1

(vìv·inv ··i[o
1^I1)^/·1^
ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE RIBEIRO SANCHES
2
nvi.c nvi.c
· A
Aciclovir (Aciclorix ®)-------------------------------------------------------------------------------------------------------- 11
Acido acetilsalicílico (aspirina®) ----------------------------------------------------------------------------------------- 12
Acido acetilsalicílico 150 mg ---------------------------------------------------------------------------------------------- 16
Acido Fólico (Folicil ®) ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 18
Adalat ap ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 21
Atrapid -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 26
Algimate ® --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 28
Alopurinol (Zurim®) --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 30
Aminofilina --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 33
Amiodarona (Cordarone®) ------------------------------------------------------------------------------------------------ 35
Amisilpride (Amitrex®) ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 40
Amlodipina --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 52
Anfotericina (Fungizone) --------------------------------------------------------------------------------------------------- 55
Atenolo ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 58
Atropina ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 62
Azatioprina (Ìmuran®) ------------------------------------------------------------------------------------------------------ 65
· B
Bicarbonato de sódio ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 68
Biperideno (Akineton) ------------------------------------------------------------------------------------------------------ 73
Bisopropol --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 79
Bromazepam ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 82
Brometo de Ìpatrópio (Atrovent) ----------------------------------------------------------------------------------------- 84
3
· C
Captopril ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 91
Carbamazepina (Tegretol) -------------------------------------------------------------------------------------------------- 94
Carvedilol (Dibloc ÌC ®) ------------------------------------------------------------------------------------------------------ 98
Cefalexina ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 110
Cefazolina ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 113
Ceftriaxona -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 117
Ciclosporina (Sandimmun ®) --------------------------------------------------------------------------------------------- 121
Claritromicina (Klacid ®) --------------------------------------------------------------------------------------------------- 123
Clemastina (Tavégyl) ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 125
Clindamicina (Dalacin) ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 128
Clomipramina (Anafranil) -------------------------------------------------------------------------------------------------- 131
Clonixina (Clonix) ------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 132
Clopidogrel --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 134
Cloreto de potássio ---------------------------------------------------------------------------------------------------------- 136
Cloropromazina --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 140
Cotrimoxazol (Septrim, Microcetim, Bactrim®) ----------------------------------------------------------------------- 142
· D
Dexametasona ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 145
Diazepam ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 150
4
Digoxina (Lanoxin) ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 154
Dinitrato Ìssosórbido (Flindix®) --------------------------------------------------------------------------------------- 159
Dobutamina ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 161
Dopamina ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 165
· E
Enalapril -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 168
Enoxaparina (Lovenox sol. Ìnj. 60mg/0,6 ml) --------------------------------------------------------------------- 171
Eritromicina ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 175
Espironolactona (Aldactone®) ---------------------------------------------------------------------------------------- 179
Etofenamato (Reumon) ------------------------------------------------------------------------------------------------- 181
· F
Fenitoína -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 184
Flucloxacilina sódica (Floxapen) ------------------------------------------------------------------------------------- 188
Fluconazol (Diflucan) ---------------------------------------------------------------------------------------------------- 190
Flurazepam ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 192
Fluoxetina (Digassim) --------------------------------------------------------------------------------------------------- 194
Fluimucil (Acetilcisteina) ------------------------------------------------------------------------------------------------ 198
Folifer ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 201
Flaxiparina ® (Nadroparina de cálcio) ------------------------------------------------------------------------------ 203
Furosemida (Lasix®) --------------------------------------------------------------------------------------------------- 207
5
· G
Ganciclovir (Cymevera®) --------------------------------------------------------------------------------------------------- 213
Gentamicina (Garalone) ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 215
Glibenclamida (Daonil) ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 218
Gluconato de calcio ----------------------------------------------------------------------------------------------------------- 220
Glyss-go ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 225
Guttalax ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 228
· H
Haloperidol ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 231
Hidrato de cloral --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 235
Hidrocortisona (Succinato de hidrocortisona) -------------------------------------------------------------------------- 239
Hidroxizina ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 244
Hytacand ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 247
· I
Ìloprost (Ìlomedim) ------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 250
Ìndapamida --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 252
Ìnsulina --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 255
Ìonosteril® ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 257
· J
Jaba 12 (Cobamida) ---------------------------------------------------------------------------------------------------------- 260
6
· L
Lactulose (Duphalac, Leovolac®) --------------------------------------------------------------------------------------- 262
Lentocilin ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 265
Levomepromazina (Nozinan) --------------------------------------------------------------------------------------------- 268
Lorazepam (Ansilor) --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 270
· M
Manitol -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 275
Metamizol Magnésio (Nolotil®) ------------------------------------------------------------------------------------------- 278
Metformina (Stragid®) ------------------------------------------------------------------------------------------------------ 283
Metildopa (Aldomet) --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 286
Metilprednisolona (Solu-medrol®) --------------------------------------------------------------------------------------- 299
Metoclopramida -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 301
Metronidazol (Flagyl) -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 305
Microclister (Microlax®) ---------------------------------------------------------------------------------------------------- 307
Mirtazapina -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 308
Misoprostol (Cytotec®) ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 311
· N
Nadroparina ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 314
Nifedipina ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 317
Nitroglicerina (Nitradisc®) ------------------------------------------------------------------------------------------------- 322
7
· O
Olanzapina --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 327
Omeprazol (Losec®) -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 330
Oxazepam --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 333
· P
Paracetamol ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 337
Pentoxifilina (Trental 400) -------------------------------------------------------------------------------------------------- 340
Perindopril --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 342
Pirimetamina ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 345
Piroxicam (Flexar®) --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 347
Prednisona (Meticoten®) -------------------------------------------------------------------------------------------------- 352
Profenid (Cetoprofeno) ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 356
Prometazina (Fenergan®) ------------------------------------------------------------------------------------------------ 360
Propacetamol (Perfalgan) ------------------------------------------------------------------------------------------------- 361
Propofol ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 364
Propranolol -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 369
· R
Ranitidina (Zantac®) -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 374
Risperidona (Risperdal) ---------------------------------------------------------------------------------------------------- 377
8
· S
Salbutamol (Ventilan®, combivent®) ----------------------------------------------------------------------------------- 383
Sertralina ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 387
Sinvastatina (Zocor®) ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 388
Soro fisiológico (sol. Ìsotónica de cloreto sódio) --------------------------------------------------------------------- 393
Sucralfato (Ulcermin®) ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 394
Sulfato de glucosamina (Viartril-s) --------------------------------------------------------------------------------------- 397
Sulfato de magnésio -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 400
· T
Tazobac (Piperacilina + tazobactam) ----------------------------------------------------------------------------------- 406
Tiamina (Colimil pó) --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 410
Tiapride (Tiapridal) ----------------------------------------------------------------------------------------------------------- 416
Tiocolquicosido (Relmus, Coltramyl) ------------------------------------------------------------------------------------ 425
Tioridazina (Melleril) --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 427
Tramadol (Cloridrato de tramadol) -------------------------------------------------------------------------------------- 433
Trimetazida (Vastarel) ------------------------------------------------------------------------------------------------------ 437
Tromalyt ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 438
· V
Valproato de Sódio ---------------------------------------------------------------------------------------------------------- 442
Vancomicina ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 447
9
Varfarina ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 452
Varfine -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 454
Venlafaxina (Efexor Xr) ---------------------------------------------------------------------------------------------------- 457
Venofer ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 461
· X
X-prep --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 465
Xanax (Alprazolam) --------------------------------------------------------------------------------------------------------- 467
· Anexos
Quadros sintese -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 470
10
11
/.i.[o.i· (/.i.[o·i.
5Grupo Fármaco - Terapêutico: Antivírico;
5Indicações: Profilaxia das infecções por Herpes simplex em doentes
imunocomprometidos;
5Efeitos secundários:
Alteração da função renal (reversivel) ÷ após administração EV muito rápida.
Naúseas e vómitos ÷ após administração EV.
Raramente: Confusão, alucinações, agitação, tremor, sonolência, psicose e coma
(reversíveis com a paragem do tratamento);
5Administração:
- Diluir frasco ampola de 250mg em 10cc de água para injectáveis ou em NaCl a
0,9%. Voltar a diluir até 20cc ou 50cc;
- Depois de reconstituído pode ser injectado directamente numa veia durante 1h,
usando uma perfusora.
5Interacções / IncompatibiIidade: Desconhecida.
12
.ivo v.cìi[.v[i.ì[i.o (/.¡i·inv©
5Grupo Fármaco - Terapêutico: anticoagulante, antitrombótico, analgésico não-
opiáceo, anti-inflamatório não-esteróide e antipirético.
5Acção: - Produz analgesia e reduz a inflamação e a febre inibindo a produção
de prostaglandinas.
- Diminui a agregação plaquetária.
5Indicações Terapêuticas: Ìnibição da agregação plaquetária nas seguintes
situações:
- na angina de peito instável
- no enfarte agudo do miocárdio
- na profilaxia do reenfarte
- após cirurgia vascular ou intervenções cirúrgicas
- para prevenção de acidentes isquémicos transitórios e trombose cerebral após
manifestação de estádios precursores
- para prevenção de trombose venosa e embolia pulmonar.
Profilaxia prolongada da enxaqueca.
13
5Via de Administração e PosoIogia: Per-os
Analgésico e Antipirético:
- AduIto: 325-500 mg de 3/3 h ou 325-650 mg de 4/4 h ou 600-1000 mg de 6/6
h (não exceder as 4 g/dia).
- Crianças dos 2-11 anos: 65 mg/kg/dia repartidos em 4/6 doses.
Anti-inflamatório:
- AduIto: 2,4 g/dia inicialmente; aumentar para a dose de manutenção de 3,6-
5,4 g/dia dividido em doses.
- Crianças: 80-100 mg/kg/dia dividido em doses.
Prevenção de crises isquémicas transitórias:
- AduIto: 1-1,3 g/dia divididos em 2-4 doses.
Prevenção de enfarte do miocárdio:
- AduIto: 300-325 mg/dia.
5Contra Indicações:
Hipersensibilidade ao ácido acetilsalicílico ou a outros salicilatos.
Úlceras gástricas.
No último trimestre de gravidez.
14
5Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Perturbações gastrointestinais: náuseas, diarreia, vómitos, pirose e
ligeiras perdas sanguíneas gastro-intestinais. Úlceras gastrointestinais, com
risco de perfuração e hemorragia.
Hepatoxicidade.
Anemia.
Tonturas e zumbidos ÷ sintomas de sobredosagem, especialmente em
crianças e idosos.
5Interacções Medicamentosas:
São intensificados:
- a acção de anticoaguIantes
- o risco de hemorragia gastrointestinal em caso de tratamento concomitante
com corticosteróides
- os efeitos dos anti-infIamatórios não esteróides
- a acção das suIfoniIureias
- os efeitos do metotrexato
- as concentrações plasmáticas da digoxina, barbitúricos e Iítio
- os efeitos das suIfonamidas
- os efeitos do ácido vaIpróico.
15
São reduzidos os efeitos de:
- Antagonistas da aIdosterona e diuréticos da ansa
- Anti-hipetensores.
5Cuidados de Enfermagem:
Os comprimidos são ingeridos com líquidos e de preferência após as
refeições ou com alimentos. É aconselhável beber seguidamente uma quantidade
apreciável de líquido (meio copo a um copo de água).
16
.ivo v.cìi[.v[i.ì[i.o )¯0 nv
5Grupo terapêutico: Analgésicos não opiáceos, Anti-inflamatórios não esteróides,
Antipirético, Anti-agregante plaquetar
5Indicações terapêuticas: tratamento de perturbações inflamatórias, incluindo a
artrite reumatóide e a osteoartrite
tratamento de dor ligeira a moderada
profilaxia de crises isquémicas transitórias e de enfarte
do miocárdio
5Contra - Indicações: hipersensibilidade à aspirina, tartrazina ou a outros
salicilatos
pode existir sensibilidade cruzada com outros AÌNE's
perturbações hemorrágicas ou trombocitopénia
5Efeitos Indesejáveis:
- ORL : zumbidos, perda de audição
- GI: dispneia, pirose, perturbações epigástricas, náuseas, vómitos, anorexia, dores
abdominais, hemorragia gastro-intestinal, hepatoxicidade
- Hemato: anemia, hemólise, aumento do tempo de hemorragia
- Outros: edema pulmonar não cardiogénico, reacções alérgicas, incluindo a
anafilaxia e edema da laringe.
17
5Interacções medicamentosas:
- podem aumentar a actividade da penicilina, fenitoína, metrotrexate, ácido
valpróico, hiperglicimiantes orais e sulfonamidas;
- pode antagonizar os efeitos benéficos da probenecida e sulfimpirazona;
- glicocorticóides podem diminuir os níveis de salicilatos no sangue;
- a acidificação urinária acentua a reabsorção e pode aumentar os níveis de
salicilatos no sangue;
- a alcalinização da urina ou a ingestão de grande quantidade de anti-ácidos
promove a excreção e diminuição dos níveis de salicilatos no sangue;
- pode neutralizar a resposta terapêutica aos diuréticos, anti hipertensores e AÌNE's
- aumenta o risco de irritação gastro-intestinal com AÌNE;
- aumenta o risco de ototoxicidade com a a vancomicina;
5Precauções especiais de utiIização:
- história de hemorragia gastro-intestinal ou de úlcera;
- doença renal grave;
- doença hepática grave;
- auto-medicação durante mais de 10 dias sem vigilância médica;
5Modo de administração: Via oral
5Duração do tratamento médio: 1 comprimido uma vez ao dia, ao almoço
18
.ivo Ió[i.o (Io[i.i[©
5 Grupo Fármaco - Terapêutico: antianémico (vitamina)
5 Acção: Necessário para a síntese proteica e para a função dos glóbulos
vermelhos.
Estimula a produção de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas ÷
restabelecimento e manutenção da hematopoiese normal.
É necessário para o desenvolvimento normal do feto.
5 Indicações Terapêuticas:
Prevenção e tratamento de anemias megaloblásticas e macrocíticas.
Administrado durante a gravidez para promover o desenvolvimento normal do
feto.
5 Via de Administração e PosoIogia: Per-os, intramuscular, endovenosa e
subcutânea.
Dose terapêutica:
- AduItos e Crianças > 4 anos: até 1 mg/dia.
Dose de manutenção:
- AduItos e Crianças > 4 anos: 0,4 mg/dia.
- AduItos, Grávidas e Iactantes: 0,8 mg/dia
- Crianças > 4 anos: até 0,3 mg/dia.
- Recém-nascidos: 0,1 mg/dia
19
5Contra - Indicações:
Anemia perniciosa não corrigida: os danos neurológicos serão
progressivos apesar da correcção das anomalias hematológicas.
As preparações contendo álcool benzílico não deverão ser usadas em
recém-nascidos.
Anemias megaloblásticas por carência de vitamina B12.
5Precauções: Anemias não diagnosticadas.
5Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Erupções cutâneas;
Febre.
5Interacções Medicamentosas:
SuIfatarias, metotrexato e triantereno previnem a activação do ácido
fóIico.
A absorção do ácido fóIico é diminuída pela suIfasaIazina.
As necessidades de ácido fóIico são aumentadas pelos estrogénios,
fenitoína ou corticosteróides.
Cuidados de Enfermagem:
Avaliar os sinais de anemia megaloblásticas (fadiga, fraqueza, dispneia)
antes e periodicamente durante a terapêutica.
20
nos doentes epilépticos sob medicação anticonvulsivante, doses elevadas
de ácido fólico podem, especialmente em crianças, desencadear
convulsões e obrigar a aumentar a dose do anticonvulsivnante.
5Duração do tratamento médio: 1 comprimido uma vez por dia
21
/vv[vì v¡
5Categoria Farmacoterapêutica: Anti-hipertensor, vasodilatador, antianginosos
5Grupo FarmacoIógico: Bloqueadores da entrada do cálcio,
5Indicações terapêuticas: Tratamento da hipertensão (apenas nas formas de
libertação prolongada), angina de peito, angina vasoespástica (prinzmetal)
5Formas Farmacêuticas disponíveis no mercado:
- Comprimidos de libertação prolongada
- Cápsulas
- Solução oral
5PosoIogia e modo de administração (por indicação terapêutica):
- !O (adulto): 10-30 mg 3 vezes por dia (não exceder o 180 mg/dia) ou 30-90 mg
1 vez por dia na forma de libertação retardada (não exceder os 90-120 mg/dia.
- SL (adulto): 10 mg; pode ser repetido após 15 minutos (não descrito).
22
5Resumo do mecanismo de acção (Farmacodinâmica): Ìnibe o transporte do
cálcio para as células do miocárdio e do músculo liso vascular, resultando na
inibição do acoplamento excitação-contracção e da contracção subsequente. Tem
como efeitos terapêuticos vasodilatação sistémica resultando na diminuição da
pressão arterial, vasodilatação coronária resultando na diminuição da frequência
e da severidade das crises de angina.
5Características Farmacocinéticas:
Absorção: Bem absorvido após administração oral, mas extensivamente
metabolizado resultando numa diminuição da bio disponibilidade (45-75%); a bio
disponibilidade é aumentada (80%) com as formas de acção prolongada.
Distribuição: Desconhecida
Metabolismo e excreção: Maioritariamente metabolizado pelo fígado
Semi-vida: 2-5 horas
23
5Interacções medicamentosas de maior reIevância:
Ermaco-fErmaco: pode ocorrer hipotensão aditiva quando usado
simultaneamente com o fentanil, outros fármacos anti-hipertensores, nitratos,
ingestão aguda de álcool, ou quinidina. Os efeitos anti-hipertensivos podem ser
diminuídos pelo uso concomitante com AÌNE's, pode aumentar os níveis
sanguíneos e o risco de toxicidade de digoxina. O uso simultâneo com
bloqueadores adrenérgicos beta, digoxina, disopiramida, ou fenitoina pode resultar
em bradicardia, defeitos de condução, ou insuficiência cardíaca congestiva. A
cimetidina e o propanolol podem diminuir o metabolismo e aumentar o risco de
toxicidade. Pode diminuir o metabolismo e aumentar o risco de toxicidade da
ciclosporina, prazosina, quinidina, ou da carbamazepina.
Ermaco-alimento: o sumo de toranja aumenta os níveis sanguíneos
5Efeitos secundários:
SNC: cefaleias, sonhos anormais, ansiedade, confusão, tonturas, sonolência,
trémulo, nervosismo, distúrbios psiquiátricos, fraqueza.
ORL: visão turva, dispneia, falta de ar
CV: arritmias, insuficiência cardíaca congestiva, edema periférico, bradicardia, dor
no peito, hipotensão, palpitações, síncope, taquicardia.
24
GÌ: testes da função hepática anormais, anorexia, obstipação, diarreia, boca seca,
dispepsia, náuseas, vómitos.
GU: disúria, nictúria, poliuria, disfunção sexual, frequência urinária.
Derm: rubor, dermatite, eritema multiforme, aumento da sudação,
fotossensibilidade, prurido/urticária, erupções.
Endo: ginecomastia, hiperglicémia.
Hemat: anemia, leucopenia, trombocitopénia.
Metab: ganho de peso.
ME: rigidez articular, cãibras musculares
Neuro: parestesias, tremuras.
Outros: síndroma stevens-johnson, hiperplasia gengival.
5Contra-indicações: Hipersensibilidade, síndroma do nó sinusal, bloqueio AV do
2º e 3º grau (a não ser que esteja colocado um pacemaker artificial), pressão
arterial < 90 mmHg.
5Advertências e precauções especiais de utiIização: Disfunção hepática
severa (é recomendada a redução da dose), antecedentes de porfiría, doentes
geriátricos (recomenda-se diminuição da posologia, risco de hipotensão
aumentado), disfunção renal severa (pode ser necessária a redução da posologia),
história de arritmias ventriculares graves ou de insuficiência cardíaca congestiva,
gravidez, lactação ou crianças (segurança ainda não estabelecida).
25
5ImpIicações para a enfermagem:
- Monitorização / avaliação inicial
. Monitorizar a pressão arterial e o pulso antes da terapêutica, durante a titulação
da terapêutica.
. Monitorizar o balanço hídrico e o peso diariamente. Avaliar os sinais de
insuficiência cardíaca congestiva (edema periférico, fervores, dispneia, ganho de
peso, distensão da veia jugular.
. Os utentes recebendo glicosídeos digitálicos simultaneamente com a nifedipina
devem realizar testes de rotina aos níveis séricos de glicosídeos digitálicos e
devem ser monitorizados os sinais e sintomas de toxicidade digitálica.
. Angina: avaliar a localização, duração, intensidade, e factores precipitantes da
dor anginosa do doente.
- valiação da eficEcia terapêutica
A eficácia terapêutica pode ser demonstrada por: diminuição da pressão arterial,
diminuição da frequência e severidade das crises de angina, diminuição da
necessidade de terapêutica com nitratos, aumento da tolerância à actividade
física e da sensação de bem-estar.
26
/.ì·v¡iv
5$ubstância activa: Ìnsulina humana Monocompetente (Ìnsulina de Acção
Rápida).
5ndicações:
Diabetes mellitus;
Cetoacidose diabética;
Gravidez e parto (situação temporária);
Coma e pré-coma hiperglicémico (situações de urgência).
5#eacções adversas:
Reacções locais provocadas pelas injecções;
Nalguns doentes obesos podem ocorrer situações de lipodistrofia no local da
injecção;
No mau seguimento da terapêutica podem surgir situações de hiperinsulinémia,
hipoglicémia ou hiperglicémia.
27
5ontra-indicações e precauções:
Hipoglicémia;
Utentes submetidos a terapêutica com bloqueadores adrenérgicos beta;
Ìndivíduos com doença coronária ou cerebrovascular;
Alcoólicos;
Reduzir a dose em situações de insuficiência renal. Doses elevadas podem
provocar hipoglicémia.
5nteracções:
Com os ÌECAs, bloqueadores adrenérgicos beta, álcool, ÌMAOs, testosterona,
esteróides anabolizantes e salicilatos observa-se potenciação dos efeitos
hipoglicemiantes.
5!osologia:
Por via subcutânea, ÌM ou ÌV de acordo com a situação clínica do doente.
Nas insulinas de acção rEpida incluem-se as insulinas solúveis. Têm o início de
acção entre 15-30 minutos, a actividade máxima entre 3 a 5 horas, terminando o
seu efeito 6 a 8 horas após a administração.
28
/[vinvìc^
5 Grupo Fármaco - Terapêutico: anti-inflamatório não esteróide com potente
acção analgésica não opiáceo.
5 Indicações Terapêuticas: Síndromas dolorosos de qualquer etiologia,
intensidade ou localização.
5 Via de Administração e PosoIogia:
Adultos e crianças > 10 anos:
- Per-os: 1 comprimido 3 a 4 vezes/dia.
- IntramuscuIar: 1 ampola até 4 vezes por dia.
- Endovenosa: 1 ampola até 4 vezes por dia
5 Contra-Indicações:
Patologia renal.
Úlcera péptica ou hemorragia digestiva.
5 Precauções:
Grávidas: embora não se tenham comprovado experimentalmente
qualquer efeito sobre a gestação, não se aconselha o seu uso durante a gravidez.
29
Crianças: as doses preconizadas não estão indicadas em crianças com
menos de 10 anos.
Ìdosos ou doentes com patologias especiais: nestes grupos de doentes
convém estar atento aos efeitos secundários que poderão intensificar-se.
5 Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Sensação de enfartamento gástrico ou pirose.
Náuseas, vómitos, gastrite e sonolência.
Úlcera gastro-duodenal ou gastro-duodenite erosiva que pode complicar
com hemorragia.
5 Interacções Medicamentosas: Não se conhecem interacções
medicamentosas.
5 Cuidados de Enfermagem:
Per-os: Os comprimidos devem ser engolidos inteiros com o auxílio de um
copo de água. Não partir nem mastigar.
Endovenosa: administrar lentamente, em veia de bom calibre.
30
/[o¡v·ino[ (Zv·in©
5lassificação Farmacoterapêutica: Antigotoso
5omposição Qualitativa e Quantitativa: Comprimidos: Alopurinol - 100mg.
ndicações Terapêuticas: O ZURÌM está indicado nas situações clínicas em que se verifica a
deposição de uratos/ácido úrico: artrite gotosa, tofos cutâneos, litíase renal por cristais de uratos.
Estas manifestações ocorrem na gota ideopática, lítiase úrica, doenças neoplásicas e
mieloproliferativas nas quais a hiperuricémia ocorre espontaneamente ou depois da terapêutica
citotóxica, distúrbios enzimáticos que levam a hiperprodução de uratos.
5!osologia Usual: A dose mínima eficaz é de 100 a 200 mg diários e a dose máxima
recomendada é de 800 mg/dia.
A posologia média é de 200 a 400 mg diários que podem ser administrados numa dose única ou
divididos em 2 doses depois das refeições.
A dose de manutenção consegue-se, habitualmente, com 1 comprimido diário de 300 mg.
O nível normal de uricémia é atingido ao cabo de uma a três semanas de terapêutica.
Durante a terapêutica com ZURÌM é essencial que o volume diário de urina seja mantido a um
mínimo de 2 litros.
A dose aconselhada em crianças com idade inferior a 15 anos é de 10 ÷ 20 mg/kg de peso/dia.
Nos idosos deve usar-se a dose mais baixa que produza redução satisfatória dos uratos.
Recomendações nos casos de Ìnsuficiência Renal: As doses iniciais nestes pacientes deverão ser
mais baixas que as dos pacientes com função renal normal. Recomenda-se 200 mg diários de
Alopurinol nos pacientes com clearance de creatinina de 10-20 ml/min., não devendo exceder-se
os 100 mg de Alopurinol diários quando a clearance é inferior a 10 ml/min..
31
Recomenda-se a seguinte adaptação da dose em relação com a clearance
da creatinina:
Clearance da creatinina ml/minuto Dose de manutenção
0 100 mg de 3 em 3 dias
10 100 mg de 2 em 2 dias
20 100 mg diários
40 150 mg diários
60 200 mg diários
80 250 mg diários
5 ontra-ndicações: ZURÌM está contra-indicado nos pacientes que já
demonstraram reacções de hipersensibilidade ao Alopurinol.
5 !recauções Especiais de Utilização: Como acontece com todas as drogas
uricosúricas, recomenda-se o uso profiláctico de Colchicina durante as fases
iniciais do tratamento com ZURÌM. Recomenda-se igualmente uma ingestão
abundante de líquidos a fim de manter uma diurese elevada e a urina deve
apresentar uma reacção neutra ou alcalina.
O uso em crianças restringe-se a condições malignas (especialmente a
leucemia) e a certos distúrbios enzimáticos em particular a Doença de Lesch-
Nyhan.
32
5nteracções Medicamentosas e Outras: São conhecidas as interacções do
Alopurinol com o Probenecid e outros uricosúricos, fármacos anti-neoplásicos (6-
mercapto-purina, azatioprina e ciclofosfamida), com agentes anticoagulantes
orais, ampicilina e amoxicilina. A dose de Alopurinol deverá ser aumentada se o
paciente tomar concomitantemente diazóxido, alguns diuréticos, pirazinamida e
mecalmilamina.
5rávidas, Lactentes, rianças, dosos e Outros Doentes:
Efeitos em grávidas, lactentes, crianças, idosos e doentes com patologias
especiais: Porque é desconhecido o seu efeito no feto humano o Alopurinol só
deverá ser usado durante a gravidez quando claramente necessário, e sob
vigilância clínica.
O Alopurinol e o seu metabolito oxipurinol distribuem-se no leite.
O Alopurinol deve ser usado com precaução em mulheres em fase de aleitação.
5Efeitos ndesejáveis:
Durante a terapêutica com ZURÌM poderá verificar-se o aparecimento de diarreia
com cólicas abdominais intermitentes, erupção cutânea e febre moderada, que
desaparecem após a suspensão do tratamento.
33
/nino{i[inv
5Grupo Fármaco - Terapêutico: Antiasmático (xantina);
5Acção: Relaxamento do músculo liso brônquico (vasodilatação) e
diminuição do edema da mucosa brônquica pela inibição das prostaglandinas;
5Indicações Terapêuticas:
Asma Brônquica.
Estados asmáticos.
5Via de Administração e PosoIogia: Per ÷ os e endovenosa.
Per-os: 100/200 mg, 3 a 4 vezes/dia.
Endovenosa: 250/500 mg (5 mg/kg).
5Contra-Indicações:
Enfarte do miocárdio recente;
Arritmias cardíacas;
Úlceras gastrointestinais;
Epilepsia.
34
5 Condições de Conservação:
Ampolas protegidas da luz;
Temperatura de armazenamento inferior a 25ºC.
5 Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Náuseas;
Dor abdominal;
Cefaleias;
Tremor;
Ìnsónia;
Palpitações;
Convulsões;
Arritmias;
5 Cuidados de Enfermagem:
Per-os: administrar depois das refeições;
Via endovenosa: com o doente na posição de deitado. A administração
deve ser lenta, 5-10 minutos, de forma a evitar hipotensão.
35
/niovv·onv ((o·vv·onc©
5Grupo Fármaco-terapêutico: Antiarrítmico (Prolongador da repolarização
Actua no aparelho cardiovascular, sendo um anti-arritmico que funciona como
prolongador da repolarização e um vasodilatador usado como anti-anginoso;
5Acção:
- Prolongamento do potencial de acção.
- Ìnibição da estimulação adrenérgica.
- Provoca diminuição do ritmo sinusal, aumento dos intervalos PR e ST, e diminuição
da resistência vascular periférica (vasodilatação).
5Indicações terapêuticas: Tratamento/profilaxia de arritmias ventriculares letais
que não respondam a agentes tóxicos;
5Uso não Registado: Tratamento da taquicardia paroxistica supra-ventricuIar;
5Contra - Indicações:
- disfunção grave do nó sinusal;
- bloqueio AV do 2º e 3º grau;
- bradicardia;
- gravidez e lactação;
36
5Efeitos Indesejáveis:
SNC ÷ indisposição, fadiga, tonturas, insónia, cefaleias;
ORL ÷ minodepósitos na córnea, alterações do paladar, alterações do olfacto,
secura ocular, neurite óptica, fotofobia;
Resp ÷ fibrose pulmonar, sindroma do sofrimento res. Do adulto;
CV - ÌCC, bradicardia, agravamento das arritmias, hipotensão;
GI ÷ nauseas, vómitos, obstipação, anorexia, alteração da função hepática, dor
abdominal, alteração do paladar;
GU - Diminuição da libido, epididimite;
Derm ÷ necrólise epidérmica tóxica, fotossensibilidade, coloração azulada;
Endo ÷ hipotiroidismo, hipertiroidismo;
Neuro ÷ ataxia, tremores, movimentos involuntários, fraca coordenação, neuropatia
periférica, parestesia;
5Interacções medicamentosas:
- aumenta os níveis sanguíneos da digoxina podendo originar toxicidade
- aumenta os níveis sanguíneos e pode originar toxicidade de outros anti-arritmicos
do Grupo Ì ( quinidina, procainamida, mexiletina, lidocaína opu flecainida)
- aumenta os níveis sanguíneos da fenitoína e ciclosporina
- a fenitoína diminui os níveis sanguíneos de amiodarona
37
- aumenta a actividade da varfarina
- aumenta o risco de bradiarritmias, paragem sinusal, bloqueio AV com bloqueadores
beta ou com bloqueadores dos canais de cálcio
- a colestiramina pode diminuir os níveis sanguíneos da amiodarona
- a cimetidina aumenta os níveis sanguíneos da amiodarona
- o risco de depressão miocárdica é aumentada pelos anestésicos voláteis e por
adjuvantes da anestesia
5Precauções especiais de utiIização:
- história de ÌCC
- perturbações da tiróide
- doença pulmonar ou hepática grave
- crianças
5Modo de administração: Via Oral
5Duração do tratamento médio: 1/2 comprimido de 200mg por dia = 100mg PO dia
38
5Via de Administração e PosoIogia: Per-os ou endovenosa.
- Arritmias ventriculares:
Per-os (adultos): 800/1600 mg/dia em 1-2 doses durante 1-3 semanas, depois
600/800 mg/dia durante um mês, passar depois para uma dose de manutenção de
400 mg/dia.
Per-os (criança): 10 mg/kg/dia durante 10 dias ou até ocorrer uma resposta ou se
verificarem efeitos secundários, depois 5mg/kg/dia ou para a dose eficaz mais
baixa.
Endovenoso (adultos): 150 mg durante 10 min. Seguido de 360 mg durante 6 h
seguintes e depois 540 mg durante 18 h seguintes. Continuar a perfusão de 0,5
mg/min. Até iniciar a terapêutica oral. Se ocorrer arritmia, deverá ser administrada
uma pequena dose de indução de 150 mg durante 10 min.
- Taquicardia supraventricular:
Per-os (adulto): 600/800 mg/dia durante uma semana ou até ocorrer a resposta
pretendida ou se desenvolvam efeitos secundários, depois diminuir para 400 mg/dia
durante 3 semanas, depois administrar dose de manutenção de 200/400 mg/dia.
Per-os (criança): 10mg/kg/dia durante 10 dias ou até ocorra a resposta pretendida
ou se desenvolvam efeitos secundários, depois 5mg/kg/dia durante várias semanas,
diminuir então para 2,5 mg/kg/dia ou para a dose eficaz mais baixa.
39
5Cuidados de Enfermagem: Monitorização electrocardiografica continua
durante a terapêutica EV ou no início da terapêutica oral.
EV: Monitorizar frequentemente a pressão arterial durante a
terapêutica, pelo risco de hipotensão nas primeiras horas da terapêutica,
estando relacionada com o ritmo de perfusão. Em caso de hipotensão reduzir o
ritmo de perfusão.
PO: Avaliar os sinais de disfunção da tiróide: letargia, aumento de
peso, edema das mãos e dos pés, pele fria e pálida (hipotiroidismo) ou
taquicardia, perda de peso, nervosismo, sensibilidade ao calor, insónia, pele
quente e corada e húmida (hipertiroidismo). Perante uma situação de
hipotiroidismo ter-se-á que reduzir a dose ou mesmo suspender a terapêutica e
administrar suplementos de hormona tiroideia. Em caso de hipertiroidismo
dever-se-á fazer a suspensão da terapêutica e tratamento com antitiroideos.
40
/ni.v[¡·ivc (/niì·c.©
Grupo Fármaco-terapêutico: Antipsicótico;
Composição quaIitativa e quantitativa: Amisulpride 200 mg;
Forma farmacêutica: Comprimido;
Indicações terapêuticas: Amisulpride está indicado para o tratamento das
perturbações esquizofrénicas agudas e crónicas:
- Sintomatologia produtiva com ideias delirantes, alucinações, alterações do
pensamento, sentimentos de hostilidade e desconfiança.
- Sintomatologia negativa primária (síndroma deficitário) com embotamento afectivo
e dificuldades no estabelecimento de relações sociais e emocionais.
- Amisulpride também minoriza os sintomas negativos secundários dos estados
produtivos, assim como os sintomas afectivos tais como humor deprimido e
lentificação.
41
5PosoIogia e Modo de administração:
Na sintomatologia produtiva recomenda-se doses orais entre 400 mg/dia e 800
mg/dia. Em casos individuais, a dose diária pode ser aumentada até 1200
mg/dia. Doses acima de 1200 mg/dia não foram suficientemente avaliadas no
que respeita à segurança e, portanto, não devem ser usadas. Não é necessária
titulação específica quando do início do tratamento com Amisulpride. As doses
devem ser ajustadas de acordo com a resposta individual. O tratamento de
manutenção deve ser estabelecido individualmente com a dose mínima eficaz.
Na sintomatologia negativa primária (síndroma deficitário) recomenda-se doses
entre 50 mg/d e 300 mg/d. As doses devem ser ajustadas individualmente.
Amisulpride pode ser administrado uma vez ao dia em doses orais até 300 mg;
doses superiores devem ser administradas duas vezes ao dia.
Ìdoso: Amisulpride deve ser usado com particular precaução devido ao possível
risco de hipotensão ou sedação.
Crianças: Amisulpride está contra-indicado até ao início da puberdade visto a
sua segurança ainda não estar estabelecida.
42
Insuficiência renaI: Amisulpride é eliminado por via renal. No caso de
insuficiência renal, a dose deve ser reduzida para metade nos doentes com
clearance da creatinina entre 10-30 ml/min.. Recomenda-se particular cuidado
nos doentes com insuficiência renal grave (clearance) da creatinina < 10 ml/min.)
visto não haver experiência com estes doentes (ver Advertências e Precauções
especiais de utilização).
Insuficiência hepática: Como o fármaco é fracamente metabolizado não será
necessário reduzir a dosagem.
Contra-indicações:
- Hipersensibilidade à substância activa ou a qualquer dos excipientes.
- Tumores prolactino-dependentes associados, como por exemplo, tumores da
hipófise (prolactinomas) e cancro da mama.
- Feocromocitoma.
- Crianças até ao início da puberdade.
- Lactação.
- A associação com os seguintes medicamentos poderá induzir torsades de
pointes:
- Agentes anti-arrítmicos da classe Ìa tais como quinidina, disopiramida.
43
- Agentes anti-arrítmicos da classe ÌÌÌ tais como amiodarona, sotalol.
- Outros medicamentos tais como bepridil, cisapride, sultopride, tioderazina,
eritromicina ÌV, vincamina ÌV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina.
-Associação com levodopa (ver Ìnteracções medicamentosas e outras).
Advertências e Precauções especiais de utiIização:
Como para todos os neurolépticos, pode ocorrer o Síndrome Maligno dos
Neurolépticos caracterizado por hipertermia, rigidez muscular, sintomatologia
neuro-vegetativa, alteração do estado de consciência e elevação da CPK. No
caso de hipertermia, particularmente quando se administram doses diárias
elevadas, todos os fármacos antipsicóticos, incluindo o Amisulpride, devem ser
descontinuados.
Amisulpride é eliminado por via renal. No caso de insuficiência renal grave, a dose
deve ser reduzida e poderá ser prescrito um tratamento de forma intermitente (ver
Posologia e Modo de administração).
Amisulpride pode baixar o limiar epileptogénico. Assim, os doentes com
antecedentes de epilepsia deverão ser rigorosamente monitorizados durante o
tratamento com Amisulpride.
Nos doentes idosos, tal como para outros neurolépticos, o Amisulpride deverá ser
usado com particular precaução devido ao possível risco de hipotensão ou
sedação.
44
Tal como para outros agentes antidopaminérgicos, dever-se-á ter precaução quando da
prescrição de Amisulpride a doentes com doença de Parkinson visto poder haver
agravamento da doença. Amisulpride só deverá ser usado se o tratamento com
neurolépticos não puder ser evitado.
Prolongamento do intervalo QT:
Amisulpride provoca prolongamento, dose-dependente, do intervalo QT. Este efeito,
conhecido por aumentar o risco de arritmia ventricular grave tal como torsades de
pointes é potenciado pela pré-existência de bradicardia, hipocaliémia ou intervalo QT
longo congénito ou adquirido.
Antes de administrar este medicamento, e se o quadro clínico o permitir, é necessário
verificar se existem factores que possam promover a ocorrência de arritmia, tais como:
- bradicardia inferior a 55 bpm,
- hipocaliémia,
- prolongamento congénito do intervalo QT,
- existência de medicação passível de provocar bradicardia pronunciada (< 55 bpm),
hipocaliémia, lentificação da condução intracardíaca ou prolongamento do intervalo QTc
(ver Ìnteracções medicamentosas e outras).
45
5Interacções medicamentosas e outras formas de interacção:
Associações contra-indicadas:
Medicamentos que podem induzir torsades de pointes:
Agentes anti-arrítmicos da classe Ìa tais como quinidina, disopiramida.
Agentes anti-arrítmicos da classe ÌÌÌ tais como amiodarona, sotalol.
Outros medicamentos tais como bepridil, cisapride, sultopride, tioderazina,
eritromicina ÌV, vincamina ÌV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina.
Levodopa: Antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos.
Associações não aconselhadas:
Amisulpride pode aumentar os efeitos centrais do álcool.
Associações que requerem precaução:
Medicamentos que aumentam o risco de torsades de pointes:
Medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes,
bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem
e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos.
Medicamentos indutores de hipocaliémia, diuréticos espoliadores de potássio,
laxantes estimulantes, anfotericina B ÌV, glucocorticóides, tetracosactidos.
Deverá corrigir-se a hipocalémia.
46
Neurolépticos tais como pimozide, haloperidol, antidepressores imipramina, lítio.
Associações a ter em atenção:
Depressores do SNC incluindo narcóticos, analgésicos, sedativos anti-histamínicos H1,
barbitúricos, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, clonidina e derivados.
Medicamentos anti-hipertensores e outras medicações hipotensivas.
5Gravidez e AIeitamento:
Gravidez: Nos animais, o Amisulpride não apresentou toxicidade reprodutiva. Observou-se
uma diminuição na fertilidade ligada aos efeitos farmacológicos do medicamento (efeito
mediado pela prolactina). Não se verificaram efeitos teratogénicos com o Amisulpride.
Na mulher não foi estabelecida a segurança do uso de Amisulpride durante a gravidez.
Assim, não se recomenda a utilização deste medicamento durante este período, a não ser
que o benefício justifique o risco potencial.
Aleitamento: Não se sabe se o Amisulpride é excretado no leite materno, pelo que a
amamentação está contra-indicada
5Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utiIizar máquinas:
Mesmo nas doses recomendadas, o Amisulpride pode afectar o tempo de reacção pelo que
a capacidade de condução de veículos e utilização de máquinas pode estar diminuída.
47
5Efeitos indesejáveis:
Observaram-se, em ensaios clínicos controlados, os seguintes efeitos adversos. Nalguns
casos, pode ser difícil diferenciar os efeitos adversos dos sintomas associados à doença.
Efeitos adversos frequentes (5-10%):
Ìnsónia, ansiedade, agitação.
Efeitos adversos pouco frequentes (0,1-5%):
Sonolência, tontura.
Perturbações gastrointestinais tais como obstipação, náuseas, vómitos, boca seca.
Tal como para outros neurolépticos:
Amisulpride aumenta os níveis plasmáticos de prolactina, aumento este reversível após a
descontinuação do tratamento. Ìsto pode resultar em galactorreia, amenorreia ou
perturbações menstruais, ginecomastia, mastodinia, disfunção orgástica e impotência.
Pode ocorrer aumento ponderal durante o tratamento com Amisulpride.
Pode aparecer distonia aguda (torcicolis, crises oculogiras, trismus...), reversível sem a
descontinuação do Amisulpride mas com tratamento com um agente antiparkinsónico.
Podem ocorrer sintomas extrapiramidais: tremor, rigidez, bradicinésia, sialorreia, acatisia.
Nas dosagens recomendadas estes sintomas são geralmente moderados e parcialmente
reversíveis sem a descontinuação do Amisulpride mas com administração de medicação
antiparkinsónica. A incidência destes efeitos é dose-dependente e, no tratamento de
doentes com predominância de sintomas negativos, esta incidência é baixa, nas doses de
50-300 mg/dia.
48
Foi reportada disquinésia tardia, caracterizada por movimentos involuntários
rítmicos, principalmente da língua e/ou da face, normalmente após tratamentos
prolongados. A medicação antiparkinsónica não é eficaz e pode induzir
agravamento dos sintomas
Reportaram-se, ocasionalmente, casos de hipotensão e bradicardia. Também se
reportaram casos de prolongamento do intervalo QT e casos muito raros de
torsades de pointes.
Reportaram-se, muito raramente, reacções alérgicas, aumento das enzimas
hepáticas, principalmente das transaminases, e casos de crises convulsivas.
Foram reportados casos muito raros do Síndrome Maligno dos Neurolépticos (ver
Advertências e Precauções especiais de utilização).
Sobredosagem:
A experiência com o Amisulpride em sobredosagem é limitada.
Reportaram-se casos em que os efeitos farmacológicos habituais estavam
exacerbados: sonolência e sedação, coma, hipotensão e sintomas extrapiramidais.
No caso de sobredosagem aguda, deverá ser considerada a possibilidade de
ingestão múltipla de medicamentos.
49
Como o Amisulpride é fracamente metabolizado, não há vantagem em fazer
hemodiálise para eliminar o medicamento.
Não há antídoto específico para o Amisulpride.
Assim, deverão ser instituídas medidas de suporte apropriadas: vigilância
rigorosa das funções vitais e a monitorização cardíaca contínua (risco de
prolongamento do intervalo QT) até à recuperação do doente.
No caso de sintomas extrapiramidais graves deverão ser administrados agentes
anticolinérgicos.
Propriedades farmacodinâmicas:
Grupo farmacoterapêutico: Grupo ÌÌ-8-b- Psicodepressores e neurolépticos.
N05AL05 ÷ Benzamidas (classificação ATC).
No homem, o Amisulpride liga-se selectivamente, com elevada afinidade, aos
receptores dopaminérgicos D2/D3 não apresentando afinidade para os
receptores D1, D4 e D5.
Ao contrário dos neurolépticos clássicos e atípicos, o Amisulpride não tem
afinidade para os receptores serotoninérgicos, a-adrenérgicos, histamínicos H1 e
colinérgicos. Além disso, o Amisulpride não se fixa aos locais de ligação sigma.
Em doses elevadas o Amisulpride bloqueia preferencialmente os receptores D2
pós-sinápticos localizados nas estruturas límbicas em comparação com os
localizados no sistema nigro-estriado. Ao contrário dos neurolépticos clássicos o
Amisulpride não induz catalepsia e a hipersensibilidade para os receptores
dopaminérgicos D2 não aumenta após tratamento repetido.
50
Em doses baixas o Amisulpride bloqueia preferencialmente os receptores D2/D3
pré-sinápticos, produzindo um aumento da libertação da dopamina, responsável
pelos efeitos desinibidores.
Parece que este perfil farmacológico atípico explica a eficácia clínica do
Amisulpride no tratamento dos sintomas positivos e negativos da esquizofrenia,
apresentando uma fraca tendência para produzir efeitos secundários
extrapiramidais.
Propriedades farmacocinéticas:
No homem, o Amisulpride apresenta dois picos de absorção: Um que é atingido
rapidamente, uma hora pós-dose e um segundo entre 3 e 4 horas após a
administração. As concentrações plasmáticas correspondentes são 39+3 e 54+4
ng/ml após uma dose de 50 mg.
O volume de distribuição é 5,8 l/kg, a ligação às proteínas plasmáticas é baixa
(16%) e são pouco esperadas interacções medicamentosas.
A biodisponibilidade absoluta é 48%. Amisulpride é fracamente metabolizado:
foram identificados dois metabolitos inactivos, que correspondem
aproximadamente a 4% da dose. Não há acumulação de Amisulpride e a sua
farmacocinética permanece inalterada após a administração de doses repetidas.
Após uma dose oral, a semi-vida de eliminação do Amisulpride é de
aproximadamente 12 horas.
51
Amisulpride é eliminado, inalterado na urina. 50% de uma dose intravenosa é excretada por via
urinária, sendo 90% desta eliminada nas primeiras 24 horas. A clearance renal é da ordem de 20 l/h ou
330 ml/min..
A ingestão de alimentos não afecta o perfil cinético do Amisulpride.
Ìnsuficiência hepática: Como o fármaco é fracamente metabolizado não será necessário reduzir a
dosagem nos doentes com insuficiência hepática.
Ìnsuficiência renal: Nos doentes com insuficiência renal a semi-vida de eliminação mantém-se
inalterada mas a clearance sistémica está reduzida por um factor de 2,5 a 3. Nos doentes com
clearance de creatinina < 30 ml/min. as doses podem ser reduzidas para um terço.
Amisulpride é fracamente dializado.
Nos indivíduos idosos (> 65 anos) as alterações farmacocinéticas do Amisulpride são menores (AUC +
10%), provavelmente devido a uma modificação da função renal.
Dados de segurança pré-cIínica: Uma revisão global dos estudos sobre a segurança indica que o
Amisulpride está desprovido de riscos gerais, específicos de órgão, teratogénicos, mutagénicos e
carcinogénicos. A margem de segurança é satisfatória se considerarmos que as alterações observadas
nos ratos e nos cães com doses inferiores à dose máxima tolerada são devidas ao efeito farmacológico
ou a efeitos toxicológicos major inerentes a estas condições. Comparadas com as doses máximas
recomendadas no Homem estas doses são 15 (rato) e 6 (cão) vezes superiores.
Lista dos excipientes: Amido de batata, lactose monohidratada, metilcelulose, sílica coloidal
hidratada, estearato de magnésio.
IncompatibiIidades: Não são conhecidas.
Precauções especiais de conservação: Não são necessárias precauções especiais de conservação.
Instruções de utiIização e de manipuIação: Não existem requisitos especiais.
52
/n[ovi¡inv
5Grupo Fármaco - Terapêutico: Antianginoso; Anti-hipertensor (bloqueador dos canais de
cálcio)
5Acção: Ìnibe o transporte de cálcio para o miocárdio e para as células do músculo liso vascular,
resultando na inibição do acoplamento e excitação ÷ contracção e subsequente contracção ÷
vasodilatção sistémica resultando na diminuição da pressão arterial; vasodilatação coronária
resultando na diminuição da frequência e severidade das crises de angina.
5Indicações terapêuticas: Ìsoladamente ou com outros fármacos no tratamento da hipertensão,
angina de peito, angina vasoespástica.
5Via de administração e PosoIogia: Per-os.
Per-os:
- Adultos: 5-10 mg/dia; nti-hipertensor em doentes frEeis ou de pequena estatura ou doentes
com outra terapêutica anti-hipertensora ÷ começar em 2,5 mg/dia, aumentar conforme for
necessário e tolerado (até 10 mg/dia) como na terapêutica anti-hipertensora em doentes com
insuficiência hepática.
- Doentes geriátricos: nti-hipertensor ÷ iniciar a terapêutica com 2,5 mg/dia, aumentar conforme
for necessário e tolerado (até 10 mg/dia); nt-aninoso ÷ iniciar a terapêutica com 5 mg/dia,
aumentar conforme for necessário e tolerado (até 10 mg/dia).
-Ìnsuficiência hepática (Adultos): nti-hipertensor ÷ iniciar terapêutica com 2,5 mg/dia, aumentar
conforme for necessário e tolerado (até 10 mg/dia); ntianinoso ÷ iniciar terapêutica com 5
mg/dia, aumentar conforme for necessário/tolerado (até 10 mg/dia)
53
5Contra-indicações:
Hipersensibilidade.
Pressão arterial < 90 mmHg.
5Precauções:
Ìnsuficiência hepática severa (recomenda-se redução da dose).
Doentes geriátricos (recomenda-se redução da dose; risco de hipotensão
aumentado).
Estenose aórtica.
História de insuficiência cardíaca congestiva.
Gravidez, lactação, ou crianças (segurança ainda não estabelecida)
5Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Cefaleias, tonturas, fadiga.
Edema periférico, angina, bradicardia, hipotensão, palpitações.
Hiperplasia gengival, náuseas.
Rubor.
5Interacções medicamentosas:
Pode ocorrer hipotensão aditiva quando usada concomitantemente com
fentaniI, outros fármacos anti-hipertensores, nitratos, ingestão aguda de áIcooI, ou
quinidina.
54
Os efeitos anti-hipertensores podem ser diminuídos pelo uso concomitante com
anti-infIamatórios não esteróides.
Pode aumentar o risco de neurotoxicidade com Iítio.
5Cuidados de Enfermagem:
Monitorizar a pressão arterial e o pulso antes da terapêutica, durante a
determinação laboratorial da dose e periodicamente durante a terapêutica.
Monitorizar o ECG periodicamente durante terapêutica prolongada.
Monitorizar a ingestão e as taxas de excreção e os pesos diários.
Avaliar sinais de insuficiência cardíaca congestiva (edema periférico, crepitações
pulmonares, dispneia, ganho de peso, distensão jugular venosa).
Angina: Avaliar a localização, duração, intensidade e factores de
precipitação da angina do doente.
55
/n{oìc·i.inv
Nome Genérico Apresentacões Comerciais
AnIotericina Fungizone
TM
50mg
5Indicações: Micoses sistémicas graves e/ou micoses profundas. Ìnfecções
fúngicas.
5Efeitos secundários: Hipocaliemia, azotémia, aumento da creatinina sérica,
acidose tubular renal, cefaleias, náuseas, vómitos, lombalgias, reacções
alérgicas graves (raro).
5Preparação:
Qualquer que seja a via de administração, deve sempre ser pré-diluído em 10cc
de Eua esterilizada para injectáveis (sem agente bacteriostático), obtendo-se
uma diluição de 5mg/ml.
A Anfotericina deve ser preparada com máscara com viseira, bata e luvas.
Após reconstituído, tem estabilidade de 24 horas, no frigorífico.
56
Administração: Ìnalação ou Ìnjecção Ìntratraqueal
- Ìnalação por: Ventilação Mecânica, Máscara Facial ou Bucal:
Retirar a dose prescrita da ampola (não voltar a diluir!) e colocar no reservatório
que está adaptado à traqueia, máscara ou ao bucal.
No caso da máscara facial, o preparado é colocado num reservatório de cor lilás
que se adapta no topo superior a uma máscara de O2, e na zona inferior ao tubo de
oxigénio (que vem do debitómetro).
Deve ser colocada uma rosca de cor verde na saída do debitómetro de oxigénio
(sem humidificador). Esta adaptação permite a pressão exacta para que a
nebulização seja efectuada em micro partículas de dimensões mais reduzidas de
forma a serem absorvidas a nível alvéolar.
Sem esta rosca a nebulização só atinge a zona brônquica.
No caso de utilização de bucal, é utilizado um aparelho compressor (pedir ao
Serviço de Pneumologia). Seguir as instruções inclusas no respectivo aparelho.
O objectivo final da administração da Anfotericina por Compressor é o mesmo que
por máscara, ou seja, a dimensão final das particulas.
O procedimento a adoptar, sobre a forma de administração da Anfotericina
Ìnalada, é segundo a prescrição médica.
57
- Injecção intratraqueaI:
- 1.ª diluição em 10cc água esterilizada;
- Retirar a dosagem pretendida;
- Voltar a diluir a dose prescrita até 10cc, também com água destilada.
- Avaliação de parâmetros vitais;
- Proceder a toillete brônquica;
- Administrar o preparado directamente no tubo endotraqueal e de uma só vez e
aspirar de seguida; Voltar a conectar o doente ao ventilador.
- Vigilância de parâmetros vitais e da pressão das vias aéreas (ventilador), nos
15 minutos seguintes (pode ocorrer broncospasmo).
58
/ìcno[o
5Grupo Fármaco - Terapêutico: Antianginoso, antihipertensor
5Acção:
- Bloqueia a estimulação dos receptores adrenérgicos beta1 (miocárdio);
- Diminui a pressão arterial e a frequência cardíaca;
- Diminui a frequência de crises de angina de peito;
5Indicações Terapêuticas:
- Tratamento da hipertensão;
- Prevenção do enfarte do miocárdio;
5Via de Administração e PosoIogia (Adultos):
- Dose média diária por via Oral: 25 a 50 mg/dia que pode ser aumentada após
duas semanas para 50 a 100 mg/dia.
5Contra - Indicações:
- Ìnsuficiência cardíaca não compensada;
- Edema pulmonar;
- Choque cardiogénico;
- Bradicardia ou bloqueio cardíaco;
59
5Precauções:
- Disfunção renal;
- Ìnsuficiência hepática;
- Doentes geriátricos;
- Doença pulmonar;
- Diabetes mellitus (pode mascarar os sinais de hipoglicemia);
- Tirotoxicose (pode mascarar sintomas);
- Doentes com história de reacções alérgicas severas;
- Gravidez, lactação ou crianças;
5Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
- fadiga, fraqueza, ansiedade, depressão, tonturas, sonolência, insónias, perda de
memória, alterações do estado mental, nervosismo, pesadelos;
- Visão turva, congestão nasal;
- Broncoespasmo, crepitações;
- Bradicardia, insuficiência cardíaca congestiva, edema pulmonar, hipotensão,
vasoconstrição periférica;
- Obstipação, diarreia, anomalias da função hepática, náuseas e vómitos;
- Ìmpotência, diminuição da libido, aumento da frequência urinária;
- Erupções cutâneas;
- Hiperglicemia, hipoglicemia;
- Artralgias, dor nas costas, dor articulares;
- Lúpus induzido por fármacos.
60
5 Interacções Medicamentosas:
Anestesia geraI, fenitoína IV e verapamiI podem provocar depressão
aditiva do miocárdio;
Pode ocorrer bradicardia aditiva com gIicosídeos digitáIicos;
Pode ocorrer hipotensão aditiva com outros fármacos anti-
hipertensores, ingestão aguda de áIcooI ou nitratos;
O uso simultâneo com anfetamina, cocaína, efedrina, adrenaIina,
noradrenaIina, feniIefrina ou pseudoefedrina pode resultar em estimulação
adrenérgica alfa sem oposição (hipertensão excessiva, bradicardia);
A administração de hormonas da tiróide pode diminui a eficácia;
Pode alterar a eficácia das insuIinas ou de fármacos hipogIicemiantes
orais;
Pode diminuir a eficácia da teofiIina;
Pode diminuir o efeito cardiovascular beta1 benéfico da dopamina ou da
dobutamina;
Usar com precaução durante o período de 14 dias depois da terapêutica
com inibidores da MAO, da qual pode resultar hipertensão.
61
5Cuidados de Enfermagem:
Avaliação da tensão arterial, frequência cardíaca e glicémia capilar
antes da administração da terapêutica;
Despistar sinais e sintomas de insuficiência cardíaca congestiva:
- dispneia;
- crepitações;
- ganho de peso;
- edema periférico;
- distensão da veia jugular.
Despiste de sinais de sobredosagem:
- bradicardia;
- tonturas severas ou desmaios;
- sonolência severa;
- dispneia;
- unhas e palmas das mãos azuladas;
- convulsões.
Validar e reforçar as medidas para o controlo da hipertensão:
- perda de peso;
- restrição de sódio;
- redução do stress;
- exercício regular;
- moderação do consumo de álcool;
- parar de fumar.
62
/ì·o¡inv
5 Grupo Fármaco - Terapêutico: Anticolinérgico - Antiarrítmico
5 Acção: Aumenta a frequência cardíaca.
Midríase.
5 Indicações terapêuticas: Tratamento da bradicardia sinusal.
5 Via de administração e PosoIogia: Endovenosa.
Bradicardia:
- AduItos: 0,5 ÷ 1 mg; pode repetir, se necessário, com intervalos de 5 min. Até
atingir um total de 2 mg.
- Crianças: 0,01 mg/kg (dose máxima 0,4 mg) repetida, se necessário, com
intervalos de 4-6 horas.
5 Contra-indicações:
Hipersensibilidade.
Glaucoma de ângulo fechado.
Hemorragia aguda.
Taquicardia secundária a insuficiência cardíaca ou tireotoxicose.
63
5 Precauções:
Ìdosos e jovens: maior susceptibilidade a reacções adversas.
Ìnfecções intra-abdominais.
Hipertrofia da próstata.
Doenças crónicas do foro renal, hepático, pulmonar ou cardíaco.
Gravidez e lactação: segurança não estabelecida.
5 Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Sonolência, confusão.
Palpitações, taquicardia.
Secura dos olhos, visão turva, medríase, cicloplegia.
Obstipação.
Hesitação urinária, retenção urinária.
Diminuição da sudorese.
5 Interacções medicamentosas:
Efeitos colinérgicos aditivos com outros compostos coIinérgicos, incluindo
anti-histamínicos, antidepressivos tricícIicos, quinidina e disoperamida.
AnticoIinérgicos podem alterar a absorção de outros fármacos por diminuição
da motilidade gastro-intestinal.
Anti-ácidos diminuem a absorção dos anti-coIinérgicos.
Pode aumentar as lesões da mucosa gastro-intestinal em doentes que tomam
comprimidos de cIoreto de potássio.
64
5Cuidados de Enfermagem:
Vigiar sinais vitais e traçado electrocardiográfico no decurso da terapêutica
endovenosa.
Vigiar BH, pois a atropina pode produzir retenção urinária.
Vigiar regularmente para detecção de distensão abdominal e auscultar os
sons abdominais. Aumentar a ingestão de líquidos e adicionar fibras à dieta pode
diminuir o efeito obstipante do fármaco.
Endovenosa Directa: Administrar não diluída ou diluída em 10 ml de água
estéril para injectáveis.
Administrar 0,6 mg durante 1 min.
Não adicionar a soluções endovenosas.
Quando administrada em doses menores que 0,4 mg ou durante mais de 1
min., a atropina pode produzir bradicardia paradoxal que se resolve, habitualmente,
em 2 min.
Adições Incompatíveis: AmobarbitaI, ampiciIina, cIoranfenicoI,
cIortetracicIina, cimetidina, diazepam, epinefrina, isoproterenoI, metaraminoI,
meticiIina, metoexitaI, norepinefrina, pentobarbitaI, iodeto de sódio, tiopentaI,
varfarina.
65
/:vìio¡·inv (1nv·vn
5Grupo Fármaco - Terapêutico: Ìmunossupressor
5Indicações: Utilizado como um anti-metabolito imunossupressor e que influência a
resposta
imunitária.
5Efeitos secundários:
Reacções de hipersensibilidade ÷ mal estar, tonturas, vómitos, febre, arrepios,
dores musculares, artralgias, distúrbios da função hepática, icterícia colestática,
pancreatite, disritmia cardíaca, hipotensão.
Hematopoiese ÷ aumento reversível do volume corposcular médio e conteúdo
de hemoglobinas dos eritrócitos.
Alopécia.
Aumento da susceptibilidade a infecções.
Reacções gastro-intestinais ÷ náuseas.
66
5 Raramente:
Perfuração intestinal (em conjunto com altas doses de
corticosteróides).
Pneumonite.
5 Administração: Diluir ampola de 50mg em 10cc de água para
injectáveis. Depois de reconstituída
diluir em 100cc de NaCl a 0,9% ou dextrose em água a 5% para
perfundir em 30
min.
Preparar o AZT com Iuvas e máscara com viseira uma vez
que é um
medicamento teratogénico e carcinogénico.
Não deve ser preparado por grávidas.
67
68
i.v·ìonvìo vc .óvio
5 Grupo Fármaco - Terapêutico: modificador electrolítico (alcalinizante),
anti-ulceroso.
5 Acção:
- Actua como alcalinizante, libertando iões de bicarbonato ÷ alcalinização
(endovenoso).
- Após a administração oral, liberta bicarbonato capaz de neutralizar a acidez
gástrica.
5 Indicações Terapêuticas:
Tratamento da acidose metabólica (per-os e endovenosa).
Usado para alcalinizar a urina e promover a excreção de certos
fármacos em situação de sobredosagem (fenobarbitaI, aspirina) ÷ per-os e
endovenosa.
Antiácido (per-os).
69
5Via de Administração e PosoIogia: Per-os e endovenosa.
Alcalinização da urina:
- AduItos (per-os): inicialmente 48 mEq (4 g). Depois 12-24 mEq (1-2 g) de 4/4
horas até 48 mEq de 4/4 horas ou 1 colher de chá de pó de 4/4 horas se
necessário.
- Crianças (per-os): 1-10 mEq/kg (12-120 g/kg)/dia e dividido em doses.
- AduItos e Crianças (endovenosa): 2-5 mEq/kg como perfusão de 4-8 horas.
Antiácido:
- AduItos (per-os):
- Comprimidos/pó: 325 mg-2 g 1-4 vezes por dia ou ½ colher
de chá de 2/2 horas se necessário.
- Pó efervescente: para os doentes com > 60 anos 1,9-3,9 g
após as refeições.
- Crianças dos 6-12 anos (per-os): 520 mg; pode repetir após 30 minutos.
Alcalinização sistémica:
- AduItos e Crianças (endovenosa):
- Situações de urgência: 1 mEq/kg, podendo repetir 0,5
mEq/kg de 10710 minutos.
- Situações menos urgentes: 2-5 mEq/kg como perfusão de
4-8 horas.
70
5Contra - Indicações:
Alcalose metabólica e respiratória.
Hipocalcémia.
Perda excessiva de cloro.
Como antídoto após ingestão de ácidos minerais fortes.
Doentes com dietas sem sódio (apenas no uso oral como antiácido).
Ìnsuficiência renal (apenas no uso oral como antiácido).
Fortes dores abdominais de causa desconhecida, especialmente
associadas a febre (apenas no uso oral como antiácido).
5Precauções:
Ìnsuficiência cardíaca congestiva.
Ìnsuficiência renal.
Terapêutica simultânea de glicocorticóides.
Uso prolongado como antiácido: pode causar alcalose metabólica e
possível sobrecarga de sódio.
71
5Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Edema;
Distensão gástrica, flatulência (per-os);
Retenção de sódio e água, alcalose metabólica, hipernatremia,
hipocaliemia, hipocalcemia;
Ìrritação no local da punção;
Tétano.
5Interacções Medicamentosas:
Após a administração oral, pode diminuir a absorção do cetoconazoI.
O uso simultâneo com antiácidos com cáIcio pode levar ao síndroma
milk/alkali.
A alcalinização urinária pode resultar na diminuição dos níveis
sanguíneos de saIiciIato ou barbitúricos; aumento dos níveis sanguíneos de
quinidina, mexiIetina, fIecainida, anfetaminas; aumento do risco de cristalúria
por fIuoroquinoIonas; diminuição da eficácia da metenamina.
Pode eliminar os efeitos protectores das preparações com revestimento
para protecção entérica (não administrar antes de 1-2 horas de intervalo).
72
5Cuidados de Enfermagem:
Endovenosa:
- Avaliar o equiIíbrio hidro-eIectroIítico (ingestão, eliminação de líquidos, peso diário,
edema, sons pulmonares) durante a terapêutica. Avisar o médico se ocorrerem sintomas de
excesso de líquidos ÷ hipertensão arterial, edema, dispneia, fervores/crepitações,
expectoração espumosa.
- Avaliar sinais de acidose (desorientação, cefaleias, fraqueza, dispneia, hiperventilação),
aIcaIose (confusão, irritabilidade, parestesias, tétano, padrão respiratório alterado),
hipernatremia (edema, ganho ponderal, hipertensão, taquicardia, febre, pele ruborizada,
irritabilidade) ou hipocaIiemia (fraqueza, fadiga, arritmias, náuseas, vómitos, relentamento
intestinal, poliúria, polidipsia).
- Avaliar o local de punção. Evitar extravasamento porque pode ocorrer irritação dos tecidos
ou celulite. Se ocorrer infiltração, comunicar ao médico e aplicação de compressas quentes e
infiltrações de Iidocaína ou hiaIuronidase.
-Os gases sanguíneos arteriais devem ser monitorizados frequentemente durante a
terapêutica endovenosa.
Antiácido:
- Avaliar as dores epigástricas ou abdominais e a ocorrência de sangue oculto nas fezes,
emése ou aspiração gástrica.
- Monitorizar os níveis de sódio, potássio, cálcio, as concentrações de bicarbonato, a
osmolaridade sérica, o equilíbrio ácido-base e a função renal antes e durante a terapêutica.
- Os gases sanguíneos arteriais devem ser monitorizados frequentemente em situações de
emergência.
- Testar frequentemente o pH da urina quando o uso se destina à alcalinização da urina.
73
i¡c·ivcno (/ìincìon
5Grupo Fármaco - Terapêutico: Antiparkinsónico
5Composição:
AKÌNETON®: Cada comprimido contém 2 mg de Biperideno. Excipiente com
lactose.
AKÌNETON® Ampolas: 1 ml de solução injectável contém 5 mg de Biperideno.
5Indicações:
- Síndromas parkinsónicos, especialmente associados a rigidez e tremor.
- Sintomas extrapiramidais do tipo de discinesias precoces, acatisia, e estados de
tipo parkinsónico induzidos por neurolépticos e outros fármacos similares.
5PosoIogia: Salvo prescrição médica.
5Parkinsonismo:
- Comprimidos: Ìnício da terapêutica com 1/2 comprimido 2 vezes por dia e
aumenta-se gradualmente até chegar à dose óptima individual, que geralmente é
de 1/2-2 comprimidos 3-4 vezes por dia.
- Ampolas: Em casos graves injectam-se 2 (4) ampolas, por via intramuscular ou
lentamente por via intravenosa, distribuídas durante o dia.
74
Sintomas extrapiramidais medicamentosos casuais (discinesias precoces,
acatisia, acinesia, parkinsonismo):
AduItos: Terapêutica oral juntamente com o neuroléptico: 1/2-1 (2) comprimidos
1-4 vezes por dia, podendo ser elevada até 9 comprimidos por dia. Na forma
injectável a posologia é a seguinte: 2,5-5 mg (0,5-1 ml) por via intramuscular ou
intravenosa lenta.
Crianças: Terapêutica oral juntamente com o neuroléptico: dos 3-15 anos tomam
1/2-1 comprimido 3 vezes por dia. Na forma injectável crianças até 1 ano tomam
1 mg, até 6 anos 2 mg e até 10 anos 3 mg por via intravenosa lenta.
Devido ao rápido início do efeito, pode verificar-se durante a administração
injectável, o desaparecimento dos sintomas extrapiramidais. Nesse caso deverá
interromper-se a administração. Em caso necessário, é possível fazer-se nova
administração injectável empregando a posologia consoante a idade, 30 minutos
após a primeira.
5Espasticidade piramidaI:
AduItos: Ìnício da terapêutica com 1/2 comprimido 2-3 vezes por dia,
aumentando gradualmente até 2 comprimidos 3 vezes por dia. Pode iniciar-se o
tratamento também com 1 ampola por via intramuscular 2-3 vezes por dia.
75
Crianças: Começar com uma dosagem de 1/4-1/2 comprimido, 1-3 vezes por dia e
aumentar lentamente até alcançar o efeito óptimo. Este atinge-se por média, em
crianças de 1-5 anos, com 1/4-1/2 comprimido 1-3 vezes por dia, em crianças de 6-
11 anos, com 1/2-1 comprimido 1-6 vezes por dia, nas crianças de 12-16 anos,
com 1 comprimido 2-6 vezes por dia.
5Traumatismos craniocerebrais fechados e doenças postcomocionais:
AduItos: Durante o estado de inconsciência injectam-se 1-2 (4) ampolas por via
intravenosa ou intralombar. Depois de cessar e efeito imediato (restabelecimento
da consciência e reactividade do doente) continua-se o tratamento com infusões
gota a gota, recebendo em 24 horas o conteúdo de 3-6 (12) ampolas de
AKÌNETON®.
Assim que o doente possa engolir, tomará 1-2 comprimidos 3 (5) vezes por dia,
durante 5-9 semanas. Nos traumatismos craniocerebrais ligeiros e doenças pós-
comocionais, administra-se 1 comprimido 3 vezes por dia, durante 2-3 semanas.
Crianças: Segundo a sua idade e gravidade do seu estado, as crianças recebem
1/4 a 1 ampola de AKÌNETON® por via intravenosa, se necessário várias vezes ao
dia, até que melhore o estado de consciência. Depois segue-se a terapêutica com
doses orais de 1/2-2 comprimidos 3 vezes ao dia. Nos casos de traumatismo
craniocerebral leve, administra-se 1/2-1 comprimido 3 vezes ao dia.
76
NevraIgia do trigémio: Em casos graves aplica-se nos primeiros dias 1/2-1
ampola por dia, em injecção intravenosa lenta e mais tarde 1 ampola por via
intramuscular. Passados 10 dias, pode continuar-se o tratamento com doses orais
de 1-2 comprimidos 3 vezes por dia, durante um período de 2 meses, pelo menos.
Em casos ligeiros, é suficiente administrar somente os comprimidos.
Intoxicação nicotínica: Além das medidas correntes, aplica-se 1-2 ampolas por
via intramuscular, e em casos alarmantes, 1 ampola por via intravenosa.
Broncoespasmos: A dose por via intravenosa de 1-2 ampolas elimina
rapidamente os broncoespasmos ocasionados por broncospirometrias.
5Contra-indicações: Glaucoma agudo, estenoses do aparelho digestivo e
megacolon.
5Precauções:
AKÌNETON® RETARD não é indicado para crianças. A estas administram-se os
comprimidos de AKÌNETON® de 2 mg.
Especialmente em doentes com adenoma da próstata, o AKÌNETON® pode
originar, em casos isolados transtornos da micção (reduzir a dose), em casos mais
raros, retenção de urina (antídoto; carbacol).
77
AKÌNETON® deverá ser empregue com cuidado em doenças que possam levar a
taquicardias iminentes.
AKÌNETON® deve dosificar-se com precaução em doentes com predisposição
convulsiva aumentada.
AKÌNETON® pode, dependendo da dose e da sensibilidade individual, reduzir a
capacidade de reacção na condução de veículos. De acordo com os conceitos
modernos sobre o emprego de medicamentos durante a gravidez, a decisão sobre
a prescrição de AKÌNETON® nos primeiros 3 meses da mesma, e durante o
período de aleitamento materno, reserva-se ao critério do médico.
5Interacções medicamentosas:
Durante o tratamento combinado com outros preparados antiparkinsónicos, como
quinidina ou com antidepressivos tricíclicos, deve ter-se em conta a possibilidade
de uma intensificação dos efeitos secundários vegetativos ou centrais acima
mencionados os quais se podem compensar reduzindo a dose, segundo as
instruções do médico assistente.
Como acontece com todos os fármacos de acção central, deve evitar-se o
consumo de bebidas alcoólicas durante o tratamento com AKÌNETON®.
5Efeitos secundários: Podem surgir sintomas vegetativos, como secura de
boca, transtornos de acomodação, obnubilação, cansaço, estados de vertigem,
transtornos gástricos, obstipação e por vezes aumento da frequência cardíaca.
78
A aplicação parenteral pode conduzir a uma diminuição da pressão arterial.
Em doentes com tolerância limitada, como por exemplo com esclerose cerebral,
mesmo aplicando doses que se acham dentro da margem terapêutica, podem
apresentar-se como fenómeno de sobredosagem, agitação, confusão ou
estados que simulam uma psicose. O mesmo pode ocorrer quando se
administram as doses com intervalos muito curtos ou quando se administra
AKÌNETON® em simultâneo com outro fármaco de acção central
anticolinérgica, como p. ex. antidepressivos ou neurolépticos, cada um em
dosagem elevada.
79
i.o¡·o¡o[
5Grupo terapêutico: Anti-hipertensor ( bloqueador adrenérgico beta)
5Indicações terapêuticas: Tratamento da Hipertensão
5Acção: Bloqueia a estimulação dos receptores adrenérgicos, beta1 ( miocárdio).
Não afecta usualmente os receptores beta2.
Efeitos Terapêuticos: Dimunição da Pressão Arterial e da Frequência Cardiaca
5Farmacocinética:
Absorção- bem absorvido após administração oral, mas 20% sofre efeito de 1ª
passagem hepática
Distribuição ÷ desconhecida
Metabolismop e Excreção ÷ 50% é excretado na forma inalterada pelos rins na forma
de metabolitos; 2% é excretada nas fezes
Semi-Vida ÷ 9h ÷ 12h
5Contra-Indicações:
Ìnsuficiência Cardáica Congestiva
Edema Pulmonar
Choque Cardiogénico
Bradicardia ou Bloquei Cardíaco
80
5Precauções:
- Disfunção Renal
- Disfunção Hepática
- Doentes Geriátricos
- Doença Pulmonar ( evitar se possível9
- Diabetes Mellitus ( pode mascarar hipoglicémia)
- Tirotoxicose
- Doentes com história de reacções alérgicas severas
5Reacções adversas e Efeitos Laterais:
SNC ÷ fadiga, fraqueza, ansiedade, depressão, tonturas, sonolência, insónias,
perda de memória, alterações do estado mental, pesadelos
ORL ÷ visão turva, congestão nasal
Resp ÷ broncospasmo, crepitações
CV ÷ bradicardia, ÌCC, Edema Pulomonar, hipotensão, vasoconstrição periférica
GÌ ÷ obstipação, diarreia, anomalias da função hepatica, náuseas e vómitos
81
GU ÷ impotência, diminuição da libido, frequencia urinária
Derm ÷ erupções
Endo ÷ hiperglicémia, Hipoglicémia
ME ÷ artralgia,dores nas costas, dores articulares
Outros ÷ lúpus induzido por fármacos
5Interacções medicamentosas:
- Anestésicos gerais, fenitoína ÌV, verapomil podem provocar depressão aditiva do
miocárdio;
- Pode ocorrer bradicardia aditiva com glicosídeos digitálicos;
- Pode ocorrer hipotensão aditiva com outros fármacos anti hipertensores, ingestão
aguda de álcool, ou nitratos;
- Uso concomitante com anfetamina, cocaína, efedrina, adrenalina, noradrenalina,
fenilefrina, ou pseudoefedrina pode resultar em estimulação adrenérgica alfa sem
oposição ( hipertensão excessiva, bradicardia);
- A administração de hormonas da tiróide pode provocar diminuição da eficácia;
- Pode alterar a eficácia de insulinas ou de fármacos hipoglimeciantes orais;
- Pode diminuir a eficácia da teofilina;
- Pode diminuir os efeitos beta1, cardiovasculares benéficos da dopamina ou
dobutamina;
- Usar com precaução durante 14 dias após terapêutica com inibidores da MAO (
pode resultar em hipertensão)
5Modo de administração: 5mg , 1 vez dia por via oral
82
·onv:c¡vn
5ategoria Fármaco-Terapêutica: Ansiolítico;
5ndicações Terapêuticas:
BROMALEX está indicado em todas as situações em que a ansiedade surge como
fenómeno patológico e factor de perturbação do bem-estar, da actividade e do
ajustamento do indivíduo ao seu meio ambiente social, familiar ou profissional.
Na prevenção das perturbações funcionais dos aparelhos respiratório e
cardiovascular como sejam dispneia ansiosa, taquicardia, dores precordiais pseudo-
anginosas, hipertensão com significativo componente psicogénico. Também nos
doentes com doença cardíaca e em que as reacções emocionais desenvolvidas
relativamente à sua doença contribuem por vezes à incapacidade quanto à
enfermidade; nestas circunstâncias a astenia e a fadiga, sintomas preponderantes,
são elimináveis.
Na patologia digestiva, elimina estados espasmódicos da colite espasmódica, as
diarreias emocionais, sendo de grande utilidade como coadjuvante na terapêutica
da úlcera gástrica ou duodenal e da colite ulcerosa.
No aparelho geniturinário, elimina o desajustamento sexual ou frigidez dos ansiosos
e a bexiga irritável.
83
5!osologia Usual, Modo e Via de Administração:
Seguir o critério clínico.
Em média no ambulatório 1,5 a 3 mg uma a três vezes ao dia (Hospital 6 a 12
mg) com reforço da dose nocturna.
BROMALEX administra-se por via oral.
A duração do tratamento é variável e em função do caso clínico. Estabelece-se
como média três a seis semanas, com redução final progressiva das doses.
5ontra-ndicações:
Miastenia (efeito miorelaxante); insuficiência respiratória grave e
hipersensibilidade conhecida ao fármaco.
84
·oncìo vc 1¡vì·ó¡io (/ì·o.cnì
5 Grupo Fármaco - Terapêutico: Antiasmático: Broncodilatador
(anticolinérgico);
5 Acção:
Se for por Inalação, vai inibir os receptores colinérgicos dos músculos lisos
brônquicos, provocando uma diminuição dos níveis de monofosfato de guanosina
cíclico que produz broncodilatação local.
Se for Intranasal, a aplicação local vai inibir as secreções das glândulas que
revestem a mucosa nasal, diminuindo assim a rinorreia.
5 Indicações terapêuticas:
Ìnalação: Broncodilatador usado na terapêutica de manutenção da obstrução
reversível das vias respiratórias provocada pela asma ou doença pulmonar
obstrutiva crónica.
Ìntranasal: Tratamento da rinorreia associada À rinite alérgica ou constipação
comum.
Como broncodilatador na prevenção e tratamento dos sintomas nas situações
obstrutivas crónicas das vias respiratórias com broncospasmo reversível, tais
como a asma brônquica e especialmente a bronquite crónica com ou sem
enfisema.
85
5 Propriedades:
- É um produto desenvolvido especialmente para o tratamento da obstrução
das vias respiratórias associada a bronquite crónica.
- Difere dos bronquiodilatadores usuais, administrados por inalação, devido à
sua acção inibitória de efectuar sobre o nervo vago responsável pelo
broncospasmo.
- Normaliza também eficazmente a hipersecreção nasal. Mesmo com doses
extremamente baixas, demonstra possuir um efeito local sobre as vias
respiratórias, comprovando um grau de especificidade particularmente elevado.
- Está isento de efeitos secundários sistémicos devido á sua reduzida
absorção pelas mucosas respiratórias, o que torna o recomendado para doentes
bronquiticos com perturbações cardíacas ou circulatórias.
- Tem um inicio de efeito 5-10 minutos após a sua inalação, e uma duração
de acção de 5-6 horas sobre as vias respiratórias.
- Pode ser usado nos episódios de broncospasmo de intensidade moderada
ou ligeira.
86
5 Via de Administração e PosoIogia:
- Ìnalação
- Ìntranasal
- Ìnaladores com doseador: no máximo 24 inalações/ dia ou com frequência maior que
4/4h.
5 Contra-indicações:
- Hipersensibilidade ao ipratrópio, brometo, atropina, fluorocarbonetos.
- Evitar o uso durante as crises de broncospasmo.
5 Precauções/ Advertências:
- Doentes com obstrução vesical.
- Hipertrofia da próstata.
- Glaucoma (pode aumentar a pressão intra-ocular).
- Retenção urinária.
- Doentes geriátricos (podem ser mais sensíveis ao efeitos).
- Gravidez, lactação e crianças.
5 Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
- Tosse.
- Broncospasmo paradoxal (raramente).
- Visão turva.
- Reacções alergias.
- Odontalgias.
- Tonturas.
- Cefaleias.
- Hipotensão.
87
5Precauções especiais de utiIização:
Complicações Oculares ÷ têm havido referências isoladas de complicações
oculares(po exemplo: midriase; aumento da PÌO; glaucoma de ângulo estreito,
dores nos olhos), quande se dirige inadvertidamente para os olhos a nebulização
de brometo de ipratrópio quer isoladamente quer em associação com B2
agonistas. Os doentes devem ter muito cuidado para que a nebulização não
entre nos olhos.
Se se desenvolverem complicações oculares, deve-se iniciar imediatamente o
tratamento com gotas mióticas e procurar-se um médico especialista.
Não se deve exceder as doses diárias recomendadas quer no tratamento agudo,
quer no tratamento de manutenção.
88
5Modo de administração:
1- remover tampa de protecção
2- agitar o inalador doseável antes de cada utilização
3- expirar profundamente
4- segurar o aerossol doseável e ajustar os lábios em torno da peça bocal. A seta e
a base da cápsula de metal deverão estar dirigidas para cima.
5- Ìnspirar profunda e progressivamente pelo bocal, ao mesmo tempo que se
prime, firmemente, o recipiente de metal do aerossol doseável para libertar uma
dose. Prender a respiração por alguns segundos; remover então o bocal dos
lábios e expirar
6- Recolocar a tampa protectora após o uso.
7- O bocal deverá estar sempre limpo podendo a lavagem ser feita com água
quente
5Duração do tratamento médio: 4 aerossolizações de 6h/6h
89
Ìrritação gastrointestinal, náuseas.
5 Interacções Medicamentosas:
Ìntensificação dos efeitos anticolinérgicos quando usado com fármacos com
as mesmas propriedades (antihistaminicos, fenotiazidas, disopiramida,
xantinicos).
Possível toxicidade aos fIuorocarbonetos quando usado com outros
broncodiIatadores por inalação que têm como propuIsores
fIuorocarbonetos.
5 Cuidados de Enfermagem:
Quando o ipratrópio é administrado em simultâneo com outro fármaco por
inalação, administrar primeiro os broncodilatadores adrenérgicos, seguindo-se
depois o ipratrópio e depois os corticosteroides. Aguardar 5 minutos entre cada
fármaco;
Primeiro agitar o inalador;
À medida que o utente começa a inspirar pressionar o inalador para libertar
medicação;
O utente deve inspirar e tentar suster a respiração durante alguns segundos
para permitir que a medicação atinja profundamente os pulmões;
Poderá utilizar-se camara expansora que são particularmente
recomendadas para idosos e crianças.
90
91
(v¡ìo¡·i[
Grupo Fármaco - Terapêutico: Anti-hipertensor (ÌECA)
Acção: Os ÌECA's bloqueiam a conversão de angiotensina Ì em angiotensina ÌÌ
(vasoconstritora). Aumentam os níveis plasmáticos de renina e reduzem os níveis
de aldosterona (aumenta a reabsorção de H2O e sódio a nível renal, aumentando
a tensão arterial). Desta forma, os ÌECA's provocam uma vasodilatação sistémica.
Indicações Terapêuticas:
Hipertensão.
Ìnsuficiência cardíaca congestiva.
Nefropatia diabética.
Enfarte do miocárdio.
Via de Administração: Per-os.
Recém-nascido: 0,01 mg /kg 2-3 vezes por dia, podendo ser aumentado
consoante a necessidade.
Criança: 0,3 mg/kg 3 vezes por dia, podendo ser aumentada em 0,3
mg/kg em cada 8-24 h.
92
Hipertensão:
- AduIto: inicialmente dose de 12,5-25 mg, 2/3 vezes por dia, podendo ser
aumentada em cada 1-2 semanas, até 150 mg 3 vezes por dia
Ìnsuficiência cardíaca congestiva:
- AduIto: 12,5 mg 2-3 vezes por dia, podendo ser aumentada até 40-100 mg 3
vezes ao dia.
Pós-enfarte do miocárdio:
- AduIto: dose teste de 6,5 mg, seguida de 12,5 mg 3 vezes ao dia, podendo ser
aumentada até 50 mg 3 vezes ao dia.
Nefropatia diabética:
- AduIto: 25 mg 3 vezes ao dia.
Ìnsuficiência renal:
- AduIto: iniciar terapêutica com 6,25-12,5 mg 2-3 vezes por dia.
-Criança: iniciar terapêutica com 0,15 mg/kg 3 vezes por dia.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
- Dermatológicas: rash, prurido, palidez, fotossensibilidade.
- Cardiovasculares: hipotensão, taquicardia, palpitações, angor, enfarte
do miocárdio.
- Hematológicas: anemia, trombocitopénia, pancitopénia e neutropenia.
93
- Respiratórias: tosse
- Renais: insuficiência renal, falência renal, poliúria, oligúria, polaquiúria e
proteinúria.
Contra - Indicações:
Está contra-indicado na gravidez e em doentes com hipersensibilidade ao
captopril ou a qualquer ÌECA.
Interacções Medicamentosas:
Pode ocorrer hipotensão com o uso simultâneo de diuréticos, outros
anti-hipertensores, nitratos e fenotiazinas.
O uso simultâneo de supIementos de potássio, de diuréticos
poupadores de potássio ou com a cicIosporina pode provocar hipercalcemia.
A resposta anti-hipertensora pode ser atenuada pelos AINE's.
A absorção pode ser reduzida pelos antiácidos.
Aumenta os níveis e o risco de toxicidade do lítio ou da digoxina.
A probenecida diminui a eliminação e aumenta os níveis de captopril.
O risco de reacções de hipersensibilidade é aumentado com o uso em
simultâneo de aIopurinoI.
A capsaicina pode aumentar a incidência de tosse.
Cuidados de Enfermagem:
Deve ser administrado uma hora antes das refeições.
94
(v·ìvnv:c¡inv (Icv·cìo[
Grupo Fármaco - Terapêutico: Antiepiléptico
Composição:
- Comprimidos 200 mg e 400 mg.
- Comprimidos CR 200 mg e 400 mg.
- Xarope 100 mg/5 ml.
Indicações terapêuticas:
CARBAMAZEPÌNA ALTER está indicada nas seguintes situações:
Crises epilépticas parciais com sintomatologia complexa ou simples. Crises epilépticas
primária e secundariamente generalizadas com componente clónico-tónica.
Formas epilépticas mistas.
Mania e tratamento profiláctico da doença maníaco-depressiva
Neuralgia do trigémio. Neuralgia essencial glossofaríngea.
Síndroma de privação alcoólica.
Interacção medicamentosa:
Carbamazepina (DCÌ)
diminuição do efeito:
-> Ìmatinibe, Ìmatinibe, mesilato, Sibutramina (DCÌ), Tadalafil, Tetraciclina (DCÌ),
Voriconazol (DCÌ), Somatotrofina
95
potenciação da acção e da toxicidade:
-> Ácido salicílico, Benzoato de Lítio, Carbonato de lítio, Clobazam (DCÌ), Lítio,
Salicilato de Bismuto, Salicilato de colina (DCÌ), Salicilato de dietilamina,
Salicilato de fenilpropilo, Salicilato de metilo
<- Amprenavir, Cimetidina (DCÌ), Claritromicina (DCÌ), Danazol (DCÌp),
Dextropropoxifeno (DCÌp), Diltiazem (DCÌ), Fluoxetina (DCÌ), Fluvoxamina (DCÌ),
Ìsoniazida (DCÌp), Lamotrigina (DCÌ), Metronidazol (DCÌ), Omeprazol (DCÌ),
Sertralina (DCÌ), Verapamil (DCÌ), Viloxazina (DCÌ)
<-> Fenitoína (DCÌ), Fenitoína Sódica (DCÌ), Fosfenitoína sódica
potenciação da toxicidade:
-> Paracetamol (DCÌ)
<- Acetazolamida (DCÌ), Clorpromazina (DCÌ)
<-> Furosemida (DCÌ), Hidroclorotiazida (DCÌ)
inibição do efeito:
-> Acenocumarol (DCÌ), Aceponato de Metilprednisolona, Acetato de
Metilprednisolona (DCÌ), Acetato de Prednisolona (DCÌ), Ácido valpróico (DCÌ),
Alprazolam (DCÌ), Amitriptilina (DCÌ), Anfebutamona (DCÌ), Besilato de atracurio
(DCÌ), Brometo de pancurónio (DCÌ), Bupropiona (DCÌ), Ciclosporina (DCÌ),
Clonazepam (DCÌ), Clozapina (DCÌ), Dexametasona (DCÌ), Diazepam (DCÌ),
Doxepina
96
(DCÌ), Doxiciclina (DCÌ), Felodipina (DCÌ), Flunarizina (DCÌ), Fumarato de
Quetiapina (DCÌp), Haloperidol (DCÌ), Ìmipramina (DCÌ), Ìtraconazol (DCÌ),
Lercanidipina (DCÌ), Mebendazol (DCÌ), Metilprednisolona (DCÌ), Mianserina
(DCÌp), Midazolam (DCÌ), Mirtazapina (DCÌ), Nimodipina (DCÌ), Nortriptilina (DCÌ),
Ondansetron (DCÌ), Pancurónio, Prednisolona (DCÌ), Risperidona (DCÌ), Succinato
de Prednisolona, Succinato sódico de Metilprednisolona (DCÌ), Telitromicina,
Tiagabina (DCÌ), Topiramato (DCÌ), Tramadol (DCÌ), Valproato de sódio (DCÌ),
Varfarina (DCÌ)
<- Bleomicina (DCÌp), Ciclofosfamida (DCÌ), Cisplatina (DCÌ), Citarabina (DCÌ),
Doxorrubicina (DCÌ), Felbamato (DCÌ), Fenobarbital (DCÌ), Ìsotretinoína (DCÌ),
Metotrexato (DCÌ), Primidona (DCÌ)
<-> Acetato de Noretisterona (DCÌp), Estradiol (DCÌ), Estriol, Estrogénios
conjugados, Etinilestradiol (DCÌ), Hidroxiprogesterona (DCÌ), Noretisterona (DCÌp),
Norgestrel (DCÌ), Valerianato de Estradiol (DCÌ)
potenciação do efeito:
-> Aminofilina (DCÌp), Teofilina, Teofilinato de colina (DCÌ)
<- Celecoxibe (DCÌp), Eritromicina (DCÌ), Etilsuccinato de Eritromicina,
Lactobionato de Eritromicina, Propionato de Eritromicina
<-> Acetato de Desmopressina, Desmopressina (DCÌ)
97
AnáIises CIínicas:
- aumento de:
bilirrubina no sangue
fosfatase alcalina no sangue
SGOT no sangue
SGPT no sangue
- diminuição de:
tempo de protrombina no sangue
falsa diminuição de esteróides na urina
Contra-indicação:
- Lactação, Hipertrofia prostat. - adenoma.
- Avaliar relação risco/benefício
- Gravidez.
Precaução de emprego:
Crianças - Lactentes, Ìnsuficiência hepática, Ìnsuficiência renal, Ìnsuficiência
cardíaca, Glaucoma, Ìdosos.
A vigiar:Porfiria
Outros estados patológicos: Em caso de bloqueio aurículo-ventricular ou de
hipoplasia medular.
98
(v·.cvi[o[ (Iiì[o. 1(©
ategoria Fármaco-Terapêutica: Anti-adrenérgico de acção periférica, não selectivos
cardíacos.
Anti-hipertensor
omposição Qualitativa e Quantitativa: DÌLBLOC ÌC 6,25 ÷ Um comprimido (de cor
amarela) contém 6,25 mg de Carvedilol.
Forma Farmacêutica: Comprimidos divisíveis para administração oral.
ndicações Terapêuticas:
Tratamento de primeira linha na hipertensão arterial: Pode ser utilizado isolado ou em
associação com outros fármacos anti-hipertensores, especialmente diuréticos do grupo das
tiazidas.
Tratamento prolongado da doença arterial coronária: O Carvedilol é eficaz em diversas
doenças associadas ao síndrome da doença arterial coronária: angina crónica estável,
isquemia miocárdica silenciosa, angina instável e disfunção ventricular esquerda de causa
isquémica.
Tratamento da insuficiência cardíaca classes ÌÌ a ÌV, "New YorK Heart Association" (NYHA): O
Carvedilol está indicado para o tratamento da insuficiência cardíaca (ÌC) a fim de reduzir a
mortalidade e os internamentos hospitalares por motivo de ordem cardiovascular, melhorar o
bem-estar do doente e retardar a progressão da doença.
O Carvedilol pode ser utilizado como adjuvante do tratamento instituído, podendo também ser
utilizado como tratamento em doentes com intolerância aos inibidores do ECA, em doentes
que não estejam medicados com digitálicos, hidralazina ou nitratos
99
!osologia e Modo de Administração: Os comprimidos devem ser engolidos com
quantidade suficiente de água.
Não é necessário associar a administração ao horário das refeições, no entanto, nos
doentes com insuficiência cardíaca os comprimidos devem ser tomados em conjunto
com os alimentos, de modo que a absorção se processe lentamente, reduzindo, assim,
a incidência de efeitos ortostáticos.
Hipertensão arterial: Recomenda-se a administração em dose única diária.
Adultos: A dose recomendada para o início do tratamento é de 12,5 mg como dose
única diária durante os dois primeiros dias. Depois, a dose recomendada é de 25 mg
uma vez ao dia. Se necessário, a dose pode ser subsequentemente aumentada, com
intervalos de pelo menos duas semanas, até à dose máxima diária recomendada de
50 mg numa toma única ou em doses fraccionadas (duas vezes ao dia).
Idosos: A dose recomendada para o início do tratamento é de 12,5 mg como dose
única diária, que tem revelado ser suficiente em alguns doentes. Se a resposta for
insuficiente, a dose pode ser ajustada em intervalos de pelo menos duas semanas,
até à dose máxima diária recomendada.
Tratamento prolonado da doença arterial coronEria: A dose recomendada para o
início do tratamento é de 12,5 mg duas vezes ao dia durante os primeiros dois dias.
Depois, a dose recomendada é de 25 mg duas vezes ao dia. Se necessário, a dose
pode ser subsequentemente aumentada com intervalos de pelo menos duas semanas
até à dose máxima diária recomendada de 100 mg, em doses fraccionadas (duas
vezes ao dia).
A dose máxima diária recomendada nos doentes idosos é de 50 mg em doses
fraccionadas (duas vezes ao dia).
100
Tratamento da insuficiência cardíaca: A dose deve ser estabelecida individualmente e o doente
cuidadosamente vigiado pelo médico durante a fase de ajuste de dose.
Caso o Carvedilol seja administrado em doentes que já se encontrem medicados com digitálicos,
diuréticos ou inibidores do ECA, a dose destes fármacos deve estar estabilizada antes de se
iniciar o tratamento com Carvedilol.
A dose recomendada para o início do tratamento é de 3,125 mg duas vezes ao dia durante duas
semanas. Se esta dose for tolerada, pode ser aumentada, com intervalos de pelo menos duas
semanas, para 6,25 mg duas vezes ao dia e, subsequentemente, para 12,5 mg duas vezes ao
dia, e 25 mg duas vezes ao dia. A dose deve ser aumentada até ao nível máximo tolerado pelo
doente.
A dose máxima recomendada é de 25 mg duas vezes ao dia em doentes com peso corporal
inferior a 85 kg e de 50 mg duas vezes ao dia em doentes com peso corporal superior a 85 kg.
Antes de cada aumento de dose, o doente deve ser observado pelo médico para monitorização
de sintomas de agravamento da insuficiência cardíaca ou de vasodilatação. O agravamento
transitório da insuficiência cardíaca ou retenção de líquidos devem ser tratados com o aumento
das doses de diuréticos, embora ocasionalmente possa ser necessário reduzir a dose de
Carvedilol ou interromper temporariamente o tratamento com Carvedilol.
Se o tratamento com Carvedilol for interrompido durante mais de duas semanas, o tratamento
deverá recomeçar com 3,125 mg, duas vezes ao dia, sendo o ajustamento da dose efectuado
conforme a recomendação anterior.
Os sintomas de vasodilatação podem ser controlados inicialmente mediante redução da dose de
diuréticos. No caso dos sintomas persistirem, pode reduzir-se a dose do inibidor do ECA (se
utilizado), e em seguida reduzir-se a dose de Carvedilol, se necessário.
Nestas circunstâncias, a dose de Carvedilol não deve ser aumentada até estabilização dos
sintomas de agravamento da insuficiência cardíaca ou da vasodilatação.
A segurança e eficácia do Carvedilol em doentes com idade inferior a 18 anos não se encontram
estabelecidas.
101
ontra-ndicações:
O Carvedilol não deve ser administrado em doentes com:
· Ìnsuficiência cardíaca não compensada de classe ÌV "New York Heart Association" requerendo suporte
inotrópico por via intravenosa.
· Doença pulmonar obstrutiva crónica com um componente broncospástico (Ver Advertências e
Precauções especiais de utilização).
· Disfunção hepática clinicamente manifesta.
Tal como outros bloqueadores-beta, o Carvedilol não deve ser administrado em doentes com:
· Asma
· Bloqueio AV de 2º e 3º graus
· Bradicardia grave (< 50 bpm)
· Choque cardiogénico
· Doença do nódulo sinusal (incluindo bloqueio sino-auricular)
· Hipotensão grave (pressão arterial sistólica < 85 mmHg)
· Hipersensibilidade ao fármaco.
Advertências e !recauções Especiais de Utilização:
· O Carvedilol deve ser utilizado com precaução em doentes com insuficiência cardíaca controlada com
digitálicos, diuréticos e/ou inibidores do ECA, uma vez que tanto os digitálicos como o Carvedilol prolongam o
tempo de condução AV.
· Recomenda-se precaução na administração de Carvedilol em doentes com diabetes mellitus, uma vez
que os primeiros sinais e sintomas de hipoglicemia aguda podem ser mascarados ou atenuados. Em doentes
diabéticos com insuficiência cardíaca, a utilização de Carvedilol pode estar associada a maior dificuldade no
controlo da glicemia.
Em doentes diabéticos é, portanto, necessário monitorizar regularmente a glicemia quando se inicia o
tratamento com Carvedilol ou se aumenta a dose, devendo ser também ajustado o tratamento hipoglicemiante.
· Foi observado agravamento reversível da função renal, durante o tratamento com Carvedilol, em
doentes com insuficiência cardíaca congestiva com pressão arterial baixa (pressão arterial sistólica < 100 mm
Hg), cardiopatia isquémica e doença vascular difusa e/ou insuficiência renal subjacente.
102
Nos doentes com insuficiência cardíaca que apresentem estes factores de risco, a função
renal deve ser monitorizada durante a fase de ajuste da dose de Carvedilol e o fármaco retirado
ou a sua dosagem reduzida, no caso de ocorrer agravamento da função renal.
· Em doentes com insuficiência cardíaca pode ocorrer agravamento da insuficiência
cardíaca ou retenção de líquidos durante o ajustamento progressivo da dose de Carvedilol. Se
estes sintomas ocorrerem, a dose de diuréticos deve ser aumentada, devendo manter-se
inalterada a dose de Carvedilol até estabilização da situação clínica. Ocasionalmente, poderá
ser necessário reduzir a dose de Carvedilol ou retirar o fármaco temporariamente. Estas
ocorrências não impedem que o ajustamento posológico posterior do Carvedilol seja bem
sucedido.
· O Carvedilol só deve ser utilizado em doentes com doença pulmonar obstrutiva crónica
com um componente broncospástico não medicados por via oral ou inalatória, se o benefício
esperado compensar o risco potencial. Em doentes com tendência para reacções
broncospásticas pode ocorrer dificuldade respiratória resultante de um possível aumento na
resistência das vias aéreas.
Os doentes devem ser rigorosamente monitorizados durante o início do tratamento e
ajustamento da dose de Carvedilol, devendo reduzir-se a dose de Carvedilol no caso de se
observarem indícios de broncospasmo durante o tratamento.
· Os portadores de lentes de contacto devem ter em conta a possibilidade de redução da
produção de lágrimas.
Tal como com outros fármacos bloqueadores-beta:
· O tratamento com Carvedilol não deve ser interrompido repentinamente, em especial nos
doentes com cardiopatia isquémica. A retirada do Carvedilol nestes doentes deve ser gradual (1-
2 semanas).
103
· O Carvedilol deve ser usado com precaução em doentes com doença vascular periférica, uma vez que
os beta-bloqueantes podem precipitar ou agravar os sintomas de insuficiência arterial.
· Em doentes com perturbações circulatórias periféricas (fenómeno de Raynaud) pode ocorrer
intensificação de sintomas.
· O Carvedilol, assim como outros fármacos bloqueadores-beta, pode mascarar os sintomas de
hipertiroidismo.
· Recomenda-se precaução em doentes submetidos a cirurgia geral, devido ao sinergismo dos efeitos
inotrópico negativo e hipotensor do Carvedilol e dos anestésicos.
· O Carvedilol pode induzir bradicardia. Se a frequência cardíaca descer para valores inferiores a 55
batimentos por minuto, a dose de Carvedilol deve ser reduzida.
· O Carvedilol deve ser administrado com precaução em doentes com história de reacções de
hipersensibilidade graves e em doentes submetidos a terapêutica de dessensibilização, uma vez que os
bloqueadores beta-adrenérgicos podem aumentar a sensibilidade aos alergenos e a gravidade das reacções
anafilácticas.
· Os doentes com história de psoríase relacionada com o tratamento com bloqueadores beta-
adrenérgicos só devem ser medicados com Carvedilol após cuidadosa avaliação da relação entre o risco e o
benefício.
· Em doentes medicados com antagonistas dos canais do cálcio do tipo verapamil ou diltiazem, ou outros
fármacos antiarrítmicos, é necessário proceder à monitorização do ECG e da tensão arterial.
· O Carvedilol deve ser utilizado com precaução em doentes com hipertensão lábil ou secundária até que
haja mais experiência clínica.
· Em doentes com feocromocitoma deve administrar-se um bloqueador-alfa antes de se iniciar a
utilização de um fármaco bloqueador-beta. Embora o Carvedilol possua ambas as actividades farmacológicas
bloqueadoras-alfa e beta, não há experiência adquirida nesta situação. Portanto, em doentes com suspeição
de feocromocitoma, a administração de Carvedilol deve ser feita com precaução.
· Os fármacos bloqueadores beta-adrenérgicos não-selectivos podem causar dor torácica em doentes
com angina variante de Prinzmetal. Não há qualquer experiência clínica com Carvedilol nestes doentes,
embora a actividade alfa-adrenérgica do Carvedilol possa prevenir estes sintomas. Consequentemente, deve
ter-se especial atenção ao administrar Carvedilol em doentes com suspeição de angina variante de Prinzmetal.
104
nteracções Medicamentosas: Tal como com outros fármacos bloqueadores-beta, o Carvedilol pode
potenciar o efeito de outros fármacos com actividade anti-hipertensora (p. ex. antagonistas dos receptores-
alfa1) ou com um perfil de efeitos adversos que inclua hipotensão.
Foram observados casos isolados de alteração da condução AV (raramente com implicação hemodinâmica)
quando se administraram simultaneamente Carvedilol e diltiazem por via oral. Portanto, tal como com outros
fármacos com actividade bloqueadora-beta, deve proceder-se à monitorização rigorosa do ECG e da tensão
arterial, quando se administra concomitantemente com antagonistas dos canais do cálcio do tipo verapamil
ou diltiazem, ou fármacos antiarrítmicos da classe Ì. Estes fármacos não devem ser administrados por via
intravenosa durante o tratamento com Carvedilol.
Após administração concomitante de Carvedilol e digoxina, as concentrações de digoxina no vale, em fase
estável, registaram um aumento de cerca de 16% nos doentes hipertensos. Recomenda-se uma maior
monitorização dos níveis de digoxina quando se inicia, se ajusta ou se termina o tratamento com Carvedilol.
Quando se pretender terminar o tratamento concomitante de Carvedilol e clonidina, o Carvedilol deve ser
retirado primeiro, alguns dias antes de se diminuir progressivamente a dose de clonidina.
Os efeitos da insulina ou dos hipoglicemiantes orais podem ser intensificados. Os sinais e sintomas de
hipoglicemia podem ser mascarados ou atenuados (em particular a taquicardia). Recomenda-se, portanto, a
monitorização regular da glicemia.
Recomenda-se precaução especial em doentes em tratamento com indutores de oxidases de função mista, p.
ex. rifampicina, pois os níveis séricos do Carvedilol podem ser reduzidos, ou inibidores de oxidases de função
mista, p. ex. cimetidina, pois os níveis séricos podem ser aumentados.
Deve prestar-se especial atenção durante a anestesia ao sinergismo existente entre os efeitos inotrópico
negativo e hipotensor do Carvedilol e dos anestésicos.
Utilização Em aso de ravidez e Aleitamento: A experiência clínica existente com o Carvedilol na
gravidez é insuficiente.
Os estudos realizados com Carvedilol em animais não revelaram quaisquer efeitos teratogénicos.
105
Os bloqueadores-beta diminuem a perfusão placentária, o que pode causar morte fetal intra-uterina,
partos imaturos ou prematuros. Além disso, efeitos adversos como hipoglicemia e bradicardia podem ocorrer
no feto e recém-nascido.
Existe um risco acrescido de ocorrência de complicações pulmonares e cardíacas no recém-nascido
durante o período pós-natal.
O Carvedilol não deve ser utilizado durante a gravidez, a não ser que os benefícios esperados
compensem os riscos potenciais.
Tal como com outros bloqueadores-beta, os estudos realizados em ratas em período de lactação
demonstraram que o Carvedilol e/ou os seus metabolitos são excretados no leite materno. Portanto,
desaconselha-se o aleitamento durante a administração de Carvedilol.
Efeitos $obre a ondução de Veículos e Utilização de Máquinas: O tratamento com Carvedilol pode
causar reacções individuais, diversas, capazes de prejudicar o estado de vigília (p. ex. a capacidade de
condução ou de manejo de máquinas). Este facto aplica-se particularmente quando se inicia ou se altera o
tratamento e quando há ingestão conjunta de álcool.
Efeitos Adversos:
Os efeitos adversos mais frequentemente observados em doentes do grupo Carvedilol nos ensaios
clínicos realizados em doentes com insuficiência cardíaca e que não foram observados com a mesma
incidência no grupo de doentes com placebo, foram os seguintes:
· Sistema Nervoso Central: Tonturas.
· Aparelho Cardiovascular: Bradicardia, hipotensão postural, hipotensão e raramente síncope.
Edema (incluindo edema generalizado, periférico, de declive e genital, edema dos membros inferiores,
hipervolemia e sobrecarga de líquidos).
Raramente bloqueio AV.
Raramente insuficiência cardíaca durante o ajustamento posológico.
· Aparelho Gastrintestinal: Náuseas, diarreia e vómitos.
· Hematologia: Trombocitopenia.
· Metabolismo: Hiperglicemia (em doentes com diabetes mellitus, ver Advertências e Precauções
especiais de utilização), aumento de peso e hipercolesterolemia.
106
· Outros: Alterações da visão, raramente insuficiência renal aguda e alterações da função renal em
doentes com doença vascular difusa e/ou comprometimento da função renal (ver Advertências e Precauções
especiais de utilização).
A frequência dos efeitos adversos não está dependente da dose, com excepção das tonturas, alterações
da visão e bradicardia.
O perfil dos efeitos adversos associados com a utilização de Carvedilol no tratamento da hipertensão e da
doença arterial coronária, é concordante com o observado na insuficiência cardíaca, no entanto, a incidência de
efeitos adversos nestes doentes é menor.
Os efeitos adversos observados nos ensaios clínicos efectuados em doentes com hipertensão e doença
arterial coronária são:
· Sistema Nervoso Central: Tonturas, cefaleias e fadiga, geralmente de natureza ligeira e ocorrendo no
início do tratamento. Raramente alteração de humor, perturbação do sono e parestesias.
· Aparelho Cardiovascular: Bradicardia, hipotensão postural e raramente síncope, especialmente no início
do tratamento.
Perturbações da circulação periférica (extremidades frias).
Raramente bloqueio AV, angina de peito, exacerbação de sintomas em doentes sofrendo de claudicação
intermitente ou fenómeno de Raynaud.
· Aparelho respiratório: Congestionamento nasal e, em doentes com predisposição, asma e dispneia.
· Aparelho Gastrintestinal: Distúrbios gastrintestinais (náuseas, diarreia, dor abdominal).
· Pele: Raramente reacções alérgicas cutâneas (p. ex. exantema, urticária, prurido).
· Química do sangue e Hematologia: Casos isolados de alteração nas transaminases séricas,
trombocitopenia e leucopenia.
· Outros: Dor das extremidades, redução da produção de lágrimas, alterações da visão, irritabilidade ocular.
$obredosagem:
Sintomas de intoxicação: No caso de sobredosagem pode verificar-se hipotensão acentuada, bradicardia,
insuficiência cardíaca, choque cardiogénico e paragem cardíaca. Podem também verificar-se problemas
respiratórios, broncospasmo, vómitos, perturbações da consciência e convulsões generalizadas.
Tratamento da intoxicação: Para além de medidas gerais de actuação, os parâmetros vitais devem ser
monitorizados e corrigidos, se necessário, em condições de cuidados intensivos. Podem ser instituídos os
seguintes tratamentos de suporte:
107
Atropina: 0,5 a 2 mg i.v. (em caso de bradicardia excessiva).
Glucagina: inicialmente 1 a 10 mg i.v., depois 2 a 5 mg/h para perfusão de longa duração (para suporte da função
cardiovascular).
Simpaticomiméticos de acordo com o peso corporal e efeito: dobutamida, isoprenalina, orciprenalina ou
adrenalina.
Se a vasodilatação periférica dominar o perfil da intoxicação, devem administrar-se norfenefrina ou noradrenalina,
efectuando a monitorização contínua das condições circulatórias.
No caso de bradicardia resistente ao tratamento, deve iniciar-se terapêutica com pacemaker.
No caso de broncospasmo, devem ser administrados beta-simpaticomiméticos (na forma de aerossóis ou, se
ineficazes, também por via i.v.) ou aminofilina por via i.v.. No caso de ocorrerem convulsões, recomenda-se a
administração de diazepam ou clonazepam em injecção i.v. lenta.
Nota: No caso de intoxicação grave com sintomas de choque, o tratamento de suporte deve manter-se por um
período de tempo suficientemente longo, já que uma semi-vida de eliminação longa e uma redistribuição do
Carvedilol dos compartimentos mais profundos, são possíveis.
A duração da terapêutica com antídoto depende da gravidade da intoxicação; as medidas de suporte devem
manter-se até normalização da situação do doente.
!ropriedades Farmacodinâmicas: O Carvedilol é um fármaco bloqueador beta-adrenérgico não-selectivo,
vasodilatador e com propriedades antioxidantes. Foi demonstrado que a vasodilatação é essencialmente
mediada pelo bloqueio selectivo dos receptores adrenérgicos-alfa1.
O Carvedilol reduz a resistência vascular periférica através de vasodilatação e suprime o sistema de renina-
angiotensina-aldosterona através do bloqueio-beta. A actividade da renina plasmática é reduzida e a retenção de
líquidos é rara.
