P. 1
2571 Monografia Arte Circense Na Educacao Infantil

2571 Monografia Arte Circense Na Educacao Infantil

|Views: 2.640|Likes:
Publicado porCarlos Coelho
A ARTE CIRCENSE NO ENSINO INFANTIL: Reflexões
sobre uma proposta
A ARTE CIRCENSE NO ENSINO INFANTIL: Reflexões
sobre uma proposta

More info:

Categories:Types, School Work
Published by: Carlos Coelho on Jun 09, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial
Preço de Lista:$0.99 Comprar agora

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
See more
See less

05/14/2014

$0.99

USD

Sections

  • 1 UM BREVE HISTÓRICO:
  • 3 SOBRE AS MODALIDADES CIRCENSES NA ESCOLA
  • 4 COMPARTILHANDO UMA EXPERIÊNCIA
  • 4.1 A Creche
  • 4.2 As aulas:
  • 5 ATIVIDADES PROPOSTAS
  • 5.1 Acrobacias aéreas:
  • 5.1.1 Relatórios, considerações e comentários
  • 5.2 Acrobacias de Trampolinismo
  • 5.2.1 Relatórios, considerações e comentários
  • 5.3 Acrobacias de solo
  • 5.3.1Relatórios, considerações e comentários
  • 5.4 Manipulações de objetos
  • 5.4.1Relatórios, considerações e comentários
  • 6 A APRESENTAÇÃO DE FIM DE ANO
  • 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 8 REFERÊNCIAS

1

Lara Costa Dias


A ARTE CIRCENSE NO ENSINO INFANTIL: Reflexões
sobre uma proposta



Trabalho de Conclusão de Curso
apresentado à Faculdade de Educação Física
da Universidade estadual de Campinas para
obtenção do título de Licenciado em
Educação Física.





Orientadora: Profa. Dra. Elaine Prodócimo


Campinas
2009
2








FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA
BIBLIOTECA FEF - UNICAMP



Dias, Lara Costa.
D543a

Arte circense no ensino infantil: reflexões sobre uma proposta / Lara
Costa Dias. -- Campinas, SP: [s.n], 2009.


Orientador: Elaine Prodócimo.
Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Faculdade de
Educação Física, Universidade Estadual de Campinas.


1. Educação infantil. 2. Circo. 3. Educação Física escolar. I. Prodócimo,
Elaine. II. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação
Física. III. Título.



Título em inglês: The role of circus art in primary education: a perspective on an proposal.
Palavras-chave em inglês (Keywords): Elementary school; Cirsus; Physical Education for children .
Banca Examinadora: Elaine Prodocimo; Marco Antonio Coelho Bortoleto; Rodrigo Mallet Duprat.
Data da defesa: 29/06/2009.

3


LARA COSTA DIAS


A ARTE CIRCENSE NO ENSINO INFANTIL: Reflexões
sobre uma proposta

Este exemplar corresponde à redação final da
Monografia de graduação defendida por Lara
Costa Dias e aprovada pela comissão julgadora em
29/06/2009.


Profa. Elaine Prodócimo
Orientadora

Prof. Dr. Marco Antonio Coelho Bortoleto
Banca examinadora

Prof. Ms. Rodrigo Mallet Duprat
Banca examinadora

Campinas
2009
4

DEDICATÓRIA:




Figura 1- Alunos da Creche Monte Cristo vestidos de Palhaços na apresentação de fim de ano que aconteceu
na própria creche em 2008. Fonte: Fotos de professores

Dedico este trabalho a minha família e as
crianças da creche Monte Cristo da
Fundação Douglas Andreani com toda a
minha alegria e carinho.
5

AGRADECIMENTOS

Agradeço a minha mãe e ao meu pai por me colocarem no mundo, e me proporcionarem uma
educação divertida e suficiente pra que hoje eu conseguisse chegar aqui.
Agradeço também ao Nizar por ter caído do céu diretamente na nossa casa, e me colocado um
pouquinho mais próxima à Educação Física.
À Fernanda e ao Emmanuel, meus irmãos queridos que sempre me influenciaram e me
suportaram durante respectivamente 24 e 22 anos.
À Família Padrón por ter me dado o melhor dos presentes, o David, que além de me ajudar com
a tradução para o espanhol e correção do resumo, participou de algumas atividades com as
crianças no segundo semestre de 2008, e deu a mim e às crianças muita força, amor, alegria e
carinho.
Ao Agustín, que se prontificou a ajudar com a tradução do resumo deste trabalho para o inglês
com muita dedicação, carinho e atenção.
Ao pessoal que não come alho e cebola, o que veio a modificar também a minha dieta
contribuindo assim com uma melhor concentração da minha parte na execução deste trabalho,
além de todo o carinho e energia positiva que me passaram: Pintor, Jaya, Kamallini e Indranii.
A galera da república, e amigos que me ajudaram com poucos barulhos, algumas dúvidas de
formatação e muito carinho: Ruth, Thais, Julierme e Hugo.
Aos meus amigos Danilo e Daniel, que sempre me explicaram coisas do circo, com muita
paciência, além de me apresentarem a Convenção Brasileira de Malabares e por terem sido bons
amigos durante esses cinco anos de faculdade.
À Lucimar (diretora da creche), à Carol (coordenadora de atividades circenses) e a todas as
professoras e professores, funcionários e funcionárias, crianças e moradores que freqüentaram a
creche, por me fazerem acreditar um pouco mais nos valores humanos.
E, finalmente, à Elaine, que me adotou desde o início da minha graduação, por toda a paciência
que teve comigo nesses cinco anos de universidade e por me mostrar oportunidades de estudo e
trabalho.


6

DIAS, Lara Costa. Arte circense no Ensino Infantil: Reflexões sobre uma proposta. 2009. 104f.
Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação)-Faculdade de Educação Física. Universidade Estadual
de Campinas, Campinas, 2009.


RESUMO

Atualmente no Brasil e no mundo detectamos o aumento da procura, por parte dos pais, das mães
e das crianças, da possível inclusão das aulas de circo em escolas de Educação Formal e
Informal. Diante disso, percebemos a necessidade de analisar e aprofundar nossas reflexões
acadêmicas sobre a situação do binômio: circo-escola. Almejamos, portanto, localizar os pontos
mais relevantes (experiências de êxitos e de fracasso) da relação simbiótica do circo inserido nas
aulas de Educação Física, no contexto da escola de Ensino Formal da Fundação Douglas
Andreani. Dessa maneira, acreditamos que trabalhos que venham ampliar os conhecimentos
sobre este tema têm relevante importância no âmbito acadêmico da Educação da Física. Deste
modo o presente trabalho tem como finalidade aguçar essa discussão teórico-prática de aulas de
circo na Educação Formal, apresentando e analisando uma proposta real desenvolvida no ano de
2007 e 2008 na periferia da cidade de Campinas (Brasil). Nessa pesquisa estão expostas as
atividades voltadas para as crianças de cinco e seis anos de idade nas modalidades manipulação e
acrobacias. É apresentada, dessa maneira, uma reflexão com conteúdos tanto práticos como
teóricos sobre a importância da utilização dos jogos circenses e seus imprescindíveis cuidados e
recomendações para serem inseridos no currículo da Educação Física no Ensino Infantil.

Palavras chave: Educação Infantil, Circo, Educação Física escolar.








7

DIAS, Lara Costa. The role of Circus Art in Primary Education: A perspective on an proposal.
2009. 104f. Final year project (Graduation) -Faculty of Physical Education. State University of
Campinas (Brazil), 2009.


ABSTRACT

At present times, both in Brazil and abroad, parents and children increasingly demand the
inclusion of circus lessons in the formal and informal educational programmes of primary
schools. Taking this into consideration, I believe that there is a clearly-defined need of analyzing,
from a scientific point of view, the existing connections between circus and schooling. Therefore
I aspire to analyize the succesful and failed experiences in this field of the Douglas Andreani
Foundation and its Formal Education school, paying special attention to the role of circus
activities in physical education classes. I consider the research on this topic a focal point for the
academic sphere of physical education. The current essay aims to stimulate the practical and
theoretical discussion on the role of circus lessons in formal education, presenting and analyzing
a project carried out in 2007-2008 in the outskirts of the Brazilian city of Campinas. Throughout
this paper, I have analyzed the activities designed for 5 and 6 years old children in the area of
manipulation and acrobatics. Hence I present a reflection on the importance of the use of
circensian games, including practical and theoretical contents as well as recommendations for the
correct inclusion of these activities in the curricula of physical education classes in Elementary
School.


Key words: Elementary School, Circus, Physical Education for children.










8

DIAS, Lara Costa. El Arte circense en la Enseñanza Infantil: Reflexiónes sobre una propuesta.
2009. 104f. Trabajo de conclusión de curso (Grado)-Facultad de Educación Física. Universidad
Estatal de Campinas, 2009.


RESUMEN

Actualmente en Brasil y en el mundo detectamos un incipiente aumento de la demanda por parte
de los padres, madres, niños y niñas en relación a la posible inclusión de las clases de circo en
escuelas de Educación Formal e Informal. Ante este panorama percibimos la necesidad de
analizar y profundizar científicamente en torno al binomio: circo-escuela. Por tanto se aspira a
localizar los puntos más relevantes (experiencias de éxito y de fracaso) de la relación simbiótica
del circo incluido en las aulas de Educación Física, dentro del contexto de la escuela de
Enseñanza Formal de la Fundación Douglas Andreani. De esa manera, creemos que trabajos que
surjan para ampliar los conocimientos de ésta área temática, tienen una relevante importancia
dentro del ámbito académico de la Educación Física. El presente trabajo tiene como finalidad
acrecentar la citada discusión teorico-práctica en torno a las aulas de circo en la Educación
Formal, presentando y analizando una propuesta real desarrollada en el año 2007 y 2008 en la
periferia de la ciudad de Campinas (Brasil). En éste trabajo de investigación quedan expuestas las
actividades diseñadas para los niños y niñas de cinco y seis años, dentro de las modalidades de
manipulación y acrobacias. Se presenta por tanto, una reflexión con contenidos tanto prácticos
como teóricos sobre la importancia de la utilización de los juegos cirscenses y sus
imprescindibles cuidados y recomendaciones para que puedan ser incluidos en el curriculum de la
Educación Física de la Enseñanza Infantil.


Palabras clave: Educación Infantil, Circo, Educación Física escolar.






9

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 – Palhacinhos da apresentação de fim de ano ................................. 4
Figura 2 – Esquadro no tecido ..................................................................... 35
Figura 3 – Pose no tecido ............................................................................. 35
Figura 4 – Pose da sereia no tecido ............................................................... 35
Figura 5 – Balanço no trapézio .................................................................... 35
Figura 6 – Inventando no trapézio ............................................................... 35
Figura 7 – Em dupla no trapézio .................................................................. 35
Figura 8 – Esquadro ..................................................................................... 43
Figura 9 – Esquadro ...................................................................................... 43
Figura 10 – Sereia com auxílio ....................................................................... 45
Figura 11 – Sereia sem auxílio ........................................................................ 45
Figura 12 – Crianças na apresentação de fim de ano no mini-trampolim ....... 57
Figura 13 – Estrelinha ..................................................................................... 66
Figura 14 – Educativo para o mortal ............................................................... 66
Figura 15 – Espacato ....................................................................................... 66
Figura 16 – Ponte ............................................................................................ 66
Figura 17 – Bolinhas ....................................................................................... 88
Figura 18 – Tule .............................................................................................. 88
Figura 19 – Cigar Box ..................................................................................... 88
Figura 20 – Swing ........................................................................................... 88
Figura 21 – Cordas .......................................................................................... 88
Figura 22 – Apresentação do grupo convidado .............................................. 102
10

Figura 23 – Apresentador do “minicirco” ....................................................... 102
Figura 24 – Apresentação do núcleo ............................................................... 102
Figura 25 – Apresentação com professores .................................................... 102
Figura 26 – Apresentação dos palhacinhos ..................................................... 102
Figura 27 – Apresentação com perna de pau .................................................. 102
Figura 28 – Apresentação das bailarinas ......................................................... 103
Figura 29 – Apresentação das bailarinas e palhacinhos .................................. 103












11

LISTA DE QUADROS

Quadro 1 – Classificação adotada pela Escola Nacional de Circo da França ... 25
Quadro 2 – Classificação por modalidades circenses baseado no tamanho do
material .......................................................................................... 26
Quadro 3 – Classificação das modalidades circenses por unidades didático-
pedagógicas .................................................................................... 27
Quadro 4 – As modalidades circenses e as unidades didático-pedagógicas
que são possíveis de serem trabalhadas na creche ......................... 31
















12

LISTAS DE SIGLAS E ABREVIATURAS

FDA - Fundação Douglas Adreani
FEF - Faculdade de Educação Física
UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas
CNAC - Le Centre National des Arts du Cirque











13

SUMÁRIO

1 UM BREVE HISTÓRICO ...................................................................... 14
2 EDUCAÇÃO INFANTIL, EDUCAÇÃO FÍSICA E CIRCO ................ 18
3 SOBRE AS MODALIDADES CIRCENSES NA ESCOLA .................. 22
4 COMPARTILHANDO UMA EXPERIÊNCIA ...................................... 28
4.1 A Creche .................................................................................................. 28
4.2 As Aulas .................................................................................................. 29
5 ATIVIDADES PROPOSTAS ................................................................. 34
5.1 Acrobacias Aéreas ................................................................................... 34
5.1.1 Relatórios, considerações e comentários ................................................. 36
5.2 Acrobacias de trampolinismo .................................................................. 56
5.2.1 Relatórios, considerações e comentários ................................................. 58
5.3 Acrobacias de solo ................................................................................... 64
5.3.1 Relatórios, considerações e comentários ................................................. 66
5.4 Manipulações de objetos ......................................................................... 87
5.4.1 Relatórios, considerações e comentários ................................................. 89
6 A APRESENTAÇÃO DE FIM DE ANO ............................................... 101
7 CONSIDERAÇÕES FINAIS .................................................................. 104
8 REFERÊNCIAS ..................................................................................... 107



14

1 UM BREVE HISTÓRICO:

Acredito que o meu processo pessoal de conhecimento foi e está sendo construído por
meio de um diálogo entre o meu eu e tudo aquilo que de alguma forma passou por mim ao longo
de minha vida, e, em especial, nesses últimos cinco anos que tenho freqüentado a faculdade.
Minhas interações com meus colegas de classe, professores, família, amigos, trabalho,
enfim, todo mundo que girou em minha volta nesses vinte e quatro anos de vida com certeza
contribuiu para as minhas escolhas e decisões.
Acredito na grande influência dos professores que transformaram minha consciência de
senso comum em uma consciência de senso filosófico embora a vida em si e a interação com as
pessoas em geral me fizessem pensar em tudo aquilo que era proposto em sala de aula.
Desde 1998 venho trabalhando com recreação em todas as faixas etárias (infantil, adulto e
melhor idade). Quando entrei para a faculdade fui selecionada para trabalhar com recreação no
clube de um condomínio de Campinas. Assim, achei que a minha vida acadêmica iria girar em
torno do lazer, pois queria unir a minha realidade profissional com a realidade universitária.
Busquei fazer uma ponte entre o lazer estudado na universidade e as atividades que eram
propostas no meu trabalho. Trabalhei por três anos nesse condomínio com crianças de 3 a 12
anos; por ter trabalhado lá, fui indicada por um dos colegas e, em seguida, convidada para dar
oficinas de atividades circenses numa escola de educação infantil de ensino formal. Confesso que
fiquei surpresa com o convite por três motivos principais: primeiro, porque pensei que pudesse
ser desgastante demais trabalhar todos os dias com crianças; segundo, porque eu não tinha
experiência nenhuma com circo; e terceiro porque eu nunca havia trabalhado em uma escola.
Contudo, acabei aceitando esse desafio, tanto para conhecer o universo escolar, quanto para
entrar no universo do circo e ainda poder unir essas duas coisas.
No início, sentia-me esgotada, pois acabava empregando muita energia naquilo que eu
estava fazendo, e somente mais tarde é que fui entender que trabalhar em escola é bem diferente
de trabalhar com o lazer. Na escola há um vínculo maior entre professor e aluno, em que o
primeiro influencia e acompanha o crescimento do segundo, participando assim de uma boa parte
do seu desenvolvimento. Isso nem sempre ocorre no lazer, porque, dependendo de onde você
15

trabalha o ritmo das atividades é muito acelerado e as crianças se renovam o tempo todo, fazendo
com que as conheçamos muito pouco, às vezes somente por algumas horas e possivelmente não
voltamos mais a encontrá-las.
Quando cheguei à creche, nas primeiras semanas, fizemos reuniões e discutimos o que
seria proposto para as crianças. Começamos então a discutir que elementos nós poderíamos
trabalhar, até que um de nossos colegas nos apresentou a classificação das modalidades circenses
por unidades didático-pedagógicas, adaptado de Bortoleto e Machado (2003) e CNAC proposta
por Duprat (2007). Por fim, nossas aulas foram (e ainda são) montadas a partir da classificação
proposta por Duprat, juntamente com uma reflexão sobre a Educação Infantil. Desta forma,
comecei a procurar subsídios teóricos para embasar aquilo que propúnhamos na escola. Além do
planejamento anual e semanal, nós professores também discutíamos textos e apresentávamos
temas que eram vistos na faculdade, para serem debatidos, contribuindo assim para a melhoria do
nosso trabalho.
Com o passar do tempo, passei a me interessar por tudo o que era voltado para a escola e
para o circo, pelas matérias da licenciatura (como eu estava atuando em uma escola, a discussão
sobre a situação desta tornava-se mais coesa - comportamento de alunos, atuação de professores
em sala de aula, administração da escola, alimentação, política educacional, cultura e tudo aquilo
que diz respeito e é estudado em um curso de licenciatura) e pelas atividades circenses, por meio
das quais comecei a freqüentar grupos de treino, fazer aulas das modalidades que eu não
conhecia, a participar de convenções e a buscar uma teoria que embasasse as atividades circenses
no âmbito escolar. Enfim, assumi intensamente e com enorme disposição aquele trabalho porque
percebia claramente que as crianças daquele bairro, precisavam de carinho, atenção e disposição
especiais não só dos professores-moradores do bairro, mas também de pessoas que estivessem
fora da realidade delas e que pudessem apresentar para elas algo mágico e novo.
Embora muitas vezes tenha-me sentido piegas falando do meu trabalho, acredito que
acima de todas as teorias da educação deverá ser colocado sempre o amor e o respeito pelas
crianças, além do esforço contínuo para que os valores humanos façam parte do seu cotidiano.
Tenho certeza de que, se todos conseguissem amar de alguma forma aquilo que fazem, e o
fizessem não só pelo dinheiro, mas pelo contentamento em sentir-se fazendo a diferença na vida
das pessoas, ou pela satisfação em ajudar o outro e por isso mesmo tornar-se mais humano, ou
16

ainda por qualquer outro sentimento agradável e harmonioso que só os valores humanos nos
podem revelar, o mundo se tornaria um pouco mais perfeito e coerente.
Lembro-me de uma aula na disciplina de jogos, quando a professora nos explicou as redes
de interações e a teoria do caos, e em seguida levou-nos para a quadra Para que tentássemos fazer
triângulos eqüiláteros com uma pessoa em cada vértice sem que pudéssemos trocar idéias para
atingirmos tal objetivo. Demoramos muito tempo para que os triângulos ficassem prontos, e
quando todos os alunos estavam prontos a professora começava a movimentar algumas pessoas, o
que provocava a movimentação das demais, demonstrando assim, em uma menor escala, que de
alguma forma estamos conectados com o mundo todo, e que a atitude de cada um reflete em
atitudes maiores e estrondosas tanto nos ambientes em que escolhemos viver como até mesmo
em outros países. Terminada a atividade voltamos à sala de aula para fazermos uma reflexão, o
que nos levou a raciocinar sobre a importância de tomarmos atitudes fundamentadas em valores
humanitários, se desejamos aquele mundo perfeito e coerente de que falei anteriormente.
Suponho que, ao mesmo tempo em que apreendi valores de muitas pessoas do meu universo, da
minha teia de relacionamentos, estas mesmas pessoas também assimilaram de alguma forma os
meus valores, o que reforça a importância em querer ser exemplo para as crianças e para as
pessoas do meu universo, tomando atitudes pensadas e calcadas nos valores humanos.
Os valores humanos de acordo com Martinelli (2000, p. 16) são fundamentos morais e
espirituais da consciência humana que constituem “[...] o grande instrumento de aprimoramento e
o traço de união dos povos, sem distinção. Os valores promovem a verdadeira prosperidade do
homem, da nação e do mundo.”. Esses valores são: verdade, ação correta, amor, paz e não
violência.
Com o passar do tempo descobri que não eram somente as crianças da creche que
precisavam de mim, mas eu que precisava delas, principalmente para me desenvolver enquanto
pessoa, saindo de um senso comum e buscando uma consciência filosófica sobre a minha
realidade enquanto educadora.
Diante de toda esta experiência vivida e aqui relatada, surgiram-me alguns
questionamentos por meio dos quais decidi fazer esta pesquisa:
Seria o trabalho com aquelas crianças realmente proveitoso no sentido de contribuir para o
desenvolvimento da cultura corporal delas? Estaria atendendo às necessidades de diversão que as
17

crianças tanto anseiam nas aulas de atividades circenses e respeitando, assim, suas características
e interesses? O circo também foi trabalhado em sua especificidade?
Foi a partir destes questionamentos que surgiu a realização desse estudo, que tem como
objetivo responder a estes mesmos questionamentos descrevendo e analisando e refletindo sobre
uma proposta de atividades circenses realizadas na creche Monte Cristo de Educação Formal da
Fundação Douglas Andreani.























18

2 EDUCAÇÃO INFANTIL, EDUCAÇÃO FÍSICA E ATIVIDADES
CIRCENSES

A procura pela Educação Infantil tem aumentado muito, tendo em vista a crescente
urbanização, a maior participação das mulheres no mercado de trabalho e a transformação na
estrutura familiar, além da maior consciência da sociedade sobre a importância das experiências
na primeira infância (LIMA, 2002). Apesar de no estatuto da LDB, título VI, art.62, constar a
exigência de que a formação do profissional para atuar na Educação Infantil deva ser uma
formação em “nível superior, em curso de licenciatura, de graduação plena, em universidades e
institutos superiores de educação, admitida, como formação mínima para o exercício do
magistério na Educação Infantil [...]” (BRASIL, 1998, p. 39), a situação da Educação Infantil
ainda é precária, e os professores muitas vezes não possuem formação acadêmica adequada e,
portanto, não estão formalmente preparados para trabalhar com essa faixa etária.
É preciso na Educação Infantil tomar a “criança como ponto de partida” isto significa
pensar num currículo que contemple diferentes linguagens em suas múltiplas formas de
expressão, as quais se manifestam por meio da oralidade, gestualidade, leitura, escrita,
musicalidade “Estas formas de expressão, vividas e percebidas pelo brincar, representam a
totalidade do ‘ser criança’ e precisariam estar garantidas na organização curricular da sua
educação [...] e não enquadradas em áreas do conhecimento e alocadas em disciplinas” (SAYÃO,
1999, p. 234)
Afirma-se cada vez mais a idéia de que é importante na Educação Infantil, um professor
“completo”, que trabalhe com todas as áreas do conhecimento, mas muitas vezes, nas
universidades, vemos que os profissionais de licenciatura, saem especializados e, portanto, com
bagagem insuficiente para atuarem em todas aquelas áreas, surgindo então a necessidade de
dividir o tempo entre alguns profissionais, o que acaba acarretando uma disciplinarização desse
nível de ensino.
KISHIMOTO (1999, p. 73) completa este raciocínio quando nos trás que:
As múltiplas relações que podem ser estabelecidas em ambientes educativos nos quais
convivem crianças de faixas etárias diversas, juntamente com profissionais de várias
áreas, além de pais e membros da comunidade, constituem portas de entrada para a
construção do conhecimento que se processa quando se respeita a diversidade social e
19

cultural, a multiplicidade de manifestações da inteligência e a riqueza dos contatos com
personagens e situações.

Se por um lado, essa divisão pode tornar-se prejudicial porque a troca de um professor por
vários professores faz com que as crianças se sintam deslocadas e os professores se sintam fora
de contexto, por outro lado, se houver um entendimento entre os diferentes conteúdos das
diferentes disciplinas, entre o professor que acompanha o grupo durante todo dia e os professores
especialistas, ou seja, se for feito um trabalho realmente interdisciplinar, acredita-se que haverá
uma melhoria na Educação Infantil, tendo esta, uma ação mais completa na vida das crianças.
O profissional de Educação Física tem algumas responsabilidades com essa faixa etária.
Lopes (1997, p.12-13) escreve em sua dissertação de mestrado sobre a Educação Física na
Educação Infantil:
Pode-se afirmar, então, que a Educação Física na idade pré-escolar pretende educar o
domínio motor ou psicomotor (também assim chamado), permitindo a criança, segundo
Machado (1994), um comando inteligente de suas ações físicas. Isto significa que o
corpo é na criança, o elemento básico de contato com a realidade exterior (criança
ambiente), portanto, para que possa chegar às capacidades de análise e síntese de
representação mental, faz-se necessário que estas funções tenham sido realizadas
previamente, e de forma concreta, através da ação corporal, executando tarefas motoras
que visem desenvolver e refinar uma ampla variedade de habilidades fundamentais
progredindo de um estágio inicial, passando por um estágio elementar, para finalmente
atingir o estágio maduro.

Além de educar a ação corporal da criança, o profissional de Educação Física também
deve fazer com que a criança entenda a sua realidade, integrando assim a sua própria cultura ao
seu movimento corporal.
Lima (2002, p. 27) diz que a Educação Física, tem um valor precioso, uma vez que
proporciona a criança a chance de vivenciar “[...] diferentes formas de organização, da criação de
normas e formas de realizar tarefas e atividades, de descobrir maneiras variadas de cooperação e
participação nas mais diversas situações [...]” permitindo a modificação da criança e do seu meio
social.
O jogo é uma ferramenta da Educação Física importantíssima para a introdução da
atividade física na escola de Educação Infantil, devido ao seu caráter lúdico. Piaget (1932) expõe
que por meio dos jogos podemos perceber o desenvolvimento da inteligência e do pensamento
das crianças. Para isso, ele propõe uma classificação dos jogos em jogos de exercício, jogos
simbólicos e jogos com regras. Especificamente neste trabalho estamos falando do segundo
20

estágio, que é o jogo simbólico, em que a criança cria aquilo que deseja no momento em que ela
assim o queira, somente com pensamentos e imaginações.
Enfim, quando à inteligência motora se juntam a linguagem e a representação, o símbolo
torna-se objeto de pensamento. A criança que empurra uma caixa dizendo “ram-ram”
assimila, em sua imaginação, esse movimento àquele do automóvel: O símbolo lúdico
está definitivamente construído. (PIAGET, 1932, p. 28)

O circo entra no âmbito escolar justamente no que diz respeito ao jogo, e na Educação
Infantil especificamente, ao jogo simbólico/ dramático/ jogos teatrais e jogos historiados.
Bortoleto (2006) apresenta em seu artigo “Circo y educación física: los juegos circenses como
recurso pedagógico” que o jogo é um tema muito abordado por muitas disciplinas como a
matemática, a história, a filosofia entre outras e que, portanto, a importância do jogo para o ser
humano e para a cultura é mais que um consenso universal, afinal, ele supre a necessidade lúdica
e de socialização que possuem todos os animais incluindo os seres humanos, assim, o autor
conclui afirmando que as atividades lúdicas em geral e o jogo motor em particular, constituem
um conteúdo fundamental para o âmbito educativo, e que, além disso, transmitir todo esse
conhecimento a seus alunos é responsabilidade do educador físico. Bortoleto (2006. p. 15-16)
ainda completa:
En medio de este inmenso universo lúdico que abarcan los juegos, se encuentran los
denominados “juegos circenses”, es decir, situaciones ludomotrices adaptadas y/o
creadas en base a la motricidad típicamente circense. La puesta em práctica de estos
juegos pretende, en primer lugar, aprovechar el potencial lúdico y motivacional que
poseen estas situaciones para aproximar a los estudiantes al mundo del Circo, a
menudo marginado en el ámbito educativo, tal y como señalan Gaquiere (1992) y
Pitarch (2001, p. 56)

Ao contrário de algumas proposições teóricas que apresentam e justificam o jogo como
importado em si mesmo, neste trabalho atribuimos ao jogo a situação lúdica para introduzir,
acessar, discutir e vivenciar as atividades circenses na Educação Física.
A prática da atividade circense possui um grande valor sócio-cultural e está vivendo um
aumento expressivo do interesse da população nos últimos tempos. Esta prática trás consigo
valores cívicos, morais e educacionais de fundamental importância para a vida em comunidade e
para o desenvolvimento pessoal e social, respondendo, dessa forma, a estas grandes necessidades
da sociedade moderna. Além disso, trás consigo aquilo que as outras práticas trazem com menor
ênfase: possibilidade de uma educação artística, corporal, estética e de criação, fruto da liberdade,
autonomia e crítica artística. Enfim é uma possibilidade expressiva e comunicativa.
21

A sugestão desse trabalho é descrever e analisar uma proposta de atividades circenses que
foram ser levadas para uma escola de Educação Infantil, onde o circo tornou-se uma realidade na
vida das crianças, proporcionando assim uma experimentação de uma parte daquilo que é visto
nos espetáculos circenses, levando-se sempre em conta as capacidades de cada criança.
Dessa maneira, esta proposta pedagógica teve como objetivo permitir que os alunos
conhecessem as modalidades circenses e as vivenciassem, conhecessem os potenciais do seu
corpo, do corpo do seu colega e dos materiais utilizados, aprendessem a fazer materiais
alternativos, vivenciassem a experiência da alegria do circo e participassem da produção de um
pequeno espetáculo finalizando as atividades da escola, exibido para todas as crianças da escola e
respectivos familiares.
A experiência de trabalhar em uma creche da periferia de Campinas, aliada à forma como
propusemos as atividades e as constantes consultas aos autores estudiosos do circo e das
pedagogias circenses, formaram um rico material para este trabalho.










22

3 SOBRE AS MODALIDADES CIRCENSES NA ESCOLA

Claro (2007) apresenta em sua monografia de conclusão de curso que o circo tem certa
importância no patrimônio cultural e na manifestação da cultura corporal e que assim, devemos
apropriar-nos destes saberes em nossas aulas, pois o circo propiciará aos alunos condições de
compreender a arte circense em suas vidas da forma como lhes for adequado,
[...] seja desfrutando dos conhecimentos adquiridos como prática de lazer, desejando
aprofundar tais conhecimentos em busca da profissionalização nesta área, ou
simplesmente podendo assistir a espetáculos circenses de maneira mais crítica.
(CLARO, 2007, p. 21).

Assim ele considera relevante a sua abordagem na Educação Física escolar. Não se fala em
colocar a arte circense como único tema das aulas de Educação Física, mas da importância de
incluí-la no planejamento escolar.
Bortoleto (2006) traz, em seu trabalho, que a utilização dos jogos circenses, desperta
sensações e produz uma motricidade que ajuda no desenvolvimento de vários aspectos da
conduta humana, o que contribui de forma especial na formação humana de nossos alunos.
Durante o processo de ensino aprendizagem das atividades circenses, os alunos
desenvolvem diferentes aspectos pessoais como a sensibilidade na expressão corporal, a
cooperação, o desenvolvimento da criatividade, a melhora da auto-superação e a melhora da auto-
estima. Assim torna-se um excelente veículo condutor para uma Educação Física mais artística,
mais dedicada às atividades de expressão corporal (DUPRAT, 2007).
A partir de 1999, no meio acadêmico, no Brasil e mais especificamente na Faculdade de
Educação Física da Universidade Estadual de Campinas começam a aparecer estudos da
pedagogia do ensino das atividades circenses. Nos acervos da Unicamp temos estudos de Duprat
e Bortoleto que datam de 2003. A partir de então vários outros foram feitos direcionados para a
pedagogia das atividades circenses nestes últimos seis anos. São mais de 10 estudos entre
trabalhos de conclusão de curso
1
, artigos
2
, livro
3
e dissertações
4
parecendo existir uma relação

1
André Sabatino (2005), Daniela Helena Calça (2007), Marcio Parma (2007), Mariana Rodrigues Maekawa (2006),
Kizzy Fernandes Antualpa (2005), Rodrigo Mallet Duprat (2004), Thiago Sales (2007)
2
Marco Bortoleto (2003- 2008)
3
Marco Bortoleto (2008)
23

com o crescente interesse da mídia pelo circo (embora o relacionando, de maneira equivocada, à
busca pela beleza física, mostrando-o também como possibilidade de fuga da realidade na busca
de um mundo paralelo onde o impossível é relativizado). Entre estes estudos temos aqueles que
trazem o circo pensado no ambiente pedagógico e suas relações com a Educação Física, como é o
caso das monografias de Thiago Sales (2007), Márcio Parma (2007), Mariana Maekawa (2006),
André Sabatino (2005) e do Rodrigo Mallet Duprat (2004) que mais tarde é transformada em
dissertação no ano de 2007. Além desses, temos estudos que relacionam algumas modalidades
esportivas com o circo, como é o caso da monografia de Kizzy Fernandes Antualpa que aproxima
ginástica rítmica ao contorcionismo.
Em 2008 é lançado o livro Pedagogia das atividades circenses, que apresenta
possibilidades de aprendizado de varias modalidades circenses e possibilidades de atuação do
profissional na escola, o que veio a dar uma contribuição significativa para a base de acervos
desse tema.
Os estudos sobre o circo podem ter uma variação muito grande, uma vez que este tema é
relativamente novo no meio acadêmico. Alguns deles fornecem-nos uma base consistente para a
fundamentação deste trabalho, orientando-nos teoricamente sobre a importância das aulas de
circo no currículo escolar.
Encontramos nesses estudos três diferentes classificações das modalidades circenses. São
elas: a classificação adotada por Invernó em 2003, que é a classificação proposta pela escola
nacional de circo da França (QUADRO 1), a classificação das modalidades circenses baseadas no
tamanho do material, proposta por Bortoleto e Machado em 2003 (QUADRO 2) e a proposta de
uma classificação das modalidades circenses por unidades didático-pedagógicas, proposta por
Duprat em 2007 (QUADRO 3), a qual optamos por utilizar neste trabalho.
A Classificação adotada pela escola de circo da França, proposta por Invernó (2003, p.5)
traduzida por Duprat (2007, p.56), baseia-se na classificação realizada pelo CNAC da França.
A Classificação das modalidades circenses baseada no tamanho do material, proposta por
Bortoleto e Machado (2003), objetiva a “adequação” de cada modalidade nas aulas de Educação
Física. Desse modo, as modalidades que precisam de pouca infra-estrutura, utilizam materiais de

4
Rodrigo Mallet Duprat (2008)
24

tamanho pequeno, e as que não utilizam nenhum tipo de material, são as de mais fácil
aplicabilidade na escola.
Duprat (2008, p. 57) acrescenta em sua dissertação que:
[...] o papel fundamental da Educação Física escolar é proporcionar o contato das
crianças com as manifestações culturais existente no circo, em um nível de exigência
elementar, destacando as potencialidades expressivas e criativas, além dos aspectos
lúdicos dessa prática [...].

A Classificação das modalidades circenses por unidades didático- pedagógicas, proposta
por Duprat (2007), busca uma maior adequação do circo ao âmbito educativo, principalmente,
para o espaço das aulas curriculares de Educação Física. O autor propõe esta classificação
baseando-se nas outras duas classificações citadas acima. O foco dessa classificação são as ações
motoras gerais envolvidas.
Optamos pela classificação proposta por Duprat, pois esta classificação é a que mais
facilita o desenvolvimento teórico-prático dos conteúdos circenses pelo professor. Duprat (2008,
p. 58) acrescenta ainda: “Para tanto, as unidades didático pedagógicas funcionam como temas
organizadores que englobam determinadas capacidades físicas, habilidades motoras,
conhecimentos e expressão corporal”.
Isto significa que a escolha das modalidades a serem trabalhadas pelo professor com seus
alunos depende tanto da infra-estrutura da escola como dos materiais disponíveis e do número de
crianças que irão participar das atividades, além dos saberes dos professores e do tempo
disponível para este tipo de aula.

















25

Quadro1: Classificação proposta pelo CNAC (quadro adaptado de Invernó)

TÉCNICAS DE CIRCO
Equilíbrio Atividades
Aéreas
Acrobacia Manipulação Ator de circo
Sem acessórios:
Mão a mãos
(estático)
Com acessórios:
Bola
Argolas
Pernas de pau
Escadas
Monociclo
Percha
Rolo americano
Arame
Corda bamba

Quadrante: aéreo,
coreano
Cama elástica
Percha
Corda: lisa
simples, lisa
dupla, lisa tripla,
volante
Trapézio volante
Trapézio fixo
Trapézio
Washington
Argolas
Fitas
Tecidos
Aro

No solo sem
acessórios:
Contorcionismo
Mãos a mãos
(dinâmico)
Com acessórios:
Aro argolas
Escadas
Barra russa
Maca russa
Mastro ou pau
chinês
Prancha coreana
Prancha de salto
Trampolim
Bicicleta
Tumbling
elástico
Malabares
Laço
Devil stick (pau do
diabo)
Diabolo
Chicote
Clown
Jogos teatrais
Dança
Mímica
Mascara
Comedia
Dell’Arte
Bufão















26


Quadro2: Classificação das modalidades circenses baseada no tamanho do material
Modalidade com material de
tamanho grande
Trapézio (volante ou fixo); Báscula Russa; Mastro
chinês; Balança Russa.
Modalidades com material
de tamanho médio
Monociclo; Perna de Pau, Bolas de Equilibio; Tecido;
Corda vertical; Arame (funambulismo); Corda
Frouxa; Bicicletas Especiais(acrobáticas e/ou de
equilíbrios); Trampolim acrobático (cama elástica);
paradismo (mesa – Pulls), Balança coreana.
Modalidades com material
de tamanho pequeno
Malabares, Rolo Americano, Mágica e Faquirismo
(com material pequenos: moedas baralhos etc);
Pirofagia; Fantoches e Marionetes.
Modalidades sem material
(corporais)
Acrobacias: de chão (solo), Mão a mão (dupla), em
grupo.
Banquinas; Contorcionismo; equilibrismo corporal
individual: Paradista, verticalista (solo); Clown
(palhaço); mímica; Ilusionismo (sem a utilização de
instrumentos e/ou materiais); Ventríoloquo.
Fonte: BORTOLETO; MACHADO (2003, p. 61)








27



Quadro3: Classificação das modalidades circenses por unidades didático- pedagógicas
Unidades didático-
pedagógicas
Blocos temáticos Modalidades circenses


Acrobacias
Aéreas Trapézio Fixo; tecido; Lira; Corda
Solo/Equilíbrios
Acrobáticos
De chão (solo); Paradismo (chão e mão-
jotas); Poses Acrobáticas em duplas trios
e grupo
Trampolinismo Trampolim acrobático; Mini-tramp; Maca
Russa
Manipulações De objetos Malabarismo; Predigitação e pequenas
mágicas
Equilíbrios Funambulescos Perna de Pau; Monociclo; Arame; Corda
Bamba; Rolo Americano (rola-rola)
Encenação Expressão corporal Elementos das artes cênicas; Dança;
Mímica; Música.
Palhaço Diferentes técnicas e estilos
Fonte: DUPRAT (2007, p. 58)





28

4 COMPARTILHANDO UMA EXPERIÊNCIA

Neste capítulo faremos uma apresentação do espaço trabalhado (a escola) bem como
expor sobre a proposta que fizemos durante um ano e meio de trabalho, situando o leitor sobre as
modalidades circenses e apresentando os relatórios, comentários e considerações sobre algumas
das aulas que ministramos.

4.1 A Creche

A Fundação Douglas Andreani juntamente com a Secretaria Municipal de Educação
montou a Creche Monte Cristo localizada no bairro Monte Cristo em Campinas, SP, onde o
trabalho educacional é baseado na filosofia dos valores humanos.
A creche inicialmente foi montada para atender aproximadamente 300 crianças e hoje
conta com aproximadamente 700 crianças de três a seis anos de idade e alguns grupos de núcleo
(crianças maiores que seis anos, que estudaram na creche, e atualmente estudam na escola de
ensino fundamental por um período e no outro período passam o tempo na creche desenvolvendo
algumas atividades extracurriculares).
O trabalho com circo na creche inicialmente era feito somente pela “tia Geléia” (Carolina
Silveira Serra)
5
que era contratada pela Fundação para desenvolver atividades físicas com as
crianças, o trabalho da Carolina teve início em agosto de 2005. Mais tarde a creche foi procurada
pela UNICIRCO que é uma empresa do ator e empresário Marcos Frota, responsável por
desenvolver espetáculos circenses e desenvolver atividades circenses com crianças em núcleos
espalhados pela região de São Paulo, tudo isso era financiado pela Petrobrás por meio da lei
Rouanet no Ministério da Cultura. Entretanto, em julho de 2008 o projeto não conseguiu a
renovação no ministério devido a irregularidades dentro na empresa. Desta forma, quando
contávamos com a UNICIRCO o projeto cresceu. Inicialmente contávamos com nove professores

5
Houve autorização para expor os nomes dos professores, bem como o nome da creche.
Alguns professores decidiram ter um nome fantasioso, para ter maior atenção das crianças, outros, preferiram
manter seus nomes originais.
29

mais a coordenadora, divididos entre o período da manhã e da tarde. Com o passar do tempo,
quando o projeto não conseguiu renovação no Ministério da Cultura, e a escola não tinha
condições financeiras de sustentar o trabalho de dez funcionários, fomos em busca de novos
financiamentos e descobrimos um edital da Secretaria de Esportes da Prefeitura de Campinas que
financiava projetos esportivos para escolas e comunidades. Dessa forma, escrevemos um projeto
de Ginástica Geral (já que o circo não é encarado como modalidade esportiva), mas
continuaríamos utilizando o circo como elemento do nosso trabalho. Para a nossa surpresa o
projeto foi aprovado, e assim conseguimos dar continuidade aos trabalhos feitos na creche, no
segundo semestre de 2008, porém a verba destinada foi reduzida, e tivemos que diminuir a
quantidade de funcionários de dez para quatro.
As aulas não se modificaram em sua estrutura, porém, foram reduzidas algumas aulas das
crianças de maternal a infantil (elas tinham duas aulas na semana e passaram a ter somente uma
aula por semana).

4.2 As aulas:

As aulas de circo são propostas para todas as faixas etárias, desde o maternal até o pré,
porém neste trabalho procuramos direcionar o estudo somente às aulas das crianças de pré
(crianças de 5 e 6 anos), que compõem cinco turmas, havendo em cada turma cerca de vinte e
cinco crianças.
A equipe inicialmente contava com uma coordenadora, tia Geléia (Carolina Silveira Serra,
Professora de Educação Física, formada pela UNICAMP) e nove professores: a tia Chuchu (Lara
Costa Dias, aluna da graduação em Educação Física na UNICAMP), tio Escova (Márcio
Donizete - aluno da graduação em Educação Física da Metrocamp), tio João (João Batista
Zabotto - aluno da graduação em Educação Física na Metrocamp), Tia Cacau (Cláudia Otsuka de
Souza - aluna da graduação em Educação Física na Metrocamp) e tio Ninja (Luiz Augusto
Ramalho - aluno da graduação em Educação Física na UNICAMP) no período da manhã, e, no
período da tarde: tio Diogo (Diogo Mendes Veras Firme - aluno da graduação em Educação
Física na UNICAMP), tio Pedro (Pedro Pinheiro - aluno da graduação em Educação Física na
UNICAMP), tio Danilo (Danilo Aparecido Morales - aluno da graduação em Educação Física na
30

UNICAMP) e tio Macarrão (João Paulo Oliveira- aluno da graduação em Educação Física na
Metrocamp). Mais tarde quando a equipe se modificou, permaneceu a tia Geléia, tia Chuchu, tio
Pedro e entrou o tio Henrique (Henrique Marques Mendonça professor de Educação Física,
formado pela UNICAMP),
Todos os professores citados colaboraram de alguma forma para a criação de todas as
atividades propostas comentadas neste trabalho.
Os materiais utilizados são alguns materiais que a creche já possuía para as aulas de circo
ministradas pela tia Geléia e outros materiais foram comprados pela UNICIRCO quando o
projeto foi iniciado na creche.
Contamos assim com três tecidos acrobáticos, um trapézio, oito colchões sarneiges finos,
dois colchões gordos, um trampolim acrobático, dois mini-trampolins acrobáticos, bolinhas de
malabares, tules, cordas individuais, cordas grandes, fantasias, pernas de pau, pés de lata,
maquiagem para rosto, televisão, som e DVD. Contávamos também com os materiais de
papelaria que a creche disponibilizava (cartolinas, papel crepon, fita crepe, tesouras, papel sulfite
etc.).
As aulas para as turmas que são apresentadas neste trabalho (crianças de 5 e 6 anos), eram
ministradas por dois professores para aproximadamente vinte e cinco crianças e tinham duração
de trinta minutos, por duas vezes na semana. Sabemos que esta não é a realidade de todas as
creches já que estão em um processo de sucateamento de profissionais, devido a falta de verbas.
O sucateamento da educação é algo importante a ser considerado, uma vez que sabemos que a
educação é importantíssima para o desenvolvimento social da criança na comunidade, dessa
maneira se subestimamos a escola estamos de certa forma acabando com a formação social da
criança de forma institucionalizada e desacreditando na nossa formação enquanto educadores. É
importante ressaltar que a verba que o projeto recebe não é vinda da prefeitura e, portanto, os
profissionais não estão submetidos às cargas horárias que a prefeitura coloca e nem ao concurso
público.
Algumas vezes dividíamos a turma em dois grupos, e cada grupo ficava com um
professor por quinze minutos; em seguida os professores trocavam as turmas, e outras vezes
trabalhávamos os dois professores juntos com todas as vinte e cinco crianças, dependendo das
atividades propostas para a aula.
31

A divisão dos conteúdos das nossas aulas era baseada na proposta de classificação das
modalidades circenses por unidades didático-pedagógicas, proposta por Duprat em 2007 e já
apresentada (vide QUADRO 3). Selecionamos assim, os conteúdos com quais seria possível
trabalhar na creche, além disso, o bloco temático de equilíbrio acrobático foi inserido na unidade
equilíbrio (QUADRO 4). Como dividimos o trabalho por modalidades, preferimos trabalhar os
equilíbrios acrobáticos juntamente com equilíbrio, pois as acrobacias já estavam com muito
conteúdo.


Quadro 4: As modalidades circenses e as unidades didático-pedagógicas possíveis de serem
trabalhadas na creche.

Unidades didático-
pedagógicas
Blocos temáticos Modalidades circenses


Acrobacias
Aéreas Trapézio Fixo e tecido
Solo De chão (solo);
Paradismo (chão)
Trampolinismo Trampolim acrobático e Mini-tramp
Manipulações De objetos Malabarismo
Equilíbrios Funambulescos Perna de Pau e Corda Bamba;
Equilíbrios
Acrobáticos
Poses Acrobáticas em duplas, trios e
grupo
Encenação Expressão corporal Elementos das artes cênicas; Dança;
Mímica; Música.
Palhaço Diferentes técnicas e estilos

32

No inicio do ano letivo fizemos um planejamento anual, com o qual nos orientamos para
fazer a programação da semana. Geralmente trabalhávamos com dois conteúdos por aula,
fornecendo às crianças 15 minutos de atividades de manipulação e outros 15 minutos de
equilíbrio, porém algumas vezes utilizávamos uma aula inteira para abordar somente um
conteúdo, dependendo do grau de necessidade de tempo de aula para cada modalidade da unidade
temática.
Neste trabalho, porém, nos atentamos apenas para as atividades voltadas para as
acrobacias e os jogos de manipulação, visto que o trabalho ficaria muito extenso com todas as
atividades propostas.
As informações mais detalhadas sobre as modalidades que compuseram cada uma das
unidades didático-pedagógicas são encontradas nas seções 5.1; 5.2; 5.3 e 5.4 desse trabalho.
As atividades foram registradas por meio de relatórios elaborados pelos professores,
preenchidos antes e depois das atividades e algumas fotografias tiradas pelos próprios
professores.
Estes relatórios possuem um padrão que contém algumas informações como:
1- A especialidade na qual se refere à unidade didático-pedagógica que aquela atividade
trabalhará;
2- O tema que mostra a modalidade tratada em questão;
3- O objetivo que seria o que pretendermos ensinar naquela modalidade;
4- A descrição propriamente dita do que estará sendo proposto;
5- A discriminação dos materiais;
6- As observações que são incluídas ao final da semana quando as atividades já foram
executadas.
Estes relatórios além auxiliar neste trabalho, também registram todas as atividades
circenses que são praticadas com as crianças, facilitando assim a visualização para a execução
das atividades nas aulas, bem como a separação dos materiais que serão utilizados para cada aula.
Para facilitar a leitura e a apreensão do trabalho e privilegiar a visualização do processo
pedagógico concernente a cada uma das modalidades circenses abordadas, optamos por relatar as
aulas separadas por unidades temáticas que estarão dispostas inicialmente por um relato de
algumas considerações sobre a modalidade, depois, descrevemos as próprias atividades,
comentamos e ao final de cada unidade temática fazemos uma observação final. Optamos por
33

iniciar as unidades temáticas pelas acrobacias aéreas, depois, o trampolinismo, acrobacias de solo
e finalizamos com a manipulação de objetos.



















34

5 ATIVIDADES PROPOSTAS

5.1 Acrobacias aéreas:

Em busca da vertigem, da realização daquilo que parece impossível, encontramos os
acrobatas aéreos.
Bortoleto (2008) diz que as modalidades aéreas são aquelas que permitem espetáculos no
ar, sem contato direto ou duradouro com o solo.
As acrobacias aéreas são divididas em cinco modalidades por Duprat (2007). São elas:
tecido, trapézio, lira, corda indiana e acrobacias em duplas ou doble. Escolhemos para trabalhar
com nossas crianças somente o tecido e o trapézio, levando em consideração os materiais e
espaços que tínhamos disponíveis.
Discorreremos agora sobre a especificidade de cada um dos elementos das acrobacias
aéreas que foram utilizados nas aulas de circo da creche.
O tecido acrobático, de acordo com Duprat (2007 p. 65), possui cerca de 25 a 30 metros,
dobrado ao meio e preso a uma estrutura de altura variável deixando duas pontas soltas ao solo,
pelas quais “[...] o acrobata sobe e realiza a sua performance amarrando-se, enrolando-se,
girando, por meio de travas e nós. Essas travas e nós são ao mesmo tempo os truques e a
segurança presente na atividade.”

35


Figura 2 - Esquadro no tecido Figura 3 - Pose no tecido Figura 4 – Pose da sereia no tecido

Bortoleto (2008, p.138) esclarece em sua obra que,
Dos aparelhos aéreos mais tradicionais das artes circenses (trapézio e suas variações,
lira, bambu, corda indiana, argola olímpica etc), o tecido é um dos aparelhos de mais
fácil aprendizagem, sobretudo porque o material se molda ao corpo e se adapta de
acordo com as características do praticante. Já os outros aparelhos, como trapézio e a
lira, por exemplo, exigem que o corpo do praticante se molde ao aparelho, beneficiando,
portanto, os que têm mais flexibilidade e força.

O trapézio, para Bortoleto (2008), é constituído por uma barra e duas cordas amarradas a
sua extremidade, essas cordas são fixadas a uma estrutura, com uma abertura entre as cordas um
pouco maior na extremidade de cima que na de baixo, desenhando a figura geométrica de um
trapézio, para dar maior estabilidade durante a realização dos truques.

Figura 5 - Balanço no trapézio Figura 6 – Inventando no trapézio Figura 7 - Em dupla no trapézio
36

No trapézio fixo são realizadas algumas poses (figuras), quedas individuais e truques, e o
trapézio permanece estático, ou melhor, sem balanço (Bortoleto 2008).

5.1.1 Relatórios, considerações e comentários

Atividade: 1
Especialidade: Acrobacias aéreas
Tema:
Tecido acrobático.
Objetivo:
Atividades de ambientação com o aparelho explorando as sensações no tecido
de maneiras não convencionais. Enfoque em pendurar-se, balançar e inverter o corpo.
Descrição das atividades:
Foi contada a história da Dona Lagarta, que era uma lagarta gigante e que
adorava levar susto das crianças.
Depois disso é pedido silêncio para que as crianças escutem a Dona Lagarta
chegando.
Os professores pedem às crianças para se esconderem embaixo do tecido, para
que a Dona Lagarta os procure, e quando ela chega as crianças lhe dão um susto. (A
Dona Lagarta é a própria professora, que muda a voz depois que as crianças estão
escondidas). Depois disso a Dona Lagarta fala que no seu mundo existe um mar, onde
cada criança que entra vira um peixe bem bonito (neste momento o tecido é aberto no
chão e as crianças balançam fazendo ondas e a Dona Lagarta vai chamando um ou dois
de cada vez para entrar no mar e virar um peixe)
Depois, a Dona Lagarta começa a conversar com as crianças. Então ela conta
que no mundo dela todas as lagartas brincam com o tecido. Mas que para brincar no
tecido as crianças têm que ficar bem atentas, pois um monte de lagarta que não sabia a
regra para brincar no tecido acabou se machucando. (neste momento são faladas as
regras básicas do tecido: sempre uma criança por vez, quando um estiver fazendo todos
devem esperá-lo, só quando a professora pedir é que eles podem ficar em duas pessoas
no tecido)
37

A Dona Lagarta fala que em seu mundo existe a lagarta Tarzan, e diz que quem
quiser se transformar em lagarta Tarzan deve passar pendurado pelo tecido de um
colchão para o outro, sem cair no meio.
Também existe a lagarta do balacobaco, que é a lagarta que balança no tecido
(nessa hora as crianças devem ir e voltar de um colchão para o outro, penduradas, duas
vezes sem colocar o pé no chão).
E por ultimo existe a lagarta acrobática, que é a lagarta que consegue segurar o
tecido e virar de cabeça para baixo sem soltar o tecido (importantíssima a presença do
professor neste momento, para fazer a segurança).
Materiais:
3 tecidos, 6 colchões.
Comentários:
A atividade foi bem recebida pelas crianças. No começo todos ficaram com
medo da Dona Lagarta, mas na hora que eles perceberam que a voz era da professora
todos ficaram mais tranqüilos.
As crianças não tiveram muita dificuldade de se pendurar, porém na atividade
de virar de cabeça para baixo várias crianças soltavam as mãos, entretanto o professor
estava ao lado fazendo a segurança (segurando a mão delas junto ao tecido), pois se
elas soltassem o tecido, não cairiam de cabeça no chão. Neste momento foram usados
somente dois tecidos, para que os dois professores pudessem fazer a segurança.

Atividade: 2
Especialidade: Acrobacias aéreas
Tema:
Tecido acrobático.
Objetivo:
Exploração da trança, subir descer, balançar.
Descrição das atividades:
Retomamos a história da Dona Lagarta, porém trabalhando outros elementos.
A Dona Lagarta fala que os tecidos do mundo dela agora estão todos cheios de
nós, e que ela já tentou de todas as formas tirar os nós e não conseguiu.
38

Então ela fala para as crianças que elas precisam ajudá-la a descobrir como
fazer para brincar com o tecido cheio de nós (as crianças tentam ajudar a Dona Lagarta
a subir).
Neste momento aparece o senhor lagarto, que ajuda a Dona Lagarta a brincar
com o tecido daquele jeito (cheio de nós) e diz que ela teria que ajudá-lo a ensinar isso
para as crianças.
Então o seu lagarto, explica que para subir no tecido é necessário prestar
atenção nos degraus, pois aquele monte de nós era na verdade uma escadinha (neste
momento o lagarto mostra que só é possível subir de um lado da trança e faz com que
as crianças percebam isso).
Quando o seu lagarto vai subir no tecido ele pede a ajuda da Dona Lagarta, pede
para que ela segure embaixo da trança para que a trança fique durinha para ele poder
subir (neste momento é falado para as crianças que elas precisam ajudar umas as outras
como a Dona Lagarta com o seu lagarto).
Quando o seu lagarto sobe no tecido ele mostra que a Dona Lagarta pode
balançar sentada e em pé.
Sempre depois de uma explicação os professores deixam as crianças
experimentarem.
Materiais:
2 tecidos e 2 colchões.
Comentários:
Ao iniciarmos a aula pensamos em fazer uma trança bem baixa para que eles
não sentissem muito medo.
É muito importante que os professores estejam atentos e amparando ao lado das
crianças neste momento. Cada vez que uma criança vai subir na trança é preciso estar
por perto, pois muitas vezes eles usam de muita força nos braços e de repente não
conseguem subir, desistindo e soltando o tecido. Por mais que o tecido esteja baixo se a
criança cair de mau jeito pode se machucar bastante.
Também é importante que o professor fale para as crianças que é preciso manter
o corpo próximo ao tecido, pois quando eles afastam o corpo do tecido, deixando só as
mãos e os pés no mesmo, a subida fica dificultada, por falta de força. Se o corpo está
39

mais próximo ao tecido a força que a criança tem que fazer nos braços e pernas é
menor, viabilizando assim uma subida mais tranqüila.
As crianças adoram ajudar umas as outras, mas é imprescindível que os
professores fiquem atentos nesses ajudantes, pois eles esquecem que estão ajudando e
começam a balançar o tecido com a outra criança em cima.
Todas as crianças fizeram a atividade sem muito medo, já que estão
acostumadas com o balanço do parquinho da creche.
Sempre abaixo dos tecidos colocamos o colchão para a proteção das crianças se
eventualmente acontecer uma queda inesperada.

Atividade: 3
Especialidade: Acrobacias aéreas
Tema:
Tecido acrobático.
Objetivo:
Trava na axila.
Descrição das atividades:
Mais uma vez a Dona Lagarta e o seu lagarto vieram ensinar mais alguma coisa
para as crianças.
Eles falam que é o grande dia de se tornar super herói e sair voando por ai
(neste momento é feita a brincadeira do super herói, todas as crianças devem imitar os
professores fazendo o super herói – siga o mestre).
Depois disso eles falam que cada partezinha do nosso corpo que dobra pode nos
prender no tecido, então a Dona Lagarta mostra como deve ser feito, subindo no tecido
pela trança (relembrando a última aula de tecido, com o seu lagarto segurando a
escadinha para ela subir) sentando, colocando o tecido nas axilas e escorregando o
bumbum.
Depois disso o seu lagarto balança a Dona Lagarta como se ela voasse presa
pelos braços.
Materiais:
2 tecidos e 2 colchões.
40

Comentários:
As crianças ficam muito eufóricas quando se fala em super heróis,
principalmente os meninos.
As que estavam de camiseta regata reclamaram de dor nas axilas, o tecido
acabou queimando (pouco, mas o suficiente para ficar dolorido) suas axilas na hora de
escorregar
Também devemos alertar as crianças que elas precisam deixar o braço bem
“durinho”, pois quando elas deixam o braço “mole”, muitas vezes elas podem sofrer
uma hiperextensão do ombro podendo se machucar bastante.

Atividade: 4
Especialidade: Acrobacias aéreas
Tema:
Tecido acrobático.
Objetivo:
Poses e travas exploração diversificada, enfoque no casulo (com auxílio do
professor e dos colegas).
Descrição das atividades:
Sempre contamos com a presença da Dona Lagarta e do seu lagarto nas aulas de
tecido.
A Dona Lagarta fala para as crianças que ela estava se sentindo muito feia, que
queria ser mais bonita e colorida como uma borboleta.
Então ela fala que fez um curso de moda e que aprendeu a fazer algumas poses,
para ver se ficava mais bonita (neste momento a lagarta sobe no tecido e mostra as
poses para as crianças: em pé pisa em um dos lados do tecido apóia o corpo e solta uma
mão, segura o tecido no alto coloca um pé para frente flexionando um pouco a coluna).
Depois disso o seu lagarto aparece e diz a ela que ela pode virar uma borboleta,
mas que ela precisa aprender a fazer o seu casulo. Então o seu lagarto explica passo a
passo para que as crianças façam o casulo:
- Passo um: subir na trança;
- Passo dois: escolher um lado do tecido para segurar;
41

- Passo três: abrir o tecido que ficou sem ser segurado (neste momento o
professor ajuda);
- Passo quatro: encostar o bumbum no tecido que foi aberto e abrir o outro
tecido que ele esta segurando;
- Passo cinco: colocar os pés no tecido que está aberto na frente;
- Passo seis: sentar no tecido de trás com os pés no tecido da frente;
- Passo sete: fechar o casulo;
Depois de explicar todos esses passos, a Dona Lagarta finalmente consegue
fazer o casulo e virar borboleta e todas as crianças também.
Materiais:
2 tecidos e dois colchões.
Comentários:
É preciso ter muita atenção na hora em que as crianças farão as poses, pois eles
confiam demais no tecido, soltando-se facilmente.
Ao fazer o casulo é importante que na primeira vez seja feito o mais próximo do
chão possível, nas outras vezes a trança já pode ficar mais alta, porém quanto mais alto
o tecido maior o cuidado com as crianças.

Atividade: 5
Especialidade: Acrobacias aéreas
Tema:
Tecido acrobático.
Objetivo:
Enfoque no esquadro, retomar o casulo.
Descrição das atividades:
O seu lagarto aparece triste na aula, e a dona borboleta pergunta o motivo, ele
diz que era porque ele sabia fazer um monte de coisas no tecido, sabia subir na trança,
sabia fazer o casulo e virar borboleta, sabia fazer as poses, mas tinha uma coisa que ele
não conseguia fazer, que era virar de cabeça para baixo no tecido (esquadro). Ele sabia
que tinha algumas pessoas que sabiam, mas sempre que ele ia perguntar como é que se
42

fazia isso ninguém o ensinava só porque ele era um lagartinho feio e por isso ele estava
muito triste.
A dona borboleta então, fala para ele que depois que ela virou uma borboleta
bem bonita, o artista do circo ensinou para ela como que se fazia o esquadro. Que,
portanto ele deveria virar uma borboleta bem bonita e que depois disso, ela o ensinaria
a fazer o esquadro.
Então, o seu lagarto faz o casulo passo a passo mostrando para as crianças
relembrarem e cada criança passa pelo tecido para mostrar como se faz o casulo.
Depois de fazer o casulo e virar borboleta a dona borboleta fala para ele descer
do tecido e pergunta se todas as crianças também querem aprender a fazer o esquadro.
Neste momento começam os educativos fora do tecido:
- As crianças devem imitar os professores como um siga o mestre (neste
momento o professor faz movimentos que lembram o movimento carpado do esquadro,
tanto deitado como em pé, para as crianças sentirem o movimento que será trabalhado
de cabeça para baixo)
É hora de subir no tecido. Primeiro a Dona Lagarta explica passo a passo para o
Seu Borboleta:
Primeiro passo: Subir na trança
Segundo passo: sentar na trança como se fosse balançar
Terceiro passo: segurar o tecido com as duas mãos e escorregar o bumbum para
frente até que a trança fique na lombar (neste momento alertar para a criança que ela
precisa fazer força no braço para se sustentar).
Quarto passo: abrir as pernas e deixá-las num ângulo de noventa graus com o
tronco
Quinto passo: jogar o corpo para trás (deve-se pedir atenção para a criança não
fechar as pernas e sim mantê-las abertas).
Materiais:
2 tecidos e 6 colchões
Comentários:
O professor deve ficar o tempo todo ao lado da criança para fazer a segurança,
principalmente na hora do esquadro.
43

Ao fazê-lo as crianças costumam fechar as pernas. É importante que o professor
converse com elas e faça-lhes a segurança das suas costas enquanto elas viram de
cabeça para baixo, e depois de viradas é importante que o professor auxilie no
movimento de carpar, grifando que é esse movimento que as mantém seguras no
tecido. Se a criança não carpar o corpo ela pode cair facilmente.


Figura 8: Esquadro Figura 9: Esquadro

Atividade: 6
Especialidade: Acrobacias aéreas
Tema:
Tecido acrobático
Objetivo:
Iniciar a pose da sereia (trabalhar com educativos)
Descrição das atividades:
A dona borboleta aparece triste na aula. O Seu borboleta pergunta por que ela
esta tão triste, ela diz que é porque ela cansou de voar. Ela até gosta, mas é que ela
queria poder nadar no fundo do mar também. Ela diz que queria virar uma sereia de
verdade.
Então o Seu Borboleta dá uma idéia, ele fala que tem um pó mágico que ele
trouxe lá do mundo encantado do sítio do pica-pau amarelo, que transforma qualquer
coisa no que ele quiser, mas é por pouco tempo. Então ele pergunta para as crianças se
elas querem ser transformadas em sereias por uma hora. Se todos concordarem, ele
joga pó mágico em todo mundo.
44

Depois disso, as crianças fazem duas filas, uma em cada tecido.
Primeiro elas devem pendurar na grande alga (tecido) para passar para o outro
lado do oceano, para atingir o primeiro estagio da sereia.
Depois que todas as crianças passarem, eles terão que atingir o segundo passo
da sereia que é colocar os pés para cima segurando o tecido dividido ao meio, um em
cada mão.
O terceiro passo é tentar colocar os pés para cima e tentar prendê-lo no tecido
sem soltar as mãos. (os professores devem mostrar como fazer, e atentar para onde o
tecido deve ficar preso no pé, pois de cabeça para baixo é difícil de a criança
visualizar);
O quarto passo é fazer igual ao terceiro passo, porém adiciona-se colocar a
barriga para frente.
Materiais:
2 tecidos e 2 colchões
Comentários:
Nem todas as crianças conseguem fazer esse movimento, algumas nem
conseguem virar de cabeça para baixo, costumamos observar então as características
das crianças. Se elas estiverem com medo, ou inseguras, as deixamos ficarem no
primeiro passo até que se sintam bem para passar para o próximo.
É importante que os professores estejam perto o tempo todo (nunca deixe uma
criança sozinha no tecido) e que quando a criança vai fazer o movimento é necessário
que o professor segure seu punho junto ao tecido, pois elas costumam soltar o tecido
acreditando que estão presas.


45


Figura10: Sereia com auxílio Figura11: Sereia sem auxilio

Atividade: 7
Especialidade: Acrobacias aéreas
Tema:
Tecido acrobático.
Objetivo:
Iniciar subida sem trança.
Descrição das atividades:
Mostramos um vídeo de tecido acrobático que focalizava primeiramente a
subida no tecido.
Depois disso, fizemos uma conversa com as crianças sobre a importância de nos
prevenirmos contra acidentes no tecido, dizemos que as pessoas que treinam fazem isso
há muito tempo e que elas precisam de muita concentração e esforço, e, além disso, não
podem soltar o tecido “na hora em que bem quiserem”, porque podem cair no chão e se
machucar muito.
Falamos para eles que eles já são artistas porque eles já sabem se segurar, mas
que agora vão aprender a subir no tecido sem a escadinha (trança) e precisarão de mais
atenção ainda.
Inicialmente, então, fazemos um pega-pé, no qual as crianças fazem uma roda e
prendem no meio dos pés uma folha de jornal (inicialmente podem prender a folha de
jornal com o pé do modo que elas quiserem), a criança que está no meio, tenta pegar o
jornal das outras crianças também com o pé. A criança que tiver o jornal pego vai para
o meio da roda e vira o pegador.
46

Depois de um tempo os professores dão a dica de como prender melhor o jornal
nos pés (apertando o jornal com meio da sola de um pé contra o peito do outro pé).
Após o pega-pé as crianças são direcionadas ao tecido onde os professores
explicam os passos para a subida sem a trança:
Primeiro passo: juntar os dois tecidos e segurá-los com as duas mãos, o mais
alto possível;
Segundo passo: Abrir as duas pernas deixando o tecido no meio das duas;
Terceiro passo: pede para a criança escolher um pé
Quarto passo: juntamente com a força do braço puxando o tecido para subir, o
pé escolhido deve ser enrolado no tecido por fora (neste momento pode ser necessária
a demonstração do professor) e o outro pé deve prender o tecido como prendia o jornal
da brincadeira anterior
Quinto passo: segurar firme o tecido, afrouxar os pés e flexionar joelhos e
quadris, elevar o joelho até a barriga, prender os pés como prendíamos o jornal e
estender o joelho e quadris.
Materiais:
3 Tecidos e 3 colchões
Comentários:
Nesta faixa etária é bem difícil que as crianças consigam combinar todos os
elementos (flexão, extensão, posição do pé etc.).
Podemos fazer cada um dos elementos de cada vez, e depois tentar combiná-los
(isso pode ocupar várias aulas).
Em nossa experiência algumas crianças conseguiram subir bem no tecido,
outras não conseguiam nem terminar o quarto passo.
Mais uma vez, temos que respeitar as características pessoais. Uns precisam
fazer muitas vezes para conseguir chegar ao quarto passo. Então acabamos deixando
um tecido para que as crianças que já tentaram fizessem sozinhas (neste tecido fica a
professora da turma que costuma ajudar quando necessário pois, muitas vezes, quando
deixamos as crianças sem acompanhamento é comum que ocorra alguma briga)
Outra coisa importante é que na primeira vez que a criança vai fazer o
movimento é interessante, depois que ela enrolar o tecido na perna, que o professor
47

segure o tecido que está abaixo dos seus pés, para dar um apoio na subida nos
primeiros momentos.

Atividade: 8
Especialidade: Acrobacias aéreas
Tema:
Tecido acrobático.
Objetivo:
Trabalhar poses com o professor no Porto (amarrado ao tecido de cabeça para
baixo) (sereia e rolamentos).
Descrição das atividades:
Primeiramente retomamos a história da Dona Lagarta que virou dona borboleta
e seu companheiro, então falamos para as crianças nos mostrarem se elas sabem fazer a
sereia, e os rolamentos no tecido.
Depois disso, é falado para eles que além de fazer no tecido, existe outra forma
de fazer esses movimentos, que é com a ajuda do Seu Borboleta que fica no tecido
pendurado de cabeça para baixo no esquadro (lembramo-los que eles já conheciam esse
movimento).
Então a dona borboleta demonstra juntamente com o Seu Borboleta como os
movimentos devem ser feitos.
Depois disso cada criança experimenta uma vez a atividade no portô, e depois
deve ser encaminhada para usar o outro tecido vazio para brincar do que ela já sabe
(sem a trança e com a professora do lado, fazendo a subida, o rolamento frente, costas e
a sereia).
Materiais:
2 tecido e 2 colchões
Comentários:
É importantíssima a presença dos dois professores juntos (um no portô e outro
auxiliando a criança).
Muitas vezes quando eles fazem o rolamento frente e costas, eles têm certa
dificuldade de pegar o tempo de soltar a mão ao terminar o movimento, fazendo com
48

que aconteça uma hiper extensão do ombro, isso pode machucá-los muito. Por isso é
importante o auxílio dos professores fazendo a proteção tanto nos braços como nas
costas para que o movimento não passe do limite.
Este tipo de aula é possível de ser dado, porém as crianças esperam muito
tempo para chegar ao tecido, o que acaba ficando desmotivante, ou pode desencadear
conflitos e brigas entre os pares; outra alternativa é deixar outros materiais para que
eles brinquem enquanto esperam.
Geralmente nas nossas aulas trabalhamos mais de uma modalidade, metade da
aula é trabalhada uma modalidade e outra metade é trabalhada outra, para que as
crianças não fiquem muito tempo, paradas.

Atividade: 9
Especialidade: Acrobacias aéreas
Tema:
Tecido acrobático
Objetivo:
Movimentação e musicalidade
Descrição das atividades:
Inicialmente, tivemos uma conversa com as crianças sobre dança. Falamos que
a dona borboleta queria apresentar aquilo que ela tinha aprendido com o seu borboleta
sobre tecido para suas amigas, porém ela descobriu que não bastavam fazer os
movimentos, e que fazer movimentos, todos conseguimos fazer. Seria preciso então,
dançar com o tecido junto com uma música gostosa.
Depois disso é mostrado um vídeo de tecido acrobático, com uma música bem
bonita.
Após a amostra do vídeo, a dona borboleta apresenta para as crianças a
coreografia que ela montou com os movimentos que as crianças já haviam feito, e aí, é
hora das crianças montarem as suas coreografias.
Cada criança monta sua coreografia, experimenta, e na próxima aula apresenta
para os colegas.
Materiais:
49

2 tecidos e 2 colchões, som, CD, televisão e DVD
Comentários:
As crianças adoram música, então enquanto uns estavam montando a
coreografia no tecido, outros ficavam dançando no ritmo da música do lado de fora do
tecido, numa sala de 25 alunos, para que eles não ficassem esperando na fila,
apresentamos algumas alternativas.
É importante a presença do professor ao lado das crianças. Muitas vezes eles
esquecem como fazer o movimento, e o fazem sem perguntar para os professores. Se
estivermos perto da criança nesse momento podemos ajudá-las para não se
machucarem.

Atividade: 10
Especialidade: Acrobacias aéreas
Tema:
Trapézio
Objetivo:
Pendurar e balançar
Descrição das atividades:
Falamos para as crianças que o homem-aranha tinha um inimigo que fez uma
mágica que o deixou colado em um papel. Não bastasse isso, ele ainda rasgou o papel e
o escondeu na creche. Dissemos para as crianças que eles deveriam achar as partes do
homem-aranha para que a professora pudesse levá-lo ao mundo do desenho animado,
para poder transformá-lo em homem aranha novamente.
Cada vez que as crianças achavam uma parte do homem- aranha nós fazíamos
uma atividade,
São elas:
- balançar duas vezes nos balanços do parquinho.
- passar pelo trepa-trepa sem se soltar.
- segurar na barra e tentar encostar seus pés na barra (trapézio).
- balançar o trapézio pendurados pela mão.
Materiais:
50

Balanços e trepa-trepa do parquinho, trapézio e colchonete.
Comentários:
As crianças têm bastante facilidade de executar esses movimentos porque
brincam muito no parquinho, e, portanto estão acostumados a brincar de pendurar e
balançar, ou seja, esta brincadeira já faz parte do seu universo.

Atividade: 11
Especialidade: Acrobacias aéreas
Tema:
Trapézio
Objetivo:
Rolar entre os braços; morceguinho e como sentar-se no trapézio
Descrição das atividades:
Tivemos uma conversa com as crianças sobre o Batman, que ele era um super
herói muito legal, que sabia fazer um monte de coisas. Falamos que tínhamos um pano
mágico que transformava as crianças em Batmans e assim colocamos o pano mágico
em todos eles, e eles estavam prontos para fazer as atividades.
Primeiro falamos para eles que eles deveriam tentar ficar de cabeça para baixo
que nem o morcego, com os pés na barra.
Depois, falamos que eles deveriam virar a cambalhota do Batman, então o
professor demonstrava, lembrando a eles que eles já haviam feito o mesmo movimento
no tecido e assim era a vez deles de realizarem.
Na terceira etapa da aula, falamos que eles deveriam virar para colocar os pés
como na primeira etapa, porém agora colocando a parte de trás do joelho na barra e
pressioná-la, para poderem soltar suas mãos, depois de soltarem, a professora pede para
que as crianças segurem em uma das duas cordas e se puxem para sentar no trapézio.
Depois de cada explicação cada criança tentou fazer o movimento.
Materiais:
Colchão e trapézio
Comentários:
É importante que o professor fique do lado das crianças, quando elas estão
51

executando o movimento. A segurança é muito importante neste momento. Apesar de o
trapézio não estar pendurado muito alto, se as crianças caírem podem machucar-se
bastante.
Ao executarem o rolamento, é importante que o professor esteja junto e
auxiliando na virada, pois muitos não conseguem entender o movimento de puxar a
perna e jogar o corpo para trás, nessa hora o professor dá um apoio com suas mãos no
quadril da criança.
Quando as crianças soltam as mãos para ficarem de cabeça para baixo é
importante que o professor segure seus pés pressionando-os para baixo, pois muitas
vezes eles não conseguem se segurar pela curva do joelho.
Essa atividade geralmente acontece junto com alguma outra atividade para as
crianças não ficarem paradas. Geralmente dividimos a turma em dois grupos, um grupo
faz atividades no trapézio e outro faz outra atividade.

Atividade: 12
Especialidade: Acrobacias aéreas
Tema:
Trapézio
Objetivo:
Balanço sentado e em pé
Descrição das atividades:
Começamos a aula relembrando que eles tinham virado Batman na ultima aula,
e que agora eles já sabiam subir e sentar no trapézio.
Depois disso, falamos que o Batman gosta de aventuras e que além de subir ele
gosta de balançar bem alto.
Os professores então demonstram como se sobe no trapézio e como se faz para
balançá-lo (movimentos de pernas e tronco), depois, todas as crianças experimentam.
Num outro momento após as crianças balançarem, os professores demonstram o
movimento de balanço em pé, chamando atenção para os movimentos das pernas e
tronco novamente.
Em seguida todas as crianças experimentam executar a atividade.
52

Materiais:
Trapézio e colchões.
Comentários:
O trapézio é sempre colocado bem baixo. As crianças estão acostumadas com o
balanço do parque, portanto não tem muita dificuldade em balançar no trapézio. A
única dificuldade é fazer o trapézio entrar em movimento, eles demoram um tempo,
mas conseguem.
O professor deve ficar bem atento se as crianças estão realmente segurando as
cordas do trapézio reforçando constantemente que é preciso segurá-la bem firme.

Atividade: 13
Especialidade: Acrobacias
Tema:
Trapézio
Objetivo:
Subida na oitavinha, “ararinha” e saída com rolamento para frente
Descrição das atividades:
Inicialmente relembramos com as crianças do rolamento que fizemos quando
viramos o Batman, e que agora iríamos fazer essa cambalhota de um jeito diferente.
Ao invés de fazer o rolamento em baixo da barra, nós o fizemos passando nosso
corpo por cima dela. Houve assim a demonstração dos professores, e as crianças
passaram, uma a uma, tentando realizar o movimento.
Depois mostramos para as crianças a foto de uma arara pendurada em um
pedaço de pau. Explicamos que a arara subia na oitavinha (rolamento por cima da
barra), e depois ficava pendurada com os braços bem esticados segurando seu corpo em
cima da barra, e que se a arara dobrasse o braço ela iria se machucar muito. Neste
momento o professor demonstrou e as crianças tentaram subir na oitavinha e fazer o
mesmo que o professor.
Para finalizar o professor disse que a ararinha saía do trapézio de um jeito muito
divertido, fazendo a cambalhota para frente. Novamente o professor demonstrou desde
a subida na oitavinha, a ararinha e o rolamento para frente para sair do trapézio, e as
53

crianças tentaram novamente.
Materiais:
Trapézio e colchão.
Comentários:
Os professores devem ficar bem atentos, pois as crianças têm muita dificuldade
de entender o movimento de subida na oitavinha, muitas vezes o professor precisa dar
uma pequena ajuda para que a criança consiga fazer o movimento.
Além disso, eles têm pouca força no braço, é importante que o professor segure
seus quadris para ajudá-los na sustentação da ararinha.
O rolamento para frente é tranqüilo para as crianças executarem, mas também
precisamos ficar atentos.

Atividade: 14
Especialidade: Acrobacias aéreas
Tema:
Trapézio.
Objetivo:
Iniciar a pose da sereia.
Descrição das atividades:
Retomamos inicialmente a história do fundo do mar e da sereia.
Falamos com as crianças sobre a possibilidade de fazer a pose da sereia no
trapézio assim como ela era feita no tecido.
Pedimos então, para as crianças que sabiam fazer a sereia no tecido,
demonstrarem a sereia para as outras crianças lembrarem como ela era feita.
Assim as crianças que sabiam demonstravam, e as outras observavam e depois
tentavam executar.
Depois disso, levamos as crianças para o trapézio, alertando-as que o trapézio
era mais perigoso por estar mais longe do chão, além disso, se elas soltassem a mão
poderiam bater a cabeça na barra do trapézio. Em seguida demonstramos como seria
feita a sereia, e eles tentaram executá-la.
54

Materiais:
Trapézio, tecido e colchões.
Comentários:
É importante segurar a mão das crianças juntamente com a corda do trapézio,
pois elas tendem a soltar a mão quando estão de cabeça para baixo.
É necessário que os professores estejam a todo tempo ao lado das crianças e que
eles alertem-nas dos riscos do trapézio.
Manter o trapézio bem baixinho é uma alternativa que evita acidentes graves.

Atividade: 15
Especialidade: Acrobacias aéreas
Tema:
Trapézio.
Objetivo:
Poses livres, movimentação e musicalidade
Descrição das atividades:
Apresentamos para eles um DVD de uma apresentação de trapézio.
Enfatizamos a presença da música e do ritmo dos movimentos.
Falamos para eles que cada um deveria pensar em seus movimentos, que
colocaríamos a música e todos se apresentariam no trapézio.
Retomamos a idéia de fazer o movimento no ritmo da música e demos idéias de
poses para que eles as fizessem.
Materiais:
Som, DVD, TV, trapézio e colchões.
Comentários:
As crianças inicialmente estavam bem inibidas, então a professora demonstrou
como poderia ser feito e a maioria fez exatamente aquilo que foi demonstrado por ela,
alguns criaram coisas novas no meio daquilo que a professora fez e outros ainda
fizeram uma coisa bem diferente.
As crianças sentem muita dificuldade em fazer essa atividade, pois não estão
55

muito acostumados com a idéia do ritmo e com a possibilidade de se manifestarem
livremente, não seguindo um padrão determinado.


ACROBACIAS AÉREAS - Considerações Gerais

Ensinar acrobacias aéreas para as crianças de Educação Infantil não é tarefa fácil, uma vez
que as crianças nessa faixa etária estão conhecendo o seu corpo e ainda não adquiriram uma
bagagem mais consistente de movimentos.
Apresentar uma consciência corporal para as crianças é algo muito importante neste
momento. Além disso, é importante que os professores atentem as crianças para os perigos das
acrobacias aéreas todas algumas vezes antes de iniciar qualquer atividade dessa modalidade.
Apesar de realizarmos as atividades com a trança baixa no tecido, e com o trapézio
pendurado bem próximo ao solo, a atenção do professor no movimento das crianças e na
segurança deve ser redobrada. Uma falta de atenção pode acarretar uma queda, uma torção e
problemas graves para a saúde da criança.
De acordo com Bortoleto, algumas medidas devem ser tomadas todas as vezes que formos
iniciar as atividades no trapézio e no tecido, são elas:
- Verificação do aparelho e a vida útil das faixas, manilhas (suporte para prender o tecido
e trapézio) e das cordas que sustentam o tecido.
- Utilização de assessórios que garantam a proteção em caso de quedas. Em nossas aulas,
utilizamos somente colchões, pois tanto o tecido como o trapézio ficavam como já dissemos
anteriormente, próximos ao solo.
- Jamais permitir que a criança pule ou salte ao descer, mesmo que a altura seja de poucos
metros,“pois as vezes a noção de profundidade e altura pode ser confundida e gerar um acidente a
partir desta falha na percepção espacial” (BORTOLETO, 2008, p.173).
Geralmente, quando a criança vai fazer um movimento no tecido sem a trança, o professor
deverá segurar o punho da criança junto ao tecido evitando que a criança caia se ela
eventualmente perder a força durante o movimento. Também no trapézio, o professor deverá
apoiar as crianças, por tratar-se de uma acrobacia aérea que exige muita força. Ao subir no
56

trapézio, quando as crianças estão segurando a barra, devemos segurar as suas mãos juntamente
com a barra, evitando que elas soltem as mãos ou se machuquem se eventualmente perderem a
força.
Todas as atividades são pensadas de maneira a atrair a vontade da criança em praticá-la.
Algumas vezes contamos historinhas, outras vezes mostramos vídeos, levamos desenhos, sempre
variando e retomando algumas atividades e histórias para que as crianças se interessem pela
atividade que será proposta.
Sempre temos no grupo todos os tipos de criança, e principalmente quando tratamos das
acrobacias aéreas, existem muitas crianças com medo de altura. É importante assim, brincar com
o material, e fazer com que elas tenham certa liberdade com ele. Muitas vezes só com o professor
do lado, segurando as suas costas, ou apenas dando as mãos, as crianças já se sentem mais
seguras.
Sabemos que as acrobacias aéreas são atividades individuais, entretanto elas também
auxiliam no desenvolvimento motor da criança, ajudando no equilíbrio, coordenação de
movimentos e força, além de ajudar na superação do medo e na elevação da auto-estima. Dessa
maneira, uma forma que encontramos de sanar o “problema” da individualidade no tecido foi
proporcionar outras atividades concomitantemente a esta que não precisassem ser direcionada
pelos professores.
Embora reconheçamos o risco que as atividades no trapézio e tecido possam oferecer,
nossa experiência nos mostra que a criança tem suas capacidades físicas e psíquicas estimuladas
com este tipo de atividade, melhorando o equilíbrio motor, força, superando seus medos, e
aumentando cada vez mais a confiança e o respeito por si próprios e a consciência da sua própria
dignidade (capacidades estas que vêm sendo superficialmente resumidas e pronunciadas
diuturnamente como “auto-estima”) único caminho capaz de conduzir o indivíduo para que ele
adquira a verdadeira qualidade de cidadão e venha a ser um indivíduo pleno de direitos e
obrigações contribuindo para a transformação de um mundo melhor.

5.2 Acrobacias de Trampolinismo

As acrobacias de trampolinismo englobam algumas modalidades como: cama elástica,
báscula russa, maca russa, mini-trampolim entre outras.
57

Neste trabalho em específico utilizamos somente a cama elástica e o mini-trampolim,
devido a escassez dos outro materiais.
As acrobacias de trampolinismo, de acordo com Duprat (2007. p. 69), são “acrobacias que
possuem uma fase de vôo superior as fases de vôo da acrobacia de solo, devido a um implemento
que impulsiona os artistas a altura superiores, de três a oito metros”.
Duprat (2007) ainda acrescenta em sua dissertação de mestrado que a execução das
acrobacias nos aparelhos deve ter certa harmonia. Os artistas no salto podem executar saltos
mortais, duplos, até quádruplos mortais e piruetas das mais variadas.
Segundo o mesmo autor as aterrissagens podem acontecer na volta da acrobacia para o
próprio aparelho, como é o caso da cama elástica, ou para um colchão de aterrissagem, ou ainda
para as mãos de um portô.
Fi
gura 12 - Crianças na apresentação de fim de ano no mini-trampolim.
58


5.2.1 Relatórios, considerações e comentários

Atividade: 1
Especialidade: Acrobacias de trampolinismo
Tema:
Mini-trampolim e cama elástica.
Objetivo:
Enfoque em postura, passadas e saltos livres.
Descrição das atividades:
Mostramos um DVD com apresentação de trampolim acrobático. Depois da
apresentação, falamos sobre os saltos no trampolim e dos perigos que ele tinha.
Depois disso, deixamos que as crianças brincassem na cama elástica, porém
deveriam ter boa postura. Enfatizamos a postura dos acrobatas que vimos no DVD, e
pedimos para que eles, quando pulassem, fizessem como se fossem os acrobatas.
Explicamos a elas que o acrobata não pula com o corpo solto, como gelatina
(mole), mas sim com o corpo firme (durinho).
Deixamos também que saltassem livremente e explorassem deslocamentos
diversos na cama elástica (correr, rolar etc.)
Dividimos a sala em dois grupos: um grupo ficava nos dois mini-trampolins e o
outro ficava no trampolim acrobático (cama elástica)
Materiais:
Mini-trampolim, colchões e trampolim acrobático.
Comentários:
O trampolim acrobático utilizado foi aquele com proteção lateral. É importante
que seja explicado para as crianças pularem no centro da lona, pois elas podem
machucar-se nas beiradas de aço, mesmo com a proteção.
As crianças que ficam no mini-trampolim, também devem ser orientadas, assim,
usamos os dois mini-trampolins para que todas façam a atividade. É preciso ficar atento
a essas crianças, pois elas empurram os colegas para poderem fazer a atividade, se o
59

professor estiver ao lado, entretanto, ele pode organizá-las de tal forma que elas não
empurrem umas as outras.

Atividade: 2
Especialidade: Acrobacias de trampolinismo
Tema:
Mini-trampolim e cama elástica
Objetivo:
Saltos básicos ginásticos (grupado, carpado, afastado e estendido)
Descrição das atividades:
Falamos para as crianças que elas teriam uma visita de uma pessoa de um lugar
muito distante.
Assim, apareceu um E.T na creche. Seu nome era Etevaldo. Ele conversou com
as crianças explicando que no mundo dele as pessoas brincavam de uma forma
diferente no mini e no trampolim acrobático.
Assim o Etevaldo ensinou as crianças a brincarem do jeito dele, mas
demonstrando como elas deveriam fazer:
- primeiro ele demonstrou o salto estendido e as crianças tentaram fazer.
- depois ele fez o salto afastado
- depois ele fez o salto carpado
- por último fez o salto grupado.
A sala foi dividida em dois grupos, um grupo ficou no mini-trampolim e o outro
na cama elástica. Cada vez que seu Etevaldo fazia a atividade os grupos tentavam
imitar.
Depois disso, o grupo que estava no mini-trampolim foi para a cama elástica e
os que estavam na cama elástica foram para o trampolim.
Materiais:
Mini-trampolim, trampolim acrobático, colchões e fantasia do Etevaldo (outro
personagem criado pelos professores).
Comentários:
60

É importante enfatizar que os movimentos são feitos no ar e não quando a
criança aterrissar no solo ou na cama elástica, aterrissando com as pernas unidas.
A mesma atenção deve ser tomada como na atividade1.

Atividade: 3
Especialidade: Acrobacias de trampolinismo
Tema:
Cama elástica
Objetivo:
Enfoque em saltar no centro e brecar o salto
Descrição das atividades:
Os professores subiram na cama elástica e mostraram para as crianças como se
fazia para parar o movimento, flexionando as suas pernas e chamando a atenção das
crianças para as pernas flexionadas.
Os professores pediram para as crianças pularem no chão com as pernas
estendidas e com as pernas flexionadas.
Depois disso, é desenhado no centro da cama elástica um círculo (com giz de
lousa), e foi falado para as crianças que elas deveriam pular somente no meio do
circulo desenhado.
Cada criança então vivencia tanto pular no centro como tentar frear da forma
que o professor ensinou.
Materiais:
Cama elástica e giz de lousa.
Comentários:
É preciso enfatizar o tempo todo que a criança deve pular no meio do mini-
trampolim, pois muitas vezes eles esquecem e vão para as laterais.
Além disso, é importante chamar atenção para os movimentos de freiar, pois
eles têm bastante dificuldade de entendê-lo.

Atividade: 4
Especialidade: Acrobacias de trampolinismo
61

Tema:
Cama elástica
Objetivo:
Enfoque em saltar explorando diversos apoios (joelho, barriga, sentado e seis
apoios).
Descrição das atividades:
Os palhaços apareceram na creche, e disseram que os professores não iriam
aparecer por lá, pois eles tiveram que viajar. Então eram eles que dariam a aula.
Eles então começaram a conversar com as crianças e apresentarem esquetes.
Até que uma hora eles olharam para a cama elástica e perguntaram para as crianças se
elas sabiam saltar. As crianças demonstraram o que sabiam fazer e os palhaços, falaram
para elas que existiam outros jeitos diferentes de se pular na cama elástica. Eles
perguntaram para as crianças se elas queriam aprender, e elas disseram que sim. Então
eles começam a mostrar os saltos diferentes:
- Joelho
-Barriga
-Sentado
-Seis apoios
Depois de demonstrarem, entre cada salto as crianças entravam de uma em uma
na cama elástica para tentar fazer o movimento.
Materiais:
Cama elástica.
Comentários:
As crianças ficam fascinadas quando algum personagem aparece na creche.
Elas prestam muita atenção quando eles ensinam porque elas querem mostrar para eles
que elas conseguem fazer o movimento que eles estão propondo.
O problema maior da atividade são as crianças que ficam esperando na fila, para
tentar resolver essa questão enquanto um palhaço ficava na cama elástica orientando
uma criança, o outro fazia outra atividade com uma parte das crianças para elas não
ficarem paradas.
62


Atividade: 5
Especialidade: Acrobacias de trampolinismo
Tema:
Mini-trampolim
Objetivo:
Sincronização de movimentos
Descrição das atividades:
Iniciamos as atividades fazendo a brincadeira do espelho. Cada criança escolhe
um amigo e um fica de frente para o outro, e tudo que o outro fizer a criança tem que
fazer.
Depois de brincarmos de espelho com mímicas, brincamos de pular e correr em
duplas, as duplas tinham que fazer as atividades juntinhas.
Após esse momento, pedimos para que as crianças fizessem duas filas atrás dos
mini-trampolins que estavam um de frente para o outro, assim nós professores
demonstramos como deveria ser feita a atividade. Os primeiros de cada fila
combinariam um tipo de salto (grupado, carpado, afastado e estendido), assim eles
deveriam se comunicar de alguma forma para iniciar o movimento e deveriam fazer o
movimento sincronizado e fazer a aterrissagem no colchão ao mesmo tempo
Depois disso, colocamos os mini-trampolins um ao lado do outro, e as crianças
faziam a mesma coisa do exercício anterior, porém agora tinham que se comunicar de
lado.
Materiais:
Mini-trampolim e colchonete
Comentários:
A atividade sincronizada exige tempo e quantidade (repetidas vezes) para que
as crianças consigam exercê-la.
Uma alternativa é fazer com que elas façam primeiramente a atividade
sincronizada com o professor, para depois fazer com o colega.

Atividade: 6
63

Especialidade: Acrobacias de trampolinismo
Tema:
Cama elástica.
Objetivo:
Enfoque em seqüência de saltos
Descrição das atividades:
Relembramos com as crianças todos os tipos de saltos que elas já haviam feito.
Dividimos a sala em dois grupos, com um professor em cada grupo.
Explicamos para as crianças que elas teriam que montar uma seqüência de
movimentos, e que a cada salto elas deveriam executar um tipo diferente,
demonstrando previamente como queríamos que elas fizessem.
Dessa maneira, um grupo montou a seqüência de movimentos no mini-
trampolim, e o outro grupo na cama elástica.
Depois de montadas as coreografias, um grupo apresentou para o outro.
Materiais:
Mini-trampolim, cama elástica e colchões.
Comentários:
A atividade foi bem tranqüila. Todas as crianças participaram.
Colocamos música de fundo enquanto eles montavam a seqüência de
movimentos, e funcionou muito bem. Muitos deles pulavam no ritmo da música.


ACROBACIAS DE TRAMPOLINISMO - considerações gerais

As acrobacias de trampolinismo são muito esperadas pelas crianças. Acredito que esta
espera esteja relacionada com a ludicidade do trampolim acrobático (cama elástica), uma vez que
encontramos nos dias de hoje cama elástica até em festas infantis.
Justamente por ser um aparelho tão divertido aos olhos das crianças, devemos tomar
muito cuidado para que as nossas aulas não virem somente diversão sem conteúdos a serem
tratados.
64

É importante que as crianças tenham a consciência de que algumas atividades serão
desenvolvidas naquele aparelho, e que existe hora certa de brincar livremente e de brincar de
forma dirigida.
É importante, também, a presença do professor próximo às crianças quando estão
executando o movimento.
É importante que no trampolim acrobático, as crianças executem os saltos no centro do
trampolim, pois, ao pularem próximo às laterais, as crianças acabam sendo “jogadas para fora” do
trampolim, acarretando acidentes graves.
Além disso, é importante que o material seja observado antes de iniciarmos a aula,
evitando molas soltas (o que já aconteceu conosco diversas vezes) ou qualquer outro imprevisto.
No mini-trampolim, a presença do professor também é muito importante, evitando que as
crianças empurrem umas as outras na fila, atrapalhando quem está iniciando a corrida para o
salto.
Tentar perceber e executar um movimento no plano aéreo é uma experiência nova a qual
poucos têm possibilidades de conhecer. Essa experiência exige da criança um controle corporal
intenso, contribuindo assim para uma nova percepção de seu corpo. Além disso, o aprendizado
psicológico de superação de medo e a satisfação ao conseguirem executar tal movimento é
surpreendentemente interessante.

5.3 Acrobacias de solo

Duprat (2007) nos esclarece que as acrobacias de solo são semelhantes aos exercícios
ginásticos realizados no solo da Ginástica Artística, e que dependendo da região onde são
praticados recebem nomes diferentes. Fazem parte das acrobacias de solo: rolamentos, estrelas,
mortais, flic-flacs entre outros.
Segundo Bortoleto (2008) as acrobacias são uma combinação de saltos, rotações e
momentos de equilíbrio, e que o domínio desses elementos ajudaria na melhoria da performance
circense dos gestos acrobáticos. “O Acrobata deve aprender a saltar no solo, fazer parada de mão,
flic-flac, rodantes, falsetas, aprender a cair de maneira correta, saber o que pode ou não fazer. A
acrobacia é a base para o mundo do circo.” (MATTOS citado por BORTOLETO, 2008, p. 20)
65

Em especial, nesta escola, trabalhamos com rolamento frente, rolamento costas,
estrelinha, parada de mão, ponte e iniciação ao mortal. Falaremos agora um pouquinho sobre
cada um desses movimentos.
Popularmente conhecido como cambalhota, o rolamento frente é definido por Bortoleto
como “... uma acrobacia elementar de baixo impacto por manter o corpo próximo ao corpo e ser
executada sem grandes necessidades energéticas ou condições corporais [...]” (BORTOLETO,
2008, p. 20)
Popularmente conhecido como rolamento costas o rolamento para trás, pode também ser
considerado como uma acrobacia fundamental, pois inicia os praticantes para o espaço
“desconhecido” (sem visão). “Trata-se de uma rotação completa (360 graus) ao redor do eixo
transversal do corpo, com contato permanente no solo (sem vôo) cujo momento mais importante
é a passagem do corpo sobre a região cervical.” (BORTOLETO, 2008. p. 22).
A parada de mãos desenvolve principalmente o equilíbrio estático, reconhecimento da
posição invertida do corpo e é uma excelente atividade para ganho de consciência e tonicidade
corporal (tônus contraído).
A estrela é denominada como apoio invertido lateral passageiro. A concentração do
indivíduo nessa acrobacia, mais que as acrobacias citadas acima, faz-se necessária, pois, por estar
executando o movimento lateralmente, geralmente há um déficit na visão e no equilíbrio do
acrobata.
A ponte para trás exige flexibilidade de ombro e de coluna, geralmente esse exercício não
exige impulso algum. Bortoleto (2008) fala que as exigências desse movimento aliado à lentidão
do mesmo, auxiliam no melhoramento do domínio corporal e ajudam no alongamento das
articulações envolvidas.
O mortal é um dos elementos mais complexos e perigosos da ginástica, dessa maneira
trabalhamos na creche somente com atividades de giro no ar, sem entrar especificamente no
mortal.

66


Figura 13 - Estrelinha. Figura 14 - Educativo para o mortal.


Figura 15 - Espacato. Figura 16 - Ponte.


5.3.1Relatórios, considerações e comentários

Atividade: 1
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Rolamentos
67

Objetivo:
Enfoque nas explorações de diferentes maneiras de rolar e rolamento frente
Descrição das atividades:
Começamos contando a história da dona lesma:
Ela era uma lesminha que não conseguia sair do lugar, demorava horas para
chegar às festas para as quais era convidada. Os animais da floresta já estavam
cansados de sempre ter que esperar a dona lesminha.
Um belo dia a dona joaninha convidou a dona lesma para ser madrinha do
casamento dela. A dona lesma levou 10 dias pra arrumar seu cabelo, 30 dias para tomar
banho, 40 dias para vestir sua roupa. Assim quando ela chegou ao casamento da dona
joaninha, a mesma já tinha ido e voltado da lua de mel. A dona lesma ficou
decepcionada com ela mesma. Como ela se atrasou tanto para ir ao casamento da sua
melhor amiga?
Depois disso, a dona lesma começou a negar os convites de todos os animais
que a convidavam para as festas. Não queria mais ir a festas, e começou a ficar triste,
muito triste.
Neste momento a professora fala que conheceu a dona lesminha e que decidiu
ajudá-la. Mas que ia precisar da ajuda das crianças.
Depois de as crianças concordarem em ajudar a dona lesminha, é hora da
experimentação.
Muitos colchões foram colocados para que as crianças criem formas da dona
lesminha não se atrasar mais, lembrando que teriam que ser formas que não usassem os
braços e as pernas, pois a dona lesminha não tinha nenhum dos dois.
Neste momento é dada uma experimentação livre, para as crianças descobrirem
a melhor forma de se locomover.
Depois disso reunimos todas as crianças e cada uma sugeriu o jeito que achava
mais fácil de a dona lesminha se movimentar, enquanto as demais tentavam fazer o
movimento imitando-a.
Depois disso todos falam quais eram os movimentos que ajudariam mais a dona
lesma.
Materiais:
68

Colchões
Comentários:
Às vezes é importante que as crianças tenham momentos livres para a criação
do movimento, isso também faz parte de seus processos de aprendizagem. Muitas
vezes as deixamos criarem coreografias e atividades com os materiais, e aceitamos as
suas opiniões, pois isto é importante para o seu desenvolvimento social, sendo
interessante para a criança que suas idéias também sejam aceitas pelo grupo.
Esta aula foi uma aula que deu certo com a maioria dos grupos.
Em algumas turmas os professores também ficavam criando maneiras diferentes
para estimular as crianças. A presença do professor fazendo a atividade livre
juntamente com as crianças estimula muito a participação delas.
Se o professor não participa do momento livre e fica só observando as crianças,
muitas delas ficam acanhadas e não desenvolvem na aula.

Atividade: 2
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Rolamentos.
Objetivo:
Enfoque no rolamento frente, diversificar planos e formas de rolar de frente.
Descrição das atividades:
Utilizando aquilo que foi dado na aula anterior, falamos com as crianças que
uma das formas que descobrimos de fazer a dona lesminha andar mais rápido na sua
vida é fazendo o rolamento frente.
Colocamos assim um colchão no meio da roda, e falamos para eles que o
rolamento frente, poderia ser feito de duas maneiras: com as pernas abertas e com as
pernas fechadas e que era importante prestar atenção em alguns detalhes para não
machucar:
- Passar cola no queixo para proteger o pescoço;
- Empurrar o chão com as mãos para também proteger o pescoço;
- o movimento deve ser feito com as pernas fechadas, então, passar cola no
69

meio das pernas, pois o movimento começa e termina com as pernas fechadas.
Os professores mostraram as duas possibilidades, uma com a perna unida, e a
outra com a perna afastada.
Depois disso, cada criança tentou fazer o rolamento, com a ajuda dos
professores, aquelas crianças que já faziam o rolamento frente, ficaram com um dos
professores vivenciando os vários planos (plano inclinado, saindo de um lugar mais
alto, saindo de um lugar mais baixo e rolar na cama elástica).
As crianças que estavam com dificuldade no rolamento ficaram com a outra
professora que os ajudava a fazer e entender o movimento.
Materiais:
Colchões, bancos e cama elástica.
Comentários:
As crianças adoram fazer o rolamento, porém é necessário estar atento ao
pescoço delas, muitas não “colam” o queixo no peito e quando fazem o rolamento
machucam o pescoço. É importante que o professor esteja ao lado para fazer a
segurança no pescoço e no quadril da criança, facilitando e protegendo o movimento.
É preciso também que o professor coloque uma ordem na aula, principalmente
para as crianças que ainda não fazem o movimento, porque se eles tentam sem o
professor por perto pode ser perigoso e eles podem se machucar.

Atividade: 3
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Rolamento
Objetivo:
Enfoque no rolamento costas – iniciar educativos
Descrição das atividades:
Falamos para as crianças que a dona lesminha adorou a idéia de fazer os
rolamentos e que agora além de chegar rápido nos lugares ela quer virar artista de
circo. E quer aprender outras formas de rolamento.
Então perguntamos para as crianças qual seria outra forma de rolamento
70

possível.
Começamos então demonstrando o rolamento costa, no meio da roda. Porém
falamos para eles que para fazerem o rolamento costas era preciso aprender alguns
exercícios antes.
- Gangorrinha: as crianças deitam no colchão e fazem uma gangorra com o
corpo.
- Gangorrinha saindo agachado.
- Gangorrinha saindo em pé.
Segurando a pizza na mão: falamos para eles que somos garçons de restaurante e temos
que levar a bandeja na nossa mão, duas bandejas, uma em cada mão,do lado da orelha,
depois eles tem que colocar essa bandeja no chão na hora de fazer a gangorrinha
(proteção do pescoço).
Materiais:
Colchões
Comentários:
É importante que um professor faça junto com as crianças o movimento para
incentivá-los e o outro professor preste atenção nas dificuldades das crianças para
poder ajudá-lo a perceber onde estão errando.
É importante falar da mão que está carregando a bandeja, que ela precisa
empurrar o chão, na hora que o corpo está em cima do pescoço, para protegê-lo.

Atividade: 4
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Rolamento
Objetivo:
Enfoque no rolamento costas aprimoramento
Descrição das atividades:
Voltamos a puxar a história da lesminha, e falamos que para virar artista de
circo era preciso treinar aquilo que eles tinham aprendido.
Retomamos então o que foi aprendido na última aula e finalizamos o rolamento,
71

enfatizando que era importante empurrar o chão quando o corpo estivesse por cima da
cabeça.
Para eles entenderem o movimento, pedimos para que fizessem o movimento
um a um no colchão e o professor ajudava puxando o colchão para cima e o outro
professor fazia a segurança no pescoço das crianças e assim eles tentavam fazer
sozinhos depois, no colchão no plano reto.
Depois disso, as crianças que estavam fazendo o rolamento, sozinhas,
experimentaram fazer o rolamento no plano inclinado e na cama elástica. E as crianças
que não estavam conseguindo fazer ficaram com o outro professor, aperfeiçoando os
educativos e tentando fazer o movimento.
Materiais:
Colchões, plano inclinado e cama elástica
Comentários:
É difícil apara a criança colocar em prática aquilo que ela está vendo no corpo
do seu professor dependendo da sua capacidade corporal. Muitas crianças não
conseguem finalizar o rolamento porque esticam o corpo quando estão virando, ou
porque quando estão em pé acabam deitando sem fazer o movimento da canoa.
Porém, como vivência, as crianças adoraram o movimento, e, além disso, a
maioria delas conseguiu finalizar o movimento.
Essa aula é possível de ser feita de diferentes formas, e é importante que sempre
retomemos esses exercícios para que eles consigam adquirir capacidade corporal.

Atividade: 5
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Rolamento
Objetivo:
Cambalhota de dois
Descrição das atividades:
Os professores fantasiados de palhaços fizeram algumas brincadeiras e esquetes
de palhaços e no meio do esquete fizeram a cambalhota de dois.
72

Depois dos esquetes e palhaçadas os palhaços perguntam para as crianças se
eles sabiam fazer esse tipo de cambalhota, assim os palhaços ensinam as crianças como
deve ser feita:
- um deita no chão e o outro coloca as pernas ao lado da cabeça de quem está
deitado no chão;
- quem está deitado no chão ergue as pernas para que o colega que está em pé
segure na canela dele.
- quem esta em pé vai abaixando a canela do que está deitado e vai colocando a
cabeça no meio das pernas do que está deitado e fazendo o rolamento frente;
- o que está deitado segura a canela do que esta em pé e vai levantando a
medida que o outro está rolando e assim segue sucessivamente.
Depois de explicar isso para as crianças o professor pede para que eles se
dividam em duplas, e vai chamando cada dupla para tentar fazer o movimento. Depois
de tentarem fazer perto do professor, eles devem tentar fazer sozinhos.
Materiais:
Colchões
Comentários:
Esse exercício é um exercício bem complexo, poucos são os que conseguem
completá-lo, mas existem os que conseguem. Aqueles que não conseguem encaram a
atividade como um desafio e ficam tentando bastante. A atividade pode ser repetida em
mais de uma ocasião, porque o efeito é grande, embora, seja um exercício de pouca
dificuldade. É importante estar ao lado para lembrá-los de colar o queixo no pescoço,
para não se machucarem, de ficarem atentos ao que os colegas estão fazendo, e caso
esteja machucando é melhor soltar a perna do companheiro.

Atividade: 6
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Estrelinha
Objetivo:
Educativos que abordem lateralidade
73

Descrição das atividades:
• Primeira parte:
Inicialmente, falamos sobre o corpo das crianças. Perguntamos quantos olhos,
nariz, ouvido, bocas, dedos, mãos, pés, pernas, enfim, tudo o que está no corpo delas,
que elas têm e depois pedimos para que elas nos falem onde se localizam.
• Segunda parte:
Depois disso, damos desenhos de crianças e eles devem pintar, e depois de
pintados recortamos os desenhos em pedaços e pedimos para que as crianças montem o
quebra cabeça.
Ao montarem o quebra cabeça, vamos falando da localização dos pés, e
brincamos de montar errado, para ver se eles percebem o erro.
• Terceira parte
Brincamos de prestar atenção no nosso sapato, e então todos tiraram os sapatos
que foram colocados num saco, então todos tinham que achar seu pé de sapato e
colocá-lo no pé correto.
Depois disso, começamos a brincar de andar de lado. Fazemos um “pega-lado”,
como um pique-pega normal, porém as crianças correm de lado.
Materiais:
Folhas com desenhos de crianças, giz de cera e tesouras.
Comentários:
As crianças têm muita facilidade em falar quais as partes de seu corpo, qual a
quantidade de cada uma delas e onde se localizam, porém tem muita dificuldade de
falar corretamente, quando mostramos um desenho, onde se localizam os braços e as
pernas (geralmente eles trocam os lugares, ou seja, colocam as pernas e braços
trocados), neste momento é importante falar pequenos detalhes de como sabemos que
uma perna fica de um lado e não do outro (observação do halux e do formato do
sapato). Essa atividade é importante para as crianças ampliarem o conhecimento de
seus próprios corpos, o que pode auxiliar na execução dos movimentos.

Atividade: 7
Especialidade: Acrobacias de solo
74

Tema:
Estrelinha.
Objetivo:
Enfoque na estrelinha (mostrar, diversificar situações e planos e trabalhar com
educativos).
Descrição das atividades:
Conversamos com as crianças sobre o mundo do gira-gira, que nesse mundo
todas as pessoas giram de diferentes formas. Porém tem uma forma que é uma das
formas mais difíceis de girar, que é a estrelinha (demonstração)
Falamos então que, para que a estrelinha fosse bem feita, era necessário,
cumprir algumas tarefas:
- desenhamos em linha, dois quadrados com um circulo no meio e as crianças
deveriam colocar as mãos no circulo e passar os pés de um quadrado para o outro
- colocamos umas cordas e falamos que era o rio (desenhamos peixes e jacarés),
as crianças deveriam colocar as mãos nas pedras do rio e passar os pés para o outro
lado da forma que quisessem.
- amarramos uma ponta de uma corda em um lugar alto e a outra ponta em um
lugar baixo, as crianças deveriam colocar as mãos do outro lado da corda e tentar
passar os pés sem encostar-se na corda.
Materiais:
Cordas e giz de lousa.
Comentários:
Nesse primeiro momento não são necessárias as correções de esticar a perna ou
posicionamento das mãos, porém é necessário que a criança assimile o movimento de
passar as pernas de um lado para o outro, ou seja, é necessário que se fale qual perna
deve passar primeiro. Além disso, é importante alertar para a força no braço, para
evitar acidentes.

Atividade: 8
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
75

Estrelinha
Objetivo:
Ensino da técnica da estrelinha (posição dos braços ao lado da orelha e pernas
estendidas – utilização dos educativos).
Descrição das atividades:
Começamos a atividade falando que iríamos jogar um pó mágico nas crianças e
elas se transformariam em madeiras inteiriças.
Perguntamos a eles se eles sabiam o que era uma madeira e levamos uma tábua
para mostrar a eles.
Primeiramente jogamos pó mágico no professor e demonstramos como ele
virou madeira (nesse momento a professora erguia os pés do professor e ele deixava o
corpo bem contraído para que seu corpo todo levantasse como uma tabua).
Depois disso jogamos o pó mágico nas crianças e todos viraram madeira.
Assim todas as crianças deitaram nos colchões e nós levantamos seus corpos
pelos pés.
Depois disso, falamos que agora já que todos tinham virado madeira nós
entraríamos no mundo do gira-gira e faríamos os mesmos exercícios feitos na atividade
7 porém com o corpo durinho:
- desenhamos em linha, dois quadrados com um circulo no meio e as crianças
deveriam colocar as mãos no circulo e passar os pés de um quadrado para o outro
- colocamos umas cordas e falamos que era o rio (desenhamos peixes e jacarés),
as crianças deveriam colocar as mãos nas pedras do rio e passar os pés para o outro
lado da forma que quisessem.
- amarramos uma ponta de uma corda em um lugar alto e a outra ponta em um
lugar baixo, as crianças deveriam colocar as mãos do outro lado da corda e tentar
passar os pés sem encostar-se na corda.
Materiais:
Colchões, giz e cordas.
Comentários:
As crianças costumam, na hora que levantamos seus pés (brincadeira da
madeira), ficar com o corpo mole, então falamos para elas deixarem o glúteo e a
76

barriga bem durinhos.
Durante as atividades elas se esquecem de deixar as pernas estendidas, sendo
preciso lembrá-las a todo tempo, retomando assim toda a história do pó mágico e da
madeira.
È preciso ter muita atenção para que as crianças não machuquem o pescoço
forçando-o exageradamente quando vão brincar de tábua e pressionam a cabeça no
chão.

Atividade: 9
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Estrelinha
Objetivo:
Retomar aprimoramento da estrelinha ex: estrela no corredor de colchões, sobre
uma linha.
Descrição das atividades:
Inicialmente montamos um circuito, onde as crianças passariam fazendo
atividades. Assim que as crianças chegam, demonstramos esse circuito para elas.
No circuito:
- desenhamos em linha, dois quadrados com um circulo no meio e as crianças
devem colocar as mãos no círculo e passar os pés de um quadrado para o outro
- colocamos umas cordas e falamos que é o rio (desenhamos peixes e jacarés),
as crianças devem colocar as mãos nas pedras do rio e passar os pés para o outro lado
da forma que quisessem.
- amarramos uma ponta de uma corda em um lugar alto e a outra ponta em um
lugar baixo, as crianças devem colocar as mãos do outro lado da corda e tentar passar
os pés sem encostar-se na corda.
- desenhamos linhas no chão para que as crianças virem a estrelinha na linha.
-fazemos um corredor de colchões onde as crianças viram a estrelinha sem
poder pisar nos colchões.
77

-deixamos um espaço livre para tentar fazer a estrelinha sem a ajuda de nenhum
material.
Falamos para as crianças que eles podem começar por qualquer atividade que
quiserem das que foram propostas, mas é preciso que todos passem por todas as
atividades.
Materiais:
Colchões, cordas e giz
Comentários:
De maneira geral o comportamento das crianças nesta atividade foi dinâmico e
proveitoso porque a idéia de deixá-los livres para fazerem as atividades é uma
novidade para todos além de ser muito prazerosa, embora exija atenção constante dos
professores para evitar brigas e desrespeito na ordem das filas
Existem algumas crianças que ainda estão no estágio inicial da “estrelinha”, por
isso orientamos para que todos façam aquilo que sabem.
É importante que os movimentos sejam repetidos várias vezes para que
assimilem gradualmente o que estão fazendo e tomem consciência do movimento.
É importante explicar às crianças que elas poderão treinar a “estrelinha” em
casa, ou nos horários livres da creche.

Atividade: 10
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Parada de mão
Objetivo:
Tesourinha bate e volta e utilizar a parede
Descrição das atividades
Falamos para eles do mundo que fica de cabeça para baixo, que precisamos
ajudar esse mundo a voltar a ficar de cabeça para cima, então todos, para salvar o
mundo que estava de cabeça para baixo, precisam aprender a andar de cabeça para
baixo. Falamos então que nessa cidade tem o cavalo, que também anda de cabeça para
baixo e dá coices para cima.
78

Imaginamos com eles se todo mundo virasse cavalo, então todos teríamos que
dar coices também.
Assim todos juntos no colchão gordo, colocamos as mãos no colchão e jogamos
os pés para o alto.
Depois falamos que esse cavalo iria virar o cavalo tesoura, então que ele daria o
coice diferente, fazendo uma tesourinha. Os professores demonstram e todas as
crianças tentam.
Depois disso, elas são levadas para a parede e falamos que o cavalo iria ficar de
cabeça para baixo. Assim as crianças fazem o movimento da tesourinha e se apóiam na
parede.
Materiais:
Colchões.
Comentários:
As crianças geralmente retornam com os pés unidos, sendo, portanto necessário
alertá-las para que retornem com um pé de cada vez para reduzir o impacto.
O professor deve orientar quanto ao posicionamento do corpo na parede, porque
muitos relaxam o quadril quando encostam-se à parede, fazendo com que se apóiem
com as nádegas e não com as pernas.

Atividade: 11
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Parada de mão
Objetivo:
Aprimoramento com ajuda do professor e do colega
Descrição das atividades:
Retomamos a história do mundo de cabeça para baixo e falamos para eles que
agora eles precisam aperfeiçoar todas as técnicas que aprenderam na aula passada.
Assim todos vivenciam tudo o que foi proposto na aula 10 novamente, e, depois
disso os professores demonstram como um amigo pode ajudar o outro a ficar de cabeça
79

para baixo.
Assim todos tentam fazer a parada de mãos com a ajuda dos colegas.
Depois falamos que o colega ficaria na frente deles para evitar que eles passem
para o outro lado, mas eles têm que fazer sem encostar-se no colega.
Materiais:
Colchões.
Comentários:
Todas as crianças se deram bem nas atividades, algumas com mais dificuldades
outras com menos, mas todas conseguiram ficar na parada de mãos com a ajuda dos
colegas e professores.
Algumas crianças até já ficavam paradas sem o auxilio, e ainda andavam na
parada.
A atividade se desenvolveu de forma bem tranqüila, pois quando colocamos uns
para ajudar os outros eles se concentraram. Trata-se de um momento importante para
desenvolver valores como responsabilidade deixando claro que eles não devem deixar
o amigo cair e se machucar e o professor pode aproveitar para explicar para não
fazermos com o outro o que não queremos que façam conosco.

Atividade: 12
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Ponte e inicio do Flic-flac.
Objetivo:
Educativos
Descrição das atividades:
Falamos no inicio da aula sobre os super heróis, e como eles fazem alguns
movimentos que são bem difíceis de serem feitos. Demonstramos a cambalhota de
todas as formas, a estrelinha e a parada de mão. Assim, todos vivenciam rapidamente
todas essas acrobacias corporais.
Depois falamos de um quarto elemento que os super heróis também fazem, que
é o Flic-flac , demonstrando-o em seguida.
80

Falamos para eles que para fazer o flic-flac, antes era preciso fazer algumas
atividades:
- fazer a ponte no chão, um do lado do outro, fazendo um túnel para uma
crianças passar.
- tentar descer na ponte apoiando na parede;
- descer na ponte sem se apoiar na parede, porém com a ajuda de um colega,
apoiando a sua cintura.
- tentar descer sozinhos na ponte sem ajuda de ninguém.
-tentar descer na ponte e impulsionar seus pés, forçando-os para cima.
Materiais:
Colchões.
Comentários:
As crianças têm bastante dificuldade de fazer a ponte, porque não entendem que
a ponte se apóia nos braços e nas pernas e não na cabeça. Elas acabam colocando a
cabeça no chão e falam que estão fazendo a ponte, exigindo muita atenção do professor
para que não machuquem seu pescoço ao apoiarem o peso do corpo na cabeça.
Outro cuidado importante é colocar colchões também na parede para que elas
não se machuquem com a brincadeira de descer na ponte pela parede, porque se a
parede for muito áspera, poderá machucá-las.
Quando falamos que um colega vai ajudar o outro, primeiro demonstramos
como vai ser essa ajuda, e depois enfatizamos que eles são responsáveis uns pelos
outros e que não podem deixar o amigo se machucar.

Atividade: 13
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Flic-flac.
Objetivo:
Educativos e aprimoramento.
Descrição das atividades:
81

Retomamos a história dos super heróis e vivenciamos tudo o que foi dado na
atividade 12, e ainda acrescentamos mais duas atividades novas:
- Com um pneu de carro, pedimos para as crianças fazerem a ponte no pneu, e
depois jogarem suas pernas para o outro lado, executando assim um flic-flac
- De costas para o professor, pedimos para elas estenderem os braços, o
professor curva a criança nas suas costas até que ela encoste a mão no chão.
- as crianças descem na ponte de frente para a parede, apóiam os pés na parede
e viram o flic-flac.
Depois de cada atividade, as crianças vão para os colchões tentar executar o
movimento sem ajuda de ninguém.
Materiais:
Colchões, pneu de carro.
Comentários:
Na hora do flic-flac no pneu é preciso que os professores estejam ao lado das
crianças para segurar tanto o pneu quanto a criança. Assim as crianças deitam no pneu,
esticam seus braços tentando colocar a mão no chão, e o professor, roda o pneu e
segura a criança. É necessário explicar para as crianças que elas só podem jogar as
pernas para executar o movimento se os braços estiverem firmes no chão.
Quando o professor fizer a atividade com a criança nas costas, o outro professor
deve ajudar a criança a executar o movimento das pernas, isso pode ser feito com um
simples auxilio no quadril da criança.

Atividade: 14
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Mortal frente.
Objetivo:
Iniciação aos educativos
Descrição das atividades:
No início da aula mostramos um vídeo, com várias acrobacias corporais, assim,
82

após o vídeo falamos de todas as acrobacias e enfatizamos o mortal.
Falamos para eles que mortal é algo bem difícil e perigoso de se fazer, mas que
iremos começar a aprender a fazê-lo.
Assim retomamos com eles o rolamento frente, e pedimos que ao invés de
colocarem as mãos no chão, executassem o movimento sem as mãos.
Depois, usando o mini-trampolim, falamos que eles devem saltar no mini-
trampolim e rolar no colchão, sem usar as mãos.
Depois eles devem fazer o mesmo no chão, saltar, e rolar sem colocar as mãos,
porém sem a ajuda do mini-trampolim.
Materiais:
Colchões e mini-trampolim.
Comentários:
É muito importante enfatizar sobre a necessidade de saber fazer algumas etapas
muito bem feitas antes de fazer o mortal, para que não se machuquem, porque
geralmente elas ficam ansiosas para executar esta atividade, querendo até mesmo pular
etapas para fazê-lo. É importante a presença atenta do professor ao lado no mini-
trampolim, pois nesse momento as crianças se jogam e podem machucar o pescoço.
É bom enfatizar no começo da aula que nesse primeiro momento os
movimentos serão mais lentos, sem nervosismo ou pressa.

Atividade: 15
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Mortal frente.
Objetivo:
Educativos.
Descrição das atividades:
Retomamos o que foi feito na atividade 14 e acrescentamos mais alguma
atividade:
- na cama elástica (trampolim acrobático) as crianças com a ajuda do professor
83

realizam o movimento, elas contam com o professor “um, dois, três e já”, e executam o
movimento.
O professor segura nos quadris e pescoço das crianças ajudando a dar
velocidade no movimento.
As crianças vão de uma em uma, e as outras que estão esperando fazem as
outras propostas da atividade 14.
Materiais:
Trampolim acrobático, mini-trampolim e colchões.
Comentários:
As atividades propostas para a execução de “mortal” proporcionaram apenas
uma vivência, por ser uma acrobacia perigosa que exige um treinamento mais intenso e
individual para a sua execução. Além disso, a bagagem motora de algumas crianças
não permite que o mortal seja completado.
Apenas uma criança de um grupo de núcleo de ex-alunos que freqüentam a
escola por apenas um período do dia conseguiu completar o mortal.

Atividade: 16
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Contorcionismo.
Objetivo:
Mostrar o que é através de vídeos e explorações básicas.
Descrição das atividades:
É apresentado no início da aula um vídeo que mostra alguns contorcionistas
(homens e mulheres), depois conversamos sobre o vídeo.
Perguntamos a eles se eles acham que aquelas pessoas são diferentes da gente,
ou se elas são pessoas comuns. Muitos dizem que são mulheres elásticas ou homens
elásticos.
Nós falamos que eles são pessoas como nós, porém eles treinam muito para
conseguir fazer aquilo e têm que alongar muito.
Então depois dessa conversa começamos a brincar de alongamento. Falamos
84

para eles que alongar é esticar o corpo, então esticamos pernas, braços, dedos, tudo o
que eles acham que dá para esticar.
Assim, depois de alongadas as crianças falam o que elas queriam fazer igual ao
vídeo e tentam reproduzir.
Brincamos assim de tentar colocar os pés na cabeça, fazer o espacato, ponte, de
pegar as pontas dos pés sem dobrar a perna.
Materiais:
Televisão e DVD.
Comentários: É importante orientar as crianças para que não insistam se
estiver doendo evitando que se machuquem.
Muitas vezes elas estão com muita dor, e não param de fazer o movimento
porque acham que a dor é normal. Temos que tomar cuidado com isso.

Atividade: 17
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema: contorcionismo
Objetivo: aprofundamento da ponte
Descrição das atividades:
Levamos imagens recortadas de pessoas fazendo ponte e mostramos aos alunos.
Falamos para as crianças que é preciso abrir um portal mágico, para entrar no
mundo das acrobacias, mas para formar esse portal é necessário que todos façam a
ponte. Para aprender assim a fazer a ponte é necessário que todos sigam a professora e
façam o que ela faz:
- deitados no chão apóiam a perna dobrada e elevam somente o quadril, com a
cabeça apoiada no chão e os braços ao lado do corpo sem serem utilizados.
- deitados no chão, apóiam a perna dobrada e dobram os cotovelos apoiando a
mão no chão e elevam o quadril, empurrando as mãos e os pés contra o chão.
- fazer a ponte no chão, um do lado do outro, fazendo um túnel para uma
criança passar.
- tentar descer na ponte apoiando na parede;
- descer na ponte sem se apoiar na parede, porém com a ajuda de um colega,
85

apoiando a sua cintura.
- tentar descer sozinhos na ponte sem ajuda de ninguém.
Materiais:
Colchões e recortes de revista,
Comentários:
Mais uma vez o professor deverá ter cuidado especial com o pescoço das
crianças e orientar para que não apóiem o peso do corpo na cabeça, porque elas podem
machucar-se bastante se não tomarem os cuidados necessários.
As crianças têm bastante dificuldade em entender esse movimento
corporalmente, uma vez que é um movimento diferente de todos aqueles executados
em seu cotidiano, exigindo muito de nossa ajuda e atenção para que seja bem
executado.
É preciso tomar cuidado também com a brincadeira de descer na ponte pela
parede, pois se a parede for muito áspera, pode machucar as crianças. Geralmente
colocamos colchões também na parede pra que elas não se machuquem.

Atividade: 18
Especialidade: Acrobacias de solo
Tema:
Série de movimentos
Objetivo:
Trabalhar serie de movimentos e musicalidade (rolamento – estrela – mortal -
fli-flac e contorcionismo)
Descrição das atividades:
É mostrado um vídeo, com varias acrobacias corporais e musica.
Conversamos então sobre fazer as acrobacias no ritmo da musica.
Separamos a turma em dois grupos. Um grupo fica com um professor e o outro
com o outro.
Cada grupo monta uma seqüência de movimentos para apresentar para a outra
turma.
Eles podem escolher o que quiserem para apresentar: rolamento, estrela, mortal,
86

fli-flac e contorcionismo.
Materiais:
Som, colchões, trampolim acrobático e mini-trampolim.
Comentários:
A aula se desenvolveu de uma forma muito proveitosa e animada. As crianças
foram bem criativas, apesar de, no começo, os professores terem que dar uma idéia de
como seria.
Eles adoram se apresentar para as outras crianças. Algumas professoras de
outras salas que estavam passando pela quadra foram convidadas a assistir o espetáculo
pelos próprios alunos.


ACROBACIAS DE SOLO - considerações gerais

Em geral, as aulas de acrobacias de solo são aulas em que todas as crianças participam
juntas em todas as etapas. Por isso a aula acaba sendo muito dinâmica e sem que as crianças
fiquem esperando. Além disso, as modalidades da acrobacia de solo são atividades que algumas
crianças já fazem em casa, na capoeira, ou até mesmo na ginástica. Dessa maneira, dentro de um
mesmo grupo, temos crianças que já sabem executar alguns movimentos (mesmo que não saibam
as técnicas) e crianças que não sabem como funciona.
O professor deve estar atento para proteger todas as crianças. Aquelas que têm mais
dificuldade às vezes necessitam de maior atenção em alguns momentos, assim o professor deve
auxiliá-las, para que não se machuquem.
É complicado para a criança colocar em prática tudo aquilo que ela esta vendo o professor
fazer, dessa maneira é preciso que tomemos cuidado ao passar uma explicação, pois esta se não
for totalmente detalhada pode gerar dúvidas nos movimentos das crianças e causar, assim, um
desconforto que poderia ser evitado através de um simples comando diferenciado.
No rolamento para frente, quando a criança vai começar a executar o movimento, ela se
esquece de manter o queixo no peito, podendo assim machucar o pescoço. É importante então
que o profissional, antes de começar a dar o rolamento, converse com as crianças para saber
87

quem já fez e quem nunca fez o movimento. Assim aqueles que nunca fizeram deverão ser
auxiliados pelos professores e estes devem fazer a segurança na nuca e nos quadris das crianças.
O rolamento costas é um pouco mais complicado para o entendimento das crianças.
Assim, elas se esquecem de empurrar o chão quando o peso do corpo está passando sobre a
cabeça, podendo machucar dessa maneira o pescoço. O professor assim como no rolamento
frente deve estar atento a isso, e fazer a proteção na nuca, e ajudar no movimento impulsionando
os quadris da criança quando necessário.
A parada de mão é algo bem tranqüilo de lidar com as crianças. Principalmente depois
que fazemos todos os educativos as crianças sentem mais facilidade para executar o movimento.
Mesmo assim, devemos atentar para a perda na força dos braços da criança quando ela está
executando o movimento, pois, muitas vezes elas relaxam o braço, e colocam a cabeça no chão.
A estrelinha é uma das modalidades que tivemos maior dificuldade de explicar para as
crianças, por ser um movimento lateral, além de as crianças perderem um pouco a noção do
equilíbrio. Dessa maneira, trabalhamos mais os educativos do que executamos a estrelinha
propriamente dita. As crianças que sabiam executar o movimento também ajudavam as outras
que ainda não conseguiam.
A ponte foi uma atividade transmitida com tranqüilidade para as crianças, embora exija de
nós muito cuidado quando as colocamos na parede, pois elas podem machucar o rosto. É
importante colocarmos um colchão na parede para que elas possam descer até o chão.
Queremos deixar claro que o objetivo desse trabalho não é formar especialistas em artes
circenses, e sim levar um pouquinho do circo para a cultura corporal das crianças, sem exigir
muito da capacidade física de cada um, e respeitando todos os limites do corpo.

5.4 Manipulações de objetos

O malabarismo é a arte de manipular objetos com agilidade, ou executar um gesto
complexo, lidando com situações difíceis e instáveis sem perder o domínio e o controle, usando
um ou mais objetos, em que os métodos de manipulação não são misteriosos como no
ilusionismo. É uma das mais típicas artes do circo, apesar de não ser necessariamente relacionada
88

a ele em sua história. A origem do malabarismo é incerta, mas há registros que indicam ser uma
arte praticada desde a antiguidade.
Em geral malabaristas dividem suas técnicas em categorias, agrupando o que realizam em
função dos materiais que manejam, sejam estes: claves, bolas, aros, diabolôs, tules, swing,
cigarbox, etc.
Tratamos em nossas aulas a manipulação dos tules, bolinhas, swing, cigarbox, e também a
manipulação da corda.




Figura 17 - Bolinhas. Figura 18 - Tule. Figura 19 - Cigar Box.


Figura 20 - Swing. Figura 21 - Cordas




89

5.4.1Relatórios, considerações e comentários

Atividade: 1
Especialidade: Manipulação de objetos
Tema:
Lenço.
Objetivo:
Enfoque na manipulação de um lenço - jogos de ambientação não
convencionais do lenço e ambientação (como segurar, equilibrar e recuperar utilizando
diferentes partes do corpo).
Descrição das atividades:
Falamos para as crianças que elas iriam conhecer o nosso amiguinho
fantasminha. Assim, utilizamos os tules para fazer os fantasminhas que conversam com
as crianças. Depois disso, cada uma iria construir o seu amiguinho fantasminha.
Assim demos os tules para as crianças e mostramos como fazer o fantasminha
(colocando o dedo indicador no meio do tule e com a outra mão segurando a ponta do
tule que está no dedo indicador, depois é só tirar o dedo indicador de baixo do tule).
Assim, falamos que cada um tem seu fantasminha e que eles devem fazê-los
voar (neste momento as crianças fazem da forma como queiram e acham que devem).
Depois disso, perguntamos quem consegue jogar o fantasminha para o alto e
pegar com alguma outra parte do corpo.
Também perguntamos a eles quem consegue equilibrar os tules e todos tentam
equilibrar os tules nas diferentes partes do corpo.
Perguntamos quem consegue jogar para o alto bater palma e pegar, e, quem
consegue bater mais palmas sem deixar o fantasminha cair no chão.
Materiais:
Tules.
Comentários:
As crianças adoraram a historia do fantasminha. O tule é algo bem interessante
para eles brincarem.
90

É importante que essa aula seja dada em uma sala de aula, ou em ambientes
fechados, pois qualquer ventinho leva os tules para longe, dispersando as crianças.

Atividade: 2
Especialidade: Manipulação de objetos
Tema:
Lenço.
Objetivo:
Enfoque em manipulação e explorações diversas com dois lenços.
Descrição das atividades:
Retomamos a história do fantasminha.
Porém agora, cada fantasminha terá um irmãozinho. Assim cada criança escolhe
um amigo com quem irá brincar.
Assim falamos que os dois amigos um de frente para o outro irão jogar seus
fantasminhas para cima, e um terá que recuperar o fantasminha do outro.
Depois um irá jogar seu fantasminha para o outro.
Mais tarde damos um tule a mais para as crianças e deixamos que elas brinquem
a vontade, sem intervenções.
Depois desse momento falamos para as crianças que elas terão que jogar os dois
tules para cima e recuperar.
Após essa atividade falamos para as crianças que elas devem jogar um tule e na
hora que fosse recuperar esse tule ela tem que jogar o outro para cima.
Materiais:
Tules.
Comentários:
As crianças ficam embaraçadas com dois tules inicialmente. Mas com o tempo
elas pegam o tempo do material e conseguem manipulá-lo com mais destreza.
Essa atividade como a anterior deve ser executada em um ambiente fechado
para evitar tules voando por toda a escola. O tule tem a vantagem em relação às
bolinhas, porque é leve e demora mais para cair e a criança consegue capturá-lo com
mais facilidade que os outros materiais
91


Atividade: 3
Especialidade: Manipulação de objetos
Tema:
Bolinhas.
Objetivo:
Construção de bolinha de painço.
Descrição das atividades:
Inicialmente levamos duas bexigas cheias com carinhas desenhadas, são o
senhor e a senhora bola. Eles conversam com as crianças e falam que eles querem ter
filhos, porém não conseguem, então eles pedem a ajuda para as crianças.
Então os professores falam que sabem um jeito de ajudar o senhor e a senhora
bola, que é fazendo seus filhotinhos.
Então, ensinamos as crianças a construírem bolinhas de painço:
-recortar as sacolas plásticas ao meio.
-colocar um pouco mais da metade de um copo plástico de painço na metade da
sacola cortada
-enrolar o painço com a sacola e fechar com a fita crepe
-cortar o bico das bexigas.
- pegar a parte que sobrou das bexigas e encapar a sacolinha com painço.
Depois que as bolinhas ficam prontas cada criança desenha um rosto na sua
bolinha, escreve seu nome e entrega a bolinha para o senhor e a senhora Bola.
Materiais:
Sacolas plásticas, painço, bexiga, tesoura, fita crepe
Comentários:
É importante encapar a bolinha com mais de uma bexiga evitando que ela fique
frágil e fure com facilidade.
As crianças conseguem fazer quase todas as etapas sozinhas, menos recortar as
bexigas e as sacolinhas, porém os professores são muito solicitados para ajudar na
construção. É importante preparar o material com antecedência, para não perdermos
muito tempo.
92


Atividade: 4
Especialidade: Manipulação de objetos
Tema:
Bolinhas
Objetivo:
Exploração e ambientação da manipulação de uma bolinha (observação do peso
e tempo de queda, fazendo analogias ao lenço)
Descrição das atividades:
Relembramos da história do senhor e da senhora bola, e falamos para as
crianças que elas irão brincar um pouco com os filhos deles.
Entregamos assim as bolinhas para as crianças.
Falamos então, para as crianças brincarem com as bolinhas do jeito que elas
quiserem.
Depois falamos para elas jogarem a bolinha para cima e recuperá-la,
relembramos o fantasminha (tule), e perguntamos qual cai mais rápido (a bolinha ou o
tule?).
Depois disso, falamos para elas jogarem as bolinhas com uma mão e recuperar
com a mesma mão.
Mais tarde, falamos para elas jogarem a bolinha com uma mão e recuperar com
a outra mão.
Ao final da atividade, demos as bolinhas de painço para as crianças levarem
para suas casas.
Materiais:
Bolinhas de painço.
Comentários:
As crianças têm bastante dificuldade na recuperação da bolinha, muitas
bolinhas saem rolando pela sala, dando-nos a impressão de desorganização. Com o
desenrolar da atividade as crianças começam a se organizar e algumas conseguem
executar muito bem todas as atividades.
93


Atividade: 5
Especialidade: Manipulação de objetos
Tema:
Bolinhas.
Objetivo:
Enfoque em jogos de trocas rasteiras.
Descrição das atividades:
Ao início da aula pedimos para as crianças sentarem em roda. Assim, fizemos
duas rodas, uma com cada professor. Falamos para elas que deveriam rolar a bola para
o colega e falar o nome do colega para quem estivesse rolando a bola. Com o tempo
vamos incluindo mais e mais bolas (neste momento usamos tanto a bola de Ginástica
rítmica como as bolinhas de malabares).
No segundo momento, dividimos a turma em duplas. Cada dupla recebe uma
bola. Assim falamos para as crianças ficar uma de frente para a outra, e assim elas,
sentadas, rolam a bola uma para a outra e cada vez que isso é feito elas sentam um
pouco mais afastadas.
Fazemos também uma pirâmide de latas, onde as crianças devem, rolando a
bola pelo chão a certa distância, derrubar as latas.
Materiais:
Bolas de Ginástica Rítmica, bolinha de malabares, latas.
Comentários:
Essa atividade foi realizada na quadra e as bolas rolam para todos os lados,
sendo necessário orientá-las para que sejam responsáveis pelas bolas.
As crianças não têm muitas dificuldades em executar trocas rasteiras.

Atividade: 6
Especialidade: Manipulação de objetos
Tema:
Bolinhas.
94

Objetivo:
Enfoques nos jogos com bolas, trabalhar o tempo de passe e pingo,
individualmente e em grupo.
Descrição das atividades:
Ao inicio da aula brincamos de batata quente. Falamos para as crianças que
quem for queimado terá que fazer uma cambalhota.
Pedimos para que a sala se divida em duplas e damos uma bola para cada dupla,
falamos assim para eles passarem a bola em pé, sem deixar a bola cair no chão.
Mais tarde, falamos para eles que terão que passar a bola para o colega
quicando uma vez no chão.
Depois disso, damos uma bola para cada criança e falamos para elas que elas
terão que quicar a bola no chão e recuperar (usamos as bolas de Ginástica Rítmica
nesse momento).
Materiais:
Bolas de Ginástica Rítmica.
Comentários:
Os trabalhos em duplas às vezes são um problema para os professores, porque
as crianças nem sempre dividem o material e acabam brigando. Mas, sabemos o quanto
é importante que elas dividam esses materiais, por isso optamos por algumas atividades
em dupla, mesmo sabendo que as brigas podem acontecer.

Atividade: 7
Especialidade: Manipulação de objetos
Tema:
Contato.
Objetivo:
Conceitos básicos do contato (equilíbrio e rolar pelo corpo).
Descrição das atividades:
Iniciamos a aula falando que iremos tomar um banho, e assim o nosso sabonete
será a bolinha.
95

Assim, começamos a rolar a bolinha com as mãos por todo o corpo.
Depois desse momento, tentamos rolar a bolinha sem a ajuda das mãos:
-deitamos no chão e colocamos as bolinhas nas pernas, quando erguemos as
pernas a bolinha rola.
-colocamos as bolinhas nas mãos e deixamos as mãos abertas, e erguemos os
braços para que a bolinha role.
Mais tarde, brincamos de equilibrar as bolinhas. Perguntamos para as crianças
como podemos equilibrar as bolinhas pelo corpo e cada uma dá um palpite e nós
tentamos executar.
Materiais:
Bolinhas de malabares de painço.
Comentários:
Por não possuirmos bolas de contato, utilizamos as bolinhas de malabares feitas
com painço. Elas são menores, porém quando caem no chão não pulam.
As crianças adoram brincar com a bolinha, mas temos que ficar atentos para que
elas não percam a atenção na aula.

Atividade: 8
Especialidade: Manipulação de objetos
Tema:
Swing.
Objetivo:
Confecção e vivência livre.
Descrição das atividades:
Sentamos todas as crianças em roda no inicio da aula. Falamos para elas que
elas irão aprender a fazer o swing. Assim, os professores levam um swing pronto para
as crianças verem o que é.
Assim falamos para elas dos procedimentos para fazer o swing:
-recortar o papel crepom em tiras.
-dobrar a folha de jornal até que se forme uma tira de mais ou menos três dedos
96

de largura.
-ao meio da tira do jornal colar, com a fita crepe, as tiras de papel crepom.
-dobrar o jornal com as tiras de papel crepom no meio, até que fique um
quadradinho bem pequeno.
- passar a fita crepe no quadradinho para que ele não desmanche.
-cortar o barbante (mais ou menos 60 cm).
- enrolar uma ponta do barbante no quadradinho de jornal e dar um nó.
Depois do balangandã pronto, as crianças podem brincar um pouco com ele da
forma como quiserem, mas no fim da aula recolhemos os balangandans de todas elas
para serem utilizados na outra aula.
Materiais:
Papel crepon, jornal, fita crepe, tesoura e barbante.
Comentários:
Os materiais já estavam recortados e dobrados. As crianças só tiveram o
trabalho de dobrar e colar os objetos.
O barbante quem coloca são os professores, pois muitos ainda não sabem dar
nó.
As crianças pedem ajuda para os professores, sendo interessante convidar a
professora de sala de aula também para ajudar na atividade.
É importante que seja colocado nomes nos barangandans de cada criança para
não dar briga na próxima aula.

Atividade: 9
Especialidade: Manipulação de objetos
Tema:
Swing.
Objetivo:
Explorações dirigidas: lançar e recuperar, circunduções, movimentos em oito,
giros e etc.
Descrição das atividades:
97

Distribuímos para as crianças seus balangandans, dessa forma, no inicio da aula
as crianças vivenciam de forma livre o balangandã.
Mais tarde os professores começam a orientá-los a fazer de outra forma:
- lançar e recuperar,
- circunduções;
- movimentos em oito;
- giro frontal;
- giro lateral.

Materiais:
Balangandã.
Comentários:
Cada criança faz a atividade de acordo com as suas habilidades. Algumas
crianças passam a aula tentando fazer um só movimento e outras executam todos os
movimentos e ainda criam outros novos.
É preciso tomar cuidado com os lançamentos. Muitas vezes quando lançamos
para o alto os balangandans ficam presos no teto da quadra.
Também é preciso alertá-los para que fiquem um pouco distantes uns dos outros
para não se machucarem.

Atividade: 10
Especialidade: Manipulação de objetos
Tema:
Cordas.
Objetivo:
Enfoque em cordas individuais, exploração do objeto e exploração livre.
Descrição das atividades:
Ao inicio da aula, falamos para as crianças que tínhamos trazido umas
amiguinhas para brincar com elas.
Assim pegamos uma corda individual e falamos que era a dona cobra, que irá
brincar com elas. A dona cobra conversa com elas e diz para elas que tem um monte de
98

amigas dela que estão a fim de brincar com as crianças.
Assim cada criança vai até a caixa e pega uma cobrinha.
Cada uma delas conversa com a sua cobrinha brinca com ela da forma que
quiser.
Mais tarde os professores começam a interferir, e as crianças passam a fazer o
que o professor pede:
-fazer cobrinha no chão;
-girar a corda rasteiramente no chão;
-fazer círculos no chão com as cordas e pular de circulo em circulo (utilizando
os círculos dos colegas)
-tentar, segurando as duas pontas, bater a corda no chão e pular quando ela
batesse no chão.
Materiais:
Cordas individuais.
Comentários:
É necessário que se tome bastante cuidado com as cordas nas mãos das
crianças, pois elas se batem com o material. Também precisamos deixar claro que as
crianças precisam ficar distantes uma das outras para não se machucarem.
O interessante foi que todas as crianças conversavam com as suas cobrinhas.

Atividade: 11
Especialidade: Manipulação de objetos
Tema:
Cordas.
Objetivo:
Corda grande (saltar, passar zerinho) trabalhando a percepção de tempo e ritmo.
Descrição das atividades:
Inicialmente falamos para as crianças que a mãe das cobras da aula 10 apareceu
para a gente e que ela queria conhecer as crianças que as filhas dela tinham brincado.
Assim apresentamos a dona cobra para as crianças. Elas conversam da aula
anterior.
99

Mais tarde a mãe cobra convida as crianças para brincarem com ela e suas filhas
Os professores chacoalham a dona cobra no chão e as crianças têm que pular
sem encostar-se à corda.
Depois, um professor bate a corda e o outro explica para as crianças o tempo da
corda e como fazer para passar no zerinho.
Depois de passar no zerinho, as crianças tentam pular a corda, para isso é
desenhado um circulo no chão, e as crianças devem pular nesse circulo ao som do
comando da professora, dessa maneira, quando a corda bate no chão a professora grita
“pula” e as crianças pulam.
Quando as crianças saem da corda grande elas pegam uma cordinha pequena
para brincarem.
Materiais:
Cordas grandes e individuais.
Comentários:
As crianças têm bastante dificuldade em passar no zerinho e a professora deverá
ajudar na primeira vez, dando-lhes as mãos. Na segunda elas já conseguirão passar
sozinhas. As crianças precisam repetir a atividade varias vezes para conseguirem
executar o movimento. Outra professora que assistia a essa atividade nos comentou que
havia tentado anteriormente pular corda com as crianças sem nenhum sucesso, mas
tentou novamente depois de ter assistido a essas atividades e as crianças já estavam
conseguindo pular na sua aula.

Atividade: 12
Especialidade: Manipulação de objetos
Tema:
Caixas ou Cigar Box.
Objetivo:
Exploração das possibilidades de manipulação desse material.
Descrição das atividades:
Inicialmente pegamos todas as caixas e falamos para as crianças que elas teríam
100

que montar um menino de caixas no chão da sala.
Assim, chamamos pelo nome cada criança que coloca uma parte do menino,
conduzida pelo professor.
Depois que montamos o menino, cada criança pega uma caixa e brinca da
maneira que quiser.
Mais tarde, falamos para eles que eles terão que equilibrar a caixa em alguma
parte do corpo.
Ao final da aula, o professor faz uma apresentação de como se utiliza aquelas
caixa no circo.
Materiais:
Caixas de leite com jornal dentro e cigar Box.
Comentários:
As crianças adoraram brincar com o material.
Além de usar as caixas como elemento do quebra cabeça, percebemos que as
crianças ensinavam umas as outras questões de lateralidade (onde iria ser colocada
cada perna e cada braço, por exemplo).
Quando o professor fez a apresentação com o Cigar Box, as crianças gostaram
muito e tentaram imitar com as caixinhas de leite.


MANIPULAÇÃO DE OBJETOS- Considerações Gerais

Buscamos levar para as crianças apenas uma vivência com os materiais. Não exigimos
que elas conseguissem finalizar todos os movimentos.
Levamos, também, bastante material de audiovisual para que as crianças conhecessem os
materiais que iríamos trabalhar e também que vissem como são executados alguns movimentos.
A confecção do balangandan e da bolinha de painço foi um sucesso. Todas as crianças
adoraram saber que poderiam fazer as bolinhas e levá-las para brincar em casa.
É preciso ter atenção contínua com os materiais para que não joguem nos colegas.
Também é preciso ressaltar a importância de cuidarmos do material para que ele possa
estar disponível para toda a escola e que, todos somos responsáveis por ele.
101

6 A APRESENTAÇÃO DE FIM DE ANO

Uma das características fundamentais do circo é a apresentação criada a partir das
atividades desenvolvidas e do conhecimento acumulado, daquilo que o artista sabe fazer de
melhor naquele momento. Dessa maneira, utilizar-se de aulas de circo sem uma apresentação
final daquilo que as crianças aprenderam, é abster-se de um momento muito importante tanto
para as crianças, que anseiam por um momento especial e se preparam para tanto, utilizando-se
de sua capacidade motora e cognitiva, quanto para os professores que terão nesse momento uma
oportunidade de refletir sobre seu próprio trabalho e assim melhorar seus ensinamentos e
métodos a cada fechamento de ciclo de aprendizagem.
A apresentação, além de ser uma exibição daquilo que as crianças aprenderam também
envolve disciplina (necessita de atenção e ensaios regulares) e superação de medo e vergonha,
portanto ela também é necessária para o desenvolvimento da criança e para uma transmissão de
conhecimento sobre o circo um pouco mais completo na escola.
Muitas vezes as crianças ficam exaustas de ensaiar, as aulas são alteradas, revezando
ensaios e jogos circenses, para que elas se dediquem mais, tanto aos ensaios quanto aos jogos.
Cada sala de pré (turma de 25 alunos) apresenta uma coreografia que pode conter uma ou
mais modalidades circenses. Esta coreografia é montada com o professor que separa as
modalidades trabalhadas em cada coreografia de acordo com a capacidade de cada sala, o que
deverá ser observado no decorrer das aulas, elas são montadas e ensaiadas dois meses antes da
apresentação. Porém desde o começo do semestre os professores trabalham elementos
coreográficos com as crianças. Além disso, as coreografias são compostas ao som de músicas,
algumas delas infantis, outras que se reportam ao circo, e ainda outras apenas instrumentais. Estas
músicas têm duração de dois a três minutos.
Na coreografia trabalhamos a entrada das crianças, a forma de se portarem na frente do
público, possíveis erros e possíveis formas de fazer com que o erro não apareça, musicalidade, e
o agradecimento final.
Além disso, convidamos alguns grupos e artistas circenses para apresentarem suas
coreografias, além da apresentação dos professores em suas respectivas especialidades.
102

No dia da apresentação todos os pais dos alunos e toda a comunidade são convidados para
prestigiar o nosso “minicirco”. Os pais e as mães se orgulham de ver seus filhos superando suas
capacidades e se apresentando para um publico tão grande.
Algumas crianças sempre apresentam maior dificuldade para executar algum movimento,
mas aí está a beleza desse trabalho, com todos se apresentando de acordo com aquilo que é capaz.
As crianças são todas produzidas de acordo com o que a escola possui como pintura facial
e fantasias.


Figura 22: Apresentação grupo convidado. Figura 23: Apresentador do “minicirco”.

Figura 24: Apresentação núcleo. Figura 25: Apresentação com professores

Figura 26: Apresentação dos palhacinhos Figura 27: Apresentação com perna de pau
103


Figura 28: Apresentação das bailarinas Figura 29: apresentação das bailarinas e palhacinhos












104

7 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Acreditamos que o trabalho desenvolvido trouxe para as crianças muita alegria e diversão
que é exatamente o que eles buscam nesta etapa de suas vidas. Além disso, nos mostrou que é
possível respeitando os interesses delas, o desenvolvimento da educação motora e da cultura
corporal da criança.
A fantasia do circo exige uma dedicação imensa do professor, uma vez que este tem que
estar sempre preparado para todas as possibilidades. A atividade não acontece se o professor não
se fantasiar e não entrar na história junto com as crianças. É necessário, portanto muito esforço
por parte do professor para fugir da realidade e entrar no mundo do jogo. Se o professor não tiver
essa disposição, seu trabalho pode satisfazer seus interesses, mas não o interesse das crianças.
As crianças que freqüentam a Creche Monte Cristo da FDA precisavam do carinho e
dedicação não só das pessoas que moravam no bairro, mas também das pessoas de fora da
realidade deles que pudessem apresentar algo novo e mágico. Não estamos querendo dizer que as
pessoas do bairro não têm capacidade de desenvolver um trabalho como o nosso na creche, mas
sim que este trabalho de sair de Barão Geraldo de dentro da UNICAMP e levar um pouco do
nosso conhecimento para aquelas pessoas que não os tem, é algo com extrema importância.
Acreditamos que a relação entre a creche e os professores das atividades circenses foi uma
relação de troca muito boa, no sentido em que acrescentou conhecimentos dos dois lados. Se por
um lado ensinamos o que sabemos das atividades circenses e levamos o divertimento tão
esperado pelas crianças, por outro conhecemos outra realidade a qual nos fez valorizar um pouco
mais as nossas vidas.
Com o trabalho desenvolvido na creche aprendemos como lidar com as crianças, o que
fazer para que a aula se torne interessante, como agir em certas situações de desordem, como
entrar no mundo da criança sem deixar de ser a professora, entender o tempo do aprendizado
delas respeitando o seu tempo individual e entendemos principalmente que não adianta gritar
mais alto do que elas, que quando decidimos falar baixo elas se esforçam para ficar quietas e
desenvolvem mais atenção. Enfim, as crianças nos educaram para que nós pudéssemos educá-las.
105

Durante o processo de ensino aprendizagem das atividades circenses, os alunos
desenvolvem diferentes aspectos pessoais como a sensibilidade na expressão corporal, a
cooperação, o desenvolvimento da criatividade, a melhora da auto-superação e a melhora da auto-
estima. Assim torna-se um excelente veículo condutor para uma Educação Física mais artística,
mais dedicada às atividades de expressão corporal (DUPRAT, 2007).
Cada atividade dentro das modalidades circenses possui a sua especificidade, assim, pode
parecer que as atividades de acrobacias aéreas, por serem atividades individuais, não deveriam
ser desenvolvidas na escola, entretanto, elas são atividades que auxiliam no processo da educação
motora da criança, dando-lhe equilíbrio, força, coordenação, além de superação de capacidades e
conseqüente aumento da sua auto-estima. Dessa maneira se estas atividades forem colocadas
juntamente a outras e as crianças não ficarem muito tempo esperando na fila, acreditamos que o
trabalho é um trabalho possível e divertido para as crianças.
Alguns materiais como o trampolim acrobático fazem com que as crianças fiquem muito
eufóricas, dessa maneira é importante que antes iniciar as atividades haja uma conversa com as
crianças sobre o que realmente faremos com/no material e também precisamos deixar claro que
existe o tempo de fazer as atividades dirigidas e o tempo de fazer as atividades livres. Uma vez
no mês as crianças têm a oportunidade de utilizarem o material da forma como quiserem
respeitando a integridade do material, nós chamamos esse dia de circo aberto.
Às vezes é importante que as crianças tenham momentos livres para a criação do
movimento, isso também faz parte de seus processos de aprendizagem. Muitas vezes as deixamos
criarem coreografias e atividades com os materiais, e aceitamos as suas opiniões, pois isto é
importante para o seu desenvolvimento social, sendo interessante para a criança que suas idéias
também sejam aceitas pelo grupo.
A opção de desenvolver a confecção de materiais alternativos é uma opção muito legal
para a realidade daquelas crianças em especial. Apesar de muitas delas não terem condições nem
de comprar o material alternativo, eles ficam muito contentes de poderem levar o material que
eles mesmos produziram para suas casas.
Estamos cientes que aulas de 30 minutos com um grupo de aproximadamente 25 crianças,
não é a realidade de qualquer escola. Sabemos do sucateamento da educação e da superlotação
das salas de aulas, entretanto, esta disposição da creche Monte Cristo em especial facilita o nosso
trabalho.
106

Claro (2007) apresenta em sua monografia de conclusão de curso que o circo tem certa
importância no patrimônio cultural e na manifestação da cultura corporal e que assim, devemos
apropriar-nos do conhecimento dele em nossas aulas, pois o circo propiciará aos alunos
condições de compreender a arte circense em suas vidas da forma como lhes for adequado
[...] seja desfrutando dos conhecimentos adquiridos como prática de lazer, desejando
aprofundar tais conhecimentos em busca da profissionalização nesta área, ou
simplesmente podendo assistir a espetáculos circenses de maneira mais crítica.
(CLARO, 2007, p. 21).

Assim ele considera relevante a sua abordagem na Educação Física escolar. Não se fala em
colocar a arte circense como único tema das aulas de Educação Física, mas da importância de
incluí-la no planejamento escolar.
O objetivo do nosso trabalho, não foi fazer uma receita de aulas de circo das modalidades
acrobáticas e de manipulação e sim apresentar possibilidades da utilização do circo como uma
área a ser tratada na Educação Física no ensino infantil.
Acreditamos que trabalhar com o circo em uma escola de ensino formal de educação
infantil que tenha certa quantidade de materiais disponíveis para a realização de determinadas
atividades pedagógicas por nós propostas, é realmente um privilégio. Justamente por isso,
julgamos ser possível que estas atividades possam acontecer naquelas escolas que se dispuserem
a oferecer materiais adequados para o desenvolvimento de algumas atividades circenses que
muito podem contribuir para a formação da criança em sua totalidade, colaborando assim com o
objetivo maior da educação que é a construção do homem como indivíduo capaz de assumir
responsabilidades e lutar pelos seus direitos. Esperamos assim que este trabalho possa chamar a
atenção dos profissionais de Educação Física e das escolas de Educação Infantil, para a riqueza
das aulas de circo na cultura corporal das crianças. Esperamos que os profissionais sintam-se
motivados para englobar as atividades circenses como conteúdo das aulas de educação física.
Depois de vivenciar este trabalho na creche eu (Lara) acredito que minha vida girará em
torno das atividades circenses como uma proposta para a educação. E mesmo que eu tente prestar
um concurso publico para dar aulas de educação física em qualquer outro ensino que não o
ensino infantil, então farei o possível para desenvolver algumas das atividades aqui relatadas que
tive o prazer de aprender e desenvolver na creche Monte Cristo da Fundação Douglas Andreani.
Acredito que este aprendizado será levado ao longo de toda a minha vida profissional.

107

8 REFERÊNCIAS

ANTUALPA, K. F. Ginástica rítmica e contorcionismo: primeiras aproximações. 2005.
Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso Graduação) – Faculdade Estadual de Campinas,
Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

BORTOLETO, M. A. C. A perna de pau circense: o mundo sob outra perspectiva. Motriz, Rio
Claro, v. 9, n.3, p.125-133, set./dez. 2003.

______. Rola-bola: iniciação. Movimento & Percepção, Espírito Santo de Pinhal, SP, v.4, n.4/5,
jan./dez. 2004.

______. Circo y educación física: los juegos circenses como recurso pedagógico. In: Revista
Stadium, Buenos Aires, ano 35, n.195, p.15–26, mar. 2006.

______. Introdução a pedagogia das atividades circenses, Jundiaí: Editora Fontoura, 2008.

______.; MACHADO, G. A. Reflexões sobre o circo e a Educação Física. Corpoconsciência,
Santo André, n.12, p.39-69, jul/dez.2003.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental.
Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC: SEF, 1998. v.1.

CLARO, T. S. Arte circense e Educação Física: Compartilhando uma experiência Pedagógica.
2007. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Faculdade Estadual de Campinas.
Universidade Estadual de Campinas, 2007.

108

DUPRAT, R. M. Circo e ginástica artística: Estudo das pedagogias de ensino e treinamento no
trapézio e na barra fixa. 2003. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso Graduação) –
Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

______. A arte circense como conteúdo da Educação Física. 2004. Relatório final de
atividades de Iniciação Científica. Campinas: Faculdade de Educação Física: Universidade
Estadual de Campinas, 2004.

______. Atividades circenses: possibilidades e perspectivas para a Educação Física escolar.
2007. 122f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física.
Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

INVERNÓ, J. Circo y educación física: outra forma de aprender. Barcelona: INDE
publicaciones,2003.

KISHIMOTO, T. M. Política de formação profissional para a educação infantil: pedagogia e
normal superior. Educação & Sociedade: formação de profissionais da educação: políticas e
tendências, n. 68, p. 61-79, 1999.

LIMA, F. C. A Educação Física na educação infantil: um estudo de caso na cidade de Casa
Branca/SP. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso Graduação) - Faculdade de Educação
Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

LÓPES, M. P. M. A Educação Física na educação infantil do município de São Paulo:
necessária à formação e capacitação da criança. 1997. Dissertação (Mestrado em Educação) -
Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

MAEKAWA. M. R. Arte, circo e Educação Física. 2006. Monografia (Trabalho de Conclusão
de Curso Graduação) – Faculdade Estadual de Campinas, Universidade Estadual de Campinas,
Campinas, 2007.
109

MARTINELLI, M. Aulas de transformação: programa de educação em valores humanos. São
Paulo: Ed. Peirópolis, 2000.

PARMA, M. Palhaço Tachinha: do picadeiro para as aulas de Educação Física. 2007.
Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso Graduação) – Faculdade Estadual de Campinas.
Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

SABATINO, A. Circo e palhaço: relações com a Educação Física. 2005. Monografia (Trabalho
de Conclusão de Curso Graduação) – Faculdade Estadual de Campinas, Universidade Estadual de
Campinas, Campinas, 2007.

SAYÃO, D. T. Educação Física na educação infantil: riscos, conflitos e controvérsias.
Motrivivência, v.11, n.13, p.221-38, 1999.

2

FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA BIBLIOTECA FEF - UNICAMP

D543a

Dias, Lara Costa. Arte circense no ensino infantil: reflexões sobre uma proposta / Lara Costa Dias. -- Campinas, SP: [s.n], 2009.

Orientador: Elaine Prodócimo. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas.

1. Educação infantil. 2. Circo. 3. Educação Física escolar. I. Prodócimo, Elaine. II. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação Física. III. Título.

Título em inglês: The role of circus art in primary education: a perspective on an proposal. Palavras-chave em inglês (Keywords): Elementary school; Cirsus; Physical Education for children . Banca Examinadora: Elaine Prodocimo; Marco Antonio Coelho Bortoleto; Rodrigo Mallet Duprat. Data da defesa: 29/06/2009.

3

LARA COSTA DIAS

A ARTE CIRCENSE NO ENSINO INFANTIL: Reflexões sobre uma proposta
Este exemplar corresponde à redação final da Monografia de graduação defendida por Lara Costa Dias e aprovada pela comissão julgadora em 29/06/2009.

Profa. Elaine Prodócimo Orientadora Prof. Dr. Marco Antonio Coelho Bortoleto Banca examinadora Prof. Ms. Rodrigo Mallet Duprat Banca examinadora

Campinas 2009

Alunos da Creche Monte Cristo vestidos de Palhaços na apresentação de fim de ano que aconteceu na própria creche em 2008. Fonte: Fotos de professores Dedico este trabalho a minha família e as crianças da creche Monte Cristo da Fundação Douglas Andreani com toda a minha alegria e carinho. .4 DEDICATÓRIA: Figura 1.

. que além de me ajudar com a tradução para o espanhol e correção do resumo. Thais. À Família Padrón por ter me dado o melhor dos presentes. Kamallini e Indranii. por me fazerem acreditar um pouco mais nos valores humanos. amor. participou de algumas atividades com as crianças no segundo semestre de 2008. que se prontificou a ajudar com a tradução do resumo deste trabalho para o inglês com muita dedicação. funcionários e funcionárias. o David. e me proporcionarem uma educação divertida e suficiente pra que hoje eu conseguisse chegar aqui. além de todo o carinho e energia positiva que me passaram: Pintor.5 AGRADECIMENTOS Agradeço a minha mãe e ao meu pai por me colocarem no mundo. finalmente. alegria e carinho. crianças e moradores que freqüentaram a creche. e me colocado um pouquinho mais próxima à Educação Física. Julierme e Hugo. com muita paciência. Ao Agustín. por toda a paciência que teve comigo nesses cinco anos de universidade e por me mostrar oportunidades de estudo e trabalho. que sempre me explicaram coisas do circo. e amigos que me ajudaram com poucos barulhos. e deu a mim e às crianças muita força. A galera da república. E. algumas dúvidas de formatação e muito carinho: Ruth. meus irmãos queridos que sempre me influenciaram e me suportaram durante respectivamente 24 e 22 anos. Agradeço também ao Nizar por ter caído do céu diretamente na nossa casa. Jaya. Ao pessoal que não come alho e cebola. que me adotou desde o início da minha graduação. À Lucimar (diretora da creche). à Elaine. carinho e atenção. Aos meus amigos Danilo e Daniel. o que veio a modificar também a minha dieta contribuindo assim com uma melhor concentração da minha parte na execução deste trabalho. além de me apresentarem a Convenção Brasileira de Malabares e por terem sido bons amigos durante esses cinco anos de faculdade. À Fernanda e ao Emmanuel. à Carol (coordenadora de atividades circenses) e a todas as professoras e professores.

104f. Educação Física escolar. Circo. Arte circense no Ensino Infantil: Reflexões sobre uma proposta. acreditamos que trabalhos que venham ampliar os conhecimentos sobre este tema têm relevante importância no âmbito acadêmico da Educação da Física. no contexto da escola de Ensino Formal da Fundação Douglas Andreani. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação)-Faculdade de Educação Física. É apresentada. localizar os pontos mais relevantes (experiências de êxitos e de fracasso) da relação simbiótica do circo inserido nas aulas de Educação Física. Deste modo o presente trabalho tem como finalidade aguçar essa discussão teórico-prática de aulas de circo na Educação Formal. apresentando e analisando uma proposta real desenvolvida no ano de 2007 e 2008 na periferia da cidade de Campinas (Brasil). Nessa pesquisa estão expostas as atividades voltadas para as crianças de cinco e seis anos de idade nas modalidades manipulação e acrobacias. Universidade Estadual de Campinas. percebemos a necessidade de analisar e aprofundar nossas reflexões acadêmicas sobre a situação do binômio: circo-escola.6 DIAS. Lara Costa. . das mães e das crianças. Campinas. RESUMO Atualmente no Brasil e no mundo detectamos o aumento da procura. 2009. 2009. Diante disso. Dessa maneira. uma reflexão com conteúdos tanto práticos como teóricos sobre a importância da utilização dos jogos circenses e seus imprescindíveis cuidados e recomendações para serem inseridos no currículo da Educação Física no Ensino Infantil. da possível inclusão das aulas de circo em escolas de Educação Formal e Informal. Almejamos. dessa maneira. por parte dos pais. Palavras chave: Educação Infantil. portanto.

the existing connections between circus and schooling. from a scientific point of view. Lara Costa. I consider the research on this topic a focal point for the academic sphere of physical education. Taking this into consideration. Hence I present a reflection on the importance of the use of circensian games. I believe that there is a clearly-defined need of analyzing. Throughout this paper. parents and children increasingly demand the inclusion of circus lessons in the formal and informal educational programmes of primary schools.7 DIAS. ABSTRACT At present times. 104f. State University of Campinas (Brazil). Circus. including practical and theoretical contents as well as recommendations for the correct inclusion of these activities in the curricula of physical education classes in Elementary School. 2009. Final year project (Graduation) -Faculty of Physical Education. I have analyzed the activities designed for 5 and 6 years old children in the area of manipulation and acrobatics. Physical Education for children. The role of Circus Art in Primary Education: A perspective on an proposal. Therefore I aspire to analyize the succesful and failed experiences in this field of the Douglas Andreani Foundation and its Formal Education school. The current essay aims to stimulate the practical and theoretical discussion on the role of circus lessons in formal education. paying special attention to the role of circus activities in physical education classes. . 2009. both in Brazil and abroad. Key words: Elementary School. presenting and analyzing a project carried out in 2007-2008 in the outskirts of the Brazilian city of Campinas.

El Arte circense en la Enseñanza Infantil: Reflexiónes sobre una propuesta.8 DIAS. En éste trabajo de investigación quedan expuestas las actividades diseñadas para los niños y niñas de cinco y seis años. 2009. Circo. dentro de las modalidades de manipulación y acrobacias. 104f. RESUMEN Actualmente en Brasil y en el mundo detectamos un incipiente aumento de la demanda por parte de los padres. Trabajo de conclusión de curso (Grado)-Facultad de Educación Física. El presente trabajo tiene como finalidad acrecentar la citada discusión teorico-práctica en torno a las aulas de circo en la Educación Formal. Universidad Estatal de Campinas. creemos que trabajos que surjan para ampliar los conocimientos de ésta área temática. De esa manera. 2009. . presentando y analizando una propuesta real desarrollada en el año 2007 y 2008 en la periferia de la ciudad de Campinas (Brasil). Se presenta por tanto. una reflexión con contenidos tanto prácticos como teóricos sobre la importancia de la utilización de los juegos cirscenses y sus imprescindibles cuidados y recomendaciones para que puedan ser incluidos en el curriculum de la Educación Física de la Enseñanza Infantil. Educación Física escolar. tienen una relevante importancia dentro del ámbito académico de la Educación Física. Palabras clave: Educación Infantil. Ante este panorama percibimos la necesidad de analizar y profundizar científicamente en torno al binomio: circo-escuela. Por tanto se aspira a localizar los puntos más relevantes (experiencias de éxito y de fracaso) de la relación simbiótica del circo incluido en las aulas de Educación Física. niños y niñas en relación a la posible inclusión de las clases de circo en escuelas de Educación Formal e Informal. dentro del contexto de la escuela de Enseñanza Formal de la Fundación Douglas Andreani. madres. Lara Costa.

................. 4 Esquadro no tecido ............................................................................................................................ 66 Educativo para o mortal ................... Pose no tecido ...................................................... 66 Espacato ........................... Sereia com auxílio ............................ 66 88 Tule ........................................................................................................................................................................................................................................ Bolinhas .... 35 35 35 43 43 45 Sereia sem auxílio ........................................................................................................................................................................................ Esquadro ................................... 88 Cigar Box .........................................................................................9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 – Figura 2 – Figura 3 – Figura 4 – Figura 5 – Figura 6 – Figura 7 – Figura 8 – Figura 9 – Figura 10 – Figura 11 – Figura 12 – Figura 13 – Figura 14 – Figura 15 – Figura 16 – Figura 17 – Figura 18 – Figura 19 – Figura 20 – Figura 21 – Figura 22 – Palhacinhos da apresentação de fim de ano ..... 88 Apresentação do grupo convidado ................................................................................. 35 Balanço no trapézio .................................................................................................................................................................................. 88 Swing .......................................... 88 Cordas ......................... Esquadro ....................................... 66 Ponte ...................................... Inventando no trapézio .......................... Em dupla no trapézio .............................................................................................................. 57 Estrelinha ....................................... 45 Crianças na apresentação de fim de ano no mini-trampolim ........... 35 35 Pose da sereia no tecido ............................................................................................................................................................................ 102 ..

10

Figura 23 – Figura 24 – Figura 25 – Figura 26 – Figura 27 – Figura 28 – Figura 29 –

Apresentador do “minicirco” ....................................................... 102 Apresentação do núcleo ............................................................... 102 Apresentação com professores .................................................... 102

Apresentação dos palhacinhos ..................................................... 102 Apresentação com perna de pau .................................................. 102

Apresentação das bailarinas ......................................................... 103 Apresentação das bailarinas e palhacinhos .................................. 103

11

LISTA DE QUADROS

Quadro 1 – Quadro 2 – Quadro 3 – Quadro 4 –

Classificação adotada pela Escola Nacional de Circo da França ... 25 Classificação por modalidades circenses baseado no tamanho do material .......................................................................................... 26

Classificação das modalidades circenses por unidades didáticopedagógicas .................................................................................... 27 As modalidades circenses e as unidades didático-pedagógicas que são possíveis de serem trabalhadas na creche ......................... 31

12

LISTAS DE SIGLAS E ABREVIATURAS

FDA - Fundação Douglas Adreani FEF - Faculdade de Educação Física UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas CNAC - Le Centre National des Arts du Cirque

.................................................1 5...............................................................3.............................. 101 104 107 .4.............4 5................................ 89 A APRESENTAÇÃO DE FIM DE ANO ........13 SUMÁRIO 1 2 3 4 4......................................1 5............ 66 Manipulações de objetos ..................2.................................1......... 36 Acrobacias de trampolinismo ....... considerações e comentários ......................... 58 Acrobacias de solo ............... 28 A Creche ........................... Acrobacias Aéreas ...............................1 5................. 56 Relatórios............................................................................................ REFERÊNCIAS ......................2 5......................1 4........... considerações e comentários .......... 87 Relatórios...........................1 6 7 8 UM BREVE HISTÓRICO ............................ considerações e comentários ............. 18 SOBRE AS MODALIDADES CIRCENSES NA ESCOLA ......................................................................................................... 28 As Aulas ....................... CONSIDERAÇÕES FINAIS ..................................2 5 5................................................................................................1 5.............................. 29 34 34 Relatórios... 14 EDUCAÇÃO INFANTIL........................ EDUCAÇÃO FÍSICA E CIRCO .................... considerações e comentários ....................................................... ATIVIDADES PROPOSTAS ...................... 64 Relatórios.............................................. 22 COMPARTILHANDO UMA EXPERIÊNCIA .......3 5....

professores. convidada para dar oficinas de atividades circenses numa escola de educação infantil de ensino formal. Minhas interações com meus colegas de classe. Acredito na grande influência dos professores que transformaram minha consciência de senso comum em uma consciência de senso filosófico embora a vida em si e a interação com as pessoas em geral me fizessem pensar em tudo aquilo que era proposto em sala de aula. Na escola há um vínculo maior entre professor e aluno. Busquei fazer uma ponte entre o lazer estudado na universidade e as atividades que eram propostas no meu trabalho. fui indicada por um dos colegas e. pois queria unir a minha realidade profissional com a realidade universitária. e terceiro porque eu nunca havia trabalhado em uma escola. dependendo de onde você . sentia-me esgotada.14 1 UM BREVE HISTÓRICO: Acredito que o meu processo pessoal de conhecimento foi e está sendo construído por meio de um diálogo entre o meu eu e tudo aquilo que de alguma forma passou por mim ao longo de minha vida. amigos. Confesso que fiquei surpresa com o convite por três motivos principais: primeiro. por ter trabalhado lá. Contudo. participando assim de uma boa parte do seu desenvolvimento. pois acabava empregando muita energia naquilo que eu estava fazendo. segundo. No início. família. todo mundo que girou em minha volta nesses vinte e quatro anos de vida com certeza contribuiu para as minhas escolhas e decisões. Assim. porque eu não tinha experiência nenhuma com circo. quanto para entrar no universo do circo e ainda poder unir essas duas coisas. em especial. porque pensei que pudesse ser desgastante demais trabalhar todos os dias com crianças. em que o primeiro influencia e acompanha o crescimento do segundo. Quando entrei para a faculdade fui selecionada para trabalhar com recreação no clube de um condomínio de Campinas. Trabalhei por três anos nesse condomínio com crianças de 3 a 12 anos. tanto para conhecer o universo escolar. adulto e melhor idade). Desde 1998 venho trabalhando com recreação em todas as faixas etárias (infantil. enfim. e somente mais tarde é que fui entender que trabalhar em escola é bem diferente de trabalhar com o lazer. trabalho. Isso nem sempre ocorre no lazer. acabei aceitando esse desafio. nesses últimos cinco anos que tenho freqüentado a faculdade. em seguida. achei que a minha vida acadêmica iria girar em torno do lazer. e. porque.

administração da escola. pelas matérias da licenciatura (como eu estava atuando em uma escola. atenção e disposição especiais não só dos professores-moradores do bairro. contribuindo assim para a melhoria do nosso trabalho. Além do planejamento anual e semanal. Enfim. comecei a procurar subsídios teóricos para embasar aquilo que propúnhamos na escola. juntamente com uma reflexão sobre a Educação Infantil. adaptado de Bortoleto e Machado (2003) e CNAC proposta por Duprat (2007).comportamento de alunos. Tenho certeza de que. até que um de nossos colegas nos apresentou a classificação das modalidades circenses por unidades didático-pedagógicas. se todos conseguissem amar de alguma forma aquilo que fazem. por meio das quais comecei a freqüentar grupos de treino. mas pelo contentamento em sentir-se fazendo a diferença na vida das pessoas. fazendo com que as conheçamos muito pouco. Desta forma. Quando cheguei à creche. assumi intensamente e com enorme disposição aquele trabalho porque percebia claramente que as crianças daquele bairro. e o fizessem não só pelo dinheiro. a discussão sobre a situação desta tornava-se mais coesa . ou . às vezes somente por algumas horas e possivelmente não voltamos mais a encontrá-las. Por fim. atuação de professores em sala de aula. acredito que acima de todas as teorias da educação deverá ser colocado sempre o amor e o respeito pelas crianças. passei a me interessar por tudo o que era voltado para a escola e para o circo. ou pela satisfação em ajudar o outro e por isso mesmo tornar-se mais humano.15 trabalha o ritmo das atividades é muito acelerado e as crianças se renovam o tempo todo. cultura e tudo aquilo que diz respeito e é estudado em um curso de licenciatura) e pelas atividades circenses. Com o passar do tempo. mas também de pessoas que estivessem fora da realidade delas e que pudessem apresentar para elas algo mágico e novo. nós professores também discutíamos textos e apresentávamos temas que eram vistos na faculdade. para serem debatidos. nossas aulas foram (e ainda são) montadas a partir da classificação proposta por Duprat. nas primeiras semanas. alimentação. precisavam de carinho. Embora muitas vezes tenha-me sentido piegas falando do meu trabalho. fizemos reuniões e discutimos o que seria proposto para as crianças. além do esforço contínuo para que os valores humanos façam parte do seu cotidiano. a participar de convenções e a buscar uma teoria que embasasse as atividades circenses no âmbito escolar. fazer aulas das modalidades que eu não conhecia. política educacional. Começamos então a discutir que elementos nós poderíamos trabalhar.

principalmente para me desenvolver enquanto pessoa. Lembro-me de uma aula na disciplina de jogos. o que reforça a importância em querer ser exemplo para as crianças e para as pessoas do meu universo. demonstrando assim. Diante de toda esta experiência vivida e aqui relatada. saindo de um senso comum e buscando uma consciência filosófica sobre a minha realidade enquanto educadora. o que nos levou a raciocinar sobre a importância de tomarmos atitudes fundamentadas em valores humanitários.] o grande instrumento de aprimoramento e o traço de união dos povos. quando a professora nos explicou as redes de interações e a teoria do caos. e em seguida levou-nos para a quadra Para que tentássemos fazer triângulos eqüiláteros com uma pessoa em cada vértice sem que pudéssemos trocar idéias para atingirmos tal objetivo. Os valores humanos de acordo com Martinelli (2000.. se desejamos aquele mundo perfeito e coerente de que falei anteriormente.. estas mesmas pessoas também assimilaram de alguma forma os meus valores. ao mesmo tempo em que apreendi valores de muitas pessoas do meu universo. paz e não violência. o que provocava a movimentação das demais. mas eu que precisava delas. 16) são fundamentos morais e espirituais da consciência humana que constituem “[.16 ainda por qualquer outro sentimento agradável e harmonioso que só os valores humanos nos podem revelar. que de alguma forma estamos conectados com o mundo todo. o mundo se tornaria um pouco mais perfeito e coerente. surgiram-me alguns questionamentos por meio dos quais decidi fazer esta pesquisa: Seria o trabalho com aquelas crianças realmente proveitoso no sentido de contribuir para o desenvolvimento da cultura corporal delas? Estaria atendendo às necessidades de diversão que as . Suponho que.”. da nação e do mundo. Terminada a atividade voltamos à sala de aula para fazermos uma reflexão. Esses valores são: verdade. p. da minha teia de relacionamentos. Os valores promovem a verdadeira prosperidade do homem. Com o passar do tempo descobri que não eram somente as crianças da creche que precisavam de mim. e quando todos os alunos estavam prontos a professora começava a movimentar algumas pessoas. e que a atitude de cada um reflete em atitudes maiores e estrondosas tanto nos ambientes em que escolhemos viver como até mesmo em outros países. sem distinção. em uma menor escala. amor. Demoramos muito tempo para que os triângulos ficassem prontos. tomando atitudes pensadas e calcadas nos valores humanos. ação correta.

17

crianças tanto anseiam nas aulas de atividades circenses e respeitando, assim, suas características e interesses? O circo também foi trabalhado em sua especificidade? Foi a partir destes questionamentos que surgiu a realização desse estudo, que tem como objetivo responder a estes mesmos questionamentos descrevendo e analisando e refletindo sobre uma proposta de atividades circenses realizadas na creche Monte Cristo de Educação Formal da Fundação Douglas Andreani.

18

2 EDUCAÇÃO INFANTIL, EDUCAÇÃO FÍSICA E ATIVIDADES CIRCENSES

A procura pela Educação Infantil tem aumentado muito, tendo em vista a crescente urbanização, a maior participação das mulheres no mercado de trabalho e a transformação na estrutura familiar, além da maior consciência da sociedade sobre a importância das experiências na primeira infância (LIMA, 2002). Apesar de no estatuto da LDB, título VI, art.62, constar a exigência de que a formação do profissional para atuar na Educação Infantil deva ser uma formação em “nível superior, em curso de licenciatura, de graduação plena, em universidades e institutos superiores de educação, admitida, como formação mínima para o exercício do magistério na Educação Infantil [...]” (BRASIL, 1998, p. 39), a situação da Educação Infantil ainda é precária, e os professores muitas vezes não possuem formação acadêmica adequada e, portanto, não estão formalmente preparados para trabalhar com essa faixa etária. É preciso na Educação Infantil tomar a “criança como ponto de partida” isto significa pensar num currículo que contemple diferentes linguagens em suas múltiplas formas de expressão, as quais se manifestam por meio da oralidade, gestualidade, leitura, escrita, musicalidade “Estas formas de expressão, vividas e percebidas pelo brincar, representam a totalidade do ‘ser criança’ e precisariam estar garantidas na organização curricular da sua educação [...] e não enquadradas em áreas do conhecimento e alocadas em disciplinas” (SAYÃO, 1999, p. 234) Afirma-se cada vez mais a idéia de que é importante na Educação Infantil, um professor “completo”, que trabalhe com todas as áreas do conhecimento, mas muitas vezes, nas universidades, vemos que os profissionais de licenciatura, saem especializados e, portanto, com bagagem insuficiente para atuarem em todas aquelas áreas, surgindo então a necessidade de dividir o tempo entre alguns profissionais, o que acaba acarretando uma disciplinarização desse nível de ensino. KISHIMOTO (1999, p. 73) completa este raciocínio quando nos trás que:
As múltiplas relações que podem ser estabelecidas em ambientes educativos nos quais convivem crianças de faixas etárias diversas, juntamente com profissionais de várias áreas, além de pais e membros da comunidade, constituem portas de entrada para a construção do conhecimento que se processa quando se respeita a diversidade social e

19

cultural, a multiplicidade de manifestações da inteligência e a riqueza dos contatos com personagens e situações.

Se por um lado, essa divisão pode tornar-se prejudicial porque a troca de um professor por vários professores faz com que as crianças se sintam deslocadas e os professores se sintam fora de contexto, por outro lado, se houver um entendimento entre os diferentes conteúdos das diferentes disciplinas, entre o professor que acompanha o grupo durante todo dia e os professores especialistas, ou seja, se for feito um trabalho realmente interdisciplinar, acredita-se que haverá uma melhoria na Educação Infantil, tendo esta, uma ação mais completa na vida das crianças. O profissional de Educação Física tem algumas responsabilidades com essa faixa etária. Lopes (1997, p.12-13) escreve em sua dissertação de mestrado sobre a Educação Física na Educação Infantil:
Pode-se afirmar, então, que a Educação Física na idade pré-escolar pretende educar o domínio motor ou psicomotor (também assim chamado), permitindo a criança, segundo Machado (1994), um comando inteligente de suas ações físicas. Isto significa que o corpo é na criança, o elemento básico de contato com a realidade exterior (criança ambiente), portanto, para que possa chegar às capacidades de análise e síntese de representação mental, faz-se necessário que estas funções tenham sido realizadas previamente, e de forma concreta, através da ação corporal, executando tarefas motoras que visem desenvolver e refinar uma ampla variedade de habilidades fundamentais progredindo de um estágio inicial, passando por um estágio elementar, para finalmente atingir o estágio maduro.

Além de educar a ação corporal da criança, o profissional de Educação Física também deve fazer com que a criança entenda a sua realidade, integrando assim a sua própria cultura ao seu movimento corporal. Lima (2002, p. 27) diz que a Educação Física, tem um valor precioso, uma vez que proporciona a criança a chance de vivenciar “[...] diferentes formas de organização, da criação de normas e formas de realizar tarefas e atividades, de descobrir maneiras variadas de cooperação e participação nas mais diversas situações [...]” permitindo a modificação da criança e do seu meio social. O jogo é uma ferramenta da Educação Física importantíssima para a introdução da atividade física na escola de Educação Infantil, devido ao seu caráter lúdico. Piaget (1932) expõe que por meio dos jogos podemos perceber o desenvolvimento da inteligência e do pensamento das crianças. Para isso, ele propõe uma classificação dos jogos em jogos de exercício, jogos simbólicos e jogos com regras. Especificamente neste trabalho estamos falando do segundo

neste trabalho atribuimos ao jogo a situação lúdica para introduzir. p. além disso. que é o jogo simbólico. p. en primer lugar. A prática da atividade circense possui um grande valor sócio-cultural e está vivendo um aumento expressivo do interesse da população nos últimos tempos. o autor conclui afirmando que as atividades lúdicas em geral e o jogo motor em particular. Bortoleto (2006) apresenta em seu artigo “Circo y educación física: los juegos circenses como recurso pedagógico” que o jogo é um tema muito abordado por muitas disciplinas como a matemática. p. A criança que empurra uma caixa dizendo “ram-ram” assimila. ao jogo simbólico/ dramático/ jogos teatrais e jogos historiados. trás consigo aquilo que as outras práticas trazem com menor ênfase: possibilidade de uma educação artística. o símbolo torna-se objeto de pensamento. corporal. se encuentran los denominados “juegos circenses”. portanto. . (PIAGET. Enfim. somente com pensamentos e imaginações. afinal. esse movimento àquele do automóvel: O símbolo lúdico está definitivamente construído. respondendo. 15-16) ainda completa: En medio de este inmenso universo lúdico que abarcan los juegos. 1932. morais e educacionais de fundamental importância para a vida em comunidade e para o desenvolvimento pessoal e social. estética e de criação. tal y como señalan Gaquiere (1992) y Pitarch (2001. e na Educação Infantil especificamente. em sua imaginação. Bortoleto (2006.20 estágio. a história. constituem um conteúdo fundamental para o âmbito educativo. a menudo marginado en el ámbito educativo. fruto da liberdade. a estas grandes necessidades da sociedade moderna. quando à inteligência motora se juntam a linguagem e a representação. a filosofia entre outras e que. discutir e vivenciar as atividades circenses na Educação Física. 28) O circo entra no âmbito escolar justamente no que diz respeito ao jogo. a importância do jogo para o ser humano e para a cultura é mais que um consenso universal. Esta prática trás consigo valores cívicos. es decir. transmitir todo esse conhecimento a seus alunos é responsabilidade do educador físico. Além disso. ele supre a necessidade lúdica e de socialização que possuem todos os animais incluindo os seres humanos. dessa forma. Enfim é uma possibilidade expressiva e comunicativa. e que. 56) Ao contrário de algumas proposições teóricas que apresentam e justificam o jogo como importado em si mesmo. autonomia e crítica artística. assim. situaciones ludomotrices adaptadas y/o creadas en base a la motricidad típicamente circense. acessar. La puesta em práctica de estos juegos pretende. aprovechar el potencial lúdico y motivacional que poseen estas situaciones para aproximar a los estudiantes al mundo del Circo. em que a criança cria aquilo que deseja no momento em que ela assim o queira.

exibido para todas as crianças da escola e respectivos familiares. levando-se sempre em conta as capacidades de cada criança. vivenciassem a experiência da alegria do circo e participassem da produção de um pequeno espetáculo finalizando as atividades da escola. proporcionando assim uma experimentação de uma parte daquilo que é visto nos espetáculos circenses. conhecessem os potenciais do seu corpo. Dessa maneira. aliada à forma como propusemos as atividades e as constantes consultas aos autores estudiosos do circo e das pedagogias circenses. A experiência de trabalhar em uma creche da periferia de Campinas. . formaram um rico material para este trabalho. do corpo do seu colega e dos materiais utilizados. aprendessem a fazer materiais alternativos. onde o circo tornou-se uma realidade na vida das crianças. esta proposta pedagógica teve como objetivo permitir que os alunos conhecessem as modalidades circenses e as vivenciassem.21 A sugestão desse trabalho é descrever e analisar uma proposta de atividades circenses que foram ser levadas para uma escola de Educação Infantil.

devemos apropriar-nos destes saberes em nossas aulas. no Brasil e mais especificamente na Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas começam a aparecer estudos da pedagogia do ensino das atividades circenses. (CLARO. 2007).. A partir de então vários outros foram feitos direcionados para a pedagogia das atividades circenses nestes últimos seis anos.] seja desfrutando dos conhecimentos adquiridos como prática de lazer. que a utilização dos jogos circenses.. mas da importância de incluí-la no planejamento escolar. Thiago Sales (2007) 2 Marco Bortoleto (2003. livro3 e dissertações4parecendo existir uma relação 1 André Sabatino (2005). a cooperação. desejando aprofundar tais conhecimentos em busca da profissionalização nesta área. os alunos desenvolvem diferentes aspectos pessoais como a sensibilidade na expressão corporal. Nos acervos da Unicamp temos estudos de Duprat e Bortoleto que datam de 2003. São mais de 10 estudos entre trabalhos de conclusão de curso1. Durante o processo de ensino aprendizagem das atividades circenses. artigos2. A partir de 1999. [. Assim ele considera relevante a sua abordagem na Educação Física escolar. Daniela Helena Calça (2007). o que contribui de forma especial na formação humana de nossos alunos. Kizzy Fernandes Antualpa (2005). no meio acadêmico.22 3 SOBRE AS MODALIDADES CIRCENSES NA ESCOLA Claro (2007) apresenta em sua monografia de conclusão de curso que o circo tem certa importância no patrimônio cultural e na manifestação da cultura corporal e que assim. Não se fala em colocar a arte circense como único tema das aulas de Educação Física. pois o circo propiciará aos alunos condições de compreender a arte circense em suas vidas da forma como lhes for adequado. mais dedicada às atividades de expressão corporal (DUPRAT. o desenvolvimento da criatividade. Bortoleto (2006) traz. 21). 2007. em seu trabalho. Assim torna-se um excelente veículo condutor para uma Educação Física mais artística.2008) 3 Marco Bortoleto (2008) . p. Rodrigo Mallet Duprat (2004). Marcio Parma (2007). desperta sensações e produz uma motricidade que ajuda no desenvolvimento de vários aspectos da conduta humana. ou simplesmente podendo assistir a espetáculos circenses de maneira mais crítica. a melhora da auto-superação e a melhora da autoestima. Mariana Rodrigues Maekawa (2006).

o que veio a dar uma contribuição significativa para a base de acervos desse tema. A Classificação das modalidades circenses baseada no tamanho do material. Entre estes estudos temos aqueles que trazem o circo pensado no ambiente pedagógico e suas relações com a Educação Física. proposta por Duprat em 2007 (QUADRO 3). Os estudos sobre o circo podem ter uma variação muito grande. a classificação das modalidades circenses baseadas no tamanho do material. Além desses. Mariana Maekawa (2006). proposta por Bortoleto e Machado em 2003 (QUADRO 2) e a proposta de uma classificação das modalidades circenses por unidades didático-pedagógicas. Encontramos nesses estudos três diferentes classificações das modalidades circenses. orientando-nos teoricamente sobre a importância das aulas de circo no currículo escolar. de maneira equivocada.5) traduzida por Duprat (2007.23 com o crescente interesse da mídia pelo circo (embora o relacionando. que é a classificação proposta pela escola nacional de circo da França (QUADRO 1). que apresenta possibilidades de aprendizado de varias modalidades circenses e possibilidades de atuação do profissional na escola. Márcio Parma (2007). à busca pela beleza física. p. como é o caso das monografias de Thiago Sales (2007). como é o caso da monografia de Kizzy Fernandes Antualpa que aproxima ginástica rítmica ao contorcionismo. proposta por Bortoleto e Machado (2003). A Classificação adotada pela escola de circo da França. Em 2008 é lançado o livro Pedagogia das atividades circenses. Desse modo. a qual optamos por utilizar neste trabalho. utilizam materiais de 4 Rodrigo Mallet Duprat (2008) . temos estudos que relacionam algumas modalidades esportivas com o circo. as modalidades que precisam de pouca infra-estrutura. mostrando-o também como possibilidade de fuga da realidade na busca de um mundo paralelo onde o impossível é relativizado). André Sabatino (2005) e do Rodrigo Mallet Duprat (2004) que mais tarde é transformada em dissertação no ano de 2007. São elas: a classificação adotada por Invernó em 2003. baseia-se na classificação realizada pelo CNAC da França.56). uma vez que este tema é relativamente novo no meio acadêmico. proposta por Invernó (2003. objetiva a “adequação” de cada modalidade nas aulas de Educação Física. p. Alguns deles fornecem-nos uma base consistente para a fundamentação deste trabalho.

O autor propõe esta classificação baseando-se nas outras duas classificações citadas acima.. principalmente.] o papel fundamental da Educação Física escolar é proporcionar o contato das crianças com as manifestações culturais existente no circo. O foco dessa classificação são as ações motoras gerais envolvidas. conhecimentos e expressão corporal”. para o espaço das aulas curriculares de Educação Física. busca uma maior adequação do circo ao âmbito educativo. as unidades didático pedagógicas funcionam como temas organizadores que englobam determinadas capacidades físicas. p. Isto significa que a escolha das modalidades a serem trabalhadas pelo professor com seus alunos depende tanto da infra-estrutura da escola como dos materiais disponíveis e do número de crianças que irão participar das atividades. pois esta classificação é a que mais facilita o desenvolvimento teórico-prático dos conteúdos circenses pelo professor.. A Classificação das modalidades circenses por unidades didático. p.pedagógicas.. destacando as potencialidades expressivas e criativas. em um nível de exigência elementar. e as que não utilizam nenhum tipo de material. além dos saberes dos professores e do tempo disponível para este tipo de aula.. além dos aspectos lúdicos dessa prática [. Optamos pela classificação proposta por Duprat. Duprat (2008. proposta por Duprat (2007). . são as de mais fácil aplicabilidade na escola.24 tamanho pequeno. 58) acrescenta ainda: “Para tanto. habilidades motoras. Duprat (2008. 57) acrescenta em sua dissertação que: [.].

lisa dupla. coreano Cama elástica Percha Corda: lisa simples. lisa tripla.25 Quadro1: Classificação proposta pelo CNAC (quadro adaptado de Invernó) TÉCNICAS DE CIRCO Equilíbrio Sem acessórios: Mão a mãos (estático) Com acessórios: Bola Argolas Pernas de pau Escadas Monociclo Percha Rolo americano Arame Corda bamba Atividades Aéreas Quadrante: aéreo. volante Trapézio volante Trapézio fixo Trapézio Washington Argolas Fitas Tecidos Aro Acrobacia No solo Manipulação sem Malabares Laço mãos diabo) Diabolo Chicote Ator de circo Clown Jogos teatrais Mímica Mascara Comedia Dell’Arte Bufão acessórios: Contorcionismo Mãos a (dinâmico) Com acessórios: Aro argolas Escadas Barra russa Maca russa Mastro ou pau chinês Prancha coreana Prancha de salto Trampolim Bicicleta Tumbling elástico Devil stick (pau do Dança .

Tecido. Ventríoloquo. Monociclo. Corda Frouxa. Contorcionismo. verticalista (solo). Báscula Russa. Banquinas. p. equilibrismo corporal individual: Paradista. Bolas de Equilibio. Mão a mão (dupla). Bicicletas Especiais(acrobáticas e/ou de equilíbrios). Clown (palhaço). Mastro chinês. Mágica e Faquirismo (com material pequenos: moedas baralhos etc). Balança coreana. Corda vertical.26 Quadro2: Classificação das modalidades circenses baseada no tamanho do material Modalidade com material de tamanho grande Modalidades com material de tamanho médio Trapézio (volante ou fixo). MACHADO (2003. mímica. Fonte: BORTOLETO. Perna de Pau. Arame (funambulismo). Ilusionismo (sem a utilização de instrumentos e/ou materiais). paradismo (mesa – Pulls). Trampolim acrobático (cama elástica). Rolo Americano. 61) . Pirofagia. Balança Russa. Modalidades sem material (corporais) Acrobacias: de chão (solo). em grupo. Modalidades com material de tamanho pequeno Malabares. Fantoches e Marionetes.

tecido. p. Mímica. Paradismo (chão e mãojotas). Música. Rolo Americano (rola-rola) Encenação Expressão corporal Elementos das artes cênicas. Dança.pedagógicas Unidades didáticopedagógicas Aéreas Solo/Equilíbrios Acrobacias Acrobáticos Trapézio Fixo. Lira. 58) Blocos temáticos Modalidades circenses Diferentes técnicas e estilos . Maca Russa Manipulações De objetos Malabarismo. Mini-tramp. Corda Bamba.27 Quadro3: Classificação das modalidades circenses por unidades didático. Corda De chão (solo). Monociclo. Arame. Predigitação e pequenas mágicas Equilíbrios Funambulescos Perna de Pau. Palhaço Fonte: DUPRAT (2007. Poses Acrobáticas em duplas trios e grupo Trampolinismo Trampolim acrobático.

tudo isso era financiado pela Petrobrás por meio da lei Rouanet no Ministério da Cultura. Mais tarde a creche foi procurada pela UNICIRCO que é uma empresa do ator e empresário Marcos Frota. Entretanto. O trabalho com circo na creche inicialmente era feito somente pela “tia Geléia” (Carolina Silveira Serra) 5 que era contratada pela Fundação para desenvolver atividades físicas com as crianças. SP. em julho de 2008 o projeto não conseguiu a renovação no ministério devido a irregularidades dentro na empresa. 4. comentários e considerações sobre algumas das aulas que ministramos. o trabalho da Carolina teve início em agosto de 2005. preferiram manter seus nomes originais. que estudaram na creche. e atualmente estudam na escola de ensino fundamental por um período e no outro período passam o tempo na creche desenvolvendo algumas atividades extracurriculares). onde o trabalho educacional é baseado na filosofia dos valores humanos. responsável por desenvolver espetáculos circenses e desenvolver atividades circenses com crianças em núcleos espalhados pela região de São Paulo. situando o leitor sobre as modalidades circenses e apresentando os relatórios. bem como o nome da creche. Desta forma. Inicialmente contávamos com nove professores 5 Houve autorização para expor os nomes dos professores. outros.1 A Creche A Fundação Douglas Andreani juntamente com a Secretaria Municipal de Educação montou a Creche Monte Cristo localizada no bairro Monte Cristo em Campinas. para ter maior atenção das crianças. A creche inicialmente foi montada para atender aproximadamente 300 crianças e hoje conta com aproximadamente 700 crianças de três a seis anos de idade e alguns grupos de núcleo (crianças maiores que seis anos. Alguns professores decidiram ter um nome fantasioso. quando contávamos com a UNICIRCO o projeto cresceu.28 4 COMPARTILHANDO UMA EXPERIÊNCIA Neste capítulo faremos uma apresentação do espaço trabalhado (a escola) bem como expor sobre a proposta que fizemos durante um ano e meio de trabalho. .

aluno da graduação em Educação Física na UNICAMP). porém neste trabalho procuramos direcionar o estudo somente às aulas das crianças de pré (crianças de 5 e 6 anos). e.aluno da graduação em Educação Física na UNICAMP). havendo em cada turma cerca de vinte e cinco crianças. tio Escova (Márcio Donizete . no período da tarde: tio Diogo (Diogo Mendes Veras Firme . tia Geléia (Carolina Silveira Serra.2 As aulas: As aulas de circo são propostas para todas as faixas etárias. no segundo semestre de 2008. tio Pedro (Pedro Pinheiro . porém a verba destinada foi reduzida. tio João (João Batista Zabotto . Dessa forma.aluna da graduação em Educação Física na Metrocamp) e tio Ninja (Luiz Augusto Ramalho . escrevemos um projeto de Ginástica Geral (já que o circo não é encarado como modalidade esportiva). tio Danilo (Danilo Aparecido Morales .29 mais a coordenadora. 4. que compõem cinco turmas.aluno da graduação em Educação Física na Metrocamp). Com o passar do tempo. formada pela UNICAMP) e nove professores: a tia Chuchu (Lara Costa Dias. Professora de Educação Física. Tia Cacau (Cláudia Otsuka de Souza . As aulas não se modificaram em sua estrutura. fomos em busca de novos financiamentos e descobrimos um edital da Secretaria de Esportes da Prefeitura de Campinas que financiava projetos esportivos para escolas e comunidades. porém.aluno da graduação em Educação Física na UNICAMP) no período da manhã. foram reduzidas algumas aulas das crianças de maternal a infantil (elas tinham duas aulas na semana e passaram a ter somente uma aula por semana). e a escola não tinha condições financeiras de sustentar o trabalho de dez funcionários.aluno da graduação em Educação Física da Metrocamp). aluna da graduação em Educação Física na UNICAMP). e assim conseguimos dar continuidade aos trabalhos feitos na creche. mas continuaríamos utilizando o circo como elemento do nosso trabalho. Para a nossa surpresa o projeto foi aprovado. divididos entre o período da manhã e da tarde. desde o maternal até o pré. e tivemos que diminuir a quantidade de funcionários de dez para quatro.aluno da graduação em Educação Física na . quando o projeto não conseguiu renovação no Ministério da Cultura. A equipe inicialmente contava com uma coordenadora.

cordas grandes. um trapézio. som e DVD. dois mini-trampolins acrobáticos. tules. por duas vezes na semana. dois colchões gordos. Todos os professores citados colaboraram de alguma forma para a criação de todas as atividades propostas comentadas neste trabalho. um trampolim acrobático. papel crepon. tio Pedro e entrou o tio Henrique (Henrique Marques Mendonça professor de Educação Física. Sabemos que esta não é a realidade de todas as creches já que estão em um processo de sucateamento de profissionais. O sucateamento da educação é algo importante a ser considerado. Algumas vezes dividíamos a turma em dois grupos. bolinhas de malabares.aluno da graduação em Educação Física na Metrocamp). e cada grupo ficava com um professor por quinze minutos. em seguida os professores trocavam as turmas. Contamos assim com três tecidos acrobáticos. permaneceu a tia Geléia. As aulas para as turmas que são apresentadas neste trabalho (crianças de 5 e 6 anos).30 UNICAMP) e tio Macarrão (João Paulo Oliveira. É importante ressaltar que a verba que o projeto recebe não é vinda da prefeitura e. fita crepe. dessa maneira se subestimamos a escola estamos de certa forma acabando com a formação social da criança de forma institucionalizada e desacreditando na nossa formação enquanto educadores.). pés de lata. oito colchões sarneiges finos. pernas de pau. . Mais tarde quando a equipe se modificou. uma vez que sabemos que a educação é importantíssima para o desenvolvimento social da criança na comunidade. tesouras. papel sulfite etc. e outras vezes trabalhávamos os dois professores juntos com todas as vinte e cinco crianças. cordas individuais. os profissionais não estão submetidos às cargas horárias que a prefeitura coloca e nem ao concurso público. Os materiais utilizados são alguns materiais que a creche já possuía para as aulas de circo ministradas pela tia Geléia e outros materiais foram comprados pela UNICIRCO quando o projeto foi iniciado na creche. televisão. formado pela UNICAMP). Contávamos também com os materiais de papelaria que a creche disponibilizava (cartolinas. portanto. maquiagem para rosto. fantasias. devido a falta de verbas. eram ministradas por dois professores para aproximadamente vinte e cinco crianças e tinham duração de trinta minutos. dependendo das atividades propostas para a aula. tia Chuchu.

Paradismo (chão) Trampolim acrobático e Mini-tramp Malabarismo Perna de Pau e Corda Bamba. Unidades didáticopedagógicas Aéreas Solo Acrobacias Trampolinismo Manipulações Equilíbrios De objetos Funambulescos Equilíbrios Acrobáticos Encenação Expressão corporal Trapézio Fixo e tecido De chão (solo).31 A divisão dos conteúdos das nossas aulas era baseada na proposta de classificação das modalidades circenses por unidades didático-pedagógicas. o bloco temático de equilíbrio acrobático foi inserido na unidade equilíbrio (QUADRO 4). os conteúdos com quais seria possível trabalhar na creche. preferimos trabalhar os equilíbrios acrobáticos juntamente com equilíbrio. Música. pois as acrobacias já estavam com muito conteúdo. Dança. Poses Acrobáticas em duplas. proposta por Duprat em 2007 e já apresentada (vide QUADRO 3). além disso. Palhaço Diferentes técnicas e estilos Blocos temáticos Modalidades circenses . trios e grupo Elementos das artes cênicas. Selecionamos assim. Quadro 4: As modalidades circenses e as unidades didático-pedagógicas possíveis de serem trabalhadas na creche. Mímica. Como dividimos o trabalho por modalidades.

também registram todas as atividades circenses que são praticadas com as crianças. nos atentamos apenas para as atividades voltadas para as acrobacias e os jogos de manipulação. 5. 5. As atividades foram registradas por meio de relatórios elaborados pelos professores. As informações mais detalhadas sobre as modalidades que compuseram cada uma das unidades didático-pedagógicas são encontradas nas seções 5.4 desse trabalho. Neste trabalho. 2.O tema que mostra a modalidade tratada em questão.O objetivo que seria o que pretendermos ensinar naquela modalidade. 3. fornecendo às crianças 15 minutos de atividades de manipulação e outros 15 minutos de equilíbrio. bem como a separação dos materiais que serão utilizados para cada aula.As observações que são incluídas ao final da semana quando as atividades já foram executadas.3 e 5. Geralmente trabalhávamos com dois conteúdos por aula. com o qual nos orientamos para fazer a programação da semana.A discriminação dos materiais. visto que o trabalho ficaria muito extenso com todas as atividades propostas. optamos por relatar as aulas separadas por unidades temáticas que estarão dispostas inicialmente por um relato de algumas considerações sobre a modalidade.32 No inicio do ano letivo fizemos um planejamento anual. Estes relatórios além auxiliar neste trabalho. 4. Para facilitar a leitura e a apreensão do trabalho e privilegiar a visualização do processo pedagógico concernente a cada uma das modalidades circenses abordadas.1. porém. descrevemos as próprias atividades. preenchidos antes e depois das atividades e algumas fotografias tiradas pelos próprios professores. Estes relatórios possuem um padrão que contém algumas informações como: 1. facilitando assim a visualização para a execução das atividades nas aulas.A descrição propriamente dita do que estará sendo proposto. depois.2. 5. Optamos por . comentamos e ao final de cada unidade temática fazemos uma observação final.A especialidade na qual se refere à unidade didático-pedagógica que aquela atividade trabalhará. porém algumas vezes utilizávamos uma aula inteira para abordar somente um conteúdo. 6. dependendo do grau de necessidade de tempo de aula para cada modalidade da unidade temática.

33 iniciar as unidades temáticas pelas acrobacias aéreas. o trampolinismo. depois. . acrobacias de solo e finalizamos com a manipulação de objetos.

possui cerca de 25 a 30 metros. 65). encontramos os acrobatas aéreos. trapézio. sem contato direto ou duradouro com o solo. por meio de travas e nós. São elas: tecido.34 5 ATIVIDADES PROPOSTAS 5. Essas travas e nós são ao mesmo tempo os truques e a segurança presente na atividade. As acrobacias aéreas são divididas em cinco modalidades por Duprat (2007). da realização daquilo que parece impossível. enrolando-se.. levando em consideração os materiais e espaços que tínhamos disponíveis. girando..1 Acrobacias aéreas: Em busca da vertigem.” .] o acrobata sobe e realiza a sua performance amarrando-se. lira. Discorreremos agora sobre a especificidade de cada um dos elementos das acrobacias aéreas que foram utilizados nas aulas de circo da creche. dobrado ao meio e preso a uma estrutura de altura variável deixando duas pontas soltas ao solo. O tecido acrobático. Escolhemos para trabalhar com nossas crianças somente o tecido e o trapézio. corda indiana e acrobacias em duplas ou doble. de acordo com Duprat (2007 p. pelas quais “[. Bortoleto (2008) diz que as modalidades aéreas são aquelas que permitem espetáculos no ar.

o tecido é um dos aparelhos de mais fácil aprendizagem. argola olímpica etc). Já os outros aparelhos. p. sobretudo porque o material se molda ao corpo e se adapta de acordo com as características do praticante. para Bortoleto (2008). Figura 5 . essas cordas são fixadas a uma estrutura. desenhando a figura geométrica de um trapézio. bambu. exigem que o corpo do praticante se molde ao aparelho. para dar maior estabilidade durante a realização dos truques.Esquadro no tecido Figura 3 . O trapézio. lira. Dos aparelhos aéreos mais tradicionais das artes circenses (trapézio e suas variações.Balanço no trapézio Figura 6 – Inventando no trapézio Figura 7 . com uma abertura entre as cordas um pouco maior na extremidade de cima que na de baixo. os que têm mais flexibilidade e força. corda indiana. por exemplo.Pose no tecido Figura 4 – Pose da sereia no tecido Bortoleto (2008.Em dupla no trapézio . beneficiando. como trapézio e a lira. portanto. é constituído por uma barra e duas cordas amarradas a sua extremidade.35 Figura 2 .138) esclarece em sua obra que.

quando um estiver fazendo todos devem esperá-lo. considerações e comentários Atividade: 1 Especialidade: Acrobacias aéreas Tema: Tecido acrobático. que era uma lagarta gigante e que adorava levar susto das crianças. (neste momento são faladas as regras básicas do tecido: sempre uma criança por vez. a Dona Lagarta começa a conversar com as crianças. Objetivo: Atividades de ambientação com o aparelho explorando as sensações no tecido de maneiras não convencionais. Os professores pedem às crianças para se esconderem embaixo do tecido. para que a Dona Lagarta os procure. quedas individuais e truques. Enfoque em pendurar-se. que muda a voz depois que as crianças estão escondidas).1. Depois disso a Dona Lagarta fala que no seu mundo existe um mar. Depois disso é pedido silêncio para que as crianças escutem a Dona Lagarta chegando. ou melhor. (A Dona Lagarta é a própria professora. balançar e inverter o corpo. e quando ela chega as crianças lhe dão um susto.1 Relatórios. sem balanço (Bortoleto 2008). pois um monte de lagarta que não sabia a regra para brincar no tecido acabou se machucando. Então ela conta que no mundo dela todas as lagartas brincam com o tecido. só quando a professora pedir é que eles podem ficar em duas pessoas no tecido) . 5. onde cada criança que entra vira um peixe bem bonito (neste momento o tecido é aberto no chão e as crianças balançam fazendo ondas e a Dona Lagarta vai chamando um ou dois de cada vez para entrar no mar e virar um peixe) Depois. e o trapézio permanece estático. Descrição das atividades: Foi contada a história da Dona Lagarta.36 No trapézio fixo são realizadas algumas poses (figuras). Mas que para brincar no tecido as crianças têm que ficar bem atentas.

para que os dois professores pudessem fazer a segurança. Atividade: 2 Especialidade: Acrobacias aéreas Tema: Tecido acrobático. não cairiam de cabeça no chão. Materiais: 3 tecidos. As crianças não tiveram muita dificuldade de se pendurar. subir descer. porém na atividade de virar de cabeça para baixo várias crianças soltavam as mãos. duas vezes sem colocar o pé no chão). mas na hora que eles perceberam que a voz era da professora todos ficaram mais tranqüilos. penduradas. Neste momento foram usados somente dois tecidos. porém trabalhando outros elementos. E por ultimo existe a lagarta acrobática. . No começo todos ficaram com medo da Dona Lagarta. Também existe a lagarta do balacobaco. A Dona Lagarta fala que os tecidos do mundo dela agora estão todos cheios de nós. Objetivo: Exploração da trança. sem cair no meio. que é a lagarta que consegue segurar o tecido e virar de cabeça para baixo sem soltar o tecido (importantíssima a presença do professor neste momento. para fazer a segurança). que é a lagarta que balança no tecido (nessa hora as crianças devem ir e voltar de um colchão para o outro. entretanto o professor estava ao lado fazendo a segurança (segurando a mão delas junto ao tecido). balançar. 6 colchões. Descrição das atividades: Retomamos a história da Dona Lagarta. Comentários: A atividade foi bem recebida pelas crianças.37 A Dona Lagarta fala que em seu mundo existe a lagarta Tarzan. e diz que quem quiser se transformar em lagarta Tarzan deve passar pendurado pelo tecido de um colchão para o outro. e que ela já tentou de todas as formas tirar os nós e não conseguiu. pois se elas soltassem o tecido.

Cada vez que uma criança vai subir na trança é preciso estar por perto. explica que para subir no tecido é necessário prestar atenção nos degraus. Também é importante que o professor fale para as crianças que é preciso manter o corpo próximo ao tecido. que ajuda a Dona Lagarta a brincar com o tecido daquele jeito (cheio de nós) e diz que ela teria que ajudá-lo a ensinar isso para as crianças.38 Então ela fala para as crianças que elas precisam ajudá-la a descobrir como fazer para brincar com o tecido cheio de nós (as crianças tentam ajudar a Dona Lagarta a subir). Por mais que o tecido esteja baixo se a criança cair de mau jeito pode se machucar bastante. pois muitas vezes eles usam de muita força nos braços e de repente não conseguem subir. Neste momento aparece o senhor lagarto. desistindo e soltando o tecido. pois quando eles afastam o corpo do tecido. Então o seu lagarto. Materiais: 2 tecidos e 2 colchões. pede para que ela segure embaixo da trança para que a trança fique durinha para ele poder subir (neste momento é falado para as crianças que elas precisam ajudar umas as outras como a Dona Lagarta com o seu lagarto). Quando o seu lagarto vai subir no tecido ele pede a ajuda da Dona Lagarta. por falta de força. deixando só as mãos e os pés no mesmo. a subida fica dificultada. Sempre depois de uma explicação os professores deixam as crianças experimentarem. É muito importante que os professores estejam atentos e amparando ao lado das crianças neste momento. Comentários: Ao iniciarmos a aula pensamos em fazer uma trança bem baixa para que eles não sentissem muito medo. Quando o seu lagarto sobe no tecido ele mostra que a Dona Lagarta pode balançar sentada e em pé. pois aquele monte de nós era na verdade uma escadinha (neste momento o lagarto mostra que só é possível subir de um lado da trança e faz com que as crianças percebam isso). Se o corpo está .

As crianças adoram ajudar umas as outras. Eles falam que é o grande dia de se tornar super herói e sair voando por ai (neste momento é feita a brincadeira do super herói. Atividade: 3 Especialidade: Acrobacias aéreas Tema: Tecido acrobático. todas as crianças devem imitar os professores fazendo o super herói – siga o mestre). colocando o tecido nas axilas e escorregando o bumbum. subindo no tecido pela trança (relembrando a última aula de tecido. . viabilizando assim uma subida mais tranqüila. com o seu lagarto segurando a escadinha para ela subir) sentando. pois eles esquecem que estão ajudando e começam a balançar o tecido com a outra criança em cima. Descrição das atividades: Mais uma vez a Dona Lagarta e o seu lagarto vieram ensinar mais alguma coisa para as crianças. Depois disso o seu lagarto balança a Dona Lagarta como se ela voasse presa pelos braços.39 mais próximo ao tecido a força que a criança tem que fazer nos braços e pernas é menor. Todas as crianças fizeram a atividade sem muito medo. então a Dona Lagarta mostra como deve ser feito. Materiais: 2 tecidos e 2 colchões. Depois disso eles falam que cada partezinha do nosso corpo que dobra pode nos prender no tecido. Objetivo: Trava na axila. mas é imprescindível que os professores fiquem atentos nesses ajudantes. Sempre abaixo dos tecidos colocamos o colchão para a proteção das crianças se eventualmente acontecer uma queda inesperada. já que estão acostumadas com o balanço do parquinho da creche.

segura o tecido no alto coloca um pé para frente flexionando um pouco a coluna). principalmente os meninos. . Atividade: 4 Especialidade: Acrobacias aéreas Tema: Tecido acrobático. Depois disso o seu lagarto aparece e diz a ela que ela pode virar uma borboleta. mas que ela precisa aprender a fazer o seu casulo. As que estavam de camiseta regata reclamaram de dor nas axilas. Descrição das atividades: Sempre contamos com a presença da Dona Lagarta e do seu lagarto nas aulas de tecido.Passo um: subir na trança. Objetivo: Poses e travas exploração diversificada.Passo dois: escolher um lado do tecido para segurar.40 Comentários: As crianças ficam muito eufóricas quando se fala em super heróis. o tecido acabou queimando (pouco. enfoque no casulo (com auxílio do professor e dos colegas). pois quando elas deixam o braço “mole”. A Dona Lagarta fala para as crianças que ela estava se sentindo muito feia. . mas o suficiente para ficar dolorido) suas axilas na hora de escorregar Também devemos alertar as crianças que elas precisam deixar o braço bem “durinho”. que queria ser mais bonita e colorida como uma borboleta. muitas vezes elas podem sofrer uma hiperextensão do ombro podendo se machucar bastante. Então ela fala que fez um curso de moda e que aprendeu a fazer algumas poses. Então o seu lagarto explica passo a passo para que as crianças façam o casulo: . para ver se ficava mais bonita (neste momento a lagarta sobe no tecido e mostra as poses para as crianças: em pé pisa em um dos lados do tecido apóia o corpo e solta uma mão.

que era virar de cabeça para baixo no tecido (esquadro). Ele sabia que tinha algumas pessoas que sabiam. Descrição das atividades: O seu lagarto aparece triste na aula. sabia fazer as poses.Passo três: abrir o tecido que ficou sem ser segurado (neste momento o professor ajuda). pois eles confiam demais no tecido.Passo sete: fechar o casulo.Passo seis: sentar no tecido de trás com os pés no tecido da frente. . sabia fazer o casulo e virar borboleta. mas sempre que ele ia perguntar como é que se .Passo quatro: encostar o bumbum no tecido que foi aberto e abrir o outro tecido que ele esta segurando. .41 . Materiais: 2 tecidos e dois colchões. . e a dona borboleta pergunta o motivo.Passo cinco: colocar os pés no tecido que está aberto na frente. Comentários: É preciso ter muita atenção na hora em que as crianças farão as poses. Depois de explicar todos esses passos. ele diz que era porque ele sabia fazer um monte de coisas no tecido. soltando-se facilmente. porém quanto mais alto o tecido maior o cuidado com as crianças. Ao fazer o casulo é importante que na primeira vez seja feito o mais próximo do chão possível. Objetivo: Enfoque no esquadro. . sabia subir na trança. a Dona Lagarta finalmente consegue fazer o casulo e virar borboleta e todas as crianças também. retomar o casulo. mas tinha uma coisa que ele não conseguia fazer. nas outras vezes a trança já pode ficar mais alta. Atividade: 5 Especialidade: Acrobacias aéreas Tema: Tecido acrobático.

A dona borboleta então.As crianças devem imitar os professores como um siga o mestre (neste momento o professor faz movimentos que lembram o movimento carpado do esquadro. Materiais: 2 tecidos e 6 colchões Comentários: O professor deve ficar o tempo todo ao lado da criança para fazer a segurança. Então. . para as crianças sentirem o movimento que será trabalhado de cabeça para baixo) É hora de subir no tecido.42 fazia isso ninguém o ensinava só porque ele era um lagartinho feio e por isso ele estava muito triste. o seu lagarto faz o casulo passo a passo mostrando para as crianças relembrarem e cada criança passa pelo tecido para mostrar como se faz o casulo. Neste momento começam os educativos fora do tecido: . tanto deitado como em pé. Quarto passo: abrir as pernas e deixá-las num ângulo de noventa graus com o tronco Quinto passo: jogar o corpo para trás (deve-se pedir atenção para a criança não fechar as pernas e sim mantê-las abertas). portanto ele deveria virar uma borboleta bem bonita e que depois disso. ela o ensinaria a fazer o esquadro. Que. Primeiro a Dona Lagarta explica passo a passo para o Seu Borboleta: Primeiro passo: Subir na trança Segundo passo: sentar na trança como se fosse balançar Terceiro passo: segurar o tecido com as duas mãos e escorregar o bumbum para frente até que a trança fique na lombar (neste momento alertar para a criança que ela precisa fazer força no braço para se sustentar). Depois de fazer o casulo e virar borboleta a dona borboleta fala para ele descer do tecido e pergunta se todas as crianças também querem aprender a fazer o esquadro. principalmente na hora do esquadro. o artista do circo ensinou para ela como que se fazia o esquadro. fala para ele que depois que ela virou uma borboleta bem bonita.

Se a criança não carpar o corpo ela pode cair facilmente. mas é que ela queria poder nadar no fundo do mar também.43 Ao fazê-lo as crianças costumam fechar as pernas. Então ele pergunta para as crianças se elas querem ser transformadas em sereias por uma hora. mas é por pouco tempo. O Seu borboleta pergunta por que ela esta tão triste. ele fala que tem um pó mágico que ele trouxe lá do mundo encantado do sítio do pica-pau amarelo. Ela diz que queria virar uma sereia de verdade. Então o Seu Borboleta dá uma idéia. que transforma qualquer coisa no que ele quiser. e depois de viradas é importante que o professor auxilie no movimento de carpar. Se todos concordarem. ele joga pó mágico em todo mundo. . ela diz que é porque ela cansou de voar. É importante que o professor converse com elas e faça-lhes a segurança das suas costas enquanto elas viram de cabeça para baixo. Figura 8: Esquadro Figura 9: Esquadro Atividade: 6 Especialidade: Acrobacias aéreas Tema: Tecido acrobático Objetivo: Iniciar a pose da sereia (trabalhar com educativos) Descrição das atividades: A dona borboleta aparece triste na aula. Ela até gosta. grifando que é esse movimento que as mantém seguras no tecido.

O terceiro passo é tentar colocar os pés para cima e tentar prendê-lo no tecido sem soltar as mãos. porém adiciona-se colocar a barriga para frente. O quarto passo é fazer igual ao terceiro passo. Primeiro elas devem pendurar na grande alga (tecido) para passar para o outro lado do oceano. É importante que os professores estejam perto o tempo todo (nunca deixe uma criança sozinha no tecido) e que quando a criança vai fazer o movimento é necessário que o professor segure seu punho junto ao tecido. um em cada mão. pois elas costumam soltar o tecido acreditando que estão presas.44 Depois disso. ou inseguras. algumas nem conseguem virar de cabeça para baixo. e atentar para onde o tecido deve ficar preso no pé. eles terão que atingir o segundo passo da sereia que é colocar os pés para cima segurando o tecido dividido ao meio. costumamos observar então as características das crianças. para atingir o primeiro estagio da sereia. . as crianças fazem duas filas. as deixamos ficarem no primeiro passo até que se sintam bem para passar para o próximo. Depois que todas as crianças passarem. (os professores devem mostrar como fazer. uma em cada tecido. Se elas estiverem com medo. Materiais: 2 tecidos e 2 colchões Comentários: Nem todas as crianças conseguem fazer esse movimento. pois de cabeça para baixo é difícil de a criança visualizar).

não podem soltar o tecido “na hora em que bem quiserem”. dizemos que as pessoas que treinam fazem isso há muito tempo e que elas precisam de muita concentração e esforço. tenta pegar o jornal das outras crianças também com o pé. a criança que está no meio. Descrição das atividades: Mostramos um vídeo de tecido acrobático que focalizava primeiramente a subida no tecido. no qual as crianças fazem uma roda e prendem no meio dos pés uma folha de jornal (inicialmente podem prender a folha de jornal com o pé do modo que elas quiserem). e. . A criança que tiver o jornal pego vai para o meio da roda e vira o pegador. fazemos um pega-pé. Objetivo: Iniciar subida sem trança. fizemos uma conversa com as crianças sobre a importância de nos prevenirmos contra acidentes no tecido. além disso. Falamos para eles que eles já são artistas porque eles já sabem se segurar. então. Inicialmente. Depois disso.45 Figura10: Sereia com auxílio Figura11: Sereia sem auxilio Atividade: 7 Especialidade: Acrobacias aéreas Tema: Tecido acrobático. mas que agora vão aprender a subir no tecido sem a escadinha (trança) e precisarão de mais atenção ainda. porque podem cair no chão e se machucar muito.

Uns precisam fazer muitas vezes para conseguir chegar ao quarto passo. Então acabamos deixando um tecido para que as crianças que já tentaram fizessem sozinhas (neste tecido fica a professora da turma que costuma ajudar quando necessário pois. elevar o joelho até a barriga. posição do pé etc. outras não conseguiam nem terminar o quarto passo. quando deixamos as crianças sem acompanhamento é comum que ocorra alguma briga) Outra coisa importante é que na primeira vez que a criança vai fazer o movimento é interessante. depois que ela enrolar o tecido na perna. Podemos fazer cada um dos elementos de cada vez. que o professor . Segundo passo: Abrir as duas pernas deixando o tecido no meio das duas. muitas vezes. prender os pés como prendíamos o jornal e estender o joelho e quadris. Mais uma vez. o mais alto possível. e depois tentar combiná-los (isso pode ocupar várias aulas). o pé escolhido deve ser enrolado no tecido por fora (neste momento pode ser necessária a demonstração do professor) e o outro pé deve prender o tecido como prendia o jornal da brincadeira anterior Quinto passo: segurar firme o tecido.). Terceiro passo: pede para a criança escolher um pé Quarto passo: juntamente com a força do braço puxando o tecido para subir. afrouxar os pés e flexionar joelhos e quadris. extensão. Após o pega-pé as crianças são direcionadas ao tecido onde os professores explicam os passos para a subida sem a trança: Primeiro passo: juntar os dois tecidos e segurá-los com as duas mãos. Em nossa experiência algumas crianças conseguiram subir bem no tecido. temos que respeitar as características pessoais. Materiais: 3 Tecidos e 3 colchões Comentários: Nesta faixa etária é bem difícil que as crianças consigam combinar todos os elementos (flexão.46 Depois de um tempo os professores dão a dica de como prender melhor o jornal nos pés (apertando o jornal com meio da sola de um pé contra o peito do outro pé).

e depois deve ser encaminhada para usar o outro tecido vazio para brincar do que ela já sabe (sem a trança e com a professora do lado. Objetivo: Trabalhar poses com o professor no Porto (amarrado ao tecido de cabeça para baixo) (sereia e rolamentos). é falado para eles que além de fazer no tecido. Atividade: 8 Especialidade: Acrobacias aéreas Tema: Tecido acrobático. e os rolamentos no tecido. existe outra forma de fazer esses movimentos. fazendo com . Descrição das atividades: Primeiramente retomamos a história da Dona Lagarta que virou dona borboleta e seu companheiro. Depois disso cada criança experimenta uma vez a atividade no portô. Muitas vezes quando eles fazem o rolamento frente e costas. fazendo a subida. para dar um apoio na subida nos primeiros momentos. o rolamento frente.47 segure o tecido que está abaixo dos seus pés. costas e a sereia). Materiais: 2 tecido e 2 colchões Comentários: É importantíssima a presença dos dois professores juntos (um no portô e outro auxiliando a criança). que é com a ajuda do Seu Borboleta que fica no tecido pendurado de cabeça para baixo no esquadro (lembramo-los que eles já conheciam esse movimento). Depois disso. eles têm certa dificuldade de pegar o tempo de soltar a mão ao terminar o movimento. então falamos para as crianças nos mostrarem se elas sabem fazer a sereia. Então a dona borboleta demonstra juntamente com o Seu Borboleta como os movimentos devem ser feitos.

Atividade: 9 Especialidade: Acrobacias aéreas Tema: Tecido acrobático Objetivo: Movimentação e musicalidade Descrição das atividades: Inicialmente. metade da aula é trabalhada uma modalidade e outra metade é trabalhada outra. isso pode machucá-los muito. Cada criança monta sua coreografia. Seria preciso então. todos conseguimos fazer. e que fazer movimentos. para que as crianças não fiquem muito tempo. a dona borboleta apresenta para as crianças a coreografia que ela montou com os movimentos que as crianças já haviam feito. Após a amostra do vídeo. e na próxima aula apresenta para os colegas. Materiais: . o que acaba ficando desmotivante. Depois disso é mostrado um vídeo de tecido acrobático. experimenta. paradas. tivemos uma conversa com as crianças sobre dança. Falamos que a dona borboleta queria apresentar aquilo que ela tinha aprendido com o seu borboleta sobre tecido para suas amigas. ou pode desencadear conflitos e brigas entre os pares. com uma música bem bonita.48 que aconteça uma hiper extensão do ombro. Por isso é importante o auxílio dos professores fazendo a proteção tanto nos braços como nas costas para que o movimento não passe do limite. outra alternativa é deixar outros materiais para que eles brinquem enquanto esperam. é hora das crianças montarem as suas coreografias. Geralmente nas nossas aulas trabalhamos mais de uma modalidade. e aí. dançar com o tecido junto com uma música gostosa. Este tipo de aula é possível de ser dado. porém as crianças esperam muito tempo para chegar ao tecido. porém ela descobriu que não bastavam fazer os movimentos.

CD. som. Muitas vezes eles esquecem como fazer o movimento.balançar duas vezes nos balanços do parquinho. É importante a presença do professor ao lado das crianças. outros ficavam dançando no ritmo da música do lado de fora do tecido.49 2 tecidos e 2 colchões. numa sala de 25 alunos. Atividade: 10 Especialidade: Acrobacias aéreas Tema: Trapézio Objetivo: Pendurar e balançar Descrição das atividades: Falamos para as crianças que o homem-aranha tinha um inimigo que fez uma mágica que o deixou colado em um papel. Materiais: .passar pelo trepa-trepa sem se soltar. então enquanto uns estavam montando a coreografia no tecido. para que eles não ficassem esperando na fila. apresentamos algumas alternativas. Não bastasse isso. Dissemos para as crianças que eles deveriam achar as partes do homem-aranha para que a professora pudesse levá-lo ao mundo do desenho animado.segurar na barra e tentar encostar seus pés na barra (trapézio). para poder transformá-lo em homem aranha novamente. . Cada vez que as crianças achavam uma parte do homem.balançar o trapézio pendurados pela mão. ele ainda rasgou o papel e o escondeu na creche.aranha nós fazíamos uma atividade. televisão e DVD Comentários: As crianças adoram música. São elas: . . e o fazem sem perguntar para os professores. . Se estivermos perto da criança nesse momento podemos ajudá-las para não se machucarem.

que ele era um super herói muito legal.50 Balanços e trepa-trepa do parquinho. Primeiro falamos para eles que eles deveriam tentar ficar de cabeça para baixo que nem o morcego. com os pés na barra. Falamos que tínhamos um pano mágico que transformava as crianças em Batmans e assim colocamos o pano mágico em todos eles. que sabia fazer um monte de coisas. esta brincadeira já faz parte do seu universo. para poderem soltar suas mãos. depois de soltarem. falamos que eles deveriam virar a cambalhota do Batman. Materiais: Colchão e trapézio Comentários: É importante que o professor fique do lado das crianças. portanto estão acostumados a brincar de pendurar e balançar. ou seja. então o professor demonstrava. lembrando a eles que eles já haviam feito o mesmo movimento no tecido e assim era a vez deles de realizarem. quando elas estão . falamos que eles deveriam virar para colocar os pés como na primeira etapa. Depois. e eles estavam prontos para fazer as atividades. porém agora colocando a parte de trás do joelho na barra e pressioná-la. a professora pede para que as crianças segurem em uma das duas cordas e se puxem para sentar no trapézio. e. Depois de cada explicação cada criança tentou fazer o movimento. trapézio e colchonete. morceguinho e como sentar-se no trapézio Descrição das atividades: Tivemos uma conversa com as crianças sobre o Batman. Atividade: 11 Especialidade: Acrobacias aéreas Tema: Trapézio Objetivo: Rolar entre os braços. Comentários: As crianças têm bastante facilidade de executar esses movimentos porque brincam muito no parquinho. Na terceira etapa da aula.

um grupo faz atividades no trapézio e outro faz outra atividade. chamando atenção para os movimentos das pernas e tronco novamente. Os professores então demonstram como se sobe no trapézio e como se faz para balançá-lo (movimentos de pernas e tronco). Ao executarem o rolamento. pois muitas vezes eles não conseguem se segurar pela curva do joelho. Atividade: 12 Especialidade: Acrobacias aéreas Tema: Trapézio Objetivo: Balanço sentado e em pé Descrição das atividades: Começamos a aula relembrando que eles tinham virado Batman na ultima aula. depois. Quando as crianças soltam as mãos para ficarem de cabeça para baixo é importante que o professor segure seus pés pressionando-os para baixo. nessa hora o professor dá um apoio com suas mãos no quadril da criança. Essa atividade geralmente acontece junto com alguma outra atividade para as crianças não ficarem paradas. pois muitos não conseguem entender o movimento de puxar a perna e jogar o corpo para trás. falamos que o Batman gosta de aventuras e que além de subir ele gosta de balançar bem alto. Depois disso.51 executando o movimento. Geralmente dividimos a turma em dois grupos. se as crianças caírem podem machucar-se bastante. os professores demonstram o movimento de balanço em pé. Em seguida todas as crianças experimentam executar a atividade. é importante que o professor esteja junto e auxiliando na virada. A segurança é muito importante neste momento. Apesar de o trapézio não estar pendurado muito alto. Num outro momento após as crianças balançarem. e que agora eles já sabiam subir e sentar no trapézio. todas as crianças experimentam. .

Depois mostramos para as crianças a foto de uma arara pendurada em um pedaço de pau. a ararinha e o rolamento para frente para sair do trapézio. Comentários: O trapézio é sempre colocado bem baixo. Para finalizar o professor disse que a ararinha saía do trapézio de um jeito muito divertido. Ao invés de fazer o rolamento em baixo da barra. Houve assim a demonstração dos professores. portanto não tem muita dificuldade em balançar no trapézio. tentando realizar o movimento. e depois ficava pendurada com os braços bem esticados segurando seu corpo em cima da barra. e que se a arara dobrasse o braço ela iria se machucar muito. Atividade: 13 Especialidade: Acrobacias Tema: Trapézio Objetivo: Subida na oitavinha. A única dificuldade é fazer o trapézio entrar em movimento. e as . O professor deve ficar bem atento se as crianças estão realmente segurando as cordas do trapézio reforçando constantemente que é preciso segurá-la bem firme. Neste momento o professor demonstrou e as crianças tentaram subir na oitavinha e fazer o mesmo que o professor. “ararinha” e saída com rolamento para frente Descrição das atividades: Inicialmente relembramos com as crianças do rolamento que fizemos quando viramos o Batman. mas conseguem. nós o fizemos passando nosso corpo por cima dela.52 Materiais: Trapézio e colchões. fazendo a cambalhota para frente. Novamente o professor demonstrou desde a subida na oitavinha. As crianças estão acostumadas com o balanço do parque. e que agora iríamos fazer essa cambalhota de um jeito diferente. Explicamos que a arara subia na oitavinha (rolamento por cima da barra). e as crianças passaram. eles demoram um tempo. uma a uma.

Além disso. para as crianças que sabiam fazer a sereia no tecido.53 crianças tentaram novamente. Em seguida demonstramos como seria feita a sereia. e as outras observavam e depois tentavam executar. O rolamento para frente é tranqüilo para as crianças executarem. Objetivo: Iniciar a pose da sereia. e eles tentaram executá-la. é importante que o professor segure seus quadris para ajudá-los na sustentação da ararinha. mas também precisamos ficar atentos. demonstrarem a sereia para as outras crianças lembrarem como ela era feita. Materiais: Trapézio e colchão. Atividade: 14 Especialidade: Acrobacias aéreas Tema: Trapézio. . Depois disso. muitas vezes o professor precisa dar uma pequena ajuda para que a criança consiga fazer o movimento. Assim as crianças que sabiam demonstravam. se elas soltassem a mão poderiam bater a cabeça na barra do trapézio. Descrição das atividades: Retomamos inicialmente a história do fundo do mar e da sereia. Falamos com as crianças sobre a possibilidade de fazer a pose da sereia no trapézio assim como ela era feita no tecido. Comentários: Os professores devem ficar bem atentos. alertando-as que o trapézio era mais perigoso por estar mais longe do chão. Pedimos então. pois as crianças têm muita dificuldade de entender o movimento de subida na oitavinha. além disso. levamos as crianças para o trapézio. eles têm pouca força no braço.

É necessário que os professores estejam a todo tempo ao lado das crianças e que eles alertem-nas dos riscos do trapézio. pois não estão . Comentários: As crianças inicialmente estavam bem inibidas. pois elas tendem a soltar a mão quando estão de cabeça para baixo. Objetivo: Poses livres. movimentação e musicalidade Descrição das atividades: Apresentamos para eles um DVD de uma apresentação de trapézio. que colocaríamos a música e todos se apresentariam no trapézio. Manter o trapézio bem baixinho é uma alternativa que evita acidentes graves. Retomamos a idéia de fazer o movimento no ritmo da música e demos idéias de poses para que eles as fizessem. Falamos para eles que cada um deveria pensar em seus movimentos. alguns criaram coisas novas no meio daquilo que a professora fez e outros ainda fizeram uma coisa bem diferente. Atividade: 15 Especialidade: Acrobacias aéreas Tema: Trapézio. então a professora demonstrou como poderia ser feito e a maioria fez exatamente aquilo que foi demonstrado por ela. As crianças sentem muita dificuldade em fazer essa atividade. TV. trapézio e colchões. DVD. tecido e colchões.54 Materiais: Trapézio. Materiais: Som. Comentários: É importante segurar a mão das crianças juntamente com a corda do trapézio. Enfatizamos a presença da música e do ritmo dos movimentos.

a atenção do professor no movimento das crianças e na segurança deve ser redobrada. . De acordo com Bortoleto. próximos ao solo. uma vez que as crianças nessa faixa etária estão conhecendo o seu corpo e ainda não adquiriram uma bagagem mais consistente de movimentos. algumas medidas devem ser tomadas todas as vezes que formos iniciar as atividades no trapézio e no tecido. mesmo que a altura seja de poucos metros. por tratar-se de uma acrobacia aérea que exige muita força. Em nossas aulas. . quando a criança vai fazer um movimento no tecido sem a trança.Jamais permitir que a criança pule ou salte ao descer. manilhas (suporte para prender o tecido e trapézio) e das cordas que sustentam o tecido. não seguindo um padrão determinado. pois tanto o tecido como o trapézio ficavam como já dissemos anteriormente. p. Ao subir no . Também no trapézio.173).Utilização de assessórios que garantam a proteção em caso de quedas. Apesar de realizarmos as atividades com a trança baixa no tecido. é importante que os professores atentem as crianças para os perigos das acrobacias aéreas todas algumas vezes antes de iniciar qualquer atividade dessa modalidade. Uma falta de atenção pode acarretar uma queda. Além disso. o professor deverá segurar o punho da criança junto ao tecido evitando que a criança caia se ela eventualmente perder a força durante o movimento. uma torção e problemas graves para a saúde da criança.“pois as vezes a noção de profundidade e altura pode ser confundida e gerar um acidente a partir desta falha na percepção espacial” (BORTOLETO.Verificação do aparelho e a vida útil das faixas. ACROBACIAS AÉREAS .55 muito acostumados com a idéia do ritmo e com a possibilidade de se manifestarem livremente. são elas: . o professor deverá apoiar as crianças.Considerações Gerais Ensinar acrobacias aéreas para as crianças de Educação Infantil não é tarefa fácil. Geralmente. e com o trapézio pendurado bem próximo ao solo. Apresentar uma consciência corporal para as crianças é algo muito importante neste momento. 2008. utilizamos somente colchões.

coordenação de movimentos e força. e principalmente quando tratamos das acrobacias aéreas. segurando as suas costas. maca russa. Embora reconheçamos o risco que as atividades no trapézio e tecido possam oferecer. ou apenas dando as mãos. uma forma que encontramos de sanar o “problema” da individualidade no tecido foi proporcionar outras atividades concomitantemente a esta que não precisassem ser direcionada pelos professores. e fazer com que elas tenham certa liberdade com ele. brincar com o material. superando seus medos. e aumentando cada vez mais a confiança e o respeito por si próprios e a consciência da sua própria dignidade (capacidades estas que vêm sendo superficialmente resumidas e pronunciadas diuturnamente como “auto-estima”) único caminho capaz de conduzir o indivíduo para que ele adquira a verdadeira qualidade de cidadão e venha a ser um indivíduo pleno de direitos e obrigações contribuindo para a transformação de um mundo melhor. Dessa maneira. Algumas vezes contamos historinhas.2 Acrobacias de Trampolinismo As acrobacias de trampolinismo englobam algumas modalidades como: cama elástica. levamos desenhos. devemos segurar as suas mãos juntamente com a barra. entretanto elas também auxiliam no desenvolvimento motor da criança. ajudando no equilíbrio. Muitas vezes só com o professor do lado. as crianças já se sentem mais seguras. báscula russa. outras vezes mostramos vídeos. quando as crianças estão segurando a barra. melhorando o equilíbrio motor. É importante assim. nossa experiência nos mostra que a criança tem suas capacidades físicas e psíquicas estimuladas com este tipo de atividade. evitando que elas soltem as mãos ou se machuquem se eventualmente perderem a força. Sempre temos no grupo todos os tipos de criança. 5. mini-trampolim entre outras. além de ajudar na superação do medo e na elevação da auto-estima.56 trapézio. . Todas as atividades são pensadas de maneira a atrair a vontade da criança em praticá-la. Sabemos que as acrobacias aéreas são atividades individuais. força. sempre variando e retomando algumas atividades e histórias para que as crianças se interessem pela atividade que será proposta. existem muitas crianças com medo de altura.

ou ainda para as mãos de um portô. até quádruplos mortais e piruetas das mais variadas. p. ou para um colchão de aterrissagem. As acrobacias de trampolinismo.Crianças na apresentação de fim de ano no mini-trampolim. Segundo o mesmo autor as aterrissagens podem acontecer na volta da acrobacia para o próprio aparelho. de acordo com Duprat (2007. Fi gura 12 . são “acrobacias que possuem uma fase de vôo superior as fases de vôo da acrobacia de solo. de três a oito metros”. devido a um implemento que impulsiona os artistas a altura superiores. duplos.57 Neste trabalho em específico utilizamos somente a cama elástica e o mini-trampolim. Duprat (2007) ainda acrescenta em sua dissertação de mestrado que a execução das acrobacias nos aparelhos deve ter certa harmonia. . 69). como é o caso da cama elástica. devido a escassez dos outro materiais. Os artistas no salto podem executar saltos mortais.

rolar etc. como gelatina (mole). Depois disso.1 Relatórios. mas sim com o corpo firme (durinho).58 5. Enfatizamos a postura dos acrobatas que vimos no DVD. Explicamos a elas que o acrobata não pula com o corpo solto. fizessem como se fossem os acrobatas. também devem ser orientadas. passadas e saltos livres. pois elas empurram os colegas para poderem fazer a atividade. e pedimos para que eles. mesmo com a proteção. Deixamos também que saltassem livremente e explorassem deslocamentos diversos na cama elástica (correr. As crianças que ficam no mini-trampolim. deixamos que as crianças brincassem na cama elástica. usamos os dois mini-trampolins para que todas façam a atividade. falamos sobre os saltos no trampolim e dos perigos que ele tinha. Comentários: O trampolim acrobático utilizado foi aquele com proteção lateral. pois elas podem machucar-se nas beiradas de aço. Depois da apresentação. porém deveriam ter boa postura. É preciso ficar atento a essas crianças. É importante que seja explicado para as crianças pularem no centro da lona. assim. Objetivo: Enfoque em postura. Descrição das atividades: Mostramos um DVD com apresentação de trampolim acrobático. considerações e comentários Atividade: 1 Especialidade: Acrobacias de trampolinismo Tema: Mini-trampolim e cama elástica. se o .) Dividimos a sala em dois grupos: um grupo ficava nos dois mini-trampolins e o outro ficava no trampolim acrobático (cama elástica) Materiais: Mini-trampolim. quando pulassem.2. colchões e trampolim acrobático.

apareceu um E. Assim o Etevaldo ensinou as crianças a brincarem do jeito dele. .depois ele fez o salto carpado .primeiro ele demonstrou o salto estendido e as crianças tentaram fazer.por último fez o salto grupado.59 professor estiver ao lado. Materiais: Mini-trampolim. trampolim acrobático. afastado e estendido) Descrição das atividades: Falamos para as crianças que elas teriam uma visita de uma pessoa de um lugar muito distante. carpado. Seu nome era Etevaldo. um grupo ficou no mini-trampolim e o outro na cama elástica. Cada vez que seu Etevaldo fazia a atividade os grupos tentavam imitar. Assim. A sala foi dividida em dois grupos. colchões e fantasia do Etevaldo (outro personagem criado pelos professores).depois ele fez o salto afastado . Atividade: 2 Especialidade: Acrobacias de trampolinismo Tema: Mini-trampolim e cama elástica Objetivo: Saltos básicos ginásticos (grupado.T na creche. mas demonstrando como elas deveriam fazer: . Comentários: . Depois disso. entretanto. ele pode organizá-las de tal forma que elas não empurrem umas as outras. o grupo que estava no mini-trampolim foi para a cama elástica e os que estavam na cama elástica foram para o trampolim. Ele conversou com as crianças explicando que no mundo dele as pessoas brincavam de uma forma diferente no mini e no trampolim acrobático.

Materiais: Cama elástica e giz de lousa. Cada criança então vivencia tanto pular no centro como tentar frear da forma que o professor ensinou. Comentários: É preciso enfatizar o tempo todo que a criança deve pular no meio do minitrampolim. pois muitas vezes eles esquecem e vão para as laterais. pois eles têm bastante dificuldade de entendê-lo. e foi falado para as crianças que elas deveriam pular somente no meio do circulo desenhado. Atividade: 3 Especialidade: Acrobacias de trampolinismo Tema: Cama elástica Objetivo: Enfoque em saltar no centro e brecar o salto Descrição das atividades: Os professores subiram na cama elástica e mostraram para as crianças como se fazia para parar o movimento. A mesma atenção deve ser tomada como na atividade1. Os professores pediram para as crianças pularem no chão com as pernas estendidas e com as pernas flexionadas. aterrissando com as pernas unidas. flexionando as suas pernas e chamando a atenção das crianças para as pernas flexionadas. é desenhado no centro da cama elástica um círculo (com giz de lousa).60 É importante enfatizar que os movimentos são feitos no ar e não quando a criança aterrissar no solo ou na cama elástica. Atividade: 4 Especialidade: Acrobacias de trampolinismo . Depois disso. é importante chamar atenção para os movimentos de freiar. Além disso.

para tentar resolver essa questão enquanto um palhaço ficava na cama elástica orientando uma criança. o outro fazia outra atividade com uma parte das crianças para elas não ficarem paradas. Descrição das atividades: Os palhaços apareceram na creche. Elas prestam muita atenção quando eles ensinam porque elas querem mostrar para eles que elas conseguem fazer o movimento que eles estão propondo. As crianças demonstraram o que sabiam fazer e os palhaços. entre cada salto as crianças entravam de uma em uma na cama elástica para tentar fazer o movimento. Eles perguntaram para as crianças se elas queriam aprender. sentado e seis apoios).Joelho -Barriga -Sentado -Seis apoios Depois de demonstrarem. O problema maior da atividade são as crianças que ficam esperando na fila.61 Tema: Cama elástica Objetivo: Enfoque em saltar explorando diversos apoios (joelho. . Então eles começam a mostrar os saltos diferentes: . pois eles tiveram que viajar. e disseram que os professores não iriam aparecer por lá. Comentários: As crianças ficam fascinadas quando algum personagem aparece na creche. Eles então começaram a conversar com as crianças e apresentarem esquetes. barriga. Até que uma hora eles olharam para a cama elástica e perguntaram para as crianças se elas sabiam saltar. Então eram eles que dariam a aula. Materiais: Cama elástica. e elas disseram que sim. falaram para elas que existiam outros jeitos diferentes de se pular na cama elástica.

carpado. afastado e estendido). Depois de brincarmos de espelho com mímicas.62 Atividade: 5 Especialidade: Acrobacias de trampolinismo Tema: Mini-trampolim Objetivo: Sincronização de movimentos Descrição das atividades: Iniciamos as atividades fazendo a brincadeira do espelho. Materiais: Mini-trampolim e colchonete Comentários: A atividade sincronizada exige tempo e quantidade (repetidas vezes) para que as crianças consigam exercê-la. porém agora tinham que se comunicar de lado. brincamos de pular e correr em duplas. Cada criança escolhe um amigo e um fica de frente para o outro. pedimos para que as crianças fizessem duas filas atrás dos mini-trampolins que estavam um de frente para o outro. Uma alternativa é fazer com que elas façam primeiramente a atividade sincronizada com o professor. colocamos os mini-trampolins um ao lado do outro. Atividade: 6 . Os primeiros de cada fila combinariam um tipo de salto (grupado. assim nós professores demonstramos como deveria ser feita a atividade. assim eles deveriam se comunicar de alguma forma para iniciar o movimento e deveriam fazer o movimento sincronizado e fazer a aterrissagem no colchão ao mesmo tempo Depois disso. e tudo que o outro fizer a criança tem que fazer. para depois fazer com o colega. as duplas tinham que fazer as atividades juntinhas. Após esse momento. e as crianças faziam a mesma coisa do exercício anterior.

Muitos deles pulavam no ritmo da música. Dessa maneira. uma vez que encontramos nos dias de hoje cama elástica até em festas infantis. um grupo apresentou para o outro. Depois de montadas as coreografias. cama elástica e colchões. Justamente por ser um aparelho tão divertido aos olhos das crianças. Colocamos música de fundo enquanto eles montavam a seqüência de movimentos. Explicamos para as crianças que elas teriam que montar uma seqüência de movimentos. Todas as crianças participaram. e funcionou muito bem. Materiais: Mini-trampolim. ACROBACIAS DE TRAMPOLINISMO . .63 Especialidade: Acrobacias de trampolinismo Tema: Cama elástica. Comentários: A atividade foi bem tranqüila. e o outro grupo na cama elástica. Objetivo: Enfoque em seqüência de saltos Descrição das atividades: Relembramos com as crianças todos os tipos de saltos que elas já haviam feito. Acredito que esta espera esteja relacionada com a ludicidade do trampolim acrobático (cama elástica). devemos tomar muito cuidado para que as nossas aulas não virem somente diversão sem conteúdos a serem tratados. demonstrando previamente como queríamos que elas fizessem. um grupo montou a seqüência de movimentos no minitrampolim.considerações gerais As acrobacias de trampolinismo são muito esperadas pelas crianças. e que a cada salto elas deveriam executar um tipo diferente. Dividimos a sala em dois grupos. com um professor em cada grupo.

também. Segundo Bortoleto (2008) as acrobacias são uma combinação de saltos. 2008. Fazem parte das acrobacias de solo: rolamentos. A acrobacia é a base para o mundo do circo. No mini-trampolim. o aprendizado psicológico de superação de medo e a satisfação ao conseguirem executar tal movimento é surpreendentemente interessante. é importante que o material seja observado antes de iniciarmos a aula.3 Acrobacias de solo Duprat (2007) nos esclarece que as acrobacias de solo são semelhantes aos exercícios ginásticos realizados no solo da Ginástica Artística. pois. fazer parada de mão. aprender a cair de maneira correta. Essa experiência exige da criança um controle corporal intenso. mortais. Além disso. Tentar perceber e executar um movimento no plano aéreo é uma experiência nova a qual poucos têm possibilidades de conhecer. evitando que as crianças empurrem umas as outras na fila. Além disso. estrelas. a presença do professor próximo às crianças quando estão executando o movimento. rodantes.64 É importante que as crianças tenham a consciência de que algumas atividades serão desenvolvidas naquele aparelho. É importante. evitando molas soltas (o que já aconteceu conosco diversas vezes) ou qualquer outro imprevisto. ao pularem próximo às laterais. e que dependendo da região onde são praticados recebem nomes diferentes. É importante que no trampolim acrobático. contribuindo assim para uma nova percepção de seu corpo. atrapalhando quem está iniciando a corrida para o salto. as crianças acabam sendo “jogadas para fora” do trampolim. rotações e momentos de equilíbrio. p. e que existe hora certa de brincar livremente e de brincar de forma dirigida. 20) . acarretando acidentes graves. flic-flacs entre outros. falsetas. “O Acrobata deve aprender a saltar no solo.” (MATTOS citado por BORTOLETO. 5. saber o que pode ou não fazer. flic-flac. as crianças executem os saltos no centro do trampolim. e que o domínio desses elementos ajudaria na melhoria da performance circense dos gestos acrobáticos. a presença do professor também é muito importante.

. reconhecimento da posição invertida do corpo e é uma excelente atividade para ganho de consciência e tonicidade corporal (tônus contraído). rolamento costas. 22). geralmente esse exercício não exige impulso algum. pois inicia os praticantes para o espaço “desconhecido” (sem visão). p. ponte e iniciação ao mortal.65 Em especial. uma acrobacia elementar de baixo impacto por manter o corpo próximo ao corpo e ser executada sem grandes necessidades energéticas ou condições corporais [. Bortoleto (2008) fala que as exigências desse movimento aliado à lentidão do mesmo. geralmente há um déficit na visão e no equilíbrio do acrobata. A estrela é denominada como apoio invertido lateral passageiro. nesta escola. A ponte para trás exige flexibilidade de ombro e de coluna.. parada de mão. faz-se necessária.. A parada de mãos desenvolve principalmente o equilíbrio estático. pois..]” (BORTOLETO. p. . com contato permanente no solo (sem vôo) cujo momento mais importante é a passagem do corpo sobre a região cervical. A concentração do indivíduo nessa acrobacia. Falaremos agora um pouquinho sobre cada um desses movimentos. pode também ser considerado como uma acrobacia fundamental. O mortal é um dos elementos mais complexos e perigosos da ginástica. por estar executando o movimento lateralmente. “Trata-se de uma rotação completa (360 graus) ao redor do eixo transversal do corpo. auxiliam no melhoramento do domínio corporal e ajudam no alongamento das articulações envolvidas. trabalhamos com rolamento frente. estrelinha. mais que as acrobacias citadas acima. sem entrar especificamente no mortal. 2008. Popularmente conhecido como cambalhota. 2008. dessa maneira trabalhamos na creche somente com atividades de giro no ar.” (BORTOLETO. o rolamento frente é definido por Bortoleto como “. 20) Popularmente conhecido como rolamento costas o rolamento para trás.

66 Figura 13 .Ponte. Figura 15 . Figura 16 .Educativo para o mortal.Estrelinha. considerações e comentários Atividade: 1 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Rolamentos .Espacato. Figura 14 . 5.1Relatórios.3.

Depois de as crianças concordarem em ajudar a dona lesminha. Um belo dia a dona joaninha convidou a dona lesma para ser madrinha do casamento dela. Muitos colchões foram colocados para que as crianças criem formas da dona lesminha não se atrasar mais. Os animais da floresta já estavam cansados de sempre ter que esperar a dona lesminha. e começou a ficar triste. Mas que ia precisar da ajuda das crianças. enquanto as demais tentavam fazer o movimento imitando-a.67 Objetivo: Enfoque nas explorações de diferentes maneiras de rolar e rolamento frente Descrição das atividades: Começamos contando a história da dona lesma: Ela era uma lesminha que não conseguia sair do lugar. pois a dona lesminha não tinha nenhum dos dois. Depois disso todos falam quais eram os movimentos que ajudariam mais a dona lesma. A dona lesma levou 10 dias pra arrumar seu cabelo. 30 dias para tomar banho. Assim quando ela chegou ao casamento da dona joaninha. Materiais: . muito triste. A dona lesma ficou decepcionada com ela mesma. a dona lesma começou a negar os convites de todos os animais que a convidavam para as festas. é hora da experimentação. Neste momento a professora fala que conheceu a dona lesminha e que decidiu ajudá-la. lembrando que teriam que ser formas que não usassem os braços e as pernas. Não queria mais ir a festas. a mesma já tinha ido e voltado da lua de mel. demorava horas para chegar às festas para as quais era convidada. Como ela se atrasou tanto para ir ao casamento da sua melhor amiga? Depois disso. para as crianças descobrirem a melhor forma de se locomover. 40 dias para vestir sua roupa. Depois disso reunimos todas as crianças e cada uma sugeriu o jeito que achava mais fácil de a dona lesminha se movimentar. Neste momento é dada uma experimentação livre.

diversificar planos e formas de rolar de frente. Em algumas turmas os professores também ficavam criando maneiras diferentes para estimular as crianças. A presença do professor fazendo a atividade livre juntamente com as crianças estimula muito a participação delas. poderia ser feito de duas maneiras: com as pernas abertas e com as pernas fechadas e que era importante prestar atenção em alguns detalhes para não machucar: . Colocamos assim um colchão no meio da roda.68 Colchões Comentários: Às vezes é importante que as crianças tenham momentos livres para a criação do movimento.o movimento deve ser feito com as pernas fechadas. sendo interessante para a criança que suas idéias também sejam aceitas pelo grupo. então. falamos com as crianças que uma das formas que descobrimos de fazer a dona lesminha andar mais rápido na sua vida é fazendo o rolamento frente. . pois isto é importante para o seu desenvolvimento social. muitas delas ficam acanhadas e não desenvolvem na aula. isso também faz parte de seus processos de aprendizagem. e falamos para eles que o rolamento frente. Objetivo: Enfoque no rolamento frente. Se o professor não participa do momento livre e fica só observando as crianças. Descrição das atividades: Utilizando aquilo que foi dado na aula anterior. Esta aula foi uma aula que deu certo com a maioria dos grupos. Muitas vezes as deixamos criarem coreografias e atividades com os materiais. passar cola no . . e aceitamos as suas opiniões.Empurrar o chão com as mãos para também proteger o pescoço. Atividade: 2 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Rolamentos.Passar cola no queixo para proteger o pescoço.

saindo de um lugar mais baixo e rolar na cama elástica). cada criança tentou fazer o rolamento. com a ajuda dos professores. Depois disso. E quer aprender outras formas de rolamento. uma com a perna unida. Os professores mostraram as duas possibilidades. bancos e cama elástica. É importante que o professor esteja ao lado para fazer a segurança no pescoço e no quadril da criança. Comentários: As crianças adoram fazer o rolamento. principalmente para as crianças que ainda não fazem o movimento. Materiais: Colchões. saindo de um lugar mais alto. e a outra com a perna afastada. porque se eles tentam sem o professor por perto pode ser perigoso e eles podem se machucar. aquelas crianças que já faziam o rolamento frente. Então perguntamos para as crianças qual seria outra forma de rolamento . pois o movimento começa e termina com as pernas fechadas. É preciso também que o professor coloque uma ordem na aula. Atividade: 3 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Rolamento Objetivo: Enfoque no rolamento costas – iniciar educativos Descrição das atividades: Falamos para as crianças que a dona lesminha adorou a idéia de fazer os rolamentos e que agora além de chegar rápido nos lugares ela quer virar artista de circo. ficaram com um dos professores vivenciando os vários planos (plano inclinado.69 meio das pernas. muitas não “colam” o queixo no peito e quando fazem o rolamento machucam o pescoço. facilitando e protegendo o movimento. porém é necessário estar atento ao pescoço delas. As crianças que estavam com dificuldade no rolamento ficaram com a outra professora que os ajudava a fazer e entender o movimento.

Retomamos então o que foi aprendido na última aula e finalizamos o rolamento. Materiais: Colchões Comentários: É importante que um professor faça junto com as crianças o movimento para incentivá-los e o outro professor preste atenção nas dificuldades das crianças para poder ajudá-lo a perceber onde estão errando. que ela precisa empurrar o chão.70 possível. Atividade: 4 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Rolamento Objetivo: Enfoque no rolamento costas aprimoramento Descrição das atividades: Voltamos a puxar a história da lesminha. para protegê-lo. na hora que o corpo está em cima do pescoço.Gangorrinha: as crianças deitam no colchão e fazem uma gangorra com o corpo. . depois eles tem que colocar essa bandeja no chão na hora de fazer a gangorrinha (proteção do pescoço). .Gangorrinha saindo agachado. Segurando a pizza na mão: falamos para eles que somos garçons de restaurante e temos que levar a bandeja na nossa mão. . no meio da roda. e falamos que para virar artista de circo era preciso treinar aquilo que eles tinham aprendido.Gangorrinha saindo em pé. Porém falamos para eles que para fazerem o rolamento costas era preciso aprender alguns exercícios antes. uma em cada mão. É importante falar da mão que está carregando a bandeja. Começamos então demonstrando o rolamento costa.do lado da orelha. . duas bandejas.

as crianças que estavam fazendo o rolamento. além disso. plano inclinado e cama elástica Comentários: É difícil apara a criança colocar em prática aquilo que ela está vendo no corpo do seu professor dependendo da sua capacidade corporal. experimentaram fazer o rolamento no plano inclinado e na cama elástica. pedimos para que fizessem o movimento um a um no colchão e o professor ajudava puxando o colchão para cima e o outro professor fazia a segurança no pescoço das crianças e assim eles tentavam fazer sozinhos depois. as crianças adoraram o movimento. ou porque quando estão em pé acabam deitando sem fazer o movimento da canoa. E as crianças que não estavam conseguindo fazer ficaram com o outro professor. Muitas crianças não conseguem finalizar o rolamento porque esticam o corpo quando estão virando. Atividade: 5 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Rolamento Objetivo: Cambalhota de dois Descrição das atividades: Os professores fantasiados de palhaços fizeram algumas brincadeiras e esquetes de palhaços e no meio do esquete fizeram a cambalhota de dois. Materiais: Colchões. Depois disso. Porém. aperfeiçoando os educativos e tentando fazer o movimento. Para eles entenderem o movimento. a maioria delas conseguiu finalizar o movimento. e. no colchão no plano reto. Essa aula é possível de ser feita de diferentes formas. . sozinhas. como vivência.71 enfatizando que era importante empurrar o chão quando o corpo estivesse por cima da cabeça. e é importante que sempre retomemos esses exercícios para que eles consigam adquirir capacidade corporal.

. para não se machucarem. Atividade: 6 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Estrelinha Objetivo: Educativos que abordem lateralidade . de ficarem atentos ao que os colegas estão fazendo. . porque o efeito é grande. A atividade pode ser repetida em mais de uma ocasião. e caso esteja machucando é melhor soltar a perna do companheiro.quem está deitado no chão ergue as pernas para que o colega que está em pé segure na canela dele. mas existem os que conseguem.72 Depois dos esquetes e palhaçadas os palhaços perguntam para as crianças se eles sabiam fazer esse tipo de cambalhota. Aqueles que não conseguem encaram a atividade como um desafio e ficam tentando bastante. embora. eles devem tentar fazer sozinhos. .quem esta em pé vai abaixando a canela do que está deitado e vai colocando a cabeça no meio das pernas do que está deitado e fazendo o rolamento frente.um deita no chão e o outro coloca as pernas ao lado da cabeça de quem está deitado no chão. seja um exercício de pouca dificuldade. Depois de tentarem fazer perto do professor. e vai chamando cada dupla para tentar fazer o movimento. Materiais: Colchões Comentários: Esse exercício é um exercício bem complexo. poucos são os que conseguem completá-lo. É importante estar ao lado para lembrá-los de colar o queixo no pescoço.o que está deitado segura a canela do que esta em pé e vai levantando a medida que o outro está rolando e assim segue sucessivamente. Depois de explicar isso para as crianças o professor pede para que eles se dividam em duplas. assim os palhaços ensinam as crianças como deve ser feita: .

como um pique-pega normal. pernas. • Terceira parte Brincamos de prestar atenção no nosso sapato. Atividade: 7 Especialidade: Acrobacias de solo . quando mostramos um desenho. qual a quantidade de cada uma delas e onde se localizam. começamos a brincar de andar de lado. • Segunda parte: Depois disso. mãos.73 Descrição das atividades: • Primeira parte: Inicialmente. porém tem muita dificuldade de falar corretamente. Ao montarem o quebra cabeça. ouvido. enfim. então todos tinham que achar seu pé de sapato e colocá-lo no pé correto. neste momento é importante falar pequenos detalhes de como sabemos que uma perna fica de um lado e não do outro (observação do halux e do formato do sapato). o que pode auxiliar na execução dos movimentos. colocam as pernas e braços trocados). nariz. pés. ou seja. porém as crianças correm de lado. Comentários: As crianças têm muita facilidade em falar quais as partes de seu corpo. tudo o que está no corpo delas. Depois disso. damos desenhos de crianças e eles devem pintar. falamos sobre o corpo das crianças. Perguntamos quantos olhos. Fazemos um “pega-lado”. e depois de pintados recortamos os desenhos em pedaços e pedimos para que as crianças montem o quebra cabeça. vamos falando da localização dos pés. Materiais: Folhas com desenhos de crianças. bocas. Essa atividade é importante para as crianças ampliarem o conhecimento de seus próprios corpos. que elas têm e depois pedimos para que elas nos falem onde se localizam. giz de cera e tesouras. para ver se eles percebem o erro. e então todos tiraram os sapatos que foram colocados num saco. e brincamos de montar errado. dedos. onde se localizam os braços e as pernas (geralmente eles trocam os lugares.

é importante alertar para a força no braço. dois quadrados com um circulo no meio e as crianças deveriam colocar as mãos no circulo e passar os pés de um quadrado para o outro . era necessário. Porém tem uma forma que é uma das formas mais difíceis de girar.colocamos umas cordas e falamos que era o rio (desenhamos peixes e jacarés). Atividade: 8 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: . ou seja. cumprir algumas tarefas: . Objetivo: Enfoque na estrelinha (mostrar.desenhamos em linha.74 Tema: Estrelinha. porém é necessário que a criança assimile o movimento de passar as pernas de um lado para o outro. para que a estrelinha fosse bem feita. as crianças deveriam colocar as mãos do outro lado da corda e tentar passar os pés sem encostar-se na corda. . que é a estrelinha (demonstração) Falamos então que. Além disso. que nesse mundo todas as pessoas giram de diferentes formas. Comentários: Nesse primeiro momento não são necessárias as correções de esticar a perna ou posicionamento das mãos. para evitar acidentes. as crianças deveriam colocar as mãos nas pedras do rio e passar os pés para o outro lado da forma que quisessem. Materiais: Cordas e giz de lousa.amarramos uma ponta de uma corda em um lugar alto e a outra ponta em um lugar baixo. é necessário que se fale qual perna deve passar primeiro. Descrição das atividades: Conversamos com as crianças sobre o mundo do gira-gira. diversificar situações e planos e trabalhar com educativos).

as crianças deveriam colocar as mãos nas pedras do rio e passar os pés para o outro lado da forma que quisessem. Descrição das atividades: Começamos a atividade falando que iríamos jogar um pó mágico nas crianças e elas se transformariam em madeiras inteiriças. dois quadrados com um circulo no meio e as crianças deveriam colocar as mãos no circulo e passar os pés de um quadrado para o outro . na hora que levantamos seus pés (brincadeira da madeira).colocamos umas cordas e falamos que era o rio (desenhamos peixes e jacarés). então falamos para elas deixarem o glúteo e a . Depois disso. giz e cordas. falamos que agora já que todos tinham virado madeira nós entraríamos no mundo do gira-gira e faríamos os mesmos exercícios feitos na atividade 7 porém com o corpo durinho: .desenhamos em linha. . Perguntamos a eles se eles sabiam o que era uma madeira e levamos uma tábua para mostrar a eles. Depois disso jogamos o pó mágico nas crianças e todos viraram madeira. Materiais: Colchões. Comentários: As crianças costumam. Primeiramente jogamos pó mágico no professor e demonstramos como ele virou madeira (nesse momento a professora erguia os pés do professor e ele deixava o corpo bem contraído para que seu corpo todo levantasse como uma tabua). as crianças deveriam colocar as mãos do outro lado da corda e tentar passar os pés sem encostar-se na corda. ficar com o corpo mole.75 Estrelinha Objetivo: Ensino da técnica da estrelinha (posição dos braços ao lado da orelha e pernas estendidas – utilização dos educativos).amarramos uma ponta de uma corda em um lugar alto e a outra ponta em um lugar baixo. Assim todas as crianças deitaram nos colchões e nós levantamos seus corpos pelos pés.

76 barriga bem durinhos. Durante as atividades elas se esquecem de deixar as pernas estendidas. No circuito: . -fazemos um corredor de colchões onde as crianças viram a estrelinha sem poder pisar nos colchões. sendo preciso lembrá-las a todo tempo. Descrição das atividades: Inicialmente montamos um circuito. Atividade: 9 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Estrelinha Objetivo: Retomar aprimoramento da estrelinha ex: estrela no corredor de colchões.colocamos umas cordas e falamos que é o rio (desenhamos peixes e jacarés).amarramos uma ponta de uma corda em um lugar alto e a outra ponta em um lugar baixo.desenhamos em linha. sobre uma linha. . . retomando assim toda a história do pó mágico e da madeira. demonstramos esse circuito para elas. as crianças devem colocar as mãos nas pedras do rio e passar os pés para o outro lado da forma que quisessem. Assim que as crianças chegam. dois quadrados com um circulo no meio e as crianças devem colocar as mãos no círculo e passar os pés de um quadrado para o outro . È preciso ter muita atenção para que as crianças não machuquem o pescoço forçando-o exageradamente quando vão brincar de tábua e pressionam a cabeça no chão.desenhamos linhas no chão para que as crianças virem a estrelinha na linha. as crianças devem colocar as mãos do outro lado da corda e tentar passar os pés sem encostar-se na corda. . onde as crianças passariam fazendo atividades.

É importante que os movimentos sejam repetidos várias vezes para que assimilem gradualmente o que estão fazendo e tomem consciência do movimento. mas é preciso que todos passem por todas as atividades. . Falamos para as crianças que eles podem começar por qualquer atividade que quiserem das que foram propostas. por isso orientamos para que todos façam aquilo que sabem. ou nos horários livres da creche. embora exija atenção constante dos professores para evitar brigas e desrespeito na ordem das filas Existem algumas crianças que ainda estão no estágio inicial da “estrelinha”. cordas e giz Comentários: De maneira geral o comportamento das crianças nesta atividade foi dinâmico e proveitoso porque a idéia de deixá-los livres para fazerem as atividades é uma novidade para todos além de ser muito prazerosa. que também anda de cabeça para baixo e dá coices para cima. Atividade: 10 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Parada de mão Objetivo: Tesourinha bate e volta e utilizar a parede Descrição das atividades Falamos para eles do mundo que fica de cabeça para baixo. que precisamos ajudar esse mundo a voltar a ficar de cabeça para cima. então todos. É importante explicar às crianças que elas poderão treinar a “estrelinha” em casa. para salvar o mundo que estava de cabeça para baixo. Falamos então que nessa cidade tem o cavalo.77 -deixamos um espaço livre para tentar fazer a estrelinha sem a ajuda de nenhum material. Materiais: Colchões. precisam aprender a andar de cabeça para baixo.

portanto necessário alertá-las para que retornem com um pé de cada vez para reduzir o impacto.78 Imaginamos com eles se todo mundo virasse cavalo. Atividade: 11 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Parada de mão Objetivo: Aprimoramento com ajuda do professor e do colega Descrição das atividades: Retomamos a história do mundo de cabeça para baixo e falamos para eles que agora eles precisam aperfeiçoar todas as técnicas que aprenderam na aula passada. Materiais: Colchões. O professor deve orientar quanto ao posicionamento do corpo na parede. depois disso os professores demonstram como um amigo pode ajudar o outro a ficar de cabeça . porque muitos relaxam o quadril quando encostam-se à parede. então todos teríamos que dar coices também. Depois falamos que esse cavalo iria virar o cavalo tesoura. Assim as crianças fazem o movimento da tesourinha e se apóiam na parede. fazendo com que se apóiem com as nádegas e não com as pernas. e. Assim todos juntos no colchão gordo. fazendo uma tesourinha. Depois disso. Assim todos vivenciam tudo o que foi proposto na aula 10 novamente. Os professores demonstram e todas as crianças tentam. elas são levadas para a parede e falamos que o cavalo iria ficar de cabeça para baixo. colocamos as mãos no colchão e jogamos os pés para o alto. então que ele daria o coice diferente. Comentários: As crianças geralmente retornam com os pés unidos. sendo.

Depois falamos que o colega ficaria na frente deles para evitar que eles passem para o outro lado. Trata-se de um momento importante para desenvolver valores como responsabilidade deixando claro que eles não devem deixar o amigo cair e se machucar e o professor pode aproveitar para explicar para não fazermos com o outro o que não queremos que façam conosco. pois quando colocamos uns para ajudar os outros eles se concentraram. que é o Flic-flac . mas todas conseguiram ficar na parada de mãos com a ajuda dos colegas e professores.79 para baixo. Objetivo: Educativos Descrição das atividades: Falamos no inicio da aula sobre os super heróis. mas eles têm que fazer sem encostar-se no colega. Assim. e ainda andavam na parada. Materiais: Colchões. . Comentários: Todas as crianças se deram bem nas atividades. Depois falamos de um quarto elemento que os super heróis também fazem. e como eles fazem alguns movimentos que são bem difíceis de serem feitos. Atividade: 12 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Ponte e inicio do Flic-flac. A atividade se desenvolveu de forma bem tranqüila. Demonstramos a cambalhota de todas as formas. a estrelinha e a parada de mão. demonstrando-o em seguida. todos vivenciam rapidamente todas essas acrobacias corporais. algumas com mais dificuldades outras com menos. Assim todos tentam fazer a parada de mãos com a ajuda dos colegas. Algumas crianças até já ficavam paradas sem o auxilio.

80 Falamos para eles que para fazer o flic-flac. e depois enfatizamos que eles são responsáveis uns pelos outros e que não podem deixar o amigo se machucar. Quando falamos que um colega vai ajudar o outro.fazer a ponte no chão. forçando-os para cima. um do lado do outro. -tentar descer na ponte e impulsionar seus pés. porém com a ajuda de um colega. apoiando a sua cintura. Objetivo: Educativos e aprimoramento. Comentários: As crianças têm bastante dificuldade de fazer a ponte. exigindo muita atenção do professor para que não machuquem seu pescoço ao apoiarem o peso do corpo na cabeça. . Elas acabam colocando a cabeça no chão e falam que estão fazendo a ponte.tentar descer sozinhos na ponte sem ajuda de ninguém.descer na ponte sem se apoiar na parede. Outro cuidado importante é colocar colchões também na parede para que elas não se machuquem com a brincadeira de descer na ponte pela parede. . porque não entendem que a ponte se apóia nos braços e nas pernas e não na cabeça. antes era preciso fazer algumas atividades: . Descrição das atividades: . fazendo um túnel para uma crianças passar. poderá machucá-las. . Atividade: 13 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Flic-flac. Materiais: Colchões.tentar descer na ponte apoiando na parede. primeiro demonstramos como vai ser essa ajuda. porque se a parede for muito áspera.

Materiais: Colchões.De costas para o professor. . . o professor curva a criança nas suas costas até que ela encoste a mão no chão. Assim as crianças deitam no pneu. executando assim um flic-flac . pedimos para as crianças fazerem a ponte no pneu. pneu de carro. apóiam os pés na parede e viram o flic-flac.81 Retomamos a história dos super heróis e vivenciamos tudo o que foi dado na atividade 12. isso pode ser feito com um simples auxilio no quadril da criança. esticam seus braços tentando colocar a mão no chão.as crianças descem na ponte de frente para a parede. e ainda acrescentamos mais duas atividades novas: . Comentários: Na hora do flic-flac no pneu é preciso que os professores estejam ao lado das crianças para segurar tanto o pneu quanto a criança. Atividade: 14 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Mortal frente. com várias acrobacias corporais. e o professor. as crianças vão para os colchões tentar executar o movimento sem ajuda de ninguém. assim. É necessário explicar para as crianças que elas só podem jogar as pernas para executar o movimento se os braços estiverem firmes no chão. roda o pneu e segura a criança. Objetivo: Iniciação aos educativos Descrição das atividades: No início da aula mostramos um vídeo. Depois de cada atividade. e depois jogarem suas pernas para o outro lado. pedimos para elas estenderem os braços.Com um pneu de carro. Quando o professor fizer a atividade com a criança nas costas. o outro professor deve ajudar a criança a executar o movimento das pernas.

Comentários: É muito importante enfatizar sobre a necessidade de saber fazer algumas etapas muito bem feitas antes de fazer o mortal. É bom enfatizar no começo da aula que nesse primeiro momento os movimentos serão mais lentos. É importante a presença atenta do professor ao lado no minitrampolim. e pedimos que ao invés de colocarem as mãos no chão. saltar. Depois eles devem fazer o mesmo no chão. porque geralmente elas ficam ansiosas para executar esta atividade. sem usar as mãos.na cama elástica (trampolim acrobático) as crianças com a ajuda do professor . para que não se machuquem. pois nesse momento as crianças se jogam e podem machucar o pescoço. Materiais: Colchões e mini-trampolim. e rolar sem colocar as mãos. mas que iremos começar a aprender a fazê-lo. executassem o movimento sem as mãos. Depois. querendo até mesmo pular etapas para fazê-lo. Atividade: 15 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Mortal frente. sem nervosismo ou pressa. Falamos para eles que mortal é algo bem difícil e perigoso de se fazer. falamos que eles devem saltar no minitrampolim e rolar no colchão. Objetivo: Educativos. usando o mini-trampolim.82 após o vídeo falamos de todas as acrobacias e enfatizamos o mortal. Descrição das atividades: Retomamos o que foi feito na atividade 14 e acrescentamos mais alguma atividade: . Assim retomamos com eles o rolamento frente. porém sem a ajuda do mini-trampolim.

83 realizam o movimento. Materiais: Trampolim acrobático. Então depois dessa conversa começamos a brincar de alongamento. As crianças vão de uma em uma. Objetivo: Mostrar o que é através de vídeos e explorações básicas. três e já”. Descrição das atividades: É apresentado no início da aula um vídeo que mostra alguns contorcionistas (homens e mulheres). e executam o movimento. dois. e as outras que estão esperando fazem as outras propostas da atividade 14. Perguntamos a eles se eles acham que aquelas pessoas são diferentes da gente. Muitos dizem que são mulheres elásticas ou homens elásticos. mini-trampolim e colchões. O professor segura nos quadris e pescoço das crianças ajudando a dar velocidade no movimento. elas contam com o professor “um. Além disso. Falamos . Nós falamos que eles são pessoas como nós. ou se elas são pessoas comuns. porém eles treinam muito para conseguir fazer aquilo e têm que alongar muito. Atividade: 16 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Contorcionismo. a bagagem motora de algumas crianças não permite que o mortal seja completado. Apenas uma criança de um grupo de núcleo de ex-alunos que freqüentam a escola por apenas um período do dia conseguiu completar o mortal. por ser uma acrobacia perigosa que exige um treinamento mais intenso e individual para a sua execução. depois conversamos sobre o vídeo. Comentários: As atividades propostas para a execução de “mortal” proporcionaram apenas uma vivência.

porém com a ajuda de um colega. . braços. tudo o que eles acham que dá para esticar. Para aprender assim a fazer a ponte é necessário que todos sigam a professora e façam o que ela faz: . de pegar as pontas dos pés sem dobrar a perna. .84 para eles que alongar é esticar o corpo. Brincamos assim de tentar colocar os pés na cabeça. Temos que tomar cuidado com isso. fazer o espacato.deitados no chão apóiam a perna dobrada e elevam somente o quadril. empurrando as mãos e os pés contra o chão. Assim. Comentários: É importante orientar as crianças para que não insistam se estiver doendo evitando que se machuquem. e não param de fazer o movimento porque acham que a dor é normal. Muitas vezes elas estão com muita dor. depois de alongadas as crianças falam o que elas queriam fazer igual ao vídeo e tentam reproduzir. Materiais: Televisão e DVD. para entrar no mundo das acrobacias. apóiam a perna dobrada e dobram os cotovelos apoiando a mão no chão e elevam o quadril.descer na ponte sem se apoiar na parede. . mas para formar esse portal é necessário que todos façam a ponte. com a cabeça apoiada no chão e os braços ao lado do corpo sem serem utilizados. um do lado do outro. Falamos para as crianças que é preciso abrir um portal mágico.tentar descer na ponte apoiando na parede. .fazer a ponte no chão. então esticamos pernas. . fazendo um túnel para uma criança passar. dedos. ponte.deitados no chão. Atividade: 17 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: contorcionismo Objetivo: aprofundamento da ponte Descrição das atividades: Levamos imagens recortadas de pessoas fazendo ponte e mostramos aos alunos.

exigindo muito de nossa ajuda e atenção para que seja bem executado. Um grupo fica com um professor e o outro com o outro.tentar descer sozinhos na ponte sem ajuda de ninguém. Materiais: Colchões e recortes de revista. uma vez que é um movimento diferente de todos aqueles executados em seu cotidiano.85 apoiando a sua cintura. estrela. Atividade: 18 Especialidade: Acrobacias de solo Tema: Série de movimentos Objetivo: Trabalhar serie de movimentos e musicalidade (rolamento – estrela – mortal fli-flac e contorcionismo) Descrição das atividades: É mostrado um vídeo. . Eles podem escolher o que quiserem para apresentar: rolamento. Separamos a turma em dois grupos. Conversamos então sobre fazer as acrobacias no ritmo da musica. É preciso tomar cuidado também com a brincadeira de descer na ponte pela parede. As crianças têm bastante dificuldade em entender esse movimento corporalmente. mortal. pode machucar as crianças. porque elas podem machucar-se bastante se não tomarem os cuidados necessários. Geralmente colocamos colchões também na parede pra que elas não se machuquem. Cada grupo monta uma seqüência de movimentos para apresentar para a outra turma. Comentários: Mais uma vez o professor deverá ter cuidado especial com o pescoço das crianças e orientar para que não apóiem o peso do corpo na cabeça. pois se a parede for muito áspera. com varias acrobacias corporais e musica. .

As crianças foram bem criativas. Comentários: A aula se desenvolveu de uma forma muito proveitosa e animada. No rolamento para frente. dessa maneira é preciso que tomemos cuidado ao passar uma explicação. assim o professor deve auxiliá-las. É importante então que o profissional. O professor deve estar atento para proteger todas as crianças. temos crianças que já sabem executar alguns movimentos (mesmo que não saibam as técnicas) e crianças que não sabem como funciona. converse com as crianças para saber . apesar de. Eles adoram se apresentar para as outras crianças.86 fli-flac e contorcionismo. trampolim acrobático e mini-trampolim. no começo. um desconforto que poderia ser evitado através de um simples comando diferenciado. colchões. assim. ela se esquece de manter o queixo no peito. podendo assim machucar o pescoço. as aulas de acrobacias de solo são aulas em que todas as crianças participam juntas em todas as etapas. É complicado para a criança colocar em prática tudo aquilo que ela esta vendo o professor fazer. Além disso. na capoeira. quando a criança vai começar a executar o movimento.considerações gerais Em geral. pois esta se não for totalmente detalhada pode gerar dúvidas nos movimentos das crianças e causar. Algumas professoras de outras salas que estavam passando pela quadra foram convidadas a assistir o espetáculo pelos próprios alunos. as modalidades da acrobacia de solo são atividades que algumas crianças já fazem em casa. Materiais: Som. os professores terem que dar uma idéia de como seria. ou até mesmo na ginástica. antes de começar a dar o rolamento. ACROBACIAS DE SOLO . Dessa maneira. Por isso a aula acaba sendo muito dinâmica e sem que as crianças fiquem esperando. para que não se machuquem. Aquelas que têm mais dificuldade às vezes necessitam de maior atenção em alguns momentos. dentro de um mesmo grupo.

elas se esquecem de empurrar o chão quando o peso do corpo está passando sobre a cabeça. É importante colocarmos um colchão na parede para que elas possam descer até o chão. podendo machucar dessa maneira o pescoço.87 quem já fez e quem nunca fez o movimento. As crianças que sabiam executar o movimento também ajudavam as outras que ainda não conseguiam. muitas vezes elas relaxam o braço. trabalhamos mais os educativos do que executamos a estrelinha propriamente dita. além de as crianças perderem um pouco a noção do equilíbrio. A ponte foi uma atividade transmitida com tranqüilidade para as crianças. ou executar um gesto complexo. e ajudar no movimento impulsionando os quadris da criança quando necessário. pois.4 Manipulações de objetos O malabarismo é a arte de manipular objetos com agilidade. O professor assim como no rolamento frente deve estar atento a isso. e fazer a proteção na nuca. A estrelinha é uma das modalidades que tivemos maior dificuldade de explicar para as crianças. Principalmente depois que fazemos todos os educativos as crianças sentem mais facilidade para executar o movimento. O rolamento costas é um pouco mais complicado para o entendimento das crianças. por ser um movimento lateral. Assim. usando um ou mais objetos. Dessa maneira. sem exigir muito da capacidade física de cada um. devemos atentar para a perda na força dos braços da criança quando ela está executando o movimento. lidando com situações difíceis e instáveis sem perder o domínio e o controle. É uma das mais típicas artes do circo. em que os métodos de manipulação não são misteriosos como no ilusionismo. apesar de não ser necessariamente relacionada . e colocam a cabeça no chão. Assim aqueles que nunca fizeram deverão ser auxiliados pelos professores e estes devem fazer a segurança na nuca e nos quadris das crianças. 5. pois elas podem machucar o rosto. embora exija de nós muito cuidado quando as colocamos na parede. e respeitando todos os limites do corpo. A parada de mão é algo bem tranqüilo de lidar com as crianças. Mesmo assim. Queremos deixar claro que o objetivo desse trabalho não é formar especialistas em artes circenses. e sim levar um pouquinho do circo para a cultura corporal das crianças.

A origem do malabarismo é incerta. bolinhas. aros.88 a ele em sua história. tules. Tratamos em nossas aulas a manipulação dos tules. sejam estes: claves.Bolinhas. swing. agrupando o que realizam em função dos materiais que manejam. Figura 17 .Cigar Box. Em geral malabaristas dividem suas técnicas em categorias. cigarbox. mas há registros que indicam ser uma arte praticada desde a antiguidade. swing. Figura 21 .Cordas . bolas. diabolôs. Figura 18 .Swing.Tule. Figura 19 . Figura 20 . e também a manipulação da corda. cigarbox. etc.

O tule é algo bem interessante para eles brincarem. cada uma iria construir o seu amiguinho fantasminha. Comentários: As crianças adoraram a historia do fantasminha. Depois disso. Objetivo: Enfoque na manipulação de um lenço . Materiais: Tules. equilibrar e recuperar utilizando diferentes partes do corpo). Também perguntamos a eles quem consegue equilibrar os tules e todos tentam equilibrar os tules nas diferentes partes do corpo. Depois disso. e.4.1Relatórios.jogos de ambientação não convencionais do lenço e ambientação (como segurar. Assim. Perguntamos quem consegue jogar para o alto bater palma e pegar. perguntamos quem consegue jogar o fantasminha para o alto e pegar com alguma outra parte do corpo. Assim. Descrição das atividades: Falamos para as crianças que elas iriam conhecer o nosso amiguinho fantasminha.89 5. depois é só tirar o dedo indicador de baixo do tule). Assim demos os tules para as crianças e mostramos como fazer o fantasminha (colocando o dedo indicador no meio do tule e com a outra mão segurando a ponta do tule que está no dedo indicador. considerações e comentários Atividade: 1 Especialidade: Manipulação de objetos Tema: Lenço. . falamos que cada um tem seu fantasminha e que eles devem fazê-los voar (neste momento as crianças fazem da forma como queiram e acham que devem). quem consegue bater mais palmas sem deixar o fantasminha cair no chão. utilizamos os tules para fazer os fantasminhas que conversam com as crianças.

Depois desse momento falamos para as crianças que elas terão que jogar os dois tules para cima e recuperar. sem intervenções. pois qualquer ventinho leva os tules para longe. Depois um irá jogar seu fantasminha para o outro. porque é leve e demora mais para cair e a criança consegue capturá-lo com mais facilidade que os outros materiais . Objetivo: Enfoque em manipulação e explorações diversas com dois lenços. e um terá que recuperar o fantasminha do outro. Materiais: Tules. Assim falamos que os dois amigos um de frente para o outro irão jogar seus fantasminhas para cima. Essa atividade como a anterior deve ser executada em um ambiente fechado para evitar tules voando por toda a escola. cada fantasminha terá um irmãozinho. Mais tarde damos um tule a mais para as crianças e deixamos que elas brinquem a vontade.90 É importante que essa aula seja dada em uma sala de aula. dispersando as crianças. Descrição das atividades: Retomamos a história do fantasminha. Após essa atividade falamos para as crianças que elas devem jogar um tule e na hora que fosse recuperar esse tule ela tem que jogar o outro para cima. Mas com o tempo elas pegam o tempo do material e conseguem manipulá-lo com mais destreza. Assim cada criança escolhe um amigo com quem irá brincar. Porém agora. ou em ambientes fechados. Comentários: As crianças ficam embaraçadas com dois tules inicialmente. O tule tem a vantagem em relação às bolinhas. Atividade: 2 Especialidade: Manipulação de objetos Tema: Lenço.

bexiga. painço.91 Atividade: 3 Especialidade: Manipulação de objetos Tema: Bolinhas.pegar a parte que sobrou das bexigas e encapar a sacolinha com painço. As crianças conseguem fazer quase todas as etapas sozinhas. Depois que as bolinhas ficam prontas cada criança desenha um rosto na sua bolinha. Materiais: Sacolas plásticas. porém os professores são muito solicitados para ajudar na construção. Eles conversam com as crianças e falam que eles querem ter filhos. . tesoura. então eles pedem a ajuda para as crianças. Descrição das atividades: Inicialmente levamos duas bexigas cheias com carinhas desenhadas. ensinamos as crianças a construírem bolinhas de painço: -recortar as sacolas plásticas ao meio. que é fazendo seus filhotinhos. são o senhor e a senhora bola. porém não conseguem. para não perdermos muito tempo. fita crepe Comentários: É importante encapar a bolinha com mais de uma bexiga evitando que ela fique frágil e fure com facilidade. Objetivo: Construção de bolinha de painço. . Então. menos recortar as bexigas e as sacolinhas. -colocar um pouco mais da metade de um copo plástico de painço na metade da sacola cortada -enrolar o painço com a sacola e fechar com a fita crepe -cortar o bico das bexigas. escreve seu nome e entrega a bolinha para o senhor e a senhora Bola. Então os professores falam que sabem um jeito de ajudar o senhor e a senhora bola. É importante preparar o material com antecedência.

falamos para elas jogarem a bolinha com uma mão e recuperar com a outra mão. Falamos então. Comentários: As crianças têm bastante dificuldade na recuperação da bolinha. Entregamos assim as bolinhas para as crianças. para as crianças brincarem com as bolinhas do jeito que elas quiserem. Com o desenrolar da atividade as crianças começam a se organizar e algumas conseguem executar muito bem todas as atividades. dando-nos a impressão de desorganização. e falamos para as crianças que elas irão brincar um pouco com os filhos deles. Depois falamos para elas jogarem a bolinha para cima e recuperá-la. e perguntamos qual cai mais rápido (a bolinha ou o tule?). falamos para elas jogarem as bolinhas com uma mão e recuperar com a mesma mão. fazendo analogias ao lenço) Descrição das atividades: Relembramos da história do senhor e da senhora bola. Mais tarde. . Materiais: Bolinhas de painço. relembramos o fantasminha (tule).92 Atividade: 4 Especialidade: Manipulação de objetos Tema: Bolinhas Objetivo: Exploração e ambientação da manipulação de uma bolinha (observação do peso e tempo de queda. demos as bolinhas de painço para as crianças levarem para suas casas. muitas bolinhas saem rolando pela sala. Ao final da atividade. Depois disso.

latas. Comentários: Essa atividade foi realizada na quadra e as bolas rolam para todos os lados. uma com cada professor. sentadas. onde as crianças devem. e assim elas. Com o tempo vamos incluindo mais e mais bolas (neste momento usamos tanto a bola de Ginástica rítmica como as bolinhas de malabares). No segundo momento. Objetivo: Enfoque em jogos de trocas rasteiras. Materiais: Bolas de Ginástica Rítmica. Atividade: 6 Especialidade: Manipulação de objetos Tema: Bolinhas. Assim. . Assim falamos para as crianças ficar uma de frente para a outra. bolinha de malabares. dividimos a turma em duplas.93 Atividade: 5 Especialidade: Manipulação de objetos Tema: Bolinhas. Fazemos também uma pirâmide de latas. fizemos duas rodas. As crianças não têm muitas dificuldades em executar trocas rasteiras. derrubar as latas. sendo necessário orientá-las para que sejam responsáveis pelas bolas. rolam a bola uma para a outra e cada vez que isso é feito elas sentam um pouco mais afastadas. Falamos para elas que deveriam rolar a bola para o colega e falar o nome do colega para quem estivesse rolando a bola. rolando a bola pelo chão a certa distância. Descrição das atividades: Ao início da aula pedimos para as crianças sentarem em roda. Cada dupla recebe uma bola.

mesmo sabendo que as brigas podem acontecer. Depois disso. Mas. individualmente e em grupo. sabemos o quanto é importante que elas dividam esses materiais. Atividade: 7 Especialidade: Manipulação de objetos Tema: Contato. por isso optamos por algumas atividades em dupla. sem deixar a bola cair no chão. Mais tarde. falamos para eles que terão que passar a bola para o colega quicando uma vez no chão. Objetivo: Conceitos básicos do contato (equilíbrio e rolar pelo corpo). Comentários: Os trabalhos em duplas às vezes são um problema para os professores. falamos assim para eles passarem a bola em pé. Descrição das atividades: Iniciamos a aula falando que iremos tomar um banho. Falamos para as crianças que quem for queimado terá que fazer uma cambalhota. damos uma bola para cada criança e falamos para elas que elas terão que quicar a bola no chão e recuperar (usamos as bolas de Ginástica Rítmica nesse momento). Descrição das atividades: Ao inicio da aula brincamos de batata quente. e assim o nosso sabonete será a bolinha. Pedimos para que a sala se divida em duplas e damos uma bola para cada dupla. porque as crianças nem sempre dividem o material e acabam brigando. Materiais: Bolas de Ginástica Rítmica.94 Objetivo: Enfoques nos jogos com bolas. . trabalhar o tempo de passe e pingo.

brincamos de equilibrar as bolinhas. utilizamos as bolinhas de malabares feitas com painço. Materiais: Bolinhas de malabares de painço. Perguntamos para as crianças como podemos equilibrar as bolinhas pelo corpo e cada uma dá um palpite e nós tentamos executar. Assim falamos para elas dos procedimentos para fazer o swing: -recortar o papel crepom em tiras.95 Assim. As crianças adoram brincar com a bolinha. tentamos rolar a bolinha sem a ajuda das mãos: -deitamos no chão e colocamos as bolinhas nas pernas. os professores levam um swing pronto para as crianças verem o que é. quando erguemos as pernas a bolinha rola. -colocamos as bolinhas nas mãos e deixamos as mãos abertas. mas temos que ficar atentos para que elas não percam a atenção na aula. Atividade: 8 Especialidade: Manipulação de objetos Tema: Swing. Elas são menores. Mais tarde. começamos a rolar a bolinha com as mãos por todo o corpo. Objetivo: Confecção e vivência livre. porém quando caem no chão não pulam. Falamos para elas que elas irão aprender a fazer o swing. Comentários: Por não possuirmos bolas de contato. Depois desse momento. -dobrar a folha de jornal até que se forme uma tira de mais ou menos três dedos . Assim. e erguemos os braços para que a bolinha role. Descrição das atividades: Sentamos todas as crianças em roda no inicio da aula.

As crianças só tiveram o trabalho de dobrar e colar os objetos. com a fita crepe. Comentários: Os materiais já estavam recortados e dobrados. Atividade: 9 Especialidade: Manipulação de objetos Tema: Swing. . O barbante quem coloca são os professores. Descrição das atividades: . Materiais: Papel crepon. tesoura e barbante. as tiras de papel crepom. circunduções. até que fique um quadradinho bem pequeno. As crianças pedem ajuda para os professores.passar a fita crepe no quadradinho para que ele não desmanche. -ao meio da tira do jornal colar. É importante que seja colocado nomes nos barangandans de cada criança para não dar briga na próxima aula. movimentos em oito. sendo interessante convidar a professora de sala de aula também para ajudar na atividade. Objetivo: Explorações dirigidas: lançar e recuperar. as crianças podem brincar um pouco com ele da forma como quiserem. Depois do balangandã pronto. mas no fim da aula recolhemos os balangandans de todas elas para serem utilizados na outra aula. -cortar o barbante (mais ou menos 60 cm). giros e etc. -dobrar o jornal com as tiras de papel crepom no meio. . jornal.enrolar uma ponta do barbante no quadradinho de jornal e dar um nó.96 de largura. fita crepe. pois muitos ainda não sabem dar nó.

97 Distribuímos para as crianças seus balangandans.circunduções. Mais tarde os professores começam a orientá-los a fazer de outra forma: . no inicio da aula as crianças vivenciam de forma livre o balangandã. Algumas crianças passam a aula tentando fazer um só movimento e outras executam todos os movimentos e ainda criam outros novos. Materiais: Balangandã. Comentários: Cada criança faz a atividade de acordo com as suas habilidades. .giro frontal. É preciso tomar cuidado com os lançamentos. Também é preciso alertá-los para que fiquem um pouco distantes uns dos outros para não se machucarem. A dona cobra conversa com elas e diz para elas que tem um monte de .lançar e recuperar. Objetivo: Enfoque em cordas individuais. Assim pegamos uma corda individual e falamos que era a dona cobra. exploração do objeto e exploração livre. que irá brincar com elas. Muitas vezes quando lançamos para o alto os balangandans ficam presos no teto da quadra. . . Descrição das atividades: Ao inicio da aula. . Atividade: 10 Especialidade: Manipulação de objetos Tema: Cordas.movimentos em oito. dessa forma.giro lateral. falamos para as crianças que tínhamos trazido umas amiguinhas para brincar com elas.

e as crianças passam a fazer o que o professor pede: -fazer cobrinha no chão. Materiais: Cordas individuais. Atividade: 11 Especialidade: Manipulação de objetos Tema: Cordas. Assim cada criança vai até a caixa e pega uma cobrinha. Também precisamos deixar claro que as crianças precisam ficar distantes uma das outras para não se machucarem. Elas conversam da aula anterior. passar zerinho) trabalhando a percepção de tempo e ritmo. pois elas se batem com o material. -girar a corda rasteiramente no chão. Objetivo: Corda grande (saltar. Assim apresentamos a dona cobra para as crianças. Mais tarde os professores começam a interferir. Comentários: É necessário que se tome bastante cuidado com as cordas nas mãos das crianças. -fazer círculos no chão com as cordas e pular de circulo em circulo (utilizando os círculos dos colegas) -tentar.98 amigas dela que estão a fim de brincar com as crianças. Descrição das atividades: Inicialmente falamos para as crianças que a mãe das cobras da aula 10 apareceu para a gente e que ela queria conhecer as crianças que as filhas dela tinham brincado. segurando as duas pontas. bater a corda no chão e pular quando ela batesse no chão. O interessante foi que todas as crianças conversavam com as suas cobrinhas. . Cada uma delas conversa com a sua cobrinha brinca com ela da forma que quiser.

dessa maneira. Depois de passar no zerinho. para isso é desenhado um circulo no chão. dando-lhes as mãos. um professor bate a corda e o outro explica para as crianças o tempo da corda e como fazer para passar no zerinho. Materiais: Cordas grandes e individuais. As crianças precisam repetir a atividade varias vezes para conseguirem executar o movimento. e as crianças devem pular nesse circulo ao som do comando da professora. Depois. quando a corda bate no chão a professora grita “pula” e as crianças pulam. Quando as crianças saem da corda grande elas pegam uma cordinha pequena para brincarem. as crianças tentam pular a corda. Comentários: As crianças têm bastante dificuldade em passar no zerinho e a professora deverá ajudar na primeira vez. Na segunda elas já conseguirão passar sozinhas.99 Mais tarde a mãe cobra convida as crianças para brincarem com ela e suas filhas Os professores chacoalham a dona cobra no chão e as crianças têm que pular sem encostar-se à corda. mas tentou novamente depois de ter assistido a essas atividades e as crianças já estavam conseguindo pular na sua aula. Atividade: 12 Especialidade: Manipulação de objetos Tema: Caixas ou Cigar Box. Descrição das atividades: Inicialmente pegamos todas as caixas e falamos para as crianças que elas teríam . Objetivo: Exploração das possibilidades de manipulação desse material. Outra professora que assistia a essa atividade nos comentou que havia tentado anteriormente pular corda com as crianças sem nenhum sucesso.

Não exigimos que elas conseguissem finalizar todos os movimentos. Mais tarde. as crianças gostaram muito e tentaram imitar com as caixinhas de leite. . bastante material de audiovisual para que as crianças conhecessem os materiais que iríamos trabalhar e também que vissem como são executados alguns movimentos. Todas as crianças adoraram saber que poderiam fazer as bolinhas e levá-las para brincar em casa. MANIPULAÇÃO DE OBJETOS.100 que montar um menino de caixas no chão da sala. Também é preciso ressaltar a importância de cuidarmos do material para que ele possa estar disponível para toda a escola e que. Materiais: Caixas de leite com jornal dentro e cigar Box. todos somos responsáveis por ele. conduzida pelo professor. falamos para eles que eles terão que equilibrar a caixa em alguma parte do corpo.Considerações Gerais Buscamos levar para as crianças apenas uma vivência com os materiais. cada criança pega uma caixa e brinca da maneira que quiser. Comentários: As crianças adoraram brincar com o material. Além de usar as caixas como elemento do quebra cabeça. o professor faz uma apresentação de como se utiliza aquelas caixa no circo. percebemos que as crianças ensinavam umas as outras questões de lateralidade (onde iria ser colocada cada perna e cada braço. É preciso ter atenção contínua com os materiais para que não joguem nos colegas. por exemplo). Ao final da aula. Depois que montamos o menino. Assim. chamamos pelo nome cada criança que coloca uma parte do menino. também. Quando o professor fez a apresentação com o Cigar Box. Levamos. A confecção do balangandan e da bolinha de painço foi um sucesso.

Além disso. quanto para os professores que terão nesse momento uma oportunidade de refletir sobre seu próprio trabalho e assim melhorar seus ensinamentos e métodos a cada fechamento de ciclo de aprendizagem.101 6 A APRESENTAÇÃO DE FIM DE ANO Uma das características fundamentais do circo é a apresentação criada a partir das atividades desenvolvidas e do conhecimento acumulado. outras que se reportam ao circo. elas são montadas e ensaiadas dois meses antes da apresentação. Cada sala de pré (turma de 25 alunos) apresenta uma coreografia que pode conter uma ou mais modalidades circenses. utilizar-se de aulas de circo sem uma apresentação final daquilo que as crianças aprenderam. que anseiam por um momento especial e se preparam para tanto. Além disso. utilizando-se de sua capacidade motora e cognitiva. . Esta coreografia é montada com o professor que separa as modalidades trabalhadas em cada coreografia de acordo com a capacidade de cada sala. o que deverá ser observado no decorrer das aulas. para que elas se dediquem mais. as coreografias são compostas ao som de músicas. Na coreografia trabalhamos a entrada das crianças. além de ser uma exibição daquilo que as crianças aprenderam também envolve disciplina (necessita de atenção e ensaios regulares) e superação de medo e vergonha. e o agradecimento final. além da apresentação dos professores em suas respectivas especialidades. Porém desde o começo do semestre os professores trabalham elementos coreográficos com as crianças. as aulas são alteradas. musicalidade. portanto ela também é necessária para o desenvolvimento da criança e para uma transmissão de conhecimento sobre o circo um pouco mais completo na escola. possíveis erros e possíveis formas de fazer com que o erro não apareça. A apresentação. é abster-se de um momento muito importante tanto para as crianças. convidamos alguns grupos e artistas circenses para apresentarem suas coreografias. daquilo que o artista sabe fazer de melhor naquele momento. Muitas vezes as crianças ficam exaustas de ensaiar. Estas músicas têm duração de dois a três minutos. tanto aos ensaios quanto aos jogos. a forma de se portarem na frente do público. revezando ensaios e jogos circenses. e ainda outras apenas instrumentais. algumas delas infantis. Dessa maneira.

As crianças são todas produzidas de acordo com o que a escola possui como pintura facial e fantasias. Figura 25: Apresentação com professores Figura 26: Apresentação dos palhacinhos Figura 27: Apresentação com perna de pau . Figura 22: Apresentação grupo convidado. Figura 23: Apresentador do “minicirco”. Os pais e as mães se orgulham de ver seus filhos superando suas capacidades e se apresentando para um publico tão grande.102 No dia da apresentação todos os pais dos alunos e toda a comunidade são convidados para prestigiar o nosso “minicirco”. Algumas crianças sempre apresentam maior dificuldade para executar algum movimento. Figura 24: Apresentação núcleo. mas aí está a beleza desse trabalho. com todos se apresentando de acordo com aquilo que é capaz.

103 Figura 28: Apresentação das bailarinas Figura 29: apresentação das bailarinas e palhacinhos .

como entrar no mundo da criança sem deixar de ser a professora. Não estamos querendo dizer que as pessoas do bairro não têm capacidade de desenvolver um trabalho como o nosso na creche. mas sim que este trabalho de sair de Barão Geraldo de dentro da UNICAMP e levar um pouco do nosso conhecimento para aquelas pessoas que não os tem. portanto muito esforço por parte do professor para fugir da realidade e entrar no mundo do jogo. entender o tempo do aprendizado delas respeitando o seu tempo individual e entendemos principalmente que não adianta gritar mais alto do que elas. É necessário. Enfim. uma vez que este tem que estar sempre preparado para todas as possibilidades. Além disso. as crianças nos educaram para que nós pudéssemos educá-las. Se o professor não tiver essa disposição. Se por um lado ensinamos o que sabemos das atividades circenses e levamos o divertimento tão esperado pelas crianças. As crianças que freqüentam a Creche Monte Cristo da FDA precisavam do carinho e dedicação não só das pessoas que moravam no bairro. mas também das pessoas de fora da realidade deles que pudessem apresentar algo novo e mágico. Com o trabalho desenvolvido na creche aprendemos como lidar com as crianças. A atividade não acontece se o professor não se fantasiar e não entrar na história junto com as crianças. . Acreditamos que a relação entre a creche e os professores das atividades circenses foi uma relação de troca muito boa. mas não o interesse das crianças. que quando decidimos falar baixo elas se esforçam para ficar quietas e desenvolvem mais atenção. é algo com extrema importância. como agir em certas situações de desordem. seu trabalho pode satisfazer seus interesses. o desenvolvimento da educação motora e da cultura corporal da criança. A fantasia do circo exige uma dedicação imensa do professor. no sentido em que acrescentou conhecimentos dos dois lados. nos mostrou que é possível respeitando os interesses delas. por outro conhecemos outra realidade a qual nos fez valorizar um pouco mais as nossas vidas.104 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS Acreditamos que o trabalho desenvolvido trouxe para as crianças muita alegria e diversão que é exatamente o que eles buscam nesta etapa de suas vidas. o que fazer para que a aula se torne interessante.

coordenação. pode parecer que as atividades de acrobacias aéreas.105 Durante o processo de ensino aprendizagem das atividades circenses. Assim torna-se um excelente veículo condutor para uma Educação Física mais artística. eles ficam muito contentes de poderem levar o material que eles mesmos produziram para suas casas. entretanto. Sabemos do sucateamento da educação e da superlotação das salas de aulas. esta disposição da creche Monte Cristo em especial facilita o nosso trabalho. a melhora da auto-superação e a melhora da autoestima. força. assim. Uma vez no mês as crianças têm a oportunidade de utilizarem o material da forma como quiserem respeitando a integridade do material. sendo interessante para a criança que suas idéias também sejam aceitas pelo grupo. os alunos desenvolvem diferentes aspectos pessoais como a sensibilidade na expressão corporal. Apesar de muitas delas não terem condições nem de comprar o material alternativo. isso também faz parte de seus processos de aprendizagem. Dessa maneira se estas atividades forem colocadas juntamente a outras e as crianças não ficarem muito tempo esperando na fila. acreditamos que o trabalho é um trabalho possível e divertido para as crianças. dando-lhe equilíbrio. pois isto é importante para o seu desenvolvimento social. por serem atividades individuais. Às vezes é importante que as crianças tenham momentos livres para a criação do movimento. Muitas vezes as deixamos criarem coreografias e atividades com os materiais. Alguns materiais como o trampolim acrobático fazem com que as crianças fiquem muito eufóricas. elas são atividades que auxiliam no processo da educação motora da criança. não é a realidade de qualquer escola. dessa maneira é importante que antes iniciar as atividades haja uma conversa com as crianças sobre o que realmente faremos com/no material e também precisamos deixar claro que existe o tempo de fazer as atividades dirigidas e o tempo de fazer as atividades livres. entretanto. a cooperação. não deveriam ser desenvolvidas na escola. nós chamamos esse dia de circo aberto. além de superação de capacidades e conseqüente aumento da sua auto-estima. . Cada atividade dentro das modalidades circenses possui a sua especificidade. o desenvolvimento da criatividade. A opção de desenvolver a confecção de materiais alternativos é uma opção muito legal para a realidade daquelas crianças em especial. mais dedicada às atividades de expressão corporal (DUPRAT. e aceitamos as suas opiniões. 2007). Estamos cientes que aulas de 30 minutos com um grupo de aproximadamente 25 crianças.

Acredito que este aprendizado será levado ao longo de toda a minha vida profissional. não foi fazer uma receita de aulas de circo das modalidades acrobáticas e de manipulação e sim apresentar possibilidades da utilização do circo como uma área a ser tratada na Educação Física no ensino infantil. julgamos ser possível que estas atividades possam acontecer naquelas escolas que se dispuserem a oferecer materiais adequados para o desenvolvimento de algumas atividades circenses que muito podem contribuir para a formação da criança em sua totalidade.] seja desfrutando dos conhecimentos adquiridos como prática de lazer. 21). ou simplesmente podendo assistir a espetáculos circenses de maneira mais crítica. (CLARO. Esperamos assim que este trabalho possa chamar a atenção dos profissionais de Educação Física e das escolas de Educação Infantil. é realmente um privilégio. p. desejando aprofundar tais conhecimentos em busca da profissionalização nesta área. colaborando assim com o objetivo maior da educação que é a construção do homem como indivíduo capaz de assumir responsabilidades e lutar pelos seus direitos. pois o circo propiciará aos alunos condições de compreender a arte circense em suas vidas da forma como lhes for adequado [. mas da importância de incluí-la no planejamento escolar. Assim ele considera relevante a sua abordagem na Educação Física escolar. Esperamos que os profissionais sintam-se motivados para englobar as atividades circenses como conteúdo das aulas de educação física. 2007. .106 Claro (2007) apresenta em sua monografia de conclusão de curso que o circo tem certa importância no patrimônio cultural e na manifestação da cultura corporal e que assim. então farei o possível para desenvolver algumas das atividades aqui relatadas que tive o prazer de aprender e desenvolver na creche Monte Cristo da Fundação Douglas Andreani. Não se fala em colocar a arte circense como único tema das aulas de Educação Física. Acreditamos que trabalhar com o circo em uma escola de ensino formal de educação infantil que tenha certa quantidade de materiais disponíveis para a realização de determinadas atividades pedagógicas por nós propostas. Justamente por isso. Depois de vivenciar este trabalho na creche eu (Lara) acredito que minha vida girará em torno das atividades circenses como uma proposta para a educação. E mesmo que eu tente prestar um concurso publico para dar aulas de educação física em qualquer outro ensino que não o ensino infantil... para a riqueza das aulas de circo na cultura corporal das crianças. devemos apropriar-nos do conhecimento dele em nossas aulas. O objetivo do nosso trabalho.

1. Santo André. 2008. G.125-133. Espírito Santo de Pinhal. S. ano 35. A. ______. K. Universidade Estadual de Campinas. Rola-bola: iniciação. 2007. 2003.195. 2007. 2004. set. n. A perna de pau circense: o mundo sob outra perspectiva. T. Ministério da Educação e do Desporto. Buenos Aires. F. Jundiaí: Editora Fontoura. Rio Claro. Motriz. Secretaria de Educação Fundamental. . SP. Arte circense e Educação Física: Compartilhando uma experiência Pedagógica. v. ______. p. v.4/5. Universidade Estadual de Campinas. p./dez. Reflexões sobre o circo e a Educação Física. Ginástica rítmica e contorcionismo: primeiras aproximações. MACHADO. A. n. 9. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso Graduação) – Faculdade Estadual de Campinas. In: Revista Stadium. ______./dez. n. Circo y educación física: los juegos circenses como recurso pedagógico.15–26..39-69. jul/dez.3. CLARO. ______. Campinas. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Faculdade Estadual de Campinas. 2005. p. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. BRASIL. Brasília: MEC: SEF. v. 2006. 1998. BORTOLETO.12. Corpoconsciência. M. Movimento & Percepção.2003. jan.107 8 REFERÊNCIAS ANTUALPA. Introdução a pedagogia das atividades circenses. 2007. C. mar. n.4.

MAEKAWA. n. M. . Política de formação profissional para a educação infantil: pedagogia e normal superior. T. 61-79. Campinas. Campinas. Campinas: Faculdade de Educação Física: Universidade Estadual de Campinas. INVERNÓ. A arte circense como conteúdo da Educação Física. Educação & Sociedade: formação de profissionais da educação: políticas e tendências. LIMA.2003. Dissertação (Mestrado em Educação) Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. 2006. São Paulo. ______. J. M. F. Universidade Estadual de Campinas. Campinas. A Educação Física na educação infantil: um estudo de caso na cidade de Casa Branca/SP.Faculdade de Educação Física. 2007. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso Graduação) . Relatório final de atividades de Iniciação Científica. C. 2007. Barcelona: INDE publicaciones. Universidade Estadual de Campinas. 1997. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso Graduação) – Faculdade de Educação Física. P. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física. Circo e ginástica artística: Estudo das pedagogias de ensino e treinamento no trapézio e na barra fixa. 2004. 1997. 2003. M. 122f. A Educação Física na educação infantil do município de São Paulo: necessária à formação e capacitação da criança. 1999.108 DUPRAT. 2003. Circo y educación física: outra forma de aprender. R. LÓPES. circo e Educação Física. R. 2002. Atividades circenses: possibilidades e perspectivas para a Educação Física escolar. ______. 68. Campinas. Universidade Estadual de Campinas. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso Graduação) – Faculdade Estadual de Campinas. Universidade Estadual de Campinas. KISHIMOTO. M. 2007. p. M. Arte.

PARMA. SABATINO. Campinas. São Paulo: Ed. 2007. Universidade Estadual de Campinas. 2000. 1999. conflitos e controvérsias. . Palhaço Tachinha: do picadeiro para as aulas de Educação Física. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso Graduação) – Faculdade Estadual de Campinas. Campinas.13. v. 2007.11. A. 2005. Motrivivência. p. Universidade Estadual de Campinas. Aulas de transformação: programa de educação em valores humanos. SAYÃO. 2007. Circo e palhaço: relações com a Educação Física.109 MARTINELLI. M. Educação Física na educação infantil: riscos. D. Peirópolis. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso Graduação) – Faculdade Estadual de Campinas. T.221-38. n. M.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->