P. 1
1 - SEBENTA - GESTÃO DE STOCKS - ENQUADRAMENTO

1 - SEBENTA - GESTÃO DE STOCKS - ENQUADRAMENTO

|Views: 1.794|Likes:
Publicado porTania Rodrigues

More info:

Published by: Tania Rodrigues on Jul 05, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/02/2013

pdf

text

original

IEFP – INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL INTRODUÇÃO Á GESTÃO DE STOCKS TÉCNICOS DE APOIO Á GESTÃO

Tânia Rodrigues
taniarodrigues.formadora@gmail.com

CONTEÚDO Introdução Enquadramento Conceito de Aprovisionamento • • • • Objectivos Importância Gestão racional do aprovisionamento Posição / estrutura do aprovisionamento na empresa

Conceito de Logística • • • Actividades Pontos principais Componentes

Conceito de Stocks • • • • • Importância Vantagens e Desvantagens Objectivos Tipos de stocks Classificação (em relação ao processo produtivo)

Gestão de Stocks Principais atribuições Factores a considerar: procura, custos e prazos

1

O estudo da função Aprovisionamentos como função da empresa é relativamente recente e surge devido a.Escassez de bens económicos . (Tempo – Qualidade . essencialmente quatro factores: .INTRODUÇÃO PARTE I .Quantidade) 2 .ENQUADRAMENTO APROVISIONAMENTO Recepção Compras Gestão de Stocks • Física ou Material • Administrativa • Económica Aprovisionamento – Conceito É uma função da Empresa.Crescimento dos custos financeiros .Concorrência nos abastecimentos .Custo financeiro do imobilizado em stock Objectivos A função Aprovisionamento existe com vista a abastecer a empresa atempadamente e nas quantidades determinadas necessárias para o seu eficaz funcionamento. adquirindo a quantidade e qualidade desejada. ao menor custo possível.

organização e controlo. a importância relativa da rubrica “Existências” no Activo e no Capital Circulante. a dimensão (volume de negócios. através de uma selecção criteriosa de fornecedores qualificados que assegurem a qualidade dos fornecimentos dos serviços prestados.Importância do Aprovisionamento . dos fluxos e armazenagem de materiais (matérias primas.. . criando vantagem competitiva sustentada. Grandes áreas para armazenagem. Uma Gestão Racional do Aprovisionamento evita: • • • • • Investimentos desnecessários em stocks. Logística . Elevados custos de encomenda. ..Reduzir os custos e os prazos de entrega dos produtos (bens e serviços) fornecidos através de contratação adequada.Gerar diferenciação face á concorrência.Conceito É o processo estratégico (porque gera valor reconhecido pelos clientes. produção em curso. de gestão económica dos stocks.). eficaz e eficiente. Muitas vezes esta função aparece enquadrada no departamento de logística da empresa.).. Posição e Estruturação da Função Aprovisionamento na Empresa A localização do Departamento de Aprovisionamento(s) no organograma da empresa e a sua organização dependem das características da empresa. na medida em que acrescenta diferenciação. aumenta a produtividade e a rendibilidade) de planeamento. número de trabalhadores. componentes. Rupturas de stocks. produtos semi-acabados e acabados) e de informação relacionada.. comercial. como a actividade desenvolvida (industrial. desde a origem (fornecedores) até 3 . . Excesso de meios humanos e materiais para controlo do armazém. de armazenagem e expedição convenientes.

ao destino final (consumidores) visando maximizar a satisfação das necessidad dos clientes. e Pedidos. com o prop ropósito de atender às exigências dos clientes" A logística é dividida em dois tip de actividades . movimentação de materiais. processamento de pedidos e gestão de informações. ento gística é a parte da Pela definição do Council of Supply Chain Management Professionals. alagem. materiais se semi-acabados e produtos acabados. dores) ssidades externos e internos. bem como as informações a eles relativas. Planeamento e Sistema de informação. Embalagem Suprimentos. Manuseamento de materiais. Secundárias: Armazen azenagem. estão entos A Logística é a área da gestão responsável por prover recursos. equipamento e informações para a execução de todas as ac actividades de uma empresa. istema Logística – Pontos Principais 4 . logística estão o transporte. tação Entre as actividades da lo armazenagem. "Logís Gestão da Cadeia de Aba bastecimento que planeia.as principais e as secundári tipos ndárias: • • Principais: Transportes Manutenção de Stocks. Processamento de Ped portes. desde o ponto de origem até o mo nto ponto de consumo. implementa e cont ontrola o fluxo e armazenamento eficiente e económico de matérias-primas.

podem passar de moda. podem estragar-se ou perder a validade. satisfazer as encomendas nos prazos aceitáveis para os clientes. . . .Aproveitam-se oportunidades. Vantagens .Por outro lado. 5 .Sem eles não seria possível: utilizar racionalmente a capacidade produtiva. .O conjunto de todos os artigos em stock constitui o stock global. . Importância . etc. . apesar da sua produção ser regular. á medida que se vai gastando deve repor-se.Logística – Componentes Estas representam a maior fatia no que diz respeito custos no sistema logístico e são essenciais na coordenação do sistema: Componentes Inter-dependentes: Transportes Gestão de Stocks Comunicação Stocks .Definição . produzir de forma económica os artigos vendidos.Asseguram o consumo irregular de um produto. não podem ser excesso porque custam dinheiro.Fazem face a imprevistos de consumo e entrega.As quantidades em stock devem ser adequadas ás necessidades e.Todo o bem que se encontra armazenado com vista a utilização futura.Evitam a ruptura.

Conseguir uma certa autonomia entre a produção. dos prazos de entrega e da qualidade dos materiais recebidos. não fazendo reflectir na produção. de aumentos de prazo de 6 .Desvantagens: Todo o stock que exceda as necessidades. .Fragilidade e validade de certos produtos . Divide-se em Stock Activo e Stock de Reserva. caixas.Improdutividade do material não vendido . rotação ou importância para os utilizadores. Stock activo = artigos que ocupam no armazém o espaço dos equipamentos de rotação (estantes. provenientes. que pela sua natureza. Stock de Reserva = constitui as existências do stock normal que não têm espaço no local destinado ao stock activo. 2 – Stock de Segurança ou de Protecção Parte do stock global destinado a tentar prevenir rupturas de material. torna-se inútil ocasionando custos desnecessários. por exemplo de eventuais excessos de consumo em relação ao previsto. nos armazéns existe uma variedade de artigos. as vendas e as compras.Capital imobilizado (dinheiro parado) e custos com armazenagem Objectivos dos Stocks . consequentemente. se caracterizam da seguinte forma: 1 – Stock Normal Agrupa todos os artigos consumidos de modo mais ou menos regular. . etc) de onde são retirados para satisfação imediata das necessidades correntes dos utilizadores. e consequentemente nas vendas. do consumo. a produção de bens a custos inferiores.Permitir compras a custos mais favoráveis e. Tipos de Stocks De uma maneira geral. . as variações sazonais.Anular ou minimizar as variações imprevisíveis da procura.

8 – Stock em Trânsito Aquele que entra no armazém por um período de tempo muito limitado. Tem normalmente uma existência curta 4 – Stock Global Toda a existência física de determinado artigo num dado momento. de rejeição de material na sua recepção. e entretanto. etc São os activos que farão face a imprevistos de consumo e/ou entrega 3 – Stock Afectado Parte do stock global que se encontra destinado a fins específicos. roubos. por não se encontrarem em boas condições. de segurança e afectado. que é igual á soma dos stocks normal. 9 – Stock de Recuperados Constituído por artigos que foram devolvidos ao armazém.entrega em relação ao que tinha sido acordado. 7 . 2 – Produtos de Consumo Produtos adquiridos aos fornecedores para consumo interno da organização. 3 – Matérias-Primas e Componentes Artigos que se incorporam fisicamente no produto final. Classificação dos Stocks (em relação ao processo produtivo) 1 – Produtos de Comercialização Adquiridos aos fornecedores e destinados à venda. tornados aptos para aquela utilização. 7 – Stock Médio Valor médio das existências num certo período de tempo. Outras Definições de Stocks: 5 – Stock Máximo Valor máximo atingido pelo stock num certo período de tempo. 6 – Stock Mínimo Valor mínimo atingido pelo stock num certo período de tempo.

• Estabelecimento das datas e da cadência segundo a qual convém efectuar essa determinação. sem deixar de assegurar o fornecimento regular aos utilizadores. Estes são atributos da sub-função armazenagem.GESTÃO DE STOCKS Gestão de Stocks • Física ou Material • Administrativa • Económica A função gestão de stocks tem como principais atribuições: • A determinação das quantidades óptimas a encomendar para a constituição ou para a renovação dos stocks. A gestão de stocks deverá manter o volume dos stocks no nível mais baixo possível. A gestão de stocks terá de ponderar as desvantagens e as vantagens de constituir stocks e tomar as decisões económicas. sem roturas.4 – Materiais Auxiliares Materiais que se destinam à fabricação mas que não se incorporam na fabricação. devem ser tomadas todas as medidas para evitar que os stocks se deteriorem e para reduzir ao mínimo os encargos relativos à sua conservação. 5 – Materiais de Conservação. • A organização administrativa e física dos stocks. Além disso. 8 . isto é. Peças e Acessórios 6 – Ferramentas 7 – Produtos Finais (produtos fabricados) PARTE II .

• Maior necessidade de fundo de maneio. Conceito de Procura Do ponto de vista “económico”. Na gestão de stocks há três importantes factores a considerar: • A procura • Os custos • Os prazos A Procura As necessidades logísticas na empresa são desencadeadas pela procura dos seus produtos no mercado. Uma previsão do crescimento das vendas incentiva um aumento da actividade da função aprovisionamento que deve responder em conformidade com a expectativa de crescimento das necessidades de materiais. Mas. ou Procura é a expressão dinâmica de um mercado que corresponde a medidas qualitativas e quantitativas dos consumidores. representa as vantagens seguintes: • Melhores condições de compra (descontos de quantidade). que desejam e podem adquirir um produto. na perspectiva financeira. • Maior risco de perda por obsolescência (monos). a procura de um produto é definida pela intenção de compra desse produto no mercado. • Menor risco de ruptura (stocks de segurança). A procura dos produtos activa os fluxos de informação e de materiais em toda a cadeia logística.Exemplos Um maior volume de stocks representa. 9 . as desvantagens seguintes: • Maior custo de posse.

O mercado português de iogurtes e a procura de iogurtes magros com sabor a morango. Assim. Representa-se graficamente o ciclo de vida do produto através da evolução das vendas nas diferentes fases. isto é. crescimento ou desenvolvimento. Esta origem das necessidades de materiais está estritamente ligada ao ciclo de vida do produto acabado. Os custos Associado à gestão de stocks consideram-se vários tipos de custos: 10 . atingem a ”maturidade e “morrem”. deixam de ser procurados pelos consumidores ou clientes no fim do seu ciclo de vida. Ciclo de Vida dos Produtos Todos os produtos “nascem”. Ciclo de vida de um produto é o período caracterizado por várias fases (concepção e lançamento. desde a pesquisa inicial até ao fim da produção. Exemplo 1. A procura foi referida como a origem das necessidades logísticas. activando os fluxos de informação e de material na cadeia logística.A procura é uma percentagem do mercado total. na medida em que este ciclo quantifica o comportamento da procura do produto durante a sua vida. maturidade e declínio). podendo associar-se a um grupo homogéneo de clientes. desenvolvem-se.

Tipos de custo • O custo de posse (Cp) que é o custo associado à manutenção do stock.Os custos de amortização do edifício/armazém(s). • Os custos dos seguros (prémios das apólices de incêndio. • O custo de fabricação (Cf) que é o custo do material encomendado internamente. roubo. .). • O custo de aquisição do material (Cm) que é o custo do material.Os encargos com o pessoal do(s) armazém(s).. o custo inerente à aplicação do capital em stock em lugar de aplicações alternativas rentáveis. através de ordem de fabrico. . de seguros.. do equipamento fixo (exemplo: estantes) e do equipamento móvel (exemplo: empilhadores). . • Os custos de obsolescência (monos) e deterioração do material. normalmente. Este custo é. à entrada da empresa (custo de fornecimento. . • O custo do capital imobilizado que é um custo de oportunidade.) do armazém(s). isto é.Os custos energéticos (iluminação. importante e calcula-se segundo um critério definido que pode ser o da taxa de rendibilidade dos capitais próprios ou da melhor taxa de mercado para aplicação de risco correspondente (risco baixo.. de transportes. pois o stock tem elevado grau de liquidez).... • O custo de rotura de stock (Cr) que é o custo associado a uma solicitação ou requisição de material de stock.). • O custo de efectivação das encomendas (Ce) que é o custo administrativo do processamento das encomendas de um artigo. encomendado ao exterior. 11 . . climatização. não atendida totalmente pelo armazém O custo de posse pode incluir várias parcelas: • Os custos de armazenagem onde se considera .

• O prazo de recepção e armazenagem na empresa. • O prazo de recepção pelo fornecedor. Parcelas do prazo de aprovisionamento No prazo de aprovisionamento (pa) pode considerar-se quatro parcelas: • O prazo administrativo de preparação e lançamento da encomenda (circulação e tratamento de informação na empresa).Os prazos Na gestão de stocks um dos prazos a considerar é o prazo de aprovisionamento ou prazo de disponibilização do material. 12 . • O prazo de entrega do fornecedor que inclui o prazo de transporte ou trânsito. que pode desprezar-se se for usado fax ou EDI (Electronic Data Interchange).

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->