O Carvedilol não tem actividade simpaticomimética intrínseca e, tal como o propranolol, tem propriedades de
estabilização de membrana.
O Carvedilol é uma mistura racémica de dois estereoisómeros. Em modelos animais, ambos os enantiómeros
apresentam propriedades de bloqueio dos receptores alfa1-adrenérgicos. As propriedades de bloqueio dos
receptores adrenérgicos-beta são não-selectivas para os receptores adrenérgicos-beta1 e beta2 e estão
associadas com o enantiómero levogiro do Carvedilol.
108
O Carvedilol é um antioxidante potente e um sequestrador de radicais livres de oxigénio. As
propriedades antioxidantes do Carvedilol e dos seus metabolitos foram demonstradas em
estudos in vitro e in vivo em animais, e in vitro em diversos tipos de células humanas.
Estudos clínicos demonstraram que o equilíbrio entre vasodilatação e bloqueio-beta
conseguido pelo Carvedilol resulta nos seguintes efeitos:
Em doentes hipertensos, uma diminuição da pressão arterial não está associada a um aumento
concomitante da resistência periférica total, tal como se observa com os bloqueadores-beta
puros. A frequência cardíaca diminui ligeiramente. O fluxo sanguíneo renal e a função renal são
mantidos. O fluxo sanguíneo periférico é mantido, por conseguinte, o arrefecimento de
extremidades observado com fármacos com actividade bloqueadora-beta é raro.
Em doentes com doença arterial coronária, demonstrou-se que o Carvedilol tem propriedades
anti-isquémicas e antianginosas que se mantiveram durante tratamentos prolongados. Estudos
de hemodinâmica aguda demonstraram que o Carvedilol reduz a pré-carga e a pós-carga
ventriculares.
Em doentes com disfunção ventricular esquerda ou insuficiência cardíaca congestiva, o
Carvedilol demonstrou ter efeitos favoráveis na hemodinâmica e melhorar as dimensões do
ventrículo esquerdo e a fracção de ejecção.
A relação normal entre lipoproteínas de alta densidade e baixa densidade (HDL/LDL) mantém-
se. Os electrólitos séricos não são afectados.
!ropriedades Farmacocinéticas: Características gerais: A biodisponibilidade absoluta do
Carvedilol no Homem é aproximadamente de 25%. A concentração sérica máxima é alcançada
1 hora após administração de uma dose oral. Existe uma relação linear entre a dose e as
concentrações séricas. A ingestão de alimentos não afecta a biodisponibilidade nem a
concentração sérica máxima, embora o tempo necessário para alcançar a concentração sérica
máxima seja prolongado.
109
O Carvedilol é fortemente lipofílico, a ligação às proteínas plasmáticas é cerca de 98 a 99%. O volume de
distribuição é aproximadamente de 2 l/Kg e aumenta em doentes com cirrose hepática. O efeito de primeira
passagem após administração oral é cerca de 60-75%, a circulação entero-hepática da substância parental foi
demonstrada em animais.
A semi-vida média de eliminação do Carvedilol está compreendida entre 6 e 10 horas. A depuração plasmática
é de aproximadamente 590 ml/min. A eliminação é principalmente biliar. A mais importante via de eliminação é
a fecal. Uma parte menor é eliminada por via renal sob a forma de metabolitos vários.
Em todas as espécies animais estudadas, e também no Homem, o Carvedilol é extensamente metabolizado
numa variedade de metabolitos que são eliminados principalmente pela bílis.
O Carvedilol é extensamente metabolizado pelo fígado, sendo a glucuronidação uma das reacções principais.
A desmetilação e a hidroxilação no anel fenol produzem 3 metabolitos activos com actividade bloqueadora dos
receptores beta-adrenérgicos.
Segundo os estudos pré-clínicos, a actividade de bloqueio-beta do metabolito 4-hidroxifenol é
aproximadamente 13 vezes mais potente do que a do Carvedilol. Em comparação com o Carvedilol, os três
metabolitos activos têm fraca actividade vasodilatadora. No Homem, as suas concentrações são cerca de 10
vezes menores do que as da substância parental. Além disso, dois dos metabolitos hidroxi-carbazol do
Carvedilol são antioxidantes extremamente potentes, manifestando uma potência de 30 a 80 vezes superior à
do Carvedilol.
Características em doentes: A farmacocinética do Carvedilol é afectada pela idade; as concentrações
plasmáticas do Carvedilol são aproximadamente 50% mais altas nos idosos do que nos indivíduos jovens.
Num estudo efectuado em doentes com cirrose hepática, a biodisponibilidade do Carvedilol foi quatro vezes
mais elevada e a concentração plasmática máxima 5 vezes mais elevada do que em indivíduos sãos.
Em doentes hipertensos com insuficiência renal moderada (depuração da creatinina de 20-30 ml/min.) a grave
(depuração da creatinina < 20 ml/min.), verificou-se um aumento de aproximadamente 40-55% nas
concentrações plasmáticas de Carvedilol (com base na área sob a curva-AUC) em comparação com os
valores obtidos em doentes hipertensos com função renal normal. Registou-se, contudo, uma grande
variabilidade nos resultados e sobreposição considerável aos valores normais.
110
(c{v[c.inv
ndicações:
Normalmente activas contra cocos gram positivos incluindo os estafilococos
produtores de beta lactamases;
A sua actividade contra gram negativos é limitada, embora muitas estirpes de E. coli,
Klebsiella pneumoniae e !roteus sp sejam susceptíveis;
Nenhuma das cefalosporinas de 1ª geração é activa contra os enterococos,
estafilococos resistente à meticilina e !. aeruinosa;
Tratamento de infecções devidas a micro-organismos gram positivos e gram
negativos susceptíveis, nomeadamente infecções urinárias, faringites, sinusites,
infecções respiratórias, amigdalites.
#eacções adversas:
- Efeitos gastrointestinais ÷ náuseas, vómitos e diarreia sobretudo com doses
elevadas;
- Efeitos hematológicos ÷ eosinófilia, agranulocitose e trombocitopénia ocorrem
raramente;
- Alteração das enzimas hepáticas e icterícia colestática estão também descritas
mas ocorrendo muito raramente;
111
- Tal como as penicilinas, as cefalosporinas são susceptíveis de induzir reacções
de hipersensibilidade caracterizadas habitualmente por erupções cutâneas,
urticária, prurido e artralgias e reacções anafilácticas, embora muito raramente.
ontra-indicações e precauções:
Uma história de hipersensibilidade às penicilinas pode constituir uma contra-
indicação à utilização de cefalosporinas;
Uma história de hipersensibilidade às cefalosporinas constitui sempre uma
contra-indicação à utilização destes antimicrobianos;
nteracções:
As cefalosporinas que contêm o grupo químico tetrazoltiometil - cefamandol,
cefmetazol, cefonicide, cefoperazona e cefotetano - estão associadas com um
risco aumentado de desenvolvimento de efeitos hemorrágicos
(hipoprotrombinemia) e reacções tipo dissulfiram. Tal como acontece com as
penicilinas, o probenecide inibe competitivamente a secreção tubular da maioria
das cefalosporinas, originando concentrações séricas mais elevadas e mantidas.
112
!osologia:
AduItos] - Via oral: 250 mg de 6/6 horas ou 500 mg de 8/8 ou de 12/12 horas; 1
a 1,5 g de 6/6 ou de 8/8 horas nas infecções graves.
Crianças] - Via oral: Até 1 ano: 125 mg de 12/12 horas; dos 1 aos 5 anos: 125
mg de 8/8 horas; dos 6 aos 12 anos: 250 mg de 8/8 horas.
Agrupame
nto
Dosagem /
Composiç
ão
Nome do
medicame
nto
Dispensa -
E/P (se
aplicavel)
Forma
farmacêuti
ca
Embalagem PVP(C) PMU(C)
Compart. -
PR (se
aplicavel)
Titular AÌM
Orais
líquidas e
semi-
sólidas
250
mg/5 ml
Keflex MSRM
Pó p.
susp. oral
Frasco - 100 ml 7.63 C 0.0763 C 70% Lilly
Orais
sólidas
500 mg Ceporex MSRM
Cáps.
dura
Blister - 16 unidade(s) 8.75 C 0.5469 C 0%
Glaxo
Wellcome
Orais
sólidas
1000 mg
Ceporex
Forte
MSRM
Comp.
revest.
por
película
Blister - 16 unidade(s) 16.13 C 1.0081 C 0%
Glaxo
Wellcome
Orais
sólidas
500 mg Keflex MSRM
Cáps.
dura
Blister - 16 unidade(s) 10.35 C 0.6469 C 0% Lilly
113
(c{v:o[inv
Grupo Fármaco - Terapêutico: anti-infeccioso (cefalosporina de 1º geração)
Acção: Liga-se á membrana da parede celular bacteriana, causando a morte
celular ÷ acção bactericida contra as bactérias susceptíveis.
Indicações Terapêuticas:
Tratamento de:
- Ìnfecções da pele e das estruturas cutâneas (incluindo queimadoras).
- Pneumonia.
- Otite média.
- Ìnfecções do tracto urinário.
- Ìnfecções ósseas e articulares.
- Septicemia (incluindo endocardite) devida a microorganismos susceptíveis.
Pode ser usado como anti-infecciosos profilácticos para uso operatório.
As cefalosporinas de 1ª geração não são indicadas para tratamento da
meningite.
Via de Administração e PosoIogia:
Ìntramuscular, endovenosa:
- AduItos: Maioria das infecções ÷ 250 mg-1,5 g em cada 6/8 horas. !rofilaxia
peri-operatória ÷ 1 g 60 minutos antes da incisão, depois de 8/8 horas até ás 24
horas.
114
-Crianças e recém-nascidos > 1 mês: 6,25-25 mg/kg de 6/6 horas ou 8,3-33,3
mg/kg de 8/8 horas.
Ìnsufuciência renal:
-IntramuscuIar, endovenosa (AduItos): Clearance de creatinina 35-54 ml/min. ÷
dose total de 8/8 horas ou com maior frequência; Clearance de creatinina 11-34
ml/min. ÷ ½ da dose total de 12/12 horas; Clearance de creatinina A 10 ml/min. ÷
½ da dose total em cada 18/24 horas.
Contra-Indicações:
Hipersensibilidade ás cefalosporinas.
Hipersensibilidade grave ás penicilinas.
Precauções:
Ìnsuficiência renal: recomendada a redução da posologia e/ou aumento
do intervalo entre as doses para se clearance de creatinina < 55 ml/min.
História de doença gastrointestinal, especialmente colite.
Doentes geriátricos: pode ser necessário ajustamento da posologia
devido á diminuição da função renal relacionada com a idade.
Gravidez e lactação: a semi-vida é mais curta e os níveis sanguíneos
baixam durante a gravidez ÷ tem sido usado com segurança.
115
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Convulsões (com doses elevadas).
Náuseas, vómitos, cólicas, diarreia, colite pseudomembranosa.
Erupções cutâneas e urticária.
Discrasias sanguíneas, anemia hemolítica.
Flebite no local da punção venosa.
Dor no local da injecção intramuscular.
Super-infecção, reacções alérgicas incluindo anafilaxia e doença do sono.
Interacções Medicamentosas:
A probenecida diminui a excreção e aumentam os níveis sanguíneos.
O uso concomitante de diuréticos da ansa pode aumentar o risco de
toxicidade renal.
Cuidados de Enfermagem:
Avaliar a ocorrência de infecção (sinais vitais; aparecimento de lesões,
expectoração, urina e vezes; contagem leucocitária) no início e durante a
terapêutica.
Observar sinais e sintomas de anafilaxia (erupção cutânea, prurido, edema
da laringe, asma). Suspender a administração do fármaco e avisar o médico. Ter
sempre disponível adrenalina, um anti-histamínico e o equipamento de reanimação
para o caso de uma reacção anafilática.
116
Per-os: administrar sempre a horas certas. Pode ser administrado em
jejum ou não.
A administração com alimentos pode minimizar a irritação
gastrointestinal.
Agitar bem a suspensão oral antes de administrar.
Guardar as suspensões no frigorífico.
IntramuscuIar: reconstituir as doses intramusculares com água
esterilizada ou com bacteriostáticos para injectáveis ou NaCl 0,9%. Pode ser
diluído com lidocaína para minimizar o desconforto da injecção.
Endovenosa: a solução reconstituída de 500 mg ou de 1 g pode ser
diluída em 50-100 ml de NaCl 0,9%, dextrose a 5% ou a 10%, dextrose 5%/NaCl
0,25%, dextrose 5%/NaCl 0,45%, dextrose 5%/NaCl 0,9%, dextrose 5%/lactato
de ringer ou solução de lactato de ringer.
A solução é estável durante 24 horas à temperatura ambiente e 96
horas no frigorífico.
- Ritmo de perfusão: administrar durante 30-60 min.
117
(c{ì·iv.onv
Grupo Fármaco-terapeutica: Antibacteriano sistémico - Cefalosporina de 3ª
geração.
ndicações
Tratamento de infecções causadas por germes sensíveis, tais como:
· Ìnfecções do tracto respiratório baixo causadas por: Streptococcus
pneumoniae, Staphylococcus aureus, Haemophilus influenzae, Haemophilius
parainfluenzae, Klebsiella pneumoniae, Escherichia coli, Enterobacter aerogenes,
Proteus mirabilis ou Serratia marcescens.
· Ìndicações da pele e tecidos moles causadas por: Staphylococcus aureus,
Staphylococcus epidermis, Streptococcus pyogenes, Streptococci do grupo viridans,
Escherichia coli, Enterobacter cloacae, Klebsiella oxytoca, Proteus mirabilis,
Morganella morganii, Pseudomonas aeruginosa, Serratia marcescens,
Acinetobacter calcoaceticus, Bacteroides fragilis ou Peptostreptococcus species.
· Ìnfecções do tracto urinário complicadas e não complicadas causadas por:
Escherichia coli, Proteus mirabilis, Proteus vulgaris, Morganella morganii ou
Klebsiella pneumoniae.
118
· Gonorreia não complicada: (cervical/uretral e rectal) causada por Neisseria
gonorrhoeae incluindo estirpes produtoras ou não produtoras de penicilinase.
· Ìnfecção inflamatória pélvica: causado por Neisseria gonorrhoeae.
· Septicémia bacteriana causada por: Staphylococcus aureus, Streptococcus
pneumoniae, Escherichia coli, Haemophilus influenza ou Klebsiella pneumoniae.
· Ìnfecções dos ossos e articulações causadas por: Staphylococcus aureus,
Streptococcus pneumoniae, Escherichia coli, Proteus mirabilis, Klebsiella
pneumoniae ou Enterobacter species.
· Ìnfecções intra-abdominais causadas por: Escherichia coli, Klebsiella
pneumoniae, Bacteroides fragilis, Clostridium sp. (nota: a maior parte das estirpes
C. difficile são resistentes) ou Peptostreptococcus sp..
· Meningites causadas por: Haemophilus influenzae, Neisseria meningitidis ou
Streptococcus pneumoniae.
!osologia e Modo de Administração
Via Ì.M. ou Ì.V.: De acordo com o critério clínico.
Em geral os adultos e crianças com mais de 12 anos recebem 1-2 g, uma vez
por dia.
Nos casos graves, ou em presença de germes menos sensíveis a dose pode
ser aumentada (1 a 2 g cada 12 horas), só excepcionalmente podendo ultrapassar
os 4 g/dia. Na blenorragia não complicada basta, em geral, 0,25 a 0,5 g (dose
única).
119
Os recém-nascidos e as crianças, em função da gravidade da situação podem
receber doses de 20 ÷ 80 mg/kg cada 24 horas (ou ½ dose cada 12 horas). Nos
prematuros não se deve exceder 40-50 mg/kg/dia.
A injecção Ì.M. deve ser profunda e usando o solvente apropriado, (cloridrato de
lidocaína a 1%).
Devem-se utilizar soluções preparadas recentemente.
À temperatura ambiente a solução é estável durante 6 horas. À temperatura de
5ºC é estável durante 24 horas.
Não injectar mais de 1 g do mesmo lado.
A solução que contém lidocaína nunca deve ser administrada por via intravenosa.
A injecção Ì.V. deve ser diluída (1 g em 10 ml de água para preparações injectáveis)
÷ injecção lenta 3 ÷ 4 minutos.
Se se pretende fazer uma perfusão Ì.V., usar cloreto de sódio a 0,9%, ou cloreto de
sódio a 0,45% e glicose a 0,25% ou glicose a 5% ou levulose a 5%.
Não usar produtos contendo cálcio.
As soluções apresentam coloração amarela. A cor não tem significado quanto à
eficácia ou tolerância do antibiótico.
O probenecide não interfere com a eliminação do Ceftriaxone.
Em caso de insuficiência renal não é necessário reduzir a dose de Ceftriaxone,
desde que não haja concomitantemente alteração da função hepática. Apenas nas
insuficiências renais graves (clearance de creatinina < 10 ml/min.) a dose diária
não deve ultrapassar os 2 g.
120
No caso de insuficiência hepática não é necessário reduzir a posologia a menos que simultaneamente haja
alteração da função renal.
No caso de insuficiência renal e hepática simultâneas, aconselha-se uma vigilância apertada dos níveis
séricos.
ontra-ndicações
Hipersensibilidade ao Ceftriaxone e às cefalosporinas.
!recauções
Em cerca de 15% dos casos, os doentes alérgicos às penicilinas têm alergia cruzada às cefalosporinas.
Embora os ensaios no animal não tenham revelado acção teratogénica, tal como com todos os novos
medicamentos, não se aconselha a administração deste produto na gravidez.
Tem-se verificado aumentos passageiros da creatinina sérica e do azoto úrico quando do tratamento com as
dosagens recomendadas.
Alterações no tempo da protrombina ocorreram, se bem que raramente, sob este tratamento. Doentes com
síntese de vitamina K diminuída ou com armazenagem baixa devido, por exemplo, a doença hepática crónica
e má nutrição, poderão requerer o controlo de tempo de protrombina durante o tratamento. Poderá ser
necessário encarar a hipótese de administração de 10 mg por semana de vitamina K durante a terapêutica
com MESPORÌN®.
nteracções
Até ao momento não se detectaram interacções com os aminoglicosidos e os saluréticos. Nomeadamente não
há evidência de um aumento da toxicidade dos aminoglicosidos.
121
(i.[o.¡o·inv (^vnvinnvn©
Indicações: Agente Ìmunossupressor
Prevenção da rejeição do enxerto após o transplante do órgão
Efeitos secundários:
Hipertricose
Tremor
Alteração da função renal
Hipertensão (em particular em transplantados cardíacos)
Disfunção hepática
Fadiga
Hipertrofia gengivas
Perturbações gastro-intestinais (anorexia, náuseas, vómitos, dores
abdominais e diarreia)
Sensação de queimadura nas mãos e pés
122
- Ocasionalmente
Cefaleias, erupções cutâneas (origem alérgica), anemia ligeira,
hipercaliémia, hiperuricémia, hipomagnesémia, aumento de peso,
edema, pancreatite, parestesias, convulsões e dismenorreia ou amenorreia
reversíveis.
- Raramente
Caímbras musculares, fraqueza muscular ou miopatia.
O concentrado contém óleo derícino polioxietilado, que pode provocar
reacções alérgicas do tipo choque anafilático.
É importante uma observação apertada do doente. Se ocorrer anafilaxia
deve interromper-se a infusão. Deverá estar disponível adrenalina EV e O.
Administração:
Ampolas de 50mg/ml diluídas em NaCl 0,9% ou Dx5%HO na
proporção
50mg em 50cc para perfusão EV lenta.
123
([v·iì·oni.inv (1[v.iv©
ategoria Fármaco-Terapêutica: Antibacteriano sistémico - Macrólido
omposição Qualitativa e Quantitativa
Princípio activo mg/frasco-ampola
Claritromicina 500,0
Outros ingredientes
Ácido lactobiónico 252,7*
*quantidade nominal. Pode variar de lote para lote, segundo as necessidades
de ajuste do pH.
Forma Farmacêutica: Pó para solução injectável.
ndicações Terapêuticas
A Claritromicina Ì.V. é indicada nas infecções graves, sempre que é necessária
terapêutica parentérica para o tratamento de microrganismos sensíveis, nas
seguintes situações:
· Ìnfecções do tracto respiratório superior (faringite, sinusite).
· Ìnfecções do tracto respiratório inferior (bronquite, pneumonia).
· Ìnfecções da pele e tecidos moles.
124
ontra-ndicações
KLACÌD está contra-indicado em doentes com hipersensibilidade conhecida aos
Macrólidos.
É contra-indicada a administração concomitante de Claritromicina com astemizole,
cisapride, pimozide e terfenadina (Ver Ìnteracções).
Advertências e !recauções Especiais de Utilização
O médico não deverá prescrever Claritromicina a uma mulher grávida sem
previamente ponderar os benefícios e riscos da sua utilização, especialmente
durante os primeiros 3 meses de gravidez.
A Claritromicina é principalmente excretada pelo fígado. Deverá pois ser
acautelada a sua administração em doentes com função hepática diminuída.
Também deverá ser acautelada a sua administração em doentes com
insuficiência renal moderada a grave.
Deverá ser considerada a possibilidade de resistência cruzada entre a
Claritromicina e outros macrólidos, assim como com a lincomicina e a
clindamicina.
Tem sido descrita colite pseudomembranosa com quase todos os fármacos
antimicrobianos, incluindo os macrólidos, que pode ser desde gravidade ligeira
até compromisso vital.
125
([cnv.ìinv (Iv.cv,[
Categoria fármaco ÷ terapêutica: É um anti-histaminico, pertencente ao grupo
éter benzidrilo. Ìnibe selectivamente os receptores histaminicos do tipo H1 e reduz
a permeabilidade capilar. Apresenta uma duração de 12 horas.
Indicações:
Tratamento adjuvante no choque anafiláctico e anafilactóide e no edema
angioneurótico.
Prevenção ou tratamento de reacções alérgicas, devidas por exemplo a produtos
de contraste, transfusões de sangue, teste de histamina para estudo da função
gástrica.
Efeitos secundários:
Sedação, fadiga;
Secura da boca, cefaleias, tonturas;
Erupção cutânea, náuseas, gastralgias e obstipação
Em caso de hipersensibilidade pode ocorrer dispneia.
126
Interacções medicamentosas e outras
Potenciam os efeitos dos sedativos, hipnóticos e inibidores de MAO
PosoIogia, modo e via de administração
A solução deve ser diluída com solução salina isotónica ou com solução de
glicose a 5% na proporção de 1:5.
Deve ser administrado lentamente.
Em caso de omissão de uma dose, esta deverá ser aplicada assim que se der
conta do ocorrido, a não ser que faltem menos de 4 horas para a dose seguinte.
127
Farmacocinética
A acção anti-histaminica do fármaco atinge o seu máximo ao fim de 5 a 7 horas;
normalmente esta acção mantém-se durante 10 a 12 horas, ou mesmo em alguns
casos até 24 horas. É metabolizada no fígado, e excretada cerca de 45% a 65%
pela urina.
Sobredosagem
Os efeitos duma sobredosagem por anti-histamínicos variam desde depressão a
estimulação do SNC. Pode também verificar-se sintomas anticolinérgicos como
secura de boca, dilatação ou fixação das pupilas, rubor e reacções
gastrointestinais.
O tratamento consiste na eliminação do fármaco por lavagem gástrica,
administração de carvão activado e tratamento sintomático.
128
([invvni.inv (Iv[v.in
Grupo Fármaco - Terapêutico: antibiótico
Indicações :
Tratamento de infecções graves produzidas por microorganismos susceptiveis,
incluindo:
Ìnfecções da pele e estruturas cutâneas
Ìnfecções respiratórias
Septicemia,
Ìnfecções intra ÷ abdominais
Ìnfecções ginecológicas
Osteomielite
Acção:
Ìnibe a síntese proteica de bactérias susceptíveis ao nível da unidade dos ribossomas.
Bactericida ou bactériostático, dependendo da susceptibilidade e concentração.
Activo em relação à maior parte de cocos aérobicos, gram-positivos, incluindo,
estafilococos, streptococos e estreptococos não enterococos.
Farmacocinética:
Maioritariamente metabolizado no fígado. Tem uma semi ÷ vida de 2 a 3 horas.
129
Administração:
Po: Pode ser administrado antes das refeições. Estável durante 14 dias à
temperatura ambiente.
IM: Não administrar doses superiores a 600 mg em injecção única.
EV: Diluir cada 300 mg do produto em 50 ml de qualquer solução dextrosada de
5% a 10%, e soro fisiológico de 0,45 a 0,9 % num tempo sempre superior a 10
min. . estável durante 24 horas à temperatura ambiente.
IncompatibiIidade:
- Aminofilina,
- Ceftriaxona,
- Barbituricos,
- Glucanato de cálcio,
- Sulfato de magnésio,
- Fenitoina sódica,
- Ranitidina.
Interacções medicamentosas:
- saIiciIato de aIuminio pode diminuir a absorção gastrointestinal,
- pode potencializar o bloqueio neuromuscular produzido por outros agentes
bloqueadores neuro-musculares.
130
Reacções Adversas e efeitos coIaterais:
- Tontura, vertigens, cefaleias;
- Hipotensão, arritmias;
- Erupção cutânea,
- Diarreia, náuseas, vómitos
- Flebite no local de punção EV
Contra - indicações:
- Hipersensibilidade à tartrazina,
- História de colite pseudomenbranosa
- Alterações hepáticas grave
- Diarreia
131
([oni¡·vninv (/nv{·vni[
Grupo Fármaco - Terapêutico: antidepressivo
Composição:
- Cloridrato de Clomipramina.
- Cada comprimido revestido contém 10 mg ou 25 mg de Cloridrato de
Clomipramina.
- Cada comprimido de libertação prolongada contém 75 mg de Cloridrato
de Clomipramina.
- Cada ampola contém 25 mg de Cloridrato de Clomipramina em 2 ml de
solução aquosa.
Contra-indicação:
Gravidez, Lactação, Crianças - Lactentes.
Precaução de emprego:
Ìnsuficiência cardíaca, Hipertrofia prostat. - adenoma, Glaucoma, Epilepsia.
132
([oni.inv (([oni.
Grupo terapêutico: actua a nível do aparelho músculo esquelético,é um
analgésico, anti-inflamatório não-esteróide, antipirético e inibidor da
hipermeabilidade capilar.
Indicações terapêuticas: situações dolorosas de qualquer etiologia,
intensidade ou localização ( incluindo as que, habitualmente, apenas são
sensíveis aos analgésicos narcóticos)
situações inflamatórias, particularmente quando acompanhadas de dor.
Contra - Indicações: úlcera péptica em actividade
Efeitos Indesejáveis: podem ocasionalmente ocorrer sensação de
enfartamento ou pirose que, geralmente, desaparecem sem necessidade de
suspender o tratamento.
133
Interacções medicamentosas: não se conhecem
Precauções especiais de utiIização: o produto não deve ser administrado
durante a gravidez, particularmente durante o primeiro trimestre. Em princípio o
produto não deve ser administrado a doentes com lesões renais evidentes.
Modo de administração: administrar via oral sob a forma de cápsula
Cápsulas:
- Dores de intensidade moderada a rave: 2 cápsulas de cada vez;
- Dores de intensidade lieira: 1 cápsula de cada vez.
As doses acima referidas poderão ser repetidas 4 a 6 horas depois, se
necessário.
Não é recomendado ultrapassar a dose de 6 cápsulas por dia nem
manter a terapêutica por períodos muito prolongados.
Duração do tratamento médio: uma ou duas cápsulas de cada vez, de
acordo com a intensidade dos sintomas. Se necessário as doses poderão ser
repetidas 4 a 6 horas depois, contudo, recomenda-se, não ultrapassar a dose
de 6 cápsulas por dia, nem manter a terapêutica por períodos de tempo muito
prolongados.
134
([o¡ivov·c[
Grupo FarmacoIógico: Ìnibidores da agregação plaquetar
Grupo Farmacoterapêutico: Anticoagulantes e Antitrombóticos
Indicações Terapêuticas:
Prevenção de acidentes aterotrombóticos em:
Doentes com EAM, AVC ou doença arterial periférica
Doentes com síndrome coronário agudo em associação com AAS
PosoIogia e modo de administração: Deve ser administrado sob a forma de
toma única, com ou sem alimentos
Propriedades FarmacoIógicas:
- Mecanismo de acção:
Ìnibe selectivamente a ligação do ADP ao seu receptor plaquetário e a
subsequente activação do complexo GPÌÌb-ÌÌÌa mediada pelo ADP.
Efeitos terapêuticos:
Ìnibição da agregação plaquetar
135
- Características Farmacocinéticas:
Absorção: rapidamente absorvido oralmente
Distribuição: amplamente distribuído
Metabolismo: metabolizado extensamente pelo fígado (pró-fármaco)
- Interacções:
Varfarina, heparina e outros trombolíticos: efeito aditivo; pode aumentar a intensidade
dos síndromes hemorrágicos
Efeitos secundários:
SNC: tonturas, cefaleias
GÌ: diarreia, dor abdominal e dispepsia
Contra-indicações:
Hipersensibilidade
ÌH grave
Hemorragia activa
Gravidez e lactação
Advertências e precauções especiais:
Dependentes de drogas
Doentes geriátricos
Instruções de manipuIação e administração: Controlo hematológico
136
([o·cìo vc ¡oìv..io
Grupo Fármaco - Terapêutico: Electrólito / Modificador electrolítico ÷ suplemento de
potássio.
Acção: Mantém o equilíbrio ácido-base, a isotonicidade e o equilíbrio electrofisiológico
da célula.
È activador de muitas reacções enzimáticas e essencial a muitos processos incluindo:
transmissão do impulso nervoso; contracção do músculo cardíaco, esquelético e liso;
secreção gástrica; função renal; síntese dos tecidos; metabolismo dos hidratos de carbono.
Indicações Terapêuticas:
Tratamento e prevenção da depleção de potássio (per-os, endovenosa)
Tratamento de certas arritmias devidas a toxicidade cardíaca por gIicosídeos
(DigitáIicos).
Via de Administração e PosoIogia: Per-os e Endovenoso. (cada comprimido contém
13,4 mEq de potássio/g).
Prevenção de hipocaliémia:
- AduItos: 16-24 mEq/dia divididos em 2-4 doses.
Tratamento de hipocaliémia:
- AduItos
- Per-os: 40-100 mEq/dia divididos em 2-4 doses.
- Endovenoso: 10-20 mEq/h (não exceder 80 mEq/l ou 150 mEq/dia)
137
- Crianças (per-os, endovenoso): 2-3 mEq/kg/dia ou 20-40 mEq/m2/dia divididos
em várias doses.
Contra - Indicações:
Hipercaliémia.
Ìnsuficiência renal grave.
Doença de Addison não tratada.
Traumatismo grave dos tecidos.
Paralisia hipercaliémica familiar periódica.
Alguns produtos com tartrazina ou com áIcooI: evitar o uso em doentes
com hipersensibilidade ou intolerância.
Precauções:
Doença cardíaca.
Ìnsuficiência renal.
Diabetes mellitus.
Hipomotilidade gastro-intestinal, incluindo disfagia ou compressão
esofágica por alargamento ventricular esquerdo.
138
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Parestesias, agitação, confusão, fraqueza, paralisia.
Arritmias, alterações do ECG.
Náuseas, vómitos, diarreia, dores abdominais, ulceração gastro-
intestinais.
Paralisia.
Interacções Medicamentosas:
Usado com diuréticos poupadores de potássio ou IECA's pode levar a
hipercaliémia.
AnticoIinérgicos podem aumentar as lesões das mucosas gastro-
intestinais nos doentes a tomarem preparações de cIoreto de potássio.
Cuidados de Enfermagem:
Avaliar os sinais e os sintomas de hipocaliémia (fraqueza, fadiga, onda U
no ECG, arritmias, poliúria, polidipsia) e de hipercaliémia (batimentos cardíacos
irregulares e lentos, fadiga, fraqueza muscular, parestesias, confusão, dispneia,
arritmias cardíacas)
Monitorizar o pulso, a pressão arterial e ECG periodicamente durante
terapêutica endovenosa.
Não administrar IntramuscuIar ou Sub-cutânea.
139
Per-os: Administrar durante ou após as refeições para reduzir a irritação
gastro-intestinal.
Os comprimidos devem ser ingeridos com um copo de água. Não
mastigar nem esmagar drageias de revestimento entérico, comprimidos de
libertação prolongada ou cápsulas.
Dissolver os comprimidos efervescentes, pões e soluções em 200 ml de
água ou sumo frios. Beber lentamente.
Endovenoso: Evitar extravasamento pois pode ocorrer dor intensa e
necrose dos tecidos.
Não administrar sem diluir. Cada dose deve ser diluída e bem misturada
em 100-1000ml de solução endovenosa. Habitualmente limitado a 40 mEq/l de
solução endovenosa. Ìnfundir a um débito de 10-20 mEq/h.
Pode ser diluído em dextrose, cloreto de sódio, solução de Ringer.
IncompatibiIidade em dervação em Y: Diazepam, tartrato de
ergotamina e fenitoína.
Adições Incompatíveis: Anfotericina B, manitol e estreptomicina.
140
([o·o¡·onv:inv
Grupo Farmacoterapêutico: Antipsicótico; antiemético
Indicações Terapêuticas:
Psicoses agudas e crónicas, particularmente quando acompanhadas por aumento da agitação
psicomotora
Náuseas e vómitos
Hipos intratáveis
PosoIogia e modo de administração: PO, Rectal, EV e ÌM
Propriedades FarmacoIógicas:
- Mecanismo de acção:
Altera os efeitos da dopamina no SNC. Tem uma significativa actividade bloqueadora
adrenérgica alfa e anticolinérgica.
Efeitos terapêuticos:
Diminuição dos sinais e sintomas de psicose
Alivio das náuseas e vómitos
Controlo dos soluços
- Interacções:
Pimozida: aumenta o risco de reacções cardiovasculares potencilamente graves
Hipotensão aditiva do SNC com outros antihipertensores
Depressão aditiva do SNC com outros depressores do SNC
141
Efeitos secundários:
SNC: sedação, reacções extrapiramidais
GÌ: obstipação e boca seca
CV: hipotensão
Outros: fotossensibilidade
ORL: secura ocular, visão turva
Contra-indicações:
Hipersensibilidade
Glaucoma do ângulo estreito
Depressão da medula óssea
Doença hepática grave
Advertências e precauções especiais:
Doentes geriátricos ou debilitados (podem ser mais sensíveis aos efeitos adversos)
Gravidez, lactação, crianças com menos de 2 anos (segurança não estabelecida)
Epilepsia
Instruções de manipuIação e administração:
Avaliar sinais vitais periodicamente
Monitorizar hemograma e função hepática (pode diminuir o hematócrito, hemoglobina,
leucócitos e plaquetas; pode aumentar bilirrubina, AST, ALT e fosfatase alcalina)
Manter doente deitado pelo menos 30min após a administração parentérica para minimizar a
hipotensão ortostática
Administrar as doses PO com alimentos ou um copo de água para minimizar irritação gástrica
142
(oì·ino.v:o[ (^c¡ì·in, ^i.·o.cìin, v.ì·in©, .
CIassificação: Anti-infeccioso
Indicações:
- Bronquite,
- Enterite,
- Otite media,
- Pneumonia por Pneumocystis carinii
- Ìnfecções urinárias
Farmacocinética:
- Bem absorvido a partir do trato GÌ;
- Alguma metabolização hepática (20%), o restante é excretado inalterado por via renal.
Contra-indicações:
- Hipersensibilidade ás sulfonamidas ou trimetoprim
- Anemia megoblástica secundária a carência de folato
- Ìnsuficiência renal grave,
- Gravidez, lactação ou crianças com < de 2 meses.
143
Precauções:
Alteração da função hepática ou renal
SÌDA, aumenta a incidência das reacções adversas.
Reacções Adversas e Efeitos CoIaterais:
SNC: cefaleias, insónias, fadiga, depressão, alucinações.
GI: náuseas, vómitos, estomatite, diarreia, Necrose hepática
DermatoIogia: erupção cutânea, fotossencibilidade.
HematoIogia: Anemia Aplástica, Agranulocitose, leucopénia, trombocitopénia,
anemia hemolitica, anemia megaloblástica.
Administração:
PO: Administrar em jejum.
EV: Diluir cada ampola de 5 ml em 125 de Dext 5% H2O ; o diluente pode ser
reduzido a 75 ml, no caso de restrição de líquidos. Ìnfundir durante 60 a 90 min
CompatíveI com D5%, NaCL 0,45%
IncompatíveI com verapamil.
144
145
Ic.vncìv.onv
" Grupo Fármaco - Terapêutico: anti-inflamatório, imunossupressores, hormona (córtex
supra-renal).
"Acção:
Suprime a inflamação e a resposta imunológica normal.
Produz inúmeros efeitos metabólicos.
Tem uma actividade mineralcorticóide insignificante.
" Indicações Terapêuticas:
Ampla variedade de doenças crónicas, incluindo inflamatórias, alérgicas,
hematológicas, neoplásicas, alterações auto-imunes.
Tratamento do edema cerebral.
" Via de Administração e PosoIogia:
Insuficiência adrenocortical/nti-inflamatório/Maior parte das outras indicações:
- Per-os:
- AduItos: 0,5-9 mg diariamente em dose única ou repartido em diversas doses.
- Crianças: Insuficiência adrenocortical ÷ 23,3 mcg/kg (670 mcg/m2/dia) repartido
em 3 doses. Outras indicações ÷ 83,3-333,3 mcg/kg (2,5-10 mg/m2)/dia repartida em 3-4
doses.
146
- Endovenosa:
- AduItos: Fosfato de dexametasona ÷ 0,5-24 mg/dia (tem sido usado até 1
mg/kg dose única).
- Ìntramuscular:
- AduItos: Acetato de dexametasona ÷ 8-16 mg, cada 1-3 semanas.
Edema cerebral:
- Adultos:
- IntramuscuIar, Endovenosa: Fosfato de dexametasona ÷ Ìnicialmente 10
mg via endovenosa, 4 mg de 6/6 horas, pode ser diminuída para 2 mg de 8-12 horas, depois
para per-os.
- Per-os: 2 mg em cada 8/12 horas.
"Contra-Indicações:
Ìnfecções activas não tratadas.
Lactação.
Hipersensibilidade ou intolerância conhecida ao áIcooI, aos bissuIfitos ou à tartrazina.
"Precauções:
Tratamento prolongado: leva a supressão supra-renal; utilizar a dose mais pequena no
período mais curto possível.
Crianças: o uso prolongado provoca uma diminuição do crescimento; utilizar a dose
mais pequena no período mais curto possível.
Stress: cirurgia, infecção; podem ser necessárias doses suplementares.
Ìnfecções potenciais, podem esconder sinais (febre, inflamação).
Gravidez: segurança não estabelecida.
147
"Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Cefaleias, agitação, psicose, depressão, euforia, alterações de personalidade,
aumento da pressão intracraniana (nas crianças).
Cataratas, aumento da pressão intra-ocular.
Hipertensão.
Náuseas, vómitos, anorexia, úlceras pépticas.
Diminuição da cicatrização das lesões, petéquias, equimoses, fragilidade cutânea,
hirsutismo, acne.
Supressão das supra-renais, hiperglicémia.
Hipocaliémia, alcalose hipocalemica, retenção de líquidos (dose elevadas por tempo
prolongado.
Tromboembolismo, tromboflebite.
Perda ponderal e ganho ponderal.
Perca de massa muscular, dores musculares, necrose asséptica das articulações,
osteoporose.
Susceptibilidade aumentada a infecção, aspecto de Cushing (face em lua cheia)
"Interacções Medicamentosas:
Hipocalémia aditiva com diuréticos de ansa e tiazínicos, anfotericina B,
mezIociIina, piperaciIina ou ticarciIina.
Hipocalémia pode aumentar o risco de toxicidade com gIicosídeos digitáIicos.
Pode aumentar as necessidades de insuIina ou de antidiabéticos orais.
A fenitoína, o fenobarbitaI e a rifambina estimulam o metabolismo; podem diminuir a
eficácia.
148
Os contraceptivos orais podem bloquear o metabolismo.
Menor risco de efeitos gastrointestinais adversos quando administrados
com AINE's (incluindo a aspirina).
A administração prolongada, que suprime a função supra-renal pode
diminuir a resposta dos anticorpos e aumentar o risco de reacções adversas
das vacinas virais com microorganismos vivos.
Podem aumentar o risco de ruptura dos tendões com as
fIuoroquinoIonas.
Os antiácidos diminuem a absorção de prednisona.
"Cuidados de Enfermagem:
Avaliar o aparecimento de sinais de insuficiência das supra-renais
(hipotensão, perda ponderal, fraqueza, náuseas, vómitos, anorexia, letargia,
confusão, agitação) antes e periodicamente ao longo da terapêutica.
Monitorizar o balanço hídrico e o peso diariamente. Observar o
aparecimento de edemas periféricos, aumento regular de peso, presença de
fervores ou crepitações ou de dispneia. Se estas sinas surgirem, avisar o
médico.
As crianças devem fazer também avaliações periódicas do
crescimento.
149
Edema cerebraI: avaliar ao longo da terapêutica o aparecimento de
alterações no nível de consciência e de cefaleia.
Per-os: administrar às refeições para diminuir a irritação
gastrointestinal.
Os comprimidos devem ser esmagados e administrados com alimentos
ou líquidos aos doentes com dificuldades em deglutir.
Utilizar uma medida calibrada para obter posologias precisas das
fórmulas líquidas.
IntramuscuIar, Subcutânea: Não diluir ou adicionar com outras
soluções.
Endovenosa:
- Endovenosa directo: pode ser administrado na forma não diluída.
Administrar durante um minuto.
- Perfusão intermitente: Pode ser diluída em Dextrose 5% ou Na CL 0,9%.
150
Iiv:c¡vn
"Grupo Fármaco - Terapêutico: ansiolítico, sedativo
"Acção:
- Deprime o SNC.
- Produz relaxamento músculo-esquelético.
- Tem propriedades anticonvulsivas.
"Indicações Terapêuticas:
- Perturbações da ansiedade e sintomas ansiosos.
- Ìnsónia.
- Tratamento do Status Epilepticus
- Relaxamento muscular.
- Anticonvulsionante.
- Tratamento da síndroma de abstinência alcoólica.
"Via de Administração e PosoIogia: Per-os, endovenosa. Ìntra-muscular e
rectal.
Dose média diária per-os: 2 a 10 mg em 3 administrações, podendo-se
atingir os 30 mg se necessário.
Crianças (dose média: 1 a 5mg):
- Ìntra-muscular ou endovenosa: 10 mg (injecção lenta < 5 mg/min.).
- Rectal: 0,5mg/kg.
151
"Contra - Indicações:
- Hipersensibilidade ao fármaco.
- Doentes comatosos.
- Preexistência de depressão do SNC.
- Dor grave não controlada.
- Glaucoma de ângulo estreito.
- Gravidez e lactação.
"Precauções:
- Disfunção hepática.
- Ìnsuficiência renal grave.
- Doentes com tendências suicidas ou dependentes de drogas.
- Doentes idosos ou debilitados: necessário redução da posologia.
- Crianças: a posologia não deverá exceder 0,25 mg/kg.
"Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
- Tonturas, sonolência, letargia, cefaleias, depressão mental.
- Visão turva.
- Depressão respiratória.
- Hipotensão (apenas quando administrado via endovenosa).
- Náuseas, vómitos, diarreia, obstipação.
- Erupções cutâneas.
152
"Interacções Medicamentosas:
ÁIcooI, antidepressivos, anti histamínicos e opiáceos: o uso
simultâneo resulta de depressão aditiva do SNC.
Cimetidina, contraceptivos orais, dissuIfiram, fIuoxetina, isoniazida,
cetoconazoI, metoproIoI, propoxifeno, propanoIoI ou ácido vaIpróico: podem
diminuir o metabolismo do diazepam, potenciando as suas acções.
Rifampina e barbitúricos: podem aumentar o metabolismo e diminuir a
eficácia do diazepam.
Os efeitos sedativos podem ser diminuídos pela teofiIina.
"Cuidados de Enfermagem:
Monitorizar a pressão arterial, o pulso, a frequência respiratória antes e
periodicamente durante a terapêutica endovenosa.
Avaliar frequentemente o local de punção ÷ o diazepam pode causar
flebite e trombose venosa.
O doente deverá manter-se em repouso e em observação durante pelo
menos 3 h após a administração endovenosa.
153
Doses elevadas durante um prolongado período podem produzir dependência
psicológica e física. Observar cuidadosamente os doentes deprimidos em
relação a tendências suicidas.
Observar valores laboratoriais. Validar informações sobre efeitos secundários
do fármaco
Ansiedade: detectar o grau de ansiedade e de sedação (ataxia, tonturas,
discurso arrastado) antes e periodicamente no decurso da terapêutica).
Convulsões: Observar e registar características, duração e localização da
actividade convulsiva. A dose inicial do Diazepam proporciona o controlo das
convulsões durante 15-10 minutos após a sua administração.
Espasmos musculares avaliar espasmo muscular, a dor associada e a
limitação do movimento antes e durante a terapêutica
Privação do álcool: detectar no doente com síndrome de privação do álcool
aparecimento de tremores, agitação, delírio e alucinações. Proteger o doente
das lesões.
154
Iivo.inv (£vno.in
" Grupo terapêutico: actua a nível do aparelho cardiovascular, é um cardiotónico. Antiarritmico
" Indicações terapêuticas:
Insuficiência cardíaca: está indicado no tratamento da insuficiência cardíaca crónica. O seu
benefício terapêutico é maior nos doentes com dilatação ventricular. Está especificamente indicado
quando a insuficiência cardíaca é acompanhada por fibrilhação auricular.
rritmias supraventriculares: está indicado no tratamento de algumas arritmias
supraventriculares, particularmente "flutter¨ auricular e fibrilação, em que o maior efeito benéfico é a
redução do ritmo ventricular.
" Contra - Indicações:
- está contra-indicado no bloqueio atrioventricular de segundo grau, especialmente se existir precedentes
de ataques de Stokes-Adams;
- está contra indicado em arritmias causadas por intoxicação de glicosídeos cardíacos;
- está contra-indicado em arritmias supraventriculares associadas com uma reacção acessória
auriculoventricular, como é o caso do síndroma de Wolff-Parkison-White, salvo se as características
electrofisiológicas da reacção acessória e de qualquer outro possível efeito deletério da digoxina sobre
estas características tenham sido avaliadas;
- está contra-indicado caso se conheça ou se suspeite da presença de uma reacção acessória e não
existia precedentes de arritmias supraventriculares;
- está contra-indicado na taquicardia ventricular ou fibrilação ventricular.
- está contra-indicado na cardiomiotapia hipertrófica obstrutiva, salvo se existir fibrilação auricular e
insuficiência cardíaca concomitante. Neste caso, deve tomar-se cuidado caso se utilize Lanoxin.
- está contra-indicado em doentes com conhecida da hipersensabilidade à digoxina ou outros glicosídeos
digitálicos.
155
"Efeitos Indesejáveis:
Não- cardíacos: estas reacções estão principalmente associadas com
sobredosagem mas poderão ocorrer devido a uma subida temporária de
concentrações plasmáticas elevadas devido a uma absorção rápida. Ìncluem-se
reacções de anorexia, náuseas e vómitos que normalmente desaparecem após
algumas horas de tomar a droga. Também poderá ocorrer diarreia. Não é
aconselhável depender de náuseas como aviso precoce de dosagem excessiva
de digoxina. Na administração a longo prazo poderá ocorrer ginecomastia.
Têm sido relatados efeitos adversos do sistema nervoso central tais como:
fraqueza, apatia,fadiga, mal-estar, dor de cabeça, perturbações visuais,
depressão e psicose. A digoxina oral tem sido tem sido associada a isquémia
intestinal e, raramente, a necrose intestinal. Rashes cutâneos de carácter
urticariàceo ou escarlatiniforme são reacções raras à digoxina e podem ser
acompanhados por eosinofilia pronunciada. A digoxina poderá, muito raramente,
causar trombocitopenia.
Cardíacos: toxicidade da digoxina pode causar várias arritmias e
distúrbios de condução. Normalmente um sinal precoce é a ocorrência de
contracções ventriculares prematuras;poderá proceder para bigeminismo ou até
trigeminismo. Poderá ocorrer taquicardia atrial, frequentemente uma indicação da
156
digoxina, com uma dose excessiva da droga. A taquicardia atrial com algum
grau de bloqueio auriculo-ventricular é particularmente característica e o ritmo
de pulsação não é necessariamente rápido.
Mutaenicidade, Carcinoenicidade, Teratoenicidade: não existem
dados disponíveis sobre os efeitos mutagénicos, carcinogénicos ou
teratogénicos da digoxina; no entanto a digoxina tem sido utilizada por
administração materna para tratar taquicardia e insuficiência cardíaca
congestiva fetal.
Fertilidade: não existe informação disponível sobre o efeito de
digoxina na fertilidade humana.
"Interacções medicamentosas: estas interacções podem ocorrer a partir
de efeitos de excreção renal, ligação proteica plasmática, distribuição no
organismo, capacidade de absorção intestinal, e sensibilidade ao Lanoxin
157
A tiazida, os diuréticos de ansa, a mezlocilina, a piperacilina, a ticarcilina, a
anfotericina B e os corticóides que provocam hipocalemia, podem aumentar o risco de
toxicidade.
A quinidina, a ciclosporina, a amiodarona, o verapamil, o diltiazepam, a
propafenona e o diclofenac aumentam os níveis séricos e podem levar à toxicidade.
A espironolactona aumenta a semi-vida da digoxina.
Pode acontecer bradicardia com bloqueadores adrenérgicos beta e outros
fármacos anti-arritmicos.
A absorção diminui com o uso simultâneo de anti-ácidos, caulino-pectina,
colestiramina ou colestipol.
As hormonas da tiróide podem diminuir os efeitos terapêuticos.
"Precauções especiais de utiIização: pode precipitar as arritmias por toxicidade de
digoxina, algumas das quais se assemelham às arritmias para as quais o produto é
indicado. Como precaução, deve considerar-se sempre a possibilidade de uma interacção
quando se contempla a terapia concomitante e recomenda-se a verificação da
concentração sérica de digoxina em caso de dúvida. Agentes que causam hipocalémia ou
deficiências intracelulares de potássio podem causar sensibilidade aumentada ao Lanoxin,
estes incluem diuréticos, sais de lítio, corticosteróides e carbenoloxona.
"Modo de administração: a dosagem de Lanoxin tem de ser ajustada individualmente a
cada doente de acordo com a idade, biotipo e função renal.
"Duração do tratamento médio:
Digitalização Oral Lenta: 0,25mg ÷ 0,75 mg diários durante uma semana, seguido de uma
dose de manutenção apropriada.
158
"Cuidados de Enfermagem:
Avaliar o pulso antes de administar o fármaco.
Suspender o fármaco e avisar o médico se o pulso for < 60 bpm nos
adultos, < 70 bpm nas crianças ou < 90 bpm no lactente.
A pressão sanguínea deve ser monitorizada periodicamente nos
doentes que recebam digoxina ÌV.
Monitorizar o ECG ao longo da administração ÌV e periodicamente
durante a terapêutica. Avisar o médico se ocorrer bradicardia ou arritmias.
Monitorizar existência de rubor ou infiltração no local de punção. O
extravasamento pode levar à irritação ou necrose tecidular.
Controlar diariamente o balanço hídrico e peso.
Avaliar ao longo da terapêutica a presença de edema periférico e, na
auscultação pulmonar, presença de fervores pulmonares.
159
Iiniì·vìo 1..o.ó·ìivo (I[invi. )cìv·v
"Grupo Fármaco - Terapêutico: antianginoso
"Acção:
Produz vasodilatação.
Diminuição da pressão de fim-de-diástole ventricular esquerda e do
volume de fim-de-diástole ventricular esquerda (pré-carga). O efeito global traduz-
se na redução do consumo de oxigénio pelo miocárdio.
Aumento do fluxo sanguíneo coronário, melhorando o fluxo colateral para
as regiões isquémicas.
"Indicações Terapêuticas:
Tratamento profiláctico de longa duração da angina de peito.
Tratamento de insuficiência cardíaca congestiva crónica.
"Via de Administração e PosoIogia: Per-os.
Profilaxia da angina de peito: 5-20 mg de início. A dose normal de
manutenção é de 10-40 mg de 6/6 h ou 40-80 mg em cada 8-12 h.
"Contra - Indicações:
Hipersensibilidade ao fármaco.
Anemia grave.
Uso concomitante de siIdenafiI.
160
"Precauções:
Traumatismo craniano ou hemorragia cerebral.
Gravidez: pode comprometer a circulação materno/fetal.
Crianças e lactação: segurança não estabelecida.
"Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Cefaleias, fraqueza, tonturas.
Hipotensão, taquicardia, sincope.
Náuseas, vómitos, dores abdominais.
"Interacções Medicamentosas:
O uso concomitante com siIdenafiI pode resultar em hipotensão
significativa e potencialmente fatal.
Hipotensão aditiva com anti-hipertensores, ingestão aguda de áIcooI,
bIoqueadores adrenérgicos beta e fenotiazinas.
A aspirina pode aumentar os níveis sanguíneos e efeitos.
Os efeitos podem ser antagonizados pela diidroergotamina
161
Ioìvìvninv
" Grupo Terapêutico: Agente Ìnotrópico, que aumenta o débito cardíaco sem aumento significativo da
FC.
" Acção: Estimulação dos receptores beta1 adrenérgicos (miocárdio), que aumenta o débito cardíaco sem
aumento significativo da FC e circulação periférica.
" Indicações: Controlo a curto prazo da Ìnsuficiência Cardíaca provocada por diminuição da
contractibilidade, devida a doença cardíaca ou intervenção cirúrgica.
" Via e Dosagem: Via Endovenosa, 2,5 ÷ 10 mcg/kg/minuto em infusão.
" Contra - Indicações:
- Hipersensibilidade.
- Hipersensibilidade aos bissulfitos (contém bissulfito).
- Estenose sub-aórtica hipertrófica idiopática.
" Precauções:
- Enfarto do Miocárdio.
- Fibrilhação auricular pode aumentar a resposta ventricular; é recomendado o uso prévio de
digitálicos cardiotónicos.
" Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
SNC - Cefaleias.
Resp - Dificuldade respiratória.
CV - Taquicárdia, hipertensão, extra-sístoles ventriculares, angina de peito;
GÌ - Náuseas e vómitos;
Outras - Dor retroesternal não anginosa.
162
" Interacções Medicamentosas:
- Nitroprussiato pode ter efeito sinérgico no aumento do débito cardíaco.
- BIoqueadores Beta adrenérgicos podem anular o efeito da dobutamina.
- Anestésicos haIogenados e hidrocarbonados (cicIopropano e
haIotano), inibidores da MAO, oxitocina e antidepressivos tricicIos, existe
risco aumentado de arritmias ou hipertensão.
" Cuidados de Enfermagem:
- Monitorização continua da PA, FC, ECG, PECP (Pressão de Encravamento
da Artéria Pulmonar), débito cardíaco e débito urinário durante a administração
desta terapêutica.
- Monitorizar os níveis de glicémia (os diabéticos podem necessitar de
aumento da dose de insulina).
Endovenosa: Reconstituir 250 mg em 10 ml de água destilada ou
Dextrose 5% H2O. Se não dissolver completamente, adicionar mais 10 ml.
163
Diluir pelo menos em 50 ml de Dextrose 5% H2O, Soro Fisiológico, Lactato de
sódio, Cloreto de sódio a 0,45%, Dextrose em SF, Dextrose 5% em lactato de
Ringer ou solução de Ringer.
- As concentrações não devem exceder 5 mg de dobutamina por ml.
- A solução é estável durante 24 horas à temperatura ambiente.
Adições Incompatíveis: AminofiIina, bumetanida, gIuconato de cáIcio,
cafamandoI, efazoIina, cafaIotina, diazepam, digixina, furosemida, heparina,
succinato sódico de hidrocortisona, insuIina, suIfato de magnésio, peniciIina,
fenitoína, fosfato de potássio, bicarbonato de sódio e etacrinato de sódio.
164
Doses Ritmo de administração
(mg/Kg/min)
250 mg/ml
(ml/Kg/min)
500 mg/ml
(ml/Kg/min)
1000mg/ml
(ml/Kg/min)
2.5 0.01 0.005 0.0025
5 0.02 0.01 0.005
7.5 0.03 0.015 0.0075
10 0.04 0.02 0.01
12.5 0.05 0.025 0.0125
15 0.06 0.03 0.015
"PosoIogia e modo de administração:
A dobutamina é administrada por infusão intravenosa contínua, de preferência com uma
bomba de débito constante, para assegurar uma administração estável e regular do
medicamento. A taxa de perfusão normalmente utilizada é de 2.5 a 10 mg/Kg/min, de acordo
com o ritmo cardíaco do doente, pressão sanguínea, débito cardíaco e débito urinário. Em
casos de perfusão contínua por 72 horas ou mais, pode surgir tolerância; aqui a dose pode
ser aumentada para os 0.5 e 40 mg/Kg/min.
Recomenda-se que o tratamento com dobutamina seja descontinuado gradualmente.
Escolha do ritmo de perfusão:
165
Io¡vninv
" Grupo Fármaco - Terapêutico: Agente inotrópico
" Acção: Estimulação cardíaca e vasodilatação renal, aumentando o débito cardíaco, pressão arterial e
melhora a circulação renal.
" Indicações terapêuticas: Usado como adjuvante da terapêutica habitual, para melhoria da pressão
arterial, débito cardíaco e urinário, no tratamento do choque que não cede à reposição de líquidos.
" Via de administração e PosoIogia: Endovenosa.
AduItos: 2 ÷ 5 mcg/kg/min. até 50 mcg/kg/min.; ajustar a dose em função da resposta
hemodinâmica e renal.
" Contra-indicações:
Taqui-arritmia.
Feocromacitoma.
" Precauções:
Tromboembolismo.
Gravidez, lactação e crianças: segurança não estabelecida.
" Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Cefaleias.
Midríase (doses elevadas).
Arritmias, hipotensão, palpitações, angor, alterações do ECG, vasoconstrição.
Náuseas e vómitos.
Erecção pilosa.
Ìrritação no local de injecção endovenosa.
166
"Interacções medicamentosas:
O uso com IMAO ou ergo-aIcaIóides (ergotamina) resulta em hipertensão
grave.
Utilizado em simultâneo com fenitoína endovenosa pode ocasionar
hipotensão e bradicárdia.
Usado com anestésicos gerais pode provocar arritmias.
O uso com bIoqueadores beta adrenérgicos pode antagonizar os efeitos
cardíacos do fármaco.
"Cuidados de Enfermagem:
Monitorizar PA, P, respiração, ECG e parâmetros hemodinâmicos, durante
e após a administração do fármaco.
Monitorizar o débito urinário, durante a administração do fármaco.
Palpar pulsos periféricos e observar extremidades frequentemente, durante
a administração de dopamina.
Caso surja hipotensão deve aumentar-se a velocidade de administração.
Endovenosa: Diluir 200-400 mg em 250-500 ml de SF, D5% em água,
D5% em lactato de Ringer, D5/NaCl 0,45%, D5% em SF ou solução de lactato de
Ringer.
A solução é estável durante 24 horas.
Adições Incompatíveis: É inactivada em soluções alcalinas, incluindo
bicarbonato de sódio. Ìncompatível com anfotericina B, ampicilina, cefalotina e
penicilina G potássica.
167
168
1nv[v¡·i[
Grupo Fármaco - Terapêutico: Anti-hipertensores: Ìnibidores da Enzima de Conversão da
Angiotensina (ÌECA)
Acção: Os ÌECA's bloqueiam a conversão da angiotensina Ì em angiotensina ÌÌ, levando
assim a vasodilatação. Também aumentam os níveis plasmáticos de renina e reduzem os níveis
de aldosterona.
Indicações terapêuticas:
HTA (diminui a pressão arterial)
Ìnsuficiência Cardíaca Congestiva (diminui a pré- carga e a pós-carga)
Pode ser utilizado isoladamente ou em combinação com outros fármacos anti-
hipertensores.
Via de administração e PosoIogia:
- Per-os
- Hipertensão: Normalmente inicia-se com uma dose de 5mg/dia e depois pode haver
necessidade de aumentar a dose consoante a resposta (varia entre 10 a 40mg/dia), repartido
entre 1 a 2 tomas diárias. A dose inicial será mais baixa se o doente tomar também diuréticos
(2,5mg/dia)
- Insuficiência cardíaca congestiva: Dose inicial de 2,5mg 1-2vezes por dia (a dose varia
entre 5 a 20 mg/dia repartidos por 1 a 2 tomas). Em caso de haver insuficiência renal a dose
será mais baixa (semi-vida maior, pois leva mais tempo a ser excretada) e poderá também
utilizar-se a via Endovenosa.
169
Contra-indicações:
Hipersensibilidade.
Gravidez.
Angioedema (hereditário ou idiopático).
Estenose da artéria renal bilateral ou unilateral com um só rim funcionante.
Precauções/Advertências:
Antecedentes familiares de angioedema.
Ìnsuficiência Renal, Hepática.
Hipovolémia.
Hiponatrémia.
Doentes idosos.
Terapêutica com diuréticos em simultâneo.
Ìndivíduos de raça negra hipertensos (monoterapia menos eficaz, há necessidade de
terapêutica adicional).
Lactação.
Cirurgia/Anestesia (hipotensão exagerada).
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
As mais frequentes são:
- Tosse
- Hipotensão
- Perda/alteração do paladar
- Proteinuria
As reacções fatais:
- Angioedema
- Neutropénia
- Agranulocitose
170
Outras reacções não tão frequentes:
Ìnsuficiência renal, anorexia, náuseas, diarreia, taquicardia, tonturas, cefaleias,
fadiga insónias, erupções cutâneas, febre.
Interacções medicamentosas:
Hipotensão excessiva: Diuréticos, outros anti-hipertensores, nitratos,
fenotiazidas, ingestão aguda de áIcooI.
AINE's e a Rifampicina diminuem a acção do anti-hipertensor
Antiácidos reduzem a absorção
Digoxina e Lítio, os efeitos destes podem ser aumentados e há risco de
toxicidade
AIopurinoI, aumenta o risco de hipersensibilidade
SupIementos de potássio, de diuréticos poupadores de potássio e a
cicIosporina pode provocar hipercaliémia, quando usados em simultâneo com o anti-
hipertensor.
Cuidados de Enfermagem:
Hipertensão Arterial:
- Vigiar a Pressão arterial e o pulso;
- Avisar o médico se ocorrerem alterações significativas;
Ìnsuficiência cardíaca congestiva:
- Monitorizar o peso e avaliar regularmente a sobrecarga em líquidos (edemas
periféricos, aumento do peso, distensão da veia jugular) se existir terapêutica
simultânea com diuréticos.
171
Grupo Fármaco - Terapêutico: anticoagulante (antitrombótico)
Acção: Potencia o efeito inibidor da antitrombina no factor Xa e trombina ÷ Prevenção de
formação de trombos.
Indicações Terapêuticas:
Prevenção de fenómenos tromboembólicos incluindo a trombose venosa profunda e a
embolia pulmonar após procedimentos cirúrgicos susceptíveis de aumentar o risco de tais
complicações (transplantes de joelho/anca, cirurgia abdominal).
Prevenção das complicações isquémicas, em combinação com a aspirina^, em
doentes com: angina instável, enfarte miocárdio sem onda Q.
Tratamento da trombose venosa profunda.
Via de Administração e PosoIogia: Sub-cutânea.
Profilaxia da trombose venosa profunda antes da cirurgia anca/joelho:
- AduIto: 30 mg 2 vezes por dia iniciando-se nas 24 h seguintes à cirurgia e mantidos durante
7-10 dias ou até à passagem ao ambulatório (até 14 dias) ou 40 mg 1 vez ao dia iniciando-se 9-
15 h antes da cirurgia à anca e mantidos durante 3 semanas.
Profilaxia da trombose venosa profunda em doentes submetidos a cirurgia abdominal:
- AduIto: 40 mg 2 vezes por dia iniciando-se nas 24 h seguintes à cirurgia e mantidos durante
7-10 dias ou até à passagem a ambulatório (até 14 dias).
1no.v¡v·inv (£o.cno. ^o[. 1n] ·0nv/0,·n[)
172
Tratamento da trombose venosa profunda e embolia pulmonar:
- AduIto: 1mg/kg de 12/12 h ou 1,5 mg/kg de 24/24 h.
Angina /Enfarte do miocárdio sem onda Q:
-AduIto: 1 mg/kg de 12/12 h (conjuntamente com a aspirina^ 100-325 mg/dia)
durante 2-8 dias.
Contra - Indicações:
Hipersensibilidade ao fármaco ou a produtos derivados do porco.
Hemorragia não controlada.
Precauções:
Doença hepática ou renal grave: ajustar a dose se clearance de
creatinina <30 ml/min.
Peso <45 kg: ajustar a dose
Retinopatia.
Hipertensão não tratada.
Doença ulcerosa recente.
Anestesia espinal/epidural: aumenta o risco de hematomas
espinais/epidurais.
Antecedentes de hemorragias congénitas ou adquiridas.
Doentes geriátricos.
173
Malignidade.
Gravidez, lactação e crianças: segurança ainda não estabelecida.
Acidente vascular hemorrágico.
Hemorragia activa ou ulcerações gastro-intestinais.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Tonturas, cefaleias, insónias.
Edema.
Obstipação, náuseas, aumento reversível das enzimas hepáticas.
Retenção urinária.
Equimoses, prurido, erupções cutâneas, urticária.
Hemorragias, anemia, trombocitopenia.
Dor, hematomas e irritação no local da injecção.
Febre.
Interacções Medicamentosas:
O risco de hemorragia pode ser maior quando usado em simultâneo com
varfarina ou fármacos que infIuenciam a função pIaquetária, incluindo a
aspirina^, os AINE's, dipiridamoI, algumas peniciIinas, cIopidogreI,
ticIopidina, tirofiban e o dextrano.
174
Cuidados de Enfermagem:
Administrar em tecido sub-cutâneo.
Alternar os locais de injecção.
Ìnjectar numa prega mantida, entre o polegar e o indicador, a totalidade
do fármaco num ângulo de 45º ou 90º. Manter a prega enquanto se administra o
fármaco.
Não aspirar e massajar.
Observar no local a formação de hematomas, equimoses, inflamação
ou de hemorragia.
Avaliar no doente os sinais de hemorragia: hemorragia gengival,
hemorragia nasal, equimoses, fezes escuras, hematúria, diminuição do
hematócrito ou da pressão arterial, sangue oculto nas fezes. Ìnformar o médico.
Forma farmacêutica: Solução Ìnjectável em seringas pré-cheias, para
administração sub-cutânea.
175
1·iì·oni.inv
Grupo Fármaco - Terapêutico: antibacteriano (anti-infeccioso ÷ macrólidos)
Acção: Ìnibe a síntese das proteínas ao nível da subunidade 50s do ribossoma bacteriano ÷ espectro: cocos
gram +, incluindo estreptococos, estafilococos; bacilos gram +, incluindo Clostridium, Corynebacterium; vários
agentes patogénicos gram - , incluindo Neisseria, Haemophilus influenza, leionella pneumophila, Micoplasma
e a Chlamydia são também normalmente sensíveis.
Indicações Terapêuticas:
Tratamento das seguintes infecções provocadas pelos organismos sensíveis (referidos
anteriormente):
- Ìnfecções das vias respiratórias superiores e inferiores;
- Otite média;
- Ìnfecções de estruturas cutâneas e da pele;
- Tosse convulsa;
- Difteria;
- Eritrasma;
- Amebíase intestinal;
- Doença inflamatória pélvica;
- Uretrite não gonocócica;
- Sífilis;
- Doença do legionário;
- Febre reumática.
Útil em situações em que a penicilina é a mais indicada mas que não pode ser usada devido à
ocorrência anterior de reacções de hipersensibilidade, incluindo infecções estreptocócicas e tratamento da
sífilis ou da gonorreia.
Tratamento da acne (aplicação tópica).
176
Via de administração e PosoIogia: Per-os e endovenosa.
Adultos:
- Per-os: 250 a 500 mg de 6/6 horas ou 500 mg a 1 g de 12/12 horas.
- Endovenosa: 50 mg/kg/dia, a administrar de 6/6 horas.
Crianças:
- Per-os: idade < 2 anos: 125 mg de 6/6 horas; dos 2 aos 8 anos: 250 mg de 676
horas; idade > 8 nos: posologia do adulto.
-Endovenosa: 25 mg/kg/dia a administrar de 676 horas nas infecções graves.
Contra - Indicações:
Hipersensibilidade.
Disfunções hepáticas.
Gravidez.
Ìntolerância ao álcool.
Os produtos que contêm álcool benzílico devem ser evitados nos
recém-nascidos.
Precauções: Doença hepática.
177
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
- Ototoxicidade.
- Náuseas, vómitos, diarreia, dores abdominais, cólicas, hepatite.
- Erupções cutâneas.
- Flebite no local de punção.
- Reacções alérgicas, super-infecções.
Interacções Medicamentosas:
O uso simultâneo com rifabutina ou rifampina pode diminuir o efeito da
eritromicina e aumentar o risco de reacções gastro-intestinais adversas.
Aumenta a actividade e pode aumentar o risco de toxicidade do
aIfentaniI, bromocriptina, buspirona, teofiIina, carbamazepina, cicIosporina,
disopiramida, feIodipina, varfarina.
Pode aumentar os níveis sanguíneos de digoxina.
A teofiIina pode provocar diminuição dos níveis sanguíneos.
O uso tópico em simultâneo com irritantes, abrasivos ou
descamativos pode provocar um aumento da irritação.
A cIindamicina e a Iincomicina tópica podem antagonizar os efeitos
benéficos.
178
Cuidados de Enfermagem:
Monitorizar os sinais de infecção (sinais vitais, características da lesão,
da expectoração, da urina e das fezes; contagem dos glóbulos brancos) no início
e no decorrer da terapêutica.
Considerações Iaboratoriais: pode provocar aumento dos níveis da
bilirrubina sérica, da AST e ALT e da fosfatase alcalina.
Per-os:
- Administrar sempre às mesmas horas. Os comprimidos revestidos têm uma
melhor absorção com estômago vazio, pelo menos 1 horas antes ou 2 horas
após as refeições. Podem ser administrados com os alimentos se ocorrer
irritação gastro-intestinal.
Endovenosa:
- Adicionar 10 ml de água esterilizada sem conservantes para preparações
injectáveis a frascos de 250 ou 500 mg e 20 ml a frascos de 1 mg. Se for mantida
no frigorífico, a solução fica estável durante 7 dias após ser reconstituída.
- Diluir adicionalmente 10 ou 20 mg em 100-250 ml de NaCl.
- Administrar lentamente, durante 20-60 minutos, para evitar flebites.
- Monitorizar a existência de dor ao longo da veia. Diminuir o ritmo de perfusão
se surgir dor. Aplicar gelo e notificar o médico se for possível reduzir a dor.
179
1.¡i·ono[v.ìonv (/[vv.ìonc©
Grupo terapêutico: actua a nível do aparelho cardiovascular, é um diurético
poupador de potássio
Indicações terapêuticas:
- hipertensão essencial
- situações de edema secundárias à insuficiência cardíaca congestiva
- cirrose hepática
- sindroma nefrótico
- edema idiopático
- diagnóstico e tratamento do aldosteronismo primário
- tratamento adjuvante na miastenia gravis e hipertensão maligna
- hipocaliémia quando outras medidas sejam consideradas impróprias ou
inadequadas
- profilaxia da hipokaliémia em doentes sob digitálicos quando outras medidas sejam
impróprias ou inadequadas
Contra - Indicações:
- insuficiência rewnal aguda
- acentuada diminuição da função renal
- anúria
- hiperkaliémia
180
Efeitos Indesejáveis: pode surgir ginecomastia associada com o emprego da
espironolactona, e os médicos deverão estar atentos ao seu possível aparecimento.
A ginecomastia parece estar relacionada quer com os níveis posológicos quer com
a duração do tratamento. Habitualmente, a ginecomastia regride quando se
interrompe o Aldactone.
Em casos raros poderá persistir um certo grau de aumento das glândulas
mamárias. E também já foram referidos casos reversíveis com a interrupção do
tratamento, impotência gastrintestinal, sonolência, exantemas cutâneos e efeitos
androgénicos ligeiros.
Precauções especiais de utiIização: Ìnteracções medicamentosas: não é
recomendada a administração de suplementos de potássio ou de outros fármacos
economizadores de potássio, atendendo a que tal associação pode conduzir à
hiperkaliémia.
Modo de administração: administrar via oral
Duração do tratamento médio:
cirrose: - se a relação Na+/K+ é superior a 1,0 aconselha-se a dose de 100 mg/dia.
- se a relação Na+/K+ é inferior a 1,0 aconselha-se a dose de
200 - 400 mg/dia
181
1ìo{cnvnvìo ()cvnon
Grupo terapêutico: é um analgésico/anti-inflamatório/anti-reumatismal, que
actua a nível do aparelho músculo-esquelético
Indicações terapêuticas: tratamento de situações dolorosas e/ou
inflamatórias agudas ou de situações similares crónicas em fase de agudização,
nomeadamente:
- afecções reumatismais ( artrite reumatóide, espondilartrites seronegativas)
- tendinites, tenossinovites, bursites
- crises agudas de gota, lumbago, ciática
- exacerbação inflamatória de osteoartrose raquidiana e periférica
- situações traumáticas ( distensões, entorses, contusões)
- dor e edema pós-operatório
Contra - Indicações:
- hipersensibilidade ao etofenamto ou ao ácido flufenâmico
- úlcera péptica activa
182
Efeitos Indesejáveis:
- os mais comuns ocorrem a nível do sistema gastrintestinal: dispepsia, mal-estar,
gástrico-intestinal, diarreia, obstipação
- outros efeitos, mais raros, são as alterações transitórias da função hepática ou
renal e eritemas cutâneos
Interacções medicamentosas:
- os efeitos secundários sobre o tubo digestivo são intensificados pelo uso
simultâneo de outros anti-inflamatórios não esteróides, corticóides e álcool
- o efeito dos anticoagulantes orais pode ser aumentado pelo Reumon
Precauções especiais de utiIização: nos doentes que tomam anticoagulantes
é conveniente vigiar, mais atentamente, os valores do tempo de protombina
Modo de administração: administração via intramuscular profunda feita no
quadrante súpero-externo da região nadegueira
Duração do tratamento médio: uma ampola por dia, de 3 a 5 dias, variável
com as características da afecção e do doente
183
184
Icniìoìnv
Grupo Fármaco - Terapêutico: antiepiléptico, anticonvulsionante
Acção:
Limita a propagação da convulsão, alterando o transporte iónico.
Propriedades antiarrítmicas devido a uma melhoria na condução AV.
Indicações Terapêuticas: Tratamento e prevenção das convulsões tónico-clónicas e das
convulsões parciais complexas.
Via de Administração e PosoIogia: Per-os e endovenosa.
Dose inicial nos adultos 300 mg/dia em 1 ou 2 administrações, dose máxima 600 mg.
Crianças: dose inicial 5mg/kg/dia em 2 administrações até à dose máxima de 300 mg.
Contra - Indicações:
Hipersensibilidade ao fármaco.
Bradicardia sinusal, bloqueio sinoauricular, bloqueio cardíaco do 2º e 3º grau ou
síndroma de Stokes Adams.
Precauções:
Doença hepática grave: recomendada uma redução da posologia.
Doentes geriátricos, com doença cardíaca grave ou doença respiratória.
Doentes obesos.
Gravidez e lactação: segurança não estabelecida.
185
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Agitação, edema cerebral, sonolência, letargia, coma, tonturas,
cefaleias, nervosismo, fraqueza.
Diplopia.
Hipotensão, taquicardia, vasodilatação.
Hiperplasia gengival, náuseas, vómitos, anorexia, perda ponderal,
obstipação, hepatite.
Urina cor-de-rosa, avermelhada, avermelhada acastanhada.
Erupções cutâneas.
Hipocalcemia.
Anemia, leucopenia, trombocitopenia.
Interacções Medicamentosas:
FeniIbutazona, dissuIfiram, isoniazida, cIoranfenicoI, vacina da
gripe, suIfonamidas, benzodiazepinas, omeprazoI, metronidazoI,
estrogénios, fenotiazinas, saIiciIatos, e cimetidina: podem diminuir o
metabolismo da fenitoína e aumentar os níveis plasmáticos.
Os barbitúricos, carbamazepina, reserpina, ingestão crónica de
áIcooI e de varfarina podem estimular o metabolismo da fenitoína e diminuir os
níveis plasmáticos.
186
A fenitoína pode alterar os efeitos da digitoxina, varfarina,
corticosteróides, rifampina, quinidina, metadona, cicIosporina e
estrogénios.
A fenitoína endovenosa e a dopamina podem provocar hipotensão
aditiva.
Depressão aditiva do SNC com outros depressores do SNC incluindo o áIcooI, os
antihistamínicos, os antidepressivos, os anaIgésicos opiáceos e os
sedativos/hipnóticos.
Os antiácidos podem diminuir a absorção da fenitoína administrada oralmente.
Pode diminuir os efeitos terapêuticos da estroptozocina.
A fenitoína pode diminuir a absorção e a eficácia da teofiIina.
Pode ocorrer depressão aditiva com o propranonoI ou a Iidocaína.
O ácido vaIpróico ou a carbamazepina podem aumentar ou diminuir os níveis
plasmáticos da fenitoína.
O cáIcio diminui a absorção de fenitoína.
Cuidados de Enfermagem:
Avaliar a higiene oral. Uma higiene oral rigorosa nos 10 dias seguintes ao início
da terapêutica com a fenitoína pode ajudar a controlar a hiperplasia gengival.
Avaliar o síndroma de hipersensibilidade à fenitoína: febre, erupção cutânea,
linfadenopatias. O aparecimento de erupção cutânea surge normalmente nas 2 primeiras
semanas após o início da terapêutica.
187
Monitorizar antes do início da terapêutica e durante os primeiros meses,
assim como periodicamente ao longo da terapêutica, o hemograma, a calcemia, a
albumina, o sedimento urinário, os testes às funções hepáticas e da tiróide.
Os níveis séricos de fenitoína devem ser monitorizados rotineiramente.
Os níveis terapêuticos são de 10-20 mcg/ml.
Per-os: administrar às refeições ou imediatamente após as refeições
para minimizar a irritação gastrointestinal.
Se o doente estiver a receber alimentação entérica, deve-se aguardar 2 h
antes da administração de fenitoína. Se a fenitoína é administrada por sonda
nasogástrica, limpar a sonda com 50-100 ml de água antes e após a
administração.
188
I[v.[o.v.i[inv .óvi.v (I[o.v¡cn
Grupo farmacêutico: Antibióticos penicilínicos;
Indicações Terapêuticas:
Prevenção de infecções pós-operatórias,
Tratamento de infecções bactericidas ou bacterostaticas.
Endocardite;
Septicémias
Contra-Indicações:
A indivíduos alérgicos às penicilinas ou cefalosporinas;
A indivíduos com o aparecimento de patologias hepáticas e Ìctericia após a
toma de Flucloxacilina.
Grávidas;
Efeitos Secundários:
Diarreia, náuseas e vómitos,
189
Preparação do produto e estabiIidade:
As soluções de floxapen endovenoso poderão ser adicionadas, imediatamente
após a reconstituição, a um volume de solução para perfusão compatível. Deve
ser adicionado o volume correspondente a uma concentração de 1%. Floxapen é
compatível com água para injectável, S.F, Dextrose a 5%, Dxt 5% com S.F.
Deverá ser administrado entre os 3 min a 5 min.
Após reconstituição, Floxapen deve ser administrado no prazo de 30 min.;
Contudo a solução mantém-se estável durante um período de 24 horas à
temperatura ambiente ou de 72 horas no frigorifico.
IncompatibiIidade:
Não deve ser adicionado a produtos sanguíneos, fluidos proteicos ou emulsões
lipidicas endovenosas
190
I[v.onv:o[ (Ii{[v.vn
Grupo Fármaco-terapeutico: antifungico
Indicações terapeuticas
Criptococose, candidiase, prevenção de infecções fúngicas em doentes
oncológicos, dermatomicoses, micose edemica.
Contra-indicações
Não deve ser usado nos doentes com hipersensibilidade ao fármaco ou
a compostos azólicos. A co-administração de terfenadina está contra-indicada.
Efeitos Secundários
Geralmente é bem tolerado. Actua por vezes ao nível do tracto
gastrointestinal: náuseas, diarreias, vómitos, flatulência, cefaleias, convulsões.
191
Interacções medicamentosas
O fluconazol aumenta o tempo de semi-vida dos anticoagulantes,
sulfonilureias, hidroclorotiazida, fenitoína, ciclosporina, terfenadina, rifabutin,
tacrolimus, zidovudina. Diminui o tempo de cação da Rifampicina, Teofilina.
Precauções especiais de utilização
Se no decurso da infecção fúngica superficial se verificar um rash
impotável ao flucanazol a terapêutica deve ser interrompida. Com infecções
sistémicas, invasivas que desenvolvam rash o doente deve ser vigiado e o
tratamento deve ser interrompido caso surjam lesões vesiculares ou eritema
multiformico.
Modo de administração
Pode ser administrado quer por via oral quer por via intravenosa, neste
caso a uma velocidade não superior a 10 ml por minuto.
Duração do tratamento médio
A duração do tratamento baseia-se na resposta clínica.
192
I[v·v:c¡vn
Grupo Fármaco - Terapêutico: Ansiolítico, Sedativo/hipnótico (benzodiazepina)
Acção: Deprime o SNC ÷ Tratamento da insónia.
Indicações Terapêuticas: Tratamento a curto prazo da insónia (< 4 semanas)
Via de Administração e PosoIogia (Adultos): 15-30 mg ao deitar.
Contra - Indicações:
- Hipersensibilidade.
- Pode existir sensibilidade cruzada com outras benzodiazepinas.
- Depressão do SNC pré-existente.
- Dores graves não controladas.
- Glaucoma de ângulo estreito.
- Gravidez ou lactação.
Precauções:
Disfunção hepática (pode ser necessário reduzir a posologia).
Doentes com tendências suicidas ou que tiveram dependentes de fármacos.
Doentes geriátricos ou debilitados (pode ser necessário reduzir a posologia inicial).
Crianças com < 15 anos (segurança não estabelecida).
193
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
- Tonturas, sonolência diária, letargia, excitação paradoxal, confusão, depressão mental,
cefaleias.
- Visão turva.
- Náuseas, vómitos, diarreia, obstipação.
- Erupções dermatológicas.
- Tolerância, dependência psicológica, dependência física.
Interacções Medicamentosas:
O uso simultâneo com áIcooI, antidepressivos, anti-histamínicos e opiáceos pode
provocar depressão aditiva do SNC.
A cimetidina, os contraceptivos orais, o dissuIfiram, a fIuoxetina, a isoniazida,
o cetoconazoI, o metoproIoI, o propoxifeno, o propranoIoI ou ácido vaIpróico podem
diminuir o metabolismo do fIurazepam, potenciando a sua acção.
Pode diminuir a eficácia da Ievodopa.
A rifampina ou os barbitúricos podem aumentar o metabolismo e diminuir a
eficácia do fIurazepam.
Os efeitos sedativos podem ser diminuídos com a teofiIina.
Cuidados de Enfermagem:
Avaliar o padrão de sono antes e periodicamente durante a terapêutica (pico 30 min.
÷ 1 h; duração 7-8 horas)
Os doentes que tiverem dificuldade em deglutir podem tomar as cápsulas abertas e
misturadas com os alimentos ou líquidos.
194
I[vo.cìinv (Iivv..in
! Grupo Fármaco - Terapêutico: anti-depressivo (inibidor selectivo da recaptação da
serotonina)
! Acção: Ìnibe selectivamente a recaptação de serotonina do SNC ÷ acção anti-depressiva.
! Indicações Terapêuticas:
Tratamento de diversas formas de depressão, muitas vezes em combinação com
psicoterapia.
Tratamento de distúrbios compulsivos-obssesivos.
! Via de Administração e PosoIogia:
Per-os:
- AduItos: Depressão, comportamento obssesivo-compulsivo ÷ 20 mg/dia de manhã. Depois
de várias semanas pode-se aumentar semanalmente 20 mg/dia. As doses superiores a 20
mg/dia devem ser repartidas em 2 doses, de manhã e ao meio-dia (não exceder 80 mg/dia).
Bulimia nervosa ÷ 60 mg/dia (pode ser necessário titular a dose durante vários dias.
-Doentes geriátricos: inicialmente 20 mg/dia de manhã; pode ser aumentado (não exceder
os 60 mg/dia).
! Contra-Indicações:
Hipersensibilidade.
Uso concomitante de astemizoIe ou de cisapride.
195
! Precauções:
Ìnsuficiência hepática ou renal grave: pode ser necessário o ajuste da posologia.
Gravidez, lactação e crianças: apesar da segurança não estar estabelecida tem
sido usada sem provocar danos durante a gravidez.
Antecedentes de convulsões: espasmos musculares.
Doentes debilitados: maior risco de convulsões.
Diabetes mellitus.
Doentes com insuficiência hepática, doença concomitante, ou terapêutica múltipla:
pode ser necessário diminuir as doses ou aumentar os intervalos de posologia.
! Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Convulsões, ansiedade, agitação, insónias, cefaleias, sonolência, tremores,
tonturas, fadiga, mania, hipomania, cansaço e pesadelos.
Distúrbios visuais, obstrução nasal.
Tosse.
Palpitações, dores torácicas.
Anorexia, perca ponderal, náuseas, diarreia, boca seca, dispepsia, obstipação,
dores abdominais, paladar anormal, vómitos.
Poliúria, disfunção sexual.
Erupção, suores excessivos, prurido, rubor.
Dismenorreia.
Dores no tórax posterior, artralgias, mialgias.
Tremores.
Síndroma gripal, febre, afrontamentos, disfunções sexuais, reacções de
sensibilidade
196
! Interacções Medicamentosas:
Depressão aditiva do SNC com áIcooI, anti-histamínicos, outros antidepressivos,
opiáceos ou sedativos/hipnóticos.
Podem prolongar o efeito do diazepam.
Ìnterromper o uso de IMAO's durante 14 dias antes de iniciar a terapêutica com
fIuoxetina: a combinação de ambas as terapêuticas pode provocar confusão, agitação,
convulsões, hipertensão, hiperpirexia. A fIuoxetina deve ser interrompida pelo menos 5 dias
antes de iniciar a terapêutica.
Pode aumentar o risco de reacções cardiovasculares adversas graves pelo
cisapride.
Ìnibe a actividade do citocromo P450 2 D6 hepático e aumenta os efeitos dos
fármacos metabolizados por este sistema enzimático.
Diminui o metabolismo e aumenta os efeitos do aIprazoIam (diminuir a dose em
50%).
Aumenta o risco de reacções adversas e efeitos laterais com outros
antidepressivos, triptofano ou fenotiazina.
Pode aumentar a eficácia/risco de toxicidade da carbamazepina, cIozapina,
digitoxina, fenitoína, haIoperidoI, Iítio ou varfarina.
Pode aumentar os riscos da buspirona.
Ciproheptadina pode diminuir ou reverter os efeitos da fIuoxetina.
Pode aumentar a sensibilidade dos simpaticomiméticos e aumentar o risco do
síndroma da serotonina.
Pode alterar a actividade dos outros fármacos com alta ligação ás proteínas
plasmáticas.
197
! Cuidados de Enfermagem:
Avaliar as mudanças de humor.
Avaliar a tendência suicida, especialmente no início da terapêutica.
Reduzir a quantidade do fármaco.
Monitorizar o apetite e alimentação. Monitorizar o peso semanalmente.
Avisar o médico se ocorrer perda ponderal persistente. Manter o estado
nutricional fazendo o ajuste do regime dietético, consoante o tolerar.
Avaliar eventuais reacções de sensibilidade (urticária, febre, artralgias,
edemas, síndroma do túnel cárpico, erupção cutânea, linfadenopatia,
insuficiência respiratória) e informar o médico a cerca do seu aparecimento;
normalmente estes sintomas aparecem com a interrupção da fluoxetina mas
podem requerer a administração de anti-histamínicos ou de glucocorticóides.
Per-os: administrar de manhã em dose única. Alguns doentes podem
requerer posologias superiores, repartidas em várias doses sendo a segunda ao
meio-dia.
Pode ser administrada ás refeições para minimizar a irritação
gastrointestinal.
198
I[vinv.i[ (/.cìi[.i.ìcìnv
Grupo FarmacoIógico: Expectorante
Grupo Farmacoterapêutico: Mucolítico; antídoto do Paracetamol
Indicações Terapêuticas:
Ìnalação
Mucolítco no tratamento de condições associadas a secreções mucosas de
alta viscosidade
PO
Tratamento de emergência da sobredosagem do Paracetamol
Modo de administração:
PO (pó, comprimidos efervescentes, solução), EV
199
Propriedades FarmacoIógicas:
- Mecanismo de acção:
PO: diminuiu a formação do metabolito hepatotóxico quando há sobredosagem de
Paracetamol.
Degrada o muco permitindo uma melhor mobilização da expectoração
Efeitos terapêuticos:
Diminui a formação do metabolito hepatotoxico
Fluidificante das secreções brônquicas
- Interacções:
Carvão activado: adsorve o fármaco e diminuiu o seu efeito como antidoto
Efeitos secundários:
SNC: sonolência
GÌ: náuseas, vómitos, estomatites
200
Contra-indicações:
Hipersensibilidade
Advertências e precauções especiais:
Ìnsuficiência respiratória grave e asma
Gravidez e lactação (segurança não estabelecida)
Doentes geriátricos ou debilitados
Instruções de manipuIação e administração:
Mucolítico
Monitorizar a função respiratória
Avaliar características das secreções
Estimular a ingestão de líquidos
Antídoto
Monitorizar função hepática
201
Io[i{c·
Os preparados que contêm esta associação são usados para a prevenção dos
défices em ferro e ácido fólico durante a gravidez e não devem usar-se para
profilaxia das malformações do tubo neural em mulheres que planeiam uma
gravidez, nem para o tratamento das anemias megaloblásticas.
$ubstância activa: Sulfato ferroso + Ácido fólico
ndicações:
Profilaxia e tratamento dos estados de deficiência de ferro e ácido fólico, na
gravidez;
No puerpério e na lactação de longa duração;
Quando não se tenha tomado regularmente ferro e ácido fólico na gestação.
#eacções adversas:
Possibilidade de intolerância digestiva traduzida por dores abdominais, azia,
náuseas, obstipação ou diarreia, relacionada com a ingestão de ferro;
Excepcionalmente, fenómenos de hipersensibilidade (broncoespasmo, eritema,
febre ou prurido).
202
ontra-indicações e precauções:
Usar com especial atenção em caso de afecções agudas do tracto digestivo.
nteracções:
O sulfato ferroso pode interferir na absorção de tetraciclinas;
O uso concomitante de antiácidos diminui a absorção do ferro;
O ácido fólico pode diminuir os efeitos dos antiepilépticos.
!osologia: 1 comprimido por dia, engolido inteiro, de preferência de estômago vazio.
Nota: 1 comprimido contém 80-105 mg de ferro.
203
I·v.i¡v·inv© (^vv·o¡v·inv vc (v[.io
Grupo Fármaco - Terapêutico: anticoagulante (anti-trombótico)
Acção: Potencia o efeito inibidor da antitrombina no factor Xa e trombina ÷ Prevenção de
formação de trmbos.
Indicações Terapêuticas:
Profilaxia da doença tromboembólica venosa:
- Especialmente associada a cirurgia geral ou cirurgia ortopédica;
- Em doentes não cirúrgicos de risco (insuficiência respiratória e/ou infecção respiratória e/ou
insuficiência cardíaca), internados em Unidades de Cuidados Ìntensivos.
Tratamento de doença tromboembólica.
Prevenção de acidentes tromboembólicos em circuitos extracorporais durante a
hemodiálise.
Tratamento da angina instável e enfarte do miocárdio sem onda Q.
Via de Administração e PosoIogia: Sub-cutânea.
Tratamento profilEtico da doença tromboembólica venosa:
- Cirurgia geraI: administração única de 0,3 ml durante pelo menos 7 dias.
- Cirurgia ortopédica: na cirurgia ortopédica as doses iniciais devem ser administradas 12
horas antes e 12 horas após o fim da intervenção cirúrgica. Estas doses devem ser adaptadas
em função do peso do doente. A duração do tratamento é de pelo menos 10 dias.
204
Tratamento de doença tromboembólica: deve ser administrada 2 vezes
por dia de 12 /12 horas durante pelo menos 10 dias. A posologia deve ser
adaptada em função do peso do doente.
!revenção da doença tromboembólica venosa no circuito extra-
corporal em hemodiElise: injecção única efectuada na linha intra-arterial no
início de cada sessão.
Poderá ser administrada uma pequena dose adicional no decurso da
sessão da diálise se esta se prolongar para além de 4 horas.
Tratamento da anina instEvel e enfarte do miocErdio sem onda Q:
deve ser administrada 2 vezes por dia de 12/12 horas. A duração normal do
tratamento é de 6 dias, sendo a dose ajustada em função do peso do doente.
Contra-Indicações:
Hipersensibilidade ao fármaco ou a produtos derivados do porco.
Hemorragia não controlada.
205
Precauções:
- Doença hepática ou renal grave.
- Peso < 45 kg.
- Retinopatia: hipertensos ou diabéticos.
- Hipertensão não tratada ou grave.
- Hemorragia activa.
- Doença ulcerosa recente.
- Endocardite bacteriana.
- Anestesia espinal/epidural: aumento do risco de hematomas epidurais/espinais, especialmente
com terapêutica simultânea AÌNE's, punções epidurais repetidas ou traumáticas, cateter epidural
permanente.
- Antecedentes de hemorragias congénitas ou adquiridas e problemas hemorrágicos.
- Acidente vascular cerebral hemorrágico.
- Cirurgia do SNC ou oftalmológica recente.
- Doentes geriátricos.
- Malignidade.
- Gravidez, lactação ou crianças: segurança ainda não estabelecida.
- Doentes com antecedentes de trombocitopenia, relacionada com a heparina.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
- Tonturas, cefaleias, insónias.
- Edema.
- Obstipação, náuseas, aumento reversível das enzimas hepáticas.
- Retenção urinária.
- Equimoses, prurido, erupções cutâneas, urticária.
- Hemorragias, anemia, trombocitopenia.
- Dor no local de injecção, hematomas, irritação, dor.
- Febre.
206
Interacções Medicamentosas:
O risco de hemorragia pode ser maior quando usado em simultâneo
com varfarina ou fármacos que infIuenciam a função pIaquetária, incluindo a
aspirina, os AINE's, dipiridamoI, algumas peniciIinas, cIopidogreI,
ticIopidina, abciximab, eptifibitide, tirofiban e o dextrano.
Cuidados de Enfermagem:
Avaliar no doente os sinais de hemorragias (hemorragia gengival;
hemorragia nasal; equimoses anormais; fezes escuras; hematúria; diminuição do
hematócrito ou da pressão arterial; sangue oculto das fezes).
Monitorizar as reacções de hipersensibilidade (arrepios, febre, urticária).
Subcutânea: Alternar os locais de injecção.
Observar no local da injecção a ocorrência de hematomas, equimoses ou
inflamação.
Se ocorrer o aparecimento excessivo de equimoses, a massagem local com
gelo antes da injecção pode diminuir a equimoses.
Duração do tratamento médio: uma seringa graduada de 0,3 ml, uma vez
por dia ( 12h).
207
Iv·o.cnivv (£v.i.©
Grupo Fármaco- terapêutico: diurético da ansa
Acção: Aumenta a excreção renal de água, sódio, cloro, magnésio, cálcio,
potássio. Pode ter efeito vasodilatador renal e periférico. Os efeitos terapêuticos
vão ser aumento da diurese e diminuição da pressão arterial.
Indicações terapêuticas:
- edemas de origem cardíaca, hepática e renal
- hipertensão arterial
- edemas ocasionados por queimaduras
- medida de apoio no caso de edema cerebral
- apoio à diurese forçada, no caso de intoxicação
- oligúria nas complicações de gravidez (gestoses), após correcção da
hipovolémia
Duração do tratamento médio: 1 comprimido de Lasix por dia, que contém 40
mg de furosemida.
208
Via de Administração e PosoIogia: Per-os; EV; ÌM
- Anti-hipertensor: a dose varia entre 40 a 80 mg/dia.
- Diurético: 20 a 80 mg no inicio, podendo ser necessário até 600mg/dia
Contra-indicações:
- Glomerulonefrite aguda ou insuficiência renal aguda
- Hipocaliémia
- Desequilíbrio hidroelectrolitico pré-existente
- Coma hepático
- Contra-indicado nos três primeiros meses de gravidez;
- Contra-indicado no caso de estar a ser administrada em simultâneo
cefaIodoridina, pois há interacção provocando um aumento da sua
nefrotoxicidade;
Precauções:
Utilizar com precaução em utentes com descompensação cardíaca grave;
Doença hepática grave acompanhada de cirrose ou ascite (pode conduzir a
coma hepático)
Diabetes mellitus
Utentes geriátricos
Aquando da administração de doses elevadas em tratamentos prolongados
recomenda-se o controlo hidro-electrolítico e uma dieta rica em potássio;
209
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Alterações hidroelectrolíticas: Desidratação, hipovolémia, hipocaliémia,
hiponatrémia, hipoclorémia, hipomagnesémia.
Poliúria.
Disrritmias (por diminuição dos níveis de potássio e magnésio).
Náuseas, vómitos, diarreia, obstipação, secura da boca.
Hiperglicémia.
Tonturas, cefaleias.
Acufenos (ototoxicidade).
O pH urinário diminui.
Favorece a intoxicação digitálica.
Interacções Medicamentosas:
DigitáIicos: risco de hipocaliémia;
Diuréticos hipercaIiemiantes: risco de hipocaliémia, especialmente no
insuficiente renal e diabético, e de hipercaliémia;
AminogIicosidos: aumento dos seus riscos de nefrotoxicidade e
ototoxicidade;
Pode aumentar a eficácia da varfarina, anticoaguIantes e tromboIíticos.
Hipotensores e nitratos: Risco de hipotensão
210
Cuidados de Enfermagem:
Avaliar o débito urinário e o estado de hidratação, monitorizando diariamente
o peso, o Balanço Hídrico, turgor da pele, membranas e mucosas, e a
localização bem como o perímetro dos edemas;
Fórmulas orais, administrar de manhã para prevenir a interrupção do ciclo do
sono;
Em caso de intolerância digestiva, administrar com elementos;
Os comprimidos de furosemida podem ser esmagados se o utente tiver
dificuldade em deglutir;
Avaliar o pulso e a pressão arterial antes da administração;
Vigiar o aparecimento de efeitos adversos;
Notificar o médico se ocorrer sede, secura da boca, letargia, astenia,
hipotensão ou oligúria;
Avaliar a ocorrência de anorexia, náuseas, vómitos, cãibras, parestesias e
confusão nos doentes que estejam a tomar gIicosídeos digitáIicos. Estes
utentes têm maior risco de toxicidade devido aos efeitos depletores de potássio;
211
Atender aos parâmetros laboratoriais porque pode provocar diminuição das
concentrações sanguíneas de potássio, cálcio e magnésio.
Endovenosa:
- Directa: Administrar cada 20 mg lentamente, durante 1 a 2 minutos.
- Ìnfusão intermitente: Diluir doses elevadas em D5% H2o, D10% H2O,
D20% H2O, D5% SF, D5% em lactato de Ringer, SF, NaCl a 3%, lactato de
sódio 1/6 M ou solução de lactato de Ringer.
Utilizar a solução reconstituída dentro de 24 horas.
Administrar a uma velocidade que não exceda 4 mg/min., em adultos,
para prevenir ototoxicidade.
IncompatibiIidades:
- Em seringa: Doxorrubicina, droperidol e metoclopramida.
- Em derivação Y: Doxorrubicina, droperidol, esmolol, metoclopramida,
vinblastina e cincristina.
Adições Incompatíveis: ácido ascórbico, difenidramina, dobutamina,
epinefrina, gentamicina, norepinefrina, meperidine, netilmicina, reserpina,
espironolactona, tetraciclina e tobramicina.
212
213
·vn.i.[o.i· ((,nc.c·v©
Grupo Fármaco- terapêutico: Antivírico
Indicações:
Tratamento de infecções por citomegalovírus (CMV) em doentes
Ìmunodeprimidos.
Efeitos secundários
Leucopénia, trombocitopénia, neutropénia.
Anemia
Febre
Erupção cutânea
Alteração da função hepática
Raramente
Arrepios, edema, infecções, mal-estar.
Cardiovasculares - arritmia, hipertensão e hipotensão
Neurológicas ÷ confusão mental, sonhos, ataxia, coma, vertigens, dor de
cabeça, nervosismo, parestesias, psicose, sonolência, tremor.
Gastrointestinais ÷ náuseas, vómitos, anorexia, diarreia, hemorragia, dor.
214
Hematológicas ÷ eosinofilia.
Laboratoriais ÷ diminuição da glucose sanguínea.
Respiratórios ÷ dispneia.
Dermatológicos ÷ alopécia, prurido, urticária.
Oftalmológicos ÷ descolamento da retina em doentes com sida por retinite
por
CMV.
Genitourinários ÷ hematúria, aumento da creatinina sérica, aumento do
azoto e
da ureia no sangue.
Administração:
Cada frasco ampola contém 500mg de ganciclovir que deve ser reconstituído
em
10cc de água para injectáveis.
Depois de reconstituído adicionar 100ml de NaCL 0,9% ou Dextrose em
água a
5% para aplicação durante 1 hora. Não são recomendadas concentrações de
perfusão superiores a 10mg/ml.
Preparar o gancicIovir com Iuvas e máscara com viseira uma vez que é
um medicamento teratogénico e carcinogénico.
Não deve ser preparado por grávidas.
215
·cnìvni.inv (·v·v[onc
Grupo Fármaco - Terapêutico: Anti-infeccioso (aminoglicosídeo).
Acção: Ìnibe a síntese proteica bacteriana.
Indicações Terapêuticas:
- infecções causadas por uma ou mais estirpes sensiveis de bactérias, incluindo Pseudomonas aeruginosa,
espécies de Proteus ( indol+ e indol - ), Neisseria gon, E. coli, espécies de Klebsiella-Enterobacter-Serratia
e Estafilococos ( incluindo estirpes resistentes a outros antibióticos)
- bacteriémia
- infeccções do tacto respiratório, pneumonia, bronocopneumonia, pleurite, empiema
- infecções do traco urinário, pielonefrite aguda e crónica, cistite, uretrite e prostite
- uretrite gonocórica do homem e infecções gonocócitas da mulher
- feridas infectadas
- infecções ósseas e dos tecidos moles, incluindo peritonite, aborto séptico e queimaduras complicadas por
infecção
- meningite, septicémia e bacteriémia neonatal
-infecções do trato gastrointestinal
Via de Administração e PosoIogia: ÌM e EV.
- AduItos (IM, EV): 1 mg/kg de 8/8 horas (até 5 mg/kg/dia repartidos em 3-4 doses); Reime de
dose única diEria ÷ 4-7 mg/kg de 24/24 horas.
- Crianças (IM, EV):
- Recém-nascidos ou prematuros > 7 dias: 2,5 mg/kg em cada 12/24 horas;
- Lactentes e recém-nascidos > 7 dias: 2,5 mg/kg em cada 8-16 horas;
- Crianças: 2-2,5 mg/kg de 8/8 horas.
216
Contra-Indicações:
- Verificou-se um aumento de nefrotoxidade após administração concomitante de
aminoglicosidos e cefalotina.
- Deve evitar-se a administração simultânea de Gentamicina com diuréticos potentes, agentes
bloqueantes neuromusculares e medicamentos que se sabe serem nefrotóxicos e/ou ototóxicos.
- Em doentes com queimaduras extensas a farmacocinética alterada pode resultar na redução de
concentrações séricas de Gentamicina.
- O tratamento por Gentamicina pode resultar num hiperdesenvolvimento de microrganismos não
sensíveis.
Precauções:
Ìnsuficiência renal: é necessário adaptar a posologia; a monitorização dos valores
sanguíneos é útil na prevenção da ototoxicidade e da nefrotoxicidade.
Ìnsuficiência auditiva.
Doentes geriátricos e prematuros: dificuldade na avaliação auditiva e função vestibular;
insuficiência renal relacionado com a idade.
Recém-nascidos: aumenta o risco de bloqueio neuromuscular; dificuldade na avaliação
auditiva e vestibular; função renal imatura.
Doentes obesos: a posologia deve ser baseada no peso ideal.
Lactação, lactentes, recém-nascidos: segurança não estabelecida.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Ototoxicidade (vestibular e coclear).
Nefrotoxicidade.
Hipomagnesémia.
Paralesia muscular (doses parentéricas altas).
Reacções de hipersensibilidade.
217
Interacções Medicamentosas:
Ìnactivado pelas peniciIinas e cefaIosporinas quando co-administrado a
doentes com insuficiência renal.
Possível paralisia respiratória após anestésicos inaIatórios ou
bIoqueadores neuromuscuIares.
Aumento da incidência da ototoxicidade com outros diuréticos da ansa.
Aumento da incidência da nefrotoxicidade com outros fármacos
nefrotóxicos.
Cuidados de Enfermagem:
Manter o doente bem hidratado (1500/2000 ml/dia) durante a terapêutica.
Perfusão intermitente: diluir cada dose em 50 -200 ml de D5%, NaCl
0,9%, solução de lactato de Ringer para uma concentração que não exceda 1
mg/ml. Não usar soluções que estejam coradas ou que tenham precipitados.
Ritmo de perfusão: perfundir lentamente durante 30 min. ÷ 2 horas. Para
os doentes pediátricos, o volume do solvente pode ser reduzido desde que seja
suficiente para perfundir durante 30 min. ÷ 2 horas.
IncompatibiIidade na derivação Y: aIopurinoI, furosemida, heparina,
idarrubicina, varfarina.
218
·[iìcn.[vnivv (Ivoni[
Grupo terapêutico: actua a nível do pâncreas, anti-diabéticos orais
Indicações terapêuticas: este medicamente esta indicado no caso de Diabetes Mellitus tipo ÌÌ (
Ìnsulino-não-dependente)
Contra-Indicações:
- Diabetes Mellitus tipo Ì
- Coma diabético
- Descompensação metabólica diabética ( cetoacidose)
- Transtornos graves da função renal
- Hipersensibilidade à glibenclamida
- Gravidez, lactação
Efeitos Secundários: transtornos visuais temporários
Efeitos Adversos:
- alterações gastrointestinais (nauseas, enfartamento, sensação de peso gástrico, diarreias
- reacções de hipersensibilidade
- alterações do sistema hematopoiético
- estase biliar
- inflamação hepática e vasos sanguíneos
- hipoglicémia
219
Interacções medicamentosas:
- bloqueadores beta, clonidina, guanetidina ou neserpidina, a percepção dos
sintomas de uma crise hipoglicémia pode estar diminuída
- álcool e laxativos, deterioram o controlo da diabetes
Precauções especiais de utiIização: a observação da dieta prescrita e a toma
regular dos comprimidos são da maior importância para garantir a eficiência do
tratamento e evitar modificações indesejáveis do nível de glicémia. As reacções de
hipoglicémia podem ser provocadas por sobredosificação de glibenclamida e
interacções com outras substâncias, erros dietéticos (refeições omitidas), consumo
de álcool, exercício físico intenso e insuficiência hepática e renal.
Particular atenção devem merecer os doentes idosos dada a sua maior tendência
para a desidratação, a descompensação e para apresentarem outras patologias (por
vezes como doença oculta), nomeadamente deterioração das capacidades mentais.
Modo de administração: Oral, e deve ser tomado imediatamente antes do
pequeno-almoço
Duração do tratamento médio: é determinado pelos resultados dos testes
laboratoriais, ( glicémia e glicosúria). Cada comprimido contem 5 mg .
220
·[v.onvìo vc .v[.io
Grupo Fármaco - Terapêutico: Electrólito / Modificador electrolítico ÷ Sais de
Cálcio.
Acção:
Essencial para o sistema nervoso, muscular e esquelético.
Mantém a permeabilidade da membrana celular e capilar.
Actua como activador na transmissão dos impulsos nervosos e contracção
do músculo cardíaco, esquelético e liso.
Essencial para a formação dos ossos e coagulação sanguínea.
Indicações Terapêuticas:
Tratamento e prevenção da deplecção de cálcio em patologias associadas
a hipocalcemia, incluindo hipoparatiroidismo, acloridria, diarreia crónica, pancreatite,
carência em vitamina D e hiperfosfatemia.
Adjuvante na prevenção da osteoporose pós-menopausica.
Tratamento de alguns envenenamentos por metais pesados.
Via de Administração e PosoIogia:
Prevenção da hipocalcemia, tratamento da deplecção, osteoporose:
- Per-os (Adultos): 1-2 g/dia.
221
Suplemento:
-Per-os (Criança): 45-65 mg/kg/dia
Hipocalcemia neonatal:
-Per-os (Lactentes): 50-150 mg/kg (não exceder 1 g).
Tratamento de emergência da hipocalcemia:
- IV:
- Adultos: 7-14 mEq
- Crianças: 1-7 mEq
- Lactentes: < 1 mEq
Tetania hipocalcemica:
- IV:
- Adultos: 4,5-16 mEq; repetir até controlo dos sintomas;
- Crianças: 0,5-0,7 mEq/kg 3-4 vezes/dia
- Recém-nascidos: 2,4 mEq/kg/dia, repartidos por várias tomas.
Contra-Indicações:
- Hipercalcemia.
- Cálculos renais.
- Fibrilhação Ventricular.
222
Precauções:
Doentes sujeitos a digitálicos.
Ìnsuficiência respiratória grave.
Doença Renal.
Doença cardíaca.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Formigueiro, síncope (ÌV).
Bradicardia, arritmias, paragem cardíaca (ÌV).
Náuseas, vómitos, obstipação, gosto metálico.
Hipercalciúria, cálculos.
Flebite no local de punção ÌV.
Interacções Medicamentosas:
A hipercaIcemia aumenta o riso de toxicidade dos gIicosídeos cardíacos.
A utilização crónica de anti-ácidos na insuficiência renal pode conduzir ao
sindroma Ieite-aIcaIis.
Ìngestão oral em simultâneo com tetracicIinas diminui a absorção destas.
Cuidados de Enfermagem:
Observar sinais e sintomas de hipocaIcemia: parestesias, espasmos
musculares, laringospasmo, cólicas, arritmias. Proteger os doentes que evidenciem estes
sinais e sintomas, elevando e protegendo as grades da cama; mantendo a cama na
posição mais baixa.
223
Monitorizar a pressão arterial, pulso e ECG durante a administração.
Pode produzir vasodiIatação com consequente hipotensão, bradicardia, arritmias
e paragem cardíaca.
Vigiar a permeabilidade da veia. Extravasão pode provocar inflamação do
tecido celular sub-cutâneo, necrose e escara.
Monitorizar o doente sujeito a glicosídeos cardíacos, para detecção de
sinais de toxicidade.
Per-os: Administrar cálcio 1 / 1½ hora após as refeições. Os comprimidos
de mastigar não devem ser deglutidos inteiros. Mastigar bem antes de deglutir e
tomar com um copo cheio de água.
Sub-cutânea: Evitar esta via.
IntramuscuIar: Administração de gluconato de cálcio ÌM pode ser
tolerado se a via endovenosa não for acessível. Limitar a sua utilização em
situações de emergência.
Não usar a via Ìntramuscular em lactentes e crianças.
Endovenosa: As soluções devem ser aquecidas à temperatura do corpo
e administradas através de uma agulha de pequeno calibre numa veia de grande
débito, para minimizar a flebite. Não administrar através de uma veia epicraniana.
Pode produzir sensação de queimadura cutânea, vasodiIatação periférica e
descida na pressão arteriaI.
224
O débito máximo de administração para um adulto é 1,5-3 ml (0,7-1,5
mEq)/min. Uma administração rápida pode produzir formigueiro, sensação de
calor e gosto metálico. Se estes sintomas ocorrerem, parar a infusão; reiniciar a
solução mais lentamente quando desaparecerem. Administrar Ientamente
concentrações eIevadas podem produzir paragem cardíaca.
Os doentes devem permanecer deitados durante 30 minutos-1 hora
após a administração endovenosa.
IncompatibiIidades:
-Na serinaga: metoclopramida
CompatibiIidade em derivação em Y: Heparina, succinato de sódio de
hidrocortisona, labetolol, netilmicina, cloreto de potássio e vitaminas do complexo
B com C.
Adições Incompatíveis: anfotericina, cefamandol, cefalotina,
cefazolina, clindamicina, dobutamina, metilprednisolona, prednisolona,
bicarbonato de sódio, estreptomicina, tobramicina.
225
([,..vo
SoIução RectaI:
Composição por frasco:
Dioctilsulfosuccinato Sódico ...........................................................................0,01 g
Sorbitol..........................................................................................................13,40 g
Excipiente aquoso q.b.p..............................................................................67,50 ml
Acção: Provoca a evacuação do conteúdo do intestino grosso e limpa a mucosa
intestinal de matérias viscosas ou putridas a elas aderentes.
Dosagem e efeito:
A aplicação adequada de um frasco, consegue uma limpeza completa do recto,
regiões rectosigmoideias e cólom sigmoideu. Obtém-se resultados até ao nível do
colom transverso.
A aplicação do conteúdo de dois frascos possibilita a acção do produto ao nível
do cólom ascendente.
Obtém-se efeito após 5 a 30 min da aplicação do produto.
226
Indicações:
Todos os casos em que é necessário um esvaziamento e limpeza intestinal rápido
e completo.
Na preparação de exames complementares de diagnóstico;
Na Preparação para cirurgias, em especial a do tracto gastrointestinal e dos
orgãos recto peritoniais.
Preparação do parto.
Patologias que requerem uma evacuação suave.
Contra-indicações:
- Cólicas;
- Diverticulite;
- Perturbações intestinais;
- Pós-operatório de cirurgia do cólon.
Instruções para utiIização:
1. Posição do utente:
Coloca-se o utente em posição de decúbito lateral esquerdo com a perna direita
flectida e os braços em posição de repouso.
227
2- Utilização Adequada do frasco de CLYSS-GO
- Retirar a cânula da embalagem.
- Agitar o frasco vigorosamente, até à formação total de espuma.
- Retirar a protecção central da cápsula metálica do frasco e com a cânula
perfurar a borracha da tampa do frasco. Segurar o frasco pela metade inferior e
incliná-lo ligeiramente, de forma a manter a cânula sempre mais elevada que o
frasco, a fim de assegurar que a espuma preencha sempre a parte superior.
Mantendo o frasco na posição indicada introduzir a cânula no recto do utente.
- Apertar as paredes do frasco até completa introdução da espuma e do liquido
restante, que deve ser mínimo.
- Sem deixar de apertar as paredes do frasco e mantendo a mesma posição,
deve retirar-se lentamente a cânula do recto.
- O doente deve de manter-se em posição de repouso até aparecer o desejo de
evacuar.
228
·vììv[v.
Grupo Fármaco - Terapêutico: laxante de contacto
Acção: Estimula a mucosa do intestino grosso, provocando peristaltismo no cólon.
Indicações Terapêuticas: Obstipação e situações que requerem defecação
facilitada.
Via de Administração e PosoIogia: Per-os.
Adultos e Crianças com> de 10 anos: 10-20 gotas (5-10 mg).
Crianças de 4 a 10 anos: 5-10 gotas (2,5-5 mg).
Para crianças com <4 anos: dose recomendada é de 0,250 mg/kg de peso
corporal.
Deve ser tomado à noite para produzir o efeito esperado na manhã
seguinte.
Contra-Indicações:
Doentes com ileo, obstrução intestinal, situações abdominais agudas que
impliquem cirurgia, incluindo apendicite e doença inflamatória do intestino em fase
aguda e, em casos de desidratação grave.
Hipersensibilidade ao picossulfato de sódio ou a qualquer outro componente
do fármaco.
229
Precauções:
Não deve ser tomado de uma forma contínua e diária por longos períodos
de tempo (o uso prolongado ou excessivo pode conduzir ao aparecimento de um
desequilíbrio hidro-electrolítico e hipocaliémia)
Reacções Adversas e Efeitos Secundários: Raras.
Desconforto abdominal e diarreia.
230
231
v[o¡c·ivo[
· Grupo Fármaco - Terapêutico: Psicótico
· Acção: Provoca bloqueio da actividade anticolinérgica e alfa-adrenérgica ÷
Diminuição dos sinais e sintomas das psicoses.
· Indicações Terapêuticas:
Tratamento de psicoses agudas e crónicas.
Utilizado para controlo do síndrome de Tourette e problemas graves de
comportamento em crianças.
· Via de Administração e PosoIogia: Per-os, Ìntramuscular.
- Per-os:
- Adultos: 0,5 ÷ 5mg, 2-3 vezes por dia (em alguns doentes podem ser necesárias
doses até 100 mg/dia).
- Crianças (3-12 anos ou 15-40 kg): 0,05-0,15 mg/kg/dia, dividido em 2 ou 3 doses.
- IntramuscuIar:
- Adultos: 2,5 mg, cada 4 ou 8 horas, conforme necessário (pode ser repetido de
hora a hora, dependendo da resposta obtida).
232
· Contra-Indicações:
Hipersensibilidade.
Glaucoma de ângulo estreito.
Depressão do SNC.
Doença hepática grave.
Doença cardiovascular grave.
· Precauções:
Ìdosos ou doentes debilitados (requer redução de dosagem).
Gravidez e lactação (segurança não estabelecida.
Doença cardíaca.
Ìndivíduos gravem,ente doentes, diabéticos.
Ìnsuficiência respiratória.
Hipertrofia prostática.
Tumor do SNC.
Obstrução intestinal.
História de convulsões.
· Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Sedação, reacções extrapiramidais, agitação, confusão, convulsões.
Secura dos olhos, visão turva.
Depressão respiratória.
Hipotensão, taquicardia.
Obstipação, ileus paralítico, anorexia, secura da boca, hepatite.
Retenção urinária.
Exantema, fotossensibilidade, diaforese.
Anemia, leucopénia.
Hiperpirexia.
233
· Interacções Medicamentosas:
Hipotensão aditiva com outros anti-hipertensores ou nitratos.
Efeitos anticolinérgicos aditivos com fármacos com propriedades
anticoIinérgicas, como anti-histamínicos, antidepressivos, atropina,
fenotiazinas, quinidina e disopiramida.
Potencia o efeito depressor do SNC com outros depressores como o
áIcooI, anti-histamínicos, narcóticos e sedativos/hipnóticos.
O fenobarbitaI pode aumentar o metabolismo e diminuir a sua eficácia.
A cimetidina pode bloquear o metabolismo e aumentar a toxicidade.
O uso simultâneo com Iítio pode desencadear encefalopatia.
Com a metiIdopa pode ocorrer demência.
· Cuidados de Enfermagem:
Observar o estado mental do doente (orientação, humor,
comportamento), antes e periodicamente durante a terapêutica.
Monitorizar a TA e o P antes e frequentemente durante o período de
ajuste da dose.
Monitorizar balanço hidro-electrolítico e peso diário. Procurar no doente
sinais e sintomas de desidratação (aumento da sede, letargia,
hemoconcentração).
234
Verificar a ingestão de líquidos e o funcionamento intestinal. O aumento
de fibras e fluidos na dieta ajuda a minimizar a obstipação.
Observar cuidadosamente o doente relativamente a sintomas
extrapiramidais (movimento de enrolar bilhetes, babar, tremores, rigidez, passo
arrastado) e disquinésia tardia (movimentos descontrolados da face, boca
língua ou mandíbula e movimentos involuntários das extremidades) e síndrome
neuroIético maIigno (palidez, hipertermia, rigidez dos músculos esqueléticos,
alteração do estado de consciência, leucocitose, testes de função hepática
elevados).
Per-os (início 2 horas; duração 8-12 horas): Administrar com alimentos
ou com copo cheio de água ou leite, para minimizar irritação gastrointestinal.
Não diluir com café ou chá, pois pode provocar precipitação.
Pode ser diluído pelo menos em 60 ml de líquido.
IntramuscuIar (início 20-30 min.; duração 4-8 horas): Ìnjectar
lentamente, num músculo bem desenvolvido.
Não exceder os 3 ml por local de injecção.
Manter o doente deitado durante 30 min. após a injecção, para
minimizar os efeitos hipotensores.
IncompatibiIidade em seringa: Heparina.
235
iv·vìo vc .[o·v[
·Grupo FarmacoIógico: Sedativo / hipnótico
·Grupo Farmacoterapêutico: Ansiolítico
·Indicações Terapêuticas:
Sedativo de acção curta e hipnótico (a eficácia diminui após 2 semanas de uso)
Sedação e redução da ansiedade no pré-operatório (adjuvante do anestésico)
·PosoIogia e modo de administração:
PO (adulto): Ansiedade/sedação ÷ 250 mg, 3x/dia
Hipnótico ÷ 500-1000 mg, 15.30 min antes de deitar
Sedação pré-operatória ÷ 500 mg-1g, 30 min antes da cirurgia
PO (doentes geriátricos): Hipnóticos ÷ 250 mg, 15-30 min antes de deitar
RECT (adultos): Ansiedade/sedação ÷ 325 mg 3x/dia
Hipnótico ÷ 500-1000mg, 15-30 min, antes de deitar
236
PO, RECT (criança):
Sedação pré-EEG ÷ 25 mg/kg
Sedação antes de procedimentos estomatológicos ÷ 50 mg/kg (até
1g; varia entre 25-100mg/Kg). A dose cumutativa não deve exceder 100
mg/kg ou 2 g.
· Propriedades FarmacoIógicas:
- Mecanismo de acção:
Convertido em tricloroetanol, que é o fármaco activo. Tem propriedades
depressoras do SNC, generalizadas.
Efeitos terapêuticos:
Sedação ou indução do sono.
- Características Farmacocinéticas:
Absorção: bem absorvido após administração oral ou rectal
Distribuição: amplamente distribuído. Atravessa a placenta e passa para
o leite materno em pequenas quantidades.
Metabolismo e excreção: convertido pelo fígado em tricloroetanol, o qual
é activo. O tricloroetanol é por sua vez metabolizado pelo fígado e pelos rins
num composto inactivo.
Semi-vida: tricloroetanol ÷ 8-10h.
237
- Interacções:
- Depressão aditiva com outros depressores do SNC incluindo o álcool, os
antihistamínicos, os antidepressivos, os sedativos/hipnóticos e os analgésicos
opiáceos.
- Pode potenciar a acção da varfarina.
-Quando administrada nas 24h que se seguem à furosemida ÌV pode causar
diaforése, alteração na pressão arterial e rubor.
-Efeitos secundários:
SNC: Sedação excessiva, ressaca, desorientação, cefaleias, irritabilidade, tonturas,
falta de coordenação
Resp: depressão respiratória
GÌ: náuseas, vómitos, diarreia, flatulência
Derm: erupções
Outros: tolerância, dependência psicológica, dependência física
238
·Contra-indicações:
- Hipersensibilidade
- Coma ou depressão preexistente do SNC
- Dores intensas não controláveis
- Gravidez e lactação
- Esofagite, gastrite ou doença ulcerosa
- Proctite (uso rectal)
- Hipersensibilidade à tartrazina (alguns produtos rectais)
·Advertências e precauções especiais:
- Disfunção hepática
- Ìnsuficiência renal grave
- Doentes com tendências suicidas ou com antecedentes de dependência de
fármacos
- Doentes geriátricos (é recomendada uma redução da posologia)
·Instruções de manipuIação e administração:
Monitorizar sinais vitais periodicamente
Antes de administrar avaliar o estado mental, os hábitos de sono e a possibilidade
de abuso da substância
Uso prolongado pode levar a dependência física e psicológica
Avaliar o nível de consciência no momento do pico de acção.
239
iv·o.o·ìi.onv (^v..invìo vc niv·o.o·ìi.onv
· Grupo Fármaco - Terapêutico: anti-inflamatório esteróide, hormona supra-renal
· Indicações Terapêuticas:
Asma brônquica.
Colite ulcerativa.
Doença do colagénio.
Edema angioneurótico (angioedema).
Ìnflamação grave.
Ìnsuficiência supra-renal.
Reacção alérgica grave.
· Via de Administração e PosoIogia: Ìntramuscular e Endovenosa.
Adultos (via intramuscuIar ou intravenosa): inicialmente 100 a 500 mg; repetir se
necessário, cada 2 a 6 horas. O tempo de administração intravenosa deve ser de 30
segundos para 100 mg, ou 10 minutos para 500 mg. Se houver necessidade de dose diária
de manutenção, ela não deve ser inferior a 25 mg.
Crianças:
- Insuficiência supra-renaI (via intramuscular ou intravenosa): 0,20 a 0,28 mg por kg de
peso corporal por dia, divididos em 3 aplicações. Outras indicações (via intramuscular): 0,7
a 4 mg por kg de peso corporal cada 12 ou 24 horas.
240
· Contra-Indicações:
Ìnfecção fúngica sistémica (excepto na insuficiência supra-renal).
Hipersensibilidade a corticosteróide.
Ìnfecção bacteriana ou viral não controladas por agente anti-infeccioso (a não
ser
que haja risco de vida).
· Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Alteração de personalidade, convulsões, depressão, cefaleias, euforia, insónia,
irritabilidade, mudança de humor, psicose, vertigens.
Aumento da necessidade de insulina e hipoglicemiantes orais em diabéticos.
Aumento de pressão arterial, insuficiência cardíaca.
Aumento de pressão intracraniana.
Aumento na sudorese e do catabolismo proteico.
Cataratas (principalmente em criança), glaucoma.
Choque anafilático.
Diarreia, distensão abdominal, esofagite, lesões no estômago, lesões nos
intestinos, náusea, pancreatite, úlcera péptica.
Fraqueza muscular, perda de massa muscular.
Hipersensibilidade.
Ìnibição do crescimento fetal intra-uterino e infantil.
Ìrregularidade menstrual.
Osteoporose.
241
Cicatrização demorada.
Retenção de sal e líquidos.
Síndrome de Cushing (ganho de peso, cara de lua cheia, aumento da pressão arterial).
Urticária.
O produto pode mascarar alguns sinais de infecção e novas infecções podem ocorrer.
· Interacções Medicamentosas:
- Pode aumentar os riscos de hepatotoxicidade do acetaminofeno (paracetamol).
- Pode aumentar os riscos de ulceração gastrintestinal ou hemorragia com: áIcooI;
anticoaguIantes (cumarínicos e derivados da indandiona); estreptoquinase; uroquinase.
- Pode agravar a diminuição de potássio no sangue com: anfotericina B (injectável);
inibidores da anidrase carbónica.
- Pode aumentar o risco de edema com: esteróides anabóIicos; androgénios.
- Pode ter sua acção diminuída por: antiácidos; efedrina; indutores das enzimas
hepáticas.
- Pode aumentar o risco de aumento da pressão intraocular com: anticoIinérgicos
(particularmente com a atropina).
- Pode aumentar (e às vezes diminuir) a acção de: anticoaguIantes (cumarínicos e
derivados da indandiona).
- Pode ter os sintomas adversos de distúrbios mentais aumentados com: antidepressivos
tricícIicos.
- Pode aumentar os níveis de glicose, pode exigir acertos de doses de: antidiabéticos
orais; insuIina.
242
- Pode exigir acertos nas suas doses se forem utilizados: agentes anti-
tireoidianos; hormonas da tiróide.
- Pode aumentar o efeito hiperglicémico de asparaginase.
- Pode ter sua acção e/ou efeitos tóxicos aumentados por: anticoncepcionais
orais; estrogénios; troIeandomicina.
- Pode aumentar os riscos de arritmias e toxicidade digitálica com digitáIicos.
- Pode diminuir a acção de: diuréticos; ácido fóIico; isoniazida; mexiIetina;
saIiciIatos.
- Pode aumentar os riscos de infecções e desenvolvimento de linfomas com
imunossupressores.
- Pode aumentar os riscos de depressão respiratória de bIoqueadores
neuromuscuIares.
- Pode aumentar os riscos de edemas e aumento da pressão sanguínea com
medicamentos ou aIimentos contendo saI.
- Pode (se usado por longo prazo) diminuir a acção de crescimento de:
somatrem; somatropina.
- Pode aumentar os riscos de reacções adversas de: vacinas de vírus vivos
ou outras imunizações.
243
· Cuidados de Enfermagem:
Endovenosa: Administrar lentamente.
Fazer determinação de glicose no sangue e urina.
Monitorar o crescimento e desenvolvimento em crianças ou adolescentes que
utilizem o produto por longo tempo.
Avaliar a função do eixo hipofisário - hipotalâmico supra-renal (a supra-renal
pode ter sua função prejudicada).
Fazer exames oftalmológicos em indivíduos a quem o produto foi administrado por
mais de 6 semanas.
Monitorização dos electrólitos (sódio, potássio).
Fazer testes para detectar sangue oculto nas fezes (nos tratamento prolongados).
244
iv·o.i:inv
· Grupo Fármaco-terapêutico: Ansioliticos; Sedativos; Anti-histaminicos
· Acção: Actua como um depressor do SNC ao nível subcortical. Tem propriedades
anticolinérgicas, antihistaminicas e anti-emétricas, podendo provocar assim, sedação, alivio
da ansiedade, de náuseas e vómitos e alivio dos sintomas alérgicos associados à libertação
da histamina, incluindo o prurido.
· Indicações terapêuticas:
Tratamento da ansiedade.
Sedação pré-operatória.
Antipruriginoso.
Anti-emétrico.
· Via de Administração e PosoIogia: PO e ÌM.
A dose a administrar vai depender dos efeitos pretendidos e da via de administração:
-PO (aduItos): nsiolitico, sedativo - 50 a 100mg/dia; nti-emétrico, antipruriinoso - 25 a
100mg 3 a 4x/dia.
-IM (aduIto): nsiolitico - 50 a 100mg em cada 4 a 6h; Sedativo - 50mg/dia e anti-
emétrico 125 a 100mg/dia.
· Contra-indicações:
Hipersensibilidade.
Gravidez.
245
· Precauções/ Advertências:
Disfunção hepática grave.
Utentes geriátricos.
Trabalho de parto.
Lactação.
· Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Sonolência.
Secura da mucosa oral, paladar amargo, náuseas, obstipação.
Tonturas, adinamia, cefaleias.
Retenção urinária.
Dor e absessos no local da administração da ÌM.
· Interacções Medicamentosas:
Depressão aditiva do SNC com outros depressores SNC, incluindo o áIcooI,
opiáceos, antidepressivos e sedativos.
Efeitos anticolinérgicos aditivos com outros fármacos que possuem
propriedades anticolinérgicas, incluindo anti-histamínicos, atropina, haIoperidoI,
fenotiazidas, quinidina e disopiramida.
246
· Cuidados de Enfermagem:
Avaliar frequentemente o grau de sedação do utente e estabelecer medidas
de segurança, como colocar grades na cama, a campainha ao alcance do
utente e vigiar a deambulação.
Em caso de ansiedade vigiar o estado mental, o humor e o comportamento.
Em caso de náuseas avaliar a frequência, quantidade e outras características
dos vómitos
Se a administração for PO, nos utentes com dificuldade em deglutir, os
comprimidos podem ser esmagados e as cápsulas abertas e o conteúdo
administrado com alimentos ou líquidos.
No caso da via de administração ser a ÌM, administrar num músculo bem
desenvolvido, nunca o deltóide. É extremamente doloroso. Fazer rotação do
local.
247
,ìv.vnv
· Categoria Farmacoterapêutica: Anti-hipertensor
· Grupo FarmacoIógico: Modificador do eixo renina angiotensina;
antagonista dos receptores da angiotensina
· Indicações Terapêuticas: Hipertensão essencial, quando a monoterapia
com candesartan cilexetil ou com hidroclorotiazida não é suficiente.
· Formas Farmacêuticas disponíveis no mercado: Comprimidos
· PosoIogia e modo de administração (por indicação terapêutica):
A dose recomendada é de um comprimido uma vez por dia.
Pode ser feita a transferência directa da monoterapia para hytacand, quando
considerado clinicamente apropriado.
O efeito anti-hipertensoe máximo é, geralmente, obtido nas quatro semanas
após o início do tratamento.
Deve ser administrado uma vez por dia, com ou sem ingestão concomitante
de alimentos.
248
· Interacções medicamentosas de maior reIevância: Não foram identificadas
quaisquer interacções medicamentosas clinicamente significativas.
· Efeitos secundários: reacções de carácter ligeiro.
· Contra-indicações: Hipersensibilidade às substâncias activas a qualquer dos
excipientes ou a fármacos derivados das sulfonamidas (a hidroclorotiazida é uma
substancia derivada das sulfonamidas). Gravidez e aleitamento, lesão renal grave,
lesão hepática grave e/ou colestase, hipocaliémia e hipercalcemia refractárias,
gota.
· Sobre dosagem:
- Sintomas:
. hipotensão sintomática e tonturas (sobre dosagem de candesartan cilexetil)
. perda aguda de líquidos e electrólitos, tonturas, hipotensão, sede,
taquicardia, arritmias ventriculares, sedação/diminuição do estado de consciência e
cãibras musculares. (sobre dosagem com hidroclorotiazida)
249
250
1[o¡·o.ì (1[oncvin
Categoria FarmacoIógica: Anti - agregante plaquetário
Indicações terapêuticas: Tromboangelites obliterantes avançadas, perturbações
graves da circulação, nos casos em que a revascularização não esteja indicada.
Interacções medicamentosas: Ìntensifica os efeitos hipotensores dos beta
bloqueantes, dos antagonistas de calcio, dos vasodilatadores assim como potencia a
acção hipotensora dos inibidores ECA.
Preparação e administração:
Preparar o iloprost com uso de luvas, dado que em consequência de um contacto com a
pele, poderá causar eritemas persistentes, embora indolores.
No caso de contacto com a pele, a área afectada deverá ser lavada imediatamente
com muita água ou com soro fisiológico.
É Administrado sob a forma de perfusão endovenosa, de 0,5 a 2,0 mg iloprost/kg de peso
corporal / min durante um periodo de 6 horas por dia.
Diluí-se o conteúdo de uma ampola de 0,5 ml de ilomedim em 250 ml de sf ou em Dx 5%.
deverá iniciar a perfusão a 10 ml /h durante 30 min. A dose será gradualmente aumentada
em intervalos de 30 min e segundo prescrição médica.
deve ser preparada diariamente para assegurar a sua validade
deverá correr em via isolado de qualquer outra droga.
251
Adaptação PosoIógica:
Regular o débito para 10 ml/h durante 30 min. E aumentar 10 ml/h de 30 min em 30
min até ao máximo:
40 ml/h para os doentes com peso < 75 Kg
50 ml/h para os doentes com peso >75 Kg
Medição da pressão artéria e da frequência cardíaca aquando de cada incremento
de volume.
No caso de aparecimento de efeitos vasomotores, mudar a velocidade de
administração para o valor anterior;
O débito óptimo é o débito máximo dentro dos efeitos vasodilatadores toleráveis. O
tratamento deve ser seguido até à 6 hora, diária.
Medidas a tomar em caso de sobredosagem e / ou intoxicação,
nomeadamente sintomas, medidas de urgência:
Sintomas:
Rubor facial, "fluch facial¨, cefaleias intensas, possivelmente dores nos membros
superiores e inferiores.
Reacções vasovagais com palidez repentina, sudorese, náuseas e vómitos, dores
abdominais, diarreias.
Hipotensão ou hipertensão, bradicardia ou taquicardia.
Medidas a tomar:
Reduzir para o ritmo anterior tolerado, caso não haja melhoras sintomáticas,
suspende-se a perfusão.
252
1nvv¡vnivv
Grupo FarmacoIógico: diurético (tipo tiazídico)
Grupo Farmacoterapêutico: Antihipertensor
Indicações Terapêuticas:
HTA ligeira a moderada
Edema associado à insuficiência cardíaca congestiva e outras causas
PosoIogia e modo de administração:
Hipertensão
1,25 a 5 mg por dia
Edema secundário à insuficiência cardíaca congestiva
2,5 mg por dia
Propriedades FarmacoIógicas:
- Mecanismo de acção:
Aumenta a excreção de sódio e água através da inibição da
reabsorção tubular distal.
Provoca a excreção de cloreto, potássio, magnésio e bicarbonato.
Pode produzir dilatação arteriolar.
253
Efeitos terapêuticos:
Diminuição da pressão sanguínea
Aumento da diureses nos doentes hipertensos com a subsequente mobilização do
edema
- Características Farmacocinéticas:
Absorção: bem absorvido pelo tracto GÌ após administração oral
Distribuição: amplamente distribuído
Metabolismo: metabolizado pelo fígado; excretado pelos rins
- Interacções:
Outros antihipertensores, nitratos, álcool: hipotensão aditiva
Corticosteróides, anfotericina B: hipocalemia aditiva
A hipocaliemia pode aumentar o risco de toxicidade pelos glicosídeos digitálicos
Efeitos secundários:
SNC: tonturas, sonolência, letargia
GÌ: náuseas, vómitos, cólicas
CV: hipotensão, arritmias
Metabólicas: hiperuricémia, hipocalemia
254
Contra-indicações:
Hipersensibilidade
Sensibilidade cruzada com sulfonamidas
Lactação
Advertências e precauções especiais:
Ìnsuficiência renal e hepática
Gravidez e crianças
Doentes geriátricos
Instruções de manipuIação e administração:
Administrar com refeições para diminuir irritação GÌ
Monitorização dos sinais vitais
Avaliação dos edemas dos pés e MÌ
255
1n.v[inv
Grupo Fármaco - Terapêutico: hormona pancreática
Acção:
Diminuição do nível de glicemia através do aumento do transporte da glicose para as
células e da promoção da conversão da glicose em glicogénio.
Provoca a conversão dos aminoácidos dos músculos em proteínas e estimula a
produção de triglicerídeos.
Ìnibe a libertação de ácidos gordos livres.
Indicações Terapêuticas:
Controlo da diabetes mellitus tipo 1.
Controlo da diabetes mellitus tipo 2 quando o regime alimentar e/ou antidiabéticos orais
é insuficiente.
Via de Administração e PosoIogia: Endovenosa, sub-cutânea e intra-muscular.
Dosagem de acordo com as necessidades individuais em múltiplas injecções diárias.
Contra - Indicações: Alergia ou hipersensibilidade a um tipo particular de insulina,
conservantes ou outros aditivos.
Precauções:
Stress.
Gravidez e infecção: necessidade de insulina momentaneamente aumentada.
256
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Urticária.
Hipoglicémia, hiperglicémia reactiva.
Prurido, edema e vermelhão no local de administração.
Reacções alérgicas incluindo anafilaxia.
Interacções Medicamentosas:
Os bIoqueadores adrenérgicos beta podem mascarar alguns sinais e sintomas
de hipoglicemia e retardar a recuperação do estado hipoglicemia.
Os diuréticos tiazidícos, os corticosteróides, o diItiazem, a dobutamina, as
preparações de hormonas da tiróide, os estrogénios, a nicotina e a rinfampina podem
aumentar as necessidades de insuIina.
Os esteróides anabóIicos (testosterona), o áIcooI, o cIofibrato, a guanetidina,
os AINE's, a fenfIuramina, os antidiabéticos orais, a suIfinpirazona, as tetracicIinas, a
feniIbutazona e a varfarina podem diminuir as necessidades de insuIina.
Cuidados de Enfermagem:
Monitorizar os sinais e sintomas de hipoglicemia (ansiedade, arrepios, suores frios,
confusão, pele fria e pálida, sonolência, cefaleias, irritabilidade, náuseas, pulsação rápida,
tremores) e de hiperglicemia (sonolência, pele corada e seca, hálito com odor de fruta,
poliúria, perda de apetite, polidipsia).
Sub-cutânea: alternar os locais de injecção.
Ìnjectar numa prega mantida, entre o polegar e o indicador, a totalidade do fármaco
num ângulo de 45º. Manter a prega enquanto se administra o fármaco.
Não aspirar e massajar.
257
1ono.ìc·i[ ©
Tem como objectivo fornecer água para hidratação e electrólitos, de modo a
corrigir as alterações da volémia e restabelecer o equilíbrio osmótico ou o
equilíbrio ácido-base.
Principio Activo: Cloreto de sódio 6,28 mg/ml + Cálcio, acetato 0,261 mg/ml +
Magnésio, cloreto hexa-hidratado 0,254 mg/ml + Potássio, acetato 0,393 mg/ml +
Sódio, acetato tri-hidratado 4,01 mg/ml.
Indicações:
- Desidratações isotónicas com possível associação a acidose metabólica;
- Situações clínicas que necessitem de um aporte hídrico, electrolítico e
substâncias tampão (acetato) em proporções próximas às do plasma;
- Correcção de alterações hidroelectrolíticas em que as necessidades nos
diferentes iões são em proporções idênticas às do plasma.
258
Reacções adversas:
Sobrecarga hídrica;
Edema;
Dispneia;
Agravamento de insuficiência cardíaca e/ou insuficiência renal;
Ìrritação venosa no local da punção.
Contra-indicações e Precauções:
Hipercaliémia;
Oligoanúria;
Alcalose metabólica;
Hipertensão arterial grave;
Ìnsuficiência cardíaca descompensada;
Edemas generalizados;
Ìnsuficiência renal grave;
Hipertensão intracraniana;
Monitorizar ionograma
Cuidados de assépsia e antissépsia, aquando da sua administração.
Interacções medicamentosas: Não significativas.
PosoIogia:
Em adultos: Via ÌV: 500 a 3000 ml/dia em perfusão gota a gota a 60-100 ml/hora.
Em crianças: Via ÌV: 50 ml/kg/dia.
259
260
vìv ì)2 ((oìvnivv
Grupo terapêutico: É um antianémico, que possui uma acção neurotrópica notável
de grande interesse na terapêutica de algias de origem nervosa e reumatismal.
Indicações terapêuticas: Terapêutica anabolizante, antianémica e
hepatoprotectora. Terapêutica analgésica: nevrites, polinevrites, nevralgias primárias
e secundárias a processos artrósicos, afecções reumatismais, ciáticas, etc.
Contra - Indicações: Não tem
Efeitos Indesejáveis: Não tem
Interacções medicamentosas: Não tem
Precauções especiais de utiIização: Não tem
Modo de administração: administração via intramuscular
Duração do tratamento médio: a estabelecer pelo médico em função da situação
patológica do doente.
261
262
£v.ìv[o.c (Iv¡nv[v., £co.o[v.©
Grupo Fármaco - Terapêutico: laxante (hiperosmótico)
Acção:
Aumenta a quantidade de água contida nas fezes amolecendo-as.
Baixa o pH do intestino grosso, inibindo a difusão de amónia do cólon para o sangue,
reduzindo assim os níveis de amónia no sangue.
Indicações Terapêuticas:
Tratamento de obstipação crónica, no adulto e nas pessoas idosas.
Tratamento adjuvante da encefalopatia portal-sistémica (hapática).
Salmonelose
Via de Administração e PosoIogia: Per-os e rectal.
Obstipação:
- AduIto (per-os): 15-30 ml/dia até 60 ml/dia.
Encefalopatia portal-sistémica hepática:
- Recém-nascido (per-os): 2,5-10 ml/dia repartidos em várias doses.
- Crianças e AdoIescentes (per-os): 40-90 ml/dia repartidos em várias doses.
- AduIto:
- Per-os: 30-45 ml 3-4 vezes por dia.
- Rectal: 300 ml diluídos e administrados como enema de retenção em
cada 4-6 horas.
263
Precauções:
- Diabetes Mellitus.
- Gravidez, lactação ou crianças: segurança não estabelecida.
- Uso excessivo ou prolongado: pode levar a dependência.
- Deve-se ter especial atenção quando se trata de doentes com intolerância à lactose
- Se a obstipação persistir após alguns dias de tratamento ou voltar a ocorrer após o
tratamento, deve-se consultar o médico
- a dose usada para tratamento da encefalopatia porto-sistémica e do pré- coma
hepático é habitualmente mais elevada. Deve ser tido em consideração os doentes diabéticos.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
- de inicio, durante os primeiros dias de tratamento, pode haver meteorismo e
flatulência. Estes sintomas geralmente desaparecem com a continuação do tratamento.
- Pode ocorrer diarreia,especialmente quando se usam doses mais elevadas, tal
como no decorrer do tratamento da encefalopatia porto-sistémica. A dose deve ser ajustada de
modo a obter 2-3 dejecções de fezes moles por dia.
- Hiperglicemia (doentes diabéticos).
Interacções Medicamentosas:
Não deverá ser utilizado com outros Iaxantes no tratamento da encefalopatia
hepática.
Os anti-infecciosos podem diminuir a eficácia, na encefalopatia hepática.
Pelo seu mecanismo de acção, a lactulose provoca uma acidificação do conteúdo do
cólon ( baixa do ph), o que poderá inactivar medicamentos cuja acção esteja dependente do
valor de ph do cólon.
264
Contra - Indicações:
contra ÷ indicado em doentes submetidos a uma dieta pobre em galactose
obstrução intestinal
hipersensibilidade a qualquer dos componentes do medicamento
Cuidados de Enfermagem:
Monitorizar a existência de distensão abdominal, presença de ruídos
intestinais e o trânsito intestinal habitual
Rectal: misturar 300 ml de lactulose com 700 ml de água ou de NaCl 0,9%. O
enema deve ser repetido durante 30-60 min.
265
£cnìo.i[in
As penicilinas naturais (benzilpenicilina ou penicilina G e penicilina V) são activas
contra muitos cocos gram positivos incluindo a maioria dos Estafilococos aureus
e epidermidis não produtores de penicilinases, estreptococos, pneumococos de
quase todos os grupos, Estreptococos viridans e algumas estirpes de
enterococos. São também activas contra alguns bacilos gram positivos como o
Bacillus anthrax, Corynebacterium diphteriae, Listeria monocythoenes e alguns
cocos gram negativos como a Neisseria meninitidis e ainda alguns bacilos gram
negativos como o Haemophilus influenzae. Muitos anaeróbios gram positivos, o
treponema e alguns anaeróbios gram negativos são sensíveis a estas
penicilinas. As Enterobactereaceae e a !seudomonas aeruinosa são sempre
resistentes às penicilinas naturais.
Ìndicações: Ìnfecções devidas a Estreptococos pyoenes, sífilis e profilaxia da
febre reumática.
Principio activo: Benzilpenicilina benzatínica (Penicilina G).
266
ndicações: Ìnfecções devidas a estreptococos pyoenes, sífilis e profilaxia da
febre reumática.
#eacções adversas:
Reacções de hipersensibilidade incluindo febre, urticária, dores articulares;
angioedema; leucopénia e trombocitopénia, usualmente transitórias;
Choque anafilático apenas em doentes com hipersensibilidade às penicilinas.
A diarreia ocorre frequentemente com a utilização das penicilinas por via oral, sendo
mais frequente com as aminopenicilinas, também susceptíveis de determinar colite
pseudomembranosa.
ontra-indicações e precauções:
Administração a doentes com história de hipersensibilidade às penicilinas é
considerada contra-indicada;
267
nteracções:
As reacções de hipersensibilidade induzidas pelas penicilinas são cruzadas,
pelo que um doente alérgico a uma penicilina apresentará igualmente
hipersensibilidade a qualquer outro antibiótico deste grupo;
Ìnibição competitiva da secreção tubular das penicilinas pelo probenecide,
originando concentrações séricas mais elevadas e mantidas o que, nalguns
casos, poderá ser de grande utilidade terapêutica
!osologia:
AduItos] ÷ Via ÌM: 600 000 a 1 200 000 UÌ em dose única; 2 400 000 UÌ em
dose única semanal, durante 3 semanas no tratamento da sífilis diagnosticada
tardiamente.
Crianças] - Via ÌM: Ìdade inferior a 12 anos: 300 000 a 600 000 UÌ em dose
única.
268
£c.onc¡·onv:inv (^o:invn
Grupo Fármaco - Terapêutico: Antipsicótico
Indicações:
Em Psiquiatria: No tratamento da Esquizofrenia especialmente quando é
desejada uma redução da actividade psicomotora.
Em CIínica GeraI: Na terapêutica da dor crónica isolado ou associado a
analgésicos.
PosoIogia: Segundo indicação médica.
Propriedades farmacoIógicas: Neuroléptico de perfil sedativo derivado da
fenotiazina.
Interacção medicamentosa:
Levomepromazina (DCÌ)
potenciação da acção e da toxicidade:
-> Clomipramina (DCÌ), Doxepina (DCÌ), Fentanil (DCÌ), Maprotilina (DCÌ),
Nortriptilina (DCÌ), Captopril (DCÌ)
269
antagonismo:
<-> Levodopa (DCÌ)
potenciação do efeito:
<- Celecoxibe (DCÌp), Clebopride (DCÌ)
Contra-indicação: Hipertrofia próstata - adenoma, Glaucoma, Hemopatias,
Porfiria.
A vigiar:
Gravidez, Lactação, Crianças - Lactentes, Ìnsuficiência hepática, Ìnsuficiência
renal, Ìnsuficiência cardíaca, Ìdosos, Epilepsia, Doença de Parkinson Outros
estados patológicos: Recomenda-se vigilância oftalmológica e hematológica
periódica em caso de tratamento prolongado.
270
£o·v:c¡vn (/n.i[o·
Grupo Fármaco - Terapêutico: sedativo/hipnótico, ansiolítico, anticonvulsionante
Acção: Deprime o SNC, provavelmente potenciando o ácido gama-aminobutírico, um
neurotransmissor inibitório ÷ sedação, alívio da ansiedade, tratamento do estado
epiléptico.
Indicações Terapêuticas:
Adjuvante no tratamento da ansiedade ou de insónias.
Produz sedação pré-operatória.
Alivia a ansiedade pré-operatória e proporciona amnésia.
Via de Administração e PosoIogia:
Per-os:
- AduItos: nsiedade ÷ 1-3 mg 2-3 vezes/dia (até 10 mg/dia). Insónias ÷ 2-4 mg ao
deitar.
- Doentes geriátricos ou debiIitados: nsiedade ÷ de início 0,5-2 mg/dia divididos em
doses. Insónias ÷ 0,25-1 mg, de início, depois aumentar conforme a necessidade.
Ìntramuscular:
- AduItos: Sedação pré-operatória ÷ 50 mcg (0,05 mg)/kg 2 horas antes da cirurgia
(não exceder as 4 mg).
271
Endovenosa:
- AduItos: Sedação pré-operatória ÷ 44 mcg (0,044 mg)/kg (não exceder as 2 mg)
15-20 min. antes da cirurgia. mnésia operatória ÷ até 50 mcg/kg (não exceder 4
mg). ntiemético ÷ 2 mg 30 min. antes da quimioterapia; pode ser repetido de 4/4
horas conforme a necessidade. nti-epiléptico ÷ 50 mcg (0,05 mg)/kg, até 4 mg; pode
ser repetido após 10-15 min. (não exceder 8 mg/12 horas)
Contra-Indicações:
Hipersensibilidade.
Pode acontecer sensibilidade cruzada com outras benzodiazepinas.
Doentes comatosos ou aqueles com depressão do SNC pré-existente.
Dor grave incontrolável.
Glaucoma de ângulo estreito.
Gravidez e lactação.
Precauções:
Ìnsuficiência hepática, renal ou pulmonar grave.
Miastenia grave.
Doentes que tenham tendências suicidas ou aqueles que tenham sido
anteriormente dependentes de drogas.
Doentes geriátricos: é recomendada redução da posologia.
Uso como hipnótico deve ser a curto prazo.
272
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Tonturas, sonolência, letargia, cefaleias, confusão mental.
Visão turva.
Depressão respiratória.
Apneia, paragem cardíaca, bradicardia, hipotensão (apenas em uso
endovenoso rápido).
Erupções cutâneas.
Tolerância, dependência psicológica e/ou física.
Interacções Medicamentosas:
Depressão do SNC aditiva com outros depressores do SNC, incluindo
áIcooI, anti-histamínicos, antidepressivos, opiáceos e outros
sedativos/hipnóticos incluindo outras benzodiazepinas.
Pode diminuir a eficácia da Ievodopa.
O tabaco pode aumentar o metabolismo e diminuir a eficácia.
A probenecida pode diminuir o metabolismo do Iorazepam, realçando
as suas acções.
273
Cuidados de Enfermagem:
nsiedade: avaliar o grau e manifestações de ansiedade antes e
periodicamente durante a terapêutica.
Estado epiléptico: avaliar a localização, duração, características e
frequência das convulsões.
Per-os: o comprimido também pode ser administrado por via sublingual
para um início mais rápido.
IntramuscuIar: administrar as doses intramusculares pelo menos 2
horas antes da cirurgia para um efeito óptimo.
Endovenosa: Diluir imediatamente antes do uso com igual quantidade
de água destilada, dextrose 5% ou NaCl 0,9% para injectável. Não usar se a
solução estiver corada ou tiver precipitado. Administrar lentamente. Após a
administração parentérica manter o doente em posição de decúbito dorsal
durante pelo menos 8 horas e observá-lo atentamente.
Duração do tratamento médio: um comprimido de 1 mg ao silêncio
274
275
^vniìo[
Grupo Fármaco - Terapêutico: Diurético Osmótico
Acção: Aumenta a pressão osmótica do filtrado glomerular, inibindo desse modo a
reabsorção de água e electrólitos.
Indicações Terapêuticas:
Adjuvante no tratamento da insuficiência renal aguda oligúrica.
Adjuvante no tratamento do edema.
Redução da pressão intracraneana e intraocular.
Promove a excreção de certas substâncias tóxicas.
Via de Administração e PosoIogia: Endovenoso.
Edema, insuficiência renal oliúrica:
- AduItos: 50-100 g, em solução de 5-10 %.
Resolução da pressão intraocular:
- AduItos: 1,5 ÷ 2 g/Kg, em solução de 15 ÷ 25 %, durante 30 ÷ 60 min.
umento da diurese nas intoxicações medicamentosas:
- AduItos: 50 ÷ 200 g, em solução de 5 ÷ 25 %, doseada para manter um débito urinário de
100 ÷ 500 ml/h.
276
Contra - Indicações:
Hipersensibilidade.
Anúria.
Desidratação.
Hemorragia intrcraeana activa.
Precauções: Gravidez, crianças <12 anos e lactação (segurança não
estabelecida).
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Cefaleias, confusão.
Visão turva, rinite.
Expansão transitória de volume, taquicardia, dor recto-extrenal,
insuficiência cardíaca congestiva, edema pulmonar.
Sede, náuseas, vómitos.
Ìnsuficiência renal, retenção urinaria.
Hiponatremia, hipernatremia, hipocaliemia, hipercaliemia, desidratação.
Flebite nos locais de administração endovenosa.
Interacções Medicamentosas:
Aumenta a excreção do Iítio; pode diminuir a eficácia.
277
Cuidados de Enfermagem:
Monitorizar sinais vitais, débito urinário, pressão venosa central, antes e
de hora a hora durante a administração do fármaco.
Procurar no doente sinais e sintomas da desidratação (diminuição do
turgor cutâneo, febre, pele e mucosas secas, sede), ou sinais de aumento do
volume de líquidos (aumento da PVC, dispneia, fervores crepitantes, edema).
Procurar no doente a existência de anorexia, fraqueza muscular,
dormências, formigueiros, parestesias, confusão e sede excessiva.
Endovenoso: Administrar sem diluição.
Se a solução apresentar cristais, aquecer em água quente e agitar
vigorosamente. Não administrar, se os cristais se mantiverem insolúveis. Arrefecer
à temperatura ambiente.
Usar um sistema com filtro.
Observar com frequência o local de punção para detecção de infiltração.
O extravazamento pode provocar irritação e necrose dos tecidos
Adições incompatíveis: produtos derivados do sangue e
imipenemcilastatina.
278
^cìvni:o[ ^vvnc.io (^o[oìi[©
Grupo Fármaco - Terapêutico: Analgésico e antipirético
Indicações: Dor aguda no período pós-operatório ou pós-traumático. Dores
espasmóidicas. Febre alta que não responda a outras terapêuticas antipiréticas.
PosoIogia e Modo de Administração: Uma ampola por via intramuscular
profunda ou endovenosa lenta (durante pelo menos 4 minutos), de 8 em 8 horas,
salvo opinião contrária do médico. Pode iniciar-se o tratamento por via endovenosa
e após obtenção de um grau satisfatório da analgesia, mantê-lo mediante
injecções intramusculares ou supositórios.
O conteúdo das ampolas pode incorporar-se em soluções injectáveis de grande
volume, excepto nas indicadas nas incompatibilidades.
1 cápsula, 3 ou 4 vezes por dia.
Supositórios adulto: Adultos e crianças com mais de 12 anos: 1 supositório,
podendo repetir-se as vezes consideradas necessárias pelo médico.
Supositório infantil: Crianças dos 3 aos 11 anos: 1 supositório, podendo repetir-se
a aplicação até 4 vezes nas 24 horas, em intervalos regulares.
Crianças de 1-3 anos:1/2 supositório, podendo repetir-se a aplicação até 3-4 vezes
nas 24 horas.
279
Contra-indicações: NOLOTÌL® não deve ser administrado a pessoas que tenham
demonstrado hipersensibilidade aos derivados das pirazolonas, incluindo o Metamizol.
NOLOTÌL® não deve ser administrado em casos em caso de porfiria intermitente aguda,
granulocitopenia ou deficiência congénita da glucose-6-fosfato-desidrogenase.
Doentes que possuam perturbações pré-existentes da hematopoiese (ex. tratamento com
citostáticos), só devem utilizar NOLOTÌL® sob supervisão médica.
São necessários cuidados especiais em doentes com valores de pressão sistólica inferiores a
100 Mg e em doentes com circulações instáveis (enfarte do miocárdio, lesões múltiplas e
choque inicial).
Precauções: Em tratamentos muito prolongados, ou com doses muito elevadas, deve fazer-
se o controlo hemocitológico.
Devem de estar presentes modalidades para os casos raros de choque, em caso de
administração parentérica.
Em casos de administração parentérica, deverá utilizar-se técnica própria de injecção. A
administração intra-arterial inadvertida poderá causar necrose na área distal vascular.
Interacções: Em doentes diabéticos, os derivados pirazolónicos podem afectar o
doseamento enzimático do açúcar sanguíneo pelo método de glucose-oxigenase (GOD).
O efeito anticolinérgico dos antidepressivos tricíclicos, anti-histamínicos, quinidina, amantadina
e disopiramida podem ser intensificados polo NOLOTÌL®.
O tratamento com antagonistas de dopamida tal como metoclopramida pode provocar
diminuição do efeito de ambos os fármacos no tracto gastrintestinal.
Se o NOLOTÌL® for administrado simultaneamente com ciclosporina, os níveis sanguíneos
desta, podem ser reduzidos.
Os efeitos do álcool e do NOLOTÌL® podem ser potenciados quando tomados em simultâneo
280
Gravidez e crianças: O Metamizol atravessa a barreira placentária e assim, só deverá ser
usado durante a gravidez, especialmente durante os primeiros 3 meses e últimas 6 semanas,
após consideração cuidadosa das indicações.
A segurança durante a gravidez ainda não está estabelecida.
Foi encontrada uma correlação estreita entre o leite materno e as concentrações plasmáticas
dos metabolitos principais do Metamizol. Nenhum dos metabolitos era detectável 8 hora após
a toma.
Efeitos secundários: Podem ocorrer reacções de hipersensibilidade da pele e das mucosas.
Muito raramente, foram descritas reacções cutâneas graves ou inclusivamente fatais,
geralmente implicando as membranas mucosas (síndroma de Stevens-Jonhson, síndroma
Lyell) relacionadas com a administração de medicamentos contendo Metamizol. Se tais
reacções cutâneas surgirem deve-se descontinuar imediatamente a administração de
NOLOTÌL® e consultar o médico.
Estão descritos casos raros de reacções alérgicas, incluindo reacções anafilácticas e choque
anafiláctico.
Existe um grande risco de choque após a administração de NOLOTÌL®, especialmente após
injecção intravenosa, a doentes com asma brônquica; alérgicos a analgésicos e anti-
reumatismais, bem como a doentes com sinais de intolerância após ingestão de quantidades
mínimas de álcool, alguns tipos de alimentos, tintas de cabelo e conservantes. Nestes casos
devem ser tomadas estritas medidas de segurança quando se administra NOLOTÌL®. Na
administração parentérica, recomenda-se a execução de um teste com 0,1-0,2 ml de solução
para injecção.
O choque pode ser imediatamente ou após 1 h de administração. Os sintomas precoces do
choque são: suores frios, tonturas, náuseas, discromia e dispneia.
Adicionalmente pode ocorrer transpiração facial, sensação de opressão, taquicárdia e
sensação de arrefecimento de extremidades.
281
Sobredosagem:
Sintomas: A sobredosagem aguda ou o uso crónico em sobredosagem, provoca
tonturas, náuseas, vómitos, dores gastrintestinais, agitação, convulsões, cãibras
crónicas, choque, coma, paralisia respiratória; lesões hepáticas e renais, retenção
urinária, retenção de fluidos e retenção sódica com edema pulmonar nos doentes
cardíacos.
Tratamento: Após a administração oral em sobredosagem são possíveis as seguintes
medidas: lavagem gástrica, vómito forçado, instilação de apomorfina e carvão vegetal
seguidos de sulfato de magnésio (15%).
Pode ser necessária vigilância cuidadosa das funções vitais. Deve ser assegurado
que as vias respiratórias estejam isentas de obstrução. Pode ser necessário
entubação ou respiração artificial. Em caso de hipovolémia, o volume de sangue
circulante deve ser normalizado se necessário, com plasma expansores de plasmam,
electrólitos ou soluções de dextrose. A excreção deve ser acelerada por meio de
diurese forçada ou diálise ( o Metamizol é dialisável).
Choque anafiláctico: ver efeitos secundários.
Medidas defensivas: Administração de adrenalina, monitorização do pulso e pressão
sanguínea (atenção: disritmia); anti-histamínicos, glucocorticóides (ex. prednisolona
até 1 g Ì.V.); administração de expansores do volume plasmático, respiração artificial.
Estão descritos casos raros de dispneia em doentes com história de asma brônquica
ou alérgica.
O Metamizol tem sido associado em casos raros a agranulocitose e trombocitopenia,
o que pode provocar tendências hemorrágicas e hemorragias pontiformes da pele e
das membranas das mucosas.
282
Se ocorrerem durante o tratamento, sintomas de agranulocitose tais como, febre
alta, arrepios, dores de garganta, dificuldade de deglutição, inflamações da boca,
nariz e garganta ou inflamação da região genital ou anal, o tratamento deve ser
interrompido imediatamente e informado o médico assistente. Em doentes com
deficiência na glucose-6-fosfato-desidrogenase pode ocorrer anemia hemolítica
induzida pelo Metamizol.
A excreção do ácido rubazónico, metabolito inofensivo do Metamizol pode
provocar uma coloração avermelhada da urina, que desaparece com a suspensão
do tratamento.
Poderá ocorrer dor no local da injecção, particularmente após utilização
intramuscular.
Propriedades: O Metamizol magnésico é um derivado pirazolónico que possui
a acção análgesica a três niveis: periférico, medular e talâmico sem efeitos
opiáceos. Desenvolve também uma acção antipirética e anti-inflamatória. Por ser
um sal magnésico possui uma acção muito eficaz sobre a dor provocada por
espasmos de órgãos ocos.
Excipientes: mpolas: Água destilada.
283
^cì{o·ninv (^ì·vviv©
Grupo Fármaco - Terapêutico: Antidiabético
Acção:
- Diminui a produção hepática de glicose;
- Diminui a absorção intestinal de glicose;
- Aumenta a sensibilidade à insulina.
Indicações Terapêuticas:
- Adjuvante no tratamento de diabetes mellitus não insulinodependente;
Via de Administração e PosoIogia (Adultos):
- Dose média diária por via Oral: 500 mg duas vezes por dia, podendo aumentar
500 mg em intervalos semanais até 2000 mg/dia.
Contra - Indicações:
Hipersensibilidade;
Acidose metabólica de qualquer causa;
Disfunção renal subjacente;
Estudos radiográficos com contrastes iodados;
Ìnsuficiência hepática.
284
Precauções:
Ìnsuficiência renal de qualquer grau;
Doentes idosos ou debilitados (exige redução da posologia);
Doentes sob tensão (infecção, procedimentos cirúrgicos);
Doentes hipóxicos;
Doentes com insuficiencia da hipófise ou hipertiroidismo;
Gravidez, lactação e crianças.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Náuseas, vómitos, diarreia, coágulo abdominal, sabor metálico desagradável;
Hipoglicemia;
Acidose láctica;
Diminuição dos níveis de vitamina B12.
Interacções Medicamentosas:
Ìngestão aguda ou crónica de áIcooI ou de produtos de contraste iodados
aumentam o risco de acidose láctica.
285
AmiIorido, digoxina, morfina, procainamida, quinidina, ranitidina, trianterene,
trimetoprim, bIoqueadores dos canais de cáIcio e vancomicina podem competir para
eliminação de vias com metformina, ocorrendo alteração da resposta.
Cimetidina e furosemida podem aumentar os efeitos de metformina.
Nifedipina aumenta a absorção e pode aumentar os efeitos da metformina.
Cuidados de Enfermagem:
Observar sinais e sintomas de reacções hipoglicemiantes:
- dores abdominais;
- sudação;
- fome;
- fraqueza;
- tonturas;
- cefaleias;
- tremores;
- taquicardia;
- ansiedade.
Observar existência de alterações nutricionais, inferiores às necessidades corporais.
Observar valores laboratoriais.
Avaliar glicemia capilar se necessário e/ou prescrito;
Validar informações com o doente/família.
286
^cìi[vo¡v (/[voncì
Grupo Fármaco - Terapêutico: Anti-hipertensor
Composição quaIitativa e quantitativa: Comprimidos doseados a 250 mg e a
500 mg de Metildopa, como princípio activo.
Forma farmacêutica: Comprimidos para administração oral.
Indicações terapêuticas: Hipertensão arterial (ligeira, moderada ou grave).
PosoIogia e Modo de administração:
GeraI: A Metildopa é excretada, em grande parte, pelos rins, podendo os doentes
com insuficiência renal responder a doses mais pequenas. A ocorrência de
síncope nos doentes mais idosos pode estar relacionada com uma maior
sensibilidade e com doença vascular arteriosclerótica avançada. Ìsto pode ser
evitado com o emprego de uma posologia reduzida.
A suspensão da terapêutica com ALDOMET® é seguida dum retorno da
hipertensão, geralmente ao fim de 48 horas. Não se observa um efeito rebound
com a suspensão da terapêutica.
287
A terapêutica com ALDOMET® pode ser iniciada na maioria dos doentes já em
tratamento com outros agentes anti-hipertensores.
ALDOMET® pode também ser usado concomitantemente com Moduretic
(hidroclorotiazida e amilorida) ou com medicamentos beta-bloqueadores, como
Blocadren (maleato de timolol). Muitos doentes podem ser controlados com 1
comprimido de Moduretic e 500 mg de ALDOMET®, administrados numa única
toma diária.
Quando a Metildopa é administrada a doentes que tomam outros anti-
hipertensores, pode ser necessário reajustar as doses destes medicamentos para
obter uma transição suave. Se necessário, suspender, gradualmente, tais
medicações anti-hipertensoras (ver recomendações sobre a suspensão da
terapêutica nos Folheto Ìnformativos das respectivas embalagens).
A seguir a esta terapêutica anti-hipertensora prévia, ALDOMET® deve limitar-se a
uma posologia inicial não superior a 500 mg diários, aumentando-a, se
necessário, a intervalos de, pelo menos, 2 dias.
AduItos: A posologia inicial usual de ALDOMET® é de 250 mg, duas ou três
vezes por dia, nas primeiras 48 horas. A dose diária pode, então, ser aumentada
ou diminuída, de preferência a intervalos não inferiores a dois dias, até que se
consiga uma resposta adequada. A dose máxima diária recomendada é de 3 g.
288
Quando se adicionam 500 mg de ALDOMET® a 50 mg de hidroclorotiazida, os dois agentes
podem ser administrados conjuntamente, uma vez por dia.
Muitos doentes referem sedação, durante dois ou três dias, quando iniciam a terapêutica com
ALDOMET® ou quando a dose é aumentada. Por isso, quando se aumenta a posologia, pode
ser desejável aumentar, primeiramente, a dose tomada à noite.
Crianças: A posologia inicial é de 10 mg/kg de peso corporal, por dia, em duas a quatro tomas.
A posologia diária pode então ser aumentada ou diminuída até que se obtenha uma resposta
adequada. A posologia máxima não deve ultrapassar 65 mg/kg ou 3 g diariamente, conforme a
que for mais baixa.
Contra-indicações:
ALDOMET® está contra-indicado em doentes:
Com doença hepática activa, por exemplo, hepatite aguda e cirrose em actividade;
com hipersensibilidade (incluindo distúrbios hepáticos associados a terapêutica anterior pela
Metildopa) a qualquer dos componentes deste medicamento (Ver Advertências e Precauções
especiais de utilização):
em tratamento com inibidores da mono-amina-oxidase (MAO).
Advertências e Precauções especiais de utiIização: Ocorreu, raramente, anemia
hemolítica em associação com a terapêutica com Metildopa. Se a sintomatologia clínica sugerir
a possibilidade de anemia, devem fazer-se determinações da hemoglobina e/ou hematócrito.
Se existir anemia, devem fazer-se testes laboratoriais para detectar hemólise. Se houver
provas de anemia hemolítica, deve suspender-se a Metildopa. Habitualmente, há remissão
imediata apenas com a interrupção do tratamento, ou após instituição de terapêutica com
corticosteróides. Contudo, ocorreram, embora raramente, casos mortais.
289
Alguns doentes, sob terapêutica contínua com Metildopa, desenvolveram uma
prova de Coombs directa positiva. A incidência da prova de Coombs positiva,
relatada por vários investigadores, variou entre 10 a 20%. Uma prova de Coombs
positiva raramente ocorre durante os primeiros 6 meses da terapêutica com
Metildopa, e se não for encontrada no período de 12 meses, é improvável que
venha a desenvolver-se com a continuação do tratamento. Este fenómeno é
também relacionável com a dose, ocorrendo a menor incidência em doentes a
tomar 1 g, ou menos, de Metildopa, por dia. A reversão da positividade do teste de
Coombs verifica-se semanas a meses após a suspensão da Metildopa.
Se for necessária uma transfusão, o conhecimento prévio da existência de uma
reacção de Coombs positiva pode ajudar na interpretação da tipagem. Doentes
com um teste de Coombs positivo, na altura da tipagem, podem vir a exibir uma
reacção "minor" incompatível. Quando isto acontecer, deverá ser efectuado um
teste de Coombs indirecto. Se for negativo, a transfusão com tal sangue, que foi
determinado como compatível na tipagem "major", pode ser realizada. Contudo,
se positivo, a viabilidade da transfusão deverá ser determinada por um
hematologista ou um especialista de transfusões.
Foi observada, raramente, leucopénia reversível, com efeito primário sobre os
granulócitos. As contagens de granulócitos voltaram prontamente ao normal, após
a suspensão do fármaco. Tem ocorrido, raramente, trombocitopénia reversível.
290
Ocasionalmente, ocorreu febre nas três primeiras semanas de tratamento com
Metildopa. Em alguns casos, esta febre foi associada a eosinofilia ou
anormalidades numa ou mais provas de função hepática. Pode também ocorrer
icterícia, com ou sem febre, habitualmente nos primeiros 2 ou 3 meses de
terapêutica. Nalguns doentes, as alterações encontradas são consistentes com
colestase.
Foram referidos casos raros de necrose hepática fatal. Biópsias hepáticas,
efectuadas em vários doentes com disfunção hepática, revelaram uma necrose
microscópia focal compatível com a hipersensibilidade ao medicamento. Dever-se-
á investigar a função hepática, e realizar uma contagem e fórmula leucocitária a
intervalos, durante as primeiras seis a doze semanas de terapêutica, ou sempre
que ocorra febre inexplicável.
Se ocorrer febre, quaisquer anormalidades das provas da função hepática ou
icterícia, dever-se-á suspender o fármaco. Se a febre ou anormalidades da função
hepática estiverem relacionadas com a Metildopa, elas revertem
caracteristicamente com a sua suspensão. Não se deve reinstituir a terapêutica
com Metildopa nesses doentes. A Metildopa deve ser usada, com precaução, em
doentes com história de prévia doença ou disfunção hepática.
Os doentes tratados com ALDOMET® podem necessitar de doses reduzidas de
anestésicos. Se ocorrer hipotensão no decurso da anestesia, ela pode ser,
geralmente, controlada pelo uso de vasopressores. Durante o tratamento com
Metildopa, os receptores adrenérgicos permanecem sensíveis.
A hemodiálise remove a Metildopa; por consequência, a hipertensão pode recorrer
após este tratamento.
291
Interferência com Testes Laboratoriais: A Metildopa pode interferir com o
doseamento do ácido úrico na urina pela técnica do fosfotungstato, da creatinina
pelo método do picrato alcalino, e da SGOT pelo método colorimétrico. Não estão
descritas interferências com métodos espectrofotométricos de doseamento da
SGOT.
Como a Metildopa causa fluorescência da urina aos mesmos comprimentos de
onda que as catecolaminas, pode levar a resultados erróneos de altas
concentrações urinárias de catecolaminas, e ao diagnóstico falso de
feocromocitoma.
É importante reconhecer este fenómeno antes de submeter, a intervenção cirúrgica,
um doente com uma suspeita de feocromocitoma. A Metildopa não interfere com o
doseamento do ácido vanilmandélico (AVM) pelos métodos que convertem o AVM
em vanilina. Não se recomenda a Metildopa para tratamento de doentes com
feocromocitoma.
Pode ocorrer, raramente, escurecimento da urina exposta ao ar, após a micção, por
desdobramento da Metildopa ou dos seus metabolitos.
Interacções medicamentosas e outras
Lítio: Quando se administram simultâneamente Metildopa e lítio, o doente deve ser
cuidadosamente observado para despiste de sintomas de toxicidade por lítio.
292
Outros Fármacos Anti-hipertensores: Quando a Metildopa é utilizada em
combinação com outros fármacos anti-hipertensores, pode ocorrer potenciação da
acção anti-hipertensora. Deve seguir-se cuidadosamente o doente para detectar
reacções colaterais ou manifestações invulgares de idiossincrasia ao fármaco.
Ferro: Em diversos estudos foi demonstrada uma diminuição na biodisponibilidade da
Metildopa quando ingerida com sulfato ferroso ou gluconato ferroso. Em doentes
tratados com Metildopa o controlo da pressão arterial pode ser adversamente
afectado.
Inibidores da Mono-Amina-Oxidase (MAO): (Ver Contra-indicações).
Gravidez e aIeitamento
Gravidez: ALDOMET® tem sido utilizado, sob apertado controlo médico e obstétrico,
no tratamento da hipertensão durante a gravidez. Não houve evidência clínica de que
ALDOMET® causasse anomalias fetais ou que afectasse o recém-nascido.
Estudos publicados sobre a utilização de Metildopa durante os três trimestres indicam
que é remota a possibilidade de surgirem problemas fetais como resultado da sua
utilização durante a gravidez. Nos estudos clínicos, o tratamento com ALDOMET®
tem sido associado a uma melhoria do prognóstico fetal. A maioria das mulheres
estudadas estavam no terceiro trimestre de gravidez, quando iniciaram o tratamento
com Metildopa.
293
A Metildopa atravessa a barreira placentária e aparece no sangue do cordão.
Embora não tivessem sido relatados efeitos teratogénicos óbvios, não se pode
excluir a possibilidade de lesão fetal, e o uso do medicamento na mulher que esteja
ou possa vir a estar grávida requer que se ponderem os benefícios esperados em
relação aos riscos possíveis.
AIeitamento: A Metildopa aparece no leite materno. Por isso, há que ter cuidado
quando se prescreve ALDOMET® a uma mulher que amamenta.
Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utiIizar máquinas
Possíveis efeitos indesejáveis tais como sedação e estonteamento podem afectar a
capacidade de alguns doentes de conduzir e utilizar máquinas (ver Efeitos
indesejáveis).
Efeitos indesejáveis
Pode ocorrer sedação, usualmente transitória, durante o período inicial da
terapêutica ou quando se aumenta a posologia. Podem ocorrer cefaleias, astenia
ou fraqueza, como sintomas precoces e transitórios.
Efeitos colaterais significativos devidos a ALDOMET® não têm sido frequentes, e
este medicamento é geralmente bem tolerado.
Foram relatadas as seguintes reacções:
294
Sistema Nervoso CentraI: Sedação (geralmente transitória), cefaleias, astenia ou fraqueza,
parestesias, parkinsonismo, paralisia de Bell, movimentos coreio-atetósicos involuntários.
Perturbações psíquicas, incluindo pesadelos, acuidade mental diminuída e psicoses ligeiras
reversíveis, ou depressão. Tonturas, estonteamento e sintomas de insuficiência cérebro-vascular
(podem ser devidas ao abaixamento da pressão arterial).
CardiovascuIares: Bradicardia, prolongada hipersensibilidade do seio carotídeo, agravamento
da angina pectoris. Hipotensão ortostática (diminuir a posologia diária). Edema (e aumento do
peso), geralmente aliviado pela utilização de um diurético (suspender a Metildopa, caso o edema
aumente ou apareçam sinais de insuficiência cardíaca).
Gastrintestinais: Náuseas, vómitos, distensão abdominal, obstipação, flatulência, diarreia,
colite, secura ligeira da boca, glossite ou língua preta, pancreatite, sialo-adenite.
Hepáticos: Perturbações hepáticas que incluem hepatite, icterícia, testes de função hepática
anormais.
HematoIógicos: Teste de Coombs positivo, anemia hemolítica, depressão da medula óssea,
leucopénia, granulocitopénia, trombocitopénia, eosinofilia. Testes positivos para pesquisa de
anticorpos antinucleares, células LE e factor reumatóide.
AIérgicos: Febre relacionada com o medicamento e síndroma de tipo lúpus, miocardite,
pericardite.
DermatoIógicos: Exantema, como no eczema ou na erupção liquenóide, necrólise epidérmica
tóxica.
295
Outros: Obstrução nasal, elevação da azotémia, aumento das mamas,
ginecomastia, secreção de leite, hiperprolactinémia, amenorreia, impotência,
diminuição da libido, artralgias ligeiras, com ou sem tumefacção das articulações,
mialgias.
Sobredosagem
A sobredosagem aguda pode produzir hipotensão aguda com outras respostas
atribuíveis a mau funcionamento cerebral e gastrintestinal (sedação excessiva,
fraqueza, bradicadia, tonturas, estonteamento, obstipação, distensão, flatulência,
diarreia, náuseas e vómitos).
Em caso de sobredosagem, devem ser tomadas medidas de suporte e de combate
aos sintomas. Se a ingestão for recente, a lavagem gástrica ou o vómito podem
reduzir a absorção. Se a ingestão já tiver ocorrido há algum tempo, o uso de
infusões pode ser útil para promover a excreção urinária. Para além disto, deve-se
ter atenção especial ao ritmo e débito cardíacos, ao volume sanguíneo, ao equilíbrio
electrolítico, ao íleo paralítico, à função urinária e à actividade cerebral.
Podem ser indicados fármacos simpaticomiméticos (por ex., levarterenol, adrenalina,
bitartarato de metaraminol). A Metildopa é dializável
Propriedades farmacodinâmicas
Grupo farmacoterapêutico: ÌV-6- Medicamentos do aparelho cardiovascular. Anti-
hipertensores.
296
ALDOMET® (Metildopa, MSD) é um agente anti-hipertensor eficaz, que reduz a
pressão sanguínea, tanto em decúbito como na posição ortostática. Raramente
provoca hipotensão sintomática postural, hipotensão de exercício e variações diurnas
da pressão sanguínea. Por ajustamento da posologia, pode-se evitar a hipotensão
matinal sem sacrificar o controlo da pressão sanguínea durante a tarde.
A Metildopa não tem efeito directo sobre a função cardíaca e, geralmente, não reduz a
taxa de filtração glomerular, o fluxo sanguíneo renal ou a fracção filtrada. O débito
cardíaco mantém-se, usualmente, sem aceleração cardíaca. Em alguns doentes, a
frequência cardíaca diminui.
Devido à relativa ausência de efeitos adversos sobre a função renal, a Metildopa pode
ser benéfica no controlo da hipertensão arterial, mesmo em presença de insuficiência
renal. Pode ajudar a deter ou a retardar a progressão da insuficiência e lesão renais,
causadas pela elevação mantida da pressão sanguínea.
No decurso do tratamento com Metildopa, a actividade da renina plasmática pode
diminuir, nos casos em que esta esteja elevada ou normal.
A capacidade de inibir a dopa-descarboxilase e provocar deplecção de noradrenalina
nos tecidos animais pertence apenas ao isómero-L-(Metildopa). No homem, a
actividade anti-hipertensora parece dever-se apenas ao isómero-L.
O efeito anti-hipertensor da Metildopa deve-se, provavelmente, ao metabolismo a
alfametilnoradrenalina, a qual diminui a pressão arterial por estimulação dos
receptores centrais alfa-adrenérgicos, por falsa neurotransmissão e/ou por redução da
actividade da renina plasmática. Demonstrou-se que a Metildopa provoca uma
redução em cadeia nas concentrações teciduais de serotonina, dopamina,
noradrenalina e adrenalina.
297
O efeito da Metildopa no equilíbrio das aminas adrenérgicas é reversível.
A diminuição máxima da pressão arterial ocorre 4-6 horas depois da administração
oral. Logo que é atingido um nível posológico eficaz, ocorre uma resposta tensional
progressiva, na maioria dos doentes, no espaço de 12 a 24 horas.
Propriedades farmacocinéticas
A absorção da Metildopa mostra variações individuais importantes. Em dois estudos,
a biodisponibilidade da Metildopa variou de 8% a 62%.
A Metildopa é extensamente metabolizada.
Cerca de 70% da forma oral do fármaco absorvido é excretada na urina sob a forma
de Metildopa e do seu metabolito mono-0-sulfoconjugado. A depuração renal é de
cerca de 130 ml/min. em indivíduos normais, e está diminuída na insuficiência renal.
A semi-vida plasmática da Metildopa é de 105 minutos. Após administração oral, a
excreção está essencialmente completa ao fim 36 horas.
Dados de segurança pré-cIínica
Em estudos a longo termo, realizados no ratinho e rato, não foram observados efeitos
tumorigénicos.
A Metildopa não se revelou mutagénica ou clastogénica, em testes in vitro.
A Metildopa não demonstrou potencial teratogénico em ratos, ratinhos ou coelhos. O
fármaco revelou efeitos adversos, dependentes da dose, sobre a espermatogénese
do rato. Estes efeitos foram reversíveis com a interrupção do tratamento.
298
Lista dos excipientes
Cada comprimido de 250 mg e 500 mg contêm os seguintes ingredientes
inactivos, no seu núcleo: ácido cítrico, anidro, edetato de cálcio e de sódio,
etilcelulose, goma, Guarcelulose em pó, dióxido de sílica coloidal, estearato de
magnésio.
No seu revestimento, contém: hidroxipropil, metilcelulose, propilenoglicol, óxido de
ferro vermelho, dióxido de titâniotalco, laca aluminada do corante amarelo de
quinolina (E104), cera de carnaúba.
IncompatibiIidades
Nenhumas.
Instruções de utiIização, manipuIação e eIiminação
Nenhumas.
299
^cìi[¡·cvni.o[onv (^o[v^cv·o[©
Grupo Fármaco - Terapêutico: Esteróide Anti-inflamatório
Indicações: Transplantação de órgãos.
Efeitos secundários:
Equilíbrio hidro-electrólitico ÷ Retenção de sódio, insuficiência cardíaca congestiva,
hipertensão, retenção de fluídos, perda de potássio, alcalose, hipocalémica.
Muscoloesqueléticas ÷ Miopatia esteróide, debilidade muscular, osteoporose,
fracturas patológicas e vertebrais por compressão, necrose asséptica.
Gastrointestinais ÷ Úlcera péptica com possível prefuração e hemorragia, hemorragia
gástrica, pancreatite, esofagite, perfuração intestinal, aumento dos
níveis da ALT e AST.
Dermatológicas ÷ Deficiências de cicatrização, petéquias e equimoses, pele fina e
frágil.
Metabólicas ÷ Balanço azotado negativo devido a catabolismo proteíco.
Neurológicas ÷ Aumento da pressão intracraniana, pseudotumor cerebral, alterações
psíquicas, convulsões.
300
Endócrinas ÷ Ìrregularidades menstruais, desenvolvimento do estado cushingoide,
supressão do eixo adreno-pituitário, fraca tolerância a hidratos de carbono ÷
manifestações de diabetes mellitus latente e aumento da necessidade de insulina ou
de agentes hipoglicémicos orais em diabéticos.
Oftálmicas ÷ Cataratas subcapsulares posteriores, aumento da pressão intraocular,
exoftalmia.
Ìmunológico ÷ Mascaramento de infecções, activação de infecções latentes,
infecções oportunistas, reacções de hipersensibilidade incluindo anafilaxia, supressão
da reacção a testes cutâneos.
Reacções anafiIáticas com ou sem coIapso circuIatório, paragem cardíaca,
broncospasmo, arritmias cardíacas, hipotensão ou hipertensão.
Administração
Doses até 250mg devem ser administradas por via EV durante um período mínimo de
5 min. e doses superiores a 250 mg devem ser administradas durante pelo menos em
30min. (em bólus).
Depois de reconstituída a solução é estável durante 48 horas.
301
^cìo.[o¡·vnivv
Grupo Fármaco - Terapêutico: antiemético
Acção:
Bloqueia os receptores de dopamina na zona de disparo dos quimiorreceptores do SNC.
Estimula a motilidade do tracto gastrointestinal superior e acelara o esvaziamento gástrico
÷ diminuição das náuseas e dos vómitos, diminuição dos sintomas de estase gástrica.
Indicações Terapêuticas:
- Prevenção de vómitos devidos a quimioterapia.
- Tratamento de estase gástrica ou diabética.
- Facilitação da entubação do intestino delgado nos procedimentos radiográficos.
- Tratamento do refluxo esofágico.
- Tratamento e prevenção das náuseas e vómitos pós-operatórios quando a aspiração
nasogástrica é indesejável.
Via de Administração e PosoIogia: Endovenosa, per-os e intramuscular.
Prevenção de vómitos induzidos por quimioterapia:
- AduItos (endovenosa): 1-2 mg/kg 30 minutos antes da quimioterapia. Doses adicionais
de 1-2 mg/kg podem ser administradas de 2/2 horas durante 2 doses, depois de 3/3 horas em 3
doses adicionais. Pode também ser administrado como 3 mg/kg antes da quimioterapia,
seguidos por 0,5 mg/kg/h durante 8 horas.
302
Para facilitar a entubação do intestino delgado:
- AduItos (endovenosa): 10 mg.
- Crianças dos 6-14 anos (endovenosa): 2,5/5 mg ÷ a dose não deve exceder o,5
mg/kg.
-Crianças < 6 anos (endovenosa): 0,1 mg/kg
Gastroparesia diabética:
-AduItos (per-os): 10 mg 30 minutos das refeições e ao deitar.
Refluxo gastroesofágico:
-AduItos (per-os): 10-15 mg 30 minutos das refeições e ao deitar ÷ não exceder
0,5 mg/kg/dia. Uma dose única de 20 mg pode ser administrada antes de situações
que possam provocar os sintomas. Os doentes sensíveis aos efeitos da
metoclopramida podem responder a doses mais pequenas do que 5mg.
Náuseas/vómitos pós-operatórios:
-AduItos (intramuscuIar): 10-20 mg.
Tratamento de soluços:
- AduItos (per-os, intramuscuIar): 10-20 mg 4 vezes por dia per-os; pode ser
precedida por uma dose única de 10 mg intramuscular.
303
Contra - Indicações:
Hipersensibilidade.
Possível obstrução gastrointestinal ou hemorragia.
História de perturbações convulsivas.
Feocromocitoma.
Doença de Parkinson.
Precauções:
Crianças e doentes geriátricos: aumenta a incidência de reacções extra-
piramidais.
Gravidez e lactação: segurança não estabelecida.
Doentes com história de depressão.
Diabetes: pode alterar a resposta à insulina.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Agitação, sonolência, fadiga, reacções extra-piramidais, depressão,
irritabilidade, ansiedade.
Arritmias, hipertensão, hipotensão.
Obstipação, diarreia, náuseas.
Ginecomastia.
304
Interacções Medicamentosas:
Depressão aditiva do SNC com outros depressores do SNC, incluindo
áIcooI, antidepressivos, anti-histamínicos, opiáceos e sedativos/hipnóticos.
Os diabéticos necessitam de reajustamento de insuIina.
Pode afectar a absorção gastrointestinal de outros fármacos
administrados oralmente como resultado do efeito na motilidade gastrointestinal.
Pode aumentar a hipotensão durante a anestesia geraI.
Aumentado o risco de reacções extra-piramidais com fármacos tais como
o haIoperidoI ou fenotiazinas.
Os anaIgésicos opiáceos e os anticoIinérgicos podem antagonizar os
efeitos gastrointestinais da metocIopramida.
Pode aumentar a absorção e o risco de toxicidade com as cicIosporinas.
Usar com precaução com IMAO's: causam libertação de catecoIaminas.
Podem aumentar o bloqueio neuromuscular com succiniIcoIina.
Pode diminuir a eficácia da Ievodopa.
Cuidados de Enfermagem:
Avaliar as náuseas e os vómitos, distensão abdominal e sons intestinais
antes e depois da administração.
305
^cì·onivv:o[ (I[vv,[©
ndicações:
Tratamento da amebíase intestinal invasiva e hepática;
Tricomoníase urogenital e giardíase;
Ìnfecções por anaeróbios.
#eacções adversas:
Náuseas, vómitos e epigastralgias;
Alterações do paladar;
Erupções cutâneas e urticária;
Urina escura;
Cefaleias, vertigens e ataxia (raramente);
Neuropatia periférica e convulsões epileptiformes quando da utilização de doses
altas ou terapêuticas prolongadas.
ontra-indicações e precauções:
Gravidez e amamentação;
Ìnsuficiência hepática (reduzir a posologia);
Monitorizar a função hepática (terapêuticas superiores a 10 dias).
306
nteracções:
O metronidazol inibe o metabolismo dos anticoagulantes orais e da fenitoína,
aumentando as suas concentrações plasmáticas com potencial desenvolvimento
de toxicidade. O fenobarbital reduz as concentrações do metronidazol podendo
comprometer a sua eficácia terapêutica. A cimetidina inibe o metabolismo do
metronidazol. A coadministração de etanol e metronidazol aumenta o risco de
aparecimento de reacções do tipo dissulfiram.
!osologia:
AduItos] ÷ Via oral: 800 mg de 8/8 horas, durante 5 dias no tratamento da
amebíase intestinal invasiva; 400 a 800 mg de 8/8 horas, durante 5 a 10 dias no
tratamento da amebíase hepática; 200 mg de 8/8 horas ou 400 mg de 12/12
horas, durante 7 dias ou 2 g em dose única no tratamento da tricomoníase
urogenital; 2 g/dia, durante 3 dias ou 400 mg de 8/8 horas, durante 5 dias no
tratamento da giardíase.
Crianças] - Via oral: 40 a 50 mg/kg/dia, durante 5 dias no tratamento da
amebíase intestinal invasiva e durante 5 a 10 dias no tratamento da amebíase
hepática; dos 1 aos 3 anos: 500 mg/dia; dos 3 aos 7 anos: 600 a 800 mg/dia; dos
7 aos 10 anos: 1 g/dia, durante 3 dias no tratamento da giardíase.
307
^i.·o.[i.ìc· (^i.·o[v.©
Grupo Fármaco - Terapêutico: laxante de contacto
Acção: As fezes, mesmo as mais duras, contêm uma apreciável quantidade de água que se encontra
ionicamente ligada ás partículas que constituem a massa fecal. Os iões de citrato de sódio, cuja penetração
na massa fecal é facilitada pelo laurilsulfoacetato de sódio, vão substituir-se à água naquelas ligações. A
água assim libertada, no seio da massa fecal, proporciona um fraccionamento e um amolecimento muito
acentuado das fezes.
Indicações Terapêuticas:
- Obstipação
- Preparação do recto e sigmóide para exames endoscópios.
Via de Administração e PosoIogia: Rectal.
Adultos e Crianças de idade superior a 3 anos: administrar o conteúdo de um tubo por dia. Na
obstipação marcada pode vir ser necessário a aplicação do conteúdo de dois tubos.
Crianças até 3 anos: na maioria dos casos é suficiente um tubo de Microlax^ bebé.
Contra-Indicações: Não são conhecidas.
Precauções: Crise hemorroidária, fissuras anais ou rectais e colites hemorrágicas.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários: Sensação de ardor na região anal e rectites congestivas
(uso prolongado).
Interacções Medicamentosas: Não se conhecem.
308
^i·ìv:v¡inv
Grupo Fármaco - Terapêutico: Antidepressivo ( tetraciclico)
Acção: Tem uma acção depressiva, que pode desenvolver-se apenas por várias
semanas, por potenciar os efeitos da noradrenalina e da serotonina
Indicações Terapêuticas: Tratamento da depressão (com psicoterapia)
Via de Administração e PosoIogia (Adultos):
- Dose média diária por via Oral: 15 mg/dia inicialmente como dose única ao deitar.
Pode ser aumentado em cada 1-2 semanas até 45 mg/dia.
Contra - Indicações:
- hipersensibilidade
- terapêutica simultânea com inibidores da MAO
Precauções:
- antecedentes de convulsões
- antecedentes de tentativas de suicídio
- antecedentes de mania/hipomania
309
- doentes geriátricos
- doentes com insuficiência hepática ou renal
- gravidez, lactação ou crianças
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
- sonolência, sonhos anormais, pensamentos anormais, agitação, ansiedade, apatia,
confusão, tonturas, indisposição, fraqueza
- sinusite
- dispneia, aumento da tosse
- edema, hipotensão, vasodilatação
- obstipação, boca seca, aumento do apetite, dor abdominal, anorexia, aumento das
enzimas hepáticas, náuseas, vómitos
- frequência urinária
- prurido, erupções
- aumento da sede
- agranulocitose
- ganho de peso, hipercolesterolemia, aumento dos triglicéridos
- artralgias, dor de costas, mialgia
- hipercinésia, hiperestesia, espasmos
- síndroma tipo viral
310
Interacções Medicamentosas:
- Pode provocar hipertensão, convulsões e morte quando usado com
inibidores da MAO
- Depressão aditiva do SNC com outros depressores do SN, incluindo álcool e
benzodiazepinas
- Fármacos que afectam o metabolismo hepático podem alterar a eficácia da
mirtazepina
Cuidados de Enfermagem:
- Avaliar frequentemente o estado mental e tendências suicidas
- Avaliar e registar a tensão arterial e pulso periodicamente
- Despistar episódios convulsivos
- Observar valores laboratoriais
311
^i.o¡·o.ìo[ ((,ìoìc. ©
As prostaglandinas E1 e E2 têm efeito antisecretor e exercem funções na
prevenção de lesões erosivas de anti-inflamatórios não esteróides (aumentam o
fluxo sanguíneo da mucosa, estimulam a secreção do muco e bicarbonato). Os
seus análogos metilados, absorvíveis por via oral, têm também efeito antisecretor
e de prevenção de hemorragia gastroduodenal em doentes tratados com AÌNEs e
aceleram a cicatrização de úlcera gástrica e duodenal. Entre nós apenas está
disponível o Misoprostol.
$ubstância activa: Misoprostol.
ndicações:
Úlcera péptica;
Gastrite de refluxo;
Úlcera de stress;
Prevenção de lesões gastroduodenais causadas pelos anti-inflamatórios não
esteróides (úlcera resistente ao tratamento com antagonistas H2);
Utentes com artrite reumatóide;
312
#eacções adversas:
Diarreia;
Cólicas uterinas;
Meno e metrorragias;
Risco de provocarem aborto.
ontra-indicações e precauções: Gravidez.
nteracções: Não referidas.
!osologia: lcera péptica: 200 mg, 4 vezes/dia, 4 a 6 semanas.
!revenção de lesão de INEs: 200 mg, 2 a 4 vezes/dia.
313
314
^vv·o¡v·inv
Grupo FarmacoIógico: Anticoagulante (antitrombótico)
Grupo Farmacoterapêutico: Heparina de baixo peso molecular /
heparinóides
Indicações Terapêuticas:
Prevenção dos fenómenos tromboembólicos incluindo a trombose venosa
profunda e a embolia pulmonar
Tratamento da trombose venosa profunda
PosoIogia e modo de administração: SC
Propriedades FarmacoIógicas
- Mecanismo de acção:Potencia o efeito inibidor da antitrombina na factor Xa e
trombina
Efeitos terapêuticos:
Prevenção da formação de trombos
315
- Características Farmacocinéticas:
Absorção: destruídos por enzimas no tracto gastrointestinal. Bem absorvido SC
Distribuição: desconhecida
Metabolismo: fraca/ metabolizado pelo fígado. Eliminada por via renal
- Interacções:
Pode aumentar o efeito da Varfarina
Efeitos secundários:
SNC: tonturas, cefaleias e insónias
Hematológicas: anemia, trombocitopenia
Local: local da injecção, hematomas, irritação e dor
Contra-indicações:
Hipersensibilidade
Hemorragia não controlada
316
Advertências e precauções especiais:
Doença hepática ou renal grave
Peso
Retinopatia
Hipertensão não tratada
Gravidez, lactação, crianças e idosos
Instruções de manipuIação e administração:
- Avaliar no doente sinais de hemorragias (gengival, hemorragia nasal,
equimoses anormais, fezes escuras, hematúria
- Observar locais da injecção (ocorrência de hematomas, equimoses ou
inflamação)
- Em caso de sobredosagem:
Administrar por ÌV lentamente, 1mg de sulfato de protamina por cada mg
de Nadroparina
317
^i{cvi¡inv
Grupo Fármaco - Terapêutico: antianginoso, anti-hipertensor (bloqueador dos
canais de cálcio)
Acção: Ìnibe o transporte do cálcio para as células do miocárdio e do músculo
liso vascular, resultando na inibição do acoplamento excitação-contracção e da
contracção subsequente ÷ vasodilatação sistémica resultando na diminuição da
pressão arterial; vasodilatação coronária resultando na diminuição da frequência e
da severidade das crises de angina.
Indicações Terapêuticas:
Tratamento da:
- Hipertensão (apenas nas formas de libertação prolongada);
- Angina de peito;
-Angina vasoespástica.
Via de Administração e PosoIogia:
Per-os:
- AduItos: 10-30 mg 3 vezes/dia (não exceder os 180 mg/dia) ou 30-90 mg 1
vez/dia na forma de libertação retardada (não exceder os 90-120 mg/dia.
Sublingual:
- AduItos: 10 mg; pode ser repetido após 15 min.
318
Contra-Indicações:
Hipersensibilidade.
Síndroma do nódulo sinusal.
Bloqueio aurículo-ventricular do 2º e 3º grau (a não ser que esteja colocado
um pacemaker artificial).
Pressão arterial < 90 mmHg.
Precauções:
Disfunção hepática severa: é recomendada a redução da dose.
Antecedentes de porfiría.
Doentes geriátricos: recomenda-se redução da posologia; risco de
hipotensão aumentada.
Disfunção renal severa: pode ser necessária a redução da posologia.
História de arritmias ventriculares graves ou de insuficiência cardíaca
congestiva.
Gravidez, lactação ou crianças: segurança ainda não estabelecida.
319
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Cefaleias, sonhos anormais, ansiedade, confusão, tonturas, sonolência, tremores,
nervosismo, distúrbios psiquiátricos, fraqueza.
Visão turva, perturbação do equilíbrio, epistáxis, tinite.
Tosse, dispneia, falta de ar.
Arritmias, insuficiência cardíaca congestiva, edema periférico, bradicardia, dor no
peito, hipotensão, palpitações, sincope, taquicardia.
Testes da função hepática anormais, anorexia, obstipação, diarreia, boca seca,
dispepsia, náuseas, vómitos.
Disúria, nictúria, poliúria, disfunção sexual.
Rubor, dermatite, eritema multiforme, aumento da sudação, fotossensibilidade,
prurido/urticária, erupções cutâneas.
Ginecomastia, hiperglicémia.
Anemia, leucopenia, trombocitopenia.
Ganho ponderal.
Rigidez articular, cãibras musculares.
Parestesias, tremores.
Síndroma Stevens-Jones, hiperplasia gengival.
Interacções Medicamentosas:
Pode ocorrer hipotensão aditiva quando usado simultaneamente com o fentaniI,
outros fármacos anti-hipertensores, nitratos, ingestão aguda de áIcooI, ou quinidina.
Os efeitos anti-hipertensivos podem ser diminuídos pelo uso concomitante com
AINE's.
320
Pode aumentar os níveis sanguíneos e o risco de toxicidade de digoxina.
O uso simultâneo com bIoqueadores adrenérgicos beta, digoxina,
disopiramida, ou fenitoína pode resultar em bradicardia, defeitos de condução ou
insuficiência cardíaca congestiva.
A cimetidina e o propanoIoI podem diminuir o metabolismo e aumentar o
risco de toxicidade.
Pode diminuir o metabolismo e aumentar o risco de toxicidade da
cicIosporina, prazosina, quinidina, ou da carbamazepina.
Cuidados de Enfermagem:
Monitorizar a pressão arterial e o pulso antes da terapêutica, durante a
titulação da posologia, e periodicamente durante a terapêutica.
Monitorizar o ECG periodicamente em doentes com terapêutica
prolongada.
Monitorizar o balanço hidríco e o peso diariamente.
Avaliar os sinais de insuficiência cardíaca congestiva (edema periférico,
fervores/crepitações, dispneia, ganho ponderal, distensão da veia jugular).
321
Angina: avaliar a localização, duração, intensidade e factores precipitantes
da dor anginosa do doente.
Per-os: Administrar sem preocupações em relação às refeições.
Pode ser administrado ás refeições se a irritação gastro-intestinal se tornar
um problema.
Não abrir, esmagar, partir, ou mastigar as cápsulas de libertação
prolongada.
O aparecimento de cápsulas vazias nas fezes não é significativo.
SubIinguaI: A nifedipina pode ser administrada perfurando a cápsula com
uma agulha esterilizada e apertando-a para administrar o líquido na cavidade oral.
A dose usada é a mesma que a dose oral.
Mastigar ou perfurar e engolir a cápsula tem mostrado eficácia similar à via
sublingual para emergências hipertensivas.
322
^iì·ov[i.c·inv (^iì·vvi..©
Grupo Fármaco - Terapêutico: Antianginoso
Acção:
Aumenta o fluxo de sangue nas artérias coronárias e melhora a circulação colateral nas
regiões isquémicas.
Reduz o consumo de oxigénio pelo miocárdio.
Diminui a pressão e o volume fim-de-diástole.
Produz vasodilatação.
Indicações Terapêuticas:
Tratamento agudo da angina do peito (SL).
Tratamento profiláctico de longa duração de angina de peito (PO,
transdérmico, pomada).
Tratamento complementar do enfarte do miocárdio agudo e controlo da hipotensão durante
intervenções cirúrgicas (EV).
Via de Administração e PosoIogia:
SL (aduItos): 0.15-0.6 mg, pode-se repetir-se de 5/5 min durante 15 min para uma crise
aguda;
SoIução para vaporização IinguaI (aduItos): 1-2 aplicações, pode-se repetir-se de 5/5
min durante 15 min;
BucaI (aduItos): 1 mg de 5/5h;
PO (aduItos): capsulas de acção prolongada - 2.5-9 mg em cada 8-12h. Comprimidos de
acção prolongada ÷ 1.3-6.5 mg de 14-14h/dia;
323
IV (aduItos):5 mcg/min, aumentar 5 mcg/mim em cada 3-5 min até 20 mcg/min, depois
aumentar 10-0 mcg/min em cada 3-5 mim;
Transdérmico, Pomada (aduItos): Pomada- 15-30 mg de 8/8h. Penso transdérmico ÷
0.1-0.6 mg/h, até 0.8mg/h. O penso deverá estar colocado 12-14h/dia.
Contra - Indicações:
Hipersensibilidade ao fármaco.
Anemia grave.
Tamponamento pericárdico.
Pericardite constritiva.
Ìntolerância ao álcool.
Uso concomitante de sildenafil.
Precauções:
Traumatismo craniano ou hemorragia cerebral.
Gravidez, glaucoma, cardiomiopatia hipertrófica.
Ìnsuficiência hepática grave, hipovolémia (ÌV), cardioversão.
Crianças e lactação.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Cefaleias, tonturas, agitação, fraqueza.
Hipotensão, taquicardia, síncope.
Náuseas, vómitos, dores abdominais.
Dermatite de contacto.
324
Interacções Medicamentosas:
O uso concomitante de nitratos com o siIdenafiI aumenta o risco de
hipotensão grave e potencialmente fatal;
Fármacos com propriedades anticoIinérgicas podem diminuir a absorção da
nitrogIicerina subIinguaI ou bucaI.
Cuidados de Enfermagem:
Avaliar a localização, duração, intensidade e factores precipitantes da dor
anginosa.
Monitorizar a tensão arterial e o pulso antes e após a administração.
Per-os: Administrar a dose 1 h antes ou 2 h depois das refeições, com um
copo de água para uma absorção mais rápida. As preparações de acção retardada
devem ser tomadas inteiras, não esmagar, partir ou mastigar.
SL: O comprimido deve ser conservado debaixo da língua até se dissolver.
Evitar a ingestão de alimentos líquidos e tabaco até a dissolução completa.
BucaI: Colocar o comprimido debaixo do lábio superior ou entre a gengiva e a
bochecha. O início da acção pode ser aumentado com um toque da língua no
comprimido ou com líquido quente.
Endovenosa: As doses devem ser diluídas e administradas em perfusão. Os
dispositivos de perfusão normais em plástico de policloreto de vinilo pode absorver
até 80% da NTG na solução. Usar garrafas de vidro e sistemas especiais
fornecidos pelo fabricante.
325
- Perfusão contínua: Diluir em D5% ou em NaCl 0,9% para uma concentração de
25-40 mcg/ml, dependendo da tolerância do doente aos líquidos.
A solução é estável durante 48 h à temperatura ambiente.
Ritmo de perfusão: Administrar através de bomba infusora para assegurar
um ritmo de perfusão correcto. Titular conforme resposta do doente.
-Ìncompatibilidade aditiva: Recomenda-se que a nitroglicerina não seja misturada
com outros fármacos.
Tópico: Os locais devem ser rotativos para prevenção de irritação da
pele. Retirar o penso ou pomada do local anterior antes da aplicação seguinte. As
doses podem ser aumentadas até à dose mais elevada que não provoque
hipotensão sintomática.
Duração do tratamento médio: um disco de 10 mg das 09h00 às 21h00
326
327
[vn:v¡inv
Grupo Fármaco - Terapêutico: Antipsicótico
Acção: Antagoniza os receptores da dopamina e serotonina do tipo 2 ÷
Diminuição das manifestações de psicose.
Indicações Terapêuticas: Tratamento de desordens psicóticas.
Via de Administração e PosoIogia: Per-os.
AduItos - Maioria dos doentes: 5 ÷ 10 mg/dia inicialmente; pode ser
aumentado semanalmente em 5 mg/dia (não exceder os 15 mg/dia).
AduItos - Doentes femininos debiIitados ou não fumadores 2 65 anos:
iniciar terapêutica em 5 mg/dia.
Contra-Indicações:
Hipersensibilidade.
Lactação.
328
Precauções:
Doentes com disfunção hepática.
Doentes geriátricos (pode requerer doses mais pequenas).
Doença cardiovascular ou cerebrovascular.
Antecedentes de convulsões.
Antecedentes de tendências suicidas.
Hipertrofia prostática.
Glaucoma de ângulo curto.
História de íleo paralítico.
Gravidez, lactação ou crianças (segurança ainda não estabelecida).
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Síndrome neuroléptico maligno, convulsões, agitação, tonturas, cefaleias, sedação,
fraqueza, distonia, insónia, alterações de humor, alterações de personalidade, dificuldades da
fala, disquinésia tardia.
Rinite, aumento da salivação, faringite.
Tosse, dispneia.
Hipotensão ostostática, taquicardia, dor torácica.
Obstipação, boca seca, dor abdominal, aumento de apetite, náuseas.
Fotossensibilidade.
Diabetes mellitus, bócio.
Ganho de peso, perda de peso.
Hipertonia, dor articular.
Tremores.
Febre, síndrome tipo-gripal.
329
Interacções Medicamentosas:
Os efeitos podem ser diminuídos pelo uso simultâneo de carbamazepina,
omeprazoI ou rifampina.
Hipotensão aditiva pode ocorrer com fármacos antihipertensores.
Pode ocorrer depressão aditiva do SNC com o uso simultâneo de áIcooI
ou de outros depressores do SNC.
Pode antagonizar os efeitos da Ievodopa ou de outros antagonistas da
dopamina.
Cuidados de Enfermagem:
- Avaliar o estado mental do doente (orientação, humor, comportamentos)
periodicamente durante a terapêutica;
- Monitorizar a pressão arterial, pulso e ritmo respiratório durante o período de
ajustamento da dose;
- Observar o doente cuidadosamente durante a administração da medicação
para assegurar que esta é e facto tomada e não rejeitada.
- Avaliar a ingestão de fluidos e a função intestinal ÷ minimizar a obstipação;
- Observar/vigiar o início/aparecimento de acatasia, disquinésia tardia e
síndrome neuroléptico maligno;
- Ìnstruir o doente a proceder a lavagens frequentes da boca, a manter uma
boa higiene oral, e a usar pastilha elástica sem açúcar para minimizar a boca seca.
330
nc¡·v:o[ (£o.c.©
Grupo Fármaco - Terapêutico: Anti-ulcerosos (Ìnibidor da bomba de protões)
Acção: Liga-se a uma enzima nas células parietais na presença de pH gástrico ácido,
evitando o transporte de iões de hidrogénio para o estômago, levando assim à diminuição da
acumulação de ácido no lúmen gástrico com diminuição do refluxo gastro-esofágico (RGE) e
cicatrização de úlceras duodenais.
Indicações terapêuticas:
- Tratamento da doença de RGE que não responde à terapêutica convencional com
bloqueadores dos receptores de H2 da histamina;
- Tratamento de curta duração de úlceras duodenais activas;
- Tratamento de situações de hipersecreção gástrica associada à síndrome de Zollinger-
Ellison (leva ao aparecimento de múltiplas úlceras no duodeno/jejuno e diarreia; normalmente
associado a tumor no pâncreas exócrino)
Via de Administração e PosoIogia: Per-os
administrar via oral de manhã, deglutindo com um pouco de líquido.
Tratamento agudo do RGE : 20 mg/dia
Úlcera duodenal associada a Helicobacter Pylori: 40mg/dia
Condições de hipersecreção gástrica: 60mg/dia que pode ser aumentada até 120mg/dia.
Contra-indicações: Hipersensibilidade
331
Precauções/ Advertências:
Doença hepática.
Gravidez, lactação.
Crianças.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Dores abdominais.
Obstipação, diarreia, flatulência.
Náuseas, vómitos.
Cefaleias, fadiga, sonolência.
Prurido.
Reacções alérgicas.
Interacções Medicamentosas:
- Aumento do efeito da fenitoína, diazepam e varfarina.
- Ìnterfere com a absorção de fármacos que necessitam de pH ácido, como o
cetoconazoI, ésteres de ampiciIina e sais de ferro.
Cuidados de Enfermagem:
- Administrar as doses antes das refeições de preferência de manhã e as
cápsulas devem ser deglutidas inteiras;
- Vigiar a existência de dor epigástrica ou abdominal, sangue nas fezes,
vómitos e aspiração gástrica;
- Avisar o médico caso os sinais e sintomas persistam.
332
Contra-indicações: Hipersensibilidade
Duração do tratamento médio: 1 comprimido de 40mg por dia, em que a
duração do tratamento médio é de 4 semanas
333
.v:c¡vn
Grupo FarmacoIógico: Sedativo e Hipnótico
Grupo Farmacoterapêutico: Benzodiazepinas
Indicações Terapêuticas:
Ansiedade
Sindroma de abstinência ao álcool
PosoIogia e modo de administração:
Ansiolítico
10 a 30 mg 3-4x dia
Sedativo
10 a 30 mg 3-4x dia
Propriedades FarmacoIógicas:
- Mecanismo de acção:
Deprime o SNC, potenciando a acção do GABA (neurotransmissor inibitório)
Efeitos terapêuticos:
Diminuição da ansiedade
Diminuição do síndrome de abstinência ao álcool
334
- Características Farmacocinéticas:
Absorção: bem absorvido oralmente
Distribuição: amplamente distribuído
atravessa a BHE
Ligação proteica: 97%
Metabolismo: metabolizado pelo fígado em compostos inactivos
- Interacções:
Depressão excessiva do SNC com outros depressores do SNC: álcool,
antidepressivos, antihistamínicos, opiáceos e outros sedativos e hipnóticos
Diminui o efeito da levodopa
Efeitos secundários:
SNC: tonturas, sonolência, letargia, cefaleias
GÌ: náuseas, vómitos, diarreia e obstipação
CV: taquicardia
ORL: visão turva
335
Contra-indicações:
Hipersensibilidade
Doentes comatosos ou aqueles com preexistência de depressão do SNC
Glaucoma de ângulo estreito
Gravidez e lactação
Advertências e precauções especiais:
Disfunção hepática
Dependentes de drogas
Doentes geriátricos
Miastenia ravis
Instruções de manipuIação e administração:
Fazer desmame
Administrar com alimentos para evitar irritação GÌ
336
337
!v·v.cìvno[
Grupo Fármaco - Terapêutico: Analgésico não opiáceo e Antipirético
Acção: Ìnibe a síntese de prostaglandinas que podem servir como mediadores
da dor e da febre, no SNC. Não possui propriedades anti-inflamatórias ou toxicidade
gastrointestinal significativa.
Indicações Terapêuticas:
- Dores ligeiras ou moderadas.
- Febre.
Via de administração e PosoIogia: Per-os, rectal e endovenosa.
Nos adultos a dose varia entre 0,5 a 1g em cada 3 a 4 vezes por dia (nunca
exceder os 4g/dia). A via é per-os.
Nas crianças a dose vai depender muito da idade, sendo as vias utilizadas, a
via rectal (supositórios) ou per-os.
Contra-indicações: Hipersensibilidade conhecida.
338
Precauções/Advertências:
- Doença hepática grave.
- Doença renal.
- Abuso crónico de álcool.
- Mal-nutrição.
Reacções adversas e efeitos Secundários:
- Ìnsuficiência hepática e hepatotoxicidade (sobredosagem).
- Ìnsuficiência renal (altas doses ou uso crónico).
- Erupções cutâneas e urticária.
Interacções medicamentosas:
O uso combinado com saIiciIatos ou AINE's aumenta o risco de efeitos
adversos renais.
O risco de hepatotoxicidade pode ser aumentado se se usar outras substâncias
hepatotoxicas, incluindo o áIcooI. E também o uso concomitante de Isoniazida,
rifampicina, fenitoína, barbitúricos, carbamazepina, difIusinaI, rifabutina.
Varfarina e o uso crónico de doses elevadas de paracetamoI podem aumentar
o risco de perda de sangue.
339
Cuidados de Enfermagem:
Se for utilizado como anaIgésico há que avaliar o tipo, localização e
intensidade da dor antes e após 30 a 60 minutos da administração;
Se for utilizado com antipirético, avaliar a temperatura e a presença de
sinais associados (diaforese, taquicardia, mal-estar);
Ter em atenção que os utentes mal-nutridos ou casos de alcoolismo crónico
possuem um risco mais elevado de desenvolverem hepatotoxicidade com as
doses normais deste fármaco;
Avaliar a dose, frequência e tipo de fármaco habitualmente tomado pelos
utentes por auto-medicação, pois o uso prolongado de acetominofeno,
saIiciIatos ou AINE's aumentam o risco de efeitos renais adversos.
340
!cnìo.i{i[inv (I·cnìv[ !00
Grupo terapêutico: é um vasodilatador cerebral e/ou periférico, que actua a
nível do aparelho cardiovascular
Indicações terapêuticas:
- perturbações circulatórias arteriais periféricas a artériovenosas de origem
arteriosclerótica, diabética e funcional (claudicação intermitente, dor em repouso,
angiopatia diabética)
- lesões e perturbações tróficas ( sindroma pós-trombótico, úlcera de perna,
gangrena)
- angioneuropatias
- perturbações oculares e auditivas associadas a processos vasculares
degenerativos com baixa da visão e da audição
- perturbações circulatórias cerebrais consecutivas a esclerose e acidente vascular
cerebral, tais como redução da concentração e da memória, vertigens, cefaleias,
alterações do sono, zumbidos, abatimento, etc...
Contra - Indicações: não deve ser administrado em casos de
hipersensibilidade à pentoxifilina, hemorragias graves e enfarte recente do
miocárdio.
341
Efeitos Indesejáveis:
- perturbações gástricas, náuseas e cefaleias, que só em casos excepcionais
exigem a interrupção do tratamento
- as reacções de hipersensibilidade são raras e desaparecem em geral com
rapidez após interrompido o tratamento
Interacções medicamentosas: o efeito dos anti-hipertensores pode ser
intensificado pelo Trental cabendo ao médico assistente o ajustar da posologia
individual
Precauções especiais de utiIização: suspender a medicação se se verificarem
hemorragias retinianas extensas.
Modo de administração: administração via oral, em que as dragueias devem
tomar-se sem mastigar após as refeições
Duração do tratamento médio: o tratamento de manutenção, é em regra, de
duas dragueias diárias
342
!c·invo¡·i[
Grupo Fármaco - Terapêutico: Antihipertensor (ÌECA)
Acção: Os ÌECA's bloqueiam a conversão de angiotensina Ì em angiotensina ÌÌ
(vasoconstritora). Aumentam os níveis plasmáticos de renina e reduzem os níveis
de aldosterona (aumenta a reabsorção de H2O e sódio a nível renal, aumentando a
tensão arterial). Desta forma, os ÌECA's provocam uma vasodilatação sistémica.
Indicações Terapêuticas:
- Tratamento da hipertensão, isoladamente ou com outros fármacos
- Tratamento da insuficiência cardíaca congestiva
Via de Administração e PosoIogia (Adultos):
- Dose média diária por via Oral: 4 mg uma vez podia, podendo ser titulado até 16
mg/dia em dose única ou repartidos em 2 doses.
Contra - Indicações:
- Hipersensibilidade
- Pode ocorrer sensibilidade cruzada entre os ÌECA's
- Gravidez
- Angioedema (hereditário ou idiopático)
343
Precauções:
- Ìnsuficiência renal
- Hipovolemia
- Terapêutica com diuréticos em simultâneo
- Doentes de raça negra com hipertensão
- Estenose aórtica/cardiomiopatia hipertrófica
- Ìnsuficiência cardíaca ou cerebrovascular
- Ìnsuficiência hepática
- Hiponatremia
- Doentes idosos
- Cirurgia/anestesia ( a hipotensão pode ser exagerada)
- Antecedentes familiares de Angioedema
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
- Tonturas, cefaleias, fadiga, insónias, fraqueza
- Tosse
- Hipotensão, taquicardia, angina de peito
- Anorexia, perda da percepção do gosto, náuseas, diarreia
- Proteinúria, insuficiência renal, impotência
- Erupções
- Neutropenia, agranulocitose
- Angioedema, hipertermia
344
Interacções Medicamentosas:
Pode ocorrer hipotensão excessiva com o uso em simultâneo de diuréticos
Hipotensão aditiva com outros antihipertensores, nitratos, fenotiazinas e
a ingestão aguda de áIcooI
O uso em simultâneo de suplementos de potássio, de diuréticos
poupadores do potássio ou com a cicIosporina pode provocar hipercaliemia.
A resposta antihipertensora pode ser atenuada pelos AINE's.
A absorção pode ser reduzida pelos antiácidos
Aumenta os níveis e pode aumentar o risco de toxicidade do Iítio ou da
digoxina
O risco de reacções de hipersensibilidade é aumentado com o uso em
simultâneo de aIopurinoI
A capsaicina pode aumentar a incidência da tosse
Cuidados de Enfermagem:
Avaliação e registo, da tensão arterial e da frequência cardíaca
Observar valores laboratoriais
Validar e reforçar as medidas para o controlo da hipertensão:
- perda de peso;
- redução do stress;
- moderação do consumo de álcool;
- restrição de sódio;
- exercício regular;
- parar de fumar.
345
!i·incìvninv
Indicações:
Usado em combinação com outros antimaláricos no tratamento da malária
Usado em combinação com sulfonamidas no tratamento de toxoxpalsmose
Efeitos secundários:
SNC: convulsões (doses elevadas), insónias, cefaleias, cefaleias ligeiras, mal-
estar, depressão
RESP: garganta seca
CV: arritmias
GÌ: anorexia, náuseas, glossite atrófica (doses elevadas), diarreia.
GU: hematúria
DERM: dermatite, pigmentação alterada.
HEMAT: anemia megaloblástica (doses elevadas), trombocitopenia,
pancitopenia.
Outros: febre
346
Interacções: aumento do risco de depressão da medula óssea quando em
uso simultâneo com outros depressores da medula óssea.
Precauções: podem ocorrer diminuição dos valores da contagem de
plaquetas e leucócitos.
Administração: PO ÷ administrar com leite ou às refeições para minimizar
as perturbações GÌ
347
!i·o.i.vn (I[c.v·©
Composição:
Piroxicam ÷ 20 mg
Excipiente q.b.p. ÷ 1 ml
Forma farmacêutica e Apresentação: Solução injectável÷ embalagens de 6 ampolas.
CIassificação fármaco-terapêutica: Anti-reumatismal e anti-inflamatório Grupo X ÷ 1.
O Piroxicam tem acções farmacológicas semelhantes às dos anti-inflamatórios não esteróides,
possuindo, além da acção anti-inflamatória, efeitos analgésicos e antipiréticos. O seu principal
mecanismo de acção consiste na inibição da síntese e libertação das prostaglandinas, mas
outros efeitos poderão estar envolvidos, como seja, a inibição dos radicais livres do oxigénio.
O Piroxicam é um produto rápido a actuar (cerca de 15 a 30 minutos) e de semivida longa,
pelo que o seu efeito se mantém apenas com uma única administração diária.
Indicações terapêuticas: FLEXAR Ìnjectável está indicado no tratamento de todas as
formas de reumatismo, nomeadamente. artrite reumatóide, espondilite anquilosante,
osteoartrose, crises agudas de gota e outras doenças músculo-esqueléticas agudas, sempre
que a intensidade do quadro doloroso justifique o recurso à via parentérica.
348
PosoIogia, Modo e Via de administração: Administração parentérica por via
intramuscular.
Nas situações agudas, que são aquelas em que o Piroxicam injectável está
particularmente indicado, recomenda-se uma dose inicial de 40 mg seguida de
nova dose de 40 mg no dia seguinte. A partir do 3º dia a dose habitual é de 20 mg
por dia, em ampolas ou cápsulas.
A administração de doses, superiores a 20 mg por dia aumenta o risco de reacções
adversas do foro gastrintestinal.
Embora não haja, ainda, esquemas posológicos definitivamente estabelecidos para
as crianças, alguns médicos têm usado 5, 10 ou 15 mg por dia em crianças com
um peso de 15-30, 31-45 ou 46-55 kg respectivamente.
Nos idosos o tempo de utilização deste produto não deve exceder os 10 dias.
Utilizações mais prolongadas requerem estreita vigilância médica.
Contra-indicações: FLEXAR injectável está contra-indicado nos doentes com
reconhecida hipersensibilidade ao Piroxicam e nos doentes que tenham
desencadeado reacções alérgicas a aspirina ou a outros anti-inflamatórios não
esteróides.
349
Precauções: A administração de Piroxicam, assim como dos outros anti-
inflamatórios não esteróides, a doentes com antecedentes de úlcera péptica, deve
ser feita só em caso excepcionais e sob o necessário controlo médico e eventual
associação a medicamentos protectores da mucosa. Os doentes devem ser
avisados dos possíveis efeitos indesejáveis importantes (ex. hemorragia e
perfuração).
O FLEXAR deve ser usado com precaução nos doentes que possam ser afectados
por um aumento do tempo de sangria. Ìgualmente os doentes com sinais ou
sintomas de disfunção hepática devem ser muito prudentes com o uso de FLEXAR.
Os doentes com insuficiência renal ou cardíaca devem receber também atenção
especial no caso de necessitarem de tomar FLEXAR.
Nos idosos o tempo de utilização deste produto não deve exceder os 10 dias.
Utilizações mais prolongadas requerem estreita vigilância médica.
Interacções: O Piroxicam potencia o efeito anticoagulante das cumarinas.
A administração simultânea de Piroxicam e ácido acetilsalicílico determina uma
redução dos níveis plasmáticos do Piroxicam, a 80% dos valores normais. Assim,
não é recomendável, a administração concomitante dos dois fármacos, dado o
aumento potencial dos efeitos secundários.
0 Piroxicam pode levar a um aumento do efeito hipoglicemiante das sulfamidas e
diminuir o efeito dos diuréticos e hipotensores.
350
UtiIização durante a gravidez e Iactação: Embora não haja estudos adequados
no Homem, o Piroxicam não foi teratogénico nos animais do laboratório. Como
outros anti-inflamatórios não esteróides, o Piroxicam pode causar distócia e
prolongar o trabalho de parto.
Embora não haja dados ate ao momento relativamente ao Piroxicam, sabe-se que
os inibidores da síntese das prostaglandinas podem exercer reacções adversas
sobre o sistema cardiovascular fetal (por exemplo, encerramento prematuro do canal
arterial). Não se recomenda, por isso, o uso do FLEXAR durante a gravidez. Uma
vez que não se sabe com segurança se o Piroxicam é excretado pelo leite, o
FLEXAR deve ser usado com muito cuidado nas mães que estão a amamentar.
Efeitos sobre a capacidade de condução de veícuIos e de utiIização de
máquinas: FLEXAR Ìnjectável pode muito raramente causar tonturas, pelo que se
recomenda precaução na condução de veículos e utilização de máquinas.
351
Efeitos indesejáveis: Surgem efeitos gastrintestinais em cerca de 20 dos doentes que
tomam Piroxicam, nomeadamente, anorexia, estomatite, náuseas, vómitos, dores abdominais,
diarreia e flatulência.
Em cerca de 1% dos doentes a fazer 20 mg diários de Piroxicam pode ocorrer úlcera péptica,
mais raramente poderá surgir hemorragia digestiva ou perfuração gástrica. A administração de
doses superiores a 20 mg/dia aumenta os risco de reacções adversas gastrintestinas.
Em alguns doentes com insuficiência cardíaca pode ocorrer edema por retenção de sódio e
água a nível renal induzida pelo Piroxicam.
Raras reacções de fotossensibilidade, em geral na forma do rash, têm aparecido durante o
tratamento.
Raramente, tal como ocorre com outros anti-inflamatórios não esteróides, podem surgir lesões
cutâneas mais graves, como seja o síndroma de Stevens-Johnson.
Anemia, não associada a hemorragia digestiva, leucopénia e trombocitopénia, têm sido
descritas raramente em doentes a tomar Piroxicam.
Foram descritos alguns casos de púrpura não trombocitopénica (Henoch-Schonlein) na
sequência da toma de Piroxicam.
Os valores das transaminases séricas podem aumentar durante o tratamento com Piroxicam.
Sobredosagem: Em casos de sobredosagem deve ser feita terapêutica de suporte e
sintomática. A administração do carvão activado pode diminuir a absorção e assim reduzir a
taxa plasmática de Piroxicam.
352
!·cvni.onv (^cìi.oìcn©
Grupo Fármaco - Terapêutico: anti-inflamatório, imunossupressores, hormona
(córtex supra-renal).
Acção:
Suprime a inflamação e a resposta imunológica normal.
Produz inúmeros efeitos metabólicos.
Tem uma actividade mineralcorticóide mínima.
Indicações Terapêuticas:
Ampla variedade de doenças crónicas, incluindo inflamatórias, alérgicas,
hematológicas, neoplásicas, alterações auto-imunes.
Terapêutica de substituição da insuficiência das supra-renais.
Via de Administração e PosoIogia:
Per-os:
- AduItos: Na maioria dos usos ÷ 5/60 mg/dia em dose única ou repartindo em várias
doses. Esclerose múltipla ÷ 200 mg/dia durante uma semana, depois 80 mg em dias
alternados durante um mês. Terapêutica adjuvante da pneumonia !neumocystis
carinii nos doentes com sida ÷ 40 mg 2 vezes/dia durante 5 dias, seguindo-se de 40
mg 1 vez/dia durante 5 dias depois 20 mg 1 vez/dia durante 10 dias.
353
- Crianças 2 10 anos: Nefrose ÷ inicialmente 20 mg 4 vezes/dia.
- Crianças 4-10 anos: Nefrose ÷ inicialmente 15 mg 4 vezes/dia.
- Crianças 18 meses - 4 anos: Nefrose ÷ inicialmente 7,5 a 10 mg 4 vezes/dia.
Contra-Indicações:
Ìnfecções activas não tratadas.
Lactação.
Hipersensibilidade ou intolerância conhecida ao áIcooI, aos bissuIfitos ou
à tartrazina.
Precauções:
Tratamento prolongado: leva a supressão supra-renal; utilizar a dose mais
pequena no período mais curto possível.
Crianças: o uso prolongado provoca uma diminuição do crescimento;
utilizar a dose mais pequena no período mais curto possível.
Stress: cirurgia, infecção; podem ser necessárias doses suplementares.
Ìnfecções potenciais, podem esconder sinais (febre, inflamação).
Gravidez: segurança não estabelecida.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
- Cefaleias, agitação, psicose, depressão, euforia, alterações de personalidade,
aumento da pressão intracraniana (nas crianças).
354
- Cataratas, aumento da pressão intra-ocular.
- Hipertensão.
- Náuseas, vómitos, anorexia, úlceras pépticas.
- Diminuição da cicatrização das lesões, petéquias, equimoses, fragilidade cutânea, hirsutismo,
acne.
- Supressão das supra-renais, hiperglicémia.
- Hipocaliémia, alcalose hipocalemica, retenção de líquidos (dose elevadas por tempo
prolongado.
- Tromboembolismo, tromboflebite.
- Perda ponderal e ganho ponderal.
- Perca de massa muscular, dores musculares, necrose asséptica das articulações, osteoporose.
- Susceptibilidade aumentada a infecção, aspecto de Cushing (face em lua cheia)
Interacções Medicamentosas:
Hipocalémia aditiva com diuréticos de ansa e tiazínicos, anfotericina B,
mezIociIina, piperaciIina ou ticarciIina.
Hipocalémia pode aumentar o risco de toxicidade com gIicosídeos digitáIicos.
Pode aumentar as necessidades de insuIina ou de antidiabéticos orais.
A fenitoína, o fenobarbitaI e a rifambina estimulam o metabolismo; podem diminuir a
eficácia.
Os contraceptivos orais podem bloquear o metabolismo.
Menor risco de efeitos gastrointestinais adversos quando administrados com AINE's
(incluindo a aspirina).
355
A administração prolongada, que suprime a função supra-renal pode
diminuir a resposta dos anticorpos e aumentar o risco de reacções adversas das
vacinas virais com microorganismos vivos.
Podem aumentar o risco de ruptura dos tendões com as
fIuoroquinoIonas.
Os antiácidos diminuem a absorção de prednisona.
Cuidados de Enfermagem:
Avaliar o aparecimento de sinais de insuficiência das supra-renais
(hipotensão, perda ponderal, fraqueza, náuseas, vómitos, anorexia, letargia,
confusão, agitação) antes e periodicamente ao longo da terapêutica.
Monitorizar o balanço hídrico e o peso diariamente. Observar o
aparecimento de edemas periféricos, aumento regular de peso, presença de
fervores ou crepitações ou de dispneia. Se estas sinas surgirem, avisar o médico.
As crianças devem fazer também avaliações periódicas do crescimento.
Edema cerebral: avaliar ao longo da terapêutica o aparecimento de
alterações no nível de consciência e de cefaleia.
Per-os: administrar às refeições para diminuir a irritação gastrointestinal.
Os comprimidos devem ser esmagados e administrados com alimentos
ou líquidos aos doentes com dificuldades em deglutir.
Utilizar uma medida calibrada para obter posologias precisas das
fórmulas líquidas.
356
!·o{cniv ((cìo¡·o{cno
Grupo terapêutico: é um analgésico/ anti-inflamatório, não esteróide, que actua a
nível do aparelho músculo-esquelético
Indicações terapêuticas:
- situações álgicas em geral, quando se pretende uma acção analgésica rápida e
potente
- acessos agudos dos reumatismos inflamatórios e crónicos degenerativos
- algias neurológicas e musculares ( ex: lombociatalgia)
- psoríase artropática
- periartritres, tendinites, tenosinovites, bursites
- acessos gotosos
- dores de origem neoplásica
Contra - Indicações:
- alergia ao cetroprofeno ou a outros medicamentos com principio activo ou actividade
semelhante. Dada a existência de sensibilidade cruzada, o cetropofeno não deve ser
administrado a doentes alérgicos ao ácido acetilsalicílico ou a outros anti-inflamatórios
não esteróides
- ulcera gastro-duodenal em actividade
- insuficiência hepática e renal grave
- crianças com menos de 15 anos
357
Efeitos Indesejáveis:
- alterações gastrintestinais tais como dores abdominias, náuseas, vómitos,
obstipação, diarreia. Raramente hemorragias digestivas, úlcera gastro-duodenal
e perfurações intestinais
- reacções de hipersensibilidade: rinite, edema da glote, choque anafilático,
broncoespasmo
- reacção cutânea do tipo erupção eritematosa, com prurido ( rash). São ainda
possíveis reacções asmatiformes particularmente em doentes que mostraram
hipersensibilidade ao ácido acetilsalicílico ou a outros fármacos anti-inflamatórios
não esteróides
- púrpura e equimoses, treombocitopénia e granulocitopénia, anemia hemolítica
e anemia aplástica
- tempo de hemorragia prolongado e diminuição da agregação plaquetária
- cefaleias, vertigens, tonturas, sonolência, ansiedade
- perturbações ópticas e oftálmicas: zumbidos (acúfenos), visão turva
- nefrotoxicidade de várias formas: nefrite intersticial aguda com hematúria e
proteinúria e ocasionalmente síndrome nefrótico e insuficiência renal
- hepatite, icterícia, elevação das transaminases
358
- retenção de sódio, edema e insuficiência cardíaca congestiva
- em doentes com anemia, o cetropofeno pode reduzir a percentagem de glóbulos
vermelhos. Casos raros de leucopenia ( diminuição dos glóbulos brancos)
Interacções medicamentosas:
- pode potenciar a actividade de vários produtos, como os anticoagulantes orais e
a heparina, a ticlopidina, o lítio, as sulfanamidas hipoglicemiantes e o metotrexato
- pode reduzir o efeito dos diuréticos e apresentar acção cumulativa com outros
anti-inflamatórios não esteróides, não se recomendando a associação com
qualquer destas substâncias
- diminui a actividade de alguns hipotensores: bloqueadores
- adrenérgicos B, diuréticos, ÌECAs
- a administração concomitante de AÌNEs e anticaliuréticos pode aumentar os
níveis plasmáticos de potássio
- possibilidade de aumento da concentração plasmática da digoxina
359
Precauções especiais de utiIização:
- doentes com terreno atópico
- doentes com insuficiência hepática e/ou renal
- doentes em terapêutica prolongada devem ser submetidos periodicamente a
monitorização renal hepática e hematológica
- doentes que sofram perturbações visuais durante a terapêutica com AÌNEs
devem ser submetidos a exame oftalmológico
- foi descrita a possibilidade de uma redução na eficácia anticoncepcional do
dispositivo intra-uterino (DÌU) em caso de administração de anti-inflamatórios não
esteróides de potência equivalente à do Profenid
Modo de administração: administrar via intramuscular profunda
Duração do tratamento médio: em geral, uma ampola por dia
360
!·oncìv:inv (Icnc·vvn©
ATC: Anti-histamínico para uso sistémico
AnáIises CIínicas:
- Diminuição de5-hidroxindolacético na urina
- Falso negativo em teste de gravidez de urina
361
!·o¡v.cìvno[ (!c·{v[vvn
Grupo Fármaco - Terapêutico: analgésico, antipirético
Acção: Ìnibe a síntese de prostaglandinas que podem servir como mediadores da
dor e da febre, no SNC. Não possui propriedades anti-inflamatórias ou toxicidade
gastrointestinal significativa.
Indicações Terapêuticas: Tratamento sintomático da dor e febre.
Via de Administração e PosoIogia: Endovenosa.
Adultos e Crianças > de 15 anos: 1 ou 2 g por toma; repetir a dose em caso
de necessidade a fim de 4 horas.
Não ultrapassar 8 g/dia (dose máxima diária).
Ìnsuficiência renal grave (depuração da creatinina < 10 ml/min.): o intervalo
mínimo entre 2 administrações deverá ser de 8 horas.
Contra-Indicações:
Hipersensibilidade ao propacetamol ou paracetamol.
Suspeita de hipersensibilidade ao propacetamol em qualquer pessoa
exposta ao propacetamol e que apresentem uma dermatite de contacto.
Doença hepática grave.
362
Precauções:
Ìnsuficiência renal grave.
Doentes hepáticos, com patologia gastro-intestinal, anemia e história de
hemorragia digestiva.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Reacções alérgicas: rash cutâneo com eritema ou urticária.
Vertigens, mal-estar, hipotensão moderada após administração por via intravenosa
e dor no local de administração (intramuscular).
Disúria, oligúria, hemoglobinúria, hemorragias, anemia hemolítica, neutropénia e
metahemoglobinémia.
Febre.
Hipoglicémia.
Ìcterícia.
Interacções Medicamentosas:
Com anti-epiIéticos ou com a rifampicina pode agravar a lesão hepática.
Pode potenciar o efeito dos anticoaguIantes orais.
O uso concomitante com zidovudina e outros anti-retrovíricos pode aumentar a
incidência ou agravar a neutropénia.
363
Cuidados de Enfermagem:
A administração intramuscular do fármaco é contra-indicada em doentes
com anticoagulantes (risco de hematoma).
Deve ser reconstituído com cerca de 100 ml da solução para perfusão
intravenosa (solução de cloreto de sódio a 0,9% ou solução de dextrose 5%)
utilizando o "transfer device¨.
Depois de reconstituída a solução deve ser administrada no período de 2
horas.
A solução não deve ser misturada com outros fármacos devido ao risco de
incompatibilidade.
364
!·o¡o{o[
Grupo Fármaco - Terapêutico: anestésico (geral)
Acção:
Hipnótico de curta duração.
Produz amnésia.
Não tem Propriedades analgésicas ÷ Ìndução e manutenção da anestesia.
Indicações Terapêuticas:
Ìndução de anestesia geral.
Manutenção de anestesia equilibrada quando usado com outros fármacos.
Ìnício e manutenção de cuidados anestésicos monitorizados.
Sedação para entubação, ventilação mecânica nos doentes em unidades de cuidados
intensivos.
Via de Administração e PosoIogia:
nestesia eral:
- Endovenosa:
- Adultos < 55 anos: Indução ÷ 40 mg de 10/10 segundos até que seja
atingida a indução (2-2,5 mg/kg). Manutenção ÷ 100-200 mcg/kg/min. Normalmente são
necessários ritmos de perfusão de 150/200 mcg/kg/min., durante os primeiros 10-15 min. após a
indução, depois diminuir 30-50% durante os primeiros 30 min. de manutenção. Os ritmos de 50-
100 mcg/kg/min. estão associados a um tempo óptimo de recuperação. Também pode ser
administrado intermitentemente com incrementos de 25-50 mg.
365
- Doentes geriátricos, debilitados ou hipovolémicos: Indução ÷
20 mg de 10/10 segundos até que seja atingida a indução desejada (1-1,5
mg/kg). Manutenção ÷ 50-100 mcg/hg/min.
- Adultos submetidos a procedimentos neurocirúrgicos:
Indução ÷ 20 mg até à indução desejada (1-1,5 mg/kg). Manutenção 100-200
mcg/kg/min.
- Crianças < 3 anos: 2,5-3,5 mg/kg. Manutenção ÷ 125-300
mcg/kg/min.
Sedação monitorizada de cuidados anestésicos:
- Endovenosa:
- Adultos < 55 anos: Iniciação ÷ perfusão de 100-150
mcg/kg/min. ou injecção lenta de 0,5 mg/kg. Manutenção ÷ perfusão de 25-75
mg/kg/min. ou bólus com incrementos de 10-20 mg.
- Doentes geriátricos e debilitados: Iniciação ÷ usar ritmos de
perfusão ou de injecção mais lentos. Manutenção ÷ 20% menos do que a dose
normal de um adulto; bólus rápidos /repetidos devem ser evitados.
366
Sedação em Unidades de Cuidados Intensivos:
- Endovenosa (AduItos): 5 mcg/kg/min. durante o mínimo de 5 min. Podem ser administrados
incrementos adicionais de 5-10 mcg/kg/min. durante 5-10 min. até que seja obtida a resposta
desejada - (intervalo de 5-50 mcg/kg/min.). A dose deve ser reavaliada de 24/24 horas.
Contra-Indicações:
Hipersensibilidade ao fármaco, óleo de soja, lecitina dos ovos e ao glicerol.
Trabalho de parto e seu termo.
Precauções:
Doença cardiovascular.
Perturbações lipídicas: a emulsão pode ser efeito nocivo.
Aumento da pressão intracraniana.
Perturbações cerebrovasculares.
Doentes geriátricos, debilitados e hipovolémicos: recomendada redução da posologia.
Crianças e lactação: segurança não estabelecida.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Tonturas, cefaleias.
Apneia, tosse.
Bradicardia, hipotensão e hipertensão.
Náuseas, vómitos, cólicas e hipus.
Rubor.
Dor, sensação de queimadura, ardor, formigueiro, dormência, frio no local de punção
endovenosa.
Mioclonia operatória, movimentos involuntário dos músculos.
Febre.
367
Interacções Medicamentosas:
Depressão aditiva do SNC e depressão respiratória aditiva com áIcooI,
anti-histamínicos, opiáceos e sedativos/hipnóticos (recomendada a redução
da posologia).
Aumento do risco de hipertrigliceridemia com emuIsão oIeosa
intravenosa.
Cuidados de Enfermagem:
Monitorizar o estado respiratório, o pulso e pressão arterial
continuamente durante a terapêutica.
Provoca frequentemente apneia com duração < 60 segundos.
Manter as vias respiratórias permeáveis e a ventilação adequada.
Avaliar o grau de sedação e nível de consciência durante a
administração.
Endovenosa directa: Agitar bem antes de usar.
Se for diluído antes da administração, usar apenas dextrose 5% e diluir
para uma concentração não inferior a 2 mg/ml.
A solução é opaca o que torna difícil a detecção de contaminantes.
368
Não usar se for evidente a separação da emulsão.
Não contem conservantes: manter as condições de esterilização e usar
logo que preparada.
Rejeitar a solução não usada bem como o material EV no fim do
procedimento ou nas 6 horas seguintes.
Para a sedação em Unidades de Cuidados Ìntensivos, rejeitar após 12
horas se a administração tiver sido feita directamente do frasco ou após 6 horas se
tiver sido transferida para a seringa ou outra embalagem.
Causa frequentemente dor, sensação de queimadura e ardor no local EV,
aplicar em veias de grande calibre no antebraço, região do sangradouro ou um
cateter EV.
- Ritmo de perfusão: Administrar durante 3-5 min. Titular até obtenção do
grau de sedação desejado.
Perfusão continua/intermitente: Não suspender bruscamente. A
suspensão abrupta pode causar um despertar rápido com ansiedade, agitação e
resistência à ventilação mecânica.
369
!·o¡·vno[o[
Grupo Fármaco - Terapêutico: Anti-hipertensor (bloqueador beta
adrenégico, anti-anginoso, anti-arritmico).
Acção: Bloqueia a estimulação dos receptores beta1 (miocárdios) e beta2
(pulmonares, vasculares ou uterinos) ÷ Baixa a frequência cardíaca, baixa a
pressão arterial e diminui a condução aurículo-ventricular.
Indicações Terapêuticas:
- Tratamento da hipertensão.
- Tratamento da angina de peito.
- Tratamento de taquiarritmias supraventriculares, taquicardia ventricular e
outras traqui-arritmias.
- Prevenção do enfarte miocárdio.
- Profilaxia da enxaqueca.
- Controlo do feocromocitoma.
- Tratamento de sintomas associados à estenose subaórtica hipertrófica (angina,
palpitações, sincope).
- Tratamento de tremores.
370
Via de Administração e PosoIogia: (AduItos):
Hipertensão: PO :Ìnicialmente 40 mg duas vezes ao dia.
nina: PO: Ìnicialmente 10-20 mg, 3/4 vezes ao dia.
Taqui-arritmias: PO :10-30 mg, 3/4 vezes ao dia.
!rofilaxia do enfarte miocErdio: PO: 180 ÷ 240 mg/dia, repartidos por 2/4
doses com inicio 5/21 dias após o enfarte miocárdio.
Administrar durante ou imediatamente após as refeições. Os comprimidos
podem ser esmagados e misturados com alimentos ou líquidos para doentes com
dificuldade em deglutir. As cápsulas de acção prolongada devem ser deglutidas
inteiras. Não esmagar, partir ou mastigar.
Contra-Indicações:
Ìnsuficiência cardíaca congestiva descompensada.
Edema pulmonar.
Choque cardiogénico.
Bradicárdia.
Bloqueio cardíaco.
371
Precauções:
Tireotoxicose ou hipoglicémia (pode mascarar os sintomas).
Gravidez e lactação (pode causar apneia, baixo índice de Apgar,
bradicardia e hipoglicemia no recém-nascido).
Disfunção hepática (recomendada a redução da dose).
Crianças (segurança não estabelecida).
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Fadiga, debilidade, depressão, perda de memória, alterações mentais,
insónia, sonolência, confusão, tonturas.
Visão turva, obstrução nasal.
Broncoespasmo, sibilos.
Bradicardia, insuficiência cardíaca congestiva, edema pulmonar,
hipotensão, edema.
Obtipação, diarreia, náuseas, vómitos.
Ìmpotência, diminuição da libido.
Exantema.
Hiperglicemia, hipoglicemia.
Fenómeno de Raynaud.
372
Interacções Medicamentosas:
Anestesia por haIotano pode agravar a hipotensão.
Bradicardia aditiva pode ocorrer com o uso concomitante de gIicosidos
cardíacos.
Pode ocorrer hipotensão aditiva com outros anti-hipertensores, ingestão aguda
de áIcooI e nitratos.
Administração concomitante de tiróide pode reduzir a eficácia.
Pode antagonizar os bIoqueadores beta adrenérgicos.
Cimetidina pode reduzir a depuração e aumentar os efeitos do fármaco.
Cuidados de Enfermagem:
Avaliar frequentemente, durante o ajustamento da dose e ao longo do tratamento,
a pressão arterial e o pulso.
Vigiar, diariamente, o balanço hídrico, e o peso. Observar, no doente, sinais de
insuficiência congestiva (edema periférico, despeneia, fervores crepitantes, fadiga,
aumento de peso, ingurgitamentojugular).
373
374
)vniìivinv (Zvnìv.©
Grupo Fármaco-terapêutico: Anti-ulcerosos: Ìnibidor dos receptores de H2 da histamina
(Ìnibidor da secreção gástrica de ácido)
Acção: Ìnibe a acção da histamina nos receptores H2 localizados nas células parietais
gástricas, levando à diminuição da secreção ácida gástrica.
Indicações terapêuticas:
Tratamento e prevenção de úlceras gástricas e duodenais
Tratamento da doença do refluxo gastro-esofágico
Tratamento de estados de hipersecreção gástrica (sindroma Zollinger-Ellison)
Via de Administração e PosoIogia:
PO
Tratamento de curta duração de úlceras activas: 100 a 150mg 2x/dia
!rofilaxia da úlcera duodenal: 150mg ao deitar
Doença do refluxo astro-intestinal: 150mg 2x/dia
ÌM: 50mg em cada 6/8h
EV: perfusão continua 6,25mg/h
Contra-indicações:
Hipersensibilidade
Uso concomitante com soluções que contenham álcool em doentes com intolerância conhecida
375
Precauções / Advertências:
- Ìnsuficiência renal (mais susceptíveis às reacções adversas do SNC, há que
diminuir a posologia)
- Ìdosos (mais susceptíveis às reacções adversas do SNC, há que aumentar o
intervalo entre as doses)
- Gravidez, lactação
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
- Confusão, tonturas, cefaleias, sonolência
- Alteração do paladar
- Obstipação/ diarreia
- Arritmias
- Anemia
- Reacções de hipersensibilidade
Interacções Medicamentosas:
- Diminuição da absorção da ranitidina quando administrado em simultâneo com
antiácidos e o sulcralfato
- A claritromicina aumenta os níveis de ranitidina
- Diminui a absorção de cetoconazol
376
Cuidados de Enfermagem:
- Se estiverem a ser administrados simultaneamente antiácidos ou sulcralfato para
alívio da dor, evitar a sua administração 30min a 1h antes da ranitidina e
administrar o sulcralfato 2h após a ranitidina para evitar a diminuição da absorção;
- Se for PO administrar com alimentos ou imediatamente depois das refeições e ao
deitar para prolongar o efeito;
- As doses administradas em toma única deverão ser administradas ao deitar para
prolongar o efeito;
- Se for por via EV directo, diluir 50mg em 20ml de NaCl a 0,9% ou Dx a 5%,
administrando pelo menos em 5min porque a administração rápida pode causar
hipotensão ou arritmias;
-Se for perfusão intermitente, diluir 50mg em 100ml de NaCl a 0,9% ou Dx a 5%,
administrando durante 15 a 20 min.
Modo de administração: Ìnjectável via endovenosa 50 mg 8h/8h
Duração do tratamento médio: três vezes ao dia
377
)i.¡c·ivonv ()i.¡c·vv[
Grupo Fármaco-terapêutico: Antipsicótico
Composição quaIitativa e quantitativa
Cada comprimido contém 1 mg, 2 mg, 3 mg.
A solução oral contém Risperidona a 1 mg/ml.
Forma farmacêutica
Comprimidos para serem administrados por via oral:
Comprimidos a 1 mg brancos, oblongos e ranhurados.
Comprimidos a 2 mg cor-de-laranja, oblongos e ranhurados.
Comprimidos a 3 mg amarelos, oblongos e ranhurados.
Solução oral a 1 mg/ml.
Indicações terapêuticas
O RÌSPERDAL está indicado para o tratamento de uma grande variedade de
doentes com esquizofrenia, incluindo primeiro episódio, exacerbação aguda de
esquizofrenia, esquizofrenia crónica e outras situações psicóticas, nas quais sejam
dominantes os sintomas positivos (tais como, alucinações, ideias delirantes,
perturbações do pensamento, hostilidade, desconfiança) e/ou os sintomas
negativos (tais como, embotamento afectivo, isolamento social, pobreza de
discurso).
378
O RÌSPERDAL também pode aliviar os sintomas afectivos (tais como depressão,
sentimentos de culpa, ansiedade) associados com a esquizofrenia.
O RÌSPERDAL também está indicado como tratamento prolongado para a
prevenção de recidivas (exacerbações agudas) em doentes esquizofrénicos
crónicos.
Para além disto, RÌSPERDAL está indicado para o tratamento de perturbações do
comportamento em doentes com demência em que sejam dominantes sintomas tais
como agressividade (violência física e verbal), perturbações da actividade motora
(agitação, vaguear) ou sintomas psicóticos.
O RÌSPERDAL está também indicado como terapia adjuvante aos estabilizadores
do humor no tratamento de episódios relacionados com mania que surgem nos
distúrbios bipolares. Estes episódios são caracterizados por sintomas tais como
humor exagerado, expansivo ou irritabilidade, sentimentos excessivamente
"elevados" ou eufóricos, demasiada auto-estima, diminuição da necessidade de
dormir, conversação forçada, pensamentos rápidos, distracção ou julgamentos
deficientes incluindo comportamentos disruptivos ou agressivos.
O RÌSPERDAL está indicado para o tratamento de alterações de conduta e de
outras perturbações de comportamento e crianças, adolescentes e adultos
subdesenvolvidos intelectualmente ou com atraso mental, indivíduos que
apresentem certos comportamentos destrutivos proeminentes como agressividade
impulsividade e comportamentos auto-ofensivos.
379
PosoIogia e Modo de administração
O RÌSPERDAL pode ser administrado em comprimidos ou em solução oral.
Esquizofrenia:
Mudança de outros antipsicóticos: Quando for medicamente conveniente recomenda-
se interromper gradualmente o tratamento prévio enquanto se inicia o tratamento com
o RÌSPERDAL. Também se for medicamente conveniente, quando mudar o
tratamento dos doentes com antipsicóticos "retard", deve-se iniciar o tratamento com
RÌSPERDAL, em substituição da injecção seguinte.
Periodicamente, deve-se reavaliar a necessidade para prosseguir a administração de
medicamentos antiparkinsónicos.
AduItos: O RÌSPERDAL pode ser administrado uma ou duas vezes por dia.
Os doentes devem iniciar o tratamento de RÌSPERDAL com 2 mg por dia. A dose
pode-se aumentar no segundo dia até 4 mg. A partir de então a dose deve-se manter
inalterada, ou se necessário, posteriormente individualizar a dose. A maioria dos
doentes beneficiará da administração de doses diárias entre 4 e 6 mg. Em alguns
doentes pode ser adequada uma fase de titulação mais lenta e uma dose inicial e de
manutenção mais lentas.
380
Doses superiores a 10 mg por dia não mostraram ser superiores em eficácia às
doses mais baixas, e podem causar sintomas extrapiramidais.
A segurança das doses superiores a 16 mg por dia ainda não está totalmente
avaliada, razão pela qual, não se deve administrar doses superiores.
Quando for necessário sedar o doente, pode-se associar à administração de
RÌSPERDAL uma benzodiazepina.
Idosos: Recomenda-se iniciar o tratamento com doses de 0,5 mg duas vezes por
dia.
Esta dose pode ser ajustada individualmente com aumentos de 0,5 mg duas vezes
por dia, até 1 a 2 mg duas vezes por dia.
O RÌSPERDAL é bem tolerado nos doentes idosos.
Depois dos doentes atingirem a dose óptima, pode-se considerar a administração
de uma dose única.
Crianças: Em crianças com menos de 15 anos não existe experiência clínica no
tratamento da esquizofrenia.
Doença hepática e renaI: Recomenda-se iniciar o tratamento com 0,5 mg duas
vezes por dia. Esta dose pode ser ajustada individualmente com aumentos de
0,5 mg duas vezes por dia, até 1 a 2 mg duas vezes por dia.
O RÌSPERDAL deve-se administrar com cuidado neste grupo de doentes, até se
obter uma experiência mais vasta.
381
Perturbações no comportamento em doentes com demência: Recomenda-se
uma dose inicial de 0,25 mg duas vezes por dia. Se necessário esta dose pode-se
ajustar individualmente com aumentos de 0,25 mg duas vezes por dia, com uma
frequência não superior a tomas em dias alternados. Na maioria dos doentes a dose
óptima é de 0,5 mg duas vezes por dia. No entanto, alguns doentes podem
beneficiar de doses até 1 mg duas vezes por dia.
Depois dos doentes atingirem a dose óptima, pode-se considerar a administração
de uma dose única.
Doença bipoIar/mania - terapia adjuvante: Recomenda-se uma dose inicial de
2 mg uma vez por dia. Esta dose pode-se ajustar individualmente com aumentos até
2 mg/dia não mais que em dias alternados. A maior parte dos doentes beneficiarão
de doses entre 2-6 mg/dia.
AIterações de conduta e outras perturbações de comportamento: Doentes com
mais de 50 kg de peso: Recomenda-se uma dose inicial de 0,5 mg. Esta dose pode
ser ajustada individualmente por aumentos de 0,5 mg uma vez por dia, com uma
frequência não superior a dia sim dia não.
A dose óptima é de 1 mg por dia para a maioria dos doentes. No entanto, alguns
doentes podem beneficiar de uma dose de 0,5 mg uma vez por dia, enquanto que
outros podem beneficiar de 1,5 mg uma vez por dia.
382
383
^v[ìvìvno[ ((cnìi[vn^, (onìi.cnì©
Grupo Fármaco - Terapêutico: antiasmático e broncodilatador
(adrenérgicos)
Acção: Liga-se aos receptores beta 2 no músculo liso das vias respiratórias,
provocando activação da adenilil ciclase e o aumento dos níveis do monofosfato
de adenosina cíclico (AMPc). Aumentos do AMPc activam sinases, que inibem a
fosforilação da miosina e diminuem o cálcio e intra-celular. A diminuição do cálcio
intra-celular relaxa o músculo liso das vias respiratórias.
Relaxamento do músculo liso das vias respiratórias com subsequente
broncodilatação.
Relativamente selectivo para os receptores beta 2 (pulmonares).
Indicações Terapêuticas:
- Tratamento do broncospasmo na asma e na doença pulmonar obstrutiva
crónica (DPCO).
- Tratamento da bronquite crónica, do enfisema pulmonar com obstrução
reversível e na prevenção do broncospasmo.
- O salbutamol por via sistémica pode ser utilizado, tal como outros agonistas
8, como tocolítico.
384
Via de Administração e PosoIogia:
- Adultos:
-Per-os: 4 mg (idosos 2 mg), 3 a 4 vezes por dia.
-AerossoI: 100-200 3g, até 3 a 4 vezes/dia.
-ProfiIaxia do broncospasmo induzido peIo exercício físico: 200-400 3g
-InaIação de pó: 200-400 3g, até 3 a 4 vezes/dia
-InaIação de soIução respiratória: 2,5-5 mg, 3 a 4 vezes por dia.
- Crianças:
- Per-os: < 2 anos ÷ 100 3g/kg, 4 vezes ao dia; 2-6 anos ÷ 1-2 mg, 3 a 4
vezes/dia; 6-12 anos ÷ 2 mg, 3 a 4 vezes/dia.
- AerossoI: 100 3g, até 3 a 4 vezes/dia.
- ProfiIaxia do broncospasmo induzido peIo exercício físico: 100-200 3g.
- InaIação de pó: 200 3g, até 3 a 4 vezes/dia.
-InaIação de soIução respiratória: > 18 meses ÷ 2,5-5 mg, 3 a 4 vezes ao dia.
- InjectáveI: via sub-cutânea ou intramuscular 500 3g, cada 4 horas, se
necessário.
385
Contra - Indicações e Precauções:
- Hipersensibilidade a qualquer componente.
- Doença coronária, outras doenças cardiovasculares, arritmias,
hipertensão, hipertiroidismo, hipocaliemia, diabetes, gravidez e aleitamento.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
- Tremor (principalmente das mãos), agitação, nervosismo,
palpitações, cefaleias, taquicardia e arritmias.
- Reacções de hipersensibilidade incluindo broncospasmo paradoxal,
urticária e angioedema.
- Hipocaliemia.
Interacções Medicamentosas: Corticosteróides, diuréticos e xantinas.
Cuidados de Enfermagem:
- Monitorizar os sons pulmonares, o pulso e a pressão arterial antes
da administração e durante o pico da medicação. Anotar a quantidade, cor e
características da expectoração produzida.
386
- Monitorizar os testes de função pulmonar antes de iniciar a terapêutica
e periodicamente durante o seu curso para determinação da eficácia da
medicação.
- Monitorizar a ocorrência de broncospasmos paradoxais. Se ocorrerem
suspender a medicação e notificar o médico.
Duração do tratamento médio: 4 puffs de 8h/8h
387
^c·ì·v[inv
Grupo Fármaco - Terapêutico: Antidepressivo
Indicações terapêuticas:
A Sertralina está indicada no tratamento da depressão, incluindo a depressão
acompanhada por sintomas de ansiedade, em doentes com ou sem história de
mania. Obtida uma resposta satisfatória, a continuação do tratamento com a
Sertralina é eficaz na prevenção de recaídas do episódio depressivo inicial ou da
recorrência de episódios ulteriores.
A Sertralina está também indicada no tratamento da Perturbação Obsessiva-
Compulsiva (POC). Após a resposta inicial, a sertralina tem-se associado a
eficácia, segurança e tolerabilidade mantidas ao longo de dois anos de tratamento
da POC.
A Sertralina está indicada no tratamento do pânico, com ou sem agorafobia.
A Sertralina está indicada no tratamento de doentes pediátricos com POC.
A Sertralina está indicada no tratamento da Perturbação Pós-Stress Traumático
(PPST).
A Sertralina está indicada no tratamento da fobia social (perturbação de ansiedade
social). Uma vez obtida uma resposta satisfatória, a continuação do tratamento
com Sertralina é eficaz na prevenção de recaídas de episódios de Fobia Social.
388
^in.v.ìvìinv (Zo.o·©
Categoria Fármaco-Terapêutica
Hipolipemiante - Ìnibidor da HMG-CoA reductase
PA: Butilato de hidroxianisol, Dióxido de titânio, Lactose, Óxido de ferro amarelo,
Óxido de ferro vermelho, Simvastatina (DCÌ).
Composição QuaIitativa e Quantitativa
Cada comprimido de ZOCOR contém 10, 20 ou 40 mg de Simvastatina (princípio
activo).
Forma Farmacêutica
Comprimidos revestidos para administração oral.
389
Indicações Terapêuticas
Hiperlipidemia:
· ZOCOR está indicado, conjuntamente com dieta, para reduzir os níveis
elevados do colesterol total, do colesterol das lipoproteínas de baixa densidade
LDL, da apolipoproteína B e dos triglicéridos, e para aumentar o colesterol das
lipoproteínas de alta densidade-HDL em doentes com hipercolesterolemia
primária, incluindo hipercolesterolemia familiar heterozigótica (Tipo ÌÌa de
Fredrickson), ou hiperlipidemia mista (combinada) (Tipo ÌÌb de Fredrickson),
quando a resposta à dieta e a outras medidas não farmacológicas isoladas se
mostraram insuficientes. Assim, ZOCOR baixa as razões entre o colesterol das
LDL /HDL e do colesterol total/HDL.
· ZOCOR está indicado para o tratamento de doentes com
hipertrigliceridemia (hiperlipidemia Tipo ÌV de Fredrickson).
· ZOCOR está indicado para o tratamento de doentes com
disbetalipoproteinemia (hiperlipidemia Tipo ÌÌÌ de Fredrickson).
· ZOCOR também está indicado, conjuntamente com a dieta e outras
medidas não dietéticas, para reduzir os níveis elevados de colesterol total,
colesterol das LDL e apolipoproteína B em doentes com hipercolesterolemia
familiar homozigótica.
390
Doença CoronEria:
· Na doença coronária, ZOCOR está também indicado para:
· redução do risco de morte
· redução do risco de morte por doença coronária e de enfarte do miocárdio
não fatal
· redução do risco de acidente vascular cerebral e acidente isquêmico
transitório (AÌT).
· redução do risco de intervenção por processos de revascularização
miocárdica (bypass das artérias coronárias e angioplastia coronária
transluminosa percutânea) e
· retardamento da progressão da aterosclerose coronária, incluindo redução
do desenvolvimento de novas lesões e de novas oclusões totais.
PosoIogia e Modo de Administração
O doente deverá ser submetido a uma dieta padrão diminuidora do
colesterol antes de tomar ZOCOR, e deverá continuar com esta dieta durante o
tratamento com ZOCOR.
391
Hiperlipidemia: A dose inicial usualmente recomendada é de 10 mg em toma única,
com a refeição da noite. Os ajustamentos posológicos, quando necessários,
deverão ser efectuados a intervalos não inferiores a 4 semanas, até uma dose
máxima de 80 mg diários, dados em toma única à noite.
Doença coronEria: Em caso de doença coronária, a dose inicial será de 20 mg por
dia, em toma única à noite. Os ajustamentos posológicos, quando necessários para
atingir os valores alvo dos parâmetros lipidicos, deverão ser efectuados a intervalos
não inferiores a 4 semanas, até uma dose máxima de 80 mg diários, dados em
toma única à noite.
Deverá considerar-se a redução da dose de ZOCOR, se os níveis de colesterol das
LDL caírem para valores abaixo de 75 mg/dl (1,94 mmol/l) ou se os níveis de
colesterol total caírem abaixo de 140 mg/dl (3,6 mmol/l).
Doentes com hipercolesterolemia e hiperlipidemia graves e doentes com risco
cardiovascular elevado que necessitem de uma redução considerável no colesterol
das LDL (mais de 45%) podem ser titulados para uma dosagem de 40 mg diários e,
se necessário, 80 mg diários à noite.
Hipercolesterolemia familiar homoziótica: Com base nos resultados dum estudo
clínico controlado, a posologia recomendada para doentes com hipercolesterolemia
familiar homozigótica é de 40 mg diários de ZOCOR tomado à noite, ou de 80 mg
por dia, divididos por três administrações, duas diurnas de 20 mg e uma de 40 mg à
noite. ZOCOR deve ser usado como um aditivo a outros tratamentos
hipolipemiantes (p.ex., LDL-aferese), neste grupo de doentes, ou só por si, quando
não são acessíveis tais terapêuticas.
392
Terapêutica Concomitante: ZOCOR é eficaz isoladamente ou em combinação
com sequestrantes dos ácidos biliares.
Nos doentes sob terapêutica concomitante com ciclosporina, fibratos ou niacina e
ZOCOR, a dose máxima recomendada é de 10 mg por dia (ver
Advertências e Precauções especiais de utilização, Efeitos musculares e
Ìnteracções medicamentosas e outras formas de interacção).
!osoloia na Insuficiência Renal: Dado que ZOCOR não sofre excreção renal
significativa, não deverá ser necessária uma modificação da dose nos doentes
com insuficiência renal moderada.
Nos doentes com insuficiência renal grave (depuração da creatinina < 30 ml/min.),
as doses acima de 10 mg por dia deverão ser consideradas com muito cuidado e,
se necessário, instituídas com precaução (ver Propriedades farmacológicas,
Propriedades farmacocinéticas).
Contra-Indicações
· Hipersensibilidade a qualquer um dos componentes do medicamento.
· Doença hepática activa ou elevações persistentes e sem explicação das
transaminases séricas.
· Terapêutica concomitante com mibefradil, um bloqueador dos canais de cálcio
da classe do tetralol (ver também Advertências e Precauções especiais de
utilização e Ìnteracções medicamentosas e outras formas de interacção)
· Gravidez e aleitamento (ver também Advertências e Precauções especiais de
utilização).
393
^o·o {i.io[óvi.o (^o[v.vo i.oìóni.v vc .[o·cìo vc .óvio
Grupo Fármaco-terapeutico: Hidratantes electrolíticos
Indicações terapêuticas: Hiponatrémia ÷ vómitos, diarreias, colite ulcerosa e
pseudo-membranosa, broncocorreia, insuficincioa supra-renal. Hipoclorémia ÷
alcalose hipoclorémia, vómitos, diarreias, aspiração gástrica. Ìntoxicação hídrica ÷
secreção excessiva de ADH. Ìrrigação do campo operatório.
Contra-indicações e precauções: Hipertensão arterial, insuficiência cardíaca
congestiva, hiperfunção córtico-suprarenal. Edemas. Acidose metabólica
hiperclorémica.
Efeitos Secundários: Sem referência.
Interacções medicamentosas: Sem referência.
Modo de administração: Administrado por via endovenosa. Pode provocar a
diminuição da pressão oncótica das proteínas, passando líquido para o espaço
intersticial com aumento do volume total do líquido extracelular, incluindo o
plasma.
Duração média do tratamento: Depende da evolução do estado clínico.
394
^v.·v[{vìo (+[.c·nin©
Grupo Fármaco - Terapêutico: antiulceroso (protector da mucosa)
Acção: Reage com o ácido gástrico formando uma pasta espessa, que
selectivamente adere à superfície da úlcera, protegendo a úlcera e favorecendo
a sua cicatrização.
Indicações Terapêuticas:
Tratamento de curta duração de úlceras duodenais.
Manutenção (preventiva) da terapêutica de úlceras duodenais.
Tratamento de úlcera gástrica ou de refluxo gastro-esofágico.
Prevenção de lesão da mucosa gástrica devida a dose elevada de
aspirina^ ou de anti-infIamatórios não esteróides ou em situação de grande
stress.
UIceração oraI/mucosite/estomatite de várias etioIogias
(suspensão oraI).
395
Via de Administração e PosoIogia: Per-os.
Tratamento de úlceras:
- AduIto: 1 g 4 vezes por dia 1 h antes das refeições e ao deitar ou 2 g 2 vezes
por dia, ao acordar e ao deitar.
Prevenção de úlceras:
- AduIto: 1 g 2 vezes por dia 1 h antes das refeições.
Refluxo gastro-esofágico:
- AduIto: 1 g 4 vezes por dia antes das refeições e ao deitar.
- Criança: 500 mg-1 g 4 vezes por dia 1 h antes das refeições e ao deitar.
Contra - Indicações: Hipersensibilidade ao fármaco.
Precauções: Crianças: segurança não estabelecida.
396
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Tonturas, sonolência.
Obstipação, diarreia, náuseas, perturbações gástricas, indigestão, boca
seca.
Erupções cutâneas e prurido.
Interacções Medicamentosas:
Pode diminuir a absorção da fenitoína, vitaminas IipossoIúveis e
tetracicIina.
O uso de antiácidos em simultâneo diminui a eficácia do suIcraIfato.
Diminui a absorção das fIuoroquinoIonas (administrar com intervalo
superior a 1 h.).
Cuidados de Enfermagem:
Administrar com o estômago vazio, 1 h antes das refeições e ao deitar.
Avaliar regularmente a existência de dores abdominais e sangue oculto
nas fezes.
397
^v[{vìo vc ·[v.o.vninv ((iv·ì·i[^
Grupo terapêutico: é um antiartrósico, que actua a nível do aparelho músculo-
esquelético
Indicações terapêuticas: no tratamento de todas as formas de doença
osteoarticular degenerativa: osteoartrose primária e secundária, e outras doenças
degenerativas da cartilagem tais como a condromalácia da rótula e as
osteocondroses.
Contra - Indicações: em casos de hipersensibilidade à Glucosamina e
Lidocaína
Efeitos Indesejáveis:
os mais frequentes são ligeiros e transitórios, de natureza gastrintestinal ( peso
ou dor epigástrica, meteorismo, obstipação, diarreia).
Com a forma injectável, devido à associação com a lidocaína, podem ocorrer
náuseas ou muito raramente vómitos
398
Interacções medicamentosas:
- O Sulfato de Glucosamina pode favorecer a absorção gastrintestinal das
tetraciclinas e pode reduzir a das penicilinas ou do cloranfenicol, quando
administrados simultaneamente por via oral.
- Não existem impedimentos para a administração concomitante de
analgésicos ou de anti-inflamatórios esteróides ou não esteróides
- A Glucosamina pode ser utilizada como adjuvante porque desenvolve uma
actividade terapêutica anti-inflamatória cicloxigenase-independente, e sobretudo,
porque pode prevenir os danos articulares provocados por estes fármacos que,
em virtude do seu mecanismo de acção, conduzem a um bloqueio enzimático da
síntese dos proteoglicanos.
399
Precauções especiais de utiIização: devido ao seu teor em lidocaína, deve
ser utilizada com prudência nos doentes com perturbações da condução cardíaca
ou com insuficiência cardíaca descompensada e está contra-indicada nos
doentes com hipersensibilidade à lidocaína
Modo de administração: administração via intramuscular
Duração do tratamento médio: uma injecção intramuscular 5 vezes por
semana, durante 3 semanas.
400
^v[{vìo vc ^vvnc.io
Grupo Fármaco - Terapêutico: Electrólito / Modificador electrolítico; Laxante;
Anticonvulsionante.
Acção:
Essencial para a actividade de muitas enzimas.
Desempenha um papel fundamental na neurotransmissão e excitação
muscular.
Compensação em estados deficitários e resolução da eclampsia.
Indicações Terapêuticas:
Tratamento e prevenção da hipomagnesiemia.
Anticonvulsiovante na eclampsia grave ou pré-eclampsia.
Utilizado como laxante e para esvaziar o intestino na preparação para
cirurgia ou para procedimentos radiológicos.
Via de Administração e PosoIogia: Per-os, intramuscular e endovenosa.
Hipomanesiemia (8 mEq magnésio/g).
- Per-os:
- AduItos: 3 g cada 6 horas, durante 4 dias;
401
- Ìntramuscular:
- AduItos: 1 g cada 6 horas, durante 4 doses até 250 mg/kg num
período de 4 horas;
- Endovenosa:
- AduItos: até 5 g diluído e em infusão lenta, durante 3 horas.
Eclampsia, !ré-eclâmpsia:
- Endovenosa:
- AduItos: inicialmente 4 g EV, seguindo-se ÌM ou infusão 1-2 g/h;
- Ìntramuscular:
- AduItos: 4-5 g, cada 4 horas.
nticonvulsivante:
- Ìntramuscular, Endovenosa:
- AduItos: 1 g.
Laxante (81 mEq magnésio/10 g)
- Per-os:
- AduItos: 10-30 g;
- Crianças:
* 6-12 anos: 5-10 g;
* 2-5 anos: 2,5-5 g
402
Contra - Indicações:
Hipermagnesiemia.
Hipocalcemia.
Anúria.
Bloqueio cardíaco.
Trbalho de parto.
Precauções:
Ìnsuficiência renal qualquer que seja o seu grau.
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Sonolência.
Diminuição da frequ~encia respiratória (bradipneia).
Bradicardia, arritmias, hipotensão.
Diarreia.
Rubor e sudação.
Hipotermia.
Diminuição dos reflexos tendinosos profundos, paralesia.
403
Interacções Medicamentosas:
Potencia a acção dos bIoqueadores neuromuscuIares.
Cuidados de Enfermagem:
- Monitorizar Pulso, TA, respiração e ECG, com frequência, durante a
terapêutica EV. As respirações devem ser pelo menos de 16 c/min. antes de cada
dose.
- Monitorizar o estado de consciência durante a terapêutica.
- Fazer balanço hídrico. O débito urinário deve ser mantido a um nível
mínimo de 100 ml/4 horas.
Per-os: Para se obter mais rapidamente o efeito do laxante, administrar em jejum.
Dissolver num copo cheio de água; pode misturar-se com limonada para
mascarar o sabor amargo, seguidamente ingerir um copo cheio de líquido (água)
para prevenir a desidratação e obtenção de efeito mais rápido.
Não administrar ao deitar ou ao fim do dia.
IntramuscuIar: Administrar profundamente na região glútea.
Alternar os locais de injecção.
404
Endovenoso:
- Directa: Administrar sem diluição, a uma velocidade de 1,5 mg/min. numa
solução a 10% (ou equivalente).
-Ìnfusão contínua:
* Quando administrado em infusão contínua, como anticonvulsiovante, diluir 4
g em 250 ml de D5% H2O ou SF.
Administrar a uma velocidade que não exceda os 4 ml/min.
* Quando administrado em infusão contínua, para correcção da
hipomagnesiemia, diluir 5 g num litro de D5% H2O, SF, solução de Ringer ou
lactato de Ringer.
Administrar lentamente durante 3 horas.
Adições Incompatíveis: Gluseptato de cálcio, clindamicina, emulsão lípida,
polimixina, hidrocloreto de procaína, estreptomicina e tobramicina.
405
406
Iv:oìv. (!i¡c·v.i[inv - Iv:oìv.ìvn
Grupo Fármaco - Terapêutico: anti-infecciosos (penicilina de largo
espectro)
Acção:
Piperacilina: Liga-se á membrana da parede da célula bacteriana,
causando a morte da célula. O espectro é alargado (aeróbios gram -) quando
comparado com outras penicilinas.
Tazobactam: Ìnibe a lactase beta, uma enzima que pode destruir as
penicilinas.
Tazobac é activo contra bactérias piperacilino-resistentes, produtoras de
lactase beta.
Indicações Terapêuticas:
Apendicite.
Ìnfecções da pele e da estrutura da pele.
Ìnfecções ginecológicas.
Pneumonia provocada por bactérias resistentes à piperacilina,
produtoras de lactamases-beta.
407
Via de Administração e PosoIogia: Endovenosa.
Adultos: 3-4 g de piperacilina com 0,375-0,5 g de tazobactam em cada
6-8 horas.
Ìnsuficiência Renal (adultos): Clearance de creatinina 20-40 ml/min. ÷ 2
g de piperacilina com 0,25 mg de tazobactam de 6/6 horas; Clearance de
creatinina < 20 mg/min. ÷ 2 g de piperacilina com 0,25 mg de tazobactam de 8/8
horas.
Contra-Indicações:
Hipersensibilidade ás penicilinas ou ao tazobactam (pode ocorrer
sensibilidade cruzada com cefalosporinas).
Precauções:
Ìnsuficiência renal: é recomendada uma redução da posologia ou
aumento do intervalo se clearance de creatinina for < 40 ml/min.
Restrição de sódio.
Gravidez e lactação: segurança não estabelecida.
408
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Confusão, letargia, convulsões (doses elevadas).
Ìnsuficiência cardíaca congestiva, arritmias.
Náuseas, diarreia, hepatite, colite pseudomembranosa.
Nefrite interstecial.
Erupções cutâneas, urticária.
Hipocaliemia, hipernatremia.
Hemorragia, discrasias sanguíneas, aumento do tempo de hemorragia.
Flebite no local de punção.
Alcalose metabólica.
Super-infecção, reacções de hipersensibilidade incluindo anafilaxia e
doença do soro.
Interacções Medicamentosas:
A probenecida diminui a excreção renal e aumenta os níveis
sanguíneos.
Pode alterar a excreção do lítio.
Os diuréticos, corticosteróides e anfotericina B podem aumentar o
risco de hipocaliémia.
Risco aditivo de hepatotoxicidade com outros hepatotóxicos.
Pode diminuir a semi-vida dos aminoglicosídeos (administrados por
vias diferentes) quando usado em simultâneo em doentes com insuficiência
renal.
409
Cuidados de Enfermagem:
Avaliar a infecção (sinais vitais; aparência das lesões, expectoração,
urina e fezes; contagem leucocitária) no início e durante a terapêutica.
Monitorizar sinais e sintomas de anafilaxia (erupções cutâneas, prurido,
edema da laringe, respiração difícil. Suspender o fármaco e avisar o médico. Ter
sempre disponível adrenalina, um anti-histamínico.
Endovenosa: reconstituir com 5 ml de NaCl 0,9%, água bacteriostática ou
esterilizada para injectáveis ou Dextrose 5%. Não usar lactato de Ringer ÷
incompatível. Agitar bem até dissolver. Diluir mais com pelo menos 50 ml de
solvente. Rejeitar a solução não utilizada após 24 horas à temperatura ambiente
ou 48 horas no frigorífico.
- Ritmo de perfusão: administrar durante pelo menos 30 min.
410
Iivninv ((o[ini[ !ó
Grupo Fármaco - Terapêutico: vitaminas (Vitamina B - hidrossolúveis).
Acção: Necessária no metabolismo dos hidratos de carbono ÷ Substituição
nos estados deficitários.
Indicações Terapêuticas:
Tratamento da deficiência em tiamina (beri-beri).
Prevenção da encefalopatia de Wernick.
Suplemento dietético nos doentes com doença gastrointestinal, alcoolismo
ou cirrose.
Via de Administração e PosoIogia:
Deficiência em Tiamina:
- Adultos:
- Per-os: 5-10 mg 3 vezes/dia
- Ìntramuscular / Endovenosa: 5-100 mg 3 vezes/dia
- Crianças:
- Per-os: 10-50 mg/dia, repartido em diversas tomas.
- Ìntramuscular /Endovenosa: 10-5 mg/dia.
411
Suplemento Dietético:
- Per-os:
- Adultos: 1-1,6 mg/dia
- Criança:
* nascimento aos 3 anos: 0,3-0,7 mg/dia
* 4 aos 10 anos: 0,9-1 mg/dia
Contra-Indicações:
Hipersensibilidade.
Ìntolerância ao álcool ou hipersensibilidade aos bissulfitos (unicamente a
solução oral).
Precauções:
Na encefalopatia de Wernick (a condição pode mesmo agravar-se, a não
ser que seja administrada tiamina antes da glicose).
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
As reacções adversas e os efeitos laterais são extremamente raros e são
normalmente associados à administração endovenosa ou em casos de dor
extremamente elevados.
412
Astenia, agitação.
Aperto na garganta.
Dificuldade respiratória, edema pulmonar.
Hipotensão, colapso vascular e vasodilatação.
Náuseas, hemorragia gastrointestinal.
Aquecimento, prurido, urticária, suores e cianose.
Angiodema.
Interacções Medicamentosas:
Pode potenciar os bloqueadores neuromusculares.
Cuidados de Enfermagem:
- Monitorizar os sinais e sintomas de deficiência em tiamina (anorexia,
distúrbios gastrointestinais, irritabilidade, palpitações, taquicardia, edema,
parestesias, dor e fraqueza muscular, depressão, perda de memória, confusão,
psicose, distúrbios visuais, níveis sanguíneos elevados de ácido pirúvico.
