P. 1
MENINGITE bacteriana

MENINGITE bacteriana

|Views: 1.213|Likes:
Publicado porpgmiesam

More info:

Published by: pgmiesam on Jun 16, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/26/2013

pdf

text

original

MENINGITE | Sintomas, Transmissão e Vacina

Saiba quais são os principais sintomas da meningite, como ela é transmitida e qual o seu tratamento. Do mesmo jeito que o pulmão é envolvido pela pleura e o coração pelo pericárdio, o sistema nervoso central (cérebro e medula) é envolvido pela meninge. A meninge é uma membrana que serve como barreira contra agentes infecciosos e células neoplásicas. É composta por 3 camadas (acompanhe o texto com a foto abaixo. Clique para ampliá-la).

Meninges (clique para ampliar) - Pia Mater = Uma membrana finíssima que fica colada no cérebro e na medula. - Aracnóide = É a membrana do meio, é transparente e fica entre a pia mater e a dura mater. O liquor ou líquido céfalo-raquidiano fica entre a pia mater e a aracnóide. - Dura Mater = É a membrana mais grossa, opaca e próxima do osso. Meningite é o nome que se dá a inflamação das meninges, normalmente acometendo a membrana aracnóide e o líquido céfalo-raquidiano (liquor). A meningite é causada por agentes infecciosos como bactérias ou vírus. (leia: O que é o pus ? O que é um abscesso? O que é uma inflamação?) Até advento dos antibióticos no início do século passado, a meningite tinha uma mortalidade próxima dos 100%. Ainda hoje, com todos os avanços, pelo menos 15-20% dos casos evoluem para óbito. Trata-se, portanto, de uma doença muito séria. A meningite bacteriana é a forma mais grave. Costuma ser causado por bactérias como Streptococcus pneumoniae, Haemophilus influenzae e, principalmente, Neisseria mengitidis, também conhecida como meningococo (leia: DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS)

Pinça retirando a dura mater e expondo a membrana aracnóide

uma pequena conversa. protozoários e tuberculose. É preciso que esse comportamento se repita com frequência para haver um risco elevado. já se pode perceber que existe muito sensacionalismo oportunista em relação a meningite. fungos. Não há risco de transmissão de meningite durante velórios. é preciso lembrar que nem todos os casos são causados por bactérias (os mais graves). ou dividir o mesmo ambiente como uma sala de aula. se esta exposição for menor do que 6 horas. Mais raramente a meningite pode ser causada por outros vírus e agentes como HIV. A meningite não se transmite com tanta facilidade como a gripe. porém. Primeiro porque o falecido não respira e. . oferece pouco risco. o risco também é baixo.pneumoniae ainda é alta. A meningite também pode ser causada por vírus. é um via perigosa de transmissão. Mesmo que durante uma aula você sente ao lado de alguém infectado.pneumoniae e H. Portanto. compartilhar copos e talheres parece não ser um fator de risco grande. Segundo porque em um velório o tempo de exposição é bem menor do que 6 horas. portanto. e um contato mais prolongado é necessário para o contágio. A bactéria fica na orofaringe durante algum tempo até ser eliminada pelo sistema imune. herpes simplex.mengitidis ou meningococo é o principal agente em adultos menores de 60 anos. As bactérias não sobrevivem no ambiente. A meningite também pode ocorrer como complicação de um infecção das vias aéreas. principalmente nas crianças. as pessoas contaminadas podem transmitir a bactéria para outras. Contatos ocasionais como apenas um comprimento. A maioria das pessoas que se contaminam com o meningococo não desenvolvem doença. herpes zoster (vírus da catapora). Como se pega meningite ? O modo mais comum de se pegar meningite é através do contato com secreções respiratórias de pessoas infectadas. A N.influenzae no calendário vacinal de vários países. Fechamento de escolas e salas de aula são desnecessárias e só servem para causar pânico na população.Com a inclusão da vacina contra o S. a ocorrência de meningite por essas duas bactérias caiu muito. Também existe a meningite neoplásica. caxumba. que para haver contágio é necessário um contato mais íntimo e que a maioria das pessoas contaminadas não adoece. namorados e pessoas que residem no mesmo dormitório são aqueles com maior risco. A meningite é transmitida pela saliva. A meningite viral é menos agressiva que a bacteriana. o resto são apenas transmissores assintomáticos e transitórios da bactéria. não libera bactérias nas secreções respiratórias. não sendo necessário isolamento dos locais onde foi registrado algum caso. Apesar de não desenvolver a meningite. Antes de entrar em pânico porque algum conhecido está com a doença. Na verdade. colegas de turma. principalmente se de língua e prolongados. causada por invasão da meninge por metástases. como sinusites e otites. apenas 1% das pessoas que têm o meningococo na saliva adoecem. normalmente da família dos enterovírus. sífilis. Traumatismos cranianos com exposição da meninge e usuários de drogas endovenosas também correm risco. Nos adultos não vacinados. a incidência de meningite por S. com taxa de mortalidade bem mais baixa. Já a troca de beijos. Familiares.

coma e paralisia motora. reduzindo a assim. Na meningite pelo meningococo podem ocorrer lesões de pele tipo petéquias o que às vezes causa confusão com outras infecções como rubéola. tipos e como proceder). sarampo e até dengue. A demora de apenas algumas horas pode ter influência no prognóstico. O diagnóstico é feito através da punção lombar. A profilaxia reduz em 95% a chance de infecção além de eliminar o estado de portador assintomático da bactéria. A meningite bacteriana é uma emergência médica e o tratamento com antibióticos intravenosos deve ser iniciado o mais rápido possível. intensa dor de cabeça e prostração. antibióticos não são necessários e muitas vezes o paciente sequer . onde através de uma agulha implantada dentro da coluna. Se há suspeita de meningite. o paciente deve ser encaminhado imediatamente para um setor de emergência. Sintomas da meningite A meningite é um quadro grave e agudo. temos o quadro de meningoencefalite podendo ocorrer convulsões. a cadeia de transmissão. rigidez da nuca. O período de incubação é em média de 3 a 4 dias. Quando a infecção ultrapassa as meninges e atinge o cérebro. Conforme a doença se agrava as lesões evoluem como nas fotos abaixo. A crise convulsiva também pode ser uma das manifestações inicias da meningite (leia: EPILEPSIA | CRISE CONVULSIVA | Sintomas. A evolução para sepse é rápida (leia: O QUE É SEPSE / SEPSIS E CHOQUE SÉPTICO ?) e quanto mais retardado for o início do tratamento com antibióticos. pior é o prognóstico.Profilaxia da meningite Todos aqueles que tiveram contato prolongado ou íntimo com um paciente com meningite devem iniciar tratamento profilático com antibióticos nas primeiras 24 horas após a identificação do primeiro caso. de preferência logo após a realização da punção lombar. consegue-se aspirar o liquor para avaliação laboratorial. A maioria dos pacientes são internados 24 horas após o aparecimento dos primeiros sintomas. Na meningite viral. O quadro típico é de febre alta. Os contactantes devem ficar em observação por 10 dias (não é necessário internamento) e devem procurar atendimento médico ao surgimento de qualquer sintoma.

no nariz ou no aparelho respiratório de uma pessoa. por isso. apresenta uma particularidade. em geral. C. Porém. diminuição da capacidade intelectual e epilepsias. As pessoas com maior risco de ter meningite por causa de uma destas bactérias são as que abusam do álcool. a infecção deve-se a uma ferida na cabeça ou é provocada por uma anomalia do sistema imunitáro. mas que frequentemente é causa de meningite. as que foram submetidas a uma esplenectomia (extirpação do baço) ou as que têm uma infecção crónica do ouvido e do nariz. uma pneumonia pneumocócica ou uma drepanocitose. sendo B e C os mais comuns. não deixa sequelas. A meningite viral. Vacina para meningite Como já explicado. Causas Mais de 80 % de todos os casos de meningite são provocados por três espécies de bactérias: Neisseria meningitidis. há vacinas individuais para contra as principais bactérias. Noutros casos.precisa ser internado. sendo a avaliação médica.com/2009/05/meningite. As três encontram-se normalmente no ambiente que nos rodeia e podem inclusive viver. B. outros tipos de bactérias como a Escherichia coli (presente normalmente no cólon e nas fezes) e a Klebsiella provocam a meningite. De maneira ocasional. indispensável e urgente. de uma cirurgia do cérebro ou da medula espinhal. C. Ainda não há vacina contra o meningococo B disponível mundialmente. 8 destes sorogrupos são responsáveis por quase todas as epidemias de meningite meningocócica: A. bactéria muito associada a pneumonia. Y. Sequelas da meningite Os pacientes que se recuperam da meningite podem ficar com sequelas como AVCs com paralisias motoras. W135 e L. A Neisseria meningitidis.html#ixzz1OnoWdMrc Meningite bacteriana A meningite bacteriana é uma inflamação das meninges provocada por bactérias. Porém. a meningite pode ser causada por mais de um tipo de bactéria. a bactéria causadora da famosa meningite meningocócica. otites e sinusites. As infecções por estas bactérias são habitualmente consequência de feridas na cabeça. O quadro só é preocupante em neonatos. portanto. O tratamento é apenas com sintomáticos.mdsaude. Leia mais: http://www. Esta bactéria possui 13 sorogrupos diferentes. X. Também já existe vacina para o Streptococcus pneumoniae. a distinção com a meningite bacteriana não possível de ser feita apenas pelo quadro clínico. Y e W135. país que a desenvolveu. estes organismos infectam o cérebro sem que se possa identificar a razão disso. que costuma ser a forma mais grave de meningite bacteriana. Atualmente existe vacina individual apenas contra o meningococo C e uma vacina conjugada que atua contra os meningococos A. Z. Esta vacina atualmente só encontra-se disponível em larga escala em Cuba. sem provocar qualquer dano. Hemophilus influenzae e Streptococcus pneumoniae. surdez. de uma infecção do sangue ou de uma infecção contraída num . A vacina contra Haemophilus influenzae já faz parte do calendário básico de vacinação. não existe uma vacina única que previna todos os casos. Raramente.

