P. 1
FMUSP 2011 - Prova Geral

FMUSP 2011 - Prova Geral

|Views: 4.933|Likes:
Publicado porThiago Secundino

More info:

Published by: Thiago Secundino on Jun 17, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/22/2013

pdf

text

original

Nome do Candidato

:

ASSINE SOMENTE NESSE QUADRO

_________________________________________
assinatura

RESIDÊNCIA MÉDICA - 2011

Áreas Básicas ou Acesso Direto
Prova de Respostas Curtas

INSTRUÇÕES • Verifique se você recebeu um CADERNO DE QUESTÕES e um CADERNO DE RESPOSTAS. • Verifique se os dois cadernos contêm um total de 49 questões, numeradas de 1 a 49. Caso contrário solicite ao fiscal da sala um outro caderno completo. Não serão aceitas reclamações posteriores. • Leia cuidadosamente cada uma das questões e responda exclusivamente no
RESPOSTAS, CADERNO DE

no espaço delimitado para cada questão, atentando para o enunciado.

• Não escreva seu nome fora do local indicado. Isto anulará sua prova. • Responda as questões com caneta de tinta azul ou preta.

ATENÇÃO • Para as questões em que se solicita um número definido N de respostas, serão consideradas na correção apenas as N primeiras respostas do candidato.
Por exemplo, onde for solicitado 5 respostas, serão consideradas apenas as 5 primeiras.

• Não será permitida qualquer espécie de consulta, nem o uso de aparelhos eletrônicos.
As imagens de pacientes e de exames complementares exibidos têm prévia autorização para apresentação.

"Direitos autorais reservados. Proibida a reprodução, ainda que parcial, sem autorização prévia".

Novembro/2010

edudata

número de Partos. até 5% dos neutrófilos com 5 lobos K+= 3.5 mg/dL Capacidade de ligação de ferro= 240-450µg/dL Colesterol total= inferior a 200 mg/dL Creatinina= 0.Ultrassonografia VHS .5-5.5 µU/mL TTPA .Unidade Básica de Saúde USG .000-120.8 a 5.1 ng/dL) Ferritina (índice)= 10-80 µg/L Ferro sérico= 60 a 170µg/dL Fosfatase alcalina (FA)= 40 a 130 U/l Fração de ejeção= maior que 55% FSH= 41 UI/L (menacme até 30 UI/L) Gama Glutamiltransferase (gama Gt)= 8 a 61 U/l Glicemia de jejum= 70 a 100mg/dL Haptoglobina= 30 a 200 mg/dL Hematócrito (Ht)= 40 a 52% Hemoglobina (Hb) = 12 a 14 g/dL Hemoglobina corpuscular média (HCM)= 27 a 32pg Hemoglobina glicada= menor que 7% Índice de Segmentação de neutrófilos VN=2-4%.4 .0mg/dL Alanina Aminotransferase (TGP)= inferior a 41U/l Amilase= 40 -140 UI/L Amplitude da distribuição de eritrócitos (RDW)=9. número de Abortos P – pulso PA .Doença Hipertensiva Específ.ar ambiente BCF .frequência cardíaca FR .0 a 1.5 mg/dL Bilirrubina total= 1.Regular estado geral Sat O2 .9 mil/mm Hemoglobina (Hb) 6 a 12 anos = 13.2mg/dL Creatino Fosfoquinase (CPK) = 40 a 300 U/l Desidrogenase láctica (DHL) = 240 a 480 U/L DHL= superior a 50 mg/dL 3 Eosinófilos= 0.5 g/dL Na+= 135-145 mEq/L 3 Hemoglobina (Hb) 6 meses a 2 anos= 12 g/dL Neutrófilos= 1.Até 1.Bom estado geral BRNF .saturação de oxigênio TEC .00/mm 3 Reticulócitos corrigidos= 0.7 .creatinina DHEG .5 g/dL Monócitos= 0.5 mmol/L LDL= inferior130 mg/dL 3 Leucócitos= 5.2 Volume corpuscular médio (VCM)= 80 a 100 fl .1 mg/dL Ca++ iônico= 4.temperatura axilar U .5% a 3.4 mil/ mm VALORES DE REFERÊNCIA PARA CRIANÇAS Lipase= 3-73 UI/L 3 Hemoglobina (Hb) 2 a 6 anos= 12.tempo de enchimento capilar To .000 a 450.0 mEq/L Lactato= <2.5 a 16% Antígeno prostático especifico total (PSA)= menor que 4 ng/dL Aspartato Aminotransferase (TGO)= inferior a 37U/l Bilirrubina direta= inferior 0.05 a 0.velocidade de Hemossedimentação VALORES DE REFERÊNCIA PARA ADULTOS Ácido úrico= 3.000/ mm 3 Linfócitos= 0. Curtas .1.0% (20.Pós-operatório REG .4 -70 à 100% Triglicérides= inferior a 150mg/dL TSH= 0.0 mil/ mm Hemoglobina (Hb) até 1 mês= 11 a 15 g/dL PCR= até 4 mg/dL 3 Hemoglobina (Hb) recém nascidos= 17 a 22 g/dL Plaquetas=150.hemoglobina Ht .bulhas rítmicas normofonéticas s/ sopros Cr .5 mil/ mm Estradiol= 4.uréia UBS .000/mm ) Saturação de transferrina= 20-50% T3= 40 a 180 ng/dL T4 livre= 0.Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp.9 a 3.7 a 1.4 a 7.4.5 ng/dL TP (INR)= 1.murmúrios vesiculares nG nP nA número de Gestações.2 a 0.000 a 10.LISTA DE ABREVIAÇÕES AA .hematócrito MV .6 a 7.0 ng/dL (menacme 1.3 a 21. da Gravidez FC .2 Uréia= 10 a 50 mg/dL VHS= até 20mm/h VLDL= inferior a 40 mg/dL FMUSP .frequência respiratória Hb .batimentos cardíacos fetais BEG .pressão arterial PCR .proteína C reativa PO .

