P. 1
Padrão Copel de Alimentação

Padrão Copel de Alimentação

|Views: 1.981|Likes:

More info:

Published by: Matheus Thomé Albano on Jun 21, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/06/2013

pdf

text

original

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal

DDI/SCD/SED

Maio/2010

originalmente desenvolvido para Entrada de Serviço do Postinho de Luz. .Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Notas sobre esta revisão (maio/2010) Este manual. passa a valer exclusivamente para execução de Entradas de Serviço previstas na Resolução ANEEL 384/2009 e no Programa Luz Legal. As Entradas de Serviço do Postinho de Luz não são mais comercializadas pela Copel. a partir desta revisão.

Componentes do Padrão Construtivo Tipo E – Medição em Poste .Saída Aérea/ Subterrânea Tabelas: Tabela 1 . Componentes das Entradas de Serviço 3.Componentes do Padrão Construtivo Tipo 3E – Medições em Poste . Local para Construção da Entrada de Serviço 5. . Características Gerais da Entrada de Serviço 4.Componentes do Padrão Construtivo Tipo D – Medição em Poste ..4 .3 .Componentes do Padrão Construtivo Tipo 2E – Medições em Poste – Saída Aérea/ Subterrânea 5.Características Gerais da Entrada de Serviço Figuras: Figura 1 – Faixas Permitidas para Construção das Entradas de Serviço Figura 2 – Padrão Construtivo Tipo D .Saída Subterrânea 5. Padrões Construtivos 2.2 .1 .Medição em Poste – Saída Aérea Figura 4 – Padrão Construtivo Tipo 2E .Medições em Poste Aérea/Subterrânea Figura 5 – Padrão Construtivo Tipo 3E – Medições em Poste – Saída Aérea/Subterrânea Figura 6 – Conexões do Ramal de Ligação com o Ramal de Entrada.Saída Aérea 5.Medição em Poste – Saída Subterrânea Figura 3 – Padrão Construtivo Tipo E . Montagem da Entrada de Serviço e Ligação da Unidade Consumidora 5.Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal ÍNDICE Introdução 1.

3.Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Introdução Este manual apresenta características e orientação sobre padrões de Entradas de Serviço monofásicas de 50A. de 08 de dezembro de 2009 e para execução no Programa Luz Legal.saída aérea. Tipo E: Entrada de Serviço com medição em poste . Padrões Construtivos Tipo D: Entrada de Serviço com medição em poste .saída subterrânea e tubulação para telefone.1.3 e 5. Tipo 2E: Entrada de Serviço com duas medições em poste . 2.2. d) Postes de concreto: devem constar na relação de fabricantes e postes homologados na Copel. em área urbana. Características Gerais da Entrada de Serviço De acordo com a categoria de atendimento. subitens 5. Tipo 3E: Entrada de Serviço com três medições em poste . para aplicação em entradas de serviço de unidades consumidoras. b) Caixas de medição: marcas e modelos de fabricantes aprovados pela COPEL.4 e devem estar de acordo com as seguintes características: a) Disjuntores termomagnéticos de 50 A: marcas e modelos aprovados pela Copel. 1. c) Eletrodutos de PVC: de acordo com a NTC 917000 e/ou NBR 6150. 5. o dimensionamento dos componentes e as limitações de utilização das instalações das respectivas Entradas de Serviço deverão atender as especificações indicadas na Tabela 1.saída aérea / subterrânea. para atendimento à Resolução ANEEL 384. e) Condutores: marcas e tipos aprovados pelo INMETRO. Materiais Componentes das Entradas de Serviço Os materiais utilizados na montagem específica de cada tipo de entradas de serviço estão relacionados no item 5. .saída aérea / subterrânea. 5.

75 kVA 0. Local para Construção das Entradas de Serviço A Figura 1 indica as faixas de distância permitidas para construção das entradas de serviço. Figura 1 – Faixas Permitidas para Construção das Entradas de Serviço Faixas permitida para Entradas de Serviço tipos D e E Faixas permitidas para Entradas de Serviço tipos 2E e 3E Legenda CAIXA DO MEDIDOR NÙMERO DE FASES NÚMERO DE FIOS CATEGORIA DISJUNTOR TENSÃO ATERRAMETO RAMAL DE LIGAÇÃO RAMAL DE ENTRADA .75 mm² 10 mm² 16 mm² 10 mm² 10 COBRE mm 32 AN 4.75 kVA 0.Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Tabela 1 – Características Gerais da Entrada de Serviço CARACTERÍSTICAS DO ATENDIMENTO LIMITAÇÕES POTENCIA DO MAIOR APARELHO DE SOLDA DIMENSIONAMENTO ELETRODUTO DO RAMAL DE ENTRADA (PVC) DEMANDA MÁXIMA PREVISTA(kVA) CONDUTORES POTENCIA DO MAIOR APARELHO DE RAIO-X POTENCIA DO MAIOR MOTOR DE SOLDA A MOTOR POSTE DE CONCRETO (dAN) 75 CARGA INSTALADA )kW) TRANSFORMADOR RETIFICADOR ALUMINIO COBRE COBRE 12 6 6 2 1 V 127 A 50 CV -- kVA 0.

f.S. conforme NTC 901100. f. a fim de permitir a complementação da instalação.1 . subitem f. rigorosamente. pelo consumidor.Pintura do número de identificação da conta na caixa de medição. f. Notas: 1 . localizada no muro ou na base do padrão da E. instalar eletroduto a título de “espera”. não integra a composição do custo do padrão.6 – Instalação do medidor.Instalação e conexão do ramal de entrada ao disjuntor. e) Em todas as entradas de serviço.Instalação da tubulação telefônica até a caixa de passagem da E. f. no padrão construtivo tipo D. para cada unidade consumidora.5 m do topo. f) A montagem da Entrada de Serviço compreende: f.Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal 5.Transporte e fixação do poste e fixação dos materiais. 3 – A utilização de condutores flexíveis requer o emprego de terminais tipo pino em todas as extremidades dos condutores.9 .5 . c) A construção da Entrada de Serviço deverá ser executada obedecendo.O custo do ramal de ligação não integra a composição do custo do padrão da entrada de serviço.Ligações internas na caixa de medição.3 . . sem necessidade de danificar o muro. pelo consumidor.4 . d) O fornecimento será efetuado com dois condutores (monofásico) 127V. instalar um trecho de eletroduto a título de “espera”. A partir desta caixa.S. conforme Figura 1.O custo do ramal alimentador a partir do ponto definido no item 5.8 .2 . b) Os materiais utilizados deverão ser novos e sem defeito de fabricação. a fim de permitir a complementação da instalação. Montagem das Entradas de Serviço e Ligação da Unidade Consumidora a) A Entrada de Serviço deverá ser construída no local escolhido pelo consumidor. conforme orientação do órgão da Copel responsável pelo atendimento à unidade consumidora.Instalação de condutores para ligação do disjuntor ao medidor f. às características dos respectivos padrões construtivos. f.Conexão do ramal de ligação ao ramal de entrada.Instalação e conexão do ramal de ligação à rede de distribuição. f. 2 .Instalação do ramal alimentador: • Padrões com saída aérea: desde a saída do medidor até o pingadouro do ramal alimentador aéreo do consumidor. • Quando a caixa de passagem for fornecida.10 . a 1.Pintura do logotipo da Copel na face lisa do poste. f. f. se possível na cor azul. A caixa deverá ser fornecida com tampa. dentro da faixa do terreno indicada. • Padrões com saída subterrânea/embutida: desde a saída do medidor até a primeira caixa de passagem. A partir desta caixa.7 . o neutro deverá estar devidamente identificado. sem necessidade de danificar o muro. a empreiteira deverá fornecer também a tampa da caixa de passagem.7. na cor laranja padrão Copel.

Medição em Poste – Saída Subterrânea Notas: 1 .Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Figura 2 – Padrão Construtivo Tipo D .Seguir as especificações do item 3. .A tubulação para a linha telefônica deverá chegar até a caixa de passagem. 2 . deste manual.

1. 16 mm². Condutor tipo multiplexado. isolamento 600 V. Eletroduto de PVC rígido. 5/8"x 200 mm. de cobre. Curva de 135º para eletroduto. para tubulação elétrica e telefônica. tipo AN (metálica) ou ANP ou ANP2 (material polimérico). . Armação secundária de 1 estribo de material polimérico. Eletroduto de PVC rígido diâmetro nominal 32 mm. tipo PM5. de diâmetro interno mínimo 16 mm. corrente nominal 50 A.Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal 5. para condutor 10 mm². monopolar.Medição em Poste – Saída Subterrânea Posição na Figura 2 Qtde Un Descrição 01 02 03 06 07 08 09 11 13 16 17 18 20 21 22 23 24 25 26 27 30 - 01 01 02 V V V 01 01 01 01 V V V V 01 01 01 01 01 01 V pç pç pç m m pç pç pç pç pç m m m pç pç cj pç filete pç pç m Poste de concreto armado de 7. Parafuso em material polimérico. diâmetro nominal 25 mm (telefone). Disjuntor termomagnético. Caixa p/ medidor. Conexão conforme figura 6 deste Manual. dúplex. Condutor de cobre nu para o aterramento. . 20 m. Luva de emenda para eletroduto 32 mm. Cinta de aço galvanizado. 75 daN. Caixa de passagem 30 x 30 cm. 10 mm². Curva 90° diâmetro nominal 25 mm (tele fone). Alça pré-formada de serviço. Massa de calafetar ou adesivo selante à base de resina e elastômeros. Aterramento conforme NTC 927105. Condutor de cobre isolado. 750 V. Componentes do Padrão Construtivo Tipo D . Conector tipo parafuso. Eletroduto PVC. 10 mm².

deste manual.Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Figura 3 – Padrão Construtivo Tipo E . .Medição em Poste – Saída Aérea Nota: Seguir as especificações do item 3.

para condutor 10 mm². 750 V. Parafuso em material polimérico.16 mm². Condutor tipo multiplexado. Componentes do Padrão Construtivo Tipo E . Condutor de cobre isolado. Conector tipo parafuso. Curva de 135º para eletroduto. 20 m. Eletroduto de PVC rígido diâmetro nominal 32 mm. tipo AN (metálica) ou ANP ou ANP2 (material polimérico). 75 daN. Disjuntor termomagnético.2. Armação secundária de 1 estribo de material polimérico. Cinta de aço galvanizado. tipo PM5. 750 V. isolamento 600 V. Alça pré-formada de serviço. 10 mm². 10 mm². monopolar. Massa de calafetar ou adesivo selante à base de resina e elastômeros. .. dúplex.Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal 5. Aterramento conforme NTC 927105. 10 mm². de cobre. Condutor de cobre isolado. Eletroduto de PVC rígido. Caixa p/ medidor. de diâmetro interno mínimo 16 mm. Luva de emenda para eletroduto 32 mm. Condutor de cobre nu para o aterramento. 50 A. 5/8"x 200 mm. Conexão conforme figura 6 deste Manual. Armação secundária de 1 estribo de material polimérico.Medição em Poste – Saída Aérea Posição na Figura 3 Qtde Un Descrição 01 02 03 06 07 08 09 11 12 13 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 - 01 01 02 V V V 02 01 01 02 01 V V V V V 01 01 01 01 pç pç pç m m pç pç pç pç pç pç m m m m pç pç cj pç filete Poste de concreto armado de 7.

Seguir as especificações do item 3. 2. A caixa de passagem só será usada quando um dos ramais alimentadores for subterrâneo.Medições em Poste Aérea/Subterrânea Notas: 1. Os ramais alimentadores deverão ser instalados em eletrodutos independentes. deste manual.Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Figura 4 – Padrão Construtivo Tipo 2E . . 3.

3.. tipo PM5. de material polimérico. 75daN. Caixa de passagem 30 x 30 cm.Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal 5. Parafuso em material polimérico. Condutor de cobre nu para o aterramento. monopolar. de material polimérico. 16 mm². de cobre. 5/8”x 200 mm. Condutor de cobre isolado. . para condutor 10 mm². Cinta de aço galvanizado. Massa de calafetar ou adesivo selante à base de resina e elastômeros. Luva de emenda para eletroduto 32 mm. 10 mm². Conector tipo parafuso. 10 mm². tipo NA (metálica) ou ANP ou ANP1 (material polimérico). Armação secundária de 1 estribo. Componentes do Padrão Construtivo Tipo 2E – Medições em Poste – Saída Aérea/Subterrânea Posição na Figura 4 Qtde Un Descrição 01 02 04 03 06 07 08 09 11 12 13 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 - 01 02 02 02 V V V 03 01 02 03 01 V V V 02 01 02 02 V 01 pç pç cj pç m m pç pç pç pç pç pç m m m pç cj pç filete pç pç Poste de concreto armado de 7. 50 A. Bucha e contra-bucha para eletroduto 32 mm. Condutor tipo multiplexado. diâmetro interno mínimo 16 mm.20 m. Alça pré-formada de serviço. triplex. diâmetro nominal 32 mm. Disjuntor termomagnético. Armação secundária de 1 estribo. Eletroduto PVC rígido. para tubulação elétrica. 750V . Aterramento conforme NTC 927105. Conexão conforme figura 6 deste Manual. Curva de 135º para eletroduto. Caixa p/ medidor. Eletroduto de PVC rígido.

2. Se forem utilizados condutores multiplex nos ramais alimentadores.Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Figura 5 – Padrão Construtivo Tipo 3E – Medições em Poste – Saída Aérea/Subterrânea Notas: 1. deste manual. A caixa de passagem será usada quando um dos ramais alimentadores for subterrâneo. aplicando três armações secundárias de 1 estribo. os três ramais poderão ser aéreos. Se dois ramais alimentadores forem construídos com condutores singelos. 3. 5. o outro ramal deve ser subterrâneo. Seguir as especificações do item 3. 4. Os ramais alimentadores deverão ser instalados em eletrodutos independentes. .

Caixa de passagem 30 x 30 cm.4. Disjuntor termomagnético. Armação secundária. Componentes do Padrão Construtivo Tipo 3E . Condutor de cobre isolado para 750 V. para tubulação elétrica. Conector tipo parafuso. Eletroduto de PVC rígido.Saída Aérea/Subterrânea Posição na Figura 5 Qtde Un Descrição 01 02 03 04 06 07 08 09 11 12 13 15 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 - 01 01 02 02 V V V 03 01 01 01 V 01 V V V 03 01 03 03 V 01 pç pç pç cj m m pç pç pç pç pç kg pç m m m pç cj pç Poste de concreto armado de 7. 75 daN. de 1 estribo de material polimérico. Alça pré-formada de serviço. Luva de emenda para eletroduto 32 mm. pç pç Conexão conforme figura 6 deste Manual.Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal 5. Arame de aço galvanizado. de cobre. monopolar. Caixa para medidores. Condutor de cobre nu para aterramento. Bucha e contra-bucha para eletroduto 32 mm Eletroduto de PVC rígido. 5/8"x 200 mm. Curva de 135º para eletroduto. quadruplex. tipo PM1. diâmetro nominal 32 mm. Cinta de aço galvanizado. 16 mm².Medições em Poste . geminada 3 AN (metálica). 10 mm².20 m. filete Massa de calafetar ou adesivo selante à base de resina e elastômeros. . Condutor de alumínio tipo multiplexado. de material polimérico. 50 A. bitola 14 BWG. 10 mm². Armação secundária de 1 estribo. de diâmetro interno mínimo 16mm. para condutor 10 mm². Parafuso em material polimérico. Aterramento conforme NTC 927105.

.Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Figura 6 – Conexões do Ramal de Ligação com o Ramal de Entrada.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->