P. 1
04.01 Manual de Instrucao Para Licenciamento Ambiental

04.01 Manual de Instrucao Para Licenciamento Ambiental

|Views: 484|Likes:
Publicado porOneide Nascimento

More info:

Published by: Oneide Nascimento on Jun 17, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/12/2012

pdf

text

original

Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos SEMARH

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE FONTES POTENCIALMENTE POLUIDORAS
INDUSTRIAIS, AGROINDÚSTRIAS, PRESTADORES DE SERVIÇOS, SANEAMENTO BÁSICO, RESÍDUOS SÓLIDOS, AGRONEGÓCIOS E SIMILARES

GOIÂNIA – GO Agosto / 2010

Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH

2 __________________________________________________________________________________________

GOVERNO DE GOIÁS

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS - S E M A R H Roberto Gonçalves Freire
Secretário

SUPERINTENDENTE DE LICENCIAMENTO E MONITORAMENTO Neuzelides Maria Rebelo Fonseca
Bióloga / Analista Ambiental

SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS AMBIENTAIS Evangevaldo Moreira dos Santos
Superintendente

SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO Greide Ribeiro Junior
Superintendente

SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Adriane Antunes Rodrigues Cunha
Superintendente

APOIO TÉCNICO
GERÊNCIA DE CONTROLE DA POLUIÇÃO COORDENAÇÃO JURÍDICA DO LICENCIAMENTO DE OBRAS GERÊNCIA DE USO DO SOLO GERÊNCIA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE VISTORIA GERÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO

_________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS
11ª avenida nº 1272, setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. <www.semarh.goias.gvo.br – semarh@semarh.goias.gov.br>

Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH E L A B O R A Ç Ã O Osmar Mendes Ferreira
Engº Sanitarista / Analista Ambiental, Msc

3 __________________________________________________________________________________________

C O L A B O R A Ç Ã O
Cairo Pereira Xavier
Engº Civil / Assistente de Gestão Administrativa

Joseirton Nogueira Lima
Tecgº San. Ambiental/ Analista Ambiental.

Maria Telma Romeiro Rodrigues
Assistente de Gestão Administrativa

Pryscilla Teixeira Margon Jardim
Bacharel em Direito / Gestora Pública

Rodrigo Marciel Soares Dutra
Químico Industrial / Assistente de Gestão Administrativa

Ronaldo P. Araujo Junior
Técnico em Eletrotécnica / Est. de Engº Civil

Vilmar José de Queiroz
Tecgº San. Ambiental/ Analista Ambiental

Wendel José de Sousa Lopes
Engº Civil / Analista de Gestão Administrativa

3ª versão - Revisada e ampliada
Ferreira, Osmar Mendes. Instrução normativa para licenciamento ambiental de fontes potencialmente poluidoras - industriais, agroindústrias, prestadores de serviços, saneamento básico, resíduos sólidos, agronegócios e similares. Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos - SEMARH, 2010. 52 f: il; enc Referências Material de apóio a instrução processual Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos - SEMARH, 2009.
1. Mapa. 2. Hidrografia. 3. Competência. 4. Localização. 5. Fluxograma. 6. Documentações. 7. Responsabilidade técnica. 8. Descrição da atividade. 9. Apresentação de projeto. 10. Parâmetros. 11. Dispositivos de controle. 12. Definições. I. Título

_________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS
11ª avenida nº 1272, setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. <www.semarh.goias.gvo.br – semarh@semarh.goias.gov.br>

Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH S I N A L D E

4 __________________________________________________________________________________________

A

L E R

T A

[... Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada vez mais interdependente e frágil, o futuro enfrenta, ao mesmo tempo, grandes perigos e grandes promessas. Para seguir adiante, devemos reconhecer que, no meio da uma magnífica diversidade de culturas e formas de vida, somos uma família humana e uma comunidade terrestre com um destino comum. Devemos somar forças para gerar uma sociedade sustentável global baseada no respeito pela natureza, nos direitos humanos universais, na justiça econômica e numa cultura da paz. Para chegar a este propósito, é imperativo que nós, os povos da Terra, declaremos nossa responsabilidade uns para com os outros, com a grande comunidade da vida, e com as futuras gerações...] “ONU - CARTA DA TERRA”
_________________________________________________________________________________________________________________

Licenciamento ambiental é uma série de procedimentos legais pelo qual o órgão ambiental competente permite a localização, ampliação, e ou, operação de empreendimentos e atividades que utiliza recursos naturais, que possa efetiva ou potencialmente ser poluidoras ou causar degradação ambiental. Este processo não pode ser mecanizado ou tomado como um mero sistema matemático, diante da complexidade dos fatores que devem ser considerados. Cada caso é um caso, e requer um estudo de impacto específico, que toma por base modelos imprecisos, que geram previsões pouco confiáveis e precisam ser experimentadas. Sob pena de causar danos irreversíveis aos biomas e ecossistemas da região, como alagamentos ou contaminação de áreas específicas provocando desastres ambientais de grandes proporções numa outra área que aparentemente não tem ligação com aquele meio. É dessa delicada equação que depende o desenvolvimento necessário para a manutenção da raça humana e preservação do planeta. MOTTA, Isabella. Licenciamento ambiental Revista BIO – Nº 49. Publicação ABES/RJ, pag. 32 (out. dez, 2008)
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS
11ª avenida nº 1272, setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. <www.semarh.goias.gvo.br – semarh@semarh.goias.gov.br>

Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH SUMÁRIO CAPITULO - I MAPA DO ESTADO DE GOIÁS CAPITULO - II MAPA DA HIDROGRAFIA DE GOIÁS CAPITULO - III DAS COMPETÊNCIAS DAS GERÊNCIAS

5 __________________________________________________________________________________________

CAPITULO - IV CRITÉRIOS PARA IMPLANTAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO - ESCOLHA DA ÁREA CAPITULO - V FLUXOGRAMA DE ANÁLISE DO PROCESSO - GCP / GRS CAPITULO - VI DAS SOLICITAÇÕES E DOCUMENTAÇÕES PERTINENTES CAPITULO – VII MODALIDADES DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA CAPITULO – VIII DESCRIÇÃO DETALHADA DAS ATIVIDADES CAPITULO – IX ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL. CAPITULO - X PARÂMETROS QUE DEVEM CONSTAR NO PROJETO AMBIENTAL E SER LANÇADOS NO SISTEMA CAPITULO - XI DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE POLUIÇÃO CAPITULO - XII DEFINIÇÕES DE TERMOS TÉCNICOS

_________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS
11ª avenida nº 1272, setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. <www.semarh.goias.gvo.br – semarh@semarh.goias.gov.br>

setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.semarh.br> .gvo.br – semarh@semarh.goias.I MAPA DO ESTADO DE GOIÁS 6 __________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. <www.goias.gov.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH CAPITULO .

goias. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.II 7 __________________________________________________________________________________________ MAPA DA HIDROGRAFIA DE GOIÁS Fonte: IBGE (2009) _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. <www.gvo.br> .Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH CAPITULO .br – semarh@semarh.gov.goias.semarh.

Bacia do Paraná: tem como rio mais importante: Rio Paranaíba. Formosa e Cabeceiras em Goiás e também parte do Distrito Federal. Rio Tocantinzinho. Todos os rios que seguem na direção sul são afluentes do Rio Paranaíba.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 8 __________________________________________________________________________________________ Hidrografia A rede hidrográfica goiana é formada pelas bacias do Tocantins-Araguaia.627 km. Rio Corumbá e Rio Aporé (divisa com Mato Grosso do Sul). ao todo são 2.855 km de curso. percorre ao todo 2. Rio do Sono e Rio das Almas. percorre todo o estado e cerca de 500 km antes da fronteira com o Pará.nasce na Serra Dourada (região central) segue seu curso desaguando no oceano Atlântico bem próximo à foz do Rio Amazonas (território paraense). merecendo destaque o Rio São Marcos. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. margem esquerda: Rio Araguaia. Afluentes: Rio Claro. este nasce em Minas Gerais formando fronteira entre os estados. Rio Meia Ponte. Rio Araguaia . Rio Crixá-Açu e Rio Jacaré. Afluentes: margem direita: Rio Maranhão. Rio Tocantins . Paraná e São Francisco.goias.GO. Rio Vermelho.gov. Rio Jacaré. Bacia do Tocantins-Araguaia: composta por dois rios goianos de grande importância econômica. Rio Tocantins e Rio Araguaia. Rio Corrente. Rio Santa Teresa. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. originando-se em Formosa .br – semarh@semarh.nasce ao sul de Goiás.goias. Divide-se em dois braços formando a Ilha do Bananal (maior ilha fluvial do mundo com 20 Km²). Bacia do São Francisco: apresenta o Rio Preto como seu principal afluente. <www.br> .semarh.gvo. No Centro-Oeste brasileiro abrange terras dos municípios de Cristalina. Rio Manuel Alves.

l) Desenvolver atividades integradas com as demais gerências da SEMARH. d) Coordenar as ações de licenciamento das fontes potencialmente poluidoras. . j) k) Realizar vistorias para averiguar a complexidade do empreendimento licenciado a ser licenciado. e ou. e remetendo o processo a seu superior imediato (quando for o caso).Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH CAPITULO – III 1.GCP 9 __________________________________________________________________________________________ a) Responder por todos os atos desenvolvidos na Gerência de Controle de Poluição. <www. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.SLM.goias. c) Recepcionar os processos do licenciamento de fontes potencialmente poluidoras atribuídas a Gerência. e) Instruir os processos de licenciamento das fontes potencialmente poluidoras. ao setor respectivo.gvo. industriais. atribuídos a Gerência.GERÊNCIA DE CONTROLE DE POLUIÇÃO . resoluções. Manter sempre que necessário contato específico de natureza técnica com outras instituições públicas ou da iniciativa privada. efetuando despacho. i) Acompanhar e avaliar os serviços de vistorias técnicas realizados pelas Gerências de Vistoria (GVI) e Fiscalização (GFI).br> . em nome da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos . objetivando cumprir os procedimentos do licenciamento ambiental e os prazos de tramitação dos processos. podendo solicitar apóio das demais gerências da SLM. no âmbito de suas atribuições. agronegócios e similares. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. atribuídos a Gerência.1 . atribuídos a Gerência. objetivando aperfeiçoar e melhorar a conscientização dos utilizadores dos recursos ambientais.DAS COMPETÊNCIAS DAS GERÊNCIAS 1. prestando informações técnica em geral. m) Realizar outras atividades inerentes à sua área de atuação. conforme as atividades atribuídas a Gerência.semarh. saneamento básico. orientando os procedimentos vistoria e fiscalização. projetos de recuperação de passivos ambientais. saneamento básico. recebendo e analisando os laudos. comerciais e prestadores de serviços. emitindo seu parecer. e do resultado dessa recuperação dos passivos ambientais.SEMARH.gov. auditorias ambientais nos projetos licenciados pela GCP. dando encaminhamento aos processos de licenciamento conforme sua competência. conforme programação prévia. portarias e normas técnicas. h) Realizar ações integradas com as demais gerências da SLM. agronegócios e similares. industriais. submetendo-os ao Superintendente de Licenciamento e Monitoramento .goias. relativas às atividades agroindustriais. f) Avaliar o cumprimento dos quesitos especificados em leis. comerciais e prestadores de serviços.br – semarh@semarh. g) Realizar as avaliações dos projetos de controle da poluição ambiental e de suas eficiências. b) Fazer atendimento público e prestar esclarecimentos de ordem técnica quanto aos procedimentos do licenciamento ambiental da Gerência. relativas às atividades agroindustriais. conforme lhe for oportuno.

gov. c) Elaborar e manter atualizado diagnóstico da disposição do lixo dos municípios goianos.goias.br> .br – semarh@semarh. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.goias. resoluções e outras ligadas à resíduos sólidos. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. no âmbito de suas atribuições Atividades correlatas. juntamente com Superintendência de Saneamento da Secretaria das Cidades.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 1. d) Realizar o inventário dos resíduos sólidos do parque industrial de Goiás. e) Dar suporte técnico às atividades ligadas a resíduos sólidos.semarh.GERÊNCIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS . b) Propor regulamento e termos de referência para licenciamento ambiental dos projetos de tratamento e disposição de resíduos sólidos e correlatos. g) Promover políticas de redução da Geração de Resíduos Sólidos. f) Auditar o cumprimento das leis. <www.2 . i) j) Desenvolver atividades integradas com as demais gerências da SEMARH.gvo. h) Criar o Sistema de Informação de Resíduos Sólidos.GRS 10 __________________________________________________________________________________________ a) Coordenar a implementação da política estadual de resíduos sólidos.