413
- Monitorizar o estado nutritivo do doente (regime dietético, peso) antes e
periodicamente ao longo da terapêutica.
- Monitorizar a ocorrência de anafilaxia nos doentes recebendo tiamina por
via endovenosa (asma, urticária e edema).
IntramuscuIar / Endovenosa: a administração parentérica é reservada
aos doentes em que a administração oral não é possível.
A administração intramuscuIar pode causar dor e endurecimento no
local da injecção. A aplicação local de compressas frias pode reduzir o desconforto.
Endovenosa: Já ocorreram reacções de hipersensibilidade e morte após
a injecção. Nos doentes com suspeita de sensibilidade recomenda-se a
administração de uma dose teste intradermica. Avaliar o eritema ou endurecimento
no local.
414
- EV directo: administrar na forma não diluída. Ritmo de perfusão: administrar
ao ritmo de 100 mg/5 min.
- Perfusão contínua: pode ser diluída em combinações de dextrose/lactato de
Ringer ou de Ringer, combinações Dx 5%/soluções salinas, Dx 5%, Dx 10%,
injecções de lactato de Ringer e de Ringer, NaCl 0,9% ou NaCl 0,45% e é
normalmente administrada com outras vitaminas.
- IncompatibiIidade aditiva: soluções com pH neutro ou alcalino tais como os
hidratos de carbono, os bicarbonatos, os citratos e os acetatos.
415
por frasco por 100 ml º RDApor frasco
'alor energetico kcal 6,3 78,75
kJ 26,8 335
Proteinas (N x 6,25) g 0,01 0,125
H. de carbono (p.d.) g 1,56 19,5
Lipidos g 0,003 0,0375
'itamina B1 mg 0,78 9,75 56
Acido pantotenico mg 1,49 18,62 25
'itamina B6 mg 0,99 12,37 50
Peso líquido 88 g (10 frascos de 8,8 g cada)
416
Iiv¡·ivc (Iiv¡·ivv[
Grupo Fármaco - Terapêutico: Antipsicótico
Forma farmacêutica e Via de administração:
Comprimidos, para administração por via oral.
Solução injectável para administração intramuscular ou endovenosa.
Indicações terapêuticas:
Etilismo - Manifestações agudas e crónicas - Agitação psicomotora, Agressividade,
Pré-delirium e Delirium tremens.
Perturbações neuropsíquicas da senescência, tais como - Ansiedade,
Agressividade, Alterações do comportamento, Ìrritabilidade, Agitação psicomotora,
Tremores.
Movimentos anormais (movimentos coreiformes, disquinésias).
417
PosoIogia e Modo de administração:
Segundo o critério médico, variável conforme o caso clínico presente.
Em regra:
Etilismo:
Manifestações agudas: 400 a 1200 mg/dia divididos em administrações Ì.M. ou Ì.V.
todas as 4-6 horas. Esta posologia poderá ser aumentada até 1800 mg/dia em
particular nalguns casos de Delirium e Pré-Delirium.
A dose/dia deve ser reduzida gradualmente após as primeiras 24-48 horas de
tratamento, de acordo com o critério clínico.
A administração parentérica deve dar lugar, logo que possível, à administração oral,
na posologia média de 200 a 400 mg/dia.
No caso particular de indivíduos idosos recomendam-se doses diárias de 100 a 400
mg.
Manifestações crónicas: 200 a 400 mg/dia repartidos em várias tomas
administradas por via oral, e de acordo com o critério clínico.
Perturbações neuropsíquicas da senescência: Em média 200 a 400 mg/dia. Estas
doses devem ser adaptadas à intensidade dos sintomas e aos resultados obtidos,
em função do critério clínico.
Movimentos anormais (movimentos coreiformes, disquinésias): Em média 300 a
800 mg/dia repartidos em várias tomas, em função da intensidade dos sintomas.
418
Contra-indicações:
A única contra-indicação absoluta é o feocromocitoma.
Doença de Parkinson, a não ser por expressa indicação e sob vigilância médica.
Interacções medicamentosas e outras
Associações desaconselhadas:
Álcool: Potenciação do efeito sedativo dos neurolépticos. A alteração da vigília pode
tornar perigosa a condução de veículos e a utilização de máquinas. Evitar a
ingestão de bebidas alcoólicas e de medicamentos contendo álcool.
Levodopa: Antagonismo recíproco da levodopa e dos neurolépticos. Em caso de
tratamento com neurolépticos não utilizar levodopa no tratamento do síndroma
extrapiramidal (inibição e perda de actividade dos neurolépticos). Nos indivíduos
com Parkinson tratados por levodopa, e no caso de necessitarem de neurolépticos,
utilizar preferencialmente os que dão poucos efeitos extrapiramidais, como a
clorpromazina ou a levomepromazina.
419
Associações a ter em conta:
Anti-hipertensores: Efeito anti-hipertensor e risco aumentado de hipotensão
ortostática (efeito aditivo);
Outros depressores do Sistema Nervoso Central: Derivados morfínicos
(analgésicos e antitússicos), a maior parte dos anti-histamínicos H1,
barbitúricos, benzodiazepinas e outros tranquilizantes, clonidina e aparentados.
Potenciação da depressão central, que pode ter consequências significativas,
nomeadamente no caso de condução automóvel ou de utilização de máquinas.
Captopril e enalapril (inibidor do enzima de conversão): Efeito anti-hipertensor e
risco aumentado de hipotensão ortostática (efeito aditivo).
UtiIização em caso de gravidez e Iactação:
Gravidez: Os estudos experimentais realizados no animal não evidenciaram
efeito teratogénico.
420
No Homem, na ausência de dados clínicos, o risco não é conhecido. Não existe
qualquer dado sobre os efeitos cerebrais fetais dos tratamentos neurolépticos
prescritos durante a gravidez.
Nos recém-nascidos de mães tratadas com fortes posologias de neurolépticos só
raramente foram descritos síndromas extrapiramidais. Parece razoável limitar a
duração das prescrições durante a gravidez. Se possível, deverá reduzir-se as
posologias no final da gravidez, quer para os neurolépticos quer para os
antiparkinsónicos, devido às propriedades atropínicas destes últimos.
Recém-nascido ÷ deve observar-se um período de vigilância das funções
neurológicas e digestivas em caso de associação aos antiparkinsónicos.
Lactação: Na ausência de dados sobre a passagem do Tiapride para o leite
materno, desaconselha-se o aleitamento durante o período de tratamento.
Efeitos sobre a condução de veículos e o uso de máquinas
Devido ao risco de sedação e sonolência o medicamento deve ser utilizado com
prudência nos condutores de veículos e nos utilizadores de máquinas.
421
Efeitos indesejáveis, frequência e gravidade
NeuroIógicos:
sedação ou sonolência;
disquinésias precoces (torcicolis espasmódico, crises oculógiras, trismus) que
cedem à administração de antiparkinsónicos anticolinérgicos;
síndroma extrapiramidal que cede parcialmente aos antiparkinsónicos
anticolinérgicos;
podem observar-se disquinésias tardias, como para todos os neurolépticos, durante
um tratamento prolongado; nestes casos os antiparkinsónicos anticolinérgicos não
são eficazes ou podem agravar os sintomas.
Vegetativos:
hipotensão ortostática.
Endócrinos e metabólicos:
impotência, frigidez;
amenorreia, galactorreia, ginecomastia, hiperprolactinémia;
aumento ponderal.
Síndroma Maligno dos Neurolépticos: À semelhança de outros neurolépticos, a
possibilidade de Síndroma Maligno dos Neurolépticos deve ser considerada, pelo
que em presença de hiperpirexia inexplicável deve ser suspensa toda a terapêutica
com Tiapride, até à completa explicação etiológica da febre.
422
Sobredosagem:
Os sinais de sobredosagem incluem perda de consciência, sonolência e
sintomas extrapiramidais.
O tratamento deverá ser de manutenção e sintomático, podendo ser útil uma
lavagem gástrica 1 a 2 horas após a ingestão do medicamento.
Se necessário poderá recorrer-se a medicação antiparkinsónica.
Farmacodinâmia:
O Tiapride é um neuroléptico atípico, que antagoniza selectivamente os
receptores dopaminérgicos D2, de forma independente da adenil-ciclase. Possui
uma baixa afinidade para os receptores dopaminérgicos D1. Mostrou ser
particularmente eficaz nos receptores dopaminérgicos previamente
sensibilizados.
A actividade ansiolítica do Tiapride foi demonstrada em diversos modelos
animais de stress incluindo os relacionados com a privação do álcool.
Adicionalmente, o Tiapride mostrou ter um efeito positivo sobre o estado de
alerta nos indivíduos idosos. O mecanismo de acção ansiolítica do Tiapride
ainda não está completamente esclarecido, mas esta acção parece ser
independente do seu efeito antidopaminérgico.
423
Farmacocinética:
Após injecção intramuscular de 200 mg de Tiapride obtém-se um pico plasmático
de 2,5 mg/ml em 30 minutos. Após administração oral de 200 mg de Tiapride
obtém-se um pico plasmático de 1,3 mg/ml uma hora após a toma.
A biodisponibilidade absoluta do comprimido de Tiapride é de 75%. Em caso de
toma imediatamente antes da refeição a biodisponibilidade é aumentada em 40%.
No indivíduo idoso a absorção é mais lenta.
A distribuição corporal do Tiapride é rápida (menos de 1 hora). O Tiapride atravessa
a barreira hemato-encefálica e a barreira placentária sem efeito cumulativo. No
animal observou-se passagem para o leite, sendo a relação leite/sangue de 1,2. O
Tiapride não se fixa às proteínas plasmáticas e a sua fixação aos eritrócitos é muito
fraca.
O metabolismo do Tiapride no Homem é muito fraco; 70% da dose administrada é
encontrada na urina sob a forma inalterada. A semivida de eliminação plasmática é
de 2,9 h na mulher e de 3,6 h no homem. A excreção é feita principalmente por via
urinária; a clearance renal é de 330 ml/min.. No insuficiente renal a excreção está
correlacionada com a clearance da creatinina. Para uma clearance de creatinina
inferior a 20 ml/min., as doses diárias deverão ser ajustadas de acordo com a
gravidade da insuficiência renal: metade da dose para uma clearance de creatinina
de 11 a 20 ml/min. e 1/4 de dose para uma clearance de creatinina de 10 ml/min..
424
Precauções particuIares de emprego:
Nos indivíduos epilépticos deverá proceder-se a uma vigilância reforçada devido à
possibilidade de diminuição do limiar epileptogénico.
Devem tomar-se precauções:
no indivíduo idoso devido à sua marcada sensibilidade (sedação e hipotensão);
nas afecções cardiovasculares graves, devido às alterações hemodinâmicas, em
particular a hipotensão;
nos insuficientes renais, devido ao risco de sobredosagem;
nos doentes com Parkinson nos quais o Tiapride não está indicado, a não ser para
corrigir certas alterações de terapêutica dopaminérgica, de acordo com uma
posologia precisa.
425
Iio.o[qvi.o.ivo ()c[nv., (o[ì·vn,[
Grupo Farmaco-terapêutico: é um relaxante muscular, que actua a
nível do sistema nervoso cérebro-espinal.
Indicações terapêuticas:
Síndroma dolorosa vertebral (artrose vertebral).
Síndromas radiculares: cervicobraquialgia, lombociatalgia, cruralgia.
Rigidez dolorosa por fractura, entorse ou luxação.
Parkinsonismo dos neurodislépticos.
Contra - Indicações:
Hipersensibilidade individual ao produto.
Paralisia flácida.
Hipotonia muscular.
426
Efeitos Indesejáveis:
As potenciais reacções adversas registam-se pontualmente em numero limitado.
Hipotensão moderada, náuseas e tonturas, dor epigástrica e diarreia.
Interacções medicamentosas:
- Pode aumentar a toxicidade do cloranfenicol
- Em caso de tratamentro com anticoagulantes orais, pode administrar
ocasionalmente como analgésico de eleição
-Traumatológicas e neurológicas ( que se desenvolvem com espasticidade)
- Passíveis de reeducação funcional
Precauções especiais de utiIização:
Em doentes com insuficiência hepática grave, a administração de Relmus só deve
ser instituída sob controlo médico.
Em caso de úlcera péptica em actividade (gástricas ou duodenal) é
desaconselhável a administração oral do produto.
Reduzir a posologia se as tomas orais provocarem diarreia
Eventualmente, ingerir os comprimidos com um protector gástrico
Modo de administração: Administração por via Ìntramuscular.
Duração do tratamento médio: o efeito terapêutico óptimo obtêm-se com a
administração de 2 a 4 ampolas por dia. Dose diária de duas ampolas, em que
surge efeito 30 a 40 minutos após administração.
427
Iio·ivv:inv (^c[[c·i[
Grupo Fármaco - Terapêutico: antipsicótico (fenotiazina)
Acção: Altera os efeitos da dopamina no SNC. Possui uma actividade
bloqueadora adrenérgica alfa e anti-colinérgica significativa ÷ Diminui os sinais e
os sintomas de psicose.
Indicações Terapêuticas:
Tratamento das psicoses agudas e crónicas.
Tratamento da depressão/ansiedade nos doentes geriátricos.
Tratamento de problemas de comportamento graves em crianças.
Via de Administração e PosoIogia:
Per-os:
- Adultos e Crianças > 12 anos: inicialmente 25-100 mg 3 vezes/dia, dose de
manutenção 10-200 mg, 2 vezes/dia até 800 mg/dia.
- Crianças > 2 anos: 0,25-3 mg (7,5 mg/m2) 4 vezes ao dia ou 10-25 mg, 2 a 3
vezes/dia.
428
Contra-Indicações:
Hipersensibilidade.
Pode existir sensibilidade cruzada com outras fenotiazinas.
Glaucoma de ângulo estreito.
Depressão da medula óssea.
Doença cardiovascular ou hepática grave.
Ìntolerância ao álcool (unicamente concentrado).
Precauções:
Doentes geriátricos ou debilitados.
Diabetes Mellitus.
Doença respiratória.
Hipertrofia da próstata.
Tumores do SNC.
Epilepsia.
Obstrução intestinal.
Gravidez, lactação (segurança não estabelecida).
429
Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Sedação, reacções extrapiramidais, disquinésia tardia, síndrome
neuroleptico maligno.
Olhos secos, visão turva, opacidade das lentes, retinopatia pigmentar
(com doses elevadas).
Hipotensão, taquicardia.
Obstipação, boca seca, ileus, anorexia, hepatite.
Retenção urinária.
Erupções, fotosesibilidade, alterações na pigmentação.
Galactorreia.
Agranulocitose, leucopenia.
Hipertermia.
Reacções alérgicas.
Interacções Medicamentosas:
Hipotensão aditiva com outros anti-ipertensores, nitratos e ingestão
pontual de áIcooI.
Depressão aditiva do SNC com outros depressores do SNC, incluindo
o áIcooI, os anti-histamínicos, os opiáceos, os sedativos/hipnóticos e os
anestésicos gerais.
430
Efeitos anti-colinérgicos aditivos com outros fármacos que possuem
propriedades anti-alérgicas, incluindo os anti-histamínicos, os anti-
depressivos, a atropina, o haIoperidoI, outras fenotiazinas e a disopiramida.
O Iítio reduz os níveis sanguíneos de tioridazina.
A tioridazina pode mascarar os primeiros sinais de intoxicação pelo Iítio
e aumentar o risco de reacções extrapiramidais.
Maior risco de agranulocitose com anti-tiroideos.
O uso em simultâneo com a adrenaIina pode provocar uma hipotensão
grave e taquicardia.
Pode reduzir a eficácia da Ievodopa.
Cuidados de Enfermagem:
- Avaliar o estado mental (orientação, humor, comportamento) e grau de
ansiedade antes e periodicamente ao longo da terapêutica.
- Monitorizar a pressão arterial (sentado, levantado, deitado), ECG,
pulso e a frequência respiratória antes e com frequência durante o período de
ajuste da posologia.
- Monitorizar o nível de sedação após a administração.
- Monitorizar o balanço hídrico e o peso diariamente.
431
- Avaliar os primeiros sinais de acatasia (agitação ou vontade de manter-se
em movimentos), efeitos laterais e extrapiramidais (parkinsónicos ÷ dificuldade em
falar ou deglutir, perda do equilíbrio, tremores, máscara facial, rigidez, tremores
distónicos ÷ espasmos musculares, marcha propulsiva, tiques, incapacidade de
mover os olhos, falta de força nos membros superiores e inferiores), de 2/2 meses
ao longo da terapêutica e em cada 8-12 semanas após a terapêutica ter sido
interrompida. Os efeitos parkinsónicos são mais frequentes nos doentes geriátricos
e os distónicos em doentes mais jovens.
- Monitorizar a disquinésia tardia (movimentos rítmicos não controlados da
boca, face e extremidades, fissuras ou pregas nos lábios, movimentos de
mastigação descontrolados, movimentos rápidos da língua).
- Monitorizar o desenvolvimento do síndrome neuroleptico maligno (febre,
dificuldade respiratória, taquicardia, convulsões, diaforese, hipertensão ou
hipotensão, palidez, cansaço, rigidez muscular acentuada, perda do controlo
vesical).
- Não tomar este fármaco nas 2 horas que se seguem à toma de anti-
ácidos ou de anti-diarreicos.
432
- Ìnformar o doente que este fármaco pode corar a urina de cor vermelha-
acastanhada.
- Aconselhar o doente a fazer uma boa higiene oral, a fazer bochechos
frequentes e a mastigar pastilhas ou rebuçados sem açúcar, para ajudar a diminuir
a secura da boca.
- Avisar o doente que o aumento da actividade física e ingestão de
líquidos no regime alimentar ajuda a minimizar os efeitos de obstipação
provocados por esta terapêutica.
- Aconselhar o doente que não deve beber bebidas alcoólicas ou outros
depressores do SNC em simultâneo com este fármaco.
433
I·vnvvo[ (([o·iv·vìo vc I·vnvvo[
Grupo Fármaco - Terapêutico: analgésico (acção central) não opióide,
antipirético, que actua a nível do sistema nervoso cérebro-espinal
Acção:
Liga-se aos receptores opiáceos.
Ìnibe a captação de serotonina e de noradrenalina no SNC.
Indicações terapêuticas: tratamento da dor moderada a intensa
Contra - Indicações:
- em caso de hipersensibilidade conhecida ao tratamento ou a qualquer um
dos seus excipientes
- em caso de intoxicações agudas pelo álcool, hipnóticos, analgésicos,
opiáceos ou fármacos psicotrópicos
- em doentes que estejam a ser tratados com inibidores da MAO ou que
tomaram estes fármacos durante os últimos 14 dias
- não deve ser utilizado para o tratamento de privação de estupefacientes
434
Efeitos Indesejáveis:
- frequentemente ÷ náuseas e tonturas
- ocasionalmente ÷ vómitos, obstipação, sudação, secura da boca, cefaleias e
sonolência
-raramente
- efeitos sobre a regulação cardiovascular ( palpitações,
taquicardia, hipotensão postural, colapso cardiovascular )
- ânsia de vomitar, irritações gastrointestinais e reacções cutâneas
fraqueza motora, alterações do apetite, perturbações da micção
- efeitos secundários psíquicos
- reacções alérgicas ( ex: dispneia, broncopasmo)
- agravamento da asma
Interacções medicamentosas:
- não deve ser associado aos inibidores da MAO
- a utilização simultânea de Tramal retard e de substâncias dotadas de acção
depressora do sistema nervoso central, inclusive o álcool, poderá potenciar os
respectivos efeitos sobre o sistema nervoso central
- a administração concomitante ou anterior de carbamazepina ( indutor
enzimático) pode reduzir o efeito analgésico e encurtar a duração da acção
terapêutica
435
- a associação de agonistas/antagonistas mistos ao tramadol, não é aconselhável
porque o efeito analgésico de um agonista puro pode ficar teoricamente reduzido
em tais circunstâncias
- a administração de tramadol pode provocar convulsões e aumentar o potencial
dos inibidores selectivos da re-captação de serotina, dos antidepressivos
triciclicos, antipsicóticos e de outros fármacos susceptíveis de diminuírem o limiar
para convulsões cerebrais, acabando por causar convulsões
Precauções especiais de utiIização:
- deve ser utilizado com especial cuidado em doentes com dependência de
opiáceos, em doentes com lesões cranianas, em estado de choque, com grau
reduzido da consciência de causa desconhecida, com perturbações do centro
respiratório e da função respiratória, e de pressão intracraniana aumentada
- o tramadol pode aumentar o risco de convulsões cerebrais , em doentes
medicados com outros fármacos susceptíveis de diminuírem o limiar para
convulsões cerebrais
436
- doentes com epilepsia ou os que se mostrem susceptíveis de sofrerem
convulsões cerebrais, só devem ser tratados com Tramal retard se existir uma
necessidade clinica imperiosa
- a administração prolongada deste medicamento pode causar o desenvolvimento
de tolerância e dependência psíquica e física
Modo de administração: administração via oral, em que os comprimidos
devem ser tomados inteiros, não fraccionados, nem mastigados, com liquido
suficiente e independente das refeições
Duração do tratamento médio: dose diária de 400 mg, 3 a 4 comprimidos por
dia
Cuidados de Enfermagem:
Avaliar o tipo, a localização e a intensidade da dor antes e 2-3 horas (pico) após
a administração.
Monitorizar a pressão sanguínea e a frequência respiratória antes e
periodicamente ao longo da terapêutica.
Monitorizar a frequência intestinal. Devem ser instituídas medidas preventivas
contra a obstipação tais como aumento da quantidade ingerida de líquidos e
fibras, emolientes das fezes e laxantes para minimizar os efeitos da obstipação.
Considerações laboratoriais: pode causar aumento da creatinina sérica,
aumento das enzimas hepáticas, diminuição da hemoglobina e da proteinúria.
437
I·incìv:ivv ((v.ìv·c[
Grupo Fármaco - terapêutico: Anti ÷ Ìsquémico celular
Indicações terapêuticas:
Cardiologia
Tratamento profilático da crise de angina de peito
Oftalmologia
Afecções vasculares corio-retinianas
O.R.L
Vertigens de origem vascular, vertigens de Meniére, acufenos
Contra - Indicações: Desconhecem-se
Modo de administração: Via Oral
Duração do tratamento médio: 20 mg P.O duas vezes ao dia
Propriedades: a trimetazidina, preservando os metabolismos energéticos da
célula exposta à hipóxia ou à isquémica, evita a descida da taxa intracelular do
ATP, assegurando assim o funcionamento das bombas iónicas e dos fluxos
transmembranares sódio-potássio e mantendo a homeostase celular.
438
I·onv[,ì
Categoria Farmaco-terapêutica: Anticoagulante e antitrombótico
Grupo FarmacoIógico: Anti-agregante plaquetário
Indicações Terapêuticas: Prevenção secundária da cardiopatiia isquémica,
prevenção secundária de acidentes vasculares cerebrais.
Formas Farmacêuticas disponíveis no mercado: Comprimidos de libertação
modificada
PosoIogia e modo de administração (por indicação terapêutica):
A posologia deverá estabelecer-se em função das necessidades de cada doente.
Recomenda-se a administração de 150 mg por dia (1 cápsula).
439
Interacções medicamentosas de maior reIevância:
A associação com o metotrexato em doses iguais ou superiores a 15 mg/semana
está contra-indicada, por aumentar o risco de toxicidade hematológica.
O ácido acetilsalicílico pode potenciar: o efeito dos anti-coagulantes orais, o efeito
dos antidiabéticos orais (sulfanilureias), o risco ulcerogénico dos corticóides, álcool,
anti-inflamatórios/anti-reumatismais não esteroides, as concentrações plasmáticas
da digoxina, barbitúricos e do lítio, o efeito das sulfonamidas, o efeito da
triiodotironina.
Pode ser diminuído o efeito de uricosúricos (p.e. probenecide, sulfinpirazona);
alguns anti-inflamtórios não esteróides; antagonistas da aldosterona e diuréticos de
ansa; risco de inibição do interferonalfa.
Efeitos secundários:
Os efeitos que podem aparecer com a administração deste medicamento são os
seguintes: irritação gastrointestinal e dores epigástricas (microhemorragias);
erupções cutâneas; dificuldade respiratória; obnubilação; indisposição; náuseas,
vómitos, diarreia; vertigens; hepatites por salicilatos após administração contínua.
Em doentes que desenvolvem úlceras gástricas ou duodenais durante o tratamento
com o ácido acetilsalicílico aconselha-se a suspender o tratamento devido a um
maior risco de hemorragia e/ou perfuração da úlcera.
440
Contra-indicações: úlcera gastroduodenal, problemas gástricos de repetição
ou hemorragias gastrointestinais. Hemofilia ou problemas de coagulação
sanguínea. Ìnsuficiência renal e hepática. Hipersensibilidade aos salicilatos.
Advertências e precauções especiais de utiIização: Este medicamento não
deve ser administrado a crianças.
Em caso de doentes asmáticos ou com inflamação da mucosa nasal (pólipos
nasais deverá administrar-se com precaução dada a maior tendência para
ocorrer crises de asma ou inflamações locais da derme e das mucosas.
Devido à acção antiagregante plaquetária do ácido acetilsalicilico, face a
possíveis intervenções cirúrgicas, deverá ter-se em conta se o doente está sob o
tratamento com este fármaco.
441
442
(v[¡·ovìo vc ^óvio
£ Grupo Fármaco - Terapêutico: anticonvulsionante
£ Acção: Aumenta os níveis de ácido g-aminobutirico (GABA), um
neurotransmissor inibidor no SNC ÷ supressão das convulsões amnésicas,
diminuição do comportamento maníaco, diminuição da frequência das enxaquecas.
£ Indicações Terapêuticas:
Tratamento de convulsões amnésicas simples e complexas.
Tratamento de convulsões parciais com sintomatologia complexa.
Prevenção das enxaquecas.
£ Via de Administração e PosoIogia:
Anticonvulsionante:
- Per-os (AduItos): Terapêutica com um único fErmaco ÷ dose inicial de 5-15
mg/kg/dia; aumentada em 5-10 mg/kg/dia semanalmente até que sejam atingidos
os níveis terapêuticos (não exceder 60 mg/kg/dia); quando a posologia diária
exceder 250 mg, administrar repartidos por 2 doses. !oliterapêutica ÷ dose inicial
de 10-30 mg/kg/dia; aumentada em 5-10 mg/kg/dia semanalmente até que sejam
atingidos os níveis terapêuticos (não exceder 60 mg/kg/dia); quando a posologia
diária exceder 250 mg, administrar repartidos por 2 doses.
443
- Per-os (Crianças): Terapêutica com um único fErmaco ÷ dose inicial de 15-45
mg/kg/dia; aumentada em 5-10 mg/kg/dia semanalmente até que sejam atingidos
os níveis terapêuticos. !oliterapêutica ÷ dose inicial de 30-100 mg/kg/dia.
-Endovenosa (AduItos e Crianças): administrar a mesma dose diária
administrada por via oral; se a dose diária > 250 mg, administar repartidos em
doses de 6/6 horas.
Prevenção das enxaquecas:
-Per-os (AduItos): 250 mg 2 vezes/dia (até 1000 mg/dia).
£ Contra-Indicações:
Hipersensibilidade.
Ìnsuficiência hepática.
Alguns produtos contem tartrazina e devem ser evitados nos doentes
com hipersensibilidade conhecida.
444
£ Precauções:
Problemas hemorrágicos.
Antecedentes de doença hepática.
Doença orgânica cerebral.
Depressão da medula óssea.
Ìnsuficiência renal.
Crianças: maior risco de hepatotoxicidade.
Gravidez e lactação: segurança não estabelecida.
£ Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Sedação, cefaleias, tonturas, ataxia, confusão.
Distúrbios visuais.
Náuseas, vómitos, indigestão, hepatotoxicidade, pancreatite,
hipersalivação, anorexia, aumento de apetite, diarreia, obstipação.
Erupções cutâneas.
Tempo de hemorragia prolongado, leucopenia, trombocitopenia.
Hiperamonemia.
Ataxia, parestesias.
445
£ Interacções Medicamentosas:
Maior risco de hemorragia com inibidores da agregação pIaquetária
(incluindo a aspirina e os AÌNE's), o cefamandoI, o cefoperazona, o cefotetano,
a heparina, heparinóides, os tromboIíticos ou varfarina.
Diminui o metabolismo dos barbitúricos e da primidona, aumentando o
risco de toxicidade.
Os níveis sanguíneos e a toxicidade podem ser aumentada pela
carbamazepina, cimetidina, eritromicina, ou feIbamato.
Depressão aditiva do SNC com outros depressores do SNC incluindo o
áIcooI, os anti-histamínicos, antidepressivos, opiáceos, os IMAO's e os
sedativos/hipnóticos.
Pode aumentar ou diminuir os efeitos e a toxicidade da fenitoína.
Os IMAO's e outros antidepressivos podem reduzir o limiar das crises
convulsivas e diminuir a eficácia do vaIproato.
446
£ Cuidados de Enfermagem:
Convulsões: avaliar a localização, duração e características das crises
convulsivas. Ìnstituir medidas de precaução.
As doses únicas diárias são normalmente administradas ao deitar por
causa da sedação.
Per-os: administrar ás refeições ou imediatamente para minimizar a
irritação gastrointestinal. Ìnformar os doentes para engolir as cápsulas e os
comprimidos com revestimento entérico inteiros; não os partir nem mastigar pois
isso provocará irritação da boca e garganta.
Não administrar os comprimidos com leite para prevenir uma dissolução
prematura.
Endovenosa: pode ser diluído em Dextrose 5%, NaCl 0,9% ou Lactato
de Ringer. A solução é estável durante 24 horas à temperatura ambiente.
- Ritmo de Perfusão: perfundir durante 60 min. (A 20 mg/min.). Perfusões rápidas
podem provocar um aumento dos efeitos laterais.
447
(vn.oni.inv
£ Grupo Fármaco - Terapêutico: Antibiótico
£ Acção: Liga-se à parede celular bacteriana, destruindo-a (agentes
patogénicos gram positivos, incluindo Estafilococos, Estreptococos beta-
hemolíticos do grupo A, Espreptococcus pneumoniae, Corinebacterium,
Clostridium)
£ Indicações terapêuticas:
Tratamento de infecções potencialmente letais, sempre que estejam
contra-indicados outros antibióticos menos tóxicos.
Particularmente útil em:
- Ìnfecções estafilocócicas;
- Endocardite;
- Osteomielite;
- Pneumonia;
- Septicemia;
- Ìnfecções dos tecidos moles em doentes alérgicos à penicilina ou derivados,
cujos testes de sensibilidade demonstram resistência à meticilina.
Per-os: Tratamento da colite pseudomembranosa por Clostridium difficile.
Endovenosa: Profilaxia da endocardite em doentes alérgicos à penicilina.
448
£ Via de administração e PosoIogia: Per-os e Endovenosa.
Ìnfecções sistémicas graves:
- Endovenosa:
- dultos: 500 mg cada 6 h ou 1 g cada 12 h.
- Crianças: 40 mg/kg/dia repartidos a cada 6-12 horas.
- Recém-nascidos:
< 1 semana: dose inicial de 15 mg/kg seguida de 10 mg/kg de
12 em 12 h.
1 semana ÷ 1 mês: dose inicial 15 mg /kg seguida de 10 mg/kg
de 8 em 8 h.
Colite pseudomembranosa:
- Per-os:
- dultos: 500 mg-2 g/dia repartido em intervalo de 6-8 h.
- Crianças: 40 mg/kg/dia repartido em intervalos de 6-8 h (não exceder 2
g/dia).
Profilaxia da endocardite em doentes alérgicos a penicilina:
- Endovenosa:
- dultos e Crianças > 27 k: 1 g em dose única, 1 h antes da intervenção
invasiva.
- Crianças < 27 k: 20 mg/kg em dose única, 1 h antes da intervenção
invasiva.
449
£ Contra-indicações:
Hipersensibilidade.
£ Precauções:
Disfunção renal (requer redução da dose).
Gravidez e lactação (segurança não estabelecida).
Alterações da audição.
Oclusão ou inflamação intestinal (aumenta a absorção sistémica quando
administrado per-os).
£ Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Ototoxicidade.
Hipotensão.
Náuseas, vómitos (per-os), mau hálito (per-os).
Nefrotoxicidade.
Exantema.
Leucopénia, eosinofilia.
Flebite no local de punção venosa.
Dores dorsais e cervicais.
Reacções de hipersensibilidade, incluindo anafilaxia, febre, arrepios,
superinfecção.
450
£ Interacções medicamentosas:
Pode causar efeitos oto e nefrotóxicos aditivos com aspirina,
aminogIicosidos, cicIosporina, cispIatínio, diuréticos de ansa.
£ Cuidados de Enfermagem:
Vigiar o aparecimento de sinais de infecção (sinais vitais, característica
das fezes, expectoração, urina e fezes; leucograma) no início e decurso da
terapêutica.
Vigiar cuidadosamente o local de punção endovenosa. A vancomicina
é irritante para os tecidos, provocando necrose e dor intensa quando há
extravasamento. Rodar os locais de infusão.
Vigiar sistematicamente a pressão arterial durante a infusão.
Avaliar a função do oitavo par craniano através de audiometria bem
como os níveis séricos de vancomicina antes e durante a terapêutica em
doentes com função renal no limiar mínimo ou com mais de 60 anos.
Vigiar diariamente o balanço hídrico e o peso. Urina turva ou rosada
pode ser sinal de nefrotoxicidade.
451
Observar sinais de superinfecção: língua escura, prurido ou corrimento vaginal,
fezes moles e de cheiro fétido.
Per-os:
As formas endovenosas podem ser diluídas em 30 ml de água para administração oral
ou por sonda nasogástrica. A solução resultante tem um sabor amargo e desagradável.
Estável durante 14 dias, quando refrigerado.
Vigiar função intestinal (ruídos hidro-aereos, frequência e consistência das fezes,
presença de sangue nas fezes) durante o decurso da terapêutica.
Infusão intermitente: diluir uma ampola de 500 mg em 10 ml de água estéril. Voltar a
diluir em 100-200 ml SF, D5% H2O, D10% H2O, ou solução de lactato de Ringer.
Estável durante 14 dias após reconstituição se refrigerado. Após a segunda diluição as
soluções são estáveis durante 96 horas, desde que refrigeradas.
Administrar durante 60 min. para minimizar os efeitos de tromboflebite, hipotensão.
Não administrar rapidamente ou em bólus.
Infusão contínua: Pode ser preparado para infusão contínua, diluindo 1-2 g num
volume suficiente para infundir durante 24 horas.
IncompatibiIidade em seringa: Heparina.
Adições incompatíveis: Amobarbital, cloranfenicol, clorotiazida, dexametasona,
heparina, meticilina, pentobarbital, secobarbital e varfarina.
452
(v·{v·inv
£ Grupo terapêutico:
£ Indicações terapêuticas: Profilaxia e tratamento de:
trombose venosa
embolismo pulmonar
fribrilhação auricular com embolia
tratamento do enfarte do miocérdio ( diminuição do risco de morte)
diminuição do risco de recidiva do enfarte do miocárdio
diminuição de risco de futuros acidentes tromboembólicos
prevenção da formação de trombos e de embolia pós-implante de próteses
valvulares
£ Acções: Ìnterfere com a síntese hepática dos factores de coagulção
dependentes da vitamina K
Efeitos terapêuticos: prevenção de fenómenos tromboembólicos
453
£ Contra - Indicações:
Gravidez
Hemorragia não controlada
Lesões expostas
Doença ulcerosa activa
Cirúrgias ou lesão crebral, oftalmológica ou de coluna vertebral recente
Doença hepática grave
Hipertensão não controlada
£ Precauções:
malignidade
doentes com antecedentes de úlceras ou de doença hepática
antecedentes de falta de colaboração
mulheres em idade fértil
£ Reacções adversas e feitos Iaterais:
GÌ ÷ náuseas, cólicas
Derm ÷ necrose dermatológica
Hemat ÷ hemorragia
Outros ÷ febre
£ Modo de administração: PO
£ Duração do tratamento médio:
454
(v·{inc
£Categoria Farmacoterapêutica: Anticoagulante
£Grupo FarmacoIógico:
£Indicações Terapêuticas: Profilaxia e tratamento de: trombose venosa,
embolismo pulmonar, fibrilação auricular com embolia. Tratamento do enfarte do
miocárdio, diminuição do risco de morte. Diminuição de risco de recidiva de
enfarte do miocárdio. Diminuição de risco de futuros acidentes tromboembólicos.
Prevenção da formação de trombos e de embolia após implante de próteses
valvulares.
£Formas Farmacêuticas disponíveis no mercado: Comprimidos
£PosoIogia e modo de administração (por indicação terapêutica):
PO, ÌV (adulto): 2,5-10 mg/dia durante 2-4 dias; depois fazer ajunte da posologia
diariamente com base nos resultados do tempo de protrombina ou na taxa
internacional normalizada (ÌNR). Ìniciar a terapêutica com doses baixas nos
doentes idosos ou debilitados (varia normalmente entre 2-10 mg/dia).
455
£Resumo do mecanismo de acção (Farmacodinâmica):
Ìnterfere com a síntese hepática dos factores de coagulação dependentes da
vitamina K (ÌÌ, VÌÌ, ÌX e X).
Efeitos terapêuticos: Prevenção dos acidentes tromboembólicos.
£Características Farmacocinéticas:
- Absorção: Bem absorvido pelo tracto GÌ após a administração oral
- Distribuição: Atravessa a placenta, mas não passa para o leite materno
- Ligação proteica: 99%
-Metabolismo e excreção: Metabolizado pelo fígado
-Semi-vida: 0,5-3 dias
£Interacções medicamentosas de maior reIevância:
Ermaco-fErmaco: abciximab, androgénios, cefamandol, cefoperazona,
cefotetano, hidrato de cloral, cloranfenicol, dissulfiram, fluconazol,
fluoroquinolonas metronidazol, plicamicina, trombolíticos, eptifibatide,
tirofiban, ticlopidina, sulfonamidas, quinidina, quinino, AÌNE's, valproato e
aspirina podem aumentar a resposta à varfarina e aumentar o risco de
hemorragia. Uso crónico de paracetamol pode aumentar o risco de
hemorragia. Álcool, barbitúricos, e contraceptivos orais que contêm
estrogénios podem diminuir a resposta anticoagulante da varfarina. Muitos
outros fármacos podem afectar actividade da varfarina.
456
Ermaco-produto natural: aumento do risco de hemorragia com dong quai, alho,
ginko biloba, matricária, pimenta-vermelha-de-caiena, gengibre. A eficácia da
varfarina pode ser diminuída pelo ginseng ou alfafa.
Ermaco-alimento: a ingestão de grandes quantidades de alimentos com alto teor
de vitamina K pode antagonizar o efeito anticoagulante da varfarina.
£Efeitos secundários:
- GI: náuseas, cólicas
- Derm: necrose dermatológica
- Hemat: hemorragia
-Outros: febre
£Contra-indicações: Gravidez, hemorragia não controlada, lesões expostas,
doença ulcerosa activa, cirurgias ou lesão cerebral, oftalmológica ou da coluna
vertebral recente, doença hepática grave, hipertensão não controlada.
£Advertências e precauções especiais de utiIização: Malignidade, doentes
com antecedentes de úlceras ou de doença hepática, antecedentes de falta de
colaboração, mulheres em idade fértil.
457
(cn[v{v.inv (1{c.o· \·
£ Grupo Fármaco - Terapêutico: Antidepressivo
£ Acção:
inibe a recaptação de serotonina e de noradrenalina no SNC
diminuição da sintomatologia depressiva
diminuição da ansiedade
£ Indicações Terapêuticas:
tratamento da doença depressiva grave, muitas vezes associada á psicoterapia
tratamento da ansiedade generalizada
£ Via de Administração e PosoIogia (Adultos):
Dose média diária por via Oral: 75 mg/dia, repartido em 2-3 doses, pode ser
aumentada até 75 mg/dia pelo menos de 4/4 dias até atingir 225 mg/dia. Não
exceder 375 mg/dia repartidos em 3 doses.
Deve ser administrada em conjunto com alimentos, em que os comprimidos
devem ser engolidos inteiros, sem esmagar, partir ou mastigar
458
£ Contra - Indicações:
Hipersensibilidade
Terapêutica em simultâneo com ÌMAO'S
£ Precauções:
Doença cardiovascular incluindo a hipertensão
Ìnsuficiência hepática
Função renal deficiente
Antecedentes de convulsões ou de insuficiência neurológica
Antecedentes de mania
Antecedentes de abuso de drogas
Gravidez, lactação ou crianças
£ Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
- Cefaleias, pensamentos pouco habituais, pesadelos, tonturas, ansiedade,
nervosismo, astenia, confusão, sonolência, agitação, despersonalização,
instabilidade emocional, agravamento da depressão, convulsões
- Distúrbios visuais, rinite, zumbidos
- Dor torácica, hipertensão, palpitações, taquicardia
459
- Anorexia, obstipação, diarreia, dispepsia, náuseas, boca seca, dores
abdominais, gosto alterado, vómitos, perda de peso
- Disfunções sexuais, retenção urinária, poliúria
- Equimoses, prurido, fotossensibilidade, erupção cutânea
- Parestesias, contracções musculares súbitas
- Bocejos, arrepios
£ Interacções Medicamentosas:
- O uso em simultâneo com outros IMAO'S pode provocar reacções fatais
- Não é recomendado o uso em simultâneo com o áIcooI ou outros
depressores do SNC incluindo os sedativos/hipnóticos, os antihistaminicos e
os anaIgésicos opiáceos nos doentes deprimidos
- O Iítio pode ter efeitos serotoninérgicos com a venlafaxina
- A cimetidina pode aumentar os efeitos da venlafaxina
460
£ Cuidados de Enfermagem:
Avaliar o estado mental e as mudanças de humor
Ìnformar o médico se o doente demonstrar um aumento significativo de
ansiedade, nervosismo ou insónia.
Avaliar e registar tendências suicidas e alterações de apetite
Observar valores laboratoriais
461
(cno{c·
£ Grupo Fármaco - Terapêutico: Anti-Anémico
£ Acção: O ferro é um mineral essencial encontrado na hemoglobina, mioglobina e
em várias enzimas ÷ prevenção e tratamento da deficiência de ferro.
£ Indicações terapêuticas:
Tratamento de deficiência funcional em ferro, durante a terapêutica com
eritropoietina.
Tratamento de deficiência em ferro ou em todas as situações que
necessitem de uma substituição rápida e segura de ferro: antes e após cirurgia em
doentes que necessitem de uma rápida reposição de ferro (autotransformações
sanguíneas), estadios finais da gravidez, doentes que não toleram ou não
respondem ao ferro oral, doentes com mal absorção ou não aderentes a
terapêutica com ferro oral.
Tratamento de deficiência em fero com artrite reumatóide.
£ Via de administração e PosoIogia: Endovenosa.
Posologia normal:
- AduItos e Idosos: 1 a 2 ampolas, 2 a 3 vezes por semana, dependendo do valor
da hemoglobina.
462
- Crianças: 0,15 ml/Kg de peso corporal/dia, 2 a 3 vezes por semana,
dependendo do valor da hemoglobina.
£ Contra-indicações:
Anemias não provocadas por deficiência em ferro.
Sobrecarga de ferro ou perturbações da utilização do ferro.
Hipersensibilidade conhecida aos complexos de ferro mono ou dissacáridos.
Cirrose hepática descompensada.
Hepatite infecciosa.
£ Precauções:
Perturbações auto-imunes e artrite (mais susceptível a reacções
alérgicas).
Doentes com insuficiência hepática grave.
Gravidez (não deve ser utilizado durante o primeiro trimestre de gravidez
devido ao risco teratogénico).
£ Reacções Adversas e Efeitos Secundários:
Sabor metálico, cefaleias, náuseas, vómitos e hipotensão.
Parestesias, queixas abdominais, dores musculares, febre, urticária,
rubor facial, edemas das extremidades e reacções anafilactóides.
Flebite e espasmos venosos no local da punção venosa.
Reacções anafilácticas.
463
£ Interacções medicamentosas:
Não deve ser administrado concomitantemente com preparações orais
de ferro, uma vez que a capacidade de absorção de ferro oral fica reduzida.
Portanto, a terapêutica oral com ferro deve ser iniciada pelo menos 5 dias após a
última injecção.
£ Cuidados de Enfermagem:
Deve ser administrado em infusão gota-a-gota, em injecção endovenosa
lenta ou directamente no braço venoso do dialisador.
Infusão: Gota-a-gota, com o objectivo de reduzir o risco de crises
hipotensivas.
O conteúdo de cada ampola deve ser diluído em 100 ml de NaCl a 0,9%,
imediatamente antes da infusão.
A solução deve ser administrada com a seguinte velocidade: 100ml em 15
min.; 200ml em 30 min.; 300 ml em 1,5 horas; 400 ml em 2,5 horas; 500 ml em 3,5
horas.
Injecção endovenosa: Lenta à velocidade de 1 ml de solução não diluída
por minuto, não ultrapassando 2 ampolas por injecção.
Depois da injecção, o braço deve ficar em extensão.
Injecção no diaIisador: Administrado directamente no braço venoso do
dialisador, segundo as mesmas condições da administração endovenosa.
464
465
\!·c¡
Indicações terapêuticas: Uma evacuação única do cólon para a preparação do
exame radiológico do tracto gastrointestinal, incluindo o exame colecistográfico e
para os métodos de duplo contraste, assim como para a preparação de exames
urológicos e cintigráficos, intervenções do cólon, como rectocopias e exames
citológicos do cólon
Contra - Indicações: doenças aguas do abdómen e obstruções intestinais
PosoIogia e Modo de administração: O X-Prep deve ser administrad a na
véspera do exame radiológico entre as 13h e as 15h. uma refeição ligeira e isenta
de gorduras, precederá a administração do X-Prep. Newnhum alimento sólido
deverá depois ser ingerido e depois das 22h, nem mesmo qualquer bebida. O
doente deverá estar atento ao facto de 5-8 horas após a administração do X-Prep,
se produzir a evacuação completa do intestino.
466
Precauções especiais de UtiIização: Este medicamento deve ser administrado
com precaução nos doentes portadores de doenças inflamatórias do intestino (
colite ulcerosa e/ou Doença de Crohn) e naqueles com sintomas abdominais não
diagnosticados.
Interacções medicamentosas: não estão descritas
Efeitos Indesejáveis: A tolerância do X-Prep é excelente. Como todos os
laxantes farmacologicamente activos, o X-Prep pode provocar meteorismo, cãibras
abdominais ligeiras, náuseas ou vómitos.
467
\vnv. (/[¡·v:o[vn
Grupo FarmacoIógico: Sedativos e Hipnóticos
Grupo Farmacoterapêutico: Psicofármacos ÷ Benzodiazepinas
Indicações Terapêuticas:
Tratamento de:
Ansiedade
Ansiedade-depressão associados
Pânico
PosoIogia e modo de administração:
Deve ser individualizada
Ìniciar com a dose mínima eficaz
Ansiedade
0,25 a 0,50mg 3x dia
Depressão
0,5mg 3x dia
468
Propriedades FarmacoIógicas:
- Mecanismo de acção:
Deprime o SNC, potenciando a acção do GABA (neurotransmissor inibitório)
÷ Efeitos terapêuticos:
Diminuição da ansiedade
Diminuição do síndrome de abstinência ao álcool
- Características Farmacocinéticas:
Absorção: bem absorvido oralmente
Distribuição: amplamente distribuído
atravessa a BHE
Ligação proteica: 97%
Metabolismo: metabolizado pelo fígado em compostos inactivos
- Interacções:
Depressores do SNC: efeito depressor aditivo
Cimetidina: diminui a absorção
469
Efeitos secundários:
SNC: tonturas, sonolência, letargia, cefaleias
GÌ: náuseas, vómitos, diarreia e obstipação
CV: taquicardia
ORL: visão turva
Contra-indicações:
Sensibilidade às benzodiazepinas
Ìnsuficiência hepática grave
Miastenia ravis na insuficiência respiratória
Síndrome de apneia do sono
Advertências e precauções especiais:
Dependência física e psiquica
Duração de tratamento o mais curta possível
Pode induzir amnésia anterógrada
Instruções de manipuIação e administração:
Tratamento deve ser o mais curto possível
Fazer desmame
Administrar com alimentos para evitar irritação GÌ
470
/nc.o. /nc.o.
471
!rincípio Activo Nome comercial Grupo Fármaco - Terapêutico
AAS --- Analgesico, Anti-piretico, Anti-coagulante
Acetilsalicilato lisina
Administracão directa; Diluicão 100cc SF
Aspegic Analgesico, Anti-piretico
Adrenalina --- Simpaticomimetico com accão cardiaca e vascular
Agua destilada --- Hidratante
Alparazolam Frontal, Tranquin, Alapraz, Altrox Ansiolitico
AminoIilina
Diluicão 100cc SF
AminoIilina Anti-asmatico, broncodilatador
Amiodarona
Diluicão 100cc Dx em H20
Amiodarona Anti-arritmico
Amisulpride Amitrex Anti-depressivo
Amitriptilina A.D.T, mutabon, tryptizol Anti-psicotico Tipico
Atropina --- Parassimpaticomimetico
Biperideno Akineton Anti-parkinsonico
Bromazepam Bromalex, Lexotan, Ultramidol Ansiolitico
Buspirona Ansienon, Ansitec, Bromopirim, Brozepax, Buspani, Buspar Ansiolitico
Butilescopolamina Buscopan Anti-espamodico
Captopril Capoten Anti-hipertensor (IECA)
Carbamazepina Tegretol Anti-convulsionante, anti-epileptico. Estabilizador do humor
CeIazolina
Diluente próprio
AnceI; KeIzol Antibiotico
CeIotaxima ClaIoran Antibiotico
472
CeIoxitina
(agitar e deixar Iicar solucão limpida adnministrar lento 3/5
min.)
MeIoxin Antibiotico (actua ligando-se a bacteria)
CeIradina
Diluir 10cc H
2
O destilada
Anspor; 'eloseI Antibiotico
CeItazidima
Diluente próprio
Fortaz, MagnaceI;TraziceI;trazadine Antibiotico
CeItriaxona
1gr diluente próprio
2gr diluir em 50c SF
Rocephin Antibiotico
CeIuroxima KerIurox;ZinaceI; CeItin Antibiotico
Ciamepromazina Tercian Anti-psicotico Tipico
CiproIlaxacina Cipro
Antibiotico Quinina inibe sintese DNA da
bacteria
Citrato sodio composto Microlax Laxante
Clomipramina AnaIranil Anti-depressivo (anti-obsessivo)
Clonazepam Rivotril-clonotril Ansiolitico
Clonixinato de lisina Algimate AINE
Clorpramazina Largatil, Largatrex Anti-psicotico tipico
Clozapina Leponex Anti-depressivo e Anti-psicotico Atipico
Diazepam
Diluir em 10cc de SF
Bialzepam, Gamibetal, Metamidol, Stesolid,
'alium
Ansiolitico, Sedativo
Digoxina
Diluir em 100cc de SF
Lanoxin Cardiotonico
473
DNI Flindix, Isoket 'asodilatador
Dobutamina --- Simpaticomimetico
Dopamina
Diluir em 50cc de SF
--- Simpaticominetico com accão cardiaca e vascular
Enalapril Enatia Anti-hipertensor (IECA)
Enoxiparina --- Anti-coagulante; Anti-trombotico
EtileIrina EIIortil Simpaticomimetico
Fenitoina --- Anti-convulsionante
Fenobarbital Ansiolitico de accão longa
Fentanil --- Analgesico; EstupeIaciente
FluIlenazina decanoato Anatensol decanoato Psicodepressor
Fluoxetina Fluoxetina, Digassim, Prozac Anti-depressor
Flurazepam MorIex Ansiolitico, Sedativo/hipnotico
Fraxiparina --- Anti-coagulante; Anti-trombotico; 'enotropico
Furosemida Lasix Diuretico da ansa
Gabapentina Neurontin Estabilizador do humor
Glibenclamida Daonil, Eugiucon Anti-diabetico oral
Gluconato de calcio
Diluir em 100cc de SF
Calmarum, dagravit D
Calcium,Sandocal
FluidiIicante, Antitussico, Expectorante; 'itaminas e Sais Minerais; Hidratante Calorico e Electrolitico
Glucose --- Hidratante calorico e electrolitico
Haloperidol Haloperidol, SerenelIi Anti-psicotico Tipico
Haloperidol decanoato Haloperidol, SerenelIi Anti-psicotico Tipico
Heparina --- Anti-coagulante; Anti-trombotico
Hidrocortisona Clorcortil, Daktacort Anti-inIeccioso; AINE
Hidroxido aluminio Amigalgrastrico, Betalgil, Di-gel Anti-acido
Hidroxizina
Diluir em 100cc de SF
Atarax Ansiolitico;utilizado tambem em alergologia, alcolismo,cardiologia
474
KCl
Diluir em 100cc SF
--- Correctivo do equilibrio hidroelectrolitico parenterico
Lactulose Laevolac Laxante (hiper-osmotico)
Lamotrigina Lamictal, Neurium Estabilizador do humor
Levomepromazina Nozinam Anti-psicotico Tipico
Levotiroxina Letter Hormona da Tiroide (Hipotiroidismo)
Litio carbonato Priadel Anti-depressivo, e Estabilizador Humor
Loperamida Imodium, Loperamina Anti-diarreico
Lorazepam Lorenin, Ansicor, Lodersal Sedativo/hipnotico, ansiolitico, anti-convulsionante
Mesalazina Claversal Anti-diarreico
Metamizol
Diluir em 100cc de SF
Nolotil Analgesico
Metilperona Bunil Anti-psicotico
Metoclopramida Primperan Anti-emetico; Anti-vertiginoso; Gastrocinetico
Metronizadol
Diluicão em 100 SF
Dumozol;Flagyl;Metroderme;rodermil ProIilaxia e Tartamento inIeccão por anaerobios
Mianserina Tolvon Anti-depressivo
Mirtazapina Remeron Anti-depressivo
Multivitaminas --- 'itaminas e sais minerais
MorIina
Diluir em 10cc de SF
----- Analgesico estuIaciente
NaCl --- Hidratante electrolitico
NiIedipina Adalat, NiIedate 'asodilatador
Olanzapina Zyprexa Anti-psicotico Atipico
Omeprazol Gasec, Losec Anti-acido e Anti-ulceroso
Oxazepam Serenal Sedativo/hipnotico (benzodiazepina), Ansiolitico
Paracetamol --- Analgesico, Antipiretico
Paroxetina Paxetil Anti-depressivo
475
Petidina
(actua no cerebro, alterando a percepcão
da dor liberta endoIirnas)
---
Analsegico Opiaceo
(uso e abuso cria dependência)
Prednisolona Anacal, Ciclobiotico, Lepicortinolo Glucocorticoide
Prometazina Fenergan Anti-psicotico
Quetiapina Seroquel Antipsicotico Atipico
Risperidona Risperdal Anti-psicotica Atipico
Setralina ZoloIt Anti-depressivo
SucralIato Ulcermin Anti-ulceroso
SulIato de magnesio
Diluir em 100cc de SF
'almin glucose, 'itrimix Dieta; Suplemento alimentar; Laxante; Anti-convulsionante
Tenoxicam
solucão diluicão+10cc SF
Tilcotil Anti-inIlamatorio
Tiamina
Cebion, Centru, Becozyme, Dodepar,
'arimine
'itamina, suplemento alimentar, estimulante do apetite,
analeptico, anti-anemico
Tiapride Tiapridal Anti-psicotico
Tiopental --- Ansiolitico de accão longa
Tioridazina Melleril Anti-psicotico Tipico
Tramadol
Diluir em 100cc de SF
Tramal Analgesico; Antipiretico
Trazodona Trazone, Triticun Ansiolitico
Trimipramida Surmontil Anti-depressivo
'alproato Sodio Depakine, Diplexil Anti-convulsionante, anti-epileptico. Estabilizador do humor
'ancomicina
Diluir em 10cc H
2
O destilada + 100cc de
SF
'ancocin Antibiotico (lento, excretada pelo rim, hipotensão;toxicidade)
'enlaIaxina EIexon Anti-depressivo
Ziprasidona Geodon Antipsicotico Atipico
Zolpidem Cymerion, Stilnox Ansiolitico
Zuclopentixol Cisordinal Anti-psicotico
476
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
477
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
478
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________________________

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful