P. 1
Resumo de Cnidaria

Resumo de Cnidaria

|Views: 7.186|Likes:

More info:

Published by: Hyago Marcello Ochôa on Jul 08, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/14/2013

pdf

text

original

CESNORS-UFSM DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA E CIÊNCIAS BIOLÓGICASCURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DISCIPLINA: ZOOLOGIA DOS INVERTEBRADOS I Profa. Dra.

Daniela da Silva Castiglioni

Filo Cnidaria
 São os animais mais inferiores com tecidos definidos  Incluem as familiares hidras, águas-vivas, anêmonas-do-mar e corais. CARACTERÍSTICAS GERAIS: (1) SIMETRIA RADIAL; sem segmentação. (2) São DIBLÁSTICOS: uma EPIDERME EXTERNA (ectoderme) e uma GASTRODERME INTERNA (endoderme). Entre as duas camadas existe uma MESOGLÉIA de consistência gelatinosa. → Presença de CNIDOBLASTOS nas duas camadas celulares. (3) Possuem dos tipos morfológicos: - PÓLIPO – sedentário - MEDUSA – livre (4) São na maioria marinhos e poucos de água-doce, incluindo as hidras. (5) Aproximadamente 11.000 espécies e no Brasil 470 espécies. (6) Classificação: (1) CLASSE HYDROZOA: hidras, hidromedusas, hidrocorais (2) CLASSE SCYPHOZOA: cifomedusas (4) CLASSE CUBOZOA: cubomedusas (5) CLASSE ANTHOZOA: anêmonas-do-mar, corais moles, corais pétreos, gorgônias. MORFOLOGIA GERAL:  Para simplificar usaremos as familiares hidras para exemplificar a morfologia geral dos CNIDÁRIOS.  As hidras são pólipos solitários e cilíndricos que variam de uns poucos milímetros até 1 cm ou mais de comprimento. Ex: Hydra virides: é um hidropólipo de água-doce, que vive solitário, sendo capaz de se movimentar ativamente, com tamanho variando de 10 a 30 mm. A cor verde do animal é determinada pelas zooclorelas (algas verdes) que vivem em simbiose nas suas células.  A extremidade aboral da haste corporal forma um disco basal: função prender-se ao substrato.  Extremidade oral contém uma plataforma ou cone chamado de hipóstomo com a boca no topo e ao seu redor encontram-se 6 a 10 tentáculos. Tipos de células: (1) CÉLULAS EPITÉLIO-MUSCULARES OU MIOEPITELIAIS: é a mais comum.  São mais ou menos colunares, com a base alargada repousando contra a mesogléia, contendo 1 ou 2 fibrilas contráteis.  Na epiderme, tais células aparecem dispostas longitudinalmente executando 2 funções: proteção e movimento.
1

