P. 1
A EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA

A EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA

|Views: 963|Likes:
Publicado porgutuh031

More info:

Published by: gutuh031 on Jun 15, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/10/2013

pdf

text

original

A EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA A PARTIR DO SÉCULO XX

A transição demográfica brasileira Durante o século XX o país teve sua população aumentada em quase dez vezes. De 17.438.434 pessoas em 1900, atingiu em 1999, segundo projeções do IBGE, a cifra de 163.947.500 habitantes. A crise de 1929, de escala mundial e que teve conseqüências específicas no caso brasileiro, pode ter contribuído para o retardamento das uniões conjugais ou mesmo levado ao adiamento da constituição da prole.Esta transição se deveu exclusivamente a um declínio na mortalidade, traduzido por um ganho de dez anos na esperança de vida ao nascer (Tabela 3), já que a taxa de fecundidade totalmente ve-se constante no período em 6 filhos por mulher.3A partir de 1960 o ritmo anual do crescimento populacional começou ase desacelerar, passando a 2,8% e 2,6% nos decênios 1960-70 e 1970-80,respectivamente. No período198096 seu papel continuou decisivo na redução do crescimento da população, o qual atingiu 1,3% ao ano entre 1991 e 1996. De fato, a fecundidade teve sua maior redução, de 50%, passando de 4,3 a 2,2.Em última análise, no decorrer do século XX as mulheres no Brasil reduziram a sua prole, em média, em 5,5 filhos, enquanto houve um ganho de 35 anos na expectativa de vida dos brasileiros.Essas transições afetaram diretamente e de forma significativa a estrutura etária da população (Gráfico 2). Vale salientar que os níveis e tendências da mortalidade e da fecundidade apresentaram variações sociais e regionais. No caso da mortalidade, o Nordeste apresentou sempre os menores níveis para a expectativa de vida4 ao nascer, igual a 38 anos em 1940, contrastando com os 50 anos conquistados pela região Sul. Importante responsável pelos valores da vida média são os níveis de mortalidade infantil. Nota-se pelo Gráfico 3 ² que registra as taxas de mortalidade infantil para o país e as regiões Nordeste e Sul de 1930 a 1990 ² que há grande contraste entre estas regiões, e que os ganhos significativos tiveram início a partir dos anos 1970. De 68 mortes de menores de um ano para cada mil nascidos vivos a mais no Nordeste do que no Sul, observadas nos anos 1930, esta diferença passou a 46 nos anos 1990. A maior cobertura dos serviços de saneamento básico; a ampliação da oferta de serviços de assistência primária de saúde e médico-hospitalares, em especial os de pré-natal, parto e puerpério, bem como dos programas de prevenção como vacinação, reidratação oral e aleitamento materno; a queda da fecundidade e a melhoria e abrangência do sistema educacional contribuíram para a redução sistemática dos níveis da mortalidade infantil, sobretudo a partir de meados dos anos 1970. Regulação da fecundidade Diferenciais regionais e sociais marcaram os níveis e tendências da fecundidade ao longo dos últimos sessenta anos. Até 1980 praticamente se mantiveram as diferenças de 2 a 3 filhos a mais no Nordeste do que no Sudeste, e neste o declínio começou mais cedo, em meados dos anos 1960, o que sucederia dez anos mais tarde no Nordeste. O final da década de 1990 assiste à grande convergência de todas as regiões em torno de fecundidades baixas em torno do valor de 2.4. Esta redução foi produto direto da regulação da fecundidade, traduzida por alta proporção de uso de métodos contraceptivos, sem descartar contudo o recurso ao aborto induzido. A alta prevalência dos chamados métodos modernos de alta eficácia (62,8%) foi responsável pelo celerado declínio da fecundidade (Berquó, 1987a). Determinantes da regulação da fecundidade, dada a ausência de uma política nacional de controle da 6 natalidade, preocuparam também vários estudiosos (Merrick e Berquó,1983; Carvalho, Paiva e Sawyer, 1981). Vale destacar o trabalho de Faria(1989), que, estudando as políticas governamentais de benefícios previdenciários, de saúde, de crédito ao consumidor e de telecomunicações no período 1960-85, mostrou que, embora não tivessem sido formuladas no sentido da demanda por regulação da fecundidade, acabaram por ter efeitos sobre esta demanda e conseqüentemente sobre a redução da fecundidade. A partir de então, e fruto da queda da fecundidade iniciada em meados dos anos 1960, o grupo de jovens passou a representar cada vez menos no cômputo geral da população, abrindo assim espaço para o aumento da importância relativa dos idosos (Gráfico 4). No decorrer do século XX a população idosa teve seu volume aumentado em 25 vezes, correspondendo a 8,8 milhões de habitantes em 1996, ou seja, uma em cada vinte pessoas tinha 60 anos ou mais. Na última década esta população cresceu a uma taxa média anual de 3,5%, ou seja, todos os anos 264 mil pessoas em média entraram na terceira idade. Beneficiando-

a taxa bruta da nupcialidade legal (número de casamentos legalizados por mil pessoas) veio declinando nas últimas décadas. migração para áreas de economia de subsistência. Se o cenário matrimonial foi marcado pela presença majoritária e ascendente de pessoas casadas. as taxas brutas de separações judiciais. Além das categorias ² solteiros.1% do total dos arranjos em 1995 (Berquó. crescem no país (a um ritmo anual muito superior ao do crescimento populacional) as unidades domiciliares e declina o número médio de pessoas por unidade domiciliar. as uniões consensuais vêm assumindo importância cada vez maior como primeira opção de vida conjugal. Ascenderam também os que vivem sozinhos.Em contraposição ao declínio da nupcialidade legal. reduzindo-se. em 1942. industrialização pesada. que estabeleceu o desquite. lato sensu. Nupcialidade e arranjos familiares O estudo da nupcialidade. no que se refere ao estado civil da população. casados e viúvos ². deu lugar à dinâmica das descontinuidades matrimoniais presente na sociedade brasileira. A demanda reprimida antes da lei do divórcio pode ser responsabilizada pelo forte crescimento desta taxa nos primeiros anos da década de 1980. ou seja. sociais. a separação sem dissolução do vínculo. O superávit de mulheres presente no país aumenta com a idade.A mobilidade espacial da população no território nacional insere-se num contexto mais amplo de transformações da sociedade em seu conjunto. contribuiu para um enorme avanço no processo de urbanização e industrialização no País. já presente no Censo de 1872. ascenderam no mesmo período. do artigo no 315 no Código Civil. Ainda nessa década. ou como única alternativa das classes médias para uma nova união após a dissolução de um casamento civil. o Censo de 1900 manteve a incorporação da situação dos ³divorciados´.A tendência a uma maior mobilidade espacial da população no Brasil foi mais evidente já com o final do Império. as de solteiros e de viúvos (neste caso em virtude do 9º aumento da expectativa de vida). esta categoria desapareceu do Censo de 1920. possivelmente em razão da presença dos estrangeiros no país. Entretanto. compreenderam migração de escravos. freadas estas pelo declínio recente da fecundidade. com a abolição e com a expansão cafeeira do período 1880-1930. Manteve-se desse modo a norma cultural do noivo ser mais velho do que a noiva. entretanto. os deslocamentos populacionais registrados no país. muitas vezes sem meios para ter um casamento legalizado.12 particularmente no final do século XIX. encontra dificuldades comparativas. imigração estrangeira. por sua vez.5% do total das uniões em 1995. 1998a). migração inter-regional de mão de obra livre. do fim do século XIX até os anos 30 deste século. 1998b). o País assistiu a entrada de 3. as uniões consensuais passaram a representar 23. antecipando-se assim à introdução. Esta seção contou com a colaboração de Rosana Baeninger. alterações das curvas de mortalidade e seus diferenciais por sexo e idade e a intensidade e destino dos deslocamentos espaciais da população. uma vez saturada.5% em 1960.993. Neste sentido. a migração era altíssima. demográficos e políticos tiveram implicações nos processos de redistribuição da população e de urbanização ao longo deste século. ao longo deste período. a qual. o envelhecimento populacional se dá a taxas de crescimento muito superiores às da população total. O novo padrão de desenvolvimento econômico adotado pós-1956. A interação de processos demográficos ² evolução dos níveis de fecundidade. a ocupação das áreas de fronteiras agrícolas desempenharam importante papel na interiorização do território. com 8. com fluxos rural-rural. cuja força depende dos processos de mudanças socioeconômico-culturais ² acaba por determinar estruturas domésticas e familiares marcadas por tamanhos e composições variáveis ao longo do tempo. atingindo em 1994 um nível quatro vezes maior do que o registrado no início da década de 1980 (Gráfico 6). com base nos censos brasileiros.Os distintos contextos históricos. inclusive entre os segmentos mais jovens da população (Berquó. substituídos por imigrantes estrangeiros.Mais associadas no passado aos estratos mais pobres da população. desquites e divórcios (por mil pessoas). Mobilidade Espacial da População Brasileira ao longo deste Século . Para Balán (1974). De 6. intensidade e tempo de nupcialidade. . econômicos. Acrescente-se que. Vivem em estruturas familiares com rendimento mensal per capita de no máximo um salário mínimo 40% dos idosos.766 imigrantes estrangeiros.5 anos. migração livre em direção a produção de borracha na Amazônia e migração de negros libertos. apartir do início do século.se do declínio da mortalidade. separações e recasamentos. o êxodo rural nos anos 50 foi em torno de 7 milhões de pessoas. cresceram ao longo do tempo as proporções de casados (legalmente ou não) e de divorciados ou separados. Desta forma. reaparecendo as separações em 1940 sob a denominação ³desquitados´. O autor conclui que. e talvez a mais alta em toda a história contemporânea do País. Esta aparente contradição encontra justificativa no grande aumento das uniões não legalizadas ou consensuais ocorrido no mesmo período. isto é. com uma diferença constante de 3. sofrendo uma redução da ordem de 60% (Gráfico 5).

na sua estrutura etária ² tornando-a mais envelhecida ² e na redução do tamanho das famílias. o início dos anos 90 tendeu a consolidar as transformações na dinâmica migratória brasileira.Essas características. A conquista do divórcio abriu novas possibilidades no plano da conjugal idade. Um sério vazio de vinte anos limitou o conhecimento da composição por cor da população em decorrência da retirada desta informação do Censo de 1970. sua maior mortalidade. que teve impacto direto na desaceleração do crescimento da população. deixou de ser um fenômeno isolado e limitado a circunstâncias específicas (exilados). passando a se inserir no contexto atual dos deslocamentos populacionais internacionais propiciados pelo processo de globalização da produção. As populações branca e preta vão reduzindo seu peso relativo na população total e abrindo espaço para a importância crescente dos pardos.Migrações Internacionais Recentes A partir de meados dos anos 80. o mesmo sucedendo no Censo de 1960. no processo migratório nacional.13 produtiva nacional pós-60 implicaram na diversificação do parque industrial. com o fortalecimento de duas vertentes complementares do atual processo de distribuição espacial da população: de um lado. As fronteiras agrícolas já haviam perdido importância no cenário migratório nacional a partir dos 70 e as forças de concentração da migração. vêm se alterando. emprestando recentes características ao processo de distribuição espacial da população e redefinindo alguns aspectos da migração interna. ³pardo´ e ³amarelo´ ². conferiu mais autonomia ao exercício da sexualidade. que o período em que se desencadeia o fenômeno da emigração de brasileiros data da segunda metade dos anos 80. A miscigenação no Brasil O último dado censitário revela que 48% da população se considera negra. principalmente a partir dos anos 80. Esta configuração encontra suporte no crescimento muito diferenciado dos três seguimentos populacionais (Tabela 5).A partir da segunda metade dos anos 60 iniciou-se o processo de industrialização do campo e modernização agrícola. entre 1960-1970. totalizando 12. é de difícil mensuração.4 milhões de brasileiros no exterior. a entrada mais tardia em união com elevado celibato. recuperando-se no período seguinte e voltando a declinar até o último censo. atestada pela elevada e crescente presença dos auto declarados ³pardos´ na composição populacional.Houve uma expressiva miscigenação. De fato. sempre com taxas muito reduzidas e bem abaixo do nível nacional. Já quanto à população preta. no entanto. especialmente a exercida pela metrópole de São Paulo. Já no Censo de 1950 o recenseado deveria declarar explicitamente sua cor segundo categorias pré codificadas ²17³branco´. e antigas formas de união dos sexos ganharam novos significados. convivendo com estilos de vida emergentes. principalmente. a continuidade da centralidade do Sudeste. segundo as categorias usadas pelo IBGE. Pode-se dizer que foram os brancos a imprimir o ritmo de crescimento populacional do país. a migração internacional passou a se configurar como uma questão demográfica emergente no âmbito nacional. A mais importante foi a queda acentuada da fecundidade. de outro14 lado. aumentando o êxodo rural. compondo um movimento mais amplo de distribuição populacional. porém não desapareceram. e as poucas fontes disponíveis confirmam.8 milhões de pessoas que saíram do rural. abrindo novos empregos urbanos. as mudanças ocorridas na estrutura As estimativas sobre êxodo rural foram extraídas de Martine (1990). a Região Metropolitana de São Paulo. no entanto. ³preto´. De outro lado. . e os direitos reprodutivos individuais passaram 20a fazer parte dos direitos humanos. ao mesmo tempo que ainda se mantém como o maior centro de recepção migratória. As altas taxas de fecundidade durante todo o período 1940-80 e a elevada mestiçagem com a população branca respondem pelo alto e sistemático crescimento dos pardos. principalmente o feminino. em especial da Região Metropolitana de São Paulo. ou seja. além disso. parda ou preta. e 2 milhões. Arrefeceram a partir dos anos 80.via métodos modernos de contracepção. O volume dessa emigração. Os pretos perderam população entre 1940 e 1950. passou também a se destacar pela importância de seu volume emigratório em nível nacional. realizado durante o regime militar. Carvalho (1996) e Oliveira et al (1996) elaboraram estimativas. o prosseguimento da redução no ímpeto das migrações de longa distância e o aumento de importância das migrações intra-regionais e intra estaduais. A emigração. A regulação voluntária de fecundidade. na hipótese mais alta. mesmo com seu expressivo refluxo populacional aos estados de nascimento. chegando a resultados bastante próximos: 1. já deslanchava o processo de esgotamento das antigas áreas de fronteiras. a mestiça geme a menor fecundidade até 1960 traduzem-se em baixas taxas decrescimento e no acentuado declínio de seu peso relativo no cômputo geral. Já há certo consenso entre os estudiosos brasileiros. segundo a hipótese mais baixa.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->