P. 1
Teoria Emotivista

Teoria Emotivista

|Views: 20|Likes:
Publicado porjoaosbio

More info:

Published by: joaosbio on Jul 12, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/12/2011

pdf

text

original

Os partidários da teoria emotivista sustentam que nos juízos morais não se afirma ou não se diz nada sobre fatos

, propriedades ou qualidades objetivas, mas se expressa uma atitude emocional subjetiva (Ayer). Ou se procura inculcar em outros uma atitude emocional que é nossa, ou provocar neles determinado efeito emotivo (Stevenson).

“esta rua é larga” “ajudar um amigo é bom” “Pedro ajudou o seu amigo”
Segundo A. J. Ayer, as proposições morais não se referem a fatos, não se podem comprovar empiricamente e, por conseguinte, não tem sentido falar de sua verdade ou falsidade.

Os juízos morais não podem surgir de um estado emocional do sujeito ou ser motivados pelo interesse subjetivo de influir nas outras pessoas. sem as quais não poderiam existir e não teriam sentido nenhum. Ambos coincidem na negação de que juízos morais desempenham uma função cognoscitiva e que possam ser justificados ou fundamentados racionalmente. Irracionalismo Relativismo Amoralismo . dado que.Stevenson insiste na sua função efetiva e evocadora. os juízos morais tendem sobretudo a evocar certas emoções nos outros sujeitos ou a produzir neles certo efeito emocional. bem como as condições sociais determinadas. mas respondem a determinadas necessidades e finalidades.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->