 No interior do CNIDÓCITO encontra-se o nematocisto que é uma vesícula ovóide. fixa os tentáculos ao substrato pelo uso dos nematocistos aglutinantes. Deste modo. a hipnotoxina. com parede dupla (membrana interna e membrana externa) que em seu interior encontra-se um filamento enrolado. tendo no pólo apical um curto bastonete sensorial. A seguir os tentáculos se curvam e introduzem a presa na boca. O cordão perfura seu caminho no interior dos tecidos da presa e injeta uma toxina com função paralisante.  Nematocistos funcionam na captura de presas.  Às vezes as células glandulares do disco basal secretam uma bolha de gás na qual a hidra se fixa.  Começa então a digestão extracelular – as células glandulares da gastroderme secretam enzimas digestivas que são distribuídas por toda a cavidade gastrovascular por contrações do corpo e por movimentos flagelar das células quebrando o alimento em diversas partículas. podendo flutuar e atingir a superfície. O cordão fica geralmente aberto na ponta e se arma com espinhos na descarga. Serve para proteção. (3) CNIDÓCITOS: estão presentes em toda a epiderme. 2 . incluindo as hidras. solta-se e move o disco basal para um novo local. Através da sua base entra em contato com uma rede de células nervosas. (4) CÉLULAS MUCO-SECRETORAS: são encontradas na epiderme e são abundantes no disco basal da hidra. Essa cavidade é preenchida por um líquido urticante. LOCOMOÇÃO:  Normalmente a Hydra vive fixa através do disco basal. Formam-se novos nematocistos a partir de células intersticiais vizinhas.  São mais abundantes nos tentáculos onde ficam agrupados e formam as “baterias de nematocistos”. os nematocistos são descarregados. (5) CÉLULAS SENSORIAIS/RECEPTORAS: são delgadas. (2) CÉLULAS INTERSTICIAIS:  Estão abaixo da epiderme e entre as células epitélio-musculares.  São pequenas e com núcleos grandes.  Após a descarga ele não pode ser recolhido e estas partes voltam para o intestino e são digeridas. ou qualquer outro tipo celular. NUTRIÇÃO: Quase todos os cnidários são carnívoros. o animal vai se locomovendo através de uma série de “cambalhotas”. ou seja. captura de presas e adesão.  Algumas vezes locomove-se apoiando sobre os tentáculos. O nematocisto descarregado consiste de uma cápsula e de um tubo em forma de cordão de comprimento variável.  Quando a presa entra em contato com os tentáculos.  tem a forma de um cálice fechado na extremidade superior. são totipotentes.  O mecanismo de descarga do nematocisto pode ser desencadeado por estímulos químicos ou mecânicos. entre as células epitélio-musculares ou na gastroderme. São as células germinativas ou formativas do animal dando origem ao esperma e aos óvulos.Contraindo-se ou distendendo-se elas funcionam como musculatura longitudinal servindo para encurtar o corpo e os tentáculos. onde apresenta pequeno prolongamento pontiagudo. o animal pode se movimentar de várias formas:  Comumente dobra-se. Não é necessário um estímulo direto sobre o cnidocílio para provocar a explosão da cápsula. (6) CÉLULAS NERVOSAS: possuem numerosos prolongamentos os quais se unem e formam uma rede nervosa adjacente a mesogléia. No entanto para facilitar a captura de alimento. Através dos prolongamentos entram em contato com as células sensoriais e epitélio-musculares.

REPRODUÇÃO: Pode ser assexuada e sexuada (Hydra) ASSEXUADA: 2 tipos Brotamento: as células intersticiais. que se formam a partir de células intersticiais.  Exibem tanto a estrutura polipóide como a medusóide e algumas espécies passam pelas duas formas em seu ciclo de vida.  Os poucos cnidários conhecidos de água-doce pertencem a esta classe: incluem as hidras e algumas pequenas águas-vivas. sendo revestido por um cisto. EXCREÇÃO: As substâncias tóxicas produzidas pelo metabolismo celular são eliminadas através da difusão e saem através da cavidade bucal. aparecendo como expansões na parede do corpo. As partes não digeridas são expulsas pela abertura bucal. podem regenerar um novo indivíduo. SISTEMA NERVOSO:  É do tipo difuso por não apresentar gânglios (centro coordenadores das funções nervosas). não existe estágio larval sendo que do interior do cisto sai um hidra jovem. Regeneração: se uma hidra for cortada em duas ou mais partes. ou seja.  São pequenos e com aparência de plantas.700 espécies. O ovário é uma expansão arredondada contendo um único óvulo. permanecem ativos por um dia ou mais. bastante rudimentar é constituído por uma rede de células nervosas entre a epiderme e a mesogléia. Inicia-se a digestão intracelular – as células nutritivo-musculares da gastroderme fagocitam o alimento que é digerido no interior de vacúolos. diretamente da água que banha as células externas e internas da superfície corpórea dos cnidários. Depois de algum tempo (10 a 70 dias) o cisto amolece e resulta na hidra jovem. O desenvolvimento é direto. 3 .  Os testículos são expansões cônicas. RESPIRAÇÃO: O oxigênio é absorvido por osmose. Por mecanismo inverso é eliminado o anidrido carbônico (CO2). que emergem através de um poro no testículo para nadar. no interior dos quais formam os espermatozóides.  As células nervosas estão particularmente concentradas em torno da boca. SEXUADA:  A maioria das espécies é dióica e poucas são monóicas. CLASSE HYDROZOA  Mais ou menos 2.  As gônadas são estruturadas temporárias.  3 características que unem os membros dessa classe: (1) mesogléia não tem células. (2) gastroderme não tem cnidócitos. produzem uma expansão lateral chamada broto – estes se formam na haste como evaginação simples da parede do corpo e posteriormente a extremidade distal do broto cai para formar um novo indivíduo.  Este sistema. por divisão e diferenciação.  O embrião destaca-se do corpo materno.

Tal coleção de pólipos é chamada de colônia hidróide. mesogléia e gastroderme. HIDRORRIZA: é a porção que serve para fixar a colônia ao substrato. denominados de dactilozoóides – geralmente têm forma de taco com muitos cnidócitos e células adesivas. No centro da colônia. HIDROCAULE: é a porção ramificada que sustenta centenas de pólipos – denominados de hidrantes (pólipos com boca e tentáculos. responsáveis pela alimentação). produzindo novos brotos. ou seja. o blastóstilo. possuem 2 tipos de hidróides sendo funcionalmente diferentes. Eles capturam e ingerem as presas. sendo constituído por epiderme. encontra-se um grande gastrozoóide. sobre o qual brotam medusas. sendo percorrido pela cavidade gastrovascular. os óvulos e o esperma são eliminados para o meio externo. Recobrindo o gonozoóide encontramos a gonoteca – com a mesma estrutura da hidroteca. Os mais numerosos e evidentes são os GASTROZOÓIDES ou TROFOZOÓIDES que são pólipos nutritivos ou alimentares que se parecem com uma hidra pequena.  A margem da umbrela projeta-se para dentro para formar uma plataforma chamada de véu ou velum. distinguindo-se duas partes: hidrorriza e hidrocaule. existem pólipos defensivos especiais. a maioria dos hidróides não libera suas medusas. Trata-se de um pólipo cilíndrico. mas freqüentemente fecha o próprio hidrante em um invólucro chamado hidroteca – em forma de vaso (função de proteção). mas a vasta maioria é colonial. 4 . mas a maioria possui um estágio polipóide em seu ciclo de vida.  Um grupo incomum de hidróides consiste dos membros dos gêneros Porpita (botões-azuis) e Velella (marinheiros-à-vela) que flutuam próximos à superfície sendo espécies planctônicas (variam de 2 a 10 cm de diâmetro) e são consideradas como uma colônia.  A maioria das colônias hidróides tem 5 a 15 cm de altura. Face superior. CENOSSARCO: tecido vivo no interior do perissarco. variando de 0. ESTRUTURA DA MEDUSA  As hidromedusas são geralmente pequenas. mas ausente em Obelia. característica da maioria das hidromedusas. uns conectados aos outros. Os pólipos individuais são geralmente muito pequenos e não-evidentes. GONOZOÓIDE (GONÂNGIO): é um pólipo modificado com função exclusivamente reprodutiva. convexa é chamada exumbrela e a inferior côncava é chamada de subumbrela. A maioria dos hidrozoários alimenta-se de zooplâncton suficientemente pequeno para serem manipulados pelos gastrozoóides.  A colônia tem uma forma arborescente.  Cada ramo do hidrocaule é constituído por: PERISSARCO e CENOSSARCO.5 a 6 cm de diâmetro. PERISSARCO: é uma membrana externa e transparente de composição quitinosa que pode confinar-se ao hidrocaule. mas em algumas espécies. servindo para a circulação do alimento. como as hidras – são pólipos solitários. Os gonozoóides pendem para baixo em forma de tentáculos. O cenossarco reveste a cavidade gastrovascular que estabelece a comunicação com os diversos hidrantes. ESTRUTURA HIDRÓIDE:  Alguns exibem somente a forma MEDUSÓIDE.  Embora sejam produzidas medusas livres em algumas espécies (Obelia). constituído por um eixo central.  No desenvolvimento das colônias.  A maioria das colônias hidróides é pelo menos dimórfica. mas o gênero Branchiocerianthus pode atingir um comprimento de mais de 2 m. os brotos permanecem presos.  Os gastrozoóides também apresentam as funções defensivas da colônia.  Algumas espécies.  Forma do corpo: é a de uma campânula ou guarda-chuva.(3) gônadas são epidérmicas ou se forem gastrodérmicas.

São os elementos propulsores da colônia. as medusas não são liberadas. Tais medusas são dióicas e formam as gônadas. principalmente monóxido de carbono.  Geralmente pendem de uma grande haste. A fecundação é externa. o bulbo tentacular. DACTILOZOÓIDES – pólipos filamentosos cheios de cnidoblastos e servem para a defesa da colônia. Esta logo se fixa e transforma-se num pólipo que por processos de brotamento origina nova colônia. FILOZOÓIDES – pólipos transformados em lâminas com função de proteger outros indivíduos de maior importância. Da subumbrela pende uma curta expansão.indivíduos medusóides providos de véu.  A margem da umbrela apresenta numerosos tentáculos e em alguns vemos na base. Função: órgão flutuador. ORDENS DE HIDROZOÁRIOS ESPECIALIZADOS SIPHONOPHORA: *São grandes colônias pelágicas polimórficas compostas de membros polipóides e medusóides modificados. Este é o caso de Tubularia que além de reter as medusas. da qual partem quatro canais radiais dividindo o corpo da medusa em quadrantes. 5. NATAÇÃO  O véu é uma dobra da ectoderme cuja função é auxiliar na locomoção.  Um representante comum é a caravela-portuguesa – Physalia. GASTROZOÓIDE – pólipos usados para apreensão de alimentos tendo a cavidade gástrica comunicada com os demais indivíduos. responsável pelo equilíbrio. conchas ou estacas.  O manúbrio constitui uma espécie de faringe primitiva que conduz a cavidade gastrovascular. Esses canais desembocam num canal anelar.  A reprodução é feita por alternância de gerações. Em algumas espécies. em vez delas. junto aos canais radiais.  Tal altenância de gerações sexuada e assexuada é chamada de metagênese. 3. O gonozoóide então é chamado de gonóforo. 2. A colônia adulta apresenta as seguintes estruturas: 1. o estatocisto. O gonozoóide (gonângio) produz as hidromedusas que constituem a fase sexuada. a plânula.  A superfície externa é recoberta pela epiderme e as cavidades internas pela gastroderme. mas sem manúbrio. o manúbrio e na sua extremidade encontra-se a boca. 5 . CICLO REPRODUTIVO Ex: Obelia é um hidróide típico. encontrado em rochas. PNEUMATÓFORO – é uma medusa bastante desenvolvida. 4. com tentáculos e órgãos sensoriais. que percorrem a margem da umbrela. permanecem presas ao pólipo e é daí que elas liberam seus gametas. larvas actínulas – formas polipóides arredondadas e pelágicas. retêm também as larvas plânulas liberando. no interior do qual encontra-se o estatólito (um grânulo calcário). dotada de uma vesícula cheia de gás. Entre as duas existe grande quantidade de mesogléia (dando ao animal um aspecto gelatinoso). em águas rasas de costas marinhas. NECTOZOÓIDE OU SINOS NATATÓRIOS . Através da contração muscular a água é expulsa através de um jato. uma vesícula transparente. O zigoto forma uma larva ciliada.

 Os tentáculos da Physalia chegam a 30 m de comprimento e são usados para a apreensão de peixes.O manúbrio prolonga-se em 4 ou 8 braços orais – geralmente cheio de babados.  GASTROZOÓIDES emergem de grandes poros e os DACTILOZOÓIDES emergem a partir de poros circundantes no esqueleto. 6 .  Em sua extremidade porta um grande número de filamentos gástricos que contém cnidócitos e células glandulares. . o velário e porta quatro tentáculos ou quatro grupos de tentáculos – que são chamados de pedália. podendo atingir um tamanho considerável.  Cifomedusas são em geral.  A margem do sino não é recoberta. HIDROCORAIS  São hidrozoários ou polipóides coloniais que secretam carbonato de cálcio.  A cifomedusa mais freqüente nas costas brasileiras é a Aurelia aurita. são um pouco cubóides e a forma. Maioria tem a umbrela com diâmetro de 2 a 40 cm. CUBOMEDUSAS:  Comumente chamadas de caixas-do-mar. ESTRUTURA CIFOMEDUAS: O sino varia em forma desde um prato raso até um capacete fundo. Podem causar lesões tão severas e lentas para cicatrizar. GONOZOÓIDES – Pólipos tubulosos. Algumas são chamadas de vespas-do-mar (cubomedusas) (Chironex). desprovidos de boca e tentáculos. . São conhecidos como corais de fogo ou urticantes.  Os tentáculos ao redor da margem do sino variam de 4 a muitos. CLASSES SCYPHOZOA/ CUBOZOA  200 espécies descritas de cifozoários/ 16 espécies de cubomedusas. mas algumas espécies como o gênero Cyanea atingem 2 metros de diâmetro. encarregados de reprodução da colônia. Ex: Millepora: comum em recifes de corais e tem cor amarelo-amarronzada devido as zooxantelas (algas) simbióticas. possui uma estrutura em forma de vela que é o véu dos hidrozoários. a partir do qual se estendem quatro bolsas gástricas.  São referidas como águas-vivas. sugere o nome dado ao grupo. que portam cnidócitos e ajudam na captura e ingestão da presa.Não há a presença de véu.6. COMUM A TODOS:  Uma curta faringe percorre internamente o falso manúbrio e conduz ao estômago central.  Nestas classes a medusa é o indivíduo dominante no ciclo de vida e a forma polipóide restringe-se a um estágio pequeno. maiores que as hidromedusas. produzem toxinas tão virulentas que as tornam extremamente perigosas. podendo apresentar um crescimento incrustante ou vertical. podendo matar a vítima após 3 a 20 minutos. sendo ainda responsáveis por acidentes urticantes e dolorosos para o homem. Entre as bolsas encontram-se os septos.A margem é tipicamente recortada formando lóbulos.  Habitam águas costeiras e podem constituir um incômodo em praias para banho. mas encontram-se ausentes em algumas medusas. . que possuem uma abertura que ajuda a circulação da água.

Os nematocistos diferentes dos demais cnidários não apresentam opérculo. Pennatulacea. Em muitos corais (octocorais). As paredes dos septos contém nematocistos. encontra-se o órgão sensorial denominado de ropálio. Os amebócitos do cenênquima e “que secretam o esqueleto. Os canais radiais correm tipicamente das bolsas gástricas para a margem do sino. Podem encontrar-se ou não um canal anelar. Stolonifera HECACORALLIA (= ZOANTHARIA) Mesentérios pares geralmente 6 ou múltiplo. penas do mar e corais negros. Esqueletos calcários massivos  ordem Scleractinia As células epidérmicas da metade inferior da coluna é que secretam CaCO3. Telestacea. as células mesenquimáticas chamadas escleroblastos secretam uma variedade de escleritos calcários tais como gorgonias e o cenênquima apresenta escleritos de várias cores e formas. A mesoglea fibrosa contém células mesenquimáticas. As gônadas são gastrodérmicas. como nos cifozoáros.1. Helioporacea. mas outros secundários imediatamente opostos à única sifonoglife Ordens: Antipatharia. O esqueleto é coberto por uma fina camada de epiderme viva que o secreta. Alagonacea. O esqueleto calcáreo como um todo é chamado de CORALUM. A Faringe apresenta uma ou mais dobras ciliadas  SIFONOGLIFE Subclasses OCTOCORALLIA (= ALCYONARIA) = octocorais 8 tentáculos pinados 8 mesentérios completos 1 única sigonoglife Ordens: Gorgonacea. Corallimorpharia CERIANTIPATHARIA (Ceriantipatários) Mesentérios completo 6 mesentérios primários. Ceriantharia Existem 2 tipos de esqueleto nos Anthozoários: córneo e o calcáreo O esqueleto córneo ocorre em vários grupos como Gorgonia. os quais invadem os mesentérios do pólipo 7 . a qual é dividida em septos ou mesentérios em compartimentos radiados. As medusas são ausentes. Os tentáculos são em número de 8 ou múltiplos de 6 e todos contém extensões do celenteron.  Alguns cifozoários alimentam-se de peixes. a menos que o pólipo seja solitário  CORALITO A parede externa do coralito é a TECA e o assoalho é o PRATO BASAL. no entanto várias espécies de alevinos nadam com determinada espécie de cifozoários para proteção. NUTRIÇÃO:  Alimentam-se de todos os tipos de pequenos animais especialmente de crustáceos (zooplâncton). 2 ou mais sifonoglifes Ordens: Actiniaria.  Entre as fileiras de tentáculos da margem do sino.  Tais medusas flutuam nos mares ou então nadam por contrações rítmicas da umbrela. Zoanthidea. Podem ter 0. A boca termina numa faringe que se estende mais do que a metade da cavidade gastrovascular. Scleractinia. CLASSE ANTHOZOA São formas polipóides solitárias ou coloniais. Levantando do centro da parte basal existe um processo esquelético de suporte a columela O prato basal dá origem à vários septos.

Os óvulos podem ser fecundados na cavidade gastrovascular. com o desenvolvimento tomando lugar nas câmaras septais ou a fertilização pode ocorrer fora do corpo. mas a Icalia columbiana e a Stichodactyla podem chegar a mais de 1 metro de diâmetro na região oral. Nas anêmonas existem dois tipos de septos – completos e incompletos. Ele é mais comprido do que o septo. O lobo mediano contém cnidócitos e células glandulares enzimáticas ao longo de todo o comprimento do septo. A margem livre do septo é trilobado. vermelhas ou uma combinação de cores. CERIANTHÁRIOS E ZOANTHÍDEOS Os ceriantários são pólipos adaptados a viver em fundos moles. ou seja. Os escleractíneos produzem esqueleto calcáreo externo. Estutamente relacionados às anêmonas do mar e constituem a maior ordem da classe. Em algumas anêmonas. o lobo mediano continua além da base do septo como um prolongamento chamado acôncio que se projeta na cavidade gastrovascular. Esse tubo é formado por muco e filamentos e cápsulas pticócistos = organelas semelhantes à nemaatocistos. conchas etc ou enterradas na areia ou lodo. Os corais não tem sifonoglife 8 . Como em todos antozoários. na água do mar. A maioria tem 1 a 2 cm de diâmetro e é colonial. O corpo fica alojado num tubo secretado que fica enterrado no substrato. a cavidade de gastrovascular da anêmona do mar é dividida por setpos radiados longitudinais. Zooxantelas ou Zooclorelas simbióticas podem ser encontradas nas células gastrodérmicas das anêmonas. Umas poucas espécies são comensais. A larva plânula pode ser planctotrófica ou lecitotrófica. A maioria das anêmonas variam de 1.5 a 10 cm em comprimento e de 1 a 5 cm de diâmetro. Elas habitam desde águas rasas até profundas. Os lobos laterais do filamento são compostos por células ciliadas que ajudam na circulação da água. O sistema muscular em anêmonas é muito mais especializado do que em outras classes de cnidários e está desenvolvido nos septos. Geralmente as anêmonas são coloridas e podem ser brancas. Muitos abrigam zooxantelas. azuis. laranja. os quais aumentam a superfície interna.ANÊMONAS DO MAR São pólipos solitários e são consideravelmente maiores e mais pesados do que os pólipos de hidrozoários. Histologicamente cada setpo consiste de 2 camadas de gastroderme separadas por uma mesoglea. Vivem presas às rochas. Ocorrem no mundo todo mas são mais comuns nas regiões tropicais. principalmente nos tentáculos e no disco oral de muitas anêmonas do mar. Os Zoantídeos são tropicais e são alguns dos organismos mais comuns habitantes de corais. Algumas anêmonas são comestíveis “urtiguitas” comuns na Espanha. Alguns corais tem pólipos muito grandes: Fungia = 25cm de diâmetro mas a maioria tem pólipos pequenos de 1 a 3 mm de diâmetro. A maioria das anêmonas é hermafrodita mas produz somente um tipo de gameta durante um ciclo reprodutivo. Corais de Pedra ou Escleractíneos. verdes.

perfurada por tubos gastrodérmicos que são contínuos com as cavidades gastrovasculares dos pólipos. Existe um pólipo primário que sustenta a colônia ancorada na areia. Somente um a sifonoglife. Ele pode ser composto por espículas calcáreas fusionadas ou de material córneo. Da parte superior do pólipo primário surgem pólipos secundários que são os mais típicos denominados de autozoóides (alimentação da colônia) siphonozóides  bombeiam a água na colônia. Esse esqueleto é interno e é parte integral do tecido. São cnidários coloniais. Os amebócitos secretam material calcáreo esquelético que sustentam a colônia. O corpo é mole embora existam espículas calcáreas no cenênquima. Toda a superfície é recoberta por epiderme. Os pólipos de uma colônia Octocoralia estão conectados pela massa de tecido chamada cenênquima. Existem sempre 8 septos um de cada lado da base do tentáculo. A ordem Pennatulacea é constituída por membros muito diferentes.OCTOCORAIS Os octocorais tem sempre 8 tentáculos que são pinados (possuem ramos laterais como se fossem folhas). Esse tecido consiste de uma massa grossa de mesoglea. Ex: Renilla 9 . Somente a porção superior do pólipo se projeta para cima do cenênquima.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->