capítulo 74) Em alguns casos surgem convulsões.hospital. vómitos. um produto químico). Se o médico suspeitar que possa tratar-se de uma meningite bacteriana. o que produz sintomas de um ataque vascular cerebral como uma paralisia. convulsões. Uma febre inexplicável em crianças com menos de 2 anos requer um exame médico completo e imediato. poder acontecer que as ancas e os joelhos flictam em direcção o tórax. a morte. Nas crianças com menos de 2 anos. de facto. produz diarreia grave. Os adultos podem adoecer gravemente no período de 24 horas e as crianças podem. A síndroma de Waterhouse-Friderichsen. a meningite causa habitualmente febre. geralmente. especialmente se se tornar irritável ou mais sonolenta que o costume. uma criança com menos de 1 ano pode não apresentar rigidez do pescoço (rigidez da nuca). viral. estando deitada. o coma e. confusos e cada vez mais sonolentos. manchas vermelhas e roxas). se recusar a alimentação. (Ver secção 6. por fungos ou de outro tipo. A rigidez do pescoço (rigidez da nuca) não significa simplesmente dor na flexão do mesmo. frequentemente. Um destes sinais consiste no facto de ao flectir a cabeça da criança sobre o peito. hipotensão. o médico procura a presença de erupções cutâneas (habitualmente. fazendo com que o crânio aumente (hidrocefalia). convulsões. deve rapidamente determinar-se se se trata de uma infecção bacteriana. Sintomas Os sintomas precoces mais importantes de uma meningite são a febre. a rigidez do pescoço. vómitos. podem surgir pequenas epidemias em ambientes como campos de treino militar. Diagnóstico Dado que a meningite bacteriana (especialmente quando é provocada por Neisseria meningitidis) pode provocar a morte em poucas horas. Este estado pode progredir para o estupor. A meningite é mais frequente em crianças de 1 mês a 2 anos de idade. cianose (uma cor azulada da pele). Quando se suspeita de uma meningite. choque e. A pele sobre a fontanela (a zona mole entre os ossos do crânio) fica tensa e a fontanela pode fazer saliência. As que sofrem de insuficiência renal ou estão a tomar corticosteróides têm um risco mais elevado de contrair meningite pela bactéria Listeria. finalmente. As crianças mais velhas e os adultos podem tornar-se irritáveis. a dor de garganta e os vómitos. O fluxo de líquido à volta do cérebro pode ver-se bloqueado. tratada com antibióticos inclusive antes de ter os resultados da análise. é causada pela Neisseria meningitidis. inclusive. ou se se trata de uma irritação por outra causa (por exemplo. uma infecção de evolução rápida e catastrófica. se tiver vómitos. acontecem com maior frequência entre pessoas com um sistema imunológico deficiente. a morte. É muito menos frequente nos adultos. a menos que tenham determinados factores de risco. São muitas as causas possíveis e o tratamento é diferente para cada uma. no entanto. irritabilidade. A infecção provoca inflamação dos tecidos cerebrais e impede o afluxo sanguíneo. . residências de estudantes ou outros sítios onde as pessoas se encontram em contacto estreito. convulsões ou se apresentar rigidez da nuca. Outro sinal é que o médico não consiga esticar os joelhos da criança. a dor de cabeça. hemorragias internas. é necessária a atenção médica imediata. Ao contrário da criança mais velha ou do adulto. ao tentar levantarlhe as pernas. levar menos tempo. problemas para comer e choro de um tom muito agudo. é impossível ou provoca muita dor procurar fazer com que o queixo toque no peito. é. Durante o exame físico. rigidez da nuca e de outros sinais característicos da meningite.

