Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr

ROTEIRO DE DIREITO CONSTITUCIONAL 1 BIBLIOGRAFIA BÁSICA PARA O EXAME DE ORDEM: 1. MORAES, Alexandre. Direito constitucional. São Paulo: Atlas, 2004. 2. KNOERR, Cibele Fernandes Dias. Direito constitucional didático. Curitiba: Juruá. 3. PINHO, Rodrigo César Rebello. Coleção Sinopses Jurídicas. Tomos 17 e 18. São Paulo: Saraiva, 2005. AULA 1: PODER CONSTITUINTE. 1. PODER CONSTITUINTE. 2. CONSTITUIÇÕES E DIREITO CONSTITUCIONAL. Conceituação de Constituição. Utilidade da conceituação. Direito Constitucional. Existência ou não da matéria constitucional. A forma constitucional. Constituições rígidas e flexíveis. 2 I - PODER CONSTITUINTE ORIGINÁRIO. a) CONCEITO É o poder responsável pela elaboração da Constituição Federal.

b) TITULARIDADE E EXERCÍCIO (1º, §único, C F – relação com o regime de governo) O titular é o povo. O exercício depende da origem da Constituição. Se ela foi promulgada, quem exerceu a função constituinte originária foi uma Assembléia Nacional Constituinte. Se outorgada, a autoridade que ditou a Constituição em nome do povo.

c) CARACTERÍSTICAS JUSPOSITIVISTAS (STF) 1. inicial ou inaugural 2. ilimitado 3. incondicionado 4. soberano * 3 5. Natureza: poder de fato

JUSNATURALISTAS 1. derivado 2. limitado 3. condicionado 4. autônomo 5. Natureza: poder de direito

d) NORMAS CONSTITUCIONAIS QUE ELABORA:
1

Roteiro elaborado pela Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr. Mestre e Doutoranda em Direito Constitucional PUC/SP. Professora de Direito Constitucional da Faculdade Tuiuti, no curso preparatório para concursos do Professor Luiz Carlos, na Escola da Magistratura Federal (ESMAFE) e na FEMPAR. Professora de Direito Constitucional no curso de ensino à distância da Saraiva (viasaraiva.com.br). Advogada. 2 Todas as questões do roteiro são do Exame de Ordem da OAB/Pr.
3

A OAB/Pr insiste, porém, que o poder constituinte originário é autônomo, conforme a teoria juspositivista. Não está correto porque soberania implica o exercício de um poder ilimitado e autonomia, de um poder limitado pelo Direito. 1

Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr

Normas constitucionais originárias: normas da Constituição Federal que não sofreram processo de reforma (emenda).

e) CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE DAS NORMAS C O N S T I T U C I O N A I S E L A B O R A D A S P E L O PODER CONSTITUINTE ORIGINÁRIO? 1. JUSPOSITIVISTAS 2. JUSNATURALISTAS Nunca. Sim, se ofenderem o Direito Natural. II – CONCEITO E CLASSIFICAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO 1 . Elaboradas por uma Assembléia Nacional Constituinte I – Origem: composta de representantes do povo, eleitos com a finalidade de sua elaboração. PROMULGADAS, DEMOCRÁTICAS OU POPULARES 2. Elaboradas sem a participação popular, mediante imposição do poder da época. OUTORGADAS II – Estabilidade (ou 3. Podem ser alteradas pelo mesmo processo legislativo de elaboração das leis. FLEXÍVEIS mutabilidade): 4. Podem ser alteradas por um processo legislativo mais solene e oneroso do que o existente para a edição das demais espécies normativas. RÍGIDAS 5 . Algumas regras poderão ser alteradas pelo processo legislativo ordinário, enquanto outras somente por um processo legislativo especial e mais dificultoso. SEMI-RÍGIDAS OU SEMIFLEXÍVEIS II a) CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS 1. A Constituição brasileira é: (a) democrática, sintética, promulgada, rígida e dogmática; (b) democrática, promulgada, semi-rígida, sintética e dogmática; (c) democrática, outorgada, rígida, analítica e dogmática; (d) democrática, promulgada, rígida, analítica e dogmática; (e) democrática, promulgada, analítica, flexível e dogmática. 2. Tendo em vista a distinção doutrinária entre constituição material e constituição formal, é correto afirmar, a respeito da emenda constitucional n.º 1, de 17 de outubro de 1969 (Ec 1/69): (Agosto de 2003) a) Que ela é constituição material, mas não é constituição formal. b) Que ela é constituição formal, mas não é constituição material. c) Que ela é constituição formal e constituição material.

2

Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr

(d) Que ela não se encaixa na referida classificação doutrinária. 3. A doutrina costuma apontar como conteúdo constitucional mínimo (normas materialmente constitucionais) os assuntos: (a) separação de poderes e direitos fundamentais; (b) direitos fundamentais e regime jurídico da magistratura; © direitos fundamentais e normas formalmente constitucionais; (d) regime jurídico da magistratura e separação de poderes; (e) regime jurídico dos servidores públicos e direitos políticos. 4. Assinale a alternativa correta: (2º Semestre 2004) (a) no direito brasileiro, há normas materialmente constitucionais e normas formalmente constitucionais, razão pela qual somente as primeiras são consideradas vigentes; (b) no direito brasileiro, a distinção entre normas formalmente constitucionais e normas materialmente constitucionais nunca existiu; (c) no direito brasileiro, a distinção entre normas formalmente constitucionais e normas materialmente constitucionais existiu somente na Constituição de 1824; (d) no direito brasileiro, a diferenciação entre normas materialmente constitucionais e formalmente constitucionais surgiu com a promulgação da CF de 1988. 5. Sobre o poder constituinte originário, assinale a alternativa correta (2004 e 2º Exame de 2005): (a) é inaugural, incondicionado e ilimitado juridicamente; (b) é limitado apenas no que tange ao respeito aos direitos e garantias fundamentais estabelecidos na ordem jurídica anterior; (c) deve respeito apenas aos tratados internacionais antes ratificados pelo órgão competente; (d) é constituído, ilimitado e incondicionado juridicamente. 6. Assinale a alternativa correta (1º Exame de 2005): (a) Poder constituinte originário é aquele exercitado pelo povo na constituição do Estado, novo e soberano; (b) o Poder constituinte originário manifesta-se no surgimento, apenas, de uma primeira Constituição, jamais nas posteriores; © o Poder Constituinte derivado manifesta-se de duas formas distintas: enquanto reformador ou decorrente; (d) não obstante seja incondicionado e ilimitado, o Poder Constituinte originário somente pode legitimamente se manifestar, contemporaneamente, na forma mundialmente consagrada para os estados constitucionais e democráticos de direito. 7. Assinale a alternativa incorreta (2º Exame 2006) (a) o povo pode ser reconhecido como o titular do Poder Constituinte, mas não é jamais quem o exerce.
3

(c) o Poder Constituinte Originário caracteriza-se por ser inicial. ilimitado. Natureza: Poder de direito FORMAS DE MANIFESTAÇÃO 1. ilimitado e incondicionado. mas não pode exercelo. ADCT) – emendas constitucionais de revisão (total: 6) 2. derivado 2. (3º. 4 . CF) – emendas constitucionais (total: 53) EMENDAS À CONSTITUIÇÃO FEDERAL d) NORMAS CONSTITUCIONAIS QUE ELABORA: Normas constitucionais derivadas: emendas constitucionais e emendas constitucionais de revisão. b) TITULARIDADE e EXERCÍCIO O titular é o povo. limitado 3. (d) as normas infraconstitucionais compatíveis com a nova Constituição geram o fenômeno da constitucionalização. continua válida desde que com ela compatível. 8.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (b) o Poder Constituinte pode ser classificado em Poder Constituinte Originário e Poder Constituinte Derivado. c) CARACTERÍSTICAS 1. III – PODER CONSTITUINTE DERIVADO (SEGUNDO GRAU. uma lei anterior à Constituição. INSTITUÍDO OU REFORMADOR) a) CONCEITO É o poder responsável pela reforma da Constituição Federal. CONSTITUÍDO. (d) o Poder Constituinte Originário esgota-se com a elaboração da Constituição. Assinale a alternativa incorreta: (3º Exame OAB 2006) (a) pela teoria da recepção. © o povo pode ser reconhecido como o titular do poder constituinte. (b) o poder constituinte originário caracteriza-se por ser inicial e autônomo. condicionado 4. (60. autônomo e incondicionado. O exercício é realizado pelo Congresso Nacional.

LIMITES MATERIAIS (cláusulas pétreas) (60. CF): a Constituição Federal não poderá ser reformada na vigência de estado de sítio. (b)DISCUSSÃO E VOTAÇÃO (60. CF) EMENDA CONSTITUCIONAL (60. no mínimo dos senadores (são 81 no total). I I – LIMITES IMPLÍCITOS MATERIAIS: não é possível por via de emenda revogar o art. CF): a proposta de emenda será discutida e votada em cada Casa do Congresso Nacional. CF) I – LIMITES EXPRESSOS 1. §2º. o voto direto. §4º. §3º. estado de defesa e intervenção federal. a separação de poderes e os direitos e garantias individuais.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr e) C O N T R O L E D E C O N S T I T U C I O N A L I D A D E D A S N O R M A S CONSTITUCIONAIS ELABORADAS PELO PODER CONSTITUINTE DERIVADO? Sim. ADCT) I – LIMITES EXPRESSOS: 5 . em ambos os turnos. 3. LIMITES FORMAIS OU PROCEDIMENTAIS: (a) INICIATIVA (60. em dois turnos de discussão e votação. §1º. mais da metade das Assembléias Legislativas das unidades da federação manifestando-s e c a d a u m a d e l a s p e l a m a i o r i a r e l a t i v a d e s e u s membros. CF) 2. secreto. I a IV. um terço. CF): Presidente da República. universal e periódico. 60. I a III. CF) – somente poderá ser reapresentada na próxima sessão legislativa (57. e será considerada aprovada se obtiver. ADCT. (c) PROMULGAÇÃO e PUBLICAÇÃO (60. CF): a emenda constitucional é promulgada e publicada pela Mesa da Câmara dos Deputados e pela Mesa do Senado Federal. §5º. LIMITES CIRCUNSTANCIAIS (60. se ofenderem as normas constitucionais originárias que contém limites ao poder constituinte derivado. no mínimo. (b) alterar os limites expressos (a fim de facilitar ou dificultar o processo de reforma). CF): não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir: a forma federativa de Estado. f) LIMITES à REFORMA CONSTITUCIONAL (art. 60 + 3º. dos deputados federais (são 513 no total) ou um terço. três quintos dos votos dos respectivos membros. REVISÃO CONSTITUCIONAL (3º. (d) PROPOSTA DE EMENDA COM VOTAÇÃO PREJUDICADA OU REJEITADA (60. da CF para (a) suprimir os limites expressos. (c) vedação ao processo de “dupla revisão”.

LIMITES FORMAIS (3º. LIMITES IMPLÍCITOS: 1. Assinale a alternativa incorreta (1º Exame de 2005): (a) Constituição rígida é aquela cujo processo de elaboração de emendas é diverso do relativo às normas infraconstitucionais. §1º. num só turno de discussão e votação e aprovada por. diferente do relativo às normas infraconstitucionais. ADCT) A proposta de emenda constitucional de revisão foi discutida e votada em sessão unicameral. a maioria absoluta dos deputados federais e senadores. (d) a Constituição Federal de 1988 – emendada – é rígida. especial e qualificado. Limites materiais implícitos das emendas constitucionais g) HOJE. h) PLEBISCITO (2º. ADCT): a revisão somente foi possível após cinco anos da data da promulgação da Constituição de 1988 (após 5 de outubro de 1993) 3. pelo menos em parte. 10. (b) pode ser alterada pelo mesmo processo legislativo gerador de normas legais ordinárias. concluída a revisão. 2º. ADCT) h1) OPÇÃO PELA FORMA DE GOVERNO: REPÚBLICA h2) OPÇÃO PELO SISTEMA DE GOVERNO: PRESIDENCIALISMO 9. diverso do processo legislativo comum criador das normas ordinárias. CF) 3. §4º. já realizada em 1993. Cláusulas pétreas (60. A Constituição previu uma única revisão. o poder constituinte derivado promulgou e publicou 6 emendas constitucionais de revisão. Assinale a alternativa correta: (1º Exame 2007) (a) Constituição rígida é aquela que não admite qualquer alteração. CF) 2. que não podem ser modificadas pelo constituinte derivado. Uma Constituição é qualificada de ‘rígida’ quando: (a) traz em seu texto as chamadas ‘cláusulas pétreas’. 11. 6 . Limites circunstanciais (60. 2. no mínimo. (b) Constituição flexível é aquela que permite sua reforma pelo mesmo processo estabelecido para os decretos-regulamentares. © Constituição semi-rígida (ou semi-flexível) é aquela sujeita a um processo de elaboração de emendas. Em 1994. É POSSÍVEL MODIFICAR A CONSTITUIÇÃO FEDERAL PELO PROCEDIMENTO DA REVISÃO CONSTITUCIONAL? (ligação com o art. (c) possui uma parte imodificável por processo legislativo comum. ADCT) Não. (d) só pode ser modificada por um processo legislativo solene. LIMITE TEMPORAL (3º.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 1.

(c) Constituição rígida é aquela que possui regras que podem ser alteradas pelo processo legislativo ordinário e outras regras que apenas podem ser modificadas através do processo legislativo especial. suas características são: (Agosto de 2003) (a) Ilimitado. 15. (d) as Constituições dos Estados-membros da federação brasileira são obra do poder constituinte derivado e não do poder constituinte originário. (falsa) 16. Assinale a alternativa correta: (2º semestre . Assinale a alternativa correta. (b) é um poder de fato para os adeptos do juspositivismo e um poder de direito para os que adotam o jusnaturalismo. (c) denomina-se poder de terceiro grau ou decorrente quando alude ao poder dos Estados de editarem suas próprias Constituições. No que diz respeito ao poder constituinte derivado. (d) ilimitado. 14. (b) Limitado. (verdadeira) 7 . mas que não pode vir a integrar a ordem jurídica na vigência de intervenção federal e de estado de sítio. (1º Exame 2006) Emenda constitucional é ato normativo que pode ser proposto pelo Presidente da República. incondicionado e constituído 13. enquanto aquela não admite alteração. (b) a Constituição é considerada obra do poder constituinte originário enquanto as leis são obra do poder constituinte reformador. 12. (c) no direito brasileiro. por ser obra do poder constituinte originário. abrange também o poder de reforma da Constituição – poder constituinte derivado.2004) (a) uma importante diferença entre Constituição e as leis é que estas últimas podem ser alteradas. (d) em seu sentido lato. (c) Ilimitado. (d) Constituição rígida é aquela que tem um núcleo imodificável e outro núcleo que pode ser alterado da mesma forma exigida para a elaboração das outras espécies normativas. (2º Exame 2003) A forma federativa de Estado se constitui em cláusula pétrea. exclusivamente. originário e constituído. É incorreto afirmar que o Poder Constituinte: (a) originário não pode alterar as cláusulas pétreas. condicionado e constituído. o processo legislativo de reforma da Constituição é diferente do processo legislativo de reforma das leis.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (b) Constituição rígida é aquela que pode ser alterada por um processo legislativo mais solene e complexo que o exigido para a edição das outras espécies normativas. condicionado e constituído.

21. 19. (verdadeira) APLICABILIDADE DA CONSTITUIÇÃO NO TEMPO: 1. (1º Exame 2003) As emendas constitucionais podem ser submetidas a controle de constitucionalidade. (c) pela Mesa da Câmara dos Deputados. A emenda constitucional é promulgada: (a) pelo Presidente da República.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 17. Assinale a alternativa correta (3º Exame 2006): (a) a supressão do poder de veto do Presidente da República no processo legislativo poderá ser objeto de deliberação em proposta de emenda à Constituição. TESE DA AB-ROGAÇÃO (STF) b. (Maria Helena Diniz – doutrina minoritária): Normas da Constituição anterior são recepcionadas como lei ordinária federal se compatíveis com o texto da nova Constituição. (b) a extinção da justiça desportiva poderá ser objeto de deliberação em proposta de emenda à Constituição. RELAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO NOVA COM A CONSTITUIÇÃO ANTERIOR: a. em nenhuma hipótese. (2º Exame 2004) (a) O Presidente da República pode vetar proposta de emenda à Constituição (PEC) invocando razão de inconstitucionalidade. (d) a pena de morte pode ser introduzida em processo de revisão constitucional. © o direito de impenhorabilidade da pequena propriedade rural poderá ser objeto de deliberação em proposta de emenda à Constituição. (falsa) 20. (d) pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. (b) a pena de morte pode ser introduzida no Brasil por meio de emenda constitucional. T E S E D A A Constituição nova revoga totalmente a DESCONSTITUCIONALIZAÇÃO Constituição anterior (revogação tácita). Assinale a alternativa correta: (1º Exame 2007) (a) a pena de morte não pode ser aplicada no Brasil. (falsa) (b) o Presidente da República pode vetar proposta de emenda à Constituição (PEC) invocando falta de interesse público. 18. mas rejeita a tácita. (d) as competências legislativas do Distrito Federal poderão ser objeto de deliberação em proposta de emenda à Constituição. O STF aceita a desconstitucionalização expressa. 8 . (c) a pena de morte pode ser aplicada em caso de guerra declarada. (b) pelo Presidente do Congresso Nacional.

sem preconceitos de origem. Ao consagrar o princípio do pluralismo político. (c) a multiplicidade de legendas partidárias.1 Requisitos para revogação: se a lei anterior é incompatível com o conteúdo da nova Constituição. 9 . (2) OBJETIVOS FUNDAMENTAIS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL: construir uma sociedade livre. é correto afirmar que (Agosto de 2003): (a) A constituição nova permite a sobrevivência da constituição revogada. Como regra. a. raça. erradicar a pobreza e reduzir as desigualdades sociais e regionais.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr RELAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO NOVA COM A LEGISLAÇÃO INFRACONSTITUCIONAL ANTERIOR: A “RECEPÇÃO” (princípio da continuidade da ordem jurídica e da segurança jurídica): as leis anteriores compatíveis com o conteúdo da nova Constituição são recebidas e continuam em vigor. justa e solidária. 24. valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e pluralismo político . (b) os sindicatos como categorias sociais de produção. esta recepção é tácita. cidadania. (e) As normas infraconstitucionais compatíveis com a nova constituição são recepcionadas. (b) A constituição nova somente será válida se for compatível com a constituição revogada. (c) As normas infraconstitucionais incompatíveis com a nova constituição podem vir a ser recepcionadas pelo Supremo Tribunal Federal. 22. dignidade da pessoa humana. J) A CONSTITUIÇÃO “CIDADÔ: (1) FUNDAMENTOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL (1º. promover o bem de todos. a Constituição do Brasil institui (1º Exame 2003): (a) um dos fundamentos da República. Assinale a alternativa correta: (1º Exame 2007) (a) constituem objetivos da República Federativa do Brasil a garantia do desenvolvimento nacional. sexo. Como regra. justa e solidária. esta revogação é tácita. a prevalência dos direitos humanos e a construção de uma sociedade livre. CF): soberania. Com a entrada em vigor de uma nova ordem constitucional. cor. T E S E D A R E V O G A Ç Ã O T O T A L ( A B -R O G A Ç Ã O ) O U P A R C I A L (DERROGAÇÃO) (STF): b. parcialmente (derrogação) se somente uma parte dela contrariar a nova Constituição. independentemente de manifestação do Supremo Tribunal Federal. garantir o desenvolvimento nacional. ela será revogada totalmente (ab-rogação) se for totalmente contrária. (3º) 23. (d) o princípio democrático. idade e quaisquer outras formas de discriminação.

justa e solidária e a erradicação da pobreza. (2º Semestre . (verdadeira) 10 . 25. a redução das desigualdades regionais e a garantia do desenvolvimento nacional.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (b) constituem objetivos da República Federativa do Brasil a prevalência dos direitos humanos. (c) constituem objetivos da República Federativa do Brasil a garantia do desenvolvimento nacional. (d) constituem objetivos da República Federativa do Brasil a prevalência dos direitos humanos. a construção de uma sociedade livre.2003) A soberania é um dos princípios fundamentais da República Federativa do Brasil. a erradicação da pobreza e a redução das desigualdades sociais.

