P. 1
Monografia Greve e Dissídio Coletivo

Monografia Greve e Dissídio Coletivo

|Views: 4.586|Likes:
Publicado porselingardi
Momografia apresentada a ESAMC Campinas - como parte dos requisitos para obter o título de Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais
Momografia apresentada a ESAMC Campinas - como parte dos requisitos para obter o título de Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais

More info:

Published by: selingardi on Jun 28, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/03/2013

pdf

text

original

Trata-se o Dissídio Coletivo, em primeiro lugar, de procedimento de

solução de conflitos coletivos de trabalho perante a jurisdição, sendo, portanto,

um dos meios de composição dos conflitos coletivos.

Consoante Délio Maranhão, citado por Amauri Mascaro Nascimento, os

Processos de Dissídios Coletivos são aqueles destinados a solucionar os

conflitos coletivos do trabalho. Neles,

35

³está em jogo o interesse abstrato de um grupo ou categoria´

Importante ressaltar, ainda, que o interesse, no Dissídio Coletivo é

transindividual, sendo que a afinidade com a tutela processual trabalhista resta

presente, em razão das características desse ramo do direito, no qual as

organizações de trabalhadores sempre exerceram influência marcante, mesmo

quando não reconhecidas pelo Estado.

Acerca da transindividualidade, no âmbito trabalhista, caso concreto

segue como exemplo:

Os trabalhadores da Empresa ³X´ têm direito a meio ambiente de
trabalho em condições de salubridade e segurança. ³Se esse grupo de
trabalhadores objetiva a eliminação dos riscos à vida, à saúde e à
segurança, emerge aí o interesse coletivo do grupo (transindividual),
de natureza indivisível (eliminando-se os riscos, todos serão
beneficiados indistinta e simultaneamente), cujos titulares (o grupo
dos trabalhadores da
Empresa ³X ) estão ligados entre si (empregados
da mesma empresa) e com a parte contrária (empregador), através de
uma relação jurídica base (vínculo organizacional, no primeiro caso, e
relação empregatícia, no segundo)

Por vezes as relações de trabalho se desenvolvem com perturbações,

disso resultando os conflitos. Os citados conflitos, surgem quando uma das

partes lesa o direito da outra, quando divergem na interpretação ou alcance de

uma norma, ou quando crêem que é necessário mudar as condições

existentes. Em todas essas situações ou em análogas, produz-se uma

distorção nas relações que se mantinham resultando em um conflito.

Destarte, o conflito coletivo de trabalho formaliza-se mediante uma

relação de litígio estabelecida entre uma coletividade homogênea de

trabalhadores e uma empresa ou grupo de empresas, que tem como matéria

ou objeto próprio a confrontação de direitos ou interesses comuns à categoria

profissional.

São duas as espécies de dissídios:

Os de natureza jurídica e os de natureza econômica; neste a justiça

determina o aumento salarial, redução de jornada de trabalho etc.

Apesar da redação do artigo 114 da CF não mais descrever os de

natureza jurídica, pois foi alterado pela EC 45, entendemos que o mesmo

continua em vigor, pois são nestas demandas que se interpretam normas

36

coletivas, não servindo para que sejam firmadas novas convicções, e sim

servem somente para interpretar normas coletivas.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->