P. 1
TRABALHO, DEFICIENTES FISICOS

TRABALHO, DEFICIENTES FISICOS

|Views: 327|Likes:
Publicado porkynlow

More info:

Published by: kynlow on Jul 11, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/17/2013

pdf

text

original

1 - INTRODUÇÃO

Nos dias atuais, o aumento da produtividade nos diversos setores econômicos tem mostrado que cada vez mais temos que lidar com as conseqüências de excesso de trabalho, o que implica em sua maioria no surgimento de doenças ocupacionais. O papel ergonômico neste contexto é de vital importância. Isso porque os riscos ergonômicos estão presentes em qualquer categoria de trabalho. É função do ergonomista trabalhar com a orientação ao trabalhador sobre a forma correta de trabalho e sua relação com seu posto de trabalho de forma que ele não adote uma postura que seja nociva a sua saúde. “A postura tem importantes implicações na saúde e no bem-estar geral de grande parte do corpo, isso porque ela determina a quantidade e a distribuição do esforço sobre os vários ossos, músculos, tendões, ligamentos e discos. Pois uma “boa postura” mantém o esforço total em seu mínimo, distribuindo-o para as estruturas mais aptas a suportá-lo. A “mápostura” tem efeito contrário, aumentando o estresse total e distribuindo-o para estruturas menos capazes de suportá-lo.” Se cada detalhe do ambiente é importante ao fazer uma analise ergonômica no local/posto de trabalho, onde quem vai exercer a atividade laboral é considerado fisicamente capacitado e sem restrições, para um trabalhador portador de deficiência o cuidado deve ser maior pois o conforto físico e psicológico deve estar aliado ao fato que a inclusão no mercado de trabalho deve ser sem traumas ou constrangimento para os mesmos. O presente estudo tem como objetivo a pesquisa da postura semi-sentada que embora proibida pela norma específica, NR17, ainda ocorre em alguns setores assim como a vida laboral dos trabalhadores portadores de deficiência, e os riscos ergonômicos a que eles estão expostos, bem como outros fatores que possam ser considerados nocivos a sua saúde e segurança ocupacional.

2 – DESENVOLVIMENTO 2.1 - Conhecendo o a função da coluna A coluna vertebral é o eixo ósseo do corpo, situada no dorso, na linha mediana, capaz de sustentar, amortecer e transmitir o peso corporal. Além disto, supre a flexibilidade necessária à movimentação, protege a medula espinhal e forma com as costelas e o esterno o tórax ósseo, que funciona como um fole para os movimentos respiratórios. Pesquisas mostram que 50 a 80% dos adultos serão vítimas, no decurso de suas vidas, de alguma forma de dor decorrente de afecções da coluna vertebral, muitas vezes, por uma postura errada durante o trabalho ou o repouso. A coluna é formada de 33 vértebras: 24 pré-sacrais, sendo 7 cervicais, 12 torácicas e 5 lombares; pelo sacro composto de 5 vértebras fundidas e pelo cóccix formado de 4 vértebras rudimentares fundidas entre si, sendo que a 1a. vértebra coccígea, um pouco mais volumosa, se articula com o ápice do sacro através de um disco intervertebral rudimentar. Entre suas funções temos: proteção da medula espinhal, movimentação e marcha, manutenção da posição ereta, suporte do peso corporal e ligação de todas as suas regiões desde a occipital até o sacro. Apresenta 4 curvaturas fisiológicas que não ocorrem ao acaso: lordose cervical, cifose torácica, lordose lombar e cifose sacra. A lordose cervical estende-se do atlas à segunda vértebra torácica, a cifose torácica da segunda vértebra torácica à décima segunda, e tem variações individuais. A lordose lombar é uma curvatura que se estende da décima segunda vértebra torácica até a transição lombosacra. A sua forma deve-se à adaptação às forças de carga e locomoção, que se inicia a partir do momento em que o indivíduo passa a deambular. A curvatura sacra, da articulação lombosacra ao cóccix e a sua concavidade anterior direciona-se para frente e para baixo. Essas curvaturas têm para a coluna uma função muito especial: equilibrar e facilitar a distribuição do peso e das forças compressivas, impedindo a sobrecarga de áreas específicas. É simples, na ausência dessas curvas, a coluna seria igual a uma tábua, o que dificultaria a sua mobilidade. No plano frontal a coluna é reta, sendo que alguns desvios laterais discretos podem estar presentes.

O funcionamento adequado deste conjunto intrincado depende da energia trazida pelo sangue através de inúmeras artérias e do controle transmitido do sistema nervoso central pelos vários nervos periféricos que chegam aos pés. devido à sua importância no equilíbrio e sustentação do corpo. sistema circulatório entre outros que afetam ou são diretamente afetados quando algo não funciona bem nessa maquina perfeita que é o corpo humano. Os músculos da barriga da perna têm uma função diferente. Esses músculos fazem a maior parte do trabalho quando andamos. das quais fazem parte 28 ossos que entre si. constituem várias constituem várias articulações. Mantendo o perfeito relacionamento entre estas peças. Eles movem os pés para baixo quando nós caminhamos com passos largos. o coro humano é uma estrutura perfeita que trabalha de forma harmoniosa. esta estrutura é responsável pela postura e equilíbrio do corpo.2 PERNAS E PÉS As pernas são construídas basicamente como os braços. mas também empenham-se ainda mais para impelir o corpo para a frente quando corremos. A parte principal dos músculos da perna está na coxa. Os pés por sua vez tem estruturas e extremamente complexas. estão centenas de ligamentos e algumas e algumas dezenas de músculos.2. Claro. músculos e esqueleto. sendo ajudados pelos músculos das nádegas. Até uma ação simples. envolve um tremendo esforço por parte do sistema nervoso. fornecendo o "empurrão" final que move todo o nosso corpo para frente. e não podemos desconsiderar sistema muscular. Dentro do funcionamento do sistema esquelético. . e as articulações são envolvidas em toda a extensão das pernas desde os artelhos até o quadril. Os músculos das pernas são vigorosíssimos e não apenas sustentam o peso do nosso corpo quando estamos de pé. Isto significa que os ossos das pernas devem ser mais pesados e mais fortes para absorver a força dos m e suportar o impacto dos pés no chão. Ma como vamos tratar de postura nosso foco vai ser a coluna vertebral e os membros inferiores. mas são muito mais longas e fortes. como caminhar. O comprimento de nossas pernas nos dá velocidade extra quando corremos. sistema nervoso central.

3 . Por exclusão.SENTADO Postura – é o arranjo relativo das partes do corpo. .POSTURA SEMI. promovendo fadiga e aumento do processo degenerativo. imagine então o meio termo: a postura semi sentada. a má postura é aquela em que o relacionamento entre as várias partes do corpo induz a uma agressão – as estruturas de suporte. possibilitando o sistema músculo-esquelético desempenhar suas funções com maior eficiência. A boa postura promove o equilíbrio entre as estruturas de suporte do organismo.SISTEMA ESQUELETICO 2. Se a postura sentada e a postura em pé causam sobrecarga aos membros inferiores.

a sobrecarga nos membros inferiores é de maior gravidade que quando o trabalhador esta em pé por exemplo. banco semi-sentado . de forma que terá que se curvar para adaptar o movimento do corpo a altura do posto de trabalho. Os pés e tornozelos sofrem um sobrecarga maior devido ao esforço de manter o corpo em equilíbrio sofrendo fadiga postural e comprometendo também o sistema circulatório. a posição semi sentada é recomendada para algumas funções. No entanto quando não existe nenhum tipo de apoio. e trabalha de forma que a distancia entre o equipamento e as mãos estão desiguais. Geralmente o trabalhador procura se adaptar ao posto de trabalho e utiliza esta postura quando fica muito em tempo em pé. A região da coluna que corresponde a lombar e sacro fica sem apoio forçando a curvatura de forma que a vértebras comprimem umas as outras.Na realidade quando realizada em conjunto com um banco/ cadeira próprio. uma bancada em que o colaborador é muito mais alto ou mais baixo. Temos como exemplo. podendo vir a desenvolver um hérnia de disco pó exemplo.

