P. 1
O Jogo Infantil Segundo Piaget

O Jogo Infantil Segundo Piaget

|Views: 4.262|Likes:
Publicado porLuzinete Novaes

More info:

Published by: Luzinete Novaes on Jun 17, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as ODT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/26/2013

pdf

text

original

O Jogo infantil segundo Piaget

Muito embora a importância dos jogos e brincadeiras tenha hoje em dia o seu valor pedagógico, os estudos sobre o tema foram em sua grande parte influenciados por Piaget e sua obra nos anos 70. As etapas de desenvolvimento das crianças dentro da concepção de Piaget são de extrema valia para o entendimento da atividade lúdica e seus efeitos na infância. Os períodos de desenvolvimento são: • Período sensório-motor (0 a 2 anos): o desenvolvimento ocorre a partir da atividade reflexa para a representação e soluções sensóriomotoras dos problemas • Período Pré-Operacional (2 a 7 anos): aqui o desenvolvimento ocorre a partir da representação sensório-motora para as soluções de problemas e segue para o pensamento pré-lógico • Período Operacional Concreto (7 a 11 anos): O desenvolvimento vai do pensamento pré-lógico para as soluções lógicas de problemas concretos • Período de Operações Formais (11 a 15 anos): A partir de soluções lógicas de problemas concretos para asa soluções lógicas. Desta maneira, podemos observar que o desenvolvimento é contínuo, pois cada desenvolvimento subseqüente baseia-se no desenvolvimento anterior incorporando-o e transformando-o (WADSWORTH, 1984). Neste artigo, vamos nos deter ao período pré-operacional, pois é o que engloba as crianças que se situam na etapa pré-escolar, alvo do tema. Neste período, Piaget o divide em Estágio Egocêntrico (2 a 4 anos) e em Estágio Intuitivo (5 a 7 anos). Neste período, ocorre um rápido desenvolvimento da linguagem falada, o pensamento é dominado pela percepção, é pré-lógico, o egocentrismo é muito forte até os 4 anos, para as crianças não existe outro ponto de vista que não o seu, é difícil para as crianças desta idade aceitarem outros argumentos. Após a compreensão dos períodos de desenvolvimento, voltemos aos jogos e brincadeiras. Para Piaget (1978), o jogo infantil é dividido em três fases distintas: jogos de exercício, simbólico e com regras. O jogo com exercício ocorre na primeira infância, surge por volta dos 18 meses de vida e são manifestações de repetições motoras que oferecem um certo prazer para os bebês, são resultados de suas ativas movimentações e resume quase que exclusivamente a manipulações, oferecidas pela descoberta do potencial das mãos. Depois de um ano de vida estas movimentações perdem seu valor e através de combinações das ações dos membros

p. demonstra uma diferença entre ética e moralidade. portanto as regras implícitas oferecem a criança uma noção de entendimento às regras ocultas. Os jogos com regras são considerados por Piaget (1978) como uma ferramenta indispensável para este processo. mas necessárias. para os modernos. portanto. há dois elementos importantes na atividade lúdica das crianças no que se refere aos jogos com regras: o jogo com regra explícita e o jogo com regras implícitas.superiores passam a se transformar em uma nova etapa dos jogos de exercício. são os jogos com regras (a partir de 5 anos). pois precisam reconhecer o outro para poderem participar. Aqui as crianças passam do individual e vão para o social. surgem os jogos simbólicos. 1995. aproximadamente entre 2 a 4 anos. são resultados deste tipo de jogo a aprendizagem de regras de comportamento. primeiramente de forma individual. O papel da ética nos jogos e brincadeiras A palavra ética significa a busca de uma boa "maneira de ser". Após este período. nas brincadeiras com regras. enquanto a moralidade se refere à ação refletida. Ou ainda. por exemplo. respeito às idéias e argumentos contraditórios e a construção de relacionamentos afetivos. A brincadeira e os jogos permitem uma flexibilidade de conduta e conduz a um comportamento exploratório até a consecução do modelo ideal de se portar com o próximo. comportamentos. uma espiga de milho pode se transformar em uma boneca). tanto na formação psicomotora. Através do contato com o outro a criança vai internalizar conceitos básicos de convivência. 1968). Ainda se referindo a Badiou (1995). utilizar objetos substitutos (por exemplo. as crianças começam a exercer esta ética. hombridade. O jogo e a formação da moral na criança Através dos jogos com regras. as atividades lúdicas atingem um caráter educativo. uma quadra). para representar papéis. no exemplo citado acima. Assim. a ética consiste em preocupar-se com os direitos do homem. A última fase em que Piaget classifica os jogos. são exercícios onde a criança utiliza sua imaginação. devem respeitar noções básicas de convivência para o bom andamento da atividade . Para Vygotski (1989). valores morais como honestidade. realizações. mas entende-se que são necessárias para o seguimento do jogo. ou faz-de-conta. segundo Piaget (1978). ética é como um sinônimo de moralidade. respeito ao social e aos outros são adquiridos. em um jogo de pega pega quem for tocado pelo pegador passa a ser o perseguidor. situações. isto direciona a criança a seguir regras sociais já estabelecidas pelo mundo dos adultos. os jogos possuem regras básicas e necessitam de interação entre as crianças. não se coloca que as crianças não podem sair do local da brincadeira (como exemplo. citados no tópico anterior. fidelidade. resultado de experiências. os direitos do ser vivo. como também na formação da personalidade das crianças. ao princípio ético ele reserva a ação imediata. fazer com que eles sejam respeitados. "a ética é o reconhecimento do outro" (Badiou. 15). a construção. perseverança. O outro segmento são regras que não estão propriamente ditadas. Segundo Badiou (1995). O primeiro destes fatores são as regras préestabelecidas pelas crianças e que a sua não realização é considerada uma falta grave. já Hegel. conflitos e resoluções destes (Bruner.

2001). que é muito mais resultado da influência de uma sociedade do que do pensar individual". haja vista que. "a ética é o que vem de dentro. costume e moral diferente. hábitos. está correta. chegamos a conclusão que a criança possui sua ética. e ser um componente essencial da harmonia e do equilíbrio da personalidade humana. sua história como pessoa. costumes e crenças. que vem de fora. o pensamento. a sua moral é adquirida. podemos fazer uma integração entre a ética. Assim. com outras formas de cultura. é a principal atividade da criança (não aquela em que dedica mais tempo. que. Estes consensos e ligações com outras crianças de outros grupos sociais são o que vai produzir na criança.) ética diz respeito a consensos possíveis e temporários entre diferentes agrupamentos sociais. Desta maneira. Nas relações interpessoais. mas. A respeito do conceito de ética. é correto afirmar que a ética está sempre interagindo com a moral. às vezes conseguem estabelecer normas de convivência social relativamente harmoniosa em algumas questões. mas sim. durante os jogos e as brincadeiras o saber conviver com as diferenças.. além de influenciar decisivamente a percepção. então a afirmação: brincar e jogar são éticos. à vontade e suas ações. enquanto que a moral é algo cultural. aquela em que mais se desenvolve). AFETIVIDADE NA TEORIA DE JEAN PIAGET 2005 RESUMO A afetividade exerce um papel fundamental nas correlações psicossomáticas básicas. a memória. atividade lúdica é a mais prazerosa pra os pequenos. o aspecto afetivo refere-se aos diversos afetos interindividuais e o elemento intelectual ou estrutural ressalta da tomada de consciência das relações interindividuais e resulta na constituição de estruturas de valor. Mas. sua bagagem sócio-cultural. o brincar e o jogar. Mas afinal. vários autores.lúdica. e o brincar é um direito infantil assegurado na Declaração dos Direitos da Criança e na Constituição Federal.. qual seria a distinção entre ética e moral? De acordo com Segre (Ética. a brincadeira e os jogos infantis. e mesmo divergindo na compreensão de mundo e nas perspectivas de futuro. embora possuam hábitos. Oliveira (1997) se posiciona: (. moral. aprendizagem . inteligência. Palavras-chave: afetividade. e. pois se a ética é o cumprimento dos direitos das pessoas. exercem um importante fator de influência para esta aquisição moral. ciência e saúde.

pioneiro no campo da inteligência infantil. sendo assim. faz-se necessário considerar e refletir sobre a associação que Piaget estabelece entre gênese da moral na formação da personalidade. Esse breve estudo é considerado o início de sua brilhante carreira cientifica. Piaget foi para Zurich. 2. em Neuchâtel. É bom lembrar que para o teórico. visto que. revelando a dupla face. Piaget freqüentou a Universidade de Neuchâtel. mas engloba também as tendências e a vontade. BIOGRAFIA . Piaget passou grande parte de sua carreira profissional interagindo com crianças e estudando seu processo de raciocínio. não se restringe somente às emoções aos conhecimentos. toda a ação remete a um "fazer". assume o papel relevante nos estudos pretendidos neste trabalho. Seus estudos tiveram grande impacto sobre os campos da psicologia e da pedagogia. encontramos em sua teoria menção às tendências que motivaram a criança na aquisição do juízo moral. aos 22 anos de idade.com métodos informais de psicologia: entrevistas. Essas experiências influenciaram-no em seu trabalho. Contudo. Lá ele freqüentou aulas lecionadas por Jung e trabalhou como psiquiatra em uma clinica. onde trabalhou como psicólogo experimental. a um "saber fazer" e a dimensão afetiva que corresponde ao "querer fazer". as dimensões cognitiva e afetiva. Percebe-se a importância atribuída à afetividade no desenvolvimento da inteligência dentro dos postulados Piagetianos. o conceito de juízo moral na teoria de Piaget. na Suíça. conhecido por seu trabalho. Piaget mudou-se para a França onde foi convidado a trabalhar no laboratório de . Segundo o teórico. 2. Ele passou a combinar a psicologia experimental – que é um estudo formal e sistemático . E recebeu seu doutorado em biologia em 1918. Piaget trabalhava gratuitamente no Museu de História Natural. (cognitiva e afetiva) no desenvolvimento psicológico. integra os aspectos afetivos à formação e estruturação da inteligência na criança.1 UM PIONEIRO NO ESTUDO NA INTELIGÊNCIA INFANTIL Jean Piaget. era professor universitário de literatura medieval. um calvinista convicto. Para compreender o papel das emoções na teoria psicogenética de Piaget. aparecem em seus postulados teóricos como indissociáveis. publicou seu primeiro trabalho sobre a observação de um pardal albino. INTRODUÇÂO Piaget estabelece uma importante visão nas dimensões afetivas e cognitivas no campo da ação moral.JEAN PIAGET – 1896 -1980 2.1. Interessou-se por história natural ainda em sua infância. foi um renomado psicólogo e filósofo suíço. Aos sábados. a afetividade. Aos 11 anos de idade. Piaget foi um menino prodígio. conversas e análises de pacientes. Piaget inicia a apresentação dos seus estudos sobre as relações entre afetividade e inteligência. Seu pai.2 SUA VIDA Jean Piaget nasceu no dia 09 de agosto de 1896. Após formar-se. onde estudou biologia e filosofia. Em 1919.

Piaget casou-se com Valentine Châtenay com quem teve 3 filhos.Alfred Binet. Piaget escreveu mais de 75 livros e centenas de trabalhos científicos. Piaget notou que crianças francesas da mesma faixa etária cometiam erros. como próprio desenvolvimento da inteligência. linguagem. O ano de 1919 foi o marco de sua vida. A adaptação definida por Piaget.3 TEORIA – BREVE HISTÓRICO – JEAN PIAGET 2. Piaget iniciou seus estudos experimentais sobre a mente humana e começou a pesquisar também sobre o desenvolvimento das habilidades cognitivas. 2. ocorre através da assimilação e da acomodação.. Registros revelam que ele foi o único suíço a ser convidado a lecionar na Universidade de Sorbonne (Paris. As teorias de Piaget foram. que se constitui na busca sucessiva de reequilibrio após cada desequilíbrio sofrido). Piaget morreu em Genebra. um famoso psicólogo infantil que desenvolveu testes de inteligência padronizados para crianças. O eixo central. ainda. . costumes e padrões culturais e sociais) e equilibração (processo de auto-regulação interna do organismo.1 Pressupostos Básicos de sua Teoria: O Interacionismo. Em 1923. em 17 de setembro de 1980. onde permaneceu de 1952 e 1963. operando ativamente com objetos e pessoas. a Idéia de Construtivismo Seqüencial e os Fatores que interferem no Desenvolvimento A criança é concebida como um ser dinâmico. baseadas em estudos e observações de seus filhos que ele realizou ao lado de sua esposa. Essa interação com o ambiente faz com que construa estruturas mentais e adquira maneiras de fazê-las funcionar.França). Lá ele iniciou o maior trabalho de sua vida. é a interação organismo-meio e essa interação acontece através de dois processos simultâneos: a organização interna e a adaptação ao meio. que o processo de desenvolvimento influenciado por fatores como: maturação (crescimento biológico dos órgãos). Enquanto prosseguia com suas pesquisas e publicações de trabalhos. ações e processos de raciocínio delas. em grande parte. os estágios de desenvolvimento. Os esquemas de assimilação vão se modificando. configurando. Ao longo de sua brilhante carreira. Até a data de seu falecimento. que a todo momento interage com a realidade. Rousseau da Universidade de Genebra. semelhantes nestes testes e concluiu que o pensamento se desenvolve gradualmente. Considera-se. Piaget fundou e dirigiu o Centro Internacional de Epistemologia Genética.J.3. Piaget voltou a Suíça e tornou –se diretor de estudos do Instituto J. Seu conhecimento de biologia levou-o a enxergar a desenvolvimento cognitivo de uma criança como sendo uma evolução gradativa. Piaget lecionou em diversas universidades européias. funções exercidas pelo organismo ao longo da vida. portanto. ao observar crianças brincando e registrar meticulosamente as palavras. Em 1921. aprendizagem social (aquisição de valores. exercitação (funcionamento dos esquemas e órgãos que implicam na formação dos hábitos).

