P. 1
Salto Para a Piscina

Salto Para a Piscina

|Views: 680|Likes:
Publicado porTiago Luis

More info:

Published by: Tiago Luis on Jun 19, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/19/2013

pdf

text

original

Salto para a piscina (Lançamento horizontal) Objectivo

:
Simulação do movimento de um projéctil lançado horizontalmente.

Introdução teórica:
Quando saltamos para a piscina, descrevemos uma trajectória no referencial Oxy que é um ramo de parábola. Começamos por correr na prancha, onde se localiza a posição inicial, de modo que efectuamos o salto com velocidade inicial diferente de zero. Depois, atingimos um determinado alcance na piscina. Ou seja, atingimos uma abcissa máxima (x) que se relaciona com a posição e velocidade iniciais. O movimento associado ao "salto para a piscina" pode explicar-se pela sobreposição de dois movimentos: um movimento rectilíneo uniforme, na direcção horizontal, no qual o valor da velocidade inicial (v0) se mantém constante pois a Fres na horizontal é nula. Outro movimento rectilíneo uniformemente acelerado, na direcção vertical, cujo valor da aceleração (g) se mantém constante pois a Fres na vertical é a força gravítica (peso do corpo). O que acontece com o "salto para a piscina" também ocorre no movimento de qualquer objecto ou projéctil quando é lançado horizontalmente nas proximidades da superfície da Terra. A figura ilustra a trajectória de um projéctil que é lançado horizontalmente da altura h com uma velocidade inicial v0atingindo o alcance x. As leis do movimento do projéctil permitem relacionar o valor da velocidade de lançamento horizontal (v0) com o alcance (x).
x=x0 +v0xt y=y0+ voyt +12gt2

Como y-y0= h, em que h é a altura da qual o projéctil é lançado e x0=0, no referencial escolhido e v0y=0 então:

x=v0t

determinando a velocidade à saída da calha numa zona estabelecida (delimitada por uma caixa de areia). 2. considerarmos os atritos desprezáveis. de uma altura predefinida (mesa). efectua-se 4 marcações e aponta-se a respectiva altura relativamente ao topo da mesa ha>hb>hc>hd. Abandona-se a esfera na calha de uma dessas marcas. podemos aplicar o teorema da conservação da energia mecânica: Emi=Emf 12mvi2+mgh=12mvf2+mgh v=ghi2 Material: • • • • • • Calha Esfera Caixa de areia Fita métrica Suporte universal Mesa Procedimento: Vai fazer-se uma montagem experimental de modo a lançar horizontalmente uma esfera de uma calha. Antes de se registar as medições. 1.h=12gt2 ou t=2hg Se durante o percurso de descida do berlinde pela calha. .

Repete-se o procedimento abandonando a esfera. na calha.3. usando a fita métrica. quando abandona a calha h=0.677 0.559+0.412 s .552m xhD= 0.675+0.58+0.547+0. Repete-se pelo menos 3 vezes e determina-se o valor médio do alcance. 4.19 hc=0.975 0.593 0.23 5 hb=0.4883=0. 5.677m xhB= 0.6763=0.15 5 hd=0.50+0.88 0.084 0.484 1.593m xhC = 0. Resultados: xhA= 0.742 Altura da esfera em relação ao solo.595+0.8510 ~ t=0.484m Posição na calha (m) ha=0.85 m t=2hg ~ t=2×0.465+0. Efectua-se os cálculos necessários.11 g=10 m/s Velocidade à saída da calha (v0x) (m/s) v=ghi2 Alcance médio(x)(m) 0.552 0.5513=0. das diferentes alturas.679+0.6053=0. Medir o alcance atingido pela esfera.

412 s) com o valor real calculado no fim da experiencia a partir do declive da recta do gráfico de dispersão (0. Comparando o valor real do tempo teórico da queda da esfera (0. Com esta montagem experimental pode concluir-se que: considerando-se os atritos desprezáveis.108)=0.789 b = -0. Como os atritos são desprezáveis.56 s) nota-se que os valores não estão muito afastados e que este afastamento é devido aos arredondamentos. sem caírem para a Terra.108 Tempo que a bola demorou a cair = declive da recta do gráfico de dispersão ( 0. já que normalmente num aquaparque os escorregas têm água em circulação. facto que conduziu Newton à descoberta da razão pela qual os astros se movem no espaço. . -0.676-(-0. aplica-se a lei da conservação da energia. caindo mais longe. obtendo-se assim o valor da velocidade de saída do corpo do escorrega.56 s Conclusão e crítica: Com esta actividade experimental pode-se concluir que o alcance de um projéctil depende sempre a sua altura e velocidade de lançamento. o que diminui o atrito. maior é o alcance do berlinde. pois este atinge maior velocidade ao percorrê-la.108) ( 1. 1. Quanto maior a altura da calha.y=ax+b a = 1. factos que são comprovados pelo gráfico de dispersão. às discrepâncias nas medições do alcance e devido a forma como foi montada a calha ao suporte universal.676) t=x2-x1y2-y1 t=1-01.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->