4 . com vários outros problemas de ordem ergonômica.POSTOS DE TRABALHO Podemos relacionar que a maioria dos postos de trabalho onde o trabalhador se encontra na posição semi sentado. onde o trabalhador trabalha na posição de pé e tem que fazer o movimento de flexão dos joelhos. forçando o trabalhador se apoiar na região das nadegas. Trabalho em computador que gerencia o corte a lazer de acrílico. Por ser proibida pela NR 17. com as pernas semi flexionadas. onde se usa cadeira sem regulagem de altura e com altura incorreta. forçando a lombar. (dois minutos) durante uma hora de serviço. como contagem de peças em uma empresa de processamento de acrílicos onde os trabalhadores se apóiam na embalagens. Trabalho mais artesanal. semi-sentado em uma banqueta de madeira sem assento acolchoado quase o dia inteiro de trabalho Montagem de bancos para carros. O controlador da máquina a Laser realiza um trabalho estático de observação das peças a serem cortadas. Trabalhos onde se usa uma bancada. ficando na posição semi sentado por cerca de 2 min. com altura em que o trabalhador tem que curvar o tronco ou se apoiar na região dos quadris. . Trabalho executado por mecânicos em algumas empresas em que tem que se adequar a altura da maquina a ser consertada. esta postura é encontrada em locais de trabalho precário.Banco improvisado 2. ele deriva do trabalho na posição em pé.

5. A hérnia de disco surge quando o núcleo do disco intervertebral migra de seu local. cifose dorsal.5 – RISCOS A postura incorreta no local de trabalho. Como a coluna vertebral é o ponto de sustentação do corpo é ela que mais sofre as conseqüências da postura incorreta. Os desvios posturais tais como a lordose cervical. 2. as lesões das articulações vertebrais.5. São varias enfermidades como: 2. Manter posturas erradas por tempo prolongado pode acarretar alterações posturais ocasionando enrijecimento das . lesando as estruturas do disco intervertebral. no centro do disco para a periferia. 2. tais como as dos ombros.1 HERNIA DE DISCO A hérnia de disco surge como resultado de diversos pequenos traumas na coluna que vão. articulações temporomandibulares.2 OSTEOSIFOSE (bico de papagaio) A adoção de postura erradas levam ao longo do tempo. levando à compressão das raízes nervosas.3 DESVIOS POSTURAIS Uma boa postura é a atitude que uma pessoa assume utilizando a menor quantidade de esforço muscular e. protegendo as estruturas de suporte contra traumas. quadris. joelhos e pés. A osteosifose aparece decorrente da protusão progressiva do anel fibroso do disco invertebral dando origem a formação de osteofitos cujos efeitos são agravados pela desidratação gradual do disco invertebral causando a aproximação das vértebras. ou pode acontecer como conseqüência de um trauma severo sobre a coluna. em direção ao canal medular ou nos espaços por onde saem as raízes nervosas. lordose lombar e escoliose podem levar ao uso incorreto de outras articulações.5. comprimindo a raiz nervosa e causando dores.2. ao mesmo tempo. com o passar do tempo. braços. aliado a uma série de outros fatores sejam eles riscos ergonômicos ou não podem levar ao trabalhador desenvolver uma série de doenças ocupacionais.

período este onde a progressão do aumento da curvatura ocorre numa velocidade maior. O tratamento fisioterápico usando alongamentos e respiração são essenciais para a melhora do quadro.4 LORDOSE É o aumento anormal da curva lombar levando a uma acentuação da lordose lombar normal (hiperlordose). a dor nas costas em pessoas com aumento da lordose lombar ocorre durante as atividades que envolvem a extensão da coluna lombar. trombose causada pela falta de circulação sanguínea das pernas e pés. até mesmo devido ao esforço que o corpo precisa exercer para manter o equilíbrio. 2. .5. Os músculos abdominais fracos e um abdome protuberante são fatores de risco. tal como o ficar em pé por muito tempo (que tende a acentuar a lordose). A flexão do tronco usualmente alivia a dor. Esses defeitos estruturais causam alterações das curvaturas normais da coluna vertebral. em grande parte.articulações vertebrais e encurtamento dos músculos. da idade que ela inicia e da magnitude do ângulo da curvatura durante o período de crescimento na adolescência. Caracteristicamente. a má postura e o condicionamento físico insuficiente. 2. fratura por stress. de modo que a pessoa frequentemente prefere sentar ou deitar. tornando-a mais vulnerável as tensões mecânicas e traumas.5 CIFOSE É definida como um aumento anormal da concavidade posterior da coluna vertebral.6 ESCOLIOSE É a curvatura lateral da coluna vertebral. sendo as causas mais importantes dessa deformidade. Doenças como espondilite anquilosante e a osteoporose senil também ocasionam esse tipo de deformidade. podendo ser estrutural ou não estrutural. devido a fadiga muscular que ocorre pela sobrecarga que ocorre nos membros inferiores.5. 2. desgaste nas articulações podendo desenvolver artrose.5. O trabalhador pode ainda desenvolver várias doenças nas perna e pés. Problemas circulatórios como o aparecimento de varizes e micro varizes. A progressão da curvatura na escoliose depende.

Uma atividade exercida durante horas em uma postura errada não causa só dor em região especifica. causa maior de queixas nos consultórios. mas a forma de dormir. dores de cabeça. . Mas o que acontece na região da coluna que provoca dores? Quando um individua fica por determinado tempo na posição semi sentada sem um apoio. calçados inadequados etc. Ma não podemos deixar de observar que o sistema esquelético envolve e protege órgão importante que comprimidos por postura errada durante horas no exercício da vida laboral podem ter o seu funcionamento comprometido. 2. A região do quadris e da coluna lombar sofre uma sobrecarga que pode causar fadiga. Alem de dor na região lombar e cervical. a vida sedentária. podemos citar dor nas pernas devido a sobrecarga exercida nesta região.6 DORES As dores na região da coluna estão intimamente ligada a postura errada não só ao exercer a atividade laboral. alem de estar comprimindo os discos vertebrais. dor na planta dos pés e na região dos tornozelos.Esses são os riscos mais evidentes relacionados a má postura.

7 DEFICIENTES FISICOS Os resultados do Censo 2000 mostram que. um pouco menos de 170 mil se declararam surdos. 24. Já entre os 5. É importante destacar que a proporção de pessoas portadoras de deficiência aumenta com a idade. apresentaram algum tipo de incapacidade ou deficiência.7 milhões de brasileiros com algum grau de deficiência auditiva. São pessoas com ao menos alguma dificuldade de enxergar. ouvir.3% nas crianças até 14 anos. locomover-se ou alguma deficiência física ou mental. quase 150 mil se declararam cegos. Entre 16.6 milhões de pessoas. ou 14.Região onde ocorre sobrecarga na posição semi sentada 2. passando de 4. aproximadamente. para 54% do total das pessoas com idade .6 milhões de pessoas com algum grau de deficiência visual.5% da população total.

1. triparesia. a que possui limitação ou incapacidade para o desempenho de atividade e se enquadra nas seguintes categorias: a) deficiência física: alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano. com a melhor correção óptica. 4. 7. habilidades sociais. monoparesia. membros com deformidade congênita ou adquirida. com manifestação antes dos dezoito anos e limitações associadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas.000Hz. na qual a acuidade visual é igual ou menor que 0. com a melhor correção óptica. b) deficiência auditiva: perda bilateral.º 5. 2. 2. utilização dos recursos da comunidade. . hemiplegia. que significa acuidade visual entre 0.000Hz e 3. lazer. Mas o que realmente devemos analisar neste estudo são aquelas pessoas que de alguma forma são portadoras de algum tipo de deficiência e sua inserção no mercado de trabalho. saúde e segurança. hemiparesia. paralisia cerebral. surgindo um novo elenco de demandas para atender as necessidades específicas deste grupo. os casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos for igual ou menor que 60o. a proporção de pessoas com deficiência aumenta. amputação ou ausência de membro. desde o transporte até a acessibilidade nos locais de trabalho. Para entender tudo isso precisamos entender o que é uma pessoa portadora de deficiência: É considerada PPD. aferida por audiograma nas freqüências de 500Hz. de quarenta e um decibéis (dB) ou mais.000Hz. ostomia. A medida que a estrutura da população está mais envelhecida. tetraparesia.05 no melhor olho.3 e 0. cuidado pessoal. tais como: 1.296/2004. tetraplegia. comunicação. nos termos do Decreto n. trabalho. nanismo. a baixa visão. paraparesia. habilidades acadêmicas. e 8.05 no melhor olho. assim como as barreiras que os mesmo encontram. exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções. apresentando-se sob a forma de paraplegia. d) deficiência mental: funcionamento intelectual significativamente inferior à média. c) deficiência visual: cegueira. 3. ou a ocorrência simultânea de quaisquer das condições anteriores. monoplegia. triplegia. acarretando o comprometimento da função física. parcial ou total. 5.superior a 65 anos. 6.

físico e biológico. que diz. rota de fuga.são vitimas do preconceito de discriminação. O grau de dificuldade de se relacionar.e) deficiência múltipla . é importante que se faça uma análise cuidados da empresa. levando m consideração cargos. acessibilidade geral e especifica. que um dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil é promover o bem de todos. Disponibilizar trabalho á essas pessoas não é caridade. LEI DE COTAS A partir de 1988. parágrafo IV. ferramentas e equipamentos. se diferenciam sim. possui momentos de alegria e conquistas. É necessário mudar o conceito da pessoa portadora de deficiência física perante toda a sociedade. O que define a pessoa portadora de deficiência não é falta de um membro nem a visão ou audição reduzidas. O que caracteriza a pessoa portadora de deficiência é a dificuldade de se relacionar. de se integrar na sociedade. cor. Em muitos aspectos a vida do portador de deficiência. mas sim respeitar o principio básico da igualdade perante a sociedade. de se integrar na sociedade. isto porque para nos sentirmos confortáveis precisamos estar bem física e psicologicamente. é tão quanto ou mais produtivo que qualquer outra pessoa. Com o intuito de fomentar um dos princípios fundamentais da Constituição Federal. idade e quaisquer . principalmente no mercado de trabalho. Para que isto aconteça. postos de trabalho. bons e maus momentos como qualquer ser humano. raça. O grau de dificuldade para a integração social é que definirá quem é ou não portador de deficiência. instituição. não é diferente dos demais. ao menos por acreditar que inclusão social somente será possível pelo trabalho. com a promulgação da nova Constituição. em seu artigo terceiro.associação de duas ou mais deficiências. entendemos que trabalhar com conforto vai além das questões que envolvem o local e postos de trabalho. em outras palavras. movimento e posturas exigidas pela função. Esta avaliação tem que ser feita por profissionais competentes que tenha conhecimento sobre as necessidades desses trabalhadores. que o governo passou a se preocupar mais com a integração dessas pessoas na sociedade. Em relação à ergonomia. exposição a riscos químicos. sexo. se não ressaltar suas qualidades. assim como de ergonomia. local de trabalho que vai receber o trabalhador que apresente alguma limitação física. O portador de deficiência física. no uso de sua aptidões. que não dependam suas limitações. sem preconceitos de origem. em uma particularidade.

Dispõe também sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social. dos serviços de transporte e dos dispositivos. que referendou a Convenção 159 da OIT (Organização Internacional do Trabalho).1999: Edição do Decreto nº 3. a liberdade de movimento. sistemas e meios de comunicação e informação. ACESSIBILIDADE DO DEFICIENTE FISICO A NBR 9050/2004 trata da acessibilidade de edificações.1991: Criada a Lei nº 8. sem expor o trabalhador portador de necessidades especiais a quaisquer tipos de constrangimento deve estar de acordo com o que ela determina. que seguiram a seguinte sequência cronológica: . Quando falamos em acessibilidade devemos ter uma percepção do todo.1989: Elaboração da Lei nº 7. Esta lei definiu os direitos das pessoas com deficiência. uma vez que até mesmo o governo não faz a sua parte no que diz respeito. mobiliários e equipamentos urbanos. por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida. que estabeleceu cotas de contratação de portadores de deficiência para empresas privadas com mais de cem funcionários. total ou assistida. Qualquer empresa que queira fazer as adequações necessárias para receber de forma confortável. a acessibilidade do portador de deficiência. a realidade que se apresenta bem diferente. por exemplo. disciplinou a atuação do Ministério Público e criou a CORDE (Coordenadoria Nacional para Integração das Pessoas Portadoras de Deficiência). Podemos constatar que embora exista uma lei que trate dos direitos dos deficientes físicos. Barreiras: qualquer entrave ou obstáculo que limite ou impeça o acesso. o governo brasileiro passou a criar leis e decretos sobre o assunto. mobiliário espaço e equipamentos urbanos. que envolve não só o local de trabalho mas o espaço urbano. III – de 501 a 1000: 4%. IV – de 1001 ou mais: 5%.853. II – de 201 a 500: 3%. a saber: I – 100 a 200 empregados: 2%. . meios de transporte .dos espaços. mobiliário urbano etc. classificadas em: Barreiras urbanísticas: as existentes nas via púbicas e nos espaços de uso público. Traz a conceituação de deficiência e fixa os parâmetros de avaliação da deficiência. a circulação com segurança e a possibilidade de as pessoas se comunicarem ou terem acesso à informação.853. das edificações. . Acessibilidade: condição para utilização.outras formas de discriminação. regulamentando a Lei nº 7. com segurança e autonomia.213. .298. Fixou uma Política Nacional para a Integração de Pessoas Portadoras de Deficiência no mercado de trabalho e na sociedade.

Em muitas empresas o transporte é feito por meio de fretamento de empresas de ônibus do tipo usado para viagem intermunicipal. meios ou sistemas de comunicação. como mostra a foto abaixo: . O ideal é que todos os ônibus tenham o elevador próprio para permitir o acesso do cadeirante sem que este sofra constrangimento.Barreira nas edificações: As existentes no entorno e interior das edificações de uso público e coletivo e nas áreas internas de uso comum nas edificações de uso privado multifamiliar. O ambiente em que vivemos não esta preparado para atender uma pessoas que esta fora do padrão que chamamos de normalidade. bem como aqueles que dificultem ou impossibilitem o acesso à informação. Quando o ônibus não possui o elevador ele fica dependente da boa vontade dos outros usuários para ajudar a ter acesso ao veiculo. seja ou não de massa. Vamos pensar no direito de ir e vir: Quantas vezes nos deparamos com a dificuldade de um cadeirante que tenha que fazer uso do transporte público. Barreiras nos transportes: as existentes nos serviços de transporte: Barreiras nas comunicações e informações: qualquer entrave ou obstáculo que dificulte ou impossibilite a expressão ou o recebimento de mensagens por intermédio dos dispositivos . jamais imaginou como é a vida das pessoas que tem que lidar com algum tipo de restrição imposta por serem portadores de deficiência. Imagine se fosse o contrario: A maiorias dos habitantes fossem portadores de deficiência e nos considerados normais é que tivéssemos que nos adaptarmos? Quando andamos pelas ruas ou vamos a um banco. pegar um livro na biblioteca. É um tipo de conforto que para os deficientes físicos com alguma ou total restrição dos membros inferiores e superiores dificulta que os mesmos tenham acesso a eles.

ruas com asfalto irregular. Alem do cadeirante. Ainda tendo como foco o direto de ir e vir. vamos analisar as vias publicas que podem se tornar uma armadilha. ou pessoas com alguma restrição motora que dificulte transitar com liberdade. temos os portadores de deficiência visual.Em alguns casos quando o deficiente tem condições de ter seu próprio meio de transporte. obstáculos em locais que dificultam qualquer um transitar em segurança. tem empresa que fazem adaptação de carros de acordo com a necessidade do usuário. que tem que atravessar ruas com um . Passeios mal feitos.

não venha a se acidentar por falta de infra estrutura que é um direito dele. Mesmo sendo um direito adquirido pela lei de cotas.trafego intenso. porque muitas empresas alegam que eles não se adaptaram. que mesmo com algum tipo de restrição podem desempenhar o serviço que estão aptos a executar com a mesma eficiência que outro trabalhador. o PPD. A foto mostra um exemplo disso.mas necessitando sempre do auxilio de terceiros. . Dentro de uma empresa não é diferente. sem poder se orientar sozinho. de forma que além dos riscos já existentes a que qualquer trabalhador esta exposto. elas é que não se adequaram para receber estes trabalhadores. banheiros tem que se adequar a norma 9050. A arquitetura do imóvel onde esta funciona. o trabalhador portador de deficiência encontra barreiras que dificultam sua inserção no mercado de trabalho. bem como o seu entorno. restaurantes. as áreas de lazer. Na realidade. Em sua maioria as mesmas não estão preparada para receber um trabalhador portador de deficiência.

é se tornar realmente parte do mundo e na mais viver a margem dele. escolas.Muitas empresas já se propuseram a fazer a mudança necessária para que estes trabalhadores sejam inseridos sem dificuldades e provam que são tão competentes ou mais que outros trabalhadores. à facilidade de acesso. mas com os mesmos direitos temos que oferecer como sociedade o acesso para todos de maneira igual em todos os lugares. Acessibilidade diz respeito à qualidade do que é acessível.como: Facilitar o acesso de deficientes com restrição motora a locais públicos. Afinal o ser humano já demonstrou que é perfeitamente adaptável. Com o TPD. Como pessoas diferentes com aptidões diferentes. de aproximação. áreas comerciais. que direcionam nossa vida e nos guia em relação as determinadas escolhas muitas delas ligadas ao que nos proporciona prazer. DEFICIENTE AUDITIVO Uma pessoa normal possui cinco sentidos. Poder trabalhar e participar produtivamente da sociedade como alguém que contribui com ela. Uma vez que somos todos diferentes em nossas necessidades. . INSERÇÁO DE PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIENCIA NA VIDA LABORAL Todos nós temos necessidades que precisam ser atendidas. igrejas etc. hospitais. vamos nos adaptar a alguma atividade laboral melhor que outras. por possuírem algum tipo de restrição. Dessa forma temos como localizar o melhor local de trabalho a que ele esta apto a realizar. Alem das que são necessárias a manutenção da vida. Temos cinco grupos distintos que caracterizam os portadores de deficiência. tais como banco. não é muito diferente. Ele vai exercer a atividade em que se adapte melhor levando em conta a restrição que possua. um sentimento intimamente conectado com nossos órgão sensoriais. O significado de tudo isso é que alem das barreiras físicas. O portador de deficiência precisa ser tratado como um igual. devemos também trabalhar com as geradas pelo preconceito e o falso conceito que pessoas portadoras de deficiência são incapazes de ter uma vida normal. produtivo e livres dentro de um conceito que liberdade pode ser associado a uma independência que nos faculta tomar decisões e administrar nossas escolhas de forma individual sem completa dependência do coletivo. precisamos nos sentir útil. Adequar as via públicas para que possam transitar com segurança.

A deficiência auditiva pode ser de origem congênita. causada por viroses materna doenças tóxicas desenvolvidas durante a gravidez ou adquirida. O que pode se tornar um empecilho a barreira criada pela dificuldade dos outros trabalhadores entenderem a linguagem de sinais. Deficiência auditiva é a incapacidade parcial ou total de audição. etc. exposição a sons impactantes.A audição. O deficiente auditivo por não ter nenhuma restrição motora esta apto a realizar a maioria das atividades. predisposição genética. quando sua audição não é funcional na vida comum e hipoacústico aquele cuja audição. O ouvido é o órgão da audição e também do equilíbrio. Esta amplificação mede-se habitualmente em decibéis. viroses.O grau de perda auditiva é calculado em função da intensidade necessária para amplificar um som de modo a que seja percebido pela pessoa surda. é o comprometimento dela pode trazer grandes barreira que interferem em nossa vida em sociedade. . As hipoacústicas classificam-se em função do grau da perda auditiva. O que pode ser facilmente corrigido com treinamento oferecido para os trabalhadores. como já descrito anteriormente. sua ordem e localização. meningite. é funcional com ou sem prótese auditiva. Converte ondas sonoras em impulsos nervosos que ao atingirem o cérebro são interpretados como sons. Mas o conceito de perda auditiva nem sempre é suficientemente claro para a pessoa que se depara pela primeira vez com o problema da surdez. incluindo os vestiários e refeitórios. Contem o sistema vestibular que é responsável pelo equilíbrio e é acionado ao se movimentar a cabeça. Quando se origina no ouvido e no nervo auditivo é dita deficiência interna ou sensorioneural (estágio mais agudo da deficiência). A empresa tem que se preocupar ainda em adequar o alerta de incêndio ao trabalhador com deficiência auditiva. instalando sinais luminosos em todos os setores da empresa. ainda que deficiente. Pode ser de nascença ou causada posteriormente por doenças. CONCEITO O deficiente auditivo é classificado como surdo. e portanto os riscos ergonômicos a que esta exposto não vai se muito diferente em relação a outros trabalhadores. causada por ingestão de remédios que lesam o nervo auditivo. é um desses sentidos. dessa forma o curso de libras é indicado para que seja quebrada esta barreira. Quando a lesão se localiza no ouvido externo ou no médio é denominada como deficiência de transmissão ou deficiência mista dependendo da intensidade da lesão.

quando necessita da instrução em braile. a pessoa é cega.L. ao mercado de trabalho e ao ensino-aprendizagem. 1994) Há vários tipos de classificação.1 com a melhor correção ou campo visual abaixo de 20 graus. temos a deficiência visual leve.B. Para qualquer pessoa que possua o sentido da visão perfeita. As novas tecnologias de acesso proporcionadas pela evolução dos equipamentos. porém.DEFICIENTE VISUAL Deficiência visual é uma categoria que inclui pessoas cegas e pessoas com visão reduzida. mas sim de um cidadão capaz de desenvolver grande parte das atividades exercidas por uma pessoa que enxerga. por exemplo. moderada. a deficiência pode ser múltipla ou não. é necessária a disponibilização de condições mínimas. temos o comprometimento central. 2002) A definição clínica afirma como cego o indivíduo que apresenta acuidade visual menor que 0. de uma maneira diferenciada. severa e perda total da visão. mesmo possuindo visão subnormal. como surdez. tornam . Para que isso realmente ocorra. De acordo com comprometimento de campo visual.Visão subnormal: orientações ao professor do ensino regular. profunda. Na definição pedagógica. M. De acordo com a idade de início. Basta analisarmos que quando por algum motivo não podemos enxergar estamos sujeitos a acidentes por não conseguirmos perceber o ambiente em nossa volta. sendo muitas vezes julgadas como incapazes de exercerem sua cidadania. As pessoas com deficiência visual ainda são tratadas de maneira discriminatória. De acordo com a intensidade da deficiência. é quase impossível se imaginar vivendo normalmente e com dignidade se for privado da mesma. . como visão reduzida quem possui acuidade visual de 6/60 e 18/60 (escala métrica) e/ou um campo visual entre 20 e 50 graus. A condição do deficiente visual deve ser vista não como a de uma pessoa doente. softwares e da internet. a deficiência pode ser congênita ou adquirida. como garantir o acesso à informação. e sua visão não pode ser corrigida por tratamento clínico ou cirúrgico nem com óculos convencionais (Carvalho. a pessoa com visão subnormal pode ler tipos impressos ampliados ou com auxílio de potentes recursos ópticos (Instituto Benjamin Constant. Se está associada a outro tipo. periférico e sem alteração.

. O deficiente visual. facilitando.orientam a todos.possível a interação do deficiente visual com o computador. como mapas táteis. onde não aja barreiras que possam se tornar um risco a sua movimentação e deslocamento dentro do local de trabalho. preparando para facilitar a acessibilidade do deficiente visual: Informações adaptadas aos deficientes visuais. tem necessidade de trabalhar em um ambiente organizado.permitindo seu uso com segurança as pessoas com restrições sensoriais. assim. o processode inclusão destes indivíduos. Algumas providencias tem que ser tomadas em relação ao ambiente . Através da utilização do piso guia. a pessoa com restrição visual direciona-se ao longo de um percurso. O elevador deve emitir sinal sonoro e luminoso ao abrir e fechar.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->