1

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOMEDICINA

Líquido Sinovial

Formação - É produzido por diálise do plasma através da membrana sinovial (é um ultrafiltrado do plasma) e por secreção de um complexo de hialuronato-proteína, pela membrana sinovial. O hialuronato é um polímero formado por repetidas unidades de dissacarídeos (ac.glicurônico-glucosamina). Este polímero está ligado com cerca de 2% de proteínas. É provável que o hialuronato e a proteína sejam produzidos pelas células de revestimento sinovial. O líquido sinovial tem a mesma composição bioquímica do plasma. Função – Fornece nutrientes para as cartilagens e atua como lubrificante das faces articulares móveis. Volume – Normal de 0,1 a 2 mL, no joelho o volume pode chegar a 3,5 mL. As articulações podem ser aspiradas, desde que exista derrame, distúrbios articulares. Coleta – Artrocentese. Deve ser colhido em condições estéreis em frasco com heparina. O paciente deve estar de jejum no mínimo 6 horas, o ideal seria 12 horas, de forma a permitir um equilíbrio da glicose entre o plasma e o líquido sinovial.Deve ser colhida uma glicemia de jejum. O líquido sinovial pode fornecer informações úteis para o diagnóstico das seguintes situações: suspeita de infecção (artrite supurativa aguda), artrite devido a ácido úrico (gota) ou a pirofosfato de cálcio (pseudogota) e diagnóstico diferencial de artrite. Rotina de Líquido Sinovial - Sinoviograma Exame Físico Aspecto – límpido. Cor – amarelo citrino. Viscosidade – normal. Volume – variável (volume puncionado pelo médico é citado apenas como observação, não é usado nos cálculos). Aspecto – Límpido. Aspecto turvo ou ligeiramente turvo, juntamente com o aumento de leucócitos, devido à inflamação séptica ou não séptica. Líquido leitoso ou “Pseudoquiloso” pode ocorrer na artrite tuberculosa, artrite reumatóide crônica, artrite gotosa aguda ou no lupos eritematoso sistêmico. Obs: Citar a presença de coágulos. O líquido Sinovial, normalmente não se coagula, mas o proveniente das articulações comprometidas pode conter fibrinogênio e formar coágulos. Cor – Amarelo citrino, normalmente varia de transparente a amarelo claro, podendo escurecer nos processos inflamatórios. Cor esverdeada – Artrite séptica por H. influenzae, na artrite reumatóide crônica e nos episódios agudos de sinovite por cristais devido à gota e pseudogota. Cor hemorrágica – Pode ocorrer nos casos de fraturas através da superfície das articulações, no envolvimento tumoral da articulação, na artrite traumática, na artropatia neurogênica, na artrite hemofílica e na sinovite vilonodular pigmentada. Ocasionalmente o líquido hemático pode ser observado também na artrite séptica, na artrite reumatóide e na osteoartrite. A Punção traumática pode ser distinguida por quantidades diminuídas de sangue e medida que se continua a aspiração, presença de hemácias íntegras. Viscosidade – Normal. É normal formar um filamento entre 4 a 6 cm, se o filamento se quebrar antes de atingir 3 cm, viscosidade diminuída. A viscosidade relaciona-se fundamentalmente com a concentração e a polimerização do hialuronato do líquido sinovial. A diminuição pode ocorrer em uma ampla variedade de situações inflamatórias incluindo: artrite séptica, artrite gotosa e artrite reumática. Uma viscosidade diminuída pode ocorrer também se o hialuronato for diluído por um derrame rápido após trauma. Exame Químico Ácido Úrico < 7,0 mg/dL. Proteína < 3,0 g/dL. Glicose 60 a 99 mg/dL. Mucina (++++ /4+). Ácido Úrico - O teste é útil no diagnóstico da artrite gotosa. Em casos suspeitos de gota, em que a pesquisa de cristais de ácido úrico no líquido sinovial tenha sido negativa, o encontro de ácido úrico mais elevado no líquido sinovial do que no soro é sugestivo de gota. Em casos de artropatias degenerativas o nível no líquido sinovial é igual ao de soro. Proteína – Seletividade da menbrana sinovial. A inflamação causa aumento da permeabilidade da membrana sinovial, facilitando a passagem de grandes quantidades de proteínas.(Metodologia do Biureto). Glicose – mesma referência do plasma.

Profª Daniela Carneiro Vaz vazdc@hotmail.com

Editora Panamericana. classificado com razoável (+++/4+). e fazer esfregaço em lâmina. 18a ed. K. se forma numa solução turva e que se fragmenta quando agitado. Acético a 5% em placa de petri e 1 ml de líquido sinovial (colocando o líquido lentamente sobre o ácido). circundado por solução transparente. SP. agulhas e losangos. Contagem de leucócitos alta. temperatura ambiente com validade por tempo indeterminado).Neutrófilos. Gota – urato monossódico (agulhas-intra e extracelular). escuras e citoplasmáticas.> 25%. artrite reumatóide e lupos eritematoso sistêmico Grupo III – Infeccioso – Infecção microbiana Grupo IV – Artrite devido a Cristais – Gota e Pseudogota Grupo V – Hemorrágicos – lesão traumática e deficiências de coagulação BIBLIOGRAFIA: HENRY. acético glacial. Classificação do Líquido Sinovial Grupo I – Não inflamatório – distúrbios articulares degenerativos Grupo II – Inflamatório – problemas imunológicos. Manole. é classificado como muito mau (++ /4+) ou (+ /4+).2 Reação da Mucina ou Prova de Ropes ou Coágulo de Mucina – Reflete a polimerização do hialuronato do líquido sinovial. corado com corante hematológico ou observa-se a fresco. • Ausência de coágulo. com granulações pequenas. semelhantes a macrófagos. Cultura de fungos (15 dias). qsp 100ml de H2O destilada. Neutrófilo . Uroanálise e Fluídos Bilógicos. A diminuição da polimerização do hialuronato e coágulo de mucina anormal podem ocorrer numa ampla variedade de situações inflamatórias.S. Jonh B. Artrite associada com cristais de Apatita (pequenas agulhas – intra e extracelular). constituídas por fator reumatóide precipitado. • Coágulo macio. classificado como teste da mucina negativo. com predomínio de mononucleares linfócitos: inflamação não bacteriana. introduzidos durante cirurgia articular. Pseudogota – Pirofostafo de Cálcio dihidratado (bastonetes. Diagnósticos clínicos e tratamento por métodos laboratoriais. Cultura de bactérias (5 a 7 dias).Células da membrana sinovial. Técnica: 10 ml de Ác. indício de infecção bacteriana ou inflamação por cristais. com formas variáveis principalmente intracelulares). Cristais – Foram descritos 5 tipos de artrites induzidas por cristais. lembrando as células mesoteliais (é normal o aparecimento destas células). Pesquisa de cristais: Microscopia óptica de polarização compensada (exame a fresco) ou centrifugar o líquido sinovial e resuspender o sedimento com salina (2 vezes). Ragócitos . incluindo: artrite séptica.com . SUZAN. intra e extracelular). deixar em repouso por 10 minutos. que se forma numa solução ligeiramente turva. Teste da Mucina: Reagente: Ácido Acético a 5% (5 ml de Ác. artrite gotosa e artrite reumática. Exame Imunológico Fator reumatóide – negativo. Artrite crônica – cristais de talco. Profª Daniela Carneiro Vaz vazdc@hotmail.que se quebra. Exame citomicrobiológico Gram / Micológico Direto / Papanicolaou. Interpretação: • Coágulo firme. classificado como bom (++++ /4+). podem ser multinucleados. centrifugar e resuspender o sedimento com albumina bovina. • Coágulo friável. Exame microscópico Hemácias – 0 citometria (contar o número de células na câmara de neubauer) 3 Leucócitos < 200/mm Linfócitos < 35% Monócitos < 45% Neutrófilos < 10% citologia diferencial (diferenciar os leucócitos em lâmina corada) Sinoviócitos < 10% Ragócitos 0 Cristais ausentes Obs: Sinoviócitos . Sinovite aguda – causada pela infecção intra-articular de preparados cristalinos de corticosteróide (placas achatadas. pode ser observado na artrite reumatóide e inflamação imunológica.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful