P. 1
Casos clinicos de atençao farmaceutica

Casos clinicos de atençao farmaceutica

|Views: 1.375|Likes:
Publicado porPablo Babington

More info:

Published by: Pablo Babington on Jun 24, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/12/2013

pdf

text

original

CASO 1. Homem aparentando 35 anos e normopeso vem à farmácia medir a pressão arterial.

O farmacêutico imediatamente solicita que o mesmo se sente e realiza o procedimento encontrando um valor de 145/85 mmHg. O paciente nega diagnóstico de hipertensão e uso de medicamentos. R: Primeiramente o Farmacêutico deve respeitar algum tempo de repouso para que possa se medir a P.A do paciente. Deve-se verificar a alimentação do paciente, se ele ingeriu café ou algum energético ou até mesmo utilizou tabaco antes de se dirigir a Farmácia. Depois desses procedimentos medir a P.A do paciente e verificar. CASO 2. Mulher obesa aparentando 45 anos vem à farmácia medir a pressão arterial. O farmacêutico a pede que aguarde alguns minutos sentada, antes do procedimento. Certifica-se de que a paciente não ingeriu café, praticou atividade física mais intensa ou utilizou tabaco nos últimos 30 minutos.O farmacêutico verifica a PA utilizando manguito padrão e o resultado é de 160/100mmHg. R: Deve-se verificar a alimentação, buscando a causa dessa P.A estar elevada. Provável caso de colesterol alto ou até mesmo retenção de líquido. Sugestão de encaminhar essa paciente para exames específicos para constatar o problema. CASO 3. Homem, 50 anos, IMC=26 Kg/m2, monitorando a PA com o farmacêutico encontra valores de 135/89; 138/90; 140/88; 135/85 na última semana. freqüência cardíaca normal (80bpm). Ele traz consigo sua carteirinha de hipertenso da unidade de saúde e o farmacêutico percebe valores anotados de 140/90; 140/100; 140/90; 130/80. O paciente diz que mediu nos mesmos dias no posto e na farmácia e os valores costumam ter essa diferença. Na unidade é utilizado um aparelho aneróide da marca BD. Na farmácia o farmacêutico tem utilizado aparelho digital da marca OMRON 431c. R: Bom, geralmente há certa diferença entre aparelhos manuais e digitais, o que se tem a fazer é padronizar essa medida em um aparelho só e aconselhar esse paciente a cuidar melhor de sua alimentação, já que seu IMC está no limite que se considera “normal”. Também fazer um encaminhamento para um possível diagnóstico de colesterol. Verificar informações do paciente tais como consumo de bebidas alcoólicas, tabaco, atividades físicas e se faz uso de algum tipo de medicação. CASO 4. Homem, 77 anos, em acompanhamento pelo farmacêutico da PA encontra valores de 140/90; 135/90; 140/90 nos últimos dias. O farmacêutico, conhecendo o padrão de resultados, tem o hábito de inflar o manguito até 160 mmHg durante o procedimento. Em um dia, no entanto, outro farmacêutico realiza o procedimento e encontra valores de 170/90, confirmados em três medidas em dois dias diferentes. R: Primeiramente deve-se levar em conta o fator da idade do paciente. Logo após isso verificar o método utilizado para se fazer essa medida, tais como uma mera escolha do manguito, ou até mesmo a aparelho utilizado. Verificar se o farmacêutico deixou que o paciente repousasse por pelo menos 5 minutos antes d a medida, se não estava com a

E pode vir associado ao colesterol o que pode ocasionar risco cardiovascular. Está em repouso e não usa medicamento anti-hipertensivo. para um colesterol sadio. fazem desse homem um paciente com PA grave. Obs. nega diagnóstico de hipertensão ou uso de medicamentos. Não utiliza anti-hipertensivos e tem diagnóstico de diabetes há alguns anos. se consome bebidas alcoólicas ou até mesmo se a forma de se medir a PA está correta. Por ser mulher pode estar associado a retenção de líquido. CASO 6.bexiga cheia. Valores de pressão arterial em 192/120 mmHg. se tinha tomado café. Homem com 30 anos. calcular o IMC e comparar os níveis e se possível encaminhar para um diagnóstico laboratorial para se saber os níveis exatos de colesterol. com valores de pressão arterial em 152/105 mmHg. então deve-se ter um cuidado maior com a alimentação. R: Primeiramente a paciente está entrando para uma zona de risco. R: Os fatores da obesidade e da diabetes estarem associados. mas por ser homem e por utilizar o tabaco. O mais sensato é fazer um mapa da pressão da paciente antes de se tomar medidas de diagnóstico. Fumante há 5 anos. Não utiliza anti-hipertensivo. R: Primeiramente levar em consideração a idade da paciente. se tinha fumado. Mulher com 50 anos. CASO 8. . seus riscos são aumentados ainda mais cedo. Valores de pressão arterial em 138/89 mmHg. Sob tratamento anti-hipertensivo com inibidor da ECA há 1 ano. R: Verificar se faz uso de tabaco ou de bebidas alcoólica. energéticos. Mulher com 65 anos. Mulher com 35 anos. Homem com 45 anos. CASO 9. com valores de pressão arterial em 120/80 mmHg. CASO 5. obeso. trata-se de uma PA controlada e se tratada com devida cautela não oferece tantos problemas. Valores de pressão arterial em 135/88 mmHg. se tinha utilizado medicamentos ou se até mesmo estava com as pernas cruzadas. Modificável: Obesidade. R: Atualmente seus valores estão dentro do padrão normal. verificar se não fuma. Logo se pode ver que pelos fatores associados. uso de anti-hipertensivos. Fator não modificável: Diabetes. Verificar se o paciente faz uso de bebidas alcoólicas ou de tabaco. CASO 7. pelo fato do risco cardiovascular ocasionado pelo colesterol e principalmente pelo não uso de anti-hipertensivos.

O melhor a fazer é a substituição desse diurético por outro. Recém diagnosticada com hipertensão. Nesse caso também pode se aderir ao tratamento com Metildopa. sobrepeso. por essa PA estar bem abaixo do padrão “normal”. O que pode ocorrer é um caso de hipocalemia. Valores de pressão arterial em 140/88 mmHg. A sua principal utilização é na remoção de edema causado por problemas cardíacos. Também observar se há interações medicamentosas. Deve se saber do paciente se faz uso de algum tipo de bebida energética ou alcoólica. Homem. que aumentam de forma intensa a excreção de urina e sódio pelo organismo. CASO 12. CASO 13. Mulher com 35 anos. mas o paciente tem se queixado de dores nas pernas semelhantes a câimbras. 40 anos. obesa. Faz uso de Antagonista de canal de cálcio há 2 meses.CASO 10. . R: Primeiro fator não modificável: Idade. hepáticos ou renais. Homem com 70 anos. R: Furosemida é um medicamento da classe dos diuréticos da alça. pois aparentemente não se faz necessário seu uso. R: Se for um inibidor da Cox1 pode ser por uma insuficiência renal reversível. introduzir um medicamento anti-hipertensivo. Valores de pressão arterial em 100/70 mmHg e sintomas de hipotensão. Paciente com 45 anos. Logo o fármaco é ideal para a finalidade que se destina. Mulher de 60 anos. R: Verificar a medicação. em uso de hidroclorotiazida 25 mg 1cpr pela manhã há 3 meses. CASO 11. CASO 14. O médico optou pelo uso de furosemida 40mg ½cpr de manhã. com hipertrofia ventricular esquerda e insuficiência cardíaca. que é um disturbio ocasionado pela perda excessiva de potassio pela diurese e assim podendo ocorrer dores musculares. Pulsação 90 bpm. Que é um fármaco anti-hipertensivo de ação central e que tem ótimos resultados nas pesquisas relacionadas a esse problema. Está fazendo uso de antiinflamatório não esteroidal (AINE) há 4 semanas para dor nas costas. Utiliza diurético tiazídico há 2 anos todos os dias pela manhã. se faz uso de tabaco ou se faz atividades físicas diariamente. se for um inibidor da Cox2 pode ser hipertensão arterial pulmonar. A PA tem se mantido em média de 135/80mmHg. Valores de pressão arterial em 160/75 mmHg. O melhor a fazer é a substituição desse AINE. Depois encaminhá-lo para um diagnóstico preciso e se a PA persistir. R: A Hidroclorotiazida é um diurético tiazídico usado principalmente na hipertensão arterial.

os metabólitos ativos da Metildopa atuam sobre os receptores ∞-2 adrenérgicos no tronco encefálico. uma classe de drogas usadas principalmente em doenças cardiovasculares. sendo diagnosticada hiperplasia prostática benigna (HPB). independentemente das orientações para reposição de potássio. com base na segurança tanto para mãe quanto para o feto. com acúmulo de peso superior ao desejado (já ganhou 12 quilos) e histórico de hipertensão na família. Em uso de Atenolol 25mg pela manhã há >5 anos. O médico optou pela adição de amilorida 2. Utilizava HCTZ 25mg/dia há 2 anos. Três semanas após o início do uso. Deve-se levar em conta o fator de rsco não modificável que é a idade do paciente. 70 anos. 57 anos. A diferença entre os dois está no fato da Amilorida poupar o potássio e eliminar o sódio juntamente com a água. a Metildopa pode produzir secura na boca. com hipertensão arterial há 15 anos. R: Atenolol é uma droga que pertence ao grupo dos beta bloqueadores.5mg (Moduretic 25mg/2.. com queixas constantes de câimbras. Mulher de 50 anos. R: A Hidroclorotiazida é um diurético tiazídico usado principalmente na hipertensão arterial. IMC=27 Kg/m2. em uso de doxazosina 4mg pela manhã há 2 anos. Dois anos atrás começou a apresentar retenção urinária e sensação de esvaziamento incompleto da bexiga. fazendo com que não haja hipocalemia e assim evitar as tão temidas câibras. a paciente apresentou valores de PA de 135/85 mmHg e queixou-se de sonolência e boca seca. R: Doxazosina é um alfa bloqueador usado para tratar hipertensão arterial e hiperplasia prostática benigna.5mg) 1 comp pela manhã. hipertensão há 5 anos. Deve-se indicar este . Sua PA tem se mantido em 150/80mmHg nas últimas semanas. histórico de infarto do miocárdio há 5 anos e tremor senil. Apresenta hipertensão arterial há 5 anos. Homem. normopeso. Sua PA tem se mantido >150/100mmHg em acompanhamento pelo farmacêutico e os sintomas da HPB melhoraram. Como os centros medulares que controlam a salivação são também inibidos pelos receptores ∞-adrenérgicos. Outro fator a ser levado em conta é que o paciente está acima do limite consderado normal pela OMS. Amilorida é um fármaco utilizado pela medicina como anti-hipertensivo e diurético. Além de reduzir a pressão arterial. Mulher de 35 anos. durante a 22 semana. CASO 18. È uma medida que vai ajudá-lo na retenção de líquidos e na sua PA. CASO 17. Na consulta de pré-natal apresentou valores de 150/100mmHg e a médica disse que precisaria iniciar uso de metildopa 250mg duas vezes ao dia. Homem. Doença de Parkinson descartada pelo médico. CASO 16. Portanto são sintomas normais provenientes do uso desse fármaco. R: Metildopa é o fármaco de escolha no tratamento de hipertensão na gravidez. inibindo os centros responsáveis pelos estados de vigília e alerta. gestante. produzindo em grande parte sedação transitória. A pressão tem se mantido após isso abaixo de 140/90mmHg.CASO 15. Uma outra medida é a aderência de um agente diurético no tratamento.

em média. tendo que utilizar o salbutamol mais do que o normal. Há dois meses o médico adicionou ao diurético HCTZ 25mg/dia atenolol 50mg 2 vezes ao dia. „ Mulher. podendo ocasionar muitos distúrbios. hipertensa há 5 anos. . da angina e de arritmias cardíacas. 40 anos. em uso há 6 meses de nifedipino retard 20mg pela manhã. Pode ser utilizado associado ou não à outros medicamentos para o tratamento da hipertensão. Atenolol é uma droga que pertence ao grupo dos beta bloqueadores. CASO 19. um risco muito sério.medicamento para hipertensão arterial sistêmica. sobrepeso. às vezes. Em uma crise de asma. CASO 21. Em uso de besilato de anlodipino 5 mg pela manhã há 2 meses. em uso de salbutamol aerossol S/N (1-2 vezes por semana). Logo. R: Hidroclorotiazida é um diurético tiazídico usado principalmente na hipertensão arterial. faz tratamento com propranolol 40mg 2 vezes ao dia. hipertenso há 3 anos. 50 anos. Homem. mostrando ótimos índices de PA e uma ótima aderência. É um agonista beta adrenérgico. R: Salbutamol é um broncodilatador de ação seletiva. 50 anos. O mais indicado é fazer a substituição do Propranolol por outro antihipertensivo de outra classe. durante o dia. Mulher. „ CASO 22. Queixou-se ao farmacêutico que suas pernas estão muito inchadas. Sua pressão arterial na farmácia está em média 120/70 mmHg e seu pulso 60 bpm. Hipertensa há 1 ano. Sua PA tem se mantido em 150/100mmHg. tosse e chiado no peito. com asma brônquica intermitente há anos. Queixa-se de tontura de manhã quando se levanta da cama e. Homem. obesa. Sua pressão arterial tem se mantido em 130/80mmHg. no entanto tem acordado com sintomas de falta de ar. o tratamento está de acordo com as necessidades apresentadas. como os tremores. Propranolol é um fármaco anti-hipertensivo indicado para o tratamento e prevenção do infarto do miocárdio. sobrepeso. pois os dois fármacos empregados no tratamento fazem competição pelo mesmo sítio de ação. levando em consideração o fator de risco não modificável que é a idade. arritmia cardíaca e consequentemente previne o infarto. CASO 20. normopeso. Sua PA tem se mantido em 130/85mmHg. uma classe de drogas usadas principalmente em doenças cardiovasculares. angina pectoris. para se ter o efeito do Salbutamol seria preciso uma superdosagem. Uma boa opção seria a aderência de um agente diurético no tratamento para que a PA consiga atingir níveis mais baixos. Esse medicamento diminui a pressão sanguínea e a irrigação de oxigênio no cérebro. 80 anos. hipertenso há mais de 20 anos. É um bloqueador-beta adrenérgico.

ela se queixa ao farmacêutico de constipação intestinal e pede uma orientação. Sua pressão arterial tem se mantido em 130/80mmHg. Sua PA tem se mantido em 140/90mmHg. „ Homem de 45 anos. Foi encaminhado imediatamente ao hospital. „ Mulher. Em uso há anos de Verapamil 120mg 2 vezes ao dia. 35 anos. Relata que antes do Losartana já utilizou Enalapril e Atenolol. hipertensão há 10 anos e histórico recente de arritmia cardíaca. em tratamento com Lisinopril 10mg 1 vez ao dia há 6 meses. hipertensão há 2 anos tratando com Captopril 25mg 1 cpr 3 vezes ao dia desde então. apresenta valores de pressão arterial na farmácia de 200/120mmHg. mas a PA nunca baixou de 150/100mmHg. baixa escolaridade. Diz que piorou muito nos últimos anos. Atualmente não controlada. sobrepeso. „ CASO 27. „ Mulher de 67 anos.„ CASO 23. obesa. Em uso há 2 anos de Losartana 50 mg pela manhã. Tolera bem o medicamento. Pratica atividade física e queixase do cheiro desagradável do suor e “gosto ruim na boca”. hipertensão há 5 anos. hipertenso há 2 anos tratado com Enalapril 20mg pela manhã desde então. Pede ao farmacêutico a indicação de um medicamento. casada. „ Mulher. mas a pressão arterial tem se mantido em 150/100mmHg nas últimas 6 semanas. 40 anos. „ CASO 26. Comentou que no pronto socorro. Retornando à farmácia no dia seguinte apresentou uma prescrição de Nifedipino Oros 30mg 1 vez ao dia. Queixa-se de tosse. . „ Homem. que o incomoda principalmente à noite. Durante entrevista clínica. „ CASO 25. „ CASO 28. 50 anos. hipertenso há 5 anos. normopeso. sobrepeso. „ CASO 24. 52 anos. sobrepeso. „ Homem. obeso. sua PA ainda estava alta e ele recebeu nifedipino em baixo da língua.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->