como a criança constrói sua escala de valores. Demonstrou afinidade com as teorias de Adler sobre a vontade de crescer como impulsionadora do desenvolvimento. Sobre isso. A inteligência e a afetividade são diferentes em natureza. às relações de rebeldia ou obediência e aos sentimentos de ternura e temor. Piaget pouco escreveu sobre a afetividade. também se refere sobre sexualidade infantil. ligada a uma sensação proprioceptiva: a perda do equilíbrio.3. Discorre sobre o papel dos pais para o desenvolvimento da sexualidade. inteligência e a vida social para explicar a gênese da moral. estimulando. para explicar os comportamentos. A afetividade interfere constantemente acelerando ou retardando esse processo. Quanto aos sentimentos mais evoluídos. e parte para as relações entre a afetividade. Sobre as emoções primárias. articula os aspectos afetivos e intelectuais da criança ao julgamento moral. O DESENVOLVIMENTO AFETIVO SEGUNDO PIAGET A busca e descrição das estruturas ou formas de organização da inteligência são o núcleo da teoria de Piaget. O autor defende a tese da correspondência entre as construções afetivas e cognitivas. A psicologia do desenvolvimento tem como base a epistemologia genética. não que não tenha considerado essa dimensão como importante para o estudo da inteligência e do desenvolvimento psicológico. Sua tese sobre as relações entre afetividade e inteligência. o auto-erotismo. uma da afetividade e outra da inteligência. mas indissociáveis em sua conduta concreta. ideais e sentimentos morais. não há conduta unicamente afetiva. lembra sua natureza seletiva em virtude da afetividade. assim como não existe uma conduta unicamente cognitiva. Para ele. em suas relações com o desenvolvimento da inteligência. a epistemologia genética e o método clínicocrítico de investigação. mas engloba também as tendências e a vontade. A afetividade não se restringe às emoções e aos sentimentos. Em sua obra. O termo funções afetivas. é de que ambos estão indissociáveis e integradas ao desenvolvimento psicológico. na inteligência. o narcisismo e as relações entre consciente e inconsciente. O autor apresenta a questão da gênese da moral. sendo que o desequilíbrio trraduz uma impressão afetiva particular. a importância atribuída à afetividade para o desenvolvimento psicológico. Este trabalho pretende apresentar as considerações de Piaget sobre o tema do desenvolvimento afetivo. eles seriam mais ligados a elementos cognitivos. ao longo da vida do indivíduo. refere-se a Wallon e seu estudo sobre o medo do recém-nascido. não sendo possível ter-se duas psicologias. as formas só . Piaget retorna a idéia de que toda conduta visa a adaptação.

Se o desenvolvimento afetivo se dá paralelamente ao desenvolvimento cognitivo. que evolui de uma repetição de eventos incomuns e interessantes (reações circulares). É fase do desenvolvimento moral denominada anomia. Com a diferenciação cognitiva que ela faz de si em relação aos objetos. 4. os objetos e as relações entre o sujeito e o objeto. Piaget diz que a inteligência e afetividade são de natureza diferentes. o sentimento forte começa as se desenvolver no relacionamento entre a criança e os seus tutores é o afeto. as características mentais de cada uma das fases do desenvolvimento serão determinadas para a construção da afetividade. Até mais ou menos um ano e meio. As crianças começam a experimentar o "sucesso" e o "fracasso" do ponto de vista afetivo e a transferir afetividade para outras pessoas.podem ser concebidas em seu dinamismo de maneira relacional e genética. Os mecanismos de construção são os mesmos. constituindo-se assim uma porta para o intercâmbio social. o sujeito. Quando examinamos o raciocínio das crianças sobre questões morais. No período Sensório-Motor. Embora nem sempre seja focalizado por psicólogos e educadores. A CONSTRUÇÃO DA AFETIVIDADE EM CADA UMA DAS FASES De acordo com a teoria de Piaget o desenvolvimento intelectual é considerado como tendo dois componentes: o cognitivo e o afetivo. sentimentos com gostar e não-gostar podem começar a ser dirigido para os outros. a energética da conduta vem da afetividade e as estruturas vêm das funções cognitivas. percebemos que os conceitos morais são construídos da mesma forma que os conceitos cognitivos. Após o 4º mês a criança começa a representar um comportamento dirigido a um fim (intencional). Apresenta um paralelo entre o desenvolvimento afetivo e o desenvolvimento da inteligência. de impulsos e reflexos instintivos. o recém nascido busca a alimentação e libertação de desconfortos. Piaget diz ser uma fase egocêntrica. engloba ao mesmo tempo. A criança de dois anos (no final do período sensório motor) é afetiva e cognitivamente muito diferente do recém-nascido. Durante o segundo ano de vida os sentimentos começam a ter um papel na determinação dos meios usados para alcançar os fins tanto quanto na determinação dos fins. não há sentimento de respeito pelo adulto. um dos aspectos da vida afetiva. As operações intelectuais tendem a formas de equilíbrio das quais a mais importante é a reversibilidade. mas pode influenciar que estruturas modificar. Segundo Piaget o aspecto afetivo por si só não pode modificar as estruturas cognitivas. tendo como referência a sua teoria genética da inteligência e colocando de lado as construções cognitivas e afetivas. na qual as intenções só se estabelecem durante as repetições do comportamento para uma intencionalidade presente no início da ação. . Nesta fase. Este sentimento é fundamental para a formação futura do respeito. o desenvolvimento afetivo se dá paralelamente ao cognitivo e tem uma profunda influência sobre o desenvolvimento intelectual. As crianças assimilam as experiências aos esquemas afetivos do mesmo modo que assimilam as experiências às estruturas cognitivas.

o raciocínio moral é visto como respeito mútuo. não pode assumir o papel ou o ponto de vista do outro.Os primeiros sentimentos sociais surgem durante o estágio Pré-Operacional. o raciocínio e o pensamento adquirem maior estabilidade. É a moralidade da obediência ou respeito unilateral. o desenvolvimento do raciocínio moral é uma conseqüência do desenvolvimento cognitivo e afetivo e. acredita que todos pensam como ela. ou seja. Durante este estágio. dente por dente" e em sua aplicação em todos os casos. A autonomia de raciocínio consiste em raciocinar de acordo com um conjunto próprio de normas. À medida que as crianças vão se tornando capazes de se colocar no ponto de vista do outro começam a ser capazes de fazer suas próprias avaliações morais. quando as crianças mudam de uma perspectiva moral baseada no respeito unilateral para uma perspectiva baseada no respeito mútuo. a criança desenvolve a compreensão infantil das regras e dos conceitos morais. Conseqüentemente o conceito de intencionalidade ainda não foi construído e a criança não consegue compreender comportamentos acidentais de outras crianças. O estágio operacional concreto é o período chave para o desenvolvimento contínuo da autonomia afetiva. durante o estágio operacional concreto estes critérios passam a ser encontrados a medida em que as capacidades de julgamento infantis tornam-se "operacionais". Junto com os conceitos cognitivos e afetivos. Os afetos adquirem uma medida de estabilidade e consistência que não apresentavam antes. como as afetivas. Piaget destaca dois elementos fundamentais no desenvolvimento do estágio operacional concreto: à vontade e a autonomia. A criança é incapaz de reverter às operações e não consegue acompanhar as transformações. Acreditam firmemente na moral "olho por olho. Com a aquisição da reversibilidade a criança torna-se capaz de coordenar seus pensamentos afetivos de um evento para outro. o comportamento e os sentimentos da criança se tornam mais conscientes na medida em que o desenvolvimento avança. durante o estágio pré-operacional. uma criança desenvolve o raciocínio e a lógica necessária à . o que não significa que as avaliações sejam corretas. A vontade é considerado como uma escala permanente de valores construída pelos indivíduos e a qual sente obrigado a aderir. tendo a capacidade de reconstruir o passado cognitivo e afetivo. Se no estágio pré-operacional o afeto não reúne qualquer dos três critérios para ser normativo. representados pela falta e pela representação de imagens das experiências vividas. A capacidade para raciocinar torna-se gradativamente lógica e menos sujeita às influências das contradições perceptuais aparentes. Começam a fazer as avaliações a respeito do que é justo e do que não é justo. Durante o estágio pré-operacional as crianças percebem as regras como provenientes de uma autoridade. Durante o estágio das operações formais que em média começa em torno dos onze ou doze anos. No estágio operacional concreto. A presença da vontade indica que a pessoa já tem capacidade de raciocinar sobre problemas afetivos sob uma perspectiva coordenada reversível. Para Piaget. a percepção tende a ser centrada e a criança é egocêntrica.

de respeito . O desenvolvimento afetivo durante o estágio das operações formais é caracterizado por dois fatores principais: o desenvolvimento dos sentimentos idealistas e a continuação da formação da personalidade. havendo maior entendimento e maior interação entre ambos. E aí que começa a aparecer à capacidade de raciocinar sobre. que são desenvolvidas não pelo cognitivo. no que se refere às estruturas e operações lógicas. mas pelo afetivo. o processo de desenvolvimento passa pela dimensão do social. A qualidade do raciocínio que uma pessoa é capaz de realizar não progride após este estágio. O importante é entender que no decorrer de todo processo de desenvolvimento a afetividade é como uma "energia" que impulsiona as ações. o adolescente aplica o critério da pura lógica nos julgamentos dos eventos humanos". com raciocínio formal. afeto e moral. Segundo Piaget "uma das principais diferenças afetivas entre o pensamento do adolescente e do adulto reside no fato de que inicialmente (. Piaget chama de "interesse". Estes sentimentos autônomos cujas raízes se encontram no desenvolvimento da autonomia durante o estágio operacional concreto. A AFETIVIDADE NA RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO Segundo Piaget. E. ambos precisam conviver em harmonia. de refletir sobre o próprio pensamento. O relacionamento entre professor e aluno precisa ser de amizade.. a importância da relação entre professor e aluno. gerando maior rendimento e interação. e a razão está a seu serviço" (LA TAILLE). no caso da escola. Neste processo. para entender o desenvolvimento afetivo. 5. as mudanças nas capacidades mentais. e a esta seleção de atividades. podem pensar tão logicamente quanto os adultos. as crianças. se motivadas.solução de todas as classes de problemas.. e ajudar na compreensão da relação conflitante entre professor – aluno. mas o conteúdo e a função da inteligência podem progredir. "A afetividade é a mola propulsora das ações. A medida em que o adolescente inconscientemente procura se adaptar à sociedade e ao mundo do trabalho a formação da personalidade vai se consolidando.) . para que a aprendizagem possa fluir com mais facilidade. passam a ser quantitativas e não mais qualitativas. De acordo com Piaget os aspectos finais da formação da personalidade não começa a se desenvolver antes da transição para a vida adulta. e envolve cognição. o que para Piaget é de suma importância. influencia nossas atividades intelectuais. possa fluir com mais facilidade. Pesquisando o comportamento infantil. e que a aprendizagem. Durante a formação das operações formais as crianças começam a ter seus próprios sentimentos ou pontos de vista sobre as pessoas. ficando claro. de modo que ambos convivam em um ambiente de harmonia. A personalidade é resultado dos esforços individuais autônomos para se adaptar ao mundo social adulto. Após o desenvolvimento das operações formais. passamos a conhecer as fases pelas quais passa a criança. O elemento poderoso que é a afetividade. assim.

e segundo Piaget. Aprender também é saber lidar com as frustrações do não-saber. que deve ser um dos maiores objetivos da escola. amizade e muitas outras relações que contribuam para o desenvolvimento da aprendizagem do aluno. em que toda intervenção de um professor em uma relação entre as crianças. não se concebe mais a idéia de ensinar em um ambiente hostil. O professor não deve ser comprometido só com a construção do conhecimento do aluno. uma criança não irá obedecer a um adulto que tenha medo. em situações diárias de prazer na construção do conhecimento. mas deste conhecimento como um todo. só assim haverá um bom rendimento na aprendizagem. Assim como uma relação com muitos elogios vai gerar uma falsa confiança.moral.mútuo. pois esta capacidade é que vai dar a elas a confiança de enfrentar suas dificuldades. interesses. promova desafios possíveis ajudando-a a lidar com estas situações. Todas estas atitudes são tomadas através do afeto que inclui os sentimentos. Para Piaget. desta reciprocidade há a descentração afetiva que leva aos sentimentos e a vida moral. o desenvolvimento moral – afetivo. gerando ainda mais insegurança na criança. Para Piaget. Chega-se a um ponto importante. se por ele também não tiver um pouco de medo. seja atencioso quando solicitado. tornando a aprendizagem superficial. afetiva e moral. há a capacidade de desenvolver o respeito mútuo.a – dia escolar. se por ele não houver afeto. Por isso Piaget entende que se houver afeto. A prática educativa deve ser permeada por solidariedade. é preciso que haja entre professor e aluno interesses comuns. precisa ser permeada de afeto e segurança. impulsos ou tendências que vão constituir os padrões de comportamento. assim criando um ambiente de respeito. dando a ela a importante missão de gerar a interação social. durante o processo de ensino – aprendizagem. pois não há mais espaço para o individualismo. Para isso é preciso que o educador encoraje. um profissional envolvido com o desenvolvimento da autonomia . Através deste professor colaborador. "o professor deve ser colaborador e não um mestre autoritário". tendo como base as leis de reciprocidade construídas em suas interações com o meio físico-social e histórico-cultural. compreensão. o aluno pode passar então a realizar suas atividades somente em função de recompensas. O educador precisa ter consciência dos interesses que contribuam para o desenvolvimento intelectual. Levando estes termos para o dia . o grande desafio da educação seria favorecer o desenvolvimento intelectual em harmonia com o desenvolvimento afetivo. da mesma maneira não irá desobedecer outro que sinta estima. Deve existir por parte do professor respeito aos valores sociais dos alunos que são diferentes de um para o outro. para que elas tenham capacidade de chegar a um acordo. nem por parte do aluno e muito menos por parte do professor. tão necessário e que através dele a aprendizagem flua com mais facilidade. como elementos fundamentais no processo de construção de pensamento. O respeito que a criança desenvolve pelo adulto dá origem a dois sentimentos distintos: afeto e o medo. Mas o afeto só é mútuo e sólido quando esta reciprocidade ocorre com uma outra pessoa. quando estas tem os mesmos interesses e valores. para que o sujeito possa conquistar sua autonomia intelectual.

social e afetiva. enquanto a razão seria o que possibilitaria ao sujeito identificar desejos. Pensar a razão contra a afetividade é problemático porque deveria. o que move a ação. dotar a razão de algum poder semelhante ao da afetividade. da força motora das ações ou do desejo.cognitiva. o conhecimento da afetividade. consequentemente para uma melhor relação entre este e o professor. A escola. A afetividade seria a energia. enfatizando o respeito unilateral da criança pelo adulto. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este resgate da teoria piagetiana. para o melhor desenvolvimento da aprendizagem do aluno e uma melhor relação entre o aluno e o professor. e obter êxito mas ações. educadores. reconhecer nela a característica de móvel. e o sentimento de respeito que a criança nutre em relação a outras pessoas. Evidencia-se. em caracterizá-lo como instrumento propulsor das ações. de energia. sentimentos variados. deve voltar-se para a qualidade das suas relações. moral. que irão formar o caráter da criança. faz-se pelo esforço em deixar evidente o lugar ocupado pela afetividade no desenvolvimento humano. na convivência em grupo. educadores. . estando a razão a seu serviço. Esse respeito deve ser trabalhado em exercício de cooperação. o conhecimento da afetividade. para o melhor desenvolvimento da aprendizagem do aluno e. quer que seja através das emoções. Todas as reflexões na importante relação entre professor-aluno. a partir da experiência histórica de cada um e de seu nível de desenvolvimento. valorizando o desenvolvimento da criança como um todo. Fica evidente a importância que tem para nós. de alguma forma. mostra que o afeto também é muito importante no dia-a-dia do ser humano. em Piaget a importância que tem para nós. São os esquemas afetivos da criança com o seu meio.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->