Você está na página 1de 3

Aluno: Thiago Soares e Silva Professor: Adir

isto um homem? conta a histria de um jovem italiano que fora capturado no interior de seu pais pelas foras Alemes. Sendo levado ao campo de concentrao de Monowitz , prximo ao famoso campo de Auschwitz, onde os prisioneiros trabalhavam na construo de uma fbrica de borracha.

Desde o inicio do texto podemos ver que um dos objetivos da ideologia alem aplicada nos campos de concentrao era desumanizar, ou seja, inferiorizar os presos, a ponto de no sentirem-se mais humanos. Seja por retirar-lhes o nome prprio e rebatiza-los por nmeros e lotes, ser obrigado a exercer trabalhos mortalmente exaustivos , pela alienao do mundo exterior e total falta de informao sobre seus familiares ou ainda pelas condies de vida degradantes. O resultado de tudo isto o que o autor descreve vrias vezes ao encontrar pessoas que j estavam a mais tempo no campo de concentrao, elas apresentavam ausncia total de esperanas, indiferena a dor, total perda de noo de civilidade, uma vez que roubar se tornara a nica forma de manter-se vivo.

A falta de esperanas alis merece reflexo especial ao meu ver, j que o autor cita diversas vezes o assunto, principalmente quando comea a questionar se a morte no seria melhor que viver naquelas condies.

Aps pouco tempo nos campo de concentrao, os prisioneiros j passavam a no se questionar sobre qualquer tipo de assunto, uma vez que sair vivo de l, no passava de uma v esperana, e as tarefas dirias eram to exaustivas que os nicos pensamentos que passavam a habitar suas mentes eram apenas a espera do prximo momento de descanso, ou pior,a proximidade do inverno, que o frio e a neve s tornavam as condies de vida e trabalho ainda piores.

Percebe-se tambm que as pssimas condies de higiene levavam a uma srie de doenas, o que muitas vezes no era encarado de forma to ruim uma vez que na enfermaria podia ausentar -se do trabalho por uns tempos. Entretanto, era tambm perigoso, pois tempo de mais doent e, e poderia ser classificado como inapto ao trabalho, e assim ser selecionado para a cmara de gs.

Por fim, creio que o conhecimento deste tipo de atrocidades praticadas pelo homem ao prprio homem deve ser de conhecimento de todos. Pois s sabendo do que somos capazes, seremos tambm capazes de nos tornar vigilantes atentos, e evitar que atitudes como estas ocorram novamente.