P. 1
Resumo Economia

Resumo Economia

|Views: 642|Likes:
Publicado poryyqiaumk

More info:

Published by: yyqiaumk on Jul 03, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/13/2012

pdf

text

original

1

Capítulo 1 – Dez Princípios de Economia

Economia: “aquele que administra o lar” Uma sociedade precisa tomar muitas decisões: precisa decidir que tarefas serão executadas e por quem. O gerenciamento de recursos da sociedade é importante porque estes são escassos. Escassez significa que a sociedade tem recursos limitados e, portanto, não pode produzir todos os bens e serviços que as pessoas desejam ter. Economia é o estudo de como a sociedade administra seus recursos escassos.

Como as pessoas tomam decisões Uma economia é um grupo de pessoas que interagem umas com as outras enquanto levam sua vida. Princípio 1 – As pessoas enfrentam tradeoffs Para conseguirmos algo que queremos, geralmente precisamos abri mão de outra coisa que gostamos. A tomada de decisões exige escolher um objetivo em detrimento de outro. Tradeoff clássico I: “armas e manteiga” – quanto mais gastamos em defesa nacional (armas) para proteger nossas fronteiras de agressores estrangeiros, menos podemos gastar com bens de consumo (manteiga) para elevar nosso padrão de vida interno. Tradeoff clássico II: meio ambiente sem poluição e um alto nível de renda – as leis que exigem que as empresas reduzam a poluição elevam o custo de produção de bens e serviços. Custos mais elevados = lucros menores das empresas = salários menores = preços mais altos dos produtos. Tradeoff clássico III: eficiência e equidade – eficiência significa que a sociedade está obtendo o máximo que pode de seus recursos escassos; equidade significa que os benefícios advindos desses recursos estão sendo distribuídos com justiça entre os membros da sociedade. Ou seja: eficiência é o tamanho do bolo e equidade é a maneira como o bolo é dividido. Princípio 2 – O custo de alguma coisa é aquilo de que você desiste para obtê-la O Custo de Oportunidade de um item é aquilo de que você abre mão para obter. Ao tomarem qualquer decisão, com a de freqüentar a faculdade, por exemplo, os tomadores de decisões precisam estar cientes dos custos de oportunidade que acompanham cada ação. Princípio 3 – As pessoas racionais pensam na margem Mudanças marginais: pequenos ajustes incrementais a um plano de ação existente. “Margem” pressupõe a existência de extremos, portanto, mudanças marginais são os ajustes ao redor dos “extremos” daquilo que você está fazendo. Exemplo: optar por fazer faculdade - para tomar essa decisão, é preciso saber quais os benefícios adicionais que um ano a mais na escola vai oferecer (salários mais altos) e quais os custos adicionais em que você incorreria (custo de instrução e salários que deixará de receber). Comparando os benefícios marginais com os custos marginais, você pode avaliar se um ano a mais na faculdade vale a pena. Pessoas e empresas podem tomar decisões melhores pensando na margem. Um tomador de decisões racional executa uma ação se e somente se o benefício marginal da ação ultrapassa o custo marginal. Princípio 4 – As pessoas reagem a incentivos Como as pessoas toma decisões por meio de comparação de custos e benefícios, seu comportamento pode mudar quando os custos ou benefícios mudam. Exemplo: imposto sobre gasolina é um incentivo para que as pessoas usem carros menores e que consomem menos gasolina. Também é um incentivo para que prefiram transporte público ao carro particular e para que vivam mais perto do seu local de trabalho. Se a política mudar os incentivos, ela provocará alteração no comportamento das pessoas.

Como as pessoas interagem Princípio 5 – O comércio pode ser bom para todos O comércio entre dois países pode ser bom para ambas as partes O comércio permite que as pessoas se especializem na atividade em que são melhores, seja ela a agricultura, a costura ou a construção. Ao comerciar com outros, as pessoas podem comprar uma maior variedade de bens e serviços a um custo menor. Princípio 6 – Os mercados são geralmente uma boa maneira de organizar a atividade econômica

2

Os países comunistas operavam com base na premissa de que os planejadores centrais do governo estavam na melhor posição para conduzir a atividade econômica. Numa economia de mercado, as decisões do planejador central são substituídas pelas decisões de milhões de famílias. As empresas decidem quem contratar e o que produzir. As famílias decidem em que empresas trabalhar e o que comprar com seus rendimentos. Essas empresas e famílias interagem no mercado, em que os preços e o interesse próprio guiam suas decisões. Adam Smith – as famílias e as empresas, ao interagirem nos mercados, agem como se fossem guiadas por uma “mão invisível” que as leva a resultados de mercado desejáveis. Os preços refletem tanto o valor de um bem para a sociedade quanto o custo social de produzi-lo. Quando o governo impede que os preços se ajustem naturalmente à oferta e à demanda, impede que a mão invisível coordene os milhões de famílias e empresas que compõem a economia. Esse corolário explica porque os imposto têm um efeito adverso sobre a alocação de recursos: eles distorcem os preços e, com isso, as decisões das empresas e das famílias. Nos países comunistas, os preços não era determinados no mercado, mas ditados pelos planejadores centrais. Os planejadores não tinham as informações que são refletidas nos preços quando estes reagem livremente às forças de mercado. Princípio 7 – Às vezes os Governos podem melhorar os resultados dos mercados A mão invisível precisa que o governo a proteja. Os mercados só funcionam bem quando os direitos de propriedade são garantidos. Há dois motivos genéricos para que um governo intervenha na economia: promover eficiência e equidade. Ou seja, a maioria das políticas têm por objetivo ou aumentar o bolo econômico ou mudar a maneira como ele é dividido. Embora a mão invisível geralmente leve os mercados a alocar os recursos de forma eficiente, isso nem sempre acontece. Isso se chama falha de mercado. Uma possível causa de falha de mercado é uma externalidade, que é o impacto das ações de uma pessoa sobre o bem-estar do que estão próximos. Um exemplo clássico de cisto externo é a poluição. Outra possível causa da falha de mercado é o poder de mercado, que se refere à capacidade de uma pessoa (ou pequeno número de pessoas) influenciar indevidamente os preços de mercado. Quando há externalidade ou poder de mercado, políticas públicas bem concebidas podem aumentar a eficiência econômica. A mão invisível pode também não conseguir garantir que a prosperidade econômica seja distribuída equitativamente. Uma economia de mercado recompensa as pessoas de acordo com sua capacidade de produzir coisas pelas quais outras pessoas estejam dispostas a pagar.

Como a economia funciona Princípio 8 – O padrão de vida de um país depende de sua capacidade de produzir bens e serviços Os cidadãos de países de renda elevada têm mais televisores e carros, melhor nutrição, melhor assistência médica e uma expectativa de vida mais longa do que os cidadãos de países de baixa renda. Quase todas as variações de padrão de vida podem ser atribuídas a diferenças de produtividade entre países, ou seja, a quantidade de bens e serviços produzidos em uma hora de trabalho. Para elevarem os padrões de vida, os formuladores de políticas precisam elevar a produtividade garantindo que os trabalhadores tenham uma boa educação, disponham das ferramentas de que precisam para produzir bens e serviços e tenham acesso à melhor tecnologia disponível. Princípio 9 – Os preços sobem quando o governo emite moeda demais Em quase todos os casos de inflação elevada ou persistente, a causa é o aumento na quantidade de moeda. Quando um governo emite grandes quantidades de moeda, o valor da moeda diminui. Princípio 10 – A sociedade enfrenta um tradeoff de curto prazo entre inflação e desemprego Quando o governo aumenta a quantidade de moeda na economia, um dos resultados é inflação. Outro resultado, no curto prazo, é um menor nível de desemprego. A curva que representa este tradeoff de curto prazo entre inflação e desemprego é chamada de Curva de Phillips, em homenagem ao economista que examinou pela primeira vez essa relação.

3 Capítulo 2 – Pensando Como Um Economista Economistas adotam hipóteses para simplificar o mundo complexo em que vivemos e torná-lo mais fácil de entender. terra e capital (prédios e máquinas). Diagrama do Fluxo Circular: nesse modelo a economia é simplificada para incluir apenas dois tipos de tomadores de decisões – famílias e empresas. como salário de seus trabalhadores. os papéis representados pelo governo e pelo comércio internacional. Pontos na fronteira de possibilidade de produção são considerados eficientes (ponto B). Fluxo de insumos e produtos: as famílias são proprietárias dos fatores de produção e consomem todos os bens e serviços que as empresas produzem. Fluxo de dólares: as famílias gastam dinheiro para comprar bens e serviços das empresas. alto nível de desemprego. a única maneira de obter mais de um bem é obtendo menos de outro. As empresas usam parte da receita dessas vendas para pagar pelos fatores de produção. por exemplo. como trabalho. Fronteira de possibilidade de produção: gráfico que mostra as diversas combinações de produção que a economia pode produzir dados os fatores de produção e a tecnologia produtiva disponíveis que as empresas podem usar para transformar esses fatores em produto. e os bens e serviços fluem das empresas para as famílias. Uma vez que tenhamos atingido os pontos de eficiência na fronteira. por exemplo. . O ponto A é considerado ineficiente: por algum motivo. Assim. aumentando o número de bens que a sociedade pode produzir. O diagrama de fluxo circular é um modelo simples da economia. Macroeconomia: estudo de fenômenos que englobam toda a economia. Ele desconsidera detalhes que são importantes em alguns casos. As empresas produzem bens e serviços usando insumos. Microeconomia: estudo de como as famílias e empresas tomam decisões e de como elas interagem em mercados específicos. os quais são chamados de fatores de produção. Um resultado é considerado eficiente se a economia está obtendo tudo o que pode dos recursos escassos que tem à disposição. A fronteira de possibilidades de produção também mostra que o custo de oportunidade de um bem é medido em termos de outro. os fatores de produção fluem das famílias para as empresas. Um modelo mais complexo incluiria. Um avanço econômico na indústria pode deslocar a fronteira de possibilidades de produção para fora. A fronteira de possibilidades de produção mostra um tradeoff que a sociedade enfrenta. Estes modelos omitem muitos detalhes para permitir que vejamos o que realmente importa. a economia está produzindo menos do que poderia a partir dos recursos disponíveis. Modelos econômicos: os economistas utilizam modelos para aprender sobre o mundo.

Vantagem comparativa: custo de oportunidade de dois produtores. O produtor que abre mão de menor quantidade de outros bens para produzir o bem X tem menor custo de oportunidade de produção desse bem e diz-se. Os benefícios surgem à medida que a pessoa se concentra na atividade para a qual tem menor custo de oportunidade. Vantagem absoluta: comparação entre produtores de um determinado bem. também como grupo. Mercado monopolisticamente competitivo: mercado onde há muitos vendedores. tem um controle limitado sobre o preço porque outros vendedores oferecem produtos similares. que é quem determina o preço. Capítulo 4 – As Forças de Mercado da Oferta e da Demanda Oferta e demanda são as forças que fazem as economias de mercado funcionar. determinam a oferta do produto. Monopólio: mercados que têm um só vendedor. Os economistas podem discordar quanto à validade das teorias positivas alternativas sobre o funcionamento do mundo. Capítulo 3 – Interdependência e Ganhos Comerciais O comércio permite que nos especializemos naquilo que fazemos melhor. Os economistas podem ter valores diferentes e. Um produtor que precisa de uma quantidade menor de insumos para produzir um bem tem uma vantagem absoluta na produção desse bem. seu custo de oportunidade para o outro bem tem que ser relativamente baixo. Demanda . Exemplo: mercado de revistas. levando em consideração sua produtividade. ou seja. religião e filosofia política). estabelecer os preços de seu próprio produto. Os compradores. individualmente. que desfruta de uma vantagem comparativa na sua produção. visões normativas diferentes sobre que políticas devem ser realizadas. Mercado: grupo de compradores e vendedores de um determinado bem ou serviço. mas impossível ter vantagem comparativa em dois bens.4 Declarações positivas: declarações que tentam descrever o mundo como ele é Declarações normativas: declarações que tentam prescrever como o mundo deveria ser. O resultados dessa especialização e do comércio é que cada indivíduo pode consumir mais sem precisar trabalhar um número maior de horas. Como os produtos não são idênticos. alface. Exemplo de mercado perfeitamente competitivo: trigo. os compradores e vendedores são chamados de tomadores de preços. se o custo de oportunidade de uma pessoa para um bem é relativamente elevado. onde cada um oferece produtos ligeiramente diferentes. São elas que determinam a quantidade produzida de cada bem e o preço pelo qual o bem será vendido. portanto. Mercados perfeitamente competitivos: são definidos por duas características fundamentais: 12Os bens oferecidos para venda são todos iguais Os compradores e vendedores são tão numerosos que nenhum deles é capaz de. portanto. cada vendedor pode. Mercado competitivo: mercado em que há muitos compradores e vendedores. influenciar o preço de mercado. individualmente. de modo que cada um deles. como grupo. Como o custo de oportunidade de um bem é o inverso do custo de oportunidade de outro. até certo ponto. determinam a demanda pelo produto e os vendedores. É possível ter vantagem absoluta em dois bens. Nesse caso. mostra que o comércio pode beneficiar a todos. Declarações normativas envolvem tanto valores como fatos (visão sobre ética. O princípio da vantagem comparativa explica a interdependência e os ganhos do comércio. Oligopólio: mercado que possui poucos vendedores. que nem sempre competem agressivamente.

há um aumento da oferta. Variáveis que influenciam os compradores Gostos Expectativas (com relação ao futuro) Número de compradores Oferta Quantidade ofertada: quantidade de um bem ou serviço que os vendedores querem ou podem vender. com o aumento do preço. Exemplo: cachorro quente e hambúrguer. utilização de transporte público. há um aumento da demanda. quando o preço de um bem aumenta. dizemos que a quantidade demandada é negativamente relacionada ao preço. enquanto todos os demais fatores que afetam a quantidade que os consumidores desejam comprar permanecem constantes. Exemplo: gasolina e carro. Deslocamento da curva da oferta: quando há uma mudança que aumente a quantidade ofertada a cada preço. Exemplo. quando o preço de um bem cai. a quantidade ofertada é maior. O preço do bem é o fator determinante da quantidade demandada. sua quantidade demandada diminui. há um deslocamento da curva de oferta. Bens substitutos: quando a queda do preço de um bem reduz a demanda por outro bem. mortadela. Bens complementares: quando a queda do preço de um bem causa aumento da demanda de outro bem. a quantidade demandada aumenta. Exemplo: descoberta dos benefícios à saúde de se tomar sorvete diariamente (alteração na cultura). Deslocamento da curva de demanda: quando algo altera a quantidade demandada a cada preço. A quantidade ofertada é positivamente relacionada ao preço do bem ou serviço. . Curva de oferta: te inclinação para cima devido à lei da oferta. Se o deslocamento é para a direita.5 Quantidade demandada: quantidade de um bem que os compradores desejam e podem comprar. há uma redução da demanda. Lei da oferta: com tudo o mais mantido constante. O preço nessa intersecção é o preço de equilíbrio e a quantidade é chamada de quantidade de equilíbrio. se o deslocamento é para a esquerda. há uma redução da oferta. ou seja. Curva de demanda de mercado: mostra como a quantidade total demandada de um bem varia conforme seu preço varia. se o deslocamento é para a esquerda. Bem normal: quando a demanda por um bem diminui quando a renda cai. Lei da demanda: com tudo o mais mantido constante. já que ela aumenta à medida que o preço aumenta e cai quando o preço se reduz. Como a quantidade demandada diminui quando o preço aumenta e aumenta quando o preço diminui. Variáveis que podem deslocar a curva da oferta: Preço dos insumos Tecnologia Expectativas (com relação ao futuro) Oferta e Demanda Equilíbrio de mercado: ponto onde ocorre a intersecção das curvas de oferta e demanda. a quantidade ofertada diminui. Bem inferior: quando a demanda por um bem aumenta quando a renda cai. Se o deslocamento é para a direita. quando o preço diminui.

Três passos para analisar mudanças de equilíbrio 1. Bens substitutos têm elasticidade-preço cruzada positiva. Os bens tendem a ter demanda mais elástica em horizonte de tempo mais longos. Uma vez que o mercado atinja seu equilíbrio. em alguns casos. Elasticidade-preço da demanda: mede quanto a quantidade demandada reagem a uma mudança de preço.6 Excesso de oferta: quando há um excedente de oferta. renda. Lei da oferta e da demanda: o preço de qualquer bem se ajusta para trazer a quantidade ofertada e a quantidade demandada do bem para o equilíbrio. dependendo da velocidade de ajustamento dos preços. as duas. Bens necessários tendem a ter demanda mais inelástica. para ver se o deslocamento afeta o preço e a quantidade de equilíbrio. Elasticidade-preço da oferta: mede o quanto a quantidade ofertada responde a mudanças no preço. enquanto os bens inferiores têm elasticidade-renda negativa. Oferta perfeitamente inelástica = curva vertical: quantidade ofertada é a mesma independente do preço.Verificar se a curva se desloca para a direita ou para a esquerda. os compradores não conseguem comprar tudo o que desejam ao preço vigente. Excesso de demanda: quando há escassez do bem. ou seja.Utilizar o diagrama de oferta para comparar o equilíbrio inicial com o novo equilíbrio. Diz-se que a demanda por um bem é inelástica se a quantidade demandada responde pouco a mudanças no preço. A oferta é geralmente mais elástica no longo prazo do que no curto prazo. Oferta elástica: quando a quantidade ofertada responde substancialmente a mudanças no preço. A elasticidade-preço da oferta depende da flexibilidade que os vendedores têm para mudar a quantidade do bem que produzem. À medida que a elasticidade aumenta. a curva de oferta torna-se mais horizontal. bens substitutos ou complementares. 2. 3.Verificar se o fato ocorrido desloca a curva de oferta. enquanto a demanda por bens de luxo (ou supérfluos) tende a ser mais elástica. Elasticidade-renda da demanda: mede o quanto a quantidade demandada varia conforme a renda do consumidor varia. Bens normais têm elasticidade-renda positiva. Isso ocorre porque em curtos períodos. Capítulo 5 – Elasticidade e sua Aplicação Elasticidade: conceito utilizado para medir o quanto os consumidores reagem a mudanças de variáveis como preço. os vendedores não conseguem vender tudo o que querem ao preço vigente. todos os compradores e vendedores estarão satisfeitos e não haverá pressão nem para cima nem para baixo sobre o preço. porque é mais fácil para os consumidores trocá-los por outros. Elasticidade-preço cruzada: mede o quanto a quantidade demandada de um bem varia à medida que o preço de outro bem varia. enquanto bens complementares têm elasticidade-preço cruzada negativa. Bens com substitutos próximos tendem a ter demanda mais elástica. de demanda ou. as empresas não podem mudar facilmente o tamanho de suas fábricas para produzir uma quantidade maior ou menor de um bem. indicando que a quantidade ofertada responde mais a variações de preço. ou seja. Oferta inelástica: quando a quantidade ofertada responde pouco a mudanças no preço. A rapidez com que o equilíbrio é atingido varia de mercado para mercado. .

Quando um imposto incide sobre um mercado com demanda inelástica e oferta elástica. A diferença entre a disposição para pagar de um consumidor e o preço de mercado é o excedente do consumidor de cada comprador. Impostos Desencorajam a atividade de mercado. uma queda no preço faz com que a receita diminua. a quantidade vendida desse bem é menor no novo equilíbrio. Quando o governo impõe um preço máximo obrigatório a um mercado competitivo. ou seja. o valor que o comprador atribui para o bem. o preço dado pela curva de demanda indica a disposição para pagar do comprador marginal. Demanda e Políticas do Governo Preço Máximo: quando há um nível máximo legal para o preço. Quando um imposto incide sobre um mercado com demanda elástica e oferta inelástica. Quando um bem é tributado. se o preço fosse um pouco mais alto. Capítulo 7 – Consumidores. aquele comprador que seria o primeiro a deixar o mercado. Para qualquer quantidade. Produtores e Eficiência dos Mercados Economia do bem-estar: estudo de como a alocação de recursos afeta o bem-estar econômico Disposição para pagar: o máximo de cada comprador. . os consumidores arcam com maior parte do ônus do imposto. Excedente do consumidor: quantia que o comprador está disposto a pagar por um bem menos a quantia que ele efetivamente paga pelo bem. Mercados livres racionam bens por meio dos preços Razão à oposição de fixação de preços: os mercados costumam ser um bom meio de organizar a atividade econômica. Capítulo 6 – Oferta.7 Oferta perfeitamente elástica = curva horizontal: variações muito pequenas no preço levam a variações muito grandes da quantidade ofertada. surge uma escassez do produto e os vendedores são obrigados a racionar os bens escassos entre um grande número de compradores em potencial. Preço mínimo: quando há um nível mínimo legal para o preço. os vendedores arcam com maior parte do ônus do imposto. Quando a curva da demanda é inelástica. os compradores pagam mais pelo bem e os vendedores recebem menos por ele. Compradores e vendedores dividem o ônus dos impostos: no novo equilíbrio.

é uma boa medida do bem-estar econômico se os formuladores de política desejam respeitar as preferências dos compradores. Assim.8 O excedente do consumidor mede o benefício que os compradores obtêm de um bem tal como é percebido pelos próprios compradores. Capítulo 8 – Aplicação: Os Custos da Tributação Os impostos aumentam o preço que os compradores pagam e diminuem o preço que os vendedores recebem. Assim. Excedente do produtor: é o montante que um vendedor recebe menos o seu custo de produção. compradores e vendedores são prejudicados e o governo é beneficiado. O poder de mercado pode fazer com que os mercados sejam ineficientes ao manter o preço e a quantidade distantes do equilíbrio entre a oferta e a demanda. Mede o benefício que os vendedores extraem e sua participação num mercado. Falha de mercado: incapacidade que alguns mercados não regulamentados têm de alocar recursos com eficiência. mas também porque alteram os incentivos e distorcem os resultados do mercado. Equidade: imparcialidade na distribuição do bem-estar entre os diversos compradores e vendedores Equilíbrio de mercado O planejador social benevolente não precisa alterar o resultado de mercado porque a mão invisível já conduziu os compradores e vendedores a uma alocação dos recursos da economia que maximiza o excedente total Poder de mercado: capacidade de um comprador ou vendedor (ou um grupo pequeno) de influenciar os preços. Eficiência: quando uma alocação de recursos maximiza o excedente total. . Os impostos são dispendiosos para os participantes do mercado não só porque transferem recursos deles para o governo.

Curva de Laffer: análise que mostra casos onde os impostos estavam tão altos que chegavam a desencorajar o trabalho árduo e que a redução das alíquotas daria às pessoas o incentivo adequado para trabalhassem. Argumentos a favor da restrição ao comércio: 1. Capítulo 9 – Aplicação: Os Comércio Internacional O comércio entre países é benéfico porque permite que cada país se especialize em produzir aquilo que faz melhor. maior o peso morto de um imposto. do ponto de vista da eficiência econômica. A melhor política. As cotas criam um excedente para os detentores de licença. Quanto maior as elasticidades de oferta e demanda. como a introdução de um imposto ou outra política. O que determina se o peso morto será grande ou pequeno é a elasticidade-preço da oferta. Garantia de emprego: destruição de empregos internos Segurança nacional: indústria é vital para a segurança nacional Indústria nascente: indústrias novas precisam de proteção temporária para ajudar a estabelecer-se no mercado. O livre comércio é uma maneira de alocar a produção eficientemente e de elevar os padrões de vida em ambos os países. reduzem o bem-estar dos consumidores internos. o que aumentaria o bem-estar econômico e talvez até a receita tributária. os consumidores internos ficam em melhor situação. que distorce os incentivos e afasta a alocação de recursos escassos do ótimo. 2. A idéia de que impostos reduzidos podem aumentar a receita tributária pode estar correta se for aplicada aos contribuintes que pagam os imposto mais elevados. Cota de Importação: limite de quantidade de importações. O peso morto é o excedente perdido porque o imposto desencoraja a realização dessas transações mutuamente vantajosas. Quando o comércio força os preços para baixo. 3. é permitir o livre comércio sem nenhuma tarifa ou cota de importação. que mede a resposta das quantidades demandada e ofertada às variações de preço. Competição desleal: livre comércio só é desejável se todos os países jogarem segundo as mesmas regras (alguns podem ter políticas de incentivos e outras não. Faz com que o preço interno fique acima do preço mundial. Tarifa de importação: causa peso morto porque é um tipo de imposto. o que prejudicaria os que não têm). Os impostos causam peso morto porque impedem que os compradores e vendedores obtenham alguns dos ganhos de comércio. 4. aumentam o bemestar dos produtores internos e dão origem a um peso morto. Proteção de instrumento de barganha: restrições podem ser úteis em negociações com parceiros comerciais. . 5. Tanto tarifas como cotas elevam o preço interno do bem. O comércio aumenta o bem-estar econômico de uma nação na medida em que os ganhos dos beneficiados superam as perdas dos prejudicados. As tarifas aumentam a receita do governo.9 Peso Morto: queda no excedente total resultado de uma distorção de mercado.

Políticas públicas para as externalidades 1. O teorema só se aplica quando as partes não têm dificuldades para chegar a um acordo e o aplicar. o governo pode internalizar a externalidade tributando bens que trazem externalidades negativas e subsidiando os bens que trazem externalidades positivas. Externalidade negativa: impacto adverso. cobrando um preço pelo direito de praticá-los. Algumas vezes os problemas de externalidades são resolvidos com códigos morais e sanções sociais. Internalização de uma externalidade: uso de um imposto que dá aos compradores e vendedores de um mercado um incentivo para que levem em conta os efeitos externos de suas ações. Impostos e subsídios de Pigou: impostos que incentivam a redução de determinados comportamentos. Tanto os impostos de Pigou quanto as licenças permitem internalizar um externalidade. que é comercializado através da venda de licenças. 3. Licenças negociáveis para poluição: criação de um recurso escasso. O imposto desloca a curva da oferta para cima no montante do imposto.10 Capítulo 10 – Externalidades Externalidade: impacto das ações de uma pessoa sobre o bem-estar de outras que não tomam parte da ação. Externalidade positiva: impacto benéfico. Teorema de Coase: os agentes econômicos privados podem solucionar o problema das externalidades entre si. que são os custos que as partes incorrem no processo de efetivação de uma negociação (advogados. Assim oferece um incentivo para que as empresas se dediquem à pesquisa e outras atividades que fazem avançar a tecnologia. O governo determina o número de licenças possíveis e as empresas se ajustam conforme suas limitações (compra de licenças ou melhoria tecnológica). as partes interessadas sempre podem chegar a um acordo no qual todos fiquem numa situação melhor e o resultado seja eficiente. Às vezes as partes não conseguem resolver um problema por causa dos custos da transação. Qualquer que seja a distribuição inicial dos direitos. etc. pois dá à empresa um direito de propriedade sobre sua invenção.) Quando a negociação privada não funciona. Regulamentação: tornar obrigatório ou proibir determinados tipos de comportamentos. Se o imposto refletisse exatamente o custo social da externalidade negativa. 2. tornando-a dispendiosa para as empresas. O equilíbrio de mercado não é eficiente quando há externalidades. As externalidade negativas fazem com que os mercados produzam uma quantidade maior do que a socialmente desejável. por exemplo. Para solucionar estes problemas. Política Industrial: intervenção do governo na economia para incentivar indústrias que promovem a tecnologia. a nova curva da oferta coincidira com a curva do custo social. Capítulo 11 – Bens Públicos e Recursos Comuns . o governo pode desempenhar um papel. As externalidade positivas fazem com que os mercados produzam uma quantidade menor do que a socialmente desejável. Patente: forma de internalizar uma externalidade. já que é uma instituição concebida a agir em nome da coletividade. Uma maneira de evitar a externalidade negativa é tributar o produtor. poluição.

os recursos comuns tendem a ser usados em excesso . Quando alguém utiliza um recurso comum. mas não excludentes. Produto marginal decrescente: propriedade segundo a qual o produto marginal de um insumo diminui à medida que a quantidade do insumo aumenta. ruas. mas evita pagar por ele (impede que o mercado privado oferte esse bem). Custo total: montante que a empresa paga por seus insumos.11 Quando um bem não tem preço (praça. Bens privados: bens excludentes e rivais Bens públicos: bens não excludentes e não rivais (exemplo: show pirotécnico. Produto marginal: o aumento da produção que resulta de uma unidade adicional de insumo. ou transformá-lo num bem privado (exemplo: água e ar puro. enquanto a inclinação da função de produção diminui (pelas mesmas razões). Propriedade de Exclusão: propriedade de um bem segundo a qual uma pessoa pode ser impedida de usá-lo. Os custos são um determinante-chave das decisões de produção e determinação de preço. Função de produção: relação entre a quantidade de insumos usada para produzir um bem e a quantidade produzida do mesmo. Função de produção e curva de custo total: a inclinação da curva de custo total aumenta com a quantidade produzida. Quando isso acontece o governo pode potencialmente resolver o problema. Carona: alguém que recebe o benefício de um bem. custo de oportunidade). defesa nacional) Recursos comuns: bens rivais. Por causa dessa externalidade negativa. Receita total: montante que a empresa recebe pela venda de seus bens e serviços. os mercados privados não conseguem garantir que ele seja produzido e consumido nas quantidades apropriadas. a política governamental pode potencialmente remediar a falha do mercado e aumentar o bem-estar econômico.). Todas as empresas incorrem em custos para produzir os bens e serviços que vendem. peixes). ruas congestionadas. O mercado falha na alocação eficiente de recursos quando os direitos de propriedade não estão bem estabelecidos. diminui o desfrute que as outras pessoas podem ter dele. etc. . Nestes casos. Custos implícitos: custos dos insumos que não exigem desembolso de dinheiro por parte da empresa (exemplo: imagem da marca. O objetivo das empresas é maximizar o lucro. O governo pode agir reduzindo o uso dos recursos por meio de regulamentos ou impostos. Lucro Econômico: receita total menos todos os custos de oportunidade (explícitos e implícitos) da produção dos bens e serviços vendidos. Rivalidade: propriedade de um bem segundo a qual sua utilização por uma pessoa impede outras de utilizá-lo. Lucro Contábil: receita total menos os custos explícitos. Capítulo 13 – Os Custos de Produção Organização Industrial: estudo de como as decisões da empresa sobre preços e quantidades dependem das condições do mercado que enfrentam. Lucro = Receita total – Custo Total Custos explícitos: custos dos insumos que exigem desembolso de dinheiro por parte da empresa.

As economias de escala surgem porque maiores níveis de produção possibilitam especialização entre os trabalhadores. as curvas de custos de longo prazo das empresas diferem de suas curvas de custos no curto prazo. mas variáveis no longo prazo. . Custo Total Médio: custo total dividido pela quantidade produzida. mas não indica em quanto o custo total muda se a empresa alterar seu nível de produção. Isso acontece pois as empresas têm mais flexibilidade no longo prazo. Deseconomia de escala: quando a curva de custo total médio se eleva com o aumento da produção. Custo Marginal: o aumento do custo total decorrente da produção de uma unidade adicional. o que permite que cada um se torne melhor nas tarefas que lhe são designadas. Custo total de uma empresa reflete sua função de produção. pois minimiza o custo total médio. Escala eficiente: parte mais baixa da curva U do CTM. A curva de CTM tem forma de U. Isso acontece porque o CTM reflete o custo fixo médio (alto quando o volume produzido é baixo e baixo quando o volume produzido é alto) e o custo variável médio (aumenta conforme aumenta a produção). O custo marginal aumenta com a quantidade produzida. È a soma dos custos fixos e variáveis. o custo total médio estará em queda. Sempre que o custo marginal for maior que o custo total médio. Economia de escala: quando a curva de custo total médio de longo prazo decresce com o aumento da produção. Retornos constantes de escala: quando o custo total médio de longo prazo não varia com o nível de produção. o custo total médio estará aumentando. Pode surgir por causa de problemas de coordenação inerentes a qualquer grande organização. O Custo Total Médio e o Custo Marginal derivam do custo total.12 Custos Fixos: custos que não variam com a quantidade produzida Custos Variáveis: custos que variam com a quantidade produzida. Sempre que o custo marginal for menor do que o custo total médio. A Curva de CMg cruza com a curva de CTM no ponto em que o CTM é mínimo. Indica o custo da unidade típica. Custos no curto e no longo prazo Como muitas decisões são fixas no curto prazo.

13 Capítulo 14 – Empresas em Mercados Competitivos Mercado competitivo: mercado com muitos compradores e vendedores negociando produtos idênticos. a receita marginal é igual ao preço do bem. Como as empresas podem entrar e sair com mais facilidade no longo prazo do que no curto. As decisões de curto e longo prazo diferem porque a maioria das empresas não consegue se livrar do custo fixo no curto prazo. Receita Marginal: variação da receita total decorrente da venda de uma unidade adicional. Para todas as empresas. Enquanto o preço estiver acima do custo variável médio. No equilíbrio de lucro = 0. é a curva de oferta das empresas competitivas. a receita média é sempre igual ao preço do bem. Paralisação: decisão de curto prazo de suspender a produção durante um determinado intervalo de tempo devido às condições de mercado. No entanto os monopólios não conseguem atingir qualquer nível de lucro que desejem porque preços elevados reduzem a quantidade que seus clientes compram. seus lucros não são ilimitados. Acontece quando a receita total é menor do que o custo variável. Receita Média: receita total dividida pela quantidade vendida. Se lucro > 0 entrada de empresas. Clientes de um monopólio não têm outra escolha a não ser pagar o preço que o monopólio esteja cobrando. Acontece quando a receita obtida com a produção é menor do que seus custos totais. Capítulo 15 – Monopólio Monopólio: uma empresa que é a única vendedora de um produto que não tem substitutos próximos. a receita da empresa precisa compensar os proprietários pelo tempo e dinheiro que gastam para manter a empresa em operação. Enquanto a receita marginal for maior do que o custo marginal. o aumento da quantidade produzida elevará o lucro. Uma vez que as empresas competitivas são tomadoras de preço. Uma empresa monopolista é formadora de preços e o preço cobrado excede o custo marginal. se lucro <0 saída de empresas. As origens das barreiras de entrada são: . a curva de custo marginal de cada empresa será sua curva de oferta. A causa fundamental da existência de monopólios é a existência de barreiras de entrada que impede que outras empresas entrem no mercado. As empresas podem entrar e sair livremente de mercados competitivos. Saída: decisão de longo prazo de deixar o mercado. mas pode fazê-lo no longo. Indica a receita que a empresa recebe por uma unidade típica vendida. Custo Irrecuperável: custo que já ocorreu e não pode ser recuperado. Como a curva de custo marginal das empresas determina a quantidade de um produto que estas estão dispostas a ofertar a qualquer preço dado. de modo que cada comprador e vendedor é um tomador de preço. Entrada e saída de empresas no longo prazo O processo de entrada e saída de empresas em um mercado só termina quando o preço e o custo total médio se iguala (quando lucro = zero). a curva de oferta no longo prazo é tipicamente mais elástica do que a curva de oferta no curto prazo. Embora os monopólios possam controlar os preços de seus produtos.

Como um monopolista é o único produtor do mercado. ou seja. sua curva de receita marginal (RMg) fica abaixo da curva de demanda.14 1. a empresa pode aumentar o lucro produzindo um número maior de unidades. Maximização de lucros: quando o custo marginal é menor do que a receita marginal. Tentando tornar as indústrias monopolizadas mais competitivas. sua curva de demanda é a curva de demanda do mercado. A quantidade socialmente eficiente de um bem se encontra no ponto em que a curva de demanda e a curva de custo marginal se cruzam. Receita de um monopólio: a receita marginal de uma empresa monopolista é sempre menor do que o preço do bem. Consequentemente. Recurso-chave exclusivo de uma empresa (exemplo: poço de água em uma cidade) Concessão do governo a uma única empresa o direito de vender algum bem ou serviço. 3. . Política pública quanto ao monopólio: os formuladores de políticas do governo podem reagir ao problema dos monopólios de quatro maneiras: 1. para aumentar a quantidade vendida. 2. Isso acontece porque ele se depara com a curva de demanda com inclinação descendente. 3. ela precisa reduzir o preço do bem. Uma vez que o monopolista decide produzir e vender a quantidade em que as curvas de receita marginal e custo marginal se cruzam. Ela estabelece uma restrição à capacidade que o monopolista tem de lucrar com seu poder de mercado. 4. 2. ele produz menos do que a quantidade socialmente eficiente. (exemplo: leis de patentes e direitos autorais que trazem benefícios – incentivam maior atividade criativa das empresas – e custos – formação de preço monopolística). por méis de leis Antitruste Regulamentando o comportamento dos monopólios Transformando alguns monopólios privados em empresas públicas Não fazendo nada. Monopólios naturais: custos de produção elevados podem tornar um produtor mais eficiente do que um grande número de produtores (exemplo: construção de uma única ponte).

À medida que o número de vendedores em um oligopólio aumenta. O preço do oligopolista é inferior ao preço do monopolista. o grupo oligopolista se beneficia se coopera e age como se fosse um monopólio – produzindo uma pequena quantidade de produto e cobrando um preço superior ao custo marginal. o interesse próprio não conduz o mercado até o resultado competitivo. Uma vez formado o cartel. livros. Teoria dos jogos: estudo de como as pessoas se comportam em situações estratégicas. pois separa os compradores segundo sua disposição a pagar. Os formuladores de políticas regulam o comportamento dos oligopolistas por meio da legislação antitruste. cupons de desconto. na prática. os oligopolistas estariam em melhor situação se cooperassem uns com os outros e atingissem o resultado do monopólio. mais do que tomadores. Exemplos de discriminação de preços: ingressos de cinema. etc. Mas como cada um persegue seu próprio interesse. ou seja. Capítulo 17 – Competição Monopolística Competição monopolística: estrutura de mercado em que muitas empresas vendem produtos similares. A propriedade abrangência dessas leis é bastante controversa. etc. pois elimina a ineficiência inerente à determinação dos preços monopolista. Por isso.) Nesse mercado os vendedores são formadores de preço. embora a fixação de preço entre empresas concorrentes reduza claramente o bem-estar econômico e deva ser considerada ilegal. Ao tomar sua decisão de produção. ou seja. eles acabam não chegando ao resultado de monopólio e não maximizando o lucro conjunto. Equilíbrio de Nash: situação em que os agentes econômicos que estão interagindo uns com os outros escolhem a melhor estratégia para si com base nas estratégias escolhidas pelos outros. a ser atendido por um monopólio. pois. . mas não idênticos e onde há livre entrada de competidores (exemplo: CDs. O preço se aproxima do custo marginal e a quantidade produzida se aproxima do nível máximo socialmente eficiente. produzem uma quantidade maior do que o nível produzido pelo monopólio e menor do que o nível produzido pela competição. Cartel: grupo de empresas que age em conluio. cada pessoa precisa levar em consideração a maneira como as outras pessoas reagirão a elas. filmes. mas superior ao preço competitivo (que é igual ao custo marginal). Conluio: acordo de produção e preço entre empresas. Capítulo 16 – Oligopólio Oligopólio: estrutura de mercado em que apenas poucos vendedores oferecem produtos similares ou idênticos. o mercado passa. Quando as empresas em um oligopólio escolhem individualmente a quantidade produzida que maximize o lucro. Conforme observa-se acima. cada emprese pertencente a um oligopólio deve levar em consideração o modo como sua decisão poderá afetar as decisões de produção de todas as outras empresas. podendo aumentar o bem-estar econômico.15 Discriminação de preços: prática comercial de vender o mesmo bem por diferentes preços a diferentes clientes – segmentação. passagens aéreas. o mercado oligopolista fica cada vez mais parecido com um mercado competitivo. É uma estratégia racional para maximização dos lucros monopolistas. ou seja. as empresas nesse mercado são interdependentes. algumas práticas empresariais podem ter finalidades legítimas (exemplo: fixação de preço de revenda). O ato de qualquer vendedor de um mercado oligopolista pode ter grande impacto sobre os lucros de todos os outros.

Competição Perfeita . Defesa: estimula a concorrência.16 Estrutura que está entre os extremos de competição e monopólio. O preço é igual ao custo total médio (como no mercado competitivo). Markup sobre custo marginal: para empresa monopolisticamente competitiva o preço supera o custo marginal porque a empresa sempre tem algum poder de mercado. enquanto na competição perfeita elas produzem no ponto mínimo. um mercado monopolisticamente competitivo traz com ele o peso morto da determinação de preço monopolista. Assim. esses dois tipos de estrutura de mercado são semelhantes. as empresas têm um incentivo para sair e. Considerada a melhor medida do bem-estar econômico de uma sociedade. Isso faz com que a demanda para as empresas que continuam no mercado aumente. uma empresa monopolisticamente competitiva escolhe sua quantidade e seu preço da mesma maneira que o monopólio. No curto prazo. Isso faz com que as empresas em competição monopolística tenham capacidade ociosa. serão impedidos de comprá-lo. os cliente têm menos produtos disponíveis à sua escolha. Mercado onde há muitos vendedores. O preço é superior aos custo marginal (como no mercado monopolista). Equilíbrio no longo prazo O lucro incentiva a entrada de novas empresas e isso faz com que a curva de demanda com que se deparam as empresas já existentes se desloque para a esquerda. Utilizada para avaliar se uma economia vai bem ou mal PIB mede duas coisas: . mas inferior ao preço. conhecido como ponto de eficiência. Ou seja. Tentativa das empresas em transformar sua curva de demanda em uma curva mais inelástica. Uma fonte de ineficiência é o markup do preço sobre o custo marginal. Publicidade: característica natural de competição monopolista. no longo prazo. Assim. cada qual pequeno em relação ao tamanho de mercado. a saída de empresas desloca as curvas de demanda das empresas remanescentes para a direita. Crítica: provoca irracionalidade. podem aumentar a quantidade produzida e reduzir o custo total médio. Capítulo 23 – Medindo a Renda Nacional PIB – Produto Interno Bruto: medida de renda total de um país. a quantidade que maximiza o lucro está na interseção das curvas de receita marginal e de custo marginal. Competição Monopolística vs. pessoas pensam muito pouco no preço. 2. não há incentivo de entrada de novas empresas ou saída daquelas já existentes no mercado. ou seja. Ou seja. Uma vez que o mercado atinja esse equilíbrio. com a saída. Características do equilíbrio no longo prazo: 1. O processo de entrada e saída continua até que as empresas do mercado tenham lucro econômico = 0. alguns consumidores que atribuem ao bem valor superior ao custo do marginal de produção. Empresas monopolisticamente competitivas seguem as regras monopolistas de maximização de lucro: escolhem a quantidade e que a receita marginal cruz com o custo marginal e então usam a curva da demanda para identificar o preço consistente com essa quantidade. Por causa do markup. No prejuízo.diferenças Capacidade ociosa: na competição monopolística as empresas produzem na parte da inclinação descendente de suas curvas de custo total médio.

mas não as quantidades produzidas. È preciso manter constante a cesta de bens (produtos e quantidades). medir o quanto a renda deve aumentar para manter um padrão de vida constante. Tendência à substituição: os preços de todos os produtos não mudam na mesma proporção e os consumidores respondem a essas diferentes variações comprando menos dos bens cujos preços subiram mais e mais dos bens cujos preços subiram menos 4. ou seja. Reflete os preços dos bens.2). PIB: valor de mercado de todos os bens e serviços finais produzidos em um país em um dado período de tempo. Como o IPC é calculado: 1. PIB Real: produção de bens e serviços avaliada a preços constantes O PIB nominal usa os preços correntes para atribuir um valor à produção de bens e serviços da economia. . Quando o índice de preços ao consumidor aumenta. ou seja. Composição do PIB (Y) Consumo (C) Investimentos (I) Compras do governo (G) Exportações Líquidas (EL) Y = C + I + G + EL Consumo: despesa das famílias em bens e serviços. Calcular o custo da cesta: usar os dados sobre preços para calcular o custo da cesta de bens e serviços em diferentes momentos. Fixar a cesta: determinar quais preços são mais importantes para o consumidor típico Coletar preços: de cada um dos bens e serviços da cesta em cada ponto do tempo. ou seja. Deflator do PIB: medida do nível de preços calculada como a razão entre o PIB nominal e o PIB real multiplicada por 100. 3. Compras do governo: despesas em bens e serviços dos governos locais. A razão pela qual o PIB consegue medir as duas coisas é que. menos as compras internas de bens produzidos externamente (importações). a família típica precisa gastar mais dólares para manter o mesmo padrão de vida. Exportações Líquidas: compras. para isolar os efeitos das variações de preços do efeito de qualquer variação de quantidade que possa estar ocorrendo ao mesmo tempo. Investimentos: compra de bens que serão usados no futuro para produzir mais bens e serviços (soma das compras de bens de capital. Como o PIB real não é afetado pela variação nos preços. as variações no PIB real refletem somente as mudanças nas quantidades produzidas. Renda total de todas as pessoas da economia Despesa total com os bens e serviços produzidos na economia. Capítulo 24 – Medindo o Custo de Vida Índice de Preços ao Consumidor (IPC): medida do custo geral dos bens e serviços comprados por um consumidor típico. O objetivo do IPC é medir variações no custo de vida. na verdade. O PIB real usa preços constantes do ano-base para atribuir um valor à produção de bens e serviços da economia. estoques e estruturas). há inflação.). tanto a renda quanto as despesas são a mesma coisa. As famílias não gastam toda a sua renda. etc. pois tem alguns problemas: 1. despesas com obras públicas. 2.17 1. Mede o nível de preços corrente em relação ao nível de preços do ano-base. por parte dos estrangeiros. estaduais e federal (salários. 2. de bens produzidos internamente (exportações). Elas entregam parte para o governo sob forma de impostos e poupam parte para algum uso futuro. A taxa de inflação é a variação percentual do nível de preços em relação ao período anterior. Para a economia. a renda deve ser igual à despesa. é uma medida da produção de bens e serviços da economia (é a melhor medida do bemestar econômico). Escolher um ano-base e calcular o índice: será o padrão em relação ao qual os demais anos serão comparados. No entanto. pois cada transação envolve duas partes: um comprador e um vendedor (pode se perceber isso também no diagrama de fluxo circular – Cap. PIB Nominal: produção de bens e serviços avaliada a preços correntes. o IPC não é uma medida perfeita.

Indica a velocidade a que cresce o poder aquisitivo com o passar do tempo. . mas não a um maior crescimento dessas variáveis. Introdução de novos bens: quando um novo bem é introduzido. Taxa de juros real: taxa de juros após o desconto da inflação. Deflator do PIB vs IPC O deflator do PIB reflete os preços de todos os bens e serviços produzidos internamente. Trabalhadores são mais produtivos se dispõem de ferramentas para trabalhar. A poupança de residentes não é a única maneira pela qual um país pode investir em novo capital. por força da lei ou contrato. Para que uma sociedade invista em mais capital é preciso que ela consuma menos e poupa mais sua renda corrente. São importantes mas não necessários para que uma economia seja altamente eficiente na produção de bens e serviços. 3. Crescimento econômico e políticas públicas Os economistas divergem quanto ao papel o governo na promoção do crescimento econômico. Pode ser tecnologias de conhecimento comum (exemplo: linha de produção de Henry Ford) ou tecnologias proprietárias (exemplo:fórmula da CocaCola). de modo que os consumidores precisam de menos unidades de moeda para manter o padrão de vida. Conhecimento tecnológico: conhecimento das melhores maneiras de produzir bens e serviços. Retornos decrescentes: propriedade segundo a qual o benefício de uma unidade adicional de insumo diminui à medida que a quantidade de insumo aumenta. o valor do dólar cai. enquanto o IPC reflete os preços de todos os bens e serviços comprados pelos consumidores. Taxa de juros nominal: taxa de juros tal como normalmente é cotada. os consumidores substituem os bens que se tornaram relativamente mais caros pelos bens que se tornaram relativamente mais baratos. sem o desconto da inflação. Ao desconsiderar a possibilidade de substituição. Há também a possibilidade de investimentos estrangeiros. uma maior taxa de poupança leva a um maior nível de produtividade e renda. rios e depósito minerais. mais telefones. ou até diminuíram. Efeito de alcance: é mais fácil para um país crescer rapidamente se for relativamente pobre no início do processo. Capítulo 25 – Produção e Crescimento Países mais ricos têm mais carros. Ou seja. É a diferença entre a taxa de juros nominal e a taxa de inflação. Como o IPC é baseado numa cesta fixa. O grupo de bens e serviços usados para calcular o deflator do PIB muda automaticamente ao longo do tempo Indexação: correção automática. Quando a população poupa mais. Essa variedade torna cada unidade da moeda mais valiosa. de uma quantia pela inflação. sabe-se que o investimento leva a um crescimento mais rápido. mantendo direitos de propriedade e a estabilidade política. Trata-se de uma medição difícil. Produtividade: quantidade de bens e serviços que um trabalhador pode produzir por cada hora de trabalho. Pode ser renováveis ou nãorenováveis. mais televisores. o índice superestima o aumento do custo de vida. A taxa de crescimento econômico mede a velocidade com que o PIB real per capta cresce em um ano típico. auxiliar a mão invisível. no mínimo. No longo prazo. As grandes variações dos padrões de vida são explicadas pela produtividade de um país. Um país só pode gozar de um elevado padrão de vida se puder produzir uma grande quantidade. Mudança de qualidade não medida: se a qualidade de um bem deteriora de um ano para outro. Apesar de não saber qual é a causa e qual é o efeito com certeza. moradia mais segura. melhor nutrição. os consumidores têm maior variedade de produtos a escolher. treinamento e experiência. Recursos naturais: insumos proporcionados pela natureza. Capital humano: conhecimento e habilidades que os trabalhadores adquirem por meio de educação. mesmo que o preço do bem continue o mesmo.18 2. como terras. Determinação da produtividade Capital físico: estoque de equipamentos e estruturas usados para produzir bens e serviços. ele não reflete estas mudanças no poder aquisitivo da moeda. menos recursos são necessários para produzir bens de consumo e há mais recursos para produzir bens de capital. O governo pode. melhor atendimento de saúde e maior expectativa de vida. pois o comércio internacional torna possível o acesso a eles (exemplo: Japão).

direito sobre os lucros que a empresa obtiver. ao mesmo tempo em que há mais pessoas para consumir esses bens e serviços. Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional (FMI): procuram incentivar o fluxo de capital para os países pobres. Os tomadores demandam dinheiro ao sistema financeiro conscientes de que terão que devolvê-lo com juros numa data futura. A venda de ações para levantar fundos é denominada financiamento patrimonial enquanto a venda de títulos é denominada financiamento por endividamento. juros altos Mercado de ações: venda de parte da propriedade da empresa. permitindo que as pessoas assinem cheques contra seus depósitos. Os investimentos estrangeiros também possibilitam que os países pobres aprendam tecnologias avançadas desenvolvidas e usadas por países mais ricos. A vantagem é que permite que pessoas com pequenas quantias de dinheiro diversifiquem suas aplicações. pois facilitam a compra de bens e serviços.) Livre-comércio: países pobres se dão melhor quando adotam políticas voltadas para foram que os interagem à economia mundial. A diferença entre essas taxas de juros cobre os custos bancários e rende um lucro para os proprietários dos bancos. São eles os bancos e fundos mútuos. Poupança = Investimento . Os bancos desempenham um papel importante na economia. etc. Diferenças entre ações e títulos: um proprietário de ações é proprietário de parte da empresa. se a empresa tiver dificuldade. em compensação. Intermediários financeiros: instituições financeiras por meio das quais os poupadores podem indiretamente ofertar fundos aos tomadores de empréstimos. isto é. Fundos Mútuos É uma instituição que vende cotas ao público e usa o resultado da venda para comprar uma seleção ou carteira de títulos. Mercados financeiros: instituições por meio das quais uma pessoa que quer poupar pode oferecer fundos diretamente a uma pessoa que deseje tomar empréstimo. títulos ou ambos. As ações oferecem mais risco do que os títulos e. Os poupadores ofertam seu dinheiro ao sistema financeiro com a expectativa de recebê-lo de volta com juros em uma data futura. O sistema financeiro move os recursos escassos da economia dos poupadores (pessoas que gastam menos do que ganham) para os tomadores (pessoas que gastam mais do que ganham). o acionista fica com parte do lucro. de diversos tipos de ações. Títulos de longo prazo têm maior risco e por isso.19 Duas formas de investimento estrangeiros: instalação de fábricas no país ou compra de ações de empresas nacionais. Poupança pública: montante da receita tributária que fica com o governo após o pagamento de suas despesas. Poupança e Investimentos Poupança privada: montante da renda que fica com as famílias após o pagamento de seus impostos e despesas com consumo. Se a empresa for lucrativa. o o o o Mercado de títulos: venda de um certificado de dívida que especifica as obrigações do tomador de empréstimo para o detentor o título.constituição estável. Direitos de propriedade e estabilidade política: o governo deve proteger os direitos de propriedade e promover a estabilidade política (sistema judiciário eficiente. Educação: o governo deve investir em capital humano através da educação. Bancos Os bancos pagam aos depositantes um juro sobre seus depósitos e cobram os tomadores um juro ligeiramente superior. Pesquisa e desenvolvimento: fundamental para o crescimento econômico Crescimento populacional: uma grande população significa que há mais trabalhadores para produzir bens e serviços. tem potencial de rendimento maior. enquanto o detentor de títulos recebe apenas os juros que lhes é devido. o detentor de títulos recebe o que lhes é devido antes que o acionista receba qualquer coisa. Investimento e Sistema Financeiro Sistema financeiro: grupo de instituições da economia que ajuda a promover o encontro da poupança de uma pessoa com o investimento de outro pessoa. Capítulo 26 – Poupança. funcionários público honestos.

O governo financia seus déficits tomando empréstimos no mercado de títulos. na poupança nacional. a quantidade ofertada será menor do que a quantidade demandada. Quando o governo toma empréstimos para financiar seu déficit orçamentário. isso não precisa ser verdadeiro para cada família ou empresa específica. A taxa de juros é o preço. o resultado seria uma menor taxa de juros e um maior investimento (a curva de oferta se deslocaria para a direita). Os bancos e demais instituições financeiras tornam possíveis essas diferenças individuais entre poupança e investimento ao permitir que a poupança de uma pessoa financie o investimento de outra. um déficit orçamentário desloca a curva de oferta de fundos para empréstimos para a esquerda (desestimula tomadores privados). reduzindo a taxa de crescimento da economia no longo prazo. a taxa de juros aumenta e o investimento diminui. Quando o governo reduz a poupança nacional por meio de uma déficit orçamentário. reduz a oferta de fundos para empréstimos disponível para financiar o investimento das famílias e empresas. redução da carga tributária. Uma alteração no equilíbrio orçamentário do governo representa uma alteração na poupança pública e. Oferta e demanda de fundos para empréstimos A demanda por fundo de empréstimos vem das famílias e empresas que desejam fazer algum investimento A oferta de fundo para empréstimos é a poupança. Se houvesse uma mudança na legislação tributária para incentivar os investimentos. e o acúmulo de empréstimos do governo é chamado de dívida pública. consequentemente. isto é. Déficit orçamentário: ocorre quando o governo gasta mais do que arrecada em impostos. Portanto. Se houvesse uma política de incentivo à poupança.20 Embora a identidade contábil S = I (poupança = investimento) são iguais para a economia. . Se a taxa de juros é menor do que o nível de equilíbrio. o resultado seria uma taxa de juros mais elevada e maior poupança (a curva de demanda se deslocaria para a esquerda).

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->