P. 1
Os Domínios de Natureza no Brasil

Os Domínios de Natureza no Brasil

|Views: 808|Likes:
Publicado porfsmarque84

More info:

Published by: fsmarque84 on Jul 04, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPTX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/13/2014

pdf

text

original

Os Domínios de Natureza no Brasil

Potencialidades Paisagísticas

Aziz Ab´Saber

.....COMPONENTES DIEGO ZANETE BONETE FLÁVIO DA SILVA MARQUES MARCÉLIA LIMA WETTER RÚBIA............................

CARACTERÍSTICAS DOS MARES DE MORROS ‡ Decomposição funda e universal das rochas cristalinas e cristalofiliadas. ‡ 3 a 5 até 40 a 60m de profundidade. Gnaisse Granito .

CARACTERÍSTICAS DOS MARES DE MORROS ‡ Presença de solos do tipo latossolo ou red yellow podzolic. ‡ Superposição de solos devido ás flutuações climáticas finais do quartenário Fonte: Embrapa .

‡ Drenagem perene ( dendrítica ) ‡ Lençol d´agua difuso e anastomosado.CARACTERÍSTICAS DOS MARES DE MORROS ‡ Mamelonização universal das vertentes. Escoamento anastomosado Mamelonização . 1991). Drenagem dendrítica (SUMMERFIELD.

CARACTERÍSTICAS DOS MARES DE MORROS ‡ Cobertura vegetal. hidrológicos e ecossistêmico. ‡ Equilíbrio sutil entre processos morfoclimáticos. pedológicos. . ‡ Clima tropical úmido.

 Seu estudo envolve três etapas.Potencialidades Paisagísticas no Brasil  O relevo o produto de uma interação complexa que é tecida pelas forças endogenéticas e exogenéticas. a) Compartimentação b) Estrutura Superficial c) Fisiologia da Paisagem .

associados aos efeitos climáticos. e os externos. refletindo o jogo de forças entre os agentes internos. em tempo suficiente para deixar impresso no modelado paleoformas relacionadas a processos morfogenéticos correspondentes.Compartimentação Topográfica ‡ Por compartimentação topográfica entende-se a separação de determinados domínios morfológicos que se individualizam por apresentarem características específicas. ‡ As formas resultantes do processo evolutivo do relevo podem testemunhar episódios associados a determinados domínios morfoclimáticos. comandados pela estrutura e tectônica. .

responsáveis por materiais diferentes em sua constituição.Estrutura Superficial  O nível de abordagem correspondente à estrutura superficial refere-se ao estudo dos depósitos correlativos ao longo das vertentes ou em diferentes compartimentos. . ensejadas por erosão e perturbações tectônicas locais. Esses depósitos são suscetíveis de transformação ao longo do tempo geológico. O longo período de tempo necessário para sua formação envolve mudanças climáticas.

Fisiologia da Paisagem  Corresponde aos processos atuais que atuam no modelamento das formas. .

.  As formas do relevo são produto dos processos passados e dos atuais. em um quadro em que participam tanto a geologia quanto as forças climáticas e paleoclimáticas.Observações  A correlação dos dois primeiros níveis permite já o estabelecimento de uma compartimentação das formas geneticamente homogêneas.

. A impermeabilidade e os efeitos tectônicos contribuem para a caracterização de uma drenagem do tipo dendrítica. muitas vezes ortogonal. Apesar de possuírem baixo grau de permeabilidade. apresentam rede pronunciada de fraturas e diáclases. A rede de diáclases. decorrentes de condições específicas quanto a estrutura e textura. acelera a decomposição esferoidal em ambientes úmidos.Relevo em Estrutura Cristalina ‡ As rochas cristalinas apresentam características próprias. contribuindo para o processo de intemperização química. dando origem aos matacões e às morfologias convexas. e considerável heterogeneidade de minerais.

Relevo em Estrutura Cristalina .

Pluviosidade Domínios Morfoclimáticos Fonte: Serviço Geológico do Brasil Fonte: IBGE .

. ‡ Durante períodos secos: Pediplanação. ‡ Ab Sáber ressaltou o significado paleogeográfico das stone lines .A ação do clima e da vegetação ‡ Ab Sáber já ponderava de maneira concisa sobre a existência de climas mais frios e secos no Sudeste por ocasião das glaciações. ‡ Durante períodos úmidos: Mamelonização.

1996. Esta quantidade é diretamente proporcional à quantidade de chuvas e à temperatura da região. Adaptado de Ditlevsen et al. .Quantidade relativa do isótopo 18 do oxigênio encontrado no gelo da Groelândia em função do tempo.

com consequente coluvionamento do fundo do vale. Aqui os pedimentos detríticos recobrem os colúvios da fase antecedente. com a retirada do material decomposto das partes mais elevadas pelas atividades torrenciais. parcialmente testificado na vertente. IV . a incisão da drenagem promove a retirada dos depósitos correlativos em função da reelaboração do vale.Na fase climática úmida tem-se o espessamento dos depósitos de cobertura e aluviamento do fundo do vale. As novas condições climáticas proporcionam desenvolvimento da pedogênese com a reinstalação da cobertura vegetal. III .Na semiaridez.‡ I . Prevalecem formas convexas recobertas pela vegetação: II . a desagregação mecânica provoca o recuo paralelo da vertente estrutural e a pedimentação da superfície. ‡ ‡ ‡ .Na transição do clima úmido para semiárido verifica-se o desaparecimento da cobertura vegetal. inumando os colúvios antecedentes.Em nova fase úmida .

Obrigado! .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->