P. 1
MODELO - AÇÃO REIVINIDICATÓRIA PROPRIEDADE

MODELO - AÇÃO REIVINIDICATÓRIA PROPRIEDADE

|Views: 57.528|Likes:
Publicado porCairesLincon

More info:

Published by: CairesLincon on Jun 30, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/30/2014

pdf

text

original

EXMO(A). SR(A).

JUIZ(A) DE DIREITO DA COMARCA DE XXXXXXX ESTADO DE MINAS GERAIS

FULANO DE TAL e sua mulher FULANA DE TAL E TAL, brasileiros, casados, ele XXXX, inscrito no CPF/MF sob o n. XXXXXXXX e portador da cédula de identidade RG n. XXXXXXXXXX, ela, do lar, inscrita no CPF/MF sob o n. XXXXXXXXX e portadora da cédula de identidade RG n. XXXXXXX, residentes e domiciliados na cidade de XXXXXXX, na rua XXXXXXXXXXXXX, vêm, mui respeitosamente, à i. presença de Vossa Excelência, por seu advogado e bastante procurador, infra-assinado, propor AÇÃO REIVINDICATÓRIA DE PROPRIEDADE com pedido de Tutela Antecipada Liminar c.c. Perdas e Danos Em desfavor de, BELTRAME DE TAL, brasileira, portadora da cédula de identidade RG n. XXXXXXXXXX e inscrita no CPF/MF sob o n. XXXXXXXXXX, residente e domiciliada na rua XXXXXXXXXXXX; e seu companheiro CICLANO DE TAL, brasileiro, inscrito no CPF/MF sob o n. XXXXXXXXXXXX, residente e domiciliado na rua XXXXXXXXXXXXXXXXXXXX, pelos fatos e fundamentos jurídicos a seguir expedidos:

Os autores são legítimos proprietários do imóvel rural objeto da Matrícula n. XXXXX do Cartório de Registro de Imóveis da Comarca de XXXXXX, Estado de XXXXXXXXXX, conforme faz prova a i. Certidão Imobiliária em anexo. Desta feita, o imóvel que, ora se exerce o direito de seqüela tem a seguinte individualização: “(DESCRIÇÃO PLANIMÉTRICA DO IMÓVEL E INDIVIDUALIZAÇÃO).” Com efeito, os autores adquiriram aos 10 (dez) dias do mês de XXXX de XXXXX, depois de expedida a necessária autorização judicial (Doc.j.), através de escritura pública já devidamente levada ao Registro Imobiliário, o imóvel acima descrito de propriedade anterior do Espólio de XXXXXXXXXXXXXX. Entretanto, em que pese não pairar dúvidas quanto a propriedade dos autores, assim como, da legitimidade do Titulo Dominial, como ilustra a documentação, ora carreada aos autos, os requeridos, mesmo depois de notificados (Doc.j.), insistem em permanecer ocupando injustamente a propriedade dos autores, causando transtornos e prejuízos. É cediço que a reivindicatória é ação do proprietário não-possuidor para reaver o imóvel de quem injustamente o possua ou o detenha. Na ação reivindicatória, a posse para ser considerada injusta (art. 1.228 do CC/02) não requer violência, clandestinidade ou precariedade, basta apenas, para sua configuração, que ela não decorra da propriedade ou não exista título que se oponha ao proprietário.

Sobre

o

tema,

leciona

NELSON

ROSENVALD, in Direitos Reais, editora Lumen Juris, in verbis: “Posse injusta é aquela que, mesmo obtida pacificamente, sobeja desamparada de causa jurídica eficiente capaz de respaldar a atividade do possuidor.” (op. cit. pág. 187) Por conseguinte, necessário destacar que a Ação Reivindicatória é uma ação fundada em direito real imobiliário, de natureza petitória, ou seja, alicerçada no domínio, e que tem por objetivo garantir o domínio do proprietário contra quem transgride o seu direito dominial. Nesta ação, verifica-se que o proprietário deseja retomar a coisa do possuidor ou detentor injusto, sendo, portanto, legitimado para esta ação o proprietário. Nesse diapasão, SÍLVIO DE SALVO

VENOSA, em sua obra DIREITO CIVIL, 6ª edição, atualizada de acordo como Código Civil de 2002, no livro de Direito Reais. volume 05, pág. 219., afirma que: "Ação reivindicatória é a ação petitória por excelência. É direito elementar e fundamental do proprietário a seqüela; ir buscar a coisa onde se encontra e em poder de quem se encontra. Deflui daí a faculdade de o proprietário recuperar a coisa. Escuda-se no direito de propriedade para reivindicar a coisa do possuidor não proprietário, que a detém indevidamente. É ação real que compete ao títular do domínio para retomar a coisa do poder de terceiro detentor ou possuidor indevido. (...). Possuir injustamente é ter o bem sem o direito de possuir (ius possidendi).". O Código Civil em seu artigo 1.228, que trata das disposições acerca da propriedade estabelece que: "O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa,

e

o

direito

de

reavê-la

do poder

de

quem

quer

que

injustamente a possua ou detenha." Deveras, injusta a posse dos requeridos, os quais permanecem no imóvel vendido pelo Espólio, sem título dominial que a justifique, a espera de uma decisão judicial para desocupação. Absurdo! Nesse sentido caminha a jurisprudência: AÇÃO REIVINDICATÓRIA. PROPRIETÁRIO NÃO DA POSSUIDOR. POSSE A INJUSTA. ação TÍTULO DE PROPRIEDADE. REQUISITOS REIVINDICATÓRIA. reivindicatória é meio judicial disponível ao proprietário não possuidor para retomar a coisa que se encontra injustamente em poder de outrem. para efeitos da ação reivindicatória, a posse injusta é aquela exercida divorciada do título de propriedade, de outro título ou contrato que autoriza a posse sobre a coisa. havendo título de propriedade sobre o imóvel, o qual encontrase individualizado, e sendo injusta a posse, comprovados procedência Relator: os da requisitos ação para a reivindicatória. Irmar Ferreira

(Apelação Cível nº 2.0000.00.519726-8/000 Desembargador Campos - Data da Publicação: 04/05/2006). AÇÃO REIVINDICATÓRIA - PROPRIEDADE DEMONSTRADA ATRAVÉS DE REGISTRO IMOBILIÁRIO INDIVIDUALIZAÇÃO -

POSSE

INJUSTA DO

DE

TERCEIRO Para

a os de nº

REQUISITOS PROCEDÊNCIA necessariamente, requisitos terceiro. de

PREENCHIDOS PLEITO.

PARA

procedência da ação reivindicatória, devem, ser da preenchidos titularidade Cível prova

domínio, coisa individuada e posse injusta de (Apelação 2.0000.00.519726-8/000 Relator:

Desembargador Fernando Caldeira Brant data da publicação: 08/10/2005). DA TUTELA ANTECIPADA O Art. 273 do CPC, estabeleceu que o Magistrado poderá conceder a antecipação dos efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, in casu, a imissão dos autores na posse do imóvel acima individualizado, quando presentes os requisitos de lei. Robusta a prova trazida aos autos, ou seja, o titulo de domínio, sendo ele próprio e legalmente constituído, oriundo de Escritura Pública de Compra e Venda, com as formalidades exigidas por lei, inclusive com a devida Autorização Judicial proferida nos Autos de Inventário do Espólio de XXXXXXXXXXXXX, em tramite na XXXXXXX Vara de XXXXXXXXX, tendo este sido deferido por requerimento e concordância de todos os herdeiros, maiores e capazes, inclusive da requerida, a qual, agora, recusa desmotivada e injustamente a desocupar o imóvel.

Desse modo, presentes os pressupostos da verossimilhança do direito e do periculun in mora, faz jus os autores a tutela antecipatória. Veja: AGRAVO DE INSTRUMENTO - AÇÃO DE IMISSÃO DE POSSE - COMPROVAÇÃO DA PROPRIEDADE - PROVA INEQUÍVOCA VEROSSIMILHANÇA REQUISITOS PARA A PRESENÇA CONCESSÃO DOS DA

TUTELA ANTECIPADA. - A função da tutela antecipada é adiantar os efeitos da própria sentença, com a qual se satisfaz a pretensão do titular de um direito. A tutela antecipada é um adiantamento da tutela de mérito, ou seja, é um adiantamento do objeto da demanda ou dos efeitos da sentença que concede o que foi pedido. - A prova da propriedade se faz pela inscrição da escritura no registro de imóveis, ex vi do artigo 1.245 do Código Civil. Verificando-se que os autores da ação de imissão de posse instruíram-na com tal documento, certo se afirmar que a alegação por eles feita, no sentido de serem os proprietários do imóvel objeto da lide, é verossímil. Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 453.757-9 da Comarca de ABRE CAMPO, sendo Agravante (s): MANOEL PEREIRA LIMA E OUTRA e Agravado (a) (os) (as): CARLOS HONORATO FERREIRA E OUTRA, ACORDA, em Turma, a Quinta Câmara Civil

do Tribunal de Alçada do Estado de Minas Gerais, REJEITAR PRELIMINAR E, NO MÉRITO, NEGAR PROVIMENTO, NOS TERMOS DO VOTO DO RELATOR. Presidiu o julgamento o Juiz ARMANDO ALMEIDA FREIRE (1ª (Relator) e e dele participaram os Juízes EULINA DO CARMO Vogal) FRANCISCO KUPIDLOWSKI (2º Vogal). DAS PERDAS E DANOS É cediço que as perdas e danos devidas ao credor abrangem não só o que ele efetivamente perdeu, mas também o que razoavelmente deixou de ganhar. Logo, conforme exposto acima, os autores estão sendo impedidos pelo requeridos, as quais permanecem com animais apascentados na propriedade e recusam terminantemente permitir o ingresso dos proprietários na área, fato que tem gerado inúmeros prejuízos. Ademais disso, não é lícito que os requeridos continuem usando e gozando de um bem que não lhes pertence, sem pagar nada por isso, o que representa, com toda certeza, um enriquecimento sem causa à eles. Diante indenizados pelos réus disso, o devem os autores da serem

desde

recebimento

notificação

extrajudicial, ou seja, XX de XXXXX de XXXXX até a efetiva imissão de posse dos requerentes no imóvel. DA CONCLUSÃO E DOS PEDIDOS

Ante o exposto, requerem: - a citação dos requeridos, no endereço preambularmente indicado, para querendo, contestar o pedido inicial, no prazo legal, assim como seja este julgado PROCEDENTE, com a imissão dos autores na posse do imóvel suso transcrito, denominado Fazenda XXXXXXXXXXX, objeto da Matricula n. XXXXXXXXX, CRI-XXXX/XX, de propriedade deles, como restou devidamente comprovado nos autos, por ser medida de Direito e de Justiça! a ANTECIPAÇÃO DA TUTELA, com

fundamento no Art. 273, CPC, expedindo-se, liminarmente, “inaudita altera parte” Mandado de Imissão de Posse da Fazenda XXXXXX, Matrícula n. XXXXXX, CRI-XXXXXX/XX, em favor dos requerentes, a fim de mitigar os prejuízos advindos da demora e injusta ocupação do réus; - a CONDENAÇÃO dos requeridos em perdas e danos a contar da data de XXX de XXXXXX de XXXX, até a efetiva imissão na posse do imóvel pelos autores, representada pelo arrendamento do respectivo imóvel, que será arbitrado por esse E. Juízo seguindo-se os valores de costume e mercado da região, não inferior a 2% (dois por cento) do valor total do imóvel, ao mês, sob pena de enriquecimento ilícito dos requeridos; - a CONDENAÇÃO dos réus ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios de sucumbência, arbitrados em 20% (vinte por cento) do valor atribuído à causa.

Protesta provar o alegado por todos os meios em Direito Admitidos, especialmente pelo depoimento pessoal dos réus, o que desde já se requer, oitiva de testemunhas, cujo rol será oportunamente apresentado na forma do Art. 407, CPC, documentos, sem prejuízo e outras que se fizerem necessário a formação da livre convicção do Juízo. Roga, outrossim, considerando a urgência necessidade da Prestação Jurisdicional que seja deferida a juntada do instrumento de procuração, no prazo do Art. 37, CPC. Nestes termos, dando-se à causa o valor de XXXXXXXXXXXXXX. p. e aguarda deferimento. XXXXX/XX, XX de XXXXXX de 20XX.

(Nome Advogado) (n.º OAB)

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->