Você está na página 1de 19

€O

objecto da psicologia:
x O POLO INATO; x O POLO ADQUIRIDO.

tudo o que o organismo faz e que se pode observar. Comportamento: ‡São todos os actos e acções observáveis. . como correr e falar.Objecto da psicologia: ‡É o estudo científico do comportamento e dos estados mentais.

.

.Como se explica que nos comportemos de modo diferente dos outros? € .O que nos leva a ser e a comportarmo-nos de determinadas formas? € .O que é que nos torna Humanos? € .

.

.

. A maturação orienta o crescimento biológico do corpo e o desenvolvimento segundo padrões definidos pelo programa genético. bem como os seus comportamentos e personalidade.O pólo inato(natureza): Está ligado a forma de ver o ser humano e o seu comportamento determinado pelas suas características biológicas e corporais. As características inatas nascem connosco. Hereditariedade: É o património genético que define a constituição orgânica e psicológica dos indivíduos.

FREUD ‡ Afirma que existe duas pulsões inatas: a pulsão da vida. GESELL ‡ Assegura a existência de uma predisposição natural para o organismo se desenvolver. . por exemplo. Existe um conjunto de comportamentos estereotipados. Os comportamentos sucedem-se numa ordem determinada e o desenvolvimento e maturação estão predeterminados. ou seja. LORENZ ‡ Considera que o comportamento animal é instintivo. a auto-preservação do indivíduo e pulsões sexuais ou a pulsão da morte ² comportamentos agressivos.

a influência do meio ambiente. Somos fruto do que aprendemos e do ambiente em que vivemos . são exemplos das nossas experiências sociais e culturais que determinam a nossa forma de ser e de nos comportarmos.PÓLO ADQUIRIDO: A educação.

SKINNER ‡ Faz prevalecer a influência do meio da aprendizagem: o reforço assegura a repetição de uma acção. BANDURA ‡ Vê na observação e na imitação de modelos sociais a origem de muitos comportamentos humanos: aprendizagem por modelagem.WATSON ‡ Defende o behaviourismo: todo o comportamento humano é determinado pelo conjunto de respostas aprendidas a determinados estímulos. Somos o que o meio nos permite ser. .

genéticos. que possam contribuir de forma determinante para a compreensão das características e comportamentos manifestados pelos seres humanos. .€ Todos estes psicólogos negam a existência de factores biológicos.

pensar e agir. Envolve a noção de mudança abrupta ou aparecimento do que não existia antes e que passa a existir. . € A dicotomia entre a continuidade e a descontinuidade relaciona-se com a forma como diferentes autores vêem e explicam as transformações que as pessoas vão experimentando e as formas como vão determinando as suas maneiras de ser.Continuidade: diz respeito a tudo aquilo que continua a existir de modo semelhante ao que existia antes. Descontinuidade: aponta para o que não se mantém o mesmo.

encaram o desenvolvimento humano como ocorrendo numa sucessão de estágios ( forma de organizar. comportamentos. . Freud e Piaget defendem a descontinuidade. modos de pensar e sentir. com lógica própria. da integração nas novas aprendizagens de aprendizagens anteriores.Watson através da sua teoria behaviourista afirma que os nossos comportamentos evoluem do mais simples para os mais complexos . ou seja a transformações do comportamento partem da continuidade .

.

Alguns autores consideravam que a estabilidade era a principal característica do adulto. . No entanto. esta concepção está errada. elementos de mudança. uma vez que a principal característica dos seres humanos é a plasticidade que os acompanha ao longo da vida. Reconhecemos a comportamento como estabilidade nos tendo origem em elementos de comportamentos e nos estabilidade ou em modos de ser.A dicotomia entre Quando conhecemos bem estabilidade/mudança uma pessoa temos a diz respeito ao modo capacidade de prever os como diferentes seus comportamentos correntes foram vendo numa determinada a explicação do situação.

persistentes. . já que a personalidade constrói-se ao longo do tempo. Personalidade ± representa uma continuidade. mesmo quando estamos em contextos diferentes.A mudança acompanha-nos ao longo da vida. uma coerência e consistência no modo de ser e estar. Reconhecemo-nos e somos reconhecidos. Corresponde às características pessoais. dotadas de coerência interna. mas que não são estáticas.

No entanto o interior e o exterior estão em constante diálogo e interagem em cada momento por nós vivido. O externo tem sido relacionado com os estímulos que nos afectam. às cognições. Por outro lado. o que sabemos e o modo como agimos estão dentro e fora de nós em permanente reconstrução. às relações. ou seja. O que sentimos e o que pensamos. à situação. o pólo externo associa-se ao contexto. às emoções e aos pensamentos. .Ao longo da história da psicologia o pólo interno tem surgido ligado ao corpo e à sua biologia.

Contudo. No entanto o ser humano só atinge o seu estatuto de humanidade no contexto das interacções sociais. As concepções que se centram nos aspectos sociais radicam o carácter do ser humano na vivência social. reduzir o indivíduo à componente social é esquecer a capacidade de o ser humano se autoorganizar. .As concepções que se centram nos aspectos individuais sublinham as características humanas que remetem para o corpo capaz de se adaptar ao meio através dos comportamentos reflexos e das emoções básicas.

Ana Mendonça Nº3 € Ana Sousa Nº4 € Sónia Morais Nº27 € .