depressível e sem sinais de trombose venosa profunda. Articulações: sem sinais flogísticos. Refere ciclos menstruais irregulares. Na ocasião.Caso 1 Atenção: As questões de números 1 e 2 referem-se ao caso abaixo. Refere também queimação epigástrica diária nos últimos 6 meses. Utilize o caderno de respostas. Tem diagnóstico de lúpus eritematoso sistêmico há 2 anos. Cite as três principais hipóteses diagnósticas para esta paciente. Curtas . FR=24 ipm. Ecocardiograma: aumento do volume diastólico final. Esse estado é diário. o quadro clínico foi articular. sem sinais de restrição diastólica. No último ano está em uso de cloroquina com controle total dos sintomas articulares. Sente tensão muscular e fadiga. T: 36. Está globalmente orientada. P=FC=136 bpm. Não tem alterações da sensopercepção. Nega qualquer outro sintoma. Não nota qualquer piora no período perimenstrual. Nos últimos 6 meses tem sentido cansaço progressivo aos esforços e edema vespertino de membros inferiores. Os seus pais têm alertado sobre o excesso de consumo de álcool. QUESTÃO 1. MV presentes com estertores finos em bases. Transpira muito nas mãos e com frequência sente palpitações. Na última semana sente cansaço para andar um quarteirão. Atualmente. Exame clínico geral normal com exceção de tremor fino de extremidades. pois ambos gostam de beber juntos (1 garrafa de vinho em cada encontro). BRNF com sopro sistólico 1+/6+. Facilmente perde a paciência com o namorado e com os pais. sem polarização do humor. audível em todos os focos e com maior nitidez no foco aórtico acessório. (CONTINUA NA PRÓXIMA PÁGINA) FMUSP . Às vezes. anictérica. Por isso. consciente. o que a irrita mais ainda. Mulher de 40 anos de idade é internada em enfermaria de clínica geral.3 . Qual é ou são os exames complementares a serem solicitados? Caso 2 Atenção: As questões de números 3 a 5 referem-se ao caso abaixo. sem alteração de relaxamento. PA=120x52mmHg. No exame clínico: BEG. Não faz uso de outras drogas ou medicações.Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp. no fundo. sem derrame pericárdico. com juízo e crítica preservados. no lugar delimitado para responder essas questões. fração de ejeção de 70%. tem brigado muito com seus pais e não consegue se concentrar no trabalho. orientada. Membros inferiores: edema: 2+/4+. Foram solicitados os seguintes exames complementares: Radiografia de tórax: discreto aumento de área cardíaca com sinais de congestão em bases.6oC. Está frequentemente apreensiva. com a impressão de que algo ruim pode acontecer a qualquer instante e refere que não consegue relaxar. descorada 3+/4+. com piora à alimentação. orofaringe: língua lisa. não têm muita importância. com hipermenorragia há 5 anos. hidratada. afebril. Mulher de 33 anos de idade procura o ambulatório geral referindo que há 1 ano tem estado muito preocupada com coisas que. mas com afetividade lábil e com tônus elevado. Eletrocardiograma: vide Figura 1. não se identificando papilas gustativas. com o novo namorado. Semiologia abdominal: normal. QUESTÃO 2. sente que está beirando a loucura. Exame psíquico: psicomotricidade aumentada. sem inversão E:A. tem saído 3 vezes por semana. Estase jugular móvel presente a 45o e extremidades quentes. Refere que sempre gostou de tomar uma cerveja no final de semana. antecedente patológico relevante.

0 mg/dL teste de Coombs direto e indireto: negativos haptoglobina: 80 mg/dL índice de segmentação de neutrófilos: 7. QUESTÃO 5. 34% linfócitos.0 mg/dL Na+: 135 mEq/L K+: 4.0 g/dL Ht:13% VCM: 95 fL HCM: 30 pg leucócitos: 4000 mm3 (2% bastonetes.4 .0% 5 lobos-18%. C3 e C4: normais Dosagem de ácido fólico e vitamina B12 em análise Endoscopia digestiva alta: gastrite enantemática moderada.Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp. Faça a prescrição inicial da paciente.(CONTINUAÇÃO DO CASO 2) Uréia: 40mg/dL creatinina: 1. Curtas . 6 ou mais lobos. Cite os diagnósticos da paciente. Cite o diagnóstico eletrocardiográfico.000/mm3) ferritina: 4 g/L ferro sérico: 10 g/dL saturação de ferro: 5% capacidade total de ligação: 550 g/dL DHL: 2000 UI Bilirrubinas totais: 1. I aVR V1 V4 II aVL V2 V5 III aVF V3 V6 II Figura 1 QUESTÃO 3.0 mEq/L urina tipo 1: normal Hb: 4. teste da urease positivo. sem ulcerações. 62% de neutrófilos. QUESTÃO 4.000/mm3 Reticulócitos corrigidos para a taxa de hemoglobina: 0.3% (15. 2% eosinófilos) Plaquetas: 100.2% PCR: 2mg/dL complemento total. FMUSP .

Curtas . sensibilidade superficial preservada. Há 3 dias deixou de deambular. Nega manifestações infecciosas nos últimos meses. Cite o principal exame complementar a ser solicitado neste momento para a confirmação diagnóstica. corado. Considere que a principal hipótese diagnóstica foi confirmada. com diagnóstico prévio de doença pulmonar obstrutiva crônica estágio I. orientado têmporo-espacialmente. Ao exame clínico geral: REG. grau III distal e IV proximal em membros inferiores. ausência de sinais de espasticidade. reflexos profundos globalmente abolidos. Cite a principal hipótese diagnóstica para o quadro neurológico do paciente. Foi vacinado para gripe há 3 semanas. evoluiu com piora do padrão respiratório. FR: 44 ipm. anictérico. PA: 130x82 mmHg.Caso 3 Atenção: As questões de números 6 a 10 referem-se ao caso abaixo. consciente. Ao exame neurológico: força grau III proximal e II distal em membros superiores. afebril. força grau V proximal e distal em membros superiores. preservação da sensibilidade cinético-postural. No 3º dia. qual é a conduta a ser adotada? O paciente foi internado na unidade de terapia intensiva. A figura abaixo ilustra o modo ventilatório escolhido. pontuação na escala de coma de Glasgow:13. saturação de O2 em ar ambiente: 89%. hidratado. grau I distal e II proximal em membros inferiores. pulmonar e abdominal: normais. Neste momento o exame clínico: P=FC: 100 bpm. FR: 22 ipm. P=FC: 88bpm. Do ponto de vista epidemiológico. Cite o modo de ventilação programado. Qual é o resultado deste exame que confirmaria a principal hipótese diagnóstica? QUESTÃO 8. ventilação. acianótico. PA: 104x66 mmHg. QUESTÃO 6. Homem de 50 anos de idade. Optou-se por intubação orotraqueal e ventilação mecânica invasiva. pares cranianos normais. QUESTÃO 10. O restante do exame clínico não apresentava alterações. Nos primeiros 2 dias necessitou de ventilação não invasiva. Cite o ou os parâmetros a serem programados no aparelho nesse modo de FMUSP .5 .Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp. QUESTÃO 7. QUESTÃO 9. eupneico. chega ao pronto socorro com queixa de dificuldade progressiva para caminhar há 3 dias acompanhada de dor e formigamento em pés. Semiologias cardíaca. Ao exame neurológico: linguagem preservada.

Nunca foi internado. Exame clínico: REG. bem ventilada e com saneamento básico. corado. sem cansaço no peito.Caso 4 Atenção: As questões de números 11 e 12 referem-se ao caso abaixo. glicemia capilar: 120mg/dL. hidratado. Não tomou antibiótico em nenhuma outra ocasião. ora amarelada. É hipertenso de longa data. acianótico. A mãe refere que ele está sempre com o nariz escorrendo com secreção ora aquosa. nunca precisou de inalação com broncodilatador. dormindo bem à noite. Semiologias cardíaca. A vacinação está em dia.1 cm (percentil 50). pulmonar. Aceita bem a alimentação que é adequada para idade. Cite a conduta na sala de emergência.Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp. ausência de sinais meníngeos. abdominal e de membros: normais. saturação de oxigênio em ar ambiente: 94%. P=FC: 56 bpm. FR: 20 ipm (CONTINUA NA PRÓXIMA PÁGINA) FMUSP . Inclua os exames complementares a serem solicitados nas primeiras horas do atendimento. Foi realizada a fundoscopia que está representada na figura abaixo. vai para a creche desde os 6 meses de idade. eupneico. Curtas . Fica com os pais à noite e nos finais de semana. Descreva a imagem encontrada no exame de fundo de olho. Os pais não fumam. Exame clínico: BEG. desorientado têmporoespacialmente (pontuação na escala de coma de Glasgow: 14). altura: 95. no máximo. PA: 210x144 mmHg. QUESTÃO 12. eupneico. 48 horas. QUESTÃO 11. sem sinais neurológicos focais. Estes episódios são acompanhados de febre em poucas ocasiões por. FR: 12 ipm. Apresenta tosse produtiva. quando a mãe voltou a trabalhar. Caso 5 Atenção: As questões de números 13 a 15 referem-se ao caso abaixo. Nega antecedentes familiares patológicos relevantes. peso: 14. Os pais e a criança moram em uma casa de alvenaria. corado. FC=P: 80bpm. A última vez que teve febre foi há 10 dias e atualmente encontra-se sem tosse. Não é necessário justificar a resposta. em tratamento irregular com atenolol 50 mg/dia. Homem de 55 anos de idade apresenta-se ao pronto-socorro de um hospital secundário com queixa de cefaléia e vômitos há 12 horas. ativo.6 . Teve uma otite média aguda há 10 meses tratada com amoxicilina. Sra Izaura chega com seu filho Carlos de 3 anos de idade à consulta na UBS e queixa-se de que nos últimos 18 meses ele está sempre resfriado. O pai é motorista de ônibus. Condições de vida e ambientais: primeiro filho. em várias ocasiões.2 Kg (percentil 50).

7 . Cite a ou as hipóteses diagnósticas para esta criança. Exame articular: quadril direito em flexão e rotação externa com grande dificuldade à abdução. Exame clínico de entrada: REG. Cite cinco exames complementares fundamentais para elucidação diagnóstica. pulmonar e abdominal: normais. Qual é ou são os exames que devem ser solicitados para elucidação diagnóstica? QUESTÃO 20. nascida de parto normal a termo. Semiologias cardíaca. Semiologias cardíaca. FR: 38 ipm. sudoreico. PA: 90x 50mmHg. orofaringe: com discreta hiperemia e sem hipertrofia tonsilar. Dificuldade de avaliação de sinais meníngeos. móveis. QUESTÃO 19. chorosa e perdeu o apetite. Caso 6 Atenção: As questões de números 16 e 17 referem-se ao caso abaixo.1oC. Na região genital: testículos na bolsa. Considerando a ou as hipóteses diagnósticas. cite a ou as condutas terapêuticas imediatas a serem adotadas. T=39. gânglios submandibulares menores de 0. que chegou a 39. otoscopia: discreta hiperemia de membrana timpânica bilateral. hidratado. pulmonar e abdominal: normais. QUESTÃO 15. Cite a ou as hipóteses diagnósticas para QUESTÃO 17. Cite a ou as hipóteses diagnósticas.5 cm. Há dois dias levou um tombo enquanto jogava futebol. Teve dor na hora. Hoje.2OC. acianótica. procurou o pronto socorro por apresentar há 1 dia quadro de tosse. Curtas . consciente. orientado. Menino de 8 anos de idade chega ao hospital com história de dor em membro inferior direito de forte intensidade e com dificuldade para deambular há um dia.5ºC e piora importante da dor. Orofaringe: hiperemia de mucosa oral. indolores. Cite duas justificativas para a queixa principal da mãe. T: 38. Cite a conduta terapêutica e as orientações a serem fornecidas à mãe. FR= 42ipm. descorado +1/4+. Caso 7 Atenção: As questões de números 18 a 20 referem-se ao caso abaixo. sem abaulamentos. P=FC: 97 bpm. ele continuou a partida até o final. mas como passou logo. Não há outras alterações ao exame clínico. corada. QUESTÃO 18. saturação de O2 em ar ambiente: 96%. esta paciente. peso no percentil 50%.Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp. sem alterações. Criança do sexo feminino. PA: 110x70mmHg. Hoje. sem pontos purulentos. Otoscopia: membrana timpânica translúcida bilateralmente. Fez uso em casa de paracetamol sem melhora. Foi realizada a seguinte radiografia de tórax: QUESTÃO 16.2oC. começou a apresentar febre de 38. hidratada. saturação O2 em ar ambiente: 95%. houve piora da febre. Está muito irritada. TEC: 2 seg. Ao exame clínico: REG. consciente. coriza e febre baixa. FMUSP . QUESTÃO 13. QUESTÃO 14. anictérica. P=FC= 140bpm. 2 anos de idade. pontuação na escala analógica de dor: 9/10. sem antecedentes patológicos relevantes.(CONTINUAÇÃO DO CASO 5) Coriza hialina no momento e conchas nasais com leve hiperemia.

observou-se soroconversão em 140 crianças que receberam a dose de 15 µg e em 160 crianças no grupo que recebeu a dose de 30µg. fígado palpável no rebordo costal direito. Qual é ou são as principais hipóteses diagnósticas e o ou os agentes etiológicos prováveis? QUESTÃO 22. RHA presentes. nos dois grupos de intervenção. Marina. FMUSP . A vacinação está em dia. nomeie e interprete a medida que determina a chance de soroconversão nas crianças que receberam a vacina com a dose de 30 µg em relação àquelas que receberam a dose de 15 µg. 5 anos de idade. Semiologia abdominal: flácido. Um dos estudos recrutou 360 crianças saudáveis. P=FC: 90bpm . pela manhã. (adaptado de JAMA 2010. na Austrália. levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar caráter pandêmico desta virose. sem abaulamentos. Calcule. Em decorrência disto. FR: 20ipm. deveria ser aleatória? Justifique a sua resposta. Otoscopia: membrana timpânica levemente hiperemiada bilateralmente. QUESTÃO 25. 303:37-46) QUESTÃO 24. para receber um tipo de vacina com doses diferentes de vírus H1N1 inativo. QUESTÃO 23.Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp. Cite duas complicações relacionadas à principal hipótese diagnóstica. principalmente em face e um pouco em tronco. baço palpável há 1. Peso e estatura estão no percentil 50%. Exame clínico de entrada: BEG.8°C . de 6 meses a 9 anos de idade. houve melhora da febre mas apareceram manchas vermelhas pelo corpo. de consistência fibroelástica. vacinas anti-H1N1 estão sendo testadas. acianótica.5cm. Gânglios submandibulares palpáveis. Orofaringe: hiperemia em mucosa oral. Semiologias cardíaca e pulmonar: normais. menores que 0. ausência de pontos purulentos. anictérica.T= 36. quando ela ficou exposta ao sol.Caso 8 Atenção: As questões de números 21 a 23 referem-se ao caso abaixo. Caso 9 Atenção: As questões de números 24 e 25 referem-se ao caso abaixo. braços e mãos. Hoje. Qual deve ser a conduta terapêutica? Cite duas orientações a serem fornecidas à mãe. hidratada. indolor à palpação. Pele: exantema máculo papular em face (vide foto abaixo) e tronco e rendilhado em braços e mãos. Curtas . eupneica. causando cerca de 12 mil mortes em todo o mundo. PA: 100x60 mmHg. A alocação das crianças participantes do estudo. corada. chega ao pronto atendimento com história de febre alta há 2 dias que cede com antitérmicos. A ocorrência da infecção pelo novo vírus da influenza A (H1N1) em 2009. Está com bom apetite e negava outras queixas.8 . mas retorna em seguida. Essas crianças foram divididas em dois grupos: um grupo (180 crianças) recebeu a vacina com dose de 15 µg de vírus inativo enquanto o outro grupo (180 crianças) recebeu uma dose de 30 µg. A mãe refere que as lesões pioraram nos braços e mãos ao longo do caminho para o hospital. QUESTÃO 21. Após 14 dias de aplicação da vacina.0 cm do rebordo costal esquerdo.

90 2. Caso 11 Atenção: As questões de números 28 a 30 referem-se ao caso abaixo. foi convidado para dar uma palestra com o título “Beba com moderação – você sabe o que é isso?”. A diretora da escola pediu para que você preparasse um resumo dos aspectos mais importantes da sua palestra para que a Instituição pudesse elaborar um folheto que deverá ser distribuído para os alunos neste dia. que devem ser incluídas no folheto e que possam indicar o perfil com maior risco de se envolver em brigas na escola. ICI (95%) – Intervalo de confiança inferior . Curtas . ou seja.09 2.9 . que estava sob o efeito agudo de álcool. que resultou num ferimento grave de face de um dos alunos por um colega. 10:323-329) QUESTÃO 28. Considerando os dados da tabela acima. Variável Idade Sexo Renda Uso de álcool Bolsista OR bruto 1.02 3.50 1. 80 mil tiveram suas causas classificadas no capítulo XVIII da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. cite quatro efeitos deletérios do álcool para adolescentes sadios que devem ser incluídas no folheto.Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp. renda per capta: até 2 salários mínimos. sexo: masculino.83 1. consumo de álcool: sim.98 OR – odds ratio. bolsista: sim (*adaptado Academic Pediatrics 2010. Você foi o médico convidado para assessorar o secretário de saúde de uma localidade onde a ocorrência de óbitos classificados neste capítulo do CID-10 é de 35%. nos anos de 2003 e 2004. de um total de pouco mais de um milhão de óbitos registrados no Brasil.89 OR ajustado 0. você se deparou com o artigo que mostrava a seguinte tabela*: Análise multivariada dos fatores associados com briga em adolescentes na Califórnia. segundo dados do Ministério da Saúde. décima revisão (CID-10). que justifiquem a alta ocorrência de óbitos com essa classificação. QUESTÃO 30. entre estudantes do curso médio.54 0. (adaptado de reportagem do jornal o Estado de São Paulo. não classificados em outra parte.90 0.46 0. Cite duas causas.84 1.29 2. QUESTÃO 27. Motivados pela briga ocorrida durante a festa da escola. QUESTÃO 29. Em 2008. Do ponto de vista de saúde pública. Sabendo que este indicador pode variar muito entre diferentes localidades. relacionadas ao sistema de saúde. você. n=4010 adolescentes de 12 a 17 anos. sinais e achados anormais de exames clínicos e de laboratório. cite quatro medidas necessárias a serem adotadas pelo município para se atingir padrões internacionais. por ser médico e ex-aluno dessa escola. Sintomas. Este grupo representou a quinta maior causa de óbitos no Brasil.70 2.60 0. Santa Catarina.04 1. como os alcançados pelos estados de São Paulo.10 2.50 1.Intervalo de confiança superior.94 ICI (95%) 0. cite as quatro características do adolescente. Goiás entre outros. 20 de junho de 2010) QUESTÃO 26.89 ICS (95%) 1. Categoria de Referência: idade: <14anos.Caso 10 Atenção: As questões de números 26 e 27 referem-se ao caso abaixo. Cite duas estratégias de políticas públicas para prevenir esses efeitos deletérios. Ao fazer uma revisão bibliográfica sobre o tema.50 1. ICS(95%) . FMUSP .

Ultrassonografia de pelve e abdome: útero aumentado de volume (700cm3). PA: 120x80mmHg. Cite cinco dos principais motivos relacionados ao paciente e/ou aos medicamentos utilizados para o tratamento da tuberculose que justifiquem a queda em número de casos de TB do grupo X5 para o grupo X6. A menstruação tem duração de 6 dias e os ciclos menstruais têm intervalo de 27 dias. os testes diagnósticos e os tratamentos disponíveis na atualidade. 26:159-162) Considerando a história natural da tuberculose. Faça a prescrição do pós-operatório imediato (próximas 12 horas) desta paciente. Caso 13 Atenção: As questões de números 33 e 34 referem-se ao caso abaixo. responda: QUESTÃO 31. Ovários: sem alterações. orientada. presença de nódulos miometriais compatíveis com o diagnóstico de miomas. Curtas . Cite três motivos que possam justificar a queda em número de casos do grupo X6 para o grupo X7. RDW: 14%. Não há outras alterações do exame clínico. P=FC: 92bpm. HCM: 21 pg. com duração total de 3 horas. Cite a ou as condutas terapêuticas medicamentosas para a paciente. Teve 3 gestações e 3 partos vaginais. útero de volume aumentado (aproximadamente 7 vezes o tamanho normal) e de consistência fibroelástica. optou-se por histerectomia total abdominal.Caso 12 Atenção: As questões de números 31 e 32 referem-se ao caso abaixo. Ht: 25%. Exame clínico: BEG. É fumante de 1 maço ao dia há 20 anos. A implantação de programas de controle da tuberculose (TB) se depara com grandes dificuldades que podem ser entendidas a partir da análise do esquema abaixo. QUESTÃO 34. consciente. QUESTÃO 33.Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp. Após o tratamento clínico. descorada 2+/4. Nega alergia a qualquer tipo de medicação. sendo: P : população geral X1: total de casos de TB X2: casos de TB que demandam serviços de saúde (SS) X3: demanda atendida X4: casos diagnosticados de TB X5: inicia tratamento de TB X6: término de tratamento de TB X7: casos curados (adaptado de J Pneumol 2000. anictérica. afebril. QUESTÃO 32. Realizou-se anestesia intradural (raquidiana) e a operação ocorreu sem problemas.10 . Mulher de 41 anos de idade procura o ambulatório com queixa de menorragia intensa há 6 meses. VCM: 75 fL. Exames complementares: Hb: 9 g/dL. FMUSP .

Antecedentes obstétricos: 2G 2P vaginais 0A. Cite a ou as condutas diagnóstica e terapêutica medicamentosa para a paciente. Exame clínico: aumento do tônus uterino.Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp. hipertensa em uso de metildopa. Qual é a ou as principais hipóteses diagnósticas para a paciente? Justifique. Traz os seguintes exames complementares colhidos há 10 dias: Estradiol: 4. anexos não palpáveis. glandular e metaplásico. Mulher de 51 anos de idade retorna ao médico para consulta de ambulatório. QUESTÃO 35. Exame clínico geral: sem alterações. Exame especular: colo do útero sem alterações. sem odor fétido. epitélios representados na amostra: escamoso. Corrimento vaginal amarelado bolhoso. glicemia de jejum. Nega antecedentes pessoais e familiares patológicos relevantes.1). Curtas .Caso 14 Atenção: As questões de números 35 e 36 referem-se ao caso abaixo. Toque vaginal: útero de tamanho e consistência normais.3 a 21. O recém-nascido do sexo masculino apresentou Apgar 3/8 e peso de 2850g. A sua última menstruação foi há 5 meses. QUESTÃO 36. citando três características descritas na história e/ou exame clínico obstétrico desta paciente. Gestante de 37 anos de idade. Caso 15 Atenção: As questões de números 37 e 38 referem-se ao caso abaixo. A paciente foi encaminhada ao centro obstétrico para cesariana de urgência.0 ng/dL (Menacme: 1. colesterol total e frações e pesquisa de sangue oculto nas fezes: normais. pequena quantidade de sangue coletado em fundo vaginal e não foram auscultados os batimentos cardíacos fetais. QUESTÃO 38. Mamografia: BI-RADS 2 Citologia oncótica cérvico-vaginal: citologia convencional. Microbiologia: Trichomonas vaginalis. ausência de dor à mobilização uterina. Cite dois diagnósticos diferenciais de relevância perinatal. FMUSP .11 . FSH: 41 UI/L (Menacme: até 30 UI/L). Refere corrimento em pequena quantidade. Não há outras alterações de exame clínico geral. alterações celulares benignas. 3G 2P (cesarianas) 0A. Exame ginecológico: mamas sem alterações à inspeção e à palpação. QUESTÃO 37. Interprete os resultados das dosagens hormonais. na 38ª semana da gestação. hoje procura o pronto-atendimento com queixa de dor abdominal de início súbito associada à diminuição da movimentação fetal. amostra satisfatória.

Curtas . sem antecedentes pessoais patológicos relevantes. com movimentação ativa. Ao especular: presença de leucorréia grumosa em pequena quantidade. Palpação abdominal: feto em apresentação cefálica. QUESTÃO 39.12 . dorso à esquerda. Ao toque vaginal: colo grosso. Primigesta de 14 anos de idade. está em acompanhamento pré-natal em UBS. Nessa ocasião. tônus normal e peso estimado de 1. batimentos cardíacos fetais rítmicos (150bpm).Caso 16 Atenção: As questões de números 39 e 40 referem-se ao caso abaixo. O restante do exame clínico é normal. dinâmica uterina ausente. movimentação corpórea fetal presente. sem odor. grau II e o índice de líquido amniótico é de 6. posterior e impérvio. a idade gestacional estimada era de 24 semanas e o peso fetal era de 710 gramas. veio à consulta de retorno de pré-natal e não tem queixas. vivo. Tabela: Valores de referência para estimativa ultrassonográfica do peso fetal entre 24 e 40 semanas de gestação (Hadlock et al. Membros inferiores: sem edemas. Traz relatório do exame ultrassonográfico realizado no dia anterior: feto único. adolescente? QUESTÃO 40. altura uterina: 31cm.940g (±10%).Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp. idade gestacional (semanas) 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 percentil 5 551 593 648 733 824 979 1128 1289 1459 1630 1792 1957 2130 2291 2432 2564 2693 peso fetal estimado (gramas) percentil 50 percentil 95 740 929 790 987 870 1092 980 1227 1120 1416 1300 1621 1490 1852 1700 2111 1920 2381 2140 2650 2355 2918 2570 3183 2780 3430 2970 3649 3135 3838 3280 3996 3400 4107 Foi optado por encaminhá-la à maternidade de referência. Hoje.9cm. Exame clínico: PA: 120x80mmHg. Não se visualiza saída de líquido pelo orifício externo do colo. 1984). em apresentação cefálica. Qual é ou são as hipóteses diagnósticas obstétricas para esta primigesta Qual deve ser a conduta obstétrica a ser adotada na maternidade? FMUSP . A placenta é de inserção anterior alta. Não sabe a data da última menstruação e o primeiro exame ultrassonográfico foi realizado há 16 semanas.

A foto abaixo ilustra a inspeção local. ANULADA ANULADA FMUSP .13 . Menino de 7 anos de idade caiu sobre seu membro superior e é trazido ao pronto-socorro.Caso 17 Atenção: As questões de números 41 a 43 referem-se ao caso abaixo. QUESTÃO 41. QUESTÃO 43. Descreva qual ou quais as outras etapas do exame clínico do membro superior que devem ser realizadas neste paciente. Curtas . O exame clínico geral é normal. Ao exame clínico do membro superior nota-se dor e crepitação à mobilização do cotovelo. QUESTÃO 42.Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp.

P: 120 bpm e saturação de oxigênio em ar ambiente: 95%. PA: 180x110mmHg. Foi trazido ao pronto socorro pela equipe de resgate. frontalmente com uma árvore. pontuação na escala de coma de Glasgow: 9. O motorista estava sem cinto de segurança.Caso 18 Atenção: As questões de números 44 e 45 referem-se ao caso abaixo. paciente. sem doenças prévias. é mostrada a seguir: QUESTÃO 44. Nota-se profunda laceração na região frontal tamponada por uma atadura. Administra-se 2000 mL de solução fisiológica aquecida e seus parâmetros hemodinâmicos permanecem inalterados. Uma radiografia de tórax. Curtas .14 . Tem TEC: 2seg e diurese clara. Homem de 24 anos de idade. obtida durante o atendimento inicial. com colar semi-rígido e imobilizado em prancha longa. O exame clínico do tórax é normal e não há outras lesões detectadas no exame primário.Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp. Descreva a seqüência cronológica em que devem ser solicitados. é o condutor de um veículo que colide em alta velocidade. Estava inconsciente. Cite outros quatro exames complementares fundamentais a serem solicitados para este paciente durante a avaliação inicial. Cite duas possíveis causas que justificam a ocorrência de hipertensão neste FMUSP . QUESTÃO 45. intubado.

Região inguinal: à inspeção nota-se perda da simetria e uma protrusão bem delineada. Ao esforço nota-se uma protrusão lateral ao dedo. feirante.Caso 19 Atenção: As questões de números 46 a 48 referem-se ao caso abaixo. mas que desaparece quando se deita. QUESTÃO 47. Toque retal: sem alterações no reto ou na próstata. com queixa de dor em peso na região inguinal direita há dois anos. Qual é o diagnóstico deste paciente? Cite o nome do principal reparo anatômico que justifica a resposta à questão 46. à direita. Nega qualquer outro sintoma associado. O escroto e seu conteúdo são normais. Não é necessário nomear a técnica. que aumenta quando faz esforço físico. QUESTÃO 48.Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp. Descreva sucintamente a técnica cirúrgica para a correção desta doença. Notou o aparecimento de um “caroço” no local. A palpação do canal inguinal revela anel inguinal externo pérvio para uma polpa digital. natural de São Paulo. FMUSP . Exame clínico geral: sem alterações. Figura 1 Figura 2 Figura 3 Inspeção estática em pé Repouso Manobra de Valsalva QUESTÃO 46. Curtas . acima da prega inguinal. 2 e 3 abaixo) .15 . uso de medicações. que se acentua a manobra de Valsalva (vide figuras 1. antecedentes patológicos relevantes ou cirurgias prévias. O exame da região inguinal esquerda é realizado do mesmo modo e não revela anormalidades. Você está atendendo em um ambulatório e recebe um homem de 47 anos de idade. com piora há seis meses.

12% de linfócitos). FR: 20 ipm. Ao exame clínico: BEG.5mg/dL. Somente recebeu as vacinas durante a infância. 56 anos de idade. LDL: 99mg/dL. Na+: 135 mEq/L. Uréia: 50mg/dL. FMUSP . QUESTÃO 49. leucócitos: 16. Homem. Paciente trouxe os exames seguintes. Uréia: 66mg/dL. cetonúria de fita: negativa. solicitados no ambulatório e realizados há três dias: glicemia de jejum: 180mg/dL.000 mm3.3mg/dL. Hoje procura o pronto-socorro pois teve piora da dor (atualmente nota 8/10) e febre medida de 38OC. Ht: 48%. T: 38. glicemia: 260mg/dL. Plaquetas: 250. K+: 4. Creatinina: 2. orientado. Na+: 135 mEq/L. Após o início do tratamento. acianótico.4%.000 mm3 (9% bastonetes. hemoculturas: em análise Radiografia de pé: normal.5 mmol. Creatinina: 1. consciente.Caso 20 Atenção: A questão de número 49 refere-se ao caso abaixo. glicosúria de fita: 2+. Ultrassonografia de pés: aumento de partes moles. hidratado. Escreva a ou as condutas terapêuticas a serem adotadas para este paciente.0 mEq/L. Semiologias cardíaca.Residência Médica 2011 – Acesso Direto – Resp. hidroclorotiazida e metformina em doses máximas. HDL: 58mg/dL. sempre teve controle clínico e laboratorial normal e fez esportes para manter o peso adequado. teve trauma no pé que ocasionou uma ferida no local. restante normal.16 . lactato: 1. FC: 100bpm.9ºC. sem coleções. Nega outros antecedentes patológicos relevantes. Foram feitos os seguintes exames no pronto-socorro: Hb: 16 g/dL. urina tipo 1: glicosúria presente. Desde então está em uso de nimesulida e paracetamol para controle da dor. Membros inferiores: vide figura abaixo. PA: 174x102mmHg. saturação de oxigênio em ar ambiente: 96%. K+: 4. pulmonar e abdominal: normais. Hemoglobina glicada: 8.8 mEq/L. anictérico. Colesterol total: 180mg/dL. 79% de neutrófilos. Curtas . hipertenso e diabético há 2 anos está em uso de AAS (100mg). Demais dados de exame clínico especial de membros inferiores: normais. Há 10 dias. glicemia capilar: 250mg/dL. urina tipo I: normal.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->