1

TENDÊNCIA TECNICISTA A surgiu Unidos chegando nos na no Tendência Estados segunda Brasil, Tecnicista de Ensino trabalho e reconhecia que as escolas e as universidades eram os locais mais adequados para exercerem tal tarefa. Os professores deveriam transmitir os conteúdos de ensino de maneira eficiente, precisa, clara, objetiva e rápida. É importante esclarecer que o tecnicismo vigente nas escolas brasileiras foi legitimado pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LDBEN no: 5.692/71 - que reformulou os ensinos de 1o e 2o Graus (atuais Fundamental e Médio). Como resultado da reforma educacional promulgada pela LDB de 1971, o ensino se fragmentou, desarticulando-se da realidade dos alunos. Tal fato ocorreu em virtude do próprio caráter tecnicista da LDB no: 5.692/71, que não oferecia espaço dos para a criatividade e e a no subjetividade discentes docentes

metade do século XX, entre as décadas de 1960 e 1970 - período da Ditadura Militar. Essa concepção de ensino acreditava que o homem é produto do meio e resultado das consequências das forças existentes em seu ambiente. Para os tecnicistas a consciência do homem é formada pelas relações acidentais estabelececidas pelo meio social, devendo portanto, ser controlada através da educação. A Tendência Tecnicista se apropriou de vários conceitos da ciência que trata das mudanças dos comportamentos humanos que e utilizou, o principalmente, a teoria de Skinner (1904 -1990) Comportamentalismo compreende desenvolvimento humano como resultado dos condicionamentos - estímulos/respostas. O principal objetivo da Tendência Tecnicista era levar os alunos à agirem de acordo com o status quo (sistema vigente), ou seja, era preciso preparar os alunos para o mercado de trabalho (com “qualidade total”), além de levá-los a conformarem-se à política da época. O método de ensino utilizado se fundamentava nas teorias comportamentalistas e não oferecia espaço para o pensamento crítico e reflexivo. Através de estímulos específicos, previamente elaborados pelos professores (que, na maioria das vezes, eram militares as sem aulas qualquer eram formação e pedagógica) executadas. A Pedagogia Tecnicista preocupava-se em formar indivíduos competentes para o mercado de planejadas

ambiente escolar, tendo em vista que era preciso silenciar as vozes dos professores e alunos contra o Regime Militar. A área de Artes, meramente como várias outras áreas de tornando-se disciplina ensino nesse período, passou a ter caráter técnico, obrigatória na Rede Pública. Os professores de Desenho, Música, Artes Manuais, Canto, Coral e Artes Aplicadas, que vinham atuando segundo os conhecimentos específicos de suas linguagens presenciaram a passagem do conhecimento científico (pertinentes à suas áreas) em mero conhecimento técnico, que resultava na aplicação de atividades práticas e descontextualizadas. Portanto, desde a implantação da LDB no: 5.692/71 a disciplina Educação Artística passou a ser tratada de modo indefinido, como escrito na redação de um dos documentos explicativos da Lei - Parecer nº: 540/77: “A educação artística não é uma matéria, mas uma área bastante generosa e sem contornos fixos, flutuando ao sabor das tendências e dos interesses”.

A Tendência Tecnicista se firmou no Brasil nos anos setenta alicerçada nos princípios de otimização. pelos Cursos de Licenciatura Plena poderiam ser contratados ou prestarem Concurso Público para assumirem o magistério. foram banidas dos currículos e novas disciplinas. negando a promoção de espaços democráticos para discussões e debates sobre os temas desenvolvidos no decorrer das aulas.692/71 foi promulgado que somente os professores habilitados pelos Cursos de Licenciatura Curta e. porém. das diversos práticas profissionais totalmente distanciados das Artes ciência. nas décadas de 1960 e 1970. destacados nas obras de Bloom. nesses cursos. A metodologia de ensino deveria privilegiar os estudos dirigidos. os livros didáticos. práticos e úteis. pois os elementos centrais do sistema educacional eram as técnicas utilizadas pelos professores. eficiência e produtividade e se apoiou em um currículo organizado para atender as necessidades do Regime Militar. 2o) Tecnologias de informação e comunicação. Os conteúdos de ensino se pautavam em informações e princípios científicos. essa tendência era utilizada. aprenderam que os planejamentos de ensino e os planos de aula deveriam estar centrados em objetivos operacionalizados. por exemplo: Sociologia e Filosofia retornaram aos currículos escolares e universitários. o mercado como de trabalho bem recebeu como. como as citadas a seguir: 1o) Técnicas de ensino e estudo que valorizavam o acúmulo de conhecimentos rígidos e técnicos. as disciplinas. racionalidade. educacionais necessárias à docência. tendo em vista que haviam surgido por imposição. Na verdade. isto é. fazia-se transparecer a chegada da Modernidade no ambiente escolar. Disciplinas. para escamotear as intenções da escola e das universidades. antes proibidas. qualidade. visava a polivalência em Artes. alunos e professores ocupavam posição secundária no processo de ensino. como. a partir da LDB nº: 5.2 Também. através de técnicas específicas e à educação competia a organização do processo de aquisição e de habilidades. mais tarde. De acordo com a Tendência Tecnicista. nessa época. A escola funcionava como modeladora do comportamento humano. Infelizmente. 3 ) Organização mecanizada do trabalho docente. assim. não permitindo qualquer subjetividade de pensamento e os procedimentos de ensino deveriam garantir o controle das condições ambientais para a recepção das informações transmitidas pelos professores. na verdade. o Orientados por uma concepção mecanicista de ensino. as instruções programadas. Até mesmo o vocabulário utilizado nos ambientes de ensino. os professores brasileiros que cursaram o Magistério. Com a abertura política. que possibilitassem a aprendizagem mecânica dos alunos. como: Moral e Cívica e OSPB. a formação dos professores. por exemplo: “disciplina”. “grade curricular” e “inspetor de ensino” revelavam a verdadeira intenção da escola. atitudes conhecimentos específicos. antes impostas. os manuais de ensino e os recursos tecnológicos e audiovisuais. competências. servir ao modelo sócioeconômico vigente. que se tornaram obrigatórias. ou seja. justamente. deixaram de fazer parte do currículo escolar após o Regime Militar. que começaram a entrar no ambiente escolar a partir da década de 1970. mantendo os alunos silenciados e adaptados ao sistema político. . como. dos planos de ensino e planos de aula. reproduzir o status quo.

Os alunos eram receptores passivos das informações transmitidas e o ensino se apoiava na Teoria do Condicionamento Humano.. 2o) ensino. Democratização da escola pública.operacionalizada da forma mais técnica possível.que reorganizou o Ensino Fundamental e Médio (antigos 1o e 2o Graus). O relacionamento professor aluno era administrado pela frieza e pelo controle das situações de aula. pois era preciso manter a disciplina e a hierarquia entre mestres e alunos.540/68 . José Carlos. São Paulo: Loyola.que reorganizou o Sistema de Educação Superior (antigo 3o Grau) e. 3o) Avaliação dos Conteúdos . Por fim. um dos autores que explica as relações entre estímulos humanos e respostas. 2004. absolutos e cristalizados. A pedagogia crítico-social dos conteúdos.operacionalizados em comportamentos observáveis e mensuráveis. para obtenção das melhores condições de transmissão dos conteúdos prontos. aprendidos os são comportamentos meio. é preciso lembrar que os marcos legais de implantação do Modelo Tecnicista são as seguintes Leis: 1o) Lei nº: 5. Segundo Skinner. Cheila Szuchmacher Procedimentos Instrucionais - operacionalizados através da metodologia de resultados dos estímulos externos produzidos pelo .3 Cabe lembrar que o Tecnicismo se apoiou três componentes básicos: 1o) Objetivos Instrucionais . para obter os resultados esperados. REFERÊNCIA: LIBÂNEO.692/71 . 2o) Lei nº: 5.