Tratamento A meningite bacteriana deve ser tratada de imediato com antibióticos e também com corticosteróides por via endovenosa para diminuir a inflamação. a quantidade e o tipo de glóbulos brancos no líquido cefalorraquidiano podem ajudar a determinar o tipo de infecção. . da mucosidade nasal e faríngea. o médico pode fazer culturas do sangue. um aumento das proteínas. pode acontecer uma deterioração mental permanente e uma paralisia. Depois de um ataque de meningite. Depois examina-se o líquido ao microscópio à procura de bactérias e envia-se para o laboratório para a sua cultura e identificação. da sudação. Em geral. embora alguns doentes possam ter convulsões que requeiram um tratamento para toda a vida. normalmente entre a quarta e a quinta vértebra lombar. O valor do açúcar. Podem submeter-se as bactérias a uma análise para determinar a sua susceptibilidade a diferentes antibióticos (antibiograma). Prognóstico Se o tratamento for iniciado de imediato. Depois de identificada a bactéria responsável (um ou dois dias mais tarde) pode escolher-se o antibiótico mais apropriado. O tratamento implica também a administração de líquidos em função da febre. sobretudo em crianças muito pequenas ou em idosos. Para isso. A meningite bacteriana (especialmente se for causada por Neisseria meningitidis) pode provocar uma hipotensão (diminuição da pressão arterial) e para contrariar esta situação devem administrar-se inclusive mais líquidos ou determinados fármacos. para além da punção lombar. da urina. O médico vigia qualquer complicação que possa resultar da infecção do cérebro. dos vómitos e da falta de apetite. Mas se o diagnóstico ou o tratamento se atrasarem é mais provável que se verifiquem lesões cerebrais permanentes ou mesmo a morte. abaixo da região onde termina a medula espinhal. Pode utilizar-se um ou mais antibióticos para combater as bactérias que mais probabilidade têm de causar a infecção. assim como do pus proveniente de infecções da pele.A punção lombar é o exame habitual para o diagnóstico da meningite e para determinar a sua causa. morrem menos de 10 % de doentes com meningite bacteriana. insere-se uma agulha fina entre duas vértebras na parte inferior da coluna vertebral para recolher uma amostra de líquido cefalorraquidiano da zona exactamente abaixo da medula espinhal. Punção lombar para o diagnóstico de meningite Insere-se uma agulha pequena e oca na parte inferior do canal medular. a recuperação é total. Para ajudar a estabelecer o diagnóstico. O líquido cefalorraquidiano é recolhido num tubo e enviado ao laboratório para a sua análise.

de maneira sistemática. Todas as crianças deveriam receber. monocytogenes: Ampicilina 12 g . Meningococos: Penicilina G 24 milhões de unidades ou ampicilina 12g. Os membros da família. a vacina contra o Hemophilus influenzae tipo b.Prevenção A vacinação pode prevenir a meningite provocada por Neisseria meningitidis. A meningite bacteriana Para as infecções bacterianas o tratamento deve ser o mais rápido possível. A vacina é utilizada em caso de ameaça de epidemia em comunidades fechadas (por exemplo. o tratamento mais usado é o seguinte: • • • • • S. Na impossibilidade de se conhecer o agente etiológico. influenzae: Ampicilina 12 g Estafilococos: ceftriaxona 4 g ou cloranfenicol L. que ajuda a prevenir a forma mais frequente de meningite na criança. o pessoal médico e outras pessoas em contacto directo com um doente infectado por Neisseria meningitidis devem também receber um antibiótico como a rifampicina ou a minociclina. pneumoniae: Penicilina G 24 milhões de unidades ou ampicilina 12g. uma base militar) ou em pessoas expostas de maneira repetida às bactérias. Para bactérias conhecidas. H. o tratamento empírico deve ser feito com uma cefalosporina de terceira geração mais vancomicina. Nos casos de resistência bacteriana recomendase o uso de cefalosporina ou vancomicina. pois a doença pode levar a morte ou a seqüelas neurológicas graves.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->