P. 1
JORNALISMO IMPRESSO II - Rubem Braga, o cronista eternizado nas páginas dos livros

JORNALISMO IMPRESSO II - Rubem Braga, o cronista eternizado nas páginas dos livros

|Views: 441|Likes:
Publicado porGian Cornachini
Trabalho de Jornalismo Impresso II sobre Rubem Braga, o mestre das crônicas. Contém uma análise de duas crônicas do autor.
Trabalho de Jornalismo Impresso II sobre Rubem Braga, o mestre das crônicas. Contém uma análise de duas crônicas do autor.

More info:

Published by: Gian Cornachini on Jul 06, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/21/2013

pdf

text

original

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL – JORNALISMO DISCIPLINA: JORNALISMO IMPRESSO II DISCENTE: GIAN CORNACHINI

PROFESSOR: IVANA BARRETO

Rubem Braga: o cronista eternizado nas páginas dos livros
Biografia

Rubem Braga, considerado por muitos como o maior cronista brasileiro desde Machado de Assis, filho de Francisco de Carvalho Braga e Rachel Cardoso Coelho Braga, nasceu em 12 de janeiro de 1913, na cidade de Cachoeiro de Itapemirim, Espírito Santo. Quando fazia o ginásio, naquela cidade, o jovem Rubem Braga revoltou-se com um professor de matemática que o chamou de burro e pediu ao pai para sair da escola. Em 1928, começa a escrever, já como cronista, no jornal “Correio do Sul”, fundado por seus irmãos Jerônimo e Armando, em sua cidade natal. No mesmo ano, sua família o enviou para Niterói, onde tinha alguns parentes, para estudar no Colégio Salesiano, concluindo, assim, o curso secundário. No ano seguinte, matricula-se na Faculdade de Direito do Rio de Janeiro e cursa os dois primeiros anos. Em 1931, transfere-se para Belo Horizonte, Minas Gerais, e conclui o curso lá mesmo, em 1932. No início do mesmo ano, publica, no “Diário da Tarde”, sua primeira reportagem e passa a escrever crônicas e cobrir a Revolução Constitucionalista para os Diários Associados – com isso, conheceu Juscelino Kubitschek de Oliveira e Adhemar de Barros. Como os Diários eram favoráveis à revolução e seus artigos eram censurados, Rubem Braga acabou sendo preso, aos 19 anos, sob a acusação de espionagem. Após ser solto, mudou-se, em 1933, para São Paulo e começa a escrever crônicas para o “Diário de São Paulo” e tem como colegas no trabalho Antônio de Alcântara Machado e Mário de Andrade, dos quais se tornam grandes amigos. Alcântara Machado, ao se mudar para o Rio de Janeiro, em 1935, convida Rubem Braga para trabalhar no “Diário da Noite”. Após a morte precoce de Machado, ainda no mesmo ano, Braga transfere-se para Recife, Pernambuco, trabalhando na página policial do Diário de Pernambuco. Lá, funda o jornal

“Folha do Povo”, anti-getulista. Logo após, muda para Porto Alegre e acaba retornando ao Rio de Janeiro, empregando-se no jornal de esquerda “A Manhã”. Na onda de repressão que sucedeu a tentativa de golpe comunista em 1935 – retratada por Rubem Braga em crônicas como “Diário de um subversivo”, “Era uma noite de luar” e “Os perseguidos” – o jornal “A Manhã” é fechado, fazendo, assim, de Rubem Braga desempregado. No entanto, em 1936, com 22 anos, Braga publica, pela Editora José Olympio “O Conde e o Passarinho”, seu primeiro livro, que reúne crônicas selecionadas. Na crônica título, escreveu: “A minha vida sempre foi orientada pelo fato de eu não pretender ser conde.” O livro é recebido com entusiasmo pelo público, marcando o início de uma carreira única na literatura brasileira: a do cronista que deixa as páginas efêmeras dos jornais para eternizar suas crônicas em livros. Rubem Braga começou a passar anos difíceis na vida profissional. Entre 1936 e 1944, arrumava empregos esporádicos em jornais de Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo, sempre fugindo da repressão do Estado Novo. Em 1936, na capital mineira, casou-se com Zora Seljan Braga, de quem se desquitou posteriormente, tendo tido apenas seu único filho Roberto Braga. Em 1944, foi enviado à Europa como correspondente de guerra do “Diário Carioca”. Acompanhou a Força Expedicionária Brasileira na Itália até o fim da Segunda Guerra Mundial. Retornando ao Brasil, publicou o livro “Com a FEB na Itália”, que reuniu suas melhores crônicas do período. Através desse livro, que fez muito sucesso, Rubem Braga consagrou-se, definitivamente, como um grande escritor brasileiro. Nos anos seguintes, o cronista passou trabalhando em jornais no Rio de Janeiro e em São Paulo. Suas constantes viagens entre as duas cidades aparecem na crônica “Um braço de mulher”, passada na ponte aérea. Braga cobriu a primeira eleição de Juan Perón, na Argentina, em 1946 e, no ano de 1950, trabalhou como correspondente do “Correio da Manhã” em Paris, capital da França. Em 1955, foi nomeado chefe do “Escritório Comercial do Brasil”, em Santiago do Chile, mas permaneceu no cargo apenas alguns meses, retornando ao Brasil e ao jornalismo. Em 1956, Rubem Braga cobriu a reeleição do presidente Eisenhower, nos Estados Unidos. Na década de 1960, fundou, junto ao amigo Fernando Sabino, a Editora Sabiá e serviu como Embaixador do Brasil em Marrocos, na África, mas nunca se afastou do jornalismo. Fez reportagens sobre assuntos culturais, econômicos e políticos na Argentina, Estados Unidos, Cuba e outros países.

Em 1975, Rubem Braga foi contratado pelo departamento de jornalismo da “TV Globo”, onde permaneceu até o final de sua vida. Na noite de segunda-feira, 17 de dezembro de 1990, o escritor reuniu um pequeno grupo de amigos, em sua cobertura na Rua Barão da Torre, em Ipanema, em Rio de Janeiro, capital. Foi uma visita silenciosa, mas muito bem subentendida pelos amigos Moacyr Werneck de Castro, Otto Lara Resende e Edvaldo Pacote. Na quarta-feira, dois dias após a reunião, Rubem Braga morreu, às 23h30, sedado em um quarto do Hospital Samaritano, sozinho como desejou e pediu aos amigos. As lembranças da infância em Cachoeiro de Itapemirim, cercadas de lirismo, refletem nas crônicas de Rubem Braga. Nos textos como “Praga de menino”, “Lembrança de Zig” ou “O Cajueiro”, narrados na primeira pessoa, reconta sua infância na cidade natal de maneira explícita e amorosa. Em outros, como “Tuim criado no dedo” e “Negócio de Menino”, as personagens infantis são memórias de quando o cronista era um garoto caçador de passarinhos.

Análise das Crônicas -1A menina Silvana - Rubem Braga, fevereiro de 1945

Um camponês velho deu as informações ao sargento: Silvana Martinelli, 10 anos de idade. A menina estava quase inteiramente nua, porque cinco ou seis estilhaços de uma granada alemã a haviam atingido em várias partes do corpo. Os médicos e os enfermeiros, acostumados a cuidar rudes corpos de homens, inclinavam-se sob a lâmpada para extrair os pedaços de aço que haviam dilacerado aquele corpo branco e delicado como um lírio - agora marcado de sangue. A cabeça de Silvana descansava de lado, entre cobertores. A explosão estúpida poupara aquela pequena cabeça castanha, aquele perfil suave e firme que Da Vinci amaria desenhar. Lábios cerrados, sem uma palavra ou um gemido, ela apenas tremia um pouco - quando lhe tocavam num ferimento contraía quase imperceptivelmente os músculos da face. Mas tinha os olhos abertos - e quando sentiu a minha sombra ergueu-os um pouco. Nos seus olhos eu não vi essa expressão de cachorro batido dos estropiados, nem essa luz de dor e raiva dos homens colhidos no calor do combate, nem essa impaciência dolorosa de tantos feridos, ou o desespero dos que acham que vão morrer. Ela me olhou quietamente. A dor contraía-lhe, num pequeno tremor, as pálpebras, como se a luz lhe ferisse um pouco os olhos. Ajeitei-lhe a manta sobre a cabeça, protegendo-a da luz, e ela voltou a me olhar daquele jeito quieto e firme de menina correta.

Deus, que está no céu - se é que, depois de tantos desgovernos cruéis e tanta criminosa desídia, ninguém o pôs para fora de lá, ou Vós mesmo, Senhor, não vos pejais de estar aí quando Vossos filhos andam neste inferno! - Deus sabe que tenho visto alguns sofrimentos de crianças e mulheres. A fome dessas meninas da Itália que mendigam na entrada dos acampamentos, a humilhação dessas mulheres que diante dos soldados trocam qualquer dignidade por um naco de chocolate - nem isso, nem o servilismo triste mais que tudo, dos homens que precisam levar pão à sua gente - nada pode estragar a minha confortável posição de correspondente. Vai-se tocando, vaise a gente acostumando no ramerrão da guerra; é um ramerrão como qualquer outro: e tudo entra nesse ramerrão - a dor, a morte, o medo, o disco de “Lili Marlene” junto de uma lareira que estala, a lama, o vinho, a cama-rolo, a brutalidade, a ajuda, a ganância dos aproveitadores, o heroísmo, as cansadas pilhérias - mil coisas no acampamento e na frente, em sucessão monótona. Esse corneteiro que o frio da madrugada desafina não me estraga a lembrança de antigos quartéis de ilusões, com alvoradas de violino - Senhor, eu juro, sou uma criatura rica de felicidades meigas, sou muito rico, muito rico, ninguém nunca me amargará demais. E às vezes um homem recusa comover-se: meninas da Toscana, eu vi vossas irmãzinhas do Ceará, barrigudinhas, de olhos febris, desidratadas, pequenos trapos de poeira humana que o vento da seca ia a tocar pelas estradas. Sim, tenho visto alguma coisa e também há coisas que homens que viram me contam: a ruindade fria dos que exploram e oprimem e proíbem pensar, e proíbem comer, e até o sentimento mais puro torcem e estragam, as vaidades monstruosas que são massacres lentos e frios de outros seres - sim, por mais distraído que seja um repórter, ele sempre, em alguma parte em que anda, vê alguma coisa. Muitas vezes não conta. Há 13 anos trabalho neste ramo - e muitas vezes não conto. Mas conto a história sem enredo dessa menina ferida. Não sei que fim levou e se morreu ou está viva, mas vejo seu fino corpo branco e seus olhos esverdeados e quietos. Não me interessa que tenha sido inimigo o canhão que a feriu. Na guerra, de lado a lado, é impossível, até um certo ponto, evitar essas coisas. Mas penso nos homens que começaram esta guerra e nos que permitiram que eles começassem. Agora é tocar a guerra - e quem quer que possa fazer qualquer coisa para tocar a guerra mais depressa, para aumentar o número de bombas dos aviões e tiros das metralhadoras, para apressar a destruição, para aumentar aos montes a colheita de mortes - será um patife se não ajudar. É preciso acabar com isso, e isso só se acaba a ferro e fogo, com esforço e sacrifícios de todos, e quem pode mais deve fazer muito mais, e não cobrar o sacrifício do pobre e se enfeitar com as glórias fáceis. É preciso acabar com isso, e acabar com os homens que começaram isso e com tudo o que causa isso - o sistema idiota e bárbaro de vida social onde um grupo de privilegiados começa a matar quando não tem outro meio de roubar. Pelo corpo inocente, pelos olhos inocentes da menina Silvana (sem importância nenhuma no oceano de crueldades e injustiças), pelo corpo inocente, pelos olhos inocentes da menina Silvana (mas ó hienas, ó porcos, de voracidade monstruosa, e vós também, águias pançudas e urubus, ó altos poderosos de conversa fria ou voz frenética, que coisa mais sagrada sois ou conheceis que essa quieta menina camponesa?), pelo corpo inocente, pelos olhos inocentes da menina Silvana (ó

negociantes que roubais na carne, quanto valem esses pedaços estraçalhados?) - por esse pequeno ser simples, essa pequena coisa chamada uma pessoa humana, é preciso acabar com isso, é preciso acabar para sempre, de uma vez por todas.

Análise de “A menina Silvana”

A crônica “A menina Silvana” tem como tema as dores de uma guerra. O que dá mais veracidade ao texto é que ele é o resultado de uma experiência empírica do autor, vivenciada no período da Segunda Guerra Mundial. Rubem Braga escreveu “A menina Silvana” em primeira pessoa; isto pode ser percebido, principalmente, por tratar-se de uma experiência do autor, bem como as frases “(...) e quando sentiu a minha sombra (...)”, “Ela me olhou quietamente.”, “Há treze anos trabalho neste ramo (...)”, por exemplo. Outro ponto a ser destacado é que a crônica está bem ligada ao estilo literário, apesar de o autor estar trabalhando como correspondente internacional, um trabalho da área de jornalismo. Pode-se confirmar isto através da descrição poética que ele faz sobre Silvana, como “(...) pelo corpo inocente, pelos olhos inocentes da menina Silvana (...)”, e, também, pelo modo bem descritivo que o autor narra esta história, fugindo do “lead” jornalístico (o “o quê”, “quando”, “quem”, “como”, “onde” e “por quê”).

-2Diário de um subversivo – Rubem Braga, 1936

No remoto ano de 1936 Em 15 de fevereiro – Minha situação aqui na pensão é insustentável. Vieram morar aqui dois estudantes integralistas. Hoje, no almoço, um deles falou comigo. Tinham-lhe dito que eu era jornalista; em que jornal eu trabalhava? Respondi que em jornal nenhum. Diante do embaraço dele, expliquei: na revista Vida Doméstica. Puxou conversa sobre política, mas eu disse com superioridade: - Minha política é o Flamengo! Ele observou gravemente que o futebol serve para distrair o povo de seus problemas. Enquanto o povo está discutindo futebol, o comunismo está tramando golpes sangrentos. Lenine disse que a religião é o ópio do povo. O futebol é, digamos, uma espécie de maconha. Explicou que citava Lenine porque se tratava de um gênio, mas gênio inclinado para o mal.

Falou muito e fiquei calado, fazendo o possível para fazer um ar de admiração atenta; mas creio que tinha apenas cara de palerma. Eu me pergunto se ele não é capaz de telefonar para a Vida Doméstica e perguntar o que faz lá um sujeito chamado Lauro Guedes, que é meu nome aqui na pensão.

Dia 16 – O outro integralista me perguntou se já li alguma obra de Spengler. Respondi que não. Ele fez questão de me emprestar um livro. Dia 18 – Ontem me arrisquei, indo à cidade. Procurei o Dr. Fontoura no seu consultório. Ele ficou assustadíssimo. Disse que eu cometia uma imprudência enorme indo ao centro, pois o meu nome saíra num jornal, envolvido na fundacão de uma associação que a polícia descobriu ser comunista. Que a situação dele também era delicada, não convinha que eu o procurasse. Deu-me um pouco de dinheiro. Dia 21 – O que me aconteceu foi surpreendente. Fui à cidade procurar o senador, com quem, por sinal, não consegui falar. Estive com o Clóvis, que me falou da prisão, ontem, de vários amigos, inclusive o Dunga. Quando subia no ônibus, alguém me agarrou pelo braço. Tremi de susto. Voltei-me; era um sujeito desconhecido, de chapéu. Perguntou se me lembrava dele. Embaraçado, disse-lhe que não podia perder aquele ônibus; ele disse que vinha comigo. Só podia ser tira, ainda mais de chapéu. Não era tira, era careca. Não o reconheci logo porque havia raspado os grandes bigodes louros que sempre usou. É um securitário, Edgar, que conheci por ocasião de uma greve. Antes de chegar à pensão, tive um palpite; saltei do ônibus com Edgar e telefonei do café da esquina perguntando se havia algum recado para mim. Dona Dolores me disse que estavam lá dois amigos me esperando; perguntou se eu queria que ela chamasse. Como não dei meu endereço a ninguém, vi logo do que se tratava. De qualquer modo, esperei; Dona Dolores voltou e disse que os dois tinham ido embora e não tinham deixado os nomes. Depois, mais baixo, disse: “Não venha aqui não.” Estou escrevendo na casa do Edgar onde vou dormir esta noite. Dia 24 – Edgar é formidável. Não me deixou sair de sua casa. Sua mulher é muito simpática; tem uma filhinha de dois anos. Preciso arranjar dinheiro e dar o fora, pois se por acaso eu for preso aqui, Edgar também irá comigo, e talvez até Alice. Alice é muito esclarecida. Edgar foi à pensão ver se trazia minhas coisas, mas Dona Dolores disse que a polícia carregou tudo. Até o livro de Spengler foi em cana. Ainda bem que meus papéis mais importantes estavam na pasta. Dia 26 – Telefonei ao Clóvis, e ele veio me ver ontem. A polícia me procurou também na redação. Ontem foi presa a Linda, mulher do Alcir; saiu nos jornais. Com um bilhete meu, o Clóvis procurou o senador, que me mandou algum dinheiro, ele disse ao Clóvis que devia muitos favores ao meu falecido pai, o que é verdade; de qualquer modo, foi alinhado. Eu podia fugir para Minas com esse dinheiro, mas tive de pedir ao Clóvis para me comprar roupa, escova de dentes, chinelos, etc., pois estava usando as roupas do Edgar, que é um pouco mais baixo do que eu. Como não tenho o que

fazer, e não me arrisco mais a sair de casa, eu mesmo quis lavar minha roupa, mas Alice não deixa de modo algum. Clóvis foi à editora ver se arranja uma tradução qualquer para eu fazer, com uma parte do dinheiro adiantada, mas o diretor está em São Paulo. Dia 28 – Estou com os nervos arrebentados por causa da Alice – quando Edgar vai para a Companhia de Seguros... seria o cúmulo de sem-vergonhice! Se eu tivesse qualquer coisa com essa mulher, seria o último dos cachorros. 1º de março – Sou.

Análise de “Diário de um subversivo”

A crônica “Diário de um subversivo” foi escrita por Rubem Braga no período em que o rapaz passava por momentos difíceis, sempre fugindo da repressão do Estado Novo e mudando de emprego rapidamente, isso quando conseguia algum. O texto foi escrito em primeira pessoa, relatando uma série de dias do autor como uma espécie de diário. É mais ligado ao estilo literário, também servindo como uma espécie de desabafo, onde Rubem Braga diz que “seria o cúmulo de sem-vergonhice” ter qualquer espécie de relação afetiva/sexual com Alice, esposa de seu colega Edgar. No entanto, o cronista revela que cometeu a “sem-vergonhice” com “Sou”, uma simples e única palavra do dia 1º de março, referindo-se ao “último dos cachorros”.

Observação Um ponto a ser destacado é que Rubem Braga adjetiva muito seus textos, trazendo a sensação empírica para nós, ou seja, essa caracterização através dos adjetivos remete o mundo sob a perspectiva do autor.

Bibliografia
 http://www.releituras.com/rubembraga_bio.asp  http://fredb.sites.uol.com.br/braga.html

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->