Você está na página 1de 2

Veja a cronologia da pior crise da

história da Vasp
da Folha Online

Acompanhe a cronologia da pior crise da história da Vasp, companhia aérea


fundada em 1933 por um grupo de empresários de São Paulo, estatizada em
1935 e privatizada em 1990. Atolada em dívidas e com uma frota sucateada e
registros de despressurização de aviões, a empresa é comandada por Wagner
Canhedo.

20 de setembro - Funcionários decidem decretar greve de 24 horas para


protestar contra atraso no pagamento de salários.

21 de setembro - Dezenas de vôos são cancelados no Rio e SP por causa da


paralisação. A Vasp divulga que teve prejuízo de R$ 25,8 milhões no primeiro
semestre, 198% maior do que mesmo período de 2003.

22 de setembro - O dono da Vasp, Wagner Canhedo, negocia com o Sindicato


Nacional dos Aeronautas regularizar os atrasos nos salários.

23 de setembro - Vôos foram cancelados pelo terceiro dia consecutivo, e o


DAC (Departamento de Aviação Civil) proíbe operações com seis aviões do
modelo Boeing 737-200 "por medida de segurança".

27 de setembro - Empresa volta a atrasar e cancelar vôos e descumpre


promessa de regularizar pagamento de salários. Funcionários decidem
deflagrar nova greve.

28 de setembro - Vôos são cancelados. Após o tumulto nos principais


aeroportos do país, a empresa paga os salários, e funcionários interrompem a
greve.

29 de setembro - Apesar do fim da paralisação, a Vasp volta a atrasar vôos


devido a problemas para abastecer os aviões e redução de frota. O presidente
do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Carlos
Lessa, diz temer a crise do setor aéreo, pois "vive voando".

4 de outubro - Vasp começa a comunicar que vai demitir funcionários,


segundo sindicato.

5 de outubro - A GE, que faz manutenção de aviões, pede a falência da Vasp


na 42ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo. A Vasp confirma demissões de
380 funcionários e diz que o objetivo é cortar custos.

6 de outubro - Com a notícia do pedido de falência, a Bovespa pede


esclarecimentos à Vasp e suspende negócios com ações da empresa. Gol e
Varig começam a rejeitar os bilhetes endossados pela Vasp.

7 de outubro- Vasp entrega plano de recuperação, e governo decide prorrogar


por mais seis meses a concessão provisória que permite à Vasp continuar
operando. A empresa reverte demissões, abre um PDV (programa de demissão
voluntária) e recorre contra o pedido de falência.

11 de outubro - Empresa divulga o lançamento do manifesto intitulado "A Vasp


não pode parar", a ser entregue a autoridades em Brasília.

14 de outubro - Caravana da Vasp só é recebida por assessores em Brasília.


Empresa deposita em juízo os R$ 9 milhões de dívidas com manutenção de
turbinas --valores alegados pela GE. Fatia da Vasp no mercado doméstico cai
de 9,93% em agosto para 8,6% em setembro.

15 de outubro - Infraero ameaça cobrar dívida da Vasp na Justiça. Sindicato


volta a falar em greve.

20 de outubro - Bovespa autoriza a reabertura dos negócios com ações da


Vasp. Empresa fecha acordo para pagar dívida com a Infraero.

21 de outubro - Funcionários da Vasp desistem de greve em votação na


assembléia realizada pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas.