P. 1
Manual de normas e rotinas para limpeza da unidade de saúde e sala de vacina

Manual de normas e rotinas para limpeza da unidade de saúde e sala de vacina

|Views: 7.923|Likes:
Publicado porCorinne Guntzel

More info:

Published by: Corinne Guntzel on Jun 11, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/05/2013

pdf

text

original

Manual de normas e rotinas para limpeza da unidade de saúde e sala de vacina.

Guarapuava ± PR 2011

Ac. Enf. Corinne e Enf. Cecilia

pois há acúmulo de partículas existentes no ar ou pela movimentação de pessoas. cadeira). 1. realizada pela equipe da higienização. mesa. y Limpeza concorrente: entende-se por limpeza concorrente a higienização diária de todas as áreas da unidade.2. reposição de materiais de consumo como: sabão líquido. às vezes. Áreas Críticas: A que oferece risco potencial para aquisição de infecção seja pelos procedimentos invasivos realizados. É realizada de acordo com . quando devidamente orientada. OBS: A limpeza de portas e paredes só será realizada se houver alguma sujidade.1. 1. são ocupadas por pacientes que não exigem cuidados intensivos ou de isolamento. mediante aplicação de agentes. papel higiênico. y Limpeza terminal: entende-se por limpeza terminal a higienização completa das áreas do hospital e.1. A desinfecção tem finalidade de destruir os microorganismos na forma vegetativa. diminuindo assim a população microbiana no ambiente. papel toalha. CONCEITOS DE LIMPEZA A limpeza da unidade de saúde tem a finalidade de remover a sujidade através de um processo mecânico. A limpeza das superfícies horizontais deve ser repetida durante o dia. limpeza completa do sanitário. Inclui: Limpeza de piso. As superfícies com presença de matéria orgânica devem passar por processo de desinfecção após a limpeza. CLASSIFICAÇÃO DAS ÁREAS DA UNIDADE DE SAÚDE: 1.3. a desinfecção para a diminuição da sujidade e redução da população microbiana. saco para lixo. existentes em superfícies inertes. 2. Limpeza de todo o mobiliário da unidade (bancadas. com o objetivo da manutenção do asseio. ou pela presença de pacientes susceptíveis às infecções. remoção de poeira do mobiliário. Áreas semi-criticas: possui menor risco de infecção. Áreas não críticas: todas as áreas não ocupadas por pacientes e aquelas destinadas a exames de pacientes.

alvejados e desinfetados.: Detergente neutro e solução desinfetante. começar a limpeza de pisos pelos cantos de forma que não atrapalhe a circulação das pessoas. etc. y y De cima para baixo (paredes). y . PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA LIMPEZA HOSPITALAR Não misturar produtos. não ultrapassando para o lado de fora da porta. utilizando-os cada um para sua correta finalidade. y y Utilizar EPI¶s adequadamente. Jamais levando o resíduo até a porta de entrada. Manter os panos de mobiliários separados dos panos de piso. Ao utilizar desinfetante hospitalar realizar fricção mecânica no mínimo três vezes. 4. sempre que um estiver em uso. deverá ter outro pano de molho. 3. Importante: o Trocar os panos e soluções dos baldes ao término de cada ação de y y y limpeza de mobiliário ou área. TÉCNICAS DE LIMPEZA: Varredura úmida: tem o objetivo de remover o pó e possíveis detritos soltos no chão. Só realizar a fricção quando estiver utilizando a técnica de ensaboar. uma vez por semana ou quando necessário. Sempre que realizar lavagem do corredor utilizar o sinalizador para isolar o lado a ser limpo. Usar dois baldes de cores diferentes (vermelho e azul).uma rotina pré-estabelecida. Obedecer ao sentido correto para limpeza. fazendo uso de pano úmido e rodo e com auxílio de pá. manter sempre o mesmo sentido. habitualmente. da seguinte forma: y Ex. assim mantém-se os panos limpos.

4. evitando varrer resíduos em distância superior a três metros. com o auxilio do rodo. Mergulhar sempre que necessário o pano no balde vermelho que contém água limpa. 5. Levar o material para o local a ser limpo. 2. Não levar o resíduo até a porta ou corredor.Varredura úmida Balde azul Balde vermelho Água Como proceder: 1. 3. Após esta operação enxaguar e secar toda a área. . Realizar varredura com pano umedecido em água limpa. torcê-lo e mergulhá-lo no azul com solução de detergente neutro. Iniciar sempre a varredura úmida de dentro para fora do cômodo. isto é. Preparar dois baldes: azul (com detergente neutro) e vermelho (com água limpa). Desprezar os resíduos recolhidos em sacos plásticos de cor branca leitosa. Molhar o pano na solução detergente neutro preparada e passar o pano em movimentos retos e firmes. 3. 4. 2. Ensaboar: tem a finalidade de remover toda a sujeira. Ensaboar Balde azul Balde vermelho Detergente o Limpeza úmida Água y Água Como proceder: 1. 6. enxugá-los em e guardá-los em local próprio. Recolher todo o resíduo com auxilio de uma pá toda vez que sentir necessidade. desinfetar e lavar os baldes. da área mais limpa para a mais suja. Preparar dois baldes com água limpa (azul e vermelho).

4. Levar o material até a área a ser limpa.o Lavagem: Como proceder: 1. 2.Ensaboar. retirar os móveis para facilitar o trabalho. Repetir o processo quantas vezes forem necessárias. y Enxaguar e secar: tem a finalidade de remover o detergente. Se necessário. 2. 7. Remover a solução suja com o rodo e pano.Enxaguar e secar. 3. Enxaguar Balde azul Balde vermelho Água Água Proceder da mesma forma que na varredura úmida porém com a intenção de retirar excesso de água da superfície. 8. despejar pequena quantidade de solução detergente neutro e esfregar com movimentos retos e firmes com o esfregão. 6.Retirar o excesso (sangue). 5. 3. Preparar dois baldes: balde azul (solução de detergente neutro) e balde vermelho (água limpa). . Na utilização do hipoclorito a 1% aguardar 10 minutos e proceder à técnica de enxágüe e secagem. TÉCNICA DE DESINFECÇÃO Realizar primeiro os procedimentos de limpeza 1. Passar rodo com pano umedecido em água limpa. Proceder varredura úmida. 5.

após o desinfetante que umedecerá o pano e que deverá ser utilizado com movimentos de fricção na superfície LIMPA. LIMPEZA DAS ÁREAS INTERNAS . 6.Balde azul: coloca-se o pano dentro do balde.

.

7. COLETA DO LIXO y y y y y y y Recolher o lixo antes de qualquer tipo de limpeza. ‡ após a limpeza: . ‡ limpar a geladeira com um pano umedecido em solução de água com sabão neutro. verificando a temperatura após esse período.ligar a geladeira. pois esse procedimento pode danificar os tubos de refrigeração. Não desprezar o conteúdo de um saco de lixo em outro saco maior. mantendo a temperatura recomendada (+2ºC a +8ºC) e vedar as caixas com fita gomada. recomenda-se: ‡ transferir os imunobiológicos para outra geladeira. Quando a mesma estiver entre +2ºC e +8°C recolocar as vacinas e soros nos seus devidos lugares. porém se o papel sair com facilidade . deve-se pegar uma tira de papel com 3cm de largura aproximadamente e colocá-la entre a borracha da porta e a geladeira.manter as portas fechadas por uma hora.recolocar o termômetro. por exemplo. As lixeiras deverão ser esvaziadas ao atingir 2/3 de sua capacidade. Se ao puxar o papel a borracha apresentar resistência está em perfeito estado. a cada 15 dias. as 12 garrafas e o gelo reciclável. Lavar as lixeiras diariamente e sempre que necessário. . ou sabão de coco. Observação: Para verificar se a borracha da porta da geladeira está vedando adequadamente. LIMPEZA DA SALA DE VACINA y Limpeza da geladeira Para que sejam mantidas as condições ideais de conservação dos imunobiológicos. Acondicionar o resíduo biológico em saco plástico branco leitoso. Não jogar água no interior do refrigerador. Para isso. 8. evitando a circulação em horários de trânsito de pessoas e/ou de refeições. ou para uma caixa térmica com gelo reciclável. .5 centímetro. se houver. deve-se fazer a limpeza da geladeira periodicamente. ‡ não mexer no termostato. ‡ desligar a tomada e abrir as portas da geladeira e do congelador. até que todo o gelo aderido se desprenda: não usar faca ou outro objeto pontiagudo para a remoção mais rápida do gelo. Transportar o lixo em horários planejados. ou quando a camada de gelo atingir 0. Manter os recepientes de lixo em locais afastados do tráfego de pessoas fechados.

‡ desinfetante (hipoclorito de sódio. Observação: Quando usar sabão em pó. Recomendações Para executar a limpeza da sala de vacinação. Este teste deverá ser feito em vários pontos da porta. ‡ lavar as mãos. passando em seguida a solução desinfetante. as paredes. para cada litro de água. deve ser realizado um controle microbiológico da água. uma colher de sopa de sabão. ‡ panos de chão (limpos). ‡ sapóleo e esponja. lâmpadas e portas. ao término do turno de trabalho ou sempre que necessário. o funcionário deve adotar os seguintes procedimentos: ‡ usar roupa apropriada e calçado fechado. ‡ calçar as luvas para iniciar a limpeza. água sanitária). colocar. para cada cinco litros de água. ‡ vassoura envolvida em pano umedecido. Quinzenalmente. ‡ baldes (2 a 10 litros).deverá ser trocada a borracha. A cada seis meses as caixas d¶água devem ser lavadas e. ‡ organizar os materiais necessários. Uma vez por semana. 10ml de desinfetante. após esse procedimento. . Materiais Necessários: ‡ rodo. globos. ‡ preparar a solução para a limpeza. o chão deve ser lavado e esfregado com água e sabão. as janelas. deverão também ser limpos com solução desinfetante o teto. ‡ sacos descartáveis para lixo. y Limpeza sistemática da sala de vacinas A limpeza deve ser realizada diariamente. ‡ escova de mão. especialmente nos quatro ângulos. ‡ sabão. sendo utilizada solução desinfetante. ‡ panos de limpeza. colocando.

água e saponáceo. ‡ limpar os interruptores de luz com pano úmido. . ‡ limpar as paredes (revestidas com azulejos ou pintadas a óleo) com pano molhado em solução desinfetante e completar a limpeza com pano úmido. com esponja. os envernizados. utilizando vassoura de pêlo envolvida em pano úmido. ‡ lavar as pias e torneiras da seguinte forma: as de inox. ‡ iniciar a limpeza pelo teto. enxaguando-os em seguida. ‡ limpar os cestos de lixo com pano úmido em solução desinfetante. ser pintados com tinta a óleo. até que o ambiente fique limpo (três vezes no m nimo). em seguida. com esponja e solução desinfetante. limpar com pano seco e em seguida passar um pano úmido com solução desinfetante. vitrôs e esquadrias com vassoura envolvida em pano umedecido (ou escova) e solução desinfetante. o chão não deve ser varrido. limpálas com pano úmido e finalizar a limpeza com pano seco). para evitar a dispersão do pó no ambiente. enxaguar e passar um pano úmido em solução desinfetante.‡ recolher o lixo do chão com a pá. sempre do fundo para a sa da. fórmica ou pintados a óleo com solução desinfetante. ‡ limpar portas. Observação: O saco de lixo é descartável e nunca deve ser reutilizado. de preferência. lavá-las com sabão. vitrôs e esquadrias com pano molhado em solução desinfetante. ‡ lavar externamente portas. tantas vezes quantas forem necessárias. continuar a limpeza com pano úmido e finalizar com pano seco. secando-as em seguida (se não for possível. ‡ limpar as luminárias. passar pano seco. com vassoura de pêlo envolvida em pano úmido com solução desinfetante. janelas. Observação: os móveis e portas devem. limpar o chão. enxugando-os logo após. as de louça. limpando-o com vassoura envolvida em pano umedecido. fechando o saco corretamente. ‡ recolher o lixo do cesto. ‡ limpar os móveis e portas da seguinte forma: os de aço. janelas.

Brasília. BRASIL. Manual higienização de estabelecimentos de saúde e gestão de seus resíduos. Secretaria da Saúde. Universidade Federal da Bahia. 2001. Ministério da saúde. ed. ASSAD. ed. ± Brasília : Ministério da Saúde. Salvador. Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde. Ministério da Saúde. / Organizado pela Coordenação do Programa Nacional de Imunizações. 2001. . . 80p. 1994. Rio de Janeiro: IBAM/COMLURB. il BRASIL. e ampl. Capacitação de pessoal em sala de vacinação manual do treinando. 2ª ed. rev. BRASIL. Carla.3. Ministério da Saúde.Brasília: Ministério da Saúde: Fundação Nacional de Saúde. Instituto de Ciências da Saúde.REFERÊNCIAS BAHIA. . Manual de Rede de Frio / elaboração de Cristina Maria Vieira da Rocha et al. Diretoria de Vigilância e Controle Sanitário. 2ª. Fundação Nacional de Saúde. 29 p. 2001. 2001. Processamento de artigos e superfícies em estabelecimentos de saúde. Manual de Biossegurança. BRASIL.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->