Cheque - Resumo

CHEQUE

É uma ordem de pagamento, sempre à vista (ou seja, na data da apresentação deve ser liquidado), sacada contra um banco ou instituição financeira que seja reputada como tal, com suficiente provisão de fundos, pelo sacador em mão do sacado ou decorrente do contrato de abertura de crédito.
y É o título de crédito mais utilizado nas práticas mercantis atualmente - o Professor Fran Martins o considera um título de crédito impróprio porque não atende a todos os requisitos dos títulos, mas esse pensamento é minoritário.

1.

Diplomas Legais

O cheque é disciplinado pela Lei 7.357/85 e subsidiariamente pela Lei Uniforme do Cheque promulgada pelo Decreto 57.595/66, naquilo que não foi derrogada.

y Devemos observar, além dessas, todas as outras normas que regulam o cheque: tributárias, CDC, instruções do BACEN, etc. y De acordo com a Medida Provisória de 14/out/99, o extrato bancário de abertura de crédito é considerado como título de crédito.

2.

Requisitos - Art. 1o da Lei 7.357/85.

3.

Figuras Intervenientes

y EMITENTE - é a pessoa autorizada a emitir cheques sobre os fundos disponíveis, em virtude de um contrato (de abertura de conta corrente, depósito ou abertura de crédito) - é quem dá a ordem de pagamento para o sacado, após verificação de fundos, pagar - é, pois, o sacador da ordem. y SACADO - é o banco ou instituição financeira a ele equiparado, que detém os fundos à disposição do sacador. y BENEFICIÁRIO - é a pessoa a quem o sacado deve pagar a ordem emitida pelo sacador.

emitir cheque. Pressupostos da Emissão (Lei 7.EMITENTE . Espécies a) Quanto à circulação: a. 4o.é aquele em que o sacado deve reservar. b) c) o saldo exigível de conta corrente contratual. y O emitente deve ter fundos disponíveis em poder do sacado e estar autorizado a. § 2o . de conta-corrente ou de abertura de crédito ( = cheque especial). 4. 4o.1 . ou de depósito ou de abertura de crédito). em virtude de contrato expresso ou tácito. a soma proveniente dos dois. sob pena de não valer como cheque. 3o e 4o) y O cheque é emitido contra banco ou instituição financeira que lhe seja equiparada. y Art.AO PORTADOR (com valores de até R$ 100.CHEQUE VISADO . y Art. 5.1 .consideram-se fundos disponíveis: a) os créditos constantes de conta-corrente bancária não subordinados a termo (ou de C/C. arts. A infração desses preceitos não prejudica a validade do título como cheque. b) Quanto à forma: b.2 .NOMINATIVOS. em benefício do credor. a.y O EMITENTE é que se obriga com o BENEFICIÁRIO.Lei 7. sobre eles. y SACADO .357/85. art. quantia equivalente ao . da conta corrente do sacador.357/85.a existência de fundos disponíveis é verificada no momento da apresentação do cheque para pagamento. 7o .realizou com o banco um contrato de depósito.00). §1o .

CHEQUE ADMINISTRATIVO . durante o prazo de apresentação . de caixa ou bancário e é muito utilizado entre instituições financeiras. b.é aquele emitido contra a própria instituição financeira (que é a sacadora). entre os dois traços.CHEQUE CRUZADO . b. aplicando-se a ela as mesmas regras do Direito comum. da conta do correntista para o próprio banco. visto que. . endossar significa transferir a titularidade de seu título . no momento da emissão. É também denominado cheque de tesouraria. quando não traz a menção do beneficiário circula ao portador.é cheque escritural. normalmente nominativo. ficando a quantia à disposição do beneficiário legitimado. cujo montante é tranferido. apenas para ser contabilizado.2 .valor do cheque. e não para ser pago em dinheiro. Endosso O cheque tem a vocação de circular como título pela simples tradição. será possível a sua transmissão através de endosso.não é permitido o endosso ao sacado e. conceitualmente.CHEQUE PARA DEPÓSITO EM CONTA . O endosso somente poderá ser feito ao beneficiário do cheque ou a qualquer pessoa que tenha capacidade para recebe-lo.3 . existir a identificação do nome do banco). OBS: a doutrina tem o cheque cruzado pelo cheque para depósito em conta. b. É o cheque nominal. Caso o cheque contenha a cláusula não à ordem. o banco devolve. sua transferência poderá ser dificultada pois esta só se fará na forma de uma cessão ordinária de crédito.tem-se o cruzamento geral (entre os dois não há identificação) e o especial (quando. mesmo que esta cláusula não conste do título.esse tipo de cheque é visado pelo banco e não pode ser endossado. se feito. para a conta do correntista.é aquele em que se escreve transversalmente a expressão ³para ser creditado em conta´ . O endosso é meio de transmissão do cheque. 6.4 .destina-se a possibilitar a identificação da pessoa em favor de quem o cheque foi liquidado . Se o cheque visado não for apresentado dentro do prazo para a apresentação. quando contiver a cláusula à ordem. o montante reservado.

daí dizer-se que o ³pagamento de um cheque pode ser garantido.valerá apenas como quitação. O aval. Apresentação de Pagamento e Uso Indevido O prazo para apresentação do cheque na mesma praça é de 30 dias. como prova de que o pagamento da ordem foi feito pelo banco. § 1o e 29). Em praça diferente o prazo é de 60 dias.357/85. Quando o cheque é apresentado e não há provisão de fundos no prazo de apresentação. A exceção é feita quando durante o prazo para apresentação o sacador dispunha de fundos e o cheque não foi apresentado. O avalista se responsabiliza pelo pagamento do cheque e não pelo pagamento de uma certa pessoa (o avalizado). Aval Do mesmo modo que acontece com a letra de câmbio. 7. no todo ou em parte. . entende-se que ele foi dado na totalidade do cheque. isto é. 8. pois a prescrição só ocorre decorridos 6 meses a partir do prazo da última apresentação). assim como na letra de câmbio. Neste caso. não dispõe mais o portador da execução para receber o valor do título (mas isto não quer dizer que o cheque prescreveu. arts. O banco não tem nenhuma obrigação cambial. Se o aval não trouxer essa limitação. A Súmula 600 do STF prevê que ³cabe ação executiva contra o emitente e seus avalistas. A inobservância do prazo para a apresentação não acarreta a perda do direito de executar os endossantes e seus avalistas caso o cheque não tenha provisão de fundos. não podendo ficar subordinado à condição alguma é também nulo o endosso parcial. por um aval prestado por terceiro ou mesmo por signatário do título´. O aval constitui uma garantia suplementar do título. O endosso deve ser puro e simples. no cheque. ainda que não apresentado o cheque ao sacado no prazo legal. pode ser dado de forma total ou parcial. o cheque pode ser avalizado. o endosso e o aval parcial de sua parte (Lei 7. nem pode garanti-lo. desde que não prescrita a ação cambiária´. pois a lei proíbe o aceite. caracterizado está o crime previsto no art. não garante o pagamento do cheque. CP. 171. 18. 6o. Após o prazo o beneficiário apresenta o cheque e não encontra a provisão de fundos.

as partes deverão. se houver. 171. o direito de.(Direito do Consumidor . 2) Apresentado ao banco. No caso de falta de provisão de fundos e observada a boafé.Tutela): 3. além de suportar o ônus da sucumbência prosseguindo a execução pelo saldo remanescente. a jurisprudência tem um entendimento uniforme quanto a absolvição criminal do sacador. pois tal prática existe como alternativa de documentação de um crédito no interesse das partes que poderiam adotar outros títulos. CCF (Cadastro de Cheques sem Fundo). 3) Cabe indenização ao emitente pelo descumprimento da obrigação de não fazer (oral ou escrita) . 3. ou seja.: 1) Princípio que assenta na Teoria da Responsabilidade Contratual . honrar os seus acordos. 9. em particular com o pagamento da taxa de serviço de compensação bancária e demais encargos contratuais. Cheque Pós-datado Mesmo que a sua emissão seja de data posterior. mas.2) Não tendo provisão de fundos . sempre. . nos embargos.Se o emitente pagar o cheque antes da denúncia. deverá ser pago à vista pois a instituição desconhece o acordo e mesmo que tivesse ciência não estaria obrigada a respeitá-lo pois o contrato ³só faz lei entre as partes´.obrigação de não fazer em virtude de acordo firmado entre o emitente e o credor. cheque especial. embora a execução do título seja sempre cabível pois é título executivo extrajudicial. 4) CONCLUSÃO . após a denúncia o fato ficará tipificado como crime. exigir a redução proporcional do valor da cobrança para compensação dos prejuízos que sofreu. à vista. OBS. etc. aplicações. TELE-CHEQUE. etc.promovida a execução.indenização pela perda dos juros. o cheque é pagável na sua apresentação. terá. o consumidor.1) Tendo provisão de fundos . não ficará configurado o crime de estelionato (art. CP). além do pagamento sobre o dano moral sofrido pelo emitente pelo constrangimento de ter seu nome incluído no SERASA.

assinada pelo emitente. endossante e/ou avalista. y Contra os endossantes e seus avalistas se o cheque for apresentado em tempo hábil e a recusa do pagamento é comprovada pelo protesto ou por declaração do sacado. com a indicação do dia de apresentação. O prazo prescricional da ação contra os obrigados no cheque. se inicia a partir da expiração do prazo fixado para apresentação. acatá-lo como costume. Tira-se. Assim. O efeito do cheque é pro solvendo ( = o que deve ser pago). tendo força de lei pois estaria ferindo a lei do cheque que nos fala de uma ordem de pagamento à vista. 47): y Contra o emitente e seu avalista.: no intuito de solucionar controvérsias quanto à prática da emissão de cheques pós-datados. sem desconfigurar a natureza do título. por declaração escrita e datada por câmara de compensação. . Qualquer destas declarações previstas na lei dispensa o protesto e produz o mesmo efeito deste. mas o exercício da ação ao portador só prescreve decorridos 6 meses contados da expiração do prazo para apresentação. As partes podem pactuar efeito pro soluto ( = a título de pagamento. o protesto ³antes de extinto o prazo para apresentação´.a lei do cheque (Lei 7. que é contado tendo-se por base a data do cheque. O protesto deve ser feito antes de expirado o prazo para apresentação (30 ou 60 dias dependendo se é ou não na mesma praça). Os cheques pós-datados podem ser protestados pois são ordens de pagamento à vista. O protesto pode ser dispensado quando no cheque é aposta a cláusula ³sem protesto´ ou ³sem despesas´ ou outra equivalente. mas apenas para o Direito Cambial. quando é pago resolve-se a obrigação). deveria haver um entendimento no sentido de não se permitir a liquidação bancária com data posterior à da apresentação. resolve-se a questão de tal prática mercantil sem os constrangimentos que ela acarreta.OBS. 10. até a sua liquidação não extingue a obrigação a que se refere. Protesto y AÇÃO DE COBRANÇA . ao invés de ferir a lei. escrita e datada sobre o cheque. Assim.357/85) declara que ³o portador pode promover a execução do cheque´ (art. ou ainda. isto é. ou seja. onde não há possibilidade para o Direito Comercial. então.

CPC e o valor a receber é o da importância do cheque não pago. isto é. . alguns ou todos os coobrigados já que eles estão ligados pelo vínculo da solidariedade imposto por lei. 12. Repetição de Indébito). acrescida de juros moratórios. já não mais cambiariamente. contra o sacador ou endossantes que hajam feito lucros ilegítimos às suas custas. I. 10) e a permissão contida em seus arts.Também nos casos de insolvência comprovadamente declarada. 585.357/85. mas em ação comum. y AÇÃO REGRESSIVA (responsabilidade solidária dos coobrigados) . Não poderá agir contra os avalistas pois estes são sempre obrigados cambiários e. 51 . tal defesa pode ser apresentada com o intuito de liberar o réu do pagamento do cheque (Ação de Locupletamento Ilícito ou Indevido. o documento perde a sua natureza cambiária. ex. liquidação ou falência do emitente. Ação de Enriquecimento Indevido O portador que não exerceu a competente ação executiva (6 meses a partir da expiração do prazo de apresentação) no prazo legal. o que faculta ao portador agir contra um. 11. 51. 52 e 53 se referem a juros moratórios. ser proposta pelo réu (devedor) contra o autor. Lei 7. devidos pela falta de pagamento. tem o direito de agir.). y Art. contra o sacador ou endossantes.a responsabilidade desses coobrigados (endossantes e seus avalistas) é cambiariamente solidária.Lei 7. p. intervenção. prescrito o cheque. Se houver motivo para que a obrigação do emitente não seja cumprida em favor deste (réu ser credor do autor. também.a ação de enriquecimento pode. Rito da Execução O rito da ação do cheque é executivo e está regulado nos termos do art. taxa legal e das despesas que houver feito com o protesto. art.357/85 . A proibição da lei na cobrança de juros é com relação aos compensatórios (art.

Poderá o portador.também chamada simplesmente OPOSIÇÃO. OBS.O. .também chamada de CONTRA-ORDEM. entrar com uma ação ordinária de locupletamento cujo prazo prescricional é de 20 anos. Não precisa da previsão de fundos para revogar o cheque. 35) e Oposição ao Cheque Sustado (art. Tem que ser realizada durante o prazo de apresentação do cheque. furto. y A revogação não precisa ser motivada.). y OPOSIÇÃO OU CHEQUE SUSTADO . arts. y y y Tem que haver provisão de fundos. A ação de enriquecimento decorrente do não pagamento do cheque prescreve em 2 anos do dia em que se consumar a prescrição da ação de execução. renováveis até 5 anos da comunicação da oposição. 14. perda.. Não interposta a ação nos prazos acima mencionados. etc. Prescrição (Lei 7. contando-se a partir dos 6 meses contados da expiração do prazo para apresentação.357/85. 36) y y REVOGAÇÃO . perdendo o cheque a sua natureza cambiária.: Geralmente paga-se ao Banco dois reais por cada folha do cheque sustado durante 6 meses. 59 a 62) A ação de execução prescreve em 6 meses a contar da data em que expirou o prazo para a apresentação ou da data do protesto. A oposição precisa ser motivada (R. Revogação (art. alegando enriquecimento de outrem à sua custa (rito ordinário). y O prazo para revogação começa a contar após expirado o prazo da apresentação do cheque. prescreveu os direitos do portador à dita ação.13.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful