P. 1
Como uma usina de açúcar e álcool funciona?

Como uma usina de açúcar e álcool funciona?

|Views: 4.447|Likes:
Publicado porclauber_dalmas
Tópicos básicos do funcionamento de usina sucroalcooleira
Tópicos básicos do funcionamento de usina sucroalcooleira

More info:

Categories:Types, Speeches
Published by: clauber_dalmas on Jun 27, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/22/2013

pdf

text

original

Prof. Me. Clauber Dalmas Rodrigues

cdalmas@yahoo.com

Partes da Planta da Cana

Fonte: Paes e Oliveira CTC, 2005
3

Composição Química da cana-deaçúcar

água 72%

fibra 11%

sacarose 16%

glucose + frutose 1%
Fonte: FERNANDES, Antonio Carlos. Cálculos na Agroindústria da canade-açúcar. 2ª.ed. Piracicaba, STAB, Cap.1, 2003.

4

 1 hectare de cana-de-açúcar produz†:

88 ton. de cana-de-açúcar

 MS produz (safra 09/10)

◦ 28 milhões de ton de cana ◦ 1,2 milhões de ton de ◦ 1,7 bilhões de litros de

* NETO, André. Meio Ambiente e o Setor Sucroalcooleiro. Palestra apresentada na 1ª.CANASUL, 2007. † CONAB, 2011. Disponível em: http://www.conab.gov.br/conabweb/download/safra/2cana_de_acucar.pdf

5

Previsão para safra 2011/2012*
 Brasil

642 milhões de ton de cana 41 milhões de ton. de açúcar

27 bilhões de L de etanol
 MS

42 milhões de ton. de cana 2 milhões de ton. açúcar

2 bilhões de L de etanol
* Avaliação da Safra Agrícola de Cana-de-Açúcar – 1ª Estimativa Maio/2011

1 tonelada de cana produz*:
 140  275  165

kg de açúcar ou 85 L de etanol
kg de bagaço (com 50% de umidade) kg de palha (com 15% de umidade)

* KITAYAMA, 2007

7

8

O cenário do Estado do MS

Safra 2006

Safra 2007

Safra 2008

Safra 2009

Safra 2010

BRASIL – Produção de canade-açúcar
BRASIL - Produção de Cana-de-açúcar

Produção de Cana (em Milhões de toneladas)

700 600 500 400 300 200 100 0

Safra

MS – Produção de cana-deaçúcar
Cana-de-açúcar cortada (em milhões de tonladas)
45 40 35 30 25 20

15
10 5

0

Safra

(1)-Recebimento da Cana; (2)-Transportador; (3)-Triturador; (4)-Caldo de Cana; (5)-Tanque de Decantação; (6)Aquecimento; (7)-Clarificação; (8)-Moagem da Cana; (9)-Bagaço; (10)-Caldeira; (11)-Tacho a Vácuo; (12)-Caldo Purificado; (13)-Evaporador a Vácuo; (14)-Caldo Clarificado; (15)-Caldo Turvo Descartado; (16)-Filtragem; (17)Açúcar Pó Seco; (18)-Secador Spray Dryer; (19)-Enviado para Silos de Estoque; (21)-Melaço. Fonte: http://br.geocities.com/abgalimtec/acucarpo.html
18

Recepção

Preparo da cana

Extração do caldo

Tratamento do caldo

Fábrica de açúcar

Produção de álcool

Colheita

22

23

24

25

26

Transporte

27

Fonte: www.scania.com.br

Figura: Cavalo mecânico com dois reboques: "Rodotrem“ (Carroceria tipo fueiro para cana inteira)

Fonte: www.araraquaraclassificados.com.br

Figura: Carroceria tipo caçamba para cana inteira
28

Treminhão. Usina Eldorado - MS

29

Recepção

Recepção

Pesagem

Amostragem

Descarregamento

Alimentação

Pesagem

33

Amostrage m

34

Descarregamento

35

Fig.: Hillo e mesa alimentadora fonte: http://www.sermatec.com.br

37

38

Alimentação

39

Preparo da cana-deaçúcar

Preparo da cana

Picadores Desfibrador Tambor alimentador Esteira de borracha Espalhador
Eletroimã

Picador

43

Desfibrador

44

Desfibrador em manutenção
45

http://www.fivesgroup.com/Fivescail

c) a)

Aparelho de desfibração:
a) Tambor alimentador b) desfibrador c) Placa desfibradora fonte: www.simisa.com.br b)

PLACA E ROTOR PARA DESFIBRADOR DE CANA

Tambor alimentador

Fonte: www.umrequipamentos.com.br
49

Cortesia: Silvana Rodrigues.
50

Espalhador

51

Esteira de borracha

Eletroimã

de a

52

Extração do caldo

Extração do caldo

Calha Donnelly

Terno de moagem
Embebição Esteira intermediária Rolos (compressão)
Bagaço Esteira

Caldo
Gamelão

Tratamento de caldo

Caldeira ou Pátio

Terno de moagem

Fonte: www.dedini.com.br’

56

Figura: terno de uma moenda. Fonte: www.brumazi.com.br

Rolo de pressão Rolo inferior de entrada

Rolo superior

Bagaceira

Rolo inferior de saída
Caldo

Vídeo:

água

Tratamento de caldo

Figura: Diagrama de produção de caldo e a sua destinação

60

61

Fonte: http://www.santacandida.com.br/empresa.html
Figura: conjunto de moendas

Calha Donnelly

62

63

64

65

66

Tratamento do Caldo

Tratamento do caldo

Aquecimento Flasheamento Decantação Sulfitação Calagem Filtração Evaporação

Aquecimento

Figura: Aquecedor tubular
70

Decantação

http://www.brumazi.com.br/

Sulfitação

Figura: Forno de Enxofre. Fonte: A Usina de Açúcar e a sua Automação. Smar Equipamentos Industriais. Sertãozinho, 1999.

72

Sulfitação

Desenho esquemático de um sistema de sulfitação. Fonte: http://br.geocities.com/abgalimtec/acucarpo.html

73

Setor de Tratamento do caldo. Fonte:www.sermatec.com.br

Fábrica de Açúcar

Fábrica de açúcar

Aquecimento

Caleação
Decantação Pré-evaporação Evaporação Cozimento (cristalização)

Centrifugação
Secagem Armazenamento

Pré-Evaporação e evaporação
Vapor de Escape

PRÉ EVAP
Aquecedor

AQUECEDOR
Decantação (caldo clarificado)
VV 1 Caldo Clarificado

Condensado para Caldeira

Água Fria

Bba. Vácuo

EV-05

EV-06

EV-07 Caixa Caixa Retirada Retirada Contínua Contínua

Condensado

Evaporadores
Caixa de Xarope

Setor de Coziment o
79

Vista superior dos cozedores

80

Centrifugas para separação do açúcar do mel.

81

Vertente do secador de açúcar. Fonte: www.sermatec.com.br

82

Ensacamento em sacos BAGS de 60 kg

Fonte: http://www.mandu.com.br/pro ducaoacucar.htm

Big-Bag sendo colocado na carroceria do caminhã
83

Produção de Álcool

Tratamento do caldo Concentração do caldo Preparo do mosto Fermentação Centrifugação

Produção de álcool

Preparo e tratamento do fermento

Destilação Desidratação
Armazenamento

Preparação do caldo para Fermentação Peneiragem
Reduz as impurezas grosseiras
Coagulação de proteínas Redução da carga microbiana; Redução de antiespumante; Redução de vapor e água pelo emprego do regenerador - resfriador; Preservação do nutrientes para fermentação

Caleagem Aquecimento

Decantação

Remoção de impurezas
87

Filtração

Concentração

Maior teor de açúcares no mosto; Maior teor alcoólico de vinho (80 a 10ºGL) Melhor desempenho de destilação Maior flexibilidade no preparo do mosto e no manejo das dornas

87

Projeto de Destilaria Sermatec-Celeghin e Sulzer Fonte: http://www.sermatec.com.br/

88

Fermentação

Figura: Dornas de Fermentação Alcoólica. Fonte: A Usina de Açúcar e a sua Automação. Smar Equipamentos Industriais. Sertãozinho, 1999.

89

Fermentação

Dornas da Fermentação em batelada. Fonte: apostila SEALP.

Fermentação

Tratamento do Fermento na Cuba (Processo de Agitação) . Fonte: apostila SEALP.

Mosto

Fermento Tratado

Água

Ácido

Dorna
Cuba Centrífuga Água Trocador de Calor Volante Vinho levedurado Volante de vinho

destilação

Representação de um Processo de fermentação com uma Dorna com Reciclo de Leveduras

Difusor

Aqueced Balão ores de
Flash Misturador Estático Trocador de calor de Mosto Dorna 7

centrífugas

Água Caldo Água Tanque Trata Trata de Mel da da
2 4

3

5

7

9

6

8

Cubas 1 2 Cuba 3 Colunas de Destilação

Dorna 1 Dor

Dorna
3 Dor

Dor na 5 Dor

na 2

na 4

na 6

Destilação

Destilação

Figura: Colunas de Destilação. Fonte: A Usina de Açúcar e a sua Automação. Smar Equipamentos Industriais. Sertãozinho, 1999.

96

Armazenamento

Figura: Tanques de Armazenamento de Etanol. Fonte: A Usina de Açúcar e a sua Automação. Smar Equipamentos Industriais. Sertãozinho, 1999.

97

Colheita Cana Recepção da Cana Geração de Vapor Bagaço Esmagamento/Moagem Caldo Produção de Álcool Aquecimento

Fábrica de Açúcar Caldo Filtração Torta Lavoura Água Condensada Lodo Aquecimento Caleação (Defecação) Decantação Caldo clarificado Evaporação Massa Cozimento Cristalização Centrifugação

Caleação (Defecação) Lodo Decantação

Filtração Torta

Evaporação Lavoura Mosto Fermentação Mel Rico/ Mel Pobre Vinho Centrifugação Levedo Vinhaça Lavoura Cuba

Açúcar Secagem Armazenamento e/ Açúcar ou Ensaque Destilação Álcool hidratado

Armazenamento

Desidratação Armazenamento Álcool anidro

Referências Bibliográficas

KITAYAMA , Onório. Palestra: Tecnologia e operação de unidades de bioeletricidade a partir de biomassa de cana-de-açúcar condições operacionais. In: COGERAÇÃO DE ENERGIA A BAGAÇO DECANA NO ESTADO DE SÃO PAULO. Disponível em: http://www.saneamento.sp.gov.br/bio_apresen/On%C3%B3rio.p df CONAB. Avaliação da safra agrícola de cana-de-açúcar. maio/2011. Disponível em: http://www.conab.gov.br/conabweb/download/safra/2cana_de_ acucar.pdf CONAB. Avaliação da Safra Agrícola de Cana-de-Açúcar – 1ª Estimativa - Maio/2011. Disponível em: http://www.conab.gov.br/OlalaCMS/uploads/arquivos/11_05_27 _11_53_13_boletim_cana_portugues_-_maio_2011_1o_lev..pdf http://www.brumazi.com.br/

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->