Literatura na escola - 8º ano: conto de Clarice Lispector | Plano de Aula | Língua Portuguesa | Nova Escola

Literatura na escola - 8º ano: conto de Clarice Lispector
Bloco de Conteúdo Língua escrita Conteúdo Leitura Mais sobre Literatura Programa de leituras para Ensino Fundamental II
q

Objetivos e critérios para a escolha dos livros

Literatura na escola - 6º ano
q q q q

Contos de Drummond Narrativas de Graciliano Ramos Contos de José J. Veiga Poemas de Paulo Leminski

Literatura na escola - 7º ano
q q q q

Crônicas de Luís Fernando Veríssimo Contos de Edgar Allan Poe Poemas de Manuel Bandeira Romance de José J. Veiga

Literatura na escola - 8º ano
q q q q

Conto de Clarice Lispector Poemas de Carlos Drummond de Andrade Contos de A. Tchekhov Texto teatral de Dias Gomes

Literatura na escola - 9º ano
http://revistaescola.abril.com.br/lingua-portuguesa/pratica-pedagogica/literatura-escola-conto-clarice-lispector-566175.shtml (1 of 7)17/6/2011 00:55:30

Veja. Conteúdos Sentido literal e sentido figurado. Francisco Alves. Rio de Janeiro. Desenvolver a sensibilidade estética. Desenvolvimento 1ª aula: sondagem oral Pergunte aos alunos se eles já ouviram falar da escritora Clarice Lispector e se conhecem alguma obra http://revistaescola. o conteúdo completo. 1990.Literatura na escola . Clarice Lispector. Forma literária. hipótese. Desenvolver a competência leitora. Estabelecer relações entre o lido. a imaginação.shtml (2 of 7)17/6/2011 00:55:30 . ao lado. um computador conectado à internet.abril.com. Ponto de vista (ou foco) narrativo.8º ano: conto de Clarice Lispector | Plano de Aula | Língua Portuguesa | Nova Escola q q q q Contos de Julio Cortazar Poemas de Baudelaire Narrativa de Dyonelio Machado Narrativa de Franz Kafka Especial q TUDO SOBRE LEITURA Introdução Esta é a nona de uma série de 16 sequências didáticas que formam um programa de leitura literária para o Ensino Fundamental II. análise e interpretação. Objetivos Estimular o gosto pela leitura. o vivido ou o conhecido (conhecimento de mundo). Perceber a importância da Forma literária. Se possível. a criatividade e o senso crítico. Paráfrase. Tempo estimado Cinco aulas Ano 8º ano Material necessário Livro Laços de família.br/lingua-portuguesa/pratica-pedagogica/literatura-escola-conto-clarice-lispector-566175. Explorar a diferença entre o ponto de vista de um narrador em 3ª pessoa e o ponto de vista das personagens da trama narrativa.

". este último afilhado do escritor Érico Veríssimo.com. Em 1967 Clarice Lispector feriu-se gravemente num incêndio em sua casa. com quem viveria muitos anos fora do Brasil. formando-se em 1943. em 1985. Reconhecida pelo público e pela crítica. Em 1939. Em 1954 saiu a primeira edição francesa de "Perto do Coração Selvagem". Clarice Lispector morreu de câncer. No ano seguinte. como imigrantes vindos da Ucrânia. Clarice Lispector nasceu a bordo de um navio. Trabalhou como redatora para a Agência Nacional e como jornalista no jornal "A Noite". pelo conjunto de sua obra.br/lingua-portuguesa/pratica-pedagogica/literatura-escola-conto-clarice-lispector-566175. publicou "O Lustre". Dois anos depois. Em 1924 a família mudou-se para Recife. "Perto do Coração Selvagem". perdeu a mãe. Clarice Lispector ingressou na faculdade de Direito.Biografia Quando seus pais viajavam para o Brasil. em 1976 recebeu o prêmio da Fundação Cultural do Distrito Federal. "Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres" e "Felicidade Clandestina". publicando contos. Nos anos 1970 Clarice Lispector ainda publicou "Água Viva". transferiu-se com seu pai e suas irmãs para o Rio de Janeiro. Em 1960 publicou seu primeiro livro de contos. O casal teve dois filhos.uol.abril.8º ano: conto de Clarice Lispector | Plano de Aula | Língua Portuguesa | Nova Escola por ela publicada. H. Chegou a Maceió com dois meses de idade. seguido de "A Legião Estrangeira" e de "A Paixão Segundo G. Clarice Lispector escreveu o romance "A Maçã no Escuro" e começou a colaborar com a Revista Senhor. Sua carreira literária prosseguiu com os contos infantis de "A Mulher que matou os Peixes". Três anos depois. Casou-se em 1943 com o diplomata Maury Gurgel Valente. Seu primeiro romance foi publicado em 1944. Peça aos alunos http://revistaescola.br/biografias/ult1789u592. que foi adaptado para o cinema.com. "Via Crucis do Corpo" e "Onde Estivestes de Noite?". e Clarice passou a frequentar o grupo escolar João Barbalho. Separada de seu marido.shtml (3 of 7)17/6/2011 00:55:30 . considerado um marco na literatura brasileira.Literatura na escola . Fonte: http://educacao.jhtm 2ª aula: leitura compartilhada do conto "Uma galinha” Leia com a turma o conto “Uma galinha” e em seguida recolha as impressões gerais. radicou-se no Rio de Janeiro. com seus pais e duas irmãs. Em 1956. da Academia Brasileira de Letras. "A Imitação da Rosa". "Laços de Família". na véspera de seu aniversário de 57 anos. Aos oito anos. Pedro e Paulo. Conte a eles sua interessante biografia. com capa ilustrada por Henri Matisse. a escritora ganhou o Prêmio Graça Aranha. Clarice Lispector . seu ultimo romance. No ano seguinte publicou "A Hora da Estrela". provocado por um cigarro.

Ela corresponde à questão “o que fala o texto?”. desde o início. Exemplo O conto “Uma galinha” conta a história de uma família que escolhe uma galinha para o almoço de domingo. É um resumo do enredo. deve resumir-se apenas ao essencial. escolha com a turma as duas hipóteses que lhes parecerem mais pertinentes. Depois de capturada. por isso deve ser curta e objetiva. a família desistiu de comer a galinha? E por que. perceba que as hipóteses escolhidas pela turma são frágeis. É importante formular questões para a obra literária. estamos buscando elementos para interpretá-lo. eles decidem comê-la? Em discussão coletiva. lhes tivesse pedido um resumo. bota um ovo e a família desiste de comê-la. analise o conto “Uma galinha” seguindo os procedimentos descritos abaixo. As questões norteadoras fundamentais para a compreensão da narrativa de Clarice Lispector foram lançadas na aula anterior. uma hipótese interpretativa ou um elemento que nos deixou intrigados. Deixe que o próprio texto confirme ou desminta as hipóteses de seus alunos.shtml (4 of 7)17/6/2011 00:55:30 . Quer dizer. tempos depois. que não leu. Inesperadamente.br/lingua-portuguesa/pratica-pedagogica/literatura-escola-conto-clarice-lispector-566175. 2) Questão norteadora / Hipótese interpretativa Quando começamos a analisar um texto de ficção.8º ano: conto de Clarice Lispector | Plano de Aula | Língua Portuguesa | Nova Escola que formulem hipóteses: Por que. equivocadas ou não. Ao mesmo tempo. professor. não tente direcionar a discussão. eles decidem comê-la? Exemplo de hipóteses interpretativas: A família desistiu de comer a galinha porque percebeu que ela era agora necessária para dar vida ao ovo que ela chocava. Exemplos de questões norteadoras Por que.abril. temos em mente uma idéia do que o conto significa. como veremos a seguir. a família desistiu de comer a galinha? E por que. servem como ponto de partida para uma análise minuciosa. Depois eles decidem comê-la porque ela não está http://revistaescola.com. e devolvidas em forma de hipóteses interpretativas. a galinha acaba por virar almoço. Passado um tempo.Literatura na escola . 3ª e 4ª aulas: análise literária Em aula expositiva dialogada. ATENÇÃO: Ainda que você. mas só são pertinentes as perguntas que nos ajudem a entender a obra em sua totalidade. afinal. a galinha foge e tem de ser perseguida pelos telhados da vizinhança. As hipóteses. Análise do conto “Uma galinha” 1) Paráfrase A paráfrase é a primeira parte da análise. afinal. um “contar história com as suas próprias palavras”. Peça aos seus alunos que contem a história do conto como se um colega. perguntar por que o pai colocou um calção de banho para subir no telhado de pouco serviria para entendermos o conto. tempos depois.

Sozinha no mundo.abril. Você vai analisar o conto. na fuga. Mas não podemos nos esquecer também de que. é mais uma galinha entre todas as galinhas. Estúpida. É verdade que não se poderia contar com ela para nada. Não sabe nem por onde começar? Então vamos por partes: Em primeiro lugar. O que são “aspectos formais”? São elementos que se referem menos diretamente ao que está sendo dito e mais ao como está sendo dito. ora ela é estúpida. ninguém olhava para ela. Nem ela própria contava consigo. Ela conduz o leitor por meio de seu raciocínio. não é difícil perceber o que. em sua forma. é preciso ressaltar a contribuição que alguns aspectos formais possam vir a ter na economia do conto. em arte. sem pai nem mãe. Releia com a turma os seguintes trechos para que fique clara tal ambivalência: Era uma galinha de domingo. não souberam dizer se era gorda ou magra. Se conseguirmos ter uma boa http://revistaescola.8º ano: conto de Clarice Lispector | Plano de Aula | Língua Portuguesa | Nova Escola mais chocando ovo nenhum. a caracterização de algum personagem. é um nada. Por exemplo. E então parecia tão livre. investigue elementos do conto que sirvam para responder à sua questão norteadora. tímida e livre. às vezes tem seus anseios.br/lingua-portuguesa/pratica-pedagogica/literatura-escola-conto-clarice-lispector-566175. Sua única vantagem é que havia tantas galinhas que morrendo uma surgiria no mesmo instante outra tão igual como se fora a mesma. que a narrativa oscila entre a humanização e a animalização da galinha. Esquentando seu filho. lendo a sua questão. forma é conteúdo. nem triste. mas é também um ser. muda. apalpando sua intimidade com indiferença. É como se. era uma galinha. 3) Análise Agora chegamos ao corpo do trabalho. Ainda viva porque não passava de nove horas da manhã. mas também é uma jovem parturiente. Às vezes. Desde sábado encolhera-se num canto da cozinha. como o galo crê na sua crista.shtml (5 of 7)17/6/2011 00:55:30 . arfava. ora tímida e livre. Todos correram de novo à cozinha e rodearam mudos a jovem parturiente. Às vezes ela é uma galinha de domingo. Por isso. A análise constrói argumentos que sustentem a interpretação. Sua análise é o caminho para convencê-lo. o espaço e o tipo de discurso são alguns dos elementos formais que podem ser fundamentais ao desvendar o mistério. Não vitoriosa como seria um galo em fuga. Parecia calma. nem alegre.com.Literatura na escola . O tipo de narrador. lhe chama mais atenção. Nunca se adivinharia nela um anseio. concentrada. o leitor dissesse “também não entendi” ou “não acho esta questão pertinente”. esta não era nem suave nem arisca. o tempo. ela corria. Mesmo quando a escolheram. Não olhava para ninguém. Que é que havia nas suas vísceras que fazia dela um ser? A galinha é um ser. pairava ofegante num beiral de telhado e enquanto o rapaz galgava outros com dificuldade tinha tempo de se refazer por um momento. Existem inúmeros elementos passíveis de análise em um bom conto. Se você observar bem o conto escolhido. não era nada.

