P. 1
XANAX

XANAX

|Views: 3.684|Likes:

More info:

Published by: Edmundo Henriques Gomes da Silva on Jul 18, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/03/2013

pdf

text

original

XANAX & APRAZOLAN

http://gratisblogs.net/medicina/prescricao-toxicodependencia-estatisticas-xanax-ponha-emquarto-lugar-na-florida-overdoses/

Embora Xanax isnt todo o interesse turístico como o OxyContin, 456 Floridians sobredosagens com Xanax, em 2006, de acordo com um relatório da Comissão Flórida médicos examinadores. Xanax, também conhecido como Alprazolam, é prescrito para a ansiedade. Ela afeta o cérebro eo sistema nervoso central. Sonolência, tonturas e dificuldades coordenação são os efeitos secundários mais comuns, embora haja uma série de outros - mais grave. Xanax overdose estatísticas são apenas aqueles por trás de OxyContin, dando-nos ainda mais razões para ter receita toxicodependência eo abuso sério. Para além dos efeitos secundários comuns listados acima, Xanax pode causar dificuldades visão, convulsões, confusão mental, depressão, irritabilidade, nervosismo, problemas sono, letargia, náuseas, espasmos musculares, palpitações, taquicardia, incontinência , Erupções cutâneas, e instáveis níveis de açúcar no sangue. E thats a pequena lista. Porque no mundo alguém iria querer tomar este medicamento para aliviar a ansiedade está além-me apenas conhecendo os potenciais efeitos secundários é suficiente para levar a um ataque de pânico. E para tornar as questões pior, você poderá tornar-se uma receita da toxicodependência estatísticas se ouvir falar em todas as notícias. No entanto, é a quinta-Xanax mais comumente prescritos droga na América, segundo IMS Health. Nos últimos cinco anos, o número de prescrições cheia foi de 29,9 milhões para 37,5 milhões de euros. E, na Flórida, o seu número quatro com a overdose lista os três principais sendo cocaína, metadona e oxycodone tipo de droga, tais como OxyContin. Apesar do aumento das prescrições Xanax, não porque a sua ansiedade níveis têm aumentado diz Dr. Bruce Goldberger, um toxicólogo e diretor de medicina

legal da Universidade da Florida College of Medicine, “As pessoas não estão mais preocupados qualquer. Entanto, os doentes estão a ser mais e mais medicação prescrita na última década.” Notícias recentes artigos incidiram sobre Xanax e DUI. Os médicos examinadores Pinellas-Pasco Xanax instituto informou que foi encontrado em 177 motoristas suspeitos de condução sob a influência. E thats apenas no Condado de Pinellas. Nove anos atrás, havia apenas quatro desses incidentes. A razão, dizem os especialistas, é que os médicos apenas werent como escrever muitas prescrições de volta depois. Se você quiser fazer alguma coisa a receita toxicodependência e abusos na sua família ou entre amigos, entre em contato com um centro médico droga desintoxicação e obter ajuda. Se muitas pessoas que fazer, talvez no próximo ano o número de mortes será mais baixa.
Posted under medicina by admin 04.07.2009

http://www.folheto.net/alprazolam-aps-2-mg-comprimidos-de-libertacao-modificadaalprazolam-bula-do-medicamento/

ALPRAZOLAM APS 2 MG COMPRIMIDOS DE LIBERTAÇÃO MODIFICADA ALPRAZOLAM BULA DO MEDICAMENTO
Neste folheto: 1. O que é Alprazolam APS e para que é utilizado. 2. Antes de tomar Alprazolam APS. 3. Como tomar Alprazolam APS. 4. Efeitos secundários possíveis. 5. Conservação de Alprazolam APS. Alprazolam APS 0,5 mg Comprimidos de libertação modificada Alprazolam APS 1 mg Comprimidos de libertação modificada Alprazolam APS 2 mg Comprimidos de libertação modificada Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento podeser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas. Neste folheto: Titular de Autorização de Introdução no Mercado: Laquifa – Laboratórios, S.A. Rua Alfredo da Silva, 3 C – 4º 1300-040 Lisboa

1. O QUE É ALPRAZOLAM GENERIS E PARA QUE É UTILIZADO Forma farmacêutica e conteúdo; grupo farmacoterapêutico

O Alprazolam APS apresenta-se na forma de comprimidos de libertação modificada,estando disponível em embalagens de 20, 30, 40 e 60 comprimidos. É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações. Os comprimidos são azuis-claros, redondos e biconvexos. O alprazolam é uma molécula utilizada no tratamento de ansiedade e/ou indução oumanutenção do sono com potencial para induzir tolerância, dependência física epsíquica. Classificação farmacoterapêutica 2.9.1. Sistema Nervoso Central; Psicofármacos; Ansiolíticos, sedativos e hipnóticos. Indicações terapêuticas O Alprazolam APS está indicado nas seguintes situações: Estados ansiosos (ansiedade, tensão, agitação, insónia, irritabilidade, etc); Ansiedade em doentes com depressão; Estados de ansiedade, ansiedade associada a outras situações, como por exemplo a fasecrónica de abstinência do álcool e doenças funcionais ou orgânicas, particularmentecertos transtornos gastrointestinais, cardiovasculares ou dermatológicos; Perturbações relacionadas com o pânico. 2. ANTES DE TOMAR ALPRAZOLAM GENERIS Não tome Alprazolam APS Se tem hipersensibilidade (alergia) às benzodiazepinas ou a qualquer outro excipientedeste medicamento; Se tem miastenia gravis (doença auto-imune neurológica caracterizada por fraquezamuscular excessiva); Se tem insuficiência respiratória grave; Se tem síndrome de apneia (falta de ar) durante o sono; Se tem insuficiência hepática grave; Tome especial cuidado com Alprazolam APS Dependência O uso de benzodiazepinas pode levar ao desenvolvimento de dependência física epsíquica destes fármacos. O risco de dependência aumenta com a dose e com a duraçãodo tratamento; é também maior nos doentes com história de alcoolismo ou detoxicodependência. Quando se desenvolve a dependência, a interrupção brusca dotratamento pode ser acompanhada de síndrome de privação. Isto poderá manifestar-seatravés de dores de cabeça, dores musculares, ansiedade extrema, tensão, inquietação,confusão e irritabilidade. Por isso o esquema posológico deverá ser gradualmentereduzido para evitar as sequelas da suspensão rápida. Duração do tratamento A duração do tratamento deve ser a mais curta possível, dependendo da indicação, masnão deve exceder as 8 a 12 semanas, incluindo o tempo de diminuição gradual da dose. Amnésia As benzodiazepinas podem induzir amnésia (perda parcial ou total da memória). Istoocorre mais frequentemente várias horas após a ingestão do fármaco. Para reduzir esterisco, deverá assegurar a possibilidade de fazer um sono ininterrupto de sete a oitohoras. Reacções psiquiátricas e paradoxais Estão associadas ao tratamento com benzodiazepinas reacções de inquietação, agitação,irritabilidade, agressividade, ilusão, ataques de raiva, pesadelos, alucinações, psicoses,comportamento inadequado e outros efeitos adversos comportamentais. Se isto ocorrero tratamento deve ser interrompido. Estas reacções ocorrem mais frequentemente emcrianças e idosos. Grupos de doentes especiais Dever-se-á ter cuidado especial nos seguintes grupos de doentes: - Doentes idosos; - Doentes com insuficiência respiratória crónica (redução da dose); - Doentes com função renal afectada (redução da dose);

- Doentes com idade inferior a 18 anos; - Doentes com história de alcoolismo ou toxicodependência. Este medicamento contém lactose. Se alguma vez o seu médico o informou que possuiintolerância a alguns açúcares, contacte o seu médico antes de tomar este medicamento. Gravidez e Aleitamento Se está grávida ou tenciona engravidar, consulte o seu médico ou farmacêutico antes detomar qualquer medicamento. Não tome este medicamento se estiver grávida, a não serpor indicação expressa do seu médico. Comunique imediatamente o seu médico se engravidar durante o tratamento. Não deve tomar este medicamento se estiver a amamentar. Condução de veículos e utilização de máquinas Não conduza nem utilize máquinas até conhecer bem a sua susceptibilidade individual aeste medicamento. Se sentir sonolência ou tonturas não deve conduzir nem utilizar máquinas que requeiramatenção. Utilização com outros medicamentos Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentementeoutros medicamentos, incluindo medicamentos sem receita médica. Administração simultânea com álcool O efeito sedativo (calmante) pode estar aumentado quando o alprazolam é administradoa um doente que consome álcool, podendo afectar a capacidade de conduzir ou utilizarmáquinas. Administração simultânea com outros depressores do Sistema Nervoso Central (ex.antipsicóticos, hipnóticos, ansiolíticos/sedativos, antidepressivos, analgésicosnarcóticos, anti-epilépticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos) Pode haver uma intensificação do efeito depressor. No caso da administraçãoconcomitante com analgésicos narcóticos pode ocorrer intensificação da euforia,provocando um aumento da dependência psíquica. Administração simultânea com substâncias que inibem certos enzimas hepáticos (particularmente o citocromo P450) Esta associação pode intensificar o efeito do alprazolam. Com base no grau de interacção e no tipo de dados disponíveis, sugerem-se as seguintesrecomendações: Não se recomenda a administração de alprazolam com cetoconazol, itraconazol ououtros antifúngicos azólicos. Recomenda-se precaução e que se considere a redução da dose quando o alprazolam écoadministrado com nefazodona, fluvoxamina e cimetidina. Recomenda-se precaução quando o alprazolam é co-administrado com a fluoxetina,propoxifeno, contraceptivos orais, sertralina, diltiazem ou antibióticosmacrólidos, taiscomo a eritromicina e a troleandomicina. Interacções envolvendo inibidores da protease HIV (p.ex. ritonavir) e o alprazolam sãocomplexas e dependentes do tempo. Baixas doses de ritonavir resultaram numa grandealteração da depuração do alprazolam, prolongaram a sua semi-vida de eliminação eaumentaram os seus efeitos clínicos. 3. COMO TOMAR ALPRAZOLAM GENERIS Tome sempre Alprazolam APS de acordo com as indicações do seu médico. Fale com oseu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas. O Alprazolam APS foi-lhe prescrito apenas para a sua situação actual; não o utilize paraoutros problemas (a menos que o faça por indicação do seu médico). Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver a impressão de que o Alprazolam APS é demasiado forte ou demasiado fraco.

Modo de administração e Posologia Ansiedade e depressão A dose inicial recomendada é de 1,0 mg em 1 ou 2 tomas. Habitualmente, a dose diária de manutenção é de 0,5-4,0 mg em uma ou duas tomas. Perturbações de pânico A dose inicial recomendada é de 0,5-1,0 mg ao deitar ou 0,5 mg 2 vezes ao dia. A dose deve ser ajustada à resposta do doente com aumentos não superiores a 1 mg cadatrês ou quatro dias. A dose diária (única ou dividida) de manutenção deve ser de 5-6mg. Doentes idosos ou debilitados A dose inicial recomendada é de 0,5 a 1,0 mg por dia em uma ou duas tomas. A dose diária de manutenção recomendada é de 0,5 a 1,0 mg, podendo ser gradualmenteaumentada se necessário e tolerada. Terapêutica de desabituação A dose deve ser reduzida lentamente. Sugere-se que a dosagem diária de Alprazolam APS seja diminuída em não mais de 0,5 mg de três em três dias. Alguns doentespoderão necessitar de redução mais lento. Duração do tratamento O seu médico indicar-lhe-á a duração do seu tratamento com Alprazolam APS, devendoesta ser a mais curta possível, não devendo ultrapassar as 8 a 12 semanas, incluindo aredução gradual da dose. Não suspenda o tratamento antes, uma vez que o tratamentopoderá não ser eficaz. Se tomar mais Alprazolam APS do que deveria Se tomar acidentalmente demasiados comprimidos, ou se outra pessoa ou criança tomaro seu medicamento, fale com o seu médico ou farmacêutico. Se o doente estiver consciente e a ingestão se tiver dado há uma hora, o vómito deve serinduzido, ou, no caso de estar inconsciente, fazer uma lavagem gástrica, com protecçãodas vias respiratórias. Se não houver vantagem em fazer uma lavagem gástrica, deve seradministrado carvão activado. Os sintomas de uma sobredosagem por alprazolam incluem: sonolência, confusãomental (perturbações psíquica caracterizada pela incoerência e a lentidão dacompreensão, perturbações da percepção de da memória e desorientação no tempo e noespaço), letargia (estado patológico de sono profundo) e, em casos mais graves, ataxia (má coordenação dos movimentos), hipotonia (diminuição do tónus muscular ou datonicidade de um órgão), hipotensão, depressão respiratória e, muito raramente, coma emorte. No tratamento destas situações, deve ter-se em conta os múltiplos fármacos que podemter sido ingeridos. Como antídoto pode ser usado o flumazenil. Caso se tenha esquecido de tomar Alprazolam APS Tente tomar diariamente o medicamento conforme indicado pelo seu médico. Noentanto, se se esqueceu de tomar uma dose, deverá tomá-la assim que se lembrar. Contudo, se faltar pouco tempo para a próxima toma, não tome a dose esquecida. Nãotome uma dose a dobrar para compensar a dose que se esqueceu de tomar. 4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS Como os demais medicamentos, o Alprazolam APS pode ter efeitos secundários. Os efeitos indesejáveis mais frequentemente observados foram: sonolência durante odia, confusão emocional, capacidade de reacção diminuída, fadiga, dores de cabeça,tonturas, fraqueza muscular, ataxia (má coordenação dos movimentos), visão dupla,insónia, nervosismo/ansiedade, tremuras, alterações de peso. Estes fenómenos ocorrem predominantemente no início da terapêutica e em geral desaparecem com a continuaçãodo tratamento.

Mais raramente, observou-se amnésia, depressão e outras reacções psiquiátricas (ex.reacções de inquietação, agitação, irritabilidade, agressividade, ilusões, ataques de raiva,pesadelos, alucinações, psicoses, comportamento inadequado e outros efeitos adversosde comportamento). O uso de alprazolam pode conduzir ao desenvolvimento de dependência psíquica efísica (a interrupção do tratamento pode originar o reaparecimento dos sintomas deforma intensificada). Ocasionalmente, foram referidos alterações gastrintestinais, alterações do líbido (energia psíquica associada às tendências vitais) ou reacções cutâneas. Caso detecte efeitos secundários não mencionados neste folheto, informe o seu médicoou farmacêutico. 5. CONSERVAÇÃO DE ALPRAZOLAM GENERIS Manter fora do alcance e da vista das crianças. Não utilize Alprazolam APS após expirar o prazo de validade indicado na embalagem. Este folheto informativo foi elaborado em Junho de 2005.

Higiene do sono
Thursday, 18 February 2010

Ou Técnicas Comportamentais que podem corrigir sua insônia

Diversas vezes no consultório sou confrontada por pacientes que queixam-se de insônia e pedem-me receitas e prescrições de benzodiazepinas (ou benzodiazepínicos). Benzodiazepínicos são medicamentos controlados (famosos tarja preta) que possuem um efeito sedativo e podem causar dependência. Há no Brasil (principalmente) e em outros países uma cultura da solução fácil: insônia=comprimido. Devido a este fato, a população dependente química de benzodiapenícos (diazepam, alprazolam, xanax, frontal, rivotril, etc...) é muito grande no Brasil e tentar fazer com que um dependente destas drogas se veja como tal é dificílimo, visto que foram prescritos por médicos (o que pressupõe que deveriam saber o que fazem). Certa vez, quase fui agredida por um paciente quando neguei a prescrição, visto que ele estava mesmo em comportamento de busca da droga (rivotril) e não tinha qualquer indicação médica para o mesmo.

Para evitar que você caia na armadilha dos benzodiazepínicos (que quando bem indicados e prescritos com parcimônia tem seu peso no arsenal médico) e para auxiliar quem quer sair das garras destes medicamentos ou só para quem sofre de insônia temporária, descrevi abaixo as medidas comportamentais que TODO médico deveria prescrever inicialmente antes de qualquer medicamento, pois podem resolver grande parte das insônias cotidianas. Apenas aquelas que são refratárias a estas medidas deveriam ser reavaliadas... Entretanto, nem todos os médicos tem formação adequada em psiquiatria e farmacologia e com as pressões do número de pacientes a ser atendidos por dia ou do preço mínimo que os convênios pagam por consulta, muitos não se importam ou não tem tempo de explicar aos doentes. Bom, para começar, Higiene do Sono diz respeito aos maus hábitos de sono que são os problemas mais comuns encontrados em nossa sociedade: Nós dormimos pouco, ficamos acordados até tarde e acordamos cedo demais. Nós nos drogamos, trabalhamos em excesso e super-estimulamos nossos sentidos, com televisão e computador... Resultado: insônia.

Os passos abaixo são essenciais para um hábito de sono saudável. Eu já tinha começado a escrever algo quando falei de insônia da gravidez, mas os passos abaixo estão mais completos. Hábitos pessoais

 

   

Tenha uma hora para ir dormir e uma hora para acordar. O corpo se "acostuma" com a hoa de dormir e você vai notar que (pode demorar um pouco) mas ao chegar a hora de ir para a cama, o corpo está cansado. Evite sonecas durante o dia. Cada hora que você dorme durante o dia diminui uma hora à noite. Se você realmente não resistir, estando muito cansado e precisar mesmo dormir, durma um intervalo de 15, 30 ou 45 minutos no máximo (quanto mais curto melhor). Todos os celulares/telemóveis hoje em dia tem despertadores e isso pode ser facilmente arranjado. Evite o consumo de álcool 4 a 6 horas antes de dormir. O álcool interfere no sono REM (no qual mexemos rapidamente os olhos), responsável por descansar a mente e a musculatura. Se você já dormiu bêbado, sabe que acordas com a memória falha e com o corpo cansado, como se não tivesse dormido nada. Evite cafeína 4 a 6 horas antes de dormir (café, chás, coca-cola, chocolate, etc) Evite cigarros no mesmo intervalo. A nicotina tem efeito estimulante e dificulta o adormecer. Evite comidas pesadas, apimentadas ou muito doce no mesmo intervalo. Uma bela feijoada com caipirinha e um quindim de sobremesa é melhor apreciada no almoço! Faça exercícios regularmente, mas NUNCA logo antes de dormir (2 horas antes). Os exercícios vão te deixar desperto e diminuir sua habilidade de adormecer.

Seu ambiente (o quarto)

   

Use lençóis e cobertores/edredons confortáveis. Evite super-aquecer. Mantenha o quarto bem ventilado, nem quente demais, nem frio demais. Um quarto fresco (não gelado) ajuda a adormecer mais fácil. Tente bloquear ruídos e luzes que possam distraí-lo. CAMA é para DORMIR ou para fazer SEXO. Não se estuda na cama, não se lê na cama, não se trabalha na cama. Condicione-se a que ao ver a cama, seu corpo saiba que é hora de dormir.

A hora de ir para a cama

  

Coma um lanche leve antes de dormir. Leite morno (como as vovós nos ensinavam) e uma banana podem ajudar a dormir. Se você quiser, a prática de técnicas de relaxamento, como Yoga, respiração e meditação pode ajudar a reduzir a tensão muscular. Não leve seus problemas para a cama. Algumas pessoas costumam ter uma "hora da preocupação", bem antes da hora de dormir, para discutir problemas com os parceiros ou para se preocupar com os assuntos do dia. Passada esta hora, esqueca-os e relaxe. Na maioria das vezes não há nada que você possa fazer às 23horas mesmo, deixe-os para o dia seguinte. Estabeleça um ritual para adormecer. Por exemplo, se todos os dias você tomar um banho morno antes de dormir, condicionas o corpo a reconhecer estes rituais como "gatilhos" para começar a desligar sua mente.

Muito impotante: Se você não adormecer em 15-30 minutos, não adianta insistir.
Você vai se irritar e aí mesmo que o sono não vem. Mudar de posição de um lado para o outro, como se estivesse a fritar um bife, não adianta. Se não adormecer, levante, và a outro quarto ou sala de sua casa, leia um livro monótono ou faça uma atividade monótona (NÃO trabalhe e NÃO

 

estude) e volte para a cama quando o sono bater. Mesmo que você só volte à cama às 3 horas da manhã, depois de 3 dias fazendo este ritual (e não dormindo durante o dia), o corpo vai estar cansado e você vai ter uma bela noite de sono. Se você acordar no meio da noite: se você notar que não consegue mais adormecer após 1520 minutos, repita o passo acima. Televisão no quarto é PÉSSIMO hábito. Na maioria das vezes pensamos "só mais 15 minutos de tv", mas aí começa um filme com o Bruce Willys, cheio de explosões e mesmo que já tenhas visto 5 vezes antes, o filme vai prender sua atenção e todos os esforços acima foram em vão. O ideal é assistir TV na sala, sozinho, com o parceiro ou a família e ir para o quarto na hora de dormir, PARA DORMIR (!!!!).

Outros aspectos

   

doenças físicas podem influenciar os padrões de sono. Dores, refluxo, menopausa. Fale com seu médico se notares que estes fatores estão a impedir uma boa noite de sono. Mais do que remédio para insônia, precisas tratar a causa dela. Doenças psiquiátricas e condições psicológicas como depressão, ansiedade e estresse também causam insônia. O conselho aqui é o mesmo: visite seu médico. Certos medicamentos agem como estimulantes. Fale com seu médico se os comprimidos que tomas podem alterar seu sono e, em caso afirmativo, peça para mudar de medicamento (se possível). Se mesmo assim a insônia persistir, alguns medicamentos (A CURTO PRAZO) podem auxiliar. Uma avaliação adequada da sua insônia pode revelar uma condição médica ou uma insônia grave por estresse que necessitam de medicamentos. Aí sim, um hipnótico (tarja preta ou não) está bem recomendado (por pouco tempo, só até se resolver a causa da insônia).

Referências:

Kales, J., & Kales, A. (1984). DIAGNOSIS AND TREATMENT OF INSOMNIAClinical Neuropharmacology, 7 (Supplement 1) DOI: 10.1097/00002826-198406001-00405 Benca, R. (2005). Diagnosis and Treatment of Chronic Insomnia: A ReviewPsychiatric Services, 56 (3), 332-343 DOI: 10.1176/appi.ps.56.3.332 Estivill, E., Bov??, A., Garc??a-Borreguero, D., Gibert, J., Paniagua, J., Pin, G., Puertas, F., & Cilveti, R. (2003). Consensus on Drug Treatment, Definition and Diagnosis for InsomniaClinical Drug Investigation, 23 (6), 351-385 DOI: 10.2165/00044011-200323060-00001 Fotos: http://www.healthinlife.com/wp-content/uploads/2009/09/Insomnia-1.jpg http://sleep.lovetoknow.com/images/Sleep/thumb/6/6f/Sleep_mask.jpg/300px-Sleep_mask.jpg http://www.thecamreport.com/images/stress.gif http://www.thecausewayretreat.com/blog/wp-content/uploads/2009/07/dependence-300x300.jpg
Posted by Vanessa Marsden at 07:41 Labels: Abuso de drogas, benzodiazepinicos e sedativos, dependencia quimica,distúrbios do sono, toxicodependencia

Share|

5 comments:
Excelente post! Sua observação sobre a medicação como primeira escolha é bastante pertinente, infelizmente nossa cultura ocidental vive a sonhar com uma "pilula da felicidade" como solução para os

problemas que podem, muitas vezes, ser resolvidos somente com uma mudança de habito de vida. Inclusive nos casos em que a medicação se faz necessaria, a mesma n trará uma eficácia consistente sem tais "higienes" nos hábitos de vida.

Advertências e Precauções [3;8;17;37] · Não fumar durante o tratamento, pois o tabagismo diminui os níveis sanguíneos de alprazolam. · Tolerância: pode ocorrer alguma diminuição da eficácia do efeito de alprazolam após o uso repetido ao longo de algumas semanas. · Dependência: o uso do alprazolam pode levar ao desenvolvimento de dependência física e psíquica. O risco de dependência aumenta com a dose e duração do tratamento; é também maior nos doentes com história de alcoolismo ou de toxicodependência. No entanto, também há risco de dependência mesmo após um curto prazo de utilização de alprazolam nas doses recomendadas. · Quando se desenvolve dependência, a interrupção brusca pode ser acompanhada por síndrome de privação manifestando-se através dos sintomas referidos anteriormente. Por isso, a utilização prudente e a redução gradual são necessárias. · A interrupção ou redução da dose abrupta pode originar convulsões. O risco de convulsões parece ser maior nas 24 a 72 horas após a retirada do fármaco. · Sintomas interdose: sintomas de síndrome de privação podem também aparecer no intervalo entre as doses tais como ansiedade matinal e outros sintomas que foram relatados em doentes com transtorno de pânico. Estes sintomas podem reflectir o desenvolvimento de tolerância ou então que o intervalo entre as tomas é maior do que o tempo de acção terapêutica. Nestes casos recomenda-se dividir a dose diária em mais administrações por dia. · Amnésia: o alprazolam pode induzir amnésia anterógrada. Isto ocorre, mais frequentemente, várias horas após a ingestão do fármaco. Para reduzir este risco, o doente deverá dormir 7 a 8 horas ininterruptas. · As benzodiazepinas não devem ser administradas isoladamente no tratamento da depressão ou da ansiedade associada à depressão, pois podem levar ao suicídio. · Mania: foram descritos episódios de mania e hipomania em doentes com depressão que tomam alprazolam. · Lactantes: a lactação não deve ser efectuada por mães que consumam alprazolam, pois este é excretado no leite, havendo o risco do bebé perder peso e ficar com letargia. · Doentes com insuficiência respiratória crónica: a dose deve ser mais baixa, devido ao risco de depressão respiratória. Há casos raros de doentes com doença pulmonar crónica que morreram logo após o inicio do tratamento.

· Doentes com insuficiência hepática grave: o alprazolam está contra-indicado pois há risco de desenvolver encefalopatia. · O alprazolam deve ser usado com precaução em doentes severamente deprimidos com pensamentos suicidas. Nestes não se deve permitir o acesso a grandes quantidades de fármaco. · Doentes com perturbações de pânico têm sido associados a estados depressivos, e a um aumento de suicídio. Portanto deverão tomar-se precauções ao utilizar doses elevadas de alprazolam nestes doentes. · Deve ter-se especial atenção às funções renal e hepática para evitar a acumulação de fármaco. · O tratamento deve ser constantemente monitorizado para avaliar a resposta ao alprazolam, e verificar se há necessidade de alterar a dose (aumentar, diminuir, ou descontinuar). · Doentes que efectuam um tratamento prolongado são aconselhados a fazer análise químicas laboratoriais periódicas (ao sangue e urina). · O doente deverá praticar métodos alternativos para ajudar a controlar a ansiedade (redução do stress, aconselhamento). Informações importantes para o paciente Para assegurar uma utilização segura e efectiva de alprazolam, os médicos devem informar ao doente o seguinte: · O alprazolam deverá ser utilizado apenas com prescrição médica! Este nunca deve ser tomado sem consentimento médico, nem compartilhado por outras pessoas ou comprados fora da farmácia (na internet) pois não há garantias de segurança e qualidade. · O doente deve seguir a terapêutica prescrita. Nunca deve parar ou aumentar a dose sem primeiro se informar com o médico. · Ler o folheto informativo antes de administrar o alprazolam. · Não tomar alprazolam se este for contra-indicado. · Não tomar concomitantemente alprazolam com outras substâncias que interagem com este. · Informar sempre o médico acerca de qualquer consumo actual de álcool, drogas e outros fármacos, mesmo os sem prescrição médica. O álcool não deverá ser consumido durante o tratamento com benzodiazepinas. · O alprazolam pode ser tomado independentemente das refeições. No entanto, se ocorrer indisposição gastrointestinal aconselha-se a ingerir juntamente com alimentos. · Os comprimidos devem ser deglutidos inteiros juntamente com água ou outros alimentos! Estes não devem ser esmagados, mastigados ou divididos.

· Se o paciente tomar apenas meio comprimido, deverá rejeitar a metade restante pois esta pode não se manter estável. · Não se recomenda a toma de alprazolam durante a gravidez pois há o risco de malformações congénitas. Por isso, deve informar o seu médico se está grávida ou planeia engravidar, ou se engravidou enquanto estava a tomar alprazolam, para ele descontinuar a terapêutica e/ou avaliar os riscos/benefícios de tomar este fármaco durante a gravidez. · Informe o seu médico se está a amamentar. · O alprazolam poderá causar sonolência e prejudicar os reflexos, por isso, antes de saber quais os efeitos que o alprazolam lhe causam, não deverá conduzir ou operar máquinas perigosas que requerem atenção. · Se os sintomas de ansiedade não melhorarem ou piorarem após inicio da terapêutica, ou se ocorrem sintomas adversos, deverá contactar um médico. · Não aumente a dose sem antes consultar um médico, mesmo que pense que já não está a fazer efeito. As benzodiazepinas podem causar dependência física e/ou psíquica quando não usadas como recomendadas. · Não interrompa a medicação abruptamente, ou reduza a dose sem antes consultar o seu médico, caso contrário há o risco de desenvolver síndrome de privação! Se desejar parar com a medicação, deve falar com o seu médico para fazer um plano de redução gradual da dose. · Manter fora do alcance das crianças.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->