P. 1
Bloco_farmacos[1]

Bloco_farmacos[1]

5.0

|Views: 53.170|Likes:
Publicado porDaniela Pisa
bloco de farmacos
bloco de farmacos

More info:

Categories:Types, Research
Published by: Daniela Pisa on Jun 06, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPTX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/22/2015

pdf

text

original

Grupo Fármaco ±Terapêutico:Analgésico e antipirético

Indicações:Dor aguda no período pós-operatório ou pós-traumático. Dores

espasmóidicas. Febre alta que não responda a outras terapêuticas antipiréticas.

Posologia e Modo de Administração:Uma ampola por via intramuscular

profunda ou endovenosa lenta (durante pelo menos 4 minutos), de 8 em 8 horas,
salvo opinião contrária do médico. Pode iniciar-se o tratamento por via endovenosa
e após obtenção de um grau satisfatório da analgesia, mantê-lo mediante
injecções intramusculares ou supositórios.

O conteúdo das ampolas pode incorporar-se em soluções injectáveis de grande
volume, excepto nas indicadas nas incompatibilidades.

1 cápsula, 3 ou 4 vezes por dia.

Supositórios adulto:Adultos e crianças com mais de 12 anos: 1 supositório,
podendo repetir-se as vezes consideradas necessárias pelo médico.

Supositório infantil:Crianças dos 3 aos 11 anos: 1 supositório, podendo repetir-se
a aplicação até 4 vezes nas 24 horas, em intervalos regulares.
Crianças de 1-3 anos:1/2 supositório, podendo repetir-se a aplicação até 3-4 vezes
nas 24 horas.

279

Contra-indicações:NOLOTIL®não deve ser administrado a pessoas que tenham

demonstrado hipersensibilidade aos derivados das pirazolonas, incluindo o Metamizol.
NOLOTIL®não deve ser administrado em casos em caso de porfiria intermitente aguda,
granulocitopenia ou deficiência congénita da glucose-6-fosfato-desidrogenase.
Doentes que possuam perturbações pré-existentes da hematopoiese (ex. tratamento com
citostáticos), só devem utilizar NOLOTIL®sob supervisão médica.
São necessários cuidados especiais em doentes com valores de pressão sistólica inferiores a

100 Mg e em doentes com circulações instáveis (enfarte do miocárdio, lesões múltiplas e
choque inicial).

Precauções: Em tratamentos muito prolongados, ou com doses muito elevadas, deve fazer-

se o controlo hemocitológico.
Devem de estar presentes modalidades para os casos raros de choque, em caso de
administração parentérica.

Em casos de administração parentérica, deverá utilizar-se técnica própria de injecção. A
administração intra-arterial inadvertida poderá causar necrose na área distal vascular.

Interacções: Em doentes diabéticos, os derivados pirazolónicos podem afectar o

doseamento enzimático do açúcar sanguíneo pelo método de glucose-oxigenase (GOD).

O efeito anticolinérgico dos antidepressivos tricíclicos, anti-histamínicos, quinidina, amantadina
e disopiramida podem ser intensificados polo NOLOTIL®.

O tratamento com antagonistas de dopamida tal como metoclopramida pode provocar
diminuição do efeito de ambos os fármacos no tracto gastrintestinal.
Se o NOLOTIL® for administrado simultaneamente com ciclosporina, os níveis sanguíneos
desta, podem ser reduzidos.

Os efeitos do álcool e do NOLOTIL®podem ser potenciados quando tomados em simultâneo

280

Gravidez e crianças: O Metamizol atravessa a barreira placentária e assim, só deverá ser

usado durante a gravidez, especialmente durante os primeiros 3 meses e últimas 6 semanas,
após consideração cuidadosa das indicações.
A segurança durante a gravidez ainda não está estabelecida.
Foi encontrada uma correlação estreita entre o leite materno e as concentrações plasmáticas
dos metabolitos principais do Metamizol. Nenhum dos metabolitos era detectável 8 hora após
a toma.

Efeitos secundários: Podem ocorrer reacções de hipersensibilidade da pele e das mucosas.

Muito raramente, foram descritas reacções cutâneas graves ou inclusivamente fatais,
geralmente implicando as membranas mucosas (síndroma de Stevens-Jonhson, síndroma
Lyell) relacionadas com a administração de medicamentos contendo Metamizol. Se tais
reacções cutâneas surgirem deve-se descontinuar imediatamente a administração de
NOLOTIL®e consultar o médico.

Estão descritos casos raros de reacções alérgicas, incluindo reacções anafilácticas e choque
anafiláctico.

Existe um grande risco de choque após a administração de NOLOTIL®, especialmente após
injecção intravenosa, a doentes com asma brônquica; alérgicos a analgésicos e anti-
reumatismais, bem como a doentes com sinais de intolerância após ingestão de quantidades
mínimas de álcool, alguns tipos de alimentos, tintas de cabelo e conservantes. Nestes casos
devem ser tomadas estritas medidas de segurança quando se administra NOLOTIL®. Na
administração parentérica, recomenda-se a execução de um teste com 0,1-0,2 ml de solução
para injecção.

O choque pode ser imediatamente ou após 1 h de administração. Os sintomas precoces do
choque são: suores frios, tonturas, náuseas, discromia e dispneia.
Adicionalmente pode ocorrer transpiração facial, sensação de opressão, taquicárdia e
sensação de arrefecimento de extremidades.

281

Sobredosagem:

Sintomas:A sobredosagem aguda ou o uso crónico em sobredosagem, provoca
tonturas, náuseas, vómitos, dores gastrintestinais, agitação, convulsões, cãibras
crónicas, choque, coma, paralisia respiratória; lesões hepáticas e renais, retenção
urinária, retenção de fluidos e retenção sódica com edema pulmonar nos doentes
cardíacos.
Tratamento:Após a administração oral em sobredosagem são possíveis as seguintes
medidas: lavagem gástrica, vómito forçado, instilação de apomorfina e carvão vegetal
seguidos de sulfato de magnésio (15%).

Pode ser necessária vigilância cuidadosa das funções vitais. Deve ser assegurado
que as vias respiratórias estejam isentas de obstrução. Pode ser necessário
entubação ou respiração artificial. Em caso de hipovolémia, o volume de sangue
circulante deve ser normalizado se necessário, com plasma expansores de plasmam,
electrólitos ou soluções de dextrose. A excreção deve ser acelerada por meio de
diurese forçada ou diálise ( o Metamizol é dialisável).
Choque anafiláctico: ver efeitos secundários.
Medidas defensivas:Administração de adrenalina, monitorização do pulso e pressão
sanguínea (atenção: disritmia); anti-histamínicos, glucocorticóides (ex. prednisolona
até 1 g I.V.); administração de expansores do volume plasmático, respiração artificial.

Estão descritos casos raros de dispneia em doentes com história de asma brônquica
ou alérgica.

O Metamizol tem sido associado em casos raros a agranulocitose e trombocitopenia,
o que pode provocar tendências hemorrágicas e hemorragias pontiformes da pele e
das membranas das mucosas.

282

Se ocorrerem durante o tratamento, sintomas de agranulocitose tais como, febre
alta, arrepios, dores de garganta, dificuldade de deglutição, inflamações da boca,
nariz e garganta ou inflamação da região genital ou anal, o tratamento deve ser
interrompido imediatamente e informado o médico assistente. Em doentes com
deficiência na glucose-6-fosfato-desidrogenase pode ocorrer anemia hemolítica
induzida pelo Metamizol.
A excreção do ácido rubazónico, metabolito inofensivo do Metamizol pode
provocar uma coloração avermelhada da urina, que desaparece com a suspensão
do tratamento.

Poderá ocorrer dor no local da injecção, particularmente após utilização
intramuscular.

Propriedades: O Metamizol magnésico é um derivado pirazolónico que possui

a acção análgesica a três niveis: periférico, medular e talâmico sem efeitos
opiáceos. Desenvolve também uma acção antipirética e anti-inflamatória. Por ser
um sal magnésico possui uma acção muito eficaz sobre a dor provocada por
espasmos de órgãos ocos.

Excipientes: Ampolas:Água destilada.

283

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->