente (gota d’água), esse comportamento é reforçado através da disponibilização da conseqüência (gota d’agua) sempre que a resposta desejada é emitida, no caso quando houver pressão à barra. As sessões de Reforço Contínuo têm o objetivo de fortalecer o comportamento de pressão à barra e avaliar o efeito contingente da variável sobre o comportamento do sujeito. Os resultados obtidos são comparados com o exercício de Nível Operante. 2- Procedimento: O exercício de reforço contínuo foi realizado em duas sessões, CRF I e II, em ambas o sujeito experimental foi trazido do Biotério do Departamento de PGCA, do CCB, da UEL, privado de água por 24 horas, porém com disponibilidade de ração. Foi utilizada uma caixa de Skinner previamente higienizada com álcool, preparada com uma cuba d’água cheia e o bebedouro testado. O cronômetro foi zerado e a chave de controle do bebedouro posicionada no modo automático, ou seja, cada comportamento de pressão à barra foi consequenciado com a liberação de uma gora d'água. O sujeito foi trazido e colocado na caixa de Skinner e registrou-se durante o CRF I, além do comportamento de pressão a barra, a freqüência dos comportamentos: andar, farejar, erguer-se, ficar parado e limpar-se, minuto a minuto, durante os 10 minutos iniciais. A partir do 11º minuto registrou-se apenas a resposta de pressão a barra por minuto, a sessão teve duração de 50 minutos. No CRF II, foi registrado apenas o comportamento de pressão a barra por minuto durante 50 minutos. Após os exercícios, o sujeito experimental foi levado de volta ao Biotério e a caixa de Skinner higienizada com álcool. Exercício: Reforço Contínuo I e II

O. onde essa resposta não foi emitida. . erguer-se. farejar. farejar (27 vezes em NO. 21 vezes em CRF). Observa-se na Figura 1 o aumento da resposta de pressão a barra no exercício de CRF (155 vezes) em relação ao N. ficar parado.Resultados: A Figura 1 apresenta uma comparação entre as respostas emitidas. 5 vezes em CRF). limpar-se (13 vezes em NO. 12 vezes em CRF). de erguer-se (31 vezes em NO.O. durante os 10 minutos iniciais.O. Houve a diminuição nos comportamentos de andar (26 vezes em NO.3.) não foi emitida durante o CRF. N. limparse e pressão à barra durante os 10 minutos iniciais dos exercícios de Nível Operante e CRF I. 18 vezes em CRF) e a resposta ficar parado (13 vezes no N. CRF I 180 160 140 120 100 80 60 40 20 0 Frequência de respostas 155 26 31 12 21 27 18 13 0 13 5 0 pressão a barra andar erguer-se farejar ficar parado limpar-se Com portam entos Figura 1: Freqüência de respostas dos comportamentos de andar. pelo sujeito durante o Nível Operante e no Reforço Contínuo.

(comportamento ausente no exercício anterior. Durante as duas sessões houve momentos em que o sujeito não emitia a resposta de pressão barra. Pode-se observar na Figura 2 a resposta de pressão à barra logo no 1º minuto. maior freqüência de respostas ao longo do gráfico. como visto na Figura 1). também. durante esse tempo que variava entre 1 minuto e 5 minutos ele emitia comportamentos exploratórios. 40 0 . CRF I 400 350 CRF II frequência de respostas 300 250 200 150 100 50 0 10 25 m inutos Figura 2: Freqüência acumulada da resposta do comportamento de pressão à barra durante as sessões dos exercícios de CRF I e II. com duração de 50 minutos. Observa-se. e a ascendência da resposta decorrente do reforço da mesma.Figura 2 A Figura 2 apresenta uma comparação entre o nível de freqüência da resposta de pressão à barra durante as sessões de CRF. predominantemente. durante o CRF II.

Discussão: Como efeito do fortalecimento era esperado o aumento da taxa de respostas de pressão à barra em relação ao nível operante. Havendo o predomínio da taxa dessa resposta em relação a taxa de outros comportamentos que ele poderia emitir. Caracterizado como mudanças na taxa relativa. é seguido por alimento. é que o comportamento aumenta grandemente em freqüência” Como na descrição feita por Millenson. Podemos observar na Figura 1 que não apenas a taxa de pressão à barra aumentou como as taxas das outras atividades não associadas à gota d’agua diminuíram. quando processo de fortalecimento da resposta de pressão a barra relaciona-se com mudanças nas taxas de outros substratos das atividades que ocorrem na situação. .4. essa afirmação corrobora-se pelos dados da Figura 1 em que durante o exercício de Nível Operante o sujeito não emitiu nenhuma resposta de pressão a barra. devido ao fato de que “uma das mudanças comportamentais marcantes que ocorre sempre que um comportamento. como o pressionar uma barra. enquanto após a introdução da variável. durante o CRF I o comportamento aumentou significativamente. no caso água.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->