P. 1
aula 2 CAUSAS DE AUMENTO e DIMINUIÇÃO DA TRANPARÊNCIA PULMONAR

aula 2 CAUSAS DE AUMENTO e DIMINUIÇÃO DA TRANPARÊNCIA PULMONAR

|Views: 2.045|Likes:

More info:

Published by: João Felipe Pinheiro Sales on Jun 07, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/26/2012

pdf

text

original

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Hospital Universitário Gafreé-Guinle

Fernando Fernandes 11º período

Causas de aumento da transparência pulmonar
1. Erro de técnica radiográfica 2. Redução da espessura das partes moles p. ex. mastectomia 3. Pneumotórax 4. Hiperinsuflação pulmonar  Asma  DPOC  bolhas  corpo estranho causando enfisema valvular

Sinais de hiperinsuflação pulmonar
1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. Mais que 10 arcos costais visíveis acima do diafragma Aumento da transparência pulmonar Diminuição do leito vascular Aplanamento do diafragma Aumento do diâmetro ântero-posterior do tórax Coração em gota Aumento dos espaços intercostais Bolhas parenquimatosas

Causas de diminuição da transparência pulmonar
1. Infiltrados:  Alveolares  Intersticiais 2. Atelectasias. 3. Nódulos (< 3-4cm). 4. Massas (> 3-4cm). 5. Opacidades pleurais:  Derrame pleural  Espessamento pleural  Calcificações pleurais  Massas

Sinais de atelectasia pulmonar
1. 2. 3. 4. 5. Deslocamento das cissuras em direção a lesão. Desvio do mediastino para o lado da lesão. Elevação do hemidiafrgma. Reduções do espaço intercostal. Hiperinsuflação compensatória do parênquima normal.

Se a doença não for diagnosticada. se o processo continua. Os organismos Gram negativos têm propensão a causar infecções pulmonares que necrosam o tecido pulmonar. Padrões de infiltrado intersticial pulmonar. A cura ou progressão depende da resistência do hospedeiro e da quantidade de bacilos inalados. 3. e o ar penetra dentro da cavidade. a massa caseosas aumenta e é liquefeita por digestão enzimática. até um linfonodo hilar. Tuberculose 1.  Reticular. Linfonodomegalia.  Reticulares: São opacidades lineares que borram a trama bronco – vascular.  A distribuição no parênquima é heterogênea. Se esta for maciça e aguda resultará em uma broncopneumonia tuberculosa difusa.  As imagens de hipotransparência no padrão nodular medem menos de 6 mm e têm contornos regulares. A lesão inicial é o foco de Ghon e precocemente existe disseminação do mycobacterium. mas estas só se tornam visíveis quando o conteúdo é parcialmente eliminado através de uma fístula brônquica. no lobo inferior. A expectoração do conteúdo da cavidade dispersa a infecção para outras partes do pulmão. 2. Geralmente é um evento precoce. Existem 3 causas que favorecem o desenvolvimento do abscesso:  aspiração de material infectado  infarto pulmonar por material séptico  infecção por organismo anaeróbio Comumente. O processo cicatriza com fibrose e sais de cálcio são depositados no material caseoso. derrame ou empiema caseoso. por aspiração. Abscesso pulmonar 1. mas agora está sendo visto em pacientes imunocomprometidos com tuberculose pós-primária. Tuberculose miliar. Uma cavidade que se rompe para pleura dará origem a um pneumotórax. O bacilo também pode ser levado centrifugamente para pleura onde pode causar um derrame seroso linfocítico. Deste ponto. Tuberculose pulmonar primária O microorganismo chega ao alvéolo em qualquer lugar do pulmão. existirá pouca diferença entre a lesão primária e a evolução da infecção pós-primária. . os abscessos formam cavidades múltiplas dentro de uma opacidade. formando o abscesso. através da circulação linfática. 2.  As imagens de hipotransparência no padrão retículo-nodular podem estar distribuídas em “aspecto de rede” ou não. 2. Alterações observadas na radiografia com imagem de infiltrado intersticial.Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Hospital Universitário Gafreé-Guinle Sinais de infiltrado intersticial pulmonar 1. Mais comumente em locais sub pleurais e bem ventilados. infecção linfática e envolvimento hilar é descrita como complexo primário. Esta combinação de foco de Ghon.  Nodular. A parede interna desta cavidade é lisa e a externa pode ser grossa ou não de acordo com a evolução: quanto mais tardia. mais fina a parede.  A evolução é lenta.  Retículo–nodular. Resulta da disseminação hematogênica após erosão de um vaso por uma lesão tuberculosa.

A cura leva à cicatrizes fibróticas. 4. e bronquiectasias. A falta de mudança num período de 18 meses ou mais é um forte ponto a favor de lesão benigna. haverá desvio da traquéia para o lado da lesão. e distorção broncovascular. A cavidade é coberta por tecido de granulação tuberculoso e é atravessada por restos de brônquio e vasos. Forma da lesão. Quando um nódulo é descoberto em paciente acima de 40 anos e fumante. tuberculomas e infecção fúngica. o carcinoma é a primeira hipótese. É um problema comum e geralmente as causas são:  carcinoma brônquico  tumor benigno. Se a imagem é perfeitamente esférica bem definida pode ser um hamartoma. Tuberculose pós-primária. Segue-se à infecção primária após um período latente. coalescem e cavitam. As cavitações são atapetadas por tecido colunar ou escamoso e são aptas a fazer infecção secundária ou serem colonizadas por fungos.Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Hospital Universitário Gafreé-Guinle Envolvimento de linfonodos pode obstruir brônquios por compressão externa ou por descarga de material caseoso dentro de sua luz causando um enfisema obstrutivo (hiperinsuflação pulmonar com vascularização diminuída). freqüentemente em lobos inferiores. mesmo que somente uma pequena porção seja mal definida o diagnóstico de carcinoma deve ser considerado. Como a cicatriz reduz o lobo. A Tomografia Computadorizada será de grande valor para verificar se existe calcificação e se ela está dentro ou fora da lesão. elevação do hilo. que pode ser longo ou curto ou ser por reativação ou reinfecção. A presença de calcificação é outra importante observação a ser feita já que os tumores malignos raramente calcificam. Cuidados na observação dos seguintes sinais podem ajudar a fazer o diagnóstico: Comparação com exames anteriores. que freqüentemente calcificam. irregulares e infiltrantes. sendo que o hamartoma é o mais comum  granuloma infeccioso. A dispersão de material tuberculoso das cavidades para outras partes do pulmão é igual a tuberculose primária e resultam em numerosas pequenas áreas de pneumonia caseosa. Os carcinomas têm contornos lobulados. O crescimento da lesão é um dado importante. Elas se estendem. Tumores do ápice são particularmente aptos a destruir o osso adjacente (tumor de Pancoast) . . todas as outras lesões são assintomáticas e a massa é vista num exame de rotina. 2. Envolvimento da parede adjacente. Tipicamente existe uma grande cavidade com várias pequenas cavidades em volta (satélites). Os carcinomas tendem a crescer rapidamente. tuberculoma ou granuloma fúngico  metástase  abscesso Com exceção do abscesso. Calcificação é comum nos hamartomas. Destruição de costela é virtualmente um diagnóstico de invasão por carcinoma. Freqüentemente é bilateral. Calcificação. As lesões pleurais cicatrizam com espessamento pleural e calcificação. mas mais avançada em um dos lados. Provavelmente não é um carcinoma se o paciente tem menos que 30 anos. um tuberculoma ou uma metástase. Nódulo pulmonar solitário 1. A lesão geralmente começa no ápice (lobo superior) ou no segmento apical do lobo inferior (Segmento 6) como pequenas áreas de inflamação exudativa (opacidade).

É virtualmente um diagnóstico de metástase. Tamanho. Outras lesões O restante da radiografia deve ser checado cuidadosamente. o ar vai ser visto dentro da massa. ocasionalmente pode ser visto com abscesso ou granulomas devidos a colagenose (vasculite). e o material é “drenado”. Lesão de mais de 4cm sem calcificação podem ser um tumor ou um abscesso. Não ocorre em tumores benignos ou em tuberculomas inativos. Se o centro da lesão sofre necrose. Múltiplas lesões. Um contorno interno irregular de uma cavitação favorece o diagnóstico de malignidade embora possa haver carcinomas com cavitações de contornos lisos. O ar é visto como imagem translúcida (negra) dentro da massa. Se acharmos uma segunda lesão. Esse ar freqüentemente é acompanhado de líquido e o nível hidroaéreo vai ser visto nas radiografias em posição ortostática. esta pode alterar as possibilidades do diagnóstico. A cavitação pode corresponder a um abscesso. relativamente comum nos tumores primários e ocasionalmente visto nas metástases.Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Hospital Universitário Gafreé-Guinle (continua) Cavitação. . O achado de uma metástase ou derrame pleural pode mudar completamente o tratamento do paciente.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->