P. 1
Relatório Final de Estágio de Docência introdução

Relatório Final de Estágio de Docência introdução

|Views: 9.637|Likes:
Publicado porAnne Nascimento

More info:

Published by: Anne Nascimento on Jun 13, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/25/2013

pdf

text

original

De: Lucianne Lima do Nascimento À Coordenação do Estágio Supervisionado Assunto: Apresentação de Relatório

Em atendimento às determinações do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V. Sª o relatório das atividades observadas e desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período compreendido entre 24 de Agosto e 13 de Novembro de 2009, no CIEP 431 Padre Nino Miraldi Municipalizado, na cidade de Mesquita.

Atenciosamente,

4

___________________________________________________ Lucianne Lima do Nascimento

“Chegar a um denominador comum Dá as coordenadas Aparar as arestas Sair pela tangente Ver de outro ângulo Retidão de caráter O xis da questão O círculo íntimo A esfera do poder Possibilidades infinitas Perdas incalculáveis Numa fração de segundos No meio do caminho Encontramos: semelhança, equivalência, estrutura, função, categoria” Nilton José Machado

V FASE VI FASE VII FASE VIII FASE PROJETO ALGUMAS CONSIDERAÇÕES CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS 6 7 8 10 13 14 15 15 16 16 17 18 21 22 25 26 .5 Sumário INTRODUÇÃO OBJETIVOS DADOS DO ESTÁGIO UNIDADE ESCOLAR. REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE MESQUITA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DE MESQUITA ESTÁGIO PARTICIPATIVO EM SALA DE AULA.

Os fatores que podem levar ao sucesso ou insucesso. Conforme RESOLUÇÃO Nº 034/2006 . Assim o estágio dá oportunidade de aliar a teoria à prática. do Regimento Interno da UCB e dos Projetos Pedagógicos dos Cursos de Graduação. da disciplina Estágio Supervisionado I. O estágio é necessário à formação profissional a fim de adequar essa formação às expectativas do mercado de trabalho onde o licenciado irá atuar. foram aprovadas as normas de estágio. como cumprimento da exigência acima. Estágio Curricular Obrigatório que constitui atividade acadêmica e obedece às normas emanadas da legislação específica. do Estatuto. O presente trabalho tem por objetivo relatar as atividades desenvolvidas durante o Estágio Supervisionado I do curso de Licenciatura em Matemática – UCB. o estágio constitui-se em importante instrumento de conhecimento e de integração do aluno na realidade social. é o que discutiremos aqui. A observação presencial é o tipo de registro que nos dará uma maior riqueza de detalhes da prática pedagógica dos docentes e dos alunos. dificilmente estes chegarão a algum resultado positivo.6 Introdução O Estágio de Licenciatura é uma exigência da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (nº 9394/96). O estágio foi realizado no CIEP 431 Padre Nino Miraldi Municipalizado. Sendo assim.CEPE de 23 de Agosto de 2006. quer na vida acadêmica. do ponto de vista pedagógico. Se uma disciplina tem um professor que não motiva seus alunos.Assim como podemos ter uma turma que foi motivada e estimulada pelo professor. . econômica e do trabalho em sua área profissional. quer na vida profissional e pessoal. ministrada pelo professor André Luis dos Santos Menezes. mas que mesmo assim fracassou pedagogicamente. da Política de Estágios. temos que lembrar que num processo de construção pedagógica o comportamento dos alunos é tão importante quanto o dos professores. aprovados pelos órgãos normativos da UCB. O Estágio Supervisionado visa fortalecer a relação teoria e prática baseado no princípio metodológico de que o desenvolvimento de competências profissionais implica em utilizar conhecimentos adquiridos.

aperfeiçoar e adquirir novas técnicas de trabalho. instituição de ensino da Rede Municipal de Mesquita. • Descrever a escola e sua estrutura física. • • • . Demonstrar atitudes críticas e tomar iniciativa para resolução de problemas na área profissional. mas na palavra. as relações entre a escola a comunidade e a família dos alunos. no trabalho. Integrar e aplicar os conhecimentos adquiridos ao longo do curso em situações reais. o corpo docente e os profissionais que assessoram no funcionamento da instituição. 43. o desenvolvimento de espírito e do pensamento reflexivo (Inciso I. além é claro de falar sobre os PPP’s (Planos Políticos Pedagógicos). Estimular a criação cultural. na ação-reflexão. bem como o posicionamento sobre as práticas pedagógicas e metodológicas aplicadas em sala de aula. Art.” Paulo Freire OBJETIVOS: O presente documento tem como objetivo descrever e posicionar-se a respeito da prática de ensino observada no CIEP 431 Padre Nino Miraldi Municipalizado. Cap. da LDB).IV. tanto por professores de matérias diversas como dos professores de matemática.7 “Não é no silêncio que os homens se fazem.

. 14 – ATENDIDOS ENTRE-TURNOS: 15 alunos. 07 . Oliveiras. 04 – DIRETOR ADJUNTO: Sônia Marques.HORAS PROGRAMADAS: pelo menos 140 hs 08 . 200 – Jacutinga – Mesquita. 05 – ORIENTADOR PEDAGÓGICO:. 09 – HORÁRIO DIURNO: Integral – de 08:00 as 16:00. 13 – PESSOAL DE SECRETARIA DIURNO : 2. RJ.” Arnon Andrade Dados do Estágio Da Estagiária: 01 – ESTAGIÁRIA: Lucianne Lima do Nascimento 02 – ENDEREÇO: Av. Alexandre dos Santos Monteiro 06 – ORIENTADOR EDUCACIONAL:.8 “Um professor não estará nunca inteiramente formado. 15 – HORÁRIO ENTRE-TURNOS: Parcial – de 16:00 as 18:00. 354/101 – Rocha Sobrinho. – 2 turmas 1º ano – 2 turmas 2º ano – 1 turma 3º ano – 1 turma 4º ano – 1 turma 5º ano – 1 turma 11 – NUMERO DE PROFESSORES DIURNO : 15. 03 – DIRETOR GERAL: Francisca Elza Fernandes dos Santos Martins. 08 – ATENDIDOS NO DIURNO : 350 alunos. 12 – NUMERO DE INSPETORES DIURNO : 2.anne@gmail. 03 – TEL: 2796-2236 residencial 7628-5615 celular 04 – E-MAIL: lucianne.com 05 – INÍCIO DO ESTÁGIO: 24 de Agosto de 2009 06 – TÉRMINO PREVISTO: 13 de Novembro de 2009. Claudia Martins 07 – QUANTITATIVO GERAL DE ALUNOS : 595 alunos. 10 – TURMAS DIURNO: Educação Infantil I – 2 turmas Educação Infantil II.HORAS REALIZADAS: 224 hs 09 – ÁREA DE ATUAÇÃO: 2º Segmento do Ensino Fundamental 10 – HORÁRIO DO ESTÁGIO: Noturno – de 18:00 as 22:00 11 – MODALIDADE: Educação de Jovens e Adultos – EJA Da Unidade Escolar: 01 – INSTITUIÇÃO DE ESTÁGIO: Ciep Municipalizado Padre Nino Miraldi 02 – ENDEREÇO DA INSTITUIÇÃO: Rua Guarani. por uma ou outra razão. Mesquita RJ.

Física INTERVALO Geografia Geografia JANTAR Ciências Historia INTERVALO Historia Ciências JANTAR Matemática Matemática INTERVALO Matemática Matemática JANTAR Inglês Inglês INTERVALO Artes Artes JANTAR Português 7ª fase JANTAR Geografia Geografia INTERVALO Projeto Ed. 7ª e 8ª fases.49 alunos. 22 – PESSOAL DE SECRETARIA NOTURNO :1.A. 8ª fase 9ºano . Física JANTAR Português Português INTERVALO Ciências Historia JANTAR Historia Historia INTERVALO Inglês Inglês JANTAR Matemática Matemática INTERVALO Português Português JANTAR Ciências 8ªfase JANTAR Ed. Física Projeto JANTAR Matemática Matemática INTERVALO Matemática Matemática JANTAR Português Português INTERVALO Português Português JANTAR Artes Artes INTERVALO Inglês Inglês JANTAR Geografia 6ª fase JANTAR Projeto Ed. Física Projeto INTERVALO Ciências Ciências JANTAR Historia Ciências INTERVALO Português Português JANTAR Inglês Inglês INTERVALO Historia Historia JANTAR Português Português INTERVALO Matemática Matemática JANTAR Matemática 2ª feira 3ª feira 4ª feira 5ª feira . 7ª fase 8ºano .: 18:00 / 18:20 18:20 /19:10 19:10 / 20:00 20:00 / 20:20 20:20 / 21:10 21:10 / 22:00 18:00 / 18:20 18:20 /19:10 19:10 / 20:00 20:00 / 20:20 20:20 / 21:10 21:10 / 22:00 18:00 / 18:20 18:20 /19:10 19:10 / 20:00 20:00 / 20:20 20:20 / 21:10 21:10 / 22:00 18:00 / 18:20 18:20 /19:10 19:10 / 20:00 20:00 / 20:20 20:20 / 21:10 21:10 / 22:00 18:00 / 18:20 18:20 /19:10 5ª fase JANTAR Historia Historia INTERVALO Ed. 7ª fase 8ºano . 21 – NUMERO DE INSPETORES NOTURNO : 1. 24 – PROFESSORES DE MATEMÁTICA: Rodrigo Macedo 6ª. 5ª fase 6ºano . 8ª fase 9ºano . 23 – TURMAS ESTAGIADAS: 5ª fase 6ºano .47 alunos.9 16 – TURMA ENTRE-TURNOS :Projeto Brasil Alfabetizado – 1 turma 17 – ATENDIDOS NO NOTURNO: 230 alunos. Multiseriada_ 1ª a 4ª fase – 1 turma.37 alunos. 19 – TURMAS NOTURNO: Projeto Brasil Alfabetizado – 1 turma.J.1 turma. Fernando Cardoso 5ª fase e Projeto. 6ª fase 7ºano . 18 – HORÁRIO NOTURNO: Parcial – de 18:00 as 22:00.1 turma.1 turma. 6ª fase 7ºano .36 alunos. 20 – NUMERO DE PROFESSORES NOTURNO : 10. 25 – HORÁRIO DA INSTITUIÇÃO E.1 turma.

a localidade é tomada por casebres.gov.br Tel. Devolver a auto-estima à população do bairro Jacutinga não é tarefa fácil.rj. é ainda uma realidade distante.: (21) 2696-3539 Para chegar ao CIEP. quase escondendo uma comunidade carente de benfeitorias e obras públicas. Distante três quilômetros do asfalto rodoviário. Há muito que a comunidade espera que os responsáveis pela administração do município coloquem em . com orgulho das suas casas.: (21) 37652865 Tel. Virar cidadãos mesquitenses de verdade. igrejinhas evangélicas e iluminação precária. Tanto pela falta de iniciativas nesse sentido por parte do poder público. o chão batido é o caminho a partir da Rodovia Presidente Dutra.10 6ª feira 19:10 / 20:00 20:00 / 20:20 20:20 / 21:10 21:10 / 22:00 Geografia INTERVALO Ciências Ciências Português INTERVALO Português Português Ciências INTERVALO Matemática Matemática Matemática INTERVALO Geografia Geografia Unidade Escolar Ciep Municipalizado Padre Nino Miraldi Rua Guarani. no município de Mesquita (Jacutinga). quanto pela falta de confiança da população nos políticos e gestores públicos mesquitenses. 200 – Jacutinga E-mail: empadreninomiraldi@mesquita.

moradores do local sofrem com as doenças respiratórias advindas do contato exagerado com o pó. 1. que dizem que a região já teve grande progresso de urbanização e que a violência vem decaindo no local. devolve a auto-estima. que não conseguem se recuperar dos estragos provocados pelas épocas de chuva.854 pessoas foram afetadas diretamente pelo temporal. A água inundou 38 quadras. o local é meio assustador. Em outubro de 2007. Local onde as idéias e a vontade de transformar andam lado a lado no interior de cada pessoa que nasce. ocorreu uma enchente desastrosa para a população local. assistência aos alunos com dificuldades. Os moradores convivem com enchentes praticamente todo ano.11 prática. Não há opções de lazer. Salas amplas. é uma maravilha. Lama no período de chuva ou poeira na época da seca. Segundo levantamento feito pela Secretaria Municipal de Saúde. 325 pessoas ficaram desalojadas e 1. Nesse bairro 4. educação. 9 anos. dentro. além de profissionais especializados e comprometidos com a escola e a comunidade.que já aconteceram barbáries ali mesmo. Enfim. mas o asfalto traz qualidade de vida. O que pude perceber. recursos sofisticados e modernos.591 imóveis foram invadidos pelas águas da chuva. Por esses e outros motivos a Escola não tem grande procura para alunos de EJA. A escola é um grande presente para Jacutinga. façam as obras estruturais necessárias para assegurar condições dignas e humanas de vida para todos. e pelas redondezas da Escola. o bairro mais atingido foi Jacutinga. foi encontrado. onde a água chegou a um 1. localizado ao lado de uma praça em pior estado. Mas a esperança e a vontade de crescer são grandes aliados desses alunos. O único lazer oferecido aos jovens locais é um campo de futebol em estado precário. Parece algo simples. O mau tempo aumenta a preocupação dos moradores.266 perderam bens móveis. deixa as pessoas mais felizes e valoriza a região. saneamento básico. vive e morre . Ronaldo. . Além do incômodo de ter a casa tomada pela terra. que o corpo do menino. mas a Unidade Escolar em si. Também foi em Jacutinga.25 m. no Rio da Prata. segurança. Relatam alguns alunos. um projeto que contemple todos os segmentos: saúde.

que haja pelo menos fragmentos de futuro em que a alegria é servida como sacramento. • Quadra de esportes. constroem uma cidade e apenas são lembrados nas vésperas das eleições. A tecnologia da informação é usada como meio de promover a aprendizagem da leitura. Quanto às dependências da Escola. Alguns docentes utilizam material concreto e trabalham projetos. Além disso. . com pequenos inconvenientes. os alunos da EJA participam ativamente das oficinas que acontecem na comunidade. As estruturas dos CIEPs são a meu ver. • Sala de vídeo. trazem proveito a comunidade. amplas. • Auditório. • Direção. Todos os ambientes são muito bem aproveitados. • Banheiro de professores e funcionários – masculino e feminino. escrita e desenvolver o raciocínio lógico através de projetos. • Banheiro masculino e feminino em cada andar. bem planejadas. onde cada um mostra o que sabe fazer. e parece-me estar começando a investir nesses setores abordados. • Copa / cozinha para professores • Secretaria. Os professores são bastante respeitados pelos alunos. "Enquanto a sociedade feliz não chega. percebi que ela é composta por: • 13 salas de aula. o que só vem acrescentar na formação dos alunos. A escola está localizada em uma região de risco da baixada fluminense. • Biblioteca. • Sala de professores / coordenação. • Laboratório de informática. e mostram-se incentivados a pratica do ensino. • Sala de recursos – atendimento a alunos com dificuldades. que. Mesquita é um município em desenvolvimento. • Sala de artes. em seu diaa-dia. que se forem bem administrados. • Refeitório.12 caminhando sobre as belezas e mazelas de uma região marcada pela luta. O bairro denominado Jacutinga é palco de grandes sonhadores e de pessoas invisíveis.

662 alunos Anos Iniciais (1ª Etapa à 4ª Série): 8. Outros Atendimentos Convênio de subvenção às Creches Comunitárias Unidades conveniadas: 10 Total de crianças atendidas: 674 .. Total de Alunos na Rede Municipal de Ensino: 15. Pré-Escola e 1ª Etapa do Ensino Fundamental. Que a escola.115 alunos Ensino Fundamental em 9 anos: 10. seja um fragmento do futuro.463 alunos Berçário (4 meses a 1 ano e 11 meses): 60 alunos Creche (2 e 3 anos): 288 alunos Pré-Escola (4 e 5 anos): 1. M." Rubem Alves Rede Municipal de Educação de Mesquita Unidades Escolares: 25 Escolas Municipais: 21 Creches Municipais: 5* *A E. Paulo Freire atende às modalidades Creche. em 24/05/2007) Educação Infantil: 1. dos quais 75 Ensino Fundamental e 113 Educação de Jovens e Adultos.432 alunos Educação de Jovens e Adultos: 3.048 alunos Educação Especial: 188 alunos..173 (Fonte: Controle de Matrículas SEMED.230 alunos Anos Finais (5ª à 8ª Séries): 2.13 para que as crianças aprendam que o mundo pode ser diferente. ela mesma.

com a aquisição de oito novas unidades. Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos. Atualmente. além de seus mais de mil servidores. Com uma Rede de Ensino composta por 21 escolas e 05 creches. A SEMED também promove convênios com universidades públicas. Desde 2005. Além disso. . matriculados em turmas de Educação Infantil. em diversos bairros do município. através de cursos de extensão para os professores que atuam nas unidades. que deverá ser implantado ainda neste ano. a SEMED realiza diversas parcerias com órgãos governamentais e da iniciativa privada. tornando a escola um espaço mais democrático e atuante na sociedade. além de estudos sobre o Plano de Carreira dos Funcionários da Educação. em projetos como “Escola Aberta” e “Segundo Tempo”. realizando ações de integração com a comunidade em geral. a Secretaria Municipal de Educação está realizando a implantação do Plano Pedagógico Participativo. atende diariamente a cerca de 15 (quinze) mil alunos.SEMED Secretária de Educação: Maria Fátima de Souza Silva Subsecretário de Educação: João Luis Quintanilha A Secretaria Municipal de Educação de Mesquita tem por objetivo principal oferecer ao cidadão educação pública de qualidade. a Rede Municipal ampliou o seu número. entre professores e pessoal de apoio. representando um aumento de mais de três mil novas vagas.14 Secretaria de Educação de Mesquita . através da promoção da cidadania e da inclusão social.

significa saber se informar. 24) mostram que (. participando ativamente de projetos e comprometendo-me com a instituição de ensino através de minha assiduidade e pontualidade. 01/09. compreender e agir. ser capaz de elaborar críticas ou propostas e. argumentar. 29/09. auxiliando nas correções e orientando os alunos de todas as maneiras necessárias para o bom desenvolvimento do educando. panfletos. ministradas pelo professor Fernando Cardoso. Posso ressaltar algumas observações que julgo relevantes em cada fase que estagiei.) a EJA esteve. tive oportunidade de participar ativamente do trabalho. 20/10. Pude participar tirando dúvidas dos alunos. além do projeto MATEJA. denominar classificações ou identificar símbolos. de forma prática e solidária. de tão rápidas transformações e de tão difíceis contradições. A concepção de EJA ampliou seus horizontes. corrigindo as tarefas. 03/11 e 10/11. calendário anual ente outros.15 Estágio Participativo em Sala de Aula O perfil dos professores de matemática do Município é bem peculiar. Ao apresentar o panorama do EJA no Brasil.. concursados. 15/09. V FASE Tive a oportunidade de participar das aulas dessa turma. a saber. As aulas são enriquecedoras para minha carreira e os docentes apresentaram pleno domínio nos conteúdos lançados. se comunicar. São professores experientes na área de educação. estar formado para a vida. dias: 25/08. 22/09. levando sugestões de atividades. assim como ajuda-los no manuseio de ferramentas essenciais para que continuem aprendendo.(PCN's. 9). 6º ano do Ensino Fundamental. como: exercícios. auxiliando na explicação de conteúdos. participar socialmente. "Mais do que reproduzir dados. explanando alguns conteúdos. Nesses 11 dias de aula na V FASE. 06/10. por ser supletivo. é mais tranqüilo e os alunos são mais comprometidos. juntamente com o relatório. num mundo como o atual. sempre as terças-feiras. restringindo dessa forma o seu campo de atuação. que exercem a profissão em diferentes instituições e diversos segmentos de ensino. pretendendo propiciar aos jovens e adultos os conteúdos de aprendizagem imprescindíveis à sua plena inserção na sociedade. 2006. durante anos. exclusivamente voltada para questão da alfabetização. especialmente adquirir uma atitude de permanente aprendizado". 27/10. aplicando avaliação. tirando dúvidas de alunos. . 08/09. enfrentar problemas de qualquer natureza. anexei alguns materiais que tive contato. p.. explicando exercícios. Pude perceber também que o trabalho no noturno apesar de ser “corrido”. p. Melo e Passeggi (2006.

06/11. 2000. destacando-se não só entre os alunos de classe. sempre as quartas-feiras. a solidariedade entre os alunos. 21/10. 30/10. 04/09. os alunos não demonstram . p. 16/09. visto que. participar das aulas do 7º ano do Ensino Fundamental foi uma experiência enriquecedora para Prática Pedagógica. Os adolescentes indisciplinados quando se juntam em uma mesma classe. 02/09. 05/11. de ter consciência crítica ou alienada. onde todos opinavam. 30/09. mas também perante toda Escola. as turmas que têm a matéria duas vezes na semana se beneficiam com o horário. 11/11. Nessa aula foram medidos e pesados os alunos e vários objetos. Dentre os 20 dias que estive no 8º ano do Ensino Fundamental. Não é fácil redefinir valores ou pensamentos. 17/09. 04/11. tomam força e os professores precisam ser mais severos para controlá-los. práticas ou condutas socialmente incorporadas a nossa personalidade profissional. percebi que os alunos acham que aula boa é quadro e giz. destaco a aula de Unidades de Medida. É uma violência íntima. 12/11. Tive ótima receptividade por parte da turma e do professor regente. 24/09. apesar do professor ser dinâmico. massa e capacidade oralmente. fato que contribuía para indisciplina crescente. Exige muito cuidado e respeito. 09/10. prejudicando os alunos em caso de dias não letivos. 08/10. Não se trata de ser a favor ou contra mais uma moda na roupagem pedagógica. 23/09.o domínio de turma era mais difícil. A turma foi muito participativa e a aula foi muito produtiva.03/09. Josilene dos Santos. pois aqueles que assimilavam melhor os conteúdos.(Arroyo. VI FASE As aulas nessa turma eram ministradas pelo professor Rodrigo Macedo. não constatei nenhuma dinâmica de aula em especial. 29/10. 11/09. Percebi que o fato da turma ter bastante adolescentes {estes vieram do diurno por motivos de idade avançada e indisciplina}. Para ser sincera as aulas foram bem ministradas e não consigo destacar uma em específico. 13/11. Essa turma era bem numerosa e os alunos bastante assíduos. Notei dentre outras coisas. 07/10. Está em jogo o pensar. houve maior facilidade na assimilação do conteúdo. gabaritou a prova. Dentre os 10 dias de aula: 26/08. 28/08. as aulas mais produtivas. 29/09. tornando a meu ver. pois todas foram mais tradicionais. Qualquer outra atividade que saia da rotina de sala de aula. Destaco a indisciplina da turma. 10/09. 70). 22/10.27/08. VII FASE As aulas da turma em questão eram ministradas as quintas-feiras e sextas-feiras. sempre ajudavam os que não assimilavam. 09/09.16 Dentre todas as atividades exercidas nesta turma em questão. transformávamos as unidades de medida. que chamou-me bastante atenção. destaco a Olimpíada da Matemática na qual uma aluna da V FASE. 23/10. De qualquer maneira. Enquanto nas outras fases citadas anteriormente as aulas eram ministradas em um único dia da semana. sentir e ser da gente". 18/09. A partir daí.

situação esta que o desumaniza. Todo o ensino da matemática era bem mais assimilado quando se tratava de dinheiro. e sempre se enrolava ao calcular as porcentagens das comissões. 25).25). à acomodação. além de observar como o papel do educador ainda é importante para a construção da cidadania. Os alunos do 9º ano do Ensino Fundamental interessavam-se bastante por aulas que se trabalhava com valores do Sistema Monetário Brasileiro. Notei que o interesse no aprendizado cognitivo era maior pelo fato de trabalharmos com dados do cotidiano. 30/09. Todos os professores elogiavam os alunos dessa turma e realmente o ambiente naquela sala de aula era bastante acolhedor.. aquela que chamou-me mais a atenção foi sobre porcentagem e capital inicial.. 04/09. 24/09. devo mais uma vez ressaltar a importância do estágio na formação do professor.". mesmo que a realidade social contribua para o ". ao descrédito quanto à educação. 23/10. de modelos que são impostos como 'receitas prontas'. Durante esse pequeno contato com a escola. 12/11.17 interesse e vão para suas casas. pois o mesmo trabalhava com compra e venda de produtos. está alienado do seu quefazer pedagógico: foi expropriado do seu saber. 17/09. ao desânimo. (p. VIII FASE Pelo meu ver essa era a turma “queridinha” dos professores daquela unidade escolar. Dentre tantas aulas assistidas. Utilizando-se de Celso dos S. à desconfiança. que o professor não está interessado em ensinar ou que estão sendo enrolados. 11/09. sofrimento. 10/09.03/09. ao desgaste. de ingerências.. deixando-o à mercê de pressões.. 30/10. gostava muito dessas aulas e ainda pediu ao professor. De qualquer maneira.. 22/10.. 13/11). 29/10. foram aulas produtivas e bastante enriquecedoras. que ensinasse através do uso e manuseio da calculadora. chegando mesmo à falta de companheirismo e de engajamento em lutas políticas. (20 ao total: 27/08." (Vasconcellos. 18/09. p. 05/11. concluímos: "O professor não tem compreensão do seu trabalho na complexidade que ele implica. Vasconcellos (2006) e de seu conceito de "alienação da educação". Um aluno em especial dessa turma (Geová Mendes da Silva). Por fim. contribuindo para meu aprimoramento profissional e pessoal. alegando cansaço pelo dia de trabalho. 09/10. 2006. Notei que os educandos acham nesse caso. 28/08. 06/11. com professores e com os alunos pude vivenciar na prática como se dá efetivamente à relação entre os sujeitos. impossibilitando um trabalho significativo e transformador. . 08/10.

do outro e do mundo. com os olhinhos fixos e brilhantes na tela do computador. Algumas regras eram impostas nessas aulas. no laboratório. capacitá-lo ao exercício de uma consciência crítica de si mesmo. exausta e chateada por causa das conversas paralelas. PROJETO As aulas de projeto eram sempre as segundas-feiras e contemplava as quatro turmas do 2º segmento do Ensino Fundamental. Notei no primeiro momento bastante timidez e até recusa de alunos com idades mais avançadas. por transpor as dificuldades encontradas e. Mas como fazer isso é o grande desafio que o educador encontra. É preciso compreender qual a posição que Eva ocupa no seu contexto social. sobretudo. Essas aulas com certeza foram as mais apreciadas pelos estudantes e muito proveitosa para mim. traz insegurança e até mesmo vergonha aqueles que não convivem com a informação virtual. pelo menos uma parte. com a cabeça doendo. Precisamos ter uma postura efetiva de um profissional que se preocupa verdadeiramente com o aprendizado. conquistar se não todos os alunos. mesmo terminando a aula roca. diz Paulo Freire. aguçando nele o desejo de se complementar. quem trabalha para produzir a uva e quem lucra com esse trabalho. Percebi que os alunos em geral ficavam muito agitados e eufóricos com essa aula. Os adolescentes. por alcançar os objetivos traçados para este estágio. Devemos despertar no educando a consciência de que ele não está pronto. ao contrário. como dizia Paulo Freire. como: proibição da entrada de alimentos no recinto e restrição a navegação à sites de relacionamentos. tenho a sensação de que sou vitoriosa. destacavam-se pelo interesse e participação. foi a etapa do estágio mais gratificante para mim. As aulas eram apenas de consulta. Realmente. Acho que o medo do que é novo. O professor da turma utilizava-se de recursos como extrato bancário para trabalhar valores. jogos educativos e manuseio de ferramentas do Word. que deve exercer o papel de um mediador entre a sociedade e a particularidade do educando. ficavam entuisiadíssimos e aqueles que mais atrapalhavam as aulas na sala de aula. salas de bate-papo e sites pornográficos. principalmente negativos. O que chamou minha atenção foram os alunos levarem vários sites para acessarem ao final da aula.18 Não basta saber ler que "Éva viu a uva". no estágio não foi diferente e busquei a cada momento ser mais que professora ser uma educadora. diferente. muito engraçado como eles ficaram contentes. Pelos pontos positivos e também pelos negativos foi uma experiência inesquecível. Mas sem dúvida alguma o meu aprendizado foi imenso. pois saíam do cotidiano de sala de aula e iam ao laboratório de informática que era composta de 10 micro computadores com acesso a internet e ar condicionado. pesquisas. . Enfim.

no entendimento de nossa rede de ensino. solidário”. estabelece séries sucessivas de raciocínios a partir deste objeto e que novas operações nascem a partir de outras. O que queremos evidenciar é que o fato da matemática ter seu próprio estatuto não elimina sua relação com as várias esferas que compõem a “estrutura da própria vida humana” (Heller). criativos e próximos à reflexão de fatos significativos da vida cotidiana. Paulo Freire PROJETO MATEJA DO CIEP PADRE NINO MIRALDI MUNICIPALIZADO: Estrutura do Projeto: O ensino da matemática. Entender a matemática significa compreender que seu desenvolvimento não serve apenas à descoberta de uma nova operação e supõe que o seu ensino está vinculado a uma formação que possa tornar os homens e as mulheres mais aptos a determinados raciocínios . A matemática. Assim. porém não impede que o seu ensino possa utilizar-se de recursos lúdicos. não é a transmissão sistemática de formas de efetuar operações que obedecem a uma lógica sucessiva. cria seu próprio objeto. com a qual se chega a quaisquer resultados fixos. Pondo-se desta forma. portador da racionalidade que não dialoga com os questionamentos dos homens. É preciso tornar a educação um ato coletivo. Em cada uma destas esferas. na estética. o que facilita a apreensão de sua lógica. rigorosa. no lazer. fixas. por ser fruto dos homens que são seres históricos (inconclusos como diria Paulo Freire) não é um sistema acabado. Este fato. nas relações sociais. e ninguém se educa sozinho. diferentemente das ciências humanas e sociais. mas se oferece. da sociedade e do modo de viver especificamente humano em aspectos centrais do seu cotidiano.19 “Ninguém educa ninguém. Sabemos que a matemática. para as necessidades de explicações da natureza. básicas. É por este fato que a matemática se faz presente no debate de questões atuais e deve emprestar suas ferramentas para o entendimento destas questões. a matemática não se apresenta como um compêndio de sistemas encerradas em si. ela se faz presente em esferas diversas como. emergem necessidades de raciocínios matemáticos postos por circunstâncias determinadas. em diferentes contextos históricos. na economia. por exemplo. Ela não é algo que se encerra em fórmulas a serem decoradas e por isto exige uma didática que não alimente o temor pelo domínio de sua exatidão.

não apenas o conhecimento. p. brincadeiras e problemas curiosos. Faz-se necessário. Excel e Power Point. Este posicionamento proposto pelo filósofo pode ser transposto para a matemática e para outros saberes específicos. O ensino da matemática. ou seja. consiste em iniciar o aluno nas exigências do raciocínio lógico que. truques. deve ser plausível com as possibilidades de exercício matemáticos que os alunos têm e com o que possam vir a ter. o Oficinas de serviço social: Previdência. esta não deve ser circunscrita nos limites postos por pontos a serem alcançados. o Lúdico na Educação de Jovens e Adultos: Jogos. sem temer a necessidade do resultado. no ensino da matemática para jovens e adultos? A participação da matemática. acompanhar o curso da maturidade intelectual dos alunos para trazer à tona ferramentas passíveis de serem apreendidas e entender o universo desses alunos de tal forma que se possa encontrar tais ferramentas.20 que concorrem para ampliar. sempre. Uso de Sites relacionados com as disciplinas do curso. sobretudo. O aprendizado na matemática só pode acontecer diante da possibilidade de erros e acertos. se particulariza por uma lógica específica e se põe como um dos critérios para a se chegar à veracidade de uma dada situação que pode de ser passível de refutação futura. a maior frente do projeto dado seu próprio objetivo. Seu ensino. Salienta Lyotard (1986. que é dos possíveis do espírito”. é a partir destes que ele se materializa. ao contrário. Receita Federal e outros. na sala de aula. o Olimpíadas de Matemática: Prepara os alunos para as Olimpíadas da Matemática da rede pública de ensino utilizando exercícios de aplicações. no ensino da matemática. diante destas exigências. bolsa família e BPC . sem perder de vistas os raciocínios básicos que compõem o próprio saber matemático. Qual é o lugar que a matemática ocupa no processo de aprendizagem? Ela exige uma disciplina. o Pesquisa na Internet: Uso de ferramentas de busca para pesquisas na Internet. uma disponibilidade em reatar com “a estação de infância. Qual é o ponto a começar. arriscar-se a novas descobertas. mas sempre algum ponto por onde começar. sem amarras metodológicas que tolhem a possibilidade de novas construções. compõe-se de seis oficinas: o Informática: Introdução ao Windows com os aplicativos Word. Cumpre lembrar que Lyotard (1986) a respeito do ensino da filosofia diz que este requer um posicionamento específico que exige. uma atitude de recomeçar. mas. DETRAN. O ensino da matemática não se situa acima de quaisquer determinantes. mágicas. as possibilidades de realização e organização da vida humana nas diferentes áreas. mas deve ser um espaço sempre aberto ao recomeçar. mas também uma abertura para a tradução de circunstâncias diversas.03): “começa sempre meio” não há pré-determinação. Utilização de ferramentas governamentais disponíveis na Internet como SINE. neste ideal formativo. É um posicionamento que revela uma visão aberta com relação à sala de aula. o Raciocínio Lógico: Interpretação de textos e problemas que desenvolvam a criatividade e o raciocínio lógico.

dizia que a escola deve respeitar os saberes do educando. discutir isso entre eles.21 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Durante o desenvolvimento do estágio. Além disso. Os alunos precisam ser motivados. Percebi que os professores não acreditavam mais em mudança. dos processos que possam levar o aluno a ampliar sua capacidade de analisar as informações e que possa incorporá-las em seu dia-a-dia. que saiba posicionar-se diante dos diversos segmentos da sociedade. de forma que venha ser uma modalidade importante e que auxilia na formação de pessoas pensantes. pessoas que sabem da defasagem e não tentam mudar a situação do Ensino de Jovens e Adultos. Mas. aproveitando as experiências que os mesmos têm com sua realidade. percebi o quanto é importante a EJA. aprendendo ou não aprendendo ‘passa pra frente’. . diante de um mundo que não fizemos. me fez refletir que à medida que aumentava o contato com situações reais com a sala de aula de uma escola publica. Sempre que eu colocava alguma opinião eles diziam que era coisa de universitário acreditar em mudança. Paulo Freire (1996). • Estimular o interesse de pesquisar dos alunos. A EJA não pode ser considerada como um meio de se obter diplomas. assim vejo o objetivo de várias pessoas e até mesmo frases de educadores dizendo: “Na EJA ‘passa’ o conteúdo. usando a curiosidade para ser assim criativo. Isso. Há a necessidade da superação das aulas com ênfase no trabalho de recitação e a inexistência de propostas de situações que solicitem dos alunos explicações baseadas em atividade prática. • Proporcionar a interação dos alunos. mas considero urgente uma reforma em sua estrutura e funcionamento. sei que os professores tentam fazer o melhor que podem. pois na EJA é assim mesmo”. • Fazer com que os alunos consigam interpretar os exercícios e consigam relaciona-los a situações reais. Por fim acredito na modalidade da EJA. assim como os alunos. mas que acrescentamos algo. ou seja. enfrentam situações em um contexto desfavorável de ensino e de aprendizagem de Matemática. percebi várias modificações que deveriam ser feitas no decorrer do ano letivo afim de que se cumpram as responsabilidades e compromissos da escola na formação do cidadão: • Mostrar a ligação entre o conteúdo matemático e a realidade do aluno. Entretanto. somente quando há investimento do poder público e investigação da prática educativa. Acredito que a EJA pode ser valorizada.

8. Reconhecimento de que a prática educativa é uma troca de saberes. Necessidade da utilização de vários métodos de avaliação da aprendizagem. além da aprendizagem significativa adquiridos durante todo o período de estágio: Pontos positivos: 1. Reconhecimento de que a pratica docente não é uma missão fácil. possibilitando contribuir com o fazer profissional do futuro professor (FREIRE. 9. Diferenças sociais entre os alunos 5. Reconhecimento da importância de se ter iniciativa 6. Aprendizagem significativa: 1. Pontos negativos: 1. é um espaço de construções significativas no processo de formação de professores. barulho e conversa). Importância de refletir a prática educativa 5. junto com as disciplinas teóricas desenvolvidas no curso. Constatação da importância do estágio. Educação como função democratizadora de igualar oportunidades. 2005). apud SANTOS. Superação de dificuldades. Ressalto ainda aqui pontos positivos e negativos. 2. Rejeição por parte dos alunos e funcionários da escola. . ao tempo que ficaram sem estudar (EJA). 3. Necessidade de uma visão multidisciplinar da realidade do processo de ensino 7. 3.22 Conclusão O estágio curricular. Dificuldade de acesso a escola e tempo para estudar em função de trabalho e família. Função do professor como mediador do processo de aprendizagem 3. Heterogeneidade das turmas (etária e cultural) 6. 2. Conhecimento do funcionamento prático de uma unidade escolar. 4. Problemas relacionados a disciplina na sala de aula (bagunça. Reconhecimento da possibilidade de ter realizado um trabalho melhor. 2. Importância da participação dos pais no processo de aprendizagem 6. Alunos com dificuldades na aprendizagem devido. Necessidade de responsabilidade e comprometimento. 4. 5. apresentando-se como responsável pela construção de conhecimentos. Necessidade de trabalhar em função da realidade do aluno 4. por exemplo.

pois lidar com educação não é fácil. O professor se vira de todas as formas e meios. materiais contidos na escola. Importância usar vários meios de instrumentalização 8. uma vez que já estava ciente do desafio que iria enfrentar. especializa-se. forma opinião. Hoje fala-se muito em PCN. nada lhe é posto em troca. é preciso mudar antes o conceito que se tem dessa disciplina. mas todo este arsenal de nada adianta se não houver um investimento maior em educação. faz tudo para o aluno aprender. o que muda gira em torno do conhecer a estrutura escolar.. Tenho um grande desafio. viva. porém percebo que determinadas atitudes que seriam executadas tomam outro rumo. O que mudou foi que aprendi novas técnicas. soluções estão sendo procuradas. Após essa rica experiência comecei a entender melhor o ser professor. mas é levá-lo a competência de aliar a sensibilidade para os fatos empíricos à reflexão sobre os sentidos que assumem um conjunto das determinações amplas. dada as situações que podemos encontrar nas escolas. mas em todo complexo de possibilidades que o indivíduo encerra.23 7. percebi que o papel do professor vai muito além de conteúdos. a sociedade que não pára de evoluir. estará sempre em busca de mais conhecimentos. 2000). rica. aprendi que o professor acima de tudo deve ajudar na formação do aluno como cidadão. Minha expectativa continua sendo a mesma. quando estiver com alguma dificuldade em sala. é preciso educar.. Importância do domínio do conteúdo. Todos temos a missão de sermos eternos aprendizes.. é possível criar o mínimo de senso crítico necessário que todo professor precisa. Porém. Mudei muitos meus conceitos em relação ao ensinoaprendizagem.. jogos. É preciso reconhecer que . mas infelizmente. Formar o profissional não é simplesmente dotá-lo de uma bagagem de conhecimentos e habilidades. Também pude perceber que as dificuldades dessa atividade são muitas. o professor em especial. habilidades para a melhoria do ensino da matemática.. Para mudar a didática do ensino da Matemática na escola tornando-a dinâmica. Ocasionalmente. que os fazem reais e historicamente situados (Marques. ele deve ser também um pesquisador. porém vou procurar desenvolver métodos que estimulem o raciocínio matemático e o interesse. vive sobrecarregado de horas-aulas. possibilitando maior interesse deste pelo conteúdo. a capacidade de aprendizado dos alunos. vou procurar lembrar do papel do professor frente ao mundo. usando estratégias que façam parte da realidade do aluno. abordando conteúdos. Hoje muita coisa mudou. o ser profissional. um mediador do conhecimento para que suas aulas alcancem cada aluno. a partir destes referenciais teóricos. os relacionamentos dos professores entre si e entre a coordenação e a administração. analisar as turmas. contribui para a formação de cidadãos. Não basta apenas aprender a ensinar matemática (que sugere transmitir um conteúdo específico) a missão do professor exige muito mais que isso. LDB. Minhas expectativas não sofreram tantas mudanças. Comecei a ver as diferenças entre as turmas. pois muitos deles tiveram contato apenas com regras. fazendo-o construir seu próprio conhecimento. formar um ser não somente no aspecto cognitivo.

ou que se mostrem sem significado para eles. em função do uso que se faz dela. faz-se necessário pensar em tornar o ensino de Matemática uma das formas de preparar os alunos para a participação ativa dentro da sociedade. onde estarão? Em que covas terão se escondido? Professores. esperando que saibam como utilizá-los no futuro.” Rubem Alves . há aos milhares. Educador. E toda vocação nasce de um grande amor. está sujeita a erros e acertos. por amor. como tal. Por isso. Mas professor é profissão. é vocação. É preciso também reconhecer que ela evolui e se modifica no tempo. E o estágio possibilitou um repensar da educação matemática.24 ela é fruto do trabalho humano e. de uma grande esperança. O desafio para nós estudantes de licenciatura em matemática é mudar a forma de pensar e de ensinar matemática. não é algo que se define por dentro. Não é possível preparar alunos capazes de solucionar problemas ensinando conceitos matemáticos desvinculados da realidade. não é profissão. Educadores. ao contrário.

Disponível em: http://ucbweb. U.castelobranco.Pensar e Fazer. Nilda (org. 13. A importância do estágio para os professores em formação. Paulo. Internet. Escola com que sempre sonhei. São Paulo. Nº 1. A. (Orgs). Internet. O. São Paulo: Musa Editora. BRASIL.25 Referências Bibliográficas ALVES.ufrn. 2000. 2001 DREYER. 1997. Editora Papirus. TOGNELLA. 240p.Brasil: Paz e Terra. 2005. São Paulo: Cortez EDITORA.L. M. Brasília-DF.. Ana Paula S. COLEÇÃO QUESTÕES DE NOSSA ÉPOCA... FREIRE. A formação do profissional da educação. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. In: Alves. Maria de Lourdes de Albuquerque. Mateus R.5371. Campinas: GEPFPM-PRAPEM-FE/UNICAMP.br/ webcaf/manuais/normas de estagio. NACARATO. Coleção Educação. Acessado em 25/10/2009 BRASIL. LAZZARI.C.br/legislacao. Cultura. Caio. 5ª edição 2005 ANDRADE. Parâmetros Curriculares Nacionais.B. Acessado em 30/08/2009 MARQUES. O Estágio Supervisionado e a Práxis Docente [on-line] In: Arnon de Andrade – Site Pessoal.br/arnon. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. SOUZA. M. P. Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Normas de Estágio.gov.L.. FIORENTINI.394.presidencia. Fabio de C. www. formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática: Investigando e teorizando a partir da prática. . Disponível em http://www. sem imaginar que pudesse existir. Vittorio G.educ. 2001. MANUAIS. Ijuí: Editora UNIJUI. D. Rubem.pdf. de 20 de dezembro de 1996. Arnon de.) Formação de Professores . Universidade e Estágio Curricular: subsídios para discussão. 2009 FÁVERO. ZULIAN. Lei 9. MEC.

Disponível em: http://www. . Porto: Publicações Dom Quixote. (Org.). Secretaria Municipal de Educação. 1995. Antonio.rj.br/. O passado e o presente dos professores. In: NÓVOA.mesquita. Profissão professor. Acessado em 13/09/2009 NÓVOA.26 MESQUITA.Internet.gov. A. Prefeitura Municipal de.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->