_________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. DE 20 DE AGOSTO DE 1980 DO MINISTÉRIO DO INTERIOR. QUE POSSIBILITAM A INTERVENÇÃO OU SUPRESSÃO DE VEGETAÇÃO EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE APP.br> . DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO – ZONA DE AMORTECIMENTO. DECRETOS Nº 5. RESOLUÇÃO 369 (CONAMA. CRIA ÁREAS DE SEGURANÇA AEROPORTUÁRIA – PARA AERÓDROMOS.br – semarh@semarh. 2001) E 6. DE UTILIDADE PÚBLICA. 2005) (BACIA DO RIO MEIA PONTE).gvo. PORTARIA / GM / Nº 124. NUM RAIO DE 10 (DEZ) QUILÔMETROS. RESOLUÇÃO 013 (CONAMA. AS DISTÂNCIAS MÍNIMAS ENTRE ESTA E O CURSO D’ÁGUA MAIS PRÓXIMO – RESPEITAR AS FAIXAS DAS APPs . UNIDADES DE CONSERVAÇÃO. DE 04 DE MARÇO DE 1995. RESOLUÇÃO 004 (CONAMA.gov. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.IV 11 __________________________________________________________________________________________ 1 CRITÉRIOS PARA IMPLANTAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO . 1990). DE ATIVIDADES DE NATUREZA PERIGOSA QUE SIRVAM COMO FOCO DE ATRAÇÃO DE AVES: 20 km DE BASES AÉREAS MILITARES.semarh.210 (GOIÁS. AGÊNCIA AMBIENTAL (SEMARH).goias.496 (GOIÁS. AS RECOMENDAÇÕES DAS LEIS DE USO DO SOLO. PROIBINDO A IMPLANTAÇÃO.ESCOLHA DA ÁREA RESPEITAR AS DISTÂNCIAS MÍNIMAS EXIGIDAS EM LEI ESPECÍFICA.LEI FLORESTAL DO ESTADO DE GOIÁS Nº 12.goias. RECOMENDAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA E DEMAIS LEGISLAÇÕES PERTINENTES. PORTARIA Nº 01/2002-N. NESTAS ÁREAS. <www.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH CAPITULO . OBSERVAR OS TERMOS LEGAIS ESPECIFICADOS NESSA RESOLUÇÃO. CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES E POSTURA DO MUNICÍPIO. E OU. 1995). INTERESSES SOCIAIS OU BAIXOS IMPACTOS AMBIENTAIS. OBSERVAR AINDA.ETE. NA LOCAÇÃO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO URBANO .593/1995 – SÓ É VALIDO PARA ESSES CASOS. DE 02 DE JANEIRO DE 2002.596. PARA LOCALIDADES QUE ESTEJAM NA INFLUÊNCIA DE ÁREAS DE PARQUES. REGULAMENTADA PELO DECRETO Nº 4. DISPÕE SOBRE OS CASOS EXCEPCIONAIS. 2006). 13 km DE AEROPORTOS. DISPÕE SOBRE A ÁREA CIRCUNDANTE.

GFI Gerência de Vistoria ou Fiscalização GCP Recebimento do processo na GCP da Fiscalização ou VISTORIA Distribuidor do processo na GCP Distribuidor do processo na GCP – ANÁLISE TÉCNICA – DOCUMENTAL E PARÂMETROS: Analista Ambiental. SEMARH PROCESSO APTO PROCESSO NÃO APTO SOLICITAR VISTORIA Apresentar a descrição das análises técnica e as recomendações para vistoria.goias. COBRANÇA.Parâmetros e .semarh. GAIA.goias. Licença elaborada Encaminhada para Análise Jurídica Anexar pendências .gov.SEMARH - VISTORIA Analista Ambiental e Técnicos da SEMARH Análise e elaboração da licença com as condicionantes Atribuição: Analista Ambiental. NGEO.br – semarh@semarh. PROJETO: Analista ambiental .Documentos.Projetos Fazer notificação GCP . assinar Licença Devolução para o PROTOCOLO. <www. GAP.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 12 __________________________________________________________________________________________ CAPITULO – V FLUXOGRA DE ANÁLISE DO PROCESSO G C P / GRS Protocolo Recebimento do processo na GV. Técnicos e Estagiários. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. e ou.gvo. .br> . Aguardar atendimento das pendências Anexar novas pendências Fazer notificação Licença assinada Encaminhar para o PROTOCOLO entregar ao empreendedor _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.Conferir e Encaminhar para a GMA. GUS. GFF. SEGER. ASJ.

Licença de funcionamento (LF) 7.dispõe sobre o Licenciamento Ambiental dos projetos dos sistemas de disposição dos resíduos sólidos urbanos em aterro sanitário (modalidade Aterro Simplificado) nos municípios do Estado de Goiás.br – semarh@semarh. Licenciamento para prestação de serviços de transporte de resíduos especiais ou de produtos perigosos.br> . Parecer técnico (PT) 2. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010 – Dispõe sobre licenciamento de sistemas de abastecimento de água e sistemas de esgotamento sanitário. no Estado de Goiás. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 05 / 2010 . Licença de funcionamento de ampliação (LF) 9. Data 08/01/2009. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.ATRE e Certificado de Destinação de Resíduos Especial – CDRE. Documentos solicitados pelo gerador do resíduo. de bens e serviços./AGMA – dispõe sobre o licenciamento de criação de suínos em sistema de confinamento em granja de suinocultura.goias.VI 1 SOLICITAÇÕES E DOCUMENTAÇÕES PERTINENTES 1.gov./AGMA – dispõe sobre o licenciamento ambiental de indústria de preparação e curtimento de couros e correlatos. Data 30/11/2006 Portaria Nº 074/2006 – PRES. conforme as referencias legais dadas pelas portarias: Portaria Nº 084/2005 GAB-PRES. Portaria Nº 142/2008 – SEMARH – dispõe sobre o licenciamento ambiental da criação de animais em sistema de confinamento – avicultura e correlatos. Autorização de Transporte de Resíduos Especiais . Portaria Nº 001/2009 – SEMARH . <www.dispõe sobre gerenciamento e disposição final dos resíduos sólidos gerados em unidades de produção industrial. Data 15/02/2006 Portaria Nº 064/2006 – PRES.dispõe sobre a autorização para o transporte de Resíduos Especiais e a emissão do Certificado de Destinação de Resíduos Especiais no território do Estado de Goiás. Licença de instalação (LI) 10. Renovação da licença de funcionamento (LF) 11. Data 28/12/2006. Registro / licenciamento (RL) 4. Data 25/11/2005 Portaria Nº 007/2006 – PRES. que tenha licenciamento ambiental. 1. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/ 2010 ./AGMA – dispõe sobre o prazo de validade da licença de funcionamento para empreendimento e atividades detentoras de Sistema de Gestão Ambiental – SGA certificado. assim como os provenientes de atividades minero industriais no Estado de Goiás. Documento solicitado pela empresa transportadora. VALIDADE DAS LICENÇAS E AUTORIZAÇÕES Deve ser observada a especificidade da atividade a ser licenciado por tipologia. Licença de Funcionamento Precária 13.gvo./AGMA – dispõe sobre o licenciamento ambiental das unidades de revenda varejista de combustível líquido derivados de petróleo. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.goias. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/ 2010 .Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 13 __________________________________________________________________________________________ CAPITULO . Declaração de dispensa de licenciamento 12. Licença ambiental simplificada (LAS) 8. 14.dispõe sobre autorização para prestadores de serviços na modalidade de transporte de resíduos especiais no território do Estado de Goiás.1 REQUERIMENTO E SOLICITAÇÃO 1.semarh. Licença de instalação de ampliação (LI) 3. Licença prévia (LP) 6. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2010 . Renovação da Licença de instalação (LI) 5. Data 05/12/2008.2 PORTARIAS. álcool e outros combustíveis automotivos e correlatos.dispõe sobre os prazos das licenças ambientais no Estado de Goiás.

d) Pessoa jurídica “cópia do cadastro da empresa”. 1.º 005/2001-N (AGMA/SEMARH). g) Descrição detalhada das atividades .goias. f) Descrição detalhada das atividades . se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos). setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. c) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais – DARE).MCE. Quando elaborado por consultoria. Quando elaborado por consultoria.gvo.3. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.Memorial de Caracterização do Empreendimento – MCE. Quando elaborado e assinado pelo responsável técnico da empresa e empreendedor – apresentar a ARTA. apresentar a ART ou ARTA. d) Cópia da certidão do registro do imóvel.Memorial de Caracterização do Empreendimento .3 DOCUMENTOS GERAIS BÁSICOS 1. f) Publicações originais do pedido de licenciamento (resolução CONAMA 006/1986).goias. se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos). h) Pessoa jurídica “cópia do cadastro de microempresa” – quando aplicável. 1.semarh. e) Croqui de localização e acesso ao local. e) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE).1 Parecer técnico (PT) 14 __________________________________________________________________________________________ a) Requerimento modelo da SEMARH.3. quando o empreendimento estiver em zona rural. e) Pessoa física “cópia do RG/CPF”.gov. <www. c) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE). b) Procuração pública ou particular com firma reconhecida. f) Croqui de localização e acesso ao local. com a descrição do objeto solicitado.3 Licença prévia (LP) a) b) c) d) Requerimento modelo da SEMARH. apresentar a ART ou ARTA. se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos).2 Registro / licenciamento (RL) a) Requerimento modelo da SEMARH. com a descrição do objeto solicitado. Pessoa física “cópia do RG/CPF”. g) Cadastro de consumidor de lenha – específico para consumidor de lenha – quando aplicável. quando o empreendimento estiver em zona rural.br – semarh@semarh. i) Pessoa física “cópia do RG/CPF”. OBS: Atividades que se enquadram na Portaria N.br> .Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 1. referente a área do empreendimento. Pessoa jurídica “cópia do cadastro da empresa”. Quando elaborado e assinado pelo responsável técnico da empresa e empreendedor – apresentar a ARTA. Procuração pública ou particular com firma reconhecida. b) Procuração pública ou particular com firma reconhecida.3. com averbação da reserva legal (quando situado em zona rural). com a descrição do objeto solicitado.

resíduos sólidos. j) Outorga de uso da água emitida pela Superintendência de Recursos Hídricos da SEMARH. para a fonte de captação d’água. quando o empreendimento estiver em zona rural.br – semarh@semarh. c) Pessoa física “cópia do RG/CPF”. apresentar a ART ou ARTA. k) Certidão de uso do solo.4 Licença ambiental simplificada (LAS) a) Requerimento modelo da SEMARH. j) Descrição ambiental prévio da área de implantação do projeto (recursos hídricos. b) Pessoa jurídica.goias. em conformidade com as atribuições do profissional. quando o empreendimento estiver em zona rural.br> .3. com a descrição do objeto solicitado e com os quadros de áreas atualizados. emitida pala Prefeitura Municipal para o local e o tipo de empreendimento ou atividade a ser instalada em conformidade com o Plano Diretor “Lei de Zoneamento do Município”.gov. h) Croqui de localização e acesso ao local. atributos com a vizinhança. com averbação da reserva legal (quando situado em zona rural). ruídos. referente a área do empreendimento. com Anotação de Responsabilidade Técnica . m) Descrição detalhada das atividades . emissões atmosféricas. que contemple o controle da poluição ambiental (tratamento de resíduos líquidos.gvo. Contrato Social ou similar e última Alteração. g) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE). ressalvado os casos de empreendimentos e atividades que exijam a elaboração de EIA/RIMA.Memorial de Caracterização do Empreendimento – MCE. apresentar a ART ou ARTA. Quando elaborado por consultoria. Quando elaborado e assinado pelo responsável técnico da empresa e empreendedor – apresentar a ARTA.Memorial de Caracterização do Empreendimento – MCE. i) Anuência do órgão responsável pelo serviço de saneamento público – específica para o lançamento de efluentes líquidos na rede pública de esgotamento sanitária. l) Croqui de localização e acesso ao local. n) Projeto ambiental específico da atividade em licenciamento. emitida pala Prefeitura Municipal para o local e o tipo de empreendimento ou atividade a ser instalada em conformidade com o Plano Diretor “Lei de Zoneamento do Município”. d) Cópia da certidão do registro do imóvel. Obs: Outras atividades que se enquadram no LAS descrito nas Portarias Nºs 006/2001-N e Nº 008 / 2002-N – LAS (AGMA/SEMARH). Para abastecimento direto da rede pública. Inscrição Estadual + Cartão CNPJ. etc).Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 15 __________________________________________________________________________________________ g) Certidão de uso do solo.semarh.goias. f) Pessoa jurídica “cópia do cadastro de microempresa” – quando aplicável. 1. e) Procuração pública ou particular com firma reconhecida. Quando elaborado e assinado pelo responsável técnico da empresa e empreendedor – apresentar a ARTA. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.ART do responsável pela elaboração de projeto. vibrações e outros passivos ambientais). <www. h) Cadastro de consumidor de lenha – específico para consumidor de lenha – quando aplicável. Quando elaborado por consultoria. i) Descrição detalhada das atividades . apresentar tarifa referente a esse abastecimento. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos).

apresentar a _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. g) Publicações originais do pedido de licenciamento (resolução CONAMA 006/1986).1 Renovação da Licença ambiental simplificada (LAS) 16 __________________________________________________________________________________________ a) Requerimento modelo da SEMARH.3. Quando elaborado e assinado pelo responsável técnico da empresa e empreendedor – apresentar a ARTA. j) Outorga de uso da água atualizada – se for o caso. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.br> . se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos). <www. O relatório deve estar assinado e anotado em seu conselho de classe. g) Pessoa jurídica “cópia do cadastro de microempresa” atualizada – quando aplicável.384 (GOIÁS.goias. referente a área do empreendimento. h) Croqui de localização e acesso ao local. apresentar tarifa referente a esse abastecimento.gvo. f) Última Alteração Contratual. se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos). apresentar tarifa referente a esse abastecimento.3.semarh. 1.ART (profissional inscrito no CREA) e ARTA para funcionário da empresa e ou profissionais de outras categorias.br – semarh@semarh. quando o empreendimento estiver em zona rural.5 Licença de instalação (LI) a) Requerimento modelo da SEMARH. Para abastecimento direto da rede pública. Observar ainda. k) Relatório técnico de monitoramento ambiental. h) Anuência do órgão responsável pelo serviço de saneamento público – específica para o lançamento de efluentes líquidos na rede pública de esgotamento sanitária.4. Para abastecimento direto da rede pública. para a fonte de captação d’água. j) Certidão de uso do solo. d) Cópia da certidão do registro do imóvel. as recomendações dos licenciamentos ambientais obtidos. quando o empreendimento estiver em zona rural. k) Croqui de localização e acesso ao local. i) Outorga de uso da água emitida pela Superintendência de Recursos Hídricos da SEMARH.Memorial de Caracterização do Empreendimento – MCE. b) Comprovante de quitação da Taxa Fiscalização Ambiental – TFAGO LEI 14. e) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE). Contrato Social ou similar e última Alteração. emitida pala Prefeitura Municipal para o local e o tipo de empreendimento ou atividade a ser instalada em conformidade com o Plano Diretor “Lei de Zoneamento do Município”. c) Pessoa física “cópia do RG/CPF”. Quando elaborado por consultoria. d) Procuração pública ou particular com firma reconhecida.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 1. com a descrição do objeto solicitado e com os quadros de áreas atualizados. com averbação da reserva legal (quando situado em zona rural). juntando ao processo . f) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE). Contemplar neste relatório as avaliações dos programas de monitoramento. com a descrição do objeto solicitado e com os quadros de áreas atualizados. Inscrição Estadual + Cartão CNPJ.gov. 2002). b) Pessoa jurídica. l) Descrição detalhada das atividades . e) Procuração pública ou particular com firma reconhecida. c) Apresentar a cópia do ultimo licenciamento obtido. caso tenha ocorrido. i) Cadastro de consumidor de lenha atualizado – específico para consumidor de lenha.goias.

referente a área do empreendimento. que contemple o controle da poluição ambiental. com averbação da reserva legal (quando situado em zona rural).gvo. se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos). com a descrição do objeto solicitado e com os quadros de áreas atualizados. c) Procuração pública ou particular com firma reconhecida. f) Cadastro de consumidor de lenha – específico para consumidor de lenha. b) Apresentar a cópia da ultima licença de instalação obtida. d) Última Alteração Contratual. em conformidade com as atribuições do profissional. m) Projeto ambiental específico da atividade em licenciamento. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. ruídos. g) Croqui de localização e acesso ao local. ruídos. emitida pela Prefeitura Municipal para o local e o tipo de empreendimento ou atividade a ser instalada em conformidade com o Plano Diretor “Lei de Zoneamento do Município”. com Anotação de Responsabilidade Técnica .goias.semarh.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 17 __________________________________________________________________________________________ ART ou ARTA. f) Publicações originais do pedido de licenciamento (resolução CONAMA 006/1986). emissões atmosféricas.1 Licença de instalação de ampliação (LI) a) Requerimento modelo da SEMARH. 1.3. g) Procuração pública ou particular com firma reconhecida. se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos). com a descrição do objeto solicitado e com os quadros de áreas a atualizadas separadamente . b) Pessoa jurídica. que contemple o controle da poluição ambiental (tratamento de resíduos líquidos. k) Certidão de uso do solo da área a ser ampliada (para terreno anexo ao atual parque industrial).br – semarh@semarh. vibrações e outros passivos ambientais). quando existir (tratamento de resíduos líquidos. relativo à parte já em operação que tem vencimento anual. i) Publicações originais do pedido de licenciamento (resolução CONAMA 006/1986) da área a ser ampliada. com Anotação de Responsabilidade Técnica . e) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais – DARE).5.3. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. c) Pessoa física “cópia do RG/CPF”. <www. resíduos sólido.ART do responsável pela elaboração de projeto. em conformidade com as atribuições do profissional. quando o empreendimento estiver em zona rural. d) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE).existentes e a ser ampliada. e) Apresentar a cópia da ultima licença de instalação obtida. j) Croqui de localização e acesso ao local. h) Cópia da certidão do registro do imóvel. Contrato Social ou similar e última Alteração. Inscrição Estadual + Cartão CNPJ. emissões atmosféricas.goias.ART do responsável pela elaboração de projeto. 1. resíduos sólidos. quando o empreendimento estiver em zona rural. vibrações e outros passivos ambientais).gov.br> .2 Renovação da Licença de instalação (LI) a) Requerimento modelo da SEMARH. caso tenha ocorrido. l) Reavaliação do projeto ambiental específico da atividade em licenciamento.5.

3. c) Pessoa jurídica. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. Contrato Social ou similar e última Alteração. Contemplar neste relatório as avaliações dos programas de monitoramento.3.384 (GOIÁS. Contrato Social ou similar e última Alteração. h) Croqui de localização e acesso ao local. b) Pessoa jurídica.gov. as recomendações dos licenciamentos ambientais obtidos. j) Outorga de uso da água atualizada – se for o caso. 2002). Para abastecimento direto da rede pública.ART (profissional inscrito no CREA) e ARTA para funcionário da empresa e ou profissionais de outras categorias. b) Comprovante de quitação da Taxa Fiscalização Ambiental – TFAGO. 2002).1 Licença de funcionamento de ampliação (LF) a) Requerimento modelo da SEMARH. as recomendações dos licenciamentos ambientais obtidos. quando o empreendimento estiver em zona rural. juntando ao processo . Inscrição Estadual + Cartão CNPJ. d) Pessoa física “cópia do RG/CPF”.384 (GOIÁS.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 1. se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos). apresentar tarifa referente a esse abastecimento. com a descrição do objeto solicitado e com os quadros de áreas atualizados. O relatório deve estar assinado e anotado em seu conselho de classe. juntando ao processo . i) Cadastro de consumidor de lenha atualizado – específico para consumidor de lenha. j) Relatório técnico de monitoramento ambiental. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. e) Apresentar a cópia da licença de instalação (para o objeto da licença de funcionamento). com a descrição do objeto solicitado e com os quadros de áreas atualizadas . h) Publicações originais do pedido de licenciamento (resolução CONAMA 006/1986).ART (profissional inscrito no CREA) e ARTA para funcionário da empresa e ou profissionais de outras categorias.semarh. Contemplar neste relatório as avaliações dos programas de monitoramento. quando o empreendimento estiver em zona rural. g) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE). f) Procuração pública ou particular com firma reconhecida. lei 14. g) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE).goias. Observar ainda. k) Croqui de localização e acesso ao local. Observar ainda. O relatório deve estar assinado e anotado em seu conselho de classe.br – semarh@semarh. <www. 1.br> . f) Procuração pública ou particular com firma reconhecida.gvo. c) Comprovante de quitação da Taxa Fiscalização Ambiental – TFAGO LEI 14. Inscrição Estadual + Cartão CNPJ. e) Apresentar a cópia da licença de instalação (para a solicitação da 1ª licença de funcionamento).goias. se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos).6. i) L Publicações originais do pedido de licenciamento (resolução CONAMA 006/1986) para funcionamento da ampliação. l) Relatório técnico de monitoramento ambiental. d) Pessoa física “cópia do RG/CPF”.6 Licença de funcionamento (LF) 18 __________________________________________________________________________________________ a) Requerimento modelo da SEMARH.destacando a parte ampliada.

Observar ainda. lei 14. etc. juntando ao processo . 2002). planilha de dimensionamento e o caderno de execução. b) Comprovante de quitação da Taxa Fiscalização Ambiental – TFAGO.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 1. apresentar tarifa referente a esse abastecimento.4 Licenciamento para a Instalação de galeria de águas pluviais . emitida pela Prefeitura Municipal em conformidade com o Plano Diretor “Lei de Zoneamento do Município”. avenidas. d) Procuração pública ou particular com firma reconhecida. se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos).).goias. Contemplar neste relatório as avaliações dos programas de monitoramento. 1. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. estendendo a área de lançamento especificando o local). e) Última Alteração Contratual. Observar as diretrizes especificadas pelas Normas Brasileiras Registradas .PBE juntamente com o Relatório de Drenagem Pluvial .gov. Bairro. g) Publicações originais do pedido de licenciamento (resolução CONAMA 006/1986).goias. b) Publicações originais do pedido de licenciamento (resolução CONAMA 006/1986). i) Outorga de uso da água atualizada – se for o caso. quando o empreendimento estiver em zona rural. setor. j) Croqui de localização e acesso ao local. k) Relatório técnico de monitoramento ambiental. caso tenha ocorrido.RDP (Assinado e com a ART) do sistema de drenagem urbana. se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos). as distâncias dos trechos das obras e obrigatoriamente o projeto do dissipador de energia (ponto de lançamento) no final da rede. c) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE).semarh. O relatório deve estar assinado e anotado em seu conselho de classe.NBRs”.5 . <www.br> . e) Procuração pública ou particular com firma reconhecida.“DRENAGEM URBANA” a) Requerimento modelo da SEMARH.2 Renovação da licença de funcionamento (LF) 19 __________________________________________________________________________________________ a) Requerimento modelo da SEMARH. com a descrição do objeto (extensão das obras e serviços).6. f) Apresentar o Projeto Básico e Executivo . h) Cadastro de consumidor de lenha atualizado – específico para consumidor de lenha. c) Apresentar a cópia da ultima licença de funcionamento.ART (profissional inscrito no CREA) e ARTA para funcionário da empresa e ou profissionais de outras categorias. f) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE).Sistemas de abastecimento de água e sistemas esgotamento sanitário INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2010 _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.gvo. d) Certidão de uso do solo (específica para a execução das galerias de água pluvial. as recomendações dos licenciamentos ambientais obtidos.3. com a descrição do objeto solicitado e com os quadros de áreas atualizados. 1. Deve conter os pontos de referência da execução da obra (ruas.br – semarh@semarh.384 (GOIÁS. Para abastecimento direto da rede pública.

da área de implantação de reservatórios e elevatórias. c. com a descrição das obras e serviços objeto do licenciamento.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 1. Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE). 3º Estabelecer procedimentos para licenciamento ambiental das unidades dos Sistemas de captação e tratamento de água com Procedimento Simplificado – LAPS nas modalidades de Licença de: Instalação . Projeto Básico Executivo – PBE e Plano de Controle Ambiental – PCA (Assinado e com a ART).5.semarh.O valor a ser cobrado como contraprestação pelo serviço descrito no caput desse artigo será correspondente a 30 (trinta) UPC’s para LI e 30 (trinta) UPC’s para LO totalizando 60 (sessenta) UPC’s para a LIO. desde que estejam associadas a estações de tratamento licenciadas ou com licenciamento em curso e com capacidade para receber a nova demanda.544 (Goiás. g. Croqui de localização e acesso ao local. caso necessário (quando não for tratado pelo titular – prazo de validade de dois anos). 1978) regulamentada pelo Decreto 1. f. Procuração pública.Documentações necessárias a. b I . não poderão entrar em operação sem as respectivas estações de tratamento de esgoto. Requerimento modelo da SEMARH.5.745 (Goiás.Abastecimento de água e esgotamento sanitário .goias. definido pela Lei 8.1 .2 . Atestado de Viabilidade Técnica Operacional – AVTO. Cópia da certidão do registro do imóvel ou similar. cuja concessão do serviço for do poder público (SANEAGO ou Prefeitura). As unidades que tratam esse parágrafo.br – semarh@semarh.goias. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. h. Quando o projeto/serviço for realizado/executado por terceiro.Estabelecer procedimentos para a Licença Ambiental Única de Instalação e Operação – LIO. Ampliação de interceptores e emissários dos sistemas de esgotamento sanitário (instaladas fora de unidades de conservação e APP’s). a Captação superficial direta com barragem de nível cuja vazão seja superior a 20% (vinte por cento) da vazão mínima da fonte de abastecimento no ponto de captação e adutora de água bruta. <www.Sistemas de abastecimento de água Art. b.br> . e. § 2º .LIO 20 __________________________________________________________________________________________ Art. Certidão de uso do solo para a obra requerida em conformidade com o Plano Diretor “Lei de Zoneamento do Município”. quando o empreendimento estiver em zona rural. nos Artigo 93.gov. para implantação e operação das seguintes unidades: § 1º.LI e Licença de Funcionamento – LF.Sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário de baixo impacto ambiental. assim definido: Parágrafo único . 1.gvo. 1979). d.Captação de água indireta com barragem para projetos com lamina d’água _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. 2º .

I . I . III.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 21 __________________________________________________________________________________________ inferior a 100 (cem) hectares. Quando o projeto/serviço for realizado/executado por terceiro. da área de implantação da obra requerida. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. a b c d e f g Requerimento modelo da SEMARH. com a descrição das obras e serviços objeto do licenciamento. Certidão de uso do solo para a obra requerida em conformidade com o Plano Diretor “Lei de Zoneamento do Município”. adutora de água bruta e Estação de Tratamento de Água ETA com vazão igual ou superior a 500L/s. com a descrição das obras e serviços. Projeto Básico Executivo .Documentações necessárias. caso necessário (quando não for tratado pelo titular – prazo de validade de dois anos). cuja concessão do serviço for do poder público (SANEAGO ou Prefeitura). Certidão de uso do solo para a obra requerida em conformidade com o Plano Diretor “Lei de Zoneamento do Município”.PBE e Relatório Ambiental Simplificado – RAS.Para a expedição da licença de funcionamento.LI e Licença de Funcionamento – LF. da área de implantação da fonte de captação de água e da ETA. adutora de água bruta e Estação de Tratamento de Água ETA com vazão inferior a 500L/s. Publicações do pedido de licenciamento (resolução CONAMA 006/1986). II.Para a expedição da licença de instalação. b e c”. Outorga de uso da água. Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE). Art. Croqui de localização e acesso ao local. apresentar os itens “a. Procuração pública.goias. caso necessário (quando não for tratado pelo titular – prazo de validade de dois anos). Procuração pública.br – semarh@semarh. assim definido: Parágrafo único .gvo.br> . 4º Estabelecer procedimentos para licenciamento ambiental das unidades dos Sistemas de captação e tratamento de água nas modalidades de: Licença Previa – LP.Captação de água indireta com barragem para projetos com lamina d’água superior a 100 (cem) hectares.semarh. a b c d e f g h i j Requerimento modelo da SEMARH. Cópia da certidão do registro do imóvel ou similar.gov. <www. Croqui de localização e acesso ao local. quando o empreendimento estiver em zona rural. Edital de comunicação da resolução CONAMA 006/1986.Documentações necessárias. Atestado de Viabilidade Técnica Operacional – AVTO. quando o empreendimento estiver em zona rural. Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE). Cópia da certidão do registro do imóvel ou similar. Licença Instalação .goias. apresentar os itens “a ao i”.

apresentar os itens “a. II .br> . § 2º . Quando o projeto/serviço for realizado/executado por terceiro.Para a expedição da licença Prévia da Captação/ Barragem. apresentar os itens “a. são consideradas de grande porte.3 . assim definido: § 1º .Estações Elevatórias de Esgoto .000 habitantes. c. IV . V .goias. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. h. Unidades cuja capacidade seja superior aos valores citados nas alíneas “c e d”. Plano de Gestão Ambiental – PGA. h e j”. g. emissários e estações elevatórias de esgoto com vazão nominal de projeto maior do que 200 L/s e menor ou igual a 1. tratamento e disposição de esgoto sanitário. c. emissários e respectivas estações elevatórias de esgoto com vazão nominal de projeto menor ou igual a 200 L/s. b e c”. c. e. <www. Atestado de Viabilidade Técnica Operacional – AVTO.000 e inferior a 250. b. b. para execução da obra da adutora de água bruta e construção da ETA. 1.LI e Licença de Funcionamento – LF.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH h i j 22 __________________________________________________________________________________________ k l Outorga de uso da água.Para a expedição da licença Prévia da ETA.Para a expedição da licença de instalação da Captação/ Barragem. e k”. os itens “a. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. Estudo de Impacto Ambiental – EIA e Relatório de Impacto Ambiental – RIMA para a captação de água indireta em curso d’água de projetos com lamina d’água superior a 100 (cem) hectares. d.EEE.PBE (Assinado e com a ART).Sistemas de esgotamento sanitário Art. III . g. apresentar os itens “a ao f”. apresentar os itens “a ao f. cuja concessão do serviço for do poder público (SANEAGO ou Prefeitura).Define a magnitude do porte do empreendimento: a. b. Unidades de transporte de esgoto de médio porte: interceptores. 5º – Estabelecer procedimentos para o licenciamento ambiental das unidades de coleta.000 habitantes.Para a expedição da licença de funcionamento.semarh. i e k”.goias. transporte. Unidades de tratamento de esgoto de pequeno porte: estação de tratamento de esgoto com vazão nominal de projeto menor ou igual a 50 L/s ou com capacidade para atendimento até 30. Estação de Tratamento de Esgoto – ETE.gov. Interceptor e Emissário de pequeno e médio porte. VI . Unidades de tratamento de esgoto de médio porte: estação de tratamento de esgoto com vazão nominal de projeto maior que 50 L/s e menor ou igual a 400 L/s ou com capacidade para atendimento superior a 30. Projeto Básico Executivo .Para a expedição da licença de instalação da ETA.5.br – semarh@semarh.gvo.000 L/s. terão licenciamento Ambiental com Procedimento Simplificado – LAPS nas modalidades de Licença de: Instalação . Unidades de transporte de esgoto de pequeno porte: interceptores.

h e i”. <www. c. Publicações do pedido de licenciamento (resolução CONAMA 006/1986). terão Licenciamento Ambiental nas modalidades de: Licença Previa . c. Projeto Básico Executivo . h.Para a expedição da licença Prévia.gov.Documentações necessárias para unidades de grande porte. Cópia da certidão do registro do imóvel ou similar. Publicações do pedido de licenciamento (resolução CONAMA 006/1986). Croqui de localização e acesso. Certidão de uso do solo em conformidade com o Plano Diretor ”Lei de Zoneamento do Município”. a. § 3º . Procuração pública. f. I . b e c”. Requerimento modelo da SEMARH. j. com a descrição das obras e serviços.Para a expedição da licença de instalação. b e c”. d. Plano de Gestão Ambiental – PGA e Estudo de Impacto de Vizinhança – EIV e Relatório de Impacto de Vizinhança – RIV. caso necessário (quando não for tratado pelo titular – prazo de validade de dois anos). Cópia da certidão do registro do imóvel ou similar”.goias. Quando o projeto/serviço for realizado/executado por terceiro.gvo. apresentar os itens “a. e. a. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. b.semarh. Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais . apresentar os itens “a ao f”.br – semarh@semarh. Croqui de localização e acesso. apresentar os itens “a. II .Documentações necessárias para unidades de pequeno e médio porte.PBE (assinado e com a ART).Para a expedição da licença de instalação. Certidão de uso do solo em conformidade com o Plano Diretor ”Lei de Zoneamento do Município”.Para a expedição da licença de funcionamento.goias. apresentar os itens “a. cuja concessão do serviço for do poder público (SANEAGO ou Prefeitura). apresentar os itens “a ao j”.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 23 __________________________________________________________________________________________ I . Projeto Básico Executivo . c. Estação de Tratamento (ETE). Atestado de Viabilidade Técnica Operacional – AVTO. cuja concessão do serviço for do poder público (SANEAGO ou Prefeitura).LP.DARE). b. IV . b. Interceptor e Emissário de Grande Porte. j.Para a expedição da licença de funcionamento. g. d.Estação Elevatória Esgoto (EEE). Licença de Instalação . _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. g. i. e. Requerimento modelo da SEMARH. Relatórios Ambientais Simplificados e de Impacto de Vizinhança – RAS e RIV.LI e Licença de Funcionamento – LF. i. com a descrição das obras e serviços. II . g. Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE). Procuração pública. III . Atestado de Viabilidade Técnica Operacional – AVTO. caso necessário (quando não for tratado pelo titular – prazo de validade de dois anos).PBE (assinado e com a ART). III .br> . h. f. Quando o projeto/serviço for realizado/executado por terceiro.

5.semarh.Licenciamento para transportadora de resíduos especiais ou produtos perigosos INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2010 Art.goias. cuja vazão seja inferior a 20% (vinte por cento) da vazão mínima da fonte de abastecimento no ponto de captação. Unidades pré-existentes instaladas e em operação: rede coletora de esgoto. desde que outorgadas pelo órgão competente com a indicação da grandeza do uso. V.gvo. 6º . <www. desde que estejam associadas a estações de tratamento licenciadas ou com licenciamento em curso e com capacidade para receber a nova demanda. VI.6 .br> . setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. IV. 1. com a qualificação detalhada do interessado.Estabelecer a isenção de Licenciamento Ambiental para as seguintes unidades: I. IX. II. Obra emergencial de recuperação de unidades dos sistemas de saneamento propicia a causar um dano maior ao meio ambiente ou a terceiros. VIII.gov.3º o requerimento da autorização para prestação de serviço na modalidade de transporte de resíduos especiais e produtos perigosos no território do Estado de Goiás. reservatórios e elevatórias de águas tratadas de sistemas de abastecimento de água (instaladas fora de unidades de conservação e APP’s). adutoras. Implantação. ampliação e funcionamento de rede coletora de esgoto dos sistemas de esgotamento sanitário (instaladas fora de unidades de conservação e APP’s). III. em um raio de 500 (quinhentos) metros para (ETE’s em sistema abertos) e de 100 (cem) metros para (ETE’s em sistema fechados). Manutenção. Captação de água superficial por meio de captação direta com barragem de nível em curso d’água. b) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.goias. interceptores e emissários dos sistemas de esgotamento sanitário.4 .Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 24 __________________________________________________________________________________________ § 4º . e. recreativos ou industriais alimentícias.Isenção de Licenciamento – Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Art. VII. Unidades pré-existentes instaladas e em operação: rede de distribuição. ampliação e funcionamento de rede de distribuição. 1. Implantação. Captação de águas subterrâneas por poços semi-artesianos e poço tubular profundo e suas adutoras (a ser instalada fora de unidades de conservação).Na análise do projeto poderá ser exigida a apresentação de declaração (Prefeitura Municipal) de restrição de uso do solo para ocupação da região do entorno da ETE por loteamentos residenciais.br – semarh@semarh. será formalizada com os seguintes documentos: a) Requerimento modelo fornecido pela Secretária do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH. Obras físicas de instalação das edificações de escritórios (a ser instalada fora de unidades de conservação). desde que outorgadas pelo órgão competente com a indicação da grandeza do uso. reservatórios e elevatórias de sistema de abastecimento de água. reparos e melhorias operacionais nas unidades integrantes dos SES e SAA. adutoras.

e/ou.7 . g) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE). será: I – Até 5 veículos 3 UPC’s por veículo.goias. c) Cópia dos seguintes documentos: em se tratando de pessoa física – Cópia da Carteira de Identidade e CPF.gov. conforme definido no Artigo 93 da Lei 8.gvo. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. O transporte do produto só deve ser realizado por Transportadora devidamente licenciada e autorizada (modalidade de transporte de resíduos especiais).Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 25 __________________________________________________________________________________________ c) d) e) f) Estaduais . Certificado de habilitação do(s) veículo(s). i) Cópia da Licença de Funcionamento/Operação Ambiental do Gerador do resíduo especial (quando for o caso). com a qualificação detalhada do interessado. Cópia da Licença de Funcionamento/Operação Ambiental da pessoa física ou jurídica transportadora. 1978). Plano de emergência e contingência.Autorizações de Transporte de Resíduos Especiais . h) Cópia dos seguintes documentos: em se tratando de pessoa física – Cópia da Carteira de Identidade e CPF.ATRE no território do Estado de Goiás e para outras unidades da federação e a obtenção do Certificado de Destinação de Resíduos Especiais – CDRE deverá ser formalizado com os seguintes documentos: § 1º . Cartão do CNPJ e Inscrição Estadual.Quando o transporte for realizado pela contratação de serviço terceirizado: a) Requerimento modelo fornecido pela Secretária do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH. se pessoa jurídica – Cópia do Contrato Social da empresa. e/ou. Certificado da formação do(s) condutor(es) motorista(s) para este tipo de atividade(MOPP).semarh. e) Anexo “I” devidamente preenchido.Quando o transporte for realizado pelo próprio gerador do resíduo: f) Requerimento modelo fornecido pela Secretária do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH. junto ao INMETRO. se pessoa jurídica – Cópia do Contrato Social da empresa. expedido pelo órgão ambiental competente.br – semarh@semarh. 1. do Destinatário/Receptor (para onde o produto. os resíduos especiais serão destinados).DARE a ser cobrado como contraprestação pelo serviço descrito no caput desse artigo. os _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.544 (Goiás. II – A partir de 6 veículos 30 (trinta) UPC’s. § 2º . b) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE). emitido por órgão competente.goias. <www.4º Estabelecer os procedimentos para obtenção da Autorização do Transporte de Resíduos Especiais . ANEXO ÚNICO Parágrafo único . do Destinatário/Receptor (para onde o produto.ATRE e Certificado de Destinação de Resíduos Especiais – CDRE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2010 Art. expedido pelo órgão ambiental competente. OBS.O valor do Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais . d) Cópia da Licença de Funcionamento/Operação Ambiental do Gerador do resíduo especial (quando for o caso). com a qualificação detalhada do interessado. Cartão do CNPJ e Inscrição Estadual.br> .DARE).

Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 26 __________________________________________________________________________________________ j) k) l) m) resíduos especiais serão destinados). Devendo o processo ser instruído com os seguintes documentos: a) Requerimento modelo da SEMARH. . setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. SEMARH Nº 003/2010. se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos). Licença de Instalação (LI) e Licença de Funcionamento (LF). e) Procuração pública ou particular com firma reconhecida.DARE).544 (Goiás. aprovando sua localização e concepção do projeto. f) Estudo de seleção de área .DARE a ser cobrado como contraprestação pelo serviço descrito no caput desse artigo. c) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais .Licença de Instalação – autoriza a instalação do empreendimento.goias.goias. conforme definido no Artigo 93 da Lei 8. b) Publicações originais do pedido de licenciamento (Resolução 006 CONAMA/1986). emitido por órgão competente. Devendo o processo ser instruído com os seguintes documentos: a) Requerimento modelo da SEMARH. Certificado da formação do(s) condutor(es) motorista(s) para este tipo de atividade(MOP). Anexo “I” devidamente preenchido.1 do anexo único. Plano de emergência e contingência em conformidade com anexo único da IN.DARE). b) Publicações originais do pedido de licenciamento (Resolução 006 CONAMA/1986). uma vez atendida às exigências da licença prévia e a viabilidade técnica e ambiental da área.Licença Prévia – concedida na fase preliminar do planejamento do empreendimento. mediante aos seguintes procedimentos para cada fase. com a descrição do objeto (aterro sanitário simplificado). assim definido: § 1º . deverá ser submetido ao processo de licenciamento ambiental junto à Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH. com a descrição do objeto (aterro sanitário simplificado).br – semarh@semarh. e. <www. 1978). § 2º . junto ao INMETRO. A SEMARH expedirá as seguintes licenças.2” do anexo único. será de 30 (trinta) UPC’s. contemplado nesta Instrução Normativa 05/2010. d) Procuração pública ou particular com firma reconhecida.gvo. se o requerimento não for _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.semarh. d) Certidão de uso do solo. § 3º .8. g) Estudo de concepção do projeto . Certificado de habilitação do(s) veículo(s). c) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais .item “3. 5º O projeto de disposição final dos resíduos sólidos urbanos em aterro sanitário simplificado.O valor do Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais .Implantação de projetos de disposição de lixo urbano em aterro INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 05/2010 Art. nas modalidades de Licença Prévia (LP).br> . 1.item “3. emitida pala Prefeitura Municipal para o local e o tipo de empreendimento ou atividade a ser instalada em conformidade com o Plano Diretor “Lei de Zoneamento do Município”.gov.

gov. 6º O Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais – DARE. c) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais . após a verificação do efetivo cumprimento das exigências constantes da licença de instalação. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.Licença de Instalação (LI) . d) Publicações originais do pedido de licenciamento (resolução CONAMA 006/1986). § 3º . g) Projetos Básicos Executivos – PBE’s. f) Outorga de uso da água emitida pela Superintendência de Recursos Hídricos da SEMARH.9 .Licença de Funcionamento – autoriza o funcionamento do empreendimento. as recomendações e exigências dos licenciamentos ambientais obtidos.DARE). da área selecionada para a implantação do projeto com averbação da reserva legal. juntando ao processo a ART do profissional inscrito no CREA e ARTA para profissionais de outras categorias. Contemplar neste relatório as avaliações da eficiência dos programas de monitoramento. Devendo o processo ser instruído com os seguintes documentos: a) Requerimento modelo da SEMARH.br – semarh@semarh. d) Procuração pública ou particular com firma reconhecida.br> . se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos). com a descrição do objeto solicitado e com os quadros de áreas atualizados. Apresentar Relatório técnico do monitoramento ambiental.COMÉRCIO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS E LUBRIFICANTES. Inscrição Estadual + Cartão CNPJ. regulamentada pelo decreto 1745 (1979). desta instrução normativa. para aterro sanitário simplificado. conforme item “4” do anexo único. será calculado conforme os critérios especificados no Artigo 94 da Lei 8544 (1978). _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. O relatório deve estar assinado e anotado no conselho de classe. e) Cópia da certidão do registro do imóvel. 1. g) Procuração pública ou particular com firma reconhecida.gvo. Art.goias. Todos os projetos e estudos deveram ser assinados e com as respectivas ART’s. Lei de Zoneamento do Município ou outro instrumento legal que regulamenta a ocupação do solo no município. a) Requerimento modelo da SEMARH. f) Quando tratar da renovação da Licença de Funcionamento. <www. c) Pessoa física “cópia do RG/CPF”. b) Pessoa jurídica.9 . e) ART de execução e ART de operação do aterro sanitário simplificado. e) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE). PARA VEÍCULOS AUTOMOTORES E SIMILARES. Contrato Social ou similar e última Alteração.Novos Empreendimentos e Empreendimentos já Existentes. com a descrição do objeto (aterro sanitário simplificado).1. inclusive para reformas. b) Publicações originais do pedido de licenciamento (Resolução 006 CONAMA/1986). 1.goias. Para abastecimento direto da rede pública.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 27 __________________________________________________________________________________________ assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos). se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos). para a fonte de captação d’água. f) Certidão de uso do solo para a área de implantação do projeto em conformidade com o Plano Diretor. apresentar tarifa referente a esse abastecimento.semarh.

habitações multifamiliares.semarh. no projeto.somente para unidades já existentes e em reforma (Com Anotação de Responsabilidade Técnica . bem como contemplando a caracterização das edificações existentes num raio de 100 m com destaque para a existência de clínicas médicas. localização de poços de captação destinado ao abastecimento público ou privado. e da portaria Agência Ambiental / SEMARH nº.ART do responsável pela elaboração do projeto ambiental. m) Classificação ambiental do empreendimento. 2002). contemplando a permeabilidade do solo e o potencial de corrosão.9. referente a área do empreendimento. i) Certidão de uso do solo para a área de implantação do projeto demonstrado que o local e o tipo de empreendimento ou atividade a ser instalada. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.goias. sistema de detecção de vazamento. hospitais. p) Anotação de Responsabilidade Técnica . de 1993. caracterização geológica do terreno da região onde se insere o empreendimento com análise de solo. “croquis” de localização do empreendimento.br> .gvo. n) Investigação de Passivo Ambiental e Análise de Riscos . considerando as possíveis interferências das atividades com corpos d’água superficiais e subterrâneos. emitida pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (SEMARH). com Anotação de Responsabilidade Técnica (ART). sistema viário. englobando pelo menos . áreas de bombas e áreas sujeitas a vazamento de derivados de petróleo ou de resíduos oleosos. r) Preenchimento e apresentação do Anexo I e II da resolução 273 (CONAMA. para empreendimento que utilize como fonte de abastecimento de água a captação direta. k) Anuência do órgão responsável pelo serviço de saneamento público – específica para o lançamento de efluentes líquidos na rede pública de esgotamento sanitária. tipos de vegetação existente no local e seu entorno. tanques de armazenamento de combustíveis e sistemas acessórios de acordo com as Normas ABNT.br – semarh@semarh. o) Laudo de estabilidade das fundações e deformação do solo (Com Anotação de Responsabilidade Técnica . identificação das áreas de recarga. proteção. detalhamento do tipo de tratamento e controle de efluentes provenientes dos tanques.goias. <www. indicando a situação do terreno em relação ao corpo receptor e cursos d’água e identificando o ponto de lançamento do efluente das águas domésticas e residuárias após tratamento. para ser _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. registrados nos órgãos competentes até a data da emissão do documento. que regulamenta a obrigatoriedade de recolhimento e disposição adequada de óleo lubrificante usado (com Anotação de Responsabilidade Técnica – ART). quando o empreendimento estiver em zona rural. caracterização hidrogeológica com definição do sentido de fluxo das águas subterrâneas. escolas. de dispositivos para o atendimento à resolução nº. previsão. l) Croqui de localização e acesso ao local. está em conformidade com o Plano Diretor / Zoneamento do Município – Certidão de Uso de Solo j) Comprovante de abastecimento de água e esgoto ou certidão emitida pela unidade responsável ou.ART) – somente para unidades já existentes. em conformidade com as atribuições do profissional.786. 2000). com averbação da reserva legal (quando situado em zona rural). do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). de acordo com a NBR 13. 084/2005 GAB-PRES. indústrias ou estabelecimentos comerciais.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 28 __________________________________________________________________________________________ h) Cópia da certidão do registro do imóvel. q) PROJETO . num raio de 100 m. s) Atender a resolução 319 (CONAMA.Dados de Caracterização do Empreendimento e Plano / Projeto de Sistema de Controle de Poluição. sistemas de drenagem.projeto básico que especifique equipamentos e sistemas de monitoramento.gov.ART). provisionando-se do certificado de conformidade dos equipamentos utilizados nas instalações da unidade. apresentar “outorga de uso da água” ou dispensa da necessidade da mesma.

1.gov. conforme NBR 13. se o requerimento não for _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. <www.goias.semarh. j) Croqui de localização e acesso ao local. m) Ter atendido as condicionantes da licença de instalação. Programa de treinamento dos funcionários.br – semarh@semarh. com a descrição do objeto solicitado e com os quadros de áreas atualizados.PRIMEIRA a) Requerimento modelo da SEMARH. considerando a comunicação das ocorrências aos órgãos competentes. cobrindo as práticas operacionais.9.goias. Para abastecimento direto da rede pública. Inscrição Estadual + Cartão CNPJ. l) Laudo de estanqueidade.9. Para abastecimento direto da rede pública.2 Licença de Funcionamento (LF) . e os procedimentos previstos para a correção dos problemas operacionais ou em equipamentos / sistemas. g) Procuração pública ou particular com firma reconhecida. b) Comprovante de quitação da Taxa Fiscalização Ambiental – TFAGO.784 (Com Anotação de Responsabilidade Técnica . apresentar tarifa referente a esse abastecimento.ANP. Contrato Social ou similar e última Alteração. k) Autorização para funcionamento na Agência Nacional de Petróleo .br> . com a descrição do objeto solicitado e com os quadros de áreas atualizados. i) Procuração pública ou particular com firma reconhecida. e) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE).ART).384 (GOIÁS. Plano de atendimento a incidentes / emergências.3 Renovação da Licença de Funcionamento a) Requerimento modelo da SEMARH. d) Publicações originais do pedido de licenciamento (resolução CONAMA 006/1986). e) Apresentar a cópia da licença de instalação (para a solicitação da 1ª licença de funcionamento). d) Pessoa física “cópia do RG/CPF”. com os procedimentos de testes e de verificação da integridade dos sistemas / equipamentos. g) Comprovante de quitação da taxa (Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais DARE).gvo. 1. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 29 __________________________________________________________________________________________ apresentado no ato da solicitação da licença de funcionamento. n) Plano de Gerenciamento de Riscos (Com Anotação de Responsabilidade Técnica – ART): Plano de verificação da integridade e manutenção dos equipamentos e sistemas.384 (GOIÁS. lei 14. b) Comprovante de quitação da Taxa Fiscalização Ambiental – TFAGO. lei 14. a documentação dos mesmos e testes realizados. 2002) c) Apresentar a cópia da ultima licença de funcionamento. apresentar tarifa referente a esse abastecimento. h) Outorga de uso da água atualizada – se for o caso. quando o empreendimento estiver em zona rural. a manutenção de equipamentos e sistemas e resposta a incidentes. 2002) c) Pessoa jurídica. se o requerimento não for assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos). f) Outorga de uso da água atualizada – se for o caso. f) Publicações originais do pedido de licenciamento (resolução CONAMA 006/1986). ações imediatas previstas e a relação de recursos materiais e humanos disponíveis.

4 Específico para instalações que processam explosivos Alvará de licenciamento do Ministério do Exército. resoluções e normas pertinentes. 2004). com RT..2 Específica para atividades instaladas em zona rural .Plano de Gestão Ambiental. Certificado de aprovação do Corpo de Bombeiros (atualizado).Caracterização técnica da propriedade (mapa da propriedade com área total.985 (ABNT. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. 1. 084/2005 GAB-PRES. 1997) e a Lei Estadual de Goiás Nº 13. 2001). devendo observar a NBR 13.br> . . (Com Anotação de Responsabilidade Técnica .semarh.Implantação dos poços de Monitoramento do Lençol Freático na área do projeto. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. Todos com RT . resolução 283 (CONAMA. Alvará de licença da Delegacia de Controle de Armas e Munição. caso tenha ocorrido.Alvará do Corpo de Bombeiros com RT. com RT . 1.. com RT. 1.ART).Plano de emergência ou contingência.PARA ATIVIDADES TÍPICAS 1.Análise de Risco. .10.10.10. quando o empreendimento estiver em zona rural.Projeto das instalações temporárias para armazenamento e acondicionamento de Resíduos Especiais (se realizar esse procedimento). locação da área construída do estabelecimento no mapa.1 Específica para atividade de alto risco . Plano de emergência / contingência. Atendimento de eventuais exigências contidas na licença de funcionamento vigente e portaria Agência Ambiental nº.5 Outras atividades com riscos ambientais potenciais – documentos que podem ser solicitados. Teste de estanqueidade dos tanques e linhas de distribuição de combustíveis.br – semarh@semarh. com RT.gvo.). Investigação de Passivo Ambiental e Análise de Riscos (Com Anotação de Responsabilidade Técnica .goias. <www. . de acordo com a Resolução da Diretoria Colegiada RDC 306 (ANVISA. área de reserva legal e permanente. Croqui de localização e acesso ao local.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 30 __________________________________________________________________________________________ h) i) j) k) l) m) assinado pelo titular do processo (prazo de validade de dois anos). locação dos cursos d’água. com RT. 1.3 Específica para atividades unidades de serviços de saúde - Apresentar Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS).goias. com RT.ART). resolução 358 (CONAMA.gov. Última Alteração Contratual.583 de 11 de Janeiro de 2000.10. com RT. 1. Plano de Gerenciamento de Riscos (Com Anotação de Responsabilidade Técnica – ART).10. 2005) e demais leis. Comprovação do destino dado aos produtos fabricados (destino final).10 OUTROS DOCUMENTOS .

com RT.com RT.Programa de monitoramento da qualidade do ar .Laboratórios de Controle de Qualidade Físico-Químico e Microbiológico – Plano de Gerenciamento de Resíduos Químicos referente ao descarte de materiais utilizados nos ensaios conduzidos – com RT. manuseio de produtos e resíduos.br – semarh@semarh. . .com RT: Declaração Anual de Resíduos Sólidos – DARS. .goias.Relatório Ambiental Simplificado RAS. etc. <www.goias. plano de emergência. em todos os aspectos relacionados ao meio ambiente (monitoramentos. . com RT.Plano de monitoramento ambiental: monitoramento de emissões atmosféricas de fontes estacionárias.Estudo de Impacto de Vizinhança – EIV e Relatório de Impacto de Vizinhança .Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 31 __________________________________________________________________________________________ . _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. armazenamento e transporte interno e externo a planta industrial. . com RT.gov. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. com RT. contendo: Registro da geração.Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos . extensivo a todos os funcionários. etc. . riscos.semarh. Certificado de Destinação de Resíduos Especiais – CDRE. efluentes líquidos e mananciais hídricos.).gvo.br> . quantificação e destinação final dada aos resíduos sólidos Registro do acondicionamento. classificação.RIV.Programa de Conscientização Ambiental – PCA. com controle e registro das participações dos mesmos.

c) Para os profissionais credenciados por outros conselhos de classe. OBS: No termino do contrato de prestação de serviço. deve ser subscrito por profissional legalmente credenciado.Documento Anotação de Responsabilidade Técnica – ART ou a Anotação de Responsabilidade Técnica Ambiental – ARTA..ART ou ARTA.ART ou ARTA.ART ou ARTA. juntando a comunicação formal no processo a que refere seu contrato. Este documento anota perante a Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH a responsabilidade técnica ambiental pelo serviço descrito acima. DEVENDO SER APRESENTADO TAMBÉM.2 .. Telefone Nome do contratante ou Empreendedor..gov. Endereço para correspondência Resumo do serviço ambiental objeto da anotação.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 32 __________________________________________________________________________________________ CAPITULO – VII 1 MODALIDADES DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA 1.1. junto a SEMARH. Observações.1. b) Para os profissionais filiados ao Conselho Regional de Engenharia Arquitetura e Agronomia . setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. com habilitação específica do conselho de classe a que pertence.3 . SERÁ EXIGIDO A EMISSÃO DO ARTA – ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA AMBIENTAL “CONFORME MODELO”.goias.º do registro no COP UF Endereço do profissional Telefone CGC ou CPF.1. 1. Junto a essa ARTA. PORTARIA Nº 007/96.CREA.semarh. a) As Anotações de Responsabilidade Técnica – ART ou a Anotação de Responsabilidade Técnica Ambiental – ARTA. apresentar a cópia da cédula de credenciamento do profissional junto ao seu conselho. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.4 . QUE NÃO FOREM VINCULADOS AO CREA. A CÓPIA DA CARTEIRA DO REGISTRO PROFISSIONAL. é obrigatório a apresentação da Anotação de Responsabilidade Técnica – ART. . de Operação / Monitoramento de Projeto. 1. é obrigatória a apresentação da Anotação de Responsabilidade Técnica Ambiental – ARTA.br – semarh@semarh. para a Autoria de Projeto.1.1 . PESSOAS FÍSICAS.gvo.º Designação do conselho ou ordem de fiscalização profissional (COP) N.. 1.goias. <www.DOS PROFISSIONAIS. o profissional deve providenciara a baixa na sua Anotação de Responsabilidade Técnica. MODELO DA ARTA.ART ou ARTA.br> . 1. de Implantação / Execução de Projeto.1. Assinatura _________________________ Local e data __________________________ _________________________ Profissional Contratante ou Empreendedor PARÁGRÁFO ÚNICO . ARTA – ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA AMBIENTAL Nome do profissional Titulo profissional N. para a Autoria de Projeto / Levantamento.

1. Quando elaborado por consultoria.br – semarh@semarh.1. 1. 1. Indicar o regime de funcionamento do empreendimento (horas/dia.2. <www.DADOS DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO – DCE OBS: Quando elaborado e assinado pelo responsável técnico da empresa e empreendedor – apresentar a ARTA.br> .5. a) Área total construída b) Área de atividade ao ar livre c) Área do sistema de controle de poluição d) Área total do terreno 1. – Mão-de-obra a) Escritório b) Indústria c) Externos d) Outros e) Total 1.6. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.goias.MEMORIAL DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO – MCE OU . De acordo com o Código Nacional de Atividades Econômicas “CNAE”.gvo. f) Coordenadas geográficas do empreendimento “latitude e longitude”.semarh. – Situação do empreendimento a) Empreendimento em implantação b) Previsão para entrar em funcionamento c) Empreendimento já implantado. d) Endereço para correspondência. apresentar a ART ou ARTA. c) Endereço completo da empresa. dias/semana.e Inscrição Estadual. e) CNPJ . telefone. DESCRIÇÃO DETALHADA DAS ATIVIDADES . – Informações Cadastrais a) Razão social b) Nome do responsável. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. – Natureza do estabelecimento Tipo de atividade do empreendimento. d) Época em que entrou em funcionamento 1.4 – Áreas do empreendimento.gov.3. – Período de funcionamento. Citar o número do CNAE.goias.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH CAPITULO – VIII 33 __________________________________________________________________________________________ 1. semanas/ano).

Declarar a potência instalada.12.br> . <www. b) Indicar para cada fonte a vazão a ser captada.11. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.13. – Fluxograma geral dos processos.gov. 1. as Folhas de Dados de Segurança de Materiais (FDSM) de todas as matérias-primas e produtos acabados utilizados nos diferentes processos. b) Produtos elaborados. Quando se tratar de unidades químicas. – Informação sobre o processamento por período de tempo (dia. c) Produtos auxiliares na industrialização. e/ou descrição dos processos. 1. lagoa.gvo. poeiras. 1.10.15.16.).Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 1. etc. etc.7.14. – Fonte de abastecimento a) Relacionar todas as fontes de abastecimento de água a serem utilizadas pela empresa (rio. tais como: consumo doméstico. aterro incineração. 1. a forma de tratamento e o destino final dos mesmos. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. c) Relacionar todos os usos das águas. Informações sobre resíduos sólidos com as quantidades diárias.8. local e período de armazenamento.semarh.9. – Esgoto doméstico/sanitário Especificar a origem. 1. d) Produtos de limpeza. poços freáticos. Especificar a origem. refrigeração. deve-se enviar também. as quantidades e as capacidades. Informar o destino (forma de coleta e local de disposição) a ser dado aos resíduos sólidos (coleta por veículos da prefeitura ou de terceiros. ribeirão. – Sistema de Tratamento dos resíduos líquidos (esgoto) do Empreendimento. etc). poços profundos.goias. – Armazenamento (matérias-primas e produtos elaborados) Forma. a) Matérias-primas. a forma de tratamento e o destino final dos mesmos 1.goias. caldeira. – Diversificação e Ampliação Previsão da evolução das atividades e ampliações previstas 34 __________________________________________________________________________________________ 1. – Resíduos sólidos. 1. rede de abastecimento. processo de fabricação.br – semarh@semarh. mês e ano). – Informações sobre fontes de poluição do ar Especificar detalhadamente todas as possíveis fontes de emissão de (fumaça. – Relação de equipamentos Relacionar os equipamentos que fazem parte do processo produtivo. 1.

transporte e encaminhamento das águas pluviais.. Relacionar todos os equipamentos geradores de ruídos e vibrações.br – semarh@semarh. <www. vapores e etc. 1.gvo. mês ano). OBS .goias. 1.semarh. 1. – Bacia hidrográfica Nome do curso d’água mais próximo do empreendimento e bacia hidrográfica a que pertence. Representante da empresa pelas informações. . . 1.br> . com o horário de funcionamento de tais equipamentos e descrever as medidas de controle adotadas.17. óleo combustível e outros.19.18. indicando o ponto de lançamento.2. Lenha.Planta geral de locação (em escala compatível) Relação entre o norte verdadeiro Direção dos ventos predominantes Limite de propriedade Das unidades componentes do empreendimento Indicação de área para expansão futura Distância do local de origem do efluente final até o corpo receptor.gov. 1.). ________________________________________________ Nome e Ass. Responsável pelas informações (RT) _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.20. – Locação do empreendimento 1.goias. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. apresentar croquis de localização e acesso a) b) c) d) e) f) Local ______________________e data _____________________________ ________________________________________________ Nome e Ass. – Águas pluviais Apresentar descrição do sistema de captação.21.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 35 __________________________________________________________________________________________ gases.Na zona rural. quantidade (dia.2. – Informações sobre o consumo de combustível.Informações sobre Ruídos e Vibrações. indicando o período destas emissões e as medidas de controle utilizadas.

br – semarh@semarh. g) Parâmetros adotados no projeto e suas referencias. f) Dados de caracterização do empreendimento .2 . i) Memorial justificativo (escolha técnica-econômica da melhor solução). d) Análise e planos de riscos ambientais. l) Manual de operação do sistema projetado. emissões atmosféricas. 1. j) Memorial de cálculo. d) Apresentação. a) Definição e caracterização da ocupação da área de influencia.DCE/MCE. que estabelece a obrigatoriedade do afastamento mínimo de 200 (duzentos) metros da cota máxima de inundação do leito de qualquer manancial hídrico no estado de Goiás. vibrações.3 .semarh. Casos que necessitam recorrer ao recurso do Parágrafo Único da portaria acima mencionada devem conter as justificativas técnicas fundamentadas. recuperação de Áreas de Preservação Permanentes – APP’s. ruídos. considerando as interações do empreendimento e com outras atividades. ruídos. m) Plantas dos projetos elaborados . _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.br> . k) Especificações para implantação/execução. odor. o controle de todas as emissões geradas pelo empreendimento (resíduos líquidos.gvo. <www.1 – Estrutura mínima: a) Folha de capa. 1. emissões atmosféricas. como: Exalação de odores.gov. 1. n) Cronograma de execução.goias.4 . c) Identificação (ões) do(s) responsável (eis) pelo projeto – com a(s) ART’s. 1. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. b) Qualidade ambiental atual e futura da área de influencia.Contemplar no projeto ambiental. c) Avaliação dos impactos ambientais e estéticos na área circunvizinha (Estudo de Impacto de Vizinhança – EIV e Relatório de Impacto de Vizinhança – RIV).goias. como: a necessidade da recuperação de áreas degradadas.A locação do projeto deve atender as exigências do Art. 1º da Portaria 01/2002-N da Agência Ambiental/SEMARH.Observar as diretrizes especificadas pelas Normas Brasileiras Registradas “NBRs” e demais legislações e normas pertinentes.5 . sólidos.Avaliações do meio social. proliferação de vetores) e outros passivos ambientais. etc. e) Índice. h) Descrição detalhada do projeto com fluxograma. trafego de veículos transporte de resíduos sólidos e/ou líquidos e outros.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH CAPITULO – IX 36 __________________________________________________________________________________________ 1 – ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL 1. b) Identificação (ões) do(s) empreendedor (es). vibrações. o) Referencias bibliográficas.

Definir a taxa de aplicação.9 . descrevendo as _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. b) Implantação do projeto por etapas deve ser acompanhada de justificativa técnica. c) Avaliar o nível de intervenção antrópica da área. operação e manutenção). g) Estimativa de custos (construção.goias. d) Avaliar os impactos ambientais. 1. descrever e justificar as medidas destinadas a evitar a contaminação do lençol freático. a) Estimativa das características físico-químicas do efluente gerado – quando existir. etc. 1. locais de construção. característica do corpo receptor. h) Outros estudos considerados necessários para análise do projeto. contemplando o controle de todas as emissões geradas pelo empreendimento.goias.Avaliação do meio biótico. e) Definição de critérios de obtenção dos parâmetros do projeto. 1. c) Disponibilidade de recursos e espaço para a implantação do projeto elaborado. problemas executivos e operacionais. No caso de haver lançamentos de efluentes líquidos no solo: apresentar os resultados dos testes de infiltração de acordo com as normas da ABNT. b) Classe e características do corpo receptor de efluentes líquidos.gov. considerando o que determina a Resolução CONAMA 013/90. d) Utilização de tecnologias disponíveis e apropriadas ao tipo de projeto elaborado. <www.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 1. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. c) Recomendações para operação e manutenção do sistema projetado (manual para operação. Para os passivos ambientais apresentar Plano de Recuperação de Passivos Ambientais PRPA.Unidades pré-existentes Projeto contemplando o levantamento técnico do empreendimento pré-existente: localização e alternativas para a adequação e implantação do sistema de controle da poluição ambiental.gvo. c) Avaliação da capacidade de autodepuração do corpo receptor “para projeto de tratamento de resíduos líquidos”.br> .6 – Avaliações do meio físico.br – semarh@semarh. e) Propor medidas mitigadoras e ou compensatórias.7 . 1.10 – Modulação e Operação. a) Que facilite a ampliação do projeto ambiental. 37 __________________________________________________________________________________________ a) Caracterização dos recursos hídricos presentes na área. lançamento e destinação dos resíduos gerados. b) Levantar a existência de unidades de conservação na área de influencia indireta. d) Medidas que evitem a contaminação do lençol freático. aperfeiçoando sua operação e manutenção. f) Fluxograma e Layout do projeto elaborado.semarh. manutenção e monitoramento dos sistemas projetados). a) Caracterização da fauna e flora da área de influencia direta do empreendimento. Definir a eficiência final esperada do sistema de tratamento projetado de resíduos líquidos devendo estar compatível com a vazão do curso d’água receptor e sua capacidade de autodepuração.8 – Estudo de concepção.

Parâmetros ambientais a serem analisados pela própria indústria e/ou encomendados a laboratórios credenciados. Indicar a existência de By-Pass. indicando o ponto de lançamento. Figuras. quadros e tabelas deverão conter a fonte dos dados apresentados. com indicação das datas previstas de início de implantação e início de operação.gov. Instruções para manutenção de equipamentos especiais. apresentar croquis de localização e acesso. partida e operação normais. 1.semarh.br – semarh@semarh.gvo. a) b) c) d) e) f) _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. com a referência bibliográfica seguindo as normas da ABNT.br> .Na zona rural.Citar bibliografia consultada. – Urbanização Planta geral de locação (em escala compatível) Relação entre o norte verdadeiro Direção dos ventos predominantes Limite de propriedade Das unidades componentes do empreendimento Indicação de área para expansão futura Distância do local de origem do efluente final até o corpo receptor. OBS .Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 38 __________________________________________________________________________________________ d) e) f) g) h) i) j) condições de: Pré-operação. .goias. Paradas normais e de emergência. Métodos de análises. 1.13.goias. Apresentar relação de obras consultadas.12. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. 1. Segurança do trabalhador. e amostragem de laboratório. <www.11. Previsão para limpeza do sistema. – Cronograma físico de execução do projetado elaborado Deve ser apresentado cronograma detalhado para a implantação do sistema projetado.

b) ELABORAÇÃO DO MEMORIAL DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO – MCE. c) ELABORAÇÃO DOS DADOS DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO – DCE.gov.goias.semarh.br> .gvo.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH CAPITULO . setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.1 Coordenadas geográficas do empreendimento (Exemplo) Latitude (S) Longitude (W) Altitude (m) 1.goias. <www.2 Áreas do empreendimento (Exemplo) Área total construída (m²) Área de atividade ao ar livre (m²) Área do sistema de controle de poluição (m²) Área total do terreno (m²) Área irrigada (m²) Área de reserva legal (m²) Extensão (km) 1.br – semarh@semarh. capacidade instalada (Exemplo) Principal atividade ou matéria prima processada Capacidade instalada Toneladas/dia Litros/dia Hectolitros/dia Dúzia/dia Peles/dia Cabeça/dia Peças/dia Aves/ciclo Suínos/ciclo Bovinos/ciclo (t) Capacidade armazenamento / (Nº) Tanques Idade dos tanques (ano base) Capacidade dos tanques (Litros) _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. e ou. 1. Natureza do estabelecimento (Exemplo) Tipo de atividade Código Nacional de Atividades Econômicas “CNAE” . OU.3.Nº 1. Informação sobre a capacidade produtiva por unidade de tempo.4.X 39 __________________________________________________________________________________________ 1 PARÂMETROS QUE DEVEM CONSTAR NO PROJETO AMBIENTAL DEVE SER INTEGRANTE NA: a) ELABORAÇÃO PROJETO AMBIENTAL.

gov.ETE Litros/segundo Esgoto industrial . m³. L.8 Emissões Atmosféricas (Exemplo) Fontes Fixas: ( ) Não ( ) Sim.B” Reciclagem Reutilização Aterro Sanitário municipal Aterro Industrial Co processamento Destino Número Incineração do CDRE Outros Empresa Receptora do resíduo 1.ETDI m³/dia Carga orgânica Kg DBO/dia Tratamento: ( ) Primário ( ) Secundário ( ) Terciário ( ) Não realiza ( ) Responsável Técnico: _______________________ Registro: ________ Destinação Final: ( ) Recirculação ( ) Rede Coletora Pública ( ) Solo ( ) Manancial Hídrico . Nome do curso d’água (via direta) Bacia hidrográfica do estado _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.A” Classe “II .INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2010 Nome da Empresa: Quantidade Classificação Origem (t.9. <www.br> . Bacia hidrográfica.gvo.6 Resíduos sólidos .semarh.goias. sistema de controle ________________________________ 1.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 40 __________________________________________________________________________________________ 1.br – semarh@semarh.nome: _____________________________ 1. kg) / mês ou ano Classe – “I” Classe “II .7 Informações sobre utilização de combustível (Exemplo) Combustível Quantidade m³ / mês Litros / mês t / mês Lenha Óleo combustível Gás GLP Gás Natural Biomassa Outro especificar 1. (Exemplo) Mais próximo do empreendimento e.5 Águas residuárias (Exemplo) Principal atividade Capacidade instalada Saneamento público . setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.goias.

e ou.gvo. Aerada) • Lagoa anaeróbia • Lagoa de decantação • Lagoa de oxidação.goias. • Decanto Digestor ou Fossa Séptica • Reator Anaeróbio de Manta de Lodo com Fluxo Ascendente (UASB) • Reator Anaeróbio de Circulação Interna . setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.Processos biológico ou secundário (exemplos de equipamentos utilizados): • Lodos ativados (suas derivadas) – tanque de aeração. por emissão de ruído e vibração e outros fatores que causem ou possam causar desequilíbrio ao meio ambiente. 1. por resíduos sólidos.gov. etc) ·. efluentes líquidos ou gasosos.XI 1. • Lagoa aeróbia (Facultativa.IC • Decantador Primário. DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE POLUIÇÃO 41 __________________________________________________________________________________________ O controle da poluição ambiental abrange os dispositivos relativos à poluição da água.br> . do solo. • Lagoa aerada (L.. Maturação. decantador secundário. do ar e etc.goias.1 Equipamentos de Tratamento de águas residuárias (esgoto) MAIS USUAIS – termos técnicos Especificam os aparelhos ou dispositivos de tratamento das águas residuárias e sua destinação final. Decantador Secundário.br – semarh@semarh. L. • Filtro biológico anaeróbio de Fluxo Ascendente (FBAFA) d . Aerada Facultativa. <www.Processos químicos ou físico-químicos (exemplos de equipamentos utilizados): Coagulação Precipitação Neutralização Oxidação Química Desinfecção Descloração Fotocatálise c . EXEMPLOS: a – Operações físicas ou preliminar / primário (exemplos de equipamentos utilizados): Gradeamento Flotação Equalização Filtração Desarenação Remoção de gordura Sedimentação Medição se vazão Peneiramento Micropeneiramento Decantador primário b .semarh.Disposição final (exemplos de equipamentos utilizados): • Sumidouro (infiltração) • No solo (fertiirrigação) • Rede pública (com autorização da concessionária) e) Tratamento ou desaguamento de lodo • Leito de secagem de lodo • Centrifuga • Filtro prensa • Bag • Prensa desaguadora • Digestor de lodo • Curso d’água (nome) • Lagoa de Lodo _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH CAPITULO .

• Aterro controlado para lixo urbano. • Sistema pneumático de isolamento de vibrações.semarh. • Aterro sanitário para lixo urbano. – Barreiras acústicas c) No indivíduo – Equipamentos de proteção individual: • Tipo concha. 1.4 Sistemas de tratamento de resíduos sólidos mais usuais – termos técnicos • Reciclagem. b) No meio – Enclausuramento: • Da fonte de ruído (mais comum). Filtros de manga.2 Equipamentos de controle das emissões atmosféricas mais usuais – termos técnicos a) Filtros industriais: Ciclones. • Disposição no solo – especificamente para biossólidos. <www. • Do trabalhador.br – semarh@semarh.br> . • Incineração. Turbo condensador. 1. • Molas helicoidais.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 42 __________________________________________________________________________________________ 1. • Tipo inserção. • Aterro sanitário industrial.gov. • Co-processamento. Lavador de gases.Modificação do projeto da fonte: • Utilização de material de amortecimento de vibrações. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.goias.3 Sistemas de controle de ruídos e vibrações mais usuais – termos técnicos a) Na fonte .gvo. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.goias.

podendo trazer alterações nos processos ecossistêmicos. Parte-se do princípio de que. 7. <www. é necessário observar as diferentes tipologias e sua terminologia. após a jornada de trabalho. Área de influência Área externa de um dado território. com o cuidado de. 4. sem causar danos ou riscos à saúde pública e à segurança.gvo. sobre o qual exerce influência de ordem ecológica e ou socioeconômica. causando danos ou perdas das qualidades existentes no relacionamento dos fatores ambientais que caracterizam esta área. Aterro controlado Local utilizado para despejo do lixo coletado. 3. 2. Águas residuárias Qualquer despejo ou resíduo líquido com potencialidade de causar poluição. Aerador Dispositivo mecânico que promove a aeração de um esgoto em tratamento. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH CAPITULO . Área de Influência Indireta – AII É aquela real ou potencialmente ameaçada pelos impactos indiretos da implantação e operação do empreendimento. 9. porém nem sempre ela pode ser desenhada segundo os moldes prescritos pelas normas terminológicas.goias. 8. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. abrangendo os ecossistemas e o sistema socioeconômico que podem ser impactados por alterações ocorridas na área de influencia direta. sob pena de comprometer a comunicação em ambientes formais e informais. Afluente Água residuária ou outros líquidos. 5. ao examinar e vistoriar unidades de controle de poluição. Área de Influência Direta – AID Área onde atuam diretamente os impactos ambientais originários ou devido às atividades transformadoras da construção. Aterro sanitário Local utilizado para disposição final do lixo. se a transferência da informação ocorre no universo da linguagem. onde são aplicados critérios de engenharia e normas operacionais específicas para confinar os resíduos com segurança. minimizando os impactos ambientais. manutenção. Palavras-chave Objetiva dar conhecimento de termos técnicos. Área Diretamente Afetada – ADA Área ocupada pelo empreendimento. utilizando-se para efeito de avaliação de impacto ambiental. conservação e operação de uma atividade. cobrir esses resíduos com uma camada de terra diariamente.gov. ou em seu estado natural. que flui para um reservatório.br – semarh@semarh. corpo de água ou instalação de tratamento.XII DEFINIÇÕES DE TERMOS TÉCNICOS 43 __________________________________________________________________________________________ A definição é um instrumento importante na elaboração de uma linguagem e organização da informação. (Pesquisa Nacional de Saneamento Básico).semarh. 10.br> . 1. parciais ou completamente tratados. do ponto de vista do controle da poluição ambiental e proteção à saúde pública. envolvendo no mínimo a faixa da micro-bacia de drenagem. 6.goias. em bruto.

goias. tratadas ou não. objetivando a remoção de materiais de peso específico menor do que o da água. Corpo de água receptor Cursos de águas naturais. e de peso específico maior do que o da água.gvo. Resulta principalmente de água de chuva que infiltra e da decomposição biológica da parte orgânica dos resíduos sólidos. por exemplo. em que o resíduo fique confinado de tal maneira que não ocorram perdas de resíduos no caminho.Certificado de Destinação de Resíduos Especiais Instrumento que aprova o encaminhamento de resíduos para locais de Reciclagem ou Reutilização. Caixa de separação de óleos e graxas Unidade instalada com a função de separar óleos e graxas. são lançadas. Danos por poluição São todas as manifestações que perturbam ou afetam os fatores de equilíbrio que _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. Chorume Resíduo líquido proveniente de resíduo sólido (lixo). 44 __________________________________________________________________________________________ 11. nos aterros sanitários.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH (Pesquisa Nacional de Saneamento Básico). sem. 16. Caixa desarenadora Canais em que os esgotos escoam com uma velocidade adequada. particularmente quando disposto no solo. CDRS . reservatórios ou oceanos. Aterro Sanitário Municipal. 14. Biodigestor Unidade onde a matéria orgânica fermenta. contudo visar à sedimentação daquelas menos densas. 18. que tem peso específico menor que o da água. 20. 12. 17. 15. um sistema tributário. Caixa de gordura Unidade instalada sempre que houver necessidade ou conveniência. como. como gorduras. coberto. É altamente poluidor.goias. Incineração e ou para locais devidamente licenciados. para se obter a deposição das partículas minerais pesadas.Autorização de Transporte de Resíduos Especiais Documento que autoriza o transporte desde o ponto de sua geração até o local de destinação final Somente poderá ser feito em veículo adequado. produzindo biogás e composto.semarh. Aterro Industrial. 22. 13. nos quais as águas residuárias. 21. 19. principalmente em condições anaeróbias. Caixa coletora Caixa situada em nível inferior ao do coletor predial onde se coletam os despejos. lagos.br – semarh@semarh. Co-processamento.br> .gov. presentes em águas residuárias que tem origem pelas atividades prestadoras de serviços automotivos e serviços correlatos objetivando a remoção destes materiais. <www. Caixa de inspeção Caixa destinada a permitir à inspeção e desobstrução de canalização. cujo esgotamento se exige elevação. ATRE . Curso de água afluente Curso de água que flui para um rio maior ou para um lago ou reservatório.

reservatório. Denominado também de resíduo líquido industrial. que flui de um sistema de coleta. como ao turismo. que estarão fixadas neste meio em condições anaeróbias. elevatórias. no qual se deposita o lodo constituído pelas matérias insolúveis das águas residuárias que passam pelo mesmo. lavatórios e lavanderias. Despejo industrial Despejo líquido proveniente dos processos industriais. sofrendo decomposição pela _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. <www. toaletes. 26. Estação elevatória É o conjunto de bombas e acessórios que possibilitam a elevação da cota piezométrica da água ou esgoto. com ou sem calor. ao passar por este como em um filtro. com a finalidade de conseguir a remoção de substâncias indesejáveis e a mineralização da matéria orgânica. 23. 28. 27. pressão.gov. Filtro biológico Unidade constituída por um leito percolador. ou de um sistema de tratamento. pela retirada da fase superior. e sua posterior transferência para o leito de secagem. resíduos líquidos domésticos ou resíduos sanitário.gvo.br> .br – semarh@semarh. ou entre líquidos imiscíveis de densidades diferentes. Fossa séptica Tanque de sedimentação e digestão. como tubulações. Efluente Qualquer tipo de água. canais. onde se dá a deposição dos sólidos orgânicos e inorgânicos. 24. Emissão atmosférica Descarga de substâncias e/ou energia no ar. por qualquer operação. Denominados também. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. centrifugação.semarh.goias. Estação de tratamento de águas residuárias Conjuntos de dispositivos e estruturas para tratamento e disposição final das águas residuárias e do lodo. no qual a água residuária sofre ação de decomposição da matéria orgânica e inorgânica por ações de (bactérias. Desidratação de lodo Termo geral empregado quando se remove parte da água presente no lodo. diferindo dos esgotos domésticos ou sanitários. bem como danos materiais a objetos e instalações situadas no local. Despejo doméstico ou sanitário Despejos de cozinhas. indústria e outros. despejos sanitários. protozoários).goias. 34. 29. Decantação secundária É a unidade de tratamento que recebe os efluentes da unidade de tratamento biológico. ou líquido. tais como: drenagem. 32. Decantação primária Separação entre um líquido e sólido. 31. Operação que ocorre antes do tratamento secundário. 33. 25. Também são considerados os prejuízos econômicos e financeiros a terceiros. 30.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 45 __________________________________________________________________________________________ condicionam a vida. Esgoto tratado Esgoto submetido a um tratamento parcial ou completo. de transporte.

Impacto negativo ou adverso: quando a ação resulta em um dano à qualidade de um fator ou parâmetro ambiental. Impacto estratégico: quando a ação tem relevância no âmbito regional e nacional. Impacto direto: resultado da simples ação causa e efeito. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. Lagoa aerada Lagoa de tratamento de água residuárias. retidos por meio de grades ou telas. 40.gov. Impacto regional: quando a ação se faz sentir além das imediações do sítio. 38. Impacto de Vizinhança: descreve um grupo específico de impactos ambientais que podem ocorrer em áreas urbanas em conseqüência da implantação e operação de um determinado empreendimento e que se manifestam na área de influência de tal empreendimento.semarh. Impacto cíclico: quando os efeitos se manifestam em intervalos de tempo determinados. Impacto a médio e longo prazo: quando os efeitos da ação são verificados posteriormente. Gradeamento Remoção de sólidos grosseiros. em que a aeração mecânica. Impacto temporário: quando o feito da ação tem duração determinada. A profundidade mínima desta unidade é de três metros e no conjunto de lagoas. o ambiente volta à sua forma original. em que o processo biológico de tratamento ocorre na ausência de oxigênio. Impacto indireto: resultante de uma reação secundária. Lagoa de estabilização Lagoa contendo água residuárias bruta ou tratada. 36. ou quando é parte de uma cadeia de reações.br – semarh@semarh. 46 __________________________________________________________________________________________ 35. 37. ou poluidor em sentido genérico. <www. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH ação de bactérias anaeróbias.gvo.goias.goias. em que ocorre a estabilização anaeróbica ou aeróbica. ou por ar difuso. artificial ou natural. 39. Impacto permanente: quando o impacto não pode ser revertido. Impacto local: quando a ação afeta o próprio sítio e suas imediações. Impacto reversível: quando cessada a ação. é usada para suprir o abastecimento de oxigênio. Fonte poluidora Instalação ou atividade que lança poluente no meio ambiente. Impactos ambientais Impacto positivo ou benéfico: quando a ação resulta na melhoria da qualidade de um fator ou parâmetro ambiental. Lagoa anaeróbica Lagoa de oxidação.br> .

Lodo primário Constituído pelos sólidos removidos do esgoto.gvo. Lagoa de polimento. 42. A profundidade máxima desta unidade é de até 1. Medidor de vazão Equipamento utilizado para medir a vazão de um fluido que circula por um ducto: Calha Parshall: canal venturi aperfeiçoado para medir a vazão nos condutos abertos. 49. Lodo líquido Lodo contendo água suficiente (comumente mais que 85%) para permitir escoamento por gravidade ou bombeamento. Consistem essencialmente em um trecho convergente. formado pelo crescimento de bactérias do tipo zoogléia e outros organismos.goias. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.90 metros. A profundidade máxima desta unidade é de até 0.semarh. de água ou água residuária durante um processo de tratamento. por sedimentação no decantador primário. A leitura da vazão é efetuada através de régua milimetrada. Lodo químico Lodo obtido pelo tratamento dos despejos com substâncias químicas.). sedimentado no decantador secundário. uma garganta. 46. Lodo ativado Floco de lodo produzido em águas residuárias bruta ou sedimentado. em que o processo biológico de tratamento é predominantemente com a presença de oxigênio.gov. 50. pela recirculação de flocos previamente formados. que retorna para se misturar com a água residuária bruta ou de sedimentação primária. em que ocorre processo de decaimento de coliformes e de outros microorganismos presentes no efluente. geralmente esta é a segunda de um conjunto de lagoas. 45.goias. e um trecho divergente.50 metros. lodos ativados. sedimentado. 51. Lodo recirculado Lodo ativado.0 metros. A profundidade máxima desta unidade é de até 2. Lagoa facultativa Lagoa de oxidação onde simultaneamente ocorre o processo aeróbio nas camadas superiores do líquido e o processo anaeróbio nas regiões mais profundas. 48. ou depositados no fundo dos rios ou em outros corpos d’água. 47. <www. reatores UASB etc. retirando-se a _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. digestores biológicos. O lodo é mantido em concentração suficiente. na presença de oxigênio dissolvido. Lodo secundário Lodo decantado proveniente de um tratamento secundário ou biológico (filtro biológico.br – semarh@semarh.br> . 43.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH esta é sempre a primeira delas. o processo ocorre predominantemente com a presença de oxigênio. geralmente é a segunda de um conjunto de lagoas. Lagoa de maturação ou de fotossíntese. junto ao fundo. Lagoa aeróbia Lagoa de oxidação. 47 __________________________________________________________________________________________ 41. geralmente é a terceira de um conjunto de lagoas. Lodo Sólidos acumulados e separados dos líquidos. 44.

Poço freático Poço que capta água de aqüífero livre.goias. persegue uma meta estabelecida e utiliza um conjunto de recursos para alcançá-las. O material retido é removido automaticamente. Peneira estática Também conhecida por peneira fixa. <www. o material retido é deslocado por gravidade até o dispositivo de coleta. no local do poço. 52. 62. efetuada através de régua milimetrada. inclusive a implantação das estruturas físicas necessárias à gestão da unidade. Poluição Qualquer interferência prejudicial aos usos preponderantes das águas. previamente estabelecidos.gov. 59. ou observação sistemática da qualidade ambiental – água. com fundamento nos objetivos gerais de uma unidade de conservação. 54. 58. Projeto É um conjunto de atividades. ar. 61. à montante da garganta do medidor. não possuem qualquer dispositivo mecânico. O nível estático no interior do poço freático coincide com o nível da água do aqüífero. Monitoramento Medição repetitiva discreta ou contínua. Peneira dinâmica Possuem dispositivos mecanizados móveis comandados por sistemas elétricos. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. 57. Nível dinâmico Nível em que a água se mantém em um poço bombeado a uma determinada vazão. se estabelece o seu zoneamento e as normas que devem presidir o uso da área e o manejo dos recursos naturais. manual ou automático.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 48 __________________________________________________________________________________________ altura da lâmina líquida em ponto situada a uma distância de 2/3 do trecho convergente. 60. Poluente Qualquer forma de matéria ou energia que interfira prejudicialmente aos usos preponderantes das águas. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.gvo. Medidor Thompsom ou Triangular: Equipamento utilizado para medição da vazão efluente da indústria. Poço artesiano Poço que atinge um aqüífero artesiano ou confinado e no qual o nível da água se eleva acima do nível do solo.br – semarh@semarh. à montante da garganta do medidor. retirando-se a altura da lâmina líquida em ponto situada à distância de 2/3 do trecho convergente. solo etc.semarh. Plano de manejo Documento técnico mediante o qual.br> . 56. que tem um ponto inicial e um estado final definido. do ar e do solo. Nível estático Nível do lençol freático ou da superfície piezométrica fora da influência de bombeamento ou recarga. do solo e do ar. O fluxo do efluente percorre de cima para baixo. 53.goias. previamente definidos. 55.

Plano de controle ambiental (PCA) Documento técnico que contém os projetos executivos de minimização dos impactos ambientais identificados na fase de avaliação da viabilidade ambiental de um empreendimento. dimensões. 66. <www. constituindo projetos setoriais e integrados contendo as medidas necessárias à gestão do território. Plano de manejo Documento técnico mediante o qual. 70. Objetiva o retorno do sítio degradado a uma forma de utilização.br> . 64. visando a obtenção de uma estabilidade do meio ambiente (BRASIL. incluindo a implantação das estruturas físicas necessárias à gestão da Unidade.gov. Planejamento É uma ferramenta administrativa que possibilita perceber a realidade.632/1989) 69.br – semarh@semarh. desenhos. elaborado com base em estudos anteriores que assegurem a viabilidade técnica e o adequado tratamento ambiental do empreendimento.214/1978 do Ministério do Trabalho. avaliar os caminhos.goias. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA Regulamentado pela Norma Regulamentadora (NR. Esta deliberação busca alcançar. Plano de Controle Ambiental / Relatório de Controle Ambiental PCA/RCA Documentos técnicos que contém os projetos executivos de minimização dos impactos ambientais identificados na fase de avaliação da viabilidade ambiental do empreendimento. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. se estabelece o seu zoneamento e as normas que devem presidir o uso da área e o manejo dos recursos naturais. dos agentes físicos. 65. alguns objetivos prédefinidos. todas as características. com fundamento nos objetivos gerais de uma unidade de conservação.9) da Portaria 3. de acordo com um plano pré-estabelecido para o uso do solo. cronograma e demais elementos técnicos necessários e suficientes para a caracterização da obra ou serviço de engenharia a ser executado. e as quantidades de serviços e de materiais. portanto.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 49 __________________________________________________________________________________________ 63. de forma a evitar alterações e adequações durante a elaboração do projeto executivo e realização das obras. segundo o Roteiro Metodológico. variáveis quanto a natureza. 68. Seu objetivo é estabelecer uma metodologia de ação que garanta a preservação da saúde e integridade dos trabalhadores frente aos riscos dos ambientes de trabalho.semarh. Plano de recuperação de área degradada Operações que têm por objetivo o retorno do sítio degradado a uma forma de utilização. através de seus elementos constitutivos. 97. especificações técnicas. o lado racional da ação.goias. 67. da melhor forma possível. de acordo com um plano pré-estabelecido para o uso do solo. químicos e biológicos. Plano de gestão Conjunto de ações pactuadas entre os atores sociais interessados na conservação e ou preservação ambiental de uma determinada área. Sendo. orçamento.gvo. custos e tempo necessários para execução da obra ou serviço de engenharia. atendendo às Normas Técnicas e à legislação vigente. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. Projeto básico de controle de poluição É o conjunto de memoriais descritivos. especificações. Devem estabelecer com precisão. visando a obtenção de uma estabilidade do meio ambiente. Decreto. construir um referencial futuro. estruturando o trâmite adequado e reavaliar todo o processo a que o planejamento se destina.

conforme definido na resolução 420. substâncias ou artefatos que possam acarretar riscos à saúde humana e animal. possui sistema de descarga de lodo e de coleta superficial do efluente tratado. de 12 de fevereiro de 2004. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água e aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição.446/2009.1º do Decreto 50. 77. 78. que exijam soluções técnicas especiais ou da melhor tecnologia disponível para sua destinação. 72. cujas conseqüências possam provocar sérios danos a pessoas. estabelecidas uma organização para atender a uma emergência e contém informações detalhadas sobre as características da área envolvida. facilitar. NBR 10.br> .semarh. 50 __________________________________________________________________________________________ 71. inclusive de terceiros. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272.gov. 76.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH concentração ou intensidade e tempo de exposição.goias. semi-sólido. mas também pode ter a superfície aberta. ou. ao meio ambiente e a bens patrimoniais. organizar. (Upflow Anaerobic Sludge Blanket Reactors ) Denominados de reator anaeróbio de leito de lodo fluidizado. com velocidade ascensional uniforme. 74. sendo alimentado com esgoto uniformemente pela parte inferior. devem ter como atitude preventiva. agilizar e uniformizar as ações necessárias às respostas de controle e combate às ocorrências anormais. Processo de lodo ativado Processo de tratamento biológico de águas residuárias. e líquido . <www. contendo um compartimento de decantação e um de separação de líquido/gás. ou exijam para isso soluções técnicas ou economicamente inviáveis em face da melhor tecnologia disponível.ANTT. Plano de emergência ou contingência É um documento onde estão definidas as responsabilidades. conforme art.gvo. Resíduos sólidos é todo resíduo que resulte de atividades industriais e que se encontre nos estados sólido. É um documento desenvolvido com o intuito de treinar. Unidade que tem uma altura útil superior a quatro metros e meio.B. São como uma caixa fechada.goias.004 (2004). 73.A. gasoso .cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgoto ou em corpos d'água. Produtos Perigosos Consideram-se produtos perigosos os materiais. Resíduo Material ou resto de material cujo proprietário ou produtor não mais o considera com valor suficiente para conservá-lo. 75.br – semarh@semarh. instalações de controle de poluição e de sistemas de tratamento de água.004 (2004) resultante de atividades industriais. o qual utiliza microrganismos em suspensão para oxidar a matéria orgânica solúvel e coloidal para CO2 e H2O na presença de oxigênio molecular. Rejeito Material ou resto de material que não tem valor comercial que permita sua revenda. bem como prejuízos materiais e danos ao meio ambiente.quando contido. Resíduos Especiais É todo resíduo de classe “I” listados na NBR 10. da Agência Nacional de Transportes Terrestres . setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO.S. e nas demais normas específicas que alterem e/ou atualizem a legislação pertinente ao transporte de produtos perigosos. orientar. Reator U.

Fé Cl3 cloreto férrico. 81. Na2O. Coagulantes básicos: Na AlO2. oxidar e nitrificar a matéria orgânica presente na água residuária. LAGOAS AERADAS (L. 84. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. Tratamento primário Processo de tratamento de água residuária com a finalidade da remoção de parte dos sólidos suspensos e da matéria orgânica (precursor do tratamento biológico). Exemplos: Coagulantes ácidos: AL2 (SO4)3 – Sulfato de alumínio. aerada). LAGOAS AERÓBIAS (facultativa. Tratamento secundário ou biológico Tratamento de água residuária por meio de métodos biológicos. Refere-se normalmente. maturação. 82. nitrogênio.goias. etc). etc. ácidos ou básicos. Tratamento terciário Tratamento de água residuária que inclui a remoção de nutrientes. <www. 85. 86. Al2O3. que prepara a água residuária para outras operações subseqüentes. • Exemplos: peneiramento. Tratamento anaeróbico Estabilização de resíduos feita pela ação de microorganismos. ou Na2Al2O4 – aluminato de sódio. Têm por finalidade a remoção de matéria orgânica carbonácea biodegradáveis e sólidos suspensos. muitas vezes passível de ser aproveitado. L. na qual a ação bacteriológica ou bioquímica é intensificada para estabilizar. sedimentação. CL3n-m] – Policloreto de Alumínio. produz um efluente de alta qualidade. Tratamento aeróbico Tratamento por oxidação biológica. 80. após tratamento primário ou sedimentação. REATOR ANAERÓBIO DE MANTA DE LODO COM FLUXO ASCENDENTE (UASB). Utilizado como tratamento intermediário ou polimento final pela aplicação de coagulantes metálicos. flotação de sólidos suspensos. FILTROS BIOLÓGICOS ANAERÓBIOS.gvo. 79. Também conhecido como tratamento avançado de despejos. Fe2 (SO4)3 – sulfato férrico. tais como: gradeamento. Tratamento preliminar ou físico Processo de tratamento envolvendo operações unitárias. Exemplos: LODOS ATIVADOS (suas derivadas). aerada facultativa.semarh. em presença de oxigênio. ao tratamento por fermentação metânica.gov. 83. Tratamento biológico Forma de tratamento de água residuária. compostos tóxicos e uma grande porcentagem de sólidos suspensos.br – semarh@semarh.br> . Tratamento químico Qualquer processo envolvendo a adição de reagentes químicos para a obtenção de um determinado resultado. DECANTO-DIGESTOR. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. tais como: fósforo. Sumidouro Poço destinado a receber o esgoto tratado e permitir sua infiltração no solo. Fe SO4 – Sulfato ferroso.goias. na ausência de ar ou de oxigênio elementar.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 51 __________________________________________________________________________________________ que ainda não tem tecnologia disponível para seu aproveitamento. LAGOAS ANAERÓBIAS. [Aln (OH)m. desarenação e remoção de substâncias flutuantes. Tem por finalidade a remoção de constituintes que podem causar problemas operacionais e de manutenção. 87.

por meio de um tratamento primário e secundário. 90.gvo. destinadas a filtrar o efluente da fossa séptica antes do seu lançamento em águas de superfície. 92. O tanque de aeração é parte do processo de tratamento das águas residuárias. através de tubulação convenientemente instalada. com o objetivo de transferir oxigênio necessário à respiração das bactérias. Pode incluir outros tipos especiais de tratamento e desinfecção. e permitir sua infiltração em camadas subsuperficiais do terreno. que oxidam a matéria orgânica existente. setor universitário – Telefone: (62) 32015188/32651300 – Fax (62) 32015185/32016971 CEP: 74605-060 – Goiânia – GO. Envolve a remoção de uma alta porcentagem de matéria orgânica dissolvida. _________________________________________________________________________________________ Documento que requer atualização e revisões periódicas GCP / GRS 11ª avenida nº 1272. o processamento da água residuária de origem doméstica ou industrial. Tanque de aeração ou reator biológico aeróbio Unidade onde o ar é injetado na água residuária.goias. de vazão e composição de uma água residuária.gov. que consiste principalmente na oxidação de matérias orgânicas complexas constituintes dos esgotos.Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos – SEMARH 52 __________________________________________________________________________________________ 88. onde as atividades humanas estão sujeitas as normas e restrições específicas. Valas de infiltração Valas destinadas a receber o efluente da fossa séptica. Valo de oxidação É um sistema de tratamento de esgotos. Zona de amortecimento O entorno de uma unidade de conservação. Valas de filtração Valas providas de material filtrante e tubulações convenientemente instaladas. 93. 91. Tanque de equalização Unidade de regularização das variações. <www. 89. através de reações enzimáticas promovidas por microorganismos. Tratamento completo No sentido genérico. com o propósito de minimizar os impactos negativos sobre a unidade.goias. 94.semarh.br> .br – semarh@semarh.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->