P. 1
Parasitologia - Cryptosporidium

Parasitologia - Cryptosporidium

|Views: 984|Likes:
Publicado porHendor Neves

More info:

Published by: Hendor Neves on Jun 25, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/06/2013

pdf

text

original

Universidade Federal da Bahia

Instituto de Ciências da Saúde Departamento de Ciências da Biointeração Curso: Biotecnologia Disciplina: Parasitologia Aplicada a Biotecnologia ± ICS 015 Docente: Prof. Adriano Monte Alegre e Profª Luciana Aragão

Cryptosporidium sp

Hendor Neves Marcos Bernardo Janlesi Borges

Salvador/2011

o uso de técnicas moleculares .muirs e C parvum.em 1911 o mesmo autor encontrou outra espécie .localizada no intestino delgado de camundongo . .que recebeu o nome especifico de C.parvum.como Reação em Cadeia da polimerase foi possível demonstrar que o cryptosporidium sp são espécies geneticamente complexas composta de populações morfologicamente indistinguíveis .e a descreveu como C.encontrado nas galndulâs gástricas de camundongo . Outras espécies foram descritas de vários animais e homem. Recentemente .menor do que a primeira . ma s estudo sobre biologia e a baixa especificidade que este coccídio apresenta em relação aos hospedeiros levaram a maioria dos pesquisadores a considerá -las como sinônimos de C.Introdução Cryptosporidium foi criado em 1907 .porém com grande diversidade genética que o pode caracteriza -lá. Posteriormente .muris.por tezzer para designar um pequeno coccídio .

incluindo humanos. mas a importância relativa desse tipo de transmissão não está inteiramente esclarecida.Em áreas rurais. com conseqüentes danos na eficiência da absorção dos nutrientes. Os oocistos de Cryptosporidium spp variam em tamanho. No intestino.O ciclo de vida de Cryptosporidium spp. as infecções zoonóticas. com pouca ou nenhuma diferença morfométrica capaz de distinguir as inúmeras espécies do gênero que são infectantes para os animais e para o homem. O protozoário causa danos aos microvilos das células da superfície da mucosa intestinal. Esses . têm sido muitas vezes descritas. capazes de parasitar as microvilosidades das células epiteliais do trato gastrintestinal de hospedeiros vertebrados. Os protozoários do gênero Cryptosporidium são parasitas intracelulares obrigatórios que pertencem ao filo Apicomplexa. a transmissão antroponótica provavelmente desenvolve o papel principal na disseminação da infecção. O gênero Cryptosporidium tem sido descrito em várias espécies de animais. possuindo estruturas internas de difícil visualização a microscopia óptica. inicializando um novo ciclo de reprodução assexuada (E). especialmente em creches. Os esporozoítos então se diferenciam em trofozoítos (C). podendo ocasionar quadro clínico de diarréia. Merozoítos produzidos por merontes do tipo I são liberados da célula do hospedeiro e podem infectar novas células. envolve uma fase assexuada e outra sexuada. com a formação de oocistos infectantes que são lançados no ambiente através das fezes. os esporozoítos são liberados dos oocistos e infectam as células epiteliais da mucosa intestinal (B). Células epiteliais do pulmão também podem ser infectadas. Muitas espécies não possuem especificidade por hospedeiros e a transmissão entre eles pode ocorrer facilmente. que se diferenciam por sua vez em merontes tipo I (D). A presença de ooci stos deste coccídeo no ambiente faz sugere que humanos e animais podem adquirir a infecção através de diversas rotas de transmissão Em crianças e idosos.Parasitismo por Cryptosporidium sp. o ciclo de vida de Cryptosporidium inicia-se após a ingestão do oocisto esporulado pelo hospedeiro (A). apresentam-se de conformação esférica. via contato direto com animais de fazenda.

reprodução sexuada pela difer enciação em trofozóitos ou iniciar o ciclo sexual pela diferenciação em merontes do tipo II s merozoítos ori inados dos meronte do tipo II irão resultar em um s microgamonte masculino G e um macrogamonte feminino H . ue são capazes de causar auto -infecção no www.com/trabajos65/actualizacion-cryptosporidium/actualizacion-cryptosporidium_image003. microgamontes li eram microgametas ue irão fundir-se aos macrogamontes s oocistos são produzidos após reprodução sexuada.monografias. ois tipos de oocistos podem ser produzidos: oocistos de camada delgada J .jpg . ue são as formas infectantes encontradas no am biente. realizando a reprodução sexuada I .merozoítos odem i i i r F. e oocistos de camada fina K ospedeiro.

já na segunda amplificação será da real seqüência -alvo. O artigo faz uma comparação entre testes moleculares e o teste parasitológico tradicional para a detecção de Cryptosporidium sp ampliando o conhecimento a cerca da detecção e distribuição do parasito. onde a primeira amplificação será mais abrangente. foi escolhida a técnica de Nested-PCR . amplificando uma região muito maior que a seqüência desejada. O objetivo do estudo foi realizar a identificação genotípica de isolados de Cryptosporidium sp. Metodologia As amostras coletadas de 29 portadores de IV e com AIDS. Os resultados positivos do teste parasitológico foram submetidas ao teste de ELISA para a detecção de coproantígenos. Ela se diferencia das demais técnicas por utilizar dois pares de primers. . Por fim todas as 29 amostras foram submetidas à amplificação do DNA pelo Nested-PCR após a extração e purificação.Artigo Detecção de Cryptosporidium meleagridis em amostras fecais de pacientes HIV positivos no Brasil. obtidos a partir de pacientes IV positivos a partir da técnica de Nested-PCR. pois tem uma alta sensibilidade e espe cificidade. As 29 amostras foram submetidas ao teste parasitológico com a técnica de coloração de Kinyoun concentradas pelo método de formol-éter. Serão escolhido cinco amplificados de amostras com resultados positivo para Cryptosporidium sp para a caracterização genotípica utilizando a endonuclease Rsal para analise do segmento do gene COWP. Dentre as diversas técnicas de PCR.

Em uma comparação entre o teste parasitológico por coloração e o teste de amplificação de A 5 resultados foram discordante. obtidos a artir de isolados de Cryptospori i m spp detectados em cinco amostras oriundas de Sorocaba. meleagri is (Cm). ¢ ¨ § § ¦ § £ ¢  §  ¦   ¦ ¥  ¤£ © ¢ ¢ ¡  . (6) C. (4.Resul s s resultados obtidos foram: l Ki y un 15/ 9 Elisa 13/15 Nested-P R 16/ 9 as amostras o teste parasitológico 5 foram positi os ue foram submetidas ao teste de E ISA em ue 3 foram positi as. homi is (Ch). (3. SP. um Cryptospori i m parvum e dois Cryptospori ium meleagri is Perfil eletroforéti o de rodutos am lifi ados or Nested-P R e di eridos o m a enzima RsaI. (2) produto amplificado não digerido. (1) adder 100 pb. ) C. o teste de ested 6 foram positi as e delas 5 foram escol idas aleatoriamente para a P caracterização genotípica. a caracterização genotípica foram detectado s dois Crypt pori i homi i . parvum (Cp).5) C.

é o primeiro relato no Brasil. pois é uma espécies que naturalmente infecta aves.   . Os resultados com o teste de ELISA não foram surpreendente. A utilização de técnicas moleculares nos permite a caracterização genotípica e assim conhecer a distribuição geográfica desse parasita que é necessária pois o Cryptosporidium acomete umanos e animais e espécies q antes se pensava que só infectava animais agora se sabe que elas p odem infectar umanos graça as técnicas moleculares como PCR. pois falhou em 2 resultados já confirmados como positivo. mas o fato de 5 resultados entre o teste parasitológico e de Nested -PCR mostra que os métodos de concentração não tenham sido eficazes. mas já houve relatos dessa espécie no mundo. A detecção de dois Cryptosporidium meleagridis de cinco amostras na caracterização genotípica é relevante.Discussão e Conclusão Os resultados não mostraram uma discrepância relevante.

. Detecção de Cryptosporidium meleagridis em amostras fecais de pacientes IV positivos no Brasil Detection of Cryptosporidium meleagridis in fecal samples of IV-infected patients from Brazil.Acessado em 01/06/2011 ‡ .br/cbb/professores/19/Enfermagem/Cryptosporidiumparvu m. 9. A. Science . http://www2.ucg.. 2. ARAÚ O. n. 2007. S. PAULO. p. 38-40.Referencias ‡ ULIA. v. S.pdf .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->