a primazia dos tratados decorrentes de direitos humanos. sobre o ordenamento constitucional. 1. direitos sociais. III. de forma clara e taxativa.2004): (a) o artigo 5º. Pessoas físicas e pessoas jurídicas q u a n d o o d i r e i t o f o r compatível com sua personalidade (exemplo: direito à honra objetiva. direito de pleitear indenização por danos morais e materiais. §2 º e 3º. direitos de nacionalidade. DIREITOS E GARANTIAS. 45/04 – “os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem aprovados. (verdadeira) a) Os direitos e garantias previstos em tratados internacionais do qual a República Federativa do Brasil seja parte (art. CF. TITULARIDADE dos direitos e garantias fundamentais (5º. caput) Os brasileiros e estrangeiros residentes no país (mas para estes somente os direitos e garantias individuais e coletivos e os direitos sociais). CF) (art. Princípio da supremacia do interesse público. na redação da Emenda n. CF) Os expressos estão escritos na letra da Constituição Federal. 5º. Os implícitos decorrem do regime democrático ou dos princípios constitucionais (exemplo: privilégio contra a auto-incriminação e o direito de impetrar mandado de injunção coletivo). §2º da Constituição brasileira garante. Princípio da isonomia. porque essenciais à proteção da dignidade da pessoa humana. em dois turnos. por três quintos dos votos dos respectivos membros. 1º. 5º. §2º. serão equivalentes às emendas constitucionais”) 27. direitos políticos. 11 .Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (AULA 2): DIREITOS FUNDAMENTAIS 7. ou dos tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte. direitos de participação em partidos políticos. 3. CONCEITO E ESPÉCIES de DIREITOS e GARANTIAS FUNDAMENTAIS (Título II. em cada Casa do Congresso Nacional. 2. direito de propriedade). 26. são fundamentais em sentido formal porque estão positivados em normas constitucionais. São 5 (cinco) espécies: direitos e garantias individuais e coletivos. Direitos e garantias fundamentais expressos e implícitos (art. (1º Exame 2007) os direitos e garantias expressos na Constituição da República não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados. CF) Os direitos e garantias são fundamentais em sentido material. Assinale a alternativa correta (2º semestre .

não precisam ser recepcionados. por três quintos dos votos dos respectivos membros serão equivalentes às emendas constitucionais. (1º Exame 2007) (a) Os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem aprovados. EFICÁCIA LIMITADA As normas constitucionais de e f i c á c i a l i m i t a d a têm aplicabilidade indireta. que complete o seu comando normativo para produzirem efeitos positivos e 12 . EFICÁCIA CONTIDA A s normas constitucionais de eficácia contida s ã o normas de aplicabilidade direta. APLICAÇÕES DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS. © os tratados decorrentes de direitos humanos têm aplicabilidade direta no ordenamento jurídico nacional. (verdadeiro) 30. (verdadeira) 29. sem necessidade de l e i regulamentadora. em dois turnos. isto é. mas possivelmente não integral. embora nem todos os direitos de personalidade assegurados para a pessoa natural o sejam para as pessoas jurídicas. imediata. decorrente de direitos humanos. Precisam de lei regulamentadora. APLICABILIDADE: capacidade da norma constitucional de produzir efeitos jurídicos. só produzem efeitos negativos (servem d e parâ m e t r o p a r a r e v o g a r l e i s anteriores ou declarar a inconstitucionalidade de leis posteriores com elas incompatíveis). (1º Exame 2006) (Direito Civil) Nem todos os direitos de personalidade se aplicam às pessoas jurídicas. diminua. já produzem todos os seus efeitos (positivos e n e g a t i v o s ) . 5º da Constituição da República Federativa do Brasil. Exemplos: a r t . imediata e integral. têm primazia sobre as leis (ordinárias ou complementares). automaticamente. prevalecerá esta. De eficácia contida. (verdadeira) (b) O Brasil se submete à jurisdição de Tribunal Penal Internacional a cuja criação tenha manifestado adesão. 5º. caput (princípio da igualdade). Sozinhas. 28. LII. Embora sozinhas já consigam produzir todos os seus efeitos (positivos e negativos). permitem que o legislador restrinja. entretanto. e a Constituição Federal. em cada Casa do Congresso Nacional. (verdadeiro) 4. (Última Exame 2004) (Direito Civil) Aplica-se às pessoas jurídicas a proteção aos direitos de personalidade. Sozinhas. mediata e reduzida. 5 º .Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (b) na hipótese de conflito entre tratado. De eficácia plena. do art. (d) os tratados decorrentes de direitos humanos não têm aplicabilidade direta em nosso ordenamento jurídico constitucional. que versem sobre a mesma matéria. EFICÁCIA PLENA As normas constitucionais d e e f i c á c i a p l e n a são normas de aplicabilidade direta. segundo previsão expressa do §1º.

§4º. tinha sua aplicabilidade condicionada à edição de lei complementar”. 14. foi revogado pelos incisos LXI e LXVII do art. normas definidoras de direitos e garantias fundamentais têm eficácia plena ou contida. §único. a eficácia negativa ou paralisante). que limitava a taxa de juros reais a 12% ao ano. inciso VI. com a redação da emenda constitucional de revisão nº 4/94. assegurar o exercício do direito ou da competência nela previstos. 5º.” 4 – presunção de aplicabilidade imediata: como regra. 5º LX. §9º. Exemplo de utilização dessa classificação: Súmula 24. CF) ART. imediatamente. Súmula 13. XII. caput. econômica ou cultural exemplos: arts. que estabelece a prisão administrativa. CF) b)PRINCÍPIOS INSTITUTIVOS (princípios de organização de entes ou instituições públicas – exemplos: arts. Exemplos: 5º. 5º. VII. §§3º e 4º. XLV. têm eficácia limitada (aplicabilidade mediata). LXI. XXIII. 4 A doutrina e a jurisprudência referem-se. CF: “As normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação imediata. do STF: “A norma do §3º. VIII. do TSE: “Não é auto-aplicável o §9º. 66. 14. entre prevendo exceções ou condicionamentos à sua outros. CF) c) NORMAS DEFINIDORAS DE DIREITOS (definem direitos que somente poderão ser exercidos após a regulamentação legislativa – exemplo: art. da Constituição. 5º. 37. como parâmetro para declaração de inconstitucionalidade de leis posteriores e revogação de leis anteriores com ela colidentes (imediatamente já produzem uma eficácia reduzida. 37. 7º. XLIII. 109. 196. 5º. XLII. 88. 5º. Súmula 648. §1º. XIII. em caráter excepcional. da Constituição Federal de 1988. Exemplo de eficácia negativa de norma constitucional é o que mostra a Súmula 280 do STJ: “O art. revogada pela Emenda Constitucional 40/2003. VII. 143. podendo servir. 5º.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 12. contenha a sua eficácia. 5º. 7661. 205 e 217. do art. 53. 107. a normas constitucionais auto-aplicáveis (são as de eficácia plena e contida que não dependem do legislador para a produção de efeitos positivos) e a normas constitucionais não auto-aplicáveis (são as de eficácia limitada. 35 do Decreto-Lei n. de 1945. do artigo 192 da Constituição. 5º. §7º. XV.” Essa nomenclatura merece críticas porque as normas de eficácia limitada são auto-aplicáveis no tocante à eficácia negativa. ESPÉCIES: a) PROGRAMÁTICAS (fixam programas de ação que o Estado deve cumprir na área social. 201 da Constituição Federal de 1988”. 17.” 13 . incidência. muitas vezes. que dependem do legislador para produção de efeitos positivos). Exemplos: 5º. 33. do Tribunal Regional Federal da 4ª Região: “São auto-aplicáveis os parágrafos 5º e 6º do art. XXXII. 21 a 24. 14. 5º.

(d) nos termos da classificação formulada por José Afonso da Silva. (d) normas constitucionais de eficácia subjetiva. (c) normas constitucionais de eficácia contida. 14 . mas que podem ter reduzido seu alcance pela atividade infraconstitucional. (b) normas constitucionais de eficácia plena definidoras de situações subjetivas. (b) normas constitucionais de eficácia postergada. (b) as normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação retroativa. (falsa) 34. (b) nos termos da classificação proposta por José Afonso da Silva. LXXI. são denominadas 5: (a) normas constitucionais de eficácia superior. 5 Todas as questões são de provas anteriores do Exame de Ordem do Paraná. © as normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação programática. mas não imediata. Assinale a alternativa correta (1º semestre . norma constitucional de eficácia plena é aquela que produz desde logo todos os seus efeitos jurídicos e não comporta a possibilidade de restrição em nível legal. plena. (d) as normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais são todas de eficácia contida. mas admite algum condicionamento no âmbito legal. Doutrina e jurisprudência entendem que o mandado de injunção cabe apenas em relação a: (a) normas constitucionais de eficácia plena e aplicabilidade imediata. 35.2004): (a) as normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais têm aplicação imediata.” 31. (c) nos termos da classificação formulada por José Afonso da Silva. Assinale a alternativa incorreta: (2º semestre . CF: “conceder-se-á mandado de injunção sempre que a FALTA de NORMA REGULAMENTADORA torne inviável o exercício dos DIREITOS E LIBERDADES CONSTITUCIONAIS e das prerrogativas inerentes à NACIONALIDADE. à SOBERANIA e à CIDADANIA. pois dependem de regulamentação. norma constitucional de eficácia contida é aquela que produz desde logo todos os seus efeitos jurídicos. 32. 33. Normas constitucionais que têm aplicabilidade imediata.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 5º. integral.2004): (a) nos termos da classificação formulada por José Afonso da Silva. norma constitucional de eficácia limitada é aquela que não produz desde logo todos os seus efeitos e precisa ser completada pelo legislador ordinário. (1º Exame 2007) As normas definidoras de direitos e garantias fundamentais têm aplicação direta. norma constitucional de eficácia plena é aquela que não pode ser alterada nem por via de emenda à Constituição.

(e) normas constitucionais de eficácia limitada e aplicabilidade reduzida. LIV – “ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal”) (a) em sentido material ou substancial 6: as normas processuais devem ser lógicas.”) 3. CF 1. 36. à soberania e à cidadania. (falsa) 5. (falsa) 38. §1º. CF) 2 . Assinale a alternativa incorreta: (OAB última 2004) (a) o mandado de injunção pode ser impetrado por qualquer pessoa. III) a) igualdade formal ou jurídica a.1 a discriminação positiva ou revertida e as políticas compensatórias (art. DEVIDO PROCESSO LEGAL (5º. tem aplicação imediata. I. (d) normas constitucionais de eficácia contida. 5º. JUIZ NATURAL (5º. (b) o mandado de injunção incide sobre legislação inconstitucional que interfere no exercício da cidadania. nacionalidade e soberania. 5º. §2º e 217. (OAB 2º Exame 2006) Conceder-se-á mandado de injunção sempre que a falta de norma regulamentadora dificultar o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes à nacionalidade. §1º. desde que comprove o nexo de causalidade entre a omissão e o direito que quer exercer. à soberania e à cidadania. DIREITOS FUNDAMENTAIS positivados no art. definidoras de situações subjetivas. 37.ª PROMOTOR NATURAL (127. XXXV – “a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito”) Exceções constitucionais: art. 5º. prescindindo de lei regulamentadora para sua adequada utilização. (c) o mandado de injunção não pode ser impetrado perante qualquer juiz ou tribunal. justas e razoáveis 6 O Princípio da razoabilidade nas Súmulas: SÚMULAS DO STF: 70: “É inadmissível a interdição de estabelecimento como meio coercitivo para cobrança de tributo” 547: “Não é lícito a autoridade proibir que o 15 . CF – princípio institucional do Ministério Público: independência funcional) 4. vedação à discriminação “negativa” b) igualdade material ou de fato: b. sem distinção de qualquer natureza”. caput: “Todos são iguais perante a lei. 3º. INAFASTABILIDADE DO PODER JUDICIÁRIO (5º. 142. IGUALDADE (Art. 37.1. como é garantia constitucional.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr © normas constitucionais de eficácia contida e aplicabilidade imediata. (d) o mandado de injunção. CF 3. (OAB 1º Exame 2006) Conceder-se-á mandado de injunção sempre que a falta de norma regulamentadora torne inviável o exercício de quaisquer direitos ou liberdades e/ou das prerrogativas inerentes à nacionalidade. VIII. XXXVII – “não haverá juízo ou tribunal de exceção” e LIII – “ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente.

(b) o Brasil repudia qualquer forma de discriminação. as provas obtidas por meios ilícitos”) a) Prova ilícita e prova ilegítima: prova ilícita é obtida com violação a normas constitucionais. Assinale a alternativa incorreta (1º e 2º Exame 2005): (a) homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações. contribuinte em débito adquira estampilhas. da Constituição. despache mercadorias nas alfândegas e exerça suas atividades profissionais. restringir. seja ela negativa ou positiva. 16 . nos termos da Constituição Federal.”) 6. no âmbito judicial e administrativo. LXXVIII – “a todos. LVI – “são inadmissíveis. 40.”) 5. 7º. são assegurados o contraditório e a ampla defesa. enquanto a ilegítima com atentado a normas infraconstitucionais de caráter processual 7. CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA (5º. com os meios e recursos a ela inerentes. são assegurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação. XXX.” 667: “Viola a garantia constitucional de acesso à jurisdição a taxa judiciária calculada sem limite sobre o valor da causa” 680:“O direito ao auxílio-alimentação não se estende aos servidores inativos. entre os quais o de permanecer calado. inscrição em concurso para cargo público. em razão da idade.” Súmula 266 do STJ: “O diploma ou habilitação legal para o exercício do cargo deve ser exigido na posse e não na inscrição para o concurso público”. (d) a discriminação positiva somente pode ser admitida em relação à quota de deficientes nos serviços públicos. LXIII – “o preso será informado de seus direitos. PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA (5º. Assinale a alternativa correta: (Último Exame 2004) (a) a discriminação positiva é mecanismo previsto pela própria Constituição Federal como forma de realização da igualdade material. por ato administrativo.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr ( b ) em sentido formal: direito à observância das formalidades previstas na Constituição e na lei para a defesa dos direitos RAZOÁVEL DURAÇÃO DO PROCESSO (5º. sendo-lhe assegurada a assistência da família e do advogado.”) 39.” 683: “O limite de idade para a inscrição em concurso público só se legitima em face do art. no processo. LVII – “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”) 8. LV – “aos litigantes. quando possa ser justificado pela natureza das atribuições do cargo a ser preenchido. e aos acusados em geral. (c) a discriminação positiva somente pode ser admitida entre homens e mulheres. em processo judicial ou administrativo. INADMISSIBILIDADE DAS PROVAS ILÍCITAS (5º.” 14: “Não é admissível. DIREITO AO SILÊNCIO (5º.

42. (d) A lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito. Sobre o direito fundamental à tutela jurisdicional. (d) conforme o caso. 44. (b) em hipótese alguma pode ser excluída da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito. (verdadeira) 43. (d) ao publicar a sentença de mérito o juiz torna efetivo o direito fundamental à tutela jurisdicional.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (b) será inconstitucional qualquer tentativa de legal proteção do mercado de trabalho da mulher. permitindose que a autoridade policial use de todos os meios necessários para a busca da verdade real. será constitucional a restrição de acesso aos cargos públicos por limite de idade. (verdadeira) (b) A vedação à obtenção da prova por meios ilícitos somente incide na fase da persecução penal em juízo. (b) ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória. mas também atinge a formulação dos preceitos primários. (1º Semestre – 2003) (a) Como corolário do princípio do devido processo legal podem ser citados o contraditório e a ampla defesa. Assinale a alternativa correta (3º Exame 2006): (a) a assistência jurídica ao economicamente hipossuficiente é da competência do Poder Judiciário. (c) a tutela inibitória (preventiva) é corolário do direito fundamental à tutela jurisdicional. (d) cabe à Lei Orgânica do Ministério Público disciplinar a prestação. 41. (verdadeira) (b) o Tratado de Roma. por este órgão. (c) não haverá juízo ou tribunal de exceção. Segundo o princípio do Juiz natural: (a) todos são iguais perante a lei. (1º Exame 2005) (a) O princípio da humanidade não fundamenta apenas a proibição de penas cruéis e degradantes. © é de competência do Poder Executivo a assistência jurídica ao hipossuficiente. (falsa) (d) o princípio do juiz natural tem como um de seus desdobramentos a proibição de tribunais e juízos de exceção. da assistência jurídica ao hipossuficiente. será inconstitucional a restrição de acesso aos cargos públicos a pessoas portadoras de deficiência. © conforme o caso. assinale a alternativa correta: (1º Exame 2006) (a) fica obstada a via judicial até que se esgotem os recursos na via administrativa. princípio este invocado para questionar a 17 . (b) cabe à lei complementar a definição da assistência jurídica a ser prestada pela Ordem dos Advogados do Brasil ao hipossuficiente. não pode ser aplicado a fatos anteriores a sua vigência. que acolheu o Tribunal Penal Internacional e foi ratificado pelo Brasil. 45.

desde que estes não estejam a serviço do seu país. a. LXV) – foi anulada 47. 15. DERIVADA OU ADQUIRIDA (12. © as empresas públicas e as sociedades de economia mista poderão gozar de privilégios fiscais não extensivos às do setor privado.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr instituição do tribunal ad hoc para tratar dos crimes que teriam sido praticados na exIugoslávia. (4) e realizarem a opção a qualquer tempo. I. (na redação da Emenda Constitucional de Revisão n. para que uma pessoa nascida no Brasil não seja brasileiro nato. São Paulo: Atlas. (c) o preso tem o direito de permanecer calado. (2) pai brasileiro ou mãe brasileira não estão a serviço do Brasil. 213. (verdadeira) 46. Logo. (d) a prisão ilegal não será necessariamente relaxada. em qualquer hipótese. Assinale a alternativa incorreta (1º Semestre . fazendo deste indivíduo um componente do povo”. esteja a serviço do seu país. é preciso a conjugação de dois fatores: ambos os pais estrangeiros (ius sanguinis) + um dos pais. b. II. (b) haverá juízo ou tribunal de exceção. (b) a lei reprimirá o abuso de poder econômico que vise à dominação dos mercados. b. mas não reprimirá o aumento arbitrário dos lucros. a. Sobre a ordem econômica. Direito constitucional. ed. DIREITOS DE NACIONALIDADE a) Conceito de nacionalidade: “vínculo jurídico político que liga um indivíduo a certo e determinado Estado. 7 MORAES.1994) 2) NACIONALIDADE SECUNDÁRIA. (5º. CF – brasileiro nato): (a) jus soli: nascidos na República Federativa do Brasil ainda que de pais estrangeiros. Alexandre de. à eliminação da concorrência. c. p. independentemente de autorização de órgãos públicos. 6. de 7. (b) jus sanguinis + critério funcional: os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou mãe brasileira no exterior (ius sanguinis) + quando o pai ou a mãe está a serviço da República Federativa do Brasil (critério funcional). 18 .6.2004): (a) é livre o exercício de qualquer trabalho. (3) se fixarem residência no Brasil a qualquer tempo.7 b) Espécies de nacionalidade: 1) NACIONALIDADE PRIMÁRIA OU ORIGINÁRIA (12. no mínimo. (c) nacionalidade potestativa: (1) nascidos de pai brasileiro ou mãe brasileira no exterior. ofício ou profissão. (d) a ordem econômica é fundada exclusivamente na livre iniciativa. 3. salvo nos casos previstos em lei. 2004. assinale a alternativa correta (2º Exame 2005): (a) é assegurado a todos o livre exercício de qualquer atividade econômica.

de pai brasileiro ou mãe brasileira. porque o “português equiparado” continua sendo estrangeiro (não perde a nacionalidade portuguesa e nem adquire a nacionalidade brasileira) mas pode exercer alguns direitos (exclusivamente direitos civis caso adquira equiparação civil e também direitos políticos caso adquira equiparação política) inerentes aos brasileiros naturalizados. (3) entrega do certificado de naturalização pelo juiz federal competente (109. C F – o “português equiparado” ou a “quase nacionalidade”): (1) o título somente pode ser adquirido por portugueses com residência permanente no país. II. PROCEDIMENTO da NATURALIZAÇÃO: (1) requerimento do interessado perante o Ministério da Justiça. ratificada pelo Decreto Legislativo 82/71 e promulgada pelo Decreto 70391/72.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr CF . (2) estrangeiros não originários de países de língua portuguesa: adquirem a nacionalidade “na forma da lei”. desde que qualquer deles esteja a serviço da República Federativa do Brasil. assinale a alternativa INCORRETA: (a) são brasileiros natos os nascidos na República Federativa do Brasil. (1º Exame 2006) Sobre a nacionalidade. (4) Para o exercício dos direitos políticos. Trata-se de um conflito negativo de nacionalidade. (b) são brasileiros natos os nascidos no estrangeiro. que é o Estatuto do Estrangeiro. a Lei 6815/80 (12. (2) concede os direitos do brasileiro naturalizado desde que haja reciprocidade em favor de brasileiros 8.brasileiro naturalizado): (a) naturalização ordinária: ( 1 ) estrangeiros originários de países de língua portuguesa: os requisitos são constitucionais: residência por um ano ininterrupto no Brasil + idoneidade moral (12. (QUESTÃO) Quem são os heimatlos. (3) não estabelece um regime de dupla nacionalidade ou nacionalidade comum luso-brasileira. X. A convenção internacional entre Brasil e Portugal prevendo os direitos e deveres dos brasileiros e dos portugueses equiparados foi assinada em 7 de setembro de 1971 dando origem à Convenção sobre Igualdade de Direitos e Deveres entre Brasileiros e Portugueses. pelos menos. apátridas ou apólidos? São aqueles que não tem nenhuma nacionalidade. a). adquiram a nacionalidade brasileira. desde que estes não estejam a serviço de seu país. II. 3 ) EQUIPARAÇÃO COM BRASILEIRO NATURALIZADO (1 2 . exigidas aos originários de países de língua portuguesa apenas residência por um ano ininterrupto e idoneidade moral. 5 anos. há necessidade de requerimento e residência permanente no país por. CF). a) (b) naturalização extraordinária – estrangeiros de qualquer nacionalidade: residência no Brasil há mais de quinze anos ininterruptos (quinzenária) + ausência de condenação penal + requerimento do interessado (12. na forma da lei. (c) são brasileiros naturalizados os que. 48. (2) o Poder Executivo dispõe de competência para conceder a naturalização. II. § 1 º . 8 Cláusula do ut des ou de “admissão de reciprocidade” que depende de ato internacional. ainda que de pais estrangeiros. 19 . b).

d o s D e p u t a d o s .Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (d) são brasileiros naturalizados os estrangeiros de qualquer nacionalidade residentes na República Federativa do Brasil há pelo menos 10 (dez) anos ininterruptos ou 20 (vinte) anos alternados e sem condenação penal. oficial das forças armadas. Brasileiro e imagens (222. §3º): Presidente e LII): jornalística e de CF): Cargos privativos da República e Vice. I e 15. CF) (2) Requisitos: prática de atividade nociva ao interesse nacional 20 . 3. membro de carreira diplomática e Ministro de Estado da Defesa. §2º): 1 . Direito de 4 . Extradição. II) (2) Requisitos: (1) aquisição de nacionalidade secundária estrangeira (exemplo: se naturaliza americano) + (2) por um ato voluntário (3) Procedimento: perda efetivada por meio de um procedimento administrativo no Ministério da Justiça oficializada por meio de decreto presidencial com efeitos ex nunc 2) PERDA-PUNIÇÃO: (1) atinge somente brasileiros naturalizados (12. §4º. I. Presidente do Senado naturalizado pode sofrer o Federal. passiva. d) PERDA DA NACIONALIDADE BRASILEIRA: 1) PERDA –MUDANÇA: (1) atinge brasileiros natos e naturalizados (12. c) S O M E N T E A C O N S T I T U I Ç Ã O F E D E R A L p o d e o u t o r g a r t r a t a m e n t o diferenciado aos brasileiros natos e naturalizados – matéria sujeita à reserva constitucional absoluta (12. Brasileiro nato não pode radiodifusão p a r a 6 (seis) cidadãos Presidente da Câmara s o f r e r e x t r a d i ç ã o sonora e de sons brasileiros natos. proprietário tem de ser brasileiro n a t o o u naturalizado há mais de dez anos. §4º. duas situações excepcionais: (1) crime comum (desde que não seja crime político ou de opinião) praticado antes da naturalização ou (2) participação comprovada em tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins. (12. F u n ç ã o n o privativos de e x p u l s ã o e propriedade de C o n s e l h o d a brasileiros n a t o s deportação (5º. LI empresa República: (89. Ministro do extradição passiva em C F ) : STF. Agora. expulsão e deportação somente cabem em relação a estrangeiros. desde que requeiram a nacionalidade brasileira. C a r g o s 2. VII.

exclusivamente. (b) o jus soli. §4º. (b) perde a nacionalidade brasileira através de decreto da Presidência da República. nem o jus sanguinis.2004) (a) permanece com a nacionalidade brasileira. (verdadeira) 7. brasileiro nato. Regime de governo DEMOCRÁTICO (1º. CF) e) POLIPATRÍDIA (12. (falsa) 52. Ambrosino.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (3) Procedimento: cancelamento da naturalização por sentença transitada em julgado de competência da justiça federal na ação de cancelamento da naturalização de legitimidade exclusiva do Ministério Público Federal (109. (e) não usou como critério definidor nem o jus soli. 51. (c) o jus soli. é correto afirmar que: (a) Somente podem ser brasileiros. © permanece com as duas nacionalidades. com exceção concedida ao jus sanguinis. assim como aos estrangeiros.2003) Quanto aos agentes públicos. DIREITOS POLÍTICOS e CIDADANIA 1. a. exclusivamente. L á r e q u e r e o b t é m a nacionalidade israelense. (d) o jus sanguinis. na redação da EC de revisão n. v a i r e s i d i r e m I s r a e l . 3/94): é um conflito positivo de nacionalidade. II. X. 50. b. Nossa Constituição de 1988 adotou para definir a nacionalidade brasileira: (a) o jus sanguinis. com exceção concedida ao jus soli. ao brasileiro residente em Estado estrangeiro. na forma da lei. sendo vedado aos estrangeiros o acesso aos cargos públicos no Brasil. §único): espécies a) DEMOCRACIA DIRETA OU b ) D E M O C R A C I A I N D I R E T A O U PARTICIPATIVA REPRESENTATIVA 21 . (GABARITO DA OAB) (e) terá prazo de cinco anos para optar por uma das nacionalidades. empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei. (OAB 2006) Os cargos. porque o brasileiro pode acumular outras nacionalidades nas hipóteses de: (a) reconhecimento de nacionalidade originária pela lei estrangeira (b) imposição de naturalização. pela norma estrangeira. 49. Como fica sua situação em face da nacionalidade brasileira? (1º Semestre . (2º Semestre . como condição para permanência em seu território ou exercício de direitos civis.

LIGADOS À DEMOCRACIA DIRETA 1. CF): nacionalidade brasileira.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 2. universal. 30 para Governador e Vice-Governador. LXXIII) Ação popular LIGADOS À DEMOCRACIA INDIRETA 1. Vice-Presidente e Senador. idade mínima: 35 para Presidente. (5º. II) Para os alfabetizados maiores de 18 e Para os analfabetos menores de 70 anos. prefeito. §1º. estaduais e distritais). menores de 16 anos e os que sofreram privação de direitos políticos): OBRIGATÓRIO (14. alistamento eleitoral. §4º. 18 para vereadores. CAPACIDADE ELEITORAL ATIVA OU ALISTABILIDADE 1) Características do VOTO (60. caput. (61. vice-prefeito e juiz de paz. pleno exercício dos direitos políticos. I e II) Direito de sufrágio na modalidade capacidade eleitoral ativa (direito de votar) quan d o s e t r a t a d o v o t o e m plebiscitos e referendos 2. §2º. ( 1 4 ) D i r e i t o d e 2. domicílio eleitoral na circunscrição. I) FACULTATIVO (14. eleitoral ativa (direito de votar): voto em e l e i ç õ e s ALISTABILIDADE b) Capacidade eleitoral passiva (direito de ser v o t a d o ) ELEGIBILIDADE 2a. §2º) Iniciativa popular 3. secreto. CF – estrangeiros. CAPACIDADE ELEITORAL PASSIVA a) As condições gerais de elegibilidade (14. Para os maiores de 16 e menores de 18 Para os maiores de 70 anos 3. 22 . 21 para deputados (federais. II e 14. com valor igual para todos 2) Alistamento eleitoral (os inalistáveis – 14. CF): voto direto. §1º. Conceito e espécies de DIREITOS POLÍTICOS POSITIVOS São direitos que permitem a participação na vida política do Estado e propiciam o exercício da cidadania. conscritos. periódico. (17) sufrágio Direito de se filiar a a ) C a p a c i d a d e partidos políticos. (14. filiação partidária. §3º. DIREITOS POLÍTICOS NEGATIVOS: IMPEDEM a participação na vida política do Estado. 4.

I e IV. PARTIDOS POLÍTICOS (17. participar de iniciativa popular. Assinale a alternativa correta (1º Semestre 2004): (a) a lei que alterar o processo eleitoral entrará em vigor na data de sua publicação. III e V. CF.1. organização e funcionamento e para adotar os critérios de escolha e o regime de suas coligações eleitorais. CF b) Inelegibilidades: são impedimentos PARCIAIS.2. o referendo e a iniciativa popular. sem obrigatoriedade de vinculação entre as candidaturas em âmbito nacional. aplicando-se a eleição que ocorra até um ano da data de sua vigência. LEI ELEITORAL (16. aplicando-se desde logo.1. (verdadeira) 54. §9º. 5. III e IV. CF): CONSTITUCIONAIS + regra (PARCIAIS) e INFRACONSTITUCIONAIS: previstas na Lei Complementar 64/90 para proteger os valores do art. §4º): CONSTITUCIONAIS + TOTAIS b. caput. Personalidade jurídica: pessoa jurídica de direito privado (são associações constituídas “na forma da lei civil”) + necessidade de registro posterior de seus estatutos no Tribunal Superior Eleitoral (17. Autonomia partidária (17. Relativa (14. 6. §5º a 9º. distrital ou municipal. Hipóteses de perda (privação definitiva) 15. ajuizar ação popular ou se filiar a partidos políticos. (2º Semestre – 2003) São instrumentos de manifestação popular: o plebiscito. 53. (b) a lei que alterar o processo eleitoral entrará em vigor na data de sua publicação. CF a. §2º) + caráter nacional b. mas só pode ser aplicada às eleições que ocorram após um ano da data de sua vigência. (c) a lei que alterar o processo eleitoral entrará em vigor noventa dias após a sua promulgação. quem está privado de direitos políticos não pode votar. a. 14. estadual. II.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr a) Privação de direitos políticos (15. CF) a. Vedações: (1) vinculação financeira ou hierárquica a entidade ou governo estrangeiro (I e II). CF): autonomia para definir sua estrutura interna. CF): é um impedimento TOTAL. (2) utilização de organização paramilitar (§4º) 23 . b. c. (d) a lei que alterar o processo eleitoral entrará em vigor na data de sua publicação. CF): princípio da anualidade eleitoral: a lei que alterar o processo eleitoral entra em vigor na data de sua publicação. Absoluta (14. ser votado. não se aplicando à eleição que ocorra até um ano da data de sua vigência. porque obstam somente o exercício da capacidade eleitoral passiva (direito de ser votado). II. Hipóteses de suspensão (privação temporária) 15.2. §1º na redação da Emenda 52/06.

(d) é permitida a utilização pelos partidos políticos de organização paramilitar. 24 . Direitos: (1) recursos do fundo partidário e acesso gratuito ao rádio e televisão na forma da lei – direito de antena . 55. organização e funcionamento. na forma determinada pelo Tribunal Superior Eleitoral. (1º Exame 2006) Sobre os partidos políticos. VI. (c) os partidos políticos têm direito a recursos do fundo partidário e acesso gratuito ao rádio e à televisão.(§3º). Dever: prestação de contas à Justiça Eleitoral. após adquirirem personalidade jurídica.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr d. c) e. renda ou serviços e de suas fundações (150. devendo seus estatutos estabelecer normas de fidelidade e disciplina partidárias. (b) os partidos políticos. (2) imunidade tributária em relação a impostos sobre seu patrimônio. assinale a alternativa CORRETA: (a) é assegurada aos partidos políticos autonomia para definir sua estrutura interna. na forma da lei civil. registrarão seus estatutos no Congresso Nacional.

CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DO CONTROLE JURISDICIONAL DE CONSTITUCIONALIDADE a) Conceitos operacionais da jurisdição constitucional: PARÂMETRO e OBJETO O parâmetro é a norma constitucional que serve de paradigma para o controle. sim. declaradas inconstitucionais. POR VIA INCIDENTAL A questão da inconstitucionalidade da lei é prejudicial. eventualmente. eventualmente. não integra o dispositivo da decisão e sim a sua fundamentação. obstáculo que o juiz precisará enfrentar para julgar o mérito da ação. Número de órgãos dotados de competência: 3. a declaração d e inconstitucionalidade não fará parte do pedido do autor e. I . os direitos subjetivos que são ameaçados ou violados por uma lei inconstitucional. O objeto diz respeito às normas que serão impugnadas e. Por isso. Por isso. Piero Calamandrei refere-se a este controle como a “jurisdição constitucional das liberdades”. se ofenderem normas constitucionais paramétricas. Finalidade: CONCRETO OU SUBJETIVO Existe um caso concreto onde se discute a aplicação de uma determinada lei tendo em vista sua antinomia com a Constituição Federal e há direitos subjetivos supostamente ameaçados ou violados por uma lei que se alega ser inconstitucional. Competência e legitimidade ativa. DIFUSO OU ABERTO Todos os juízes e tribunais – sejam federais ou estaduais são competentes para o controle de constitucionalidade. II) CONTROLE JURISDICIONAL INSPIRADO NO SISTEMA NORTEAMERICANO (DESDE A CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA DE 1891) 1. AÇÃO DIRETA DA DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE. De outro lado. 2. A finalidade do controle é defender as liberdades.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr AULA (3) CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE 3. Modo de manifestação do controle de constitucionalidade 25 . Perfil constitucional da ação. Modo de provocação do órgão competente 4. POR VIA DE EXCEÇÃO OU DE DEFESA As partes se utilizam da questão da inconstitucionalidade da lei para fundamentar sua pretensão jurídica ou mesmo o Ministério Público para respaldar sua opinião ou o próprio Juiz para motivar sua decisão. da causa de pedir.

CF) O Senado pode suspender a execução de lei declarada inconstitucional pelo STF. 2. II) CONTROLE JURISDICIONAL INSPIRADO NO SISTEMA AUSTRÍACO (DESDE A CONSTITUIÇÃO DE 1946. quando já houver pronunciamento destes ou do plenário do Supremo Tribunal Federal sobre a questão. (2) pode ser exercida em relação a qualquer lei ou ato normativo (federal. estadual. CF e art. A competência do Senado: (1) é discricionária. uma lei ou ato normativo ofende ou não a Constituição. a4) OBJETO E PARÂMETRO Qualquer lei ou ato normativo (federal.” 26 . integra a fundamentação da decisão e não o dispositivo e por isso não transita em julgado. sem submeter o incidente ao Tribunal Pleno ou Órgão Especial): quando já houver decisão do (1) Plenário do STF ou (2) do Tribunal Pleno ou Órgão Especial a que pertence o órgão fracionário. Exceções (quando o órgão fracionário pode declarar a inconstitucionalidade. 3.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr a1) CLÁUSULA DE RESERVA DE PLENÁRIO (Art. ex tunc. DE LEI DECLARADA INCONSTITUCIONAL POR DECISÃO DEFINITIVA DO STF (ART. nos Tribunais deve ser proferida pelo voto da maioria absoluta dos membros do Tribunal Pleno ou do Órgão Especial. ou ao órgão especial. Qualquer norma constitucional pode servir de parâmetro (CF. distrital ou municipal) posteriores à Constituição Federal de 1988 podem ser objeto de controle concreto de constitucionalidade. em tese. N O T O D O O U E M P ARTE. a argüição de inconstitucionalidade. Constituição Estadual ou Lei Orgânica do Distrito Federal) conforme o caso. estadual. X. 4. (3) tem efeitos erga omnes e ex tunc. não produz efeito vinculante em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário. Os órgãos fracionários dos tribunais não submeterão ao plenário. a2) EFEITOS DA DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE 1. a3) COMPETÊNCIA PRIVATIVA DO SENADO FEDERAL PARA SUSPENDER A E X E C U Ç Ã O . art. Finalidade ABSTRATO OU OBJETIVO Não há caso concreto. 481. o caso é abstrato porque se examina se. distrital ou municipal). inter partes. 480 a 482. A 9 “Parágrafo único. 16/65) 1. atribuindo com isso efeito erga omnes à decisão do STF que tinha efeitos meramente inter partes. 52. COM A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 97. CPC 9) A declaração de inconstitucionalidade.

a. INCONSTITUCIONALIDADE POR OMISSÃO (c) ADC (se houver previsão expressa na Constituição Estadual. I. Número de CONCENTRADO órgãos dotados de Se o parâmetro é a Constituição Federal. se o parâmetro é Constituição competência: Estadual. se o parâmetro é a Lei Orgânica do Distrito Federal. §1º. o órgão competente será o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios. o órgão competente será o Tribunal de Justiça do respectivo Estado-Membro. CF) principal do (b) REPRESENTAÇÃO DE processo). por sua vez. É um controle que não tem por finalidade imediata proteger pessoas ou direitos fundamentais e sim a própria Constituição. 3 . M o d o d e POR VIA DE AÇÃO AÇÕES: p r o v o c a ç ã o d o O J u d i c i á r i o é (1) competência originária do STF: órgão competente provocado por meio (a) ADIN (102. portanto. INCONSTITUCIONALIDADE (125.. do dispositivo da decisão.) 2. o órgão competente será o Supremo Tribunal Federal. a. I.) (3) competência originária do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios: (a) ADIN (b)ADIN por omissão 4. a) TÓPICOS DAS AÇÕES DO CONTROLE ABSTRATO DE COMPETÊNCIA DO STF: 27 . CF) de ações específicas (b) ADIN por omissão (103. Modo de manifestação do controle de constitucionalidade POR VIA PRINCIPAL A questão da constitucionalidade ou inconstitucionalidade é o tema principal do processo: faz parte do pedido do autor e. §2º CF) em que o pedido é a © ADC (102. CF) inconstitucionalidade (2) competência originária do Tribunal o u d e de Justiça do Estado-Membro: constitucionalidade (a) R E P R E S E N T A Ç Ã O D E em tese (que se torna.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr fiscalização é objetiva porque o interesse protegido é objetivo: a defesa da Constituição enquanto ordem objetiva. questão §2º. Não há na paranaense. CF) d e c l a r a ç ã o d e (d) ADPF(102.

28 . §4º. CF (na redação da EC 45/04). CF) e princípios constitucionais sensíveis (34. 4. 102. §2º e 103. nas esferas federal. CF)]. 3. distrital e municipal (102. VII. manipular a eficácia temporal (atribuindo efeitos ex nunc ou decidindo que a invalidação da lei será a partir de outro momento que venha ser fixado. a competência para julgamento é do Supremo Tribunal Federal. §3º. §2º. ADC (102. 28. A questão do caráter “dúplice ou ambivalente” da ADIN e ADC: a procedência de uma é igual à improcedência da outra. §único. Órgão competente: STF 2. EFEITOS DA DECISÃO DEFINITIVA DE MÉRITO : (a) erga omnes (contra todos) (como regra) (b) efeito vinculante – e m r e l a ç ã o a o s demais órgãos do Poder Judiciário e à Administração Pública direta e indireta. em ambas é possível tanto declarar a inconstitucionalidade quanto a constitucionalidade. 56. Lei 9868/99) A declaração de inconstitucionalidade ou de constitucionalidade somente pode ser proferida pelo voto da maioria absoluta dos membros do Tribunal Pleno (quando se trata de conferir efeitos erga omnes e ex tunc ). Lei 9868/99 e 10. a. ADPF (102. caput. CLÁUSULA DE RESERVA DE PLENÁRIO (97. a.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr ADIN (102. estadual. CF + 23. No que diz respeito ao controle de constitucionalidade das leis no Brasil. CF + Lei 9868/99) 1. §2º. art. Lei 9882/99) (c) ex tunc (como regra) (d) repristinatório. 10 Todas as questões deste roteiro são do exame de ordem do Paraná. §1º. quando há declaração de inconstitucionalidade (como regra) COMPETÊNCIA DO STF PARA MODULAR (ou MODIFICAR) os efeitos da decisão: pode o STF por maioria de dois terços dos Ministros (mínimo 8) e estando presentes razões de segurança jurídica ou excepcional interesse social restringir os efeitos erga omnes. (b) o controle difuso é exercido por qualquer juiz e o controle concentrado pelo Supremo Tribunal Federal e pelo Superior Tribunal de Justiça. CF + Lei 103. por ser exercido por via de exceção. CF + Lei 9868/99) 9882/99) STF Normas da CF. 102. I. I. e. STF Somente os preceitos fundamentais da CF [cláusulas pétreas (60. no passado ou no futuro) e afastar o efeito repristinatório. Parâmetro: Normas da CF. é correto afirmar que 10: (a) no controle difuso.

o controle de constitucionalidade de uma lei pelo Poder Judiciário produz efeitos erga omnes. 58.2003): (a) a declaração de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo proferida pelos tribunais regionais federais produz efeitos apenas ‘erga omnes’. (d) a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal. declarando a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo. (d) a declaração de inconstitucionalidade proferida pelo senado federal produz efeitos ‘erga omnes’ e ‘ex tunc’. Sobre o controle de constitucionalidade vigente no Brasil. 60. assinale a alternativa correta: (Último Exame 2004): (a) as leis municipais somente podem ser questionadas em face da Constituição do Estado. 57. pelos Estados. 59. compete ao Senado Federal: (a) praticar ato vinculado. em primeira instância. o controle de constitucionalidade de uma lei pelo Poder Judiciário é incidental e nunca principal. 29 .Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (c) o controle difuso é exercido por qualquer juiz e o concentrado pelos Tribunais de Justiça. Assinale a alternativa correta: (2º Semestre . competência para declarar a inconstitucionalidade de lei estadual em face da Constituição Federal. Assinale a alternativa correta (1º Semestre . e pelo Supremo Tribunal Federal. suspendendo a respectiva execução. (c) apenas os magistrados estaduais têm. eis que se trata de instrumento típico dos países de tradição jurídica da common law. Diante de lei declarada inconstitucional por decisão definitiva do Supremo Tribunal Federal. (c) a declaração de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo proferida pelo STF possui efeitos ‘erga omnes’.2004): (a) no Direito brasileiro. em sede de controle incidental. (b) a declaração de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo proferida pelo STJ possui efeitos ‘erga omnes’ e ‘inter partes’. o controle de constitucionalidade de uma lei pelo Poder Judiciário é difuso. (b) no controle difuso. (b) no Direito brasileiro. podendo deixar de suspender a parte da lei que. podem ser objeto de questionamento todas as leis editadas pela União. unicamente. (d) no direito brasileiro. produzirá efeitos erga omnes. pelo Distrito Federal e pelos Municípios. discordando da decisão do STF. (b) praticar ato discricionário. (d) não existe controle difuso no Brasil. (c) no Direito brasileiro. em alguns casos. jamais em face da Constituição Federal. em outros. considerá-la inconstitucional. na parte em que concorde com a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal. o controle de constitucionalidade de uma lei pelo Poder Judiciário pode ser abstrato e concreto. jamais inter partes.

(d) as emendas constitucionais podem ser submetidas a controle de constitucionalidade. LEGITIMAÇÃO ATIVA ATIVA (103. face a Constituição Federal. CF e 2º. (c) a inconstitucionalidade orgânica ou formal é aquela decorrente de vício na formação do ato legislativo. Lei 9868/99): a) UNIVERSAIS Presidente da República. total ou parcialmente. I a IX. 103. Mesa da Câmara dos Deputados. I. (d) ao Senado Federal compete privativamente suspender a execução de lei declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal. (c) Não existe controle difuso da constitucionalidade no ordenamento brasileiro. mediante resolução. Assinale a alternativa correta: (a) O controle de constitucionalidade de lei municipal face a Constituição Federal é feito na modalidade concentrada. mediante resolução. 63. a respectiva execução. 61. Mesa do Senado Federal. (b) o mandado de segurança é uma das ações em que se pode suscitar o controle incidental da constitucionalidade. (d) A ação direta de inconstitucionalidade por omissão é forma de controle difuso da constitucionalidade. 30 .Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (c) revogar. ADIN 4. estadual ou municipal. LEGITIMAÇÃO ATIVA (103. Assinale a alternativa correta (3º Exame 2006 e 1º Exame 2007): (a) ao Presidente da República compete exclusivamente suspender a execução de lei declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal. L E G I T I M A Ç Ã O 4. CF (2º. ADC ADPF 4 . (b) a inconstitucionalidade exige quorum de maioria absoluta. (b) compete privativamente à Mesa da Câmara dos Deputados suspender a execução de lei declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal. ADIN. Lei 9868/99) O s l e g i t i m a d o s d a Os legitimados da ADIN. Lei 9882/99) e 13. 62. I a IX. Assinale a alternativa falsa: (a) a incompatibilidade de lei federal. (d) suspender. legitima a propositura de ação direta de inconstitucionalidade pelos legitimados do art. 1. quando declarada por órgãos jurisdicionais colegiados (Tribunais). o dispositivo legal declarado inconstitucional. © ao Presidente da Câmara dos Deputados compete exclusivamente suspender a execução de lei declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal.

distritais ou municipais) 31 . LEIS OU ATOS NORMATIVOS MUNICIPAIS ( e distritais com caráter municipal) posteriores e anteriores à CF de 1988 2. 1º. Emenda à CF? SIM 2. Lei ou ato normativo municipal? NÃO 4. Norma de CE? NÃO 3. Norma de CE? SIM 3. estadual ou municipal. Emenda à CF? SIM 2. se tiver caráter estadual. Lei ou ato normativo anterior à CF (direito préconstitucional)? NÃO 5. OBJETO (1º Lei 9882/99) a ) P r i n c í p i o d a subsidiariedade (4º.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr Procurador-G e r a l d a República. OBJETO (102. incluídos os anteriores à CF 1. entidade de classe de âmbito nacional e confederação sindical. Mesas da Assembléias Legislativas e da Câmara Legislativa do Distrito Federal. Lei ou ato normativo distrital? NÃO 5. CF) LEIS OU ATOS NORMATIVOS FEDERAIS 1. CF) SIM. CF) Leis ou at os norma tivos F E D E R A I S O U ESTADUAIS 1. a. 5. Lei 9882/99 – “não será admitida ADPF quando houver outro meio eficaz de sanar a lesividade”) a 1 ) q u a n d o f o r relevante o fundamento de controvérsia constitucional sobre lei ou ato normativo federal. §1º. se tiver caráter municipal 5. a. b) ESPECIAIS Governadores de Estados e do Distrito Federal. NÃO. I. OBJETO (102. Lei ou ato normativo municipal? NÃO 4 . estaduais. LEIS OU ATOS NORMATIVOS ANTERIORES À CF d e 1 9 8 8 (federais. Conselho Federal da OAB. Partidos políticos com representação no Congresso Nacional. I. Lei ou ato normativo anterior à CF (direito pré-constitucional)? NÃO 5. L ei ou ato normativo distrital? (32.

Assinale a alternativa correta (3º Exame 2006): (a) a argüição de descumprimento de preceito fundamental. (d) a Mesa da Câmara Legislativa do Distrito Federal pode propor a ação direta de inconstitucionalidade. mas não ação declaratória de constitucionalidade. 32 . © a argüição de descumprimento de preceito fundamental. G E R A L D A REPÚBLICA Pode atuar como legitimado ativo e sempre a t u a . ADVOGADO-GERAL Não atua. (d) a argüição de descumprimento de preceito fundamental. d e f o r m a independente. 7. Igual na ADIN. elaborando um parecer sobre a ação. (b) o Procurador-Geral da República pode propor ação direta de inconstitucionalidade e ação declaratória de constitucionalidade. tem como legitimados os mesmos para a ação direta de inconstitucionalidade. mas somente a Mesa de Assembléia Legislativa do Distrito Federal pode propor a ação declaratória de inconstitucionalidade. * questão anulada por conter duas afirmações corretas. tem por objetivo exclusivo reparar lesão a preceito fundamental resultante de ato da administração federal e estadual. tem como objetivo exclusivo reparar lesão a preceito fundamental resultante de lei ou ato normativo federal e estadual. prevista na Constituição da República. PROCURADORIgual na ADIN. Assinale a alternativa CORRETA (2º Exame 2006): (a) a Mesa do Senado Federal pode propor ação direta de inconstitucionalidade. como fiscal da lei.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 6. prevista na Constituição da República. ( c ) a Mesa da Câmara dos Deputados não pode propor ação direta de inconstitucionalidade. contestando o pedido do autor. (b) a argüição de descumprimento de preceito fundamental. prevista na Constituição da República. 65. 64. prevista na Constituição da República. DA UNIÃO – A t u a como curador da norma impugnada. tem como legitimados os mesmos para a ação declaratória de constitucionalidade. d e f e n d e n d o a constitucionalidade da lei. mas pode propor ação declaratória de constitucionalidade. defendendo a constitucionalidade da lei. contestando o pedido do autor. Atua como curador da norma impugnada.

(d) A decisão proferida pelo STF não possui efeito vinculante. proferidas pelo Supremo Tribunal Federal. (verdadeira) (b) É possível ação declaratória de constitucionalidade para defender a validade de uma lei municipal perante o Supremo Tribunal Federal. a declaração de inconstitucionalidade da lei operará efeitos ex nunc e erga omnes. pela procedência da Adin. Assinale a alternativa incorreta (1º e 2º Exame 2005): (a) as decisões definitivas de mérito. © o ajuizamento da ação direta de inconstitucionalidade não se sujeita à observância de qualquer prazo de natureza prescricional ou decadencial. (b) O j u l g a m e n t o p e l a i m p r o c e d ê n c i a d a A D C i m p l i c a n a d e c l a r a ç ã o d e inconstitucionalidade da lei ou ato normativo objeto da sua propositura. mesmo que a ADin busque invalidar a totalidade daquele ou deste. (c) a decisão do Supremo. (2º semestre 2003) (a) Através da argüição de descumprimento de preceito fundamental. (falsa) (d) A argüição de descumprimento de preceito 33 . pode ser tomada pela maioria simples dos Ministros que integrarem a Turma a que estiver afeto o julgamento. é correto afirmar que: (a) Estão legitimados a sua impetração apenas o presidente da república.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 66. é correto afirmar: (a) organizações político-partidárias que tenham integrantes eleitos deputados estaduais têm legitimidade para propor Adin. nas esfera federal. estadual e municipal. (d) a declaração de inconstitucionalidade pode atingir somente um ou alguns dos dispositivos da lei ou ato normativo. a validade de lei municipal em matéria tributária. (b) leis municipais que contrariem dispositivo da Constituição Federal poderão ser objeto de Adin perante o STF. é possível questionar. nas ações diretas de inconstitucionalidade e nas ações declaratórias de constitucionalidade produzirão eficácia contra todos e efeito vinculante. 68. diretamente perante o Supremo Tribunal Federal. (c) A decisão proferida pelo STF produz efeitos apenas entre as partes envolvidas no processo. (d) mediante controle concentrado. e os magistrados singulares poderão decidir em sentido contrário ao entendimento manifestado pelo STF. relativamente aos demais órgãos do Poder Judiciário e à administração pública direta e indireta. (b) o Governador do Distrito Federal pode propor ação direta de inconstitucionalidade e declaratória de constitucionalidade. os governadores de estado e o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. 69. No que diz com a ação direta de inconstitucionalidade (Adin). pois os atos normativos de natureza infraconstitucional jamais se convalidam pelo decurso do tempo. 67. No que diz respeito à Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC).

CF) O pedido é a declaração de inconstitucionalidade por omissão. §2º Sem prejuízo do que vier a ser estabelecido em lei. Se a ação é julgada procedente. S Ú M U L A V I N C U L A N T E ( 1 0 3 -A . nas esferas federal. (falsa) 2. 34 . acerca das quais haja controvérsia atual entre órgãos judiciários ou entre esses e a administração pública que acarrete grave insegurança jurídica e a relevante multiplicação de processos sobre questão idêntica. em se tratando de órgão administrativo. 103-A. de 2006): “ Art. na forma prevista em lei. em matéria tributária. ADIN por OMISSÃO (103. (b) a súmula com efeitos vinculantes tem por objetivo evitar grave insegurança jurídica ou relevante multiplicação de processos sobre questão idêntica. determina que o faça trinta dias (nesta última hipótese. anulará o ato administrativo ou cassará a decisão judicial reclamada. a c r e s c e n t a d o p e l a E m e n d a 4 5 / 0 4 e regulamentado pela Lei 11. revisão ou cancelamento de súmula poderá ser provocada por aqueles que podem propor a ação direta de inconstitucionalidade. (c) o Conselho Federal da OAB pode provocar o Supremo Tribunal Federal no sentido de ver cancelada uma súmula aprovada com efeitos vinculantes. a interpretação e a eficácia de normas determinadas. a partir de sua publicação na imprensa oficial. §3º Do ato administrativo ou decisão judicial que contrariar a súmula aplicável ou que indevidamente a aplicar. caberá reclamação ao Supremo Tribunal Federal que. nos termos da Lei n. bem como proceder à sua revisão ou cancelamento. julgandoa procedente. 3 . mediante decisão de dois terços dos seus membros. (d) cabe reclamação ao Supremo Tribunal Federal voltada a garantir a aplicação de súmula. estadual e municipal. §2º. terá efeito vinculante em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e à administração pública direta e indireta. aprovada com efeitos vinculantes. o STF dá ciência ao Poder Legislativo para que adote as providências necessárias (não fixa prazo para o Legislativo nem pode determinar sanções caso este não adote as providências) e. O Supremo Tribunal Federal poderá. §1º A Súmula terá por objetivo a validade.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr fundamental. aprovar súmula que. a aprovação. pode ser utilizada por qualquer cidadão. 70. (OAB 1º Exame 2006) Assinale a alternativa INCORRETA: (a) o Supremo Tribunal Federal tem competência para aprovar súmula com efeitos vinculantes até mesmo em relação à administração pública indireta municipal. após reiteradas decisões sobre matéria constitucional. pela própria Administração Pública. a decisão tem efeito mandamental).417. Os legitimados são os da ADIN. 9882/99. conforme o caso. e determinará que outra seja proferida com ou sem a aplicação da súmula. de ofício ou por provocação.

assinale a alternativa CORRETA (2º Exame 2006 e 1º Exame 2007– Direito Administrativo): (a) se o ato administrativo contrariar súmula vinculante ou indevidamente a aplicar. CONTROLE ABSTRATO NA ESFERA ESTADUAL: 1. Órgão competente: Tribunal de Justiça do Estado-Membro b. Efeitos: erga omnes e ex tunc. pois as súmulas vinculantes somente são de observância obrigatória pelos órgãos do Poder Judiciário. entidades de classe de âmbito estadual e o deputado estadual. (d) se o ato administrativo contrariar súmula vinculante ou indevidamente a aplicar. caberá reclamação ao Supremo Tribunal Federal com a finalidade de que seja declarada a sua anulação. CF) a.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 71. ProcuradorGeral do Estado. (b) se o ato administrativo contrariar súmula vinculante ou indevidamente a aplicar. pois as súmulas vinculantes somente são de observância obrigatória pelos órgãos do Poder Judiciário e pela administração pública direta e indireta das esferas federal e estadual. o Supremo Tribunal Federal poderá revogá-lo a qualquer momento. Mesa da Assembléia Legislativa. independentemente de provocação do interessado. Conselho Seccional da OAB. não tem efeito vinculante d. (c) se o ato administrativo contrariar súmula vinculante ou indevidamente a aplicar. pois as súmulas vinculantes são de observância obrigatória pelos órgãos do Poder Judiciário e pela administração pública direta e indireta das esferas federal. e não pela administração pública direta e indireta das esferas federal. Procurador-Geral de Justiça. caberá reclamação ao Supremo Tribunal Federal com a finalidade de que seja declarada a sua anulação. Mesa da Câmara Municipal (quando se tratar de lei ou ato normativo local ou estadual que afete a autonomia local). §1º. Parâmetro: normas da Constituição Estadual c. Prefeito. Sobre a relação da súmula vinculante com o ato administrativo. estadual e municipal. não caberá reclamação ao Supremo Tribunal Federal com a finalidade de que seja declarada a sua anulação. OBJETO: leis ou atos normativos estaduais e municipais 35 . LEGITIMAÇÃO ATIVA (Constituição do Estado do Paraná): Governador do Estado. REPRESENTAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE (125. desde que este ato tenha sido editado por autoridade integrante da administração pública federal. estadual e municipal. federações sindicais. Partidos políticos com representação na Assembléia Legislativa. e.

O paciente é quem sofre coação ou ameaça de coação em sua liberdade de ir e vir.HABEAS CORPUS – “conceder-se-á habeas corpus sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção. já o agente público pode ser autoridade coatora se praticar atos ilegais ou com abuso de poder. b) para a retificação de d a d o s . É possível também o impetrante ajuizar a ação em favor de terceiro (paciente). embora possível para impugnar vícios formais (ofensa ao contraditório. h) Existe restrição ao habeas corpus em se tratando de punição disciplinar militar? Sim. e) O coator pode ser um particular? Sim. Não é possível impetrar habeas corpus para discutir o mérito da punição disciplinar militar. XXXIV – DIREITO DE PETIÇÃO – é o único remédio constitucional que não constitui “ação constitucional” porque não é forma de provocação da tutela jurisdicional. 3. LXII + LXXVII – HABEAS DATA (Criado pela CF de 1988 e regulamentado pela Lei 9507/97) – “conceder-se-á habeas data: a) para assegurar o conhecimento de informações relativas à pessoa do impetrante. constantes de registros ou bancos de dados de entidades governamentais ou de caráter público. O repressivo ou liberatório é para fazer cessar a coação ou violência já consumada. O caso clássico é de um hospital particular que não dá alta ao paciente em virtude do não pagamento da conta. a ação não precisa ser ajuizada por advogado. O impetrante é quem ajuiza a ação. f) Existe diferença entre ilegalidade e abuso de poder? Sim. O preventivo é para evitar concretização da ameaça de lesão (salvo-conduto). §2º . por exemplo). DIREITOS E GARANTIAS. Ação popular.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr AULA (4) AÇÕES CONSTITUCIONAIS 7. Mandado de segurança unitário e coletivo. O abuso de poder divide-se em: excesso de poder (a autoridade pratica um ato para o qual não tem competência) e o desvio de poder (a autoridade pratica um ato tendo em vista objetivos estranhos ao interesse público). por ilegalidade ou abuso de poder” a) Necessidade de capacidade postulatória? Não. autoridade competente. 5º. b) Possível impetrar em favor de terceiros? Sim. d) Habeas corpus preventivo e repressivo. 2. Ilegalidade é gênero. Mandado de injunção. c) Há diferença entre impetrante e paciente? Sim. Provoca-se os Poderes Públicos contra ilegalidade ou abuso de poder. O particular pode ser coator ao praticar um ato ilegal. j u d i c i a l o u 36 . do qual abuso de poder é espécie. Habeas corpus. GARANTIAS FUNDAMENTAIS OU REMÉDIOS CONSTITUCIONAIS 1. Ação civil pública. ampla defesa. g) A ação é gratuita? Sim. Habeas data. 5º. É possível que o impetrante e o paciente sejam a mesma pessoa. O coator será o diretor do hospital. 5º. 2. LXVIII + LXXVII + 142. q u a n d o n ã o s e p r e f i r a f a z ê-l o p o r p r o c e s s o s i g i l o s o .

Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr

administrativo.” a) É possível impetrar habeas data em favor de terceiros? Como regra, não. Há somente uma exceção: uma pessoa da família pode impetrar habeas data em favor de alguém já falecido para proteção da sua memória. Pessoa jurídica pode impetrar habeas data. b) Quais são as finalidades do habeas data? Segundo a CF, garantir o acesso a informações pessoais constantes de banco de dados de entidades governamentais ou de caráter público e a retificação. (b.1) É constitucional a previsão da Lei 9507/97 no sentido de ser possível o habeas data “para a anotação dos assentamentos do interessado, de contestação ou explicação sobre dado verdadeiro mas justificável e que esteja sob pendência judicial ou amigável”? Sim. (b.2) Cabe habeas data para obtenção de certidões em repartições públicas (5º, XXXIV, b)? Não, é caso de mandado de segurança. c) Existe diferença entre banco de dados de entidade governamental e banco de dados de “caráter público”? Sim. Banco de dados de entidade governamental é um banco de dados de um órgão ou ente público que contém informações de caráter público, porque acessíveis ao público. Banco de dados de caráter público é um banco de dados de uma entidade privada que contém informações de caráter público, porque acessíveis ao público (exemplo: banco de dados do serviço de proteção ao crédito). d) A ação é gratuita? Sim. 4. 5º, LXIX – MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL (Lei 1533/51) – “conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou habeas data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público.” a) O que é direito líquido e certo? É direito respaldado em fato certo, comprovado de plano por prova pré-constituída. b) O que significa o caráter subsidiário do mandado de segurança? Só cabe mandado de segurança quando não couber habeas corpus ou habeas data. c) Por que o mandado de segurança não substitui a ação popular? (Súmula 101, STF) Porque a ação popular protege os interesses da coletividade no tocante à preservação do patrimônio público. Já o mandado de segurança protege direito material próprio do impetrante. d) Quem pode ser aut oridade coatora no mandado de segurança? Autoridade pública ou agente de pessoa jurídica de Direito Privado no exercício de atribuições do poder público (exemplo: diretor de uma empresa concessionária ou permissionária de serviço público; um notário ou registrador) e) Por que não cabe mandado de segurança contra lei em tese? (Súmula 266, STF). Porque a lei em tese é todo ato normativo geral e abstrato que não atinge, dada a sua
37

Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr

generalidade e abstração, diretamente a esfera jurídica individual. No mandado de segurança, o ato impugnado tem de ser individual e concreto, ou seja, atingir diretamente a esfera jurídica de alguém. f) Existe prazo para impetração do mandado de segurança? Sim, o prazo é decadencial de 120 dias para impetração de mandado de segurança repressivo contra ato do Poder Público. Este prazo decadencial, previsto na Lei 1533/51, foi recepcionado pela CF de 1988, conforme a Súmula 632 do STF: “É constitucional lei que fixa o prazo de decadência para a impetração de mandado de segurança” . Não existe este prazo quando se trata de (1) mandado de segurança preventivo ou (2) mandado de segurança repressivo contra omissão. 5º, LXX - MANDADO DE SEGURANÇA COLETIVO – “o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por: a) partido político com representação no Congresso Nacional ou organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos 1 ano na defesa dos interesses de seus membros ou associados”. 5º, LXXI – MANDADO DE INJUNÇÃO (Criado pela CF de 1988) – “conceder-se-á mandado de injunção sempre que a falta de norma regulamentadora torne inviável o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania.” 6. 5º, LXXIII – AÇÃO POPULAR (Lei 4717/65) – “qualquer cidadão é parte legítima para propor ação popular que vise anular ato lesivo ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à moralidade administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo comprovada má-fé, isento de custas judiciais e do ônus da sucumbência.” a) Quem pode ajuizar ação popular? Qualquer cidadão (pessoa física, brasileiro ou português equiparado, no pleno exercício dos seus direitos políticos). Pessoa jurídica ou mesmo órgãos públicos, porque não são cidadãos, não podem ajuizar ação popular. Nesse sentido, a Súmula 365 do STF: “ Pessoa jurídica não tem legitimidade para propor ação popular.” b) Quais são os bens jurídicos protegidos nessa ação? Patrimônio público, patrimônio de entidade de que o Estado participe, moralidade administrativa, meio ambiente, patrimônio histórico e cultural. b) A ação é gratuita? Só se o autor estiver de boa-fé. Comprovada a má-fé, o autor terá de arcar com custas e ônus da sucumbência caso a ação seja julgada improcedente. 7. 129, III – AÇÃO CIVIL PÚBLICA (Lei 7347/85) – “São funções institucionais do Ministério Público: [...] promover o inquérito civil e a ação civil pública, para a proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e coletivos”.
38

Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr

72. São características do mandado de segurança: (a) proteção de direito líquido e certo, inclusive contra lei em tese, quando o abuso for cometido por autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do poder público; (b) proteção de direito líquido e certo, exceto contra lei em tese, quando o abuso for cometido por autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do poder público; (c) proteção ao direito líquido e certo de ir, vir e permanecer, quando o abuso for cometido por autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do poder público; (d) proteção contra lesão de direito líquido e certo, exceto contra lei em tese. 73. Assinale a alternativa incorreta (Último Exame 2004): (a) o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por partido político, desde que com representação no Congresso Nacional; (b) o mandado de segurança pode ser impetrado, em sua faceta coletiva, por qualquer associação, bastando estar legalmente constituída, em defesa dos interesses de seus associados; (c) o mandado de segurança tem por escopo proteger direito líquido e certo em face de dano potencial ou já consumado; (d) o mandado de segurança tem como destinatário (impetrado) necessariamente uma ‘autoridade pública’, ou quem lhe faça as vezes, no exercício de atribuições do poder público. 74. Assinale a alternativa incorreta (1º Exame 2005): (a) o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por qualquer entidade de classe, desde que legalmente constituída, em defesa dos interesses de seus membros ou associados; (b) qualquer cidadão é parte legítima para propor ação popular que vise anular ato lesivo ao patrimônio público; © conceder-se-á habeas data para assegurar o conhecimento de informações relativas à pessoa do impetrante, constantes de registros ou bancos de dados de entidades governamentais ou de caráter público; (d) conceder-se-á mandado de injunção sempre que a falta de norma regulamentadora torne inviável o exercício dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania. 75. (1º Exame 2006) (a) conceder-se-á habeas data para assegurar o conhecimento de informações relativas à pessoa do impetrante, constantes de registros ou bancos de dados de caráter público, de pessoas jurídicas de direito público ou de direito privado. (verdadeira) (b) conceder-se-á habeas corpus sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção, por abuso de
39

salvo se comprovada a má-fé do autor. 78. Sobre a ação popular. isento de custas judiciais e do ônus da sucumbência. (d) o habeas data não pode ser impetrado por pessoa jurídica. 40 . (c) são gratuitas as ações de habeas corpus e habeas data. até mesmo. por qualquer motivo. © o mandado de injunção tem como pressuposto a existência de norma regulamentar. para anular ato lesivo ao patrimônio público. Marque a alternativa INCORRETA: (a) o julgamento e a concessão de mandado de injunção cabem exclusivamente ao Supremo Tribunal Federal. ficando o autor. 79. ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural. apenas ao final do processo e antes da sentença. (falsa) (d) a ação popular poderá ser proposta por qualquer um com vistas à anulação de ato lesivo ao patrimônio público. salvo comprovada má-fé. (d) afasta o ônus da sucumbência. Sobre as ações constitucionais. é correto afirmar: (a) a ação popular proposta pelo Ministério Público visa anular ato lesivo ao patrimônio público ou de entidade que o Estado participe. (c) serve. sofrer ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção. exclusivamente. (b) o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por organização sindical em funcionamento há pelo menos um ano. (falsa) 77. (falsa) 76. (b) o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por partido político em qualquer circunstância.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr poder praticado por autoridade pública ou. (b) sujeita sempre o autor ao pagamento de custas judiciais. à moralidade administrativa. (falsa) (b) conceder-se-á habeas data para a retificação de dados do impetrante. (d) O STF não tem competência originária para julgar mandado de segurança aforado contra ato do Procurador-Geral da República. Assinale a alternativa correta (3º Exame 2006 e 1º Exame 2007): (a) qualquer brasileiro pode propor ação popular. quando constante de registro ou banco de dados de entidades de caráter público. à moralidade administrativa e ao meio ambiente. assinale a alternativa correta (OAB última 2004): (a) pode ser proposta até mesmo por um condenado no cumprimento da pena de prisão. desde que também atentatório à moralidade administrativa. 80. (verdadeira) (c) o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por qualquer associação na defesa dos interesses de seus associados. Assinale a alternativa CORRETA (2º Exame 2006): (a) conceder-se-á habeas corpus sempre que alguém. por particular.

(d) A ação popular. para que se possa obter do Instituto de Identificação da Polícia Civil ou de órgão congênere a anotação do arquivamento.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (b) o habeas data é o remédio constitucional indicado em inquérito policial que resultou arquivado. 41 . (c) Não é cabível habeas data para que pessoas já indiciadas ou sob investigação em inquérito policial possam obter informações da autoridade policial sobre as diligências que digam ou possam dizer respeito a elas. o mandado de injunção e o habeas data só poderão ser ajuizados através de advogado.

§4º. eficiência.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr AULA (5) 8. competência. publicidade. Art. Art. chefia e assessoramento. legalidade. Aposentadoria e revisão de proventos. (c) três anos de efetivo exercício. V – as funções de confiança. São estáveis após 3 (três) anos de efetivo exercício os servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público. (b) dois anos de efetivo exercício. ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração. A Administração Pública obedecerá os princípios constitucionais da: (a) moralidade. impessoalidade. legalidade e honestidade. Aplicabilidade das normas constitucionais aos servidores em geral. REGIME CONSTITUCIONAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS. (c) legalidade. destinam-se apenas às atribuições de direção. na carreira. eficiência e poder de polícia. de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego. (b) moralidade. Os servidores públicos nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público são estáveis após: (a) um ano de efetivo exercício. 81. III – o prazo de validade do concurso será de até dois anos. 37 I I – a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos. a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos. na forma prevista em lei. (d) moralidade. IX – a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a 42 . (d) cinco anos de efetivo exercício. VII – o direito de greve será exercido nos termos e nos limites definidos em lei específica. moralidade. Estabilidade e efetividade. é obrigatória a avaliação especial de desempenho por comissão instituída para essa finalidade. IV – durante o prazo improrrogável previsto no edital de convocação. condições e percentuais mínimos previstos em lei. e os cargos em comissão. exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo. por igual período. sigilo fiscal e bancário. 41. VI – é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação sindical. Acumulação. impessoalidade e da legalidade. prorrogável uma vez. publicidade. 82. Classificação dos cargos públicos. aquele aprovado em concurso público de provas e títulos será convocado com prioridade sobre novos concursados para assumir cargo ou emprego. Como condição para a aquisição da estabilidade.

aquele aprovado em concurso público de provas. estendendo-se também à investidura em empregos públicos. observado em qualquer caso o disposto no inciso XI: a) a de dois cargos de professor. (c) não podem acumular cargos ou empregos públicos em hipótese alguma. associar-se a sindicatos. em qualquer hipótese. © durante o prazo improrrogável previsto no edital de convocação. §10. emprego ou função pública. 84. 83. nessa qualidade. alcançando os funcionários e empregados de autarquias. tantas vezes quanto necessário para o preenchimento dos cargos ou empregos disponíveis. (b) o prazo de validade do concurso público será de até 2 (dois) anos. ressalvados os cargos acumuláveis na forma desta Constituição. técnico ou científico. desde que o referido cargo seja declarado em lei de livre nomeação e exoneração. sociedades de economia mista e fundações mantidas pelo Poder Público. os servidores públicos: (a) não dependem de concurso público para investidura em cargo em comissão. podendo ser prorrogado por igual período. 43 . empresas públicas. é falso afirmar que: (a) a exigência constitucional de concurso público de provas ou de provas e títulos não fica restrita ao preenchimento de cargos da administração. (b) a proibição constitucional de acumulação de cargos públicos compreende também a acumulação de funções públicas. 85. À propósito do regime constitucional dos servidores públicos. será convocado com prioridade sobre os novos concursados para assumir cargo ou emprego. No regime da Constituição Brasileira de 1988. b) a de um cargo de professor com outro. a não ser que os novos concursados tenham atingido notas superiores aos aprovados no concurso público anterior. Assinale a alternativa correta (Último Exame 2004 e 2º Exame 2005): (a) a nomeação para cargo em comissão independe de aprovação prévia em concurso público. na carreira. c) a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde. independente de culpa. pratiquem. (d) o direito de greve dos servidores públicos será exercido nos termos e nos limites definidos em lei ordinária. XII – os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário não poderão ser superiores ao pagos pelo Poder Executivo XVI – é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos. (d) não podem. com profissões regulamentadas. ou de provas e títulos.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr necessidade temporária de excepcional interesse público. É vedada a percepção simultânea de proventos de aposentadoria decorrentes do artigo 40 ou dos artigos 42 e 142 com a remuneração de cargo. exceto quando houver compatibilidade de horários. os cargos eletivos e os cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e exoneração. (b) são responsáveis pessoalmente pelos atos que.

não obstante sua absolvição no processo criminal referente a esse mesmo c r i m e . sempre. IX. (b) a Constituição Federal autoriza a acumulação remunerada de 2 (dois) cargos públicos privativos de profissionais de saúde. Assinale a alternativa correta: (a) é vedada.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (c) o servidor público que tenha praticado crime contra a administração. poderá ser demitido após responder a processo disciplinar. a acumulação remunerada de cargos públicos. (b) os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Executivo. (c) a vedação de acumulação remunerada de cargos públicos estende-se a empregos e funções. 87. 86. Assinale a alternativa incorreta: (Último Exame 2004) (a) a Constituição Federal admite a contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público. Sobre o regime constitucional dos servidores públicos. o teto remuneratório estabelecido no texto constitucional. (d) dispondo o art. mesmo que estável. exceto quando prestado o serviço para entes públicos distintos. (c) é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos. 88. exceto em alguns casos expressamente elencados na Constituição da República. na forma da lei. e desde que haja compatibilidade de horários. emprego ou função 44 . mesmo que exercidas em subsidiárias de sociedades de economia mista ou sociedades controladas direta ou indiretamente pelo poder público. (c) é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos. (d) aos servidores que foram titulares de cargos efetivos é vedada a percepção simultânea de proventos de aposentadoria com a remuneração de cargo. d e v i d a a o reconhecimento de causa de isenção de culpabilidade. empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei. uma vez presentes os requisitos do citado dispositivo constitucional. desde que ocorra compatibilidade de horários e se trate de profissão regulamentada. a administração pública poderá dispensar a realização de concurso público. técnico ou científico. (d) todas as alternativas estão incorretas. assim como aos estrangeiros. em qualquer hipótese. observado. (b) é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos. (d) os cargos. exceto quando houver compatibilidade de horários para o exercício de um cargo de professor com outro. desde que isso seja previsto expressamente na lei do orçamento. da CF que ‘a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público’. assinale a alternativa INCORRETA (1 Exame 2007 – Prova de Direito Administrativo): (a) a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público. 37.

moléstia profissional ou doença grave. porque a Constituição Federal prevê que a perda do cargo público depende de decisão judicial transitada em julgado. na forma de lei complementar. Assinale a alternativa correta: (a) a Constituição Federal atribui estabilidade após 2 (dois) anos de efetivo exercício aos servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público. (c) O servidor público estável não perderá o cargo mediante processo administrativo. (b) a Constituição Federal prevê que o servidor público estável perderá o cargo em virtude de sentença judicial transitada em julgado ou decisão judicial sujeita ao duplo grau de jurisdição. Art. assegurada ampla defesa. “Aos servidores titulares de cargos efetivos da União. 41. (b) A fixação dos padrões de vencimentos dos servidores públicos observará a complexidade dos cargos componentes de cada carreira. observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial e o disposto neste artigo. sendo os proventos proporcionais ao tempo de contribuição. dos Estados. O servidor público estável só perderá o cargo: I – em virtude de sentença judicial transitada em julgado. calculados os seus proventos a partir dos valores fixados na forma dos §§3º e 17: I – por invalidez permanente. 90. CF. Assinale a alternativa correta (Verificar 37. contagiosa ou incurável. incluídas suas autarquias e fundações. exceto se decorrente de acidente em serviço. I I – compulsoriamente. mesmo que lhe seja assegurada a ampla defesa. dos servidores ativos e inativos e dos pensionistas. na forma de lei complementar. 40. §1º. do Distrito Federal e dos Municípios. Os servidores abrangidos pelo regime de previdência de que trata este artigo serão aposentados. III – mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr pública. Art. II – mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa. na forma da lei. aos setenta anos de idade. assegurada ampla defesa. com proventos proporcionais ao tempo de contribuição. X e 39. (d) A Constituição Federal prevê que o servidor público estável perderá o cargo mediante processo de avaliação periódica de desempenho. 45 . (c) A fixação dos padrões de vencimentos dos servidores públicos não observará o grau de responsabilidade dos cargos componentes de cada carreira. mesmo nas hipóteses de cargos acumuláveis previstos pela Constituição Federal. (d) A fixação dos padrões de vencimentos dos servidores públicos independe dos requisitos para a investidura. mediante contribuição do respectivo ente público. é assegurado regime de previdência de caráter contributivo e solidário. 89. §1º): (a) A alteração dos subsídios do detentor de mandato eletivo independe de lei específica. §1º.

de dois cargos técnicos ou científicos. (c) o teto constitucional de remuneração aos ocupantes de cargos públicos há de ser considerado como limite mesmo quando o titular possuir vantagem pessoal de caráter indenizatório. (d) a União. Com relação à aposentadoria dos servidores públicos civis da União. pelos servidores ativos. integrado por representantes designados pelos servidores. exceto quando houver compatibilidade de horários. se homem. e sessenta anos de idade. (b) serão aposentados. se mulher. com proventos proporcionais ao tempo de contribuição. o Distrito Federal e os Municípios instituirão conselho de política de administração e remuneração de pessoal. 91. 92. (c) o regime de previdência dos servidores titulares de cargos públicos dos Municípios observará critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial. compulsoriamente. se homem. 93. por exemplo. (b) é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos. com proventos proporcionais ao tempo de contribuição. observado o teto constitucional estipulado e quando se tratar. (c) serão aposentados. estadual ou municipal será computado integralmente para os efeitos de aposentadoria e disponibilidade. aos setenta anos de idade. 46 . voluntariamente. Assinale a alternativa INCORRETA: (1º Exame 2006) (a) aos servidores da União titulares de cargos efetivos é assegurado regime de previdência de caráter contributivo e solidário. compulsoriamente. aos setenta anos de idade. desde que cumprido tempo mínimo de dez anos de efetivo exercício no serviço público e cinco anos no cargo efetivo em qu e s e d a r á a aposentadoria. observadas as seguintes condições: a) sessenta anos de idade e trinta e cinco de contribuição. (d) o tempo de serviço público federal. inativos e pensionistas. aos trinta e cinco anos de serviço. se homem. com proventos proporcionais ao tempo de contribuição. (b) aos servidores dos Estados titulares de cargos efetivos é assegurado regime de previdência custeado pelo ente público.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr I I I – voluntariamente. Assinale a alternativa CORRETA (2º Exame 2006): ( a ) os servidores titulares de cargos efetivos da União serão aposentados compulsoriamente aos 70 (setenta) anos de idade. é correto afirmar que atualmente: (a) serão aposentados. (d) são estáveis os servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público após 2 (dois) anos de efetivo exercício. e cinqüenta e cinco anos de idade e trinta de contribuição. prevista em lei. se mulher com proventos integrais. com proventos proporcionais ao tempo de serviço. b) sessenta e cinco anos de idade. os Estados. e aos trinta.

5 9 . Função legislativa. desenvolver o sentido de uma lei para que ela possa ser fielmente executada pela Administração Pública. A função regulamentar tem natureza administrativa e não pode ser transferida para outras autoridades. sob pena de ilegalidade. F u n ç ã o executiva. pois é indelegável (84. resoluções (da Câmara dos Deputados. Função judiciária. apenas. jamais restringi-los. PODERES E FUNÇÕES ESTATAIS. Os atos secundários encontram seu fundamento de validade na lei e. IV. 94. © excepcionalmente. da CF). Os atos legislativos estão tipifica d o s ta x a ti v a m e n te n o a r t. leis delegadas. (b) o regulamento pode. d a CF : l ei s complementares. regulamentar. (c) A lei não pode tratar de matéria estritamente técnica eis que este campo está reservado ao plano dos regulamentos. Os atos administrativos são secundários. O regulamento é um ato administrativo de competência privativa dos Chefes do Poderes Executivos (Presidente da República. de forma originária. decretos legislativos (do Congresso Nacional). inc. Os atos legislativos são atos primários. 1. indiretamente.a. 95. Critérios de classificação. pode o Presidente da República editar regulamentos autônomos. leis ordinárias. Governadores e Prefeitos) expedido para completar. 47 . do Senado Federal ou do Congresso Nacional). Tripartição dos poderes. CF) O processo legislativo compreende a elaboração de atos legislativos. Não têm capacidade para inovar originariamente a ordem jurídica. Processo legislativo. PROCESSO LEGISLATIVO E ESPÉCIES LEGISLATIVAS (59.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr AULA (6) PROCESSO LEGISLATIVO 8. o ordenamento jurídico. (d) Os regulamentos no Brasil equiparam-se formalmente aos atos legislativos. (OAB agosto 2004) Assinale a alternativa correta: (a) O chefe do poder executivo não pode delegar o exercício da atividade regulamentar que lhe foi deferida constitucionalmente. medidas provisórias. (1º Exame 2005) Assinale a alternativa correta: (a) por ser manifestação do exercício da função administrativa. ampliar direitos. Espécies normativas. (b) Os regulamentos podem inovar. na Constituição Federal. o regulamento somente pode ser expedido pelas autoridades do Poder Executivo. Diferença entre atos legislativos (primários) e atos administrativos (secundários) – Os atos primários encontram seu fundamento de validade na própria Constituição Federal e têm capacidade para inovar originariamente a ordem jurídica. desde que posteriormente edite medida provisória com efeitos ex tunc. 1. mas tão-somente secundariamente (nos termos da lei).

1 SANÇÃO: é a aquiescência do Presidente da República. podendo alegar inconstitucionalidade do projeto ou sua contrariedade ao interesse público 3. ele se torna lei. Quando um projeto de lei é sancionado. CF) Ato de apresentação do projeto de lei. inciso. excepcionalmente. S U P E R Á V E L O U R E L A T I V O (porque o veto pode ser derrubado pelos deputados federais e senadores. numa sessão conjunta. CF) O projeto de lei será discutido e votado em cada Casa do Congresso Nacional.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (d) o regulamento deve. FASES DO PROCESSO LEGISLATIVO ORDINÁRIO: 1. buscar fundamento na lei e. separadamente. o seu consentimento.b. INICIATIVA (61. A s a n ç ã o p o d e s e r T O T A L o u PARCIAL. em ambas. DELIBERAÇÃO EXECUTIVA (66. 2. somente suprimir o que não aceita) 48 . O veto tem as seguintes características: 1. DELIBERAÇÃO PARLAMENTAR (65. A sanção é IRRETRATÁVEL. b. SUPRESSIVO (o Presidente não pode alterar o projeto de lei. em votação secreta) 5.2 VETO: é a negativa do Presidente da República em relação ao projeto de lei. 1. na própria Constituição Federal. TOTAL OU PARCIAL (mas o veto parci a l s o m e n t e a b r a n g e r á t e x t o integral de artigo. A s a n ç ã o p o d e s e r EXP RESSA o u TÁCITA. por maioria absoluta. como condição de validade. CF) b. EXPRESSO (por escrito no prazo fatal de quinze dias úteis a contar do recebimento do projeto de lei) 2. 1. 2. MOTIVADO OU FORMALIZADO: o Presidente deve justificá-lo. 3. e será considerado aprovado se obtiver. o voto favorável da maioria simples ou relativa (maioria dos presentes na sessão) 2b. CONSTITUTIVA 2a. parágrafo ou alínea) 4.

publica a lei ordinária determinando a sua remessa ao Diário Oficial da União. (d) a iniciativa das leis complementares e ordinárias cabe a qualquer membro ou Comissão da Câmara dos Deputados. Supremo Tribunal Federal ( 9 3 . CF) (Lei Orgânica Nacional do MP: Lei 8625/93) b . c a p u t . Presidente da República (61. (c) a iniciativa das leis complementares e ordinárias cabe a qualquer membro ou Comissão do Senado Federal. C F ) . §7º): O primeiro que deve promulgar a lei ordinária é o Presidente da República. Tribunais Superiores e Tribunais de Justiça (96. deputados federais. Presidente da República em se tratando da lei ordinária que fixa normas gerais para a organização do Ministério Público e Defensoria Pública dos Estados. Tribunal de Contas da União (73. a competência será do Presidente do Senado Federal e se ele também não o fizer em quarenta e oito horas.1. dos membros da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. CF) REGRA INICIATIVA PRIVATIVA OU EXCLUSIVA (só uma autoridade ou um órgão pode apresentar o projeto de lei ordinária ou complementar): a. §2º. b.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 6. a competência será do Vice-Presidente do Senado Federal. PROMULGAÇÃO (66. com não menos de três décimos por cento dos eleitores de cada um deles. Procurador-Geral da República (127. mas se ele não o fizer em quarenta e oito horas. d. 61. CF). senadores. porque tem duas alternativas incorretas. Comissão do Congresso Nacional. no mínimo. INICIATIVA COMUM OU CONCORRENTE (todos os legitimados podem apresentar o projeto de lei ordinária ou complementar. 96. cidadãos (iniciativa popular. CF). (61. Comissão do Senado Federal. (b) a Constituição da República de 1988 poderá ser emendada mediante proposta de um terço. §2º. * A questão foi anulada pela OAB. §1º + 165. CF) c. CF) a. CF) EXCEÇÃO: DEPENDE SEMPRE DE PREVISÃO EXPRESSA NA CF INICIATIVA FACULTADA (ou o Presidente ou o Procurador-Geral da República/ ou o Governador ou o Procurador-Geral de Justiça) 49 .INTEGRATIVA DE EFICÁCIA: a. PUBLICAÇÃO: quem promulga. §1º. salvo as matérias sujeitas à iniciativa privativa): Presidente da República. Comissão da Câmara dos Deputados. no mínimo. Distrito Federal e Territórios (61.caput. distribuído pelo menos por 5 (cinco) Estados. II. IRRETRATÁVEL 3. um por cento do eleitorado nacional. Assinale a alternativa INCORRETA (2º Exame 2006): (a) a iniciativa popular pode ser exercida pela apresentação ao Senado Federal de projeto de lei subscrito por.

Deputados iniciativa popular e Procurador-Geral da República: CASA INICIAL: Câmara dos Deputados CASA REVISORA: Senado Federal b) Quem tem o poder de apresentar emendas a um projeto de lei? 11 Somente os parlamentares na fase de discussão e votação do projeto de lei (fase de deliberação parlamentar). pelos parlamentares. 1177). CASA INICIAL: Senado Federal Supremo Tribunal Federal.. na Comissão mista (art. sobre os quais o Chefe do Poder Executivo pode propor modificações enquanto não iniciada a votação da parte que se quer alterar. Projeto de lei de iniciativa de senador. 166. Governador de Estado ou Procurador-Geral de J u s t i ç a e m s e t r a t a n d o d a lei complementar que estabelece a organização. atribuições e o estatuto do Ministério Público dos Estados (128. Presidente da República ou Procurador-Geral da República em se tratando da lei complementar que estabelece a organização. Atenção: esta proibição não se aplica em se tratando de emendas parlamentares à lei do 11 Emenda é a proposição apresentada. p. §5º.. Exceções: projetos de lei de natureza orçamentária. emendas de redação (sanar vício de linguagem. atribuições e o estatuto do Ministério Público da União (61. 4) Limites às emendas parlamentares: (4a) Limite expresso: a emenda parlamentar que não pode causar aumento da despesa prevista (63. dos Tribunais Federais ou do Ministério Público. §1º e 5º. Tribunais C A S A R E V I S O R A : C â m a r a d o s Superiores.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr a . Tribunal de Contas da União.. CF) EXCEÇÃO A INICIATIVA LEGISLATIVA DETERMINA A CASA INICIAL E CASA REVISORA: 1. §1º. (MORAES. §5º. da CF). Espécies de emendas parlamentares: supressivas (determinam a erradicação de qualquer parte da proposição inicial). incorreção de técnica legislativa ou lapso manifesto). Presidente da República. op. aditivas (acrescentam algo à proposição inicial). f e d e r a l . CF): projetos de lei de iniciativa exclusiva do Presidente da República e que verse sobre organização dos serviços administrativos da Câmara dos Deputados. 50 .. C o m i s s ã o d a C â m a r a dos Comissão do Senado Federal: Deputados. I e II. do Senado Federal. cit. modificativas (alteram a proposição sem modificar substancialmente). CF) (Lei Complementar 75/93) b. Projeto de lei de iniciativa de deputado 2. exclusivo dos parlamentares. d + 128. O poder de emendar é. como acessória de outra. com exclusividade. em regra. Constituição. c) Os parlamentares podem emendar projeto de lei de iniciativa privativa ou reservada? Sim.

230. (b) remetida ao Presidente da República para promulgação. 12 O art. CF). 165. b) em sentido contrário à proposição quando se trate de proposta de emenda à Constituição. (4b) Limite: o “vínculo de pertinência temática” ou “adequação temática” entre a emenda parlamentar e o projeto de lei: em se tratando de iniciativa privativa ou exclusiva decorre imediatamente do princípio da separação dos poderes (Adin 1835/SC). veto tácito. §§3º e 4º. 99. CF (estabelece que a lei orçamentária anual não conterá dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação da despesa. na próxima sessão legislativa. no direito brasileiro. Assinale a alternativa correta: (a) o Presidente da República não poderá vetar projeto de lei sob fundamento de contrariedade ao interesse público (b) o Presidente da República não pode solicitar urgência na apreciação de projetos de sua iniciativa porque pode lançar mão das medidas provisórias. rejeitado o veto presidencial em um projeto de lei pelo Congresso Nacional. (d) não há. (d) remetida ao Presidente para sanção e promulgação. Nossa Constituição Federal prevê que. 98. 51 . pode ter o vício sanado na hipótese de sanção presidencial posterior. a lei será: (a) promulgada pelo Vice-Presidente da República. na iniciativa comum decorre exclusivamente do Regimento Interno da Câmara e do Senado Federal. (e) arquivada. de inciso ou de alínea. projeto de lei ou de resolução. (c) sancionada e promulgada pelo Presidente do Congresso Nacional. (b) as medidas provisórias perderão eficácia. do Regimento Interno do Senado Federal estabelece: “Não se admitirá emenda: a) sem relação com a matéria da disposição que se pretenda emendar. novamente. ainda que por antecipação de receita). só podendo ser analisada.” Excepcionalmente. (166. (c) projeto de lei de iniciativa do Presidente da República. Sobre o processo legislativo. ou seja. a Constituição Federal exige a “adequação temática” no próprio projeto de lei. a exigência de que os artigos do projeto de lei versem sobre o mesmo tema. §8º. que teve seu processo legislativo deflagrado por senador. devendo o Senado Federal disciplinar as relações jurídicas dela decorrentes. a partir de sua publicação. desde a edição. é correto afirmar que: (a) a discussão e votação dos projetos de lei de iniciativa do Presidente da República terá início no Senado Federal. ressalvada a possibilidade de autorização para abertura de créditos suplementares e contratação de operações de crédito. de parágrafo.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr orçamento anual que indicarem a fonte dos recursos necessários (admitidos apenas os recursos decorrentes de anulação de outras despesas). se não forem convertidas em lei no prazo de trinta dias. (c) o projeto de lei delegada pode ser emendado pelo Congresso Nacional.12 97. o que acontece nas leis do orçamento: art. (d) é admitido o veto parcial no sistema brasileiro desde que incida sobre texto integral de artigo.

100.c. promulgação ou publicação presidencial). 62. mediante processo legislativo próprio. porque a sua aprovação depende do voto favorável da maioria absoluta dos deputados federais e senadores. bem como expedir decretos e regulamentos para sua fiel execução. aprovada por maioria simples ou relativa e promulgada e publicada pelo Presidente do Senado. 101. CF): apresentam tão-somente duas diferenças em relação às leis ordinárias: (1) no processo legislativo. © compete exclusivamente ao Congresso Nacional sustar os atos normativos do Poder Executivo que exorbitem do poder regulamentar ou dos limites da delegação legislativa. será discutida e votada em ambas as Casas.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 1. (1º Exame 2007) Assinale a alternativa incorreta: (a) é de competência exclusiva do Congresso Nacional aprovar o estado de defesa e a intervenção federal. 68. promulgados e publicados pelo Presidente do Senado enquanto Presidente do Congresso. mas sua aprovação. Se é uma resolução do Senado. da CF. da CF): são atos legislativos em que o Congresso Nacional formaliza suas competências privativas previstas no artigo 49. RESOLUÇÕES (Câmara dos Deputados – art. §3º. todos da CF): são atos legislativos em que o Poder Legislativo formaliza suas competências privativas. (b) compete privativamente ao Presidente da República fixar os seus subsídios. será discutida e votada somente na Câmara. aprovada por maioria simples ou relativa e promulgada e publicada pelo Presidente da Câmara. OUTRAS ESPÉCIES DE ATOS LEGISLATIVOS: 1. (verdadeira) 2. LEIS COMPLEMENTARES (69. ou do Congresso Nacional – art. Senado Federal – art. DECRETOS LEGISLATIVOS (CN – artigos 49 e 62. (d) compete privativamente ao Presidente da República sancionar. nesse processo legislativo. não há participação do Presidente da República. Não há. participação do Presidente da República . §2º. dentre outros e salvo exceções em relação ao seu conteúdo. porque a Constituição Federal reserva assuntos que somente poderão ser tratados por lei complementar. aos cidadãos. ou suspender qualquer uma dessas medidas. §3º. autorizar o estado de sítio. aprovada por maioria simples. da CF e no art. 51. são aprovador por maioria simples ou relativa. 52 . São discutidos e votados em ambas as Casas do Congresso. promulgar e fazer publicar as leis. (2) no aspecto material. exige maioria absoluta. Se é uma resolução da Câmara dos Deputados. (1º Exame 2006) A iniciativa das leis complementares cabe.não há iniciativa presidencial. Se é uma resolução do Congresso Nacional. promulgada e publicada pelo Presidente do Senado enquanto Presidente do Congresso Nacional. será discutida e votada somente no Senado. 52. 3. do VicePresidente e dos Ministros de Estado. sanção ou veto.

e. o Congresso Nacional discutirá e votará o projeto de lei delegada. Planos plurianuais. quando o Congresso Nacional rejeita e arquiva o projeto de lei delegada. exige. C F ) : t r a t a-s e d e u m c o n t r o l e d e constitucionalidade político repressivo.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 4. §2º. 68) b. LIMITES MATERIAIS EXPRESSOS OU MATÉRIAS QUE NÃO PODEM SER OBJETO DE LEI DELEGADA (68. 68) 2. O “veto parlamentar”: ocorre na delegação atípica. 68) 4. Delegação atípica ou imprópria (art. I a III. o Presidente da República a editar lei delegada sobre um assunto. §3º. d. Legislação sobre organização do Poder Judiciário e do Ministério Público. mas não poderá apresentar emendas parlamentares (aliás. X . políticos e eleitorais (II. a carreira e a garantia de seus membros (I. CF) 1. Nacionalidade. ou o Congresso aprova o projeto de lei delegada que. 68. FUNÇÃO LEGISLATIVA ATÍPICA DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA e PRINCÍPIO DA SEPARAÇÃO DE PODERES (2º. retorne ao Congresso Nacional para ser discutido e votado. Delegação típica (art. CF): leis delegadas e medidas provisórias 4a. Atos de competência exclusiva do Congresso Nacional. Nessa situação. automaticamente. §1º. depois de elaborado pelo Presidente da República. 68) 3. trata-se de única hipótese. se transforma em lei delegada. 68. na resolução. a. 4 9 . direitos individuais. diretrizes orçamentárias e orçamentos (III. não passa pela fase da sanção ou veto. 68) 5. Note-se que o projeto de lei delegada. CF): o Presidente da República pede ao Congresso Nacional que este lhe transfira competência para legislar sobre determinado assunto. o Presidente elabora uma lei delegada. em que a CF proíbe a apresentação de emendas parlamentares ao projeto de lei). de competência privativa da Câmara dos Deputados ou do Senado Federal (§1º. num processo legislativo. A competência do Congresso Nacional de sustar a lei delegada que exorbita dos limites da delegação legislativa (a r t . ou o Congresso rejeita o projeto de lei delegada que será arquivado. cidadania. Assim. CF): o Presidente da República pede ao Congresso Nacional que lhe transfira competência legislativa sobre matéria específica. Caso autorizado pelo Congresso. Matéria reservada à lei complementar (§1º. c. O Presidente elabora a lei delegada. CF): Quando o Congresso Nacional transfere ao Presidente o exercício da competência legislativa. O Congresso Nacional autoriza. seguindo para promulgação e publicação pelo Presidente da República. justamente porque não pode sofrer emendas parlamentares. LEIS DELEGADAS (68. que o projeto de lei delegada. mediante resolução. porque o Congresso retira a eficácia de uma 53 .

(verdadeira) (b) Veto parlamentar é aquele exercido pelo poder legislativo para impor ao Presidente da República o afastamento de um ministro de Estado. (falsa) 105. (b) a lei delegada delega aos Ministros do Supremo Tribunal Federal o controle de constitucionalidade das leis.b MEDIDAS PROVISÓRIAS (62. 68) 2.1) Vedações similares àqueles previstos para a edição de lei delegada: 1. compete exclusivamente ao Congresso Nacional (2002): (a) Argüir a inconstitucionalidade do ato.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr lei delegada inconstitucional. 62) (= I. c. Matéria relativa à nacionalidade. quanto na delegação atípica. Assinale a alternativa correta (1º Semestre – 2004): (a) a lei delegada é elaborada pelo Presidente da República mediante delegação congressual. §1º. somente nas hipóteses em que a resolução delegante prevê a apreciação do projeto pelo Congresso Nacional. (2º Semestre – 2004) (a) Veto parlamentar pode ocorrer. diretrizes orçamentárias. Organização do Poder Judiciário e do Ministério Público. (b) Extinguir o poder regulamentar. a carreira e a garantia de seus membros (I. orçamento e créditos adicionais e suplementares. (d) Emendar o ato. Diante de ato normativo que exorbite do poder regulamentar ou dos limites de delegação do legislativo. 68) 3. ressalvado o disposto no 167. §1º. (falsa) 104. partidos políticos e direito eleitoral (I. 32/2001): (c. 62) – (similar ao II. a. planos plurianuais. 2. LIMITES MATERIAIS ou matérias que não podem ser objeto de medida provisória (acrescentado pela Emenda Constitucional n. (d) a lei delegada delega poderes excepcionais aos Ministros de Estado. Esta competência do Congresso pode ser exercida tanto na delegação típica. (c) a lei delegada pode dispor sobre matéria de lei ordinária ou de lei complementar. cidadania. Natureza jurídica e pressupostos constitucionais para sua edição: a medida provisória tem força de lei e pode ser editada pelo Presidente da República se estiverem presentes os pressupostos de relevância e urgência. §1º. 168) (exceção: para 54 . no caso das leis delegadas. §1º. mas dependem de ratificação pelo Congresso Nacional para sua válida entrada no ordenamento jurídico. 103. (c) Sustar o ato. a fim de enquadrá-lo nos limites da delegação legislativa. 102. CF. §1º. direitos políticos. 4. (1º Exame 2006) As leis delegadas são elaboradas pelo Presidente da República. §3º (similar ao III. de acordo com a redação da EC 32/01) 1.

de poupança popular ou de qualquer outro ativo financeiro (II. do art. regulamentar a exploração do serviço local de gás canalizado. art.1. de competência estadual (25. 4º.4) art. 106. (c. CF) 55 . ao direito processual penal e à organização do Ministério Público. (c) é vedada a edição de medida provisória que vise o seqüestro de bens e/ou de poupança popular. ao direito penal e à organização do Poder Judiciário. 57. (1º Exame 2006) Medida provisória é ato normativo de competência do Presidente da República. (falsa) 107. com força de lei. O art. mas que não pode tratar.3) A questão da medida provisória sobre direito tributário 1. (b) é vedada a edição de medida provisória sobre matéria relativa à cidadania. privativa do Senado ou da Câmara dos Deputados (c. 246. já disciplinada em projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional e pendente de sanção ou veto do Presidente da República (IV. inclusive. Assinale a alternativa INCORRETA (2º Exame 2006): (a) é vedada a edição de medida provisória sobre matéria relativa à nacionalidade. 68) 5. a ser adotado em situações de relevância e urgência. 6º e 7º do art. CF (acrescentado pela Emenda n. reservada à lei complementar (III. I. Faltou vedar medida provisória em matéria de competência exclusiva do Congresso Nacional. DURAÇÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA (§3º. 62 + §8º. (d) é vedada a edição de medida provisória sobre matéria já disciplinada em projeto de lei pendente de aprovação pelo Congresso Nacional. 62) 4. 6/95. processual penal e processual civil (b. na redação da Emenda 32/01) Vedada a adoção de medida provisória na regulamentação de artigo da Constituição cuja redação tenha sido alterada por meio de emenda promulgada entre 1º de janeiro de 1995. §1º. 62) 2. 62) 3. estabelecendo limites constitucionais.2) Vedações previstas exclusivamente para a medida provisória: 1. §2º) (c. 62. dentre outras matérias. d. de direito eleitoral.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr abertura de crédito extraordinário para atender despesas imprevisíveis e urgentes como as decorrentes de guerra. Procedimento: d. direito penal. que vise a detenção ou seqüestro de bens. até a promulgação desta emenda. 62) (= parte do §1º. comoção interna ou calamidade pública) 4. de direito penal e de direito tributário. §2º admite expres samente a instituição e majoração de impostos.

PODER LEGISLATIVO 1. pelo plenário de cada uma das Casas do Congresso Nacional) 2. §5º. §11. 2º da Emenda 32/2001: “As medidas provisórias editadas em data anterior à da publicação desta emenda continuam em vigor até que medida provisória ulterior as revogue explicitamente ou até deliberação definitiva do Congresso Nacional”. antes de serem apreciadas. 56 . 62. CASA INICIAL: Câmara dos Deputados 3. trancando a pauta da Casa que estiver sobre ela deliberando. b) No 45º dia. §9º. edita o decreto legislativo regulando as situações jurídicas constituídas durante a vigência da MP: a medida provisória perde eficácia desde a sua publicação (efeitos ex tunc) b. C F – “É vedada a reedição. §10.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 1. COMISSÃO MISTA (62. 62. REEDIÇÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA – a r t . Rejeição EXPRESSA ou perda de eficácia por decurso de prazo (art. Prorrogação automática da vigência: se não for concluída a votação no prazo inicial de sessenta dias. na mesma sessão legislativa. §8º e 9º. o Congresso não edita o decreto legislativo: a medida provisória perde eficácia desde a sua rejeição ou desde o momento em que perdeu vigência (efeitos ex nunc) 5. Após 60 dias. d. 6. do art. O art. em sessão separada. a medida provisória deverá ter seu prazo de vigência prorrogado. Após 60 dias. 62): 1. CF): a. o Congresso Nacional.2 Tramitação da medida provisória no Poder Legislativo (§5º. a) A contagem do prazo é ininterrupta? Não. de medida provisória que tenha sido rejeitada ou que tenha perdido sua eficácia por decurso de prazo”. se não tiver sido concluída a votação da MP: entra em regime de urgência. CF – Caberá à Comissão mista de deputados e senadores examinar as medidas provisórias e sobre elas emitir parecer. uma única vez. CF) O Poder Legislativo da União divide-se em duas Casas: Câmara dos Deputados (que representa o povo) e Senado Federal (que representa os Estados e o Distrito Federal). CF: A deliberação de cada uma das Casas do Congresso Nacional sobre o mérito das medidas provisórias dependerá de juízo prévio sobre o atendimento de seus pressupostos constitucionais) 4. CASA REVISORA: Senado Federal (62. Prazo inicial de vigência: 60 (sessenta) dias 2. por igual período (mais sessenta dias). A contagem é suspensa durante o recesso parlamentar (férias do Congresso Nacional). Bicameralismo do Poder Legislativo da União (44 a 46.

opiniões e votos que guardem pertinência temática com o exercício do mandato legislativo – ATOS FUNCIONAIS (c) Dentro ou fora do recinto parlamentar (d) Não afasta a responsabilidade disciplinar pelos excessos – “quebra de decoro parlamentar” (55. II. (b) imunidade processual: em relação ao processo penal tratando-se de crimes ocorridos após a diplomação a) Imunidade em relação à prisão (53. RE 210. o parlamentar não poderá ser processado por opiniões. o Supremo Tribunal Federal dará ciência à Casa 13 14 Informativo do STF n.917-RJ. CF) (e) eficácia temporal permanente ou absoluta: mesmo depois de extinto o mandato. palavras e votos”. 232.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr O bicameralismo é uma conseqüência da adoção do federalismo. Nesse caso. §2º a 5º): (a) imunidade em relação à prisão. os membros do Congresso Nacional não poderão ser presos.”14 (b) Palavras. INVIOLABILIDADE OU IMUNIDADE MATERIAL 13: (53. para que. 118. §3º) – “Recebida a denúncia contra o Senador ou Deputado. relacionados ao exercício das funções parlamentares. (a. civil e penalmente. salvo em fragrante de crime inafiançável.917-RJ. 2.2) Termo inicial e final: começa na diplomação e termina quando findar o mandato b) Imunidade em relação ao processo penal somente nos crimes ocorridos após a diplomação (53. Informativo do STF n. (a) Causa excludente penal e civil da ilicitude do fato: “A inviolabilidade parlamentar elide não apenas a criminalidade ou a imputabilidade criminal do parlamentar. mas também a sua responsabilidade civil por danos oriundos da manifestação coberta pela imunidade ou pela divulgação dela: é conclusão assente. na doutrina nacional e estrangeira.1) Abrangência: prisão penal e civil (a. os autos serão remetidos dentro de vinte e quatro horas à Casa respectiva. resolva sobre a prisão”. DJU 18. §2º) – “Desde a expedição do diploma. caput. 2. Relator: Ministro Sepúlveda Pertence. enquanto durou o mandato.6. por crime ocorrido após a diplomação. CF) – “Os deputados e senadores são invioláveis. IMUNIDADE FORMAL (53. por quantos se tem ocupado especificamente do tema. Relator: Ministro Celso de Mello. RE 210. por quaisquer de suas opiniões. 57 .01. palavras e votos proferidos. pelo voto da maioria de seus membros.

” 7. CF . que sejam incompatíveis com a execução da medida. Suspensão das imunidades no estado de sítio: 53. nos casos de atos praticados fora do recinto do Congresso Nacional. §1º) – “Os deputados e senadores. CF a ) G o z a m d e i m u n i d a d e m a t e r i a l e f o r m a l ? S i m . Não podem ser obrigados a testemunhar sobre informações recebidas ou prestadas em razão do mandato (53. desde a expedição do diploma. §6º. CF) – a incorporação. e ainda que militares. §5º): “A sustação do processo suspende a prescrição. §8º. enquanto durar o mandato” 3. mesmo em tempo de paz. por iniciativa de partido político nela representado e pelo voto da maioria de seus membros. §1º. até a decisão final. Imunidade em relação à incorporação às Forças Armadas (53. só podendo ser suspensas mediante o voto de dois terços dos membros da Casa respectiva. §7º. poderá.1) Termo inicial e final – eficácia temporal limitada: começa na diplomação e termina quando finda o mandato (b.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr respectiva. Senado Federal.“As imunidades dos deputados ou senadores subsistirão durante o estado de sítio. CF) 5. n a m e s m a extensão dos parlamentares federais.” (b. DEPUTADOS ESTADUAIS e DISTRITAIS: 27. sustar o andamento da ação. Prerrogativa de foro (53.2) Requisitos para a sustação do processo penal pela Casa parlamentar: (1) Momento da prática do crime: somente se o crime tiver sido cometido depois da diplomação (2)Termos para sustação do processo exclusivamente criminal: a Casa (Câmara dos Deputados se é um deputado federal. b) Prerrogativa de foro (implícita na Constituição Federal decorrente do princípio da simetria): 58 . serão submetidos a julgamento perante o Supremo Tribunal Federal” (a) Abrangência: “infrações penais comuns”: crime comum (inclusive crime doloso contra a vida). depende de licença da respectiva Casa 6. que. contravenção penal e crime eleitoral 4. se é um Senador) pode sustar o andamento de uma ação penal depois de recebida a denúncia e antes da decisão final (3) Pessoa competente para instaurar o processo de sustação: a própria Casa se houver pedido de partido político nela representado (4) Quórum qualificado para a sustação do processo penal: maioria absoluta dos membros da Casa (5) Prazo para o exerc ício da competência de sustação: 45 dias a partir do recebimento do pedido do partido político (trata-se de prazo improrrogável) (6) Suspensão da prescrição (53.

59 . 109. compõem o Poder Legislativo federal. distritais e vereadores. 3. os Estados-Membros e o Distrito Federal. CF) a) Gozam de imunidade material? Sim. representando no Congresso Nacional. CF) 108. VIII e IX. palavras e votos. Serão julgados pelo Tribunal do Júri. crimes eleitorais? Não tem prerrogativa de foro. (c) os deputados federais e senadores da república reprentando o povo. aplicável aos deputados federais e senadores estende-se aos deputados estaduais. representando os Estados-Membros e o Distrito Federal. somente se houver previsão expressa na Constituição Estadual. crimes de competência da Justiça Federal: Tribunal Regional Federal (inclusive os crimes dolosos contra a vida) 4. 38. compõem o Poder Legislativo federal. como não há dispositivo na nossa Constituição. crimes de competência da Justiça Estadual: Tribunal de Justiça (inclusive os crimes dolosos contra a vida) 2. crimes comuns de competência da justiça estadual que sejam dolosos contra a vida? Não tem prerrogativa de foro. crimes de competência da justiça federal? Não tem prerrogativa de foro. VEREADORES (29. (b) os deputados federais representando o povo e os senadores da república. 9. compõem o Poder Legislativo Federal. QUANDO O DETENTOR DE MANDATO ELETIVO É SERVIDOR PÚBLICO (art. (d) os deputados federais. os vereadores e os senadores. crimes eleitorais: Tribunal Regional Eleitoral 8. nos limites da circunscrição do município b) Gozam de imunidade formal: Não c ) G o z a m d e p r e r r o g a t i v a d e f o r o ? (S ú m u l a 7 2 1 d o S T F : “A competência constitucional do Tribunal do Júri prevalece sobre o foro por prerrogativa de função estabelecido exclusivamente pela Constituição Estadual”) 1. (b) a imunidade parlamentar material implica na não punição aos membros do legislativo pelas suas opiniões. compõem o Poder Legislativo federal. Assinale a alternativa falsa: (a) a imunidade parlamentar formal e material. 4. Quanto ao Poder Legislativo na CF de 1988 é correto afirmar que: (1º Semestre 2003) (a) os deputados federais e senadores da República são eleitos segundo o critério da proporcionalidade. 2. os deputados estaduais. No Paraná. eles não tem prerrogativa de foro. crimes comuns de competência da justiça estadual que não sejam dolosos contra a vida? No Tribunal de Justiça.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 1.

(1º Exame 2006) Os parlamentares. §3º. para que promova a responsabilidade civil ou criminal dos infratores.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (c) a imunidade parlamentar formal. (iv) respeito ao princípio federativo e às competências dos Poderes Legislativos locais. patrimonial. 5. a qual concretiza a exigência prévia de autorização da casa legislativa respectiva para o início da persecução penal. 4. possuem imunidade material. dispõe sobre garantias processuais dos parlamentares. (falsa) 2. ESPÉCIES DE FISCALIZAÇÃO 1. se for o caso. (ii) fatos definidos e relacionados ao Poder Público. (d) a imunidade parlamentar subsistirá durante o estado de sítio e o estado de defesa. 58. Amplitude do seu campo de atuação: fatos determinados. operacional. financeira e operacional – o Poder Legislativo exerce com o auxílio dos Tribunais de Contas 2. Requisitos formais para criação: requerimento de pelo menos um terço dos membros da Casa em que ela é criada 2. para a apuração de fato determinado e por prazo certo. PODERES – O QUE A CPI PODE FAZER: 60 . §3º. sendo suas conclusões. IX e X. (iii) o objeto da investigação tem de se relacionar com a competência legislativa ou fiscalizatória do Congresso não podendo adentrar na análise dos negócios privados Quando não estejam ligados com a gestão da coisa pública. serão criadas pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal.” 1. que terão poderes de investigação próprios das autoridades judiciais. em conjunto ou separadamente. além de outros previstos nos regimentos das respectivas Casas. o foro privilegiado e a remessa dos autos de prisão de deputados e senadores para a análise do plenário do parlamento. orçamentária. só podendo ser suspensa pelo voto de 2/3 dos membros da Casa respectiva. C F ) – Fiscalização contábil. ( 7 0 . CF). encaminhadas ao Ministério Público. Limites de seu poder investigatório: (i) poder de investigação é sinônimo de “poder de instrução processual penal” respeitando os mesmos limites constitucionais impostos ao Poder Judiciário (necessária fundamentação (exposição dos motivos de fato e de direito) de suas decisões (93. CF) – Fiscalização político-administrativa: o Poder Legislativo exerce por meio das Comissões Parlamentares de Inquérito. FUNÇÃO TÍPICA DO PODER LEGISLATIVO: FISCALIZAÇÃO a. Prazo certo: delimitado na sua extensão 3. respeito ao sigilo de determinadas informações). nos casos praticados fora do Congresso e incompatíveis com a execução da medida. (58. da Constituição Federal – “As Comissões Parlamentares de Inquérito. mediante requerimento de um terço de seus membros. atualmente. 110. o que não impede a apuração de fatos conexos ao principal ou o aditamento do objeto inicial da CPI ao longo da investigação. entre elas.

b. O QUE A CPI NÃO PODE FAZER (a) exercer o poder geral de cautela. aceitando somente os que já existiam antes da CF de 1988 (31. Tribunais de Contas (art. na fiscalização das contas do Poder Judiciário. atos administrativos do Poder Judiciário) (g) Ajuizar ação penal porque não detém poderes acusatórios (h) Julgar. ampla defesa e devido processo legal (c) (5º. CF) quebrar sigilo bancário. CF) 111. porque estes atos dependem de ordem judicial (b)(5º. prisão preventiva. no entanto. devendo respeito o direito ao contraditório. CF) quebrar o sigilo da comunicação telefônica (realizando interceptação telefônica) porque este ato depende de ordem judicial (f) (2º. CF) determinar qualquer ato que implique invasão domiciliar. abusivos. LIV e LV) proibir ou restringir a assistência jurídica dos investigados. indisponibilidade de bens. Os Tribunais de Contas Estaduais auxiliam as Assembléias Legislativas e as Câmaras Municipais. hipoteca judiciária. provas periciais. CF): são órgãos do Poder Legislativo e o auxiliam no controle externo. proibição de o investigado se ausentar do país ou da comarca. porque este ato depende de ordem judicial (com exceção da prisão em flagrante que pode ser decretada pela CPI) (d)(5º. 75. CF) investigar atos praticados pelo Poder Judiciário no exercício da função jurisdicional (podendo investigar. ou seja. seqüestro. condenando ou absolvendo porque não dispõem deste poder jurisdicional 7. determinar sua condução coercitiva se necessário. X. CF) ouvir testemunhas e investigados. CF) determinar prisão. §1º e §4º. como por exemplo. XII. O Tribunal de Contas da União auxilia o Congresso Nacional. determinar arresto. exames e requisição de documentos (d) determinar duas medidas cautelares: busca e apreensão (desde que não seja domiciliar) e busca pessoal (revistar a pessoa e seus pertences estando presentes os pressupostos do Código de Processo Penal) 6. A CF proíbe a criação de Tribunais e Conselhos de Contas municipais. fiscal e telefônico (b) (5ºLXIII. Assinale a alternativa incorreta (2º Exame 2004 e 2º Exame 2005): (a) as comissões parlamentares de inquérito – CPIs – não podem julgar ou condenar ninguém.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (a) (5º. Possibilidade de controle judicial dos atos das CPIs: Sim. porque este ato depende de ordem judicial (e) (5º. XI. Poder Executivo e particulares que gerenciam recursos públicos. LXI. intimá-los para comparecer. respeitando o direito ao silêncio (c) determinar a realização de provas lícitas (obtidas sem agressão à Constituição Federal) como. por exemplo. 61 . quando os atos das CPIs ameaçarem ou violarem direitos fundamentais. ou seja.

112. (b) encontra-se vedada. 115. unicamente. pois esta atribuição é exclusiva do Poder Judiciário. Os Tribunais de Contas são órgãos auxiliares do: (a) Poder Legislativo (b) Poder Executivo (c) Poder Judiciário (d) Nenhuma das alternativas anteriores. 62 . (d) as Comissões parlamentares de Inquérito estão constitucionalmente autorizadas a promover a responsabilização civil ou criminal dos infratores. assinale a alternativa correta: (1º Exame 2007) (a) somente as pessoas jurídicas de direito público prestarão contas ao Tribunal de Contas. Segundo o direito constitucional vigente. pois a ele compete julgar as contas dos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário.000 (duzentos mil) habitantes na localidade a ser beneficiada. Assinale a alternativa correta (1º Exame 2007): (a) as Comissões parlamentares de Inquérito estão constitucionalmente autorizadas a determinar a prisão preventiva dos infratores. (d) requer a prévia demonstração de população superior a 200. © as Comissões parlamentares de Inquérito estão constitucionalmente autorizadas a determinar a quebra do sigilo bancário. 114.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (b) a proporcionalidade partidária na composição de uma CPI não é necessariamente matemática. (d) o Tribunal de Contas jamais poderá sustar a execução de atos administrativos. a criação dos tribunais. (c) as decisões dos Tribunais de Contas de que resulte imputação de débito ou multa terão eficácia de título executivo. podem ser trancadas pela deliberação da maioria em plenário em vista do princípio majoritário que orienta o poder legislativo. pois possuem os mesmos poderes da autoridade judicial. embora possam ser abertas pelo requerimento de 1/3 da casa parlamentar. 113. (c) Comissão Parlamentar de Inquérito somente pode decretar prisão de testemunhas em se situação que tipifique flagrante delito. (b) o Tribunal de Contas é um órgão auxiliar do Poder Executivo. pois possuem os mesmos poderes investigatórios da autoridade policial. conselhos e órgãos de contas municipais: (a) reclama prévia inscrição no plano plurianual. (b) as Comissões parlamentares de Inquérito estão constitucionalmente autorizadas a solicitar o depoimento de qualquer autoridade ou cidadão. Sobre o Tribunal de Contas. (d) As CPIs. (c) exige aprovação de quorum de 2/3 dos membros do Parlamento. se verificada ilegalidade. nos termos da lei processual penal. pois possuem os mesmos poderes da autoridade judicial.

o exercício da função administrativa e. 117. (c) ao Poder Legislativo incumbe. (d) exerce função indelegável na medida em que o interesse público é inalienável. tipicamente. Sobre o Poder Legislativo é correto afirmar que: (a) exerce funções exclusivamente legislativas em face do princípio da autonomia entre os Poderes. atipicamente. tipicamente. 63 . o exercício da função legislativa e. o exercício das funções executiva e legislativa.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 116. o exercício da função legislativa. atos judiciais. Assinale a alternativa INCORRETA (2º Exame 2006): (a) ao Poder Executivo incumbe. atipicamente. atipicamente. mas jamais atos administrativos. (b) além das funções legislativas pratica. (d) os Tribunais de Contas exercem função tipicamente jurisdicional. tipicamente. o exercício da função executiva. (b) ao Poder Judiciário incumbe. (c) as Comissões Parlamentares de Inquérito são manifestações do poder fiscalizatório do qual o Poder Legislativo também está imbuído. excepcionalmente. o exercício da função jurisdicional e.

CF + Lei 1079/50) 1 . 52. Q u a l q u e r c i d a d ã o denúncia: R e p ú b l i c a p o d e a j u i z a r exercendo o seu direito de a ç ã o p e n a l c o n t r a o petição pode reclamar à Presidente da República Câmara dos Deputados providências políticas para instauração do processo 3 . I. P o d e s e r u m c r i m e 1. c o n t r a v e n ç ã o administrativa penal ou crime eleitoral praticados no cargo ou em razão dele 2. JURISDICIONAL 5. O SISTEMA DE GOVERNO PRESIDENCIALISTA a) Competências privativas do Presidente da República (art. b. a Súmula 451. ainda que o inquérito ou a ação penal sejam iniciados após a cessação daquele exercício. I e parágrafo único. Câmara dos Deputados 3. CF) 2. b. CF ): Supremo Tribunal CF): Senado Federal Federal 5. I. do STF: “Cometido o crime durante o exercício funcional. I. I. processar e julgar (102. Câmara dos Deputados a u t o r i z a r a i n stauração por maioria de dois terços por maioria de dois terços do processo-crime – juízo de seus membros de seus membros de admissibilidade da acusação (51. I. I. instaurar o processo. Órgão competente para foro 15: receber a denúncia. POLÍTICO 15 Revogação da Súmula 394. 64 .” Prevalece. 102. P r o c u r a d o r -G e r a l d a 2 . instruir e julgá-lo (52. todavia. P r e r r o g a t i v a d e 4. C o n c e i t o e 1 . CF): prerrogativa de foro no Senado Federal RESPONSABILIDADE (jurídico-penal) do Presidente da República e do VicePresidente: INFRAÇÃO PENAL C R I M E S D E C O M U M ( in officio o u RESPONSABILIDADE propter officium) (85. CF): prerrogativa de foro no STF se for crime funcional b) crimes de responsabilidade (51. do STF: “A competência especial por prerrogativa de função não se estende ao crime cometido após a cessação definitiva do exercício funcional”. 84. Responsabilidade penal do Presidente da República a) crimes comuns (51. C o m p e t e n t e p a r a 3. CF): 4. Quem pode oferecer 2. I n f r a ç ã o p o l í t i c o abrangência: c o m u m .Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr PODER EXECUTIVO 1. Natureza do processo: 5. Órgão competente para 4. prevalece a competência especial por prerrogativa de função.

(15. Conseqüência da instauração do processo (86.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 6. (52. acessória ou são penas autônomas? S ã o p e n a s autônomas b) a r e n ú n c i a d e p o i s d a instauração do processo impede a continuidade do processo? Não. §1º. Conseqüência 6. CF): suspensão das funções presidenciais 7. Conseqüência do recebimento da denúncia (86. No julgamento por crime de responsabilidade do Presidente da República. I. 65 . Penas 8. (c) sob a presidência do Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). CF): penas de perda do cargo e inabilitação para o exercício de qualquer função pública por oito anos a) a p r i m e i r a p e n a é principal e a segunda. exercício de suas funções §2º. CF): pena prevista na lei + efeito da condenação: suspensão dos direitos políticos 6. 118. o Congresso julga o impeachment. N ã o c o n c l u s ã o d o 7. CF): suspensão das funções presidenciais 7 . §único. o Senado julga o impeachment. o Plenário do Senado julga o impeachment. (b) sob a presidência do Presidente da Câmara. O Presidente retorna ao exercício de suas funções 8. III. (d) sob a presidência do Presidente do STF no próprio STF. §1º. CF) 8. após aprovado o processo pela Câmara dos Deputados: (a) sob a presidência do Presidente do Congresso. II. O Presidente retorna ao processo em 180 dias (86.

3. ADCT) PODER CONSTITUINTE DERIVADO DECORRENTE (dos Estados-M e m b r o s p a r a e l a b o r a r e r e f o r m a r a s s u a s Constituições Estaduais e do Distrito Federal para elaborar e reformar a sua Lei Orgânica) 2. DESCENTRALIZAÇÃO POLÍTICA PREVISTA NUMA CONSTITUIÇÃO ESCRITA Os entes federados (União. Estados-Membros. C F ) R I G I D E Z C O N S T I T U C I O N A L + A F E D E R A Ç Ã O É CLÁUSULA PÉTREA b. os Estados confederados são soberanos 2. 66 . 1. os Estados federados são autônomos CONFEDERAÇÃO 1. Limites à autonomia. n ã o e x i s t e o d i r e i t o d e s e c e s s ã o . Autonomia municipal. (34 a 36. CF) INTERVENÇÃO FEDERAL (da União nos Estados -Membros. FEDERAÇÃO 1. (60. Distrito Federal e Municípios localizados em Território Federal) e ESTADUAL (dos Estados-Membros em seus Municípios) 16 Segundo Michel TEMER.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr AULA (7) FEDERAÇÃO 5. existe o direito de secessão porque o pacto é indissolúvel a. Elementos de direito constitucional. § 4 º . Distrito Federal e Municípios) gozam de autonomia Política: b. ( 2 5 e 3 2 caput. I . CF e 11. CF) BICAMERALISMO DO PODER LEGISLATIVO DA UNIÃO (o Congresso Nacional se divide em Câmara dos Deputados e Senado Federal) c. Requisitos de caracterização da federação 16: a. Estado unitário e estado federal. CONTROLE JURISDICIONAL DE CONSTITUCIONALIDADE c. auto-organização e competência do estado-membro. O município em face das demais pessoas de direito público. São Paulo: Malheiros. 1. c . Discriminação da competência do Estado. ESTADO. o pacto federativo está formalizado 2. O Decreto n. Requisitos de manutenção da federação: a. A Constituição brasileira de 1891. o pacto confederativo está formalizado numa Constituição escrita num tratado internacional 3 . (44. de 15 de novembro de 1889: formalização da República e da Federação no Brasil.

(e) a Constituição como seu elemento criador. (b) a pluralidade de ordens jurídicas incidentes sobre um mesmo território. XIV). (2º Semestre . 2. 84. Distrito Federal e Municípios (pessoas jurídicas de Direito Público Interno) 2. (4) Cada território. os impostos municipais (art. (falsa) 67 . A Constituição Federal proíbe a divisão do Distrito Federal em Municípios. §3º): (1) lei complementar estadual + conjunto de Municípios limítrofes + finalidade de organização. (3) Governo sem “autonomia política” em Territórios com mais de cem mil habitantes: Governador nomeado pelo Presidente da República após aprovação do Senado Federal (art.OAB 2003) O Distrito Federal não é entidade federativa. 147. elege quatro Deputados Federais (45. XIII + 22. por essa razão. Justiça do Distrito Federal e Territórios organizada e mantida pela União (21. 120. os impostos estaduais e. XVII). Como é equiparado aos Estados e não pode ser dividido em Municípios. (c) o poder de auto-organização dos Estados-Membros. (5) Os Territórios Federais não tem autonomia financeira e. §2º) e podem ser divididos em Municípios (33. Quem são? União. CF 14 e 15. b) REGIÕES METROPOLITANAS. com a particularidade que o Poder Judiciário do Distrito Federal e Territórios é organizado e mantido pela União. §2º + 33): (1) autarquias territoriais com capacidade genérica (art. (d) a repartição de competências entre os entes federados prevista na Constituição Federal. eleição de Câmara Territorial com competência deliberativa. ADCT). O Estado Federal clássico não tem como característica essencial: (a) a autonomia dos municípios. c) REGIÕES EM DESENVOLVIMENTO (43. se o Território não for dividido em Municípios. exerce competências estaduais (quase todas) e municipais. compete à União. Atributo: soberania ENTES FEDERADOS 1. nem Município. §2º). AGLOMERAÇÕES URBANAS E MICROREGIÕES (25. §2º. independentemente do número de habitantes. planejamento e execução de funções públicas de interesse comum. Atributo: autonomia política PECULIARIDADE DO DISTRITO FEDERAL: Não é Estado-Membro. Estados-Membros. da CF). §1º). em Território Federal. Quem é? República Federativa do Brasil (pessoa jurídica de Direito Público Internacional) 2.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr ESTADO FEDERAL 1. 18. Quem não tem autonomia política? a) TERRITÓRIOS (18. (2) podem ser criados por lei complementar a partir de Estados Membros (18. Câmara Legislativa (composta por deputados distritais). Governador do Distrito Federal. A estrutura dos Poderes é semelhante a dos Estados. CF) 119.

dentro do período determinado por lei complementar federal. aglomerações urbanas e microregiões. (b) os Territórios Federais integram a União. (d) apenas os Estados podem ser divididos em Municípios. © apenas os Estados e os Territórios podem ser divididos em Municípios. §3º. apresentados e publicados na forma da lei. subdividir-se ou desmembrar-se para se anexarem a outros. (c) os Estados podem incorporar-se entre si. (b) apenas os Estados e o Distrito Federal podem ser divididos em Municípios. DELEGAR QUESTÕES ESPECÍFICAS 68 . transformação em Estado ou reintegração ao Estado de origem serão reguladas em lei complementar. instituir regiões metropolitanas. e dependerão de consulta prévia. 3. os Estados. às populações dos Municípios envolvidos. por lei complementar. REPARTIÇÃO CONSTITUCIONAL DE COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (MATERIAIS) COMPETÊNCIAS LEGISLATIVAS (FORMAIS) 1. o Distrito Federal e os Territórios podem ser divididos em Municípios.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 121. P R I V A T I V A S d a U N I Ã O ( 2 2 . todos autônomos. constituídas por agrupamentos de municípios limítrofes. os Territórios Federais e os Municípios. É possível aos Estados: (25. aglomerações urbanas e microrregiões constituídas por agrupamentos de municípios limítrofes. o Distrito Federal. (d) não é competência dos Estados e sim. EXCLUSIVAS da UNIÃO (21. CF) (a) mediante decreto. 123. a fusão e o desmembramento de Municípios far-se-ão por lei estadual. competência exclusiva dos Municípios que integrarão a região metropolitana a ser criada. (d) a criação. C F ) Indelegável Requisitos para delegação aos EstadosMembros e (ao Distrito Federal): a. a incorporação. CF) – 1 . competência exclusiva da União. LEI COMPLEMENTAR FEDERAL b. através de plebiscito. mediante plebiscito. nos termos da lei complementar. (c) não é competência dos Estados e sim. Assinale a alternativa correta: (3º Exame 2006) (a) os Estados. e sua criação. ou formarem novos Estados ou Territórios Federais. após divulgação dos Estudos de Viabilidade Municipal. (b) mediante lei complementar. 122. e do Congresso Nacional. mediante aprovação da população diretamente interessada. instituir regiões metropolitanas. Assinale a alternativa INCORRETA (2º Exame 2006): (a) a organização político-administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União.

Min.CF19 b. UNIÃO LEGISLA NORMAS GERAIS (24. CF) c.” Súmula 646 do Supremo Tribunal Federal: Ofende o princípio da livre concorrência lei municipal que impede a instalação de estabelecimentos comerciais do mesmo ramo em determinada área. Relator Ministro Carlos Velloso.2003. pelos Municípios.221-RJ. GUARDA MUNICIPAL (144. i l u m i n a ç ã o p ú b l i c a 17. s e r v i ç o s funerários18 2. 19 Súmula 645 do Supremo Tribunal Federal: “É competente o município para fixar o horário de funcionamento de estabelecimento comercial” e Súmula 419 do Supremo Tribunal Federal: “Os Municípios tem competência para regular o horário do comércio local. §8º. CF) 3.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr 2. IMPOSTOS MUNICIPAIS (156.10. SUPLETIVA DOS ESTADOSMEMBROS E DISTRITO FEDERAL (24. COMUM (CUMULATIVA OU PARALELA) ENTRE UNIÃO.2003). Informativo 324. MUNICÍPIOS: a. como detector de metais. D I S T R I T O FEDERAL E MUNICÍPIOS (23. CF) e.CF) b. CONCORRENTE (NÃO CUMULATIVA OU VERTICAL) ENTRE UNIÃO. ESTADOS-MEMBROS E DISTRITO FEDERAL (24. CF) (pressuposto: inércia do legislador federal. CF): a. §3º. ESTADOS-M E M B R O S .I. CF) 17 Súmula 670 do STF: “O serviço de iluminação pública não pode ser remunerado mediante taxa”. impor a estabelecimentos bancários a obrigação de instalarem portas eletrônicas. CF) d. III a IX. desde que não infrinjam leis estaduais ou federais válidas. (STF. 18 Decisão do STF na ADIN 1.§1º. 39/02 permitiu a instituição. possibilidade do exercício de competência legislativa plena temporária) 3. §2º. LEGISLAR SOBRE INTERESSE LOCAL 30. CF c.” 69 . travamento e retorno automático e vidros à prova de balas’. julgamento: 25.11. MUNICÍPIOS (30.” “O Município (e não a União) ‘é competente para. PLANO DIRETOR (182. ESTADOS-MEMBROS E DISTRITO FEDERAL EXERCEM COMPETÊNCIA SUPLEMENTAR (COMPLETAR A LEGISLAÇÃO FEDERAL PARA ADAPTÁ-LAS ÀS PECULIARIDADES LOCAIS) (24. SUPLEMENTAR A LEGISLAÇÃO FEDERAL E ESTADUAL NO QUE COUBER 30.II. CF): serviços públicos de interesse local: transporte coletivo intramunicipal. dispondo sobre segurança de sua população. de contribuição para custeio da prestação do serviço de iluminação pública que poderá ser cobrada na fatura de consumo de energia elétrica. Carlos Velloso. rel. Todavia. I a III. 9. RE 240406-RS. a Emenda Constitucional n.

(d) O Distrito Federal é dotado de todas as competências legislativas reservadas ao EstadoMembro. no sistema federativo brasileiro. §1º. CF) 5. Assinale a alternativa correta: (Abril 2004) (a) a Constituição Federal elenca. (c) Competência concorrente e competência comum são ambas inerentes à competência material. um rígido modelo horizont al de distribuição de competência legislativa. 4a . A superveniência de lei federal: SUSPENDE A LEGISLAÇÃO ESTADUAL OU DISTRITAL CONTRÁRIA (24. I a III. (b) Adotou-se. 125 e 126. uma lei federal. CF): o ESTADOS-MEMBROS: o que sobra que sobra das outras das outras 4a. (b) Competência exclusiva e competência privativa distinguem-se pela possibilidade de delegação inerente à segunda. CF) CF) 124. Assinale a alternativa correta: (Agosto 2004): (a) Competência privativa e competência exclusiva distinguem-se apenas pelos entes da federação aos quais se destinam. (d) todas as alternativas anteriores estão incorretas. todas) E MUNICIPAIS (32. também e por evidente. C F ) ESTADOS-MEMBROS (25. CF) 4.Competência enumerada (25.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr d. Assinale a alternativa correta (1º Exame .2005): (a) uma lei nacional é. §4º. 25. também e por evidente. RESERVADA OU REMANESCENTE 4 . uma lei municipal. (c) Nos termos da Constituição Brasileira. §1º. de forma precisa e expressa. 70 . §2º. § 1 º . uma lei estadual. a competência dos EstadosMembros e da União. R E S E R V A D A O U R E M A N E S C E N T E ( 2 5 . 126. © uma lei estadual é. §1º. 125. 155. CF) §3º. Competências enumeradas (18. D I S T R I T O F E D E R A L : EXERCE C O M P E T Ê N C I A S E S T A D U A I S COMPETÊNCIAS ESTADUAIS ( q u a s e (quase todas) E MUNICIPAIS (32. §4º. também e por evidente. DISTRITO FEDERAL: EXERCE 5 . (b) uma lei federal é. os municípios não dispõem de competência material específica.

(c) inexistindo lei federal sobre normas gerais. do Distrito Federal e dos Municípios. defesa civil e mobilização nacional. (d) é uma competência cumulativa residual. defesa aeroespacial. (1º Exame 2006) Assinale a alternativa INCORRETA: (a) a organização político-administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União.* (c) é competência comum da União. 131. todos autônomos. nos termos da Constituição da República. cultural. 128. dos Estados. (c) compete à União. quando se tratar de assunto de interesse local. 129. artístico. defesa marítima. (b) a competência da União para editar normas gerais exclui a competência suplementar dos Estados. 127. os Estados. o Distrito Federal e os Municípios. Assinale a alternativa INCORRETA (2º Exame 2006): (a) são reservadas aos Estados as competências que não lhes sejam vedadas pela Constituição da República. (d) são reservadas aos Estados as competências que não lhe sejam vedadas pela Constituição da República. (d) compete privativamente à União legislar sobre defesa territorial. (b) compete privativamente à União legislar sobre trânsito e transporte. 130. (b) é uma competência cumulativa de normas gerais. (c) é uma competência cumulativa suplementar. os Estados exercerão a competência legislativa plena. (b) compete aos Municípios suplementar a legislação federal e a estadual. (d) as atribuições para União e Estados são rigorosamente iguais.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (d) Competência suplementar é aquela atribuída à União no caso de os Estados-Membros e Municípios não legislarem sobre matérias locais. Assinale a alternativa correta: 71 . A competência concorrente dos Estados e do Distrito Federal: (a) é uma competência não cumulativa suplementar. Na distribuição constitucional de competência legislativa concorrente: (a) a União edita as normas suplementares e os Estados e o Distrito Federal as normas gerais. ao Distrito Federal e aos Municípios legislar concorrentemente sobre proteção ao patrimônio histórico. turístico e paisagístico. proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas. aos Estados.

sendo-lhes possível adotar. financeiro. águas e energia. econômico e urbanístico constitui competência concorrente da União.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (a) Os Estados-membros podem adotar. direito econômico e águas. 34. 132. (d) a organização administrativa e judiciária dos Territórios será regulada por decreto do Presidente da República. previdência social e direito econômico. econômico e urbanístico constitui competência concorrente dos Estados. assinale a alternativa correta: (3º Exame 2006) 72 . Assinale a alternativa CORRETA: (1º Exame 2006) (a) cabe aos Estados explorar diretamente. (d) compete privativamente à União legislar sobre águas. Sobre a guarda municipal. energia e trânsito. (c) compete privativamente à União legislar sobre trânsito. Estados e Distrito Federal. no âmbito do seu poder de conformação. (é a não aplicação na saúde e educação. por exemplo. podendo dar ensejo a representação para fins de intervenção federal. penitenciário. Assinale a alternativa correta: (3º Exame 2006) (a) compete privativamente à União legislar sobre direito econômico. penitenciário. penitenciário. inciso VII) (c) Os Estados-membros podem dispor sobre o sistema eleitoral. podendo ser editada medida provisória para a sua regulamentação. financeiro. (b) os Municípios reger-se-ão por lei orgânica. configura violação a princípio constitucional. (d) legislar sobre direito tributário. (c) ao Distrito Federal são atribuídas as competências legislativas reservadas aos Estados e Municípios. econômico e urbanístico constitui competência privativa da União. 133. penitenciário. (d) A competência legislativa concorrente disciplinada na Constituição Federal impõe que o Estado-membro somente atue supletivamente. 134. financeiro. o regime parlamentar de governo. financeiro. (b) compete privativamente à União legislar sobre previdência social. (b) A não aplicação. Assinale a alternativa correta: (1º Exame 2007) (a) legislar sobre direito tributário. ou mediante concessão. os serviços locais de gás canalizado. do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais. Município e Distrito Federal 135. (b) legislar sobre direito tributário. (c) legislar sobre direito tributário. na forma da lei. o sistema distrital misto nas eleições parlamentares estaduais e municipais. econômico e urbanístico constitui competência privativa dos Municípios. conforme art. pelo Estado-membro. votada em turno único e aprovada por dois terços dos membros da Câmara Municipal.

da CF e 83 a 94 do Código Tributário Nacional tratam da repartição de receitas. 73 . salvo motivo de força maior ou o (b) Estado deixar de entregar aos Municípios receitas tributárias fixadas nesta Constituição. da Lei Federal 4320/67: “A dívida fundada compreende os compromissos de exigibilidade superior a doze meses. 98. (d) o Município está constitucionalmente autorizado a criar guarda municipal com o objetivo de auxiliar na preservação da ordem pública no âmbito do seu território. contraídos para atender a desequilíbrio orçamentário ou financiamentos de obras e serviços públicos”) e artigos 29 a 42 da Lei Complementar n. dentro dos prazos estabelecidos em lei. limitado e condicionado c) Limites: ( 3 4 . (b) pode a guarda municipal. típica do federalismo cooperativo. V. Os artigos 157 a 162. INTERVENÇÃO FEDERAL a. I e II) 2. Defesa das finanças públicas (34. PODER CONSTITUINTE DERIVADO DECORRENTE (ou de terceiro grau) (artigos 25 e 32. o pagamento da dívida fundada. (c) a proteção dos bens. Sujeitos (ativo e passivo) b. C F ) – p r i n c í p i o s ( 2 5 a 2 8 . por mais de dois anos consecutivos. 4. CF) a) Titularidade e exercício: O titular é o povo dos Estados-Membros e do Distrito Federal. 101/2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal). PRESSUPOSTOS DE FUNDO OU MATERIAIS da intervenção federal nos Estados-Membros e Distrito Federal ESPONTÂNEA: O Presidente age de ofício e sua competência é discricionária 1. a. III) 3. Defesa da ordem pública (34. serviços e instalações do Município representa o escopo da guarda municipal. Quem exerce são as Assembléias Legislativas e a Câmara Legislativa do Distrito Federal b) Características: derivado decorrente. b)20 20 Se o Estado ou o Distrito Federal (a) suspenderem. Defesa da unidade nacional (34.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (a) a Constituição da República autoriza a criação de guarda municipal pelos municípios com o objetivo de suplementar eventual omissão do Estado em matéria de segurança pública. O conceito de dívida fundada é jurídico-legal (art. colaborar com a polícia civil na função de polícia judiciária. C F ) – princípios constitucionais constitucionais SENSÍVEIS: têm esse ESTABELECIDOS no m e p o r q u e a s u a v i o l a ç ã o p elo Estado-membro o u p e l o D i s t r i t o Federal pode desencadear o processo da intervenção federal 5. V I I . conforme a Constituição da República. constitucionalmente autorizada.

a amplitude. IV + 36. (2) o controle político do Congresso 21 Única modalidade de controle de constitucionalidade concreto concentrado no direito brasileiro. o prazo. VII + 36. IV + 36. I) b. se a medida bastar ao restabelecimento da normalidade (art. se aprová-la. recusa de cumprir lei federal ou violação de princípios constitucionais sensíveis pelo Estado-Membro ou pelo Distrito Federal: (1) o Presidente da República decreta a intervenção normativa. devendo especificar. 36. VI + 36. Do STF: recusa de execução de lei federal – representação interventiva ou ação de executoriedade de lei federal de legitimidade exclusiva do Procurador-Geral da República (34. mas sua competência é discricionária 1. III)21 c. da Intervenção provocada por solicitação e da provocada por requisição quando se trata de coação contra o Poder Judiciário: (1) o Presidente da República decreta a intervenção. Do STF. STJ ou TSE: descumprimento de ordem ou decisão judicial (34. PRESSUPOSTOS FORMAIS (procedimento) da INTERVENÇÃO FEDERAL: 1. A Lei 4337/64 (parcialmente recepcionada pela Constituição de 1988) regula o processo da representação interventiva. mas sua competência é vinculada 1. VI + 36. no decreto interventivo. (2) o Congresso Nacional deve realizar o controle político posterior da intervenção. 36. cessa a intervenção (art. §4º). ao lado da ação direta de inconstitucionalidade interventiva de ato municipal perante princípios indicados na Constituição Estadual. de competência originária do Tribunal de Justiça local. se couber. 74 . III. §§2º e 3º). porque somente suspende a execução do ato impugnado. POR SOLICITAÇÃO: garantir o livre exercício dos Poderes das unidades da federação: coação contra o Poder Executivo ou Poder Legislativo locais (34. D o S T F : v i o l a ç ã o a p r i n c í p i o s constitucionais sensíveis – representação interventiva ou ação direta de inconstitucionalidade interventiva de legitimidade exclusiva do Procurador-Geral da República (34. se reprovála. condições de execução e. I) PROVOCADA: O P r e s i d e n t e p r e c i s a s e r provocado. §1º). redação da Emenda 45/04) d. nomear um interventor (art. Procedimento da intervenção provocada por requisição quando há descumprimento de ordem ou decisão judicial. II) c. há continuidade. Procedimento da Intervenção Espontânea. Do STF: garantir o livre exercício do Poder Judiciário nas unidades da federação coação exercida contra o Poder Judiciário (34.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr PROVOCADA: O P r e s i d e n t e precisa ser provocado. 36. POR REQUISIÇÃO a. 2.

a) DECRETO INTERVENTIVO b) CONTROLE POLÍTICO POSTERIOR DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA PROVOCADA 2. por dois anos consecutivos. (c) não tiver sido aplicado o mínimo exigido da receita municipal na manutenção e desenvolvimento do ensino. DEFESA DAS FINANÇAS PÚBLICAS: suspensão do pagamento da d í v i d a f u n d a d a p o r d o i s a n o s consecutivos. a) DISPENSA DE CONTROLE POLÍTICO DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA (36. a dívida fundada. (b) integra as chamadas cláusulas pétreas. (c) não constando do rol das cláusulas pétreas. salvo motivo de força maior (35. 6. §3º): o decreto limita-se a suspender a execução do ato impugnado se bastar para o restabelecimento da normalidade 136. desafia mecanismo de proteção de feição exclusivamente política. exceto quando: (a) não forem prestadas contas devidas. Aponte a alternativa INCORRETA. (b) deixar de ser paga. ausência de prestação de contas (35. Sobre a autonomia municipal. dentre outros. é correto afirmar que: (a) é fenômeno meramente retórico na medida em que inexistem instrumentos jurídicos para sua proteção. na forma da lei. INTERVENÇÃO ESTADUAL a. Sujeito ativo (Estado-Membro) e passivo (Municípios pertencentes ao Estado) b. II). (d) a eleição do Prefeito e do Vice-Prefeito for anulada através de sentença judicial. 137. PRESSUPOSTOS FORMAIS ESPONTÂNEA: 1. não aplicação do mínimo da receita municipal na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde. PRESSUPOSTOS DE FUNDO c. 75 . sem motivo de força maior. pelo instituto da intervenção da União nos Estados. ordem ou decisão judicial.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr Nacional é dispensado. O Estado não intervirá em seus Municípios. sendo protegida juridicamente. I). POR REQUISIÇÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA para assegurar a observância de princípios indicados na Constituição Estadual ou para prover a execução de lei.

do percentual de receita exigido na Constituição. que especificará a amplitude. nomeará o interventor. Assinale a alternativa CORRETA: (1º Exame 2006) (a) a União poderá intervir nos Estados para assegurar a aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais. compreendida a proveniente de transferências. se couber. sem motivo de força maior. da legislação estadual. Assinale a alternativa incorreta: (3º Exame 2006) (a) o descumprimento de lei estadual pelo Estado configura causa de intervenção federal. (d) cessados os motivos da intervenção. (e) a intervenção direta da União nos Municípios que deixarem de prestar contas ao Tribunal de Contas do respectivo Estado. (b) a possibilidade de fiscalização abstrata da compatibilidade das leis municipais em relação à Constituição da República. o prazo e as condições de execução e que. (b) a não-aplicação pelo Estado na manutenção e desenvolvimento do ensino. (b) O Estado poderá intervir em seus Municípios quando deixar de ser paga. (d) a competência legislativa suplementar. É manifestação da autonomia constitucional consagrada aos Municípios: (a) a atribuição exclusiva de competências concorrentes com os demais entes federativos. (c) a criação de novos Municípios através de lei complementar federal. na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde. será submetido à apreciação do Câmara dos Deputados ou da Assembléia Legislativa do Estado. por 3 (três) anos consecutivos a dívida fundada. 138. 140. 76 . no prazo de 48 (quarenta e oito) horas. (c) o descumprimento pelo Estado de decisão judicial estadual configura causa de intervenção federal. (d) o desrespeito da autonomia municipal pelo Estado configura causa de intervenção federal. as autoridades afastadas somente voltarão aos seus cargos após determinação do Chefe do Poder Executivo respectivo. no que couber. configura causa de intervenção federal no Estado. 139.Professora Cibele Fernandes Dias Knoerr (d) é princípio sem efetividade porque a própria Constituição dispõe que os Municípios serão criados por lei estadual. (c) o decreto de intervenção.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful