P. 1
Despacho 7-A_06 GNR - Condução de Viaturas Militares

Despacho 7-A_06 GNR - Condução de Viaturas Militares

|Views: 810|Likes:
Publicado porbr_costa

More info:

Published by: br_costa on Jun 12, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/03/2014

pdf

text

original

S.

R.

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA
COMANDO-GERAL 4ª REPARTIÇÃO

___________________________ _______________

NORMAS PARA

UTILIZAÇÃO, CONDUÇÃO E TRÂNSITO

DAS VIATURAS

DA

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA
_____________________________________________________________________

2006

3. definindo normas espec$cas rodoviárias. de 30Jun69). circunscrevendo-se a sua aplicação exclusivamente ao âmbito da Guarda Nacional Republicana. Constituem a revisão e substituem as Normas para utilizacão. Quartel em Lisboa-Carmo. As presentes Normas visam regulamentar a utilização das viaturas da Guarda.. Aprovo as Normas uara utilizacão.N. conducão e complementares das disposições legais trânsito das viaturas auto da G. condução e trânsito das viaturas da Guarda Nacional Revublicana. 4. Estas Normas constituem doutrina própria da Guarda.R. &e IA?^ de2006 C UNES TENENTE-GENERAL . 2.Comando-Geral da Guarda Nacional Republicana Despacho No 7-A'06-m 1. elaboradas pela Secção de Planeamento da 4" Repartição/CG. promulgadas em 1969 (Ordem Geral do Comando-Geral no12.

definindo um conjunto de procedimentos internos a observar em simultâneo com o estipulado na legislação rodoviária. O número de matrícula militar de cada veículo é constituído por um grupo de quatro letras e por um grupo de quatro algarismos. 3 . seguida da letra correspondente ao tipo de Grupo em que se encontra classificado. b. classificam-se em 11 grupos.I – CLASSIFICAÇÃO DAS VIATURAS Artigo 1º As presentes normas visam regulamentar a utilização das viaturas ao serviço da Guarda Nacional Republicana (GNR). o grupo de quatro letras é constituído pela indicação GNR. na ausência de algarismos efectivos. segundo as suas características. Artigo 2º Os veículos da GNR. da seguinte forma: a. o grupo de quatro algarismos corresponde à progressão aritmética de 0001 a 9999. separados entre si por um traço. correspondendo a cada um deles uma letra para efeitos de matrícula e de acordo com o quadro seguinte: Tipo ATRELADOS BLINDADOS PESADOS CARGA ESPECIAIS LIGEIROS MERCADORIAS TÁCTICAS TT LIGEIROS PASSAGEIROS E MISTOS MOTOCICLOS MEIOS NAVAIS PESADOS PASSAGEIROS CICLOMOTORES Letra da matrícula A B C E G J L M N P V Artigo 3º 1. devendo considerar-se. tantos algarismos “0” à esquerda quantos os necessários. nos termos do artigo anterior.

independentemente de circularem com esse número de matrícula ou com número de matrícula civil. A circulação de viaturas com matrícula civil afectas ao serviço da GNR só é permitida no caso de viaturas individuais de função. ao estipulado na legislação rodoviária. devendo estes pedidos. 4. serão atribuídos números de matrículas militares a todas as viaturas afectas ao serviço da GNR. serem dirigidos à Chefia do Serviço de Material para efeitos de autorização. 2. 2. etc. a título provisório ou definitivo. A circulação de viaturas afectas ao serviço da GNR como viaturas descaracterizadas só é permitida no caso de viaturas individuais de função. 3. devidamente fundamentados. etc. A chapa de matrícula das viaturas ao serviço da GNR obedece. Artigo 5º Para os efeitos previstos nos artigos 2º. bem como das cores das viaturas descaracterizadas é regulamentada em documento autónomo (NEP). desde que exista justificação funcional para tal. Após o esgotamento do grupo de algarismos de cada letra correspondente ao tipo de grupo em que a viatura se encontra classificada. Artigo 4º 1. a classificação e a atribuição de número de matrícula militar às viaturas afectas ao serviço da GNR compete à CSMaterial. Artigo 6º 1.2. nas suas dimensões e restantes características. viaturas afectas à actividade operacional do Serviço de Investigação Criminal e viaturas afectas a serviços operacionais especiais (radar de trânsito. Excepcionalmente.). 3º e 4º das presentes Normas. o mesmo regressará ao início. 4 . Informaticamente. posto de observação móvel de costa. sendo utilizados os números de matrícula entretanto disponíveis e decorrentes do abate de viaturas do mesmo tipo. posto de observação móvel de costa. poderá ser permitido o uso de matrículas civis noutro tipo de viaturas. A definição da caracterização das viaturas. viaturas afectas à actividade operacional do Serviço de Investigação Criminal e viaturas afectas a serviços operacionais especiais (radar de trânsito.).

militar ou civil. conforme a sua utilização. por viaturas individuais de função e por viaturas orgânicas de função. serem dirigidos à Chefia do Serviço de Material para efeitos de autorização. devidamente fundamentados. desde que exista justificação funcional para tal. Essas funções incluem designadamente: a. Artigo 8º As viaturas individuais de função são as viaturas tipo ligeiras de passageiros atribuídas às Entidades constantes no Anexo às presentes Normas e destinam-se a serem utilizadas no âmbito do desempenho das funções de direcção.3. o parqueamento. 2. lavagem. Estas viaturas podem ser utilizadas pelos familiares das Entidades a que foram distribuídas. desde que em sua companhia ou no desempenho de funções sociais de representação. a título provisório ou definitivo. as viaturas individuais de função podem ser utilizadas por qualquer subordinado das Entidades constantes do Anexo às presentes Normas. devendo estes pedidos. inspecção. 2. As viaturas referidas no artigo anterior podem ser conduzidas pela Entidade a que foram distribuídas na sua deslocação de e para o serviço. Os actuais condutores de viaturas individuais de função são colocados ao serviço do respectivo Órgão. desde que devidamente autorizados e em serviço. Em casos excepcionais e convenientemente justificados. Excepcionalmente poderá ser permitida a descaracterização de outro tipo de viaturas. 3. no qual desempenham as funções que o respectivo Comandante/Chefe lhes atribuir. II – UTILIZAÇÃO DE VIATURAS Artigo 7º As viaturas referidas no artigo 2º designam-se. Artigo 10º 1. válida para esse tipo de viatura. desde que a mesma se encontre habilitada com a competente licença de condução. Artigo 9º 1. comando ou representação dos respectivos titulares. limpeza e manutenção de 1º escalão da viatura 5 .

b. a condução da viatura em deslocações de serviço d. diligenciará a sua resolução junto das Entidades competentes para o efeito. Artigo 15º Nenhuma viatura poderá ser utilizada para fins diferentes daqueles a que se encontra. o condutor. travões. no que estiver ao seu alcance. limpa-vidros. 3. outras funções de carácter administrativo. Artigo 13º Nenhuma viatura pode sair para executar qualquer serviço sem estar limpa. níveis de óleo. a escrituração do boletim da viatura f. Artigo 12º 1. O condutor é responsável pelas faltas que não resolver ou comunicar. pressão dos pneus. excepto em casos de reconhecida necessidade. Artigo 14º 1. quer as Entidades a quem as viaturas foram atribuídas quer os respectivos condutores podem fazer uso de traje civil. buzina. 2. 6 . combustível e água. pneu de reserva. A utilização das viaturas atribuídas aos Comandantes de Destacamento e de Subunidades equivalentes é exclusiva dessas Entidades. a condução e o acompanhamento da viatura a oficinas de assistência e. colete de identificação de perigo e triângulo de pré-sinalização 2. sendo a responsabilidade dessa limpeza do condutor. As viaturas orgânicas de função são as restantes viaturas atribuídas aos diversos Escalões de Comando. funcionamento de luzes. devidamente fundamentada e comprovada. procederá à sua resolução. Serviços e Órgãos e destinam-se à execução do respectivo serviço orgânico. Verificada alguma anomalia. o abastecimento da viatura c. Caso tal não seja possível. mediante comunicação imediata do facto ao Comando de que depende o militar que assim decidiu. as viaturas devem ser cuidadosamente verificadas pelos respectivos condutores nomeadamente no que se refere à direcção. Diariamente e antes de qualquer saída. Artigo 11º Por imposições decorrentes do serviço a desempenhar.

7 . a uma Praça com a respectiva habilitação legal. devidamente escriturado c.Artigo 16º A deslocação de viaturas para fora do aquartelamento ou outro local de recolha. folha de carga dos acessórios e equipamentos atribuídos à viatura. pelo condutor. cada viatura é distribuída. a cada viatura corresponderá um cadastro informático cujas manutenção e actualização são da responsabilidade do Escalão/Órgão definido no programa informático. 2. para efeitos de consulta. integrados na missão da Guarda. na sua ausência. carece de prévia autorização do respectivo Comandante ou Chefe. bem como para fora da área de responsabilidade ou de implementação. excepto no caso de viaturas individuais de função e nos casos policiais ou humanitários. Artigo 18º O transporte colectivo de pessoal está sujeito às regras definidas no Regulamento de Continências e Honras Militares. IV – DISTRIBUIÇÃO DAS VIATURAS Artigo 20º 1. a qual será responsável pelo seu estado de conservação e respectivos acessórios. nos termos do estipulado no Código da Estrada b. boletim de serviço. pelo período de três anos. Para além dos documentos mencionados no número anterior. Artigo 17º O transporte de qualquer pessoa civil carece de autorização prévia do Comandante ou Chefe do Escalão ou Serviço a que a viatura estiver afecta. Os boletins de serviço devem ficar arquivados. sendo tais casos sancionados pelo chefe da viatura ou. 3. III – DOCUMENTAÇÃO E ESCRITURAÇÃO Artigo 19º 1. documentos da viatura. Todas as viaturas da Guarda deverão circular sempre com os seguintes documentos: a. para efeitos de manutenção. Sem prejuízo do disposto no artigo 9º.

g. 2. i. Na distribuição de uma viatura é feita uma vistoria ao seu estado de conservação. 2. buzina) indicadores de combustível. Sempre que num mesmo aquartelamento existam viaturas em número inferior ao de condutores habilitados. bem como uma conferência das respectivas ferramentas e acessórios. Artigo 23º Os Comandantes de Posto só podem ter viatura distribuída em casos excepcionais de falta de condutores. f. Artigo 22º Apenas poderá ser autorizada a distribuição de uma segunda viatura a um condutor quando no mesmo aquartelamento não existam outros condutores habilitados à sua condução. limpa-vidros. k. proceder-se-á à rotação equitativa na distribuição das mesmas. b. e. h. j. bateria motor caixa de velocidades direcção embraiagem instalação eléctrica (faróis e farolins. luz interior. através da rotação de condutores. com o objectivo de apurar eventuais responsabilidades quer do condutor que entrega a viatura quer do condutor que a recebe. c. Exceptua-se o caso dos veículos de tripulação colectiva. d. Artigo 24º 1. temperatura. O documento que consubstancia a transferência da viatura deve referir o estado dos seguintes componentes: a. Artigo 21º 1.2. cuja responsabilidade acima referida é do respectivo chefe. Excluem-se da rotação prevista no número anterior as viaturas individuais de função e as viaturas atribuídas aos Comandantes de Destacamento e Subunidades equivalentes. bem como as viaturas cuja condução requeira condutores particularmente habilitados. óleo e carga de bateria lubrificação travões jantes pneus 8 .

Considera-se não custodiada a viatura que permaneça estacionada na via pública não estando presente. colete. em local bem iluminado. Quando não for possível o parqueamento nos termos do número anterior e desde que seja devidamente autorizado. para a sua vigilância.). As viaturas individuais de função devem. As viaturas da GNR não podem ficar sem custódia na via pública. 2. Artigo 28º O itinerário administrativo-logístico escolhido para a deslocação será. o das vias mais curtas e pelas estradas de melhor traçado e pavimento. Artigo 27º 1. V . As viaturas parqueadas nos termos do número anterior devem estar dotadas de alarme e não podem ter instalados meios de comunicação ou outros equipamentos electrónicos privativos da GNR. etc. sempre que possível. ficar parqueadas em instalações da Guarda. desde que as mesmas fiquem devidamente fechadas e que seja salvaguardada a segurança das transmissões via rádio. o. m. assegurando que a viatura fica devidamente fechada. a sua imediata utilização. de modo a permitir. 2.CONDUÇÃO E TRÂNSITO DAS VIATURAS Artigo 26º 1.l. sempre que necessário. p. 9 . 3. triângulo. sempre que possível. o condutor ou qualquer outro elemento devidamente responsabilizado para esse efeito. de outras Forças e Serviços de Segurança ou das Forças Armadas. pintura geral portas estofos tapetes ferramentas e acessórios (grelha electrónica. Artigo 25º As viaturas não utilizadas regularmente devem ser verificadas periodicamente. excepto quando existam razões imperiosas de serviço e pelo tempo mínimo indispensável. o titular da viatura pode parquear a mesma junto à sua residência. n.

bem como quaisquer outras instruções relativas à condução de viaturas da GNR. d. 2. manifestar qualquer falta de aprumo ou atitude que pela sua natureza seja ofensiva do prestígio da GNR. b. à Entidade que determinou o movimento da viatura. boletim de serviço ou ordem verbal só é permitida em casos devidamente justificados e por motivos de força maior. Artigo 30º Os condutores das viaturas devem na condução das mesmas: a. Considera-se. Nas viaturas da GNR não é permitido: a. 10 . para efeitos do número anterior. fumar. zelar pela não utilização da viatura que lhes tiver sido atribuída por outros militares. A ultrapassagem dos limites legalmente permitidos é da responsabilidade da Entidade que determina o movimento da viatura. chefe da viatura o militar de maior graduação ou antiguidade que na mesma se faça transportar. cumprir escrupulosamente as normas constantes na legislação rodoviária. excepto em casos devidamente justificados e por motivos de força maior. efectuar uma condução defensiva. Artigo 33º 1. bem como para o chefe de viatura.Artigo 29º Qualquer alteração de percurso previamente determinado por guia de patrulha. e. c. O não cumprimento do disposto no artigo anterior acarreta responsabilidade directa para o condutor. cumprir as presentes Normas. Artigo 31º 1. zelar pelos cuidados especiais de ordem técnica que as viaturas requeiram. 2. do condutor ou do chefe de viatura na medida em que cada um o consentir ou ordenar. logo que possível. Os limites de carga útil ou de lotação não podem sem excedidos em qualquer situação. devendo a respectiva alteração ser comunicada. Artigo 32º 1. b.

As viaturas da Guarda. não devem ultrapassar os limites de velocidade instantânea previstos na legislação rodoviária. 11 . nos termos regulamentados nas “Normas para Formação de Condutores” da 3ª Repartição. 2. Artigo 36º Todos os militares da GNR devem cumprir escrupulosamente as determinações das autoridades encarregadas do policiamento do trânsito e seus agentes. previamente. Não existindo condutores habilitados nos termos definidos no número anterior. ser sujeitos a um teste prático destinado a avaliar a sua perícia na condução das viaturas da GNR. 2. Artigo 35º 1. 3. 2.Artigo 34º 1. A ligação entre viaturas é garantida da frente para a retaguarda. 3. ser sempre nomeado um responsável pela mesma. quer circulem isoladamente quer circulem em coluna. desde que avaliada a situação em concreto e os riscos inerentes ao excesso de velocidade possam permitir o desempenho da missão com êxito. Os condutores referidos no número anterior devem. Considera-se como coluna a deslocação simultânea de duas ou mais viaturas. no caso da sua constituição. Exceptuam-se do referido no número anterior as viaturas da GNR em missão de polícia. V I – HABILITAÇÃO LEGAL PARA CONDUZIR Artigo 37º 1. devendo. as viaturas da GNR podem ser conduzidas por militares habilitados com carta ou licença de condução civil. salvaguardando-se a disciplina da ligação entre as viaturas. Na marcha em coluna devem ser guardadas as distâncias entre as viaturas de forma a acautelar acidentes. dentro das respectivas categorias a que estão habilitados. Os condutores de viaturas da GNR devem estar habilitados com certificado ou licença de condução emitida pela própria Guarda.

o disposto em 4. 12 . Artigo 40º As presentes Normas substituem e revogam todas as disposições relativas à utilização. nas disposições que lhes forem aplicáveis. tenha conhecimento de acidente de viação com viaturas da GNR e não comunique tal facto superiormente. o militar da Guarda Nacional Republicana pode incorrer em infracção disciplinar quando: a. VII – DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 38º No âmbito das presentes Normas. Artigo 39º Os meios navais estão sujeitos às presentes Normas. com as devidas adaptações. das “Normas para Formação de Condutores” da 3ª Repartição. b. Aos condutores habilitados com carta ou licença de condução civil é aplicado. com as devidas adaptações. verifique que alguma viatura da GNR circula em infracção ao disposto na legislação rodoviária ou nas presentes Normas e não comunique tal facto superiormente. condução e trânsito de viaturas da Guarda.4.d.

..……………….f 2 Chefe do GCCRI........f 1 Inspector-Geral…………………………………………………………………....f 2 Chefe do Serviço de Intendência………………………………………….………….…………….…………...ANEXO (ATRIBUIÇÃO DE VIATURAS INDIVIDUAIS DE FUNÇÃO) Designação Viatura tipo Comandante-Geral……………………………………………………………..f 2 Chefe do Serviço Veterinário….f 2 Chefe do Serviço de Justiça……………………………………………….f 2 Chefe da 5ª Repartição…………………………………………………….f1 2º Comandante-Geral……………………………………………………………….………………..……….f 2 Chefe do Serviço de Finanças…………………………………………….f 2 Estado-Maior Técnico Chefe do Serviço de Pessoal.……f 1 • Subinspector-Geral………………………………………………………….f 2 Chefe do Serviço de Investigação Criminal……….…………….f 2 Chefe do Serviço de Saúde……………………………………………….f 2 Chefe da 4ª Repartição…………………………………………………….f 2 Chefe do Serviço de Assistência na Doença……………....f 2 Chefe da 6ª Repartição…………………………………………………….………………………………………………….……..…………………………………………..……………………….f 2 Chefe da 2ª Repartição……………………………………………………..…….f 2 Chefe do Serviço de Transmissões…………………………………..f 2 Chefe do Serviço de Assistência Religiosa…………………..f 2 Chefe da 3ª Repartição……………………………………………………..f 2 Chefe do Gabinete Comandante-Geral……………………………………………f 2 Chefe do Estado-Maior………………………………………………………………f 1 • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • Sub Chefe do Estado-Maior……………………………….………….f 1 Estado-Maior Coordenador Chefe da 1ª Repartição…………………………………………………….……………………………………………..f 2 Chefe do Serviço de Material…………………….f 2 Chefe do Serviço de Informática…………………………….f 2 Chefe do Serviço de Obras………………………...….f 2 13 .….

f 3 Comandante do Grupo de Instrução de Aveiro……………………..Órgãos de Apoio • • • • Presidente do Conselho Administrativo do Comando-Geral…………..f 3 Comandante da Escola Prática da Guarda……………………….………..….…….f 2 Chefe do Estado-Maior……………………………………………….………………………...f 2 Chefe do Estado-Maior……………………………………………... f 3 Comandante da Brigada Fiscal ……………………………………………...….f 2 14 ..………………..….f 3 Comandante do Agrupamento de Instrução de Portalegre….f 3 Chefe da Banda de Música…………………………………….……f 2 Chefe do Estado-Maior (ou função equivalente)………….…………….………..….…f 3 Comandante do Agrupamento de Apoio e Serviços……………………….. f 3 Comandante da Brigada Territorial Nº 5…………………………………………f 1 2º Comandante da Brigada Territorial Nº 5……………………….. f 3 Comandante da Brigada Territorial Nº 3…………………………….f 2 Chefe do Estado-Maior………………………………………………….………f 3 Comandantes dos Grupos Territoriais…….……f 1 2º Comandante da Brigada Territorial Nº 2………………………….……f 1 2º Comandante da Brigada de Trânsito…....…..……f 3 Comandante da Brigada Territorial Nº 2…………………………………….…………..……….……….……f 1 2º Comandante da Brigada Territorial Nº 3………………………….f 2 Chefe do Estado-Maior……………………………………………………f 3 Comandantes dos Grupos Regionais de Trânsito …….....…………………....….f 2 Chefe do Estado-Maior……………………………………………….…….……f 1 2º Comandante da Brigada Fiscal ……….…. f 3 Comandante do Grupo de Acção Conjunta/BT………..……f 3 Comandantes dos Grupos Territoriais……….……f 3 Comandantes dos Grupos Territoriais…………………………………. f 3 Comandante da Brigada Territorial Nº 4…………………………………………f 1 2º Comandante da Brigada Territorial Nº 4……………………….…….. ……………………….…..…….f 2 Chefe da Secretaria-Geral do Comando-Geral…………………………f 3 Comandante da Formação do Comando-Geral……………………. ….…….……….f 1 • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • 2º Comandante da Escola Prática da Guarda…………….….…f 3 Comandantes dos Grupos Territoriais……..………………………….….. f 3 Comandante da Brigada de Trânsito……………………………………….…….…..

. cerca de 120 HP f 2 – TP 5 de 3 volumes. descaracterizada.f 3 Comandante do Regimento de Cavalaria……………………………………. f 3 Comandante do Regimento de Infantaria…………………………………...……... cerca de 90 HP f 3 – TP 5 de 3 volumes.……f 3 Vice-Presidente dos Serviços Sociais……………………………………….…... cerca de 75 HP 15 .….…….. f 1 2º Comandante do regimento de Cavalaria……………………….. descaracterizada..f 1 2º Comandante do Regimento de Infantaria…………………………..f 2 Tipos de viaturas: • • • f 1 – TP 5 de 3 volumes.. …………………. descaracterizada.• • • • • Adjunto Administrativo e Logístico………………………………………f 3 Adjunto Operacional………………………………………………………f 3 Comandantes dos Grupos Fiscais…….

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->