br/lingua-portuguesa/pratica-pedagogica/literatura-escola-conto-clarice-lispector-566175. Enquanto o narrador percebe nela “um anseio”. De pura afobação a galinha pôs um ovo. Com alguma dificuldade. desde o início. “Foi então que aconteceu. no domingo. se ela deseja a vida ou a liberdade.Literatura na escola . melhor. para podermos responder às questões norteadoras e chegar a uma interpretação. 4) Interpretação A interpretação corresponde à questão “do que fala o texto”.Em uma análise assim.abril. tão próxima da paráfrase. O dono da casa começa então a persegui-la como quem persegue o próprio almoço.8º ano: conto de Clarice Lispector | Plano de Aula | Língua Portuguesa | Nova Escola questão (que se refere mais ao conteúdo do conto) e ainda um olhar atento no que se refere à forma. podemos notar que. há uma diferença entre o olhar do narrador e o olhar da família sobre a galinha. Mas logo depois. nas entrelinhas. a ter sentimentos humanos a ela atribuídos. Quanto mais a análise der voz ao texto.” Como animal irracional que era. a menina pede à mãe: “ – Mamãe. o que se origina da relação íntima entre forma e conteúdo. comeram-na e passaram-se anos. mamãe. passa a ser personificada. fazendo com que o narrador da história reconheça nela um anseio pela vida. um todo que reúne forma e conteúdo. a galinha passava despercebida pelos habitantes da casa desde sábado.shtml (6 of 7)17/6/2011 00:55:30 . ela pôs um ovo! Ela quer o nosso bem!” Note o uso de citações de trechos do conto. Isso não só é possível como geralmente traz um bom resultado.com. o narrador sonda a intimidade da galinha tentando descobrir se há algo nela que lhe confira o estatuto de ser. surpreendentemente ela foge para o telhado. não mate mais a galinha. Surpreendida. Talvez fosse prematuro. que na verdade foram separados artificialmente. Se na análise desmontamos o texto em partes. Todos os da casa desistem de comê-la e a galinha passa a morar junto com a família. abotoando e desabotoando os olhos. Para a família.” Diante de tal fato. É preciso reunir forma e conteúdo. Sentou-se sobre o ovo e assim ficou respirando. queremos saber o que está dito pelos silêncios. A galinha. parecia uma velha mãe habituada. Quando analisamos. exausta. na interpretação temos de reorganizá-lo como um todo.” Se observarmos bem o conto. “Até que um dia mataram-na. ela é coisa: almoço. E é ele que estamos buscando desde o início. http://revistaescola. Exemplo resumido de análise O conto começa apresentando a galinha já como almoço: “Era uma galinha de domingo. então já é possível traçar um caminho seguro pelo qual nossa análise pode seguir. a galinha é menos que um bicho. Mas. o pai vê “o almoço” subir no telhado. pouco ainda se pode interpretar. Enquanto a última vê o animal apenas como almoço. nascida que fora para a maternidade. até então vista pelos personagens apenas como um almoço. Ela é a exposição do sentido profundo do conto. o rapaz a alcança e a despeja no chão da cozinha. Já o narrador procura saber se ela pode ser mais do que bicho ou coisa.

pausado como num campo. uma questão norteadora e uma hipótese interpretativa. “mataram-na. ela não cantaria mas ficaria muito mais contente. como lição de casa.” Na projeção do narrador (narradora?). Na fuga. o olhar do narrador e o da família confluem: todos personificam o animal. o narrador projeta nela os dilemas da condição feminina. Embora nem nesses instantes a expressão de sua vazia cabeça se alterasse. sempre mais raramente. lembrava de novo a galinha que se recortara contra o ar à beira do telhado. comeram-na e passaramse anos. estúpida. com o velho susto de sua espécie já mecanizado.shtml (7 of 7)17/6/2011 00:55:30 . embora a pequena cabeça a traísse: mexendo-se rápida e vibrátil. e longe de qualquer reflexão igualitária sobre a condição feminina. enchia-se de uma pequena coragem.” 5ª aula: releituras Há no site YouTube inúmeras releituras deste conto. Enquanto isso. os membros da família. no descanso.br/lingua-portuguesa/pratica-pedagogica/literatura-escola-conto-clarice-lispector-566175. o corpo avançando atrás da cabeça.youtube. prestes a anunciar. Nesses momentos enchia os pulmões com o ar impuro da cozinha e. mas ficaria feliz em saber que pode. vendo nela “uma velha mãe habituada”. se fosse dado às fêmeas cantar. assista com a turma a animação de Rafael Aflalo: http://www. resquícios da grande fuga — e circulava pelo ladrilho.com.Literatura na escola . É a maternidade que confere à galinha o estatuto de ser. “Mas quando todos estavam quietos na casa e pareciam tê-la esquecido. Não quer (ou não ousa) cantar como o galo (ou cantar de galo). http://revistaescola.com/watch?v=OFguEGJ5bww Avaliação Depois de lidos os outros contos do livro. ela volta a ser vazia de sentido.abril. a mesma que fora desenhada no começo dos séculos. Finalmente. a galinha/mãe/mulher gostaria muito de não ter o sentido de sua vida reduzido à maternidade.8º ano: conto de Clarice Lispector | Plano de Aula | Língua Portuguesa | Nova Escola Quando a galinha bota um ovo. para ele. quando deu à luz ou bicando milho — era uma cabeça de galinha. que ser é esse? Fora da função reprodutiva. que cada aluno escolha o conto de sua preferência e formule. No entanto. Se possível. peça. alheios à personificação da galinha promovida pelo narrador. Uma vez ou outra. volta a se confundir com os objetos da casa.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful